Você está na página 1de 5

A revelação e inspiração da Escritura segundo processo de sua

formação .

The revelation and inspiration of the writing of the process their formation.

FELIPE, C. E. de F. **

RESUMO: O presente artigo tem como objetivo uma reflexão sobre o processo da revelação e
inspiração das Escrituras ou seja da Palavra de Deus, numa perspectiva trinitária .Deus é o
Autor das Escrituras. Mesmo a Bíblia sendo registrada por homens, falando do pecado do
homem, descrevendo a desobediência circunstancial de seus autores secundários, ela é
prioritariamente um livro divino. Paulo diz que .toda Escritura e inspirada por Deus. (2Tm 3.16),
indicando a sua procedência: toda a Escritura Sagrada é soprada, exalada por Deus. Esta
Palavra não foi apenas entregue aos homens, mas, foi preservada por Deus; Deus preservou
quanto ao seu registro e quanto à sua conservação .O próprio Deus trino em um ato Soberano
foi responsável pela revelação e formação de toda a Escritura em um processo progressivo ao
longo dos milhares de anos de sua formatação, concluindo assim que oque está revelado em
sua palavra só esta porque Dele partiu e não de um processo de elucidação humana.

Palavras-chave: revelação e inspiração

ABSTRACT: This article aims at a reflection on the process of revelation and inspiration from
the Scriptures, or from the Word of God, from a trinitarian perspective. God is the Author of the
Scriptures. Even the Bible being recorded by men, speaking of the sin of man, describing the
circumstantial disobedience of its secondary authors, it is primarily a divine book. Paul says that
all Scripture is inspired by God. (2 Timothy 3:16), indicating its origin: all Holy Scripture is
breathed, exalted by God. This Word was not only given to men, but was preserved by God; God
preserved its record and its conservation. The triune God Himself in a Sovereign act was
responsible for the revelation and formation of all Scripture in a progressive process over the
thousands of years of its format, thus concluding that what is revealed in his word it is only
because of His departure and not of a process of human elucidation.
Keywords: revelation and inspiration

*
Carlos Eduardo de Freitas Felipe. Discente do UNEPOS- União de Estudos e Pós-Graduação . Brasília
.DF Bacharel em Teologia .Email: carloseduardofelipe@hotmail.com
Considerações iniciais

A ideia de Revelação da palavra de Deus.


“A revelação veio ao ser humano por vários meios, inclusive visões (At 10.10), anjos
(Dn 10.10-14), sonhos (Gn 37; Gn 41), milagres (Lc 7.22), a intervenção de Deus na história (Dt
17-19), palavras ditadas verbalmente por Deus (Lv 1.1; 1 Rs 9.3), a inspiração dos profetas e
apóstolos, o próprio texto das Escrituras (2Tm 3.15-17; 2Pe 1.20-21) e na pessoa de Jesus
Cristo (Ef 2.20;Hb 1)”. 1

“O elemento comum em todos os casos e que a revelação sempre desemboca na


comunicação de conteúdo racional: doutrina, mandamentos, princípios morais, profecias sobre
eventos vindouros, relatos de eventos históricos, etc. Junto com as intervenções de Deus
sempre vem a interpretação”.

“A revelação na Bíblia jamais e apenas uma experiência inefável, mística e sem


conteúdo racional. A essência da revelação e o fato de que ela e comunicação racional entre
mentes racionais. Em todos os casos as pessoas que tiveram encontros com Deus eram
capazes de comunicar as outras a natureza e o conteúdo do encontro.”

Mesmo assim, o proposito da revelação não e apenas a divulgação de informações,


como se fosse uma enciclopédia que existe só para satisfazer a curiosidade intelectual do
homem. A finalidade da revelação especial e a redenção. O conhecimento de Deus e racional e
intelectual, mas acima de tudo, e pessoal. O proposito da revelação e que a pessoa tenha um
relacionamento pessoal com Deus.

Para cumprir esse propósito, Deus se revelou supremamente na pessoa de Jesus


Cristo. A revelação de Deus em Cristo e a encarnação de Deus na pessoa de Cristo são dois
lados da mesma moeda. Para se revelar na forma mais relevante as necessidades do ser
humano, Cristo Jesus, o eterno Filho de Deus, tomou-se homem.

1
FERREIRA, F. (2007). Teologia Sistematica : Uma analise biblica , e apologetica para o contexto atual.
Sao Paulo: Vida Nova.
A ideia Bíblica de inspiração
A palavra inspirar e suas variantes parecem ter entrado no senário linguístico por
volta do séc. 14. em um número considerável de significados, físicos e metafóricos ,seculares e
religiosos. As variantes foram multiplicadas e suas aplicações estendidas durante o passar dos
anos até que adquirissem um uso muito amplo e variado. O substantivo ''inspiração'' , embora já
estivesse em uso no séc.14, não aparece ocorrer em nenhum outro sentido a não ser o
teológico. Até o final do séc. 16. o sentido especificamente teológico de todos esses termos é
regulado, é claro, por seu uso na teologia latina e isto se deve em ultima instância ,ao seu
emprego na Bíblia latina. 2

“No desenvolvimento de uma nomenclatura teológica, porém, eles adquiriram um


sentido técnico com referência aos escritores da Bíblia ou aos livros bíblicos . Os livros bíblicos
são chamados inspirados como produto divinamente determinados de homens inspirados, Os
escritores bíblicos são chamados inspirados como soprados pelo Espírito Santo , de modo que o
produto das suas atividades transcende os poderes humanos e se torna divinamente
autorizativo’.

A inspiração é, portanto, geralmente definida como uma influência sobrenatural


exercida sobre os escritores sagrados pelo Espírito de Deus, em virtude do qual a confiabilidade
divina é dada aos seus escritores. Dizer que cada parte dessa Sagrada Escritura é inspirada por
Deus e dizer que todo o conjunto da Sagrada Escritura é inspirado por Deus é ,para o assunto
principal , a mesma coisa . Tampouco existe grande diferença entre dizer que ela é, em todas as
suas partes ou em toda a sua extensão, por causa da inspiração de Deus, também útil.

Em ambos os casos, declara-se que essas Sagradas Escrituras devem seu valor e
sua origem divina. e em ambos os casos a sua origem divina é preferível parece ser, ''toda a
Escritura por ser inspirada por Deus também é útil''. Nesse caso, o que o apostolo afirma é que
as Sagradas Escrituras, em todas as suas várias passagens é produto do sopro criador de Deus
e por causa de sua origem divina ,ela tem valor supremo para todos os propósitos santos.

Deve-se observar que o apostolo Paulo em 2Tm3:16; não para aqui para nos dizer
quais livros específicos entram na coleção que ele chama de Sagradas Escrituras ou por quais
operações precisas Deus os produziu. Nenhum desses assuntos entrou no assunto que ele
estava tratando no momento. Foi o valor das escrituras e a fonte de tal valor em sua origem
divina que ele precisou afirmar neste no momento e é exatamente isso que ele afirma, deixando
para outras ocasiões. Quaisquer outros fatos a elas que ele bem poderia enfatizar.

Também deve-se observar que o apostolo não nos diz que aqui tudo o que as
Escrituras são uteis por causa de sua origem divina. Ele fala simplesmente a respeito do que
estava tratando naquele momento e lembra a Timóteo o valor que essas Escrituras ,em virtude
de sua origem divina, tem para o “homem de Deus “ Seu poder espiritual, como inspirada por
Deus ,é tudo o que ele tinha a mencionar aqui. Independente de outras qualidades que ela
possa ter por causa de sua origem divina ,ele deixa tratar deste tema em outra ocasião .

2
Warfiel, B. (2010). A inspiraçao e a autoridade da Biblia . Sao Paulo : Cultura Cristã.
Ainda pensando um pouco sobre este conceito o termo “inspirar “, naturalmente ,dá a
entender que ha um fôlego ou espirito dentro . Dizemos que a música é inspirada porque ela
eleva o espírito dentro de nós .Mas o uso mais antigo da palava 2Tm3.16:''Toda a Escritura é
inspirada por Deus'' , no sentido em que o Espirito Santo trabalhou na produção da Bíblia . O
Espirito de Deus estava dentro dos autores que a produziram . Em palavras simples , a igreja
cristã tem crido .ao longo dos séculos ,que a Bíblia foi produzida por Deus ,''respirada por
Deus'', mas como a palavra ''inspiração'' é usada com diferentes sentidos até nos meios
teológicos ,torna-se necessário agora qualificar o termo para indicar especificamente o que um
homem quer dizer quando afirma crer na ''inspiração''da Bíblia. Numa geração passada ,a
palavra ''plenária '', com o significado de ''cheia'', era usada como adjetivo qualificativo para
indicar a crença de que a Bíblia era ''completamente inspirada'' . Essa é a terminologia usada
por Charles Hodge na sua conhecida Teologia Sistemática do século 19. Ele quis dizer com isso
que a Bíblia é toda de Deus ;é a Palavra de Deus in toto , e não há mistura nenhuma de erro
humano na sua produção. O mesmo fato é agora expresso de outras maneiras ,muitas vezes,
porque a expressão de Hodge às vezes tem sido interpretada como significando apenas que
todas as partes da Bíblia ,de Gênesis a Apocalipse ,foram de alguma forma produzidas com a
ajuda de Deus ,mas não são todas ,necessariamente , de verdade divina absoluta . Para
ipreservar o conceito mais antigo , a expressão ''inspiração verbal '' ou ''inspiração plenária

verbal '' veio a ser para declarar que Deus dirigiu até a própria escolha das palavras no Santo
Volume .de maneira que pode ser dito verdadeiramente que a Palavra de Deus é sem mistura
de erro humano. Isso também pode ser expresso insistindo-se que a Bíblia é '' verdade de
começo a fim '' ou especificando que é sem erro de ''fato ,doutrina ou juízo''.
A ideia de ''inspiração verbal ''foi rejeitada por muitos teólogos do ultimo meio século
.Naturalmente rejeitar qualquer verdade é privilégio de qualquer homem . Há poucos ensinos
que não foram negados por ninguém ! Mas parece muitíssimo desastroso que a doutrina da
inspiração verbal tenha sido,em dias recentes não somente rejeitada ,como também mal
entendida,depois caricaturada ,caluniada ,e ostentada para ser atacada como se matá-la
significasse prestar um serviço a Deus . No momento ,tudo oque queremos fazer é definir a
doutrina . O apoio a ela vem depois .

+
i