Você está na página 1de 2

desfeito, quando é difícil obter sua satisfação ou

CENTRO ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO EM TEMPO INTEGRAL


HENRIQUE COUTINHO
Curso: Ensino Médio Regular 1º Trimestre Data: 12/03/2018 Valor: 9
Disciplina: FILOSOFIA Professor: WEBER DE ALMEIDA JANUARIO
Nome: Série: 3º ano Turma: Nota:

P R O V A
Tipo de Avaliação:

1) A felicidade é, portanto, a melhor, a mais nobre e a parecem geradores de dano.


mais aprazível coisa do mundo, e esses atributos não EPICURO DE SAMOS. “Doutrinas principais”. In: SANSON,
devem estar separados como na inscrição existente em V. F. Textos de filosofia. Rio de Janeiro: Eduff, 1974.
Delfos “das coisas, a mais nobre é a mais justa, e a No fragmento da obra filosófica de Epicuro, o homem
melhor é a saúde; porém a mais doce é ter o que tem como fim
amamos”. Todos estes atributos estão presentes nas a) alcançar o prazer moderado e a felicidade.
mais excelentes atividades, e entre essas a melhor, nós a b) valorizar os deveres e as obrigações sociais.
identificamos como felicidade. c) aceitar o sofrimento e o rigorismo da vida com
ARISTÓTELES. A Política. São Paulo: Cia. das Letras, 2010. resignação.
Ao reconhecer na felicidade a reunião dos mais d) defender a indiferença e a impossibilidade de se
excelentes atributos, Aristóteles a identifica como atingir o saber.
a) busca por bens materiais e títulos de nobreza.
b) plenitude espiritual e ascese pessoal. 5. (Uem 2013) “Acostuma-te à ideia de que a morte para
c) finalidade das ações e condutas humanas. nós não é nada, visto que todo bem e todo mal residem
d) conhecimento de verdades imutáveis e perfeitas. nas sensações, e a morte é justamente a privação das
e) expressão do sucesso individual e reconhecimento. sensações. A consciência clara de que a morte não
significa nada para nós proporciona a fruição da vida
2) "Nenhum jovem deve demorar a filosofar, e nenhum efêmera, sem querer acrescentar-lhe tempo infinito e
velho deve parar de filosofar, pois nunca é cedo demais eliminando o desejo de imortalidade. Não existe nada de
nem tarde demais para a saúde da alma. Afirmar que a terrível na vida para quem está perfeitamente
hora de filosofar ainda não chegou ou já passou é a convencido de que não há nada de terrível em deixar de
mesma coisa que dizer que a hora ainda não chegou ou viver. É tolo, portanto, quem diz ter medo da morte, não
já passou; devemos, portanto, filosofar na juventude e porque a chegada desta lhe trará sofrimento, mas
na velhice para que enquanto envelhecemos porque o aflige a própria espera.”
continuemos a ser jovens nas boas coisas mediante a (Epicuro, Carta sobre a felicidade [a Meneceu]. São
agradável recordação do passado, e para que ainda Paulo: ed. Unesp, 2002, p. 27. In: COTRIM,
jovens sejamos ao mesmo tempo velhos, graças ao G. Fundamentos da Filosofia. SP: Saraiva, 2006, p. 97).
destemor diante do porvir. Devemos então meditar A partir do trecho citado, é correto afirmar que
sobre tudo..." (Epicuro Carta de Epicuro a Menoiceus). 01) a morte, por ser um estado de ausência de sensação,
Para Epicuro, como se expressa na Carta a Meneceu, o não é nem boa, nem má.
objetivo da filosofia é: 02) a vida deve ser considerada em função da morte
a) A felicidade do homem. certa.
b) A imparcialidade diante das decisões tomadas pelos 04) o tolo não espera a morte, mas vive apoiado nas suas
homens. sensações e nos seus prazeres.
c) A areté própria do homem. 08) a certeza da morte torna a vida terrível.
d) O gozo imoderado dos prazeres mundanos. 16) a espera da morte é um sofrimento tolo para aquele
e) Estabelecer, refutar e defender argumentos tirados da que a espera.
bíblia. Soma = 17

3) Para Platão a alma é composta de duas partes? 6) O homem, em seu contexto de vida, depara-se com
A) Sim, parte raciona e parte irracional objetos, coisas, vegetais, animais. Pela sua razão e
b) Não, a alma é tripartida vontade, impõe-se e domina soberano. Cria
c) Não a alma possui uma única parte. instrumentos visando à sobrevivência e facilitando sua
vida. Distingue-se, radicalmente, da realidade que o
4) Alguns dos desejos são naturais e necessários; outros, rodeia. Em seu horizonte de conhecimentos, estão as
naturais e não necessários; outros, nem naturais nem coisas com as quais não se confunde. Essa clara distinção
necessários, mas nascidos de vã opinião. Os desejos que lhe faz emergir a consciência de si, do seu ser, do seu
não nos trazem dor se não satisfeitos não são poder, de sua liberdade.
necessários, mas o seu impulso pode ser facilmente
GIRARDI, Leopoldo e QUADROS, Odone. Filosofia –
Aprendendo a Pensar, 1998, p. 53.
Com relação a esse assunto, analise os itens a seguir:
I.O homem é um ser diferenciado no mundo dos viventes,
principalmente porque indaga sobre sua própria
natureza e se coloca como objeto de discussão.
II.Nada se compara à natureza humana. O homem que
somos parece a própria evidência e é, entretanto, a mais
enigmática dentre as coisas.
III.Todos os homens têm, por natureza, desejo de conhecer.
Na invenção e no uso de instrumentos, de sinais e
símbolos de toda sorte, satisfazemos o desejo de
conhecer, porque nos aproximamos do desconhecido no
já conhecido.
IV.A ação humana sobre a natureza, impregnada pela
intenção subjetiva, é a primeira forma de práxis dos
homens e se configura originariamente como trabalho,
ou seja, ação transformadora sobre a natureza para
arrancar dela os meios da sobrevivência.
V.Por meio do trabalho e da prática social, os homens
desenvolvem relações com a natureza e por intermédio
da prática simbolizadora, pela qual criam e lidam com
signos, desenvolvem relações no âmbito do mundo
objetivo.
Estão CORRETOS, apenas,
a) II, III e IV.
b) I, III e IV.
c) II, III, IV e V.
d) I, IV e V.
e) I, II, III e IV.

7) Por meio dessa reflexão, é possível perceber que há,


sim, elementos naturais na constituição humana. Por
outro lado, porém, os elementos culturais são tão
importantes que moldam o mundo e o homem para
novas experiências .É correto afirmar que:
a) O homem é o único animal cultural e instintivo
b) O instinto está ausente no homem, sendo ele, por isso,
apenas cultural.
c) Animal cultural, o homem abre mão do instinto para
sobreviver melhor
d) Não há relação entre instinto e mundo cultural; dessa
forma, o homem não se relaciona com outros animais
8) O homem nasce humano ou se torna humano?
justifique.