Você está na página 1de 5

Introdução

O presente trabalho visa apresentar a atividade de pesca da baleia realizada no arquipélago dos
Açores desde o início do século XVII, bem como, os aspetos relacionados com a indústria
baleeira.

Para tanto faz-se necessário compreender as especificidades presentes na prática dessa


atividade comercial, num período onde as características que norteavam a América portuguesa
pautavam-se em peculiaridades típicas de uma atividade piscatória.

Também não podemos deixar de questionar o caráter marginalizador que alguns produtos,
derivados da baleia, possuíam, bem como a prática da atividade baleeira em si.

Contudo, antes de apresentarmos a disposição dos capítulos é importante compreendermos a


escolha do tema.

Muitas são as discussões acerca da diversidade de produtos existentes e comercializados nos


Açores. Também é incontestável a relevância das contribuições historiográficas, principalmente
a partir da década de , começando a abordar a autonomia do mercado externo,
relativizando o conceito

Porém, diversos são os trabalhos que se debruçam no século XVII e quando o fazem, na maioria
das vezes, relacionam-se ao estudo dos

A preocupação central desta pesquisa é a de fazer um levantamento das peculiaridades que


envolviam a pesca da baleia em seus primórdios. Saber quem eram as pessoas que atuavam
nesse setor, por que se interessaram por essa atividade, como ela era realizada e por que as
pesquisas sobre o tema, até então, somente abrangiam a segunda metade do século XVIII. Mas,
antes dessas questões serem aprofundadas, precisamos compreender melhor o mamífero
marinho que despertou o interesse dos homens açorianos.

-As baleias

Desde tempos remotos as baleias exercem um enorme fascínio sobre os homens. Lendas e
histórias já eram contadas em desenhos feitos nas paredes das cavernas por Hominídeos, que
viam estes animais como monstros. Na Antiguidade os gregos criaram algumas lendas e mitos
inspirados nestes animais.

Segundo Plutarco “qualquer coisa que chegue ao caos da boca deste monstro, seja animal, barco
ou pedra, desce imediatamente por aquela repugnante goela e perece a voragem sem fundo de
seu ventre”.6 A Bíblia, no Gênesis, traz referências às baleias: “E Deus criou as grandes Baleias”.

Tempos depois, com a expansão marítima europeia, mitos sobre esses gigantes dos oceanos
multiplicaram-se.

A Biologia classifica os cetáceos, nome científico dado ao grupo das baleias, golfinhos, botos e
outros mamíferos exclusivamente aquáticos, em dois grupos: os Odontocetos, que
compreendem as baleias com dentes, como as Orcas; e os Misticetos, que reúnem os cetáceos
com barbatana. As barbatanas não são nadadeiras, são placas de fibras, localizadas no lugar dos
dentes, na parte superior da boca, que são utilizadas para captura de animais planctónicos de
que se alimentam. Com a boca cheia de plâncton, a baleia expele a água que sai por entre as
barbatanas que funcionam como filtro, retendo os pequenos animais para a ingestão. A origem
dos cetáceos ainda é indeterminada. No entanto, estima-se que as espécies mais recentes já
existiam há quatro ou cinco milhões de anos e as primitivas há 30 milhões.

A forma hidrodinâmica do seu corpo resultou de uma adaptação para a locomoção na água. O
formato alongado ajuda a diminuir o atrito com o meio líquido. A ausência de pelos e o aumento
da camada de gordura que envolve o corpo do animal atinge uma espessura de 20 a 50
centímetros, mantendo a temperatura do corpo. Outra adaptação foi a migração das narinas
para o topo da cabeça, o que possibilita o animal respirar sem precisar colocar o focinho fora da
água. O esguicho de água que se pode ver saindo do topo da cabeça dos cetáceos é, na verdade,
vapor de água oriundo da respiração, que se liquidifica graças à pressão e o choque térmico
resultante do encontro do vapor húmido e quente da respiração com o ar exterior.

As maiores fontes de alimentos dos cetáceos se concentram nos pólos. Durante o verão austral
– de novembro a abril – permanecem nas águas do Pólo Sul, mais fértil em matérias orgânicas
que as zonas tropicais. Com a aproximação do inverno em abril as baleias migram para os
trópicos, e ali encontram lugar e tempo propícios para a procriação. Daí não se afastam
enquanto suas crias não estiverem prontas para acompanhá-las, revelando uma grande ligação
entre elas e seus filhotes. As baleias são capazes de produzir leite com 50% de teor de gordura,
o que faz o filhote ganhar rapidamente uma camada espessa de gordura que funciona como
isolante térmico, dando condições para acompanhar a rotina de seus pais nas águas polares
durante o período de alimentação. O baleote, como é chamado o filhote, nasce depois de 12
meses de gestação, torna-se adulto aos vinte e cinco meses e atinge uma longevidade que varia
de 30 a 80 anos, dependendo da espécie.

- O período em estudo

Uma das grandes dificuldades na elaboração deste trabalho foi a diversidade de estudos que
abordassem a temática da pesca da baleia no Arquipélago dos Açoresl durante o século XIX.
Muitos são os historiadores açorianos que desde a década se veem dedicando a este assunto.
A historiadora

Os estudiosos priorizaram os aspetos económicos e tributários dos contratos. preocupação em


relacionar contratos e contratadores com os aspetos sociais existentes no Império português
somente ganhou força nos anos 90.16 Os trabalhos mais recentes sobre o assunto percebem na
lógica da arrematação dos contratos, o estabelecimento de uma hierarquia mercantil.

Com a dinâmica dos estudos e produções acadêmicas recentes, percebemos o quão importante
é a percepção do todo, frente aos particularismos pesquisados. As trajetórias individuais19 e as
redes formadas pelos indivíduos analisados são fundamentais para que valorizemos as
especificidades existentes no cotidiano dos açorianos.
Foi neste contexto de transformações que a atividade baleeira se desenvolveu, sobretudo a
partir do século. Os primeiros acordos firmados entre a e os da pesca da baleia ocorreram
no período da , ou seja, os contratos tinham características políticas similares às
estabelecidas. Contudo, a intensificação das relações comerciais que envolviam a pesca das
baleias ocorreram a partir da segunda metade do , principalmente na

- A pesquisa

em função do excessivo número de fontes a consultar que abrangessem uma territorialidade


tão grande e num curto espaço de tempo, além disso, no decorrer da transcrição do material fui
me desinteressando pelo assunto, pois a relação principal que gostaria de abordar não estava
presente nas fontes - as relações comerciais que faziam com que os homens das elites locais

motivado pelo levantamento historiográfico que havia feito sobre , decidi me dedicar apenas
a esta região. Com o decorrer da pesquisa deparei-me com o fato de que a principal atividade
econômica do Açores era a pesca da baleia, então, concentrei esforços em fazer um
levantamento de fontes que abordassem o assunto para que eu pudesse trabalhar a relação
desta atividade com o desenvolvimento da freguesia no século XVII.

No tocante às fontes utilizadas para compor esse trabalho, foram extraídas basicamente de três
arquivos.

Nesses documentos tive a oportunidade de pesquisar sobre alguns contratos vigentes na


Empresa durante o século , como o contrato dos , . Também foi através desses
manuscritos que tive acesso a algumas cartas comerciais, com determinações do e do para
os administradores. Além das correspondências enviadas à empresa acerca de embates com
os contratadores da pesca da baleia que atuavam na cidade.

Trata-se de um conjunto de manuscritos avulsos referentes à

Assim, esse levantamento foi de grande valia para a elaboração dos capítulos 2 e 3 deste
trabalho.

- Sobre os capítulos

Quanto à disposição dos capítulos que compõem esta pesquisa, estão divididos da seguinte
forma:
Nesse sentido, é importante o destaque sobre as perspectivas sócioeconômicas de Max Weber
e Fernand Braudel, no que tange às definições de comerciantes para um período anterior a
segunda metade do século XVIII. Em suas obras, esses autores demonstraram a importância da
contextualização da sociedade que está sendo analisada, bem como, a do perfil dos personagens
envolvidos no universo dos negócios. Com a ajuda desses autores foi possível apreender a forma
como os homens envolvidos com o comércio eram vistos dentro da sociedade e que destaques
alcançavam a partir desta percepção social.

Max Weber define o capitalista moderno pelo caráter ético e por seu posicionamento frente às
mudanças, fazendo do burguês um agente social da “cultura moderna”, com um espírito do
capitalismo, mas para ele essas características somente se apresentam após 1850. Segundo
Weber, os comerciantes atacadistas são os predecessores do capitalista moderno, e se opõem
aos comerciantes de retalho ou pequenos negociantes.

Seguindo a mesma lógica, Fernand Braudel também considera o negociante atacadista o grande
diferencial na economia de mercado, porque este é o agente da diversificação e da grande
circulação das mercadorias – o “jogo das trocas”. Esses comerciantes grossistas vão se destacar
a partir do século XVIII e, segundo Braudel, serão os intermediários entre os produtores e os
consumidores; seu diferencial residirá no fato de terem o monopólio da informação, fator de
destaque numa economia baseada na circulação. Por isso, Braudel considera esses negociantes
de grosso os “agentes da transformação econômica”, responsáveis por organizar o mercado.
Para ele, esses negociantes são polivalentes, estando ligados ao crédito e à usura e sendo
responsáveis por impulsionar o capitalismo moderno, ocupando o topo da hierarquia social e
submetidos apenas ao Estado. Para Braudel essa hierarquização mercantil ocorre na Europa, a
partir da segunda metade do século XVIII.

Max Weber. A Gênese do Capitalismo Moderno. Organização e comentário de Jessé Souza.


Tradução Rainer Domschke. São Paulo: Ática, 2006. 34 Fernand Braudel. Civilização Material,
Economia e Capitalismo. Séculos XV-XVIII. Os Jogos das Trocas. Capítulos I e IV. Lisboa, Teorema,
sd.

No que se refere aos pesquisadores brasileiros, a produção da década de 1990, é rica em


exemplos da diversidade de apropriações destes termos.

Contudo, as influências teóricas de cada autor são fatores que devem ser considerados, pois
incidem no modo como o agente, ou “negociante de grosso”, vai se apresentar na sociedade
para cada pesquisador. Para o historiador João Fragoso, por exemplo, os negociantes coloniais
somente podem ser definidos como “homens de grosso trato” a partir do século XIX, quando o
processo capitalista está finalizado. Seu referencial é Karl Marx, autor que afirmava para os
períodos anteriores ao século XIX, a existência de uma sociedade pré-capitalista, portanto, sem
redes comerciais definidas.

Ao tentar compreender os negociantes da capitania do Rio de Janeiro - principalmente em


meados dos seiscentos - acredito ser apropriado o uso dos conceitos e definições do capitalismo
comercial aos moldes braudelianos e weberianos, para a arrematação do contrato da pesca da
baleia; tendo em vista que, neste período, já se tratava de uma atividade bem organizada. No
porto da arrematação ficavam as fábricas com fornalhas para queima da gordura, tanques para
o armazenamento de óleo, as casas dos principais contratantes, com suas respetivas senzalas, a
capela, enfim, toda uma estrutura construída a partir de precedentes econômicos,
disponibilizados pelo comércio do azeite de peixe.