Você está na página 1de 5

UFRGS

ECONOMIA INTERNACIONAL I - 2019/1

Trabalho 4

“Testando a hipótese de que as estruturas de


vantagens/desvantagens relativas de custos se revelam nos
padrões de comércio dos países”

Alunos: Angelo Delamare e Maria Clara De Franceschi Bandeira


Matrículas: 00287871 e 00287878
o Parte 1: intepretação teórica do IDER (Índice de Desempenho Relativo
Exportador Relativo) modificado

O IDERij modificado varia entre -1 e +1, com um valor neutral em 0. A


intepretação teórica é a seguinte:
0 < IDERij  1  o país j tem vantagem exportadora relativa no produto i
no comércio mundial.
0 > IDERij ≥ - 1  o país j tem desvantagem exportadora relativa no produto
i no comércio mundial
IDERij = 0  a participação do país j nas exportações mundiais de i é
exatamente equivalente à participação do total de suas exportações nas
exportações mundiais totais (ausência de vantagem ou desvantagem
comparativa para o país j no comércio mundial de i).

o Parte 2: tabulação dos números e resultados

Conforme instruções da atividade, abaixo encontram-se as tabelas com as


participações relativas dos produtos e dos países da amostra, conjuntamente com o
resultado do IDER e do IDER modificado.

- Tabela 1: participação relativa dos produtos nas exportações totais dos países;
- Tabela 2: participação relativa dos produtos nas exportações totais mundiais;
- Tabela 3: números do IDER para cada país em questão;
- Tabela 4: números do IDER modificado para cada país em questão.

Participação Relativa dos produtos nas exportações de seus determinados países

PRODUCT GROUP Brasil Nigéria China EUA França Chile Finlândia


Raw materials 44% 82% 2% 10% 5% 47% 3%
Animal 7% 0% 1% 2% 3% 9% 1%
Chemicals 5% 0% 5% 10% 15% 4% 5%
Food Products 12% 1% 1% 3% 7% 6% 1%
Footwear 1% 0% 3% 0% 1% 0% 0%
Fuels 10% 96% 2% 9% 3% 1% 1%
Machines and Electrical 8% 0% 43% 23% 19% 2% 21%
Metals 7% 0% 0% 4% 7% 27% 14%
Minerals 11% 0% 0% 1% 0% 28% 1%
Miscellaneous 1% 0% 11% 11% 7% 0% 11%
Plastic or Rubber 3% 0% 4% 5% 5% 1% 4%
Stone and Glass 2% 0% 3% 5% 3% 1% 2%
Textiles and Clothing 1% 0% 11% 2% 3% 1% 1%
Transportation 9% 1% 5% 17% 20% 1% 10%
Vegetable 18% 1% 1% 5% 3% 9% 1%
Wood 5% 0% 2% 3% 2% 8% 20%
ALL PRODUCTS 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100%

(Tabela 1)
Participação Relativa dos produtos nas
exportações mundiais
PRODUCT GROUP MUNDO
Raw materials 9%
Animal 2%
Chemicals 10%
Food Products 3%
Footwear 1%
Fuels 9%
Machines and Electrical 26%
Metals 7%
Minerals 1%
Miscellaneous 9%
Plastic or Rubber 4%
Stone and Glass 5%
Textiles and Clothing 4%
Transportation 12%
Vegetable 3%
Wood 2%
ALL PRODUCTS 100%

(Tabela 2)

Índice de Desempenho Exportador Relativo - IDER

PRODUCT GROUP Brasil Nigéria China EUA França Chile Finlândia


Raw materials 4,6 8,7 0,2 1,1 0,6 5,0 0,3
Animal 3,4 0,1 0,4 0,9 1,3 4,3 0,5
Chemicals 0,5 0,0 0,5 1,0 1,5 0,4 0,5
Food Products 3,3 0,3 0,4 0,8 2,1 1,8 0,3
Footwear 0,7 0,0 3,2 0,1 0,9 0,2 0,2
Fuels 1,1 11,3 0,2 1,1 0,3 0,1 0,1
Machines and Electrical 0,3 0,0 1,6 0,9 0,7 0,1 0,8
Metals 1,1 0,0 0,0 0,7 1,0 4,0 2,0
Minerals 8,1 0,1 0,1 0,5 0,2 21,6 0,7
Miscellaneous 0,1 0,0 1,2 1,3 0,8 0,0 1,2
Plastic or Rubber 0,6 0,1 0,9 1,1 1,2 0,3 1,0
Stone and Glass 0,5 0,0 0,6 1,0 0,5 0,3 0,3
Textiles and Clothing 0,3 0,0 2,8 0,4 0,7 0,2 0,2
Transportation 0,7 0,0 0,4 1,4 1,6 0,1 0,8
Vegetable 5,4 0,2 0,3 1,4 1,0 2,9 0,2
Wood 2,1 0,0 0,7 1,0 0,9 3,2 8,3
ALL PRODUCTS 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0

(Tabela 3)
Índice de Desempenho Exportador Relativo MODIFICADO - IDERm

PRODUCT GROUP Brasil Nigéria China EUA França Chile Finlândia


Raw materials 0,6 0,8 -0,7 0,0 -0,3 0,7 -0,5
Animal 0,5 -0,9 -0,5 -0,1 0,1 0,6 -0,3
Chemicals -0,4 -0,9 -0,3 0,0 0,2 -0,4 -0,4
Food Products 0,5 -0,5 -0,4 -0,1 0,3 0,3 -0,5
Footwear -0,2 -0,9 0,5 -0,7 0,0 -0,6 -0,6
Fuels 0,1 0,8 -0,7 0,0 -0,5 -0,8 -0,8
Machines and Electrical -0,5 -1,0 0,2 -0,1 -0,2 -0,9 -0,1
Metals 0,0 -0,9 -1,0 -0,2 0,0 0,6 0,3
Minerals 0,8 -0,8 -0,8 -0,4 -0,7 0,9 -0,2
Miscellaneous -0,8 -1,0 0,1 0,1 -0,1 -0,9 0,1
Plastic or Rubber -0,3 -0,9 0,0 0,1 0,1 -0,6 0,0
Stone and Glass -0,3 -1,0 -0,2 0,0 -0,3 -0,5 -0,5
Textiles and Clothing -0,6 -1,0 0,5 -0,4 -0,2 -0,7 -0,6
Transportation -0,2 -0,9 -0,5 0,2 0,2 -0,8 -0,1
Vegetable 0,7 -0,7 -0,5 0,2 0,0 0,5 -0,7
Wood 0,4 -0,9 -0,2 0,0 0,0 0,5 0,8
ALL PRODUCTS 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0

(Tabela 4)

o Parte 3: análise dos resultados obtido via IDER modificado

Conforme a explicação da parte 1, o país tem vantagem exportadora relativa no


produto se o valor do IDER modificado for maior que zero e menor e igual a um. Caso o
valor seja menor que zero e maior e igual a menos um, então os país tem desvantagem
exportadora relativa no produto. Por fim, caso o valor seja zero, o país não tem vantagem
nem desvantagem exportadora relativa no produto.

Dito isso, conforme a Tabela 4, o Brasil tem vantagem exportadora relativa nos
seguintes produtos: raw materials, animal, food products, fuels, minerals, vegetable e
wood. Em metals o país não tem vantagem nem desvantagem, nos demais produtos ele
tem desvantagem exportadora relativa. Pela teoria ricardiana, a explicação é que o país
tem uma vantagem comparativa nesses bens, pois os custos de oportunidade da produção
desses bens em relação aos demais é mais baixo nesse país do que em outros. Pela teoria
Heckscher-Ohlin, a explicação é que o país é abundante em recursos naturais e esses são
bens recursos naturais-intensivos.
A Nigéria tem vantagem exportadora relativa nos seguintes produtos: raw
materials e fuels. Nos demais ela tem desvantagem exportadora relativa. Pela teoria
ricardiana, a explicação é que o país tem uma vantagem comparativa nesses bens, pois os
custos de oportunidade da produção desses bens em relação aos demais é mais baixo nesse
país do que em outros. Pela teoria Heckscher-Ohlin, a explicação é que o país é abundante
em recursos naturais e esses são bens recursos naturais-intensivos.
A China tem vantagem exportadora relativa nos seguintes produtos: footwear,
machines and electrical, miscellaneous e textiles and clothing. Em plastic or rubber o
país não tem vantagem nem desvantagem, nos demais produtos ele tem uma desvantagem
exportadora relativa. Pela teoria ricardiana, a explicação é que o país tem uma vantagem
comparativa nesses bens, pois os custos de oportunidade da produção desses bens em
relação aos demais é mais baixo nesse país do que em outros. Pela teoria Heckscher-
Ohlin, a explicação é que o país é abundante em trabalho e esses são bens trabalho-
intensivos.
Os Estados Unidos têm vantagem exportadora relativa nos seguintes produtos:
miscellaneous, plastic rubber, transportation e vegetable. Em raw materials, chemicals,
fuels, stone and glass e wood o país não tem vantagem nem desvantagem, nos demais ele
tem desvantagem exportadora relativa. Pela teoria ricardiana, a explicação é que o país
tem uma vantagem comparativa nesses bens, pois os custos de oportunidade da produção
desses bens em relação aos demais é mais baixo nesse país do que em outros. Pela teoria
Heckscher-Ohlin, a explicação é que o país é abundante em trabalho e esses são bens
trabalho-intensivos. Aqui se faz necessária uma observação, o Estados Unidos com
certeza é uma das nações que tem maior estoque de capital e qualificação da mão de obra,
de modo que a explicação da teoria Heckscher-Ohlin não faz sentido na realidade.
A França tem vantagem exportadora relativa nos seguintes produtos: animal,
chemicals, food products, plastic or rubber e transportation. Em footwear, metals,
vegetable e wood o país não tem vantagem nem desvantagem, nos demais ele tem
desvantagem exportadora relativa. Pela teoria ricardiana, a explicação é que o país tem
uma vantagem comparativa nesses bens, pois os custos de oportunidade da produção
desses bens em relação aos demais é mais baixo nesse país do que em outros. Pela teoria
Heckscher-Ohlin, é complicado achar uma explicação, pois ela tem vantagem em bens
trabalho-intensivo, como food products, mas também tem vantagem em bens capital-
intensivo, como transportation, desse modo, novamente a teoria não é de grande ajuda. A
insuficiência da teoria Heckscher-Ohlin nos dois últimos casos pode ser explicada pelo
fato que ela não leva em conta as diferenças tecnológicas entre as nações.
O Chile tem vantagem exportadora relativa nos seguintes produtos: raw materials,
animal, food products, metals, minerals, vegetable e wood. Nos demais produtos o país
tem desvantagem exportadora relativa. Pela teoria ricardiana, a explicação é que o país
tem uma vantagem comparativa nesses bens, pois os custos de oportunidade da produção
desses bens em relação aos demais é mais baixo nesse país do que em outros. Pela teoria
Heckscher-Ohlin, a explicação é que o país é abundante em recursos naturais e esses são
bens recursos naturais-intensivos.
A Finlândia tem vantagem exportadora relativa nos seguintes produtos: metals,
miscellaneous e wood. Em plastic and rubber o país não tem vantagem nem desvantagem,
nos demais produtos o país tem desvantagem exportadora relativa. Pela teoria ricardiana,
a explicação é que o país tem uma vantagem comparativa nesses bens, pois os custos de
oportunidade da produção desses bens em relação aos demais é mais baixo nesse país do
que em outros. Pela teoria Heckscher-Ohlin, a explicação é que o país é abundante em
trabalho e esses são bens trabalhos-intensivos. Novamente a teoria não faz muito sentido,
pois existem na lista outros bens que são trabalho-intensivo, nos quais o país tem
desvantagem. Ademais, a Finlândia é uma nação desenvolvida, com alto padrão de vida
e pequena população, de modo, que faz muito mais sentido, na realidade, classifica-la
como capital abundante.
No que tange a teoria Heckscher-Ohlin as observações já foram realizadas
conjuntamente com a análise. Dito isso, a teoria ricardiana também não faz muito sentido
para a amostra. De acordo com seu arcabouço teórico, a produção dos bens deveria ser
restrita a um ou poucos países. Isso ocorre porque a regra de seleção são os custos de
oportunidade, os quais tendem a ser muito diferentes de uma nação para outra. Desse
modo, é pouco provável que haja muitas nações produzindo o mesmo bem.