Você está na página 1de 39

PROTEGE CONSULTORIA

Rua Osvaldo Aranha, 1386 – CEP 93025660 – Bairro São Miguel – São Leopoldo – RS
Telefones: (051) 3590-2244 – 815-95359 E-mail; atila.serdeira@brturbo.com.br
Site: www.protegeconsultoria.com.br

Téc. Responsável: Eng. Alexandre Escobar Gonçalves

CREA – RS 146415

MD - PROJETO E LAUDO TÉCNICO

SISTEMA DE PROTEÇÕES CONTRA QUEDAS DE ALTURAS

LISTA DE MATERIAIS n° 001 / 2013 – Parte 01


Elementos de estudo:

LINHA DE VIDA E RESPECTIVO SISTEMA DE APOIO


A PROTEGE CONSULTORIA, está neste ato, representada pelo
seu responsável técnico, o engenheiro Civil Alexandre Escobar Gonçalves,
CREA – RS 146415 . Sua atividade profissional está em conformidade com a
Lei Federal n°. 5. 194 de 24 de Dezembro de 1996, que regulamenta o
exercício das profissões de Engenheiros, Arquitetos e Engenheiros
Agrônomos, complementada pela Resolução n° 218 do CONFEA –
CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA.
A Lei citada atribui a emissão e Responsabilidade Técnica de laudos técnicos
única e exclusivamente a estes profissionais ou empresas constituídas,
dirigidas e orientadas pelos mesmos. Para tanto, emite o presente Projeto de
Sistemas de Proteção Contra Quedas de Altura e Laudos de Verificação
Estrutural dos elementos que se compõem.
SUMÁRIO
SUMÁRIO.................................................................................................................................... 3

LISTA DE ABREVIATURAS.................................................................................................... 4

LISTA DE FIGURAS.................................................................................................................. 5

1 INTRODUÇÃO E PREMISSAS................................................................................... 6

2 METODOLOGIA ADOTADA..................................................................................... 6

3 Sistemas de Proteção Contra Quedas de Altura na fase de estrutura de concreto da


torre...............................................................................................................................................8

3.1 Linha de vida para trabalhos durante estrutura de concreto convencional.......................8

3.1.1 Linha de vida com Cabo de Aço................................................................................ 8

3.1.2 Montantes de Apoio à Linha de Vida.........................................................................10

3.1.3 Sistema para Montagem da Forma na Periferia.........................................................13

3.1.4 Sistema para Concretagem da Laje............................................................................14

3.1.5 Sistemas para Remoção das Escoras..........................................................................15

4 VERIFICAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DOS


SISTEMAS.................................................................................................................................16

4.1 Sistemas de proteção periférica externa à edificação em balanço.............................16

4.2 Sistema de Linha de Vida..........................................................................................16

4.2.1 Linha de Vida para trabalhos durante execução de concretagem ( situação


crítica ): ..........................................................................................................................18

4.2.2 Linha de Vida para trabalhos durante montagem de forma: ............................22

4.2.3 Linha de Vida para trabalhos durante remoção do escoramento: ....................26

5 MANUTENÇÃO PREVENTIVA DOS CABOS DE


AÇO...........................................................................................................................................29

6 CONSIDERAÇÕES FINAS......................................................................................31

Art N°. ........................................................................................................................33

LISTA DE PROJETOS............................................................................................................34

INFORMAÇÕES COMPLEMETARES AO PROJETO.....................................................35


LISTA DE ABREVIATURAS

 ABNT - Associação brasileira de Normas Técnicas


 ART – Anotação de Responsabilidade Técnica
 CA – Certificado de Aprovação
 EPC – Equipamento de proteção Coletiva
 EPI – Equipamento de proteção Individual
 IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas
 PT – Permissão de Trabalho
LISTAS DE FIGURAS

Figura 1 – Detalhe da braçadeira metálica para posicionamento do cabo de aço..........................9

Figura 2 – Figura da Utilização dos grampos para união entre cabos de aço no entorno da
braçadeira. Para união das pontas dos cabos de aço devem ser adotados 3 grampos por
conjunto de cabos de aço. ..............................................................................................................9

Figura 3 – Para proteção de cabo de aço ao desgaste no contato com olhal................................10

Figura 4 – Planta baixa do montante metálico e do preenchimento com calços de madeira, a


fim de impedir a movimentação do montante metálico...............................................................11

Figura 5 – Detalhe da fixação entre montante metálico e estronca..............................................11

Figura 6 – Detalhe da fixação da estronca na laje.......................................................................12

Figura 7 – Vista lateral da situação de montagem de forma........................................................13

Figura 8 – Vista lateral da situação de concretagem da laje.........................................................14

Figura 9 – Vista lateral da situação de remoção das escoras........................................................15

Figura 10 – Carga atuante e reações.............................................................................................19

Figura 11 – Diagrama do Cortante...............................................................................................19

Figura 12 – Diagrama do Momento Fletor...................................................................................20

Figura 13 – Carga atuante e reações.............................................................................................23

Figura 14 – Diagrama do Cortante...............................................................................................23

Figura 15 – Diagrama do momento Fletor...................................................................................24

Figura 16 – Carga atuante e reações.............................................................................................26

Figura 17 – Diagrama do Cortante...............................................................................................27

Figura 18 – Diagrama do Momento Fletor...................................................................................27


1 INTRODUÇÃO E PREMISSAS

O presente trabalho vem atender a solicitação da HLAR Construções e


Incorporações Ltda., a fim de elaborar projeto e verificação estrutural de
Sistemas de Proteção Contra Quedas de Altura e verificar a estabilidade
estrutural dos conjuntos. Os sistemas em estudo estão indicados anteriormente
(página 2). A análise destes sistemas foi solicitada pelo contratante, no entanto
não exime a utilização dos demais equipamentos de segurança, tampouco seu
dimensionamento e projeto. Os elementos em questão serão instalados na
obra do edifício Frohlich Garden, localizado na Rua 1° de Março, esq. Av. Cel.
Frederico Link Q1, bairro Patria Nova, em Novo Hamburgo, RS.

A proposição de sistemas de proteção contra quedas de altura está


baseada na NR – 18, RTP 01 e demais normas técnica s de cálculo estrutural.
A análise estrutural dos sistemas e o respectivo projeto atenderão as
determinações prescritas em Normas Técnicas de Segurança provisória no
canteiro de obras e Normas de Cálculo Estrutural. A garantia do projeto é a
Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), que deverá permanecer junto
do laudo e projeto de Sistemas de Proteção Contra Quedas de Altura.

Deve – se dar especial atenção à proteção contra o contato com


instalações elétricas provisórias. A montagem dos elementos precisa ser
realizada por profissionais qualificados e com experiência. A supervisão deve
caber a profissional habilitado. A estabilidade de cada um dos elementos deve
ser garantida a partir do início da montagem dos mesmos.

Para o bom desenvolvimento do trabalho, foram solicitadas informações


a empresa contratante, que se pressupõe que estejam corretas e merecem fé.

O projeto e laudo técnico são constituídos de UMA (01) peça original,


não devendo qualquer informação parcial ou partes do laudo ser tomadas
como conclusivas.
2 METODOLOGIA ADOTADA

Os elementos a serem utilizados serão descritos geometricamente e


construtivamente, a fim de caracterizá-los. Com base nestes dados,
realizaremos análise estrutural dos mesmos, tendo como premissa o
entendimento quanto ao seu dimensionamento e normas de segurança
provisória no canteiro de obras.

Com os dados coletados e valendo-nos de métodos e teorias para o


cálculo estrutural dos elementos, preconizados pelas Normas da Associação
brasileira de Normas Técnicas, foram realizados as verificações necessárias e
o projeto específico. As normas nas quais buscamos embasamento técnico
são:

 NBR 6120 – Cargas para cálculo de estruturas e edificações;


 NBR 6494 – Segurança em Andaimes;
 NBR 7190 – Projeto de estruturas de Madeira;
 NBR 8800 – Projeto e execução de Estruturas de Aço em
Edifícios;
 NBR ISSO 11099 – Grampos Pesados para Cabo de Aço;
 NBR 5590 - Tubos de Aço Carbono;
 Portaria 3214, através da NR 18 - Condições e Meio Ambiente
do trabalho na Industria da Construção;
 RTP 01 – Medidas de Proteção Contra Queda de Altura;
 NBR 14672 - Dimensionamento de Estruturas de Aço
Constituídas por perfis formados a frio;
 Introduction to Fall Protection, J. nigel Ellis, 3rd edition, 2001
 Introduction to Horizontal Lifelines, A. C Sulowski, chapter 11
 ISO 16024 - Personal protective equipment for protection against
fall from a height – Flexible horizontal lifeline systems;
 NBR 15834/2011 – Equipamento de Proteção Individual Contra
Quedas de Altura.
3 SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS DE ALTURA NA FASE
DE ESTRUTURA DE CONCERTO DA TORRE

3.1 Linha de vida para trabalhos durante estrutura de concreto


convencional

A linha de vida é o sistema de proteção individual no qual o trabalhador


fixa seu cinto de segurança, com finalidade de suportá-lo em caso de queda. A
linha de vida para trabalho sobre laje ou forma é um sistema de Captura de
Queda (Fall Arranting System) do tipo Ativo, pois requer que o usuário se
conecte ao sistema de proteção instalado. Ela é projetada para resistir ao
impacto da queda do trabalhador.

O trabalhador que realizar atividades na periferia da laje ou forma deverá


estar dotado de cinturão tipo paraquedista (body harness) preso ao talabarte
com comprimento de 1,35m provido de absorvedor de energia. Nos pontos da
laje não atendidos pelo talabarte duplo deve ser utilizado talabarte retrátil, este
também provido de absorvedor de energia. Os equipamentos de proteção
individual (EPI) deverão ter CA (Certificado de Aprovação do Ministério do
Trabalho), válido.

As tarefas desenvolvidas com necessidade de utilização do sistema de


Linha de Vida para estrutura são concretagem da laje, montagem da forma e
remoção do escoramento. O número total de trabalhadores no nível de
trabalho é variável e os usuários estarão distribuídos ao longo do pavimento e
jamais ultrapassarão os limites estabelecidos pelo sistema. O número máximo
de trabalhadores ancorados na linha de vida é de duas (02) pessoas por vão
que irão trabalhar em pé ou agachados sobre a laje, forma ou plataforma de
trabalho. Vão é o trecho compreendido entre dois montantes de apoio.
3.1.1 Linha de Vida com Cabo de Aço

A linha de vida será composta por um (01) cabos de aço com alma de
fibra, categoria 1770, classe 6x25 e diâmetro de 16 mm (5/8”). O cabo de aço
foi dimensionado para a situação critica, ou seja, o maior vão, que equivale a
6,00 metros e força de impacto de 6kN, que é a máxima força de impacto
admitida sobre o trabalhador, conforme NBR 15834, para o primeiro
trabalhador em queda e acréscimo de 20% para o segundo trabalhador em
queda, resultando na força de impacto de 7,2kN. O peso máximo de
trabalhador com ferramentas e vestimentas é de 100 Kgf. Tal carga é
estabelecida pela Norma ISSO 16024.

O posicionamento da linha de vida será conferido por furos deixados no


montante ou braçadeiras metálicas acopladas ao monte metálico, no qual o
cabo de aço estará conectado através da manilha específica. A braçadeira
metálica deverá ser ficada ao montante metálico e sua fixação deverá ser
verificada periodicamente a fim de impedir seu deslizamento no montante. A
fixação entre braçadeira e montante poderá ser feita através de pino passante
com diâmetro de 16mm. O olhal para passagem dos cabos de aço deverá estar
voltado para o interior da edificação. Tal elemento deverá ter seu laudo de
resistência e ensaio elaborados pelo fabricante do material.
Para amarrar as pontas do cabo de aço, utilizam-se três grampos
pesados, de igual bitola ao cabo de aço adotado. O espaçamento entre
grampos e o detalhamento da fixação está apresentada no projeto específico.
Deverão ser adotados 3 grampos de fixação das pontas do cabo de aço, para
cada conjunto de cabos. Deve ser observado o espaçamento entre eles.
Com a finalidade de evitar a deformação e o desgaste dos cabos de aço
nos olhais deverá ser utilizada sapatilha metálica específica para tal função.

Figura 3 – Para proteção do cabo de aço quanto ao desgaste no contato com o


olhal.

A linha de vida deverá ter flecha inicial equivalente a 4% do vão. Por


exemplo, para o vão entre apoios de 6,0m, a flecha será de 24cm. Já para o
vão entre apoios de 4,0m, a flecha será de 16cm. A flecha será executada com
auxílio de fio de nylon e tensionador para cabos de aço.

3.1.2 Montantes de Apoio à Linha de Vida

O sistema adota a utilização de tubos de aço estrutural instalados entre


três pavimentos de trabalho. O montante deverá ser engastado na laje inicial,
através de barra de aço passante pelo montante metálico, conforme
apresentado no projeto específico. Atenção! O montante não será concretado
junto a laje, mas sim terá passagem pela laje.

Deverão ser utilizados tubos de aço estrutural normas ASTM 500 /


NBR 8261 ,galvanizado ou não, cuja tensão limite de escoamento mínimo é de
290 Mpa para Grau C. O tubo de seção redonda deverá possuir diâmetro
externo de 101,60 (4”) e a espessura da parede de 6,35mm, ou superior. Este
elemento foi verificado estruturalmente e apresentou segurança quanto a
utilização, conforme apresentado posteriormente.

O espaçamento ente os montantes deverá ser executado de acordo com


a locação, indicada nas pranchas 1/3 e 2/3 do projeto. No entanto a locação
poderá ser modificada no momento da execução, desde que a alteração seja
pré-aprovada pelo projetista e responsável técnico pela montagem e execução
de tais elementos. Cada montante deverá ser instalado, predominantemente, a
1,50 m de distância da periferia. Pra garantir o acesso seguro do trabalhador
junto à periferia, este deverá fazer uso de talabarte retrátil, não sendo o
talabarte ajustável suficiente para atingir a periferia. No entanto, tal situação
não foi constatada conforme locação. Tal equipamento deverá ter CA
(Certificado de Aprovação do Ministério do trabalho) e válido.

O espaçamento existente entre a laje de concreto e o montante metálico


deverá ser totalmente preenchido com calços de madeira para evitar sua
movimentação e auxiliar no prumo deste. Estes elementos complementares –
calços de madeira – serão removidos na oportunidade de movimentação do
montante. A figura a seguir apresenta a situação.

Figura 4 – Planta baixa do montante metálico e do preenchimento com calços


de madeira, a fim de impedir a movimentação do montante metálico.

Os montantes de aço-carbono, anteriormente especificados, suportam a


utilização máxima de dois trabalhadores por lance. Considera-se lance, a
distância entre montantes de apoio, devendo ser rigorosamente obedecidas.

Deverão ser utilizados estroncas formadas por um tubo metálico para


garantir a estabilidade do conjunto, conforme especificado no detalhamento,
prancha 3-3. Deverão ser utilizados tubos de aço estrutural galvanizados ou
não, cuja tensão limite de escoamento mínimo é de 290 MPa. Os tubos de
seção redonda deverão ter diâmetro de 63,5mm e a espessura da parede de
3,25mm, ou superior, conforme apresentado posteriormente.

A fixação entre estronca e montante metálico da linha de vida será


através de chapa metálica soldada ao tubo principal, conforme figura a seguir:

Figura 5 – Detalhe da fixação entre montante metálico e estronca.

As estroncas deverão ser instaladas 160 cm abaixo do topo do montante


metálico e deverão formar um ângulo de 25° com o mesmo. As extremidades
inferiores das estroncas serão fixadas à laje através de chapa e cantoneira
metálica fixadas por sua vez à laje através de parafuso de suspensão ao
torque. O parafuso deverá ter resistência mínima de 2.199 kgf ao cisalhamento
e 3.960kgf ao arrancamento. A figura a seguir ilustra a fixação inferior da
estronca na laje.

3.1.3 Sistema para Montagem da Forma na Periferia

A utilização para a situação da montagem de forma será no nível


intermediário, conforme figura a seguir. O afastamento entre a laje e o cabo de
aço deverá ser de até 2,00m. A distância mínima entre a linha de vida e o nível
de trabalho (laje ou bancada) é de 1,20m. Sua utilização prevista será com
montante bi-apoiado entre laje concretada e estronca.
3.1.4 Sistema para Concretagem da laje

A utilização para a situação da concretagem da laje será no nível


superior, conforme figura a seguir. O afastamento entre a laje e o cabo de aço
deverá ser de até 1,20m. A distância mínima entre a linha de vida e o nível de
trabalho (laje) é de 1,20m. Sua utilização prevista será com montante em
balanço de 1,20m apoiado em estais.
3.1.5 Sistemas para remoção das Escoras

A utilização para a situação da remoção das escoras será no nível


inferior, conforme figura a seguir. O afastamento entre a laje e o cabo de aço
deverá ser de até 2,00m. A distância mínima entre a linha de vida e o nível de
trabalho (laje) é de 2,00m. Sua utilização prevista será com montante bi-
apoiado entre lajes concretadas.
4 VERIFICAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DOS SISTEMAS

4.1 Sistemas de proteção periférica externa à edificação em balanço

4.2 Sistema de Linha de Vida

O método adotado para dimensionamento do sistema é pela


Equalização da Energia Potencial Total. Tal método consiste na análise da
energia elástica gerada em função do deslocamento dos componentes do
sistema e suas respectivas constantes elásticas e da energia potencial da
força. Todas as variáveis são inseridas em software específico para verificação
das forças incidentes sobre cada elemento à dimensionar : cabo de aço
horizontal e montante.

Para tanto, foram adoradas algumas premissas comuns a todas as


situações de utilização do sistema:

 Máxima Força de Parada para uma pessoa: 600 kgf(NBR 15834/2010)


 Máxima Força de Parada para duas pessoas: 720 kgf
 Média Força de Parada: 576 kgf
 Massa total do trabalhador: 100 kgf (ISSO 16024)
 Força da Gravidade: 9,81 m/s²

A NBR 14.629 estabelece, em seu item 5.4.6, que a força máxima de


impacto transmitida pelo talabarte ao trabalhador é de 600 kgf.

A intenção é trabalhar com dois (2) trabalhadores por vão( trecho em


montantes) de linha de vida. Na bibliografia do p.h.d. J. Niguel Ellis ¹, após
diversos ensaios e estudos, este afirma que para queda de múltiplos
trabalhadores o impacto sobre a linha na mesma variedade de milisegundos é
remota. Os fatores que levam a esta conclusão são a posição na linha, peso, o
centro de gravidade, comprimento de dispositivo. Assim, para queda de dois ou
três funcionários que caem simultaneamente indica acumulação de forças por
um fator de 20 por cento para cada um, além da primeira pessoa.
Assim, baseado nas exposições anteriores,a projetista estabelece a
força total de impacto para 2 usuários de 720 kgf ( setecentos e vinte
quilograma-força ).

Informações sobre o Talabarte:

 Modelo Talabarte: MULT 1895 F (com absorverdor de energia/impacto )


 Certificado de Aprovação n°.: 29.324
 Fabricante: Mult Indústria de Materias de Segurança
 Média Força de Parada: Não Informado¹ Ellis Niguel, Chapter 7, pág.
229.
 Módulo Elástico Fabricante: Não Informado;
 Módulo Elástico Adotado: 2368 N/mm²;
 Comprimento: 1,10 metros;
 Mosquetão e acessórios: 0,25 metros;
 Área da Fita: 59,375 mm² ( 47,5mm x 1,25mm );
 Constante adotada no modelo em função das variáveis (K1): 125,21;

Informações sobre Cabo de Aço para linha de Vida

 Números de Cabos de Aços: 1


 Diâmetro: 16 mm
 Classe: 6 x 25
 Formação: IPPS
 Módulo de Elasticidade: 85.000 N/mm²
 Flecha Inicial: 4% do vão. Situação crítica: 24 cm
 Vão Máximo entre apoios: variável. Situação crítica: 600 cm

Constante adotada no modelo em função das variáveis (K2): 1.515,95

A aplicação exclusiva da deformação elástica e estrutural repercute em


cargas elevadas incidentes sobre o montante. Para tanto, há necessidade de
equilibrar disponibilidade do mercado com projeto de fácil implantação na obra.
Somado a isso, sabe-se que se estabelecermos flecha inicial tendendo a zero
(0), a carga resultante sobre o montante, tende ao infinito.
A fim de reduzir a carga incidente sobre o montante, estabelecemos uma
flecha inicial de 4% do vão ( trecho entre montantes). Por exemplo, para
situação crítica de 600 cm, a flecha inicial é de 24 cm. Esta flecha inicial de
4% foi definida pela projetista.

Informações sobre Montantes Metálicos:

 Material empregado: Aço Carbono estrutural;


 Tensão de Escoamento do Montante: 290 Mpa;
 Seção: Redondo vazado;
 Diâmetro Externo do Montante: 101,6mm (4”);
 Espessura: 6,35mm;
 Módulo de elasticidade: 210.000 N/mm²;
 Módulo de Elasticidade transversal: 147.000 N/mm²;
 Distância máxima entre montantes: variável, conforme locação. Situação
crítica; 6,00 metros;
 Constante adotada no modelo em função das variáveis (K3): conforme
situação.

Informações sobre Estroncas Metálicas:

 Seção: Redonda vazada;


 Diâmetro: 76,2 mm;
 Espessura 2,65 mm;
 Tensão de escoamento do Montante: 290 Mpa;
 Condição de Contorno: bi-apoiada.

4.2.1.1 Linha de Vida para Trabalhos durante execução da concretagem


(situação crítica):

4.2.1.1 Verificação da linha de vida com Cabo de Aço:

 Para minimização da Energia potencial Total, após tratamento estatístico


das variáveis verificou-se que a carga total incidente sobre os
elementos é:
 Talabarte: 7.200 N;
 Cabo de Aço: 13.970,77 N = 1.424,11 kgf;
 Montante Metálico: 13.498,77 N = 1.376,02 kgf;

Verificação Estrutural do Elementos:

Cabo de Aço para Linha de Vida:

 Número de Cabo(s) Adotado(s): 1


 Carga de Ruptura do Cabo de Aço Adotado: 16.880 kgf;
 Carga de Ruptura do Conjunto de Cabo de Aço: 16.880 kgf;
 Carga de Tração Atuante no elemento: 1.424,11 kgf;
 Coeficiente de Segurança do(s) cabo(s) de Aço(s): 11,85

O coeficiente de segurança mínimo estabelecido pela NR-18 para


cabos de aço é de 5. Portanto, o elemento adotado satisfaz a exigência de
segurança.
4.2.1.2 Verificação do Montante Principal
Montante de Apoio:

 Tensão de Escoamento do material: 290,00 Mpa;


 Tensão Atuante no Elemento: 250,00 Mpa;

Coeficiente de Segurança do Montante de Apoio na flexão: 1,16

4.2.1.3 Verificação das Estroncas

Reação proveniente do montante principal (2.301,06kgf), formando


ângulo de 25° com a vertical.

Estroncas junto ao Montante:

 Carga Axial Atuante ( compressão); 5.44,06 kgf;


 Carga Axial Resistente ( compressão ): 10.992,07 kgf;

Coeficiente de Segurança dos Estaios junto aos Montantes: 2,02

 Carga Axial Atuante (tração): 5.445,06 kgf;


 Carga Axial Resistente (tração): 13.300,19 kgf;

Coeficiente de Segurança dos Estaios junto aos Montantes: 2,44


4.2.1.4 Fator de Queda e Distância Desobstruída:

Fator de Queda (H/L):

 Altura de Queda:
 Ponto de Apoio da LV com relação ao piso: 1,20 m;
 Comprimento do Talabarte (L): 1,10 m;
 Conectores do Cinto ao talabarte: 0,25 m;
 Flecha final (flecha inicial + flecha queda): 0,78 m;
 Abertura máxima do Talabarte: 0,50 m.

O fator de queda máximo permitido é de 2. Portanto, a situação


proposta atende ao requisito.

Abertura do talabarte em função da Queda: 0,29 m

A abertura máxima do talabarte, conforme informações do fornecedor, é


de 0,50 metro.

A abertura máxima do talabarte em função da queda deve ser inferior à


abertura máxima do talabarte, para que o mesmo tenha efeito no caso de
queda. Portanto, o talabarte proposto atende ao requisito.

Distância Desobstruída abaixo da Linha de Vida: 4,72 m

 Comprimento do Talabarte (L): 1,10 m;


 Conectores do Cinto ao Talabarte; 0,25 m;
 Flecha Final ( flecha inicial + flecha queda ) 0,78 m;
 Abertura do Talabarte em função da Queda: 0,29 m;
 Altura da pessoa; 1,80 m ;
 Altura Livre; 1,00 m.
4.2.2 linha de Vida para Trabalhos durante montagem de forma:

4.2.2.1 Verificação da Linha de vida com Cabo de Aço:

Para minimização da Energia Potencial Total, após tratamento


estatístico das variáveis verificou-se que a carga total incidente sobre os
elementos é:

 Talabarte 7.200 N;
 Cabo de Aço: 25.412,51 N = 2.590,47 kgf;
 Montante Metálico: 25.156,22 N = 2.564,34 kgf;

Verificação Estrutural dos Elementos:

Cabo de Aço para linha de Vida:

 Número de Cabo(s) Adotado(s): 1


 Carga de Ruptura do Cabo de Aço Adotado: 16.880 kgf
 Carga de Ruptura do Conjunto de Cabo de Aço: 16.880 kgf
 Carga de Tração Atuante no Elemento: 2.590,47 kgf

Coeficiente de Segurança do(s) Cabo(s) de Aço(s): 6,52

O coeficiente de segurança mínimo estabelecido pela NR – 18 para


cabos de aço é de 5. Portanto, o elemento adotado satisfaz a exigência de
segurança.
4.2.2.2 Verificação do Montante Principal:
Montante de Apoio:

 Tensão de escoamento do material: 290,00 MPa


 Tensão Atuante no Elemento: 157,60 MPa

Coeficiente de segurança do Montante de Apoio na flexão: 1,84

4.2.2.3 Verificação das Estroncas:

Reação proveniente do montante principal ( 1.703,48kgf), formando


ângulo de 25° com a vertical.

Estroncas junto ao Montante:

 Carga Axial Atuante (Compressão): 4.030,79 kgf;


 Carga Axial Resistente (Compressão): 10.992,07 kgf;

Coeficiente de Segurança dos Estaios junto ao Montante: 2,73

 Carga Axial Atuante (tração): 4.030,79 kgf;


 Carga Axial Resistente (tração): 13.300,19 kgf;

Coeficiente de Segurança dos Estaios junto aos Montante: 3,30


4.2.2.2 Fator de Queda e Distância Desobstruída:

Fator de Queda(H/L): 0,98

 Altura de Queda: 1,08 m;


 Ponto de Apoio da LV com relação ao piso: 1,20 m;
 Comprimento do Talabarte (L): 1,10 m;
 Conectores do Cinto ao Talabarte: 0,25 m;
 Flecha final (flecha inicial + flecha queda): 0,43 m;
 Abertura Máxima do Talabarte: 0,50 m.

O Fator de queda máximo permitido é de 2. Portanto, a situação


proposta atende ao requisito.

Abertura do Talabarte em função da Queda:

A abertura máxima do talabarte, conforme informações do fornecedor, é


de 0,50 metro.

A abertura máxima do talabarte em função da queda deve ser inferior à


abertura máxima do talabarte, para que o mesmo tenha efeito no caso de
queda. Portanto, o talabarte proposto atende ao requisito.

Distância Desobstruída abaixo da linha de vida: 4,30 m

 Comprimento do Talabarte (L): 1,10 m;


 Conectores do Cinto ao talabarte: 0,25 m;
 Flecha Final ( flecha inicial + flecha queda ): 0,43 m;
 Abertura do Talabarte em função da Queda: 0,22 m;
 Altura da pessoa: 1,80 m;
 Altura Livre: 1,00 m.
4.2.3 Linha de Vida para trabalhos durante remoção do
escoreamento:

4.2.3.1 Verificação da Linha de Vida com Cabo de Aço:

Para minimização da Energia Potencial Total, após tratamento


estatístico das variáveis verificou-se que a carga total incidente sobre os
elementos é:

 Talabarte 7.200 N
 Cabo de Aço 24.069,15 N = 2.453,53 kgf
 Montante Metálico 23.798,40 N = 2.425,93 kgf

Verificação Estrutural dos Elementos:

Cabo de Aço para Linha de Vida:

 Número de Cabo(s) Adotado(s): 1


 Carga de ruptura do Cabo de Aço Adotado: 16.800 kgf
 Carga de Ruptura do Conjunto de Cabo de Aço: 16.800 kgf
 Carga de Tração Atuante no Elemento: 2.453,53 kgf

Coeficiente de Segurança do(s) Cabo(s) de Aço(s): 6,85

O coeficiente de segurança mínimo estabelecido pela NR-18 pra


cabos de aço é de 5. Portanto, o elemento adotado satisfaz a exigência de
segurança.
4.2.3.2 Verificação de Montante Principal:
Montante de Apoio:

 Tensão de Escoamento do Material:


290,00 Mpa;
 Tensão Atuante no Elemento:
146,46 Mpa.

Coeficiente de segurança do Montante de Apoio na Flexão: 1,98

4.2.3.3 Verificação das Estroncas:

Reação proveniente do montante principal (1.703,48kgf ),


formando ângulo de 25° com a vertical.

Estroncas junto ao Montante:

 Carga Axial Atuante ( compressão ): 626,37 kgf


 Carga Axial Resistente ( compressão ): 10.992,07 kgf

Coeficiente de Segurança dos Estaios junto aos Montante:17,55

 Carga Axial Atuante (tração): 626,37 kgf


 Carga Axial Resistente (tração): 13.300,19 kgf

Coeficiente de Segurança dos Estaios junto aos Montante: 21,23


4.2.3.4 Fator de Queda e Distância Desobstruída:

Fator de Queda (H/L): 1,00

 Altura de Queda: 1,10 m;


 Ponto de Apoio da LV com relação ao piso: 1,20 m;
 Comprimento do Talabarte (L): 1,10 m;
 Conectores do Cinto ao Talabarte: 0,25 m;
 Flecha final (flecha inicial + flecha queda): 0,45 m;
 Abertura Máxima do Talabarte: 0,50 m.

O Fator de queda máximo permitido é de 2. Portando, a situação


proposta atende ao requisito.

Abertura do Talabarte em função da Queda: 0,23

A abertura máxima do talabarte conforme informações do fornecedor, é


de 0,50 metro.

A abertura máxima do talabarte em função da queda deve ser


inferior à abertura máxima do talabarte, para que o mesmo tenha efeito no
caso de queda. Portanto, o talabarte proposto atende ao requisito.

Distância Desobstruída abaixo da linha de vida: 4,33 m

 Comprimento do Talabarte (L): 1,10 m;


 Conectores do Cinto ao talabarte: 0,25 m;
 Flecha final (flecha inicial + flecha queda): 0,45 m;
 Abertura do Talabarte em função da Queda: 0,23 m;
 Altura da pessoa: 1,80 m;
 Altura Livre: 1,00 m.
5 MANUTENÇÃO PREVENTIVA DOS CABOS DE AÇO

As considerações aqui abordadas são de modo genérico, mas


cabe como alerta para manutenção preventiva a ser realizada no equipamento.
Tal manutenção é de responsabilidade do executor do serviço. Indicamos que
os critérios de inspeção, utilização e descarte dos elementos seja orientado
pelo fabricante.

O inspetor e/ou usuário do cabo de aço deve certificar-se que as


condições do cabo de aço satisfaçam os requisitos indicados pelo fabricante e
atendam as normas técnicas pertinentes.

Para fins de reposição ou substituição do cabo de aço, o inspetor


deverá assegurar que o cabo novo possui propriedades equivalentes àquelas
do cabo de aço descartados. Antes da fixação do cabo de aço no equipamento
de içar, todas as ranhuras nos ganchos, tambores e polias devem ser
verificadas de maneira a garantir que elas acomodem perfeitamente o cabo de
reposição.

Antes de iniciar a operação o inspetor e/ou usuário do


equipamento deverão assegurar que todos os dispositivos envolvidos na
operação do cabo de aço estejam devidamente fixados e funcionando
corretamente.

A manutenção do cabo de aço deve ser realizada em função do


tipo de equipamento, seu uso, o ambiente em que se encontra instalado e a
carga a qual estará submetido. Estas indicações devem partir do fabricante do
cabo de aço, laços e acessórios.

A ausência de manutenção comprometerá a durabilidade do cabo


de aço, especialmente quando este for operado em ambiente corrosivo e
associado ás operações, quando nenhum lubrificante pode ser usado.

Todas as partes visíveis do cabo e acessórios devem ser


observadas diariamente, antes de iniciados os trabalhos, para detecção de
sinais de deterioração e deformação. Os pontos em que o cabo é fixado no
equipamento devem ser examinados com cuidado. Qualquer mudança
perceptível nas condições do cabo deve ser examinada pelo inspetor
qualificado.

Os cabos de segurança para construção, que é a situação em


questão, deverão ser examinados com rigor pelo menos uma vez por semana.
Quando forem verificados defeitos no cabo de aço, em que haverá
continuidade de seu uso deverão ser feitas, no mínimo, duas inspeções
semanais. Esta indicação é válida para equipamentos que estejam em
condições ambientais onerosas ao cabo de aço.

Após qualquer incidente e sempre que o cabo for novamente


utilizado, após uma desmontagem seguida de uma remontagem, deverá ser
inspecionado. Para casos em que o equipamento de levantamento de carga
tiver ficado fora de serviço durante três meses ou mais, mesmo que não
tenham sido desmontados, os cabos devem ser examinados antes do reinício
do trabalho.

Toda e qualquer inspeção deverá ser realizada por trabalhador


qualificado. São considerados trabalhadores qualificados aqueles que
comprovem perante o empregador e a inspeção do trabalho uma das seguintes
condições:

a) Capacitação mediante treinamento na empresa;


b) Capacitação mediante curso ministrado por instituições privadas ou
públicas , desde que conduzido por profissional habilitado;
c) Ter experiência comprovada em Carteira de Trabalho de pelo menos
6 (seis ) meses na função.

O uso seguro do cabo de aço é fator condicionante para


continuidade de utilização deste. Esta qualificação é dada pelos
critérios a seguir relacionados, podendo ocasionar descarte do
material.

a) Natureza e número de arames partidos;


b) Arames partidos na região dos terminais;
c) Agrupamento localizado de arames partidos;
d) Taxa de aumento de arames partidos;
e) Ruptura de pernas;
f) Redução do diâmetro do cabo, inclinando aquela resultante da
deterioração da alma;
g) Redução da elasticidade;
h) Desgaste interno e externo;
i) Corrosão externa e interna;
j) Deformação;
k) Danos causados pelo calor ou arco elétrico;
l) Taxa de aumento do alongamento permanente.

Todas as inspeções devem considerar esses fatores individuais,


reconhecendo os critérios específicos. Entretanto, a deterioração é
muitas vezes provocada por um conjunto de fatores que causam um
efeito cumulativo que deve ser reconhecido por pessoa qualificada e que
se refletirá sobre a decisão de descartar o cabo ou permitir que ele
continue sendo usado.

Em todos os casos, o inspetor deve investiga se a deterioração foi


causada por um defeito no equipamento, se for o caso, convém que ele
recomende medidas específicas pra retificar o defeito antes da fixação
de um cabo novo.

Na inspeção dos laços, acessórios, presilhas, trançados, deve-se


observar o seguinte;

- evidências de aberturas, distorção ou trincas do gancho;

- distorção e desgaste do anel de carga ou fechamento dos sapatilhos;

- trincas na presilha;

- abrasão ou amassamento severo da presilha ou do trançado;

- presilhas ou trançados se soltando;

- rompimento da base do olhal devido ao uso de pino de diâmetro


excessivo ou certos tipos de sapatilho;

- arames partidos na superfície externa do olhal;


- efeitos de fricção na superfície de contato do olhal sem sapatilho.

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os cálculos desenvolvidos no presente laudo consideram todas


as peças e acessórios em seus perfeitos estados de conservação e
manutenção. Não nos responsabilizando, portanto, por qualquer
problema que poderá ocorrer pela falta de conservação e manutenção
dos elementos de segurança aqui verificados estruturalmente.

Devemos recomendar ainda, que se tenhamos seguintes


cuidados quando da execução dos elementos que compõem os
sistemas:

Deve haver inspeção do engenheiro responsável pela montagem


e sua liberação para utilização dos elementos aqui projetados, após a
conclusão da montagem.

Os dispositivos que compõem os sistemas aqui dimensionados


devem ser verificados periodicamente pelos usuários e pelo responsável
técnico da obra, preferencialmente antes de iniciados os trabalhos e
sempre que os mesmos sofrerem alterações, montagem e
desmontagem. Os critérios e metodologia adotados para inspeção dos
sistemas de segurança devem ser elaborados pelo corpo técnico
responsável pela segurança da obra.

Deverá, constantemente, ser observada a carga limite para qual o


equipamento foi dimensionado, sem ultrapassá-la, com prejuízo de
ineficiência até acidente.

Não nos responsabilizamos pelo mau uso dos sistemas aqui


projetados, tampouco pela montagem inadequada.

A implantação, execução, montagem e fiscalização dos sistemas


ora projetados é de responsabilidade do contratante.
Sugerimos a elaboração de declaração do executor da obra,
comprometendo-se a utilizar o número de trabalhadores, indicados no
projeto, para sistema de cabo de segurança.

As informações e dimensionamentos elaborados neste trabalho


são baseados em normas e referência indicadas na inicial , além de
manifestações e considerações atuais de auditores do ministério do
trabalho.

O cabo de aço utilizado deve ser Certificado pelo Inmetro através


do RAC (Regulamento de Avaliação da Conformidade para cabos de
Aço de Uso Geral), conforme Portaria do Inmetro n° 176 de 16/06/09.

Qualquer alteração no projeto deve ser autorizada pelo projetista.


A ausência desta invalida o sistema.

Reservamos a exclusividade do uso dos resultados aqui obtidos


para a Empresa Contratante: HLAR Construções e Incorporações LTDA., e
corroboramos esta ação através da ART.................................., apresentada em
anexo, da qual a contratante e favorecida.

Registros complementares relativos ao projeto aqui desenvolvidos


como Adendos, parecer de auditores fiscais, responsável técnico pela
execução da obra podem ser observados em espaço específico para tal, no
final deste. Tais registros devem ser datados e assinados pelo responsável.

Nada mais havendo, encerramos o presente laudo de verificação


estrutural de equipamentos de segurança provisório. Parte 01, com 32
(trinta e duas) folhas impressas numa só face, 2 (duas) pranchas e 1
(uma) folha para informações complementares.

São Leopoldo, 30 de Outubro de 2013