Você está na página 1de 25

FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS

CURSO DE ENGENHARIA 9° PERÍODO


DISCIPLINA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS
PROFº: PAULO ROBERTO NUNES FERREIRA

PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

ALUNOS

RAIMUNDO RODRIGUES MIRANDA


EZIO CARVALHO MOURA
KAUAN LOURRAN ALMEIDA LUZ
MARCOS MATHEUS CORDEIRO
WENER FERNANDES CARVALHO
JOÃO PEDRO DE OLIVEIRA RODRIGUES

PALMAS - TO
2019
PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PALMAS - TO
2019
SUMÁRIO
1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO ......................................................................... 3
2 OBJETIVO ............................................................................................................ 4
3 NORMAS APLICÁVEIS........................................................................................ 4
4 PRANCHAS .......................................................................................................... 5
4.1 ELÉTRICOS RESIDENCIAIS............................................................... 5
4.2 ALIMENTAÇÃO DA REDE DO EDIFÍCIO ............................................ 6
4.2.1 Entrada de Energia .............................................................. 6
4.2.2 Quadro de Medição ............................................................. 6
5 RECOMENDAÇÕES GERAIS: ............................................................................ 6
6 ESPECIFICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES ........................................................ 7
6.1 ELETRODUTOS .................................................................................. 7
6.2 CAIXAS PARA INTERRUPTORES E TOMADAS................................ 7
6.3 CAIXAS DE ALVENARIA ..................................................................... 8
6.4 INTERRUPTORES E TOMADAS ........................................................ 8
6.5 DISJUNTORES .................................................................................... 9
6.6 DISJUNTOR RESIDUAL .................................................................... 10
6.7 DPS – DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO CONTRA SURTOS ........... 10
6.8 QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO......................................................... 11
6.9 ILUMINAÇÃO DO PROJETO............................................................. 12
6.10 LÂMPADAS INTERNAS E EXTERNAS ............................................. 12
6.11 ATERRAMENTO................................................................................ 13
6.12 CONDUTORES.................................................................................. 14
6.13 IDENTIFICAÇÃO / TERMINAIS ......................................................... 14
7 CONJUNTOS DE MEDIÇÃO .............................................................................. 15
8 CÁLCULOS DE DIMENSIONAMENTO DA PROTEÇÃO .................................. 16
9 CÁLCULO DE DIMENSIONAMENTO ................................................................ 22
10 DEMANDA.......................................................................................................... 22
11 DIMENSIONAMENTO DO DISJUNTOR GERAL ............................................... 22
12 CONDIÇÕES GERAIS........................................................................................ 22
13 ALTERAÇÕES DO PROJETO ........................................................................... 23
3

1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO

DADOS DA OBRA

NOME: APARTAMENTO RAIMUNDO

LOCALIZAÇÃO: RESIDENCIAL FLORES, QUADRA 27 LOTE 01

CIDADE/ESTADO: PALMAS - TO

DADOS DO PROJETO

TIPO: BAIXA TENSÃO

TENSÃO NOMINAL: 220 VOLTS

QUANTIDADE DE CIRCUITOS: 13

TIPO DO EDIFÍCIO: RESIDENCIAL

ÁREA CONSTRUÍDA: 104,5m²

DADOS DO PROJETISTA

AUTOR DO PROJETO: RAIMUNDO RODRIGUES MIRANDA

ENDEREÇO: 603 NORTE QI 06 LOTE 08 AL 23

TELEFONE: (63) 98429-2710


4

2 OBJETIVO
Este memorial descritivo e o projeto plotado, ambos têm por finalidade fixar
normas e procedimentos básicos de execução e montagem, especificações de
materiais e equipamentos, bem como descrever de forma sucinta as instalações
elétricas da obra acima referenciada, ajudando na execução das instalações elétricas,
prestar esclarecimentos de todos os detalhes que se referem ao mesmo e fornecer
dados referentes ao projeto da residência do Warley. Todos os serviços e materiais
que será realizado durante a execução deste projeto deverá atender à ABNT –
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.

3 NORMAS APLICÁVEIS
Para a execução dos serviços deste projeto tem algumas normas que deverá
ser cumpridas e por profissional altamente qualificado e autorizado no CREA.
As instalações deverão ser executadas de acordo com o projeto plotado,
obedecendo às indicações e especificações constantes deste memorial, bem como
as determinações das normas.

CEMAT Normas vigentes


NBR-5037 Fitas adesivas sensíveis a pressão para fins de isolação elétrica.
NBR-5111 Fios de cobre nu de seção circular para fins elétricos.
NBR-5033 Roscas Edson.
NBR-5281 Condutores elétricos isolados e composto termoplástico polivinílico
(PVC) até 600V e 69° C.
NBR-5361 Disjuntores de Baixa Tensão.
NBR-5283 Disjuntores em caixas moldadas.
NBR-5288 Determinação das características isoladas composto
termoplástico.
NBR-5290 Disjuntores em caixas moldadas.
NBR-5354 Requisitos gerais para material de instalações elétricas prediais.
NBR-5361 Disjuntores secos de baixa tensão.
NBR-5386 Disjuntores secos de baixa tensão.
NBR-5410 Instalações Elétricas de Baixa Tensão
NBR-5414 Execução de instalações elétricas de baixa tensão.
NBR-5413 Iluminamento de Interiores e Exteriores.
5

NBR-5419 Sistemas de Aterramento.


NBR-5444 Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais.
NBR-5470 Instalação de baixa tensão – terminologia.
NBR-5473 Instalação Elétrica Predial.
NBR-6120 Eletrodutos de PVC rígido.
NBR-6147 Plugues e Tomadas para Uso Doméstico.
NBR-6148 Condutores Elétricos com Isolação Sólida Estruturada de Cloreto
de Polivinila (PVC) para Tensões até 750 Volts sem Cobertura.
NBR-6150 Eletrodutos de PVC Rígido.
NBR-6244 Fios e Cabos Elétricos - Ensaio de Resistência à Chama
NBR-6264 Plugues e Tomadas de Uso Doméstico - Funcionamento dos
Contato Terra.
NBR-6265 Plugues e Tomadas de Uso Doméstico - Movimento de Conexão
e Desconexão – Durabilidade.
NBR-6527 Interruptores de Uso Doméstico.
NBR-6791 Porta Fusíveis - Rolha e Cartucho.
NBR-6808 Quadros Gerais de Baixa Tensão.
NBR-6980 Cabos e Cordões Flexíveis com Isolação Estruturada de Cloreto
de Polivinila (PVC) para Tensões até 750 V.
NBR-7864 Aparelhos de Conexão para Instalações Elétricas, Domésticas e
Similares - Proteção.

4 PRANCHAS
O projeto elétrico é composto da seguinte prancha:

4.1 ELÉTRICOS RESIDENCIAIS

 Planta - Projeto Elétrico


 Diagrama Unifilar
 Legenda de Pontos e Especificações
 Quadro de Cargas
6

4.2 ALIMENTAÇÃO DA REDE DO EDIFÍCIO


4.2.1 Entrada de Energia

A entrada de energia elétrica tem um conjunto de equipamentos, condutores e


acessórios instalados desde o ponto de derivação da rede de baixa tensão da Energisa
até a proteção e medição, inclusive. Para esse serviço deve ser obedecido algumas
normas técnicas, sendo elas a NBR5410, 15465, 5597, 5598, 13571 e a NR1O, onde
mais acima deste documento tem a descrição de cada uma delas e deverá ser de
acordo com as especificações técnicas da confeccionara Energisa. O fornecimento da
energia elétrica será alimentado pela parte secundária do transformador da rede da
concessionária de energia elétrica da cidade, no caso deste projeto, a concessionária
local é a Energisa - TO, onde será lançado via aérea, com um ramal de entrada
monofásico, onde a tensão secundaria de distribuição em baixa tensão é de 220 V
(fase-neutro) com uma frequência de 60 Hz, utilizando um condutor de entrada de
16mm².

4.2.2 Quadro de Medição


Os condutores de alimentação do quadro de distribuição de energia serão
oriundos da medição QM (Quadro de Medição) em 3 vias de cabos de cobre (Fase,
Neutro e Terra). Todos os cabos deverão ter isolação para 750V – PVC 70ºC ref.
Corfio. Todos os cabos deverão ser protegidos mecanicamente por um duto de PVC
com 1’’ (25 mm) de diâmetro até a caixa de passagem (CP 2) e logo após será
direcionado para o QDE da residência onde será guiado por um duto de PVC com
1’’ (25 mm). A proteção geral do QDE se dará por meio de disjuntor termomagnético
monofásico de 70 Ampères.

5 RECOMENDAÇÕES GERAIS:
6.1
O objetivo desta especificação é definir as características dos materiais e/ou
equipamentos a serem aplicados nas instalações elétricas da edificação.
6.2
Todos os circuitos terão origem no quadro de distribuição geral de energia
(QDE), localizado no HALL frente a parede do banheiro.
6.3
7

Os condutores neutros e terra são contínuos eletricamente, não


interrompidos, porém distintos, tendo um ponto comum de aterramento no quadro de
distribuição (QDE).
6.4
Materiais e/ou equipamentos com marcas e modelos indicados servem
apenas para caracterizar a qualidade e desempenho de operação esperada. No
entanto, pode-se optar por outras marcas ou modelos desde que comprovadamente
sejam equivalentes em termos técnicos e operacionais.

6 ESPECIFICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES
6.1 ELETRODUTOS
Os eletrodutos utilizados nas instalações internas da edificação será de PVC
flexível corrugado anti-chama de ¾ mm e 1”. Os eletrodutos deverão ser providos de
arame guia de aço galvanizado (min.14 AWG) com sobras de no mínimo 300mm para
posterior puxamento dos condutores. As dimensões dos eletrodutos indicados nos
desenhos são para diâmetro interno. As emendas dos eletrodutos deverão ser feitas
através de luvas apropriadas.

Eletroduto de PVC flexível corrugado.

6.2 CAIXAS PARA INTERRUPTORES E TOMADAS


As caixas serão embutidas na alvenaria, retangulares, 50x100 mm (4”x2”),
para até 3 interruptores e para até 3 tomadas. As alturas de instalação das caixas têm
como referencial o nível do piso acabado, a saber:
8

As caixas serão empregadas como abaixo:


 Interruptores (borda superior de caixa): 1,10m.
 Tomadas altas (ar condicionado): 2,20m, conforme especificado na simbologia
das pranchas do projeto.
 Tomadas médias (borda superior da caixa): 1,10m.
 Tomadas baixas (borda inferior da caixa): 0,30m.

Caixa para tomadas e interruptores embutido.

6.3 CAIXAS DE ALVENARIA


As caixas deverão ser 40x40x40 (cm) de alvenaria e providos de tampas
convenientes, dotadas de puxadores para facilitar sua remoção, devendo ser
convenientemente calafetadas para se evitar a entrada de água e de pequenos
animais. Todas as caixas de passagens de cabos deverão ser providas de dreno
preenchida com brita nº 1, com exceção das caixas para inspeção da malha de
aterramento.

6.4 INTERRUPTORES E TOMADAS


Os interruptores terão números de teclas conforme indicada no projeto e será
do modelo em que o proprietário preferir. Os comandos e interruptores seguem as
especificações da planta de projeto elétrico.
As tomadas de força do tipo uso gerais serão de acordo com o novo padrão
de tomadas brasileiro, com três pinos cilíndricos.
9

Esquema de ligação dos fios nas tomadas de 10 e 20 A.

Cabe ressaltar que as tomadas utilizadas em áreas úmidas e áreas externas


serão do tipo embutidas com proteção contrachoques elétricos.

6.5 DISJUNTORES
Serão do tipo termomagnético modelo de acoplamento em trilho DIN, unipolar
com corrente nominal conforme indicado nos diagrama unifilar. Destinam-se à
proteção dos circuitos de força e luz podendo ser utilizados para fazer a manobra dos
circuitos. Os disjuntores deverão possuir sistema de fixação padrão DIN, atendendo o
nível de corrente estabelecido no quadro de carga do projeto.
10

Disjuntor DIN monofásico.

6.6 DISJUNTOR RESIDUAL


O dispositivo DR é um interruptor automático que desliga correntes
elétricas de pequena intensidade (da ordem de centésimos de ampère), que um
disjuntor comum não consegue detectar, mas que pode ser fatal se percorrer o corpo
humano.

Disjuntor Residual

6.7 DPS – DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO CONTRA SURTOS


O DPS é dispositivo preconizado pela norma ABNT 5410 e 5419, para
proteger as instalações elétricas e os equipamentos eletroeletrônicos contra surtos,
sobretensões ou transientes diretos ou indiretos, independentemente da origem, se
por descargas atmosféricas ou por manobras da concessionária.
Classes dos DPS:
Classe I - Indicado para locais sujeitos a descarga de alta intensidade, sendo
a rede elétrica aérea e exposta diretamente à incidência do Raio.
É instalado na entrada da rede local.
11

Classe II – Indicado para locais com rede elétrica interna (embutida ou


subterrânea). É instalado diretamente dentro do Quadro de Distribuição.
São regulamentados pela ABNT- NBR NM 60898 e NBR IEC 60947.

Dispositivos de Proteção Contra Surtos.

6.8 QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO


O quadro de distribuição deverá ser embutido na alvenaria, de material PVC
isolante e anti-chama e suporte universal para disjuntores DIN com regulagem de
altura. Deverão possuir barramento de cobre eletrolítico para a ligação dos condutores
neutro e terra.
Com rasgo suficiente para acesso à alavanca de manobra dos disjuntores e
com etiquetas para identificação dos circuitos através de nome (da sala, ou
equipamento) e respectivo número.

Quadro de distribuição de PVC.

A tampa deverá ser provida de sistema de fechamento do tipo sobre pressão


de modo a facilitar o acesso ao mesmo.
12

6.9 ILUMINAÇÃO DO PROJETO


Na elaboração da parte da iluminação do projeto que se refere a este
memoria, foram utilizados alguns critérios para o dimensionamento da iluminação,
foram aqueles estipulados pela NBR – 5410/2004:
Em cômodo ou dependências com área superior a 6 m², deve ser prevista
uma carga mínima de 100 VA para os primeiros 6 m², acrescida de 60 VA para cada
aumento de 4 m² inteiros.
Em cômodos ou dependências com área igual ou inferior a 6 m², deve ser
prevista uma carga mínima de 100 VA;
Em cada cômodo ou dependência deve ser previsto pelo menos um ponto de
luz fixo no teto, comandado por interruptor;

6.10 LÂMPADAS INTERNAS E EXTERNAS


As lâmpadas especificadas foram escolhidas levando-se em conta conforto
visual, rendimento e a utilização no ambiente. Todo o projeto foi dimensionado para
lâmpadas de LED 9W, 12W e 15W, assim obtendo uma melhor economia de energia
elétrica.

Lâmpada LED Base E-27

Será utilizado Plafon simples sobrepor base E-27 branca de material em


polipropileno com aditivo anti UV para maior durabilidade para as conexões das
lâmpadas a LED no interior da edificação.
13

Plafon Simples sobrepor

6.11 ATERRAMENTO
O aterramento do QDE será realizado através de 3 hastes cobreadas tipo
copperweld diâmetro 20mm x 2,4 m e conector, enterrados verticalmente no solo. A
resistência de aterramento não poderá ser superior a 10 Ohms em qualquer época do
ano. Para proteção contra choques elétricos por contato indireto todos os circuitos
serão dotados de condutor de proteção (PE). O esquema utilizado será o TN-S
(condutor neutro e condutor de proteção distinto, conforme NBR 5410, com condutor
de proteção (PE) disponível junto ao aterramento).

Esquema de Aterramento TN-S a ser utilizado


14

6.12 CONDUTORES
O dimensionamento dos condutores elétricos foi determinado diante do
critério de máxima corrente. Os condutores dos circuitos de distribuição serão de
cobre flexíveis com isolação de PVC tipo A1, seguindo a tabela 36 da NBR –
5410/2004. A instalação deverá obedecer a padronização escolhida para cores de
identificação dos condutores:
Fase= preto ou vermelho
Neutro = Azul Claro
Terra = Verde ou verde e amarelo
Retorno = Amarelo
Os condutores deverão ser instalados de forma a evitar que sofram esforços
mecânicos incompatíveis com sua resistência, isolamento ou revestimento. As
emendas e derivações dos condutores deverão ser executadas somente quando
necessárias e de modo a assegurarem resistência mecânica adequada e contato
elétrico perfeito e permanente por meio de conectores apropriados. Igualmente para
desencabeamento dos fios e emendas, que será cuidadoso, só podendo ocorrer nas
caixas de passagem.

6.13 IDENTIFICAÇÃO / TERMINAIS


Os circuitos alimentadores dos quadros de distribuição deverão ser
identificados com anilhas em seus extremos com as letras "F", na fase, "N" para o
neutro e "T" para o terra. Essa edificação deverá ser feita.
Os circuitos das cargas também serão identificados com anilhas, com o
número respectivo do circuito identificados junto aos disjuntores com anilhas plásticas
coloridas, indicando o número do circuito e os cabos ou fios alimentadores deverão
ser identificados com fita adesiva plástica colorida conforme código de cores:
Fase = Preto
Neutro = Azul Claro
Terra = Verde
As tomadas devem ser identificadas com o número do circuito e tensão por
gravação com letras de forma em baixo relevo por etiquetas impressas plastificadas.
Os circuitos devem ser identificados com sua respectiva numeração, em
placas de acrílico com letras tipo ARIAL, colado na sobre tampa dos Quadros de
energia com fita dupla face de primeira qualidade.
15

7 CONJUNTOS DE MEDIÇÃO
Devem ser autossustentáveis, em caixa de aço pintada eletrostaticamente ou
de policarbonato, conforme normas da rede concessionária local (Energisa), que
através da NDU 001, dita as normas para a medição da unidade consumidora.

Dimensionamento das categorias de atendimento 380/220V.

A categoria a ser utilizado será trifásico T2 N° de cabos 4 n° de fases 3 demanda 24,01 < D<= 30,00
16

8 CÁLCULOS DE DIMENSIONAMENTO DA PROTEÇÃO

 Circuito 01

PT = 150VA V = 220 V

I= P/V

I= 150 /220

I= 0.68 A

SECÇÃO = 2,5 mm²


DISJUNTOR = 10 A

Circuito 02

PT = 120 VA V = 220 V

I= P/V

I= 0.54 / 220

I= 0.54 A

SECÇÃO = 2,5 mm²


DISJUNTOR = 10 A
17

 Circuito 03

PT = 4200VA V = 220 V

I= P/V

I= 4200 / 220

I= 19.09 A

SECÇÃO = 4.0 mm²


DISJUNTOR = 25 A

 Circuito 04

PT = 1200VA V = 220 V

I= P/V

I= 1200 / 220

I= 5.45 A

SECÇÃO = 2,5 mm²


DISJUNTOR = 10 A
18

 Circuito 05

PT = 1900VA V = 220 V

I= P/V

I= 1900 / 220

I= 8.63 A

SECÇÃO = 4.0 mm²


DISJUNTOR = 16 A

 Circuito 06

PT = 1850VA V = 220 V

I= P/V

I= 1850 / 220

I= 8.40 A

SECÇÃO = 4.0 mm²


DISJUNTOR = 16 A
19

 Circuito 07 AR

PT = 1200VA V = 220 V

I= P/V

I= 1.200/220

I= 5.45 A

SECÇÃO = 2,5 mm²


DISJUNTOR = 10 A

 Circuito 08

PT = 1850VA V = 220 V

I= P/V

I= 1850 / 220

I= 8.40 A

SECÇÃO = 4.0 mm²

DISJUNTOR = 16 A
20

 Circuito 09

PT = 1850VA V = 220 V

I= P/V

I= 1850 / 220

I= 8.40 A

SECÇÃO = 4.0 mm²

DISJUNTOR = 16 A

 Circuito 10

PT = 4500VA V = 220 V

I= P/V

I= 4500 / 220

I= 20.45 A

SECÇÃO = 6.0 mm²

DISJUNTOR = 25 A
21

 Circuito 11

PT = 4500VA V = 220 V

I= P/V

I= 4500 / 220

I= 20.45 A

SECÇÃO = 6.0 mm²

DISJUNTOR = 25 A

 Circuito 12

PT = 4500VA V = 220 V

I= P/V

I= 4500 / 220

I= 20.45 A

SECÇÃO = 6.0 mm²

DISJUNTOR = 25 A
22

9 CÁLCULO DE DIMENSIONAMENTO

O cálculo para o dimensionamento dos TUE’S foi executado com base no


exposto na NBR – 5410/2004, e mencionado no item 3.3.

10 DEMANDA

Demanda total instalada da residência = 27820 kW

11 DIMENSIONAMENTO DO DISJUNTOR GERAL

𝑃𝑑𝑝
𝐼𝑑𝑔 =
𝑉
27820 × 103
Idg =
220
𝐼𝑑𝑔 = 62.8 𝐴

Corrente mínima do disjuntor geral = 70 A, conforme os cálculos acima e na


tabela de demanda da NDU 001 da Energisa.

12 CONDIÇÕES GERAIS
Todos os serviços a serem executados deverão obedecer a melhor técnica
vigente, enquadrando-se rigorosamente dentro dos preceitos da NBR 5410, além das
normas da concessionaria local ENERGISA, os materiais a serem utilizados na obra
deverão ser de primeira qualidade, obedecendo as especificações, sob pena de
impugnação dos mesmos pela fiscalização.
Todos os cabos deverão ser identificados através de anilhas ou fitas
especificas para facilitar a manutenção, a passagem dos condutores deverá ser
iniciada após a instalação, fixação e limpeza de toda tubulação e após a primeira e
antes da última demão de tinta nas paredes. A fim de facilitar a passagens dos
condutores pelos eletrodutos, pode ser utilizado somente guias de puxamento que só
devem ser introduzidos após a execução da tubulação, não sendo admitido o uso de
talco, parafina, vaselina, graxa e etc.
23

As emendas e derivações nos condutores de iluminação e tomadas devem


ser executadas de modo que garantam resistência mecânica adequada e
continuidade elétrica, de contato perfeito, permanente e somente dentro das caixas
de passagem. Nas tubulações subterrâneas não serão permitidas emendas nos
cabos. O isolamento das emendas e derivações deve ter características pelo menos
iguais às do isolamento dos condutores. A recomposição do isolamento na emenda
poderá ser obtida com o emprego de fitas isolantes anti-chama.
Todas as partes metálicas da instalação devem ser aterradas nas barras de
aterramento geral, através de cabo de cobre isolado na cor verde ou cordoalha de
cobre.

13 ALTERAÇÕES DO PROJETO
Toda e qualquer alteração do projeto deverá ser expressamente comunicada
ao projetista, o qual deverá estudar a proposta do caso e emitir seu parecer técnico
dentro de um prazo previamente acertado entre as partes. Em caso de dúvidas sobre
algum detalhe do projeto durante a execução, o projetista deverá ser consultado sobre
qual solução adotar. Os direitos autorais são de propriedade do projetista.

Palmas, 12 de Abril de 2019.


24

_____________________________________________________

Raimundo Rodrigues Miranda

Você também pode gostar