Você está na página 1de 9

Conto Contigo 7

TESTE 4 TEXTO NARRATIVO

Grupo I (20 pontos)

Lê o texto A.

MUDAR DE VIDA PELOS SEUS CÃES


Um pouco por todo o mundo, mais nuns países que noutros, vai havendo quem dedique o
seu tempo aos animais abandonados. Sendo literalmente realizado por paixão, este não deixa
de ser um importante trabalho social e de grande valor para as sociedades modernas.
De Tangquan, na província de Nanjing, no Leste da China, vem o exemplo supremo(1) deste
tipo de dedicação a cães e gatos. Ha WenJin, uma cidadã chinesa, começou por retirar da rua
alguns animais errantes, apenas para os adotar. Com o passar do tempo, por volta de 2002, os
cães e gatos que foi resgatando(2) já eram tantos, que teve de abdicar(3) do seu emprego – era
uma empresária próspera(4) – para conseguir tratar em condições de todos os seus animais.
Cada vez mais foi acolhendo cães e gatos, até que chegou aos números atuais: 1500 cães e
cerca de 200 gatos.
Pelo caminho ficaram todas as suas poupanças, depois vendeu as joias que tinha adquirido
ao longo da vida, mais tarde o carro, e, por fim, até da casa se desfez para alimentar e cuidar de
todos aqueles que acolheu. Neste momento, trabalham consigo mais dez pessoas, assalaria-
das(5), que a ajudam todos os dias a cuidar dos cães e gatos que alberga(6).
Mas, apesar de toda esta dedicação e de ter gasto tudo o que tinha para o bem do resto da
população e dos seus animais, construindo um centro de resgate e mantendo-o ao longo dos
anos, Ha WenJin vê-se agora em risco de ver o seu trabalho e dedicação perderem-se. Isto por-
que as autoridades locais não reconhecem o seu trabalho e querem que abandone o local onde
está instalado o seu centro de resgate, por causa do barulho que os cães fazem e também por-
que querem de volta o terreno onde estão os animais. A data para abandonar o local é 4 de de-
zembro.
Texto adaptado de um artigo extraído de http://bicharada.net/animais/noticias.php?nid=1459,
4 de Dezembro de 2010

VOCABULÁRIO
(1) supremo – que está acima de tudo.
(2) resgatando – livrando do cativeiro / recuperando.
(3) abdicar – desistir.
(4) próspera – com sucesso.
(5) assalariadas – funcionárias.
(6) alberga – recolhe em albergue.
CONTO CONTIGO 7

Assinala com ✗ o quadrado correspondente à alternativa correta, de acordo com o sentido


do texto. (10 pontos)

1. Por todo o mundo


há quem se dedique a animais por interesse.
há quem se dedique a todos os animais apenas por paixão.
há quem se dedique a animais abandonados.
há quem se dedique ao trabalho social.

2. Uma cidadã chinesa, da província de Nanjing,


dedicou a sua vida à sua empresa.
tratou com dedicação todos os animais que lhe ofereceram.
tratou com condições todos os animais sem deixar de trabalhar na sua empresa.
resgatou muitos cães e gatos, cuidando deles a tempo inteiro.

3. U a WenJin
foi obrigada a vender todos os seus bens para poder tratar dos animais resgatados.
vendeu as joias, o carro e a casa para fazer face às despesas com os animais.
acolheu animais abandonados e não gastou muito dinheiro.
recebeu sempre muitas ajudas em dinheiro.

4. As pessoas que ajudavam Ha WenJin


trabalhavam gratuitamente.
ganhavam um salário.
aceitavam recompensas.
receberam muito dinheiro.

5. O centro de resgate dos animais abandonados


recebeu uma grande ajuda do Estado.
doou o espaço onde foi construído o albergue.
mereceu o reconhecimento das autoridades locais.
está com muitas dificuldades e corre o risco de fechar.
Testes de avaliação

Responde às seguintes questões de forma estruturada.


6. A sociedade reconhece a importância do serviço prestado aos animais abandonados.
6.1. Indica a expressão do texto (1.º parágrafo) onde esta ideia está expressa. (3 pontos)

7. Explica o sentido da expressão “Pelo caminho ficaram todas as suas poupanças”.


(3 pontos)

8. Mudar de vida pelos seus cães é o título do texto.


Explica se este título é adequado ao texto. (4 pontos)
CONTO CONTIGO 7

Grupo II (25 pontos)

Lê, com atenção, o texto B.

Cão bonito, dizia eu, em momentos raros. E era um acontecimento lá em casa. Os filhos
como se reconciliavam(1) comigo, minha mulher sorria, o cão começava por ficar surpreendido
e depois reagia com excesso de euforia(2), o que por vezes me fazia arrepender da expressão
carinhosa.
Cão bonito. E ei-lo aos pulos, a dar ao rabo, a correr a casa toda.
Digamos que aquele cão era quase um especialista nas relações com os humanos. Tinha o
dom de agradar e de exasperar(3). Mas assim que eu dizia – Cão bonito – ele não resistia. Dei-
xava-se dominar pela emoção, o que não era vulgar num cão que fazia o possível e o impossível
para não o ser.
Mas faça-se justiça: sempre partilhou as nossas alegrias e as nossas tristezas. Estou a vê-lo
no dia do funeral do meu pai. Quando viemos do cemitério ele correu a casa toda, percebeu
que havia uma falta, ou talvez sentisse uma presença que nós fisicamente já não sentíamos.
Subiu as escadas, desceu as escadas, entrou e saiu de cada sala, deu voltas ao jardim, tornou a
correr a casa toda. Até que de repente parou e foi enroscar-se, como sempre, aos pés do meu
pai, quero dizer, em frente à cadeira vazia onde meu pai costumava sentar-se. Ou talvez para
ele a cadeira não estivesse assim tão vazia.
– Ele está a sentir o avô, disse o meu filho mais velho.
E talvez fosse verdade. Talvez para ele o meu pai estivesse mesmo deitado aos seus pés.
Talvez o meu pai lhe estivesse a fazer uma festa, o que era um facto verdadeiramente exce-
cional. E talvez só ele a sentisse. Não víamos o que ele via, e não sabíamos o que ele sabia.
(É possível que o meu pai também ande por aí. Às vezes sinto-o dentro de mim, ele apo-
dera-se dos meus gestos, entra no meu andar, não é a primeira vez que a minha irmã me diz:
Pareces o pai.
Mas não sei se ela sabe que a cadeira vazia do pai não está vazia, há nela uma ausência sen-
tada e agora, sempre que vamos a Águeda, há, a seus pés outra ausência enroscada.)
Manuel Alegre, Cão Como Nós, Dom Quixote

VOCABULÁRIO
(1) reconciliavam – faziam as pazes
(2) euforia – alegria entusiástica
(3) exasperar – desesperar
Testes de avaliação

Responde às questões de forma estruturada. Sempre que necessário, volta a ler o texto.

1.Raramente, o narrador chamava “cão bonito” ao seu cão.


1.1. Refere o sentimento que o dominava ao usar esta expressão. (4 pontos)

2. Explica o significado da expressão “em momentos raros”. (3 pontos)

3. A família reagia à forma como o narrador tratava o seu cão.


3.1. Achas compreensível o comportamento dos seus familiares? Porquê? (5 pontos)

4. Segundo o narrador, o cão comportava-se como um ser humano.


4.1. Apresenta as razões que apoiam este ponto de vista. (5 pontos)

5. “Mas faça-se justiça: sempre partilhou as nossas alegrias e as nossas tristezas.”


5.1. Descreve o acontecimento que serve de argumento a esta afirmação. (3 pontos)

6. Na tua opinião, qual será o protagonista deste conto? Apresenta dois argumentos que fun-
damentem a tua resposta. (5 pontos)
CONTO CONTIGO 7

Grupo III (25 pontos)

Responde aos itens que se seguem, de acordo com as orientações dadas.

1. Reescreve os excertos a) e b), adaptados do conto Samuel & Saltitão, de Margaret Wild, subs-
tituindo as palavras sublinhadas por pronomes pessoais. Faz as alterações necessárias.
a) (2 pontos)

Quando o cachorro veio viver com Samuel, Samuel chamou ao cachorro Saltitão, por-
que não parava de saltitar.
E todas as noites o bicho passava furtivamente pelo pai do menino para ir dormir com
o menino.
– Boa noite. – dizia ao Saltitão.
E olhavam um para o outro, com os olhos a brilhar de malícia e de prazer.

Margaret Wild, Samuel & Saltitão, Editorial Caminho

b) (4 pontos)

O pai estava sentado nos degraus da frente. – Samuel, anda cá e senta-te aqui.
– Onde está o Saltitão? perguntou o rapaz ao pai.
– O Saltitão morreu. Tenho muita pena. Houve um acidente.
O menino cambaleou para dentro de casa, largou a mochila e acendeu a televisão.
– Queres vir dizer adeus ao Saltitão antes de eu enterrar o Saltitão? – perguntou o pai.
Samuel não quis. O pai viu Samuel chorar e deixou Samuel com a sua mágoa, embora
apetecesse ao pai acariciar Samuel e dizer ao Samuel para não ir à escola, nesse dia.

Margaret Wild, Samuel & Saltitão, Editorial Caminho


Testes de avaliação

2. Constrói frases complexas, ligando as frases da coluna A com as da coluna B. (6 pontos)

Coluna A Coluna B
a) O cão Saltitão sentava-se junto de Samuel. Ninguém o pode substituir.
b) A cadeira do pai do narrador está vazia. Estava bem disposto.
c) Os cães são amigos do homem. Ali ficava muito quieto.
d) O narrador chamava-lhe cão bonito. O homem nem sempre é amigo dos animais.

3. Cada uma das frases a), b) e c) contém um modificador.


Identifica-o. (3 pontos)

a) Agora, a cadeira do meu pai está vazia.


b) Nessa noite, o cão sentiu a morte do meu pai.
c) O autor concluiu o livro com um poema.

4. Lê o excerto seguinte. (4 pontos)


E Saltitão estava lá outra vez, mas não exatamente tão sólido nem tão quente. Ainda assim,
ele e o Samuel brincaram com a bola e com os pauzinhos.
O Samuel falou ao pai acerca do Saltitão mas receava a sua reação.

4.1. Indica o tempo e o modo das formas verbais sublinhadas.

5. Lê as frases:

a) Procuraram aquele cão por todo o lado.


b) Três pessoas viram o cão na praia.
c) O cão não parava de saltitar.

5.1 Preenche a tabela com palavras que correspondam às classes gramaticais indicadas. (6
pontos)

Dois Um quantificador
Quatro nomes Três verbos Duas preposições
determinantes numeral
Grupo IV (30 pontos)

Redige uma carta a um(a) amigo(a) com um mínimo de cento e vinte e


um máximo de duzentas palavras, em que lhe dês a conhecer a concretização de um sonho teu,
ter um animal de estimação.
O teu texto deve cumprir a estrutura formal da carta.
Conto Contigo 7

Sugestões de resolução

Teste 4

Grupo I 1. há quem se dedique a animais abandonados. 2. resgatou muitos cães e gatos,


cuidando deles a tempo inteiro. 3. foi obrigada a vender todos os seus bens para poder tratar
dos animais resgatados. 4. ganham um salário. 5. está com muitas dificuldades e corre o risco
de fechar. 6.1. A afirmação textual é “… de grande valor para as sociedades modernas.” 7. A
expressão significa que Ha WenJin foi gastando tudo quanto tinha amealhado. 8. A adequação
do título decorre do facto de sintetizar as consequências da tomada de decisão de Ha WenJin
de albergar os animais abandonados, cuidando deles a tempo inteiro.

Grupo II 1.1. Ao usar a expressão “cão bonito”, o narrador mostrava afeição / simpatia pelo
cão. 2. A expressão “momentos raros” poderá significar que os sentimentos do narrador pelo
cão oscilavam – nem sempre estava disposto a ser amistoso com o animal. 3.1. A frase “E era
um acontecimento lá em casa” significa que tanto os comportamentos dos familiares do
narrador como os do cão se alteravam sempre que o narrador o elogiava. Havia regozijo por
parte da família e do animal e este reagia com euforia, como se fosse festa. 4.1. O cão
comportava-se como um ser humano, pois era um especialista nas relações com os humanos:
sabia agradar e desesperar. Por outro lado, o animal partilhava dos momentos tristes e alegres
da família. 5.1. O cão partilhou da tristeza da família no dia do funeral do pai do narrador.
Sentindo a falta do patriarca, o cão correu pela casa toda e acabou por se enroscar em frente à
cadeira vazia onde aquele se costumava sentar. 6. O cão é o protagonista desta história, uma
vez que a ação se desenrola em torno dos seus comportamentos e atitudes (a euforia e a
tristeza manifestadas pelo animal em diversos momentos). O facto de o título da obra ser Cão
como nós indicia que a personagem principal é o cão.

Grupo III 1. a) Quando o cachorro veio viver com Samuel, ele chamou-lhe Saltitão, porque não
parava de saltitar. E todas as noites o bicho passava furtivamente pelo pai do menino para ir
dormir com ele. - Boa noite. – dizia-lhe. E olhavam um para o outro, com os olhos a brilhar de
malícia e de prazer. b) O pai estava sentado nos degraus da frente. – Samuel, anda cá e senta-te
aqui.– Onde está o Saltitão? Perguntou-lhe o rapaz.– Ele morreu. Tenho muita pena. Houve um
acidente. O menino cambaleou para dentro de casa, largou a mochila e acendeu a televisão. –
Queres vir dizer-lhe adeus antes de eu o enterrar? – perguntou o pai. Samuel não quis. O pai viu-
o chorar e deixou-o com a sua mágoa, embora lhe apetecesse acariciá-lo e dizer-lhe para não ir à
escola, nesse dia. 2. a) O cão Saltitão sentava-se junto de Samuel e ali ficava muito quieto. b) A
cadeira do pai do narrador está vazia, porque ninguém o pode substituir. c) Os cães são amigos
do homem, mas o homem nem sempre é amigo do cão. d) O narrador chamava-lhe cão bonito,
quando estava bem disposto. 3. a) “agora”; b) “Nessa noite”; c) “com um poema”. 4. estava –
pretérito imperfeito do indicativo; brincaram – pretérito perfeito do indicativo; falou - pretérito
perfeito do indicativo; receava – pretérito imperfeito do indicativo. 5.

Dois Um Quatro Dois verbos Duas


determinantes quantificador nomes preposições
numeral
aquele; o três cão; lado Procuraram;viram; de
pessoas; praia parava por

Grupo IV – Resposta aberta.