Você está na página 1de 55

CURSO DE BRIGADA 2016

1
NR 23.1

Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de


incêndios, em conformidade com a legislação estadual e as
normas técnicas aplicáveis.

23.1.1 O empregador deve providenciar para todos os


trabalhadores informações sobre:

a) utilização dos equipamentos de combate ao incêndio;


b) procedimentos para evacuação dos locais de trabalho com
segurança;
c) dispositivos de alarme existentes

2
OBJETIVO:

Proporcionar aos colaboradores o conhecimentos para atuar


na prevenção e no combate de principio de incêndio,
abandono de área e primeiros socorros.

3
Módulo Assunto Objetivos Objetivos parte
parte teórica prática
01 Introdução Objetivos do curso e Conhecer os objetivos
o brigadista gerais do curso e
comportamento do
brigadista.

02 Aspectos Legais Responsabilidade do Conhecer os aspectos


Brigadista. legais relacionados a
responsabilidade do
brigadista.

03 Teoria do fogo Combustão, seus Conhecer a


elementos e a reação combustão, seus
em cadeia elementos, funções,
temperaturas do fogo
(por exemplo: ponto
de fulgor,
ignição e combustão)
e a reação em cadeia.

4
04 Propagação do Condução, convecção e Conhecer as formas de
fogo irradiação. propagação do fogo.

05 Classes de Classificação e Identificar as classes de Reconhecer as


incêndio características. incêndio. classes de incêndio.
06 Prevenção de Técnicas de prevenção. Conhecer as técnicas
incêndio. de prevenção para
avaliação dos riscos em
potencial.
07 Métodos de Isolamento, Conhecer os métodos e Aplicar os métodos.
extinção. abafamento, suas aplicações.
resfriamento e extinção
química.
08 Agentes Água, Pós, CO2, Conhecer os agentes, Aplicar os agentes.
extintores. espumas e outros. suas
características e
aplicações
09 EPI EPI Conhecer os EPI Utilizar os EPI
(equipamentos de necessários para corretamente.
proteção individual). proteção da cabeça,
dos olhos, do tronco,
dos membros
superiores e inferiores e
do corpo todo.

10 Equipamentos de Extintores e acessórios. Conhecer os Operar os


combate a incêndio. equipamentos suas equipamentos.
aplicações, manuseio e
inspeções.
5
11 Equipamentos Hidrantes, Conhecer os Operar os
de combate a mangueiras e equipamentos suas equipamentos
incêndio. acessórios. aplicações, manuseio
e inspeções.

12 Equipamentos Tipos e Conhecer os meios Identificar as formas


de detecção, funcionamento mais comuns de de
alarme, luz de sistemas e manuseio acionamento e
emergência e desativação dos
comunicações. equipamentos

13 Abandono de Conceitos Conhecer as técnicas


área de abandono de área,
saída organizada,
pontos de encontro e
chamada e controle
de pânico.

14 Pessoas com Conceitos Descrever as


mobilidade técnicas de
reduzida. abordagem, cuidados
e condução de
acordo com o plano
de emergência da
planta.

6
BRIGADA DE INCÊNDIO

Definição:
Grupo organizado,de pessoas voluntárias ou não, treinado e
capacitado para atuar na prevenção, abandono e combate a um
princípio de incêndio e prestar primeiros socorros, dentro de uma
área preestabelecida.

É através de grupo treinado, que se poderá evitar grandes perdas


materiais, sociais e principalmente salvar vidas de muitas
pessoas, além da sua. Sabemos que a prevenção é a melhor
estratégia a ser adotada, muito mais simples do que o combate,
além dos custos serem reduzidos.
As atribuições do brigadista de incêndio são as seguintes:
Ações de prevenção
Ações de emergência

7
QUÍMICA DO FOGO

O fogo é uma reação química chamada de combustão que


desprende calor e luz, produzindo alterações na substância que se
queima.

Combustível

Calor

Comburente

8
MÉTODOS DE EXTINÇÃO DE
INCÊNDIO

Isolamento, quando se r etir a o combustível ou


material.

9
MÉTODOS DE EXTINÇÃO DE
INCÊNDIO

Abafamento, quando se r etir a o comburente


/oxigênio.

10
MÉTODOS DE EXTINÇÃO DE
INCÊNDIO

Resfriamento ,quando se r etir a o


calo.

11
Conhecendo o Tetr aedr o do fogo

1- Material

2- Oxigênio

3- Ener gia

4- r eação em cadeia

12
TETRAEDRO DO FOGO

Esses quatro elementos são muito importantes, e são a base de todo o


conhecimento sobre fogo e incêndio.
Eles são conhecidos como Tetraedro do Fogo.

13
Temper aturas

Ponto de fulgor, É a temperatura mínima para que um corpo


desprenda gases que se queimam em contato com uma fonte externa
de calor, não havendo duração prolongada na queima, por não haver
gases em quantidade suficiente.

Ponto de combustão, É a temperatura através da qual um


corpo emite gases em quantidade suficiente, para que haja chama
permanente, quando houver contato com uma fonte externa de calor.

Ponto de ignição, É a temperatura através da qual os gases


desprendidos por um corpo entram em combustão sem o auxílio de
fonte externa de calor. Somente a presença do oxigênio é suficiente.

14
VIDEO NR23

15
PROPAGAÇÃO DO CALOR

O Calor pode se propagar de três diferentes


maneiras: condução,convecção e irradiação.

Condução

Transferência de calor através de um corpo sólido de


molécula em molécula

16
PROPAGAÇÃO DO CALOR

Convecção
Transferência de calor pelo movimento ascendente de massas de
gases.

Movimentação de massas gasosas transporta o calor


para cima e horizontalmente nos andares.
17
PROPAGAÇÃO DO CALOR

Irradiação

Transferência de calor por ondas de energia que se deslocam


através do espaço.

Ondas caloríficas atingem os objetos, aquecendo-as


18
CAUSAS DE INCÊNDIO

HUMANAS

NATURAIS

ACIDENTAIS

ELÉTRICAS

MECÂNICAS

19
CAUSAS DE
INCÊNDIO

20
Bombeiro civil morto em incêndio no museu é enterrado em São Paulo

O bombeiro civil Ronaldo Pereira da Cruz, de 39 anos, morto durante incêndio no


Museu da Língua Portuguesa trabalhava no prédio do museu há três anos. Quando
os bombeiros entraram no prédio, ele já estava caído no chão desacordado. Ele
chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos. Ele tentava combater as
chamas e teve uma parada cardiorrespiratória. 21
FONTES CAUSADORAS DE INCÊNDIOS

22
Video
01

23
CLASSES DE INCÊNDIO

CLASSE A
• Caracteriza-se por fogo em materiais sólidos;
• Queimam em superfície e profundidade;
• Após a queima deixam resíduos, brasas e cinzas;

CLASSE B
• Caracteriza-se por fogo em combustíveis líquidos inflamáveis;
• Queimam em superfície;
• Após a queima, não deixam resíduos;

CLASSE C
• Caracteriza–se por fogo em materiais/equipamentos energizados (geralmente
equipamentos elétricos);
• A extinção só pode ser realizada com agente extintor não-condutor de
eletricidade, nunca com extintores de água ou espuma;
• O primeiro passo num incêndio de classe C, é desligar o quadro de força, pois assim ele
se
tornará um incêndio de classe A ou B.

CLASSE D
• Caracteriza-se por fogo em metais pirofóricos (alumínio, antimônio, magnésio,etc.)
• São difíceis de serem apagados;
• Esse tipo de incêndio é extinto pelo método de abafamento;

24
AGENTES EXTINTORES

AGENTE EXTINTOR

É todo material que, aplicado ao fogo, interfere na sua química, provocando uma
descontinuidade em um ou mais lados do triângulo do fogo, alterando as
condições para que haja fogo.

EXTINTOR

É um equipamento para combater princípios de incêndio, portátil ou sobre rodas,


que contém um agente extintor e é dotado de um mecanismo para expulsá-lo. Os
extintores são qualificados conforme o agente extintor que contém, indicado para
uma ou mais classes de incêndio.

a) De uma distribuição adequada destes extintores pela área a ser protegida;


b) De manutenção adequada e eficiente;
c) De pessoal habilitado a manejar aparelhos na extinção de incêndio.

25
AGENTES EXTINTORES

Extintor Água Extintor CO2 Extintor Extintor ABC Extintor Incêndio


Pó Químico Tipo D

Carreta PQS – 20Kg Extintor de Espuma Extintor de Halon Lacre

26
Video
02

27
EQUIPAMENTOS DE COMBATE A INCÊNDIO

HIDRANTES

São dispositivos existentes em redes hidráulicas; usam como


agente extintor a água. O sistema é composto por
reservatório de água(independente), canalização,
mangueiras,esguichos e abrigos.

Os hidrantes são destinados exclusivamente ao serviço de


combate a incêndios. Podemos considerar quatro tipos de
hidrantes de incêndios que obedecem a determinadas
características em razão do seu emprego e funcionamento.
Os hidrantes urbanos, internos, externos e recalque.

28
EQUIPAMENTOS
É um equipamento de segurança usado como fonte de água para ajudar no
combate de incêndios.

BRIGADISTAS

29
AGENTE
EXTINTORES
Água

Seu agente extintor é a água que age por resfriamento. É indicado para
incêndios da classe A. Em hipótese alguma poderá ser usado em
incêndios da classe C.

Modo de usar:

retirar a trava de segurança;

dirigir o jato para a base do fogo.

segurar a mangueira e apertar o gatilho;

30
Gás Carbônico – CO2
Também conhecido como dióxido de carbono ou CO2, é um gás mais
denso( mais pesado )que o ar, sem cor, sem cheiro, não condutor de
eletricidade e não venenoso( mas asfixiante).Age principalmente por
abafamento, tendo, secundariamente, ação de resfriamento.

Pode não deixar resíduos nem ser corrosivo é um agente extintor


apropriado para combater incêndios em equipamentos elétricos e
eletrônicos sensíveis( centrais telefônicas e computadores).

31
Pó Químico Seco – PQS

Age pela quebra de reação em cadeia e por abafamento. Sua ação


consiste na formação de uma nuvem sobre a superfície em chamas. O
pó, sob pressão, é expelido quando o gatilho é acionado. É mais eficiente
nas classes B e C.

32
ABC

É o agente extintor indicado para as classes A ,B e C


Age por abafamento Seu principal componente, o fosfato Monoamônico,
é um produto muito utilizado na produção de fertilizante agrícola. Após a
utilização de um extintor ABC, recomenda-se apenas ventilar o local e
as áreas atingidas.

33
IMPORTÂNCIA DO EXTINTOR

Os extintores são as ferramentas adequadas e mais próximas


para combater o fogo antes da chegada dos bombeiros.

Eles devem estar sempre em perfeito estado. É necessário


verificar constantemente se o acesso aos extintores não está
obstruído; o lacre não está rompido; o manômetro indica
pressurização (faixa verde,amarela, branca ou azul);

O aparelho não apresenta vazamento; os bicos e válvulas da


tampa estão desentupidos. Alerte o responsável sobre
qualquer irregularidade, para que a situação seja rapidamente
sanada.

34
BRIGADA
DE
INCÊNDIO

Plano
De Abandono

35
PLANO DE ABANDONO

PORQUE DEVEMOS TER UM BOM PLANEJAMENTO?

Em Um desastre as comunicações podem ser interrompidas e


as condições podem ser caóticas, por isso o objetivo de um
plano de controle de desastre deve ser o de desenvolver o
planejamento que permitirá aos responsáveis pela empresa,
durante uma situação de emergência, se concentrarem mais
na solução dos problemas prioritários do que na tentativa de
por alguma ordem ao caos.

36
Video
03

37
PLANO DE ABANDONO

OBJETIVOS DO TRABALHO
Este trabalho tem por objetivo demonstrar a importância de uma boa
organização e um bom planejamento, sistematizando tecnicamente
os planos de evacuação em especial as rotas de fuga, a fim de que
nós como profissionais saibamos organizar com certa destreza a
evacuação de prédios em situações de emergência.

38
SISTEMA DE ALARME CONTRA INCÊNDIO

Os alarmes de incêndio podem ser manuais ou automáticos.


Os detectores de fumaça, de calor ou de temperatura acionam
automaticamente o aviso.
O alarme deve ser audível em todos os setores da área abrangida pelo
sistema de segurança.
As verificações nos alarmes precisam ser feitas periodicamente.
A edificação deve contar com um plano de ação para otimizar os
procedimentos de abandono do local, quando do acionamento do
alarme. 39
ROTA DE FUGA

● Via considerada mais


segura por onde devem
se evadir os
Colaboradores das áreas
já atingidas ou passíveis
de se tornarem áreas de
emergência.

● Estas rotas devem ser


divulgadas a
todos,através do
processo de integração.
40
Ponto de Encontro

● Local sinalizado, onde se recebe maiores instruções de como


será o Procedimento adotado de acordo como tipo de
emergência,
● Do retorno ao local de trabalho ou mesmo abandono da área
industrial, devendo ser contabilizado a quantidade de
colaboradores neste local, e se possível o tempo de chegada de
todos ao local. 41
Video
04

42
PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIAS
(PAE)

Conheça o plano de emergência do seu


setor de trabalho, saiba como acionar
corretamente a central de atendimento a
emergências, PROCURE O SESMT NO
RAMAL 6106

43
ACIONANDO A CENTRAL DE
EMERGÊNCIAS

Identifique‐se, seja objetivo.


Informe:
O que aconteceu (qual o tipo de acidente),
O número de vitimas envolvidas.
O local exato, (observe placa de sinalização)
e pelo menos dois pontos de referências conhecidos
do local.
Ligue diretamente
193 BOMBEIRO MILITAR

44
INSTALAÇÕES / EQUIPAMENTOS DE
EMERGÊNCIAS

O Serviço médico também conta com ambulâncias equipadas e


pessoal treinado para atendimento a acidentes e mal súbitos.
45
Video
05

46
Deve-se observar...

A concepção moderna de combate, exige grande soma de


conhecimentos profissionais e habilidades.

Preparação

Tática

Técnica

47
COMBATE A INCÊNDIO
PREPARAÇÃO

BRIGADISTAS

Ato ou efeito de preparar ou de preparar-se

48
COMBATE A INCÊNDIO

Compreende o estudo do emprego de


TÁTICA procedimentos adequados no momento do fogo
com todos os meios providenciados na
preparação.

BRIGADISTAS

FOTO INFRAERO
49
COMBATE A INCÊNDIO

TÉCNICA:

Compreende a maneira como são usados acertadamente todos os meios


disponíveis . Envolve o conhecimento adquirido nos estudos, treinamentos e
simulações
50
Video
06

51
RECOMENDAÇÕES GERAIS I
OBSERVAR O TIPO DE INCÊNDIO PARA UTILIZAR O AGENTE
EXTINTOR CORRETO
UTILIZAR CORRETAMENTE DIRECIONANDO O JATO A BASE DO
FOGO
MANTENHA UMA DISTÂNCIA SEGURA E MUITA CALMA

52
RECOMENDAÇÕES GERAIS II
Em caso de simulado ou incêndio adotar os seguintes procedimentos:

• OBSERVAR A CINEMÁTICA DO LOCAL (O AMBIENTE)


• PREPARAR O AGENTE EXTINTOR AO MATERIAL QUE ESTÁ EM
COMBUSTÃO
• EVACUAR AS PESSOAS
• AVISAR O CORPO DE BOMBEIROS
• AMBIENTE COM FUMAÇA
• NUNCA USE ELEVADORES
• NUNCA SUBA AS ESCADAS
• NUNCA TIRE AS ROUPAS
• IMPROVISAR PANO MOLHADO JUNTO A BOCA
• DESCER ESCADAS SEMPRE PELO LADO DIREITO

53
Prático de combate a incêndio

Utilização dos extintores

Conhecendo o mangote (mangueira)

Acondicionamento da mangueira (aduchamento)

Equipamentos -chave storz,esguicho,mangueiras

Simulado de incêndio

BOMBEIRO MAURÍCIO LIMA


54
55