Você está na página 1de 12

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA

CENTRO DAS HUMANIDADES - CEHU

As contribuições de Euzébio Vanerio na implementação do método de Lancaster ou


ensino mútuo na província da Bahia no início do século XIX.

Projeto de pesquisa elaborado pelo discente Ítalo


Eratóstenes Chagas de Carvalho como obtenção
de avaliação na disciplina TCC I, do curso de
licenciatura em História da Universidade Federal
do Oeste da Bahia - UFOB sob a orientação do
professor Rafael Sancho.

BARREIRAS
2018
SUMÁRIO

RESUMO ................................................................................................................................ 03

1. INTRODUÇÃO ................................................................................................................... 04

2. JUSTIFICATIVA ................................................................................................................ 06

3. OBJETIVOS ........................................................................................................................ 07

3.1 OBJETIVO GERAL ................................................................................................ 07

3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS ................................................................................... 07

4. CONSIDERAÇÕES TEORICO-METODOLÓGICAS ..................................................... 08

5. LISTA DE FONTES .......................................................................................................... 11

6. CRONOGRAMA ................................................................................................................ 11

7. REFERÊNCIAS .................................................................................................................. 12
3

RESUMO

A proposta deste trabalho tem como objeto de pesquisa, o estudo de análises das contribuições
de Euzébio Vaneiro no processo de implementação do método de Lancaster ou ensino mútuo
na província da Bahia no início do século XIX, apresentando sua trajetória política e social
visando identificar elementos da sua contribuição no projeto de ensino mutuo ou método
Lancaster. O projeto em questão foi inicialmente traduzido por Euzébio Vanerio em 1809, e,
consequentemente apresentado à corte portuguesa no período Joanino que se instalou na
colônia brasileira, sendo posteriormente também apresentado à corte imperial brasileira ao
imperador D. Pedro I. Dentro deste processo e contexto histórico é que possivelmente estão às
contribuições de Euzébio Vanerio na implementação de um projeto de educação baseado no
método de Lancaster ou ensino mútuo na província da Bahia. Assim, percebendo que todo
sujeito transporta consigo a marca da sociedade em que vive como também de um povo, de
uma classe e de ideias que permeiam os homens de seu tempo, não podemos esquecer a sua
função social e política no processo histórico da História da Educação na província da Bahia.
A chave para compreendermos as especificidades e multiplicidades das sociedades é analisar
a historicidade do individuo e o fenômeno de seus conhecimentos, principal ofício do
historiador. O recorte temporal prioriza analisar aspectos relacionados a ensino mútuo ou
método de Lancaster e instrução pública na Bahia do século XIX, através das contribuições de
Euzébio Vanerio analisando um conjunto de documentos.

Palavras-chave: Euzébio Vanerio, Método Lancaster ou ensino mútuo e História da


Educação.

ABSTRACT
The purpose of this research is to study the contributions of Euzébio Vaneiro in the process of
implementing the Lancaster method or mutual teaching in the province of Bahia at the
beginning of the 19th century, presenting its political and social trajectory in order to identify
elements of the his contribution in the mutual teaching project or Lancaster method. The
project in question was initially translated by Euzébio Vanerio in 1809, and consequently
presented to the portuguese court in the Joanino period, which settled in the brazilian colony,
and was later presented to the brazilian imperial court to the emperor D. Pedro I. Within this
process and context historical is that they are possibly the contributions of Euzébio Vanerio in
the implementation of an education project based on the Lancaster method or mutual teaching
in the province of Bahia. Thus, realizing that every subject carries with it the mark of the
society in which it lives, as well as of a people, a class and ideas that permeate the men of its
time, we can not forget its social and political function in the historical process of the History
of education in the province of Bahia. The key to understanding the specificities and
multiplicities of societies is to analyze the historicity of the individual and the phenomenon of
his knowledge, the main office of the historian. The temporal cut prioritizes to analyze aspects
related to mutual teaching or Lancaster method and public education in Bahia of the
nineteenth century, through the contributions of Euzébio Vanerio analyzing a set of
documents.

Keywords: Euzébio Vanerio, Lancaster Method or mutual teaching and History of Education.
4

1. INTRODUÇÃO

Durante o meu processo de formação profissional na academia, quando estudamos a


História da Educação no Brasil, praticamente não temos acesso a informações da educação
dos “primitivos” indígenas que aqui já habitavam. As pesquisas e os trabalhos acadêmicos
produzidos na área da história da educação, apenas remontam para o ano de 1549, com a
chegada dos jesuítas e o primeiro governador geral, Tomé de Souza. Aqui vimos que há um
princípio de instrução formal básica. Esse processo é instituído pelos jesuítas, através de
escolas aldeias ou missões indígenas, e colégios nas principais cidades da colônia portuguesa,
sendo o caso de Salvador na província da Bahia. Logo após, para o terceiro quarto do século
XVIII as funções dos jesuítas na colônia portuguesa são bruscamente interrompidas, fruto das
reformas pombalinas introduzidas pelo Marquês de Pombal na metrópole, e posteriormente
introduzido nas colônias portuguesas, através da criação das aulas régias. Segundo Dermeval
Saviani, “as reformas pombalinas se contrapõem ao predomínio das ideias laicas inspiradas no
Iluminismo, instituem o privilégio do Estado em matéria de instrução.” (SAVIANI, 2013,
p.114).
Por conta deste processo histórico, para o final do século XVIII e início do XIX,
observamos que houve uma desorganização do sistema de ensino na colônia, provocado pela
expulsão dos jesuítas no período colonial e que sempre me aproximou com o tema escolhido,
causando-me inquietação e ânimo para procurar respostas de perguntas sobre a história da
educação brasileira na sua gênese. Apreciamos, inicialmente, que a vinda da Família Real
portuguesa a sua maior colônia, em 1808, sob o amparo dos ingleses e da decretação da
abertura dos portos e ao comércio estrangeiro, desencadeou na colônia portuguesa uma série
de decisões políticas que marcaram fortemente planos, projetos e a instrução da sociedade
brasileira oitocentista, principalmente no contexto educacional, no qual as ações do período
Joanino ficaram evidentes por conta das implantações da Biblioteca Nacional, Escolas
Superiores da Bahia, Rio de Janeiro e Pernambuco.
Os grupos de pesquisa na área da história da educação do Brasil reconhecem o
acanhado estudo no campo, principalmente no período colonial e no início do império, em
especial com relação ao processo de introdução do método de Lancaster ou ensino mútuo no
território brasileiro, isso muito devido uma carência de vestígios históricos do período.
Segundo Clarice Nunes, pesquisar sobre a “história da educação é um exercício de reflexão de
grande envergadura e supõe desafios” (NUNES; GONDRA, 2005, p.8). Portanto, a demanda
por pesquisa no campo é necessário, para compreendermos através de documentos e vestígios
5

históricos, e, refletindo como se processou a introdução do método na sociedade baiana e


brasileira no período oitocentista, para que possamos extrair as diversas contribuições dos
agentes históricos da época. Para Nunes, “as fontes da história da educação definem, em boa
parte, os limites e as possibilidades das reconstituições que fazemos com a ajuda da
documentação disponível” (NUNES; GONDRA, 2005, p.36), principalmente nos arquivos
públicos e órgãos do Estado.
Ao analisar os documentos e o envolvimento de Euzébio Vanerio na promoção e
introdução do método de ensino de Lancaster ou ensino mútuo na província da Bahia, a minha
pretensão é destacar o sujeito histórico no cenário baiano e nacional, a sua conduta social e
suas contribuições ao tratar questões cruciais que foram objeto de debate em seu período. As
contribuições de Vanerio e dos documentos analisados, que podem nos revelar um horizonte
mais amplo na compreensão da história da educação baiana e brasileira no período
oitocentista, o que me faz pensar que é um importante referencial para reflexões acerca da
história da educação baiana e brasileira. Portanto conforme lembra muito bem, Leandro
Karnal:

A mutabilidade do documento tem relação com o sentido que o presente confere a


tais personagens ou fatos. [...] Fato e documento histórico demonstram nossa visão
atual do passado, num diálogo entre a visão contemporânea e as fontes pretéritas.
[...] Como veremos, nem o sujeito nem o objeto apresentam o domínio total da
mensagem no diálogo que dizemos chamar-se História. (KARNAL; PINSKY E
LUCA, 2013, p. 13).

Nesse sentido, as contribuições, as influências políticas e sociais de Euzébio Vanério


podem ser identificadas, portanto, através dos periódicos, dos regulamentos, das leis e dos
atos administrativos sólidos para sua concretização.

Por que os arquivos? Não só porque é com relação a eles que o problema das fontes
é mais complexo, mas também porque contém informações inestimáveis (muitas
vezes inéditas), necessárias ao cotejo e crítica de informações provenientes de outras
fontes e da própria historiografia educacional já produzida. (NUNES; GONDRA,
2005, p.32)

Para tanto, no período colonial e no início do imperial não era comum à coordenação
específica de um planejamento educacional, aja vista que não existia um órgão específico para
tratar dos assuntos de educação, porém o trabalho do pesquisador é mergulhar na investigação
e estabelecer um tratamento de interpretação documental.
Inicialmente, observamos que não há uma preocupação com a instrução pública e com
a formação da sociedade ao final do século XVIII e início do XIX. Uma vez que as aulas
régias já existiam na colônia, porém o projeto pombalino de reformas estruturais para o
desenvolvimento do Estado português não obteve força ou viabilidade nas colônias
6

portuguesas. A colônia brasileira de fato sofre um impacto nas estruturas sociais e mentais a
partir da chegada da família real portuguesa ao território.
Apesar do distanciamento cronológico aberto entre as reformas pombalinas, instituídas
ao final do século XVIII e os questionamentos existentes a cerca do processo de introdução do
método de Lancaster ou ensino mútuo no território brasileiro e na província da Bahia, no
início do século XIX, acredito que seja necessário relacionar os eventos, analisar os
fragmentos documentais e decodificar a sua dimensão histórica, através das ações e
contribuições de um sujeito histórico.

2. JUSTIFICATIVA

Considero que a verificação da pesquisa é bastante oportuna e de suma importância,


como proposta de estudo da História da Educação na Bahia do século XIX, uma análise de
possíveis aportes de um sujeito histórico e de documentos institucionais do período, dando um
aspecto relevante ao seu trabalho, às contribuições do sujeito no processo histórico e à análise
documental. Sendo assim, este trabalho pretende avançar no levantamento de fontes
históricas, na apreciação e na decodificação dos documentos, uma tentativa de contribuição de
novas reflexões na construção historiográfica acerca da história da educação na Bahia e no
Brasil.
Ao analisar os diversos livros dedicados à história da educação ou alguns trabalhos
acadêmicos que tratam do tema, fundamentalmente a observação prévia e que eles são
apresentados da seguinte maneira: uma história sobre o aspecto da organização escolar, do
pensamento pedagógico ou na tentativa de conciliar ambas as perspectivas. Acredito na
relevância desta pesquisa, devido a grande lacuna que é estabelecida com relação ao campo da
história da educação, levando em consideração que o período em questão é praticamente no
momento de um processo ruptura na colônia brasileira.
Um exemplo para fins de justificar a relevância do trabalho desta pesquisa é a obra
História das Ideias Pedagógicas no Brasil do professor Dr. Dermeval Saviani, que descreve
historicamente as práticas pedagógicas. Na obra de Saviani é perceptível a lacuna estabelecida
no processo histórico no que tange a introdução do método de Lancaster no território
brasileiro, Saviani descreve brevemente o “período das reformas pombalinas no Brasil”
(SAVIANI, 2013, p.107), e dando um salto temporal para o “desenvolvimento das ideias
pedagógicas leigas: ecletismo, liberalismo e positivismo (1827-1932)” (SAVIANI, 2013,
p.115).
7

O trabalho da pesquisa também pode ser considerado viável, uma vez que há uma
quantidade de documentos considerável para análise, interpretação e compreensão das
informações, que estão dispersos em arquivos públicos e depositórios digitalizados na rede da
Internet, justificando a devida análise criteriosa e servindo como contribuição para o
alargamento no entendimento acerca da introdução do método de Lancaster na história da
Educação brasileira.
Segundo Clarice Nunes, a “compreensão crítica da trajetória da educação no nosso
país fica muitas vezes comprometida não só pelo desconhecimento dos acervos, mas também
pela ausência do uso dos acervos...” (NUNES; GONDRA, 2005, p.35). Sendo assim, a
pesquisa tratará de analisar as contribuições de Euzébio Vanério na implementação do método
de Lancaster ou de ensino mútuo na província da Bahia, identificando e considerando
documentos primários e secundários, textos do período e trabalhos acadêmicos
contemporâneos como metodologia de pesquisa. Desta maneira apresentando suas
contribuições para a introdução do método de Lancaster ou ensino mútuo na província da
Bahia. Constituindo como pergunta problema da pesquisa central: “Quais as contribuições de
Euzébio Vanério na implementação de métodos e práticas do ensino mutuo na província da
Bahia no início do século XIX?”.

4. OBJETIVOS

4.1 OBJETIVO GERAL


Analisar as contribuições de Euzébio Vanério na implementação do método de
Lancaster ou ensino mutuo na província da Bahia no início do século XIX, a partir de
documentos primários e textos acadêmicos.

4.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS


Apresentar a trajetória política e social de Euzébio Vanério demostrando seu
desempenho e sua influência mútua nas organizações e grupos sociais no período.
Identificar documentos que apresente indícios das contribuições de Euzébio Vanerio
na introdução do projeto de ensino mutuo na província da Bahia no início do século XIX e sua
articulação política e social na sociedade baiana.
Verificar elementos que se configurem como contribuições de Euzébio Vanério na
implementação do método de ensino mutuo ou de Lancaster.
8

5. CONSIDERAÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS

Ao delinear ideias sobre a importação, implementação e aplicação do método de


Lancaster ou ensino mútuo no início do século XIX na Bahia com contribuições de Euzébio
Vanerio, o presente trabalho tem o objetivo principal demonstrar que durante o período
oitocentista na Bahia, ideias de implantação de um projeto de educação eram germinadas e
processadas, através de Euzébio Vanerio. Aqui é preciso destacar, que o objeto de estudo não
é um protagonista da história, mas perceptivelmente deixou suas marcas e contribuições no
processo histórico da sociedade baiana e brasileira.
Diante do exposto me apoio na historiografia que trata do gênero da micro história, no
qual segundo Ronaldo Vainfas é um campo da historiografia que realiza “uma pesquisa
exaustiva de fontes, por vezes muito variadas, o que se combina com a exposição narrativa e
descritiva dos casos” (VAINFAS, 2002, p.102).
Peter Burke define conceitualmente que a micro história “é a narração de uma história
sobre as pessoas comuns no local em que estão instaladas.” (BURKE, 1992, p.341), mas nos
alerta que a mesma “não apresenta uma solução para todos os problemas delineados
anteriormente e gera problemas próprios, especialmente aquele de ligar a micro-história à
macro-história” (BURKE, 1992, p.343). Porém o próprio Burke considera que “fenômenos
previamente considerados como bastante descritos e compreendidos assumem significados
completamente novos, quando se altera a escala de observação.” (BURKE, 1992, p.141).
Cabe ao historiador debruçar nos documentos e levar em consideração as diferenças,
decodifica-los para que estes assumam elementos novos. O olhar do historiador através da
micro história não deve focar somente o particular. Porém deve realizar diversas abordagens
para conectar significados até então não analisados separadamente.
Antes de analisar o sujeito histórico e suas contribuições, porém a necessidade de
realizar um breve histórico do método de Lancaster ou ensino mútuo, trazer conceitos e
relacionar com a movimentação de ideias que se apoiaram para propagar sua acedência e
aplicação deste projeto de ensino no território baiano e brasileiro.
O método de Lancaster ou de ensino mútuo, algumas autores trazem uma terminologia
de Lancasteriano ou Monitorial, foi desenvolvido na Inglaterra pelo religioso Joseph
Lancaster (1778 – 1838), a proposta de Lancaster era realizar de forma gratuita a instrução de
um grande número de alunos sem utilizar muitos professores, decidindo dividir a escola em
várias classes colocando em cada uma delas um aluno mais adiantado como responsável
(NEVES, 2003, p.35).
9

Os vestígios de movimentação do método de Lancaster ou ensino mútuo no território


brasileiro anterior a sua introdução como método pedagógico oficial determinado pelo
Decreto das Escolas de Primeiras Letras de 15 de outubro 1827, são toleráveis. De Acordo
com Fátima Maria Neves (2003) existem diversas referências, embora dispersas, como:

No interior das iniciativas promovidas pela Monarquia e assumidas pelas estacam-se


alguns projetos, entre eles, o Projeto sobre o estabelecimento e organisação da
Instrucção Publica no Brazil, de autoria do General Francisco de Borja Garção
Stocker; o projeto de Eusébio Vanério; a Memória de Antonio Falcão de Frota,
pedagogo português, e a Memória sobre a Reforma dos Estudos na Capitania de São
Paulo, de Martim Francisco Ribeiro d’Andrada Machado, o irmão caçula de José
Bonifácio. Esses projetos se destacam porque, primeiro, a historiografia estudada
credita a eles influências no Plano para Instrução Geral, do Cônego Januário,
elaborado em 1826. (NEVES, 2003, p.80).

Segundo Neves, o “conjunto de documentos permite uma inferência quanto à


proximidade de Euzébio com a Sociedade Lancasteriana na Inglaterra, o que parece ter se
iniciado em meados de 1818.” (NEVES, 2003, p.82). O conjunto de documentos em que se
referem Bastos pode ser comprovado por meio de publicações da época, expressamente
anexado neste projeto, através de links acessados na rede de internet e imagens de periódicos
da época, no qual corrobora que as contribuições de Euzébio Vanerio são válidas, e que ele
buscava iniciativas no âmbito da sociedade baiana no início do século XIX.
Apoiando-se a partir de uma pesquisa de análise documental, em que possibilite:
analisar nas contribuições de Euzébio Vanerio na introdução do método de Lancaster ou
ensino mútuo na província da Bahia, no início do século XIX. A pretensão desta pesquisa não
é biografar o indivíduo Euzébio Vanerio, mas sim “estabelecer os aspectos que poderá
perceber através do exame microlocalizado desta vida.” (BARROS, 2013, p.100), para além
trazer a luz o sujeito histórico em questão e suas contribuições no processo de implementação
do método de Lancaster ou ensino mútuo na Bahia do início do século XIX.
A descrição apresentada no dicionário bibliográfico de Augusto Blake publicado em
1883 demonstra o seu envolvimento social e político na época, segundo Blake, Euzébio
Vanerio “atuou como guarda-livros e interprete de alfandega, depois de ter sido professor
substituto da real aula de comercio e por ultimo teve um colégio de meninos, denominada
Escola da Ciência, e cooperou no processo de independência do Brasil” (BLAKE, 1883,
p.310).
E por meio da análise dos documentos da época e de suas reivindicações, muitas delas
registradas em relatórios oficiais, registros de repartições públicas e publicações em jornais de
seu discurso, de maneira que é possível acreditar que Euzébio Vanerio era um grande
entusiasta do método de Lancaster ou ensino mútuo. Segundo o pesquisador Elias Saliba,
10

“registros escritos e documentos relacionam-se com todas as atividades humanas, mas apenas
numa delas, a História, eles aparecem como elementos centrais.” (SALIBA; PINSKY e
LUCA, 2013, p.312), talvez Vanerio não seja um elemento central para a história da
educação, mas é um elemento essencial para entender e compreender alguns processos
históricos acerca deste campo de estudo. Quando analisamos sua trajetória, dentro tempo
histórico realizando um recorte temporal entre 1810 e 1827 o professor Euzébio Vanerio
esteve sempre envolvido na divulgação do método de Lancaster ou ensino mútuo, conforme
demonstra os inúmeros documentos analisados da época, destaco aqui os impressos pela
imprensa oficial exemplo o diário da corte real. Na tese de doutorado da professora Fátima
Maria Neves, fica bem destacado o entusiasmo de Vanerio com relação ao projeto:

O projeto que Eusébio Vanério enviou a D. João VI, em meados de 1819, intitulava-
se Manual do Systema da Sociedade da Escola Britanica & Estrangeira de Londres:
para ensinar lêr, escrever, arithmetica e trabalhos d’agula nas Escolas Elementares
segundo o Methodo do Ensino Mutuo inventado por Mr.Lancaster. Pelo título já se
sabe do que se tratava. A direção da British and Foreigh School Society encaminhou
a Eusébio Vanério um ofício tecendo recomendações satisfatórias sobre a introdução
do Sistema Inglês na Bahia. (NEVES, 2003, p.82).

Os desafios em produzir elementos novos para preencher determinados processos é


papel de uma interpretação histórica, que, instituem as conexões a partir das análises e
interrogações das fontes questionadas pelo historiador, pois os documentos interagem com o
profissional de história. “O trabalho com fontes manuscritas é, de fato, interessante, e todo
historiador que entra por essa seara não se cansa de repetir como os momentos passados em
arquivos são agradáveis.” (BACELAR; PINSKY, 2008, p.24).
Assim, ao apontar as estratégias de analisar, compreender e decodificar os documentos
da época que produzem novos elementos espera-se da pesquisa que ela possa contribuir com o
desenvolvimento de novos significados para história da educação do Brasil e da Bahia.
Especificamente, o estudo objetiva apontar novos elementos dentro do contexto da época.

6. LISTA DE FONTES DOCUMENTAIS

O caminho pelo qual pretendo chegar ao que procuro, demanda um método de


pesquisa que comporta a análise, a identificação e a interpretação das fontes primárias,
secundárias e trabalhos e pesquisas contemporâneas que tratem sobre a introdução do método
de Lancaster ou ensino mútuo na sociedade baiana do século XIX, a partir das contribuições
de Euzébio Vanerio.
11

EUSÉBIO VANÉRIO. Tradução do Manual do Systema da Sociedade da Escola


Britanica & Estrangeira de Londres: para ensinar lêr, escrever, arithmetica e trabalhos
d’agula nas Escolas Elementares segundo o Methodo do Ensino Mutuo inventado por
Mr.Lancaster. 1819. Arquivo Nacional.

Links para acesso de documentos digitalizados disponíveis na rede da internet:


<https://books.google.com.br/books?id=YWdFAAAAcAAJ&printsec=frontcover&hl=pt-
BR#v=onepage&q=Euzebio%20Vanerio&f=true> Acessado em 14/06/2018
<https://books.google.com.br/books?id=ygEPAQAAIAAJ&printsec=frontcover&hl=pt-
BR#v=onepage&q=Euzebio%20Vanerio&f=false> Acessado em 14/06/2018
<https://books.google.com.br/books?id=HMZeAAAAcAAJ&printsec=frontcover&hl=pt-
BR#v=onepage&q=Euzebio%20Vanerio&f=false> Acessado em 14/06/2018

7. CRONOGRAMA

ETAPAS DA
MONOGRAFIA AGO/18 SET/18 OUT/18 NOV/18 DEZ/18 JAN/19
Pesquisa bibliográfica X X X
Metodologia X
Elaboração do trabalho X X
Revisão gramatical e X
ortográfica
Revisão final X
Defesa da monografia X

8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARROS, José D’ Assunção. O Projeto de Pesquisa em História: da escolha do tema ao


quadro teórico. 9. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2013.

BASTOS, Maria Helena. C. O ensino monitorial/mútuo no Brasil (1827 – 1854). In:


STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena. C. (orgs.). Histórias e memórias da
educação no Brasil: Vol. II – Século XIX. 2ª edição. Petrópolis: Vozes, 2006.

BOAVENTURA, E. M. A construção da universidade baiana: objetivos, missões e


afrodescendência [online]. Salvador: EDUFBA, 2009. A educação brasileira no período
12

joanino. pp. 129-141. ISBN 978-85-2320-893-6. Available from SciELO Books


<http://books.scielo.org>.

BLAKE, Augusto Victorino Alves Sacramento. Diccionario Bibliographico Brazileiro. Rio


de Janeiro: Imprensa Nacional, 1883. 2 v.

BURKE, Peter. História e teoria social. 3. ed. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

_______. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 1992.

EUZÉBIO VANÉRIO. Tradução do Manual do Systema da Sociedade da Escola


Britanica & Estrangeira de Londres: para ensinar lêr, escrever, arithmetica e trabalhos
d’agula nas Escolas Elementares segundo o Methodo do Ensino Mutuo inventado por
Mr.Lancaster. 1819. Arquivo Nacional.

FREITAG, Barbara. Escola, Estado e Sociedade. 7ª ed. rev. São Paulo, SP: Centauro, 2005.

GONDRA, José Gonçalves (org.). Pesquisa em história da educação no Brasil. Rio de


Janeiro: DP&A, 2005.

NEVES, F. Maria. O método lancasteriano e a formação disciplinar do povo (São Paulo,


1808-1889). Assis-SP: UNESP, 2003. (Tese de doutorado).

PINSKY, Carla B.; LUCA, Tania Regina de. (org.). O historiador e suas fontes. 1ª ed. São
Paulo: Contexto, 2013.

PINSKY, Carla B.; (org). Fontes Históricas. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

SAVIANI, Demerval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. Ed. Campinas, SP:
Autores Associados, 2013.

VAINFAS, Ronaldo. Os protagonistas anônimos da história: micro-história. Rio de


Janeiro: Campus, 2002.