Você está na página 1de 6

Procedimento Operacional de Montagem e Utilização

Linha de Vida Temporária

Introdução

A linha de vida é um equipamento obrigatório para trabalhos em altura, sua finalidade é garantir a
segurança do trabalhador, quando não há outros meios de proteção coletiva.

As linhas de vida temporárias montadas pela empresa E.A está conforme a NR 35 e NBR 16325-2.
O SPCQ possui projeto, memorial de cálculo, procedimento operacional de montagem e utilização e
ART no Crea feito por responsável técnico competente.

Dados técnica

Distância entre postes: No mínimo 1,5 m e máximo 6 metros com cabo de aço 3/8”.
Usuários: Max: 2 pessoas por linha de vida.
Carga dinâmica máxima em caídas: 6 kN (para uma pessoa) + 1 kN para cada pessoa adicional.

Capacidade

A capacidade máxima é de 2 (dois) trabalhadores para um único sistema de linha de vida contando
da ancoragem inicio e fim. Os esforços nos corpos dos usuários não ultrapassam 6 kN em caso de
queda.

Requisito do sistema

O Sistema de linha de vida horizontal deve ser projetado, instalado e utilizado, sob a supervisão de
uma pessoa qualificada, como parte de um sistema anti-queda completo, que mantém um fator de
segurança de pelo menos dois.

Espaço livre (ZLQ – zona livre de queda)

A linha de vida foi projetada para ser usado em telhados e coberturas de prédios que a largura do
telhado não seja maior que a altura da cumeeira. Certifique-se de que exista espaço livre adequado na
trajetória de queda potencial a fim de evitar que um objeto ou nível mais baixo seja atingido.
Compatibilidade com o sistema

A linha de vida requer uso de trava queda de corda e cinto paraquedista, não podendo esses ser de
marcas diferentes. Substituição ou combinações não aprovadas, subsistemas, ou ambos, podem
afetar ou interferir com o funcionamento seguro do outro e põem em perigo a compatibilidade
dentro do sistema. Esta incompatibilidade pode afetar a confiabilidade e segurança do sistema total.

Instalação da linha de vida

A linha de vida promove o acesso seguro para trabalhos em altura, especialmente naqueles onde não
é possível a instalação de outras formas de proteção coletiva. Sendo este um sistema de proteção
temporário, sua correta instalação está diretamente ligada à segurança daqueles que farão uso do
sistema de proteção, durante a execução das atividades em altura

Antes da montagem e instalação, inspecione, cuidadosamente, todos os componentes do sistema. Faça


uma inspeção da estrutura do prédio onde os pontos de ancoragem vão ser fixados, em estruturas de
madeira verifique se a estrutura apresenta cupim, trincas e patologias que podem comprometer sua
resistência. Em estruturas de aço atentar para corrosão severas.

Na instalação da linha de vida para a montagem do primeiro poste deve fazer uma ancoragem no
andaime para o trabalhador acessar o telhado, a linha de vida é instalada na cumeeira do prédio. Após
o primeiro poste ser totalmente fixo o mesmo pode ser usado como ponto de ancoragem para a
montagem dos demais. Caso a distancia entre postes seja maior que a distancia da linha de vida para
a borda do telhado fazer ancoragem intermediaria e utilizar para montar o poste.
Este sistema é composto por postes de 48,3 mm de diâmetro que vão servir como pontos de
ancoragem para os cabos de aço, são fixados na tesoura por meio de elemento de fixação (grampos
U 3/8). Conforme figura acima.

É utilizado cabo de aço de 3/8”, o olhal do cabo deve possuir sapatilha para cabo de aço de 3/8” e
preso por 5 grampos leves espaçados 50 mm entre si.
Visão geral

Utilização

Antes de cada uso, inspecione, cuidadosamente, o sistema de linha de vida, junto a todos os
componentes de proteção antiqueda da equipe, de acordo com as instruções do fabricante. Proceder
uma inspeção em todos os parafusos do confirmando se estão apertados adequadamente

O sistema de linha de vida temporário instalado pela empresa E.A construtora para o contrato de
manutenção de telhado na área da Vale, foi projetada para ser utilizada com trava-quedas de corda
preso no cinto paraquedista no ponto “A” dorsal ou nas alças frontais, o trava-quedas é utilizado em
corda de 12 mm (especificação NR18 e NR 35) conectada a linha de vida por meio de mosquetão ou
trole. Antes de subir ao telhado deve-se medir o tamanho do telhado do centro do prédio até o beiral,
essa medida vai ser usada para fazer o nó de fim de curso. Todos os epis utilizados no SPCQ devem
ser do mesmo fabricante (Trava-quedas, cinto paraquedista, etc)
Inspeção e manutenção

O sistema de linha de vida da empresa E.A foi projetado para atuar em ambientes de trabalho
pesado. Para manter seu ciclo de vida e alto desempenho, todos os componentes do sistema
deverão ser frequentemente inspecionados. Além de passarem por uma inspeção completa dos
conjuntos/instalação, o sistema deverá ser visualmente inspecionado pelo usuário antes de cada
uso, além de ser inspecionado por uma pessoa qualificada ou competente de forma regular pelo
menos uma vez ao ano.

• Procure no sistema qualquer um dos seguintes problemas: amassados, rachaduras, distorções,


rasgos, mau funcionamento ou peças danificadas; deformação, corrosão severa, sinais que
indiquem que o produto reteve uma queda ou qualquer outro indício de danos ou problemas que
possam afetar a integridade e operação do produto.

• Verifique todos os parafusos para garantir que estejam presentes e seguramente apertados.
Quando conjuntos de parafusos são removidos para desmontagem.

• Verifique o cabo de aço e corda do trava-quedas se há cortes, desgaste, dobras, fios quebrados ou
outros sinais de padrões de desgaste incomuns. PERIGO: Sempre use luvas protetoras ao
inspecionar o cabo de aço!
Nota: O conjunto de cabos de aço e postes deverá ser sempre substituído quando o sistema for
exposto às forças de uma queda.

_________________________________________

ENG. Rafael Baia Mano


CREA 30983 D PA

Interesses relacionados