Você está na página 1de 138

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO MECÂNICO E TRIBOLÓGICO DE

PARAFUSOS DA CLASSE 10.9 PARA EMPREGO ESTRUTURAL

CARLAN RIBEIRO RODRIGUES

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO

CAMPOS DOS GOYTACAZES – RJ


ABRIL – 2015
AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO MECÂNICO E TRIBOLÓGICO DE
PARAFUSOS DA CLASSE 10.9 PARA EMPREGO ESTRUTURAL

CARLAN RIBEIRO RODRIGUES

Dissertação apresentada ao Centro


de Ciência e Tecnologia, da Universidade
Estadual do Norte Fluminense Darcy
Ribeiro, como parte dos requisitos
necessários à obtenção do título de Mestre
em Engenharia e Ciência dos Materiais.

Orientador: Prof.Ph.D. Eduardo Atem de Carvalho

CAMPOS DOS GOYTACAZES – RJ


ABRIL – 2015
FICHA CATALOGRÁFICA

Preparada pela Biblioteca do CCT / UENF 16/2015

Rodrigues, Carlan Ribeiro

Avaliação do comportamento mecânico e tribológico de parafusos da classe 10.9 para


emprego estrutural / Carlan Ribeiro Rodrigues. – Campos dos Goytacazes, 2015.

x, 120 f. : il.

Dissertação (Mestrado em Engenharia e Ciência dos Materiais) -- Universidade


Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Centro de Ciência e Tecnologia.
Laboratório de Materiais Avançados. Campos dos Goytacazes, 2015.

Orientador: Eduardo Atem de Carvalho.

Área de concentração: Materiais e meio ambiente.

Bibliografia: f. 111-113.

1. PARAFUSOS ESTRUTURAIS 2. TRIBOLOGIA 3. FATOR DE TORQUE 4. COEFICIENTE


DE ATRITO I. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Centro de
Ciência e Tecnologia. Laboratório de Materiais Avançados lI. Título

CDD 621.882
AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO MECÂNICO E TRIBOLÓGICO DE
PARAFUSOS DE CLASSE 10.9 PARA EMPREGO ESTRUTURAL

CARLAN RIBEIRO RODRIGUES

“Dissertação apresentada ao Centro de Ciência


e Tecnologia, da Universidade Estadual do
Norte Fluminense Darcy Ribeiro, como parte
dos requisitos necessários à obtenção do título
de Mestre em Engenharia e Ciência dos
Materiais.”

Aprovada em 14 de abril de 2015.

Comissão Examinadora:

__________________________________________________

Profª. D.Sc. MARCIA GIARDINIERI DE AZEVEDO - LAMAV/UENF

__________________________________________________

Profª. D.Sc. POLYANA BORGES DIAS – IFF Campos

__________________________________________________

Prof. D.Sc. LÚCIO JOSÉ TERRA PETRUCCI – IFF Campos

________________________________________________

Prof. Ph.D. EDUARDO ATEM DE CARVALHO – LAMAV/UENF


(Orientador)

CAMPOS DOS GOYTACAZES – RJ


ABRIL – 2015
Dedico este trabalho a minha família que
soube compreender as minhas ausências em
muitos momentos, mas sempre me incentivou a
atingir os meus objetivos.
AGRADECIMENTOS

Agradeço primeiramente os meus pais Carlos Peixoto e Ana Isabel, por tudo que me
ensinaram e ainda ensinam.

A minha irmã Isabela, que sempre me incentivou nos momentos em que as


dificuldades se apresentavam.

A todos os amigos que contribuíram de alguma forma para elaboração desse


trabalho.

A todos os funcionários e aos docentes do LAMAV-UENF, em especial ao Professor


Eduardo Atem de Carvalho pela paciência, dedicação, prontidão e competência na
orientação deste trabalho.

Aos técnicos de laboratório Silvio Gonçalves Mendes e Michel Picanço Oliveira, por
suas colaborações na realização dos ensaios.
RESUMO

Parafusos da classe 10.9 são utilizados em montagens estruturais de grande


responsabilidade. Embora esses componentes sejam um dos mais antigos
empregados na indústria, tanto na montagem de equipamentos, quanto na sua
futura manutenção ainda existem muitas dúvidas a serem esclarecidas quanto o seu
uso continuado. Prova disso seria que grande parte dos recalls que ocorrem em
veículos se deve a falhas relacionadas a parafusos, ou até mesmo em uma linha de
montagem, parafusos que se rompem durante o processo de torque. Nesse sentido
o trabalho em questão teve como objetivo avaliar as propriedades mecânicas e
tribológicas desses elementos, nas condições de uso, sem e com utilização de
lubrificantes. Para avaliação dessas características, primeiramente os parafusos
foram submetidos à ensaio de tração e os resultados obtidos comparados aos
recomendados por normas aplicadas a fixadores. Já para as verificações tribológicas
o fator de torque (K) e os coeficientes de atrito das roscas e do contato entre porca e
arruela, foram coletados através de um equipamento eletromecânico, desenvolvido
no próprio laboratório (LAMAV), que tem como principio de funcionamento um
atuador para aplicar o torque, uma célula de carga para determinar a força trativa
resultante, um torquímetro instrumentado e um programa para aquisição dos dados.
Os resultados obtidos nos ensaios apresentaram uma superioridade nas montagens
realizadas com lubrificação, com melhores resultados para a lubrificação feita com a
pasta de montagem, que apresentou tanto nas condições de aplicação de torques
na faixa de carga de 75% da tensão de serviço como na de 90%, maior estabilidade
dos fatores de torque e dos coeficientes de atrito pesquisados.

Palavras-chaves: Parafusos estruturais, tribologia, fator de torque,


coeficiente de atrito.
ABSTRACT

Class 10.9 bolts are used in structural assemblies of great responsibility.


Although these components are among the oldest used in industry, for assembly
purposes or future maintenance, there are still many information gaps to be filled
pertaining their continued usage. Evidence would be that large portion of vehicles
factory recalls are related to bolts and screws, or in the assembly line where screws
may rupture during torque process. This work has as objective to evaluate
mechanical and tribological properties of the specified bolts, under use conditions,
with and without lubrication use. To evaluate these characteristics, the bolts were
submitted to tensile testing at first and results compared to the limits fixed by
standards applied to fixers. For the tribological inspections the Torque Factor (K),
friction coefficients for the screw threads and the surface between whasher and the
nut, an electromechanical device was manufactured, developed in house (LAMAV),
having as working principle an actuator to apply torque, a load cell to to measure the
generated tensile force, a torquemeter and software for data acquisition. Testing
results show a clear superiority at lubed assemblies, with even better results for
those made with assembly paste. The later presented greater stability in Torque
Factors and friction coefficients for both 75 % and 90 % load range.

Key-words: Structural bolts, tribology, torque factor, friction coefficient


I

SUMÁRIO

ÍNDICE DE FIGURAS...............................................................................................IV

ÍNDICE DE TABELAS.............................................................................................. IX

CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO .................................................................................... 1


1.1 - Aspectos Gerais .............................................................................................. 1
1.2 - Objetivos.......................................................................................................... 2
1.3 - Justificativas .................................................................................................... 2
1.3.1 - Importância Científica ............................................................................... 2

1.3.2 - Importância Econômica e Tecnológica ..................................................... 2

CAPÍTULO 2 - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ................................................................ 3


2.1 - Parafusos ........................................................................................................ 3
2.2 - Área sob tração. .............................................................................................. 6
2.3 - Especificação de parafusos e porcas. ............................................................. 6
2.4 - Fabricação de roscas ...................................................................................... 8
2.5 - Tensões em roscas ......................................................................................... 9
2.5.1 - Tensão de cisalhamento ......................................................................... 10

2.5.2 - Tensões cisalhantes torcionais. .............................................................. 10

2.6 - Juntas aparafusadas ..................................................................................... 10


2.6.1 - Gráficos de uniões parafusadas.............................................................. 12

2.7 - Método de aplicação de pré-carga em uniões aparafusadas ........................ 15


2.7.1 - Controle de torque de aperto .................................................................. 15

2.7.2 - Controle de ângulo de aperto .................................................................. 18

2.7.3 - Método de estiramento do parafuso........................................................ 19

2.7.4 - Tensionamento com torquímetro manual ................................................ 20

2.8 - Aços utilizados para fabricação de parafusos de alta resistência .................. 21


2.9 - Determinação de propriedades mecânicas ................................................... 27
2.10 - Tribologia ..................................................................................................... 29
2.10.1 - Atrito...................................................................................................... 30

2.10.2 - Atritos e forças que atuam em parafusos .............................................. 32


II

2.11 - Atrito no Nível Molecular .............................................................................. 37


2.11.1 - Área de Contato Real ............................................................................ 38

2.11.2 - Atrito em Metais .................................................................................... 40

2.12 - Lubrificação ................................................................................................. 42


2.12.1 - Lubrificantes empregados para montagem de juntas aparafusadas ..... 43

CAPÍTULO 3 - MATERIAIS E MÉTODOS................................................................. 44


3.1 - Materiais a serem ensaiados ......................................................................... 44
3.2 - Equipamento para teste de torque................................................................. 44
3.2.1 - Desenvolvimento do transdutor de torque............................................... 46

3.2.2 - Calibração do transdutor de torque ......................................................... 48

3.2.3 - Calibração da célula de carga de tração. ................................................ 50

3.2.4 - Projeto e fabricação de garras para ensaio de tração. ............................ 52

3.2.5 - Determinação de propriedades mecânicas ............................................. 53

3.2.6 - Determinação de propriedades metalúrgicas .......................................... 54

3.2.7 - Analise de superfícies ............................................................................. 55

3.2.8 - Ensaio para determinação do fator de torque e do coeficiente de atrito


médio do conjunto parafuso, porca e arruela. .................................................... 56

3.2.9 - Coeficiente de atrito da rosca e do contato da porca .............................. 57

CAPÍTULO 4 - RESULTADOS E DISCUSSÃO......................................................... 59


4.1 - Ensaios Mecânicos ........................................................................................ 59
4.1.1 - Ensaios de tração. .................................................................................. 59

4.2 - Propriedades metalúrgicas ............................................................................ 61


4.2.1 - Avaliação Metalográfica .......................................................................... 61

4.2.2 - Análise Química do conjunto parafuso, porca e arruela. ......................... 63

4.3 - Análise das superfícies .................................................................................. 65


4.3.1 - Medição de rugosidade ........................................................................... 65

4.4 - Ensaios para determinação do fator de torque e dos coeficientes de atrito. . 81


4.5 - Efeito da velocidade de parafusamento sobre os parâmetros tribológicos. . 106
III

CAPÍTULO 5 - CONCLUSÕES. .............................................................................. 108


5.1 - Conclusões .................................................................................................. 108
CAPÍTULO 6 - SUGESTÕES .................................................................................. 110
CAPÍTULO 7 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS. ............................................... 111
CAPÍTULO 8 - ANEXOS. ........................................................................................ 114
IV

ÍNDICE DE FIGURAS

Figura 2.1 - Filetes gerados em uma superfície cilíndrica. .......................................... 3


Figura 2.2 - Porca e parafusos .................................................................................... 4
Figura 2.3 - Padronização da nomenclatura das dimensões de parafusos. ................ 4
Figura 2.4 - Identificação do passo de rosca.. ............................................................. 5
Figura 2.5 - (a) Filetes usinados e (b) Filetes conformados.. ...................................... 9
Figura 2.6 - Junta aparafusada ................................................................................. 11
Figura 2.7 - Diagrama de junta. ................................................................................. 12
Figura 2.8 - Gráfico de pré-carga extensão. .............................................................. 13
Figura 2.9 - Gráfico de carga e extensão com aplicação de força externa................ 14
Figura 2.10 - Diagrama que correlaciona a força e a extensão de uma junta rígida e
de uma junta com menor rigidez. ....................................................................... 15
Figura 2.11 - Aplicação manual de torqueamento.. ................................................... 17
Figura 2.12 - Aplicação hidráulica de torqueamento com bomba e chave. ............... 18
Figura 2.13 - Determinação de torque ângulo.. ......................................................... 19
Figura 2.14 - Equipamento tensionado...................................................................... 20
Figura 2.15 - Torquímetros manual.. ......................................................................... 20
Figura 2.16 - Foto de parafusos com vários tratamentos superficiais. ...................... 26
Figura 2.17 - Exemplo de corpos de prova de seção reduzida.. ............................... 28
Figura 2.18 - Experimento para determinação da força de atrito.. ............................ 31
Figura 2.19 - Forças atuando no plano inclinado da rosca.. ...................................... 32
Figura 2.20 - Forças atuando no filete de rosca.. ...................................................... 34
Figura 2.21 - Força entre dois átomos em função de suas distâncias de separação.
........................................................................................................................... 37
Figura 2.22- Representação de área aparente e área real de contato. ..................... 38
Figura 2.23 - Escorregamento em superfície rugosa.. .............................................. 39
Figura 2.24 - Ilustração esquemática de filmes em uma superfície metálica.. .......... 40
Figura 3.1 - Equipamento fabricado para ensaios de torque. .................................... 46
Figura 3.2 - Extensões adquiridas para fabricação de transdutor de torque. ............ 47
Figura 3.3 - Teste para determinação de características mecânica do material. ...... 47
Figura 3.4 - Transdutor de torque. ............................................................................. 48
Figura 3.5 - Aparato para calibração do torquímetro. ................................................ 49
V

Figura 3.6 - Gráfico da curva de calibração do transdutor de torque. ....................... 50


Figura 3.7 - Gráfico da curva de calibração da célula de carga de tração................. 51
Figura 3.8 - Desenho de conjunto, corpo de prova e garras. .................................... 52
Figura 3.9 - Foto de garra em processo de fabricação. ............................................. 52
Figura 3.10 - Máquina de ensaio (a), Garras durante ensaio de tração (b) e Corpo de
prova (c). ............................................................................................................ 53
Figura 3.11 - Corpo de prova de tração..................................................................... 53
Figura 3.12 - Durômetro de bancada (a) e região de medição da dureza
recomendada (b). ............................................................................................... 54
Figura 3.13 - Amostras embutidas. ........................................................................... 55
Figura 3.14 - Microscópio Olympus Confocal. ........................................................... 55
Figura 3.15 - Equipamento configurado para determinação de fator de torque e atrito
total. ................................................................................................................... 57
Figura 3.16 - Equipamento de torque com rolamento axial. ...................................... 58
Figura 4.1 - Gráfico com as curvas de tensão deformação. ...................................... 59
Figura 4.2 - Gráfico para determinação dos módulos de elasticidade. ...................... 60
Figura 4.3 - Micrografia da seção transversal do parafuso com aumento de 2136
vezes realisada no microscópio confocal. .......................................................... 62
Figura 4.4 - Micrografia da porca com aumento de 2136 vezes. ............................... 62
Figura 4.5 - Micrografia da arruela com aumento de 2136 vezes. ............................ 63
Figura 4.7 - Composição química do material da porca. ........................................... 64
Figura 4.6 - Composição química do parafuso. ......................................................... 64
Figura 4.8 - Composição química do material de fabricação da arruela.................... 64
Figura 4.9 - Superfície do filete do parafuso sem uso. .............................................. 66
Figura 4.10 - Superfície de contato da porca sem uso. ............................................. 67
Figura 4.11 - Superfície de contato da arruela não torqueada. ................................. 68
Figura 4.12 - Superfícies deformadas do filete. ......................................................... 78
Figura 4.13 - Superfície de contato da porca. ........................................................... 79
Figura 4.14 - Superfície de contato da arruela. ......................................................... 80
Figura 4.15 - Fatores de torque a seco torqueados com 111Nm. ............................. 81
Figura 4.16 - Força tensora para cada torque na condição sem lubrificante. ............ 82
Figura 4.17 - Coeficientes de atrito médios. .............................................................. 82
Figura 4.18 - Coeficientes de atrito entre os contatos da porca e arruela. ................ 82
Figura 4.19 - Coeficientes de atrito das roscas. ........................................................ 83
VI

Figura 4.20 - Fatores de torque calculados na condição sem lubrificação com torque
de 133 Nm. ......................................................................................................... 83
Figura 4.21 - Forças atingidas a cada ciclo com torque de 133 Nm. ......................... 84
Figura 4.22 - Coeficientes de atrito médios calculados com torque de 133 Nm. ....... 84
Figura 4.23 - Coeficientes de atrito nas regiões de contato da porca e arruela. ....... 84
Figura 4.24 - Coeficientes de atrito das roscas sem lubrificação e torqueadas com
133 Nm. .............................................................................................................. 85
Figura 4.25 - Fator de torque em parafuso montado com graxa e torque de 111 Nm.
........................................................................................................................... 85
Figura 4.26 - Forças alcançadas em parafusos lubrificados com graxa. ................... 86
Figura 4.27 - Coeficientes de atrito médios em parafusos lubrificados com graxa e
torque de 111 Nm............................................................................................... 86
Figura 4.28 - Coeficientes de atrito das roscas lubrificadas com graxa e torque de
111 Nm. .............................................................................................................. 87
Figura 4.29 - Coeficiente de atrito do contato da porca lubrificada com graxa e torque
de 111 Nm. ......................................................................................................... 87
Figura 4.30 - Fator de torque em parafusos lubrificados com graxa e torqueados com
133 Nm. .............................................................................................................. 88
Figura 4.31 - Forças tensoras atingidas nos parafusos lubrificados com graxa e
torque de 133 Nm............................................................................................... 88
Figura 4.32 - Coeficiente de atrito médio na condição lubrificado com graxa e
torqueado com 133 Nm. ..................................................................................... 89
Figura 4.33 - Coeficiente de atrito das roscas lubrificadas com graxa e torque de 133
Nm...................................................................................................................... 89
Figura 4.34 - Coeficientes de atrito no contato das porcas lubrificadas com graxa e
torque de 133 Nm............................................................................................... 90
Figura 4.35 - Fator de torque de parafusos torqueados com 111 Nm e lubrificados
com pasta de montagem. ................................................................................... 90
Figura 4.36 - Forças coletadas em parafusos lubrificados com pasta e torque de 111
Nm...................................................................................................................... 91
Figura 4.37 - Coeficiente de atrito médio em parafusos lubrificados com pasta de
montagem e torque de 111 Nm. ......................................................................... 91
Figura 4.38 - Coeficiente de atrito da rosca nos dez ciclos de aperto lubrificado com
pasta. ................................................................................................................. 92
VII

Figura 4.39 - Coeficiente de atrito na superfície sob a porca lubrificada com pasta e
torque de 111 Nm............................................................................................... 92
Figura 4.40 - Fatores de torque obtidos nos torques dos parafusos lubrificados com
pasta de montagem e torque de 133 Nm. .......................................................... 93
Figura 4.41 - Força em cada ciclo do parafuso torqueado com 133 Nm e lubrificado
com pasta de montagem. ................................................................................... 93
Figura 4.42 - Coeficientes de atrito médio obtidos com aplicação de torque de 133
Nm e lubrificados com pasta de montagem. ...................................................... 94
Figura 4.43 - Coeficientes de atrito das roscas na condição lubrificada com pasta e
torque de 133 Nm............................................................................................... 94
Figura 4.44 - Coeficiente de atrito na superfície de contato da porca com a arruela
lubrificada com pasta e torque de 133 Nm. ........................................................ 95
Figura 4.45 - Médias entre os fatores de torque de 111 Nm e 133 Nm ensaiados sem
lubrificação. ........................................................................................................ 95
Figura 4.46 - Médias das forças em parafusos apertados a seco com torques de 111
Nm e 133 Nm. .................................................................................................... 96
Figura 4.47 - Valores dos coeficientes de atrito médio torqueados a seco com
111Nm e 133Nm. ............................................................................................... 96
Figura 4.48 - médias dos coeficientes de atrito dos contatos da porca com torques de
111 Nm e 133 Nm a seco................................................................................... 97
Figura 4.49 - médias entre os coeficientes de atrito das roscas ensaiadas a seco
com torque de 111 Nm e 133 Nm. ..................................................................... 97
Figura 4.50 - fatores de torque entre parafusos montados com torques de 111Nm e
133 Nm lubrificados com graxa. ......................................................................... 98
Figura 4.51 - Médias das forças na condição lubrificado com graxa e torques de 111
Nm e 133 Nm. .................................................................................................... 98
Figura 4.52 - Coeficientes de atrito dos contatos das porcas lubrificadas com graxa e
torques de 111Nm e 133 Nm. ............................................................................ 99
Figura 4.53 - Coeficientes de atrito das roscas lubrificadas com graxa e torques de
111Nm 133 Nm. ................................................................................................. 99
Figura 4.54 - Coeficientes de atrito médio na condição lubrificado com graxa e torque
de 111 Nm e 133 Nm. ........................................................................................ 99
Figura 4.55 - Fatores de torque montados com pasta e apertados com torques de
111 Nm e 133 Nm. ........................................................................................... 100
VIII

Figura 4.56 - Forças atingidas na condição lubrificada com pasta e torques de 111
Nm e 133 Nm. .................................................................................................. 100
Figura 4.57 - Coeficientes de atrito médios em parafusos torqueados com pasta e
torques de 111 Nm e 133 Nm. ......................................................................... 101
Figura 4.58 - Coeficiente de atrito nas superfícies de contato das porcas montadas
com pasta e torques de 111 Nm e 133 Nm. ..................................................... 101
Figura 4.59 - Coeficientes de atrito das roscas montadas na condição lubrificadas
com pasta e torques de 111 Nm e 133 Nm. ..................................................... 102
Figura 4.60 - Fatores de torque médio para as condições de montagem seco e
lubrificados com torque de 111 Nm. ................................................................. 102
Figura 4.61 - Médias entre forças na condição de montagem a seco e com
lubrificantes. ..................................................................................................... 103
Figura 4.62 - Coeficientes de atrito médio. .............................................................. 103
Figura 4.63 - Coeficiente de atrito no contato entre porca e arruela a seco e com
lubrificantes. ..................................................................................................... 103
Figura 4.64 - Coeficiente de atrito das rocas montadas na configuração a seco e
lubrificadas com graxa e pasta de montagem. ................................................. 104
Figura 4.65 - Fatores de torque extraídos dos ensaios com torque de 133 Nm sem
lubrificação e com lubrificantes. ....................................................................... 105
Figura 4.66 - Médias das forças dos ensaios realizados com 133 Nm a seco e
lubrificados. ...................................................................................................... 105
Figura 4.67 - Atritos médios torqueados a seco e lubrificados. ............................... 105
Figura 4.68 - atrito nas superfícies das porcas apertadas com torque de 133 Nm a
seco e lubrificados............................................................................................ 106
Figura 4.69 - Atrito das roscas montadas a seco e lubrificadas com torque de 133
Nm.................................................................................................................... 106
Figura 4.70 - Fatores de torque em parafusos apertados com 111 Nm com graxa e
rotações de 0,6 e 4,7 rpm. ............................................................................... 107
Figura 4.71 - Forças obtidas em parafusos torqueados com 111 Nm com graxa e
rotações de 0,6 e 4,7 rpm. ............................................................................... 107
IX

ÍNDICE DE TABELAS

Tabela 2. 1 - Similaridade entre classe e grau de resistência.. ................................... 7


Tabela 2. 2 - Propriedades físico-mecânicas segundo Norma ISO.. ........................... 8
Tabela 2. 3 - Requisitos químicos para parafusos Tipo 1.......................................... 24
Tabela 2. 4 - Composição química segundo ISO.. .................................................... 25

Tabela 3. 1 - Número de parafuso empregado em cada ensaios. ............................. 44


Tabela 3. 2 - Dados de calibração do transdutor de torque....................................... 50
Tabela 3. 3 - Dados de calibração da célula de carga de tração. .............................. 51

Tabela 4. 1 - Propriedades mecânicas determinadas pelo ensaio de tração. ........... 60


Tabela 4. 2 - Resultados dos ensaios de dureza obtidos. ......................................... 61
Tabela 4. 3 – Rugosidade da rosca parafuso sem uso. ............................................ 65
Tabela 4. 4 - Rugosidade do superfície da porca nova. ............................................ 66
Tabela 4. 5 - Rugosidade da superfície da arruela sem uso. .................................... 67
Tabela 4. 6 - Rugosidade do parafuso na região do filete lubrificado com graxa a
75% da tensão de serviço após 10 ensaios. ...................................................... 68
Tabela 4. 7 - Rugosidade da superfície da porca lubrificada com graxa a 75% da
tensão de serviço após dez ensaios. ................................................................. 69
Tabela 4. 8 - Rugosidade da superfície da arruela lubrificada com graxa a 75% da
tensão de serviço. .............................................................................................. 69
Tabela 4. 9 - Rugosidade do filete do parafuso lubrificado com graxa e torque de
133Nm. ............................................................................................................... 70
Tabela 4. 10 - Rugosidade da face da porca lubrificada com graxa a 90% da tensão
de serviço. .......................................................................................................... 70
Tabela 4. 11 - Rugosidade da arruela lubrificado com graxa e torque de 133Nm. .... 71
Tabela 4. 12 - Rugosidade do parafuso na região do filete lubrificado com pasta de
montagem a 75% da tensão de serviço. ............................................................ 71
Tabela 4. 13 - Rugosidade da superfície da porca lubrificada com pasta e torque de
111Nm após dez ensaios. .................................................................................. 72
X

Tabela 4. 14 - Rugosidade da superfície da arruela lubrificada com pasta a 75% da


tensão de serviço. .............................................................................................. 72
Tabela 4.15 - Rugosidade do filete do parafuso lubrificado com pasta e torque de
133Nm. ............................................................................................................... 73
Tabela 4. 16 - Rugosidade da face da porca lubrificada com pasta e torqueada com
133Nm. ............................................................................................................... 73
Tabela 4. 17 - Rugosidade da arruela lubrificado com pasta e montada com torque
de 133Nm. .......................................................................................................... 74
Tabela 4. 18 - Rugosidade do parafuso na região do filete montado a seco com
torque de 111Nm................................................................................................ 74
Tabela 4. 19 - Rugosidade da superfície da porca montada a seco com torque de
111Nm. ............................................................................................................... 75
Tabela 4. 20 - Rugosidade da superfície da arruela torqueada a seco com torque de
111Nm. ............................................................................................................... 75
Tabela 4. 21 - Rugosidade do filete do parafuso montado a seco com torque de
133Nm. ............................................................................................................... 76
Tabela 4. 22 - Rugosidade da face da porca sem lubrificação com torque de 133Nm.
........................................................................................................................... 76
Tabela 4. 23 - Rugosidade da superfície da arruela montada a seco e torque de
133Nm. ............................................................................................................... 77
Tabela 4. 24 - Rugosidades médias do filete do parafuso após dez apertos. ........... 77
Tabela 4. 25 - Rugosidades médias da superfície de contato da porca. ................... 78
Tabela 4. 26 - Rugosidades médias da superfície de contato da arruela. ................. 79
Introdução 1

CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO
1.1 – Aspectos Gerais

Na indústria de um modo geral as uniões aparafusadas são empregadas em


larga escala, por serem de fácil montagem e permitir fácil reposição dos
componentes durante a manutenção. O parafuso é um componente importante, já
que ele promove a união das partes para sustentar forças ou promover vedação. Um
exemplo seria um flange de vaso de pressão onde os parafusos fixação o flange
suportam a tensão no seu corpo para que não haja o vazamento do fluido, outro
exemplo são os parafusos que sustentam a roda de um veículo. Uma falha de um
dos parafusos leva a sobrecarga dos outros que fazem parte da junta aparafusada.
O processo de montagem de parafusos através do torqueamento é o mais
utilizado, tanto em linhas de montagem quanto em processos de manutenção, um
melhor conhecimento do fator de torque e dos coeficientes de atrito leva a uma
maior confiabilidade do componente montado; estes fatores são muito importantes, e
influenciam diretamente na tensão aplicada à junta aparafusada; uma tensão inferior
à recomendada pode levar o elemento de fixação a falhar por fadiga ou a um
vazamento por falta de tensão. Já numa tensão superior, o parafuso pode falhar por
ter sofrido uma deformação plástica durante o torqueamento e estar próximo do seu
limite de ruptura.
Os lubrificantes influenciam de forma decisiva no coeficiente de atrito e por
consequência no fator de torque. Embora essa afirmação seja do conhecimento de
uma boa parte das pessoas que atuam nesta área; não existem trabalhos que
relatem com propriedades técnicas as diferenças de coeficiente de atrito de juntas
aparafusadas, em relação aos variados lubrificantes encontrados no mercado,
principalmente os que são projetados para essa aplicação como, por exemplo, as
pastas de torqueamento.
Introdução 2

1.2 - Objetivos

O Trabalho em questão tem por objetivo desenvolver um equipamento de


baixo custo utilizando ferramental existente no Laboratório de Materiais Avançados
(LAMAV) da UENF, para identificação do fator de torque (K) e os coeficientes de
atrito: das roscas e de contato entre porca e arruela em parafusos estruturais M12 x
1,75 classe 10.9, torqueados a seco ou com lubrificante específico para montagens
aparafusadas e um de uso geral.
Realizar a investigação das propriedades mecânicas e metalúrgicas dos
parafusos com acabamento superficial enegrecido por tempera. Posteriormente aos
ensaios de torqueamento verificar alterações tribológicas, tais como: rugosidade,
aderência do acabamento superficial e plastificação da superfície do material
durante o torque.

1.3 – Justificativas
1.3.1 – Importância Científica

O trabalho tem na sua vertente científica o propósito de desenvolver todo o


aparato experimental para a realização dos testes de torque, dessa forma
esclarecendo dúvidas existentes sobre o processo de tensionamento de fixadores de
alta resistência, nas condições: lubrificados e a seco.

1.3.2 – Importância Econômica e Tecnológica

No aspecto econômico e tecnológico, uma determinação correta do torque a


ser empregado, proporciona uma tensão aplicada às juntas aparafusadas dentro dos
limites de projeto, desta forma permitindo uma maior confiabilidade para a sua
utilização, reduzindo grandes perdas financeiras por falhas em juntas aparafusadas.
Um bom exemplo dessas perdas são os recalls realizados em veículos que, em sua
maioria são devido a falhas em parafusos. A obtenção de dados experimentais leva
ao esclarecimento das dúvidas, desta forma convergindo no desenvolvimento de
novos processos tecnológicos. .
Revisão Bibliográfica 3

2 CAPÍTULO 2 - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2.1 - Parafusos

Os parafusos são componentes mecânicos que tem por finalidade realizar


fixação entre peças, geralmente formando conjuntos com porcas e arruelas, ou
transmitindo potência através do movimento.
Fabricados em sua maioria de aço, também podem ser de uma grande
variedade de materiais metálicos e não metálicos. Os parafusos se diferenciam pela
forma da rosca, cabeça, haste e tipo de acionamento.
O parafuso é um elemento de máquina que deriva diretamente do plano
inclinado e sempre trabalha associado a um orifício roscado. Basicamente a rosca
pode ser definida como um plano inclinado circulando um cilindro. Ou que é mais
realista um sulco helicoidal fabricado na superfície de um cilindro. (Ciser, 2006).
A rosca é um conjunto contínuo de filetes em torno de uma superfície
cilíndrica, como indicado na Figura 2.1.

Figura 2.1 - Filetes gerados em uma superfície cilíndrica.

As roscas podem ser internas ou externas. As roscas internas encontram-se


no interior das porcas. As roscas externas se localizam no corpo dos parafusos.
(Figura 2.2).
Revisão Bibliográfica 4

Figura 2.2 - Porca e parafusos

Quanto à geometria e terminologia, a figura 2.3 apresenta os aspectos mais


importantes quanto a padronização da nomenclatura de parafusos.

Figura 2.3 - Padronização da nomenclatura das dimensões de parafusos.

As roscas originalmente eram diferentes para cada um dos países


fabricantes, porém, após a Segunda Guerra Mundial, foram padronizadas na
Inglaterra, no Canadá e nos Estados Unidos dando origem a norma UNS (Unified
National Standard). O sistema Europeu é definido pela norma ISO (International
Organization for Standardization) e tem a mesma forma de seção transversal de
rosca, usando, porém, dimensões métricas e, portanto não é intercambiável com o
sistema UNS. Ambos os sistemas, UNS e ISO, são utilizados corriqueiramente nos
países de língua Inglesa e países que tem ligação comercial com os mesmos.
Ambas as normas possuem ângulo de inclinação dos filetes de 60° e definem o
tamanho de rosca pelo diâmetro externo “d”. O diâmetro primitivo “dp” e o diâmetro
de raiz “dr” são definidos em termos do passo de rosca “p” com razões ligeiramente
diferentes encontradas nas roscas UNS e ISO. (Norton, 2006).
Revisão Bibliográfica 5

O passo é a distância entre filetes adjacentes de roscas medidas


paralelamente ao eixo do parafuso. O passo em unidades inglesas é o número de
filetes por polegada.

A Figura 2.4 apresenta algumas das formas de identificação do passo de


rosca através de calibre normalizado “Pente de rosca” (a), paquímetro e escala (b).
Para parafusos de pequenas dimensões ou situações que se exige maior precisão
também se utiliza o projetor de perfil (c), ou micrômetro.

(a)

(b)

(c)

Figura 2.4 - Identificação do passo de rosca. (Apostila metrologia IFF).

O passo da rosca também pode ser definido como a distância que uma rosca
avançará axialmente a cada revolução completa da porca, sendo esta uma rosca
simples. Parafusos também podem ser feitos com roscas de múltiplas entradas.
Três séries padrão de famílias de diâmetros primitivos são definidas para
roscas de padrão (UNS), passo normal ou grosso (UNC), passo fino (UNF) e passo
extrafino (UNEF). A (UNC) é a mais comum e é recomendada para aplicações
corriqueiras, especialmente onde a necessidade de montagem e desmontagem é
frequente.
Revisão Bibliográfica 6

As roscas finas são mais resistentes ao afrouxamento decorrentes de


vibrações que as normais por causa do seu menor ângulo de hélice, são utilizadas
em automóveis, aviões e outras aplicações submetidas a vibrações. (Norton, 2006).
Uma rosca é especificada a partir de um código que define a sua série,
diâmetro, passo e classe de ajuste.
Os padrões UNS e ISO definem intervalos de tolerância para roscas internas
e externas de maneira a controlar o seu ajuste.
Exemplos de especificação de rosca UNC e ISO seriam:
- UNC 3/8”x 16 fios
- M10 x 1,5 mm.

2.2 - Área sob tração.

Para a área de um parafuso submetido a uma carga de tração pura, seria de


se esperar que fosse limitada pela área do seu diâmetro interno da raiz. Contudo,
teste de parafusos sob tração mostram que a sua resistência à tração é melhor
definida pela média dos diâmetros menor e primitivo. A área sob tração “At” é
definida pela equação (1.0). (Norton, 2006).

(1.0 a).

Para rosca UNC: e (1.0 b).

Para rosca ISO: e (1.0 c).

2.3 - Especificação de parafusos e porcas.

Parafusos e porcas para aplicação em estruturais ou cargas pesadas devem


ser escolhidos com base na sua resistência de prova como definido pelas normas
SAE (Society of Automotive Engineers), ASTM (American Society for Testing and
Materials), ISO e etc. Estas organizações definem graus ou classes para parafusos
que especificam material, tratamento térmico e uma resistência mínima de prova
para o mesmo. A resistência de prova é a tensão sob a qual o parafuso começa a
Revisão Bibliográfica 7

apresentar deformação permanente, e é próxima, porém inferior a tensão de


escoamento do material. O grau ou classe de cada parafuso são indicados por
marcas ou ausência das mesmas na sua cabeça. (Norton 2006).
Segundo a norma ISO, os parafusos 4.8, 5.8 e 6.8 não sofrem tratamento
térmico. Já os parafusos 8.8, 10.9 e 12.9 precisam de tratamento térmico (têmpera e
revenimento). Esta classificação pode ser explicada da seguinte forma, se um
parafuso for da classe 10.9, significa que a sua resistência a tração máxima é de
1000 MPa, já que os primeiros dígitos devem ser multiplicados por 100 para indicar
sua resistência a tração. E o limite de escoamento é de 900 MPa, sendo o ultimo
dígito indicador de 90% do valor de resistência a tração. A Tabela 2.1 faz uma
comparação entre diferentes normas e a tabela 2.2 mostra as propriedades
mecânicas segundo norma ISO. (Garcia, 2008).
Para as porcas, a força de teste é função do diâmetro nominal e sua altura.
Considerando porcas de passo normal grau 8, isto é, porcas que não sofrem
tratamento térmico, temos os seguintes valores: Até M4 = 800 MPa, de M4 a M7 =
855 MPa, de M7 a M10 = 870 MPa, de M10 a M16 = 880 MPa e de M16 a M39 =
920 MPA.
Para porcas que são tratadas termicamente (grau 10), com passo normal,
as forças de testes são: Até M10 de 1040 MPa, de M10 a M16 1050MPa, de M16 a
M139 1060MPa. (Garcia, 2008).

Tabela 2. 1 - Similaridade entre classe e grau de resistência. (www.rex.com.br).


Revisão Bibliográfica 8

Tabela 2. 2 - Propriedades físico-mecânicas segundo Norma ISO.(Muniz, 2007).

2.4 - Fabricação de roscas

Existem várias maneiras de fabricar roscas. As roscas internas são


geralmente cortadas com uma ferramenta especial chamada “Macho”, que possui o
formato dos filetes desejados e se parece com um parafuso, sendo que esta
operação pode ser realizada manualmente ou em máquina. As roscas externas
também podem ser cortadas por uma ferramenta chamada “Cossinete”, que tem
formato parecido com uma porca inteiriça ou partida. Estas ferramentas são feitas de
aço ferramenta tratado termicamente. Em porcas e parafusos de grande dimensão a
rosca pode ser usinada em um torno mecânico utilizando uma ferramenta
Revisão Bibliográfica 9

monocortante com o perfil da rosca ou em máquinas especificas chamadas


rosqueadeiras. (Norton, 2006).
Outro método, de fabricar roscas externas é o de laminação de rosca,
também conhecido como conformação de roscas. Uma matriz de aço endurecido na
forma de rosca é forçada contra a superfície da barra que se pretende fabricar a
rosca. As matrizes fazem escoar o material da barra para adquirir a forma de rosca.
O diâmetro da barra é menor que o final da rosca porque é forçado para fora
formando a crista e para dentro originando a raiz.
O processo de laminação tem vantagens. A conformação encrua e aumenta a
resistência do material da rosca, com tensões residuais de compressão na raiz. A
alteração do material na forma de rocas causa uma reorientação dos grãos do
material para a forma de rosca. Em contraste, o corte de roscas interrompe os grãos
como mostrado na Figura 2.5. (Norton 2006).

Figura 2.5 - (a) Filetes usinados e (b) filetes conformados. ( Norton, 2006).

2.5 - Tensões em roscas

Quando uma porca é acoplada a um parafuso, teoricamente todos os filetes


de rosca devem compartilhar a carga. Na realidade, imprecisões no espaçamento
dos filetes fazem com que praticamente toda a carga seja carregada pelo primeiro
par de filetes. (Norton 2006).
A tensão principal é a soma das tensões, axial e torsional. Um parafuso de
fixação normalmente está submetido à carga axial de tração. Mas em função do
atrito dos filetes a torção pode existir em maior ou menor valor.
Revisão Bibliográfica 10

Essa é a principal razão para o uso de lubrificação nas roscas antes da


montagem de parafusos. (Norton 2006).

2.5.1 - Tensão de cisalhamento

Um possível modo de falha por cisalhamento envolve o rasgamento de filetes


da rosca tanto da porca quanto do parafuso. Dependera das resistências relativas
dos materiais da porca e parafuso para que um desses cenários venha a ocorrer. Se
o material da porca for de menor resistência, os seus filetes podem ser cortados ao
longo do seu diâmetro maior. Se for o parafuso, pode ter os seus filetes de roscas
cisalhados ao longo do seu diâmetro menor.
Se ambos os materiais possuem resistência idêntica, o conjunto pode ser
cisalhado ao longo do diâmetro primitivo. Em todo caso devemos supor algum grau
de compartilhamento da carga entre os filetes das roscas a fim de calcular as
tensões. (ÁVILA, 2014).

2.5.2 - Tensões cisalhantes torcionais.

Quando uma porca é apertada em um parafuso, ou quando o torque é


transmitido através de uma porca de um parafuso de potência, uma tensão de torção
pode ser desenvolvida no parafuso. O torque que torce o parafuso depende do atrito
na interface parafuso-porca. Se o parafuso e a porca estão bem lubrificados, uma
porção menor do torque aplicado é transmitida ao parafuso e uma maior é absorvida
entre a porca e a superfície engastada. Se a porca “grimpar” (fixar sem movimento
relativo), todo o torque aplicado será transmitido ao parafuso. (ÁVILA, 2014).

2.6 - Juntas aparafusadas

De uma forma sucinta, uma Junta aparafusada (Figura 2.6) é constituída de


quatro elementos básicos: o Parafuso, aquele que possui rosca externa; a Contra-
Peça, que sofrerá todas as forças resultantes do processo de aperto; a Arruela que
protege a contra-peça e por último a Porca, aquela que possui rosca interna
(Bickford, 1995).
Revisão Bibliográfica 11

Figura 2.6 - Junta aparafusada

A Porca é muito importante, pois em 99 % dos apertos é o elemento que


possui maior resistência mecânica e muitas vezes são ignoradas.
Em uma junta aparafusada à tração, os parafusos devem apertar um membro
contra o outro com força para prevenir a separação ou vazamento.
Coincidentemente, a tração no parafuso deve ser grande o suficiente para prevenir
auto-afrouxamento quando exposto a vibração, choque, ou ciclos térmicos. Alta
tensão no parafuso pode torná-lo menos susceptível a fadiga, mas algumas vezes
mais susceptível a trincamento por tensão (Bickford, 1995).
Há dois fatos importantes que se deve ter em mente quando se lida com
juntas aparafusadas. Primeiro, o parafusos é um mecanismo para criar e manter a
força entre os membros da junta. Segundo, o comportamento e a vida da junta
aparafusada dependem diretamente da magnitude e estabilidade da força de aperto,
ou pré-tensão (Bickford, 1995).
As uniões aparafusadas sujeitas a carregamentos dinâmicos possuem uma
tendência ao afrouxamento. Geralmente o problema está mais ligado a pré-cargas
insuficientes do que cargas excessivas. A questão de pré-cargas inadequadas é
associada ao método de aperto usado, somado as condições de atrito. (Norton
2006).
É prática comum pré-carregar a junta apertando os parafusos com suficiente
torque que se aproximam as respectivas resistências de prova. A resistência à prova
é o quociente da carga de prova e a área de tensão de tração. Assim, ela
corresponde grosseiramente ao limite de proporcionalidade. É comum usar para
montagens carregadas de forma estática, uma pré-carga que gera uma tensão no
parafuso de até 90% da resistência à prova. E para juntas carregadas
Revisão Bibliográfica 12

dinamicamente, de 75% ou mais. Assumindo que os parafusos sejam


adequadamente dimensionados para resistir às cargas aplicadas.
Peterson relata que cerca de 15% das falhas de parafusos ocorrem sob a
cabeça, 20% no final das rocas no corpo do mesmo e cerca de 65% na rosca de
face da porca. (Norton 2006).

2.6.1 - Gráficos de uniões parafusadas

Para auxiliar na visualização dos carregamentos envolvidos em uniões


parafusadas foram desenvolvidos os diagramas de uniões (Figura 2.7). Diagramas
de uniões podem ser utilizados para ajudar a visualizar a forma como uma junta
parafusada resiste a carregamentos externos e, desta forma, esclarecer porque o
parafuso não resiste à totalidade desta força. (Grisa, 2000).

Figura 2.7 - Diagrama de junta (Grisa, 2000).

O gráfico da Figura 2.7 apresenta a forma como um diagrama básico de uniões


parafusadas é construído. Conforme a porca é girada na rosca do parafuso, o
mesmo se estende. Por causa das forças internas do parafuso que resistem á força
de extensão, são geradas tensões normais, ou pró-tensão. A realização desta força
que gera o aperto da conexão. O diagrama que correlaciona à força e a extensão
apresenta a extensão do parafuso e compressão do membro. As inclinações das
retas representam a rigidez de cada componente. Sendo que os membros são
geralmente mais rígidos do que o parafuso.
Revisão Bibliográfica 13

O diagrama básico é formado transpondo-se a linha de compressão da Figura


2.7 para a direita. Um triângulo é formado, pois o aperto que tende a comprimir a
junta é igual à pré-carga no parafuso. Uma extensão positiva é representada com
uma linha de inclinação negativa. O diagrama então fica como mostra a Figura 2.8.
As duas retas da rigidez do parafuso e membros encontram-se no ponto definido
pela pré-carga que é igual para ambos. (Grisa, 2000).

Figura 2.8 - Gráfico de pré-carga extensão (Grisa, 2000).

Quando uma força externa de tração é aplicada ao conjunto, esta tem o efeito
de diminuir o aperto causado pela pré-carga e dessa forma adicionando força ao
parafuso. A força externa atua primeiramente sobre o material da junta e, por
consequência, no parafuso. A princípio pode parecer errado colocar os vetores de
força como mostrado na Figura 2.9, porém não dá para considerar um aumento da
força trativa no parafuso sem haver diminuição da força de aperto. (Grisa, 2000).
Revisão Bibliográfica 14

Figura 2.9 - Gráfico de carga e extensão com aplicação de força externa. (Grisa,
2000).

Como pode ser observada no diagrama de uniões, a carga externa aplicada


provoca o aumento da carga no parafuso, com consequente aumento na
deformação, e provoca também a diminuição da pró-tensão nos membros até a pré-
carga crítica. A deformação diminuirá na mesma escala. Mas para que esta relação
seja válida não deve ocorrer qualquer deformação plástica no sistema, para que a lei
de Hooke continue aplicável. Deformações plásticas nas arruelas, muito comuns na
montagem de juntas, devem ser evitadas nos testes.
Agora, graficamente, podemos observar na Figura 2.10(a) a variação que
ocorre ao se aumentar a deformação dos membros, para uma mesma carga externa
e mesmo parafuso. Observa-se que, partindo de uma configuração inicial, ao
substituir os membros por outro menos rígido e conservando o mesmo valor da
carga externa e o mesmo valor da pró-tensão, aumentará, mesmo assim a carga
que atua no parafuso. (Grisa, 2000).
Como pode ser analisado da observação do diagrama, o aumento da força
aplicada ao parafuso depende da rigidez do parafuso em relação ao material dos
membros. Para ilustrar melhor a influência da rigidez dos componentes no aumento
da carga no parafuso, a figura 2.10 (b) mostra o caso de uma junta mais rígida.
Neste caso o parafuso suportará apenas uma pequena porção da força aplicada.
Altas pré-cargas em conexões rígidas, com Módulo de Elasticidade dos
membros elevados, transferem menos de carga externamente aplicada para o
parafuso, reduzindo a carga cíclica. (Grisa, 2000).
Revisão Bibliográfica 15

Para comparação está apresenta também uma junta menos rígida, composta
por um parafuso rígido em uma junta de pouca rigidez. Neste caso, devido à grande
inclinação da curva de rigidez do parafuso em comparação com a da junta, o
parafuso seria solicitado pela maior parte da carga aplicada. (Grisa, 2000).

Figura 2.10 - Diagrama que correlaciona a força e a extensão de uma junta rígida e
de uma junta com menor rigidez (Grisa, 2000).

2.7 - Método de aplicação de pré-carga em uniões aparafusadas

Um dos principais problemas com o uso de uniões parafusadas é a precisão,


no que diz respeito a conseguir uma pré-carga com menor variação do valor nominal
com o método de aperto escolhido. Uma pré-carga insuficiente ou superior, causada
por um método de aperto inadequado, é uma causa freqüente de falha dos
fixadores. É importante para o projetista verificar as características dos principais
métodos empregados para apertar os parafusos. Porém, qualquer que seja o
escolhido, um grau de dispersão deve ser esperado. (Pizzio 2005).
As literaturas sobre o tema apontam um desvio de mais ou menos 20% para o
método de controle de torque, mas os fabricantes de torquímetros afirmam que se
todos os parâmetros forem controlados esse desvio não passaria de 5%.

2.7.1 - Controle de torque de aperto

O método mais comum de controle de tensão no parafuso é indireto, isso é


usualmente difícil ou não é prático medir a tensão produzida em cada parafuso
durante a montagem. Para muitas aplicações, a tensão em parafusos pode ser
satisfatoriamente controlada com certos limites pela aplicação de um torque
Revisão Bibliográfica 16

conhecido no parafuso. Teste de laboratório tem mostrado, considerando que uma


relação satisfatória de torque e tensão pode ser estabelecida para um dado conjunto
de condições, uma mudança de algumas das variáveis, tal como material do
parafuso, acabamento superficial, e a presença ou ausência de lubrificante, pode
severamente alterar a relação. Isto ocorre porque muito do torque aplicado é
absorvido na fricção intermediária, então, uma mudança na rugosidade superficial da
superfície de rolamento ou uma mudança na lubrificação afetará drasticamente a
fricção e a relação torque e tensão. (Pizzio 2005).
Indiferente ao método ou acurácia de aplicação de pré-carga, a tensão
diminuirá com o tempo se o parafuso, porca, ou assentamento da face da arruela
deformar sob carga, ou se o parafuso se alonga por fluência sob carga de tração, ou
se carga cíclica causa movimentação relativa entre os membros da junta (Machinery
HandBook, 2012).
Um método controlado de atuar em conexões roscadas é apertando de modo
que um torque especificado seja conseguido. Este método é geralmente conhecido
como controle de torque. O problema principal relacionado a este procedimento é
que a força de tração do fixador (parafuso), gerada do resultado de um torque
aplicado, é dependente do projeto do fixador e das condições de atrito que
prevalecem. Apesar destes problemas, é ainda a maneira mais comum de
assegurar-se que um parafuso montado cumpra com as especificações da
engenharia (Pizzio, 2005).
A figura 2.11 e 2.12 ilustra a aplicação manual e hidráulica deste método.
Revisão Bibliográfica 17

Figura 2.11 – Aplicação manual de torqueamento. (www.fattocom.com.br).

Nesta figura percebe-se a aplicação do controle de torque através de


ferramenta manual chamada de torquímetro. O valor de torque, já conhecido, é
ajustado na ferramenta, que por sua vez, é utilizada na aplicação do torque ao
parafuso.
Revisão Bibliográfica 18

Figura 2.12 – Aplicação hidráulica de torqueamento com bomba e chave


(www.alimaqmix.com.br).

Nesta figura percebe-se a aplicação do controle de torque através de


ferramenta hidráulica chamada de chave de torque. O valor de torque, já conhecido
também, é relacionado à pressão ajustada na bomba.

2.7.2 - Controle de ângulo de aperto

Este método, também conhecido como método de giro da porca, Figura 2.13
foi introduzido para o conjunto manual logo após a Segunda Guerra Mundial quando
um determinado ângulo de aperto foi especificado. O método foi aplicado para o uso
com chaves mecânicas. O aperto a um ângulo pré-determinado além da extensão
elástica resulta em uma pequena variação na pré-carga devido, em parte, à
tolerância da tensão de escoamento. As principais desvantagens deste método
encontram-se na necessidade para a determinação precisa, e, se possível,
experimental do ângulo (Bickford, 1995).
Revisão Bibliográfica 19

Figura 2.13 -Determinação de torque ângulo. (www.fattocom.com.br).

2.7.3 - Método de estiramento do parafuso

Um problema relacionado ao aperto de grandes parafusos é que torques


muito elevados são requeridos. Embora isto possa em parte ser superado pelo uso
de chaves de torque hidráulicas (a reação do torque, entretanto pode ser um
problema), é comum o uso de dispositivos tensionadores hidráulicos para os
parafusos acima de 20 mm de diâmetro. O método usa um pequeno pistão hidráulico
fixado, à parcela roscada do parafuso projetada após a porca. O óleo hidráulico de
uma bomba pequena que age no pistão hidráulico desloca o mesmo; dessa forma a
força é transmitida ao parafuso tendo por resultado a extensão. A porca pode então
ser girada manualmente com a ajuda de um soquete integral auxiliado por uma
barra. (Pizzio, 2005).
O controle de pressão hidráulica controla eficazmente a pré-carga no
parafuso. Uma pequena redução da pré-carga, entretanto, ocorre quando a pressão
é removida enquanto a porca se deforma elasticamente sob a carga (Pizzio, 2005).
A figura 2.14 ilustra o funcionamento do tensionador.
Revisão Bibliográfica 20

Figura 2.14 – Equipamento tensionador. (www.hydratight.com).

2.7.4 - Tensionamento com torquímetro manual

Os torquímetros são ferramentas utilizadas para aplicar momento torço em


porcas e parafusos a partir de uma especificação de projeto.
O acionamento é feito pelo usuário aplicando a força diretamente em sua
haste/alavanca.

Existe uma grande variedade de torquímetros manuais, tais como: de estalo,


com ou sem escala, de relógio, de relógio com ponteiro de arreste, de escape ou
giro livre, etc. Cada ferramenta opera em uma determinada faixa de aperto, por isso
é importante o conhecimento amplo dos equipamentos. A Figura 2.15, mostra
modelos de torquímetro manual.

Figura 2.15 – Torquímetros manual. (WWW.lojadomecânico.com.br).


Revisão Bibliográfica 21

2.8 - Aços utilizados para fabricação de parafusos de alta resistência

Os aços para construção mecânica foram desenvolvidos para as mais


diversas aplicações, como na indústria automobilística, naval, de eletrodomésticos,
etc. Dentro desta classificação enquadram-se os aços carbono e aços liga, que
continuam evoluindo para atender o mercado que necessita de aços de menor custo
e com melhores propriedades mecânicas. A utilização dos diversos aços para
construção mecânica está diretamente relacionada aos processos de tratamento
térmico, que por sua vez depende, em parte, da presença de determinados
elementos de liga para obtenção das propriedades mecânicas necessárias ao
produto final. (Krauss, 1995).
Dentre os principais tratamentos térmicos destaca-se a têmpera e o
revenimento, os quais, aliados, podem apresentar excelentes combinações de
propriedades mecânicas, tais como resistência mecânica e tenacidade. Uma das
características importantes de aços e ligas, que define marcadamente sua aplicação
é a sua temperabilidade. (Krauss, 1995).
Nos aços, a austenita é a fase em equilíbrio em temperaturas elevadas que
se transforma em martensita sob resfriamento rápido o suficiente para alterar as
condições de equilíbrio da fase ferrita. A transformação martensítica é adifusional, e
por essa razão a martensita tem exatamente a mesma composição que a austenita,
até 2% de carbono. Como a difusão é suprimida, normalmente pelo resfriamento
rápido, os átomos de carbono não se dividem entre cementita e ferrita, e sim são
aprisionados nas posições octaédricas de uma estrutura cúbica de corpo centrado
(CCC), produzindo então uma nova fase, a martensita. A solubilidade de carbono em
uma estrutura CCC é enormemente excedida quando a martensita se forma; esta
assume então uma estrutura tetragonal de corpo centrado (TCC). (Krauss, 1995).
A martensita é uma fase particular que se forma nos aços. Ela tem sua
própria estrutura cristalina e composição, e é separada de outras eventuais fases por
interfaces bem definidas, entretanto ela é uma fase metaestável que está presente
apenas porque a difusão foi suprimida. Se a martensita for aquecida a uma
temperatura onde os átomos de carbono tenham mobilidade, estes difundem dos
sítios octaédricos para formar carbonetos. Como resultado, a tetragonalidade é
aliviada, e a martensita é substituída por uma mistura de ferrita e cementita como
Revisão Bibliográfica 22

previsto pelo diagrama de fase Fe-C, e desde que se trate de um aço ao carbono.
(Krauss, 1995).
A martensita é formada por um mecanismo de cisalhamento, no qual vários
átomos se movimentam cooperativamente e quase simultaneamente para efetuar a
transformação, mecanismo este bem diferente do movimento de átomo por átomo
através de interfaces durante as transformações difusionais. A cinética da
transformação martensítica é a térmica, uma vez que a conversão da microestrutura
austenítica em martensítica acontece continuamente com o decréscimo da
temperatura durante resfriamento suficientemente rápido e contínuo. A martensita
nos aços apresenta duas morfologias, ripas e placas. As ripas, formadas em aços de
baixo e médio carbono, são placas longas e finas que se formam lado a lado, e
estão alinhadas paralelamente entre si. As ripas são agrupadas em entidades
estruturais maiores, os blocos. Os detalhes microestruturais desse tipo de martensita
são muito finos para serem revelados por microscopia ótica. As placas descrevem
propriamente a forma das unidades de martensita que se formam em aços de alto
teor de carbono (Krauss, 1995).
Os aços ao boro são largamente utilizados na fabricação de parafusos de alta
resistência, principalmente na indústria automotiva. Quando comparado com aços
sem boro de igual temperabilidade, estes aços C-Mn-B tem conformabilidade
superior; igual, ou melhor, usinabilidade e menor tendência à formação de trincas de
têmpera. (Suski, 2007).
A presença de pequenos teores de boro em solução (3 a 5 ppm) em aços
com 0,20 a 0,40 % C permite obter uma temperabilidade média que fornece os
valores necessários de dureza e resistência após têmpera, principalmente em
parafusos de pequenas seções. O boro está presente nos aços como elemento
intersticial e possui baixa solubilidade na ferrita (<0,003%). Apesar dos teores de
boro presentes nos aços variar de 5 a 30 ppm, teores em solução na faixa de 3 a 5
ppm, para aços carbono, aumenta substancialmente a sua temperabilidade quando
submetidos à têmpera convencional. (Suski, 2007).
A temperabilidade dos aços aumenta devido à presença de boro em solução,
porém o excesso de boro forma borocarbonetos, eliminando o efeito do boro na
temperabilidade. No entanto, percebe-se que há uma divergência entre os teores
ótimos de boro bastante grande entre os autores, pois as variações e comentários
Revisão Bibliográfica 23

são inúmeros, principalmente devido às possíveis formações de nitretos e


borocarbonetos, as quais reduzem a quantidade de boro em solução sólida.
A temperabilidade do boro é fortemente reduzida pela formação de
borocarbonetos. Para evitar a formação de nitretos de boro é comum adicionar
elementos fortes formadores de nitretos, como o Ti e Zr, a fim de se ter boro em
solução. (Suski, 2007).
A norma ASTM A-490 aborda parafuso de aço liga, temperado e revenido
para uso estrutural com resistência a tração de 150 a 173Ksi, com padrão de rosca
em polegadas com dimensão de 0,5 a 1,5 polegadas.
A norma ASTM A-490M (2010) aborda parafuso de aço de alta resistência,
classes 10.9 para juntas estruturais com padrão métrico, com limite de resistência de
1040 a 1210 MPa e com dimensão de M-12 a M-36.
A norma ASTM A 490-M cobre dois tipos de ligas de aço temperados e
revenidos, de parafusos sextavados estruturais pesados com resistência a tração de
1040 a 1210 MPa.
Estes parafusos são fabricados para uso em conexões estruturais
comparáveis aqueles cobertos pelos requisitos das normas ASTM A-325 e A-490 de
parafusos. Eles são fornecidos nos diâmetros nominais de M12 a M36, inclusive.
Eles são designados pela composição química como se segue:
Tipo 1 – Aço liga de médio carbono;
Tipo 2 – Removido em 2002;
Tipo 3 – Aço de instrumentos.
Os parafusos, segundo esta norma devem ser tratados termicamente por
têmpera em óleo na temperatura austenítica e então revenidos pelo re-aquecimento
a temperatura não menor que 425º C. As roscas devem ser usinadas ou roladas.
Os parafusos tipo 1, usuais, tem sua liga de aço conforme os requisitos de
composição química da tabela 2.3.
Revisão Bibliográfica 24

Tabela 2. 3 - Requisitos químicos para parafusos Tipo 1.

Aço Liga
Elemento Análise química, % Análise de Produto, %
Carbono 0,30 a 0,48 0,28 a 0,50
Para tamanhos até M30,
inclusive.
Para tamanho M-36. 0,35 a 0,53 0,33 a 0,55
Manganês, min. 0,60 0,57
Fósforo, max. 0,04 0,045
Enxofre, max. 0,04 0,045
Elementos de Liga A A
Aço Liga com Adição de Boro
Carbono
Para tamanhos até M30, 0,30 a 0,48 0,28 a 0,50
inclusive.
Para tamanho M-36. 0,35 a 0,53 0,33 a 0,55
Manganês, min. 0,60 0,57
Fósforo, max. 0,04 0,045
Enxofre, max. 0,04 0,045
Boro 0,0005 a 0,003 0,0005 a 0,003
Elementos de Liga A A

A – Aço, como definido pela AISI (American Iron and Steel Institute), deve ser
considerado “liga” quando a faixa máxima para os elementos de ligas contidos
excedem um ou mais dos seguintes limites: Manganês, 1,65%; Silício, 0,60%;
Cobre, 0,60% ou no qual um faixa definida, ou uma quantidade mínima definida de
qualquer dos seguintes elementos são especificados, ou requeridos com os limites
de campo reconhecido de aço liga de construção: Alumínio, Cromo até 3,99,
Cobalto, Molibdênio, Níquel, Titânio, Tungstênio, Vanádio, Zircônio, ou qualquer
outro elemento de liga adicionado para obter os efeitos da liga desejados. (ASTM;
2011).
A tabela 2.4 apresenta a composição química para aços de parafusos.
Revisão Bibliográfica 25

Tabela 2. 4 - Composição química segundo ISO. (Muniz, 2007).

Existe uma grande variedade de revestimentos superficiais disponíveis para


parafusos, tais como: galvanização, cadmiado, fosfatizado, enegrecimento por
tempera, pintura e tratamentos organometálico (figura 2.16). Esses acabamentos
visam proteger contra oxidação, atuar como lubrificante promotor de resistência ao
desgaste e reter o óleo funcionando como um lubrificante sólido controlador do
coeficiente de atrito. (MATALAC, 2013).
Revisão Bibliográfica 26

Figura 2.16 - Foto de parafusos com vários tratamentos superficiais.


(metalac.com.br).

Nos parafusos de alta resistência, deve-se ter uma preocupação quanto à


fragilização por hidrogênio, que é associada a parafusos com dureza superior a 30
HRC e produzidos com aço carbono ou aço liga. Seu efeito pode causar diminuição
da ductilidade, trincas ou rupturas nos fixadores, ainda que aplicados sob tensões
bem abaixo da resistência de prova.
A absorção do hidrogênio livre do banho eletrolítico, ou de qualquer outra
fonte, pode provocar a fragilidade do material. A decapagem ácida e a
eletrodeposição de zinco estão entre os tratamentos superficiais mais comuns que
causam a hidrogenização. Isso ocorre porque o hidrogênio atômico se difunde nos
contornos dos grãos e migra para os pontos de maiores concentrações de tensões
quando o fixador é solicitado mecanicamente, aumentando a tensão até que a
resistência do metal base seja excedida, e em pouco tempo ocorrem rupturas na
superfície. (MATALAC, 2013).
Uma das alternativas para evitar a fragilização por hidrogênio em parafusos de
alta resistência é utilizar um processo de tratamento superficial que não tenha oferta
de hidrogênio, como por exemplo, tratamentos organometálicos.
Outra preocupação é a fragilização por corrosão sob tensão que é um
fenômeno que ocorre em fixadores de alta resistência com elevadas forças tensores
geradas durante aperto e que estão montados em locais susceptíveis a uma
atmosfera indutora a corrosão, tais como: locais quentes e úmidos, com pouca
ventilação, ambiente marinho, etc. Apesar do mecanismo da corrosão sob tensão
Revisão Bibliográfica 27

não ser totalmente esclarecido, em termos práticos, o que ocorre é que trincas
microscópicas são desenvolvidas em regiões de alta concentração de tensões,
normalmente agravadas pelo efeito deletério do hidrogênio, o qual é quimicamente
gerado pela ação da corrosão. (MATALAC, 2013).

2.9 - Determinação de propriedades mecânicas

A determinação das propriedades mecânicas de um material metálico é


realizada por meio de vários ensaios. Geralmente esses ensaios são destrutivos,
pois promovem a ruptura ou a inutilização do material. Existem ainda os ensaios
chamados não-destrutivos utilizados para determinação de algumas propriedades
físicas do metal, bem como para detectar falhas internas e superficiais do mesmo.
Na categoria de ensaios destrutivos, estão classificados os ensaios de tração,
dobramento, flexão torção, fadiga, impacto, compressão e outros. Os ensaios de
dureza que, embora possam, em certos casos, não inutilizar a peça ensaiada,
também está incluído nessa categoria.
A escolha do ensaio mecânico mais interessante ou mais adequado para
cada produto metálico depende da finalidade do material, dos esforços que esse
material vai sofrer e das propriedades mecânicas que se deseja medir. (Souza,
1982).
Segundo a norma ASTM F606 (2011), os procedimentos para a condução de
ensaios tais como: dureza prova de carga pelo método da medição do comprimento,
prova de carga pela resistência ao escoamento, prova de carga pela uniformidade
da dureza, ensaio de tração com parafuso de corpo inteiro, tração com cunha com
parafuso de corpo inteiro e ensaio de tração com corpo de prova usinado.
Dureza – Os testes devem ser conduzidos após a remoção de qualquer óxido
superficial, descarbonetação, tinta ou outra cobertura. A média de todas as leituras
na mesma parte deve ser considerada como dureza do produto. Para teste de
dureza de produto acabado, as seguintes localizações podem ser usadas:
Para parafusos de cabeça quadrada ou hexagonal, testes devem ser
conduzidos na parte plana, topo da cabeça, terminação do parafuso, ou local
arbitrário (ASTM F606, 2011).
A escala de dureza Rockwell pode ser usada para todos os diâmetros dos
produtos, contudo, a dureza Brinell é limitada a produtos acima de 1 ½ in de
diâmetro (ASTM F606, 2011).
Revisão Bibliográfica 28

Um mínimo de três leituras deve ser realizado em cada amostra de parafuso


acabado. Para testes de dureza arbitrários, a norma define que a medição deve ser
conduzida no raio médio da seção transversal da rosca tomada a uma distância de
aproximadamente um diâmetro da extremidade. Quatro leituras devem ser efetuadas
a aproximadamente 90° uma da outra, no mesmo plano, se o produto permitir.
Ensaio de Tração de corpo de prova usinado – Quando parafusos ou estojos
não podem ser testados de corpo inteiro, testes conduzidos usando corpos de prova
usinados de parafusos podem ser usados. Parafusos ou estojos de diâmetro 9/16 e
menor podem ser usinados concêntricos com o eixo do parafuso. O corpo de prova
deve ser torneado com seção tão grande quanto possível e ter um comprimento de
garra de quatro vezes o diâmetro do corpo de prova (ASTM F606, 2011).
Parafusos de seção transversal pequena que não permita ter diâmetro de
0,500” polegadas, e 2” polegadas de comprimento de medição no corpo de prova
deve ter uma usinagem de seção tão grande quanto possível e concêntrica com
eixo do parafuso. O comprimento medido deve ser quatro vezes o diâmetro do corpo
de prova. Conforme figura a 2.17. (ASTM F606, 2011).

Figura 2.17 – Exemplo de corpos de prova de seção reduzida. (ASTM F606).


Revisão Bibliográfica 29

2.10 - Tribologia

A Tribologia é a ciência que estuda a interação das superfícies em movimento


relativo. A natureza e consequência das interações resultantes na interface de
contacto entre dois sólidos são geralmente, o atrito e o desgaste. Durante a
interação entre duas superfícies ocorre a transmissão de forças, conversão de
energia e a alteração das propriedades mecânicas e químicas incluindo a natureza
superficial dos materiais em contato. (Cangundo, 2009).
O nome Tribologia foi criado em 1966 e vem do grego, sendo que a palavra
“tribo” significa atrito, e “logos” significa estudo. A Tribologia inclui o estudo da
lubrificação, atrito e desgaste resultante da interação entre corpos. Apesar de que
em muitas aplicações de engenharia, o fenômeno de atrito e desgaste seja uma
fonte de perda de eficiência e aumento de custo, o mesmo não acontece com outras
aplicações (sistemas de frenagem de veículos, discos de embreagens, processo de
laminagem, etc.) onde a presença do fenômeno de atrito faz parte dos requisitos
básicos para o seu funcionamento normal, do mesmo modo que o homem não seria
capaz de andar sem o efeito do fenômeno de atrito. Por fim, foi através da fricção
que o homem descobriu o fogo. (Cangundo, 2009).
O estudo tribológico da interação das superfícies em contato nos parafusos
requer uma abordagem diferente das formas habituais encontradas nos livros que
versam sobre o assunto. (Muniz, 2007).
Não existe um desgaste abrasivo constante das superfícies, visto que o
movimento não é constante e na maior parte do tempo, as superfícies ficarão em
repouso relativo. (Muniz, 2007).
No rosqueamento, o movimento relativo entre as superfícies é apenas inicial e
a deformação devido ao contato se dá por pressão e não por desgaste como ocorre
na maioria dos casos estudados pelos diversos autores que escrevem sobre
Tribologia. (Muniz, 2007).
Revisão Bibliográfica 30

A abrasão somente ocorrerá se as superfícies em contato não estiverem


separadas por algum elemento lubrificante ou não houver alguma proteção
superficial nos componentes em contato. Na maioria das vezes estas juntas terão
que ser desmontadas e montadas diversas vezes. A repetibilidade tem que ser
garantida. Sendo assim, parâmetros como rugosidade, proteção superficial,
lubrificante e método de aperto devem ser controlados, pois são eles que têm
influência direta sobre o coeficiente de atrito. (Muniz, 2007).
Muitos fabricantes de equipamentos especificam que parafusos novos devem
ser usados se houver desmontagem. Contudo, por causa da falta de disponibilidade,
ou razões econômicas, parafusos são re-utilizados na desmontagem de uma junta.
Um bom número de pesquisadores tem reportado uma mudança nas características
de fricção de parafusos em torques repetidos. Morgan e Henshall (1996) relataram
que estojos podem experimentar uma redução significativa (50%) na sua tensão
axial após algumas re-utilizações. Contudo, eles descobriram que uma recuperação
a condição original pode ser alcançada pelo uso de óleo como lubrificante (Eccles,
2010).
Estudos prévios tem estabelecido que o coeficiente de fricção é largamente
independente da velocidade de aperto do parafuso e substancialmente
independente da pré-carga. Jiang, Zhang e Park (2002) também concluíram que o
coeficiente de atrito na rosca é substancialmente independente da pré-carga do
parafuso e que o coeficiente de fricção na superfície de rolamento sob a cabeça do
parafuso diminui com o incremento da carga. Eles também notaram que apertos e
afrouxamentos repetidos geralmente aumentam o atrito presente na junta
aparafusada especialmente quando as superfícies em contato estão cobertas. Seus
testes foram conduzidos em porcas flangeadas e eles especularam que isto foi
atribuível à mudança na distribuição de pressão na área de contato com incremento
da força de aperto (Eccles, 2010).

2.10.1 - Atrito

Atrito e gravidade são as duas forças com as quais os engenheiros se deparam


com mais frequência ao longo do desenvolvimento de projetos mecânicos, contudo
essas são ainda as forças da natureza menos compreendidas. Ao longo dos últimos
séculos esforços combinados de engenheiros, e pesquisadores tem fracassado em
responder questões a respeito de suas origens e natureza. Tal como o fogo ou a
Revisão Bibliográfica 31

energia nuclear, o atrito é extremamente útil e importante em algumas circunstâncias


e exerce uma função vital.
Para definirmos atrito podemos tomar por base a mais elementar das
situações de movimento, ou seja, dois corpos deslizando um sobre o outro, neste a
resistência ao movimento é chamada de atrito. Isto pode ser ilustrado por um
experimento simples, se colocarmos um corpo sólido sobre uma superfície, a esse
fixarmos de forma rígida uma escala de mola, e imprimirmos uma força, podemos
obter um registro da variação da força com o movimento, conforme a figura 2.18.
(Muniz, 2007).

Figura 2.18 - Experimento para determinação da força de atrito.(Stoeterau, 2004).

Aplicando uma força no corpo B, e realizando leituras da força no


dinamômetro de mola, observa-se que a força aumenta proporcionalmente com o
aumento da tração, até o momento em que ocorre o escorregamento. Uma vez
iniciado o escorregamento entre os blocos, o valor da força sofre uma pequena
queda, permanecendo constante e independente da força F, que atua sobre o corpo
B.
Observando a relação entre as forças f e F, conforme o gráfico da figura 2.19,
pode-se extrair que a relação entre a máxima força de atrito que age na interface
das duas superfícies e a força normal é denominada de coeficiente de atrito estático.

(1.1)
Revisão Bibliográfica 32

Já o coeficiente de atrito dinâmico é definido como a relação entre a força de


atrito e a força aplicada.

(1.2)

O atrito dinâmico acontece quando a força tangencial for medida durante o


movimento das partes em contato e o Estático quando esta força for aquela
necessária para tirar do repouso um dos corpos em contato (Muniz, 2007).
No caso de parafusos os coeficientes relacionados ao atrito que são mais
importantes são os dinâmicos, pois são eles que aparecem nos cálculos de
confiabilidade de parafusos. Porém o travamento final da junta é feito pelo
coeficiente de atrito estático. Este é o responsável pelo torque final de desaperto da
junta (Muniz, 2007).

2.10.2 . Atritos e forças que atuam em parafusos

A movimentação da porca ao longo da rosca pode ser considerada tal qual


um corpo num plano inclinado sujeito a ação de forças horizontais aplicadas no raio
médio da rosca. O desenvolvimento de um parafuso roscado é similar a um plano
inclinado no qual a altura é igual ao passo “p” e a base igual à circunferência média
  d 2 , onde d 2 é o diâmetro primitivo de base da rosca. A força “F” é a força no
parafuso (Eccles, 2010).

Força P

Força R
Passo P

Força F
Ângulo β

Retificação da circunferência

Figura 2.19 – Forças atuando no plano inclinado da rosca. (ASTM F606).


Revisão Bibliográfica 33

Da figura 2.19, pode ser notado que quando a força “P” está na horizontal, a
força de reação “R” deve estar em um ângulo  da vertical, então:

ForçaP
Tan   t (1.3)
ForçaF

Onde  t é o coeficiente de atrito das roscas.

O diagrama de força para o plano inclinado admite a relação entre a força P e


F podendo:

P  F  tan   

Desde que o torque agindo na rosca seja Ttm  P  d 2 2 substituindo o valor de

P:

 F  tan   
2Ttm
P
d2
Então,

Ttm  F  d 2 2 tan    (1.4)

A figura 2.20 mostra a seção através da rosca com as forças atuando, o


ângulo do flanco da rosca é anotado como 2 . Em ordem, para contar a inclinação
da força normal neste plano, do diagrama:
F
N  cos   F ou N 
cos  
A força de atrito é:
t  F
t  N   '  F
cos 
Onde,
t
'  (1.5)
cos 
Revisão Bibliográfica 34

Força F
Força N

Ângulo
Angulo

Figura 2.20 - Forças atuando no filete de rosca. (Muniz, 2007).

Da equação 1.4, expandindo o termo em colchetes resulta em:

d 2  tan   tan  
Ttm  F  
2 1  tan   tan  

Da figura 2.19
p
Tan 
  d2
E das equações 1.3 e 1.5
t
Tan   ' 
cos 2

Substituindo estes valores na equação para Ttm ,

 p t 
 
d   d 2 cos   
Ttm  F  2   
2 1  p  t 
   d 2 cos   

Desde que o produto da linha inferior seja muito pequeno, uma aproximação
fechada é:
Revisão Bibliográfica 35

d2  p t 
Ttm  F     (1.6)
2    d 2 cos 

A força de atrito desenvolvida pela porca ou pela cabeça do parafuso durante


o aperto é:
De
Tnut  F   n  (1.7)
2
Onde:
 n é o coeficiente de atrito sob a porca;
“De” é o diâmetro do círculo onde o atrito pode ser considerado atuando.
Combinando o torque na rosca e na face da porca temos:

 p d2 t D 
T  F     n  e  (1.8)
 2   2 cos  2

O ângulo do flanco da rosca para sistema métrico e unificado é de 60°, então


para sistema métrico, a equação 1.8 se simplifica para:

 D 
T  F  0,159  p  0,578  t  d 2   n  e  (1.9)
 2

O valor de “De” pode ser tomado como:


do  di
De  (1.10)
2

Os testes executados consistidos de aperto da porca nos ensaios enquanto


medindo o torque aplicado “T”, torque de reação na rosca Ttm e a força de aperto F

gerada pelo processo de aperto. A equação 1.9 pode ser re-escrita como:

 D 
T  F  0,159  p  0,578  t  d 2   F  n  e  (1.11)
 2
Revisão Bibliográfica 36

Por exemplo: T  Ttm  T  Ttm  (1.12)

Destas, é de importância mostrar que o coeficiente de atrito médio, da rosca e


sob a porca é:

(1.12)

Ttm
 0,159  p
t  F (1.13)
0,578  d 2

2  T  Ttm 
n  (1.14)
De  F

Onde:
T – torque total de aperto;
F – Pré-carga no parafuso;
d2 – Diâmetro primitivo base da rosca;
p – Passo de rosca;
De – Diâmetro de rolamento efetivo da porca;
do – Diâmetro externo de rolamento da porca;
di – Diâmetro interno de rolamento da face da porca.
A equação 1.9, também conhecida como equação de forma longa, permite
calcular o torque no parafuso, no entanto, existem equações mais simples com a
mesma finalidade. Estas são chamadas de equações de forma curta. Tal equação se
baseia no fato da pré-carga inicial criada no parafuso ser igual ao torque aplicado
dividido por uma constante. É simples, mas somente se a constante é conhecida
(Bickford, 1995).

T  Fp  K  D (1.15)

Onde:
T – Torque aplicado (N.m, por exemplo);
Revisão Bibliográfica 37

Fp – Força de aperto ou pré-carga alcançada (N, por exemplo);


D – Diâmetro nominal do parafuso (mm, por exemplo);
K – Fator de torque (adimensional).

O fator de torque não é um coeficiente de atrito, ao invés disto, trata-se de


uma constante experimental.
Um aspecto deste fator é que ele sumariza tudo que possa afetar a relação
entre torque e pré-carga no experimento, incluindo atrito, torção, flexão, deformação
plástica de rosca e qualquer outro fator que se pode ou não antecipar. (Bickford,
1995).
Um aspecto negativo é que o fator só pode ser determinado
experimentalmente, e a experiência mostra que se deve determinar o fator de torque
para cada aplicação. A experiência mostra ainda que para alcançar precisão no
experimento deve-se ter um número de experimentos para definir a média de K,
desvio padrão, etc. (Rolin, 2014).

2.11 - Atrito no Nível Molecular

Em última análise as forças de atração e repulsão entre átomos e moléculas


são a origem do atrito. As forças moleculares são compreendidas, ou explicadas, em
sua totalidade pela mecânica quântica. A força entre dois átomos pode ser mostrada
pela figura 2.21, onde a força F é expressa em função da distância r entre ambos.

Figura 2.21 - Força entre dois átomos em função de suas distâncias de separação.
(Stoeterau, 2004).
Revisão Bibliográfica 38

Um dos exemplos mais comum na engenharia mecânica de atração


molecular esta no empilhamento de blocos padrão para metrologia. Os blocos
padrão caracterizam-se por terem elevada exatidão dimensional, geométrica e
superfícies com alta qualidade superficial, obtida por lapidações sucessivas.
Se um bloco padrão é escorregado sobre outro com muito cuidado, a elevada
planicidade das superfícies permite a adesão dos blocos através da atração entre
átomos de ambas às superfícies em contato. (Stoeterau, 2004).

2.11.1 - Área de Contato Real

Quando colocado duas superfícies em contato, somente algumas regiões na


sua superfície estarão em contato, ao passo que outras estarão afastadas. A
determinação dos átomos que interagem fortemente com os átomos
correspondentes da outra superfície, e quais deles não interagem. É sabido que a
distâncias muito pequenas forças atômicas muito fortes se estabelecem, em geral,
distâncias na ordem de angstrons ( m), o que representa o tamanho médio dos
átomos. Assim é possível simplificar o problema assumindo que todas as interações
ocorrem nestas regiões onde há contato entre os átomos. Estas regiões são
denominadas de junções, e a soma das áreas destas junções constitui a área real
de contato - Ar. A área de interferência total consiste da área real de contato mais a
área que aparenta estar em contato, mas não está, ou seja, é uma área de contato
aparente – Aa. (Figura 2.22)

Figura 2.22- Representação de área aparente e área real de contato (Stoeterau,


2004).
Revisão Bibliográfica 39

A principal resistência ao movimento surge da necessidade de cisalhar as


fortes adesões dos átomos das superfícies dos materiais em contato. Apesar de isso
quase sempre acontecer para 90%, ou mais de todas as forças de atrito, existe
inúmeros outros fatores que devem ser considerados.
Uma dessas componentes seria a rugosidade que surge da necessidade
das asperezas das superfícies subirem umas sobre as outras. Se a aspereza tem
uma inclinação, uma contribuição ao coeficiente de atrito será produzida em função
da tangente. A figura 2.23 apresenta o escorregamento entre duas superfícies
ásperas, uma aspereza escorregando em uma componente positiva. Posteriormente
haverá uma componente negativa (Stoeterau, 2004).

Figura 2.23 - Escorregamento em superfície rugosa. (Stoeterau, 2004).

Com base na figura 2.23 podemos concluir que na região coexistem tanto
ângulos positivos quanto negativos, e que na soma destes contatos tendem a se
cancelar a elevação do atrito devido à rugosidade. O que permanece é que a
rugosidade tende a contribuir com cerca de 0,05% de todo o coeficiente de atrito,
representando uma força flutuante superposta as componentes principais de adesão
na força de atrito.
Uma aparente exceção a regra que a rugosidade tem pouco efeito sobre o
atrito, algumas vezes falha para superfícies lubrificadas por líquidos. Para certas
velocidades uma superfície menos rugosa pode proporcionar uma melhor condição
de lubrificação hidrodinâmica, enquanto que para superfícies muito rugosas pode
ocorrer o caso de lubrificação limite (Stoeterau, 2004).
Se uma superfície dura, com maior rugosidade está escorregando sobre uma
superfície macia, estas tendem a penetrar na superfície macia durante o
deslizamento, produzindo um arranhão, similarmente a um aplainamento. Assim, a
Revisão Bibliográfica 40

energia de deformação representada pelo arranhão deve ser fornecida pela força de
atrito, a qual vai a partir daí ser maior do que se o arranhão não estivesse sendo
produzido. Novamente se produz uma adição a força de atrito. (Stoeterau, 2004).

2.11.2 - Atrito em Metais

Considerando o atrito e seus efeitos nos metais, já que eles estão presentes
na grande maioria dos contatos por deslizamento das máquinas. Na maioria das
aplicações práticas, o contato metálico com o escorregamento ocorre na presença
de substâncias lubrificantes como óleos, graxas, ou filmes sólidos lubrificantes. As
propriedades de superfícies lubrificadas serão discutidas mais tarde. Vamos
considerar aqui a situação, que ocorre com frequência, em que é impossível ou
impraticável o fornecimento de um lubrificante, ou esse fornecimento falha por
acidente, ou o lubrificante é aquecido acima de sua temperatura de trabalho, e,
então, os metais entram em contato sob condições essencialmente secas.
Antes de discutir as propriedades de atrito de metais não lubrificados, é
preciso salientar que essas propriedades são bastante afetadas pela presença de
filmes superficiais nos metais, e que, em geral, um metal não lubrificado encontrado
em um ambiente industrial será recoberto por uma série desses filmes, conforme
mostra a figura 2.24. (Stoeterau, 2004).

Figura 2.24 – Ilustração esquemática de filmes em uma superfície metálica.


(Stoeterau, 2004).
Revisão Bibliográfica 41

Partindo do interior do metal, encontra-se, primeiramente, uma camada de


óxido, produzida pela reação do oxigênio do ar com o metal, e presente em todos os
metais com exceção dos metais nobres como ouro. A seguir vem uma camada
absorvida da atmosfera, cujos principais constituintes são moléculas de vapor d’água
e de oxigênio. Por último, tem-se uma camada contaminante constituída,
geralmente, por graxa ou filmes de óleo, que pode substituir parcialmente a camada
absorvida (Stoeterau, 2004).
Superfícies de metais contaminados como descrito anteriormente,
geralmente possuem coeficiente de atrito inicial na faixa de 0,1 a 0,5 quando em
escorregamento uma contra a outra. Valores maiores são alcançados com a
continuação do escorregamento porque o filme graxo pode ser eventualmente,
expulso de entre as superfícies.
Quando superfícies livres de elementos graxos escorregam entre si, o tipo de
atrito encontrado varia com a natureza dos metais em contato e, em menor
intensidade com outras variáveis, como carga, área superficial, rugosidade
superficial e velocidade. Como regra geral, pode-se dizer que dois tipos de
comportamentos são comuns: o atrito severo e o atrito moderado. Em algumas
circunstâncias, o atrito varia continuamente entre os dois.
Como regra geral, atrito severo ocorre quando as duas superfícies em
escorregamento são do mesmo metal, ou quando consistem de metais bastante
similares, que tenham habilidade em formar ligas, ou que haja solubilidade dos
átomos de um na estrutura atômica do outro. O atrito de cobre em cobre, por
exemplo, é elevado, acima de 1,0, porque o mesmo metal é usado nas duas
superfícies. Alumínio no ferro ou em aço de baixo carbono fornecem atritos também
elevados, valores de 0,8 e acima, porque esses dois metais interagem fortemente
formando uma grande quantidade de compostos intermetálicos. Ambos os sistemas
ocasionam dano superficial severo. Onde os metais são diferentes e com pequena
afinidade, prevalece o atrito moderado. A prata em ferro ou aço de baixo carbono dá
valor de coeficiente de atrito da ordem de 0,3, porque esses dois metais não se
ligam e não formam compostos intermetálicos. (Stoeterau, 2004).
As regras gerais acima sofrem modificações em algumas circunstâncias
especiais. Nota-se que o atrito severo ocorre quando um dos elementos é muito
macio, por exemplo, chumbo ou índio quando comparado ao outro. Isto ocorre
Revisão Bibliográfica 42

porque o metal mais macio desgastando-se cobre o outro com uma camada de seus
próprios fragmentos, e o sistema de escorregamento se transforma em um metal
deslizando sobre si próprio. Alguns metais duros apresentam o mesmo efeito. Nota-
se, também, em segundo lugar, que metais duros como o aço, cromo e níquel não
apresentam sempre atrito severo, mesmo quando deslizam contra si mesmo. Isto
ocorre, principalmente, na presença de atmosfera úmida, quando o filme de mistura
absorvido na superfície do metal age como um lubrificante. Com os metais macios,
entretanto, condições de atrito severo ocorrem tanto em atmosfera seca quanto
úmida. (Stoeterau, 2004).

2.12 - Lubrificação

A lubrificação é usada para reduzir o atrito e o desgaste entre duas


superfícies sólidas em movimento relativo.
Na montagem industrial é muito importante obter uma força de aperto definida
dentro dos valores especificados. Através da utilização de lubrificantes para
parafusos especiais, o coeficiente de atrito necessário da união roscada pode ser
ajustado em conformidade. Na prática, a desmontagem de uma união roscada
deveria decorrer sem problemas. No entanto, na maioria dos casos não é isso que
se passa, pois os parafusos podem "ficar fixos" por corrosão, particularmente nos
casos de longos períodos de utilização e com condições de utilização agressivas. A
aplicação de lubrificantes especiais impede a corrosão e a grimpagem da união
roscada. O tempo necessário para desfazer estas uniões, por exemplo, durante a
inspeção de condutas de abastecimento, guarnições e máquinas é substancialmente
reduzido, o que se reflete em redução direta de custos (OKS-germany, 2014).
Assim, a escolha do lubrificante para parafusos de forma acertada não garante
apenas a confiabilidade de uma união roscada, como também facilita mais tarde a
sua desmontagem e oferece as vantagens em termos de custos que daí advém.
(OKS-germany, 2014).
A confiabilidade de uma união roscada e a respectiva desmontagem sem
problemas colocam exigências elevadas aos lubrificantes utilizados, tais como
pastas, graxas ou revestimentos de verniz lubrificante. Além de um coeficiente de
atrito ótimo e uma excelente proteção contra a corrosão, têm de ser também
garantidas características como resistência à água e aos produtos químicos,
Revisão Bibliográfica 43

adequação para a indústria alimentar, compatibilidade com plásticos e o ambiente,


segurança no trabalho e facilidade de utilização. ( OKS-germany, 2014).

2.12.1 - Lubrificantes empregados para montagem de juntas aparafusadas

Para os parafusos de alta resistência, os fabricantes dos mesmos


recomendam utilizar nas montagens lubrificantes específicos que suportem extremas
pressões, temperaturas elevadas com baixa velocidade de deslizamento.
As graxas possuem em suas formulações altas concentrações de óleos de
base que são formadores de películas lubrificantes entre as superfícies,
indispensáveis para redução do atrito e para evitar o desgaste.
As graxas são projetadas para liberar o óleo e assim prover a lubrificação,
mas em conexões roscadas devido a altas cargas durante o torqueamento o óleo
base pode não resistir e evaporar, reduzindo as propriedades da graxa.
As formulações de pastas para montagem são diferentes das graxas, já que os
óleos de base são responsáveis apenas pela transmissão de altas concentrações de
lubrificantes sólidos para os locais de lubrificação. Estes lubrificantes sólidos não
estão sujeitos a evaporação, mantendo assim a camada de lubrificação e
estabilizando o atrito durante o torque (Molycote Dow Corning Corporation, 2012).
Os vernizes anti-atrito formam uma película lubrificante seca como uma tinta,
otimizando as operações de torqueamento mesmo em condições extremas de
pressão, temperatura, ambientes com muita poeira e corrosivos. Porém a eficiência
e a vida útil da superfície anti-atrito é grandemente afetada pelo pré-tratamento da
superfície de deposição do mesmo (Molycote Dow Corning Corporation, 2012).
Materiais e Métodos 44

3 CAPÍTULO 3 - MATERIAIS E MÉTODOS

Este capítulo tem por finalidade apresentar os procedimentos e as principais


técnicas que foram utilizadas para o estudo das características tribológicas em
parafusos M12 x 1,75, classe: 10.9, com acabamento superficial enegrecido por
tempera torqueados sem e com lubrificação, que desempenham papel estrutural nas
montagens de componentes mecânicos, bem como algumas de suas propriedades
mecânicas.

3.1 - Materiais a serem ensaiados

Para realização dos ensaios mecânicos e de torque, foi adquirido um lote de


quarenta e dois parafusos M12 x 1,75 x 85 mm, classe 10.9, corpo com rosca parcial
medindo 30 mm, porcas classe 10 e arruelas F- 436M. Todos com acabamento
superficial enegrecido por têmpera.
A tabela a 3.1 traz a quantidade de conjuntos de parafuso, porca e arruela
empregados em cada ensaio realizado.

Tabela 3. 1 - Número de parafuso empregado em cada ensaios.

Ensaios Tração Dureza Metalografia Torque Análise química


Quantidades 2 1 1 37 1

3.2 - Equipamento para teste de torque.

O aparato experimental dispõe de um equipamento eletro-mecânico projetado


e fabricado para realizar os testes de torque nos parafusos, com objetivo de
identificar o fator de torque e os coeficientes de atrito entre as partes em estudo. O
mesmo é composto de um chassi em aço ANSI 1020, com perfis nervurados para
garantir assim a rigidez necessária à junta.
Apresenta também uma célula de carga comercial de 200KN marca
DINATESTE, composta de elementos elásticos e extensômetros elétricos em ponte
completa, que capta as deformações, posteriormente transformadas em valores de
Materiais e Métodos 45

força de tração aplicada ao parafuso durante o torque. A conexão do parafuso à


célula de carga é feita através de um carro com dois rolamentos rígidos de esferas
apoiados em duas guias fixas no chassi, dessa forma não permitindo o giro do carro
durante o torque aplicado ao conjunto. A cabeça do parafuso recebe outro fixador
em relação ao carro para que não ocorra o giro do mesmo. (Ver detalhe na figura
3.1).
Um torquímetro instrumentado com extensômetro elétrico fornece os dados
de deformação por torção que serão tratados no computador, identificando assim o
torque, e um mancal com rolamento para que não ocorra flexão no mesmo durante a
torção.
Para a aplicação do torque foi utilizada uma parafusadeira à bateria com
redutor, acoplada ao transdutor de torque com rotação constante de 0,6 RPM.
Na configuração do equipamento para medição do coeficiente de atrito entre
as roscas e o contato entre porca e arruela, foi acrescentado sob a porca um
rolamento axial de rolos cilíndricos com um flange, para que não houvesse contato
entre as superfícies da porca e arruela.
Os dados de deformação dos transdutores de torque e força aplicados à junta
foram coletados em tempo real através de um módulo de medição de deformação da
National Instrumentos modelo (NI 9237) com quatro canais de entrada, e o programa
utilizado foi elaborado no ambiente do software LabViEW, de onde os resultados de
torque e força são obtidos e salvos para posterior tratamento. A figura 3.1 detalha o
equipamento.
Materiais e Métodos 46

Parafusadeira

Redutor

Tela do
Programa

Mancal

Torquímetro

Fixador do
Chassi parafuso

Carro

Célula
de
carga

Figura 3.1 - Equipamento fabricado para ensaios de torque.

3.2.1 - Desenvolvimento do transdutor de torque.

Para a construção do transdutor de torque inicialmente foi definido a faixa de


torque em que o equipamento trabalharia em função do parafuso a ser testado.
Com o intuito de agilizar a fabricação do elemento elástico a ser utilizado para
construção do torquímetro instrumentado, foram adquiridas duas extensões de
chave soquete do mesmo lote de fabricação (com conexão de ½”). Sendo uma para
determinação de suas propriedades mecânicas. (Figura 3.2)
Materiais e Métodos 47

Figura 3.2 - Extensões adquiridas para fabricação de transdutor de torque.

As duas extensões passaram por processo de usinagem. Na primeira foi


realizado a usinagem de roscas nas extremidades para fixação da mesma às garras
da máquina de ensaios universal, a superfície externa de seu corpo foi desbastada
para garantir uma geometria cilíndrica com bom acabamento, para posterior colagem
do extensômetro e futura determinação do coeficiente de poisson e módulo de
elasticidade do material. Através dos dados coletados da máquina de ensaios e as
deformações transversais e longitudinais do elemento, adquirido com os
extensômetros.
(Figura 3.3).

Figura 3.3 – Teste para determinação de características mecânica do material.


Materiais e Métodos 48

Os resultados obtidos foram utilizados para determinação do diâmetro do


elemento elástico que atendesse as solicitações mecânicas em relação à faixa de
torque a ser empregada nos ensaios, com boa sensibilidade e que possibilita-se a
colagem dos extensômetros.
Desta forma a segunda extensão teve o seu corpo usinado para colagem do
extensômetro tipo roseta biaxial “Pa-06-125TA-350l - F.S.:2,09”, específico para
medição de torque, e na região de contato com rolamento do mancal, Além de ter
sido fabricado uma “camisa” fixada ao elemento elástico para proteção do
extensômetro.

Camisa
de
proteção
.

Extensômetro Região usinada


de resistência para colagem do
elétrica. extensômetro.

Região usinada
para acoplar a
rolamento.

Figura 3.4 - Transdutor de torque.

3.2.2 - Calibração do transdutor de torque

A calibração do torquímetro iniciou-se com o mesmo sendo conectado ao


programa desenvolvido para os ensaios de torque, e assim coletando-se as
deformações ocorridas. A aplicação das cargas foi realizada sobre um braço de
alavanca, carregado por peso morto aferido.
Para realização da calibração foi desenvolvida e fabricada uma base de
fixação para torquímetro com apoio, para que não houvesse durante o carregamento
esforços de flexão que interferissem na calibração. E também um suporte para os
pesos.
Materiais e Métodos 49

O braço de alavanca que durante o carregamento sofre deformação, e tem o


seu comprimento reduzido, foi medido a cada peso adicionado utilizando um
instrumento de medição a laser. (Figura 3.5).

Base de
fixação Torquímetro
usado como
alavanca

Suporte

Pesos

Figura 3.5 - Aparato para calibração do torquímetro.

Na sequência de calibração foram realizados oito carregamentos, com


cargas progressivas e registrado as deformações em cada patamar (tabela-
3.1). Com os dados obtidos foi plotado o gráfico de torque x deformação
(figura 3.6), e assim gerada a equação da curva que foi inserida no programa.
A equação obtida apresentou boa linearidade como pode ser verificado
através do coeficiente de correção de (R²) = 0,999996.
Materiais e Métodos 50

Tabela 3. 2 - Dados de calibração do transdutor de torque.


Δ(%)
ε (με) Carga (N) Torque (Nm) L (m) Regressão Torque
128,000 26,487 13,244 0,500 13,121 0,928
601,900 124,685 62,343 0,500 62,485 -0,228
790,000 164,121 82,061 0,500 82,079 -0,022
976,500 203,361 101,477 0,499 101,505 -0,028
1163,000 242,601 120,815 0,498 120,932 -0,097
1348,000 281,841 140,357 0,498 140,203 0,110
1442,000 301,854 150,021 0,497 149,995 0,018
1537,000 322,357 159,889 0,496 159,891 -0,001
Média Δ(%) 0,085

Torque x Deformação
180
160
140
Torque(N.m)

120
y = 0,104166x - 0,212619
100 R² = 0,999996
80
60
40
20
0
0 200 400 600 800 1000 1200 1400 1600 1800
Deformação(µe)

Figura 3.6 - Gráfico da curva de calibração do transdutor de torque.

3.2.3 - Calibração da célula de carga de tração.

Para a calibração da célula de carga de tração, foi utilizada a máquina de


ensaio universal com carregamento em compressão. Os dados de carga foram
coletados via célula de carga da máquina de ensaios. E as deformações adquiridas
através do programa do equipamento de torque. Na calibração, a célula de carga foi
carregada dez vezes com cargas aumentadas progressivamente, conforme tabela
3.3.
Materiais e Métodos 51

Os resultados de carga e deformação obtidos foram usados para gerar o


gráfico (figura-3.7), e assim determinada a equação inserida no programa, que
apresentou um ajuste do coeficiente de correção de (R²) = 0,999999.

Tabela 3. 3 - Dados de calibração da célula de carga de tração.


Carga(KN) µԐ Regressão Δ% Carga
12,190 206 12,180 0,079
22,230 375 22,233 0,014
30,080 507 30,084 0,016
40,740 686 40,732 0,019
51,510 867 51,498 0,022
62,350 1050 62,384 0,054
70,530 1187 70,533 0,004
81,840 1377 81,834 0,006
91,830 1545 91,828 0,002
99,690 1677 99,679 0,010
Média Δ(%) 0,005

Carga x deformação
120

100
y = 0,059483067x - 0,073102867
80 R² = 0,999999801
Carga (KN)

60

40

20

0
0 200 400 600 800 1000 1200 1400 1600 1800
Deformação (µԐ)

Figura 3.7 - Gráfico da curva de calibração da célula de carga de tração.


Materiais e Métodos 52

3.2.4 - Projeto e fabricação de garras para ensaio de tração.

Devido ao tamanho e geometria dos parafusos foram projetadas e fabricadas


conforme figura 3.9, duas garras em aço ANSI 4140 temperadas e revenidas, para
realização dos ensaios de tração nos corpos de prova usinados. O desenho de
conjunto da figura 3.8 demonstra como foi realizada a montagem do corpo de prova
na garra.

Figura 3.8 - Desenho de conjunto, corpo de prova e garras.

Figura 3.9 - Foto da garra em processo de fabricação.


Materiais e Métodos 53

3.2.5 - Determinação de propriedades mecânicas

Os ensaios de tração foram realizados em três corpos de prova ensaiados em


uma máquina universal de ensaios marca INSTRON modelo: 8852, para construção
do gráfico de tensão deformação e verificação das propriedades mecânicas. A
figura 3.10 ilustra o equipamento que foi utilizado para os ensaios com o corpo de
prova e as garras fabricadas.

(a) (b) (c)

Figura 3.10 - Máquina de ensaio (a), garras durante ensaio de tração (b) e corpo de
prova (c).

Os corpos de prova de tração (figura 3.11) foram usinados a partir dos


parafusos com as dimensões padronizadas pela norma ASTM F 606M em um torno
CNC horizontal MAZAK – Modelo QSM 200 M.

Figura 3.11 - Corpo de prova de tração.


Materiais e Métodos 54

Também foram realizados ensaios de dureza visando avaliar se os parafusos,


porcas e arruelas correspondiam às especificações de norma. Os pontos de
medição verificados seguiram as recomendações da norma ASTM F606 para
fixadores. A figura 3.12 apresenta o durômetro de bancada que foi utilizado para
medir das durezas em escala Rockwell C, e pontos recomendados para medição
das durezas.

Raio
(a)
(b)
Figura 3.12 - Durômetro de Bancada (a) e região de medição da dureza
recomendada (b).

3.2.6 - Determinação de propriedades metalúrgicas

O parafuso, porca e arruela passaram por processo de corte em suas seções


longitudinais e transversais em uma máquina com disco abrasivo, com refrigeração
adequada. Após os cortes e limpeza as amostras foram embutidas para posterior
lixamento, polimento e atacadas com reativo químico Nital 2%, para realização da
análise estrutural do aço de cada componente.
A figura 3.13, apresenta as amostras após corte e embutimento, na seguinte
sequência:
Materiais e Métodos 55

Amostra número um, seção transversal da arruela.


Amostra dois, seção longitudinal da porca.
Amostra três, seção transversal do parafuso.
Amostra quatro, seção longitudinal do parafuso cortado na região da rosca.

3 4
1 2

Figura 3.13 - Amostras embutidas.

O microscópio utilizado para observação micro-estrutural dos mesmos foi o


ComFocal modelo OLS 4100, conforme figura 3.14.

Figura 3.14 - Microscópio Olympus Confocal.

3.2.7 - Analise de superfícies

Foram analisadas as superfícies das seguintes regiões: rosca dos parafusos,


de contato das porcas e de contato das arruelas, sendo os componentes como
recebido do fabricante e após uma sequência de dez torqueamentos com e sem
Materiais e Métodos 56

lubrificantes, com objetivo de identificar alterações quanto à perda de proteção


superficial, deformação plástica aderente e rugosidade.
O equipamento usado para realização dessas verificações foi o microscópio
Olympus Confocal conforme figura anterior 3.14.

3.2.8 - Ensaio para determinação do fator de torque e do coeficiente de atrito


médio do conjunto parafuso, porca e arruela.

O fator de torque (K) e o coeficiente de atrito médio (µges) foram determinados


em parafusos do mesmo lote, sem lubrificação e com lubrificação. Nos sem
lubrificação apenas a camada superficial enegrecida pelo processo de tempera e
revenimento foi deixada nas superfícies.
Nos parafusos que receberam lubrificação, um grupo foi lubrificado com graxa
de uso comum na lubrificação de rolamentos, Lubrax Autolith 2, e o outro uma pasta
específica para montagem, com alta concentração de lubrificantes sólidos a base de
cobre e grafite LOCTITE LB 8008.
As cargas pretendidas de pré-tensão tanto para os lubrificados como para os
sem lubrificação foram de 75% e 90% da tensão de serviço.
O primeiro passo para realização dos testes se deu pela identificação dos
parafusos em números 1, 2 e 3, para cada grupo de pré-carga e lubrificação.
No segundo passo os parafusos foram limpos de forma mecânica com tecido
umedecido por solvente, sem retirar a camada enegrecida.
Em seguida foi realizada a fixação do parafuso à máquina, configurando no
programa o torque calculado em função de um fator de torque (K) fixo, para atingir a
pré-carga em cada situação de montagem .
Após o torque ser aplicado, os resultados eram salvos no computador e
aguardava-se cinco minutos para resfriamento. O parafuso era desmontado e limpo,
no caso dos lubrificados um novo filme de lubrificante era inserido. Esta sequência
se deu dez vezes para cada parafuso.
A partir dos resultados salvos, os valores do fator de torque (K) foram
calculados utilizando-se a equação (1.15), e o coeficiente de atrito médio (µ ges) pela
equação (1.13) segundo norma ISO 16047.
A configuração do equipamento para realização desse teste segue na figura
3.15.
Materiais e Métodos 57

Figura 3.15 - Equipamento configurado para determinação de fator de torque e atrito


total.

3.2.9 - Coeficiente de atrito da rosca e do contato da porca

A determinação do coeficiente de atrito de contato entre porca e arruela, (µn)


e das roscas (µt) será determinado utilizando os mesmos parâmetros e quantidade
de amostras do item anterior, alterando-se a configuração do equipamento como
pode ser visto na figura (3.16). Para está configuração foi acrescentado um
rolamento de rolos cilíndricos de contato axial com um flange de apoio para a porca,
já que o diâmetro interno do rolamento é maior do que o externo da porca, a função
do rolamento é de retirar o atrito da porca sobre arruela. Os coeficientes de atrito das
roscas são calculados pela equação (1.14), e os do contato da porca com a arruela
pela equação (1.15), segundo a norma ISO 16047.
Materiais e Métodos 58

Figura 3.16 - Equipamento de torque com rolamento axial.


Resultados e Discussões 59

4 CAPÍTULO 4 - RESULTADOS E DISCUSSÃO

4.1 - Ensaios Mecânicos


4.1.1 - Ensaios de tração.

Os ensaios de tração foram realizados para avaliar se os parafusos atendiam


as propriedades mecânicas definidas para fixadores de sua classe pela norma NBR
8855.
A figura 4.1, apresenta gráfico com as curvas de tensão deformação plotadas
a partir dos dados obtidos nos ensaios de tração realizados nos dois corpos de
prova retirados do lote de parafusos.

1300
1200
1100
Tensão Engenharia (MPa)

1000
900
800
700
600
500
400
300
200
100
0
0,00 0,01 0,02 0,03 0,04 0,05 0,06 0,07 0,08 0,09
Deformação Engenharia
CP-1 CP-2

Figura 4.1 - Gráfico com as curvas de tensão deformação.

Na figura 4.2 é possível verificar os módulos de elasticidade dos dois corpos


de prova protados a partir dos dados obtidos nos ensaios de tração.
A tabela 4.1 trás os valores determinados através do ensaio de tração para
os dois corpos de prova.
Resultados e Discussões 60

900

800 Scp1= 194 329,555621e - 23,480712


R² = 0,999992
700

600

500
Tensão Eng (MPa)

400 Scp2 = 194 349,893617e - 31,422866


R² = 0,999981
300

200

100

0
0,001 0,002 0,003 0,004 0,005
Deformação

Figura 4.2 - Gráfico para determinação dos módulos de elasticidade.

Tabela 4. 1 - Propriedades mecânicas determinadas pelo ensaio de tração.

Corpo de Prova-1 Corpo de Prova-2


Diâmetro 6,43 mm 6,42 mm
Área Média A0 32,44 mm² 32,40 mm²
Comprimento L0 31,75 mm 31,75 mm
Comprimento Lf 36,38 mm 36,53 mm
Diâmetro Estricção 3,74 mm 3,73 mm
Alongamento 15% 15%
Força Max 37,12 KN 36,52 KN
Tensão Max 1144 MPa 1126 MPa
Tensão de escoamento 1095 MPa 1079 MPa
Módulo de elasticidade 194 GPa 194 GPa
Tensão proporcional 1090 MPa 1075 MPa

As propriedades mecânicas obtidas pelo ensaio de tração foram comparadas


a norma NBR 8855, os resultados superaram os valores mínimos recomendados
pela mesma.
Resultados e Discussões 61

No caso da tensão de escoamento a norma recomenda no mínimo 940


MPa, e os parafusos ensaiados atingiram 1095 MPa e 1079 MPa.
Já o alongamento mínimo recomendado é de 9%, e os corpos de prova
obtiveram 15%.

Na tabela 4.2, estão os resultados dos ensaios de dureza HRc medidos no


parafuso, porca e arruela.

Tabela 4. 2 - Resultados dos ensaios de dureza obtidos.

Porca Arruela Parafuso


1 30 HRc 41 HRc 37 HRc
2 31 HRc 38 HRc 38 HRc
3 33 HRc 39 HRc 38 HRc
Médias 31 HRc 39 HRc 38 HRc

Os ensaios de dureza feitos nas amostras da porca e arruela, retiradas do lote


atenderam as especificações das normas, ASTM F 436M para as arruelas e DIN ISO
898 para as porcas.
A dureza do parafuso ensaiado atingiu um valor médio de 38 HRc, estando
de acordo com a dureza recomendada pela norma NBR 8855.
Os resultados obtidos nos ensaios de tração e de dureza são decisivos para a
aceitação ou não dos parafusos, segundo a norma NBR 8855.

4.2 - Propriedades metalúrgicas

4.2.1 - Avaliação Metalográfica

Os componentes: parafuso, porca e arruela foram preparados e atacados


para posterior verificação de suas estruturas no microscópio Confocal.
A Figura 4.3 revela a micrografia da seção transversal do parafuso com
ampliação de 2136 vezes, que mostrou uma estrutura martensítica característica de
aços temperados e revenidos.
Resultados e Discussões 62

20µm

Figura 4.3 – Micrografia da seção transversal do parafuso com aumento de 2.136


vezes realisada no microscópio Confocal.

As verificações das estruturas da porca e da arruela também apresentaram


estruturas martensítica revenida. Conforme figuras 4.4 e 4.5.

20µm

Figura 4.4 -Micrografia da porca com aumento de 2136 vezes.


Resultados e Discussões 63

20µm

Figura 4.5 - Micrografia da arruela com aumento de 2136 vezes.

4.2.2 - Análise Química do conjunto parafuso, porca e arruela.

Os componentes foram analisados em um espectrômetro de emissão ótica.


O parafuso, segundo norma NBR 5588, deve atingir ou superar as
propriedades mecânicas especificadas para ser aprovado. Assim a norma não
restringe o aço a ser empregado na sua fabricação, apenas delimita os aços
recomendados para cada classe.
No caso da classe 10.9 os aços podem ser: aço carbono, aço carbono
microligados ou aços liga, com no máximo de 0,55% de carbono, 0,35% de fósforo e
0,035% de enxofre. E que sejam suficientemente temperáveis, para assegurar que a
estrutura da região roscada tenha aproximadamente 90% de martensita após o
tratamento de tempera.
A norma também recomenda que nos limites de composição química são
obrigatórios para parafusos que não possam ser avaliados por ensaio de tração.
Na análise da composição química do parafuso, foram encontrados os
elementos que seguem na figura 4.6.
Resultados e Discussões 64

Figura
Figura4.5
4.6--Composição
Composiçãoquímica
químicado
doparafuso.
parafuso.

Através desta análise foi possível verificar que os parafusos adquiridos foram
fabricados de um aço carbono de alta resistência e baixa liga (ARBL).
A figura 4.7 apresenta a composição química do aço da porca. A análise
identificou também um aço (ARBL).

Figura 4.7 - Composição química do material da porca.

Figura 4.8 traz a composição da arruela que caracteriza o aço como sendo
de alto carbono microligado.

Figura
Figura 4.8
4.7 -- Composição
Composição química
química do
do material
material de
de fabricação
fabricação da
da arruela.
arruela.
Resultados e Discussões 65

4.3 - Análise das superfícies


4.3.1 - Medição de rugosidade

A rugosidade foi verificada nos três componentes antes e depois dos testes
de torque após dez ciclos de aperto, nos parafusos foram verificados os filetes, nas
porcas a superfície de contato entre a porca arruela e nas arruelas a superfície de
contato arruela porca.
O parafuso sem uso apresentou nos filetes da rosca as rugosidades indicadas
na tabela 4.3.
Na figura 4.9 é possível verificar o acabamento da superfície do filete do
parafuso sem uso, ainda com a camada enegrecida pelo tratamento de têmpera em
óleo.

Tabela 4. 3 – Rugosidade da rosca parafuso sem uso.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 0,589
2 0,687
3 0,747
4 0,663
5 0,633
Média 0,664
Resultados e Discussões 66

Figura 4.9- Superfície do filete do parafuso sem uso.

A região de contato da porca nova apresentou a média de rugosidade de sua


superfície em Ra = 0,424 µm, verificadas em cinco linhas na mesma direção e
paralelas entre si. Conforme tabela 4.4 e figura 4.10.

Tabela 4. 4 - Rugosidade do superfície da porca nova.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 0,415
2 0,389
3 0,463
4 0,356
5 0,497
Média 0,424
Resultados e Discussões 67

Figura 4.10 - Superfície de contato da porca sem uso.

Os dados de rugosidade da superfície da arruela sem uso seguem na tabela


4.5.

Tabela 4. 5 - Rugosidade da superfície da arruela sem uso.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 1,367
2 1,546
3 0,765
4 0,667
5 0,833
Média 1,035

Na figura 4.11, é possível verificar que a camada superficial formada pelo


tratamento térmico da arruela não é homogenea, portanto se justifica a mesma ter
apresentando maior rugosidade.
Resultados e Discussões 68

Figura 4.11 - Superfície de contato da arruela não torqueada.

Após os ensaios de torque serem realizados, as rugosidades dos


componentes foram novamente verificadas.
A rugosidade do filete do parafuso lubrificado com a graxa Lubrax Autolith 2,
e torqueado de 111 N.m após dez ciclos, apresentou os valores que seguem na
tabela 4.6.

Tabela 4. 6 - Rugosidade do parafuso na região do filete lubrificado com graxa a


75% da tensão de serviço após 10 ensaios.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 1,810
2 1,845
3 1,806
4 1,850
5 1,994
Média 1,861

A rugosidade da superfície da porca lubrificada com graxa Lubrax Autolith 2,


com carga pretendida de 75% da tensão de serviço é apresentada na Tabela 4.7.
Resultados e Discussões 69

Tabela 4. 7 - Rugosidade da superfície da porca lubrificada com graxa a 75% da


tensão de serviço após dez ensaios.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 1,543
2 1,539
3 1,685
4 1,694
5 1,881
Média 1,668

Na tabela 4.8 é possivel verificar a rugosidade média da superficie da arruela


depois de dez ensaios.

Tabela 4. 8 - Rugosidade da superfície da arruela lubrificada com graxa a 75% da


tensão de serviço.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 0,671
2 0,606
3 0,788
4 0,842
5 0,602
Média 0,702

Na sequência foi verificado a rugosidade dos filetes do parafuso lubrificado


com a graxa Lubrax Autolith 2, solicitado a uma carga pretendida de 90% da tensão.
(Tabela 4.9).
Resultados e Discussões 70

Tabela 4. 9 - Rugosidade do filete do parafuso lubrificado com graxa e torque de


133Nm.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 1,985
2 1,901
3 1,984
4 2,021
5 1,948
Média 1,968

A tabela 4.10 indica as rugosidades obtidas na superfície de contato entre porca e


arruela com torque aplicado de 133 Nm.

Tabela 4. 10 - Rugosidade da face da porca lubrificada com graxa a 90% da tensão


de serviço.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 2,389
2 2,465
3 2,328
4 2,681
5 2,855
Média 2,544

Na tabela 4.11 é possível verificar as rugosidades medidas na superfície de


contato da arruela com torque aplicado de 133 Nm.
Resultados e Discussões 71

Tabela 4. 11 - Rugosidade da arruela lubrificado com graxa e torque de 133Nm.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 0,875
2 0,868
3 0,867
4 0,837
5 0,860
Média 0,861

A seguir a tabela 4.12 apresenta a rugosidade dos filetes do parafuso


lubrificado com a pasta de montagem LOCTITE LB 8008, com carga pretendida de
75% da tensão de serviço e torque de 111 Nm.

Tabela 4. 12 - Rugosidade do parafuso na região do filete lubrificado com pasta de


montagem a 75% da tensão de serviço.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 1,394
2 1,424
3 1,531
4 1,451
5 1,557
Média 1,471

A tabela 4.13 apresenta a rugosidade da superfície da porca lubrificada com


pasta LOCTITE LB 8008, e carga pretendida de 75% da tensão de serviço.
Resultados e Discussões 72

Tabela 4. 13 - Rugosidade da superfície da porca lubrificada com pasta e torque de


111Nm após dez ensaios.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 0,320
2 0,276
3 0,278
4 0,305
5 0,279
Média 0,292

Na tabela 4.14 é possivel verificar as rugosidades da superficie da arruela.

Tabela 4. 14 - Rugosidade da superfície da arruela lubrificada com pasta a 75% da


tensão de serviço.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 0,440
2 0,373
3 0,324
4 0,295
5 0,360
Média 0,358

Na tabela 4.15, a rugosidade dos filetes do parafuso lubrificado com a pasta


LOCTITE LB 8008, solicitado a uma carga pretendida de 90% da tensão.
Resultados e Discussões 73

Tabela 4.15 - Rugosidade do filete do parafuso lubrificado com pasta e torque de


133Nm.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 1,275
2 1,633
3 1,233
4 1,277
5 1,292
Média 1,342

A tabela 4.16 indica as rugosidades obtidas na superfície de contato entre


porca e arruela com torque aplicado de 133 Nm.

Tabela 4. 16 - Rugosidade da face da porca lubrificada com pasta e torqueada com


133Nm.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 0,508
2 0,531
3 0,522
4 0,470
5 0,502
Média 0,507

Na tabela 4.17 verifica-se as rugosidades medidas na superfície de contato da


arruela com torque aplicado de 133 N.m.
Resultados e Discussões 74

Tabela 4. 17 - Rugosidade da arruela lubrificado com pasta e montada com torque


de 133Nm.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 0,279
2 0,266
3 0,315
4 0,416
5 0,647
Média 0,385

A seguir a tabela 4.18 apresenta a rugosidade dos filetes do parafuso


montados a seco (sem lubrificante), com torque de 111 Nm.

Tabela 4. 18 - Rugosidade do parafuso na região do filete montado a seco com


torque de 111Nm.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 3,832
2 3,749
3 3,429
4 3,235
5 3,391
Média 3,527

Na tabela 4.19, rugosidade da superfície da porca montada sem lubrificação,


e torqueada com 111Nm.
Resultados e Discussões 75

Tabela 4. 19 - Rugosidade da superfície da porca montada a seco com torque de


111Nm.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 3,631
2 3,830
3 4,554
4 4,328
5 4,533
Média 4,175

A tabela 4.20 apresenta as rugosidades da superície da arruela montada a


seco com 111Nm.

Tabela 4. 20 - Rugosidade da superfície da arruela torqueada a seco com torque de


111Nm.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 1,764
2 1,463
3 1,462
4 1,620
5 1,368
Média 1,535

A rugosidade dos filetes do parafuso montados sem o uso de lubrificante, e


torqueadas com 133Nm. Segue na tabela 4.21.
Resultados e Discussões 76

Tabela 4. 21 - Rugosidade do filete do parafuso montado a seco com torque de


133Nm.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 6,958
2 7,074
3 6,198
4 3,689
5 3,915
Média 5,567

A tabela 4.22 apresenta as rugosidades obtidas na superfície de contato entre


porca e arruela com torque aplicado de 133 Nm.

Tabela 4. 22 - Rugosidade da face da porca sem lubrificação com torque de 133Nm.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 3,897
2 3,828
3 6,571
4 6,291
5 5,856
Média 5,289

Na tabela 4.23, as rugosidades na superfície de contato da arruela torqueada


sem lubrificante com torque de 133 Nm.
Resultados e Discussões 77

Tabela 4. 23 - Rugosidade da superfície da arruela montada a seco e torque de


133Nm.

Medições Rugosidade Ra (  m )

1 1,807
2 1,749
3 1,856
4 1,838
5 1,661
Média 1,782

A tabela 4.24 faz um resumo das rugosidades em escala Ra do filete de rosca


sem lubrificação, lubrificado com graxa e com pasta, em dois níveis de torqueamento
do parafuso.
A figura 4.12 apresenta as fotos com aumento 430 vezes da região de contato
do filete do parafuso depois de dez apertos.
Realizando uma analise qualitativa das superfícies, é possível notar que os
parafusos montados com lubrificação tiveram menor deformação dos filetes nas
duas situações de montagem.
Na comparação quantitativa das montagens que utilizaram um torque de
111Nm e 133Nm sem lubrificação a deformação se acentuou, e a rugosidade
medida apresentou um aumento considerável de aproximadamente 63%.
Comparando os filetes lubrificados com graxa, a rugosidade teve um aumento
menor e no caso dos lubrificados com pasta a rugosidade se apresentou menor no
torque de 133Nm comparado ao torque de 111Nm.

Tabela 4. 24 - Rugosidades médias do filete do parafuso após dez apertos.

Torques Sem lubrificante Lubrificado com graxa Lubrificado com pasta


111Nm 3,527  m 1,861  m 1,471  m

133Nm 5,567  m 1,968  m 1,342  m


Resultados e Discussões 78

Seco 75% Graxa 75% Pasta 75%

Seco 90% Graxa 90% Pasta 90%


Figura 4.12 - Superfícies deformadas do filete.

Na tabela 4.25 é apresentado o resumo das médias de rugosidade verificadas


na região de contato da porca. Comparando as rugosidades nas superfícies de
contato da porca e arruela lubrificadas, também se apresentaram menores, com
destaque para as lubrificadas com a pasta de montagem.
Figura 4.13 ilustra a região de contato das porcas após ter sido torqueadas
dez vezes.

Tabela 4. 25 - Rugosidades médias da superfície de contato da porca.

Torques Sem lubrificante Lubrificado com graxa Lubrificado com pasta


111N.m 4,175  m 1,668  m 0,292  m

133N.m 5,289  m 2,544  m 0,507  m


Resultados e Discussões 79

Seco75% Graxa 75% Pasta 75%

Seco 90% Graxa 90% Pasta 90%


Figura 4.13 - Superfície de contato da porca.

Na tabela 4.26 estão colocados os resultados da rugosidade em escala Ra do


local da arruela que entrou em contato com a porca durante o aperto por torque.

Tabela 4. 26 - Rugosidades médias da superfície de contato da arruela.


Torques Sem lubrificante Lubrificado com graxa Lubrificado com pasta
111N.m 1,538  m 0,702  m 0,358  m

133N.m 1,782  m 0,861  m 0,385  m

A figura 4.14 expõe fotos das regiões de contato das arruelas após os dez
retorqueamentos.
Resultados e Discussões 80

Seco 75% Graxa 75% Pasta 75%

Seco 90% Graxa 90% Pasta 90%


Figura 4.14 - Superfície de contato da arruela.

Também é possível constatar que as superfícies lubrificadas apresentaram


menor deformação, e que tanto para os filetes do parafuso como para as porcas e
arruelas a lubrificação com a pasta de montagem a base de cobre apresentou menor
alteração das superfícies e, portanto, menores valores de rugosidade.
Resultados e Discussões 81

4.4 - Ensaios para determinação do fator de torque e dos coeficientes de


atrito.

Os ensaios de torque foram inicialmente realizados nos parafusos sem


lubrificação com torque de 111 Nm. Para o cálculo deste torque foi usado um fator
de torque (K) de 0,18 extraído da literatura [Shighey, 2008], aplicando este fator para
atingir uma carga de pré-tensão de 51387 N, cerca de 75% da tensão de serviço.
Três parafusos foram ensaiados nessa condição, com dez montagens para
cada parafuso e mais três parafusos para determinar os coeficientes de atrito do
contato da porca e das roscas.
Os resultados de carga e torque obtidos durante os ensaios realizados no
equipamento descrito na seção 3.2, foram coletados e salvos em planilha para a
realização dos cálculos. Esses dados estão em tabelas no anexo, e os gráficos são
apresentados a seguir.
O gráfico da figura 4.15 traz o fator de torque (K) calculado para cada aperto,
sendo que o parafuso número 3 rompeu no oitavo aperto.
O que pode ser observado nessa condição de montagem é que o fator (K)
aumenta à medida que os parafusos são retorqueados.

K x n- Seco Torque 111N.m


0,90
0,80
0,70
Fator K

0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.15 – Fatores de torque a seco torqueados com 111Nm.

Nas figuras a seguir é possível verificar a relação da força tensora a cada


ciclo, que tem o seu valor reduzido em função dos coeficientes de atrito que
aumentaram a cada ciclo em que o parafuso foi torqueado.
Resultados e Discussões 82

F x n- Seco Torque 111N.m


35000
30000
25000
Força N

20000
15000
10000
5000
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.16 - Força tensora para cada torque na condição sem lubrificante.

µgesx n- Seco Torque 111N.m


0,80
0,70
Atrito Médio-µges

0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.17 - Coeficientes de atrito médios.

µn x n- Seco Torque 111N.m


Atrito sob a porca-µn

0,80
0,70
0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.18 - Coeficientes de atrito entre os contatos da porca e arruela.


Resultados e Discussões 83

µt x n- Seco Torque 111N.m


0,80
0,70
Atrito rosca-µt

0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.19 - Coeficientes de atrito das roscas.

Na condição em que se buscava atingir uma carga de 61644 N para uma


tensão no parafuso de 90% da tensão de serviço, utilizando um fator de torque de
0,18 para o parafuso seco, obteve-se o torque a ser aplicado de 133 Nm.
As figuras na sequência retratam os resultados coletados para o fator de
torque, para a força atingida e para os coeficientes de atrito nos dez ciclos de aperto.
Nessa condição ocorreu a falha de dois parafusos, nos quais não foi possível
realizar os dez apertos.
O parafuso “2” rompeu no primeiro ciclo, e o número “1” no oitavo ciclo. Os
mesmos falharam na desmontagem devido ao grimpamento ocorrido nas suas
roscas.

K x n- Seco Torque 133N.m


0,90
0,80
0,70
0,60
Fator K

0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.20 - Fatores de torque calculados na condição sem lubrificação com torque
de 133 Nm.
Resultados e Discussões 84

F x n- Seco Torque 133N.m


40000
35000
30000
Força N

25000
20000
15000
10000
5000
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.21 - Forças atingidas a cada ciclo com torque de 133 Nm.

µgesx n- Seco Torque 133N.m


0,70
Atrito Médio-µges

0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.22 - Coeficientes de atrito médios calculados com torque de 133 Nm.

µn x n- Seco Torque 133N.m


Atrito sob a porca-µn

0,80
0,70
0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.23 - Coeficientes de atrito nas regiões de contato da porca e arruela.


Resultados e Discussões 85

µt x n- Seco Torque 133N.m


1,20
1,10
1,00
0,90
Atrito rosca-µt

0,80
0,70
0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.24 - Coeficientes de atrito das roscas sem lubrificação e torqueadas com
133 Nm.

Na sequência foi realizada a montagem utilizando como lubrificante a graxa,


nas mesmas configurações do ensaio anterior, aplicando um torque de 111 Nm.
Com a graxa é possível notar nas figuras a seguir que o fator e os
coeficientes de atrito se mantiveram mais estáveis, com exceção do parafuso
número um que no terceiro torque teve um aumento considerável do atrito do
contato porca e arruela. As forças de aperto nos parafusos dois e três em alguns
ciclos superaram a carga pretendida. E todos os parafusos atingiram os dez apertos
sem quebrar.

K x n- Lub. com Graxa - Torque 111N.m


0,30

0,25
Fator K

0,20

0,15

0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.25 - Fator de torque em parafuso montado com graxa e torque de 111 Nm.
Resultados e Discussões 86

F x n- Lub. com Graxa - Torque 111N.m


60000
55000
50000
45000
Força N

40000
35000
30000
25000
20000
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.26 - Forças alcançadas em parafusos lubrificados com graxa.

µgesx n- Lub. com Graxa Torque 111N.m


0,20
Atrito Médio-µges

0,18

0,16

0,14

0,12

0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.27 - Coeficientes de atrito médios em parafusos lubrificados com graxa e


torque de 111 Nm.
Resultados e Discussões 87

µt x n- Lub. com Graxa - Torque 111N.m


0,24
0,22
Atrito rosca-µt

0,20
0,18
0,16
0,14
0,12
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.28 - Coeficientes de atrito das roscas lubrificadas com graxa e torque de
111 Nm.

µn x n- Lub. com Graxa - Torque 111N.m


0,21
Atrito sob a porca-µn

0,19
0,17
0,15
0,13
0,11
0,09
0,07
0,05
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.29 - Coeficiente de atrito do contato da porca lubrificada com graxa e torque
de 111 Nm.

Na sequência novos parafusos foram lubrificados com graxa e torqueados


com 133 Nm. Nos gráficos plotados a seguir pode-se notar que a força pretendida
não foi atingida devido ao fator de torque, que se manteve acima de 0,18 e tendendo
a aumentar a partir do sétimo ciclo de aperto, em função do atrito na superfície de
contato da porca ter aumentado como pode ser verificado na figura 4.34.
Resultados e Discussões 88

K x n- Lub. com Graxa - Torque 133N.m


0,26
0,24
0,22
0,20
Fator K

0,18
0,16
0,14
0,12
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.30 - Fator de torque em parafusos lubrificados com graxa e torqueados com
133 Nm.

F x n- Lub. com Graxa - Torque 133N.m


65000
60000
55000
Força N

50000
45000
40000
35000
30000
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.31 - Forças tensoras atingidas nos parafusos lubrificados com graxa e
torque de 133 Nm.
Resultados e Discussões 89

µgesx n- Lub. com Graxa Torque 133N.m


0,20
Atrito Médio-µges

0,18

0,16

0,14

0,12

0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.32 - Coeficiente de atrito médio na condição lubrificado com graxa e


torqueado com 133 Nm.

µt x n- Lub. com Graxa - Torque 133N.m


0,24
0,22
Atrito rosca-µt

0,20
0,18
0,16
0,14
0,12
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.33 - Coeficiente de atrito das roscas lubrificadas com graxa e torque de 133
Nm.
Resultados e Discussões 90

Atrito sob a porca-µn


µn x n- Lub. com Graxa - Torque 133N.m
0,19
0,17
0,15
0,13
0,11
0,09
0,07
0,05
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 1 Parafuso 2 Parafiso 3

Figura 4.34 - Coeficientes de atrito no contato das porcas lubrificadas com graxa e
torque de 133 Nm.

Após os ensaios com lubrificação por graxa, os parafusos foram torqueados


com a pasta de montagem à base de cobre, mantendo as condições anteriores.
Primeiro aplicando um torque de 111 Nm e lubrificando com a pasta de montagem a
cada ciclo. Os gráficos das figuras a seguir apresentam os valores alcançados.

K x n- Lub. com Pasta - Torque 111N.m


0,24
0,22
0,20
Fator K

0,18
0,16
0,14
0,12
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 parafuso 3

Figura 4.35 - Fator de torque de parafusos torqueados com 111 Nm e lubrificados


com pasta de montagem.
Resultados e Discussões 91

F x n- Lub. com Pasta - Torque 111N.m


60000
55000
50000
45000
Força N

40000
35000
30000
25000
20000
15000
10000
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
parafuso 1 Parafuso 2 parafuso 3

Figura 4.36 - Forças coletadas em parafusos lubrificados com pasta e torque de 111
Nm.

µgesx n- Lub. com Pasta - Torque 111N.m


0,18
0,17
Atrito Médio-µges

0,16
0,15
0,14
0,13
0,12
0,11
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.37 - Coeficiente de atrito médio em parafusos lubrificados com pasta de


montagem e torque de 111 Nm.
Resultados e Discussões 92

µt x n- Lub. com Pasta - Torque 111N.m


0,24
0,22
Atrito rosca-µt

0,20
0,18
0,16
0,14
0,12
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 1 parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.38 - Coeficiente de atrito da rosca nos dez ciclos de aperto lubrificado com
pasta.

µn x n- Lub. com Pasta - Torque 111N.m


0,17
Atrito sob a porca-µn

0,15
0,13
0,11
0,09
0,07
0,05
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 1 Parafuso 2 parafuso 3

Figura 4.39 - Coeficiente de atrito na superfície sob a porca lubrificada com pasta e
torque de 111 Nm.

Os valores obtidos utilizando a pasta de montagem com torque 111 Nm


apresentaram-se com menor variação que os lubrificados com graxa.
Na sequência os parafusos foram torqueados com torque de 133 Nm e
lubrificados com pasta de montagem.
Os resultados obtidos na montagem com a pasta quando comparados aos
lubrificados no mesmo torque com graxa, é possível verificar que os montados com
pasta também se mostraram mais estáveis durante os dez apertos realizados.
As figuras a seguir, ilustram os gráficos obtidos nos ensaios.
Resultados e Discussões 93

K x n- Lub. com Pasta - Torque 133N.m


0,24
0,22
0,20
Fator K

0,18
0,16
0,14
0,12
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 2

Figura 4.40 - Fatores de torque obtidos nos torques dos parafusos lubrificados com
pasta de montagem e torque de 133 Nm.

F x n- Lub. com Pasta - Torque 133N.m


70000
60000
50000
Força N

40000
30000
20000
10000
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.41 - Força em cada ciclo do parafuso torqueado com 133 Nm e lubrificado
com pasta de montagem.
Resultados e Discussões 94

µgesx n- Lub. com Pasta - Torque 133N.m


0,19
0,18
Atrito Médio-µges

0,17
0,16
0,15
0,14
0,13
0,12
0,11
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.42 - Coeficientes de atrito médio obtidos com aplicação de torque de 133
Nm e lubrificados com pasta de montagem.

µt x n- Lub. com Pasta - Torque 133N.m


0,24
0,22
Atrito rosca-µt

0,20
0,18
0,16
0,14
0,12
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.43 - Coeficientes de atrito das roscas na condição lubrificada com pasta e
torque de 133 Nm.
Resultados e Discussões 95

µn x n- Lub. com Pasta - Torque 133N.m


0,20
Atrito sob a porca-µn

0,15

0,10

0,05

0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 1 Parafuso 2 Parafuso 3

Figura 4.44 - Coeficiente de atrito na superfície de contato da porca com a arruela


lubrificada com pasta e torque de 133 N.m.

Dos valores coletados entre os três parafusos foram calculadas as médias


para cada situação como apresentado nos gráficos a seguir.
Na figura 4.45, os fatores de torque apresentaram aumento a cada ciclo de
aperto, nos parafusos torqueados com torque de 133 Nm, o mesmo progrediu de
forma irregular até a falha no quinto aperto.

K x n- Seco - Torques 111N.m e 133N.m


0,70
0,60
Médias do Fator K

0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Torque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.45 - Médias entre os fatores de torque de 111 Nm e 133 Nm ensaiados sem
lubrificação.
Resultados e Discussões 96

F x n- Seco - Torques 111N.m e 133N.m

35000
Médias das Força N

30000
25000
20000
15000
10000
5000
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Torque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.46 - Médias das forças em parafusos apertados a seco com torques de 111
Nm e 133 Nm.

Na figura 4.46 verifica-se que as forças decaem, sendo que os parafusos


torqueados com 133 Nm apresentaram uma flutuação maior. Isso se deve ao
aumento do coeficiente de atrito do contato da porca, que apresentou uma maior
deformação de sua superfície quando comparado ao torqueado com 111 Nm.

µges x n- Seco - Torques 111N.m e 133N.m


0,70
Médias atrito rosca -µges

0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Torque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.47 - Valores dos coeficientes de atrito médio torqueados a seco com
111Nm e 133Nm.
Resultados e Discussões 97

µn x n- Seco; Torques 111N.m e133N.m


Média atrito sob a porca-µn
0,70
0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Toque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.48 - Médias dos coeficientes de atrito dos contatos da porca com torques de
111 Nm e 133 Nm a seco.

µt x n- Seco - Torques 111N.m e 133N.m


Médias atrito rosca -µt

1,00

0,80

0,60

0,40

0,20

0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Torque 111N.m Torque 133 N.m

Figura 4.49 - Médias entre os coeficientes de atrito das roscas ensaiadas a seco
com torque de 111 Nm e 133 Nm.

Na condição lubrificado com graxa os parafusos apertados com torque de 111


Nm apresentaram melhores resultados. É possível notar que até o terceiro aperto os
fatores de torque mantiveram-se praticamente iguais, a partir desse ponto os fatores
começam a se distanciar em relação aos torqueados com 133 Nm que tenderam a
aumentar. Esse fato pode ser verificado no coeficiente de atrito da rosca que
aumentou e se manteve no patamar entre 0,20 e 0,23. Já o coeficiente de atrito do
contato da porca começa a aumentar a partir do sétimo aperto, o que explica a
queda da força tensora que acaba se encontrando no décimo ciclo.
Resultados e Discussões 98

K x n- Lub. Graxa - Torques 111N.m e 133N.m


0,25
Médias do Fator K

0,20

0,15

0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Torque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.50 - Fatores de torque entre parafusos montados com torques de 111Nm e
133 Nm Lubrificados com graxa.

F x n- Lub. Graxa - Torques 111N.m e 133N.m


70000
Médias das Força N

60000
50000
40000
30000
20000
10000
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Torque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.51 - Médias das forças na condição lubrificado com graxa e torques de 111
Nm e 133 Nm.
Resultados e Discussões 99

Média atrito sob a porca-µn µn x n- Lub. Graxa - Torques 111N.m e 133N.m


0,20

0,15

0,10

0,05

0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Torque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.52 - Coeficientes de atrito dos contatos das porcas lubrificadas com graxa e
torques de 111Nm e 133Nm.

µt x n- Lub. Graxa - Torques 111N.m e 133N.m


Médias atrito rosca -µt

0,25
0,20
0,15
0,10
0,05
0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Torque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.53 - Coeficientes de atrito das roscas lubrificadas com graxa e torques de
111Nm 133Nm.

µges x n- Lub. Graxa - Torques 111N.m e 133N.m


Médias atrito médio -µges

0,20

0,15

0,10

0,05

0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Torque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.54 - Coeficientes de atrito médio na condição lubrificado com graxa e torque
de 111 Nm e 133 Nm.
Resultados e Discussões 100

Na montagem com pasta, os fatores de torque nos parafusos apertados com


torque de 111 Nm e 133 Nm apresentaram-se semelhantes no primeiro ciclo, já do
segundo aperto em diante os fatores se afastam, e a partir do quarto ciclo se
estabilizam.
As forças aumentam do primeiro ciclo ao quarto, e se mantém estáveis a
partir desse ponto, mantendo assim uma relação direta com os coeficientes de atrito.

K x n- Lub. Pasta - Torques 111N.m e 133N.m


0,25
Médias do Fator K

0,20

0,15

0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Torque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.55 - Fatores de torque montados com pasta e apertados com torques de
111 Nm e 133 Nm.

F x n- Lub. Pasta- Torques 111N.m e 133N.m


70000
Médias das Força N

60000
50000
40000
30000
20000
10000
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Torque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.56 - Forças atingidas na condição lubrificada com pasta e torques de 111
Nm e 133 Nm.
Resultados e Discussões 101

µges x n- Lub. Pasta - Torques 111N.m e 133N.m


Médias atrito médio -µges
0,20

0,15

0,10

0,05

0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Torque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.57 - Coeficientes de atrito médios em parafusos torqueados com pasta e


torques de 111 Nm e 133 Nm.

µn x n- Lub. Pasta - Torques 111N.m e 133N.m


0,20
Média atrito sob a porca-µn

0,15

0,10

0,05

0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Torque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.58 - Coeficiente de atrito nas superfícies de contato das porcas montadas
com pasta e torques de 111 Nm e 133 Nm.
Resultados e Discussões 102

µt x n- Lub. Pasta - Torques 111N.m e 133N.m


Médias atrito rosca -µt
0,25
0,20
0,15
0,10
0,05
0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Torque 111 N.m Torque 133 N.m

Figura 4.59 - Coeficientes de atrito das roscas montadas na condição lubrificadas


com pasta e torques de 111 Nm e 133Nm.

Os gráficos a seguir trazem as médias das montagens sem lubrificação e


lubrificadas com graxa e pasta, torqueadas com 111 Nm.
É possível verificar que os fatores de torque e coeficientes de atrito extraídos
na condição a seco aumentaram de forma progressiva até a falha do parafuso no
oitavo ciclo.
Na condição lubrificada todos os parâmetros mantiveram-se dentro da
estabilidade, a montagem com graxa no terceiro torque apresentou aumento do
coeficiente de atrito no contato da porca, a partir de sexto ciclo o coeficiente de atrito
das roscas apresentou tendência de aumento, o que contribuiu para a redução da
força tensora nos últimos ciclos.

K x n- Seco; Lub. Graxa; Lub. Pasta Torque 111N.m


0,80
Médias do Fator K

0,70
0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Seco Lub. graxa Lub. Pasta

Figura 4.60 - Fatores de torque médio para as condições de montagem seco e


lubrificados com torque de 111 Nm.
Resultados e Discussões 103

F x n- Seco; Lub. Graxa; Lub. Pasta- Torque 111N.m


Médias das Força N

60000
50000
40000
30000
20000
10000
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Seco Lub. Graxa Lub. Pasta

Figura 4.61 - Médias entre forças na condição de montagem a seco e com


lubrificantes.

µges x n- Seco; Lub. Graxa; Lub. Pasta - Torque 111N.m


Médias atrito médio -µges

0,70
0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Seco Lub. Graxa Lub. pasta

Figura 4.62 - Coeficientes de atrito médio.

µn x n- Seco; Lub. Graxa; Lub. Pasta - Torque 111N.m


Média atrito sob a porca-µn

0,70
0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

seco Lub. Graxa Lub. Pasta

Figura 4.63 - Coeficiente de atrito no contato entre porca e arruela a seco e com
lubrificantes.
Resultados e Discussões 104

µt x n- Seco; Lub. Graxa; Lub. Pasta - Torque 111N.m


Médias atrito rosca -µt

0,70
0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
seco Lub. Graxa Lub. Pasta

Figura 4.64 - Coeficiente de atrito das rocas montadas na configuração a seco e


lubrificadas com graxa e pasta de montagem.

Dos parafusos torqueados a seco e com lubrificação por graxa e pasta de


montagem com 133 Nm, foram extraídas as médias dos gráficos a seguir.
Através dos gráficos é possível verificar que nos ensaios a seco os fatores de
torque aumentaram a cada ciclo até o sexto, a partir desse ponto começou a decair
e o parafuso rompeu no oitavo.
Os parafusos lubrificados com graxa apresentaram uma redução da força
tensora a partir do sexto ciclo decorrente do aumento do atrito das roscas e do
contato da porca sobre a arruela.
Já os parafusos torqueados com pasta de montagem apresentaram valores
uniformes durante os ciclos de aperto, o que pode ser confirmado pela análise das
superfícies que apresentaram menor desgaste nessa situação de montagem.
Resultados e Discussões 105

K x n- Seco; Lub. Graxa; Lub. Pasta Torque 133N.m


0,80
Médias do Fator K

0,70
0,60
0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Seco Lub. Graxa Lub. Pasta

Figura 4.65 - Fatores de torque extraídos dos ensaios com torque de 133 Nm sem
lubrificação e com lubrificantes.

F x n- Seco; Lub. Graxa; Lub. Pasta- Torque 133N.m


70000
Médias das Força N

60000
50000
40000
30000
20000
10000
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Seco Lub. Graxa Lub. Pasta

Figura 4.66 - Médias das forças dos ensaios realizados com 133 Nm a seco e
lubrificados.

µges x n- Seco; Lub. Graxa; Lub. Pasta - Torque 133N.m


0,60
Médias atrito rosca -µges

0,50
0,40
0,30
0,20
0,10
0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Seco Lub. Graxa Lub. Pasta

Figura 4.67 - Atritos médios torqueados a seco e lubrificados .


Resultados e Discussões 106

µn x n- Seco; Lub. Graxa; Lub. Pasta - Torque 133N.m

0,50
Média atrito sob a porca-µn

0,40
0,30
0,20
0,10
0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Seco Lub. Graxa Lub. Pasta

Figura 4.68 - Atrito nas superfícies das porcas apertadas com torque de 133Nm a
seco e lubrificados.

µt x n- Seco; Lub. Graxa; Lub. Pasta - Torque 133N.m


Médias atrito rosca -µt

1,00

0,80

0,60

0,40

0,20

0,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Seco Lub. Graxa Lub. Pasta

Figura 4.69 - Atrito das roscas montadas a seco e lubrificadas com torque de 133
Nm.

4.5 - Efeito da velocidade de parafusamento sobre os parâmetros


tribológicos.

Os gráficos das figuras 4.70 e 4.71 apresentam os resultados dos ensaios


feitos em dois parafusos lubrificados com graxa e apertados com torque de 111 Nm
com as rotações de 0,6 RPM e 4,7 RPM.
Neles é possível observar ainda que, de forma prematura, devido ao reduzido
número de amostras, que a rotação influencia de forma direta nos valores do fator de
torque, coeficientes de atrito médios e por consequência nos resultados de força
tensora na junta.
Resultados e Discussões 107

K x n- Lub. com Graxa - 0,6 RPM e 4,7 RPM- Torque 111N.m


0,30

0,25
Fator K

0,20

0,15

0,10
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n
Parafuso 0,6 RPM Parafuso 4,7 RPM

Figura 4.70 - Fatores de torque em parafusos apertados com 111 Nm com graxa e
rotações de 0,6 e 4,7 RPM.

N x n- Lub. com Graxa - 0,6 RPM e 4,7 RPM- Torque 111N.m


70000
60000
50000
Força (N)

40000
30000
20000
10000
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Ciclos de Aperto-n

Parafuso 0,6 RPM Parafuso 4,7 RPM

Figura 4.71 - Forças obtidas em parafusos torqueados com 111 Nm com graxa e
rotações de 0,6 e 4,7 RPM.

RPM
Conclusões e Sugestões 108

5 CAPÍTULO 5 - CONCLUSÕES.

5.1 - Conclusões

Com os ensaios mecânicos realizados foi possível verificar que os parafusos,


porcas e arruelas adquiridos atendiam às propriedades especificadas pela norma
NBR 8855.
O ensaio metalográfico dos componentes, como esperado, revelou uma
estrutura martensítica de aços temperados e revenidos.
A análise química do aço usado para produção dos parafusos e porcas
determinou um aço de baixo carbono microligado. E das arruelas um aço alto
carbono microligado.
As superfícies avaliadas dos componentes sem uso apresentou uma camada
negra uniforme formada no tratamento térmico de têmpera em óleo. Após os ciclos
de aperto essa camada ainda era visível na condição lubrificada pela pasta de
montagem.
Nos conjuntos parafuso, porca e arruela montados sem lubrificação ocorreu
grande deformação gerada por micro-adesão, já que as superfícies em contato
direto alcançam valores extremamente altos de pressão de contato, e o movimento
de baixa rotação favorece a essa situação.
Nas montagens utilizando os lubrificantes, tanto as avaliações quantitativas
realizadas através dos ensaios de rugosidade, quanto qualitativa, da análise do
estado das superfícies, evidenciaram que a pasta de montagem alcançou melhores
resultados.
O equipamento fabricado no LAMAV atendeu às expectativas, possibilitando a
determinação dos fatores de torque e dos coeficientes de atrito. Quando os mesmos
são comparados quanto à condição lubrificados com graxa ou com pasta de
montagem é possível verificar que tanto as forças de pré-tensão como os
coeficientes de atrito se apresentaram mais estáveis, na condição lubrificados com
pasta.
Na condição do torque de 111Nm, os coeficientes de atrito dos elementos
lubrificados com pasta foram um pouco maiores dos que os lubrificados com graxa,
isso se deve aos lubrificantes sólidos e líquidos existente nos mesmos.
Conclusões e Sugestões 109

No caso da graxa Lubrax Autolith SM-2, que contém pequena quantidade de


lubrificante sólido (dissulfeto de molibdênio), este possui coeficiente de atrito menor
que o do cobre, encontrado na pasta de montagem que foi utilizada. Mas no geral os
coeficientes de atrito se mostraram mais estáveis na pasta, principalmente com
torque de 133 Nm.
Como nas montagens utilizando parafusos, o mais importante não é só a
força de pré-tensão, mas também como essas forças estão distribuídas entre os
elementos de fixação para que não ocorra sobrecarga nos mesmos. Esse melhor
resultado da pasta de montagem permite uma maior confiabilidade dos conjuntos
mecânicos fabricados por método de montagem não permanente.
Sugestões para trabalhos futuros 110

CAPÍTULO 6 – SUGESTÕES

- Sugere-se para futuros trabalhos uma avaliação de um número maior de


parafusos em cada condição apresentada nesse trabalho para um futuro tratamento
estatístico dos dados obtidos.
- A utilização de outros lubrificantes específicos para montagem de parafusos.
- Uma avaliação da quebra de torque, ou seja, o quanto de torque é
necessário para a retirada do elemento de fixação em função dos lubrificantes
utilizados, ou a não utilização dos mesmos, em relação o tempo de montagem e o
ambiente a que eles são expostos.
- Uma avaliação do quanto a deformação do ângulo dos filetes altera o fator
de torque e os coeficientes de atrito, já que as equações utilizadas para obtenção
desses resultados levam em consideração o ângulo dos mesmos.
- E uma verificação do quanto a velocidade interfere no processo de
torqueamento.
Referências Bibliográficas 111

6 CAPÍTULO 7 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.

Alimaqmix. (2014). www.alimaqmix.com.br.

ASTM A-490. Standard Specification for Structural Bolts, Alloy Steel, Heat. ASTM;
2011.

ASTM A-490M. Standard Specification for High-Strength Steel Bolts, Classes 10.9
and 10.9.3, for Structural Steel Joints (Metric): ASTM; 2011.

ASTM F-606. Standard Test Methods for Determining the Mechanical Properties of
Externally and Internally Threaded Fasteners, Washers, Direct Tension Indicators,
and Rivets.: ASTM; 2011.

ÁVILA, (2014). ELEMENTOS DE MÁQUINAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO


GRANDE – FURG.

Bickford, J.H.: An introduction to the design and behavior of bolted joints. 3ed. New
York : CRC. 1995. Blutcher Ltda. 1982.

Cangundo, E. M. (2009, Outubro). AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DA CONDIÇÃO


TRIBOLÓGICA NO PROCESSO DE CORTE POR ARRANQUE DE APARA. Lisboa.

Ciser. (2006). Elementos de máquinas. CET.

Eccles, W. (2010). Tribological Aspects of the Self-Loosening of Threaded


Fasteners., Tese de Doutorado, University of Central Lancashire (UCLAN).

Fattocom, (2014). www.fattocom.com.br.

Garcia, R., (2008). Conceitos gerais sobre torque e processos de torque, Revista do
Parafuso.
Referências Bibliográficas 112

Grisa,S(2000). Efeito do torque das uniões em fadiga aparafusadas. Porto Alegre:


Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

ISO 16047:2005. Has the status of a British Standard.

KRAUSS, G.; 1995. Heat Treated Martensític Steeel: Mircroestructural System for
Advanced Manufacture, ISIJ International, volume 35, 1995, pp. 349-359.

Machinery HandBook. 29 ed. New York : Industrial Press, 2012.

MATALAC. (2013, Dezembro). CATÁLOGO DE ENGENHARIA DE PARAFUSOS.

Muniz, J.M., 2007. Fenômenos tribológicos intrínsicos ao travamento de juntas de


engenharia aparafusadas, Tese de Mestrado, Escola Politécnica da Universidade
de São Paulo (USP).

NBR 8855:1991. Propriedades mecânicas de elementos de fixação - parafusos e


prisioneiros.

NORTON, ROBERTO L, (2006). Projeto de Máquinas: Uma abordagem integrada.


Tradução João Batista de Aguiar. 2 ed. Porto Alegre : Bookman.

OKS-germany. (2014). Catálogo de lubrificantes OKS-germany.

Pizzio, E., (2005). Avaliação da vida em fadiga de uniões parafusadas – Estudo de


Caso -, Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Retrieved Maio (2014), from www.oks-germany.com.

Rolin, A.,(2014). Avaliação do comportamento mecânico e tribológico de parafusos


de classe 10.9/sae 4140 para emprego em guindaste off-shore.

Shighey, E. Joseph (2008). Projeto de Engenharia Mecânica.

Souza, S. Augusto; (1982). Ensaios Mecânicos de Materiais Metálicos. Editora


Edgard Blucher.
Referências Bibliográficas 113

Stoeterau, R. L., (2004). “Tribologia.” Departamento de engenharia Mecânica -


Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico.

Suski, C. A. (2007). Estudo da influência da adição de Boro nos aços de baixo


carbono. O parafuso.

Treated, 150 ksi Minimum Tensile Strength.: ASTM; 2011.

www.hydratight.com (2014).

www.lojadomecanico.com.br (2014).

www.lumobras .com.br(2014).

www.Metalac.com(2014).

www.MolycoteDowCorningCorporation(2012).
Anexo 114

CAPÍTULO 8 - ANEXOS.

Tabelas de resultados obtidos nos ensaios de torque.

Tabela (1) - Parafuso 1 torqueado a seco com 111Nm.


Atrito
Ciclos Torque(N.m) carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) porca(µn)
1 111 21734,659 0,426 0,352 0,351 0,354
2 111 21700,234 0,426 0,352 0,390 0,327
3 111 15439,858 0,599 0,504 0,465 0,534
4 111 16545,272 0,559 0,469 0,435 0,495
5 111 15049,981 0,615 0,517 0,515 0,521
6 111 13010,065 0,711 0,601 0,516 0,665
7 111 13220,050 0,700 0,592 0,446 0,698
8 111 11493,033 0,805 0,683 0,592 0,752
9 111 13140,392 0,704 0,595 0,651 0,559
10 111 12511,105 0,739 0,626 0,724 0,560

Tabela (2) - Parafuso 2 torqueado a seco com 111Nm


Atrito da
ciclos Torque(N.m) carga(N) Fator K Atrito Médio(µges) Atrito da rosca(µt) porca(µn)
1 111 29660,475 0,312 0,252 0,288 0,229
2 111 21287,369 0,435 0,360 0,466 0,286
3 111 20513,618 0,451 0,374 0,612 0,207
4 111 17975,464 0,515 0,430 0,741 0,211
5 111 17164,878 0,539 0,451 0,697 0,278
6 111 13582,260 0,681 0,575 0,733 0,466
7 111 12540,321 0,738 0,625 0,648 0,611
8 111 15532,551 0,596 0,500 0,614 0,422
9 111 13256,466 0,698 0,590 0,732 0,492
10 111 13328,532 0,694 0,587 0,760 0,466
Anexo 115

Tabela (3) - Parafuso 3 torqueado a seco com 111Nm.


Atrito
ciclos Torque(N.m) carga(N) Fator K Médio(µges) Atrito da rosca(µt) Atrito da porca(µn)
1 111 29660,475 0,312 0,252 0,288 0,229
2 111 21287,369 0,435 0,360 0,466 0,286
3 111 20513,618 0,451 0,374 0,612 0,207
4 111 17975,464 0,515 0,430 0,741 0,211
5 111 17164,878 0,539 0,451 0,697 0,278
6 111 13582,260 0,681 0,575 0,733 0,466
7 111 12540,321 0,738 0,625 0,648 0,611
8 111 15532,551 0,596 0,500 0,614 0,422
9 111 13256,466 0,698 0,590 0,732 0,492
10 111 13328,532 0,694 0,587 0,760 0,466

Tabela (4) – Parafuso 1 torqueado a seco com 133 Nm.

Torque(N.m) carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)

133 34336,117 0,323 0,262 0,427 0,146


133 19497,781 0,568 0,477 0,624 0,375
133 20353,280 0,545 0,456 0,837 0,187
133 16811,531 0,659 0,556 0,950 0,279
133 17922,733 0,618 0,520 1,071 0,132

Tabela (5) – Parafuso 2 torqueado a seco com 133 Nm.

Ciclos Torque(N.m) carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)

1 133 28453,660 0,390 0,320 0,521 0,179

Tabela (6) – Parafuso 3 torqueado a seco com 133 Nm.


Ciclos Torque(N.m) carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)
1 133 29100,636 0,381 0,313 0,219 0,381
2 133 24675,204 0,449 0,372 0,382 0,367
3 133 23630,199 0,469 0,390 0,466 0,338
4 133 16401,856 0,676 0,571 0,463 0,650
5 133 17407,552 0,637 0,536 0,458 0,595
6 133 14684,972 0,755 0,640 0,660 0,628
7 133 15133,431 0,732 0,620 0,532 0,686
8 133 17703,089 0,626 0,527 0,725 0,389
9 133 14051,283 0,789 0,669 0,721 0,636
10 133 14779,089 0,750 0,635 0,779 0,537
Anexo 116

Tabela (7) – Parafuso 1 lubrificado com graxa e torqueado com 111 Nm.
Ciclos Torque(N.m) Carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)
1 111 40232,016 0,230 0,181 0,202 0,166
2 111 45676,160 0,203 0,157 0,203 0,125
3 111 37940,610 0,244 0,193 0,195 0,192
4 111 46921,377 0,197 0,152 0,190 0,126
5 111 48761,115 0,190 0,146 0,182 0,120
6 111 50551,230 0,183 0,140 0,171 0,118
7 111 47237,567 0,196 0,151 0,192 0,122
8 111 50010,288 0,185 0,141 0,182 0,113
9 111 49013,596 0,189 0,145 0,203 0,104
10 111 46414,006 0,199 0,154 0,199 0,122

Tabela (8) – Parafuso 2 lubrificado com graxa e torqueado com 111 Nm.
Ciclos Torque(N.m) Carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)

1 111 45916,736 0,201 0,156 0,174 0,144


2 111 51293,542 0,180 0,137 0,160 0,122
3 111 53313,124 0,174 0,131 0,168 0,106
4 111 54650,989 0,169 0,128 0,186 0,087
5 111 56778,341 0,163 0,122 0,178 0,083
6 111 54265,010 0,170 0,129 0,167 0,102
7 111 49748,789 0,186 0,142 0,187 0,112
8 111 51748,140 0,179 0,136 0,194 0,096
9 111 49448,596 0,187 0,143 0,193 0,109
10 111 51064,957 0,181 0,138 0,198 0,097

Tabela (9) – Parafuso 3 lubrificado com graxa e torqueado com 111 Nm.
Ciclos Torque(N.m) Carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)

1 111 45380,823 0,204 0,158 0,224 0,112


2 111 48920,545 0,189 0,145 0,192 0,113
3 111 51858,237 0,178 0,136 0,172 0,110
4 111 48563,090 0,190 0,146 0,164 0,134
5 111 52716,124 0,175 0,133 0,183 0,098
6 111 51243,986 0,181 0,138 0,192 0,100
7 111 51634,852 0,179 0,136 0,180 0,106
8 111 52765,820 0,175 0,133 0,184 0,098
9 111 50511,648 0,183 0,140 0,182 0,111
10 111 52251,348 0,177 0,135 0,179 0,104
Anexo 117

Tabela (10) – Parafuso 1 lubrificado com graxa e torqueado com 133 Nm.
Ciclos Torque(N.m) Carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)

1 133 51662,425 0,215 0,167 0,226 0,126


2 133 57110,894 0,194 0,149 0,188 0,123
3 133 59746,304 0,186 0,142 0,169 0,124
4 133 56931,480 0,195 0,150 0,211 0,107
5 133 55917,937 0,198 0,153 0,205 0,117
6 133 55927,351 0,198 0,153 0,210 0,113
7 133 55503,049 0,200 0,154 0,216 0,111
8 133 52537,028 0,211 0,164 0,219 0,126
9 133 53314,865 0,208 0,162 0,193 0,140
10 133 47427,639 0,234 0,184 0,199 0,175

Tabela (11) – Parafuso 2 lubrificado com graxa e torqueado com 133 Nm.
Atrito
Ciclos Torque(N.m carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt)
porca(µn)
1 133 51378,132 0,216 0,168 0,227 0,128
2 133 59551,949 0,186 0,142 0,207 0,097
3 133 52559,301 0,211 0,164 0,202 0,138
4 133 49307,786 0,225 0,176 0,215 0,150
5 133 56094,460 0,198 0,152 0,230 0,098
6 133 58174,176 0,191 0,146 0,230 0,088
7 133 57596,452 0,192 0,148 0,228 0,092
8 133 58637,533 0,189 0,145 0,227 0,087
9 133 55183,467 0,201 0,155 0,239 0,096
10 133 54394,875 0,204 0,158 0,235 0,104

Tabela (12) – Parafuso 3 lubrificado com graxa e torqueado com 133 Nm.
Ciclos Torque(N.m) carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)

1 133 52394,161 0,212 0,165 0,202 0,139


2 133 59051,315 0,188 0,144 0,200 0,105
3 133 55845,698 0,198 0,153 0,200 0,121
4 133 56142,216 0,197 0,152 0,205 0,116
5 133 60510,043 0,183 0,140 0,224 0,081
6 133 53981,486 0,205 0,159 0,211 0,123
7 133 55349,107 0,200 0,155 0,231 0,102
8 133 52985,342 0,209 0,163 0,212 0,128
9 133 51671,767 0,214 0,167 0,216 0,134
10 133 47691,865 0,232 0,183 0,226 0,153
Anexo 118

Tabela (13) – Parafuso 1 lubrificado com pasta de montagem e torque de 111 Nm.
Ciclos Torque(N.m) carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)

1 111 42696,764 0,217 0,169 0,204 0,145


2 111 45349,548 0,204 0,158 0,227 0,110
3 111 43264,364 0,214 0,167 0,176 0,161
4 111 47736,241 0,194 0,149 0,191 0,120
5 111 48519,200 0,191 0,146 0,172 0,129
6 111 48180,405 0,192 0,148 0,165 0,136
7 111 48339,572 0,191 0,147 0,174 0,128
8 111 50266,691 0,184 0,141 0,169 0,121
9 111 49300,774 0,188 0,144 0,157 0,135
10 111 48441,406 0,191 0,147 0,157 0,140

Tabela (14) – Parafuso 2 lubrificado com pasta de montagem e torque de 111 Nm.
Ciclos Torque(N.m) carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)

1 111 41704,601 0,222 0,174 0,207 0,151


2 111 45939,771 0,201 0,156 0,209 0,119
3 111 50613,397 0,183 0,140 0,215 0,086
4 111 51675,190 0,179 0,136 0,180 0,106
5 111 54050,713 0,171 0,129 0,187 0,089
6 111 52545,172 0,176 0,134 0,177 0,103
7 111 53434,553 0,173 0,131 0,182 0,095
8 111 51729,913 0,179 0,136 0,167 0,115
9 111 52734,633 0,175 0,133 0,165 0,111
10 111 53784,133 0,172 0,130 0,179 0,096

Tabela (15) – Parafuso 3 lubrificado com pasta de montagem e torque de 111 Nm.
Ciclos Torque(N.m) carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)

1 111 47790,063 0,194 0,149 0,178 0,129


2 111 48363,024 0,191 0,147 0,166 0,134
3 111 51932,661 0,178 0,135 0,182 0,103
4 111 51771,151 0,179 0,136 0,162 0,118
5 111 53091,589 0,174 0,132 0,168 0,107
6 111 52518,459 0,176 0,134 0,175 0,105
7 111 53004,888 0,175 0,132 0,169 0,107
8 111 53695,362 0,172 0,130 0,159 0,111
9 111 52871,825 0,175 0,133 0,154 0,118
10 111 53890,516 0,172 0,130 0,165 0,105
Anexo 119

Tabela (16) – Parafuso 1 lubrificado com pasta de montagem e torque de 133 Nm.
Ciclos Torque(N.m) carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)

1 133 56144,541 0,197 0,152 0,188 0,128


2 133 56160,900 0,197 0,152 0,172 0,139
3 133 54585,435 0,203 0,157 0,182 0,141
4 133 56763,179 0,195 0,150 0,167 0,140
5 133 56974,199 0,195 0,150 0,164 0,140
6 133 56484,013 0,196 0,151 0,157 0,148
7 133 56562,417 0,196 0,151 0,159 0,146
8 133 53294,749 0,208 0,162 0,154 0,168
9 133 54290,037 0,204 0,158 0,165 0,154
10 133 54957,217 0,202 0,156 0,177 0,142

Tabela (17) – Parafuso 2 lubrificado com pasta de montagem e torque de 133 Nm.
Ciclos Torque(N.m) carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)

1 133 48786,425 0,227 0,178 0,220 0,150


2 133 50976,537 0,217 0,170 0,185 0,160
3 133 51212,387 0,216 0,169 0,180 0,162
4 133 52987,401 0,209 0,163 0,176 0,154
5 133 52737,691 0,210 0,163 0,179 0,153
6 133 58118,788 0,191 0,146 0,167 0,133
7 133 56689,208 0,196 0,151 0,155 0,148
8 133 56543,647 0,196 0,151 0,162 0,144
9 133 59018,152 0,188 0,144 0,163 0,131
10 133 56771,058 0,195 0,150 0,170 0,137

Tabela (18) – Parafuso 3 lubrificado com pasta de montagem e torque de 133 Nm.
Ciclos Torque(N.m) carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes) Atrito roscas(µt) Atrito porca(µn)

1 133 53128,017 0,209 0,162 0,141 0,178


2 133 55314,775 0,200 0,155 0,178 0,139
3 133 58956,526 0,188 0,144 0,166 0,129
4 133 60792,082 0,182 0,139 0,168 0,119
5 133 57524,620 0,193 0,148 0,154 0,145
6 133 57323,445 0,193 0,149 0,158 0,143
7 133 57496,296 0,193 0,148 0,159 0,141
8 133 60428,786 0,183 0,140 0,168 0,121
9 133 60188,067 0,184 0,141 0,157 0,130
10 133 60298,853 0,184 0,140 0,155 0,131
Anexo 120

Tabela (19) – Parafuso lubrificado com graxa, torque de 111 Nm e rotação de


4,7RPM.
Ciclos Torque(N.m) carga(N) Fator K Atrito Médio(µGes)
1 111 51705,838 0,179 0,136
2 111 56673,711 0,163 0,122
3 111 57291,103 0,161 0,121
4 111 61370,704 0,151 0,112
5 111 56565,017 0,164 0,123
6 111 56685,503 0,163 0,122
7 111 56553,893 0,164 0,123
8 111 57508,808 0,161 0,120
9 111 56833,271 0,163 0,122
10 111 57421,116 0,161 0,121

Você também pode gostar