Você está na página 1de 5

VOTO

PROCESSO: 48500.002500/2017-28.

INTERESSADO: Agentes de Mini e Microgeração Distribuída, Concessionárias e Permissionárias de


Distribuição de Energia Elétrica e Consumidores de Energia Elétrica.

RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos.

RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição – SRD.

ASSUNTO: Resultado da Audiência Pública nº 037/2017, realizada no período de 6 de julho a 4 de agosto de


2017, com o objetivo de obter contribuições à proposta de atualização da Resolução Normativa nº 482/2012, a
qual estabelece as condições gerais para o acesso de microgeração e minigeração distribuída aos sistemas de
distribuição de energia elétrica, o sistema de compensação de energia elétrica, e dá outras providências.

I – RELATÓRIO

1. A Resolução Normativa – REN nº 482, de 17 de abril de 2012, criou o Sistema de Compensação


de Energia Elétrica, aplicável a unidades consumidoras com micro ou minigeração distribuída. Conforme
definições do art. 2º da Resolução, a minigeração distribuída era, na ocasião da publicação da norma, aplicável
às fontes hidráulica, solar, eólica, biomassa ou cogeração qualificada com potência menor ou igual a 1 MW.

2. Em 24 de novembro de 2015, foi publicada a REN nº 687/2015, que alterou a REN nº 482/2012,
elevando para 3 MW o limite de potência da minigeração distribuída de fonte hídrica e para 5 MW o limite para
as demais fontes.

3. Em 17 de novembro de 2016, a Lei nº 13.360/2016 alterou o art. 8º da Lei nº 9.074/1995,


ampliando, de 3 MW para 5 MW, o limite de potência de empreendimentos hidráulicos dispensados de
concessão, permissão ou autorização.

4. Na 24ª Reunião Publica Ordinária, no dia 4 de julho de 2017, este Colegiado decidiu pela
instauração da Audiência Pública nº 037/2017, com período de recebimento de contribuições entre 06/07 e
04/08/2017 com sessão presencial no dia 20/07/2017, com o objetivo de obter contribuições à proposta de
atualização da Resolução Normativa nº 482/2012.

5. Por meio da Nota Técnica n° 0098/2017-SRD/ANEEL, de 06/09/2017, a SRD avaliou as


contribuições apresentadas e encaminhou o processo para deliberação da Diretoria Colegiada.

6. É o relatório

II – FUNDAMENTAÇÃO

7. Dentre as opções de atualização da REN 482/2012, avaliadas pela SRD, este Colegiado
decidiu submeter à Audiência Pública aquela que previa a elevação do limite de minigeração distribuída
hidráulica de 3 MW para 5 MW, vedando a participação no Sistema de Compensação de empreendimentos
existentes independentemente de sua potência ou fonte, alterando o Inciso II do caput e o Parágrafo único,
ambos do Art. 2º, da seguinte forma:.

II - minigeração distribuída: central geradora de energia elétrica, com potência instalada


superior a 75 kW e menor ou igual a 5MW e que utilize cogeração qualificada, conforme
regulamentação da ANEEL, ou fontes renováveis de energia elétrica, conectada na rede
de distribuição por meio de instalações de unidades consumidoras.

Parágrafo Único. O enquadramento como microgeração ou minigeração distribuída não


se aplica às centrais geradoras que já tenham sido objeto de registro, concessão,
permissão ou autorização, devendo a distribuidora identificar esses casos.

8. Foram recebidas 91 contribuições de 51 agentes, incluindo distribuidoras, geradores,


conselhos de consumidores, associações, consultores e demais interessados no tema. A relação completa de
todas as contribuições com as respectivas justificativas encontra-se no Relatório de Análise de Contribuições,
anexo a Nota Técnica n° 0098/2017-SRD/ANEEL, de 06/09/2017.

9. Inicialmente, registro que a grande maioria dos contribuintes à AP corroboram o entendimento


desta Agência de que a mudança nos limites de minigeração trata-se do exercício do poder discricionário desta
Agência e avaliar a conveniência e oportunidade de atualização e revisão dos regulamentos editados..

10. Por outro lado, argumentam que a introdução no regulamento de vedação da participação de
usinas existentes no Sistema de Compensação poderia afetar empreendedores que já tenham encerrado
contratos na qualidade de central geradora e realizado investimentos em suas centrais para adequação à REN
nº 482/2012.

11. Outro ponto ressaltado nas contribuições diz respeito à manutenção do cenário atual para
usinas existentes em processo de reativação. Os participantes ressaltaram que a possibilidade de adesão ao
Sistema de Compensação por usinas previamente existentes permitiu que algumas pequenas plantas de
geração que estavam desativadas pudessem ser reformadas de modo a permitir sua reativação. Nesse
contexto, a Norma teria contribuído para o aumento da capacidade de geração do país.

12. Entretanto, observo que não só as usinas existentes e em processo de reativação, mas também
todas aquelas usinas que se encontravam em processo de enquadramento ao Sistema de Compensação
merecem tratamento excepcional de modo a garantir a segurança regulatória. Há que se notar que as empresas
responsáveis por esses empreendimentos consideraram o arcabouço legislativo existente quando da tomada
de decisão de investir.

13. Logo, ao vedar a participação de empreendimentos existentes, será necessário: (i) criar uma
regra de transição aplicável às usinas que já tenham iniciado o processo para enquadramento no Sistema de
Compensação, e (ii) estabelecer uma forma de determinação confiável das usinas previamente existentes.

Deste modo, proponho que a vedação da participação de usinas existentes no Sistema de Compensação não
seja aplicável às seguintes centrais geradoras:

(i) que já tenham se enquadrado como micro ou minigeração distribuída (e cuja


unidade consumidora, portanto, já seja faturada dentro do Sistema de Compensação de
Energia Elétrica e,
(ii) que comprovadamente, tenham protocolado a Solicitação de Acesso à
distribuidora, conforme Seção 3.7 do Módulo 3 dos Procedimentos de Distribuição –
PRODIST, até a data de publicação do novo regulamento.

14. Para estabelecer uma forma confiável de determinação das usinas previamente existentes, a
proposta submetida à Audiência Pública endereça o enquadramento como micro ou minigeração para aquelas
centrais que ainda não tenham sido objeto de registro, concessão, permissão ou autorização.

15. Isso, como uma clara demonstração de que a revisão do regulamento busca atingir aqueles
potenciais hidráulicos com potência até 5 MW que ainda não se viabilizaram pelas demais formas de
contratação de energia.

16. Serão alcançadas tanto usinas em construção quanto aquelas com obras não iniciadas, uma
vez que o registro na ANEEL de centrais geradoras de capacidade reduzida somente poderá ser efetivado após
a implantação do empreendimento, conforme estabelece a REN 673/2015. Tal dispositivo contribuirá na
viabilização de um conjunto importante de empreendimentos.

17. Portanto o novo regulamento contemplará as seguintes condições:

(i) As centrais geradoras com potência até 3 MW já enquadradas como


microgeração distribuída permanecerão nessa condição;
(ii) As centrais geradoras com potência até 3 MW que já protocolaram a solicitação
de acesso na distribuidora até a data de publicação do novo regulamento poderão ser
enquadradas como microgeração distribuída;
(iii) As centrais geradoras com potência até 5 MW e que não tenham sido objeto de
registro, autorização ou concessão e que não tenham entrado em operação comercial
ou não tenham sua energia elétrica contabilizada no âmbito da CCEE ou comprometida
diretamente com concessionária ou permissionária de distribuição de energia elétrica,
poderão ser enquadradas como microgeração distribuída a partir da publicação do novo
regulamento.

III – DIREITO

18. A presente análise encontra fundamentação nos seguintes dispositivos normativos: (i) Lei nº
9.074/1995, alterada pela Lei nº 13.360/2016; (ii) REN nº 482/2012; (iii) Decreto n° 2335/1997 e (iv) Lei
n°9.427/1996.

IV – DISPOSITIVO

19. Diante do exposto e considerando o que consta do Processo nº 48500.002500/2017-28, voto


pela aprovação de Resolução Normativa, na forma da minuta em anexo, que altera a Resolução Normativa nº
482, de 17 de abril de 2012, no sentido de contemplar as seguintes condições:

(i) Alteração na definição de minigeração distribuída, que passa a ser “central geradora
de energia elétrica, com potência instalada superior a 75 kW e menor ou igual a 5MW
e que utilize cogeração qualificada, conforme regulamentação da ANEEL, ou fontes
renováveis de energia elétrica, conectada na rede de distribuição por meio de
instalações de unidades consumidoras”;

(ii) Vedação ao enquadramento como microgeração ou minigeração distribuída das


centrais geradoras que já tenham sido objeto de registro, concessão, permissão ou
autorização, ou tenham entrado em operação comercial ou tenham tido sua energia
elétrica contabilizada no âmbito da CCEE ou comprometida diretamente com
concessionária ou permissionária de distribuição de energia elétrica, devendo a
distribuidora identificar esses casos; e

(iii) exceção à vedação que trata o item anterior para os empreendimentos que tenham
protocolado a solicitação de acesso, nos termos da Seção 3.7 do Módulo 3 do
PRODIST, em data anterior a publicação desta decisão.

Brasília, 26 de setembro de 2017.

REIVE BARROS DOS SANTOS


Diretor
MINUTA

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL

RESOLUÇÃO NORMATIVA No , DE DE DE 2017.

Altera a Resolução Normativa nº 482, de 17 de


abril de 2012.

O Diretor-Geral da Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, no uso de suas


atribuições regimentais, de acordo com deliberação da Diretoria, tendo em vista o disposto na Lei nº
9.427, de 26 de dezembro de 1996, com base no art. 4º, incisos IV e XVI, Anexo I, do Decreto nº
2.335, de 6 de outubro de 1997, no que consta do Processo nº 48500.002500/2017-28 e considerando
as contribuições recebidas na Audiência Pública nº 037/2017, realizada entre 6 de julho e 4 de agosto
de 2017, que foram objeto de análise desta Agência e permitiram o aperfeiçoamento deste ato
regulamentar, resolve:

Art. 1º Alterar o inciso II e inserir os §§ 1º e 2º no art. 2º da Resolução Normativa nº 482,


de 17 de abril de 2012, que passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 2º.................................................................................................................................
.............................................................................................................................................

II - minigeração distribuída: central geradora de energia elétrica, com potência


instalada superior a 75 kW e menor ou igual a 5MW e que utilize cogeração qualificada,
conforme regulamentação da ANEEL, ou fontes renováveis de energia elétrica,
conectada na rede de distribuição por meio de instalações de unidades consumidoras;

.............................................................................................................................................

§1º É vedado o enquadramento como microgeração ou minigeração distribuída das


centrais geradoras que já tenham sido objeto de registro, concessão, permissão ou
autorização, ou tenham entrado em operação comercial ou tenham tido sua energia
elétrica contabilizada no âmbito da CCEE ou comprometida diretamente com
concessionária ou permissionária de distribuição de energia elétrica, devendo a
distribuidora identificar esses casos.

§2º A vedação de que trata o §1º não se aplica aos empreendimentos que tenham
protocolado a solicitação de acesso, nos termos da Seção 3.7 do Módulo 3 do
PRODIST, em data anterior a publicação deste regulamento.”

Art. 2º Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação.

ROMEU DONIZETE RUFINO

Interesses relacionados