Você está na página 1de 91

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

1. Revoluções burguesas – séc. XVIII:


o Profundas transformações políticas,
econômicas e sociais com a Revolução
Industrial e a Revolução Francesa.
o No processo houve o fortalecimento
econômico e político da burguesia,
consolidando o Capitalismo e o Liberalismo.
o Contradições com a exclusão social e política
das camadas inferiores.
2. Por que Revolução?
o Profundas mudanças estruturais: econômicas,
sociais, políticas.
3. Revolução burguesa:
o A burguesia conduziu o processo, lucrou e
consolidou – se com ele.
o Iniciou – se na Inglaterra no séc. XVIII e
continua nos dias atuais.
4. Conceito:
o Processo histórico marcado por profundas
mudanças na produção, com a introdução de
máquinas, da linha de produção e fontes de
energia (vapor – eletricidade – fósseis).
o Mudanças na sociedade rural que passou a
ser urbana e no trabalho com o surgimento do
proletariado.
5. Símbolos e marcos:
o Máquinas.
o Fábricas.
o Linha de produção.
o Urbanização.
o Burguesia industrial.
o Proletariado.
6. Contexto:
o Capitalismo Comercial fortalecendo – se.
o A burguesia firmava – se como classe
dominante graças aos seus empreendimentos
marítimos e ao apoio do Estado absolutista.
o O mercado europeu cresceu, tornando – se
carente de matérias – primas, produção e
consumidores.
7. Causas gerais:
o Expansão dos mercados.
o Escassez de matérias – primas.
o Burguesia cada vez mais rica.
o Crise do mercantilismo.
o Consolidação do Liberalismo.
o Tecnologias que fizeram aumentar: produção,
mercados, lucros.
8. Etapas de produção:
A – Artesanato:
o Início: paleolítico.
o Uso de paus, pedras, ossos.
o Artesão dominando todas as fases da
fabricação dos seus produtos.
o Não há linha de produção nem compromisso
com tempo/mercado/lucros.
B – Manufatura:
o Produzir com as mãos.
o Com o renascimento comercial a burguesia
pressionava por mais mercados e lucros.
o Criadas a especialização da produção, a
divisão das tarefas e a linha de produção.
o Houve a proletarização do artesão, o aumento
da produção e dos lucros.
C – Mecanização:
o Revolução Industrial.
o As máquinas na produção.
o Linha de montagem.
o Proletarização do artesão.
o Expansão: produção e mercados.
o Burguesia rica e poderosa.
o Consolidação do Capitalismo.
9. Revoluções Industriais:
A – Primeira Revolução:
o Meados do século XVIII.
o Primeiras máquinas na produção.
o Energia: muscular e vapor.
o Pioneirismo inglês.
o Primeiros centros industriais.
B – Segunda Revolução:
o Meados do século XIX.
o Máquinas mais elaboradas.
o Energia: fósseis e eletricidade.
o Inovações tecnológicas: ácidos, sintéticos.
o Revolução tecnológica: barco a vapor,
locomotiva a vapor, rádio, telefone, automóvel,
avião, etc.
C – Terceira Revolução:
o Meados do séc. XX até hoje.
o Revolução tecnológica: robótica, informática,
nanotecnologia e a biotecnologia.
As tecnologias sempre fizeram parte da vida dos homens e
mulheres. Se não imaginamos o mundo sem computadores,
internet , celulares, automóveis e aviões devemos à Indústria que
busca sempre o novo para seduzir os seus consumidores.
10. Pioneirismo inglês:
A– Acúmulo de capitais:
o Lucros com: expansão marítima, tráfico de
escravos e ação dos corsários.
o Manufaturas produzindo tecidos de lã.
o Altos lucros no comércio (Tratado de Methuen).
o Burguesia comercial poderosa.
B – Cercamentos (Enclosures):
Exército de mão – de – obra
o A privatização de terras transformou senhores
feudais em proprietários e acabou com a vida
comunal, dificultando a vida dos camponeses.
o A criação de ovelhas substituiu a agricultura.
o O Capitalismo no campo expulsou muitos
camponeses para as cidades.
C – Geografia:
o Isolamento natural.
o Conflitos que abalaram a Europa pouco
atingiram a Inglaterra, gerando tranquilidade
política.
o Abundância de minérios de ferro e carvão
beneficiando as indústrias.
o Ferro para as máquinas.
o Carvão para o vapor.
D – Ato de Navegação:
o Oliver Cromwell – 1651.
o Os países europeus só poderiam importar
mercadorias se elas fossem transportadas por
navios próprios ou da Inglaterra.
o Atingiu diretamente a Holanda.
o Obrigou a Inglaterra a possuir os próprios
navios mercantes, fortalecendo sua marinha
mercante, gerando altos lucros.
E – Liberalismo:
o Inglaterra: berço do Liberalismo.
o Oposição ao Mercantilismo.
o Defesa do livre mercado.
F – Burguesia Calvinista:
o Empreendedora e temente a Deus nas
crenças da acumulação e no trabalho como
sinais de salvação.
G – Parlamentarismo:
o O governo nas mãos da burguesia.
o O Chefe de Estado reinando e sem poderes.
o A burguesia no comando do Parlamento
praticando políticas em benefício próprio.
o Importante:
o O tesouro inglês e o Banco da Inglaterra
financiaram a burguesia.
11. Consequências:
o Mecanização intensiva.
o Especialização na produção.
o Linha de produção e divisão das tarefas.
o Expansão nos mercados e lucros.
o Consolidação da burguesia e do Capitalismo.
o Capitalismo se torna industrial, comercial e
financeiro.
o Revolução nos transportes e comunicações.
o Intensa urbanização, populações em situação
precária de moradia, higiene e saúde.
o Aumenta a depredação dos recursos naturais
o Artesãos arruinados por não conseguirem
competir com as máquinas.
o Exploração, penúria, miséria dos operários.
o Alienação da mão – de – obra.
12. Opressão e resistência:
A – Trade Unions:
o Associações operárias.
o Embrião dos Sindicatos.
o Mobilizações e greves.
B – Ludismo (Ned Ludd):
o Movimento de protesto dos quebradores de
máquinas.
C – Cartismo:
o Carta do Povo (1838).
o Operários se organizam e enviam um abaixo
assinado ao Parlamento Inglês reivindicando:
o Voto universal e secreto.
o Fim do censo eleitoral.
o Renovação anual do Parlamento.