Você está na página 1de 46

Manual do Validador V6 e Instalações Embarcadas

(Sistema Urbano)

Instalações Embarcadas Transdatasmart ® Versão: 1.0 Pág. 1


Sumário
1. Equipamentos Embarcados Transdata Smart® .......................................................................... 3
1.1. Validador V6 .............................................................................................................................................. 3
1.2. Funcionalidades do Validador V6 .............................................................................................................. 4
1.3. Botoeira de Comando ................................................................................................................................ 4
1.4. Funcionalidades da Botoeira de Comando ............................................................................................... 5
1.5. Teclado...... ................................................................................................................................................ 5
1.6. Funcionalidades do Teclado ...................................................................................................................... 5
1.7. Catraca Eletromecânica ............................................................................................................................ 6
1.8. Fornecedores Recomendados .................................................................................................................. 6
2. Instalando os Equipamentos Embarcados .................................................................................. 6
2.1 Material necessário – Ferramentas e Equipamentos. ............................................................................. 7
2.2 Layout e posicionamento dos Equipamentos .......................................................................................... 8
2.2.1. Balaústre de fixação do Validador V6 ............................................................................................. 8
2.2.2. Gabarito de Furação ........................................................................................................................ 9
2.2.3. Algema de Fixação do Validador................................................................................................... 11
2.2.4. Botoeira ......................................................................................................................................... 13
2.2.5. Catraca .......................................................................................................................................... 17
2.2.6. Chicote ........................................................................................................................................... 19
2.2.7. Alimentação ................................................................................................................................... 22
2.2.8. Testando as Instalações ................................................................................................................ 23
2.2.9. Teste - Leds Botoeira .................................................................................................................... 23
2.3.0. Teste – Botões Botoeira. ............................................................................................................... 24
2.3.1. Teste – Catraca de entrada .......................................................................................................... 24
2.3.2. Teste – Tensão. ............................................................................................................................. 26
2.3.3. Teste – Sensores........................................................................................................................... 27
2.3.4. Conexões V6 ................................................................................................................................. 30
3. Validador ....................................................................................................................................... 38
3.1 Processo de Encaixe do V6 na Algema. .............................................................................................. 38
3.2 Processo de Encaixe e Fechamento da Tampa. .................................................................................. 42
4. Antena GPS................................................................................................................................... 41
5. Especificações Técnicas ............................................................................................................. 41
6. Recomendações de Segurança .................................................................................................. 43
7. Recomendações para utilização do Equipamento ................................................................... 44
8. Kit de Montagem .......................................................................................................................... 44
9. Insumos......................................................................................................................................... 45

Rua Ana Custódio da Silva, 120 | CEP 13052-502 | Jd. Nova Mercedes | Campinas-SP, Brasil | +55 19 3515 1100
itstransdata.com Página 2
Equipamentos Embarcados Transdata Smart®

A classificação “Equipamento Embarcado” aplica-se a todos os equipamentos relacionados à


bilhetagem eletrônica instalada dentro do veículo de transporte, ou seja, catraca, validador, botoeira de
comando, entre outros itens estabelecidos conforme as necessidades do cliente e projeto Transdata
Smart®.

Este manual tem como objetivo dar orientação para uma correta instalação dos Equipamentos
Embarcados Transdata Smart®, cujas características envolvem determinados cuidados dentre os quais
estão os de instalação e manutenção, as duas operações entre si exigem cuidados específicos para
garantir o perfeito funcionamento e longevidade do sistema fornecido pela Transdata Smart®.

1.1. Validador V6

O validador é o principal equipamento do sistema de bilhetagem eletrônica. Essa relevância lhe é


atribuída devido a suas funcionalidades, aplicações e por possuir capacidade de processamento de dados
e memória semelhantes à de um microcomputador.

Dimensões:

 Altura:267,67mm
 Largura:172,09mm
 Profundidade:131,03mm
1.2. Funcionalidades do Validador
alidador V
V6

 Ler,
er, validar e debitar créd
créditos nos cartões Mifare do sistema.

 Atribuir créditos nos cartões adquiridos por Carga Embarcada (dentro do ônibus) e também
os adquiridos via WEB.

 Comunicar e monitorar os sensores eletromecânicos da catraca


catraca.

 Contabilizar os passageiros
ageiros por tipo e quantidade
quantidade.

1.3. Botoeira de Comando

A Botoeira de Comando é um equipamento que complementa as funcionalidades do


validador.

Geralmente ela é instalad


instalada próxima ao operador que desempenha a função de cobrador na
linha.

As Botoeiras possuem
uem três botões e
e, conforme a quantidade de funções, é possível combiná-
combiná
los, ou seja, um exemplo simples seria supor que
que, para destravar a catraca em casos de usuários
gratuitos ou com algum tipo de benefício,deve-se acionar o botão dois para liberar o acesso
ace do
cartãoe, para usuários pagantes,devem
pagantes ser pressionados os botões dois e três para liberação da
passagem.
1.4. Funcionalidades da Botoeira de Comando

 Liberar o acesso de usuários pagantes que utilizarem dinheiro.

 Liberar o acesso de usuários que utilizam cartões-benefícios (estudantes, idosos, entre


outros).

 Indicar o início e término de meias viagens.

1.5. Teclado

O teclado do módulo ITS é um teclado modelo TSG 1000 utilizado para a troca de mensagens
entre a CCO (Central de Controle Operacional) e os motoristas, o teclado possui um visor onde é
possível visualizar as mensagens enviadas e recebidas.

1.6. Funcionalidades do Teclado

 Envia e recebe mensagens de texto.

 Indica status de segurança (Ex.: Transito lento, batidas, etc.).

 Permite modificar o prefixo do carro.

 Exibe a autenticação SSID.

 Exibe conexão com a internet através da tecnologia 3G.

 Realiza procedimento de configuração para medição de consumo.

 Exibe sensores do veículo como portas abertas, solicitação de paradas, freadas e aceleração
bruscas, velocidade, limpador de para-brisas e câmbio.
1.7. Catraca Eletromecânica

A Catraca Eletromecânica não é fabricada pela Transdata Smart®, porém existem alguns
fornecedores homologados, garantindo a confiabilidade da catraca do ponto de vista de
compatibilidade com o Sistema Transdata Smart®.

A catraca interage com o Validador Embarcado de modo que seu giro só é liberado após a
validação do cartão ou se liberado pelo cobrador via Botoeira, isso evita que os usuários utilizem o
transporte sem antes validarem seus cartões ou pagarem em dinheiro.

1.8. Fornecedores Recomendados

A Transdata Smart® recomenda catracas de dois fornecedores, da Foca Controles e


daWolpac Controles Eficientes, porém alguns cuidados devem ser tomados quanto às catracas
fornecidas por essas duas empresas.

 Foca Controles

 Modelo FM (mecânica): Precisam ser substituídas.

 Modelo FMP (mecânica preparada): Precisam de um Kit Foca padrão Transdata Smart®
para adaptação do sistema eletrônico.

 ModeloFE (eletromecânica): Se os sensores não forem do tipo negativo aproximado, a


Transdata Smart® recomenda a troca dos mesmos pelos do tipo negativo aproximado
fornecido pela própria Foca Controles.

 Wolpac Controles Eficientes

 Eletromecânica ou Mecânica Adaptável: Precisa receber o Kit Wolpac padrão Transdata


Smart® para adaptação do sistema eletrônico.

 Mecânica: Precisam ser substituídas.

2. Instalando os Equipamentos Embarcados

Antes de iniciar-se a instalação do equipamento, algumas considerações devem ser


abordadas para segurança do instalador e do equipamento.

O profissional que fará as instalações deve ter conhecimentos básicos de mecânica, elétrica e
segurança no trabalho (NR10) para que a instalação seja feita de maneira correta, não
proporcionando chances de acontecer qualquer acidente ou incidente com o profissional e com os
equipamentos.

Os equipamentos embarcados não podem ser manuseados de qualquer forma, para que não
ocorram quedas, sofram pancadas ou outros dissabores que possam ocasionar a quebra ou mau
funcionamento dos produtos.

Rua Ana Custódio da Silva, 120 | CEP 13052-502 | Jd. Nova Mercedes | Campinas-SP, Brasil | +55 19 3515 1100
itstransdata.com Página 6
A seguir serão mostrados os passos necessários para uma instalação correta e segura dos
equipamentos embarcados.

2.1 Materiais Necessários – Ferramentas e Equipamentos

 Ferramentas

Ass ferramentas necessárias para instalação dos Equipamentos Embarcados dos são: furadeira,
broca(Ø3,0mm; Ø6,0mm; ؼ”,, Ø 12,0mm), serra-copo Ø20mm, lima para acabamento, acabamento chave de
fenda, alicate de bico, entre outras de uso cotidiano do profissional mecânico ou eletricista.

 Equipamentos Embarcados

Catraca Chicote com


comMICROFIT Gabarito de Furação

Algema de fixação
Validador V6 Botoeira de Comando
do Validador V6
2.2 Layout e Posicionamento
osicionamento dos Equipamentos

2.2.1. Balaústre de Fixação


ixação do Validador V
V6

 Deve-se
se verificar a acessibilidade dos passageiros.

 Resistência da estrutura (diminuir vibrações e trepidações).

 Alinhamento e disposição da barra em relação ao piso e à catraca.

O Balaústre deve ficar o mais próximo possível da catraca, sem que a catraca toque no
balaústre ou no Validador quando girar.

O Balaústre de Fixação
ixação do Validador V6 deve ser reforçadopara
para que o Validador não vibre.Os
apoios do Balaústre de Fixação do Validador pode
podem ser confeccionados e posicionadosconforme
posicionado os
layouts dos demais balaústres desde que proporcionem maior estabilidade ao Validador,
Validador evitando
assim vibrações e trepidações
ações que possam
po causar danos ao aparelho.

Furo feito com serra-copo


Ø20mm para passagem do
Chicote do Validador.

No piso deve ser feito um furo para passagem do chicote que alimentará o Validador, o furo
deve estar alinhado com o furo do Balaústre e não deve possuir rebarbas. Para evitar vibrações,
vibrações o
Balaústre de Fixação do Validador deve estar fixado do piso ao balaústre longitudinal superior do
carro, além de ter uma fixação entre o mesmo e algum balaústre lateral, logo abaixo do Validador.
2.2.2. Gabarito de Furação

 Montar o Gabarito de furação no Balaústre de fixação do Validador V6a


V 1,25m do
piso até a base do gabarito.

 Marcartodos
todos os furos utilizando broca de Ø 3,0mme retirar o gabarito (recomenda-
se fazer apenas a marcação com o gabarito preso e não o furo passante para
p evitar
avarias na broca).

 Retirar Gabarito de furação após marcação e fazer furo de guia com broca de Ø
3,0mm.

 Após furo de guia,repassar furos com broca de Ø 6,0mm mm,durante esse


procedimento
cedimento os furos se encontrarão e darão origem ao recorte
orte que deverá ser
limado para que não haja rebarbas.
rebarbas

 Limar e eliminar todas as rebarbas existentes tanto do recorte feito para passagem
do Chicote como dos furos correspondentes à fixação da Algema lgema de fixação do
Validador V6.

Posicionar o gabarito
de furaçãoa 1,25m
do piso do ônibus até
a base do gabarito.

Determina a direção do Validador

O que
ue determina a posição do Validador V6 é a direção em que foram feitos os
furos correspondentes à fixação da Algema do Validador e não o recorte feito parra
passagem do Chicote.

Notas: Recomenda-sese travar o Balaú


Balaústre
stre de fixação do Validador somente quando as furações e o
recorte de passagem do chicote estiverem prontos, esse procedimento facilita o posicionamento do
Validador.

Realizar todos os furos de fora para dentro.


Depois de preso o
Gabarito, marcar todos os furos
com broca de guia Ø3mm.

Recomenda-se não fazer


furo passante com a broca de Ø
3,0mm com o Gabarito preso ao
balaústre, pois qualquer
movimento errado pode causar
danos à broca quebrando a
mesma.

Depois de feitas as
marcações, deve-se retirar o
gabarito e furar todos os furos
com a broca de Ø3mm e
depois repassar os furos com a
broca de Ø6mm.

No Balaústre de fixação só podem ser usados parafusos passantes. Parafusos “brocantes” e


“rebites” danificam o chicote.

Após todos os furos feitos, o conjunto de balaústre deve ser desmontado para que sejam
retiradas todas as rebarbas que ficaram dentro dos mesmos e só depois remontados em seus
respectivos lugares.
2.2.3. Algema de Fixação do Validador

 Posicionar a Algema nos furos correspondentes,feitos com o gabarito de furação.


OBS: A algema deve ser com as SETAS para cima conforme figura abaixo (Vista
frontal e Vista Traseira)

Vista Frontal Vista Traseira


Algema, deve-se travar o balaústre conforme necessidade.
Após fixação da Algema

O Chicote vem confeccionado


nado já com o conector MICROFIT.

Deixar 15 cm do chicote entre a base do furoe o conector MICROFIT


MICROFIT, facilitando assim a conexão
do mesmo no Validador V6.
2.2.4. Botoeira

 Posicionar a Botoeira próxima ao cobrador; ou, em casos em que o motorista é quem


qu
libera o acesso,deve
deve-se posicionar a Botoeira próxima a ele.

A fiação de comunicação da Botoeira vem do Validador, logo se deve fazer um furo para
passagem da fiação
ção sob o balaústre assim como é feito sob o balaústre de fixação do Validador.

Para melhor fixação da botoeira recomenda


recomenda-se
se a confecção de uma chapa de apoio conforme
o desenho acima.

O Furo no balaústre deve ser feito conf


conforme
orme necessidade, lembrando que o furo não deve
possuir rebarbas para que o cabo não seja danificado.
A fixação da chapa no balaústre fica a critério do cliente, recomenda-se uma presilha em “u”
para fixação.

O furo de passagem da fiação para a botoeira é deslocado para que os mesmos fiquem devidamente
alojados no interior da Botoeira.

A fiação a ser conectada no “Molex” já vem “Climpada” basta apenas encaixar os terminais nas
cavidades do conector “Molex”, levando em consideração a disposição das cores da fiação da
botoeira, vermelho com vermelho, azul com azul, marrom com marrom e assim por diante.
Junto ao chicote existemdois conectores “Molex”, o conector “Molex” macho já vem conectado aos
fios da Botoeira e o “Molex” fêmea deve ser conectado na fiação que vem do Validador conforme a
ilustração acima.
Somente alimentar o chicote após todas as pontas estarem conectadasnos respectivos
conectores.
2.2.5. Catraca

As catracas Eletromecânicas
já possuem um furo em sua
base para passagem do
cabo do chicote que vai para
a catraca, deve-sese então
fazer um furo no piso do
ônibus com uma broca de
Ø1/4”.

As catracas devem ser ajustadas na instalação, geralmente esse procedimento varia de


acordo com a marca da catraca e tem como finalidade determinar a posição de onde o
sensor mandará o sinal dizendo ao Validador que o giro foi concluído.

Solenoide
antiviolação
Verde

Azul
Laranja
Preto

Vermelho Amarelo

Branco Marrom

Branco Vermelho

Vermelho

Verde

Ligação Catraca de Entrada

Do lado esquerdo são os fios que


vêm já da catraca.

Do lado direito são os fios


s que
serão ligados vindos do chicote.

Sinal 1 Verde Laranja


Sinal 2 Azul Amarelo
Terra
Preto Marrom
(GND)
Sensor
Vermelho Vermelho
24V
Vermelho
(jumper)
Solenoide Branco
+
Diodo(c)
Diodo
Verde +
Solenoide Branco
Diodo

Um fio dos fios do solenoide deve


ficar obrigatoriamente ligado
junto ao vermelho que é a
alimentação do solenoide.

(c – Catodo ‘“negativo”) parte


cinza do Diodo sempre para o
vermelho.
2.2.6. Chicote

O Chicote é composto por dez cabos e o caminho percorrido por eles, inicia do corte feito no
balaústre de fixação do Validador e segue pelo mesmo até sair pelo assoalho do ônibus, a partir
desse ponto as vias do chicote são distribuídas para catraca, para a bateria, para o posto do
motorista, para o painel e para o itinerário eletrônico.

Itinerário

ITINERÁRIO

Notas: Realizar as conexões somente depois que todo o chicote já estiver na posição.
-
Nota: O número de vias do chicote depende do projeto e do tipo de sistema a ser instalado, porém
como padrão o chicote fornecido no sistema urbano possui 4 (quatro) cabos.
2.2.7. Alimentação

 Ligar dois fios no positivo da Alimentação do ônibus e dois no negativo recomenda-


se ligar os fios da Alimentação de maneira que, quando se desligar o ônibus, não seja
cortada a alimentação e também para que não ocorra oscilação de energia quando
se ligar o veículo.

 No Positivo, deve-se conectar um Porta-Fusível tipo Lâmina de 6A, aumentando a


segurança dos equipamentos em caso de sobrecarga.

Marrom +
Aterrar (chassi)
laranja
Positivo Principal
Amarelo + do painel vindo do
Vermelho alternador
(Ponto30)

A alimentação deve ser a última ligação a ser feita antes da fixação do validador,
ou seja, após todos os fios estarem conectados em seus respectivos conectores
ou estivem isolados, recomenda-se esse procedimento para evitar curto-circuito.
2.2.8. Testando as Instalações

Após as instalações Embarcadas estarem concluídas, a saber, Chicote, Botoeira, Catraca e


Alimentação dos equipamentos, devem-se, testar o funcionamento do conjunto com a JIG de
testes conectada conforme abaixo, esse procedimento garantirá o bom funcionamento dos
equipamentos embarcados, pois através da JIG de Testes é possível realizar uma série
simulações.

Conector 20 pinos

Conector 18 pinos

Conector 16 pinos

2.2.9. Teste - Leds Botoeira

Quando o botão da Jig de teste estiver pressionado o Led (verde), o led verde da botoeira acenderá.
Logo quando estiver pressionado o Led (amarelo), o led amarelo da botoeira deverá acender.

Botão da JIG de testes Botão da JIG de testes


posiciona em Led Verde. posiciona em Led
Amarelo.
2.3.0. Teste – Botões Botoeira

Pressionando o botão B1 da Botoeira o Led Botão1 da JIG de Teste deve acender, logo
pressionando o botão B2 o Led Botão2 acenderá, finalmente quando o botão B3 é pressionado o
Led Botão3 correspondente a ele deverá acender.

Cada Led corresponde a um


botão da Botoeira.

B1

B2

B1

2.3.1. Teste – Catraca de entrada

Colar de imã e
A catraca deve estar ajustada antes dos
sensor presentes
testes conforme
rme instrução dos técnicos da
Transdata, pois o ajuste de uma catraca pode
variar conforme o modelo e fabricante.
2.3.1. Teste – Catraca de entrada

Por padrão a TRANSDATA utiliza a instalação de catraca com sensor negativo – aproximado.
Além deste sensor, usa-se:

1- Negativo – afastado
2- Positivo – aproximado
3- Positivo – afastado

Quando o Validador está desligado a Catraca fica travada, a Catraca só é liberada quando um crédito
é arrecadado pelo Validador. A alavanca da JIG de Testes simula a validação de um crédito realizada
pelo validador no ato do acesso, liberando assim um giro correspondente a um acesso.

Para “reset” de estado de cada acesso liberado a catraca deve girar ¼ de volta, durante esse
percurso os sensores são acionados na seguinte seqüência.

1- Catraca liberada – dois sensores apagados (repouso).


2- Inicio de giro – sensor 1 aceso.
3- Meio Giro – sensor 1 e sensor 2 acesos.
4- Fim de giro – sensor 2 aceso.
5- Final de giro mecânico Catraca em repouso – dois sensores apagados.
2.3.2. Teste – Tensão

Após conectar os cabos na Jig de teste, a mesma, mostrará no visor a voltagem do veiculo, que deve
ser aproximadamente 24V.

Agora com o carro ligado e acelerando o mesmo o valor apresentado pela Jig de teste não deve
passar de 28V, se passar recomenda-se um check up no alternador do veiculo.
2.3.3. Teste – Sensores

Para testes dos sensores SOLICITAÇÃO DE PARADA, CÂMBIO, PÁRA-BRISA, PÓS-CHAVE ao


conectar a Jig de teste no chicote de alimentação, tais sensores ficaram acessos com led verde.
Quando acionado as funções o led trocará de verde para vermelho.

Leds Verdes Leds Vermelhos

Para testes dos sensores PORTA 1, 2, 3 e 4 ao conectar a JIG de teste no chicote de alimentação,
tais sensores ficaram apagados sem cor. Quando acionado as funções, o led vermelho acenderá
conforme abertura das portas correspondentes a sua numeração.
Para testes do sensor de RPM ao conectar a JIG de teste, o led verde irá piscar lentamente. Ao
acelerar o carro, o led verde piscará rapidamente.

Para testes do TSG1000 ao conectar a JIG de teste no chicote de alimentação e a JIG de teste do
chicote RS-232, os leds verdes acenderam.
Para testes do RF4 (Câmera) ao conectar a JIG de teste no chicote de alimentação e conectar a JIG
de teste do chicote RS-232, os leds verdes acenderam.

Para teste do sensor de PÂNICO, ao conectar a JIG de teste no chicote de alimentação e pressionar
o botão pânico, os leds verdes iram acender.
2.3.4. Conexões V6
Vlim = Tensão de alimentação do V6 limitada em 37,5V máximo e 7,2V mínimo internamente, fora
dos limites a tensão será desligada.

Vent = Tensão na alimentação do validador.

Todas as tensões mínimas e máximas são os limites de funcionamento normal, além desses limites
os sistemas de proteção podem atuar.

CN20 – Conector Entrada

CN20 – Conector Entrada


Níveis
Pino Sinal Descrição Observações:
Min Typ Máx Unit
1 Botão 1 Entrada 0 5 43 V Pullup fixo
2 Botão 2 Entrada 0 5 43 V Pullup fixo
3 Botão 3 Entrada 0 5 43 V Pullup fixo
4 Comum Motorista Saída 0 0 43 V Open drain
5 Comum Cobrador Saída 0 0 43 V Open drain
6 NPE Bidirecional 0 5 5,5 V Num. Prefix. Eletr.
7 GND
8 Pânico Entrada 0 5 43 V Pullup fixo
9 Sensor 2 Entrada 0 Vlim 43 V Pullupsofware
10 Sensor 1 Entrada 0 Vlim 43 V Pullupsofware
11 GND
12 Led Amarelo Saída 0 0 Vlim V Open drain + resist.
13 Led Verde Saída 0 0 Vlim V Open drain + resist.
14 24V Botoeira Saída 0 Vent Vent V Limitado 0,25A
15 24V Entrada 8 28 36 V Alimentação Geral
16 24V Entrada 8 28 36 V Alimentação Geral
17 24V Catraca Saída 0 Vent Vent V Limitado lento 1,8A
18 Braço / Legado
19 Ativa Solenoide Saída 0 Vent Vent V Limitd. rápido 3,5A
20 GND
CN18 – Conector Expansão

CN18 – Conector Expansão


Níveis
Pino Sinal Descrição Observações:
Min Typ Máx Unit
1 Solpar Entrada 0 0 43 V Sem pullup
2 Parabrisa Entrada 0 0 43 V Sem pullup
3 Porta 1 Entrada 0 Vlim 43 V Pullup software
4 Porta 3 Entrada 0 Vlim 43 V Pullup software
Entrada ou Saída
5 Reserva
Digital
6 SAM_EXP_1 Expansão Placa filha
7 CAN H Bidirecional -30 0 30 V Expansão
8 CAN L Bidirecional -30 0 30 V Expansão
9 GND
10 Câmbio Entrada 0 0 43 V Sem pullup
11 Pós-Chave 2 Entrada 0 0 43 V Sem pullup
12 Porta 2 Entrada 0 Vlim 43 V Pullup software
13 Porta 4 Entrada 0 Vlim 43 V Pullup software
14 RPM Entrada 0 5V 43 V Pullup software
15 SAM_EXP_2 Expansão Placa filha
16 SAM_EXP_3 Expansão Placa filha
17 SAM_EXP_4 Expansão Placa filha
18 Pós-Auxiliar Saída Alimentação 0 Vlim Vlim V Limitado 2A
CN16 – Conector Comunicação

CN16 – Conector Comunicação


Níveis
Pino Sinal Descrição Observações:
Min Typ Máx Unit
1 LVDS1_N Uso Futuro - - - - -
2 LVDS2_N Uso Futuro - - - - -
3 GND RF4
4 RS485A RS485 -7 1,6 12 V RS485/proteção
5 RS485B RS485 -7 1,6 12 V RS485/proteção
6 GND RS485
7 RS485 A RS485 -7 1,6 12 V RS485/proteção
8 RS485 B RS485 -7 1,6 12 V RS485/proteção
9 LVDS1_P Uso Futuro - - - - -
10 LVDS2_P Uso Futuro - - - - -
11 24V Saída Alimentação 0 Vlim Vlim V TSG1000/RF4
12 RS232_TX1 RS232 -10 -8 10 V RF4
13 RS232_RX1 RS232 -16 0 16 V RF4
14 GND TSG1000
15 RS232_TX2 RS232 -10 -8 10 V TSG1000
16 RS232_RX2 RS232 -16 0 16 V TSG1000
CN10 - Conector Recolhimento

CN10 - Conector Recolhimento


Níveis
Pino Sinal Descrição Observações:
Min Typ Máx Unit
1 Recolhimento N Saída 0 20 40 Vpp 13,56MHz
2 Recolhimento P Saída 0 20 40 Vpp 13,56MHz
3 Recolhimento Comuta Saída 0 Vlim Vlim V Open Drain 0,5A
rele
4 ST2 Saída 0 Vlim Vlim V Open Drain 0,5A
5 ST0 Saída 0 Vlim Vlim V Open Drain 0,5A
6 24V Saída 0 Vlim Vlim V Alimentação
7 GND
8 Recolhimento LED Saída 0 Vlim Vlim V Open Drain 0,5A
9 ST3 Saída 0 Vlim Vlim V Open Drain 0,5A
10 ST1 Saída 0 Vlim Vlim V Open Drain 0,5A

SIMCARD 1 e 2 - Conector Sim Card

SIMCARD 1 e 2 - Conector Sim Card


Níveis
Slot Sinal Descrição Observações:
Min Typ Máx Unit
1 SIM CARD ISO7816 ID000 - - - -
2 SIM CARD ISO7816 ID000 - - - -
CN8 - Conector Antena EMV

CN8 - Conector Antena EMV


Níveis
Pino Sinal Descrição Observações:
Min Typ Máx Unit
1 5V EMV Saída 4,75 5,0 5,2 V Limitado 1,2A
2 HUB_N Dados USB - - - - Host USB 2.0
3 HUB_P Dados USB - - - - Host USB 2.0
4 GND
5 NC
6 ANT EMV1 Entrada - - 40 Vpp 13,56MHz
7 GND
8 ANT EMV2 Entrada - - 40 Vpp 13,56MHz

CN6 - Conector Debug

CN6 - Conector Debug


Níveis
Pino Sinal Descrição Observações:
Min Typ Máx Unit
1 Debug RX Entrada -16 0 16 V RS232/proteção
2 GND
3 Debug TX Saída -10 -8 10 V RS232/proteção
4 NC
5 GND
6 5V0 Saída Alimentação 4,75 5,0 5,2 V Proteção 0,25A
CN4 - ConectorExtensão Ethernet

CN4 - Conector Extensão Ethernet


Níveis
Pino Sinal Descrição Observações:
Min Typ Máx Unit
1 RXP Entrada Ethernet - - - - 10/100 UTP
2 RXN Entrada Ethernet - - - - 10/100 UTP
3 TXP Saída Ethernet - - - - 10/100 UTP
4 TXN Saída Ethernet - - - - 10/100 UTP

GPS - Conector GPS

GPS - Conector GPS


Níveis
Pino Sinal Descrição Observações:
Min Typ Máx Unit
Conexão Antena
GPS Antena Ativa 3,1 3,3 3,5 V
GPS externa ativa
CN15 - Conector USB

CN1 - Conector USB

CN1, CN15 - Conector USB


Níveis
Pino Sinal Descrição Observações:
Min Typ Máx Unit
Conector Padrão
USB 4,75 5,0 5,2 V Host USB 2.0
USB 2.0
3. Validador

3.1. Processo de Encaixe do V6 na Algema.


3.2. Processo de Encaixe e Fechamento da Tampa.
4. Antena GPS

Antena interna do validador V6.

Não exigindo atuação no layout de instalação.

5. Especificações Técnicas

 Processador ‐6 Botões touch.


- ARM Cortex A8 1GHz (2000 MIPS).
 Alimentação
 Memória - Input 8VDC à 36VDC.
- DDR 512MB. - Consumo 25W (1A at 24VDC)

- Flash NAND 4GB.

- Entrada interna para MicroSD (Até 64GB).  Interfaces
- 32K MRAM.
 - 2 portas USB.
- 128 Bytes não volátil (balaústre). 
 - 2 portas seriais RS485.
- 2 portas seriais RS232.
 Sistema Operacional - 1 porta ethernet 10/100Mbps.
- Linux. - 2 saídas auxiliares.
- 1 interface para catraca. 

 Leitor de chip SAM
- 4 Slot SAM ID000.  Sensores
- 2 Slots SAM PIC (opcional). - Temperatura interna.
- Luminosidade.
 Leitor de Smart Card e EMV - Tensão de alimentação.
- ISO 14443 A / B e NFC.
- Leitora EMV (opcional).  Telemetria
- RPM.
 Leitor QRCode - Botão de pânico.
- Papel e Smartphone (opcional). - Câmbio.
- POS Chave.
 Display - Portas Passageiros.
- LCD Gráfico de 7” (800x480). - Limpador de Para-brisa.
- Pictogramas vermelho e verde (opcional). - Solicitação de Parada.
- 2 Leds para sinalização (opcional). - Acelerômetro.
- Giroscópio.
 Comunicação
- WIFI 300Mbps (2,4 GHz / 5 GHz) 802.11  Físico
b/g/n. - Estrutura em Policarbonato e PSAI
- GPRS / 3G (2 SIM Cards). injetado.
- Bluetooth LE.
- GNSS (GPS / Glonass).
 Fixação
- Sistema de engate rápido com fechadura
 Áudio e Botões para fixação em balaústre.
- Som Polifônico.
- Buzzer.

Rua Ana Custódio da Silva, 120 | CEP 13052-502 | Jd. Nova Mercedes | Campinas-SP, Brasil | +55 19 3515 1100
itstransdata.com Página 41
 Acessórios
- Botoeira.
- Câmera de Reconhecimento Facial.
- Modulo de recolhimento de cartões.
- Console do motorista.

 Dimensões
 - Altura 267,67mm
 - Largura 172,09mm
 - Profundidade 131,03mm

 Material
- Peças transparentes injetados em
SANGEL STANDARD CRISTAL
GRANULADO

- Demais peças injetadas em ABS ALTA


FLUIDEZ STANDARD NATURAL
GRANULADO

Rua Ana Custódio da Silva, 120 | CEP 13052-502 | Jd. Nova Mercedes | Campinas-SP, Brasil | +55 19 3515 1100
itstransdata.com Página 42
6. Recomendações de Segurança

 Não coloque sobre o validador objetos pesados.

 Mantenha o validador afastado de luz solar direta e de qualquer coisa queirradie calor
excessivo.

 O validador não é à prova d’água.

Ambiente Operacional:

 Temperatura de operação: -5ºa 60º C (23º a 140º F).

 Temperatura de armazenagem: -10ºa 70º C (14º a 158º F).

 Umidade relativa do ar: 95%, sem condensação.

 Grau de Proteção IP54 Norma EN 60529.

 MTTF – display estimado em 50.000 horas e os demais componentes estimados em 100.000


horas.

 Para melhor conservação do seu terminal, não utilize produtos químicos para limpeza.

 A falta de cuidado no seu manuseio pode prejudicar o seu funcionamento correto.


7. Recomendações para utilização do Equipamento

 Limpeza: utilize apenas um pano umedecido com água.

 Manutenção: nunca abra os equipamentos para efetuar qualquer tipo de tentativa de


“conserto”.Somente a Transdata Smart possui autorização para realizar reparos em seus
equipamentos.

8. Kit de Montagem

FERRAMENTAL

- Furadeira elétrica ou pneumática;

- Serra copo para metais de ¾” ou 20 mm;

- Brocas de aço rápido para metais nas bitolas 2. 2,5, 3, 5, 8 e 12 mm;

- Parafusadeira manual à bateria;

- Ponteiras tipo Philips números 1 e 2;

- Multímetro para conferência de tensões e continuidades;

- Alicate de corte de 6”;

- Alicate de bico de 6”

- Estilete de 4”;

- Chave tipo Philips de 3/16” x 8 “;

- Chave de fenda de 3/16” x 8”;

- Lima redonda tipo bastarda de 5/16” x 10”;

- Guia plástica passa fio;

- Extensão para uso de maquinário embarcado;

- Pinça metálica de 4”;

Rua Ana Custódio da Silva, 120 | CEP 13052-502 | Jd. Nova Mercedes | Campinas-SP, Brasil | +55 19 3515 1100
itstransdata.com Página 44
9. INSUMOS

- Conduíte corrugado emborrachado preto de ¾” de diâmetro;

- Fita isolante ¾” x 20 mt;

- Cinta plástica tipo hellermann de 1/8” x 100 mm

- Cinta plástica tipo hellermann de ¼” x 200 mm

- Conectores spox 4 vias fêmea (acompanha chicote);

- Material de limpeza.

GERAL

- Outros de acordo com a necessidade.

Rua Ana Custódio da Silva, 120 | CEP 13052-502 | Jd. Nova Mercedes | Campinas-SP, Brasil | +55 19 3515 1100
itstransdata.com Página 45
Copyright© TransdataSmart Indústria e Automação. Todos os direitos reservados.

Devido às constantes atualizações do nosso sistema atendendo às demandas tecnológicas e


pesquisas para melhor atendimento das necessidades de nossos clientes, este documento está
sujeito a alterações sem aviso prévio.

Imagens meramente ilustrativas.

Revisão 1.8 / Agosto de 2018

Rua Ana Custódio da Silva, 120 | CEP 13052-502 | Jd. Nova Mercedes | Campinas-SP, Brasil | +55 19 3515 1100
itstransdata.com Página 46