Você está na página 1de 14

SISTEMA DE ENSINO 100% ONLINE

MARKETING DIGITAL

WILLIAM DIAS ALVIM

GESTÃO E ASPECTOS SOCIAIS

Itaperuna
2018
WILLIAM DIAS ALVIM

GESTÃO E ASPECTOS SOCIAIS

Trabalho apresentado ao Curso Superior de Tecnologia


da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para as
disciplinas de: Modelo de Gestão, Gestão de Projetos,
Empreendedorismo, Homem, Cultura e Sociedade,
Legislação Social e Trabalhista.

Orientadores:
Prof. Henry Tetsuji Nonaka
Profª. Alessandra Petrechi de Oliveira
Prof. Marcio Gutuzo Saviani
Prof. Natalia Branco Lopes Krawczun

Itaperuna
2018
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO .................................................................................................. 2

2.1 MODELO DE GESTÃO .................................................................................. 3


2.1.1 MODELO DE GESTÃO ATUAL .................................................................. 3
2.1.2 MODELO DE GESTÃO PROPOSTO E COMO FUNCIONARIA ................ 3

2.2 GESTÃO DE PROJETOS .............................................................................. 4


2.2.1 O QUE É ESTRUTURA ANALÍTICA DE PROJETO (EAP) ......................... 4
2.2.2 MODELO EAP PARA FILIAS DA HEMEJAN .............................................. 4
2.2.3 PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS .................................... 4
2.2.4 MATRIZ RACI .............................................................................................. 5

2.3 EMPREENDEDORISMO ................................................................................ 6


2.3.1 PRINCIPAIS FATORES LIMITANTES ........................................................ 6
2.3.2 PRINCIAIS RECOMENDAÇÕES DOS ESPECIALISTAS .......................... 6
2.3.3 CONCEITO DE CULTURA E INOVAÇÃO .................................................. 7
2.3.4 FATORES ORGANIZACIONAIS ................................................................. 7

2.4 HOMEM, CULTURA E SOCIEDADE ............................................................. 8


2.4.1 TEORIA DO AGIR COMUNICATIVO .......................................................... 8
2.4.2 CONCEITO DE AUTONOMIA DE KENT ..................................................... 8

2.5 LEIS TRABALHISTAS ................................................................................... 9


2.5.1 HORAS EXTRAS PARA HOME OFFICE .................................................... 9
2.5.2 CONTRATAÇÃO DE MARCENEIROS ........................................................ 9
2.5.3 TIPOS DE CONTRATO ............................................................................... 9

3 CONSIDERAÇÕES FINAIS ...............................................................................10

4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................ 11


2

1 INTRODUÇÃO

Esse trabalho tem como objetivo colocar em prática os

conhecimentos obtidos diante dos estudos das disciplicas aqui consideradas e com

isso desenvolver e apontar as vantagens de um novo modelo de gestão para

empresa fictícia sugerida, HEMEJAN MOVEIS, além também de garantir a estrtura

administrativa necessária para a abertura de filiais e contratação de novos

funcionários para a empresa. Tudo isso feito com base nos aprendizandos das

matérias designadas para esse trabalho. Com base no Guia PMBoK, irei apresentar

um plano de gestão de recustos humanos e desenvolver na pratica um modelo de

Estrutura Analítica de Projeto, também conhecida como EAP. Além de abordar é

claro as Legislações Trabalhistas que implicam diretamente nesse projeto.


3

2.1 MODELO DE GESTÃO

2.1.1 MODELO DE GESTÃO ATUAL

Hoje a HEJEMAN conta com um modelo de gestão burocrático,

ou seja, um modelo de gestão que possui a bagagem do próprio nome, que é um

modelo excessivamente administrativo e esse excesso interrompe ações que,

normalmente, deveriam ser rápidas. Em uma empresa burocrática, todas as

decisões são tomadas por um superior e tudo é decidido via diretriz rígida e incapaz

de fugir ao planejamento rígido. Com isso, para adotar vôos cada vez mais altos no

mercado atual, a HEJEMAN deve adotar um novo modelo de gestão onde possa

usufruirá ao máximo do seu quadro de funcionários para o bem maior da empresa.

2.1.2 MODELO DE GESTÃO PROPOSTO E COMO FUNCIONARIA

O modelo de gestão participativa mostra-se o mais indicado

para a empresa. Neste modelo podemos ver a utilização de elementos baseados

nos pilares do funcionamento da empresa, como por exemplo a produção,

comercialização, recursos humanos e não por menos as finanças e administração.

A gestão participativa prega uma melhora no ambiente da

empresa, onde todos podem opinar e participar das decisões, além de programar

metas, isso faz com que todos possam contribuir de alguma forma para a realização

de um projeto. Esse modelo só tem a contribuir com as organizações. O nível de

motivação, os interesses dos funcionários aumentam substancialmente e abre

caminhos para a inovação, que é o que é necessário para a HEMEJAM, por isso faz

com que os funcionários pensem como gerenciados dos processos na organização,

além claro de proporcionar o bem-estar por se sentirem obviamente reconhecidos.


4

2.2 GESTÃO DE PROJETOS

2.2.1 O QUE É ESTRUTURA ANALÍTICA DE PROJETO (EAP)

Uma estrutura analítica de projetos, também conhecida como

EAP é utilizada para o desmembramento das fases de um projeto, e com isso,

buscar a facilitação da execução do projeto em questão. A finalidade da EAP é

colocar em evidência os itens reais necessários para a realização de um projeto,

tornado=se assim um elemento base para a elaboração do mesmo.

2.2.2 MODELO EAP PARA FILIAS DA HEMEJAN

MODELO DE ABERTURA DE FILIAIS


HEMEJAN MOVEIS

PESQUISA DE DOCUMENTAÇÃO CONSTRUÇÃO EQUIPE


MERCADO

LOCAÇÃO DO
PROJETO ENTREVISTA
ANÁLISE DA LOCAL
ARQUITETONICO
CONCORRÊNCIA

AQUISIÇÃO DE
CNPJ DA FILIAL AQUISIÇÃO DE CONTRATAÇÃO
DEFINIR MELHOR
MATERIAIS
LOCALIZAÇÃO

LICENSAS TREINAMENTO
NECESSÁRIAS CONSTRUÇÃO

2.2.3 PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS


Para abordar um projeto de abertura de novas filiais da

HEMEJAN, é necesario utilizar o Guia PMBOK (Project Management Body of

Knowledge) para elaborar um plano de recursos humanos como o descrito abaixo:

GERENTE DE PROJETOS – Ele deve gerenciar todas as etaás

de implementação da nova filial, além claro, de garantir que todas as entregas saim

conforme o escopo acordado.


5

EQUIPE OPERACIONAL – Essa equipe deve ser composta por

3 analistas de projeto que devem desenvolver as atividades de cada etapa.

PATROCINADOR DO PROJETO – Deve viabiliar o projeto.

AUDITOR DE PROJETO - Esse deve estar atento para a

avaliação constante do projeto, deve identificar por exemplo o descumprimento de

escopo, atrasos, orçamentos estourados e até mesmo condutas ilegais da equipe.

MOBILIZAÇÃO DA EQUIPE – Essa é uma área que será

administrada pelo setor de RH conforme as diretrizes da empresa.

MONITORAMENTO E DESEMPENHO DA EQUIPE –. Aqui deve

ser acompanhados os resultados do projeto além de promover feedbacks constantes

aos mebros da equipe.

DESENVOLVIMENTO DA EQUIPE – Aquí as necessidades

identificadas no acompanhamento, além das necessidades eventualmente

levantadas pelo gerende de projeto.

2.2.4 MATRIZ RACI


AdministratvoGerente

AdministratvoAnalista

Advogado da Empresa
Gerente de Marketng

Analista de Marketng
AdministratvoDiretor

Diretor de Marketng

Gerente de Compras

Analista de Compras
Assistente Jurídico

Assistente de RH
Analista Jurídico
Gerente de RH

Analista de RH
Diretor de RH
Proprietário

Analise de Concorrência I C A R
Definir Melhor Localização I C A R
Locação do Local I A R C
Abertura de CNPJ I A R C
Licenças Necessárias I A R C
Projeto Arquitetônico I C A R
Aquisição de matErias de Obras I C A R
Construção I C A R
Entrevista I C R A
Contratação I C R A
Treinamento I C A R
6

R= Responsável A= Aprovador C= Consultado I= Informado


7

2.3 EMPREENDEDORISMO

2.3.1 PRINCIPAIS FATORES LIMITANTES

Segundo o SEBRAE para os próprios empreendedores e

especialistas de mercado, os principais fatores limitantes para os novos negócios

são em 77,6% das vezes as políticas governamentais desfavoráveis, em 31,2% das

vezes, a falta de apoio financeiro. Também em 31,2% das vezes vêm a falta de

educação e capacitação. Características negativas na força de trabalho nacional

aparece em 17,2% dos casos. Já Normais Culturais e Sociais desfavoráveis, Clima

Econômico desfavorável, Falta de Pesquisa e Desenvolvimento somam

separadamente 9,7% das vezes cada. E por ultimo em 7,5% das vezes vêm o mau

acesso à estrutura física.

2.3.2 PRINCIAIS RECOMENDAÇÕES DOS ESPECIALISTAS

Segundo especialistas a principal recomendação para a

melhoria das condições de empreendedorismo no Brasil se refere à redução da

burocracia. Trata-se de uma medida que terá grande impacto nas organizações, por

simplificas e agilizar os aspetos fiscais e jurídicos em geral, reduzindo a estrutura de

custos.

Outro aspecto, alterado a pouco tempo, eram as leis

trabalhistas, consideradas excessivamente severas em comparação com outros

países. Essa questão produz grande impacto empresarial, em termos de custos com

mão de obra, controle administrativo e processos jurídicos.

Por fim, a última medida é a redução da carga tributária, que

afeta os resultados de muitos negócios, e teria grande sobre os lucros.


8

2.3.3 CONCEITO DE CULTURA E INOVAÇÃO

A gestão da inovação é essencial para as empresas que

objetivam se tornar líderes de seus setores. As organizações que possuem a

inovação como base do seu desenvolvimento se tornam mais preparadas gerar

produtos e serviços mais competitivos e sustentáveis. O segredo para se manter no

papel de líder do mercado está em investir na cultura de processos inovadores.

Podemos dizer, de uma forma mais livre, que a cultura de

inovação nada mais é do que estar inserido num ambiente profícuo, que permita o

surgimento e manifestação de ideias sem que sejam impostas barreiras naturais

para tal comportamento. Além disso, o ambiente organizacional deve oferecer as

ferramentas necessárias para que os colaboradores desenvolvam esses

pensamentos e ideias na prática.

2.3.4 FATORES ORGANIZACIONAIS

Inovar é uma pedra fundamental de um negocio de sucesso,

isso é fato, não há dúvidas. Mas ainda assim, é muito difícil para muitas empresas

intensificar os esforços nessa frente. Um estudo de consultoria realizado pela

empresa Imaginatik em 2015 revela sete ameaças que as empresas necessitam

superar para obter sucesso. São elas: A cultura errada, A Falta de Continuidade à

Ideia, O Financiamento e Recursos ilimitados, Falta de Tempo, Baixa taxa de

adoção, Processos Burocráticos e por fim as Empresas muito centradas no retorno

sobre o investimento.
9

2.4 HOMEM, CULTURA E SOCIEDADE

2.4.1 TEORIA DO AGIR COMUNICATIVO

Um dos grandes pontos chave da Teoria do Agir Comunicativo,

de Jürgen Habermas, se refere ao estabelecimento de um equilíbrio às interações

sociais. Em relação a uma harmonia de conflitos na administração de empresas, o

autor aponta o grande objetivo desta teoria, onde não é de feto promover a paz,

porém promover o direito que cada um tem de demonstrar seus interesses de forma

não coercitiva.

2.4.2 CONCEITO DE AUTONOMIA DE KENT

Kant (1724-1804) foi um dos maiores filósofos de todos os

tempos. Ele contribuiu com muitas correntes de pensamentos, incluindo o conceito

de autonomia. Para Kant, a autonomia representava a liberdade para agir ou fazer

algo de forma determinada. Essa teoria é usada para praticamente tudo no conceito

de Administração, simplesmente pelo falo de o Administrador ser uma pessoa que a

todo momento tem de tomar decisões, com isso é muito importante que ele tenha

autonomia necessária para tal.


10

2.5 LEIS TRABALHISTAS

2.5.1 HORAS EXTRAS PARA HOME OFFICE

Quanto ao contrato em regime de home office ou tele trabalho, a

lei não obriga o pagamento de adicionais como hora extras caso o empregado

extrapole o prazo de oito horas trabalhadas em sua jornada diária pelo simples fato

de não ser possível uma vigilância direta do empregador, ou seja, com isso o

funcionário Home Office não está sujeito ao controle de horário, o que exclui o

pagamento de horas extras.

2.5.2 CONTRATAÇÃO DE MARCENEIROS

Sim, é possível a contratação de marceneiros. De acordo com a

PL 4302/98 aprovada em 2017 e se tornando a Lei 13.429/17, a terceirização de

atividade-fim da empresa pode ser sim realizada em até 30% dos marceneiros.

Antes dessa lei apenas a atividade-meio podia ser terceirizada.

2.5.3 TIPOS DE CONTRATO

A modalidade de trabalho intermitente consiste na contratação

dos trabalhadores por meio de convocação, em outras palavras, apenas quando

necessário. Com isso o pagamento ao trabalhador ocorre de acordo com as horas

de trabalho realizadas, vale lembrar que a hora trabalhada nunca será menor que

ao correspondente de um salário mínimo.

A forma de estabelecimento do vinculo empregatício é feito por

escrito e registrado na carteira de trabalho do empregado. Nesses documentos

devem constar o valor pago pela hora de trabalho, além da identificação e

assinatura do domicilio de ambos, empregado e empresa.


11

1 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Esse foi um projeto de desenvolvimento e amplicação da

empresa HEMEJAN MOVEIS, onde foi abordado desde o seu modelo de gestão

original, até o novo modelo sugerido, ao qual é possivel afirmar com toda certeza

ser o ideal para as aspirações futuras da empresa. De fato o modelo de gestão

participativa aqui apresentado é o mais indicado para que a empresa possa

desenvolver ainda mais a sua competitividade e elevar a mesma a níveis cada vez

mais altos, além claro de estar sempre atenta aos novidades do mercado sendo

capaz sempre de inovações já que nesse modelo de gestão, todos os integrantes do

time são capazes de opinar, abrindo assim, um leque muito mais de ideias para

inovação de seu material e consequentemente podendo expandir muito em breve

suas lojas diversas filiais adotando a Gestão de Projetos aqui proposta com base na

sua Gestão de Recursos humanos e claro, seguindo a Estrutura Analítica de Projeto

aqui proposta para a empresa.


12

4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ADMINISTRADORES, Emerson Marques Basques, Gestão participativa - um


velho conceito, uma nova realidade, 2009, disponível em
http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/gestao-participativa-um-velho-
conceito-uma-nova-realidade/36241/ acesso 06/05/2018.

ADMINISTRADORES, Rafael de Carvalho Corrêa, EAP (Estrutura Analítica de


Projeto), 2009, Disponível em:
http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/eap-estrutura-analitica-de-
projeto/33337/; Acesso em 06/05/2018

SEBRAE, Empreendedorismo no Brasil, 2016, Disponível em:


http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/GEM%20Nacional%20-
%20web.pdf; Acesso em 06/05/2018

MARCUS MARQUES, Marcus Marques, Entenda o Conceito da Cultura de


Inovação nas Empresas, 2017, Disponível em:
http://marcusmarques.com.br/estrategias-de-negocio/entenda-conceito-cultura-de-
inovacao-nas-empresas/; Acesso em 06/05/2018

COMPUTERWORLD, Sete barreiras que limitam a inovação em uma empresa,


2015, Disponível em: http://computerworld.com.br/sete-barreiras-que-limitam-
inovacao-em-uma-empresa; Acesso em 06/05/2018

G1, Marta Cavallini, Nova lei trabalhista cria regras para home office; entenda,
2017, Disponível em: https://g1.globo.com/economia/noticia/nova-lei-trabalhista-cria-
regras-para-home-office-entenda.ghtml; Acesso em 06/05/2018

PLANALTO, LEI Nº 13.429, DE 31 DE MARÇO DE 2017, 2017, Disponível em:


http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13429.htm; Acesso em
06/05/2018

Você também pode gostar