Você está na página 1de 2

Um estudo inédito, realizado por pesquisadores na Universidade Luterana do Brasil,

avaliou a frequência de acesso a conteúdo pornográfico dos membros de diferentes


religiões.

O relatório “Hábitos no consumo de pornografia” é baseado nas respostas de 400


pessoas a um amplo questionário aplicado no Brasil. Entre as conclusões, chama a
atenção que 67,19% das pessoas que se identificam como “cristão protestante histórico”
admitem acessar conteúdo pornográfico pelo menos uma vez por mês.

Dentre os “evangélicos” 57,38% possuem esse hábito, enquanto 72,73% dos católicos
admitem acessar. O percentual mais alto (84,85%) é dos que não se identificam com
nenhuma religião.

Outra conclusão do levantamento é que a maioria das pessoas reconhece os impactos


destrutivos da pornografia. Pouco mais de três quartos (76,07%) dos entrevistados
consideram a pornografia “ruim ou muito ruim” para a sociedade. E 72,56% disseram que
gostariam de parar de ver.

No Brasil, há 22 milhões de pessoas que assumem consumir pornografia. Desse


percentual, 76% são homens e 24% são mulheres. Os números são da Quantas
Pesquisas e Estudos de Mercado.

A pornografia deturpa um dos dons mais maravilhosos com que Deus agraciou o ser
humano: a sexualidade.

a pornografia é boa professora… Como o diabo!


A pornografia me ensinou, por exemplo, que não existe nem dia, nem hora, nem lugar
para ter sexo. Os atores e atrizes pornográficos são colocados em cenas as mais triviais
do dia-a-dia e, inesperadamente, começam a manter relações sexuais, seja qual for o
lugar em que se encontrem.
A pornografia me ensinou que não existe idade quando o assunto é sexo.
A pornografia me ensinou que não tem problema ter sexo com um monte de gente, e até
com muitas pessoas simultaneamente.
A pornografia me ensinou que o sexo não dispensa nem a família. Os atores em filmes
pornográficos estão sempre se passando por pais e filhos adotivos (quando não
biológicos mesmo), só para tornar mais “picantes” as cenas de sexo.
A pornografia me ensinou que, dentro de quatro paredes, tudo é possível. Mesmo que
degrade a outra pessoa. Mesmo que ela visivelmente não queira mais. Mesmo que ela
esteja sentindo muita dor. Mesmo que ela esteja literalmente a ponto de vomitar. Tudo
em um lugar onde as pessoas deveriam estar supostamente “fazendo amor”.
A pornografia me ensinou uma porção de métodos para evitar filhos. Sim, porque, quando
não estão usando visivelmente algum tipo de preservativo, os atores pornográficos
sempre terminam suas relações fora do corpo das mulheres. É a indústria do coitus
interruptus.
A pornografia me ensinou, enfim, a usar o nome de Deus em vão. A quem já teve contato
com pornografia, nem precisarei explicar o porquê. A quem não teve, porém, basta-me
dizer que a pornografia deturpa um dos dons mais maravilhosos com que Deus
agraciou o ser humano: a sexualidade. Quem produz, quem atua e quem assiste a
filmes pornô, é como se usasse o nome de Deus em vão, é como se desse aos cães as
coisas santas, é como se jogasse pérolas aos porcos (cf. Mt 7, 6).
Eu infelizmente sofro com a pornografia, sim é um vicio, tão grave quanto o
alcoolismo, o cigarro ou qualquer outra droga, ou até pior, porque o vicio da
pornografia, você por vergonha, não pode pedir ajuda, não existe "alcoólicos
anonimo" para viciados em pornografia, ou clinicas de reabilitação. A pessoa vai
dizer: Ah é só não entrar em sites pornográficos. Infeliz emento para um viciado em
pornografia, isso é impossível, eu cheguei ao ponto de sentir mais prazer em sites
do que com relação com minha esposa, isso é extremamente inaceitável, como vou
explicar a ela por exemplo que me exito em ver outras mulheres nuas ao ve la nua.
Pois sim, o vicio da pornografia é sim algo extremamente grave que deve ser
tratado, e que infelizmente a cura, ou ajuda não está acessível ou existente.