Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ

CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO

CURSO DE PSICOLOGIA

DISCIPLINA: TEORIAS DA PERSONALIDADE II

PROFESSORA MA. CINTIA C. P. CRAVEIRO

DISSERTAÇÃO DO FILME FRAGMENTADO

Ely Jean

Parnaíba – PI

Novembro – 2018
O filme Fragmentado cujo nome em inglês é “Split” (que significa “dividido”) foi
produzido pelo diretor M. Night Shyamalan e distribuído pela Universal Pictures. Este filme
mostra as várias faces do protagonista do filme, Kevin Wendell Crumb, interpretado por
James McAvoy, um homem com várias personalidades, precisamente 23 personalidades, cada
uma com características distintas, com idades, interesses e comportamentos diferenciados,
como se fossem realmente outra pessoa. Kevin sofre do Transtorno Dissociativo de Identidade,
ou Transtorno de Personalidade Múltipla e desenvolveu Transtorno Obsessivo compulsivo,
TOC. No decorrer do filme, várias personalidades são mostradas pela personagem Kevin,
entre elas Denis, Patricia, Hedwig, Barry, Orwell, Jade e a temida 24ª personalidade, A Besta,
que vem ser a vigésima quarta personalidade presente em Kevin, a mais forte, alta e poderosa
personalidade. Todas essas personalidades emergem da mente e do corpo de Kevin, o
protagonista. Posteriormente ele assume a personalidade Denis que é organizado, e pelo que
parece,demonstra ter personalidade adulta, forte e responsável. Ele assume uma única
personalidade feminina, Patricia que é uma fanática religiosa. Barry é um estilista em crise
existencial, e Hedwig, uma criança de nove anos. Por último, ele assume a personalidade
sombria e descontrolada, a Besta. Cada personalidade desempenha um mecanismo de defesa
que Kevin desenvolveu para sobreviver aos inúmeros abusos sofridos durante toda a sua vida.
As personalidades funcionam como complexos autônomos, que assumem o comando da
consciência de acordo com os ‘perigos’ detectados. As personalidades são tentativas
fracassadas de adaptação e superação aos abusos, e à completa cisão da personalidade, a
psicose propriamente dita.

. Kevin sofreu sérios abusos durante a primeira infância, tendo seu desenvolvimento
afetado drasticamente. Já a outra protagonista, Casey, também sofreu abuso na infância,
porém numa idade um pouco mais tardia, e com uma diferença drástica para a formação de
sua personalidade, pois seu pai aparece no filme não apenas como um pai amável, protetor,
companheiro e confiável, mas também como um incentivador de suas qualidades de
observação e autoconfiança. Ela aprendeu a lidar com a situação de refém, de subjugada, e
passa a observar todas as personalidades como um predador. Ela não aceita a condição de
presa, e passa a tentar estabelecer uma relação com a única personalidade que lhe parece
viável, Hedwig.

Do ponto de vista da Teoria da Identidade de Erik Erikson (2015), as forças sociais e


ambientais que somos expostos influenciam a forma pela qual as fases geneticamente se
realizam. O Desenvolvimento é afetado por fatores biológicos e sociais ou por variáveis
pessoais e situacionais. Construir uma identidade e aceitá-la são tarefas difíceis. Aqueles que
não conseguem atingir uma identidade coesa passam por uma crise de identidade,
apresentando assim, uma confusão de papeis.
Conforme Erikson (2013 p.422) há por assim dizer “um confronto entre a crise de
identidade versus confusão de identidade, ou confusão de identidade versus confusão de
papel’, de modo que existe a possibilidade de alguém tornar-se um adulto singular com uma
percepção coerente do self e com um papel valorizado na sociedade.
Portanto, a identidade é um processo de construção permanente, em contínua
transformação desde o nosso nascimento até a nossa velhice. É um processo de mudança, seja
aquilo que nós éramos, ou o que somos agora, são mudanças que ocorrem em nossas vidas
levando em conta a nossa história, nossas peculiaridades.

REFERÊNCIAS

Papalia, Diane E. (2013). Desenvolvimento humano. 12ª. ed. Porto Alegre : AMGH.

Schultz, Duane P, & Schultz, Sidney Ellen (2015). Teorias da Personalidade. 3ª Ed. São
Paulo: Cengage Learning.