Você está na página 1de 2

HISTÓRIA DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

HISTORY OF THE BRAZILIAN NATIONAL CANCER INSTITUTE

A HISTÓRIA DA C IRURGIA TORÁCICA NO I NCA


History of Toracic Surgery at Inca

Edson Toscano Cunha1 e Darcy da Silva Guimarães2

Com a criação do Centro de Cancerologia, Egberto Penido Burnier, chefiar a Seção de


instituído pelo Decreto Lei nº 378, de 13 de Cirurgia do Tórax do Instituto de Câncer,
janeiro de l937, foi dado início a luta contra criada em l952. Contando com a colaboração
o câncer no Brasil. O grupo pioneiro de dos médicos Ronald Nyr Alonso da Costa e
médicos tratava o câncer com as três armas João Morisson Monteiro, foi implantada uma
clássicas que existiam na época: bisturi, diferente mentalidade nessa nova Seção e o
roentgentgerapia e curieterapia. estadiamento dos tumores e suas indicações
As lutas empreendidas por este grupo terapêuticas foram sistematizadas,
pioneiro, no sentido da sobrevivência e de melhorando igualmente as técnicas de
um local condigno de trabalho, fazem parte diagnóstico e tratamento das lesões torácicas.
da história do Instituto Nacional de Câncer. Com a oficialização da Seção de Cirurgia
Do pequeno e bem montado Centro de do Tórax através da aprovação do
Cancerologia, funcionando anexo ao Hospital Regimento do Instituto Nacional de Câncer,
Estácio de Sá, hoje Hospital da Polícia pelo Decreto nº 50.251, de 28 de janeiro
Militar do Rio de Janeiro, e depois de l961, a mesma passou a ombrear-se com
transferido para o velho casarão localizado qualquer outro serviço na especialidade,
na rua Conde Laje nº 54, na Lapa, graças à tanto técnica quanto em aparelhagem. Foi
fibra e o entusiasmo dos pioneiros conseguiu quando se deu a incorporação do
manter-se vivo o espírito de luta e evoluir-se equipamento de broncoscopia rígida e a
na criação de um órgão governamental de criação da Unidade de Cinesioterapia,
expressiva importância e atuação na área do munida de moderna aparelhagem,
câncer. Após muitas negociações com as observando-se, mais uma vez, um salto de
autoridades e a criação do Serviço Nacional qualidade no atendimentos dos doentes.
de Câncer, este instituído pelo Decreto Lei Posteriormente, outros membro foram
3.643/41, obteve-se a transferência de todas agregados com a chegada dos médicos Euclair
Unidades do órgão, para ocupar dependências Miranda de Oliveira (cirurgiã) e Wolfgang
do Hospital Gaffrée e Guinle. George Lamprecht (que chegou a exercer a
O volume de trabalho aumentava o direção do INCA entre 1978 e 1979) para o
prestígio e o bom nome que granjeava entre Setor de endoscopia respiratória. Para
a sociedade e as demais instituições de saúde; abranger todos os cuidados aos doentes com
profissionais eram atraídos pelas famosas doenças do tórax, foi integrado ao grupo
mesas redondas; e, pouco a pouco, foi-se cirúrgico, o médico pneumologista Fernando
impondo a necessidade da especialização Monastério Viruez, treinado no serviço do
dentro da cancerologia. Professor Newton Bethlem e, em
A exemplo de outras seções criadas desde insuficiência respiratória, com o Prof. Paul
então, coube a um dos médicos pioneiros, Sadoul, da Universidade de Nancy.

1
Chefe da Seção de Cirurgia do Tórax do INCA
2
Assessor da Direção Geral do INCA

Revista Brasileira de Cancerologia, 2001, 47(3): 316-18 317


Cunha, E. T. e Guimarães, D.da S.

A Seção manteve seu curso e, a partir de de Biasi Cordeiro passou a dirigir o Hospital do
l980, sob a chefia do médico cirurgião Ronald Câncer I do INCA, passando a chefia da Seção
Nyr Alonso da Costa e colaboração dos de Cirurgia do Tórax a ser de responsabilidade
cirurgiões torácicos Fernando Monastério de Edson Toscano Cunha. Desde então, foram
Viruez e Paulo de Biasi Cordeiro (integrado à acrescidos à Seção o médico Aureliano S. Motta
equipe desde 1979), iniciou-se um grande Cavalcanti e, mais recentemente, a médica
processo de modernização e agregação de novos Deborah Cordeiro Lannes.
profissionais, propiciado pela Campanha Nos últimos 20 anos, a Seção de Cirurgia
Nacional de Combate ao Câncer. A partir de do Tórax do INCA vem mantendo um
l981, foram integrados a seção os cirurgiões funcionamento regular, tanto do ponto de vista
torácicos Walter Roriz de Carvalho e Mauro assistencial, com a incorporação de várias
Musa Zamboni e a pneumologista Vera Luiza técnicas e tecnologias (cirurgia vídeo-
Costa e Silva (pneumologista que, a partir de toracoscópica, vídeo-broncoscopia e laser
1987, dedicou-se ao combate ao tabagismo, endoscópico, entre outros), como do ponto
ocupando diversos cargos no INCA, com o que de vista científico, com produção de trabalhos,
notabilizou-se nacional e internacionalmente, publicações em revistas nacionais e
antes de transferir-se para a Organização internacionais, elaboração de capítulos de
Mundial da Saúde, em 2000). livros e desenvolvimento de teses de mestrado
Em 1981, Ronald Nyr Alonso da Costa e doutorado. Mantém, ainda o Curso de
assumiu a Chefia da Divisão de Cirurgia, sendo Treinamento em Broncoscopia, o Curso de
Walter Roriz de Carvalho nomeado para chefiar Especialização em Cirurgia Torácica
a Seção de Cirurgia do Tórax, o que o fez de Oncológica e o Curso Anual de Cirurgia
l981 a l986. A Seção, então, começou sua Torácica Oncológica do INCA.
reestruturação e aquisição de equipamentos de Atualmente os integrantes da Seção de
broncoscopia rígida com óticas telescópicas, Cirurgia Torácica são os médicos Edson
fibrobroncóspio, toracoscópio, mediastinoscópio Toscano Cunha, Walter Roriz de Carvalho,
e de espirometria pulmonar computadorizada, Emanuel Bastos Torquato, Samuel de Biasi
aumentando consideravelmente o número de Cordeiro, Aureliano Motta Cavalcante, Mauro
procedimentos de diagnóstico e tratamento nela Musa Zamboni, Cristina Maria G. Cantarino,
realizados. Com a crescente demanda, a Seção Deborah Cordeiro Lannes e, atualmente
de Cirurgia Torácica do INCA agregou ao seu respondendo pela direção do Hospital do
corpo médico, no final de l981, o cirurgião Câncer I do INCA, Paulo de Biasi Cordeiro.
torácico Edson Toscano Cunha. Porém, a história da Seção de Seção de
Reuniões científicas conjuntas com os Cirurgia do Tórax, mais do que a história de
serviços de Radiodiagnóstico, Anatomia uma Seção, e especialmente pelo número de
Patológica, Oncologia Clínica e Radioterapia, dirigentes que já deu ao INCA, é a história do
passaram a ser realizadas para estudo de casos próprio Instituto Nacional de Câncer. E dos
clínicos, e também foi criado o Programa de diretores que o conduziram e o conduz: Mário
Especialização em Cirurgia Torácica, em Kröeff (l938/l941), Alberto Lima de Moraes
convênio com a Universidade Federal Coutinho (l941/l954), Luiz Carlos de Oliveira
Fluminense. O primeiro especializando deste Júnior (l954/l956), Antônio Pinto Vieira (l956/
Programa foi o médico Emanuel Bastos l962), Moacyr Alves dos Santos Silva (l962/l963
Torquato, que passou a pertencer a equipe a e l972/l974), Francisco Fialho (l963/l967 e l969/
partir de l985, ano em que a pneumologista l970), Jorge Sampaio de Marsillac Motta (l967/
Maria Cristina Barbosa foi admitida na Seção. l969), Ugo de Castro Pinheiro Guimarães (l970/
Em l986, Walter Roriz de Carvalho foi l972), Adayr Eiras de Araújo (l974/l978), João
empossado Diretor do INCA e a Chefia da Carlos Cabral (l978), Wolfgang George
Seção de Cirurgia do Tórax passou a ser exercida Lamprecht (l978/l979), Hiram Silveira Lucas
por Paulo de Biasi Cordeiro, que a liderou de (l979/l980), Ary Frauzino Pereira (l980/l985 ),
l986 a l995. Nesse período, a Seção recebeu o Geraldo Matos de Sá (l985/l986), Walter Roriz
cirurgião Samuel de Biasi e a pneumologista de Carvalho (l986/l990), Marcos Fernando de
Cristina Maria G. Cantarino. Este grupo Oliveira Moraes (l990/l998) e Jacob Kligerman
permaneceu inalterado até l995, quando Paulo (a partir de l998).

318 Revista Brasileira de Cancerologia, 2001, 47(3): 316-18

Você também pode gostar