Você está na página 1de 13

Versão Online ISBN 978-85-8015-080-3

Cadernos PDE

I
OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE
NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE
Artigos
DIÁLOGOS POSSÍVEIS ENTRE O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA E
DAS CIÊNCIAS

Autor: Jonas Ferreira de Andrade1


Orientadora: Karine Marielly Rocha da Cunha2

Resumo
Este artigo irá demonstrar os resultados obtidos a partir da aplicação de um projeto de intervenção
pedagógica no C.E. Juscelino Kubitschek de Oliveira, no município de São Jose dos Pinhais, tendo
como tema a prática da língua inglesa como possiblidade de conscientização ambiental. Um dos
objetivos é fazer com que os alunos discutam e promovam ações relativas à sustentabilidade ambiental.
Este artigo visa descrever o andamento e considerações do trabalho desenvolvido em sala de aula,
expondo assim as contribuições dos educandos para a construção de saberes por meio da língua
inglesa. Busca assim, promover a troca de experiências e questionamentos sobre a ação do homem
no meio ambiente. Seu objetivo é de possibilitar a discussão e o debate da sustentabilidade ambiental
na escola nas aulas de língua inglesa e, por meio dessa, promover ações de intervenção na escola
com enfoque na sustentabilidade ambiental. Para fundamentar este artigo, será feito uma revisão da
literatura a respeito do tema e em seguida, será descrito como foi a aplicação do projeto com o auxílio
da unidade didática na escola. Foram utilizadas como base teórica as Diretrizes Curriculares Estaduais
(DCEs 2008), bem como, as ideias de Kumaravadivelu (2001) e Jordão (2004), pois seus estudos
trazem concepções de língua, de ensino e de entendimento de práticas locais consideradas essenciais
no processo de ensino e aprendizagem.

Palavras-chave: Língua inglesa. Construção de novos saberes. Sustentabilidade.

Introdução

O tema discutido neste artigo, vai de acordo com as DCEs (2008) de língua
estrangeira moderna, a valorização e o aprofundamento dos conhecimentos
organizados nas diferentes disciplinas escolares. Seguindo esse pressuposto, é
possível levar o aluno a compreender, transformar, construir e desconstruir conceitos
e ações pertinentes por meio da língua estrangeira.

Desta forma, a discussão proposta aqui relata as experiências da aplicação do


projeto de intervenção pedagógica no Colégio Juscelino Kubitschek de Oliveira, no

1 Professor Especialista em Língua Inglesa e Gestão Escolar.


2 Professora Doutora em Linguística.
município de São Jose dos Pinhais. É perceptível que a Língua Inglesa, (doravante
LI) possa ser utilizada para estabelecer situações significativas que não se limitem
apenas ao exercício de uma mera prática educativa dentro da escola, mas que
também seja significativa fora da escola. A LI pode ser utilizada para provocar
reflexões e mudanças na percepção da realidade dos indivíduos. O trabalho aqui
descrito foi realizado juntamente com a turma de 1º ano do ensino médio no período
de 13 de Março a 10 de Julho, com uma carga horária de 32h. Os educandos da
instituição em geral, iniciam no 6º ano e seguem até o último ano do ensino médio, de
forma que desenvolvem com o estabelecimento de ensino um vínculo afetivo, um
sentimento de pertencer ao ambiente e uma ligação bastante forte com a instituição e
com aqueles que ali compartilham do mesmo espaço. O colégio tem histórico de
práticas ambientais relacionadas à proposta para esse projeto do PDE. No intuito de
despertar nos alunos uma conscientização sobre os possíveis usos do meio ambiente
sem prejudicá-lo, foram realizados no colégio dois projetos: Revitalização do jardim
JK e Uma horta na minha escola.

Desta forma, os relatos feitos aqui mencionam como se deu a aplicação e os


resultados obtidos por meio deste projeto. O mesmo foi embasado teoricamente por
estudos referentes à língua inglesa e a construção de novos saberes. Para isso, foram
utilizadas como base teórica as Diretrizes Curriculares Estaduais (DCEs 2008), bem
como, as ideias de Kumaravadivelu (2001) e Jordão (2004), pois seus estudos trazem
concepções de língua, de ensino e de entendimento de práticas locais consideradas
essenciais no processo de ensino e aprendizagem. Neste sentido, este artigo
descreve as atividades aplicadas aos alunos considerando a possibilidade de
estabelecer a relação entre a LI e as possíveis ações em prol da sustentabilidade
ambiental.

Fundamentação teórica

A PERSPECTIVA DO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA


EDUCAÇÃO

Segundo as DCEs (2008, p. 55): “ensinar e aprender línguas é também ensinar


e aprender percepções de mundo e maneiras de atribuir sentidos”. Deste modo, o
ensino aprendizagem de uma língua pode ser compreendido como um processo de
construção de sentidos.

Para complementar a ideia acima, Jordão et al. descreve:

Aprender uma nova língua é um processo que constrói subjetividades,


desperta desejos, posiciona hierarquias, estabelece valores, que gera
pensamentos e maneira de conhecer, estabelecendo novas posições de
conhecedor e conhecimento ou reforçando posições já estabelecidas, mas
constantemente reconfigurando novas atitudes nas relações de poder nas
práticas sociais de representação (2013, p.16).

Na mesma linha de pensamento, Menezes de Souza (2011) entende a


aprendizagem de língua estrangeira como possibilidade de levar os alunos a
desenvolverem uma conscientização, reconstruindo suas percepções acerca de seus
papéis sociais. Desta forma, o ensino de LE em sala de aula pode ser uma
possibilidade na qual os alunos possam questionar suas próprias vivências, refletindo
acerca das ideologias impostas pela sociedade como se fossem verdades imutáveis.
Por isso, é muito importante que o professor esteja ciente de como ensinar a LI de
forma que esse ensino não venha a criar estereótipos e verdades absolutas.

No entanto, como este projeto tem caráter interdisciplinar com as ciências é


também pertinente estabelecer relações com autores que atuam na linha de
sustentabilidade. Neste contexto é relevante a ideia de Berna (2011) quando discute
sobre esse tema.

Para Berna, a sustentabilidade se baseia em três questões básicas que


envolvem o meio ambiente e as ações humanas, considerando três importantes
vieses da sustentabilidade: o ambiental, o social e o econômico. O autor define o termo
sustentabilidade como uma atividade que precisa respeitar, pelo menos, o equilíbrio
entre as esferas ambiental, social e econômica, atendendo as necessidades das
atuais gerações, sem prejudicar as necessidades das futuras.

O autor entende o tema como uma questão que deve constar no currículo
escolar de forma interdisciplinar, rompendo com a tendência de tratar do assunto
apenas nas matérias de ciência naturais. Berna considera também de fundamental
importância encontrar um equilíbrio que nos permita associar desenvolvimento
econômico e justiça social com a capacidade de suporte da natureza, pois considera
todas as ações da sociedade importantes, afirmando que elas não são antagônicas
mas sim complementares.

AS DIFERENTES POSSIBILIDADES PARA O ENSINO DA LEM

Conforme as DCEs (2008) de língua estrangeira, diversos métodos e


abordagens foram apresentados ao longo dos tempos em relação ao ensino da LI.
Contudo, a prática de ensino está longe de obter respostas acabadas ou de produzir
uma metodologia de trabalho que possa ser considerada a melhor. Nesse sentido,
Kumaravadivelu (1994) afirma que não existe um melhor método para ensinar e
aprender inglês. Muitas questões precisam ser consideradas no processo de ensino-
aprendizagem, como por exemplo a interação professor/aluno e o envolvimento de
questões do contexto social, político e socioeconômico.

Para o autor, ao destacar questões sociais, a prática pedagógica se torna um


instrumento para a construção da cidadania do educando. Entende-se que não
existem métodos prontos para o ensino-aprendizagem de uma língua, mas conjuntos
de possibilidades. Por isso, cabe ao professor conhecê-las e delas fazer uso, criando
então possibilidades de ensino.

Desta forma, a peça fundamental no trabalho com a língua estrangeira, em


sala de aula, é a reflexão constante sobre o contexto de ensino-aprendizagem no qual
o educando está inserido. Para autor, o pós-método reconhece o potencial do
professor de saber não somente como ensinar, mas também como agir de forma
autônoma e possibilitando uma análise crítica de suas ações em sala de aula.

O Pós-método pode ser visualizado como um sistema tridimensional


consistido por 3 aspectos pedagógicos a serem considerados: particularidade,
praticalidade e possibilidade (Kumaravadivelu, 2003). Segundo o autor,
particularidade, que é o mais importante aspecto do Pós-método, questiona a
existência de uma única abordagem para todos os contextos, esse aspecto baseia-se
na perspectiva da teoria situacional que afirma não haver significado pedagógico sem
a compreensão do todo, ou seja, a particularidade é a sensibilidade para lidar com as
especificidades do contexto. Um outro aspecto é a praticalidade, que ocorre quando
os professores conseguem teorizar sua própria prática de ensino.
Por último, temos o parâmetro Possibilidade. Este parâmetro recebeu grande
influência do educador Paulo Freire, cujos trabalhos falam em poder, em papéis
sociais. Este parâmetro trata da importância de reconhecer e destacar aos alunos e
professores suas próprias identidades individuais, de forma a encorajá-los a
questionarem o status quo. Nesse sentido, nós, enquanto professores de língua
estrangeira, reconhecemos os três aspectos citados em nossa prática de ensino, e os
consideramos essenciais no ensino da língua estrangeira.

A RELAÇÃO ENTRE A LÍNGUA INGLESA E A SUSTENTABILIDADE

De acordo com as DCE’s (2008) de língua estrangeira, a escola tem o


compromisso de prover a todo educando meios necessários para que não apenas
assimilem o conhecimento como resultado de um processo, mas que compreendam
o processo de construção do conhecimento bem como as transformações possíveis
proporcionadas através do saber.

Dessa forma, Jordão (2004) descreve:

[...] a prática pedagógiga é vista como processo dedicado a fomentar a


possibilidade através da implementação de modos de compreensão e ação
que encorajem a transformação de relações específicas entre formas sociais
e capacidades humanas, e assim permita a expansão do escopo de
identidades sociais em que as pessoas possam se transformar. (SIMON apud
JORDÃO, 2004, p.164).

Para estabelecer uma relação entre o ensino da língua inglesa por meio do
discurso abordando o tema sustentabilidade, também é importante entender o que
este conceito significa.

Ainda segundo as DCEs (2008) de língua inglesa, professores de diversas


disciplinas e de diversas séries podem utilizar o tema sustentabilidade em suas aulas.
Por esse motivo, entendemos que seja possível abordar o tema sustentabilidade nas
aulas de língua inglesa com a finalidade de construir novos saberes como verificamos
trabalhos envolvendo o tema sustentabilidade em outros países como tema
interdisciplinar. A título de ilustração podemos citar os trabalhos de Jacobs e Goatly
(2000), Donlon (1996) que pesquisaram e desenvolveram materiais sobre essa
temática para escolas na Ásia.
Estes autores acreditam que incluir a educação ambiental e seus temas
específicos no ensino de língua inglesa não significa que os profissionais deixarão de
ser professores de inglês. Pelo contrário, acreditam que podemos facilmente incluir
assuntos ambientais como parte do ensino de língua estrangeira de modo que as
aulas possam se tornar mais interessantes e significativas para os alunos.

Segundo Jacobs et al. (1998), a língua afeta a maneira como vemos o mundo,
pois ela, a língua, não é um meio neutro e transparente. Afirma que é importante para
o nosso aluno perceber que por meio da língua nós entendemos o mundo
indiretamente, mas que de uma forma poderosa ela afeta nossas ações.

As ideias de Bowden (2010) também são relevantes no sentido de utilizar o


tema sustentabilidade nas aulas de língua inglesa. A autora acredita que o foco da
sustentabilidade no ensino da língua inglesa poderia contribuir no processo de ensino
aprendizagem da língua inglesa, cabendo aos professores selecionar ativamente
ferramentas coerentes com esta visão, envolvendo os alunos nesse processo de
diálogo e construção do conhecimento.

Concordando com o referencial teórico brevemente apresentado neste


projeto, acreditamos na possibilidade de usar a língua inglesa nas questões
envolvendo sustentabilidade nas aulas. Sendo assim, a implementação deste projeto
foi baseada em uma visão do Pós-Método segundo Kumaravadivelu (2003), na qual
cabe ao professor desenvolver maneiras de ensino adequadas, valorizando a
realidade e os conhecimentos trazidos pelo aluno e pelo seu contexto social.

Aplicação do projeto

A EXPLORAÇÃO DOS GÊNEROS TEXTUAIS


No primeiro momento apresentou-se a atividade de brainstorm sobre o tema
ambiente. Os alunos ficaram muito interessados em desenvolver a atividade. A
palavra environment foi indicada para o início da reflexão, no sentido de que os alunos
pudessem encontrar outras palavras em inglês ligadas a esse campo semântico.
Várias foram as conexões realizadas. Um dos alunos se manifestou a respeito
perguntando se o meio ambiente pode ser compreendido como todo e qualquer lugar,
pois tudo faz parte do ambiente. Já um segundo aluno relatou que quando ouve a
palavra meio ambiente vem em sua mente a palavra proteção, porque o homem
precisa cuidar do meio em que vive, já que temos presenciado muitas consequências
dos maus tratos ao meio ambiente.

Outro aluno mencionou que em seu pensamento vem a palavra dúvida, porque
tem muita preocupação do meio ambiente ficar cada vez mais destruído. Em
consonância com as ideias acima, outros alunos se manifestaram dizendo que quando
escutam a palavra ambiente, pensam na natureza e se sentem preocupados em
relação ao que assistem na televisão sobre toda a destruição do meio ambiente e
outros ainda acrescentaram que entendem o termo meio ambiente como condição
para nossa existência no planeta e que sempre se questionam sobre o que tem sido
feito para diminuir os impactos ambientais.

Embora os alunos estejam em um nível heterogêneo, de acordo com o QCERL


(muitos frequentam escolas de idiomas), de modo geral, gostaram do assunto
discutido nessa atividade. Salientaram que todas as pessoas precisam estar
envolvidas nas questões da sustentabilidade ambiental, pois todos dependem desse
planeta para existir. Quando questionados sobre a possibilidade de trabalhar-se
questões de sustentabilidade nas aulas de língua inglesa, os alunos opinaram que a
ideia é muito pertinente pois, acreditam que dentro das escolas e por meio das várias
disciplinas escolares seja possível aprender e ensinar muitas coisas sobre esse
assunto, para que logo em breve se possa colocar em prática.

Na sequência foi realizada a atividade com o vídeo sobre a história das coisas,
encontrado no site https://www.youtube.com/watch?v=oEisfUtNwYs. O vídeo foi
apresentado em inglês e com legenda em português. Após a apresentação do vídeo,
abriu-se um espaço para discussão. Os alunos fizeram comentários muito
interessantes, falaram sobre o fato de que muitas vezes o valor econômico prevalece
sobre o valor da sustentabilidade ambiental. Durante a apresentação do vídeo os
alunos puderam reconhecer muitas das palavras utilizadas pela apresentadora, sendo
que muitas delas eram palavras transparentes. Como o vídeo tem uma duração de 1
minuto e 17 segundos, foi possível assisti-lo mais de uma vez, no sentido de procurar
entender o que estava sendo dito em inglês, bem como a pronúncia das palavras
utilizadas.

Embora o vídeo apresentasse fatos sobre a realidade nos EUA, possibilitou


uma reflexão sobre a realidade no Brasil no que diz respeito a sustentabilidade
ambiental. Pediu-se então pediu aos alunos que discutissem por alguns minutos sobre
a sua própria realidade, seja no Brasil ou em seu bairro, e na sequência foi solicitada
a elaboração de um pôster em inglês mencionando os resultados de suas discussões.

Em aulas posteriores foi realizada uma atividade de leitura em língua inglesa


abordando o bairro onde moram utilizando uma notícia de jornal fictícia, de nossa
criação, bem como assistiram a um vídeo em inglês que retratava aspectos da cidade
de Curitiba. Após a leitura em inglês e interpretação do texto, os alunos realizaram
diferentes atividades. Entre elas uma conversa em inglês sobre o seu próprio bairro e
expuseram suas opiniões. Na sequência foram trabalhadas questões gramaticais da
língua inglesa, com ênfase nos verbos anômalos. E finalmente para encerrar esta
etapa do trabalho, os alunos fizeram um exercício para reforçar o vocabulário, por
meio de uma atividade de caça palavras com o léxico referente à sustentabilidade, a
atividade causou muita satisfação.

Outro gênero abordado foi a música. A proposta de trabalhar com a música foi
a de realizar uma atividade de “listening”, onde os alunos ouviam em inglês e,
posteriormente, liam em português. O vídeo também apresentava imagens que os
auxiliavam na compreensão do tema. A partir do vídeo foi proposta uma atividade em
que os alunos deveriam escrever em inglês sua opinião sobre a música, o ritmo, o
estilo, as imagens, o cantor, etc, praticando estruturas presentes no conteúdo
programático como a dos verbos anômalos. Também foi perguntado ao aluno se ele
ouvisse esta música na rádio, ele continuaria ouvindo ou não, tentando desta forma,
entender o interesse do aluno pelo estilo proposto. Na sequência foi questionado ao
aluno se o vídeo o levou a um repensar sobre a maneira como ele se comporta em
relação ao ambiente, fazendo com que repense a maneira como ele vê o mundo.

ATIVIDADE CONJUNTA - CONFECÇÃO DO CARTAZ


Após o vídeo “História das Coisas”, os alunos iniciaram uma pesquisa sobre a
realidade brasileira em relação às questões envolvendo ambiente e sustentabilidade.
A partir das informações coletadas pelos educandos, foi perceptível a prática
ineficiente e a ausência de conscientização por parte de muitas pessoas. Um dos
comentários dos alunos em relação a essa situação foi que não adianta um fazer se
a maioria não faz o mínimo para minimizar essa situação de degradação ambiental.
Esse comentário por parte de um educando gerou uma polêmica, levando os demais
alunos a uma reflexão sobre o assunto e por fim chegou-se a um consenso que o mais
importante é que cada indivíduo faça a sua parte.
Após estas discussões em sala, os alunos foram divididos em grupos de cinco
e realizaram a confecção de um cartaz cujo tema era “A realidade brasileira em
relação à sustentabilidade”.
Quanto aos resultados obtidos foi constatado pelos próprios alunos que muita
coisa ainda deve ser feita no Brasil e que ainda existe uma diferença muito grande se
comparamos as regiões brasileiras, em relação a maneira como as pessoas cuidam
do ambiente que a cerca.

Veja a ilustração do resultado a seguir:

Foto de Ane Cristina C. Kamada


O cartaz foi elaborado utilizando desenhos e ilustrações de revistas com
vocabulário em inglês, de modo que, as equipes poderiam utilizar o dicionário de
línguas quando necessário. Ao término da confecção, cada grupo apresentou a turma
o seu trabalho em língua inglesa, expondo suas ideias.

CONCLUSÃO

Neste trabalho objetivou-se utilizar nas atividades didáticas questões que


abordassem situações relevantes, nas quais as discussões e reflexões pudessem
contribuir de forma realmente significativa, sob aspectos práticos da vida cotidiana dos
alunos, bem como em sua atuação como sujeito atuante nas comunidades em que
vivem sob a temática da sustentabilidade ambiental. Para isso foi objetivado a escolha
por gêneros que pudessem interessar aos aprendizes. O uso de gêneros pode se
tornar uma das ferramentas que apoiam a prática pedagógica de modo a torná-la mais
produtiva. E nesse caso sua utilização comprovou efetividade, tendo visto que os
próprios alunos perceberam a efetividade do aprendizado.

As aulas foram organizadas de forma articuladas umas às outras, totalizando


32 horas de trabalho diretamente com os alunos, de forma que as aulas anteriores
preparavam os alunos para as aulas seguintes. Buscou-se promover momentos de
descontração e foi sugerido que os alunos trabalhassem em duplas e grupos para que
tivessem a possibilidade de discutir os textos com os colegas, na intenção de criar
oportunidades de aprendizagem significativas, sendo capazes de se engajarem em
práticas do uso da língua em língua estrangeira e de ampliar, desse modo, suas
possibilidades de participação social em diferentes esferas da sociedade. Ao invés de
uma lista com questões gramaticais ou de um estudo centrado em um vocabulário
específico, os conteúdos foram organizados a partir de diferentes atividades,
permitindo a abordagem dos diferentes aspectos dos textos e propiciando um trabalho
com os conteúdos de forma integrada às práticas discursivas: leitura, escrita e
oralidade.

As atividades buscaram ampliar o contato dos alunos com várias formas de


manifestações discursivas e de contextos de uso da linguagem para tanto foram
utilizados os verbos modais e o passado simples. Os propósitos educacionais da
disciplina foram igualmente valorizados em relação aos conhecimentos linguísticos,
tendo em vista que a ampliação da participação social dos alunos, tanto pelo
aprendizado da língua inglesa quanto pelas reflexões proporcionadas durante a
realização das atividades foram igualmente importantes. Ao longo da realização das
atividades propostas, foi possível perceber que ao entrar em contato com os textos os
alunos não somente identificaram seus conhecimentos de mundo como também
possibilidades de emitir uma opinião ou uma conclusão sobre as questões discutidas.
Também puderam fazer previsões sobre o que ainda não haviam lido, amparando-se
em seus conhecimentos e nas relações que estabeleceram com gêneros textuais com
os quais estavam interagindo, uma mistura de texto verbal e não verbal.

Ao final deste trabalho, observou-se que por meio desta prática pedagógica
desenvolvida com os alunos foi possível privilegiar tanto os aspectos linguísticos como
o aspecto temático nas atividades. O aprendizado da língua inglesa sob o viés do pós-
método foi efetivo tanto na questão linguística do aluno quanto na sua compreensão
e participação na sociedade e da responsabilidade que ele possui diante dos
problemas vivenciados em seu dia a dia. Contudo, o maior desafio encontrado foi o
de levar o aluno a refletir sobre suas próprias atitudes no meio social em que vive,
pois percebia os problemas e não se via como um agente responsável pela mudança.
Os objetivos específicos deste trabalho foram completamente alcançados atendendo
o esperado.

Diante dessas observações é possível dizer que o ensino da língua estrangeira


requer uma constante busca de recursos metodológicos compatíveis com a realidade
do aluno, de maneira que o assunto seja apresentado de forma atraente e que
realmente demonstre ao discente que esse novo conhecimento virá a acrescentar em
sua vida, proporcionando a ele novas possibilidades de interagir no mundo em que
atua.
REFERÊNCIAS

BERNA, V. Atitudes sustentáveis na escola. Páginas Abertas, São Paulo, n. 45,


2011. p. 6-9. Entrevista.

BOWDEN, R. Teaching English for Sustainability. Nepal Journals Online,


Kathmandu, v. 15, n. 1-2, Dezembro 2010. Disponível em:
<http://www.nepjol.info/index.php/NELTA/article/view/4605/3817>. Acesso em:
25/05/2014.

DONLON, B. The Jet Environmental Action Guide. Tokyo: Association for Japan
Exchange and Teaching, 1996.

JACOBS, G. GOATLY, A. The treatment of ecological issues in ELT coursebooks. ELT


Journal, Oxford, v.3, n. 54, 2000. Disponível em:
<http://eltj.oxfordjournals.org/content/54/3/256.full.pdf>. Acesso em: 30/05/2014.

JACOBS, G. et al. Pramaranee Kumarasamy, Payomrat Nopparat and Susan Amy.


Linking Language and the Environment. Toronto: Pippin publishing, 1998.

JORDÃO, C. M. et al. O PIBID nas aulas de inglês: divisor de águas e formador


de marés. Campinas: Pontes Editores, 2013.

JORDÃO, C.M. A língua estrangeira na formação do indivíduo. Curitiba: Mimeo,


2004.

KUMARAVADIVELU, B. The Postmethod Condition: (E)merging Strategies for


Second/Foreign Language Teaching. TESOL Quarterly, Vol. 28, No. 1. (Spring,
1994), pp. 27-48. Disponível em :
<http://bkumaravadivelu.com/articles%20in%20pdfs/1994%20Kumaravadivelu
%20Postmethod%20Condition.pdf>. Acesso em: 05 de junho de 2014.

___________.Beyond Methods: Macrostrategies for Language Teaching. Yale:


Yale University, 2003.

___________.Toward a postmethod pedagogy. TESOL Quarterly.35:4, 537-560,


2001.

MENEZES DE SOUZA, L. M. T. O professor de inglês e os letramentos no século


XXI: métodos ou ética? Campinas: Pontes, 2011.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares da Educação


Básica: Língua Estrangeira Moderna. Curitiba: SEED, 2008.