Você está na página 1de 69

LUCIANA ROCHA TEIXEIRA DE MATOS

FÍSICO-QUÍMICA

BELO HORIZONTE / MG

Técnico em Química Química


Físico-Química
Ambiental
541 Matos, Luciana Rocha Teixeira de.
M387f
Físico-química / Luciana Rocha Teixeira de Matos. Belo Horizonte
– MG: Adastra Editora, 2015.
68 f.; il.,

ISBN 978-85-69111-77-1

Apostila de Técnico em Química

1. Átomo. 2. Gases. 3. Termoquímica. 4. Colisão. I. Título.

CDD: 541.
INORGÂNICO
AUTORES ADASTRA EDITORA LTDA
............................................................................ ............................................................................

LUCIANA ROCHA TEIXEIRA DE MATOS Avenida Afonso Pena, 941 – 4º andar


Centro
CEP: 30.130-002 – Belo Horizonte – MG

FÍSICO-QUÍMICA
CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA

SUMÁRIO
INTRODUÇÃO
UNIDADE I – FUNDAMENTOS DA FÍSICO-QUÍMI- UNIDADE IV - COLOIDES
CA
1. Definição ....................................................... 34
1. Unidade de massa atômica ........................... 07 2. Classificação dos coloides ............................ 35
2. Massa atômica (u) ......................................... 07 3. Coloides reversíveis e irreversíveis ............... 37
3. Massa atômica x número de massa .............. 07 4. Efeito Tyndall ................................................. 37
4. Massa molecular (MM) .................................. 07 5. Movimento Browniano ................................... 37
5. Constante de Avogadro ................................. 07 -- Ideias-chave
6. Mol ................................................................. 08 -- Recapitulando
7. Massa Molar (M) ........................................... 08 -- Para fixar o conteúdo
8. Determinação da quantidade de substância .....=08
número de mol (n) ................................ 08 UNIDADE V – PROPRIEDADES COLIGATI-
9. Volume molar ................................................. 08 VAS
10. Densidade ...................................................... 08
11. Conversões de unidades ............................... 08 1. Pressão máxima de vapor ............................ 43
12. Escala kelvin de temperatura ........................ 08 2. Pressão máxima de vapor e a temperatu- .... 44
-- Ideias-chave ra de ebulição
-- Recapitulando 3. Diagrama de fases ........................................ 46
-- Para fixar o conteúdo 4. Tonoscopia ou Tonometria ............................ 46
5. Ebulioscopia e Ebuliometria .......................... 47
UNIDADE II – ESTUDO DOS GASES 6. Crioscopia e Criometria ................................. 48
7. Osmoscopia e Osmometria ........................... 49
1. Gás real, gás ideal ou gás perfeito ................ 12 -- Ideias-chave
2. Teoria cinética e molecular dos gases ........... 12 -- Recapitulando
3. Variáveis de estado dos gases ...................... 13 -- Para fixar o conteúdo
4. Transformações gasosas .............................. 14
5. Equação geral dos gases .............................. 15 UNIDADE VI – CINÉTICA QUÍMICA
6. Volume molar ................................................ 15
7. Lei de Avogadro ............................................. 15 1. Teoria da colisão ............................................ 57
8. Equação de Clapeyron .................................. 16 2. Velocidade das reações químicas ................. 58
9. Densidade dos gases .................................... 16 3. Fatores que influem na velocidade das ......... 60
-- Ideias-chave reações
-- Recapitulando 4. Lei da velocidade para uma reação .............. 61
-- Para fixar o conteúdo -- Ideias-chave
-- Recapitulando
UNIDADE III - TERMOQUÍMICA -- Para fixar o conteúdo

1. A energia e as transformações da matéria .... 19 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ..................... 69


2. Calorimetria ................................................... 19
3. Poder calórico dos alimentos ........................ 20 SITES E LINKS ÚTEIS ...................................... 69
4. Entalpia .......................................................... 22
5. Processo exotérmico ..................................... 23
6. Processo endotérmico ................................... 23
7. Equações termoquímicas............................... 24
8. Calor e Entalpia das reações químicas ......... 25
9. Energia de Ligação ........................................ 26
10. Lei de Hess .................................................... 26
11. Entropia ......................................................... 27
12. Energia livre de GIBBS .................................. 28
-- Ideias-chave
-- Recapitulando
-- Para fixar o conteúdo

Técnico em Química Físico-Química


FÍSICO-QUÍMICA

FÍSICO-QUÍMICO

Introdução

O ser humano tem buscado, há séculos, compreender os fenômenos que regem a vida, valendo-se da ob-
servação simples e direta, da simulação e representação desses fenômenos, da interpretação lógica e criativa
dos resultados de experimentação. O conhecimento científico da natureza e suas leis tem sido um dos pilares
do desenvolvimento humano.

A Química, assim como outras Ciências, tem papel de destaque no desenvolvimento das sociedades, alca-
nçadas ao longo de tantos anos. No entanto, ela não se limita às pesquisas de laboratório e à produção indus-
trial. Ao contrário, embora às vezes você não perceba, a Química está presente em nosso dia-a-dia e é parte
importante dele. A aplicação dos conhecimentos químicos tem reflexos diretos sobre a qualidade de vida das
populações e sobre o equilíbrio dos ambientes na Terra.

Por isso, consideramos essencial que conhecimento científico faça parte da vida cotidiana das pessoas, a
fim de que elas possam, criticamente, contribuir para a preservação e a conservação de todas as formas de
vida, inclusive da espécie humana. (USBERCO E SALVADOR)

Técnico em Química Físico-Química 6


FÍSICO-QUÍMICA

UNIDADE I
FUNDAMENTOS DA FÍSICO-QUÍMICA

Fonte: http://www.mundoeducacao.com/quimica/formula-molecular.htm

1. UNIDADE DE MASSA ATÔMICA 3. MASSA ATÔMICA X NÚMERO DE MASSA

Em 1961, na Conferência da União Internacional Apesar de numericamente igual, não confunda


de Química Pura e Aplicada (IUPAC), adotou-se como número de massa, que é um número inteiro positivo e
padrão de massas atômicas o isótopo 12 do elemento que indica a soma dos prótons e nêutrons, com a massa
carbono (12C), ao qual se convencionou atribuir o valor atômica, que é determinada experimentalmente.
exato de 12 unidades de massa atômica.
As massas atômicas que encontramos nas tabelas
periódicas são sempre a média ponderada dos
isótopos.

4. MASSA MOLECULAR (MM)

A massa molecular é a soma das massas atômicas dos


átomos que compõem uma molécula. Sua unidade é u.

Por exemplo, numa molécula de água (H2O),
teremos:

H = 1u , como são dois hidrogênios = 2u

O = 16u
1 u = 1,66054x10-24 g, o que corresponde H2O = 2u + 16u = 18u
aproximadamente à massa de um próton ou de um
nêutron. 1 molécula de água pesa 18 vezes mais que 1/12 do
12
C.
2. MASSA ATÔMICA (u)
5. CONSTANTE DE AVOGADRO
É o número que indica quantas vezes a massa
de um átomo de um determinado elemento é mais A constante que deu origem à grandeza quantidade
pesada que 1u, ou seja, 1/12 do átomo de 12C. de matéria que é denominada constante de Avogadro
é igual a 6,02 x 1023 mol-1.
Exemplo:
Em uma massa em gramas numericamente igual
35
Cl – MA = 35u , representa 75,4% dos átomos de à massa atômica, para qualquer elemento, existem
cloro. 6,02 x 1023 átomos.
37
Cl – MA = 37u , é 24,7% dos átomos de cloro.
Em uma massa em gramas numericamente
igual a massa molecular, para qualquer substância
molecular, existem 6,02 x 1023 moléculas.

Esse valor é uma média ponderada. Em 18g de água, encontramos 6,02 x 1023
moléculas de água.
Técnico em Química Físico-Química 7
FÍSICO-QUÍMICA
6. MOL CNTP = Condições Normais de Temperatura e
Pressão.
É a quantidade de substância que contém tantas
entidades elementares quanto são os átomos de T = 0ºC ou 273K
12
C contidos em 12g de 12C. P = 1 atm
V = 22,4L
Mol é quantidade de substância que contém 6,02 x
1023 entidades. São valores constantes.

7. MASSA MOLAR (M) Exemplo:

Corresponde à massa de uma mol de entidades Qual o volume ocupado por 2,8g de N2 na CNTP?
elementares (átomos, moléculas, íons, grupos Dado: N = 14g/mol
específicos, partículas, etc).

Assim sendo, a massa molar calcula-se como


o produto entre massa molecular e a constante de
Avogadro. Como a constante de Avogadro corresponde
ao número de partículas (neste caso moléculas)
existentes em uma mol, na prática, o cálculo da massa
10. DENSIDADE
molar de uma substância é feita da mesma forma
que o cálculamos a massa molecular. Assim sendo,
É a relação entre massa (m) e o volume (v) de um
o valor numérico é o mesmo, mas a unidade passa
material.
a ser gramas por mol (g/mol). Tomando novamente o
exemplo da água:

M(H2O) = 2 × 1g/mol + 16g/mol = 18 g/mol.

Um mol de água pesa 18 gramas de massa.


d = g/cm3
8. DETERMINAÇÃO DA QUANTIDADE DE m=g
SUBSTÂNCIA = NÚMERO DE MOL (n) v = cm3

É a relação entre massa (m) de uma amostra de Sólidos e líquidos, a densidade geralmente é expressa
substância e sua massa molar (M). em g/cm3, para os gases g/L ou g/mL.

11. CONVERSÕES DE UNIDADES

MA, MM e M

9. VOLUME MOLAR

É o volume ocupado por um mol de qualquer gás, a


uma determinada pressão e temperatura.

No caso de substâncias gasosas, o volume molar


(1 mol da substância) a 0ºC e 1atm é de 22,4L.

Técnico em Química Físico-Química 8


FÍSICO-QUÍMICA
12. ESCALA KELVIN DE TEMPERATURA • Volume molar: É o volume ocupado por
um mol de qualquer gás, a uma determinada
pressão e temperatura.

• Densidade: É a relação entre massa (m) e o


volume (v) de um material.

PARA FIXAR O CONTEÚDO

A. Questões discursivas:

1. Se o carbono-12 fosse dividido em doze fatias iguais,


cada uma corresponderia a uma unidade de massa
atômica. Nessas condições, a massa de 1 molécula de
butano, C4H10 ?

2. Qual é massa molar do ácido acético?


Dados: C = 12g/mol; H = 1g/mol; O = 16g/mol.

IDEIAS-CHAVE

Massa atômica, Número de massa, Massa Molecular,


Constante de Avogadro, Massa Molar, Número de mol,
Volume molar, Densidade, Conversões de unidades,
Escala kelvin de temperatura.
3. A magnetita, um minério do qual se extrai ferro
possui fórmula molecular Fe3Ox e sua massa molecular
RECAPITULANDO...
é 232u. Determine o valor de x e escreva a fórmula
molecular correta da magnetita.
• Conferência da União Internacional de Química
Pura e Aplicada (IUPAC), adotou-se como padrão 4. O DDT, um inseticida largamente utilizado durante
de massas atômicas o isótopo 12 do elemento décadas e altamente tóxico, possui fórmula molecular
carbono (12C), ao qual se convencionou atribuir o C14H9Clx e massa molecular 354,5u. Determine o valor
valor exato de 12 unidades de massa atômica. de x.
• Massa atômica: É o número que indica
quantas vezes a massa de um átomo de um 5.
determinado elemento é mais pesada que 1u,
ou seja, 1/12 do átomo de 12C.

• As massas atômicas que encontramos nas ta-


belas periódicas são sempre a média ponderada
dos isótopos.

• A massa molecular é a soma das massas atô-


micas dos átomos que compõem uma molécula.
Sua unidade é u.

• A constante que deu origem à grandeza quan-


tidade de matéria que é denominada constante de A jadeíte, também chamada de silicato de alumínio
Avogadro é igual a 6,02 x 1023 mol-1. e sódio (NaAlSi2O6) é um mineral muito utilizado por
artesãos para a confecção de peças de ornamentação
• Mol é quantidade de substância que contém e decoração, como joias e estatuetas. Qual o número
6,02 x 1023 entidades. de mol deste mineral com massa igual a 1414 gramas?
• O cálculo da massa molar de uma substância
é feita da mesma forma que o cálculo da massa 6. Em uma partida de futebol, um atleta gasta cerca
molecular. Assim sendo, o valor numérico é o de 720 kcal, o que equivale a 180 g do carboidrato
mesmo, mas a unidade passa a ser gramas por C3H6O3. Qual é a quantidade de matéria do carboidrato
mol (g/mol). correspondente?

Técnico em Química Físico-Química 9


FÍSICO-QUÍMICA
7. Ferormônios são compostos orgânicos secretados a. 270,5 u.
pelas fêmeas de determinadas espécies de insetos com b. 180,5 u.
diversas funções, como a reprodutiva, por exemplo. c. 109,5 u.
Considerando que um determinado ferormônio d. 312,5 u.
possui fórmula molecular (C19H38O) e normalmente a e. 415,5 u.
quantidade secretada é cerca de 1,0x10-12 g, qual o
número de moléculas existentes nessa massa? 3. Dentre as seguintes séries de elementos químicos:

8. Nas CNTP, 5,6L de gás ideal XO2 têm massa igual a I. fósforo, magnésio, cobre e mercúrio
11g. Qual é a massa atômica de X ? II. sódio, ferro, prata e chumbo
Dados: O = 16u, volume molar dos gases nas CNTP III. carbono, cloro, ouro e urânio
= 22,4L/mol. IV. alumínio, cálcio, zinco e hidrogênio

9. Ao ingerirmos um copo com 180ml de água, quantas as que apresentam os elementos em ordem crescente
moléculas dessa substância nosso organismo estará das massas são as da alternativa:
recebendo?
a. I e II
Dados: b. II e III
c. I e III
I. Massa molar da água = 18g/mol d. III e IV
II. Densidade da água = 1,0g/ml e. I e IV
III. Constante de Avogadro = 6,0x1023
4. O cromo natural é uma mistura de quatro isótopos
10. Estima-se que a usina termoelétrica que se com as seguintes massas isotópicas e abundância
pretende construir em cidade próxima a Campinas, e naturais.
que funcionará à base de resíduos da destilação do
petróleo, poderá lançar na atmosfera, diariamente, MASSA ISOTÓPICA ABUNDÂNCIA NATURAL
cerca de 250 toneladas de SO2‚ gasoso. (%)
49.946 4.35
a. Quantas toneladas de enxofre estão contidas nessa
massa de SO2? 51.941 83.79
b. Considerando que a densidade do enxofre sólido é 52.941 9.50
de 2,0kg/L, a que volume, em litros, corresponde essa 53.939 2.36
massa de enxofre?
Baseados nesses dados, calcule a massa atômica do
B. Questões de múltipla escolha. cromo.
1. Assinale a opção que apresenta as massas a. 49.95
moleculares dos seguintes compostos: C6H12O6; b. 51.90
Ca3(PO4)2 e Ca(OH)2, respectivamente: c. 52.00
d. 208.50
Dados: H = 1 u; C = 12 u; O = 16 u; Ca = 40 u; P = 31 u. e. 208.77
a. 180, 310 e 74. 5. O elemento hidrogênio apresenta isótopos com
b. 150, 340 e 73. números de massa 1, 2 e 3. O elemento cloro apresenta
c. 180, 150 e 74. isótopos com números de massa 35 e 37. Moléculas de
d. 200, 214 e 58. cloreto de hidrogênio tem, portanto, massa variável entre:
e. 180, 310 e 72.
a. 1 e 37
2. Leia o texto: b. 32 e 36
c. 35 e 37
“O nome sal hidratado indica um composto sólido que d. 36 e 40
possui quantidades bem definidas de moléculas de e. 38 e 40
H2O associadas aos íons. Por isso, a massa molecular
de um sal hidratado deve sempre englobar moléculas 6. Se um dentista usou em seu trabalho 30 mg de
de H2O”. amálgama de prata, cujo teor em prata é de 72% (em
massa), o número de átomos de prata que o cliente
Com base nas informações desse texto, qual deverá recebeu em sua arcada dentária é de, aproximadamente
ser a massa molecular do sal hidratado FeCl3.H2O?        (Dados: Ag = 108; número de Avogadro = 6,0 . 1023):
Dados: H = 1u; O = 16 u; Cl = 35,5 u; Fe = 56 u

Técnico em Química Físico-Química 10


FÍSICO-QUÍMICA
a. 4,0 . 1023 ___________________________________________
b. 12,0 . 1019 ___________________________________________
c. 4,6 . 1019 __________________________________________
___________________________________________
d. 12,0 . 1024 ___________________________________________
e. 1,6 . 1023 ___________________________________________
___________________________________________
7. 0,25 mol de uma substância pesa 21 g, pode-se ___________________________________________
afirmar que a massa molar dessa substância vale, em __________________________________________
___________________________________________
g/mol. ___________________________________________
___________________________________________
a. 21 ___________________________________________
b. 42 ___________________________________________
c. 60 ___________________________________________
___________________________________________
d. 84 __________________________________________
e. 100 ___________________________________________
___________________________________________
8. O inseticida Parathion tem a seguinte fórmula ___________________________________________
molecular: C10H14O5NSP. Qual é a massa molar desse ___________________________________________
___________________________________________
inseticida: ___________________________________________
__________________________________________
a. 53 g/mol ___________________________________________
b. 106 g/mol ___________________________________________
c. 152 g/mol ___________________________________________
___________________________________________
d. 260 g/mol ___________________________________________
e. 291 g/mol ___________________________________________
__________________________________________
9. Em 3,0 mol de H2SO4 e 5,0 mol de Br2, existem, ___________________________________________
respectivamente: ___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
a. 1,8 . 1024 moléculas e 3,01 . 1024 moléculas ___________________________________________
b. 3,0 . 1023 moléculas e 5,0 . 1023 moléculas ___________________________________________
c. 1,8 . 1024 moléculas e 3,01 . 1024 átomos __________________________________________
d. 1,8 . 1024 átomos e 3,01 . 1024 moléculas ___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
10 . Tomando-se 1kg de cada uma das substância ___________________________________________
abaixo relacionadas, encontra-se o maior número de ___________________________________________
mol na massa de: ___________________________________________
__________________________________________
a. água ___________________________________________
b. metano (CH4) ___________________________________________
___________________________________________
c. gás carbônico (CO2) ___________________________________________
d. etano (C2H6) ___________________________________________
e. propano (C3H8) ___________________________________________
__________________________________________
ANOTAÇÕES ESPECIAIS: ___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
__________________________________________ __________________________________________
__________________________________________ ___________________________________________
__________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ __________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
__________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ __________________________________________
Técnico em Química Físico-Química 11
FÍSICO-QUÍMICA

UNIDADE II
ESTUDO DOS GASES

Fonte: Estado gasoso, http://quimicaufsc.br

O conhecimento das propriedades dos gases é • Gás Ideal ou Perfeito


de grande importância, uma vez que estão muito
presentes em nosso cotidiano. É um modelo teórico. É um gás que obedece às
equações p.V/T = k e p.V = n.R.T, com exatidão
A maioria dos gases são compostos moleculares, matemática.
com exceção dos gases nobres, que são formados por
átomos isolados. • Gás Real

1. GÁS REAL, GÁS IDEAL OU GÁS PERFEITO. É aquele que encontramos na natureza, ou seja,
os gases comuns aos quais podemos a qualquer
Para que possamos estudar os gases, é necessário momento nos deparar com uma amostra real. Um gás
antes de qualquer coisa definir três tipos de gases: O real tende para o gás ideal quando a pressão tende a
gás real, o gás ideal e o gás perfeito. zero e a temperatura se eleva;

2. TEORIA CINÉTICA E MOLECULAR DOS GASES que estão confinados. Além disso, o gás se dilata
quando aquecido e se contrai quando resfriado.
Com relação aos Gases Ideais, podemos dizer • Os gases são miscíveis entre si em
que ela nos mostra a relação entre pressão, volume, qualquer proporção, ou seja, apresentam grande
temperatura e número de mols. Essa relação é difusibilidade;
obtida a partir de um modelo simples para os gases, • Os gases são formados por partículas
que permite determinar a relação entre grandezas minúsculas que apresentam grande liberdade de
macroscópicas a partir do estudo do movimento de movimentação. De modo desordenado e contínuo,
átomos e moléculas. elas se chocam umas com as outras e com as
paredes do recipiente, exercendo uma pressão
Desse modo, vejamos as características gerais dos uniforme sobre ele. Essa pressão é a intensidade
gases, segundo a teoria cinética: da força de colisão com as paredes por unidade de
área. As partículas de um gás não se depositam
• Grande compressibilidade e capacidade de no solo pela ação da gravidade, uma vez que se
expansão. Por não apresentarem um volume movimentam velozmente;
fixo, os gases ocupam o volume do recipiente em • Quanto maior for o número de choques

Técnico em Química Físico-Química 12


FÍSICO-QUÍMICA
realizado pelas partículas do gás em um recipiente, 3. VARIÁVEIS DE ESTADO DOS GASES
maior será a pressão exercida por ele;
• O choque realizado entre as partículas do • Pressão
gás ideal deve ser elástico, ou seja, sem perda de
energia cinética; Em um frasco fechado, a pressão exercida por um
• Todo gás tem massa; gás resulta dos choques entre as partículas desse gás
• O aumento da temperatura provoca um contra as paredes internas do recipiente que o contém.
aumento na energia cinética das partículas do gás,
que faz com que elas se movimentem mais rápido; Gás confinado

Fonte: http://rilf-cmm.blogspot.com/2010/05/estudo-dos-gases.html

Torricelli determinou experimentalmente que a


pressão exercida pela atmosfera ao nível do mar
corresponde à pressão exercida por uma coluna de
mercúrio de 760mm:
Fonte: http://www.alunosonline.com.br/quimica/teoria-cinetica-dos-gases-ou-teoria-gas-

ideal.html 1atm = 760mmHg = 101,3kPa = 1,0bar = 760 torr

• Volume • Temperatura

O volume de uma amostra gasosa é igual ao volume A temperatura de um gás está relacionada com o
interno do recipiente que a contém. grau de agitação das suas moléculas.
As unidades de volume mais usadas são: Existem várias escalas termométricas, entretanto, no
estudo dos gases, usa-se a escala absoluta ou Kelvin (K).
1L = 1dm3 = 1000cm3 = 1000mL = 0,001m3
No Brasil, as temperaturas são medidas na escala
Celsius (°C), portanto, devemos converter os valores
de temperatura para Kelvin:

Técnico em Química Físico-Química 13


FÍSICO-QUÍMICA

Fonte: http://www.kalipedia.com/celsius.kelvin

4. TRANSFORMAÇÕES GASOSAS

• Isotérmica

A temperatura constante, a pressão e o volume de


uma amostra de gás variam de modo inversamente
proporcional, fato conhecido como Lei de Boyle.

Fonte: http://transformacoes-gasosas.html

Matematicamente, podemos expressar essa lei da


seguinte maneira:

P . V = constante

Podemos também dizer que:

Fonte: http://estudodosgases.blogspot.com.br/2012/10/lei-dos-gases.html

Técnico em Química Físico-Química 14


FÍSICO-QUÍMICA
• Isobárica Um aumento da temperatura acarreta um aumento
da pressão exercida pelo gás.
À pressão constante, o volume de uma massa fixa
de um gás varia linearmente com a temperatura do
gás, conhecida como a Lei de Charles/Gay-Lussac.

Fonte: http://termologia-optica-e_09.html

Matematicamente:
Fonte: http://www.profpc.com.br/gases.htm
P = constante
Um aumento na temperatura acarreta um aumento T
do volume ocupado pelo gás. Podemos também dizer que:

5 . EQUAÇÃO GERAL DOS GASES

A lei de Boyle e as leis de Charles e Gay-Lussac


podem ser reunidas e formar uma única expressão
conhecida como equação geral dos gases:

Fonte: http:// cursos-do-blog-termologia-optica-e_09.html

Matematicamente:
6 . VOLUME MOLAR
V = constante
T
É o volume ocupado por 1 mol de um gás a uma
Podemos também dizer que:
determinada pressão e temperatura. O volume molar
foi determinado experimentalmente considerando-
se as Condições Normais de Temperatura e Pressão
(CNTP), ou seja, à pressão de 1 atm e temperatura de
273K, o que corresponde a 22,4L.
• Isocórica ou isovolumétrica
7. LEI DE AVOGADRO
O volume constante, a pressão de uma massa
fixa de gás é diretamente proporcional a temperatura Volumes iguais de gases quaisquer, nas mesmas
absoluta do gás. condições de pressão e temperatura, contêm igual
número de moléculas.

Fonte: http://www.profpc.com.br/gasesmoleculas.htm
http://www.profpc.com.br/gases.htm

Técnico em Química Físico-Química 15


FÍSICO-QUÍMICA
8. EQUAÇÃO DE CLAPEYRON RECAPITULANDO...

Para uma massa constante de um mesmo gás, vale • Gás Ideal ou Perfeito um gás que obedece às
sempre a relação: equações p.V/T = k e p.V = n.R.T.

• Teoria cinética e molecular dos gases A teoria


procura descrever o comportamento deste estado
de agregação através de um modelo conceptual
simples.
O valor da constante depende do número de mol do
gás. Para 1 mol de qualquer gás: • Variáveis de estado dos gases: Pressão,
temperatura, volume.

• Transformações gasosas: isotérmica –


temperatura constante, isobárica – pressão
constante e isocórica – volume constante.
O valor de R nas CNTP é 0,082 atm.L/K.mol.
• Equação geral dos gases reuni as leis de
Dependendo das unidades empregadas para Boyle de Charles e Gay-Lussac
indicar as outras grandezas teremos valores diferentes
de R, como por exemplo, 62,3mmHg.L/mol.K. • Equação de Clapeyron P.V = n.R.T

Para um número de mol qualquer, temos: • Densidade absoluta de um gás, em


determinada pressão e temperatura, é o quociente
entre a massa e o volume do gás.

PARA FIXAR O CONTEÚDO

9. DENSIDADE DOS GASES A. Questões discursivas

Densidade absoluta de um gás, em determinada


pressão e temperatura, é o quociente entre a massa e 1. Um gás ideal ocupa 6 litros, a uma pressão de 3
o volume do gás. atm. Se sofrer uma expansão isotérmica até 9 litros,
qual sua nova pressão?

2. Um gás ideal tem pressão desconhecida e


ocupa 4 litros; foi transportado isotermicamente
para um recipiente de 2 litros, com pressão
No entanto, podemos calcular a densidade com de 1520mm Hg. Qual a sua pressão inicial?
auxílio da equação de Clapeyron:
3. Certo gás ideal ocupa 3 litros a 127ºC. Qual seu novo
volume a 527ºC, se a pressão permanecer constante?

4. Um gás ideal ocupa 4000 mL a 300K. Qual seu novo


volume em litros a 627 ºC?

5. Qual a pressão em atmosfera de um gás que


estava a 1520mm Hg, a 27ºC, e passou a 177ºC
isometricamente?
6. A temperatura de uma certa quantidade de gás ideal,
à pressão de 1,0 atm, cai de 400K para 320K. Se o
volume permaneceu constante, qual a nova pressão?
IDEIAS-CHAVE
7. Um gás perfeito tem volume de 300cm3 a certa
pressão e temperatura. Duplicando simultaneamente
Gás real; Gás ideal; Gás perfeito; Teoria Cinética
a pressão e a temperatura absoluta do gás, qual o seu
e Molecular dos Gases; Características gerais dos
volume?
gases; Variáveis de estado dos gases; Transformações
gasosas; Equação Geral dos Gases; Volume molar; 8. Uma bolha de gás ideal, com volume V, é solta do
Lei de Avogadro; Equação de Clapeyron; Densidade fundo de um lago, onde a pressão é o dobro da pressão
dos gases. existente na superfície. Suponha a temperatura da

Técnico em Química Físico-Química 16


FÍSICO-QUÍMICA
água constante, a bolha chegará a superfície, com 7.( ) Quando a pressão permanece constante, a
qual volume? transformação gasosa é isotérmica.
8.( ) É obrigatória a utilização da escala Kelvin na
9. A que temperatura temos de elevar 400mL de um lei geral dos gases.
gás ideal a 15°C para que o seu volume atinja 500mL, 9.( ) Considerando-se que o volume do gás é
sob pressão constante. constante, temos que a transformação é
isocórica.
10. Em condições tais que um gás se comporte como 10.( ) Pressão e a temperatura não são grandezas
ideal, as variáveis de estado assumem os valores diretamente proporcionais.
300K, 2m3 (metro cúbico) e 40000Pa, num estado A.
Sofrendo certa transformação, o sistema chega ao C. Questões de múltipla escolha.
estado B, em que os valores são 450K, 3m3 e P. Qual
o valor de P? 1. O comportamento de um gás real aproxima-se do de
um gás ideal ou perfeito quando:
11. Determine o número de mols de um gás que ocupa
volume de 90 litros. Esse gás está a uma pressão de
a. submetido a baixas temperaturas.
2 atm e a uma temperatura de 100K. (Dado: R = 0,082
atm.L/mol.K) b. submetido a baixas temperaturas e baixas pressões.
c. submetido a altas temperaturas e altas pressões.
12. Determine o volume molar de um gás ideal, cujas d. submetido a altas temperaturas e baixas pressões.
condições estejam normais, ou seja, a temperatura à e. submetido a baixas temperaturas e altas pressões.
273K e a pressão a 1 atm. (Dado: R = 0,082 atm.L/
mol.K) 2. Duas amostras de um gás perfeito submetidas a
uma mesma pressão ocupam volumes iguais quando
13. Um recipiente rígido contém 2 gramas de oxigênio
a temperatura da primeira é 10ºC e da segunda 100ºC.
à pressão de 20 atmosferas e temperatura de 47ºC.
Sabendo que a massa molecular do gás oxigênio é A relação entre os números de mol é:
32 e que R = 0,082 atm∙L/mol∙K, qual é o volume do
recipiente? a. 1,31
b. 0,76
14. A 18ºC e 765 mm de mercúrio, 1,29 litro de um c. 10
gás ideal tem massa 2,71 gramas. Qual a massa molar d. 0,1
aproximada do gás? e. 0,33
15. Uma amostra de argônio ocupa volume de 112
litros a 0ºC e sob pressão de 1 atmosfera. Sabe-se 3. 10 mol de moléculas de He à temperatura de 273 K
que a massa molecular do argônio é aproximadamente e à pressão de 2 atmosferas ocupam o mesmo volume
igual a 40. que x mol de moléculas de Ne à temperatura de 546 K
e à pressão de 4 atmosferas; x é melhor expresso por:
a. Quantos mol de moléculas de argônio há na
amostra? a. 2,5
b. 4
b. Qual a massa, em gramas, da amostra  gasosa? c. 5
d. 7,5
B. Leia atentamente as afirmativas e marque V para e. 10
as verdadeiras e F para as falsas.
4. Um certo gás ocupa um volume de 41 litros, sob
1.( ) Nas CNTP, o volume ocupado por um mol pressão de 2,9 atmosferas à temperatura de 17ºC.
de certo gás ideal depende do número de
moléculas. O número de Avogadro vale 6,02x1023 e a constante
2.( ) Na equação de Clapeyron (pV = nRT), o valor universal dos gases perfeitos
de R depende das unidades empregadas.
3.( ) Numa transformação de estado de um gás, a pressão R = 0,082 atm∙L/mol∙K. Nessas condições, o número
sempre aumenta com o aumento de volume. de moléculas contidas no gás é, aproximadamente:
4.( ) As variáveis de estado de um gás são: massa,
volume e número de moléculas.
5.( ) A transformação isotérmica também é a. 3,00∙1024
conhecida como Leis de Charles e Gay-Lussac. b. 5,00∙1023
6.( ) Charles e Gay-Lussac concluíram que, a c. 6,02∙1023
volume permanece constante, a pressão de d. 2,00∙1024
dada massa de gás é diretamente proporcional e. 3,00∙1029
à temperatura absoluta.

Técnico em Química Físico-Química 17


FÍSICO-QUÍMICA
5. voltarem lentamente à superfície, sem prender sua
respiração em hipótese alguma, a fim de permitir que
ocorra a gradativa descompressão. O aprisionamento
do ar nos pulmões pode ser fatal para o mergulhador
durante a subida, pois, nesse caso, a transformação
sofrida pelo ar nos pulmões é:

a. isotérmica, com aumento do volume do ar.


b. isobárica, com redução do volume do ar.                         
c. isobárica, com aumento da temperatura do ar.
d. isotérmica, com aumento da pressão do ar.                      
e. isovolumétrica, com diminuição da pressão do ar.
O gráfico acima mostra a isoterma de uma
quantidade de gás que é levado de um estado 1 para 10. Qual dos gráficos a seguir melhor representa o que
um estado 2. O volume do estado 2, em litros, é: acontece com a pressão no interior de um recipiente
contendo um gás ideal, a volume constante, quando a
a. 2 L temperatura aumenta?
b. 4,5 L
c. 6 L
d. 4 L
e. 3 L

6. Em condições tais que um gás se comporta como


ideal, as variáveis de estado assumem os valores 300
K, 2,0 m3 e 4,0 x 10 4 Pa, num estado A. Sofrendo certa
transformação, o sistema chega ao estado B, em que os
valores são 450 K, 3,0 m3 e p. O valor de p, em Pa, é:

a. 1,3 x 10 4
b. 2,7 x 10 4
c. 4,0 x 10 4
d. 6,0 x 10 4
e. 1,2 x 10 5

7. Você brincou de encher, com ar, um balão de gás,


na beira da praia, até um volume de 1 L e o fechou. ANOTAÇÕES ESPECIAIS:
Em seguida, subiu uma encosta próxima carregando
o balão, até uma altitude de 900 m, onde a pressão __________________________________________
atmosférica é 10% menor do que a pressão ao nível __________________________________________
do mar. Considerando que a temperatura na praia e na __________________________________________
__________________________________________
encosta seja a mesma, o volume de ar no balão, em L, __________________________________________
após a subida, será de: _________________________________________
_________________________________________
a. 0,8 _________________________________________
b. 0,9 _________________________________________
_________________________________________
c. 1,0 _________________________________________
d. 1,1 _________________________________________
e. 1,2 _________________________________________
_________________________________________
8. Um balão de aniversário, cheio de gás Hélio, solta-se __________________________________________
__________________________________________
da mão de uma criança, subindo até grandes altitudes. __________________________________________
Durante a subida, é CORRETO afirmar: __________________________________________
__________________________________________
a. O volume do balão diminui. __________________________________________
b. A pressão do gás no interior do balão aumenta.  __________________________________________
__________________________________________
c. O volume do balão aumenta. __________________________________________
d. O volume do balão permanece constante. __________________________________________
e. A pressão externa não se altera. __________________________________________
9. Nas lições iniciais de um curso de mergulho com __________________________________________
equipamento autônomo, os alunos são instruídos a
Técnico em Química Físico-Química 18
FÍSICO-QUÍMICA

UNIDADE III
TERMOQUÍMICA

Fonte: http://www.alunosonline.com.br/quimica

As transformações físicas e as reações químicas


quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho
de calor. A Termoquímica é uma parte da Química que
faz o estudo das quantidades de calor liberadas ou
absorvidas durante as reações químicas.

1. A ENERGIA E AS TRANSFORMAÇÕES DA
MATÉRIA

A importância de conhecer (e controlar) essas


trocas de calor é imensa. A expansão do vapor da
água, por exemplo, era a energia aproveitada nas
antigas locomotivas a vapor, e, em nosso dias, essa
energia é empregada para adicionar modernas
turbinas – em usinas termoelétricas, na propulsão de
grandes navios, etc.

No esquema abaixo, mostramos a associação da


energia (calor) com os fenômenos físicos denominados
mudanças do estado de agregação da matéria: Fonte: http://colegioweb.com.br

Analogicamente, as transformações químicas também são acompanhadas por liberação ou absorção de energia,
conforme exemplificamos na tabela abaixo:

REAÇÕES QUE LIBERAM ENERGIA REAÇÕES QUE ABSORVEM ENERGIA


Queima do carvão Cozimento de alimentos
Queima da vela Fotossíntese das plantas, o sol fornece
energia.
Reação química em uma pilha Pancada violenta inicia a detonação de um
explosivo
Queima da gasolina no carro Cromagem em parachoque de carro
2. CALORIMETRIA Para entendê-lo, pense em uma xícara de café quente
sobre a sua mesa. Após algum tempo, esse café
É o estudo e a medição das quantidades de calor estará frio, ou melhor, com a mesma temperatura
liberadas ou absorvidas durante os fenômenos físicos que o ambiente. Esse fenômeno ocorre com todos os
e ou químicos. corpos que estão em contato de alguma forma e com
temperaturas diferentes.
Na natureza, encontramos a energia em diversas
formas. Uma delas, que é muito importante, é o calor.

Técnico em Química Físico-Química 19


FÍSICO-QUÍMICA
• Trocas de calor

A definição de calor é usada apenas para


indicar a energia que está sendo transferida,
e não a energia que o corpo possui.
A unidade de medida da quantidade de calor Q no
Sistema Internacional (SI) é o joule (J):

• Calor sensível

Quando há variação de temperatura sem


que haja variação do estado físico da
matéria, dizemos que o calor é sensível.
Podemos calcular o calor sensível pela equação:

Onde:
Q = quantidade de calor
• Temperatura m = massa do corpo
c = calor específico *
Os objetos na natureza, assim como nós, são ∆T = variação da temperatura
feitos de pequenas partículas que conhecemos com
o nome de moléculas. Com elas ocorre algo invisível.
* O Calor específico é uma grandeza que depende da
Elas estão em constante estado de agitação ou de
composição de cada substância. 
movimentação, como ocorre em líquidos ou gases.
Essa situação não é constante, elas podem estar mais
ou menos agitadas, dependendo do estado energético Substância Calor específico (Cal/gºC)
em que elas se encontram.
Chumbo 0,031
O que se observa é que quanto mais quente está o Prata 0,056
corpo, maior é a agitação molecular e o inverso também Ferro 0,11
é verdadeiro, ou seja, a temperatura é uma grandeza
Água 1,0
física que está associada de alguma forma ao estado
de movimentação ou agitação das moléculas. • Unidades de quantidades de calor

É usual expressar a quantidade de calor em


calorias (cal).

Caloria: (cal) é a quantidade de calor necessária para


elevar em 1°C a temperatura de 1,0 grama de água.

Fonte: http://educacao.uol.com.br/ A relação entre caloria e joule foi determinada por


Joule numa das experiências mais importantes da
A temperatura no recipiente 2 é maior do que no história da física. Essa experiência tornou evidente que
recipiente 1, pois lá a movimentação molecular é maior. calor é energia e estabeleceu o equivalente mecânico
A temperatura, atualmente, pode ser medida em três do calor, nome dado à relação entre caloria e joule:
escalas termométricas. Celsius, Fahrenheit e Kelvin.
A conversão entre essas escalas pode ser feita pelas
seguintes relações matemáticas:

3. PODER CALÓRICO DOS ALIMENTOS


Uma alimentação saudável deve conter proteínas,
carboidratos, lipídios, vitaminas, sais minerais, fibras
vegetais etc.

Técnico em Química Físico-Química 20


FÍSICO-QUÍMICA
Numa dieta balanceada, a quantidade de energia • Proteínas ou protídeos: Exemplos: Carnes,
contida nos alimentos ingeridos dever ser igual à ovos, leite e seus derivados.
necessária para a manutenção do nosso organismo.
Portanto, os alimentos são fonte de energia necessária
para manter os processos vitais, a manutenção da
temperatura corpórea, os movimentos musculares, a
produção de novas células etc.

Se ingerimos uma quantidade de alimento superior


à necessária, o excesso será transformado em tecido
gorduroso (adiposo), provocando aumento de “peso”.
Os valores energéticos dos alimentos são estimados
em função das suas porcentagens em carboidratos,
proteínas e gorduras.

Os valores energéticos dos alimentos são estimados Fonte: http://www.mundoeducacao.com/quimica


em função das suas porcentagens em carboidratos,
proteínas e gorduras. • Óleo e gorduras ou lipídios: Exemplos: azei-
tes, manteigas, margarina, abacate, coco, choco-
late e oleaginosas, castanhas, nozes e amendoim.

Fonte: http://www.mundoeducacao.com/quimica

• Carboidratos ou glicídios: Exemplos: batata,


macarrão, pães, arroz, milho, frutas e doces.

Os objetos na natureza, assim como nós,


são feitos de pequenas partículas que
conhecemos com o nome de moléculas.
Com elas ocorre algo invisível. Elas estão
em constante estado de agitação ou de
movimentação, como ocorre em líquidos
ou gases. Essa situação não é constante,
elas podem estar mais ou menos agitadas,
dependendo do estado energético em que
elas se encontram.

Fonte: http://www.mundoeducacao.com/quimica

Técnico em Química Físico-Química 21


FÍSICO-QUÍMICA
Tabela 1:

Valores obtidos com auxílio do calorímetro revelam que cada quilo de gordura pura, quando queimada, libera
aproximadamente 9 mil Kcal, para os açucares e proteínas, os valores aproximam-se de 4 mil por quilo de substância.

Tabela 2:

Uma das maneiras de se queimar calorias é com atividade física, abaixo uma tabela de como consumir energia.

4. ENTALPIA (H) A variação da entalpia pode ser determinada pela


equação acima, e depende da temperatura, pressão,
Entalpia é a quantidade de energia em uma estado físico, número de mol e da variedade alotrópica
determinada reação, podemos calcular o calor de um das substâncias.
sistema através da variação de entalpia (∆H).
Com o intuito de se calcular a entalpia de reações,
A variação da Entalpia (∆H) está na diferença entre a
foi criada uma forma padrão de realizar comparações,
entalpia dos produtos e a dos reagentes, sendo assim,
o calor de uma reação corresponde ao calor liberado ou chamada entalpia-padrão, para que as entalpias sejam
absorvido em uma reação, veja como se calcula: comparadas de acordo com uma da mesma condição,
o que leva o nome de estado-padrão.

Técnico em Química Físico-Química 22


FÍSICO-QUÍMICA
5. PROCESSO EXOTÉRMICO Exemplo:

6. PROCESSO ENDOTÉRMICO

As reações exotérmicas possuem um balanço


negativo de energia quando se compara a entalpia total
dos reagentes com a dos produtos. Assim, a variação
entálpica final é negativa (-ΔH) (produtos menos
energéticos do que os reagentes) e indica que houve
mais liberação de energia (calor). Todos os processos
de combustão são reações exotérmicas.

Portanto, a temperatura final dos produtos é maior


que a temperatura inicial dos reagentes.

O esquema de uma reação exotérmica é


representado no gráfico a seguir:

As reações endotérmicas têm como característica


balanço energético positivo quando é comparada
a energia entálpica dos produtos em relação aos
reagentes. Assim, a variação dessa energia (variação
de entalpia) possui sinal positivo (+ΔH) e indica que
houve mais absorção de energia do meio externo.
Ambas em forma de calor.

Técnico em Química Físico-Química 23


FÍSICO-QUÍMICA
O esquema de uma reação exotérmica pode ser
representado da seguinte forma: No entanto, quando o valor da variação da
entalpia é medido para 1 mol de substância em
condições padrão, ele é denominado entalpia-
padrão.

ALOTROPIA

Alotropia é o fenômeno em que um mesmo


elemento químico é capaz de formar duas ou mais
substâncias simples com o número de átomos ou
formas diferentes.

Se todos os reagentes e produtos estiverem no


estado padrão, a variação da entalpia será indicada
pelo seguinte símbolo ∆H0.

A entalpia-padrão é importante porque ela serve


Exemplo: como padrão de referência. Por exemplo, adotou-
se que para todas as substâncias simples nas
condições-padrão o valor da entalpia é igual a zero.

Por exemplo, o gás hidrogênio (H2), a 25 ºC, sob


1 atm, no estado gasoso H0= 0. Se ele estiver em
qualquer outra condição, a sua entalpia será H0≠ 0.

Quando a substância simples apresenta variedades


alotrópicas, o valor H0= 0 será atribuído à variedade
alotrópica mais comum. Por exemplo, o oxigênio
possui duas formas alotrópicas, a de gás oxigênio (O2)
e a de ozônio (O3), o gás oxigênio é o mais comum,
portanto, ele possui H0= 0 e o ozônio apresenta H0≠ 0.

Veja mais três exemplos:


• Carbono:
7. EQUAÇÕES TERMOQUÍMICAS
O Cgrafite possui H0= 0 e o Cdiamante apresenta H0≠ 0.
• Entalpia-padrão

Existem vários fatores que podem alterar a variação


da entalpia de um processo, tais como a temperatura, a
pressão, o estado físico, o número de mol e a variedade
alotrópica do composto. Por exemplo, abaixo temos
três reações de formação do dióxido de carbono, nas
mesmas condições de temperatura e pressão. Porém,
em cada um foi utilizada uma quantidade de matéria
para os reagentes. Em razão disso, a variação da
entalpia de cada reação possui um valor diferente:

C(grafite) + O2(g) → CO2(g)                    ∆H = -393 kJ (25ºC,


1 atm)

½ C(grafite) + ½ O2(g) → ½ CO2(g)        ∆H = -196,5 kJ (25ºC,


1 atm)

2 C(grafite) + 2 O2(g) → 2 CO2(g)           ∆H = -786 kJ (25ºC,


1 atm)

Técnico em Química Físico-Química 24


FÍSICO-QUÍMICA
• Fósforo: • Equação Termoquímica
O fósforo branco possui H0= 0 e o fósforo vermelho A entalpia de um elemento ou de uma substância
apresenta H0≠ 0. varia de acordo com o estado físico, a pressão, a
temperatura e a variedade alotrópica do elemento.
Logo, numa equação termoquímica, devemos indicar:

1. a variação de entalpia (∆H);

2. os estados físicos de todos os participan-


tes e, também, as variedades alotrópicas, caso
existam;

3. a temperatura e a pressão nas quais a rea-


ção ocorreu;

4. o número de mol dos elementos participan-


tes.

Exemplo:
• Enxofre:
O enxofre rômbico possui H0= 0 e o enxofre C(gr) + O2(g) → CO2(g)
monoclínico apresenta H0≠ 0.
∆H
= - 94kcal/mol (25°C, 1atm)

Normalmente, não são indicadas a pressão e a


temperatura em que a reação se realizou, pois se
admite que ela ocorreu no estado padrão, ou seja, à
pressão constante de 1 atm e a 25°C.

8. CALOR E ENTALPIA DAS REAÇÕES QUÍMICAS

Tipos de Entalpia

Entalpia de formação (ΔH°f): Também chamada de


calor de formação, a entalpia (H) de formação é o
calor liberado ou absorvido numa reação que forma 1
mol de uma substância simples no seu estado padrão.
Ex.: Um estudante de química deseja obter o valor
da entalpia de 1 mol de água, e dispõe dos dados
• Oxigênio: expressos na equação a seguir. Qual o cálculo ele
deve fazer?
O gás oxigênio possui H0= 0 e o gás ozônio
apresenta H0≠ 0. H2(g) + ½ O2(g) → H2O(l) ΔH°f = - 68kcal/mol

Resolução: Nesse caso, os reagentes são duas


substâncias simples no estado padrão e em condições
normais de temperatura e pressão (25°C e 1 atm),
tendo, assim, entalpia igual a zero. Sabe-se também
que a entalpia de formação da água é de -68kcal/mol.
Para calcular a variação de entalpia (ΔH), é utilizada a
fórmula:

ΔH = Hprodutos – Hreagentes

Substituindo os valores da fórmula temos:

- 68,4 kcal = HH2O – (HH2 + ½ HO2)


- 68,4 kcal = HH2O – 0
HH2O = - 68,4 kcal

Técnico em Química Físico-Química 25


FÍSICO-QUÍMICA
Logo, a entalpia de 1 mol água é de - 68,4 kcal, processo muda: fica exotérmico.
e a reação de formação da água é exotérmica (libera
energia). Ex: Com base nos dados da tabela:

Entalpia de combustão (ΔH°c): A combustão  Ligação Energia de Ligação kJ/mol


consiste na reação química entre dois ou mais
reagentes (combustíveis e comburentes) com H–H 436
grande liberação de energia na forma de calor. Assim, Cl – Cl 243
todas as reações de combustão são extremamente H – Cl 432
exotérmicas (mesmo que necessitem de uma fonte de
ignição para ocorrerem). Calcule o ∆H da reação representada H2(g) + Cl2(g) →
2HCl(g), dado em kJ por mol:
Ex: Determine a entalpia de combustão do etanol, em
kcal/mol: ∆H = [2 (- 432) + (436 + 243)
∆H = - 864 + 679
Entalpia de formação de C2H6O(l) = – 66 kcal/mol ∆H = - 185kJ/mol
Entalpia de formação de CO2(g) = – 94 kcal/mol
Entalpia de formação de H2O(l) = – 68 kcal/mol 10. LEI DE HESS

C2H6O(l) + 3O2(g) → 2CO2(g) + 3H2O(l) ΔH =?

ΔH = Hfinal – Hinicial
ΔH = [2 (– 94) + 3(– 68)] – [(– 66) + zero]
ΔH = – 326 kcal/mol

9. ENERGIA DE LIGAÇÃO

O químico e médico Germain Henry Hess (1802-


1850) desenvolveu importantes trabalhos na área de
Termoquímica.

A Lei de Hess é uma lei experimental e estabelece


que a variação de entalpia de uma reação química
depende apenas dos estados inicial e final da reação.

A Lei de Hess também conhecida por Lei da Soma


dos Calores de Reação. É uma forma de calcular a
variação de entalpia através dos calores das reações
Energia de ligação é a energia absorvida na quebra intermediárias. Podem ser infinitas variações de
de 1 mol de ligações, no estado gasoso, a 25 °C e 1 atm. entalpia.

Quando ocorrem reações químicas, ocorre também De acordo com essa lei, é possível calcular a
quebra das ligações existentes nos reagentes, mas variação de entalpia de uma reação por meio da soma
novas ligações são formadas nos produtos. Esse algébrica de equações químicas de reações que
processo envolve o estudo da variação de energia que possuam ΔH conhecidos.
permite determinar a variação de entalpia das reações.
O fornecimento de energia permite a quebra de ligação
dos reagentes, esse processo é endotérmico, mas à
medida que as ligações entre os produtos se formam o

Técnico em Química Físico-Química 26


FÍSICO-QUÍMICA
Exemplo:

Calcule a variação de entalpia da seguinte reação através da Lei de Hess:

Dados:

Resolução:

1. Deve-se escrever todas as equações intermediárias (dados) de acordo com a reação global. Na primeira
equação, o que há em comum é o C(grafite). Então, ele deve ser escrito da mesma forma (como reagente e 1mol).
2. A segunda equação tem em comum com a reação global o H2(g). Nos dados, esta espécie química não está
exatamente igual como na global. Deve-se multiplicar toda a equação por 2, inclusive a ΔH2.    
3. A terceira equação tem em comum com a reação global o CH4(g) deve-se inverter a posição desta equação e,
portanto trocar o sinal da ΔH3.

Veja como deve ser feito:

11. ENTROPIA (S)

Técnico em Química Físico-Química 27


FÍSICO-QUÍMICA
A entropia é uma grandeza termodinâmica que 12. ENERGIA LIVRE DE GIBBS (G)
mede a desordem de um sistema e a espontaneidade
dos processos físicos.

A grandeza termodinâmica denominada entropia,


simbolizada pela letra S, está relacionada ao grau
de organização de um sistema. Quanto maior a
desordem do sistema, maior a entropia.

Por exemplo, imagine que coloquemos o cloreto


de sódio (NaCl) em água. O que ocorre é a sua
dissociação iônica, liberando íons na água, conforme
mostrado abaixo:

1 NaCl(s) → 1 Na+(aq) + 1 Cl-(aq)

Observe que 1 mol de moléculas do sal dá origem a


2 mol de íons dissociados. Os íons em solução estão
mais desorganizados que no sólido, o que quer dizer
que a entropia desse sistema aumentou.
No cotidiano e em laboratórios, existem reações
e transformações que são espontâneas e outras que
A variação da entropia, ∆S, é medida por:
não. Por exemplo, toda combustão é uma reação
espontânea, porque uma vez iniciada, ela irá continuar
até que todo o combustível seja consumido ou até que
todo o oxigênio acabe.

Por outro lado, a eletrólise é um processo não


espontâneo, em que a energia elétrica é transformada
em energia química. Um exemplo é a eletrólise
do cloreto de sódio (NaCl). Quando se passa uma
corrente elétrica sobre esse sal fundido, há reações
de oxirredução e a formação de sódio metálico (Na(s))
e gás cloro (Cl2(g)). Se pararmos de passar a corrente
elétrica, a reação não continuará sozinha, o que mostra
que ela não é espontânea.
Uma forma de prever se uma reação ocorrerá com
aumento ou diminuição de entropia é analisando o A espontaneidade de uma reação pode ser medida
estado físico dos reagentes e dos produtos. Os gases por meio da equação de Gibbs-Helmholtz (porque
têm mais entropia que os líquidos e esses que os foi proposta apenas por esse cientista em 1878), dada
abaixo:
sólidos.

Em que:

∆G = variação da energia livre;


O químico e médico Germain ∆H = variação da entalpia;
T = temperatura em Kelvin (sempre positiva);
Henry Hess (1802-1850) ∆S = variação da entropia.

desenvolveu importantes trabalhos Essa equação leva esse nome porque ela foi
proposta pelo físico norte-americano J. Willard Gibbs
na área de Termoquímica. (1839-1903) e pelo físico alemão Hermann Helmholtz
(1821-1894).

Técnico em Química Físico-Química 28


FÍSICO-QUÍMICA
Para entendermos melhor como essa equação nos • ∆G (Energia livre): A energia livre ou energia
ajuda a determinar a espontaneidade de uma reação, livre de Gibbs é a energia útil do sistema que é
relembremos brevemente cada um dos conceitos usada para realizar trabalho.
envolvidos nela:
• ∆H (variação da entalpia): Entalpia (H) é a Um sistema possui uma energia global, mas
quantidade de energia de uma substância. Até o apenas uma fração dessa energia será usada para
momento, não é conhecida nenhuma maneira de realizar trabalho, essa é a chamada energia livre de
determiná-la. Na prática, o que se consegue é Gibbs, simbolizada por G.
medir a variação da entalpia (∆H) de um processo,
utilizando-se calorímetros. Essa variação é a Segundo Gibbs, um processo é considerado
quantidade de energia que foi liberada ou espontâneo se realizar trabalho, ou seja, se G
absorvida no processo. diminuir. Nesse caso, o estado final da transformação
será mais estável que o inicial quando ∆G < 0.
• ∆S (variação da entropia): A entropia (S) é
a grandeza termodinâmica que mede o grau de Baseado nisso, podemos concluir o seguinte:
desordem de um sistema.

Podemos, também, ver se um processo será espontâneo olhando o sinal algébrico de ∆H e de ∆S na equação de
Gibbs-Helmholtz:

IDEIAS-CHAVE Condensação, solidificação: libera calor.

A energia e as transformações da matéria; Calorimetria; • Calorimetria: É o estudo e a medição das


Poder calórico dos alimentos; Entalpia; Processo quantidades de calor liberadas ou absorvidas
exotérmico; Processo endotérmico, Equações durante os fenômenos físicos e ou químicos.
termoquímicas; Entalpia de formação; Entalpia de
combustão; Energia de ligação; Lei de Hess; Entropia; • Caloria: (cal) é a quantidade de calor necessá-
Energia livre de Gibbs. ria para elevar em 1°C a temperatura de 1,0 grama
de água.
RECAPITULANDO...
• Valores obtidos com auxílio do calorímetro
• Fusão e vaporização: absorve calor – revelam que cada quilo de gordura pura, quando

Técnico em Química Físico-Química 29


FÍSICO-QUÍMICA
queimada, libera aproximadamente 9 mil Kcal, PARA FIXAR O CONTEÚDO
para os açucares e proteínas, os valores aproxi-
mam-se de 4 mil por quilo de substância. A. Questões discursivas

• A variação da Entalpia está na diferença entre


1. Considere os dados da tabela abaixo, a 25°C e
a entalpia dos produtos e a dos reagentes, sendo
1atm.
assim, o calor de uma reação corresponde ao calor
liberado ou absorvido em uma reação.
Entalpia de
• Processo Exotérmico ∆H negativo. Substância formação (KJ/mol)
Amônia (gás) - 46
• Processo Endotérmico ∆H positivo. Ácido clorídrico (gás) - 92
Cloreto de amônio (sólido) -314
• Alotropia é o fenômeno em que um mesmo
elemento químico é capaz de formar duas ou mais
substâncias simples com o número de átomos ou Calcule a variação de entalpia quando a base reage
formas diferentes com o ácido para formar o correspondente sal.

NH3 + HCl → NH4Cl


• Quando o valor da variação da entalpia é
medido para 1 mol de substância em condições
2. Calcule a ΔH na reação:
padrão (quando a substância está na sua forma
alotrópica mais estável, a temperatura de 25ºC e
2HBr(g) + Cl2(g) → 2HCl(g) + Br2(g) , conhecendo as
sob pressão de 1 atm), ele é denominado entalpia-
seguintes energias de ligação:
padrão.

• Entalpia de formação (ΔH°f): Também chama- Tipo de ligação Energia de ligação


da de calor de formação, a entalpia (H) de forma- (Kcal/mol)
ção é o calor liberado ou absorvido numa reação H – Br 87,4
que forma 1 mol de uma substância simples no Cl – Cl 57,9
seu estado padrão. H – Cl 103,1
• Entalpia de combustão (ΔH°c): A combustão Br – Br 46,1
consiste na reação química entre dois ou
mais reagentes (combustíveis e comburentes) 3. Qual o valor da variação de entalpia da reação a
seguir?
com grande liberação de energia na forma de
calor. Assim, todas as reações de combustão
são extremamente exotérmicas (mesmo que
necessitem de uma fonte de ignição para
ocorrerem). Dados (equações intermediárias):

• Energia de ligação é a energia absorvida na


quebra de 1 mol de ligações, no estado gasoso, a
25 °C e 1 atm.

• A Lei de Hess é uma lei experimental e esta-


belece que a variação de entalpia de uma reação
química depende apenas dos estados inicial e final 4. Dado:
da reação.
Calor de combustão de H2(g) = – 68 kcal/mol
• A grandeza termodinâmica denominada entro- Calor de combustão de CH4(g) = – 213 kcal/mol
pia, simbolizada pela letra S, está relacionada ao Qual dos dois combustíveis libertaria maior quantidade
grau de organização de um sistema. Quanto maior de calor por grama?
a desordem do sistema, maior a entropia. (C = 12, H = 1)

• A energia livre ou energia livre de Gibbs é a 5. Denomina-se dimerização ao processo no qual duas
energia útil do sistema que é usada para realizar moléculas iguais reúnem-se para formar uma única
estrutura.
trabalho.

Técnico em Química Físico-Química 30


FÍSICO-QUÍMICA
Exemplo: Determine o valor de ΔH do processo: 2HF(g) → H2(g)
+ F2(g)
2NO2(g) → N2O4(g)
12. O valor de ΔH de uma reação química pode ser
Determine o valor de ΔH da dimerização acima, sendo previsto através de diferentes caminhos. Iremos
dadas: determinar o ΔH do processo CH4(g) + F2(g) → CH3F(g) +
HF(g) utilizando a Lei de Hess.
Entalpia de NO2(g) = +34 kJ/mol
Entalpia de N2O4(g) = +10 kJ/mol Dados:

6. Determine a entalpia de combustão do etanol, em (Equação I) C(s) + 2H2(g) → CH4(g) ΔH =


kcal/mol, sendo dados: –75kJ
(Equação II) C(s) +3/2 H2(g) + 1/2F2(g) → CH3F(g) ΔH =
C2H6O(l) + 3O2(g) →2CO2(g) + 3H2O(l) –288kJ
(Equação III) 1/2H2(g) + 1/2F2(g) → HF(g) ΔH =
Entalpia de formação de C2H6O(l) = – 66 kcal/mol –271kJ
Entalpia de formação de CO2(g) = – 94 kcal/mol
Entalpia de formação de H2O(l) = – 68 kcal/mol 13. A equação abaixo representa a transformação do
óxido de ferro III em ferro metálico:
7. Com relação à questão anterior, determine a entalpia Fe2O3(s) +3 C(s) + 491,5 KJ → 2Fe(s) + 3CO(g)
de combustão do etanol em kcal/grama. (C = 12, O =
16, H = 1). A equação acima se trata de que processo? Justifique.

8. O gás SO3, importante poluente atmosférico, é 14. A imagem a seguir mostra a utilização de uma bolsa
formado de acordo com o esquema geral: de gelo instantâneo para aliviar uma lesão no joelho.

Sabendo que o processo de oxidação de SO2 a SO3


apresenta ΔH = –99 kJ/mol, determine a entalpia de
um mol de SO3 gasoso.

Dado:

Entalpia de SO2 = –297 kJ/mol A reação entre os componentes da bolsa produz


uma sensação de frio. Classifique o sistema em
SO2(g) + O2(g) → SO3(g) ΔH = –99kJ/mol endotérmico ou exotérmico e justifique sua resposta.

9. Dados: 15. Considere o esquema a seguir, no qual estão


demonstradas mudanças de estado físico de uma
Cgraf + O2(g) → CO2(g) ΔH = –94 kcal/mol substância:
Cdiam + O2(g) → CO2(g) ΔH = –94,5 kcal/mol

Calcule o ΔH da transformação de Cgraf em Cdiam.

10. Dadas as energias de ligação:

H — H . . . . . . . . . . .104 kcal/mol
Cl — Cl . . . . . . . . . . 59 kcal/mol

Qual a ligação mais forte? Justifique.

11. Dadas as energias de ligação em kcal/mol

HF . . . . . . . . . 135
H2 . . . . . . . . . 104 Dê o nome de cada mudança de estado e identifique
F2 . . . . . . . . . 37 os processos.

Técnico em Química Físico-Química 31


FÍSICO-QUÍMICA
B. Leia atentamente as afirmativas e marque V para 2. Antes de comprar um alimento, você lê o rótulo
as verdadeiras e F para as falsas. nutricional?

1.( ) Substâncias simples são constituídas por um No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária
único elemento. (ANVISA) é o órgão responsável pela regulação da
2.( ) Por convenção, substâncias simples no estado Rotulagem de Alimentos Industrializados. O rótulo dos
padrão apresentam entalpia maior que zero. produtos comercializados no país deve apresentar
3.( ) Calor de formação ou entalpia de formação informações gerais, como as que aparecem na figura:
ou ΔHf é a variação de entalpia na formação
de 1 mol de substância composta a partir de
substância simples no estado padrão.
4.( ) A entalpia padrão do CO2 (g), isto é, a entalpia
do CO2(g) a 25°C e 1 atm, é numericamente
igual ao seu Calor de Formação (25°C, 1 atm).
5.( ) A combustão da gasolina é uma reação
química que libera energia.
6.( ) O enxofre constitui-se na matéria prima
essencial na fabricação de H2SO4. No
estado sólido, o enxofre apresenta as formas
alotrópicas vermelha e branca.
7.( ) Verifica-se em laboratório que a preparação de
uma solução aquosa de H2SO4 adição deste à
água, causa um aumento na temperatura da
Além das informações gerais, todo alimento
solução quando comparada com a temperatura
original do solvente. Trata-se, portanto, de um produzido, comercializado e embalado na ausência do
processo endotérmico. cliente e pronto para ser oferecido ao consumidor deve
8.( ) Uma transformação líquido → vapor é um conter, obrigatoriamente, a rotulagem nutricional, que é
processo endotérmico. a descrição destinada a informar sobre as propriedades
9.( ) Um processo exotérmico é aquele que ocorre nutricionais de um alimento. A informação nutricional
a temperatura constante.
10.( ) Num processo endotérmico o calor é pode ser fornecida na forma de tabela ou por extenso
transferido para o meio ambiente. e indica as quantidades de alguns nutrientes presentes
em uma porção do alimento. Compreendendo as
C. Questões de múltipla escolha. informações nutricionais nos rótulos de alimentos, a
caloria está associada:
1. Muitos estudos têm demonstrado a necessidade
de uma dieta alimentar balanceada para diminuir a
a. a quantidade de gordura que a pessoa irá adquirir
incidência de doenças e aumentar a qualidade e o
tempo de vida do homem. ao consumir o alimento.
b. a quantidade de alimento que uma pessoa saudável
Durante o intervalo, um estudante consumiu um pode consumir.
lanche feito de pão e hambúrguer, 50 g de batata frita, c. a quantidade de nutriente recomendável que uma
1 caixinha de água de coco e 50 g de sorvete. pessoa saudável pode consumir.
d. a quantidade energética do alimento que uma
Considere a tabela a seguir.
pessoa irá adquirir ao consumir o alimento.
Alimento Valor energético e. a quantidade máxima de massa que uma pessoa
Caixa de água de coco 42 kcal saudável pode consumir.
Pão 82,5 kcal
Hambúrguer 292,5 kcal 3. O calor específico de uma substância é 0,5 cal/
goC. Se a temperatura de 4 g dessa substância se
Batata frita 6 kcal/g
eleva de 10oC, pode-se afirmar que ela absorveu uma
Sorvete 3 kcal/g quantidade de calor, em calorias, de:
O valor energético total, obtido pela ingestão do lanche
a. 20
é, aproximadamente, em kcal, de:
b. 2
a. 426.                         c. 5
b. 442.                         d. 10
c. 600.                        e. 0,5
d. 638.                         
e. 867.

Técnico em Química Físico-Química 32


FÍSICO-QUÍMICA
4. Cedem-se 684 cal a 200g de ferro que estão a (C – H = 413 kJ/mol, H – Cl = 427 kJ/mol, Cl – Cl = 239
uma temperatura de 10oC. Sabendo-se que o calor kJ/mol, C – Cl = 339 kJ/mol)
específico do ferro vale 0,114 cal/goC, concluímos que
a temperatura final do ferro será: a. + 420 kJ/mol
b. – 456 kJ/mol
a. 10oC c. + 105 kJ/mol
b. 20oC d. – 105 kJ/mol
c. 30oC e. + 456 kJ/mol
d. 40oC
e. 50oC 8. O peróxido de hidrogênio (H2O2) é um composto de
uso comum devido a suas propriedades alvejantes e
5. A combustão completa do butano C4H10, considerado antissépticas. Esse composto, cuja solução aquosa
o principal componente do gás de cozinha, GLP, pode é conhecida no comércio como “água oxigenada”, é
ser representada pela equação química preparado por um processo cuja equação global é:

C4H10 (g) + 13/2 O2 (g) → 4CO2(g) + 5H2O(g) H2(g)   +   O2(g)   →   H2O2(l)

Dadas as entalpias de formação a 25ºC e 1 atm, a Considere os valores de entalpia fornecidos para as
entalpia da reação global, nas condições citadas, em seguintes reações:
kJ/mol é:
H2O(l)   +   1/2O2(g)   →   H2O2(l)     ∆Hº = +98,0 kJ.mol-1
Dados: entalpia de formação: H2(g)   +   1/2O2(g)   →   H2O(l)        ∆Hº = -572,0 kJ.mol-1

C4H10(g) = – 125 kJ/mol; O valor da entalpia padrão de formação do peróxido de


CO2(g) = – 394 kJ/mol; hidrogênio líquido é:
H2O(g) = – 242 kJ/mol.
a. - 188 kJ.mol-1
a. – 2911 kJ/mol b. - 474 kJ.mol-1
b. – 511 kJ/mol c. - 376 kJ.mol-1
c. – 2661 kJ/mol d. +188 kJ.mol-1
d. – 2786 kJ/mol
e. – 1661 kJ/mol 9. Dadas as seguintes equações termoquímicas, a
25ºC e 1 atm:
6. Os clorofluorcarbono (CFCs) são usados
extensivamente em aerossóis, ar condicionado, C2H2(g) + 5/2 O2(g) → 2CO2(g) + H2O(l) ∆H1 = –
refrigeradores e solventes de limpeza. Os dois 1301,0 kJ/mol
principais tipos de CFCs são o triclorofluorcarbono C2H6(g) + 7/2 O2(g) → 2CO2(g) + 3H2O(l) ∆H2 = –
(CFCl3) ou CFC-11 e diclorodifluormetano (CF2Cl2) ou 1560,0 kJ/mol
CFC-12. O triclorofluorcarbono é usado em aerossóis, H2(g) + 1/2O2(g) → H2O(l) ∆H3 = –286,0
enquanto que o diclorodifluormetano é tipicamente kJ/mol
usado em refrigeradores. Determine o ∆H para a
reação de formação do CF2Cl2: Assinale a variação de entalpia (∆H), em kJ, para a
reação C2H2(g) + 2H2(g) → C2H6(g).
CH4(g) + 2Cl2(g) + 2F2(g) → CF2Cl2(g) + 2HF(g) + 2HCl(g)
a. – 313,0
Dados de energia de ligação em kJ/mol: C-H (413); Cl- b. – 27,0
Cl (239); F-F (154); C-F (485); C-Cl (339); H-F (565); c. + 313,0
H-Cl (427). d. + 27,0
e. – 432,0
a. – 234 kJ
b. – 597 kJ 10. Uma reação química apresentou, a 27°C, uma
c. – 1194 kJ variação de entalpia igual a - 224,52 kcal e uma
d. – 2388 kJ variação de entropia igual a 1,5cal/ K.mol. A variação
e. – 3582 kJ da energia livre de Gibbs para essa reação é:

7. Considerando os dados de entalpia de ligação a. - 674,52 cal/mol


abaixo, o calor associado (kJ/mol) à reação: b. - 674,52kcal/mol   
CH4(g) + 4Cl2(g) → CCl4(g) + 4HCl(g) , à pressão constante, c. - 224,97kcal/mol   
deverá ser : d. + 224,97cal/mol    
e. 674,52 kcal/mol

Técnico em Química Físico-Química 33


FÍSICO-QUÍMICA

UNIDADE IV
COLOIDES

Fonte: http://www.mundoeducacao.com/quimica/gel-sol-tipos-coloides.htm

1. DEFINIÇÃO Apesar de parecerem ser homogêneos, os coloides


são misturas heterogêneas. Suas moléculas ou
Os coloides, ou sistemas coloidais, são misturas grupos de moléculas ou íons são partículas que ficam
em que as partículas dispersas têm um diâmetro dispersas e que apresentam o tamanho muito menor
compreendido entre 1 e 1000 nanômetro (1 nm = 10-9 do que aquelas que podem ser vistas a olho nu, mas
m), partículas essas que podem ser átomos, íons ou também muito maiores que moléculas individuais.
moléculas. O nome coloide vem do grego “kolas”, que
significa “que cola” e foi criado pelo químico escocês A diferença fundamental entre solução e suspensão
Thomas Graham, descobridor desse tipo de mistura. é o tamanho das partículas dispersas.

Quando adicionamos solutos em solventes damos A tabela a seguir apresenta algumas das
origem a três tipos de sistemas: soluções, suspensões propriedades das dispersões:
e coloides (ou suspensões coloidais).

Tipo de Características das Efeito da luz Efeito da Separação


mistura partículas gravidade

Átomos, íons ou Não são


pequenas moléculas separáveis
Soluções (partículas menores Transparente Não sedimentam por filtro ou
que 1 nm) membrana
semipermeável.

Coloides Moléculas grandes ou Refletem a luz Separáveis só


grupos de moléculas (efeito Tyndall) Não sedimentam por membrana
ou íons semipermeável.

Partículas muito
Suspensões grandes e visíveis a Opacas Sedimentam Separáveis por
olho nu (partículas rapidamente filtro.
maiores que 1000 nm)

Técnico em Química Físico-Química 34


FÍSICO-QUÍMICA
2. CLASSIFICAÇÃO DOS COLOIDES

De acordo com os estados físicos de seus


componentes, as dispersões coloidais podem ser
classificadas de várias maneiras, recebendo nomes
característicos, como aerossol, emulsão, espuma, sol
e gel. Observe cada um:

1. Aerossol:

• Aerossol líquido: O aerossol líquido é um lí-


quido disperso em um gás. Exemplos: nevoeiros,
nuvem, nebulizadores usados para umidificar um
recinto e aparelhos de aerossol usados para umi-
dificar vias aéreas. Em todos esses casos temos
água dispersa no ar.

Temos também como exemplos os produtos de


uso doméstico e de higiene pessoal na forma de
spray, onde o componente ativo é disperso no ar.

• Aerossol sólido: É um sólido disperso em um


gás. Exemplos: fumaça.

2. Emulsão:

Tanto o disperso quanto o dispersante são líquidos.


Um exemplo é o leite, que possui gorduras dispersas
em água, pelo processo de homogeneização. Outros
exemplos são: maionese, manteiga, cremes.

Os coloides, ou sistemas coloidais, são misturas


em que as partículas dispersas têm um diâmetro
compreendido entre 1 e 1000 nanômetro (1 nm =
10-9 m), partículas essas que podem ser átomos,
íons ou moléculas. O nome coloide vem do grego
“kolas”, que significa “que cola” e foi criado pelo
químico escocês Thomas Graham, descobridor
desse tipo de mistura.

Técnico em Química Físico-Química 35


FÍSICO-QUÍMICA
3. Espuma:

• Espuma líquida: Gás disperso em líquido. Exemplos: espuma de sabão e chantilly, sendo que o ar está
disperso ao creme de leite.

• Espuma sólida: Gás disperso em sólido. Exemplos: maria-mole e pedra-pomes;

4. Sol: • Sol sólido: sólido disperso em outro sólido.


Exemplos: rubi, safira, pérola.
• Sol líquido: Temos nesse caso um sólido
disperso em um líquido. Exemplos: plasma * Outras denominações – hidrossol, organossol
sanguíneo, tintas, vidros coloridos, goma- ou aerossol – são atribuídas segundo o meio de
arábica. dispersão utilizado: água, solvente orgânico ou ar,
respectivamente

5. Gel:

Temos um líquido disperso em um sólido. Um


exemplo é a gelatina, no qual a água está dispersa.

Outros exemplos são o queijo, a geleia e o próprio


gel para cabelos.  

Técnico em Química Físico-Química 36


FÍSICO-QUÍMICA
3. COLOIDES REVERSÍVEIS E IRREVERSÍVEIS

• Coloide liófilo (reversíveis) (lios: líquido; fi-


los: amigo) é aquele em que a substância se dis-
persa espontaneamente no dispersante. Quando
o dispersante é a água, o coloide é chamado hi-
drófilo.

Exemplos:

Sabão disperso na água, gelatina (proteína).

Algumas substâncias secas, como a gelatina


formam coloides, quando ocorre a adição de água,
a esse processo dá-se o nome de peptização
(digestão), sendo que o processo inverso é conhecido
como pectização (coagulação). Esses processos
(esquematizados abaixo) são obtidos pela retirada
do dispersante, pela precipitação ou por variações de
temperatura.

5. MOVIMENTO BROWNIANO

O primeiro a observar cientificamente o movimento


foi o biólogo Robert Brown, que achou se tratar de uma
nova forma de vida, pois ainda não se tinha completa
ciência da existência de moléculas, e as partículas
pareciam descrever movimentos por vontade própria.
• Coloide liófobo (irreversíveis) (lios: líquido;
Nos coloides, as partículas dispersas estão em
fobos: aversão) é aquele em que substância não
movimento constante e aleatório (em zigue-zague)
se dispersa espontaneamente no dispersante. devido às moléculas do fluido estarem constantemente
Quando o dispersante é a água,o coloide é cha- a colidir contra elas. É por essa razão que as partículas
mado de hidrófobo. dispersas não se depositam no fundo do recipiente sob
a ação da gravidade. Esse fenômeno recebeu o nome
Exemplos: de movimento browniano.

Ouro coloidal, enxofre coloidal (pouco solúvel em


água devem ser fragmentados até atingirem o tamanho
coloidal).

4. EFEITO TYNDALL

Este fenômeno foi descrito pela primeira vez em


1857, pelo físico e químico inglês Michael Faraday
(1791-1867). Mas ele foi explicado pelo físico irlandês
John Tyndall (1820-1893) e por isto este efeito leva o
seu nome.

O Efeito Tyndall ocorre quando há a dispersão


da luz pelas partículas coloidais. Neste caso,
é possível visualizar o trajeto que a luz faz, pois
estas partículas dispersam os raios luminosos.

Podemos observar este efeito no dia a dia quando


a luz solar passa por uma fresta e vemos as partículas
IDEIAS-CHAVE
de poeira dispersas no ar, ou quando a luz dos faróis Soluções, suspensões e coloides; Classificação
dos carros atravessam as gotículas de água da neblina. dos coloides; Aerossol; Emulsão; Espuma; Sol; Gel;

Técnico em Química Físico-Química 37


FÍSICO-QUÍMICA
Coloides reversíveis e irreversíveis; Coloide liófilo; PARA FIXAR O CONTEÚDO
Coloide liófobo; Efeito Tyndall; Movimento browniano.
A. Questões discursivas
RECAPITULANDO...
1. A fumaça é constituída por um conjunto de
• Os coloides são misturas em que as partículas substâncias emitidas no processo de queima da
dispersas têm um diâmetro compreendido entre 1 madeira, ela se classifica como uma dispersão coloidal.
e 1000 nanômetro. Quantos estados físicos da matéria estão presentes na
fumaça?
• Quando adicionamos solutos em solventes,
damos origem a três tipos de sistemas: soluções, 2. Classifique os coloides representados pelas
suspensões e coloides. imagens a seguir (aerossol, emulsão, espuma, sol,
gel), considerando o tipo de partícula coloidal e o meio
no qual está dissolvida (meio dispergente).
• Os coloides são misturas heterogêneas.
a. Creme de barbear
• A diferença fundamental entre solução e sus-
pensão é o tamanho das partículas dispersas.

• O aerossol líquido é um líquido disperso em


um gás.

• Aerossol sólido: É um sólido disperso em um


gás.

• Emulsão: Tanto o disperso quanto o disper-


sante são líquidos.
b. Geleia
• Espuma líquida: Gás disperso em líquido.

• Espuma sólida: Gás disperso em sólido.

• Sol líquido: Temos nesse caso um sólido dis-


perso em um líquido.

• Sol sólido: sólido disperso em outro sólido.

• Gel: Temos um líquido disperso em um sólido.


c. Leite de magnésia
• Coloide liófilo (reversíveis) é aquele em que
a substância se dispersa espontaneamente no
dispersante. Quando o dispersante é a água, o co-
loide é chamado hidrófilo.

• Coloide liófobo (irreversíveis) é aquele em que


substância não se dispersa espontaneamente no
dispersante. Quando o dispersante é a água,o co-
loide é chamado de hidrófobo.

• Substâncias secas, como a gelatina formam


coloides, quando ocorre a adição de água, a esse d. Lata de spray
processo dá-se o nome de peptização (digestão),
sendo que o processo inverso é conhecido como
pectização (coagulação).

• O Efeito Tyndall ocorre quando há a dispersão


da luz pelas partículas coloidais.

• Movimento browniano: As partículas dispersas


estão em movimento constante e aleatório (em zi-
gue-zague) devido às moléculas do fluido estarem
constantemente a colidir contra elas.

Técnico em Química Físico-Química 38


FÍSICO-QUÍMICA
e. Manteiga Explique o que significam os termos liófilo ou hidrófilo
e liófobo ou hidrófobo.

5. Defina os processos dê:

a. Peptização
b. Pectização

6. Na maioria dos casos, quando as diferenças de


densidades não são muito grandes, uma mistura de
dois ou mais gases é homogênea e corresponde a uma
solução; o ar atmosférico, porém, não é uma solução
3. Muitas dispersões coloidais não podem ser
porque não é apenas uma mistura de gases.
identificadas apenas pela aparência. Uma dispersão
coloidal bastante curiosa é a formada por partículas
Devido à presença de partículas sólidas de poeira
de ouro em água, que, contrariando nossa lógica,
dispersas em meio a substâncias gasosas (mesmo no
se apresenta como um líquido bonito e límpido, sem
ambiente mais “natural” e selvagem), o ar atmosférico
nenhum traço de turbidez e na cor vermelha, azul
é uma dispersão coloidal. Uma análise da composição
ou roxa, dependendo do tamanho das partículas
dessa poeira indica várias origens “naturais”: a ação dos
de ouro. Para mostrar facilmente que tal sistema é
ventos sobre desertos e descampados, as emanações
uma dispersão coloidal, basta usar o efeito Tyndall.
de cinzas e pó dos meteoritos que se pulverizam ao
penetrar na atmosfera, o pólen das plantas etc.
Explique o que é o efeito Tyndall e se as soluções
(misturas homogêneas) também apresentam esse
Ocorre que, em certas regiões, tudo isso somado
efeito, ou não, e por quê.
representa muito pouco em relação à poluição que o
ser humano vem causando, despejando fumaça pelas
4. Uma emulsão coloidal é composta de, pelo menos,
chaminés das indústrias e pelo cano de escapamento
3 fases:
dos veículos de transporte.

I. Fase dispergente (dispersante), externa ou Em grandes concentrações urbanas nas regiões


contínua. E constituída pelo líquido que está industriais de clima frio, a quantidade de poeira
presente em maior proporção e no qual se dispersa na atmosfera começa a assumir gravidade
encontra disperso o segundo líquido sob a que beira à calamidade. Cidades como São Paulo,
forma de partículas. É possível percorrer a Tóquio e Los Angeles produzem enorme quantidade
fase dispersante de um ponto a outro, sem de fumaça, proveniente dos automóveis e das fábricas.
interrupção. Essas impurezas, somadas ao pó natural,
II. Fase dispersa, interna ou descontínua. É frequentemente ficam retidas e misturadas com
constituída por partículas do líquido disperso a neblina (umidade condensada em camadas
na forma de gotículas. A passagem, de uma superiores).
partícula a outra partícula, só é possível
atravessando a fase dispersante. O resultado é o sufocante smog, palavra formada
III. Fase interfacial, formada por um (ou mais) pela combinação das palavras inglesas smoke
agente emulsionante ou tensoativo, que (fumaça) e fog (neblina).
envolve cada partícula dispersa.
Em relação ao que foi descrito, responda:
Os cremes cosméticos são constituídos de uma
a. Qual o disperso e o dispergente que constituem o ar
emulsão base na qual são incorporadas outras
atmosférico?
substâncias para as mais diversas finalidades. b. Qual a classe a que pertence essa dispersão
coloidal (quanto à fase de agregação do disperso e do
A fase dispergente dessa emulsão base deve dispergente)?
ser adequada ao tipo de pele do consumidor, à sua
idade e ao clima onde será utilizado o cosmético. 7. O amido, (C6H10O5)n, é um açúcar complexo, ou
Normalmente em países de clima úmido e quente são seja, uma macromolécula formada pela união de um
mais adequadas as emulsões do tipo óleo em água número muito grande (n) de moléculas de glicose,
(O/A), onde a fase dispergente é a água, e em países C6H12O6, um açúcar simples.
de clima seco e frio são mais adequadas as de água
em óleo (A/O), onde a fase dispergente é o óleo. A Quando as moléculas de glicose se unem para formar
macromoléculas, elas o fazem de duas maneiras
esse respeito responda:
distintas:

Técnico em Química Físico-Química 39


FÍSICO-QUÍMICA
– formam longas cadeias lineares, denominadas vendido por quilograma.
amilose (menos solúveis em água);
– formam cadeias ramificadas, denominadas Vejamos como essa regra se aplica a outros
amilopectina (mais solúveis em água). alimentos: o pão, por exemplo. O pão é vendido por
volume. Embora haja tabela de preço por peso afixada,
As moléculas de amilose e de amilopectina a compra se dá por unidades. Como ninguém pesa o
estabelecem entre si ligações do tipo pontes de pão, há a tentação e a prática de inchá-lo ao máximo,
hidrogênio ou resultantes do aparecimento de forças para parecer melhor. E os sorvetes? Como ninguém
de van der Waals, Por isso elas se agregam em pesa o sorvete ao comprá-lo, vários aditivos cumprem
pequenos grânulos de amido de tamanho entre 2 e 50 a função de deixá-lo o mais leve possível. Tão macio!
micrometros. Para isso, os estabilizantes de espuma mantêm uma
estrutura que retém o ar dentro dele.
Nas partes em que há formação de pontes de
hidrogênio, os agrupamentos são organizados e Esses três exemplos mostram como conseguem
os grânulos são cristalinos. Nas partes em que há nos vender ar.” Em relação ao texto, responda aos
ligação de van der Waals, os agrupamentos são itens a seguir.
desorganizados e os grânulos são amorfos e mais
frágeis. a. Dentre os produtos citados, chantilly, pão e sorvete,
quais podem ser classificados como dispersões
Para fazer o mingau, dissolvemos uma pequena coloidais?
quantidade de amido de milho em leite (87% de água), b. Identifique o disperso e o dispergente que constituem
adoçamos a gosto e levamos ao fogo. os produtos que foram classificados como dispersões
coloidais no item anterior.
O calor fornece energia para as moléculas de c. Em relação à fase de agregação do disperso e do
água existentes no leite. As ligações de van der Waals dispergente das dispersões coloidais do item anterior,
existentes no amido são rompidas e substituídas por indique a classe a que elas pertencem (sol, gel,
pontes de hidrogênio entre as moléculas de água e as emulsão etc.).
macromoléculas de amido.
B. Leia atentamente as afirmativas e marque V para
Assim, numa temperatura entre 60°C e 65°C, a água as verdadeiras e F para as falsas.
passa a penetrar nos grânulos de amido que incham,
formando uma dispersão coloidal, cuja viscosidade 1.( ) O disperso (soluto) de uma solução verdadeira
máxima é atingida entre 79°C e 96°C. Em relação a pode ser separado por uma filtração.
essa dispersão, indique: 2.( ) Peptização é a passagem do coloide gel
(gelatina sólida) para sol (gelatina líquida).
a. O disperso e o dispergente depois de formada a 3.( ) A dispersão da luz pelas partículas de um
dispersão coloidal, ou seja, no mingau pronto. coloide chama-se efeito Tyndall.
b. A classe a que pertence a dispersão coloidal final. 4.( ) Efeito Tyndall é o movimento desordenado e
contínuo das partículas que constituem um
8. O texto a seguir foi retirado do livro Cotidiano e coloide.
Educação em Química, de Mansur Lutfi, editora Unijuí. 5.( ) São coloides: leite, fumaça e neblina.
“O creme de leite, quando batido convenientemente, se 6.( ) Em uma emulsão, a fase dispersa é sólida e o
transforma em chantilly pela incorporação de grande dispergente é líquido.
quantidade de ar, formando uma espuma cujo volume 7.( ) São coloides: gelatina, açúcar e cola.
é várias vezes maior que o volume original. 8.( ) De maneira geral, um coloide se precipita.
9.( ) A característica que melhor diferencia soluções
Um chantilly industrializado [...] vendido em potes de dispersões coloidais e de suspensões é as
de plástico, traz indicado na embalagem o volume: 2 dimensões das partículas.
litros, ao invés do peso. 10.( ) A fumaça emitida pelas chaminés de algumas
indústrias é uma emulsão.
Por que isso ocorre?
C. Questões de múltipla escolha.
É uma regra do mercado: tudo o que é bastante
denso é vendido por peso (massa); tudo o que é pouco 1. Durante a utilização de um extintor de incêndio
denso (leve) é vendido por volume! de dióxido de carbono, verifica-se formação de um
aerossol esbranquiçado e também que a temperatura
Veja o caso dessas duas mercadorias: o éter etílico do gás ejetado é consideravelmente menor do que a
(d = 0,71) é vendido por litro por ser menos denso que temperatura ambiente.
a água; já o clorofórmio, cuja densidade é à mesma
temperatura d = 1,41, ou seja, maior que a da água, é

Técnico em Química Físico-Química 40


FÍSICO-QUÍMICA
Considerando que o dióxido de carbono seja puro,
assinale a opção que indica a(s) substância(s) que
torna(m) o aerossol visível a olho nu.

a. Água no estado líquido.


b. Dióxido de carbono no estado líquido.
c. Dióxido de carbono no estado gasoso.
d. Dióxido de carbono no estado gasoso e água no
estado líquido.
e. Dióxido de carbono no estado gasoso e água no
estado gasoso.
podem constituir dispersões coloidais apenas
2. Os sistemas coloidais estão presentes, no cotidiano,
desde as primeiras horas do dia, na higiene pessoal a. II e IV.
(sabonete, xampu, pasta de dente e creme de b. I, II e III.
barbear), na maquiagem (alguns cosméticos) e no c. I, IV e V.
d. I, II, IV e V.
café da manhã (manteiga, cremes vegetais e geleias
e. II, III, IV e V.
de frutas). No caminho para o trabalho (neblina e
fumaça), no almoço (alguns temperos e cremes) e 4. Maionese e mistura de sal e óleo constituem,
no entardecer (cerveja, refrigerante ou sorvetes). Os respectivamente, exemplos de sistemas:
coloides estão ainda presentes em diversos processos
de produção de bens de consumo como, por exemplo, a. Coloidal e coloidal.
o da água potável. São também muito importantes os b. Coloidal e heterogêneo.
coloides biológicos tais como o sangue, o humor vítreo c. Homogêneo e heterogêneo.
e o cristalino. d. Coloidal e homogêneo.
e. Homogêneo e homogêneo.
Fonte: Adaptado de JAFELICI J., M., VARANDA, L. C. Química Nova Na Escola. O mundo

dos coloides. n. 9, 1999, p. 9 a 13.


5. Em relação às afirmações:

I. Sol é uma dispersão coloidal na qual o dispergente e


Com base no texto e nos conhecimentos sobre
o disperso são sólidos.
coloides, é correto afirmar: II. Gel é uma solução coloidal na qual o dispergente é
sólido e o disperso é líquido.
a. A diálise é um processo de filtração no qual III. A passagem de sol para gel é chamada pectização.
membranas especiais não permitem a passagem IV. A passagem de gel para sol é chamada peptização.
de solutos, mas sim de coloides que estão em uma
mesma fase dispersa. São corretas as afirmativas:
b. As partículas dos sistemas coloidais são tão pequenas
que a sua área superficial é quase desprezível. a. I e II
c. As partículas coloidais apresentam movimento b. II e III
contínuo e desordenado denominado movimento c. I, II e IV
d. II, III e IV
browniano.
e. Todas
d. O efeito Tyndall é uma propriedade que se observa
nos sistemas coloidais e nos sistemas de soluções, 6. As proteínas formam, em solução aquosa, coloides:
devido ao tamanho de suas partículas.
e. Os plásticos pigmentados e as tintas são exemplos a. hidrófilo
excluídos dos sistemas coloidais. b. hidrófobo
c. diálise
3. A nanotecnologia e as nanociências contemplam d. eletrodiálise
o universo nanométrico, no qual a dimensão física e. eletrólise
é representada por uma unidade igual a 10–9 m. O
emprego da nanotecnologia tem trazido grandes 7. Quando se dispersam, em água, moléculas ou íons
avanços para a indústria farmacêutica e de cosmético. que têm em sua estrutura extremidades hidrofóbicas e
As nanopartículas são, contudo, velhas conhecidas, hidrofílicas, a partir de uma determinada concentração,
uma vez que nas dispersões coloidais elas são as há agregação e formação de partículas coloidais,
denominadas micelas, tal propriedade é típica de
fases dispersas. Analisando-se as combinações,
moléculas de:

Técnico em Química Físico-Química 41


FÍSICO-QUÍMICA
a. lipídio ___________________________________________
b. aminoácido ___________________________________________
c. sabão ___________________________________________
__________________________________________
d. hidrocarboneto alifático __________________________________________
e. hidrogênio __________________________________________
__________________________________________
8. O colágeno é a proteína mais abundante no corpo __________________________________________
humano, fazendo parte da composição de órgãos e __________________________________________
__________________________________________
tecidos de sustentação. Apesar de não ser comestível, __________________________________________
seu aquecimento em água produz uma mistura de ___________________________________________
outras proteínas comestíveis, denominadas gelatinas. ___________________________________________
Essas proteínas possuem diâmetros médios entre 1 ___________________________________________
nm e 1000 nm e, quando em solução aquosa, formam ___________________________________________
___________________________________________
sistemas caracterizados como: ___________________________________________
___________________________________________
a. soluções verdadeiras. ___________________________________________
b. dispersantes. ___________________________________________
c. coagulantes. ___________________________________________
___________________________________________
d. homogêneos. ___________________________________________
e. coloides. ___________________________________________
___________________________________________
9. O nome que se dá ao sistema coloidal de um dis- ___________________________________________
perso sólido num dispersante líquido, de modo que o ___________________________________________
___________________________________________
sistema não tome uma forma definida é: ___________________________________________
___________________________________________
a. gel ___________________________________________
b. sol ___________________________________________
c. emulsão ___________________________________________
d. pectização ___________________________________________
e. homogenização ___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
10. Alguns medicamentos trazem no rótulo “agite ___________________________________________
antes de usar”. Esse procedimento é necessário se o ___________________________________________
medicamento for uma: ___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
a. mistura homogênea. ___________________________________________
b. suspensão. ___________________________________________
c. solução. ___________________________________________
d. dispersão coloidal. ___________________________________________
e. peptização. ___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
ANOTAÇÕES ESPECIAIS: ___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
__________________________________________ ___________________________________________
__________________________________________ ___________________________________________
__________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ __________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
__________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
___________________________________________ __________________________________________
___________________________________________ ___________________________________________
__________________________________________
___________________________________________
Técnico em Química Físico-Química 42
FÍSICO-QUÍMICA

UNIDADE V
PROPRIEDADES COLIGATIVAS

Fonte: http://www.mundoeducacao.com/quimica

Propriedades Coligativas são aquelas Estudaremos as quatro propriedades coligativas


propriedades das substâncias puras que são Tonoscopia, Ebulioscopia, Crioscopia e Osmoscopia.
modificadas quando se adiciona um soluto não volátil
a elas. 1. PRESSÃO MÁXIMA DE VAPOR

Essas propriedades, portanto, não são explicadas Imagine um cilindro fechado contendo um líquido,
pela natureza da substância, mas sim pela quantidade com um espaço vazio acima da altura do líquido, e um
de suas moléculas, partículas ou átomos. manômetro. Com o nível de mercúrio dos dois ramos
na mesma altura (figura a). 

Primeiramente, as moléculas do líquido se


deslocam para o espaço vazio do cilindro, formando a
fase gasosa. A pressão exercida pelo vapor do líquido
é medida pelo manômetro. Notamos que o nível do
mercúrio sobe até certo ponto onde estaciona (figura
b). A pressão exercida pelo vapor do líquido é medida
pelo desnível h ente os dois níveis de mercúrio.

Técnico em Química Físico-Química 43


FÍSICO-QUÍMICA
Até que a velocidade de vaporização atinja o
equilíbrio, ela é maior que a velocidade de condensação.
Conforme a quantidade de vapor aumenta, a pressão
do vapor também aumenta. A partir do momento em que
o equilíbrio é alcançado, a concentração de moléculas
na fase de vapor torna-se constante e a pressão não
aumenta mais, ou seja, o seu valor máximo é atingido. 

Como a superfície do líquido e a temperatura não


se alteram, a velocidade de vaporização é constante.

Observe no gráfico que, ao nível do mar (760


mmHg), o álcool etílico ferve a 78,3°C, e a água ferve
a 100°C. Portanto, conforme a temperatura aumenta, a
pressão máxima de vapor também aumenta. O álcool
etílico entra em ebulição sob a temperatura de 78,3°C,
pois nesta temperatura a sua pressão máxima de
vapor se iguala à pressão atmosférica (760 mmHg à
nível do mar). Já a pressão máxima de vapor da água
se iguala a 760 mmHg sob a temperatura de 100°C.

A velocidade de condensação torna-se igual à


velocidade de vaporização no equilíbrio, ou seja,
o número de moléculas que abandonam o líquido
se iguala ao número de moléculas que voltam
para o líquido. 

A pressão máxima do vapor também pode ser


chamada de pressão de vapor ou pressão de vapor
de equilíbrio. Tal pressão é aquela que é exercida pelo
vapor em equilíbrio com o seu líquido. 

Quando o vapor está em equilíbrio com o seu


líquido, ele é denominado vapor saturante.

2. PRESSÃO MÁXIMA DE VAPOR E A TEMPERATURA


DE EBULIÇÃO

Um líquido entra em ebulição quando a pressão


de vapor do líquido torna-se igual à pressão existente
sobre a superfície do líquido. 

Quanto maior for à pressão de vapor nas condições


ambientes, o líquido ferverá mais facilmente, isto
significa que, quanto menor for o ponto de ebulição,
mais volátil será o líquido. 

Desse modo, sob uma temperatura de 20°C, a


pressão máxima de vapor de água é 17,5 mmHg e a
pressão máxima de vapor do álcool é 44 mmHg. 

Técnico em Química Físico-Química 44


FÍSICO-QUÍMICA
O princípio de funcionamento da panela de pressão

A história da panela de pressão começa pelo


alto, nas montanas. Os alpinistas quando estavam a
grandes altitudes, precisavam cozinhar alguma coisa
para comer, nunca conseguiam. Isso porque em altas
altitudes a pressão atmosférica é muito menor.

E, como a pressão é menor, a água entra em


ebulição à temperatura muito baixa do que ao nível
do mar, que é de 100° C. Foi ai, que numa solução
simples: transformar a pressão no interior da panela
idêntica à pressão ao nível do mar.

Foi este principio utilizado pelo francês Denis


Papin, em 1679, o inventor da panela de pressão e um
dos pioneiros do motor a vapor. Em 1697, demonstrou
em Londres a sua marmita a vapor, um recipiente
com tampa hermeticamente fechada, que aumentava
consideravelmente a pressão no interior e o ponto de
ebulição da água.

O princípio da marmita a vapor foi mais usado na


indústria do que nas cozinhas, até ao século XX. Surge
então nos EUA a moderna panela de pressão. Muitos
dos fabricantes começaram a produzi-las após a II
Guerra Mundial, salientando a economia em tempo e
combustível.

Fonte: http://www.mundoeducacao.com/upload/conteudo/images

Técnico em Química Físico-Química 45


FÍSICO-QUÍMICA
O funcionamento baseia-se nos seguintes A curva 1, que delimita as regiões das fases sólida e
aspectos: a tampa possui uma borracha responsável líquida, representa a curva de fusão, onde os estados
pela vedação total da panela, impedindo que o vapor sólido e líquido da substância estão em equilíbrio.
de água escape. Com isso, a pressão interna da
panela vai aumentando à medida que aquece esse A curva 2, que delimita as regiões das fases líquido
sistema. Visto que está sob uma pressão maior e vapor, representa a curva de vaporização, onde os
que a pressão atmosférica, a água não entra em
estados líquido e vapor estão em equilíbrio.
ebulição em 100ºC, mas sim em temperaturas mais
elevadas, o que faz com que o alimento cozinhe
mais rápido. A curva 3, que delimita as regiões das fases sólida
e vapor, representa a curva de sublimação, onde os
A pressão atmosférica ao nível do mar é 1 atm e, estados sólido e vapor estão em equilíbrio.
dentro da panela, ela pode atingir valores entre 1,44 e
2,0 atm, resultando em temperaturas de ebulição de O ponto P é um ponto comum às três curvas e é
cerca de 120ºC. denominado ponto triplo, neste ponto as três fases –
sólido, líquido e gasoso, estão em equilíbrio.
Essa pressão atinge um determinado limite e
empurra a válvula com pino que fica na tampa da O ponto triplo da água ocorre sob a temperatura
panela. Assim, qualquer vapor em excesso é liberado
0,01°C e 0,006 atm.
por essa válvula, impedindo que a pressão extrema
faça a panela explodir.

As panelas de pressão ainda possuem uma válvula


de segurança. Se não lavarmos direito a válvula com
pino, pedaços de comida podem entupi-lo e, então, a
válvula de segurança será acionada, impedindo que a
panela exploda.

“A explosão de uma panela de pressão é muito


violenta, podendo levar a graves ferimentos e até
à morte. Por isso, não se descuide!”

3. DIAGRAMA DE FASES

Em toda mudança de estado existe um equilíbrio


entre as fases envolvidas. A diferentes pressões,
essas mudanças de fase ocorrem em diferentes
temperaturas.

Os três estados físicos podem coexistir em Diagrama de fases da água


equilíbrio, certas condições de pressão e temperatura,
chamado ponto triplo.
4. TONOSCOPIA OU TONOMETRIA
O gráfico que representa as fases da matéria
termodinamicamente em função da pressão e da
temperatura é chamado de diagrama de fases.

Técnico em Química Físico-Química 46


FÍSICO-QUÍMICA
A tonometria estuda o abaixamento da pressão 5. EBULIOSCOPIA E EBULIOMETRIA
máxima de vapor de um solvente por adição de um
soluto não volátil.

Por exemplo, você já percebeu que quando


estamos fazendo café e acrescentamos açúcar a uma
quantidade de água que está iniciando fervura, ela
para de ferver.

Com o aumento da temperatura, as moléculas


de água recebem energia suficiente para romperem
suas ligações intermoleculares e escaparem para
fora da massa líquida. Entretanto, ao adicionarmos
o açúcar, as suas moléculas irão interagir com as
moléculas de água, aumentando a quantidade de
interações intermoleculares. Assim, será mais difícil
passar para o estado de vapor. Para entrar em
ebulição será preciso fornecer mais energia para as
moléculas de água, o que significa aumentar ainda
mais a temperatura do sistema.
Ebuliometria é o estudo do aumento da
temperatura de ebulição de um solvente quando
Esse fenômeno não ocorre somente nos pontos
nele se dissolve uma substância não volátil.
próximos ao ponto de ebulição, mas em qualquer
temperatura do líquido. Se compararmos, a uma Ebulioscopia ou Ebuliometria é a propriedade
determinada temperatura, a pressão de vapor do coligativa que estuda a elevação da temperatura
líquido antes e depois de adicionarmos o soluto, de ebulição do solvente em uma solução. Para que
sempre a pressão máxima de vapor do líquido puro um líquido entre em ebulição é necessário aquecê-
será maior que a da solução. lo até que a pressão de vapor fique igual à pressão
atmosférica, até aí tudo bem, mas quando existem
Além disso, outra coisa que sempre iremos observar partículas insolúveis em meio ao solvente o processo
é que a solução mais concentrada é sempre menor é dificultado, a Ebulioscopia surge então para explicar
que a solução mais diluída, ou seja, quanto mais este fenômeno.
acrescentarmos açúcar, mais a pressão de vapor irá
Um exemplo de Ebulioscopia surge no preparo
diminuir. Isso nos mostra que a pressão de vapor do
do café: quando adicionamos açúcar na água que
líquido é inversamente proporcional ao número de mol estava prestes a entrar em ebulição. Os cristais de
de partículas do soluto dispersas na solução. açúcar antes de serem dissolvidos pelo aquecimento
constituem partículas que retardam o ponto de ebulição
É por isso que a tonoscopia é uma propriedade da água, ou seja, o líquido vai demorar um pouco mais
coligativa, isto é, ela não depende da natureza da a entrar em ebulição.
substância, mas sim da quantidade de partículas
adicionadas em determinado volume de solvente. Essa propriedade foi estudada pelo cientista francês
François Marie Raoult (1830-1901) e seus estudos o
levaram à seguinte conclusão:

Quando o ponto de ebulição de um líquido é


elevado pela presença de um soluto não volátil, o
novo valor é diretamente proporcional ao número
de mols da solução.

No dia a dia, essa propriedade coligativa é vista,


por exemplo, ao se fazer café. Quando a água está
para entrar em ebulição e adicionamos o açúcar, ela
não ferve mais. É necessário que se aumente ainda
mais a temperatura do sistema para que a solução
entre em ebulição.

A energia necessária para que as moléculas

Técnico em Química Físico-Química 47


FÍSICO-QUÍMICA
passem do estado líquido para o de vapor é maior em A crioscopia é o estudo do abaixamento da
uma solução do que em uma substância pura, já que a temperatura de fusão ou de solidificação de um
interação das partículas do solvente com as do soluto líquido quando ele é misturado com um soluto
diminui a probabilidade de vaporização do solvente. não volátil.

É por isso que a queimadura com calda de um doce O ponto de fusão ou de solidificação da água ao
é muito mais grave do que se fosse apenas água. Ao nível do mar é 0ºC. No entanto, se adicionarmos sal
nível do mar, a água permanece no estado líquido na água, será necessário fornecer uma temperatura
apenas até 100°C, que é seu ponto de ebulição. Mas abaixo de zero para que a mistura congele.
a calda não, ela terá um ponto de ebulição muito maior
que 100°C e ficará no estado líquido por mais tempo. É por isso que a água do mar em lugares frios
Essa propriedade, como todas as outras propriedades permanece líquida mesmo em temperaturas tão
coligativas, não depende da natureza da substância, baixas. As camadas de gelo que se formam, como
mas apenas da quantidade de partículas do sistema. os icebergs, são constituídas apenas por água pura,
enquanto que o restante que permanece no estado
líquido é água que contém diversos sais, sendo que o
principal é o NaCl.

Isso mostra que as partículas do soluto


dificultam a cristalização do solvente e assim
diminuem a sua temperatura de congelamento.

6. CRIOSCOPIA E CRIOMETRIA

A tabela abaixo representa bem esse fato. Nela são


mostrados os pontos de fusão da água pura, da água
com ureia, da água com glicose e da água com cloreto
de sódio. Veja que independentemente do soluto que
foi adicionado, a temperatura de fusão passou a ser a
mesma nas soluções.

Observe dois fatores: o ponto de fusão do solvente


puro é menor do que os das soluções e que quando
adicionamos mais soluto (como mostra o caso da
glicose), tornamos o meio mais concentrado e o ponto
de fusão diminui ainda mais.

A seguir, temos a representação das curvas


de pressão de vapor referentes ao solvente puro
e às soluções:

Técnico em Química Físico-Química 48


FÍSICO-QUÍMICA
A osmose é uma propriedade coligativa que
corresponde ao surgimento da pressão osmótica de
soluções. Osmose é quando, o solvente passa de um
meio menos concentrado, para um mais concentrado
graças a uma membrana semipermeável.

A osmoscopia foi primeiramente descrita por J.


A. Nollet, que em uma experiência colocou vinho
num cilindro, fechou a boca do mesmo com uma
bexiga animal e mergulhou-o em água pura. A bexiga
inchou consideravelmente, algumas vezes chegando
a romper. A membrana animal era semipermeável, a
água pôde atravessá-la, mas o álcool, não.

A osmose é realizada com o auxílio de uma


membrana semipermeável permite a passagem do
solvente e não permite a passagem do soluto. Existem
muitos tipos dessas membranas, exemplos: Papel
celofane, bexiga animal, paredes de células.
7. OSMOSCOPIA E OSMOMETRIA

Fonte: http://www.brasilescola.com/quimica/osmose.htm

Osmose é a passagem do solvente (água pura) pela • Pressão osmótica


membrana semipermeável (MSP). A passagem se dá
da solução mais diluída para a mais concentrada. A pressão osmótica é a pressão que deve ser
exercida sobre a solução para evitar a entrada do
solvente. Quanto maior a pressão osmótica maior será
O fluxo de água é mais intenso no sentido da
a tendência do solvente para entrar na solução.
solução. Quando os fluxos se igualarem não haverá
alterações nos níveis dos líquidos. A pressão osmótica pode ser medida aplicando-se
uma pressão externa que bloqueie a osmose.

Técnico em Química Físico-Química 49


FÍSICO-QUÍMICA

Fonte: http://www.cientic.com

Fonte: http://www.brasilescola.com/quimica/osmose.htm

Observe que a osmose foi bloqueada devido à


pressão exercida (peso) sobre a solução.

Conheçamos os seguintes conceitos:

• Solução hipertônica: Solução que está mais


concentrada em soluto que o meio;

• Solução hipotônica: Solução que está menos


concentrada em soluto que o meio;

• Solução Isotônica: Quando a concentração


de soluto na célula e no meio são iguais.

O nosso sangue apresenta uma pressão osmótica


de cerca de 7,8 atm, sendo que as hemácias ou
glóbulos vermelhos também. Isso permite a passagem
fácil de moléculas de água para dentro e para fora
das hemácias. É por isso que o soro fisiológico e
as injeções intravenosas devem possuir a mesma
pressão do sangue. Dessa forma, dizemos que o
soro e os glóbulos vermelhos são isotônicos.

Mas, se a pressão osmótica for diferente, isso Outro exemplo é a ascensão da seiva nas plantas.
afetará gravemente as hemácias. Por exemplo, se o As raízes das árvores funcionam como uma membrana
soro for mais diluído, haverá osmose ou a passagem semipermeável permitindo a passagem de água, ureia
de água para dentro da hemácia, fazendo com que ela e outras substâncias, mas impedindo a passagem de
inche e possa até estourar. Nesse caso, dizemos que íons sódio, glicose e outros. Como a solução que está
o meio é hipotônico. dentro da raiz da planta é mais concentrada que a da
terra, ocorre à passagem de água pela raiz para dentro
Já se ocorrer o contrário, se o soro estiver da planta.
mais concentrado, a hemácia perderá água para o
meio externo, murchando.  Temos, então, um meio Para que essa água suba e atinja todas as
hipertônico. regiões da planta, a pressão osmótica pode atingir
valores de 50 atm.

Técnico em Química Físico-Química 50


FÍSICO-QUÍMICA
• Osmose reversa

A osmose reversa acontece em sentido contrário


ao da osmose. Nela, o solvente se desloca no
sentido da solução mais concentrada para a menos
concentrada, isolando-se assim, o soluto.

O processo de osmose reversa tem sido usado


com o intuito de “potabilizar” a água por meio da
dessalinização. A osmose reversa se dá por influência
da pressão osmótica que se aplica sobre a superfície
na qual se encontra a solução hipertônica, o que
impede do solvente, no caso a água, ser transportado
para o meio mais concentrado. Isso permite que
a água chamada doce, vá sendo isolada do sal. Tal
processo passou a ser usado pelos cientistas por volta
da década de 60.
Fonte: http://www.brasilescola.com/quimica

Atualmente, a osmose reversa é considerada uma


A hemodiálise também se baseia nesse mesmo
saída para o problema previsto da escassez vindoura
princípio da osmose, com a única diferença de que
de água. E no presente momento, a ausência de
não ocorre a passagem somente do solvente pela
membrana, mas também as partículas do soluto água potável em diversas regiões do globo estimula a
(entre elas, os resíduos tóxicos produzidos em utilização desta técnica.
nosso organismo). 
As principais aplicações da osmose reversa são as
O sangue da pessoa é bombeado para um tubo seguintes:
revestido de uma membrana semipermeável, imerso
em uma solução com componentes do plasma
• Na dessalinização de águas salobras. Tem
sanguíneo. As partículas dos resíduos tóxicos
presentes no sangue da pessoa passam através da sido usado no nordeste do Brasil como solução
membrana (processo de osmose), sendo eliminados. para a problemática da seca nessa região;
Já o sangue limpo volta para o corpo do paciente.
Como as células sanguíneas, as proteínas e outros • É utilizada na fabricação de alguns tipos de
componentes são grandes, eles não passam pelos bebidas, como certas águas minerais;
poros da membrana.
• Na saúde, recebe destaque, principalmente,
nos processos de hemodiálise;

• Usada em laboratórios químicos para efetuar


análises.

IDEIAS-CHAVE

Pressão máxima de vapor e a temperatura de ebulição,


O princípio de funcionamento da panela de pressão,
Diagrama de fases, Tonoscopia, Ebulioscopia,
Crioscopia, Osmose, Osmose reversa.

Técnico em Química Físico-Química 51


FÍSICO-QUÍMICA
RECAPITULANDO... de soluto na célula e no meio são iguais.

• Propriedades Coligativas são aquelas • A osmose reversa, acontece em sentido


propriedades das substâncias puras que são contrário ao da osmose. Nela, o solvente
modificadas quando se adiciona um soluto não se desloca no sentido da solução mais
volátil a elas. concentrada para a menos concentrada,
isolando-se assim, o soluto.
• Pressão máxima de vapor da substância é
a maior pressão que seus vapores exercem em PARA FIXAR O CONTEÚDO
determinada temperatura.
A. Questões discursivas
• Um líquido entra em ebulição quando a 1. No gráfico as curvas I, II,   III e IV correspondem
pressão de vapor do líquido torna-se igual à à variação de pressão de vapor em função da
pressão existente sobre a superfície do líquido.  temperatura de dois líquidos puros e das respectivas
soluções de mesma concentração de um mesmo sal
• Quanto maior for à pressão de vapor nas nesses dois líquidos. O ponto de ebulição de um dos
condições ambientes, o líquido ferverá mais líquidos é 90 °C.
facilmente, isto significa que, quanto menor for o
ponto de ebulição, mais volátil será o líquido. 

• Em toda mudança de estado existem um equi-


líbrio entre as fases envolvidas. A diferentes pres-
sões, essas mudanças de fase ocorrem em dife-
rentes temperaturas.

• Os três estados físicos podem coexistir


em equilíbrio, certas condições de pressão e
temperatura, chamado ponto triplo.

• A tonometria estuda o abaixamento da


pressão máxima de vapor de um solvente por Utilizando os números das curvas respectivas:
adição de um soluto não volátil.
a. Indicar quais curvas correspondem aos líquidos
• Ebuliometria é o estudo do aumento da puros. Indicar entre os dois qual é o líquido mais volátil
temperatura de ebulição de um solvente quan- e justificar.
do nele se dissolve uma substância não volátil. b. Indicar quais curvas correspondem às soluções.
Justificar.
• A crioscopia é o estudo do abaixamento da
temperatura de fusão ou de solidificação de um 2. Para o equilíbrio líquido-vapor de água, encontramos
líquido quando ele é misturado com um soluto os seguintes valores de pressão de vapor em função
não volátil. da temperatura:

• Osmose é quando, o solvente passa de um meio


t °C 0 30 50 70 100 115
mais concentrado, para um menos concentrado
graças a uma membrana semipermeável. E Pressão
osmoscopia é o estudo da mesma. de vapor 4,6 32 92 234 760 1140
(mmHg)
• A pressão osmótica é a pressão que deve
ser exercida sobre a solução para evitar a en- a. Qual a temperatura de ebulição da água pura?
trada do solvente. Quanto maior a pressão os- b. Numa panela de pressão, a pressão interior é igual a
mótica maior será a tendência do solvente para 1,5 atm; qual a temperatura de ebulição da água pura
entrar na solução. nessa panela de pressão?

• Solução hipertônica: Solução que está mais 3. Um boliviano em visita à Baixada Santista
concentrada em soluto que o meio; surpreendeu-se com a rapidez do cozimento de um
simples ovo. Comente e explique.
• Solução hipotônica: Solução que está menos
concentrada em soluto que o meio; 4. A água pura congela, ao nível do mar, a 273,15
K. Nos países frios, e no sul do Brasil, quando a
• Solução Isotônica: Quando a concentração temperatura atinge aproximadamente 0°C, ao nível do

Técnico em Química Físico-Química 52


FÍSICO-QUÍMICA
mar, a água de córregos e da chuva congelam. A água
do mar, no entanto, dificilmente congela, e camadas
de gelo sobre a superfície do mar só são possíveis
em temperaturas baixíssimas (aproximadamente 253
K no inverno de Leningrado, atual São Petersburgo).
Explique sucintamente este fenômeno que acorre com
a água do mar, e a que propriedade ele se refere.

5. Conceitue:

a. pressão osmótica.
b. abaixamento do ponto de congelamento.

6. Os médicos aconselham às mães a dar soro caseiro


para os filhos quando esses estão com diarreia
ou vômito, pois isso faz com que o organismo das
crianças perca muita água. Para fazer soro caseiro, a a. Qual é a pressão de vapor do líquido A a 70°C?
mãe mistura, em um litro de água fervida, uma colher b. A que temperatura o líquido B tem a mesma pressão
de chá de açúcar e meia colher de chá de sal. de vapor do líquido A a 70°C?
c. Explique, com base nas na pressão máxima de
a. Por que é importante seguir exatamente essas vapor, qual dos dois líquidos é o mais volátil.
medidas?
B. Leia atentamente as afirmativas e marque V para
b. Que propriedade coligativa está relacionada com as verdadeiras e F para as falsas.
esse processo?
1.( ) Tonometria é a parte da química que estuda a
7. Um aluno viu num noticiário que nos países frios concentração das soluções.
como Estados Unidos, Canadá e países europeus, a 2.( ) Num local em que a água congela a 0°C e
ferve a 100°C, uma solução aquosa de glicose
prática de adicionar aditivos especiais a radiadores
irá congelar abaixo de 0°C e iniciar a ebulição
de automóveis é bastante comum, pois esses aditivos acima de 100°C.
alteram algumas propriedades físicas da água. Que 3.( ) O fenômeno da osmose é devido à passagem
alterações podem ocorrer com as propriedades físicas do soluto através da membrana.
da água? 4.( ) Ao dissolvermos, em água do mar, um pouco
de açúcar, a pressão de vapor da água diminui.
5.( ) A adição de aditivos na água do radiador de
8. Qual é o principal fator que altera a pressão máxima automóveis torna possível à diminuição da
da vapor de um determinado líquido? Justifique sua temperatura de congelamento do sistema.
resposta. 6.( ) Ao nível do mar, os sucos congelam a uma
temperatura suprior a 0ºC.
9. Comparando duas panelas, simultaneamente sobre 7.( ) Ao nível do mar, se você aquecer um recipiente
contendo café preparado, o líquido entrará em
dois queimadores iguais de um mesmo fogão, observa-
ebulição a uma temperatura superior a 100ºC.
se que a pressão dos gases sobre a água fervida na 8.( ) Em certas regiões do interior é comum salgar
panela de pressão fechada é maior que aquela sobre pedaços de carne, pois em presença do sal,
a água fervente numa panela aberta. Nessa situação, por osmose, a água atravessa a membrana
e se elas contêm exatamente as mesmas quantidades celular, desidratando o alimento.
de todos os ingredientes, podemos afirmar que, 9.( ) Os alimentos cozinham mais rapidamente
na panela de pressão, pois a temperatura de
comparando com o que ocorre na panela aberta, o ebulição da água no seu interior é menor.
tempo de cozimento na panela de pressão fechada 10.( ) O éter etílico em relação a água é um líquido
será maior ou menor? de alta pressão de vapor.

Justifique. C. Questões de múltipla escolha.

10. Considere o gráfico a seguir, que mostra a variação 1. Considere o gráfico da pressão máxima de vapor
da pressão de vapor de dois líquidos, A e B, com a em função da temperatura para um solvente puro e
temperatura. para uma solução desse solvente contendo um soluto
molecular não volátil.

Técnico em Química Físico-Química 53


FÍSICO-QUÍMICA
sede.” Seguem-se as afirmações:

I. A concentração salina da água do mar é mais alta


do que nas soluções corporais. Em consequência, a
imersão prolongada no mar provoca saída de água
do corpo para a solução mais concentrada (a água do
mar). A sede é um recurso natural do organismo para
repor a água perdida por esse meio.
II. A concentração salina da água do mar é mais baixa
do que as soluções corporais. Em consequência, a
imersão prolongada no mar provoca absorção de
A seu respeito podemos afirmar: energia dos raios solares que ficaram retidos durante
os dias de sol, provocando, assim, a sede.
a. A curva A representa a solução. III. Em dias sem sol, a imersão prolongada no mar
b. A curva A representa o solvente. provoca o fenômeno conhecido como crioscopia, muito
c. A curva B representa o solvente. usado na industria de sorvetes, onde se emprega a
d. A solução apresenta pressão máxima de vapor salmoura, uma solução saturada de sal marinho.
maior que o solvente.
e. Ambas as curvas, numa mesma temperatura, Dessas afirmações, apenas:
apresentam mesma pressão máxima de vapor.
a. I é correta.
2. As propriedades coligativas das soluções dependem: b. III é correta.
c. II e III são corretas.
a. Da pressão máxima de vapor do líquido. d. I e II são corretas.
b. Da natureza das partículas dispersas na solução. e. I e III são corretas.
c. Da natureza do solvente, somente.
d. Do número de partículas dispersas na solução. 6. O diagrama abaixo se refere a três líquidos A, B e C.
e. Da temperatura de ebulição do líquido. Assinale a alternativa errada:

3. O éter etílico (CH3CH2OCH2CH3), apesar de tóxico, já


foi muito usado como anestésico local por esportistas,
pois alivia rapidamente dores causadas por torções ou
impactos (pancadas). Ao entrar em contato com a pele,
o éter evapora rapidamente, e a região que entrou em
contato com o líquido resfria-se (fica “gelada”). Sobre a
situação escrita acima, é incorreto afirmar que:

a. o éter etílico é um líquido de alta pressão de vapor.


b. o fato de o corpo de uma pessoa que está em
atividade física estar mais quente que o corpo de uma
pessoa em repouso contribui para uma evaporação
mais rápida do éter.
c. o éter etílico é um líquido volátil.
d. ocorre transferência de calor do líquido para o corpo a. O líquido mais volátil é o A
do atleta. b. A pressão de vapor do líquido B é maior que a do
e. o etanol também poderia ser utilizado para a mesma líquido C para uma mesma temperatura
finalidade, mas sem a mesma eficiência. c. A temperatura de ebulição a 1atm do líquido C é
120°C
4. A presença de um soluto não volátil dissolvido em d. A temperatura de ebulição no pico do monte Everest
um solvente líquido altera o comportamento desse (240mmHg) do líquido A é 20°C
líquido na sua pressão de vapor que (x), no seu ponto e. As forças intermoleculares do líquido A são mais
de ebulição que (y) e no seu ponto de solidificação que intensas em relação aos demais líquidos
(z). Respectivamente, podemos substituir x, y e z por:
7. Considere o gráfico a seguir, que representa as
a. aumenta, diminui e aumenta. variações das pressões de vapor da água pura e duas
b. diminui, aumenta e diminui. amostras líquidas A e B, em função da temperatura.
c. aumenta, aumenta e diminui.
d. diminui, diminui e aumenta.
e. diminui, aumenta e aumenta.
5. “Mesmo em dias sem sol, o banho de mar provoca

Técnico em Química Físico-Química 54


FÍSICO-QUÍMICA
10. No diagrama de fases da água:

Pode-se concluir que, em temperaturas iguais:

a. a amostra A constitui-se de um líquido menos volátil As temperaturas tA e tB são, respectivamente:


que a água pura.
b. a amostra B pode ser constituída de uma solução a. pontos normais de fusão e ebulição.
aquosa de cloreto de sódio. b. pontos normais de ebulição e fusão.
c. a amostra B constitui-se de um líquido que evapora c. pontos de sublimação e fusão.
mais rapidamente que a água pura. d. pontos de ebulição e sublimação.
d. a amostra A pode ser constituída de solução aquosa e. dois pontos triplos que a água possui.
de sacarose.
e. as amostras A e B constituem-se de soluções 11. Relativamente ao diagrama de fases da água pura,
aquosas preparadas com solutos diferentes. é incorreto afirmar que, no ponto:

8. Na desidratação infantil, aconselha-se a


administração de soro fisiológico para reequilibrar
o organismo. Quando injetado nas veias, esse soro
deve:

a. ser isotônico em relação ao sangue.


b. ser hipertônico em relação ao sangue.
c. ser hipotônico em relação ao sangue.
d. ter pressão osmótica maior do que a do sangue.
e. ter pressão osmótica menor do que a do sangue.

9. Os três frascos a seguir contêm água pura a 25°C.

a. A, tem-se o equilíbrio entre água sólida e água


líquida.
b. B, tem-se o equilíbrio entre água líquida e vapor.
c. C, tem-se, somente, água na fase vapor.
d. T, as três fases coexistem em equilíbrio.
e. D, coexistem as fases vapor e líquida.
Vários estudantes, ao medirem a pressão
de vapor a 25°C, fizeram quatro anotações: 12. Tendo em vista o momento em que um líquido
PA = PB; PA diferente de PC; PC diferente de PB; PA se encontra em equilíbrio com seu vapor, leia as
= PB = PC. afirmações a seguir:

Quantas dessas anotações estão corretas? I. A evaporação e a condensação ocorrem com a


mesma velocidade
a. uma. II. Não há transferência de moléculas entre o líquido
b. duas. e o vapor
c. três. III. A pressão de vapor do sistema se mantém constante
d. todas. IV. A concentração do vapor depende do tempo
e. nenhuma.

Técnico em Química Físico-Química 55


FÍSICO-QUÍMICA
Das afirmações citadas, são FALSAS: c.ç A composição do vapor desprendido é a mesma da
solução residual.
a. I e III.
b. II e III. d. A temperatura de início de ebulição é maior que a
c. II e IV. da água pura.
d. I e II. e. A temperatura aumentar, à medida que a ebulição
e. III e IV. prossegue.

13. Considere o texto adiante: “Se as células vermelhas


do sangue forem removidas para um béquer contendo ANOTAÇÕES ESPECIAIS:
água destilada, há passagem da água para... (I)... das
___________________________________________
células. Se as células forem colocadas numa solução ___________________________________________
salina concentrada, há migração da água para... (II)... ___________________________________________
das células com o... (III)... das mesmas. As soluções ___________________________________________
projetadas para injeções endovenosas devem ter... __________________________________________
(IV)... próximas às das soluções contidas nas células.” __________________________________________
__________________________________________
Para completar corretá-lo corretamente, I,II, III e IV de- ___________________________________________
vem ser substituídos, respectivamente, por: ___________________________________________
___________________________________________
a. dentro – fora – enrugamento – pressão osmótica. ___________________________________________
b. fora – dentro – inchaço – condutividade térmica. ___________________________________________
___________________________________________
c. dentro – fora – enrugamento – colorações. __________________________________________
d. fora – fora – enrugamento – temperatura de ebulição. ___________________________________________
e. dentro – dentro – inchaço – densidades. __________________________________________
__________________________________________
14. Considere o diagrama que representa o equilíbrio __________________________________________
__________________________________________
entre fases da água pura. A linha que representa o fe- __________________________________________
nômeno de granizo é: __________________________________________
__________________________________________
__________________________________________
__________________________________________
__________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
a. (1) – (2). ___________________________________________
___________________________________________
b. (2) – (1). ___________________________________________
c. (4) – (3). ___________________________________________
d. (5) – (6). ___________________________________________
e. (6) – (5). ___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
15. Uma solução de NaCl em água é aquecida num ___________________________________________
recipiente aberto. Indique a afirmação falsa. ___________________________________________
___________________________________________
a. A solução entrará em ebulição, quando sua pressão __________________________________________
de vapor for igual à pressão ambiente. __________________________________________
__________________________________________
b. A concentração em quantidade de matéria da solu- __________________________________________
ção aumentará, à medida que prosseguir a ebulição. __________________________________________
__________________________________________

Técnico em Química Físico-Química 56


FÍSICO-QUÍMICA

UNIDADE VI
CINÉTICA QUÍMICA

Fonte: http://colegioweb.com.br

Reação entre solução aquosa de nitrato de chumbo III que nelas interferem.
e iodeto de potássio (quase instantânea) e formação
de ferrugem em ferro (reação lenta). 1. TEORIA DA COLISÃO

Todas as reações químicas necessitam de Para as reações químicas ocorrerem é necessário


certo tempo para se completar. Algumas reações haver o contato entre as partículas reagentes. Essa é
são extremamente rápidas, como por exemplo, a ideia básica da teoria das colisões.
a neutralização entre um ácido e uma base em
solução aquosa. Existem, por outro lado, reações Sabemos que as partículas de uma substância
extremamente lentas. química possuem energia própria que faz com que elas
fiquem em movimento. Esse movimento dá origem às
A velocidade com que ocorrem as reações depende colisões, e a partir dessas colisões pode ocorrer uma
de uma série de fatores, como estado físico dos reação química.
reagentes, temperatura, concentração dos reagentes,
presença de catalisador ou inibidor, superfície de Para que haja uma reação, é necessário que a
contato (no caso de reagentes sólidos) e a pressão do colisão ocorra com uma energia capaz de provocar um
sistema, no caso de haver reagentes no estado gasoso. rearranjo de átomos dos reagentes, formando novas
ligações. Além do fator energia os choques devem
A cinética inclui a compreensão dos modelos que ocorrer segundo uma orientação favorável.
explicam as reações químicas, bem como os fatores

Fonte: http://www.10emtudo.com.br/aula/ensino/cinetica_quimica

• Complexo ativado orientação favorável.

A rapidez de uma reação depende da frequência No instante em que ocorre o choque efetivo, forma-
das colisões e da fração dessas colisões que são se uma estrutura que recebe o nome de complexo
efetivas, ou seja, colisões com energia suficiente e ativado e que pode ser definido como um estágio

Técnico em Química Físico-Química 57


FÍSICO-QUÍMICA
intermediário em que todas as partículas dos reagentes
estão agregadas. A energia mínima necessária para
formar o complexo ativado é chamada de energia de
ativação (Ea).

A energia de ativação funciona como uma “barreira”


a ser vencida pelos reagentes para que a reação
ocorra. Assim, quanto maior for essa energia de
ativação, mais lenta será a reação e vice-versa.

Fonte: http://pibidqmcvr.blogspot.com.br/2012/12/as-transformacoesquimicas-e-o-tempo.

html

Fonte: http://pibidqmcvr.blogspot.com.br/2012/12/as-transformacoesquimicas-e-o-tempo.html

2. VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS

Velocidade de uma reação é expressa como uma grandeza que indica como as quantidades de regente ou produto
dessa reação variam conforme passa do tempo. É expressa pela variação da concentração, da quantidade de matéria,
da pressão, da massa ou do volume, por unidade de tempo.

Visto que se considera a variação da concentração e do tempo, é necessário diminuir os valores finais pelos iniciais
daquele intervalo da reação. Permitindo calcular a velocidade média em qualquer intervalo de tempo do processo:

Técnico em Química Físico-Química 58


FÍSICO-QUÍMICA
Se for considerada a variação da concentração dos de mol, etc. Já o tempo também pode ser dado em
produtos, a fórmula será: minutos ou horas, dependendo da velocidade com a
qual se processa a reação.

Como conseguimos calcular a velocidade média


global da reação?

Basta dividir cada valor da velocidade pelo


coeficiente da respectiva substância na equação
química que representa a reação. De forma geral:
Já no caso da variação da concentração dos
reagentes, teremos que adicionar um sinal negativo
na fórmula, pois como os reagentes são consumidos
durante o processo, a sua concentração final será
menor que a inicial e o resultado daria negativo:

A unidade da velocidade média será dada de


acordo com as unidades da concentração e do tempo. A velocidade da reação diminui com o tempo, ou
Por exemplo, se a concentração for dada em mol/L e o seja, à medida que os reagentes são consumidos, a
tempo em segundos, a unidade de Vm será mol. L-1. s-1. reação torna-se mais lenta. Uma das razões para isso
No entanto, as quantidades de reagentes e produtos é que à medida que a quantidade de reagentes diminui
também podem ser expressas em termos de massa, o número de colisões efetivas também diminui.
volume – principalmente no caso de gases –, número

Fonte: http://www.colegioweb.com.br/trabalhos-escolares/quimica/cinetica-quimica

I . Concentração dos reagentes diminuem com o Vm =  - ∆ [ O3]


tempo. ∆t
II. Concentração dos produtos aumentam com o
tempo. Vm =  -  [4 - 10 ] mol/L
III. Velocidade diminui com o tempo. 1 min

Exemplo: Uma reação que ocorre em um balão com Vm =  6 mol/L


10 mol do gás ozônio (O3). Suas moléculas colidem 1 min
umas com as outras, formando moléculas de oxigênio
(O2), conforme a equação química a seguir: Vm de decomposição de O3 = 6 mol. L-1. min-1

2O3 → 3O2 Isso significa que, durante 1 minuto, seis mol de O3


reagiram em cada litro do sistema.
Passado 1 minuto restam apenas 4 mol de ozônio,
o que significa claramente que 6 mol reagiram. Assim, Mas se fizéssemos esse cálculo em relação ao
a velocidade média de decomposição do O3 foi de 6 produto (O2), a velocidade média da reação de sua
mol. L-1. min-1, como mostrado a seguir: formação seria de 9 mol. L-1. min-1:

Técnico em Química Físico-Química 59


FÍSICO-QUÍMICA
2O3→ 3O2 de um pedaço de ferro é um processo lento, pois levará
2 mol ------ 3 mol algumas semanas para reagir com o oxigênio do ar.
6 mol ------   x Já no caso de um palito de fósforo que acendemos, a
x = 9 mol de O2 formados reação de combustão do oxigênio ocorre em segundos
gerando o fogo, sendo uma reação mais rápida.
Vm = ∆ [ O2]
∆t A velocidade das reações químicas depende de uma
série de fatores: a concentração das substâncias
Vm =  [9 - 0 ] mol/L reagentes, a temperatura, a luz, a presença de
1 min catalisadores, superfície de contato e pressão. Esses
fatores nos permitem alterar a velocidade natural de
uma reação química.
Vm =  9 mol/L
1 min • Concentração de reagentes

Vm de formação de O2 = 9 mol. L-1. min-1 Quanto maior as concentrações dos reagentes,


mais rápida será a reação química. Essa propriedade
Se quisermos descobrir também a velocidade global está relacionada com o número de colisões entre as
da reação, basta, conforme já fora dito, dividir cada partículas.
velocidade pelo seu respectivo coeficiente. Veja como
isso é feito abaixo: Exemplo: uma amostra de palha de aço reage mais
rápido com o ácido clorídrico concentrado do que com
2O3 → 3O2 ácido clorídrico diluído.

da reação = 6 mol. L-1. min-1 = 3 mol. L-1. min-1 • Temperatura


Vm
2
De um modo geral, quanto maior as temperaturas
                                  Ou mais rapidamente se processam as reações. Podemos
acelerar uma reação lenta, submetendo os reagentes
Vm da reação = 9 mol. L-1. min-1 = 3 mol. L-1. min-1 a uma temperatura mais elevada.
3
Exemplo: se cozinharmos um alimento em panela de
pressão, ele cozinhará bem mais rápido, pois devido
3. FATORES QUE INFLUEM NA VELOCIDADE DAS à elevação da pressão exercida sobre a superfície
REAÇÕES do líquido, a sua temperatura de ebulição irá também
aumentar e será maior em relação às panelas comuns.

• Luz

As reações, chamadas reações fotoquímicas,


podem ser favorecidas e aceleradas pela incidência
de luz. Trata-se de uma reação de fotólise, ou seja,
da decomposição de uma substância pela ação da
luz. Podemos retardar a velocidade de uma reação
diminuindo a quantidade de luz.

Exemplo: A fotossíntese, que é o processo pelo qual as


plantas convertem a energia solar em energia química,
é uma reação fotoquímica.

• Catalisadores

Os catalisadores são substâncias que aceleram uma


reação sem serem consumidas, ou seja, são regenerados
Uma reação química ocorre quando certas no final do processo. Aumentam a velocidade de uma
substâncias sofrem transformações em relação ao seu reação, pois abaixam a energia de ativação.
estado inicial. Não existe uma velocidade geral para
todas as reações químicas, cada uma acontece em Exemplo: alguns produtos de limpeza contêm enzimas
sua velocidade específica. Algumas são lentas e outras para facilitar na remoção de sujeiras. Essas enzimas
são rápidas, como por exemplo: a oxidação (ferrugem) facilitam a quebra das moléculas de substâncias
responsáveis pelas manchas nos tecidos.
Técnico em Química Físico-Química 60
FÍSICO-QUÍMICA

Observações:
3. LEI DA VELOCIDADE PARA UMA REAÇÃO
1. Um catalisador acelera a reação, mas não
aumenta seu rendimento, isto é, ele produz a
mesma quantidade de produto, mas num perío-
do de tempo menor.

2. O catalisador não altera o H da reação.

• Superfície de contato

Quanto maior a superfície de contato dos reagentes,


maior será a velocidade da reação. Exemplo: os
antiácidos efervescentes quando triturados se
dissolvem mais rápido em água do que em forma de
comprimido inteiro, isto porque a superfície de contato
fica maior para reagir com a água.

• Pressão

Um aumento da pressão favorece principalmente


as reações entre gases, aproximando as moléculas,
aumentando a frequência dos choques entre as moléculas
e, portanto, aumentando a velocidade das reações. Um dos fatores que interferem na velocidade,
rapidez ou taxa de desenvolvimento de uma reação
química é a concentração dos reagentes, geralmente,
um aumento na concentração dos reagentes aumenta
a rapidez de uma reação.

Isso pode ser visto na reação de decomposição


da água oxigenada (solução aquosa de peróxido de
hidrogênio):

H2O2(l) → H2O(l) + ½ O2(g)

A tabela contêm dados obtidos experimentalmente


e que relaciona a concentração do reagente, em
temperatura constante (25ºC) com a velocidade da
reação:

Técnico em Química Físico-Química 61


FÍSICO-QUÍMICA

Observe que do experimento 1 para o 2 dobrou- de Rapidez ou ainda Lei Cinética da Reação.  
se a concentração da água oxigenada e o resultado
foi que a velocidade da reação de decomposição Assim, para uma reação genérica balanceada, temos:
também dobrou. Já do experimento 1 para o 3, tanto
a concentração do reagente como a velocidade da
reação quadruplicaram.
aA + bB → cC + dD
Isso nos leva a concluir corretamente que a
concentração em mol/L é diretamente proporcional
à velocidade da reação. Essa relação entre a rapidez
de uma reação e as concentrações dos reagentes
é dada por uma expressão matemática que é
denominada lei da velocidade da reação. Assim,
para a reação descrita essa lei é representada da Os símbolos α e β são expoentes que são
seguinte forma: determinados experimentalmente. Na reação da água
oxigenada mencionada acima, o expoente foi igual a 1,
que é o mesmo valor do coeficiente dessa substância
na reação. Porém, isso não ocorre sempre. Somente
em reações elementares, isto é, que se desenvolvem
em uma única etapa, é que ocorrerá dos expoentes
na expressão da lei da velocidade serem iguais aos
A lei da velocidade de uma reação também é respectivos coeficientes.
denominada como Lei da Ação das Massas, Equação

Existem reações que ocorrem em várias etapas, e a mais lenta determina a velocidade da reação. Por exemplo:

Assim, os expoentes serão iguais aos coeficientes da equação balanceada somente para reações elementares,
que ocorrem em uma única etapa.

A ordem de uma reação é dada pela soma dos expoentes aos quais estão elevadas as concentrações na fórmula
da velocidade:

Técnico em Química Físico-Química 62


FÍSICO-QUÍMICA
primeira etapa da reação, que é a fase lenta.

Constante da velocidade é denominada de k. É


uma constante de proporcionalidade que relaciona
velocidade e concentração. Tem valor constante a
uma temperatura e varia com a temperatura. Para
dada reação, a constante de velocidade depende
fundamentalmente da temperatura, isto é, variando a
temperatura, varia o valor de k.
Entretanto, é importante lembrar que, na prática,
isso nem sempre acontece. Quando a reação não
Quando um dos reagentes se encontra no estado
é elementar, ocorrendo em mais de uma etapa, é
sólido, ou líquido em excesso, sua concentração não
necessário determinar experimentalmente os
aparece na equação da Lei da ação das massas:
valores dos expoentes. Isso será determinado pela

Exemplo: Considere a seguinte reação elementar:

2 HCl (g) → H2(g) + Cl2(g)

a. Escreva a equação de velocidade dessa reação;

Resolução:

v = k . [HCl]2 reação de 2ª ordem

b. Por meio de experiências, a velocidade dessa reação de decomposição do gás cloreto de hidrogênio e a concentração
desse reagente, em temperatura constante de 25 ºC, foram anotadas na tabela abaixo:

Com base nisso, determine a constante de velocidade característica dessa reação na temperatura mencionada.

v = k . [HCl]2
 
k = __v___
       [HCl]2

k = 1,01 .  10-3 mol . L-1 . min-1


               0,10 mol . L-1
    
k = 1,01 . 10-4 min-1

Para resolver a letra “b”, podem-se usar os dados de qualquer uma das experiências que o valor obtido será o mesmo.

Técnico em Química Físico-Química 63


FÍSICO-QUÍMICA
IDEIAS-CHAVE moléculas, aumentando a frequência dos choques
entre as moléculas e, portanto, aumentando a ve-
Teoria da colisão; Complexo ativado; Velocidade das locidade das reações.
reações químicas; Fatores que influem na velocidade
das reações; Concentração de reagentes; Catalisado- • Rapidez de uma reação e as concentrações
res; Energia de ativação; Temperatura; Velocidade das dos reagentes é dada por uma expressão ma-
reações químicas; Fatores que influem na velocidade temática que é denominada lei da velocidade
das reações; Lei da velocidade para uma reação. da reação.

RECAPITULANDO... PARA FIXAR O CONTEÚDO

• O estudo da cinética inclui a compreensão dos A. Questões discursivas


modelos que explicam as reações químicas, bem
como os fatores que nelas interferem. 1. Por que o catalisador altera velocidade de uma
reação?
• Para que haja uma reação, é necessário que a
colisão ocorra com uma energia capaz de provocar 2. Aplique a equação da lei da ação
um rearranjo de átomos dos reagentes, formando das massas às reações apresentadas:
novas ligações. Além do fator energia, os choques
devem ocorrer segundo uma orientação favorável. a. 2N2(g) + 3O2(g) → 2N2O3(g)                                            
b. 2NO2(g) → N2O4(g)
• No instante em que ocorre o choque efetivo,
forma-se uma estrutura que recebe o nome de
3. A reação hipotética 2X + 2Y → P + Q poderá
complexo ativado e que pode ser definido como
ocorrer segundo o seguinte mecanismo:
um estágio intermediário em que todas as partícu-
 
las dos reagentes estão agregadas.
X + Y → Z + W .............................. V1
• A energia mínima necessária para formar o  X + Z → P ...................................... V2
complexo ativado é chamada de energia de ativa-  W + Y → Q .................................... V3
ção (Ea). (soma):  2X + 2Y → P + Q ............. V4
 
• Velocidade de uma reação é uma grandeza onde V são as velocidades das reações expressas
que indica como as quantidades de regente ou em mol . l-1 . s-1. Admitindo que V1 = V3 > V2, a
produto dessa reação variam com o passar do velocidade global, V4, deverá ser mais próxima de
tempo. É expressa pela variação da concentração, qual velocidade?
da quantidade de matéria, da pressão, da massa
ou do volume, por unidade de tempo. 4. Seja a decomposição de água oxigenada: 2H2O2 →
2H2O + O2. Em dois minutos, observa-se uma perda
• A velocidade da reação diminui com o tempo, de 3,4g de água oxigenada. Qual a velocidade média
ou seja, à medida que os reagentes são consumi- dessa reação em relação ao gás oxigênio em mol/min?
dos, a reação torna-se mais lenta.
5. A figura abaixo indica a variação da quantidade de
• Quanto maior a concentração dos reagentes, reagente em função do tempo (t), num sistema em
mais rápida será a reação química. reação química. Calcule a velocidade dessa reação
nos intervalos de tempo:
• Quanto maior a temperatura, mais rapidamen-
te se processa a reação.

• Certas reações, as chamadas reações foto-


químicas, podem ser favorecidas e aceleradas
pela incidência de luz.

• Os catalisadores são substâncias que acele-


ram uma reação sem serem consumidas, ou seja,
são regenerados no final do processo.

• Quanto maior a superfície de contato dos rea-


gentes, maior será a velocidade da reação.

• Um aumento da pressão favorece principal-


mente as reações entre gases, aproximando as

Técnico em Química Físico-Química 64


FÍSICO-QUÍMICA
a. de 0 a 2min;
b. de 2 a 4min;

6. A reação de decomposição de iodidreto é representada pela equação química

2HI → I2 + H2

O controle da concentração de iodidreto presente no sistema, em função do tempo (em temperatura constante),
forneceu os seguintes dados:

Iodidreto(mol/L) 1 0,625 0,375 0,200 0,120


Tempo (min) 0 10 20 30 40

A velocidade dessa reação é constante? Por que?


7. O tempo de validade de um alimento em suas características organolépticas e nutricionais depende da embalagem
e das condições ambientais. Um dos tipos de acondicionamento necessário para a conservação de alimentos e a
folha-de-flandres, constituída de uma liga de estanho e aço. Analise o gráfico abaixo, que representa a reação de
oxidação entre a embalagem e o meio agressivo e responda:

Em qual das curvas, verde ou vermelha, a velocidade da reação química é mais acentuada?

8. A combustão do butano é representada pela equação:

Se houver um consumo de 4 mols de butano a cada 20 minutos de reação, qual o número de mols de dióxido de
carbono produzido em uma hora?

9. Indique os números que representam a variação de entalpia e a energia de ativação da reação direta.

Técnico em Química Físico-Química 65


FÍSICO-QUÍMICA
10. A reação se processa segundo as seguintes etapas: A tabela abaixo indica a variação na concentração de
reagente em função do tempo.
Etapa 1 (lenta): 1 H2(g) + 2 NO(g) → 1 N2Og) + 2 H2O(l)
Etapa 2 (rápida): 1 N2Og) + 2 H2O(l) → 1 N2(g) + 2 H2O(l)
Equação global: 2 H2(g) + 2 NO(g) → 1 N2(g) + 2 H2O(l)

Essa reação é de qual ordem?


Qual é a velocidade média de consumo do reagente
B. Leia atentamente as afirmativas e marque V para nas duas primeiras horas de reação?
as verdadeiras e F para as falsas.
a. 4,0 mol L-1h-1
1.( ) Toda reação é produzida por colisões, mas b. 2,0 mol L-1h-1
nem toda colisão gera uma reação. c. 10 km h-1
2.( ) Uma colisão altamente energética pode d. 1,0 mol L-1h-1
produzir uma reação. e. 2,3 mol h
3.( ) Toda colisão com orientação adequada produz
uma reação. 3. Na reação a seguir: X + 2 Y → Z, observou-se a
4.( ) A velocidade média de uma reação pode ser variação da concentração de X em função do tempo,
determinada por: quantidade de dos produtos segundo a tabela abaixo:
dividido pela quantidade de reagentes.
5.( ) Em geral, as reações aumentam de velocidade
com o aumento da temperatura.
6.( ) Em geral, as reações diminuem de velocidade
com o aumento da concentração dosreagentes
em solução. No intervalo de 4 a 6 minutos, a velocidade média da
7.( ) O aumento da pressão parcial dos reagentes, reação, em mol/L.min, é:
provoca um aumento na velocidade de
a. 0,010.
umareação entre substâncias no estado
b. 0,255.
gasoso.
c. 0,005.
8.( ) Um catalisador atua aumentando a energia de d. 0,100.
ativação para uma determinada etapa deuma e. 0,200.
reação química.
9.( ) A uma dada temperatura, a velocidade de 4. A isomerização de 1 mol de 1, 2 dicloro eteno foi
uma reação será maior quanto menor for realizada em um frasco fechado, obtendo-se os
suaenergia de ativação. seguintes valores de conversão em função do tempo:
10.( ) As reações nas quais os catalisadores
atuam ocorreriam mesmo nas ausências
dessassubstâncias.

C. Questões de múltipla escolha.


Nos primeiros 10 minutos de reação, a velocidade de
1. Assinale o fenômeno que apresenta velocidade isomerização em mol/min é:
média maior.
a. 8,00 x 10– 3.
a. A combustão de um palito de fósforo. b. 1,00 x 10– 3.
c. 9,00 x 10– 2.
b. A transformação de rochas em solos.
d. 1,00 x 10– 2.
c. A corrosão de um automóvel.
e. 1,25 x 103.
d. O crescimento de um ser humano.
e. A formação do petróleo a partir de seres vivos. 5. Óxidos de nitrogênio, NOx, são substâncias de
interesse ambiental, pois são responsáveis pela
2. A reação de decomposição da amônia gasosa foi destruição de ozônio na atmosfera, e, portanto,
realizada em um recipiente fechado: suas reações são amplamente estudadas. Num
dado experimento, em um recipiente fechado, a
2NH3 → N2 + 3H2 concentração de NO2 em função do tempo apresentou
o seguinte comportamento:

Técnico em Química Físico-Química 66


FÍSICO-QUÍMICA
7. Nas reações químicas, de um modo geral, aumenta-
se a velocidade da reação por meio da elevação de
temperatura. Isto ocorre porque aumenta:

I. a velocidade média das moléculas reagentes.


II. a energia cinética média das moléculas dos
reagentes.
III. a frequência das colisões entre as moléculas.

Das afirmações acima são corretas:

a. I apenas.
b. II apenas.
c. III apenas.
O papel do NO2 nesse sistema reacional é:
d. I e III apenas.
e. I, II e III.
a. reagente.
b. intermediário.
8. Indique, entre as alternativas abaixo, a forma mais
c. produto.
rapidamente oxidável para um material de ferro,
d. catalisador.
supondo-as todas submetidas às mesmas condições
e. energia de ativação.
de severidade.
6. No início do século XX, a expectativa da Primeira
a. Limalha.
Guerra Mundial gerou uma grande necessidade de
b. Chapa plana.
compostos nitrogenados. Haber foi o pioneiro na
c. Esferas.
produção de amônia, a partir do nitrogênio do ar.
d. Bastão.
Se a amônia for colocada num recipiente fechado,
e. Lingote.
sua decomposição ocorre de acordo com a seguinte
equação química não balanceada:
9. O que você faria para aumentar a velocidade de
dissolução de um comprimido efervescente
NH3(g) → N2(g) + H2(g)
em água?
As variações das concentrações com o tempo
I. Usaria água gelada.
estão ilustradas na figura abaixo:
II. Usaria água a temperatura ambiente.
III. Dissolveria o comprimido inteiro.
IV. Dissolveria o comprimido em 4 partes.

Assinale das alternativas abaixo a que responde


corretamente à questão.

a. I e IV.
b. I e III.
c. III.
d. II e III.
e. II e IV.

10. O esquema refere-se a um experimento realizado


em um laboratório de química:
A partir da análise da figura acima, podemos afirmar
que as curvas A, B e C representam a variação temporal A reação que ocorre nos tubos é CaCO3 + H2SO4 →
das concentrações dos seguintes componentes da CaSO4 + CO2. A liberação do gás carbônico, CO2,
reação, respectivamente:

a. H2, N2 e NH3
b. NH3, H2 e N2
c. NH3, N2 e H2
d. N2, H2 e NH3
e. H2, NH3 e N2

Técnico em Química Físico-Química 67


FÍSICO-QUÍMICA
a. no tubo A é mais rápida, pois a superfície de contato a. A > A’ e B > C.
dos reagentes é maior. b. A > A’ e C > B.
b. no tubo B é mais lenta, pois a superfície de contato c. A’ = A e C > B.
dos reagentes é menor. d. A’ > A e C > B.
c. nos tubos A e B ocorre ao mesmo tempo. e. A’ > A e B = C.
d. no tubo B é mais rápida, pois a superfície de contato
13. No diagrama abaixo, o valor da energia de ativação
dos reagentes é maior.
correspondente (em kcal) é:
e. no tubo A é mais rápida, pois a superfície de contato
dos reagentes é menor.

11. Três experimentos foram realizados para investigar


a velocidade da reação entre HCl aquoso diluído e
ferro metálico. Para isso, foram contadas, durante 30
segundos, as bolhas de gás formadas imediatamente
após os reagentes serem misturados.

Em cada experimento, usou-se o mesmo volume de


uma mesma solução de HCl e a mesma massa de
ferro, variando-se a forma de apresentação da amostra
de ferro e a temperatura. O quadro indica as condições
em que cada experimento foi realizado:

a. 25.
b. 85.
c. 40.
d. 110.
e. 65.
Assinale a alternativa que apresenta os experimentos
na ordem crescente do número de bolhas observado: 14. A equação X + 2 Y→ XY2 representa uma reação,
cuja equação da velocidade é:
a. III, II, I. v = k . [X] . [Y]
b. II, I, III. Indique o valor da constante de velocidade, para a
c. I, II, III. reação dada, sabendo-se que, quando a concentração
d. II, III, I. de X é 1 mol/L e a de Y é 2 mol/L, a velocidade da
e. I, III, II. reação é de 3 mol/L.min.:
a. 3,0.
12. É correta afirmar que as velocidades das reações b. 1,5.
dos compostos gasosos nos sistemas contido em I e II c. 1,0.
abaixo, sob a ação de êmbolos, são, respectivamente: d. 0,75.
e. 0,5.

15. O óxido nítrico reage com hidrogênio, produzindo


nitrogênio e vapor de água de acordo com a reação:
2 NO(g) + 2 H2(g) → N2(g) + 2H2O(g)

Acredita-se que essa reação ocorra em duas etapas:

NO + H2 → N2O + H2O (lenta)


N2O + H2 → N2 + H2O (rápida)

De acordo com esse mecanismo, a expressão da


velocidade da reação é:

a. v = k [NO2]2[H2]

b. v = k [NO2][H2O]

c. v = k [NO][H2]

d. v = k [N2][H2O]

e. v = k [N2][H2O]

Técnico em Química Físico-Química 68


FÍSICO-QUÍMICA

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

USBERCO, J.; SALVADOR, E.: Química. 5° edição. São Paulo: Saraiva, 2002. Volume único.

FELTRE, R; Fundamentos da química; volume único; 3ª edição revista e ampliada; editora Moderna; São Paulo; S.P.;
2001.

TITO E CANTO; Química na abordagem do cotidiano; 2ª edição; volume 3; editora Moderna.

SOLOMONS, T.W.G; Química orgânica I; volume 1; 7ª edição; editora LTC; Rio de Janeiro; R.J.; 2000.

PERUZZO,F.M.; CANTO, E.L.: Química na abordagem do cotidiano. 4° edição. São Paulo: Moderna, 2010. Volume 1.

LISBOA,J.C.F.: Química. 1° edição. São Paulo: Editora SM, 2010. Volume 1.

ATKINS, P.; JONES, L.: Princípios de Química: Questionando a vida moderna e o meio ambiente. 2° edição. Porto
Alegre: Bookman, 2001.

NÓBREGA, O.S.; SILVA, E.R.; SILVA, R.H.: Química. 1° edição. São Paulo: Editora Ática, 2008. Volume único.

MORTIMER, E.F.; MACHADO, A.H.: Química. 1° edição. São Paulo: Editora Scipione, 2008. Volume único.

SITES E LINKS ÚTEIS

http://www.profpc.com.br
http://www.infoescola.com

Técnico em Química Físico-Química 69

Você também pode gostar