Você está na página 1de 4

Determinação da gravidade por experimentos com pêndulo simples

Bernardo Pignata Bochi Filho, Daniel Pires Neto, Nivio Polizzi Limongi

Instituto de física

I. INTRODUÇÃO

O pêndulo simples trata-se de uma

estrutura com uma massa puntiforme

presa a um fio inextensível. É um equipamento muito utilizado para estudar força peso e consequentemente a gravidade. Galileu Galilei descobriu sobre a periodicidade do pêndulo que associada a segunda lei de Isaac

Newton torna possível relações entre

o ângulo formado pelo fio com eixo ao

comprimento do fio e a força da gravidade. Ademais, por convenção para pequenas oscilações, ângulos próximos de zero tem-se que seno do

ângulo é aproximadamente igual a ângulo, tornando a relação entre período, comprimento do fio e gravidade independentes do ângulo, como será calculado e demonstrado nesse relatório.

II.

OBJETIVO

O objetivo do experimento foi

determinar a aceleração da gravidade através do período de um pêndulo.

III. FUNDAMENTOS TEÓRICOS

O problema físico a ser estudado

consiste na medição da aceleração da gravidade mediante a utilização de um pêndulo com uma pequena oscilação, medindo-se o comprimento do fio (L) e período do pêndulo(T), e suas respectivas incertezas. A partir destas medições a aceleração da gravidade (g) será determinada por

= ²

²

,

e o período por:

= √

,

IV. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Para medição da aceleração da gravidade utilizamos um pêndulo passível de alteração no comprimento do fio. Além disso, a angulação entre o eixo do pêndulo e o fio, posição inicial do lançamento, deveria ser menor que 10 graus. Sendo assim, começamos o processo medindo o comprimento do fio com um trena de resolução ∆r = 1mm. Posteriormente medimos a angulação com um transferidor. Após, soltamos o pêndulo do local previamente posicionado a partir do ângulo medido, e com 4 cronômetros de resolução ∆r = 0,01 s, medimos os períodos, 30 vezes distintas para 5 comprimentos de fios distintos. As determinações dos tipos de incertezas foram obtidas a partir da flutuação estatística:

∆ =

> ∆,

Assim concluímos que a incerteza do cronometro é do tipo A:

UT =

,

Se a flutuação estatística segue esse padrão:

∆ =

≤ ∆,

Concluímos que a incerteza da trena é do tipo B:

UL =

,

A gravidade uma vez que é calculada a partir de outras medições possui uma incerteza do tipo C:

Ug² = ( )²UL²+ (

)²UT²

Os resultados obtidos para gravidade foram comparados pro meio do teste de compatibilidade:

=

||

²+² 2,5;

Os testes compatíveis geram a média ponderada da gravidade a partir das relações:

̅̅̅̅̅ =

,

=

=

√∑

,

V. RESULTADOS E DISCUSSÕES

Primeira medição:

L1 = 0,93m; Incerteza do comprimento:

UL1 = ± 0,00058m; Comprimento = (0,93000 ± 0,00058)m;

Medidas dos períodos:

1,94 s

1,96 s

1,93 s

1,92 s

1.89

s

1.84

s

1,93 s

1,95 s

1,92 s

1,94 s

1.84

s

1.86

s

1,93 s

1,93 s

1,94 s

1,93 s

1.90

s

1.78

s

1,96 s

1,92 s

1,93 s

1,94 s

1.93

s

1.90

s

1,95 s

1,94 s

1,92 s

1,94 s

2.01

s

1.85

s

Média dos períodos: T1= 1,92 s;

Incerteza do período:

UT1 = ± 0,0082s; Período = (1,9200 ± 0,0026) s;

Gravidade: g1= 9,960m/s²; Incerteza da gravidade:

Ug1 = ± 0.085m/s²; g1 ± ug = (9,9600 ± 0,0322) m/s²;

Segunda medição:

L2 = 1,12m; Incerteza do comprimento:

UL2 = ± 0,00058m; Comprimento = 1,12000 ± 0,00058m;

Medidas dos períodos:

2,15 s

2,12 s

2,12 s

2,15 s

2.20

s

2.11

s

2,14 s

2,12 s

2,12 s

2,14 s

2.18

s

2.18

s

2,14 s

2,13 s

2,13 s

2,16 s

2.18

s

2.14

s

2,14 s

2,11 s

2,14 s

2,16 s

2.12

s

2.15

s

2,13 s

2,11 s

2,14 s

2,13 s

2.19

s

2.20

s

Média dos períodos: T2= 2,14s; Incerteza do período:

UT2 = ± 0,0048 s; Período = 2,1400 ± 0,0048 s;

Gravidade: g2= 9.650m/s²; Incerteza da gravidade:

Ug2 = ± 0,044m/s²; g2±ug = 9,650 ± 0,044 m/s²;

Terceira medição:

L3 = 0,56m;

Incerteza do comprimento:

UL3 = ± 0,00058m; Comprimento = 0,5600 ± 0,00058m;

 

Gravidade: g4= 9,76 m/s²; Incerteza da gravidade:

 

1,50 s

1,52 s

1,49 s

1,52 s

1.48

s

1.58

s

1,52 s

1,52 s

1,50 s

1,51 s

1.55

s

1.56

s

Ug4 = ±0,068m/s²; g4±ug4 = 9,760 ± 0,068m/s²;

 

1,52 s

1,51 s

1,50 s

1,50 s

1.56

s

1.54

s

1,50 s

1,51 s

1,49 s

1,52 s

1.56

s

1.52

s

1,51 s

1,51 s

1,52 s

1,51 s

1.50

s

1.49

s

Medidas dos períodos:

 

Quinta medição:

 
 

L5 = 0,54m; Incerteza do comprimento:

 

Média dos períodos: T3= 1,52 s;

 

UL5 = ± 0,00058m; Comprimento = 0,54000±0,00058m;

 

Incerteza do período:

 

Medidas dos períodos:

 

UT3 = ± 0,0044 s;

 

1,49 s

1,47 s

1,50 s

1,45 s

1.43

s

1.50

s

 

1,50 s

1,47 s

1,50 s

1,44 s

1.49

s

1.42

s

Período = 1,5200 ± 0,0044 s;

 

1,48 s

1,46 s

1,45 s

1,45 s

1.53

s

1.44

s

 

1,46 s

1,45 s

1,44 s

1,48 s

1.53

s

1.44

s

1,47 s

1,48 s

1,50 s

1,46 s

1.45

s

1.48

s

Gravidade: g3= 9,57 m/s²;

 

Incerteza da gravidade:

 

Média dos períodos: T5= 1,47 s; Incerteza do período:

 

Ug3 = ± 0,056m/s²;

 

UT5 = ±0,0051 s; Período = 1,4700 ± 0,0051 s;

 

g3±ug3 = 9,570 ± 0,056m/s²;

 
 

Gravidade: g5= 9,87 m/s²; Incerteza da gravidade:

 

Quarta medição:

 

Ug5 = ±0,069m/s²; g5±ug5 = 9,870 ± 0,069m/s²;

 

L4 = 0,38m; Incerteza do comprimento:

 

UL4 = ± 0,00058m; Comprimento = 0,38000±0,00058m;

 

Teste de compatibilidade:

 
 

Medidas dos períodos:

 

g1 com g2:

 

g2 com g4:

 
   

k

= 3,24

K=1.36

1,24 s

1,23 s

1,24 s

1,23 s

1.19

s

1.22

s

g1 com g3:

 

g2 com g5:

 

1,23 s

1,24 s

1,24 s

1,24 s

1.18

s

1.22

s

 

k

= 3.83

K

= 2.69

1,26 s

1,24 s

1,26 s

1,24 s

1.28

s

1.25

s

g1 com g4:

 

g3 com g4:

 

1,25 s

1,22 s

1,25 s

1,22 s

1.26

s

1.29

s

 

k

= 1.84

K

= 2.16

1,23 s

1,24 s

1,24 s

1,25 s

1.25

s

1.28

s

g1 com g5:

 

g3 com g5:

 
   

k

= 0.82

K

= 3.38

g2 com g3:

 

g4 com g5:

 

Média dos períodos: T4= 1,24 s;

   

k

= 1.12

K

= 1.14

Incerteza do período:

UT4 = ±0,0042 s;

Período = 1,2400 ± 0,0042 s;

A partir da tabela apresentada conclui-se que nem todos os valores encontrados para as gravidades são compatíveis entre si. A gravidade média proveniente da média ponderada é:

̅̅̅̅̅ = 9,710 m/s²

Ugm = ± 0,027 m/s²

Sendo assim, utilizamos desses valores médios para fazer um teste de compatibilidade com a gravidade gerada pelo coeficiente angular do gráfico L (comprimento do fio) x T² (período) (g= 9.706 m/s² e Ug = 0.010). Assim obtivemos um resultado compatível, com k = 0,14.

Vl.

CONCLUSÃO

O objetivo de calcular a aceleração da gravidade foi alcançado. Com arranjo experimental adequado e a partir do auxílio dos equipamentos fornecidos em laboratório foi possível encontrar medições próximas a realidade. Proximidade constatada pelo valor da gravidade média obtida ̅̅̅̅̅ =9,710 ± 0,027 m/s² com relação a gravidade obtida pelo coeficiente do gráfico L x T² (g = 9.706m/s²), mesmo tendo a limitação na precisão dos equipamentos.