Você está na página 1de 124

go

o Jo de Ta
m

bu
é
Cont

leiro
M
PELO
PELO

DOS
DOS

POR QUE
TUDO É
SEXUAL?

1
O riso é fonte de energia e o sorriso é uma
terapia para nossos males, que não são
poucos. Freud disse que “o humor não se
resigna, desafia”. Pacha Urbano topa o desafio
e, com seu desenho elegante e humor
inteligente, explica Freud e faz Freud se
explicar. “As traumáticas Aventuras do Filho
de Freud” é um livro de tiras que mais parece
uma boa comédia (que você não vai encontrar
na Netflix). Está na terceira temporada, ou
seja, este é o volume 3. Agora, deite no divã
(ou sofá) e curta este mestre da HQ.

Nani
Chargista e cartunista

2
3
Copyright 2017 © Pacha Urbano

Editor: Ângelo Cláudio


Textos e Ilustração: Pacha Urbano
Capa, projeto gráfico e diagramação: Rafael Geraldo
Preparação: Roberta Dias
Revisão: Luiza Martins

DADOS INTERNACIONAIS PARA CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO (CIP)

U72t

Urbano, Pacha.
As traumáticas aventuras do Filho do Freud: Por que tudo é
sexual? / Pacha Urbano . – Rio de Janeiro : CJT Comunicação e
Tecnologia, 2017.
120 p. ; 17cm x 24cm.
ISBN 978-85-94496-03-4

1. Histórias em quadrinhos. 2. Sátira. I. Título.

CDD 741.5
2017-783 CDU 741.5
Vagner Rodolfo CRB-8/9410

Todos os direitos reservados


Editora Viés é um selo da CJT Comunicação e Tecnologia LTDA
Rua Mário Portela, 106 – Laranjeiras
Rio de Janeiro – RJ
CEP: 22241-000
www.grupocjt.com.br/editoravies
contato e envio de originais: contato@grupocjt.com.br
É proibida a reprodução deste livro sem a prévia autorização do autor e da editora.
Ao meu pequeno Jean-Martin, a criança que eu
gostaria de ter sido.
Prefácio

D
esde seu nascimento, a psicanálise sempre desta teoria (e prática) se tornaram populares e, até
esteve, em alguma medida, buscando dialo- mesmo, comuns em nosso dia a dia, parece bem apro-
gar com outras áreas do saber humano. Essas priado. A vulgarização de uma teoria permite, entre
pretensas interlocuções permitiram uma recepção da outras coisas, que se diga mais sobre ela do que em
psicanálise por outros campos, principalmente aque- seu próprio contexto inicial. É dessa maneira que leio
les mais distantes da medicina. No Brasil não foi di- e me deleito com as ilustrações do Pacha. Em seu
ferente. Já nas primeiras décadas do século passado, novo livro As TRAUMÁTICAS Aventuras do Filho
podemos observar uma apropriação da psicanálise não do Freud – Por que tudo é sexual?, o autor nos apre-
apenas por médicos, mas por educadores, escritores, senta um punhado da complexidade das dinâmicas
pintores, músicos etc - o movimento modernista é um humanas peculiares do nosso tempo - por exemplo,
bom exemplo disso. Ou seja, a psicanálise se apresenta a decadência da figura paterna, a rivalidade entre ir-
como um fenômeno cultural que está para além dos mãos, os descompassos nas relações amorosas, entre
consultórios, para além do que os psicanalistas dizem outras. Porém, é ao colocar todas essas experiências
em nome dela. A psicanálise é um fenômeno cultural vividas por personagens como Freud e seus familia-
altamente capilarizado e seus efeitos podem ser sen- res que a mágica acontece. É divertido ver a maneira
tidos, ouvidos e vistos até hoje. O trabalho do Pacha como Urbano expõe as pelejas entre Freud e Jung,
Urbano é prova disso. na maioria das vezes sob a perspectiva de seus filhos
Por outro lado, dizer que a psicanálise é uma (Anna, Jean-Martin e Helene); as constantes frustra-
teoria popular parece demasiado ingênuo, para não ções de Jean-Martin diante de seu pai, que insiste em
dizer equivocado. Mas afirmar que alguns elementos confirmar sua teoria em tudo - traço bem peculiar
em alguns psicanalistas; a apatia de Helene; as impli- discussão dentro do seio da família freudiana me pa-
câncias de Anna; e as desilusões de Jean-Martin. O rece salutar e estratégico do ponto de vista de uma
corvo, o flamingo, o cachorro e o gato ajudam a com- luta por direitos, pois contribui para a ideia de que a
por muito bem as narrativas. Além de serem membros normalidade é algo construído, nunca algo dado ante-
da família Freud, eles têm uma função dramática na riormente, ao mesmo tempo que propõe uma reflexão
produção do autor. sobre a diversidade. E tal reflexão é preciosa, já que
Tudo é desenhado e escrito com um ar leve, en- pode atingir um público mais amplo e também um
graçado e sagaz, com pitadas de ironia, é claro. To- público bem conhecido: os psicanalistas.
davia, isso não significa dizer que Pacha não aborde Pacha Urbano é um artista. Com seus traços ine-
temas difíceis e problemáticos. Sim, ele o faz e sem se quívocos e uma inteligência peculiar, ele transmite suas
esquivar de sua posição política. Ele não nos apresen- ideias desde sua experiência de vida, provocando-nos e
ta um Freud vitoriano, muito pelo contrário: ele nos convocando-nos. Com o seu fazer - com a arte que reali-
oferece um Freud próximo, por vezes burlesco, e que za - convida-nos a uma outra experiência estética. Dian-
convive com questões atuais de nossa sociedade. Em te de seu trabalho, somos verdadeiramente afetados.
suas tirinhas ele vai tirando sarro de “nossas” careti-
ces e dogmas (e digo isso com conhecimento de causa).
Ao mangar de Freud, ele nos faz ver que não se deve Francisco Capoulade
levar tão a sério nossas concepções: é preciso brincar Psicanalista e Cineasta. Doutor em psicologia pela
com elas, é preciso extrair mais do que elas têm, pois Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e
nosso tempo é outro e requer criatividade para avan- em psicanálise pela Université Paris-Diderot (Paris
çar. Ou seja, não devemos esclerosar os preceitos de VII). Mestre em psicologia pela PUC Campinas.
Bacharel em filosofia pela PUC Campinas. Membro
Freud, mas, antes, coloca-los à prova.
da Associação Campinense de Psicanálise (ACP).
Ainda no âmbito de um posicionamento polí- Diretor do filme documentário “Hestórias da
tico, Pacha aborda o tema dos gêneros. Inserir essa Psicanálise: Leitores de Freud”.

9
Os Traumáticos Freud
Hoje é dia dos pais Só mesmo desprezando
o senhor para conseguir Mas isso é previsível.
e você ainda não fez Alívio? Não ouviu
alguma atenção. Pensei tratar-se de
nada para tentar me o que eu disse?
outra coisa e que eu
impressionar. Estou Estou desprezando
teria de reescrever
preocupado, garoto. o senhor.
Que alívio... minhas teorias.

Agora que meu Pretende empalhar Chamava-se Barnabé,


segundo marido sua libido, como fez como meu primeiro marido.
morreu, doutor, com este gato que Excelente trabalho de
nunca mais vou traz para as sessões, taxidermia, não acha?
querer saber
senhora Witwe?
de sexo.

12
Você é a tal Anna? A carta será
A que escreve para o Albert e... Ehh... Sim. Mas ele
Que tal escrevermos
cartas de amor é lindo. Estou
Para o Albert? uma carta de amor
infalíveis aqui apaixonada por ele.
Albert Grob? infalível para sua
na escola?
O que trata as autoestima primeiro?
Sim. Por meninas como
cinquenta se fossem mmmm...
centavos. insetos?

Mas isso é um roubo! Não posso fazer


Quero que escreva
Está mais caro que nada se você acha
uma carta de amor Cinquenta centavos o bolo da cantina. mais barato viver
infalível, Anna. adiantados, por favor. sofrendo em
completa solidão,
Shultz.

13
Você me convenceu,
tome os cinquenta Vamos lá.
centavos para Para quem
escrever uma carta Para você, Anna. Nem eu conseguiria
seria esta
de amor infalível. tal proeza, Shultz.
carta?

Veio me pedir para então


escrever uma carta Jamais escreveria Não precisa Os cinquenta
de amor infalível uma carta de me pagar centavos são
para meu irmão, amor para os cinquenta para você NÃO
Jocasta? seu irmão, Anna. centavos. escrever a carta.

14
Um dia em meu lugar.
O que achou, querida?

Acho que a culpa é dos meus pais. É como prever


o futuro.

Quero que encontre Não diria medo.


Por que uma coisa para Está mais para Negação.
mim, garoto. ansiedade realística...
está aí em Quem diria,
cima, papai? hein, papai?
ah, Não me
diga que
está com
medo dessa
barata!

15
Ficava no meu quarto, Isso foi um
esperando minha mãe ronco, doutor?
vir me dar um beijo
de boa noite, doutor.
Aquela espera era Não.
infindável. Eu sabia que Pigarro.
ela e meu pai estavam...

Vocês estão
Por que fazendo a
temos de pergunta errada.
ajudar nas A correta seria:
tarefas E por que não?
domésticas?

16
Agora serei um Faquires meditam por O senhor acaba de
faquir e Caminharei horas a fio e têm uma estragar minha fantasia.
Não era para
sobre brasas, dieta muito rigorosa.
você estar no dormirei em uma
banho, garoto? ou seja: Nada de
cama de pregos e pretzels, schneckes, Meus pacientes
controlarei o meu vivem me
strudels, donauwelles...
corpo com a mente. dizendo isso.

Quando falo que


já está virando
crááá... bagunça, dizem que
sou paranoico.
GRRrR...

17
Também escondo uma
Mmmm... Somos eu, meu pai, flamingo no sótão. Está Ué, meu pai diz
Bom dia, garoto. Somos minha mãe, minha irmã, o anotando? Pensando bem, que família é em
do censo e gostaríamos corvo de estimação dela pode acrescentar aí o
quem deposito
de saber quantos são os e a cadela do meu pai. superego de cada um deles.
membros de sua família. afeto parental.
Às vezes, a babá da minha
irmã também e, vez ou
O senhor está me
outra, minha avó. Mas, garoto, não deixando confuso.
posso marcar isso,
porque não são
exatamente
uma família...

Mas o sonho
Sonhei que ele Ele pediu
Bateu outra está claro:
estava roubando desculpas, então
vez no seu inconscientemente,
minha mesada. inconscientemente
irmão. por quê? você é quem
Acordei com raiva queria me roubar
desejava roubar
e o cobri de tapas. também.
a mesada dele.

18
Doutor, acho que Está vendo Chama-se vida
vou precisar de Acompanhe-me, aquilo lá fora? e eu também
mais do que cinco por favor. tenho uma.
sessões por semana.
Não,
aquilo
mmmm... o quê?

Será lançamento do Não vestirei


Por que está livro do seu pai em isso nunca! Se ela não quiser
fazendo isso outra cidade. Só quero Pareço um bolo eu uso, mamãe.
comigo? que esteja bonita, Anna. de casamento.

19
Ah, doutor Jung, Estou ligando Meu irmão e eu Mmmm... Aposto que
como vai? não, porque gostaria estamos com muitas é um estratagema do
é a Anna mesmo de convidar sua saudades e como ela seu pai para tentar me
quem está falando. filha Helene para o não tem respondido convencer a comprar
Meu pai tem a voz lançamento do livro minhas cartas, os livros dele, como
mais grossa. novo do meu pai na pensei então se... da última vez.
cidade de vocês.

Jean-Martin, Não devo É a noite de


repita seu lema ter atitudes Não devo autógrafos
extravagantes. fazer perguntas
de hoje. do livro novo
inconvenientes do seu pai e
Anna, às pessoas. devem quebrar
repita a expectativa
o seu. das pessoas.

20
E aquele menino ali, Aquele tentando Mmmm... O que não quer
Sra. Freud, é seu filho? enfiar cinco canapés Lamentavelmente, não. devolver a peruca
de uma vez na boca. O meu é aquele ali. daquela senhora?
qual?
Esse
mesmo.
Com
licença.

Não poderia perder Ora, é só me passar Não o trouxe,


Se não é vim apenas para
por nada a sua noite o livro que assino
o próprio ajudar a encher
de autógrafos, para o senhor.
Doutor Jung esse lugar vazio
Doutor Freud.
em pessoa. como suas teorias.

21
Pelo visto não veio Olhe em volta, o
Para mim parece Exato.
nem metade dos lugar está lotado.
estar bastante Seu ego está
leitores esperados, cheio, Doutor Jung. preenchendo
hein, Doutor Freud. Como? todo o lugar,
Só vejo doutor.
a mim e...

Li de ponta à ponta O senhor pode até se


Muito elogioso de Não duvido, doutor.
este seu novo livro, refugiar na insolência,
sua parte, Doutor Se a agradasse,
Doutor Freud, e me doutor, mas a crítica
Jung, não esperava estaria fazendo um
pareceu estapafúrdio. concordará comigo.
menos do senhor. péssimo trabalho.

22
Vocês na fila: têm certeza Sem dúvida. E eu adoro
Bem, Doutor Jung, de que querem comprar tentar adivinhar
preciso assinar Eu vim pelas
as obscenidades que obscenidades, quem são
o livro dos este senhor escreve? os pacientes.
cavalheiro.
meus leitores.

O decote dela está


Boa noite, senhora. Anna, o que disse
Ah, essa criaturinha sendo a sensação
Minha filha está sobre perguntas
curiosa é sua filha? da noite. Aposto
lhe incomodando? inconvenientes?
que se divorciou
recentemente.

23
Até que sua noite Seu editor não Claro que não.
Mas poucos livros parecia triste. Era ele quem
de autógrafos ficou
foram vendidos. gerenciava as apostas
bastante cheia, querido. da minha briga com
o Doutor Jung.

Uma pena o seu Também queria De fato, em dado


pai não tê-la revê-la, Anna, mas momento o
levado para ele achou que o Doutor Jung Às vezes o papai
ambiente não seria arriou as calças se entusiasma
a noite de
apropriado para e gritou com um pouco com
autógrafos
crianças. o meu pai. o champanhe.
do papai, Helene.

24
Esta angústia,
Ao se insubordinar Mas eu só quero
cruzando a fronteira Garoto, o que está
às regras morais da outro chocolate.
entre o Ego e o Id, e sentindo é amoral
sociedade, você se
desafiando o superego, e intensamente
entrega às funções
nada mais é do que o egoísta.
fisiológicas e se Você está
seu desejo pelo
rende aos instintos. de dieta.
seio materno.

Papai, sairei em expedição


para conhecer novos Narcisismo e desejo Estou tentando Continue assim, mas
continentes, visitar de voltar ao útero ser uma criança não esqueça de
lugares distantes, materno a esta hora sadia e imaginativa, estudar matemática.
desbravar florestas, da manhã, garoto? sabia? Sua prova é amanhã.
batizar montanhas
com meu nome...

25
E essa cara de
Sim, querida. Quem deveria preocupado, querido?
Então, veio se consultar
Ele falou poucas vir se consultar
com o meu pai porque
e boas para mim. é ele, por agir
seu namorado está
Já não sei mais como um idiota. Outra paciente
ameaçando se separar
o que fazer. Em seu lugar... abandonou o
da senhora?
tratamento.

Inclusive trouxe alguns desculpe-o, O senhor deveria ter


monsieur Jules Verne,
finais que reescrevi monsieur Verne. me deixado mostrar
o senhor é o meu
para o senhor mudar o garoto só os finais para ele! E
escritor favorito.
em seus livros. note está um pouco toda aquela sua teoria
Estou muito feliz em
que em Viagem à Lua... nervoso. de ressignificação?
poder conhecê-lo e
ter seu autógrafo.
Pardon?

acho que
ainda não
pegou o
espírito
da coisa,
garoto.

26
Estou triste que a Era sobre um anjinho
Viu? Tinha até
senhora Bergenthal que queria voltar para
E do se tratava um sininho...
não tenha aceitado o Paraíso. Eu seria o
esta sua peça, anjinho, claro. Veja, fiz
minha peça de teatro
Jean-Martin? um desenho do cenário
para a festa de Natal
da escola, mamãe. da entrada para o Céu.

Entendo o cavalheiro Figura paterna ausente, sua Posso ajudá-lo. Atendo


querer me assaltar, uma mãe devia dar mais atenção neste endereço de Isto é um
vez que deve levar uma aos seus irmãos que a você, segunda a sábado, por assalto,
vida difícil, resultado de agressividade má dirigida, trezentos a sessão. doutor!
uma infância turbulenta. alcoolismo...

sim...

27
Que ótimo! Finalmente Não fale assim. Claro, que lembro.
Tentando me comprará um terno Gostava dele. Nós ainda éramos
seduzir, querido? novo. Aquele estava Você me deu de noivos, querido.
para se jogar fora. presente, lembra?

Fui
assaltado
voltando
para casa.

Andar só de Ei, o que está Acabo de ser


Ué, está liberado? cueca pela casa. fazendo? assaltado, garoto,
não preciso de mais
Não, é que... traumas por hoje.
Estou
aderindo ao
movimento.

Liberado?
Do que está
falando,
garoto?

28
Estou traindo Agora temos
Mmmm... Com a
o meu marido, avanços.
e? amante dele.
doutor.

nunca mais subestime


ganhei Um correio as pessoas, garoto.
do amor da Jocasta.
xeque-mate! ela Não é aquela
com essa: e ainda
menina de que você
Seis a zero. por cima o
gosta, Jean-Martin?
kurt é bom em
matemática.

29
crááá! Só quero
Vamos, Rosa, o meu diário
Desista, Edgar! pode sair daí, de volta.
Eu sei que você não estou
está tentando bravo com
acobertá-la. você, juro.

“Querido diário, “Minha irmã Anna “Já eu penso que é


hoje completam-se diz que só falar a apenas questão de É... acho que
quatro dias desde que respeito dela durante tempo até que deixe estou fazendo
isso errado.
parei de fantasiar um todo dia é continuar de gostar dela e ela
romance com minha passe a gostar
fantasiando.”
vizinha Jocasta.”
de mim.”

30
Desejo de voltar Descrevi ao senhor
Papai, sonhei que caía ao útero materno, Precisa resolver a viagem de Gulliver
em uma ilha onde os na figura da ilha, e estas questões, a Liliput. Eu menti.
habitantes eram ser enorme entre garoto.
minúsculos e eu era pequenos é sua
o único gigante. visível carência pelo Eu não.
reconhecimento
paterno.

tendo a acreditar que


as primeiras lembranças Esta seria a sua
da infância seriam uma justificativa para eu
elaboração posterior, não ficar chateada
por não comprar
e que talvez tenha
morangos para mim?
sofrido a influência Sim, anna,
Está tentando me
de inúmeras forças estou
enrolar, papai?
psíquicas também
posteriores.

31
Quem foi um bom Um homem que na Ei, esse presente
calada da noite invade este é um
menino este ano? era para mim?
clandestinamente a nível bastante
Ho ho ho!
casa de crianças em sofisticado
todo o planeta deixando de perversão,
"presentinhos". garoto.
mmmm...

Papai Noel?! O que E foi assim que ele


faz aí debaixo? recalcou a nossa
Mmmm... "noite feliz".
Pode voltar a
dormir, garoto. ele já foi E que noite!
embora?
Oh! Oh! Oh!

32
Uma cigana na rua Não que eu seja Pelas suas últimas
Se permite o meu
me mandou passar supersticiosa, sessões, lhe garanto
conselho, senhora
o fim do ano com doutor, mas não que já está com
Fälschung, dispense
um ímã dentro das custa nada tentar, as partes íntimas
o aparato.
roupas íntimas. não é mesmo? bastante magnéticas.

Alguém a quem Eu estava Bom, então


Papai, acho
responsabilizar tentando ser pode culpá-lo
que somos
pelas nossas metafísico. pelo péssimo
personagens que
escolhas. Isso Ou metafórico. roteiro, garoto.
alguém invisível
seria perfeito, Já me perdi.
escreve.
não é mesmo? esquece!

33
por acaso você viu
Por que não diz Não estou
o ensaio "O Período
alguma coisa? entendendo Que macaquice de onipotência com
O gato comeu sua mímica, é essa agora, auxílio de gestos
sua língua? Jean-Martin. garoto? mágicos" do doutor
O que você Deixe de ser Ferenczi por aí,
quer? esquisito. querida?

Considero detestável, o senhor não


doutor Freud, esta sua O senhor sempre pode menosprezar
comparação da religião os sacramentos! Mmmm...
tão gentil comigo um tipo de
ao desamparo de e o meu trabalho, O que me diz da
uma criança e suas Hóstia conSagrada, chupeta.
Padre Kirch.
necessidades infantis. hein, doutor?

34
E olha que
O padre Kirch Admiro a da última vez
saiu um bocado Não me diga
persistência desse questionei o fato
enfurecido daqui, que não é pelo
senhor em tornar deles andarem
querido. conforto!?
a vê-lo. de vestido.

Lembre-se, Edgar,
de que este é o Ei! O que Qual é o seu Deixei meu
nosso segredinho. vocês dois problema, Edgar? superego em sua
estão Justo com a responsabilidade,
tramando? minha babá, a seu traidor!
Senhorita Müller?

35
Sua pulsão de morte
encontrei Outro o leva para um estranho Ei! Este soldadinho Não tente mudar
soldadinho de caminho de destruição foi roubado de de assunto, garoto.
chumbo, dos e agressividade, se mim pela Jo-Fi, É o seu futuro
que te dei, conectando com este aquela sua neurótico que
quebrado. seu Édipo mal resolvido. cachorra maluca! está em jogo.

Brincava de fazendinha. Não tenho como


Você é minha babá mas te explicar isso
Juntava meus dez irmãos
nunca brinca comigo. agora, mas digamos
menores e dizia: “porcos
brincava de quÊ Dez irmãos que os meus pais
para um lado, jumentos
quando era criança, menores?! se distraíam com
para o outro...”
senhorita Müller? bem pouca coisa.

36
... foi quando meu irmão
caçula disse: "Contarei à Isso foi Bobagem! Coisa de Me agradeceu por ele
mamãe que tentou me extremamente crianças do campo, Anna. não comer mais todo
fazer comer as abelhas." sádico, Senhorita o mel da casa.
Hahahaha Müller. Estou
perplexa.
E sua mãe?

Senhorita Müller,
Só quando fui
você tinha namorado Claro. Na minha aldeia
trabalhar na
quando criança? todos a partir dos
fábrica é que
comecei a Você trabalhou oito anos tinham
Não, Anna, que trabalhar nas
eu era gostar de um numa fábrica?!
menino. fábricas.
criança e
crianças
não
namoram.

37
Ele ficaria Te ocorreu
Roubando o Onde esse
falando de o que ele
pudim que fiz diria se te menino
Édipo, fase oral,
para o seu pai, visse com as conseguiu
todo aquele
Jean-Martin? roupas da sua uma peruca?
blablablá,
Por que não irmã Anna?
e implicaria
pediu a ele Devolva
comigo por
um pedaço? o pudim.
uma semana!

Mamãe disse Edgar, quantas vezes


que não quer Pergunte ao seu já te disse para não Bando de psicóticos?
mais que eu corvo idiota. se envolver com
Não tente tirar o
empreste minhas A ideia de roubar gente doida?
roupas para você. corpo fora! Você
o pudim do papai,
No que você se disfarçado de também faz parte
meteu agora, você, foi dele. CRÁÁÁÁ! desta família, Edgar.
garoto?

38
Um pierrot... Parece
que temos um E é só uma fantasia. Meus pacientes
neurótico que não O senhor é que vivem me dizendo
está sabendo lidar Não é um pierrot, sempre fica vendo isso, garoto.
com frustrações é um palhaço. significado em tudo!
amorosas.

Deixe-me ler a sua: em seu Seu futuro é de incerteza


Por algumas moedas passado a senhora teve uma e incompletude, procurando Dê o fora daqui,
posso ler sua sorte, infância difícil, rivalizando atender a um desejo por seu patife! Esta
cavalheiro. Passado, com sua mãe. Hoje sofre as conforto e aceitação que praça é minha!
presente e futuro. sequelas desse conflito. jamais será saciado.

39
Por acaso Mmmm... Pergunta muito
Boa noite. O senhor Digamos que
perguntaram específica. Está metido
está horrível, papai. algo sobre um teremos de
em encrencas, garoto? pensar num
garoto devendo
dinheiro a planejamento
eles por ter progressivo
comprado do aumento da
animais minha mesada.
exóticos?
Tive
problemas
com alguns
ciganos a
caminho
de casa.

Deve ser assim


que meus pacientes
se sentem, jo-fi.

40
“Queridas mulheres
da minha vida, “Com minha amiga, “Com minha colega “Com minha babá,
Escrevo porque me Helene, aprendo e vizinha, Jocasta, senhorita Müller,
senti muito agradecida a ser mais paciente aprendo o poder aprendo a ser mais
hoje, e quero dizer que e a respeitar o meu autônoma e
aprendo todo dia com da cumplicidade
tempo e o das e da sororidade.” confiante.”
cada uma de vocês.”
pessoas.”

“Com minha avó “E com minha mãe, “Espero de verdade que,


“Juntas, vocês formam
querida, aprendo a a cada momento, assim como eu, outras
uma mulher enorme, meninas possam crescer
prestar atenção aos aprendo a exercitar um modelo da pessoa
meu afeto e a me rodeadas de tão bons
detalhes e a ser melhor que posso ser.” exemplos.
mais sábia.” sentir especial.”
Com amor,
Anna F.”

41
Não é ele quem decide isso. Não, Anna, mas se seu
Minha senhora, se E tem mais: se eu fosse o Mamãe, aquele
eu fosse seu marido, pai tratasse mais gente
meu marido, jamais daria homem já foi
não a deixava sair como ele, teria menos
alta para alguém doente paciente do papai? mulheres como
na rua sozinha... como você, cavalheiro. suas pacientes.

Incrível! Você não vai Que meu pai não Não seja ridículo,
acreditar, Jocasta, me ouça, mas o Jean-Martin. Vi pela Da próxima vez
mas estava pensando doutor Jung está janela quando tocou que tentar bancar
em você neste exato certo: isso é a minha campainha e o engraçadinho,
momento, E aí aparece sincronicidade veio correndo mandarei a Salomé
aqui assim, de repente. acontecendo. para sua casa. atacar você.

42
Este sorriso Estou assumindo Somente crianças
estampado em seu uma postura positiva e esquizofrênicos Sempre fico na
rosto me deixa diante da vida. Se acham que basta dúvida em qual dos
extremamente eu pensar coisas pensar para mudar grupos você se
preocupado. O que boas, coisas boas o mundo real, enquadra melhor.
está aprontando acontecerão em vez de agir.
agora, garoto? para mim.

Sério? Não acredito! Com quem Helene?


Você é mesmo genial. estava falando Helene Jung?
Vou tentar aplicar tão animadamente, Como você Já parou para
esta estratégia garoto? conseguiu pensar, Anna,
na próxima vez. uma conversa que o problema
Tchau! animada com ela? pode ser você?
Com a Ela me faz
Helene. dormir, às vezes.

43
apÁTICAS

jung
freud?
Papai, posso
ligar para não.
a Anna? sim. tá.

Me dê a sua
merenda agora, Tome. Quero a sua
Helene. Fiz esta também.
para você. Pode passar Assim você
para cá! vai engordar,
Gertrudes.
ah, é?

46
Não posso ter um Não, Anna. Euforia
era o nome da minha Ei, como foi
corvo, Anna. Desde que conseguiu
que perdi a Euforia, Está sendo tartaruga. Preciso
irônica ou desligar. estou perder uma
mamãe não permite tartaruga?
que eu adote um dramática, ligando escondido
Helene? do escritório Helene? Helene?
animal de estimação.
do meu pai.

Já que insiste
Por deus, Helene,
tanto, Helene, Que nome
não tem nenhum
deixaremos dará a ela?
outro nome
você ficar com
melhor, não?
esta gata.
Se chamará
Obrigada, Sombra. não.
papai.

47
Apesar de
compreender Além disso, Eu estava me
toda essa questão mais cedo ou referindo
da livre expressão mais tarde, à Sombra,
da sexualidade, precisaremos sua gata.
Papai,
Helene, algumas conversar
sobre métodos
eu só tenho
restrições cinco anos.
terão de ser contraceptivos.
estabelecidas
nesta casa. miau!

Não precisava me
lembrar de sua Se queria que
Miau! Miau! Miau! Miau! Miau! linhagem egípcia eu te desse as
Miau! Miau! Miau! Miau! Miau! Miau! e enumerar sardinhas na boca
Miau! Miau! Miau! Miau! Miau! suas sucessivas era só pedir.
Miau! Miau! Miau! reencarnações na
realeza, Sombra.

48
“Querida Helene, peço “Tudo isso porque ele “Sorte que consegui
desculpas pela demora já gastou a mesada extorquir algum dinheiro
em respondê-la, mas dele para comprar do Edgar, o meu corvo.
meu irmão roubou comida para a Estamos sem nos falar E meus pais
parte da minha flamingo que ele por estes dias, mas reclamando
mesada e fiquei sem da minha gata.
esconde no sótão, ele é compreensível e
dinheiro para enviar como se meus ficaremos bem.
esta carta.” pais já não
soubessem.” Sua amiga,
Anna.”

Posso contar
um sonho que
tive esta noite, esqueci.
Claro, Helene.
papai?

49
Este é o meu presente O que é?
de Natal, papai? Francamente,
E para o Helene. Quantas
É uma que serve? vezes já lhe
Sim. mandala. disse para não
ser freudiana
nesta casa?

Sei que vocês Mas não acha


Acabei de me dar gatos acham que que a época, ou a
conta que não fiz estas coisas não minha idade, sejam
minha listinha de miau! miau! fazem qualquer inapropriadas à
resoluções de miau! sentido. prática do niilismo?
Ano Novo, Sombra.

50
Então, sombra,
a ideia seria ela parecia
estabelecer uma interessada
conexão equilibrada na teoria da
Individuação
entre o Ego
do papai.
e o Self, aí...

Acho que pela


hora já era para
o remédio para
gases ter É... Deve ser
surtido efeito. melancolia
mesmo.

51
Nesse Carnaval Então, fiz uma
lista das minhas Acabou sendo
optei por algo fácil e cheguei nessa Mmmm...
que expressasse qualidades e Tivemos o mesmo
defeitos. E também fantasia de bruxa.
minha personalidade. raciocínio, Anna.
como as pessoas E você, Helene?
me veem.

Helene, quantas vezes


Ainda estou na
Alô, é da casa do Com quem está já disse para não entrar linha, doutor Jung.
médico mais bonitão falando com esta voz
engraçada, papai?
aqui enquanto estiver
passando trotes para
de toda Viena? o doutor Freud?
Vá para o seu quarto.

52
Contei à diretora A babá da minha
Por que me melhor amiga diz Agora admita:
que só bateu nos
defendeu, Helene? que nós mulheres minha merenda
garotos porque eles
Roubo sua merenda devemos nos unir é ou não é a
implicaram com você, todos os dias, e nos defender, em
Gertrudes. Já pode melhor da
você deveria vez de brigar umas
sair do castigo. escola?
me odiar. com as outras.

Você não precisa


Gostaria que acreditar em Édipo
Sombra, fosse até a ou Electra, Sombra.
preciso de um gaveta de roupas basta dizer se
favorzinho interiores da aceita ou não me
mamãe e fizesse miau! miau! fazer este favor.
seu.
xixi lá dentro. miau!

53
Está vendo? O que o
Sempre que peço
Mercúrio retrógrado
Olha, estou muito para me ajudar em
teria a ver com você
decepcionada alguma coisa, você
aceitar arranhar
com você, Sombra. se esquiva com
o rosto da mamãe
algum argumento miau! miau!
enquanto ela dorme?
genérico. miau! Miau!

Sombra, por que


está usando o Terapia holística
telefone do papai? por telefone será
miau miau
au au au o futuro? De onde
miau miau!
au au au!
tira essas ideias?
miau miau!

54
Mmmm... Vejamos: Não seja tão
Estava pensando
Papai, leria uma "O Homem dos Ratos", exigente, Helene.
em algo como
história para por Sigmund Freud. Essa história é tão
"Chapeuzinho
eu dormir? fabulesca como
Vermelho"...
qualquer uma dos
Irmãos Grimm.

Viu? Quanto mais


Que pena que passou projetar os aspectos Nunca sei se
quase todos os dias Nem todo que considera está falando
de férias de castigo, mundo é tão da sua gata
negativos nos outros
Anna. Não tinha como banana como ou das teorias
é pior. por isso Tento
evitar os conflitos? malucas do
você, Helene. sempre me reconciliar
seu pai.
com a Sombra.

55
De volta à família Freud
Taurinos, prestem Você deveria
atenção ao que as escrever estes
pessoas lhes dizem Mmmm... Acho que
horóscopos para o Meu sobrenome
hoje e poderão me interesso
jornal. Quem sabe é Freud, não Jung,
desatar nós do mais pelo que as
até faria um dinheiro Martha.
passado e melhorar pessoas NÃO dizem.
extra, querido.
o futuro.

Sem dúvida, doutor.


Doutor, inspirado veja: Um dos meus Ah, e hoje mesmo
Acredito que deve confessarei à
em nossas sessões, sócios já assumiu sua
ter trazido mais minha secretária
tenho procurado homossexualidade e
transparência o outro admitiu odiar que sinto atração
aplicar a Psicanálise
aos negócios. o pai desde criança e sexual por ela.
em meu trabalho.
por isso é tão tirano.

58
A Maria é muito chata.
A quem você quer como você poderia
Eu quero ser a velha
enganar? Você só ter certeza disso?
Anna, que tal bruxa da floresta.
quer brincar disso
brincarmos de para roubar doces
João e Maria? Mas somos irmãos, da cozinha, garoto. Você está acima
a brincadeira do peso e abaixo
ficará perfeita. da média de QI.

O que andou aprontando A histeria é ativada Então algo inconsciente


garoto? Essa tosse principalmente por veio à tona, garoto, e a Cale a boca
insistente é um claro reminiscências ausentes denúncia é esta sua tosse e me ajude.
sintoma histérico, quase nas lembranças das histérica, derrubando as Me engasguei
sempre associado à culpa. pessoas em estado defesas do ego. com um
psíquico normal. caramelo...

COF! COF!
COF! COF!
COF!
COF! COF!

59
Mmmm... A angústia é um
afeto egóico, é o Ego Não dê ouvido ao
se defendendo, querendo seu pai. estude mais,
Como vão Não tenho evitar desprazer. Devemos Faça os deveres
as coisas na gostado muito substituir o que está de casa e não
escola, Anna? de ir às aulas. inconsciente pelo que se sentirá tão
é consciente, e então... mal na escola.

Foi numa tarde fria de gritei para o seu pai:


Mamãe, conte-me a dezembro quando comecei "Sigi, preciso parir logo Ah, sim, foi o dia
história de quando a sentir dores atrozes. esse bebê senão mais feliz da
eu nasci? Olhei para baixo e vi que morrerei de tanta dor." minha vida...
a bolsa havia rompido.

Claro, Pensei que


Anna. me contaria
uma história
bonita.

60
Chega de histórias os Adultos inventaram as
por hoje, que amanhã escolas para as crianças No futuro você me
você terá que se acostumarem ao agradecerá por tê-la
acordar cedo para sofrimento que viverão mandado à escola. A senhora diz
a escola, Anna. em seus empregos. Admita. Acredite em mim. a mesma coisa
sobre os laxantes!

Os primeiros anos da Mas com os sucessivos


infância são dominados desapontamentos da vida Bem, minha filha É a Helene Jung para
por uma enorme real você começará está aqui, vou você, Anna. Acabo de
supervalorização do pai. a desligar-se dele e a passar para ela. plantar uma semente,
adotar uma atitude crítica. Regue-a bem.
O senhor
me chamou,
papai?

61
TOM!
Pare de fazer
TUM! barulho, garoto.
Estou atendendo.
Não sei, mas
acabou de
chegar pelo
Doutor Jung...
sempre criativo.

TUM! Quem te deu


este tambor?
correio. Veio
com este
dá -lo
bilhete.
aa ju
TOM! TUM! Par em seus re
d os sob e
u
est ulsão d
P orte.
M

Mmmm... passou Por que se


Todo elegante apaixonariam? Você só está com
perfume! Assim
para ir ao circo, pensarão: "Nossa, ciúmes, Anna.
todas as meninas
Jean-Martin. que nojo. Ele
vão se apaixonar
por você. passou tanto trabalhamos
perfume assim apenas dados
Obrigado, porque não de realidade,
Senhorita toma banho." garoto.
Müller.

62
Senhor, venho pedir Doutor Freud, o seu Reconheço que tentar Até agora me
desculpas pelo filho passou dos soltar os avestruzes pergunto como ele
comportamento do limites até mesmo não foi nada apropriado. conseguiu convencer
meu filho durante para um ambiente os chimpanzés
o espetáculo. como o do circo. a ajudá-lo.

O mínimo que posso Bem, Doutor Freud, Esperava que o


fazer, senhor então este incidente Já lhe adianto, senhor, senhor atendesse
gerente, é tentar foi providencial, que não sei realizar meus empregados.
retribuí-lo pelos porque ia mesmo nenhum número...
problemas causados procurá-lo na cidade.
pelo meu filho. Ah, sim.

63
Loção? O que
Senhorita. Sou a
está dizendo?
E no que o mulher barbada,
cavalheiro trabalho nos
trabalha E que loção
espetáculos Para a
no circo? a senhorita usa?
paralelos à sua barba.
tenda principal. Ela está
fabulosa.

Fale-me da sua Eu admirava muito


juventude, senhorita. Ah, aconteceu o meu pai e queria
A partir de quando igual a todos, ser igual a ele
Por que não
sua barba começou doutor, após quando crescesse.
a raspou?
a crescer? a puberdade.

64
Oh! Me perdoe, Pode aceitar o
Olá, cavalheiro. pirulito. A maioria
garoto, Eu não sou de nós não
aceita um uma criança. atravessou muito
pirulito? Tenho quarenta Está bem a fase oral.
e quatro anos. perdoado,
doutor.

Leio o passado, Admiro muito o a se conhecer?


E a madame, o presente e seu trabalho,
em que trabalha o futuro numa Doutor Freud,
no circo? bola de cristal. porque me a
reconhecer
Sou a clarividente. ajudou bastante.
trouxas.

65
Sou o domador
Por acaso
Qual seria a de animais, doutor.
conhece uma
função do Fui pedagogo babá de
cavalheiro E em que numa instituição sobrenome
no circo? trabalhou escolar. Müller?
antes?

Em que o senhor O que fazia antes?


trabalha no circo,
cavalheiro? Toda uma
Era o teoria diante
encantador de mim...
Sou o
de serpentes,
engolidor
doutor..
de espadas.

66
Nossa... Por isso
Suponho que O senhor zombavam de mim no
o senhor seja o Quê? Como está vestido caminho para cá.
palhaço do circo. o senhor como um.
adivinhou?

Então acredita Claro! Sempre ando


que as pessoas com uma torta.
fazem pouco caso Sim, doutor, O senhor
infelizmente. Sempre A gente nunca sabe
do senhor por ser não tenta quando vai precisar
caçoam de mim. se impor?
um palhaço. esfregar uma na
cara de alguém.

67
A senhorita é
a trapezista.
E a senhorita E quem iria me A vaidade parece,
não sente medo derrubar, doutor? mas não é uma
Sim, doutor. da altura? Nasci para o rede de segurança
A melhor estrelato. confiável.
de todas.

Doutor Freud, encontrou Tenho algumas pistas. Muito provavelmente


O que está
o empregado problemático Pratica projeção de culpa, resultantes de episódios de
sugerindo, doutor?
que está contagiando austeridade desmedida e impotência sexual. Alguma
excesso de controle. ideia de quem possa ser?
os demais no circo? Tratamento
para o senhor.

68
Papai, acho que Você deveria ouvir Não o convide para
mais a sua mãe Mamãe, tem um
tem um monstro jantar, Jean-Martin,
debaixo da e arrumar o seu monstro debaixo
porque a comida não
minha cama. quarto, garoto. da minha cama.
dará para todos.
é sério.

Não toque nelas.


Aliás, mamãe sabe São parte da minha
Estou dizendo, Vejamos... que você tem investigação.
Anna, tem um Ele já deve roubado as anáguas
monstro debaixo ter ido. Não há dela e escondido
da minha cama. nada aqui. aqui embaixo? Garoto, papai
nunca te daria
alta. Nunca.

69
Além do processo É claro que o
A análise pode vir Pois exige uma de transferência e senhor sabe do
a ser muito penosa quantidade imensa de que estou falando,
contratransferência,
para o paciente energia psíquica, de não é mesmo,
que pode resultar em
e para o analista, tempo E de confiança. doutor?
episódios bastante
doutor, admitamos. sobretudo, confiança. perturbadores
para ambos.

O que está Realizando uma Usando uma luneta É como se


fazendo, querido? investigação científica na janela para fosse um tipo
para comprovar bisbilhotar a casa de microscópio.
minhas teorias. dos vizinhos?

sei...

70
Estou. Não consigo Então comece pelos
Parabéns, garoto, entender como você É que para mim este seus mecanismos de
estou impressionada. pode considerar o jogo é uma grande defesa, eles ficam
Xadrez seu jogo metáfora sobre sempre expostos.
favorito se não a vida e ainda
Você está consegue ganhar estou aprendendo está falando
sendo irônica. nenhuma partida. a jogá-lo. sério ou isso é
uma metáfora?

“Caro “Afinal, cada “Por sorte, pode haver


Doutor Freud, aniversário é menos a reencarnação para Como se apenas uma
vida já não fosse

um dia de vida na novas oportunidades. suficientemente


desagradável com
Espero que esta carta Terra. E o senhor já o senhor por perto.

tenha lhe celebrou Felicidades,


chegado um bocado
a tempo.” deles.” Doutor
Jung.”

71
Bom dia, madame. Estavam vandalizando Os dois ficarão de
castigo e providenciarei Poderiam se
São seus filhos? a vizinhança. ele
escrevia nos muros a limpeza dos muros. explicar?
"Feliz dia de Édipo" e Obrigada, senhor policial
bom dia, ela riscava e escrevia
senhor “Electra” em cima.
São sim. A culpa
Por quê? é sua.

Hoje recebi o Pedi para ver o seu


boletim da Anna. caderno e os Ela não sairá daquele
quarto enquanto Deveria ter
Suas notas em deveres de casa
não refizer todos desconfiado da sua
Matemática não estavam escritos
em garatujas os exercícios. Você a prestatividade, Edgar.
poderiam ser piores.
incompreensíveis. mima demais, querido.

72
Emmeline! Que grata
Alô, com quem
surpresa! Faz muito
deseja falar? tempo que não vem Pare de me
Com a minha nos visitar. Como bajular, Sigmund.
filha Martha. tem passado? Você já conseguiu
se casar com ela.

Mamãe, por que Não seja sim.


é sempre tão cruel Ele lhe adora.
Diz que a senhora Cruzes! Segundo
com o Sigmund? E por que as teorias dele,
não seria? o faz lembrar
da mãe. isso é algum tipo
de obscenidade.

73
...profundo desprezo por Ainda assim, sente-se Dê o fora, seu
figuras de autoridade, Pare de falar mal
vacilante diante de bisbilhoteiro narcisista.
de mim para outras Estou conversando
numa clara projeção situações que seus pais pessoas, papai. com o doutor Ferenczi
à figura paterna. desaprovariam. Eu ouvi tudo. sobre uma paciente.

sinto que tudo o que Perda de tempo.


Antiético?
venho fazendo é para Conheci seu pai,
Eu criei isso
ganhar a aprovação era um imbecil. Doutor, aqui, eu decido
do meu pai, que me Estou certo de isso não é o que é ético
abandonou antes de que você nem iria antiético? ou não.
eu nascer, doutor. gostar dele.

74
O que a madame e a Pois nem pensar.
senhorita vão querer? Também quero Se você já é assim então, Uma caneca de
um café, senhor. chocolate para mim
sem, imagina com
e um pouco de cicuta
cafeína correndo
quero um café. para eu misturar
em suas veias... no café dela.
e você Anna?

Você é menina, mas OK, Já entendi que Você e Jo-Fi brigaram


se comporta como gênero é performance, outra vez, garoto?
menino. estou na Ei, não precisa
mas escolha um dos
dúvida sobre que ficar assim...
presentes: lacinho
presente te dar de Como eu iria
ou gravatinha? imaginar que ela
aniversário, Jo-Fi.
era naturista?
grrrr... grrrr...
au au au!

75
Dia dos Namorados
Pensei que em dez
chegando, doutor,
anos o cavalheiro já Isso foi rude, Olha a
e não sei como vou
estaria acostumado. doutor. transferência...
suportar a solidão.

Na carta que veio


Vim devolver esta junto dizia que ele
Você podia
caixa de bombons deu um beijo em
ter comido
que seu irmão me cada um e embrulhou É muito difícil
os bombons
deu pelo Dia dos todos novamente. defendê-lo,
pelo menos,
Namorados, Anna. Achei nojento. garoto.
Jocasta.

76
Ao acreditar ter Em seguida, sentiu Como defesa
psíquica, optou por Estou com o
triunfado sobre mim, medo de eu o castigar,
se sabotar, falhando coração partido,
garoto, experimentou pensando que não
miseravelmente papai, era para
a sensação de culpa conseguiria encarar
ao flertar com o senhor me
por ter me ferido minha suposta
essa menina. consolar.
ou envergonhado. inveja de você.

Doutor Freud, este seu novo


livro será um fiasco. Não
consegui passar da introdução.

Posso
imaginar,
doutor
Jung...

77
Papai, estou lendo No livro ele diz que Mmmm...
em muitas culturas Tomara que
o livro do doutor meus pacientes
Otto Rank e estou se acredita que
temos uma cópia não leiam este
convencido de que Isso explicaria
nossa vagando por aí, livro, garoto.
tenho um duplo. as coisas
cometendo desatinos. erradas que
acontecem
comigo.

Com quem você pensa


Ótimo! Vou poder
que está falando?
Não sou o usar as mesmas
Jean-Martin, ofensas que já
Que penteado Com o sou o duplo dele, usei com ele,
ridículo é esse, Jean-Martin, Martin-Jean, afinal, todas
garoto? o meu irmão piolhenta! serão inéditas
esquisito. para você.

78
Ah, o duplo é o contrário
Por que ainda não Não sou seu filho, Ei, esperava isso do papai!
da pessoa, certo? Quem
terminou de comer, sou o Martin-Jean,
não come os legumes
Jean-Martin? o duplo dele.
é o Jean-Martin.
Posso ser ele
disfarçado, você
nunca saberá.
Agora coma
esses rabanetes.

É para eu perguntar Você e todos


Toda essa história
o porquê, certo? os meus pacientes,
de duplos me deixou Porque acho
garoto. Não se
meio zonzo, papai. que já não sei
sinta especial.
E por mais quem sou.
Certo.
quê?

79
Não podemos mais Lamento, Sigi, sei
Querido, não que é duro, mas
queria pegá-lo fazer de conta que
não estamos vendo E deixou passar temos de conversar
desprevenido, todo esse tempo, sobre as férias
mas precisamos a situação desabar
em nossas cabeças. querida? escolares das
conversar. crianças.

mamã... digo, querida.


AU AU!
MAMÃE!
MAMãE! mamãe... É sério?
até você?

cráááá!

80
Você foi o único Não sou narcisista!
Depois de ter visto espermatozoide a Só queria conquistar
o filme do Méliès, fecundar o óvulo e outros planetas.
acho que quero até agora não sabe Agora também já
ser explorador o que fazer com isso, não quero mais. Histérico...
espacial, papai. imagina explorar o Esqueça o que
espaço. Narcisista... eu disse.

Fiquei furiosa e Mmmm...


Que absurdo! Eis a pergunta
toquei tanto a mesma obsessão
Como tem a coragem que me faço
tecla que ele começou de caráter
de me dizer uma desde o começo
a chorar. Agora tenho masturbatório.
coisa dessas? da sua análise,
certeza que jamais Não por acaso
esquecerá a nota escolheu ser senhora
correta, doutor! professora Fälschung.
de piano.

81
Estou impressionada, Nove. Shultz ficou com Roubei fumo de
Anna. Aqui no bilhete medo de me delatar. mascar do papai.
da escola diz que Como conseguiu Que injustiça!
você cuspiu em essa proeza? Você O que eu faria
oito crianças. vai pro com tanta
castigo saliva?
agora.

Não se iluda, pois a vida se


Ainda de divide em duas partes. Na Na parte
castigo, Anna? primeira queremos que em que ganho
em que experiência por
a segunda chegue, e na
parte da vida experimentar o
segunda queremosque a
Sim. Não está agora, que não estava
primeira volte.
vejo a senhorita nos meus planos
hora de Müller? experimentar.
me tornar
adulta.

82
Você nem gosta das outras
Deveria estar lá fora, crianças. O que está Muito provavelmente
brincando com as reincidiria no erro e Não. São anos de
sentindo é um masoquismo
outras crianças voltaria ao castigo. clínica atendendo
original, libidinalmente
durante minhas férias. gente mimada.
preso, erógeno, anna.
O senhor
também é
profeta,
agora?

Papai, queremos Não deixarei


te pedir uma coisa. Na verdade só
É minha fantasia que usem
queríamos o seu
de Alice. Anna e eu substâncias
chapéu emprestado,
queremos brincar lisérgicas
Por que está porque serei o
de "Alice no País nessa idade.
usando esse Chapeleiro Louco.
das Maravilhas" e... Desistam.
vestido, garoto?

83
Crááá! Crááá! Crááá!
Para todos os
efeitos, sou uma
De fato, não Você sabe que criança e tenho
Pois é, Edgar, precisava ter problemas em
já perguntei
minha mãe me jogado o prato verbalizar minhas
objetivamente
mandou para o com mamão no dificuldades
pelo meu falo.
castigo de novo. chão, nem gritado emocionais.
Estou tentando
pedindo por banana. outras estratégias. não me julgue!

Soube pelo meu editor que meu Hoje é Dia dos Pais? Não aqui na Suíça, doutor.
Mmmm... Interessante
último livro vendeu mais do que
escolher justamente
todos os seus livros juntos,
o Dia dos Pais para me
Doutor Freud. Sim. Sei...
dizer isso, Doutor Jung.

84
O senhor não se lembra Acho que me
Nem de quando rabisquei E você, Anna, não
de nada disso que passei lembraria de
falos pela casa inteira lembra nem da
o dia inteiro contando? alguém como ela
ou das inúmeras vezes Senhorita Müller?
se a conhecesse.
em que me fantasiei?

não.
Não
lembro
de nada
disso.

Você recriou essas Jean-Martin estava tão feliz


No fim das contas, Grrrr! Que
memórias para suportar em revê-los, por que não
você só gostaria de detestáveis!
o desconforto de uma confirmaram suas histórias?
se sentir especial. Não sei como
infância insossa e É compreensível.
vazia de sentido. ainda amo
E perder a
vocês dois!
oportunidade
de pregar mais
uma peça nele?

85
Pelo olhar do outro
Victor Moura
oddlinesstore.tumblr.com
Laura Athayde
fb.com/ltdathayde
Bruno Del Rey
udes.com.br
Marcelo Vaz
portfoliodovaz.blogspot.com.br
Péricles Jr.
behance.net/pericles-junior
Felipe 5 Horas
felipe5horas.com
Victor Marcello
cargocollective.com/victormarcello
Pedro Cobiaco
flickr.com/photos/pedro_cobiaco
Luisa Lacombe
lacombeluisa.tumblr.com
Anderson Barboza
andersonb.com.br
Débora Foiadelli
behance.net/DeboraFoiadelli
Hannah23
instagram.com/hannah23
Sophia Pinheiro
cargocollective.com/sophiapinheiro
Moacir Lourenço
mouarte.deviantart.com
Osmarco Valladão
osmarcovalladao.blogspot.com.br
Clayton InLoco
fb.com/clayton.barbosa.9
Luah Garcia
luahgarcia2d.blogspot.com.br
Lovelove6
lovelove6.com
Hamilton Kabuna
hamiltonkabuna.tumblr.com
Juliana Alguma
julianaalguma.portfoliobox.io
Vinicius Mitchell
janelaacesa.com.br
Shyrlene Maria
shyrlene.webnode.com
Letícia Conca
lettieconca.com
Cora Ottoni
coraottoni.tumblr.com
Diego Sanchez
fb.com/quadrinhosinsones
Will Leite
willtirando.com.br
Yorhán Araújo
fb.com/yoaraujo
Klaus Reis
instagram.com/klausreis
Renata Rinaldi
renatarinaldi.com
Plínio Fuentes
pliniofuentes.tumblr.com
Algumas considerações e canais de televisão, além de me envolver em vários projetos
e eventos de quadrinhos e Psicanálise. Publiquei também

e agradecimentos
três livros – um de minicontos e os dois volumes anteriores
a este – e mantive um projeto que é um livro de distribuição
gratuita e intervenção urbana.
Essa história vocês conhecem: na faculdade em 2012, du-
Quando interrompi a publicação regular da tirinha passei
rante uma aula de Psicanálise e Educação ministrada pela
por um processo exaustivo e penoso, um tipo de luto. Afinal,
professora Lucia Maria de Freitas Perez, assistíamos a cine-
ao longo de todos esses anos, dormi e acordei rodeado des-
biografia “Freud - Além da Alma” (1962), de John Huston, ses personagens todos, onde criei enorme carinho pela inge-
em que o víamos completamente entregue ao trabalho se- nuidade e criatividade do Jean-Martin, aprendi muito sobre
minal psicanalítico. Pensei: “Deve ter sido horrível ser filho empatia com a Martha, desenvolvi minha perspicácia com
deste cara”. Foi quando me ocorreu uma ideia. Saquei meu a Senhorita Müller, destilei meu veneno através da Anna e
caderno de desenhos da mochila e fiz a primeira de mais de sua acidez, aceitei a potência por trás da paciência de Helene
300 tirinhas. Jung, da contemplação existencialista da Sombra, sua gata,
A partir daquele ano até 2016 publiquei toda terça-feira às e da vontade de superação nas picardias do Doutor Jung.
13h e, desde 2014, também às quintas-feiras, as aventu- Entendi sobre ponderação com Edgar, o corvo, fidelidade ao
ras traumáticas de Jean-Martin, o primogênito do Freud, que acredito com a chow chow Jo-Fi e a considerar o surre-
e sua família. As tirinhas fizeram sucesso rapidamente e se al como possibilidade com Rosa, a flamingo. Com o velho
alastraram pela internet. Logo surgiram colaboradores para Freud procurei olhar com estranheza para o que pensava ter
traduzi-las para o espanhol, francês e inglês, atingindo ain- entendido dos seus livros e tentei tingir tudo com humor e
da mais pessoas. Durante este tempo fui convidado a fazer respeito em meu trabalho. Encerro, então, esse ciclo.
parte de coletâneas de quadrinhos, dar palestras, oficinas, Definitivamente não acredito que haja “muito obrigado”
participar de colóquios, simpósios, mesas de debate, publi- suficiente para dizer a todos que colaboraram direta ou in-
cações sobre Psicologia e Psicanálise, conceder entrevistas diretamente com as tirinhas ao longo destes anos, seja revi-
para jornais, revistas, blogs, sites, portais de notícias, rádios sando, traduzindo para outros idiomas, enviando sugestões
e ideias, editando os livros, comentando, mandando mensa- jogabilidade, e pela Thania Thaddeu pelo olhar generoso na
gens, recomendando aos seus amigos ou compartilhando na revisão do jogo e pelo coaching durante toda a campanha.
internet, em especial a todas as pessoas que confiaram em E, claro, ao infatigável Rafael Geraldo, que sempre nos aca-
mim e me convidaram a participar de eventos acadêmicos e ricia os olhos, pelo projeto gráfico do livro e do jogo.
de quadrinhos, acreditando que eu tivesse algo a dizer para Às pessoas envolvidas na produção da animação da cam-
os seus. Vocês sabem quem são e sabem o lugar especial que panha do Catarse, agradeço imensamente à Cora Ottoni,
habitam no meu coração. Lara Baquil e Gustavo Ottoni, que emprestaram suas vo-
Sou muitíssimo grato a todos que aceitaram meu convite de zes ao Jean-Martin, Anna e Doutor Freud respectivamente.
agigantar esse livro com seus trabalhos, compondo uma ga- Agora eles são ainda mais reais por causa de vocês. Muito
leria de artistas que admiro. Anderson B., Bruno Del Rey, obrigado ao Luiz Janela e ao Guilherme Valente por terem
Clayton InLoco, Cora Ottoni, Débora Foiadelli, Diego editado o som da animação com tanta maestria. E ao Ân-
Sanchez, Felipe 5 Horas, Hamilton Kabuna, Hannah23, gelo Cláudio, que nos cedeu os espaços da Casa do Cortejo
Juliana Alguma, Klaus Reis, Laura Athayde, Letícia Con- para gravação. Agradeço de coração ao querido amigo Leo-
ca, Lovelove6, Luah Garcia, Luisa Lacombe, Marcelo nardo Finocchi, que animou meus personagens em tempo
Vaz, Osmarco Valladão, Pedro Cobiaco, Péricles Jr., Plínio recorde e agora posso vê-los se movendo como faziam em
Fuentes, Renata Rinaldi, Shyrlene Maria, Sophia Pinhei- minha mente.
ro, Victor Marcello, Victor Moura, Vinicius Mitchell, Will Obrigado gigante ao meu editor Guilherme Tolomei, mui-
Leite e Yorhán Araújo, aplaudo todos vocês de pé. Aplaudo e tas vezes braço direito e esquerdo, que ajudou a produzir esse
agradeço também ao meu grande amigo Moacir Lourenço, livro. Também não cabe no peito a gratidão que sinto pelas
que além de colaborar com sua arte para a galeria, também palavras tão gentis de Francisco Capoulade ao meu trabalho
colaborou com seu cérebro para elaborar comigo o jogo de no prefácio deste livro, bem como as de André Dahmer e
tabuleiro do Filho do Freud. Tampouco poderia deixar de do Nani – artista que me inspirou antes e me inspira hoje
agradecer e aplaudir a Liliane Fonseca pelo empurrão inicial –, e que tão gentilmente aceitaram ceder um pouco do seu
na criação desse jogo, ao Thiago Bôa e ao Gabriel (Goth- tempo ao Filho do Freud. Não esquecerei.
mate) Correia pela paciência sem fim nos primeiros testes de
Pacha Urbano
A cada um de vocês que acreditou no projeto e o financiou através do
Catarse, mas sobretudo por ter acreditado em mim, muitíssimo obrigado.

0-Drix Bibiana G. Malgarim Edison Waetge Junior Gabriel Fonseca Correia


Adler Binho Alves Eduardo Frota Gabriel Guimarães M. de França
Adriana Sanchez Brisa Dalila Eduardo M Almeida Gabriel Vieira Santello
Aline Amaral Marco Bruno Berger Eduardo Maciel Ribeiro Gabriela Lins
Aline M. Ramos Bruno Garbe Junior Elaine Williames Gilberto Luiz Mattielo Junior
Aliny Lamoglia Carla Hermann Eliane Bixofis Glauce Tolomei
Altiere Ponciano Carla Melibeu Conceição Elisa Matile Guilherme Howat
Ana Carolina Teixeira Carlito Machado Elvio Cotrim Guilherme Valente
Ana Cristina S Pereira Carlos Otávio M. Basilio Emerson Curi Ferreira Gustavo Ottoni
Ana Luísa Fonseca Carlos Rios Estela Rosa Hamilton Kabuna
Ana Luiza Couto Carol Barbosa Fábio Chiossi Hermes Rafael de F. Junior
Ana Luiza Pimentel Carolina Moreirão Fabio Eis Inayá AW
Ana Paula Maia Duarte Cassia Silva Felipe Abramovitch Isabela de Sousa
Ana Paula Marques Braz Cecilia Nobrega Felipe Desiderati Isabella Amaral
Ana Paula Waaijenberg Cintia Caldas Alves Fernanda Alfinito Jana de Paula
Anderson Barboza Claudia Valli Fernanda de Freitas Turino Jana Moura
André Luiz Machado Cris Morocha Fernanda Junco Jananda Lima
André Mizarela Cynthia Lopes Fernanda Lacombe Jeanne Duarte
Andréa Thees Dan Hassan Fernanda Samico Jessica Belchior
Andressa Lutz Schiaffino Dana Tatiana B. F. de Oliveira Fernando Guilherme S. Ayres Jéssica Williames
Annita Saldanha M. C. de Pinho Daniel Herthel Fernando Jorge João Paulo Quintas P. P. Horta
Antonio Gomes P. V. de Lima Daniela Lilge Fex João Pedro
Arthur Hoverter Daniele Valois de Souza Flavia Albuquerque João Vitor e Priscila Schlindwein
Aurelio Carnero Rosell Débora Claudio Dable Flávia Mattar Jordana Garcia
Bárbara Porto Debora Garcia Francisco Capoulade Jorge & Marilia
Beatriz Goldenberg Débora Sampaio Fadigas Francisco Figueiredo José Ferreira Neto
Bernardo Biondi Denis Mello Frederico Souza Jr. Joyce Rezende
Bianca Zampier Denise Souza da Silveira Gabra Gonçalves Jubela Couto
Juliana Alguma Marcia Soares Dottori Osmar Lara Cardoso Rute Rodrigues
Juliana Berlim Marcio Alves Pamela Lucia Ruth Alvarenga
Juliana Caldeira Borges Marcio de Castro Paola Pa Ruy Minoru Ito Takata
Juliana Minelli Marco Nunes Patrícia Cordeiro Sâmia Collodetti
Juliana muniz forli Marcos Corrêa Paula Villela De Gasparini Samuel Henrique
Juliana Pereira Marcos Nogas Paulo Finatto Jr. Sandro Merg Vaz
Juliana Silveira Marcos Vinícius M. Fonseca Paulo Henrique de Sousa Sanna Rodrigues
Juliano Prisco dos Santos Maria Elise de O. Magalhaes Paulo Vaz Ferreira Filho Sara Augusto Carra
Karolyne Bispo da Silveira Maria Emilia Algebaile Paulo Vaz Ferreira Filho Shyrlene Maria
Katiani Martins de Oliveira Maria Gabriela Pedreira Pedro Azevedo Sidney Gusman
Késsia Mattos Maria Matina Benet Domingo Pedro Castro Suzana Oliveira Duarte
Lara Baquil Mariana A. Brito Pedro Henrique P. Carvalho Taís Viana
Larissa Bacelete Mariana Andrade Pedro Penafiel Talita Teixeira
Larissa Luciano Amorim Mariana Barbosa Pimentel Priscila de Almeida Prado Tamiris Machado Gonçalves
Laura Brizuela Mariana Queiroz Priscila Lameira Tatielle Jorge
Laura Cavallieri Marilia Ayres Borges Priscilla Abrahão Tércio Valim Ormonde
Laura Ximenes Marina Gomes de Carvalho Rafael Balesdent de Carvalho Teresa Cristina Oliveira
Leandro de V. Marchi Mário Alfeu Wiethorn Lemos Rafael Machado Saldanha Tereza Cristina M. Melo
Leandro Lemos Mário Proenca Rafaela Oliveira da Silva Thaianny Christinne
Leandro Vieira Mendonça Marlon R. Florian Raíssa Lopes Thais B. de Araujo
Letícia Reis Martha Ferrari Raphael Jesus Thania Thaddeu
Livia Jácome Michel Borges Raquel Barros Thiago Bedin
Lubi Prates Milena Dibo Lopes Renan Laviola Thiago Fortuna Simão
Luciana Nishimura Asada Moacir Lourenço Renan Olivetti Thiago Modenesi
Luciano Caruso Mônica Mendes Renata Andrade Ulises Gasparini
Lucio Luiz Nadia Mota Renata Castro Vanessa Meirelles de M. Oliveira
Luisa Sena Nair Gibson Estima Ricardo Labuto Gondim Vera Regina Loureiro Silva
Luiz Janela Narcisa Castilho Melo Richard Quintanilha Victor Campos Silveira
Luiza Agostini Natali Nabekura Robert Lee Segal Vinicius Galluzzi
Marcelo Vaz Natalia de Campos Grey Rodrigo Ortiz Vinholo Vitto Graziano
Marcelo Quintarelli Natalia Rincon Ronaldo Santana Vivian Guimarães
Marcelo Naranjo Natalie Mas Rosi Flôr Walter Pires
Marcelo Quadros Nayara Cruz Rosicler Moraes E Souza Wátila Lobo
Marcelo Soares Nice Sales Rubens Goulart Will Leite
Marcia Naidin Nome público Rui Carodi Zorbba Baependi

121
Acompanhe As TRAUMÁTICAS Aventuras do Filho do Freud
publicadas em português e espanhol em:

Ou digitando as URLs abaixo no navegador


de sua preferência:
fb.com/filhodofreud
filhodofreud.tumblr.com

Este livro foi composto em NonaArte, Minion Pro e Bernhard Mod sobre o papel Duo
Design 250g/m² e Offset 115g/m² impresso pela Gráfica Rotaplan e publicado pela Editora
Viés, na cidade de São Sebastião do Rio Janeiro, em 2017, sessenta anos após a publicação
de El Eternauta, escrita por Héctor Germán Oesterheld e desenhada por Francisco Solano
López, um marco nos quadrinhos da América Latina.
Sou ilustrador e escritor, mas não sou
psicanalista. Meu primeiro livro se chama
Vidas Despercebidas, publicado pela Editora
Verve, onde reuni cem mini contos. O
segundo é um livro objeto de intervenção
urbana e de distribuição gratuita chamado
Livro ao Acaso. Este livro que tem em mãos é o
terceiro volume de uma série. O primeiro
volume foi Filho do Freud - Quem é esse tal de
Édipo e o segundo foi Filho do Freud - Onde
está o meu falo?, ambos pela Zás! em 2013 e
2015 respectivamente.

Pacha Urbano
Com seu Filho do Freud, o prolífico Pacha Urbano nos leva ao
sombrio mundo das nossas neuroses. Porém, quem nunca
chegou até lá por conta própria? A diferença, aqui, é o transporte
para seguir a difícil viagem: em vez de bebidas ou remédios,
Pacha nos guia com a ajuda de um humor ferino e, ao mesmo
tempo, surpreendentemente delicado, e nos faz rir dos nossos
fantasmas. E, como sabemos, rir dos fantasmas é a única solução
para nossos angustiados corações.
André Dahmer
Quadrinista e poeta

ISBN 978-85-94496-03-4

9 788594 496034

Não recomendado para


menores de 16 anos