Você está na página 1de 2

Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco

Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais


Pastor Presidente: Aílton José Alves
Av. Cruz Cabugá, 29 - Santo Amaro - Recife-PE / CEP. 50.040.000 Fone: 3084.1524 / 3084.1543

LIÇÃO 06 – AS CORTINAS DO TABERNÁCULO – 2º TRIMESTRE DE 2019


(Êx 26.1-14)
INTRODUÇÃO
Nesta lição teremos a oportunidade de aprender sobre uma das partes mais importantes do Tabernáculo, a saber, as
suas cortinas; veremos algumas considerações sobre essas cobertas e as especificações de Deus para a sua confecção;
destacaremos também qual o seu papel no santuário; e por fim, pontuaremos qual a relação simbólica que há entre as
cortinas do Tabernáculo e a pessoa e obra de Cristo.
I – AS CORTINAS DO TABERNÁCULO
1.1 Definição. A expressão cortina é a tradução do termo hebraico: “yerŷah” que significa: “tecido, cortina, véu,
suspenso, dependurado”. Essa palavra ocorre cerca cinquenta e três vezes (Êx 26.1-13; 36.8-17; Nm 4.25; 2Sm 7.2; 1Cr
17.1; Sl 104.2; Is 54.2; Jr 4.20; etc), sendo a maior parte dessas ocorrências em Êxodo. Além de apontar para as cortinas
que cobriam o santuário, esta palavra passou a tornar-se sinônimo do próprio Tabernáculo por causa das suas muitas
cortinas (2Sm 7.2) (CHAMPLIN, 2004, p. 936). A tecelagem das cortinas era trabalho das mulheres (Êx 35.25,26).

1.2 Descrição. Na descrição dada por Deus a Moisés a respeito do Tabernáculo, a coberta do santuário também era rica em
detalhes. Dentre as informações percebemos que eram quatro as cobertas do santuário, compostas por vários tipos de
cortinas. Vejamos:
1.2.1 A primeira coberta. A coberta interna do Tabernáculo, primeiramente era composta por dez cortinas com a mesma
metragem cada uma, sendo o comprimento de 28 côvados (aproximadamente 14 metros) e a largura de 4 côvados (cerca
de 2 metros) (Êx 26.1,2). Essas cortinas eram de linho fino torcido e colorido com as cores azul, púrpura e carmesim
com desenhos de querubins tecidas no pano (Êx 26.1). Estas cortinas eram enlaçadas (costuradas) uma na outra em
grupos de cinco (Êx 26.3), nessas haviam cinquenta laçadas (Êx 26.4). A juntura é a borda ou extremidade do tecido. As
laçadas serviriam de encaixe (Êx 26.5), de forma que estas cortinas se prendiam uma na outra com cinquenta colchetes, ou
ganchos, de ouro, formando uma cobertura grande cobrindo toda a tenda (Êx 26.6). Essas cortinas deveriam ser colocadas
diretamente sobre a estrutura e compunham o teto visto de dentro do Santuário (Êx 26.1-6; 36.8-13).
1.2.2 A segunda coberta. Em cima da coberta de linho, havia a segunda coberta do Tabernáculo feita de peles de cabras
(Êx 26.7). Esta coberta era feita de modo semelhante à primeira, exceto que: (a) estas cortinas eram maiores, pois de
comprimento eram 30 côvados (cerca de 15 metros), ou seja, cerca de 1 metro maior do comprimento da anterior; (b) ao
todo eram 11 peças (Êx 26.9), divididas em duas seções, uma formada com cinco cortinas e a outra com seis; e, (c) eram
unidas por cinquenta colchetes de cobre (Êx 26.11) e não de ouro. Juntas, estas cortinas formavam a segunda cobertura
do santuário (Êx 26.12,13).
1.2.3 A terceira coberta. Uma outra cobertura era colocada na tenda da congregação por orientação divina, e esta era feita
de peles de carneiro tingidas de vermelho (Êx 26.14). Sendo de peles de carneiro traz a ideia de proteção, protegendo das
intempéries do deserto. Sendo esta pele tingida, faz alusão a um antigo procedimento, que os hebreus devem ter aprendido
com os egípcios (Gn 38.28; Êx 26.1). Para conseguirem a cor vermelha, o corante utilizado era extraído de plantas e de
moluscos (CHAMPLIN, 2004, p. 906).
1.2.4 A quarta coberta. A quarta e última coberta do Tabernáculo, era feita com peles de “texugo” (Êx 26.14), em
hebraico: “tachash”, em algumas versões encontramos: “animais marinhos” (Êx 25.5; 26.14; 35.7,23; 36.19; 39.34 Nm
4.6,8,10-12,14,25; Ez 16.10) outras traduzem como: “golfinho”. Há intérpretes que pensam estar em foco o animal
chamado de: “dugongo”, a única verdadeira espécie marinha que ainda existe até hoje nos mares da região e que antes era
muito abundante no golfo de Ácaba. Um dugongo adulto chegava a ter três metros de comprimento, e suas dimensões
torná-lo-iam apropriado para o propósito descrito (CHAMPLIN, 2004, p. 409). Mas ninguém pode ter certeza quanto à
identificação do animal em questão. Podemos afirmar que esta quarta cobertura era mais impermeável, mantendo a chuva
e o calor do lado de fora. O texto não diz qual era o tamanho da cortina, mas com certeza era grande o bastante para cobrir
a área superior que ficava rente ao Tabernáculo propriamente dito (BEACON, 2010, p. 207).
II – O PAPEL DAS CORTINAS NO TABERNÁCULO
2.1 Decorar. O interior do Tabernáculo era decorado com a cortina de linho com suas cores variadas. Uma dignidade em
especial era conferida a estas dez cortinas de linho fino torcido, por sua bordadura de “[…] querubins... de obra
esmerada” (Êx 26.1; 36.8), no lugar do simples rendilhado das cortinas. A força do santuário é revelada em sua
construção, e a sua formosura, em sua decoração: “Glória e majestade estão ante a sua face; força e formosura, no seu
santuário” (Sl 96.6).
2.2 Cobrir. Estas coberturas eram colocadas em cima da estrutura do Santuário (Êx 26.15-29). O registro bíblico não
detalha exatamente como isso era feito, de acordo com Beacon (2010, p. 210), é possível que houvesse bastões alongados,
dispostos em cada ponta da cobertura com uma viga mestra de telhado no meio. A cortina era bastante grande para cobrir
toda a armação do Tabernáculo, armadas sobre a estrutura de madeira (Êx 26.15-30), as cortinas formavam o Tabernáculo
propriamente dito.
2.3 Proteger. Na ocasião da construção do Tabernáculo, os israelitas estavam no deserto uma região difícil de ser habitada,
devido a alta temperatura durante o dia, e as noites eram impiedosamente gélidas; por essa razão, Deus amenizava o calor
do dia com a nuvem e a coluna de fogo para aquecer durante a noite (Êx 13.21,22). Devido a essas condições climáticas
uma cobertura especial era necessária para o santuário, algo que protegesse, preservasse e mantivesse um temperatura
agradável em seu interior.
III – SIMBOLISMOS DAS CORTINAS DO TABERNÁCULO
O Tabernáculo com toda a sua mobília incluindo suas cobertas, tipificavam a pessoa de Cristo e seu ministério na
Igreja. Todos os seus objetos portanto, devem ser considerados como símbolos. Notemos alguns:
3.1 A cortina de linho colorida (divindade e a realeza de Cristo). A cortina que se via de dentro do Tabernáculo era de
linho fino de variadas cores: azul, púrpura e carmesim (Êx 26.1) e trabalhada com figuras de querubins (Êx 26.1-6; 38.18).
A beleza desta coberta interna, tipificava a glória celestial de Jesus, a cor “azul” apontando para o caráter divino de Cristo,
figurado na cor do céu de onde Ele veio e para onde vai nos levar (1Co 15.47; Jo 14.1-3). “Púrpura” (roxo) é a cor da
realeza e da majestade. Jesus Cristo é o Rei dos reis e o Senhor dos senhores (1Tm 6.15; Ap 17.14). O roxo é resultado da
mistura das cores azul e vermelha. Em Cristo encontramos a dupla natureza, humana e divina numa só pessoa. Ele é tanto
Filho de Deus quanto Filho do Homem (Lc 1.30-33; Ap 19.11-16); isto o qualifica a ser o único mediador entre Deus e o
homem, pois sendo Deus (Fp 2.6,7), Ele se fez carne (Jo 1.14; 1Tm 2.5).
3.2 A cortina de pelos de cabras (sacrifício de Cristo). A cabra era um dos animais usados para sacrifícios no sistema
levítico, basicamente em conexão com a oferta pelo pecado no dia da expiação e para a purificação do Santuário (Lv 5.6;
9.3; 16.5-11,20-26). As cortinas de pelos de cabras portanto, representam como o Senhor Jesus Cristo se tornou nossa
oferta pelo pecado, ou seja, seu sacrifício substitutivo, e como recebeu em nosso lugar o salário do pecado: a morte (Rm
6.23), pois apesar da sua impecabilidade (Jo 8.46), Cristo se fez pecado por nós: “Aquele que não conheceu pecado, o fez
pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (2 Co 5.21; ver Rm 8.3), morrendo em nosso lugar (Is
53.4,5; 1Co 15.3).
3.3 A cortina de peles carneiro tingida de vermelho (expiação de Cristo). A cortina feita de peles de carneiro tintas de
vermelho, representavam a obra redentora (expiatória) de Jesus. Esta cobertura simboliza a expiação, pois o vermelho,
como sabemos, tipifica o sangue de Jesus derramado na cruz do Calvário e aponta para Ele como: “o Cordeiro de Deus,
que tira o pecado do mundo” (Jo 1.29). O pecado impede que nos aproximemos de Deus e desfrutemos de Sua comunhão
(Is 59.2; Ef 2.12-17), de modo que a única forma para essa situação ser mudada, foi a morte de Cristo, uma vez que: “sem
derramamento de sangue, não há remissão de pecados” (Hb 9.22). Por meio do Seu sangue derramado na cruz, o acesso
à presença de Deus foi restaurado nos proporcionando comunhão com o Pai celestial (Ef 2.18,19; Hb 10.19,20). Essa
coberta portanto, simboliza o sacrifício do Senhor Jesus e Seu sangue derramado por nossos pecados. Ele é o nosso
Redentor, o carneiro da consagração que se submeteu à vontade do Pai e trouxe-nos a aliança eterna de salvação (Hb
13.20), e por Seu sangue nos purifica de todo pecado (Is 1.18; 1Jo 1.7; 2.2).
3.4 A cortina de peles de texugo (humanidade de Cristo). A cortina de peles de texugo era colocada sobre as outras.
Tinha uma cor escura e não era formosa à vista. Por serem rústicas, quem olhasse a tenda estando do lado de fora do
Tabernáculo nada veria de especial a chamar-lhe a atenção. Além de parecidas com o deserto, cuja areia elas retinham
eram simples e sem beleza aparente. Isto aponta para o aspecto humano de Jesus: “não tinha parecer nem formosura; e,
olhando nós para ele, nenhuma beleza vimos, para que o desejássemos” (Is 53.2). Os que olham a Cristo sem tê-lo antes
conhecido comparam-no a vultos da história humana, quando não, a um líder religioso (Mt 16,13,14; Jo 1.46; 3.1,2;
4.9,11,19), mas, ao conhecê-lo verdadeiramente terão a certeza de que, apesar da sua humanidade (Gl 4.4), Ele é: o Cristo
(Mt 16.16; Jo 4.28,29); o Filho de Deus (Jo 1.49); o Unigênito do Pai (Jo 1.14); em quem habita corporalmente toda a
plenitude da divindade (Cl 2.9); o Criador de todas as coisas (Cl 1.16); e, a personificação da glória divina (Hb 1.3)
(ALMEIDA, 2009, pp. 21,22 - acréscimo nosso)
CONCLUSÃO
Em Cristo se cumpriram as cerimônias do tabernáculo: a manifestação da glória divina, a expiação, a reconciliação
do homem com Deus e a presença de Deus entre seu povo redimido. As sombras e figuras já passaram, mas a realidade
permanece na pessoa e obra de Jesus Cristo.
REFERÊNCIAS
 ALMEIDA, Abraão de. O Tabernáculo e a Igreja. CPAD, 2009.
 CHAMPLIN, R. N. Dicionário de Bíblia, Teologia e Filosofia. 1 ed. vol.1. HAGNOS, 2004.
 CONNER, Kevin J. Os segredos do Tabernáculo de Moisés. (Trad. Célia Chazanas). ATOS, 2004.
 HOWARD, R.E, et al. Comentário Bíblico Beacon. CPAD, 2010.
 STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.