Você está na página 1de 40

Insp-R Procedimento de Teste Hidrostático IR-001/12 revisão-

1 0 1/40
Inspeções

TESTE DE PRESSÃO

Este padrão tem como objetivo definir os requisitos técnicos de SMS e as práticas
recomendadas para testes de pressão.

2. APLICAÇÃO E ABRANGÊNCIA

Unidades de Operações do Abastecimento.

3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES

Norma Regulamentadora NR13 – Caldeiras e Vasos de Pressão;


Portaria INMETRO/MDIC Número 349 de 26/11/2009 - Serviços Próprios de
Inspeção de Equipamentos - SPIE Regulamento Técnico da Qualidade
p/Serviços Próprios de Inspeção de Equipamentos
Diretriz Técnica Petrobras AB-RE/ES/TEE - DT-AB-RE-ES-TEE-005
Diretriz Corporativa de SMS Nº 5 - Operação e Manutenção
PETROBRAS N -115 – Montagem de Tubulação Metálica
PETROBRAS N -118 – Filtro Temporário e Filtro Gaveta para Tubulação
PETROBRAS N -120 – Peças de Inserção entre Flanges
PETROBRAS N -269 – Montagem de Vaso de Pressão;
PETROBRAS N -1593 – Ensaio Não Destrutivo – Estanqueidade
PETROBRAS N -1644 – Construção de Fundação e de Estrut.Concreto
Armado
PETROBRAS N -1673 – Critério de Cálculo Mecânico de Tubulação
PETROBRAS N -2276 – Teste Hidrostático e Pneumático para Linha de
Impulso
PETROBRAS N -2511 – Inspeção em Serviço de Trocador de Calor
API 620 - Design and Construction of Large, Welded, Low-Press. Storage
Tanks
ASME B 31.1 – Power Piping
ASME B 31.3 – Process Piping
ASME B 31.4 – Pipeline Transp. Systems for Liquid Hydrocarbon and Other
Liquid
ASME B 31.8 – Gas Transmission and Distribution Piping Systems
ASME SEC VIII – Boiler and Pressure Vessel Codes;
Notes Link PG-2AT-00002 – Permissão para Trabalho
Notes Link PG-2AT-00126 – Avaliação e Gestão de Riscos
Notes Link PG-1AT-00006 – Diretrizes para Tratar Anomalias do Processo

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
2

4. DEFINIÇÕES

Dispositivo de Teste - Dispositivos utilizados durante os testes de


pressão, compostos de válvulas, indicadores de pressão, drenos, vents, etc.

Executante de Teste de Pressão - Profissional responsável em conduzir e


executar o Teste de Pressão que deve ser treinado neste padrão, nos itens
de sua responsabilidade.

Grupos de Risco - É a classificação do potencial de danos de um Teste de


Hidrostático de um determinado sistema, sendo que, o maior potencial de
risco é o grupo 1 e menor, o grupo 3.

Inspeção de Segurança Inicial - Inspeção realizada em vasos de pressão


e caldeiras novas, antes de sua entrada em operação, no local definitivo de
instalação, devendo compreender exame externo, interno e teste
hidrostático, conforme definido na norma regulamentadora NR-13.

Isoteste - Documento a ser anexado no Plano de Execução de Teste de


Pressão, contendo desenhos e informações do sistema a ser testado. As
tubulações, normalmente, são representadas por desenhos isométricos com
representação dos pontos de instalação das raquetes, dos dispositivos de
entrada e de topo, equipamentos e acessórios a serem retirados ou
substituídos por carretéis, etc.

NR-13 - Norma Regulamentadora que estabelece regras compulsórias para


projeto, operação, inspeção e manutenção de caldeiras e vasos de pressão
instalados em unidades industriais e demais estabelecimentos no Brasil.

PMTA (Pressão Máxima de Trabalho Admissível) - Pressão manométrica


máxima de trabalho permitida no topo do equipamento em sua posição de
operação para uma dada temperatura de projeto especificada, conforme o
código ASME SEC.VIII – Divisão 1 UG-98.

P.E.T.P. - Plano de Execução de Teste de Pressão cujo formulário está no


Anexo V.

Profissional Habilitado (PH) - Profissional com competência legal para o


exercício da profissão de engenheiro nas atividades referentes a projeto de
construção, acompanhamento de operação e manutenção, inspeção e
supervisão de inspeção de caldeiras, e vasos de pressão, em conformidade

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
3

com a regulamentação profissional vigente no País, conforme definição da


NR-13.
Os PHs responsáveis por Testes de Pressão podem ser próprios ou
contratados,podem ser das áreas de Inspeção, Manutenção, projeto,
Empreendimentos ou Planejamento, devem ter experiência em Teste de
Pressão e conhecimento deste padrão.

Planejador do Teste de Pressão - Deve ser um técnico, ou engenheiro


capacitado no padrão de Teste de Pressão.

SPIE - Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos

Técnico de Inspeção de Equipamentos - Profissional próprio ou


contratado com competência para fazer avaliações das condições físicas de
equipamentos e instalações industriais com formação e treinamento de
acordo com o especificado no anexo B - formação de Inspetores de
Equipamentos da portaria INMETRO 349 de 26/11/2009.

Teste de Pressão - Teste por meio de fluido compressível, incompressível


ou mistura de ambos, até um dado valor de pressão, com a finalidade de
aliviar as tensões residuais, avaliar a integridade, a resistência estrutural
e/ou estanqueidade dos componentes sujeitos a pressão.

5. AUTORIDADE E RESPONSABILIDADE

Macroprocesso ou Aprovador do padrão de Aprovador do padrão de Gestor do padrão de Nível 1 e


Processo Nível 1 Nível 2 2
Gerir SMS DABAST AB-CR AB-CR/SMS
Tabela 1 - Autoridade e Responsabilidade

6. DESCRIÇÃO

6.1 Supervisores, engenheiros, técnicos de inspeção, de operação, de


manutenção e de segurança, próprios ou contratados, envolvidos em testes
de pressão, devem ser treinados neste padrão de acordo com suas
responsabilidades. Os Executantes de Teste de Pressão devem receber
treinamento prático.
Os Executantes de Teste de Pressão, após treinamento prático e teórico,
devem portar identificação no crachá, comprovando treinamento.

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
4

O prazo de validade do treinamento é de dois anos ou quando houver


alteração no padrão. Os empregados próprios deverão tomar ciência da
revisão do padrão através da declaração de ciência do SINPEP.
Empresas contratadas deverão apresentar evidências de que seu
empregado tem conhecimento da última revisão do padrão.

6.2 Os testes de pressão devem ser planejados pelo Planejador do Teste de


Pressão, com a participação das áreas de Manutenção, Inspeção,
Operação, Engenharia e SMS, se necessário.

6.3 O formulário Plano de Execução de Teste de Pressão (PETP) - ANEXO


V deverá ser assinado pelo Planejador do Teste de Pressão, pelo Técnico
de Inspeção de Equipamentos e pelo Profissional Habilitado.

6.4 Todos os profissionais envolvidos no Teste de Pressão devem ter


conhecimentos básicos do padrão de Teste de Pressão, sendo que, além
disto, todos os Executantes de Teste de Pressão devem ser treinados nos
itens de sua responsabilidade.
É vedada a pressurização de equipamentos / tubulações sem a presença do
Executante de Teste de Pressão.

6.5 Antes de iniciar os Testes de Pressão, o Executante de Teste de


Pressão, responsável pela condução do teste, deve conferir os itens da
Lista de Verificação, conforme Anexo II.

6.6 Tanto os testes de pressão com objetivo de atender à NR-13 quanto


avaliar a integridade das instalações devem ser aprovados por Técnico de
Inspeção de Equipamentos próprio ou contratado pelo SPIE.
Os testes executados exclusivamente para o controle de qualidade de
serviços de manutenção ou montagem podem ser aprovados por Técnico
de Inspeção de Equipamentos, Técnico de Manutenção ou Técnico de
Construção e Montagem, desde que capacitados e designados por
Profissional Habilitado, conforme item 13.1.2 da NR-13. Os relatórios de
testes de pressão devem ser entregues ao órgão de inspeção da UO
conforme estabelecido nas normas e padrões da UO.

6.7 Deve ser previsto acesso seguro às partes a serem inspecionadas


durante o teste.

6.8 O enchimento de líquido para o Teste Hidrostático deve ser gradual e


controlado para evitar danos a componentes internos, como por exemplo,
bandejas, assim como, permitir a saída total de ar. A permanência de ar no

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
5

sistema, durante o Teste de Pressão, faz com que o nível de energia do


sistema aumente, resultando em maior periculosidade do teste.

6.9 Após a despressurização, a drenagem deve ser gradual e executada


apenas após a abertura dos vents, para evitar a formação de vácuo e
danos aos equipamentos.

6.10 Após aprovação do teste de pressão e antes da entrega do


equipamento / tubulação em operação, o responsável pela condução do
teste deverá verificar o cumprimento de lista de verificação. Esta lista deve
ser elaborada pela montagem ou manutenção para garantir a recomposição
adequada do sistema, tais como, retirada de raquetes, adequação das
juntas, fechamento de equipamentos e instalação de isolamento. Esta lista
não faz parte deste padrão e sim do sistema de qualidade das UOs.

6.11 A aplicação de teste de pressão com fluido compressível (pneumático)


ou mistura de fluido compressível e incompressível (hidropneumático) é
possível, porém deve ser considerado que sistemas pressurizados com
fluidos compressíveis geram uma energia armazenada muito maior do que
quando submetido a teste hidrostático nas mesmas pressões.
O potencial de risco numa eventual liberação não controlada dessa
energia é muito alto.

6.12 Caso existam tubos plugueados, deve-se instalar anteparos de


proteção em frente aos espelhos enquanto os mesmos estiverem
pressurizados.

6.13 Em tubulações com grandes desníveis deve-se tomar cuidado para


que os trechos baixos não estejam submetidos a pressões superiores à
pressão definida para o Teste de Pressão.

6.14 O teste pneumático é aceitável para linhas de ar de instrumento e de


serviço, porém, nos demais casos cabe ao Profissional Habilitado avaliar as
condições de risco e aprovar ou não a alternativa de aplicação de teste com
fluido compressível.

6.15 No caso de aplicação, o teste pneumático ou hidropneumático deve ser


supervisionado por Profissional Habilitado.

6.16 Testes de Pressão em Bancada devem receber os mesmos cuidados


dos testes executados em instalações industriais, porém, exigências deste
padrão, tais como, Permissão para Trabalho, Plano de Execução de Teste

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
6

de Pressão, distância de isolamento, etc., podem ser dispensados ou


alterados, desde que definidos por meio de Análises de Risco.

6.17 Considera-se Teste de Pressão em Bancada os Testes em carcaças


de bombas, compressores, válvulas, PSVs, mangueiras, mangotes, etc.,
que deverão obedecer os procedimentos próprios das UOs.

6.18 Classificação de Grupos de Riscos para Testes de Hidrostáticos.

6.18.1 Grupos de Riscos são definidos em função da Energia Acumulada e


esta em função da Pressão de Teste e do Volume do fluido Pressurizado.

6.18.2 Os grupos de risco são utilizados para definir a área de isolamento


de segurança e as taxas de pressurização e despressurização do sistema.
O grupo de risco, assim como as taxas de pressurização e
despressurização de um sistema devem ser definidos de acordo com o
Anexo I e informados no PETP.

6.18.3 Entende-se por área de risco a área de alcance do fluido


pressurizado que pode pôr em risco a integridade do ser humano caso haja
falha de algum componente. A área de risco de um sistema deve ser
definida de acordo com o Anexo I, em função do grupo de risco.

6.19 Todas as anomalias devem ser tratadas conforme PG-1AT-00006 -


Diretrizes para Tratar Anomalias do Processo.

6.20 As verificações do cumprimento deste padrão são realizadas durante


as auditorias comportamentais. A eficácia é analisada nas reuniões do
Comitê de Gestão de SMS de cada UO.

6.21 Para a execução do teste de pressão deverá ser atendida a Diretriz


Corporativa de SMS Nº 5 - Operação e Manutenção.

6.22 A autorização para execução do Teste de Pressão deve ser


condicionada à apresentação da Permissão para Trabalho e esta, à
apresentação do Plano de Execução do Teste de Pressão, conforme anexo
V e da Lista de Verificação do Anexo II, devidamente preenchidos e
assinados, ressalvado o disposto no item 6.16.

6.23 Devem ser analisadas e adotadas as Medidas de Controle relativas


aos aspectos e impactos ambientais, os perigos e riscos de segurança e
saúde, conforme Anexo IV.

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
7

6.24 Devem ser utilizados os EPIs necessários à execução do serviço.

6.25 Antes da realização do teste de pressão deve ser efetuada a


demarcação e o isolamento da área de risco com telas de plástico tipo
tapume ou similar. A área isolada deverá ser identificada com placas de
advertência em locais visíveis, recomendando-se adotar os seguintes
dizeres nas placas de advertência: “Equipamento em Teste de Pressão”.

6.25 Não é permitido martelar o equipamento quando pressurizado

6.26 O responsável pelo Teste de Pressão deve liberar, restringir e controlar


a entrada de pessoas na área isolada.

6.27 Os equipamentos a serem testados devem ser isolados eletricamente


de equipamentos que possam induzir a passagem de corrente elétrica e pôr
em risco pessoas e instalações.

6.28 Por motivo de segurança, não é permitida soldagem ou intervenção


mecânica em tubulações e/ou equipamentos enquanto os mesmos
estiverem pressurizados.

6.29 Garantir acessos, andaimes e iluminação adequados.

6.30 Garantir que pessoas alheias ao teste tomem conhecimento do mesmo


através de sinalização em quantidade e localização adequadas.

6.31 Garantir a inexistência de outros trabalhos, na área, que ofereçam


riscos à segurança.

6.32 O equipamento pressurizado deve permanecer sob monitoração


constante pelo Executante do Teste de Pressão. Caso contrário deverá ser
despressurizado.

6.33 A drenagem de tubulações e equipamentos, principalmente em locais


elevados, deve ser executada de forma que a água não caia sobre outras
instalações para evitar danos em isolamentos térmicos e alagamentos no
piso, evitando acidentes. Sugere-se usar mangueiras para drenar a água
diretamente para canaletas.

O fluido, quando descartado, não deve contaminar o meio ambiente, mas se


isso ocorrer, deve ser feita a descontaminação adequada.

6.34 Abaixo estão relacionados as atribuições de cada profissional:

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
8

6.34.1 Profissional Habilitado

6.34.1.1 Responsável pela decisão sobre a inviabilidade técnica da


execução de Teste Hidrostático.
6.34.1.2 Responsável pela definição da aplicação de Teste Pneumático ou
Hidropneumático.
6.34.1.3 Responsável pela Supervisão de Testes Pneumáticos ou
Hidropneumáticos.
6.34.1.4 Responsável pela elaboração de parte do Plano de Execução de
Teste de Pressão de acordo com o Anexo V.
6.34.1.5 Responsável pela especificação dos Ensaios Não Destrutivos em
substituição a Testes de Pressão.

6.34.2 Planejador do Teste de Pressão

6.34.2.1 Responsável pela elaboração do planejamento dos serviços de


Teste de Pressão.
6.34.2.2 Responsável pala elaboração de parte do Plano de Execução de
Teste de Pressão de acordo com o Anexo V.
6.34.2.3 Responsável por providenciar os ISOTESTES (isométricos
contendo detalhes do sistema a ser pressurizado).

6.34.3 Executante de Teste de Pressão

6.34.3.1 Responsável pela condução do Teste de Pressão obedecendo ao


PETP – Plano de Execução de Teste de Pressão.
6.34.3.2 Responsável pela preparação física do Teste de Pressão
6.34.3.3 Responsável pela conferência da Lista de Verificação – ANEXO II
6.34.3.4 Responsável pelo fechamento, recomposição e entrega das
instalações

6.34.4 Técnico de Inspeção de Equipamentos

6.34.4.1 Responsável pela elaboração de parte do Plano de Execução de


Teste de Pressão de acordo com o Anexo V.
6.34.4.2 Responsável pela definição da remoção de Isolamento Térmico,
Pintura e outros Revestimentos.
6.34.4.3 Responsável pela aprovação dos Testes de Pressão.

6.34.5 Técnico de Manutenção / Técnico de Construção e Montagem

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
9

6.34.5.1 Responsável pela aprovação dos Testes de Pressão quando


devidamente designado conforme item 6.6.

6.34.6 Empresas Contratadas

Quando Empresa Contratada for responsável pelo Teste de Pressão, a


documentação (PETP, LV, Isotestes, etc.,) deverá ser preenchida e
assinada pela Empresa Contratada e validada pela Petrobras.

7. REGISTROS

Não se aplica

ANEXO I

REQUISITOS TÉCNICOS PARA TESTE DE PRESSÃO


(Subsídios para o Plano de Execução de Teste de Pressão)

1. POSSÍVEIS RAZÕES DE INVIABILIDADE TÉCNICA DA EXECUÇÃO DE TESTE HIDROSTÁTICO

O Profissional Habilitado pode decidir pela inviabilidade técnica da execução de


Teste Hidrostático pelas seguintes razões:

1.1.1. Resistência estrutural da fundação ou da suportação da tubulação


incompatível com o peso de líquido a ser usado no teste.
1.1.2. Tubulações de entrada e/ou saída de grandes diâmetros, soldadas
diretamente aos bocais (“stub ends”), sem flanges ou válvulas de bloqueio,
em que os suportes não resistam ao peso do líquido.
1.1.3. Efeito prejudicial do fluido de teste a elementos internos dos equipamentos /
tubulações (cloretos, necessidade do aquecimento de água, etc.).
1.1.4. Impossibilidade técnica da purga do sistema após o teste hidrostático e
onde traços de fluido não são tolerados;
1.1.5. Influência prejudicial do teste sobre defeitos subcríticos existentes;
1.1.6. Risco de fratura frágil do material de construção do equipamento /
tubulação na temperatura do fluido disponível para a realização do teste;
1.1.7. Inviabilidade do aquecimento da quantidade de fluido necessária para a
realização do teste;
1.1.8. Qualidade inadequada ou quantidade insuficiente de fluido disponibilizado
para a realização do teste;
1.1.9. Casos em que o fluido de teste seja água contaminada ou outro líquido de
impossível descarte;
1.1.10. Para equipamentos em que:

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
10

1.1.10.1. A existência de revestimento interno higroscópico possa ser


afetado pela água (refratário, fibra de vidro, etc.).
1.1.10.2. Há possibilidade de deterioração do catalisador em contato com o
ar atmosférico.
1.1.11. Vasos interligados diretamente por solda e com pressões de testes
diferentes.

NOTA 1: Na inviabilidade técnica do Teste Hidrostático deve ser avaliada a


possibilidade de aplicação de Teste Pneumático ou Hidropneumático como
definido em 2.1

2.RESTRIÇÕES E APLICAÇÃO DE TESTE PNEUMÁTICO OU


HIDROPNEUMÁTICO

2.1. Cabe ao Profissional Habilitado avaliar as condições de risco e aprovar a


alternativa de aplicação do teste com fluido compressível. Se aprovado, o teste
deve ser supervisionado por ele.

2.2. Aaplicação de teste pneumático ou hidropneumático deve ser restrita à


condição em que um fluido líquido é inviável ou quando a pressão de teste é tal
que a energia armazenada seja comparável à existente no sistema em condição
de operação normal.

2.3. Aaplicação de teste pneumático ou hidropneumático em juntas de expansão


deve ser evitada, mas se executada, recomenda-se que seja feita em seu local de
instalação. Se o teste for executado isoladamente, a junta de expansão deve ser
travada para impedir danos durante a pressurização.

2.4. Testes
pneumáticos ou hidropneumáticos em Vasos de Pressão novos devem
obedecer aos seguintes pré-requisitos:
2.4.1 Todas as soldas de topo devem ser submetidas a 100% de teste
Radiográfico, as soldas de bocais devem receber teste de ultra-som e
as demais soldas (suportação do equipamento, “clips” de isolamento
térmico e revestimento “fireproofing”, grampos de refratário, orelhas de
escadas e plataformas, olhais de içamento, suportes de tubulação,
etc.), na parede de pressão, devem ser examinadas com Partículas
Magnéticas ou Líquido Penetrante;
2.4.2 O vaso deve ser submetido a tratamento térmico de alívio das tensões
de soldagem e fabricação, conforme ASME Sec VIII Div 1;

2.5. Testespneumáticos ou hidropneumáticos em equipamentos reparados ou


modificados, cuja pressão de teste for superior a 50 kgf/cm2, deve ser
acompanhado de emissão acústica.

2.6. O sistema pressurizado deve conter, no mínimo:


2.6.1 Válvulas de fechamento rápido, instaladas à montante e à jusante do
sistema sob teste.

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
11

2.6.2 Válvula de alívio de pressão, disco de ruptura, ou outro dispositivo de


alívio com capacidade adequada ao sistema sob teste.

3. CARACTERÍSTICAS DO FLUIDO DE TESTE

3.1. O fluido de teste deve ser adequado aos materiais que constituem os
equipamentos e não deve provocar deterioração de equipamentos
O executante deverá garantir a qualidade da água utilizando padrões específicos
com evidências disponíveis.

3.2. O fluido usado deve ser água limpa, não agressiva à tubulação, equipamentos
e internos de válvulas, isenta de hidrocarbonetos, a não ser que seja
explicitamente contra-indicado pelo projeto.

3.3. Se necessário, devem ser adicionados, à água, inibidores de corrosão e


bactericidas, levando-se em conta o local de descarte.

3.4. Outros fluidos somente poderão ser utilizados se aprovadas pelo Profissional
Habilitado e constarem do PETP (ANEXO V).

3.5. O teor máximo de cloretos permitido na água deve estar definido no projeto do
equipamento, porém nunca superior a 30 ppm para equipamentos de aço
inoxidável austenítico ou com revestimento interno deste material. Neste caso
deverá ser executada análise de cloretos na água.

3.6. PARA CALDEIRAS – Utilizar água com a mesma qualidade da água com a
qual a caldeira é operada normalmente.

3.7. PARA TUBULAÇÕES - Caso não seja possível o uso de água para o teste
de pressão, é aceitável o uso de hidrocarbonetos líquidos desde que observadas
as seguintes condições:

3.7.1 Antes de iniciar o teste, deve ser feito um teste preliminar com ar, a
uma pressão não superior a 0,15 MPa (1,5 kgf/cm2), com o objetivo de
localizar defeitos maiores.

3.7.2 A temperatura do fluido de teste deve ser superior ao ponto de


congelamento + 25ºC.

3.7.3 O fluido de teste deve ter ponto de fulgor superior a 60ºC e superior à
temperatura de teste acrescida de 10ºC.

3.7.4 Caso seja necessário fazer reparos evidenciados pelo teste, o sistema
deve ser descontaminado antes do início dos reparos.

3.8 Não adotar como fluido de teste: oxigênio, gases tóxicos ou líquidos em
temperaturas acima de seu ponto de fulgor ou de sua temperatura de ebulição.

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
12

3.9 Não adotar vapor d’água como fluido de teste, exceto em tubulações de
aquecimento (steam tracer).

3.10 Não adotar fluidos com temperatura superior a 66ºC.

3.11 Utilizar EPI’s especiais quando o fluido estiver em temperatura entre 49ºC e
66ºC.

3.12 Não adotar ar em sistemas que tenham operado anteriormente com


hidrocarbonetos e não tenham sido perfeitamente limpos e descontaminados.

3.13 Não usar hidrocarbonetos em sistemas que tenham operado anteriormente


com oxigênio.

4. TEMPERATURA DO FLUIDO E DO METAL

4.1. Quando tubulações forem testadas com equipamentos deve ser respeitada a
temperatura mínima especificada para o fluido de teste entre os equipamentos e
tubulações;

4.2. Limitara temperatura mínima do metal, em Vasos de Pressão, de acordo com


o item UG-99 do Código ASME Sec. VIII, Div.1 ou item correlato do código ASME
Sec. VIII, Div.2.
A temperatura do metal durante o teste hidrostático deve ser mantida pelo menos
17º C acima da temperatura mínima de projeto do metal (MDMT) que depende do
material e da espessura da chapa. A MDMT normalmente consta das folhas de
dados dos vasos de pressão, mas se não constarem deve ser definida através da
UCS-66 para vasos projetados pelo ASME Sec. VIII, Div. 1 e através da Parte 3
para vasos projetados pelo ASME Sec. VIII, Div.2.

4.3. Limitar
a temperatura mínima do metal, em tubulações, de acordo com o
Código ASME B31.1, B31.3, B31.4 e B31.8.

4.4. Parateste hidrostático em que a temperatura da água estiver próxima ao limite


mínimo, efetuar controle de temperatura da água por meio de termômetros na
região inferior do sistema.

5.REQUISITOS PARA TESTES DE PRESSÃO E DETERMINAÇÃO DA


PRESSÃO DE TESTE

5.1. Este padrão contém orientações sobre a definição da pressão de teste de


pressão, mas se o Profissional Habilitado preferir definir a pressão de teste por
outro critério, os seguintes aspectos devem ser considerados:

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
13

 estado do equipamento quanto à corrosão


 código e norma de projeto de fabricação;
 código de inspeção aplicável ao serviço específico;
 relação entre as condições de projeto e condições de operação;
 potencial de risco e localização do equipamento na unidade industrial;
 histórico de resultados das inspeções de segurança internas e externas;
 histórico de resultados de testes de pressão;
 possibilidade da existência de defeitos subcríticos;
 avaliação da PMTA na condição atual do equipamento.
 pressão de teste determinado pelo projeto mecânico do equipamento.

5.2. VASOS DE PRESSÃO NOVOS, CONSTRUÍDOS INTEGRALMENTE NA


FÁBRICA

5.2.1 Os vasos montados integralmente na fábrica devem ser submetidos a teste


hidrostático na oficina do fabricante, antes do embarque.

5.2.2 O teste de pressão na fábrica não dispensa o teste de campo de acordo com
a NR-13.

5.2.3 O teste deve ser executado, preferencialmente, com o vaso na posição


horizontal.

5.2.4 O teste deve ser executado após a instalação de todos os suportes e


dispositivos de fixação de isolamento térmico e refratamento e antes da aplicação
de “primers”, pinturas, isolamento, refratário ou outros revestimentos;

5.2.5 Determinação da Pressão de Teste


5.2.5.1 Para teste hidrostático, adotar a pressão de teste indicada na Folha
de Dados, no Desenho do Equipamento ou na placa do vaso de
pressão, considerando a condição Novo e Frio.
5.2.5.2 Para testes pneumáticos, adotar o valor calculado pelo critério de
UG-100 (a) do ASME Seção VIII, Div. 1.

5.3.VASOS DE PRESSÃO NOVOS, PRÉ-FABRICADOS NA FÁBRICA E


MONTADOS NA INSTALAÇÃO DEFINITIVA INCLUSIVE POR OCASIÃO DA
INSPEÇÃO DE SEGURANÇA INICIAL DA NR-13

5.3.1 Determinação da Pressão de Teste:


5.3.1.1 Para teste hidrostático, a pressão de teste está indicada na Folha
de Dados, no Desenho do Equipamento ou na placa do vaso de
pressão, considerando a condição Novo e Frio; Este teste atende
também à Inspeção de Segurança Inicial da NR-13 porque o vaso
encontra-se no local definitivo.

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
14

5.3.1.2 Para teste pneumático, adotar o valor calculado pelo critério de UG-
100 (a) do ASME Seção VIII, Div. 1.

5.4. VASOS DE PRESSÃO REAPROVEITADOS DE OUTRO LOCAL,


MONTADOS NA INSTALAÇÃO DEFINITIVA POR OCASIÃO DE SEGURANÇA
INICIAL DA NR-13

5.4.1 Determinação da Pressão de Teste:


5.4.1.1 Para determinação da pressão de teste hidrostático para Inspeção
de Segurança Inicial de vaso reaproveitado no local definitivo de
instalação, adotar o maior valor entre os valores calculados pelos
critérios de UG-99 (b) e (c) do ASME Seção VIII, Div.1, para a
posição de montagem (vertical ou horizontal). Os valores devem ser
calculados com base nas novas condições de processo e na
situação atual e frio, a partir das espessuras remanescentes
medidas quando da inspeção de recebimento do vaso.
5.4.1.2 Para determinação da pressão de teste pneumático, adotar o valor
calculado pelo critério de UG-100 (a) do ASME Seção VIII, Div. 1,
com base na nova pressão de trabalho admissível, a partir das
espessuras remanescentes medidas na inspeção de recebimento
do vaso.

5.5.VASOS DE PRESSÃO EM SERVIÇO (APÓS A ENTRADA EM OPERAÇÃO


NO LOCAL DEFINITIVO)

O teste em vasos de pressão em serviço deve ser executado respeitando-se os


prazos e exigências estabelecidas na Norma Regulamentadora NR-13 - Caldeiras
e Vasos de Pressão.

5.5.1 Determinação da Pressão de Teste


5.5.1.1 Para determinação da pressão de teste hidrostático:
5.5.1.1.1 Caso a espessura corroída seja menor do que a sobre-
espessura para corrosão de projeto, realizar o teste hidrostático em
Serviço, adotando-se o valor calculado pelo critério de UG-99 (b) do
ASME Seção VIII, Div.1, para a posição de montagem (vertical ou
horizontal) que é o valor indicado na Folha de Dados, no Desenho de
Conjunto do Equipamento ou na placa do vaso de pressão, para a
condição Corroído e Quente.
5.5.1.1.2 Caso a espessura corroída seja maior do que a sobre-
espessura para corrosão de projeto, realizar o teste
hidrostático em Serviço, adotando-se o valor calculado pelo
critério de UG-99 (b) do ASME Seção VIII, Div 1, para a
posição de montagem em função da espessura
remanescente.
5.5.1.2 Para o teste Pneumático, adotar o valor calculado pelo critério de
UG-100 (a) do ASME Seção VIII, Div. 1.

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
15

5.6. TROCADORES DE CALOR

5.6.1 Para a determinação da pressão e procedimentos para teste de pressão em


trocadores de calor, obedecer às normas PETROBRAS N -269 – Montagem de
Vaso de Pressão e PETROBRAS N -2511 – Inspeção em Serviço de Trocador de
Calor.

5.6.2 Testes de pressão em equipamentos especiais, tais como, Trocadores de


Calor tipo Packinox devem ser executados de acordo com as orientações
específicas do fabricante.

5.7. CALDEIRAS

Testes de Pressão em caldeiras devem ser executados respeitando-se os prazos


e exigências estabelecidas na Norma Regulamentadora NR-13 – Caldeiras e
Vasos de Pressão ou após reparos soldados em componentes sob pressão.

5.8. TUBULAÇÕES

5.8.1. Este item aplica-se tanto a tubulações quanto a serpentinas de fornos.

5.8.2. O teste de pressão deve ser executado, de preferência, por sistema ao


invés de individualmente, por tubulação.

5.8.3.A quebra de continuidade, através da instalação de raquetes para o teste


de pressão, deve ser reduzida ao mínimo, juntando-se as tubulações e
equipamentos passíveis de se submeterem à mesma pressão de teste.

Tubulações e equipamentos que possam ser testados sem danos, podem


5.8.4.
permanecer no mesmo sistema de teste.

5.8.5. Alguns equipamentos, tais como vasos, trocadores de calor, separadores,


filtros, bombas, turbinas ou quaisquer outros instalados na linha, já testados, que
não causem dificuldades ao teste do sistema de tubulações, podem ser retestados
simultaneamente com o sistema de tubulações a que está conectado.

5.8.6.Atenção especial deve ser dada a possibilidade deste teste vir a propagar
não-conformidades subcríticas nos equipamentos.

5.8.7. A pressão de teste não deve exceder, em nenhum ponto, a pressão de


teste permitida aos equipamentos testados conjuntamente no sistema e deve
atender a norma ASME B 31.3.

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
16

Antes do teste, devem ser removidos equipamentos e acessórios tais


5.8.8.
como: purgadores, separadores de linha, instrumentos, controladores
pneumáticos e todos os dispositivos que causem restrições ao fluxo tais
como placas de orifício, bocais de mistura, etc..

5.8.9. Os discos de ruptura, válvulas de segurança e válvulas de alívio devem ser


isolados ou removidos.

Os equipamentos e acessórios retirados devem ser substituídos por


5.8.10.
componentes provisórios (carretéis).

5.8.11. Devem ser colocados filtros temporários de acordo com a norma


PETROBRAS N-118 na entrada de vasos, compressores, turbinas, bombas e
outros equipamentos que possam ser prejudicados por detritos e que não tenham
sido isolados. Estes filtros devem permanecer no sistema durante o teste de
pressão, limpeza, pré-operação e início de operação. Em casos especiais em que
não seja admitida qualquer contaminação pelo fluido de teste, devem ser
instalados dispositivos de isolamento limitando os subsistemas na entrada e na
saída dos equipamentos.

5.8.12. Tubulações de aquecimento (steam-tracer) devem ser testadas


preferencialmente com vapor, a fim de se verificar a estanqueidade, flexibilidade e
a garantia de fluxo em todos os pontos do sistema.

5.8.13. A Norma N-2276 fixa as condições exigíveis para a execução de Testes


Hidrostáticos e Pneumáticos para linhas de impulso (de instrumentos).

5.8.14. Os bloqueios devem ser colocados onde indicados pelo projeto.

5.8.15. As raquetes devem ser selecionadas conforme item 4.8 do Anexo III.

5.8.16. Podem ser utilizadas chapas de bloqueio para bloquear o sistema. Chapas
de bloqueio são chapas de aço, da mesma especificação do material da
tubulação, soldada na extremidade da tubulação, de acordo com um dos detalhes
de soldagem de tampos planos do ASME Seção VIII, Divisão 1, usada para
bloquear o fluido no teste de pressão.

5.8.17.É possível que tubulações projetadas para vapor ou gás necessitem de


suportes provisórios adicionais quando testadas com água.

5.8.18.Em manutenção de tubulações, o teste de pressão só se faz necessário


quando houver reparos, modificações com solda ou aumento da severidade das
condições de projeto.

5.8.19. O teste de pressão pode ser dispensado em situações onde as condições


do teste de pressão podem influenciar prejudicialmente sobre defeitos subcríticos

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
17

existentes. Nestes casos o Teste de Pressão pode ser substituído por outras
técnicas de ensaios não destrutivos ou inspeções que permitam obter segurança
equivalente.

5.8.20. Tubulações enquadradas na classe de inspeção I, da N-115, não precisam


ser submetidas a teste de pressão, devendo, nesse caso, ser submetidas aos
exames não-destrutivos correspondentes, indicados na TABELA A-2 do ANEXO A
da N-115. Além disso, deve ser verificada a estanqueidade do sistema quando
atingidas as condições de operação normal.

5.8.21.Tubulações enquadradas na classe de inspeção I são tubulações de aço


carbono, contendo fluidos não inflamáveis, não tóxicos, danosos aos tecidos
humanos, pressão de projeto inferior a 150# e temperatura de projeto entre -29ºC
e 128ºC.

5.8.22. Determinação da Pressão de Teste Hidrostático em Tubulações:

5.8.22.1 Adotar a pressão de Teste Hidrostático definido nas Folhas de


Dados de tubulações e isométricos.
5.8.22.2 Para sistemas que trabalham sob pressão interna, a pressão de
teste deve constar do prontuário ou do projeto do equipamento /
tubulação e pode ser calculada de acordo com as normas ASME
B31.3, ASME B31.4 ou ASME B31.8, e de acordo com o escopo
de aplicação dos códigos ASME na figura 1 da norma
PETROBRAS N-1673.
5.8.22.3 Para sistemas que trabalham sob pressão externa, a pressão de
teste deve ser calculada de acordo com a norma ASME B31.3.
5.8.22.4 Sistemas não pressurizados ou trabalhando com pressão interna
de no máximo 0,02 MPa (0,2 kgf/cm2), em drenagem e serviços
de pouca responsabilidade, podem ser testados permanecendo
cheios de água durante 24 horas para verificar vazamentos sem
aplicar pressão.
5.8.22.5 A pressão de Teste Hidrostático para tubulações, com
espessuras superiores a SCH.40, deve ser de no mínimo, igual a
0,7 MPa (7kgf/cm2), desde que satisfazendo a condição do item
5.8.7.

5.8.23. Caso seja usado ar ou gás inerte, a temperatura máxima de teste é de 50


°C.

5.8.24. No caso de teste pneumático, a pressão de teste deve ser calculada de


acordo com as normas ASME B31.3, ASME B31.4 ou ASME B31.8, de acordo
com o escopo de aplicação dos códigos ASME na figura 1 da norma PETROBRAS
N-1673.

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
18

5.8.25. Quando a coluna hidrostática somada à pressão pneumática, durante o


teste, ultrapassar a pressão máxima admissível para algum componente, este não
deve ser incluído no sistema de teste ou a pressão de teste deve ser reduzida
convenientemente.

5.8.26. Recomenda-se que antes da realização do teste pneumático, em


equipamentos e tubulações, as seguintes soldas sejam inspecionadas
previamente com líquido penetrante ou partículas magnéticas, para detecção de
trincas:
 Todas as soldas ao redor de bocais ou derivações.
 Todas as soldas em ângulo de suportes, que unam partes pressurizadas
a não pressurizadas, que tenham dimensão de garganta maior que 6,5
mm.

NOTA: Em casos em que o teste de pressão (hidrostático, pneumático ou


hidropneumático) não for possível, aplicar:
 Soldas da Raiz pelo processo TIG ou similar, com o passe de raiz e de
acabamento examinados com líquido penetrante
 Ensaio adicional de ultra-som ou gamagrafia além de outros julgados
necessários a critério do Profissional Habilitado.

5.9. TANQUES

Tanques pressurizados (API 620 – Projeto) devem sofrer Testes de Pressão.


Os requisitos de segurança para Testes de Pressão em Tanques deverão ser os
mesmos contemplados neste padrão.

6. MEDIDORES DE PRESSÃO (MANÔMETROS)

6.1. Localização e quantidade de manômetros e registradores utilizados para a


realização do teste devem ser definidas por Profissional Habilitado em função do
sistema a ser testado.
Práticas recomendadas:
6.1.1 Usar no mínimo, 2 manômetros por sistema, obedecendo-se às
seguintes prescrições:
6.1.1.1 Um manômetro próximo à descarga da bomba, no ponto de
menor elevação do sistema, a uma distância mínima de 3m dos
equipamentos a serem testados. Caso esteja sendo utilizada
bomba alternativa, este manômetro deve conter glicerina ou
sistema amortecedor para absorver a pulsação.
6.1.1.2 Um manômetro ligado ao topo do sistema em local de fácil
acesso, visível ao inspetor durante todo o tempo de
pressurização e teste, ou associado a um transmissor para
leitura remota;

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
19

6.2. Para equipamentos classificados no Grupo de Risco 1, recomenda-se


instalar registrador de pressão, além de manômetros.

6.3. Os manômetros e/ou registradores devem apresentar identificação


permanente e estar calibrados e em condições físicas adequadas. A
calibração dos instrumentos deve ser efetuada usando-se padrões
rastreáveis a Rede Brasileira de Calibração.

6.4. Os manômetros devem ser calibrados, admitindo-se uma validade de 3


meses. A data de validade da calibração deve constar do instrumento.

6.5. O valor máximo da escala do manômetro ou registrador deve estar


compreendido entre 1,5 a 4 vezes a pressão de teste ou, preferencialmente, o
dobro da pressão de teste, a menos que sejam manômetros digitais.

6.6. A menor divisão da escala não deve exceder a 5 % da indicação máxima.

6.7. Devem ser previstos bloqueios e drenos entre os manômetros e os


equipamentos, para permitir substituição dos mesmos, se necessário.

7. DISPOSITIVO DE ALÍVIO DE PRESSÃO

Deve ser instalado dispositivo de alívio (válvula de alívio de pressão, disco de


ruptura, etc) calibrado para uma pressão ligeiramente superior ao valor da pressão
de teste a ser definida pelo Profissional Habilitado.
Esse dispositivo é obrigatório quando a bomba de pressurização não for
manual.
Recomenda-se calibrar a válvula de alívio numa pressão de 105% da pressão de
Teste quando esta for inferior a 50 kgf/cm2 e 103% da pressão de Teste quando
esta for superior a 50 kgf/cm2.

8. DEFINIÇÃO DO GRUPO DE RISCO PARA TESTES HIDROSTÁTICOS

8.1. Para definir o Grupo de Risco para Testes Hidrostáticos em Vasos de


Pressão, entrar no gráfico com a Pressão do Teste em Bar e o volume em metros
cúbicos.

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
20

8.2. Para definir o Grupo de Risco para Testes Hidrostáticos em Tubulações,


entrar no gráfico com a Pressão do Teste em Bar e o Maior Diâmetro do sistema
em polegadas. Obs.: (Bar = 1.02 kg/cm2).

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
21

Observação: o gráfico acima tem caráter conservativo, pois foi calculado para o
comprimento de 700 X DN da tubulação. Adotar o maior diâmetro de tubulação
sob teste.

8.3. O grupo de Risco para caldeiras é sempre 1.

8.4.Nos cálculos das áreas de risco para Teste de Pressão foram


desconsiderados alguns eventos, tais como:
8.4.1 Geração de onda de choque, de efeito destrutivo e demolidor a
grandes distâncias;
8.4.2 Projétil de uma parte (bocal, chapa ou componentes como tampos,
etc.) lançado durante a falha.

9. ÁREA DE ISOLAMENTO DE SEGURANÇA.

9.1. Utilizar a tabela (para Testes Hidrostáticos – item 9.1.1) e o gráfico (para
Testes Pneumáticos – item 9.1.2) para definir a distância de isolamento da
área:

9.1.1. ISOLAMENTO PARA TESTES HIDROSTÁTICOS:

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
22

Grupo de  Os equipamentos devem ser isolados no raio mínimo de 4 m, durante


Risco 1 todo o teste de pressão.
Grupo de  Os equipamentos devem ser isolados no raio mínimo de 1 m, durante
Risco 2 todo o teste de pressão.
Grupo de  Os equipamentos não requerem isolamento durante todo o teste de
Risco 3 pressão.

9.1.2. ISOLAMENTO PARA TESTES PNEUMÁTICOS:

No gráfico abaixo, partindo-se da pressão de Teste em Bar e o volume do Vaso de


Pressão em m3, encontra-se a distância mínima de isolamento “r”, em metros.
Observar que o eixo de volume está em escala logarítmica.

9.2. Não é obrigatório o cumprimento do isolamento de área para elementos


testados previamente, tais como trechos de tubos retos fabricados com Teste de
Pressão em fábrica e spools de tubulação fabricados e testados em oficina. Ao
contrário, todas as juntas soldadas e não testadas, todas as juntas flangeadas,
juntas roscadas, válvulas e outras conexões devem ser isoladas conforme os
critérios deste padrão.

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
23

10. SEQÜÊNCIAS DE EXECUÇÃO DE TESTE HIDROSTÁTICO

10.1. Para execução do teste hidrostático, deve-se seguir a seqüência mostrada


nos gráficos abaixo, conforme o grau de risco:
GRÁFICO DE TESTE HIDROSTÁTICO DO GRUPO DE RISCO 1
% PRESSÃO
DE TESTE
120

110
Estabilização Sem
Inspeção - 30 min
100 Pressurização
5% Pt / minuto 100 100 Despressurização 20% Pt / minuto
90
Estabilização Pressão - 5 min Inspeção Final
80
80 80
77
70
Pressurização
60 10% Pt / minuto
Inspeção Inicial
50
50 50
40
Despressurização
20% Pt / minuto
30
Pressurização
20% Pt / minuto
20

10

0
0 TEMPO 0

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
24

% PRESSÃO GRÁFICO DE TESTE HIDROSTÁTICO DO GRUPO DE RISCO 2


DE TESTE

120

110
Estabilização Sem
Inspeção - 30 min
100
Pressurização 20% Despressurização
100 100
Pt / minuto 20% Pt / minuto
90

Inspeção Final
80
77
70

60
Inspeção Inicial
50
50 50
40
Despressurização
20% Pt / minuto
30
Pressurização
20% Pt / minuto
20

10

0
0 TEMPO 0

Nota: O PH pode criar seqüências para casos específicos, a seu critério, como por
exemplo, emissão acústica e outros procedimentos que exijam seqüências e taxas
de pressurização / despressurização não cobertas por este padrão.

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
25

10.2. Por motivo de segurança, nenhuma inspeção deve ser executada na


pressão de teste. Enquanto o sistema estiver pressurizado, pessoas e
equipamentos devem permanecer afastados e estar em local seguro.

10.3. Reduzir a pressão gradativamente, conforme os gráficos, até a pressão


atmosférica e abrir os drenos e respiros, para efetuar a drenagem.

10.4. Quando a pressão for mantida por um período de tempo durante o qual o
fluido possa sofrer expansão térmica devido à insolação, devem ser tomadas
precauções para o alívio da pressão, por meio da abertura de respiros.

10.5. No caso de detecção de defeitos no teste de pressão, o sistema deve ser


despressurizado, drenado, e o local do defeito secado, antes do início do reparo.
Em tubulações verticais é aceitável manter o nível do líquido de teste abaixo do
local do reparo, desde que o fluido de teste não seja hidrocarboneto (ou outro
combustível) e o procedimento seja aprovado pela Operação e SMS. Todo o
sistema de tubulação reparado deve ser retestado.

11 SEQÜÊNCIA DE EXECUÇÃO DE TESTE PNEUMÁTICO

11.1 Para execução do teste pneumático, seguir a seqüência mostrada no


gráfico abaixo:
Gráfico de Teste Pneumático
% PRESSÃO DE TESTE

120

Estabilização Sem
Inspeção - 30 min

100 100
Inspeção Final
Degraus de Pressurização de 10% Pt 90 91
com estabilização de 5 minutos
80 80
Pressurização
70 10% / minuto

60 60 Despressurização
Inspeção Inicial
20% Pt / minuto
50

40

Pressurização
10% Pt / minuto
20
Para Trocadores de Calor, deve ser feita estabilização da pressão e inspeção preliminar a
1,02 kgf/cm2 (100 KPa) nos pontos indicados na N-269 – Montagem de Vaso de Pressão

0 0 0
TEMPO

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
26

11.2 Quando a pressão for mantida por um período em que o fluido possa sofrer
expansão térmica devido à insolação, deve ser providenciado alívio da pressão,
por meio da abertura de respiros.

12 CONDIÇÕES GERAIS:

12.1 TEMPO DE ESPERA (prática recomendada)


Prazos para execução do Teste de Pressão após soldagem ou TTAT em partes
pressurizadas ou de suportação:
12.1.1 Imediatamente após - para Aços Carbono de Baixa e Média
Resistências e Aços Inoxidáveis Austeníticos série 300
12.1.2 - 24 horas após - para Aços de Baixa Liga com teor de Cromo < 5%
12.1.3 - 48 horas após - para Aços de Alta Resistência – Carbono Micro
Ligado
Estes prazos podem ser redefinidos pelo Profissional Habilitado.

12.2 A remoção ou não, do isolamento térmico, pintura ou outro revestimento


deve ser definida pelo Técnico de Inspeção de Equipamentos.

12.3 Adicionalmente ao teste hidrostático ou pneumático, recomenda-se teste de


estanqueidade em chapas de reforço, etc., de acordo com as prescrições da
norma PETROBRAS N-1593.

12.4 O sistema pode ser testado mantendo-o conectado a equipamentos,


acessórios e instrumentos, a critério do Profissional Habilitado.

12.5 As seguintes condições devem ser verificadas quando da realização de teste


de pressão em um sistema composto por mais de um equipamento e/ou
tubulações conectadas:
12.5.1 A pressão de teste deve ser limitada pelo componente de menor
pressão de teste do sistema;
12.5.2 Deve atender isoladamente os valores exigidos para os componentes
interligados, considerando o nível de tensão aplicada e a resistência
mecânica de cada parte do conjunto.

12.6 Deve ser analisada a necessidade de instalação de dispositivo de proteção


contra vácuo;

12.7 Obedecer a Diretriz Técnica DT-AB-RE-ES-TEE-005 para calcular o torque


adequado executar o aperto de flanges.

12.8 Limpar e secar as superfícies a serem inspecionadas.

13 EQUIPAMENTOS INSTALADOS PELA PRIMEIRA VEZ EM SUA BASE


DEFINITIVA

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
27

13.1 Lembrar do grauteamento da base que deve ser feito antes do início do
enchimento do equipamento para teste, de acordo com a norma PETROBRAS N-
1644.

13.2 É possível que haja necessidade de medição do recalque de equipamentos,


durante o teste de pressão. Esta é de responsabilidade da área de montagem
Civil.

14 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

14.1 Antes do teste, devem ser removidos equipamentos e acessórios tais como:
purgadores, separadores de linha, instrumentos, controladores pneumáticos,
placas de orifício, bocais de mistura, etc.. Os discos de ruptura, válvulas de
segurança (PSVs) e válvulas de alivio devem ser isolados do sistema ou
removidos. Os equipamentos e acessórios retirados devem ser substituídos por
componentes provisórios (carretéis). No caso de PSVs soldadas, travá-las durante
o teste, em seu local de instalação.

14.2 Os poços para indicação de temperatura fazem parte do teste desde que o
processo de limpeza tenha sido realizado.

14.3 Na entrada de vasos, compressores, turbinas, bombas e outros


equipamentos que possam ser prejudicados por detritos e que não tenham sido
isolados, devem ser colocados filtros temporários de acordo com a norma
PETROBRAS N-118. Estes filtros devem permanecer no sistema durante o teste
de pressão, limpeza, pré-operação e início de operação.

14.4 Em casos especiais em que não seja admitida qualquer contaminação pelo
fluido de teste, devem ser instalados dispositivos de isolamento (raquetes)
limitando os subsistemas na entrada e na saída dos equipamentos.

14.5 Nos limites do sistema de teste, o fluido de teste deve ser bloqueado através
de flanges cegos, raquetes, tampões, chapas de bloqueio ou bujões, de acordo
com o ANEXO III, com exceção dos casos em que os acessórios são soldados e
não existem flanges para inserção destes elementos.

14.6 Com exceção das válvulas de controle e PSVs todas as válvulas devem ser
mantidas sujeitas ao teste de pressão, inclusive as de bloqueio situadas nos
limites do sistema, que devem ser raqueteadas no flange, a jusante do sistema.
No teste de pressão são verificadas as vedações das ligações das válvulas com
as tubulações, a vedação do corpo e o do engaxetamento das válvulas.

14.7 Válvulas de retenção cujo enchimento e pressurização causam o seu


fechamento devem ser travadas na posição aberta ou substituídas por carretéis.
Algumas válvulas de retenção precisam ser desmontadas e ter seu obturador

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
28

travado aberto. Os mesmos cuidados e providências devem ser tomados para a


drenagem do sistema.

14.8 Os demais tipos de válvulas devem ser mantidos na posição aberta.

14.9 Juntas de expansão, normalmente se constituem no elemento mais fraco do


sistema, do ponto de vista de resistência à pressão, e por este motivo devem ser
isoladas ou substituídas por carretéis temporários. Aquelas que não puderem ser
removidas deverão ser travadas.

14.10 As partes estruturais, tais como suportes, pendurais, guias, batentes e


ancoragens, devem estar concluídas e instaladas, ao sistema de tubulações,
antes do teste de pressão.

14.11 Travar os suportes de mola ou de contrapeso durante Testes Hidrostáticos,


se necessário.

14.12 Efetuar inspeção em todo o sistema de suportação de tubulações e avaliar


previamente o seu comportamento quando da aplicação do fluido de teste, que,
por ser freqüentemente mais pesado que o fluido de operação constitui a maior
carga estática sobre os suportes.

14.13 Em geral, tubulações de grande diâmetro projetadas para vapor ou gás


necessitam de suportes provisórios adicionais quando testadas com fluidos
líquidos.

14.14 As juntas soldadas e flangeadas de tubulações novas devem ficar expostas


durante o teste, ou seja, sem isolamento térmico, pintura ou outro revestimento.
As tubulações enterradas devem ficar com as ligações expostas, exceto as
ligações enclausuradas em concreto já testadas previamente.

14.15 Caso onde exista revestimento externo, o Técnico de Inspeção deve indicar
os locais onde deve ser removido. Nos casos em que o revestimento não for
completamente removido, o tempo de teste hidrostático deve ser de, no mínimo, 1
hora.

14.16 O enchimento deverá ser feito pela região inferior da tubulação. No ponto
mais alto deverá existir um vent, com válvula, que deverá permanecer aberta
durante o enchimento da tubulação para garantir a total eliminação de ar no
sistema. A bomba de teste deverá conter uma válvula de retenção na descarga,
para evitar retorno do fluido de teste e uma válvula de alívio após a retenção para
evitar sobrepressão no sistema.

15 PREPARATIVOS E PROTEÇÕES

15.1 Quando o teste for efetuado em dias de chuva, os locais a serem


inspecionados deverão estar protegidos e secos;

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
29

15.2 Somente poderão ser utilizados dispositivos identificados e aprovados pela


fiscalização da PETROBRAS;

15.3 Inspecionar os bocais / tubulações onde serão conectados os dispositivos


de teste, verificando sua integridade quanto à corrosão e obstrução;

15.4 Caso o sistema a ser testado contenha outros equipamentos tais como,
vasos de pressão, obedecer, também, todas as precauções específicas para tais
equipamentos.

15.5 Se a pressão de teste for inferior à pressão da rede de água, esta poderá ser
utilizada para pressurização, desde que na entrada do equipamento haja um
dispositivo limitador de pressão.

15.6 Remover ou raquetear as válvulas de segurança de Vasos de Pressão,


Caldeiras e Tubulações. No caso de PSVs soldadas, travá-las durante o teste, em
seu local de instalação.

15.7 Caso existam tubos plugueados, deve-se instalar anteparo de proteção em


frente aos espelhos durante a etapa de pressurização do equipamento. Deve-se
garantir, ao anteparo, a sua efetiva proteção contra a projeção de plugues.

15.8 Para o fechamento do sistema de tubulações e equipamentos antes do teste:

15.8.1 Adotar o tipo correto de juntas de vedação de acordo com o projeto da


ligação flangeada. Não são permitidas juntas, mesmo que provisórias,
diferentes das especificadas no projeto do equipamento em todos os
pontos de montagem definitiva.

15.8.2 Adotar torque controlado, nos valores recomendados, nos parafusos das
ligações flangeadas.

15.8.3 Garantir a retirada de todo o ar do sistema, de modo a prevenir bolsões


de vácuo.

16 PRÁTICAS DE INSPEÇÃO

16.1 Se ocorrer vazamentos em ligação flangeada, despressurize o sistema e


reaperte-a até o limite máximo do torque de montagem.

16.2 Caso o vazamento persista, despressurize novamente o sistema, abra a


ligação flangeada e inspecione as superfícies dos flanges, juntas, parafusos,
estojos e porcas.

17 CONDICIONAMENTO E REGISTROS

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
30

17.1 Após o teste de tubulação ou equipamento recomenda-se identificar como


“Testado”, em local de fácil visualização.

17.2 Deve-se drenar e limpar completamente o sistema, inclusive para prevenir a


concentração localizada de sais.

17.3 Deve-se proteger, contra corrosão e danos mecânicos, as faces dos flanges
que permanecerem abertos.

17.4 Deve ser complementada a proteção de pintura, isolamento ou outro


revestimento nas ligações expostas.

17.5 Devem ser reinstalados os elementos e acessórios retirados para o teste de


pressão e destravadas as juntas de expansão, os suportes de mola e demais
dispositivos auxiliares de teste.

17.6 Devem ser verificados todos os pontos de raqueteamento provisórios quanto


à liberação do fluxo, substituição das juntas de vedação e aperto dos parafusos.

ANEXO II
LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE TESTES DE PRESSÃO

EQUIPAMENTO:_______________ DATA:___/___/___ LOCAL:


________________

Não
ITENS DE VERIFICAÇÃO SIM NÃO Aplicável

1. Recebi e tenho conhecimento do Plano de Execução do Teste de


Pressão (PETP)?
2. As raquetes foram instaladas conforme o PETP?
3. As raquetes utilizadas estão de acordo com o diâmetro e a
classe de pressão, identificadas e de fácil visualização, conforme
Anexo III ?
4. Os Dispositivos de Entrada e de Topo foram instalados conforme
definidos no PETP?
5. (*) Os dispositivos de alívio de pressão foram instalados e
devidamente calibrados de acordo com a pressão de teste, se
requerido no PETP?
6. (*) O registrador de pressão foi instalado caso requerido no
PETP?
7. Os bocais onde serão conectados os dispositivos de teste foram
inspecionados quanto à sua integridade (obstrução e corrosão)?

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
31

8. Os dispositivos de teste foram aprovados pela Petrobrás?


9. Garantido que não existe nenhum ponto desconectado no
sistema?
10. (*) Garantido que todo o ar do sistema foi retirado ? (em caso de
teste hidrostático)
11. Foram removidos todos os Instrumentos, Placas de Orifício e
dispositivos conforme solicitado no PETP?
12. (*) Foram removidas ou raqueteadas as PSVs e as Válvulas de
Controle ?
13. As pressões de Teste são de conhecimento dos envolvidos no
Teste?
14. (*) A área encontra-se isolada se requerida no PETP?
15. A área encontra-se sinalizada ?
16. (*) Foram instalados anteparos para proteção contra projeção de
plugues em Trocadores de Calor ?
17. Os Manômetros e/ou registradores de pressão estão com
Certificados de Calibração ou Aferição dentro do prazo de
validade e estão de acordo com a pressão de teste?
18. Os Dispositivos de Teste, inclusive mangueiras, estão
identificados e dentro da validade de inspeção?

19. As conexões e acessórios do equipamento ou tubulação (luvas,


bujões, niples, drenos, vents e outros) estão adequados à
pressão de Teste e em bom estado?
20. (*) Foram instalados suportes para os Dispositivos de teste, se
necessário?
Não
ITENS DE VERIFICAÇÃO SIM NÃO Aplicável

21. O Fluido a ser utilizado para o teste está de acordo com o


PETP?
22. As Juntas de vedação para o teste de pressão estão de acordo
com a especificação?
23. Os flanges estão com os estojos apertados conforme o torque
especificado?
24. As mangueiras estão isentas de mossas, cortes, roscas
danificadas, desgastes, ressecamento, etc.?
25. (*) As juntas de Expansão foram substituídas por carretéis ou
foram travadas?

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
32

26. (*) Os Suportes de mola estão travados?


27. (*) As partes estruturais, tais como suportes, pendurais, guias,
ancoragens e batentes estão fixas definitivamente na tubulação?
28. (*) Os Suportes foram reforçados para o teste?
29. (*) As Válvulas de Retenção estão permitindo fluxo no sentido da
pressurização e no sentido da drenagem? Se não permitirem,
estão com o obturador travado aberto ?
30. (*) As válvulas que não fazem parte do isolamento do sistema
estão totalmente abertas ?
31. Os pontos de inspeção estão acessíveis e secos?
32. (*) O revestimento foi retirado se requerido?
33. (*) Todos os Ensaios Não Destrutivos e Tratam.Térmicos
previstos foram executados?
34. Todas recomendações do PETP foram atendidas?

Todos os itens devem ser respondidos.


Os itens marcados com (*) podem não se aplicar a um determinado teste e por
isso não implicam na impossibilidade de execução do teste. Neste caso marque o
campo “Não Aplicável”
Caso a resposta em algum dos itens seja “NÃO” o teste não poderá ser
executado.

Executante Qualificado em Teste de Pressão (Responsável


FISCALIZAÇÃO
pelo Teste de Pressão)

Nome / Matrícula / Empresa: Nome / Matrícula / Empresa:

Assinatura: Assinatura:

ANEXO III

EQUIPAMENTOS, DISPOSITIVOS E ACESSÓRIOS PARA TESTE DE


PRESSÃO

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
33

1. Aplicação

Este ANEXO se aplica à especificação de equipamentos, dispositivos e acessórios


para testes de pressão, fixando diretrizes de projeto, inspeção, identificação e
armazenamento.

2. Considerações Gerais

2.1 Os manômetros fazem parte dos Dispositivos de Teste de Pressão e devem


ser especificados de acordo com o item 6 do ANEXO I.
2.2 Recomenda-se que os dispositivos de teste (manifolds) possuam a seguinte
documentação:
- Projeto de detalhamento
- Relatório de fabricação com procedimentos de soldagem (RQPS e
IEIS) e relatórios dos ENDs
- Plano de inspeção (inclusive para mangueiras)
- Relatório de inspeção periódica (inclusive para as mangueiras)
2.3 Antes do Teste de Pressão devem ser inspecionadas todas as conexões
(principalmente as roscadas) dos dispositivos de teste e dos bocais do
sistema onde serão conectados os dispositivos e todas as mangueiras.
2.4 Os testes dos dispositivos terão validade de um ano, sendo que após o
vencimento, deverão ser retestados.
2.5 Pintar os dispositivos para testes de pressão com uma cor que os diferencie
de outros dispositivos utilizados pela manutenção e operação, recomenda-
se utilizar a cor amarela.
2.6 Armazenar os dispositivos, de forma organizada, em local seco, limpo e
coberto. Os dispositivos e as mangueiras devem ser armazenados
completamente drenados.

3. Bombas para Testes Hidrostáticos:

3.1 Recomenda-se o uso de bombas centrífugas para enchimento de grandes


volumes e de bombas alternativas para a pressurização.
3.2 As bombas podem possuir acionamento elétrico, pneumático ou manual,
dependendo da quantidade de fluído a ser bombeado e da pressão a ser
alcançada.
3.3 As bombas devem possuir sistema próprio de segurança contra
sobrepressão.

4. Componentes e Acessórios de Teste

4.1. Projeto

4.1.1 Os componentes e acessórios para testes de pressão são: tubos,


conexões, mangueiras, juntas, dispositivos de teste, parafusos, raquetes,

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
34

figuras 8, anéis espaçadores, válvulas reguladoras, válvulas de retenção e


válvulas de bloqueio.
4.1.2 As especificações dos componentes e acessórios devem atender às
normas de projeto aplicáveis.
4.1.3 Conexões roscadas ou de encaixe para solda devem atender ao critério de
equivalência de classe e espessura da norma ASME B-16.11.
4.1.4 A inspeção de fabricação destes componentes e acessórios deve ser
executada conforme seu enquadramento nas classes de inspeção da N-
115- Montagem de Tubulações Metálicas.
4.1.5 Todos os dispositivos de teste devem possuir placas de identificação
contendo pelo menos, as seguintes informações:
- TAG do dispositivo de teste
- Pressão máxima admissível
- Data do teste
- Prazo de validade do teste hidrostático
4.1.6 Os dispositivos fornecidos por contratadas, deverão possuir a seguinte
documentação previamente aprovada pela Petrobras: Projeto, Memorial de
Cálculo, Identificação e Certificado de Teste de Pressão de acordo com o
presente padrão.

4.2 Mangueiras:

4.2.1 Utilizar mangueiras no diâmetro e classe de pressão compatíveis com as


vazões e pressões de teste.
Utilizar dispositivo de segurança para evitar chicoteamento de mangueiras.
As mangueiras de alta pressão (a partir da descarga da bomba) devem ser
constituídas de tubos de alta resistência, reforçadas com fios de aço devendo ser
resistentes à esforços externos e intempéries
Recomenda-se o uso de capa protetora contra abrasão.
Não são permitidas emendas de qualquer natureza.
As mangueiras devem ser retestadas anualmente devendo possuir placa de
identificação contendo
- TAG do dispositivo de teste
- Pressão máxima admissível de teste
- Data de teste
- Prazo de validade de teste hidrostático

4.3 Válvulas:

Recomenda-se o uso de válvulas de bloqueio tipo esfera.

4.4 Dispositivos de Alívio de Pressão:

Os dispositivos de Alívio de Pressão devem ser dimensionados de modo a atender


a vazão da bomba de pressurização do sistema.

4.5 Conexões:

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
35

4.5.1 As conexões que compõem os dispositivos de teste deverão ser soldadas


ou flangeadas sendo permitidas conexões roscadas apenas em
instrumentos, válvulas de alívio, mangueiras e ligações entre o sistema a
ser testado e os dispositivos de teste.
É proibido o uso de conexões roscadas para acrescentar extensões nos
dispositivos de teste.

4.5.2 Para conexões em Aço Carbono, recomenda-se utilizar tubos em ASTM A-


105 ou similar e niples em ASTM A-106 Gr. B ou similar.

4.6 Dispositivos para Testes de Pressão:

Os conjuntos de dispositivos de teste devem ser confeccionados de acordo com


as características dos fluídos e da pressão dos testes.

4.6.1 Dispositivo de Entrada:

É o dispositivo instalado na região mais baixa do sistema e tem a função de


introduzir e pressurizar o fluido de teste, além de permitir a medição e controle de
pressão, bloqueio e possibilidade da substituição do manômetro, sem a
despressurização do sistema, quando necessário.

Esquema do Dispositivo de Entrada:


Medidor de Pressão
Glicerina para absorver pulsações
Válvula p/
despressurização do
medidor de pressão Engate
Rápido
c/Válvula de
Válvula de
Retenção
Bloqueio
para alta
pressão
p/mangueira

Extremidade Flangeada ou
Roscada, de acordo com a Válvula de bloqueio
conexão existente no sistema
ou na mangueira

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
36

4.6.2 Dispositivo de Topo:

É o dispositivo instalado no ponto mais alto do sistema e tem a função principal de


respiro durante o enchimento e durante a drenagem do sistema. Permite a
medição de pressão, bloqueio, alívio de pressão e possibilidade de substituição do
manômetro e da válvula de alívio, sem a despressurização do sistema, quando
necessário. Também tem a função de interligação com o registrador de pressão,
quando requerido.

Esquema do Dispositivo de Topo:

Dispositivo de Alívio
de Pressão: Válvula de
Medidor de Pressão Alívio ou Disco de
Ruptura
Dirigir a saída do
Para conectar com dispositivo de alívio
Transmissor de para local seguro
Pressão
Válvula de
bloqueio
Válvula de
bloqueio Extremidade Flangeada ou
Roscada, de acordo com a
conexão existente no sistema
ou mangueira.
Nota: Opcionalmente podem ser usados dois manômetros de topo para aferição
da pressão.

4.7 Montagem dos Dispositivos de Entrada e de Topo por meio de


mangueiras:

4.7.1 É permitido utilizar mangueira na interligação entre o equipamento ou


tubulação e os dispositivos de teste. As mangueiras devem atender ao item
4.2.
4.7.2 Sempre que for aplicada mangueira entre o equipamento ou tubulação e os
dispositivos de teste, recomenda-se montá-los de forma compacta, dentro
de gabinetes para proteger e facilitar o armazenamento.
4.7.3 O dispositivo de topo, se conectado por mangueira, deve ser posicionado
no ponto mais alto do sistema a ser testado e o comprimento da mangueira
deve ser o menor possível, limitado ao máximo de 4 metros.

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
37

4.7.4 O dispositivo de entrada, se conectado por mangueira, deve ser


posicionado no ponto mais baixo do sistema a ser testado e o comprimento
da mangueira deve ser de, no máximo, 6 metros.
4.7.5 Para testes de pressão classificados nos grupos de risco 1 e 2, o dispositivo
de entrada deverá ser posicionado fora da área de isolamento.

Esquema do uso de mangueira nos Dispositivos de Entrada e de Topo

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
38

4.8 Raquetes para Teste de Pressão :

4.8.1 Recomenda-se utilizar raquetes conforme desenho abaixo para diferenciar


das raquetes de processo de uso definitivo.
4.8.2 Os cabos das raquetes devem ser pintados, preferencialmente, na cor
Amarela.
4.8.3 Identificar a raquete com o diâmetro e a classe de pressão do flange, ou
com a pressão máxima de teste, se calculada especialmente para
determinada condição.
4.8.4 Recomenda-se que as raquetes sejam numeradas seqüencialmente.
4.8.5 Todas as raquetes devem atender a ao padrão ABAST PE-4AT-00295
“Raquetes para utilização em teste hidrostático”.

ANEXO IV

ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS E OS PERIGOS E RISCOS DE


SEGURANÇA E SAÚDE

RISCOS E
ITEM MEDIDAS DE CONTROLE
IMPACTOS
1.1 Emitir a permissão de trabalho de acordo com o
padrão ABAST-PG-2AT-00002 – Permissão para
Trabalho
1.2 Equipamento deverá ser liberado pela inspeção para
execução do teste.
Rompimento do
1.3 Planejar, definir e aplicar corretamente os parâmetros
equipamento /
do teste.
tubulação
1.4 Bomba de Pressurização com dispositivo de controle
durante o Teste
de pressão na descarga, limitando até a pressão do
1 de Pressão,
Teste ou instalar válvula de alívio ou disco de ruptura,
com jato
calibrados para uma pressão ligeiramente superior ao
atingindo
valor da pressão de teste.
pessoas.
1.5 Utilizar dispositivos conforme Anexo III –
Equipamentos, Dispositivos e Acessórios para Teste
de Pressão.
1.6 Garantir a retirada de todo o ar do sistema (se teste
hidrostático)
Colapso devido 2.1 A drenagem deve ser gradual, conforme os gráficos
a Vácuo durante de teste, para evitar a formação de vácuo e danos aos
a drenagem, internos dos equipamentos.
2 danificando 2.2 Os vent’s devem estar totalmente abertos durante a
equipamentos drenagem.
(se teste 2.3 Garantir que as válvulas de retenção necessárias à
hidrostático) drenagem estejam abertas durante a mesma.
Rompimento de 3.1 Planejar, definir e aplicar corretamente os parâmetros
3
Juntas / do teste

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
39

Acessórios. 3.2 Inspecionar as conexões do equipamento e dos


(Raquetes, dispositivos de teste, quanto a corrosão e obstrução.
Parafusos, 3.3 Utilizar dispositivos conforme Anexo III –
Conexões , Equipamentos, Dispositivos e Acessórios para Teste
Juntas, de Pressão.
Dispositivos, 3.4 Utilizar juntas e parafusos, conforme especificação do
Manifolds, projeto
Manômetros, 3.5 Obedecer a Diretriz Técnica DT-AB-RE-ES-TEE-005
Mangueiras) para o cálculo do torque adequado e execução do
atingindo aperto de flanges.
pessoas. 3.6 Isolar e sinalizar a área conforme o Grupo de Risco.
3.7 Manter isolamento de segurança conforme definido.
3.8 Utilizar válvula de alívio ou disco de ruptura, se
requerido
3.9 Utilizar Manômetro de acordo com o item 6 do
ANEXO I
Desprendimento
de plugues do
4.1 Instalar anteparo de proteção em frente aos espelhos
espelho de
4 de Trocadores de Calor com tubos plugueados,
Trocadores de
4.2 Utilizar EPIs necessários à execução do serviço.
Calor atingindo
pessoas
5.1 Verificar se os acessos, os andaimes e a iluminação
estão adequados.
Quedas e
5.2 Garantir andaimes montados e liberados, conforme
5 contusões em
procedimento e diretrizes de segurança.
pessoas
5.3 Manter a limpeza do piso e das botas.
5.4 Utilizar os EPIs necessários à execução do serviço.

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado:
40

Elaborado por: Carlos Roberto Lima de Oliveira


Aprovado: