Você está na página 1de 4

Economia C – 4º teste

Direitos Humanos
São os direitos inerentes a todos os seres humanos independente da sua origem étnica, cor,
nacionalidade, sexo, crença religiosa e posição social, ou seja, correspondem aos padrões
básicos sem os quais as pessoas não podem viver sem dignidade

Declaração Universal dos Direitos Humanos


- Constitui um marco histórico nos direitos humanos, tendo sido proclamada pelas Nações
Unidas em 1948 e elaborada por representantes de países com diferentes culturas e religiões.

- Surge como uma norma a ser alcançada por todos os países e defende pela primeira vez a
universalidade dos direitos humanos.

Relação entre Direitos Humanos e Desenvolvimento Humano


- os direitos humanos e o desenvolvimento humano estão intimamente ligados e partilham um
propósito comum: garantir a liberdade, o bem-estar e a dignidade de todos os cidadãos, em
todas as partes do mundo.

- o desenvolvimento humano tem como principal objetivo a expansão das capacidades


humanas e das escolhas que podem ou não fazer na sua vida. Considera que é fundamental
centrar o processo de desenvolvimento no bem-estar, avaliando, não só o rendimento que
cada indivíduo dispõe para um nível de vida digno, mas também a liberdade, a capacidade e as
oportunidades que tem para crescer enquanto ser humano.

- os direitos humanos garantem que essas escolhas possam ser realizadas por todas as
pessoas, protegendo-as das maiores privações, como a pobreza, a fome ou a discriminação.
Expressam a ideia de que todas as pessoas têm direito a ajudas sociais que as protejam de
abusos e privações e lhes assegurem liberdade para terem uma vida digna.

- não há desenvolvimento humano se as pessoas não tiverem direito de participar na vida da


coletividade, se não gozarem de liberdade de expressão, de voto ou de manifestação.

Classificação dos direitos


- direitos de 1ª geração – tratam-se de direitos negativos, o que pressupõe que o Estado não
deve intervir na esfera individual de cada um. Integra os direitos individuais, civis e políticos,
assentes no princípio da liberdade. Ex: direito de voto.

- direitos de 2ª geração – integra direitos sociais, económicos e culturais, assentes no princípio


da igualdade, concretizados através de políticas sociais positivas. Ex: direito à saúde, à
habitação, ao trabalho, à educação…

- direitos de 3ª geração – integra direitos difusos (ultrapassam a esfera de um único indivíduo


e são indivisíveis – direito a respirar ar puro) e coletivos, assentes no princípio da solidariedade
e visa a proteção dos grupos sociais vulneráveis e a promoção de um ambiente
ecologicamente equilibrado. Ex: direito ao desenvolvimento, à paz, à qualidade de vida, ao
ambiente.
Características dos Direitos Humanos
- Universalidade – os Direitos Humanos dizem respeito a todos os seres humanos,
independentemente do género, etnia, religião, classe social, língua, ideologia, território de
origem, ascendência, convicções políticas, orientação sexual ou nacionalidade,…

- Indivisibilidade – os Direitos Humanos não podem ser separados uns dos outros, não se
devendo garantir um Direito Humano em detrimento de outros, não é possível considerar uns
direitos mais importantes do que outros.

- Interdependência – todos os Direitos Humanos estão inter-relacionados; a violação de um


deles põe em causa o respeito pelos outros.

- Inalienabilidade – todos os direitos pertencem a todas as pessoas, não podendo ser cedidos
por ninguém, pois dizem respeito a cada ser humano.

- Irrenunciabilidade – ninguém os pode recusar

Tipos de ajuda ao desenvolvimento


- Ajuda de emergência – catástrofes de origem humana ou natural;

- Ajuda humanitária – populações estruturalmente carenciadas;

- Alívio e reestruturação da dívida externa – redução da dívida dos países em


desenvolvimento;

- Cooperação técnica – formação de técnicas, transferência de conhecimentos e de tecnologia;

- Ajuda pública ao desenvolvimento – concedida diretamente por um Estado a outro Estado –


Estado doador e Estado recetor (ajuda bilateral) ou de uma organização internacional a um
Estado (ajuda multilateral) sob a forma de doação ou empréstimo a juros bonificados;

- Ajuda ligada – quando se verifica que o país doador exige ao país recetor a utilização de uma
parcela a ser destinada à aquisição de bens e serviços do país doador;

Obstáculos à eficácia da ajuda ao desenvolvimento


 Internos:

- Projetos faraónicos;
- Desvio por elites corruptas;
- Despesas com armamento e equipamentos de forças repressivas
- Má gestão e burocracia;
- Projetos que aumentam as desigualdades (sociais, setoriais e regionais);
- Aumento da dependência externa;
- Tensões inflacionistas;
- Desincentivo à produção;

 Externos:

- Ajuda insuficiente (não cumprimento da meta de 0,7% do PNB);


- Desvio para projetos do interesse dos doadores;
- Ingerência dos países doadores nos assuntos internos;
- A ajuda privilegia os países com alianças geopolíticas em vez dos mais necessitados;
- Produz relações de dependência de bens, equipamentos, tecnologias e apoio técnico e
financeiro;
- Falta de coordenação entre as diferentes ajudas;

Objetivos do Desenvolvimento do Milénio


1 – Erradicar a extrema pobreza e fome; *

2 – Atingir o ensino básico universal;

3 – Promover a igualdade de género e a autonomia das mulheres; *

4 – Reduzir a mortalidade infantil;

5 – Melhorar a saúde materna;

6 – Combater o HIV/AIDS, a malária e outras doenças;

7 – Garantir a sustentabilidade ambiental; *

8 – Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento; *

Pobreza
- Pobreza absoluta – os indivíduos não conseguem satisfazer as suas necessidades básicas e
assegurar a sobrevivência;

- Pobreza relativa – famílias e indivíduos que vivem em situações mais precárias do que a
média da sociedade, isto é, com níveis de subsistência e de participação insuficientes;

- A pobreza é uma das principais causas de exclusão social.

pobreza falta de recursos necessidades básicas não satisfeitas fraca relação


com outros sistemas sociais exclusão social

- Exclusão social quebra de laços sociais;


rutura dos direitos de participação;

Políticas sociais ativas (abordagem preventiva)


1 – Introdução de critérios de justiça social em todas as políticas públicas, tendo por lógica o
caráter multidimensional dos problemas da pobreza e exclusão social;

2 – Investimento em políticas específicas para os grupos mais vulneráveis;

3 – Recuperação da confiança e do papel dos parceiros sociais, da concertação e modernização


negociada do mercado de emprego;

4 – Prioridade às políticas de emprego e aprendizagem ao longo da vida;

5 – Modernização do sistema de segurança social;

6 – Conciliação da atividade profissional e da vida familiar, tendo em conta o alargamento da


rede de respostas sociais de apoio à família;

7 – Políticas de imigração integradoras;

8 – Políticas de habitação favoráveis à integração;


9 – Políticas assentes numa lógica territorial;

10 – Políticas continuadas, persistentes e pacientes;

Discriminação
É a ação de tratar indivíduos de forma diferente tendo por base determinada característica, tal
como a raça, a religião, a nacionalidade, a classe social, a orientação sexual e o género.

 Discriminação é positiva quando são criadas medidas que conferem um tratamento


preferencial aos reconhecidamente desfavorecidos, de forma a promover-se uma
igualdade de oportunidades;
 Discriminação é negativa quando uma pessoa ou grupo são segregados, desprezados
e inferiorizados em razão de determinadas características específicas, como a sua
religião, raça ou etnia, classe social, género ou deficiência física;

Formas de discriminação
- Discriminação de género;
(o Índice de Desenvolvimento Ajustado à Desigualdade permite medir as disparidades entre
géneros existentes num país no que respeita à realização do IDH)

- Discriminação económica;

- Discriminação étnica;

- Discriminação de orientação sexual;

- Discriminação positiva;

Cidadania
O conceito de cidadania corresponde ao exercício dos direitos e deveres civis, políticos e
sociais estabelecidos na Constituição de cada país.

Desenvolvimento humano e desenvolvimento sustentável


- Desenvolvimento humano – consiste no alargamento do leque de possibilidades de escolha
que as pessoas podem fazer ao longo da sua vida, de poderem realizar os seus projetos de vida
em liberdade, de forma a gozarem de uma vida longa, saudável e criativa;

- Desenvolvimento sustentável – consiste no desenvolvimento com respeito pelas gerações


futuras e pelo ambiente. As gerações atuais não se podem esquecer que os recursos são
limitados e finitos e, como tal, devem garantir que as gerações vindouras têm de dispor de
recursos suficientes para satisfazer as suas necessidades e poderem igualmente realizar
escolhas em liberdade.

Amartya Sem foi o 1º indiano (e asiático) a receber o Prémio Nobel da Economia, pelas suas
contribuições para a economia do bem-estar e a teoria da escolha social.