Você está na página 1de 11

1º Trim.

de 2019: BATALHA ESPIRITUAL: o povo de Deus e a guerra contra as potestades do mal

PORTAL ESCOLA DOMINICAL


1º Trimestre de 2019 - CPAD
BATALHA ESPIRITUAL: o povo de Deus e a guerra contra as potestades do mal
Comentários da revista da CPAD: Esequias Soares da Silva
Comentário: Ev. Caramuru Afonso Francisco

LIÇÃO Nº 6 – QUEM DOMINA A SUA MENTE


A mente humana é o campo da batalha espiritual.

INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo sobre batalha espiritual, analisaremos a mente e que papel desempenha na luta
contra as hostes espirituais da maldade.

- A mente humana é o campo da batalha espiritual.

I – O QUE É A MENTE
- Vimos, na lição anterior, que um dos pressupostos para podermos ser vitoriosos na batalha espiritual, é
conseguirmos vencer a luta interna que existe entre a carne e o espírito em nosso interior.

- Neste ponto, encontra grande relevância a questão relacionada com o domínio da mente, pois o apóstolo
Paulo disse, em II Co.4:4, que o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos para que lhes não
resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, a indicar, portanto, que existe um domínio do inimigo
sobre os entendimentos dos homens que não alcançaram ainda a salvação.

- Como se isto fosse pouco, o Senhor Jesus, ao repreender a investida de Satanás através de Pedro, em
Mt.16:22,23, afirmou que o diabo conhece as “coisas que são dos homens”, embora desconheça as “coisas
que são de Deus”, a indicar, portanto, que o diabo tem condições de manipular a lógica humana, de dominar
o ser humano por meio dela, que nada mais é que a “mente”.

- Destarte, para que não venhamos a ser derrotados na batalha espiritual, temos de enfrentar esta
questão da “mente”, que é, precisamente, o tema desta nossa lição.

- O apóstolo Paulo chama os salvos de “homens espirituais” e afirma que tais pessoas tudo discernem
espiritualmente e de ninguém é discernido (I Co.3:15) e a característica destas pessoas é que elas
possuem a mente de Cristo (I Co.3:16).

- De pronto, percebemos que o apóstolo afirma que ter a “mente de Cristo” é ser “espiritual” e isto nos
remete, obviamente, ao ensino de Jesus a Nicodemos, onde é dito que para ver e entrar no reino de Deus é
necessário antes “nascer de novo” e “nascer da água e do Espírito”, como também que há uma diferença
entre os que são “nascidos da carne” e os “nascidos do Espírito” (Jo.3:3,5,6), nascidos estes que são como o
vento, que assopra onde quer e ouvimos a sua voz, não sabendo donde vem nem para onde vai (Jo.3:8).

- Assim sendo, logo verificamos que, para ter a “mente de Cristo”, faz-se necessário nascer de novo,
nascer do Espírito e, deste modo, temos já a lição de que, como afirma a Declaração de Fé da CGADB,
“…A salvação em Jesus Cristo não é um mero assentimento intelectual e, sim, um renascimento espiritual [I
Pe.1:21] que se dá na vida do pecador arrependido [Ef.2:4-6; Cl.2:13]…” (X,2, p.111).

- O salvo não é uma pessoa que se conduza pela lógica humana, por um raciocínio oriundo da própria
racionalidade que Deus nos deu, mas, sim, alguém que está acessível à “lógica divina”, ao “raciocínio
de Deus”, algo que está muito além do que podemos imaginar, pois os pensamentos e caminhos de Deus são
muito mais altos que nossos pensamentos e caminhos (Is. 55:8,9), razão pela qual o Senhor Jesus disse ao

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
1º Trim. de 2019: BATALHA ESPIRITUAL: o povo de Deus e a guerra contra as potestades do mal

mestre de Israel Nicodemos que os “nascidos do Espírito” são como o vento, não temos condição de saber
donde vem nem para onde vão, não porque sejam eles desorientados, mas porque a orientação que recebem
é do Espírito Santo, que, como Pessoa Divina, está muito além da nossa capacidade intelectual.

- Por isso, é importante sabermos o que significa “mente” para então saber o que significa ter a mente de
Cristo e, assim, verificarmos se quem domina a nossa mente é o Senhor Jesus ou, então, o inimigo de nossas
almas.

- “Mente” é a palavra grega “nous” (νους), “…o intelecto, i.e., mente (divina ou humana, em pensamento,
sentimento ou vontade); (consequentemente) significando: - mente, entendimento. Substantivo que significa
a mente (I) Como a sede das emoções e sentimentos, do modo de pensar e sentir, disposição, inclinação
moral, equivalente ao coração (Rm.1:28; 12:2; I Co.1:10; Ef.4:17,23; Cl.2:18; I Tm.6:5; II Tm.3:8; Tt.’:15);
firmeza ou presença de espírito (II Ts.2:2); indicando coração, razão, consciência, em oposição aos apetites
carnais (Rm.7:23,25). (II) Entendimento, intelecto (Lc.2:45; I Co.14:14,15; Fp.4:7; Ap.13:18). (III) Como
metonímia, indicando o que está na mente, pensamento, conselho, propósito, opinião, de Deus ou Cristo
(Rm.11:34; I Co.2:16); dos homens (Rm.14:5). (IV) Metaforicamente, sobre coisas: sentido, significado
(Ap.17:9)” (Bíblia de Estudo Palavra Chave. Dicionário do Novo Testamento, verbete 3563, p.2313).

- No Antigo Testamento, a palavra “mente” na Versão Almeida Revista e Corrigida é a tradução de três
palavras hebraicas. Em Is.26:3, temos a palavra “yetser” (‫)יצר‬, “uma forma; (figurado) concepção (i.e.
propósito): - estrutura, coisa formada, imaginação, mente, obra. Substantivo masculino que significa forma,
estrutura, propósito, imaginação. Um dos usos desta palavra era para referir-se a um recipiente de cerâmica
moldado por um oleiro (i.e., aquilo que foi formado [Is.29:16]). Outro exemplo de um objeto formado era
uma imagem gravada ou esculpida (Hc.2:18). O salmista disse que o homem foi formado do pó (Sl.103:14).
Esta palavra também tem a conotação de algo pensado na mente, como a iniquidade no coração das pessoas
(Gn.6:5); ou algo entesourado ou guardado no coração (I Cr.29:18)” (Bíblia de Estudo Palavra Chave.
Dicionário do Antigo Testamento, verbete 3336, p.1689).

- A outra palavra traduzida por “mente” é “kilyah” (‫)כליה‬, “…um rim (como um órgão essencial); (figurado)
a mente (como o “eu” interior): - rins, coração” (Bíblia de Estudo Palavra Chave. Dicionário do Antigo
Testamento, verbete 3629, p.1706). É a palavra encontrada em Sl.7:9 e 26:2.

- Por fim, temos a palavra “shekvi” (‫)שכוי‬, “observador, i.e., (concreto) a mente:— mente, meteoro.
Substantivo masculino que significa aparição celestial ou fenômeno, a mente. Esta palavra é usada em Jó
para denotar a mente que recebeu entendimento (Jó 38:36). Numa pergunta retórica, o Senhor a empregou
para designar a Sua soberania sobre tudo, inclusive sobre a vida de Seus servos. O significado exato deste
vocábulo não está claro” (Bíblia de Estudo Palavra Chave, verbete 7907, p.1964). Esta palavra somente
ocorre em Jó 38:36.

- Pelo que se verifica, portanto, do significado das palavras nas línguas originais das Escrituras, temos que a
mente é a própria individualidade do ser humano, a sua alma, pois é a alma que tem como faculdades o
intelecto ou entendimento, os sentimentos e emoções como também a vontade, o “eu” interior.

- Deus criou o homem como um ser racional, dotado de intelecto, tendo, inclusive, mandado que desse nome
aos animais (Gn.2:19,20), como que fazendo o ser humano descobrir que ele era dotado de inteligência e que
poderia criar palavras e, com seu intelecto, dominar os demais seres terrenos.

- Deus deu ao homem, também, a capacidade de sentir, ter emoções. Tratava-se de um ser sensível, pois fora
feito à imagem e semelhança de Deus, Deus que é, também, um ser sensível, um ser dotado de sentimentos.

- Por fim, Deus deu ao homem a vontade, pois foi feito um ser moral, que tem, portanto, a capacidade de
escolher entre o bem e o mal, de fazer escolhas.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
1º Trim. de 2019: BATALHA ESPIRITUAL: o povo de Deus e a guerra contra as potestades do mal

II – O SIGNIFICADO DE TER E VIVER COM A MENTE DE CRISTO

- Ora, tendo sido criado à imagem e semelhança de Deus e feito para viver em comunhão com o seu
Criador, o homem deveria sempre formar uma unidade com o seu Senhor, agindo de acordo com Ele, a
fim de que tivesse os pensamentos de Deus, os sentimentos de Deus e fizesse a vontade de Deus.

- No entanto, em virtude do pecado, o homem quis ter uma independência em relação a Deus,
passando, então, a querer raciocinar, sentir e querer de modo alheio e independente ao Senhor, como
se isto fosse possível.

- Na verdade, com a prática do pecado, o homem deixou de ter a “luz divina” que lhe dava o
“entendimento”, pois, como tinha de ter uma unidade com relação a Deus, o homem não poderia ter o
“pensamento divino”, senão por revelação de Deus, visto que os caminhos de Deus são mais altos que os
nossos caminhos e os pensamentos de Deus mais altos que nossos pensamentos. Somente um contato com
Deus, uma instrução divina podiam fazer com o que homem seguisse os desígnios do Senhor. Por isso
mesmo, o Senhor vinha toda viração do dia encontrar-se com o homem para lhe dar esta revelação e
orientação indispensáveis para que o homem cumprisse o propósito a ele estabelecido pelo próprio Deus
(Gn.3:8).

- Esta iniciativa divina para dar ao homem o devido aprimoramento é bem verificada no fato de que Deus
trouxe a Adão os animais para que fossem eles nomeados (Gn.2:19), de forma que, sem a iniciativa divina,
jamais Adão poderia ocupar o lugar a ele destinado, que era o de dominador sobre a criação terrena,
dominação que se iniciava com a nominação dos demais seres.

- Sem a “iluminação divina”, o homem tornou-se cego espiritual. É o que nos diz o apóstolo Paulo em II
Co.4:4, quando afirma que “o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos para que lhes não
resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus”.

- No pecado, o homem não tem visão espiritual e, portanto, a sua “mente”, o seu “eu” interior passa a não ter
a orientação divina, não consegue enxergar as realidades espirituais, não tem como alcançar os pensamentos,
sentimentos e vontade divinos. “Deus é luz e não há n’Ele trevas nenhumas” (I Jo.1:5b) e, portanto, quando
há a separação entre Deus e o homem, não resta ao homem outra situação senão a de estar em trevas.

- Faz-se preciso, portanto, que haja esta “iluminação” para que o homem possa, novamente, enxergar as
realidades espirituais, aquilo que é permanente, aquilo que realmente é importante e, para tanto, é mister que
se tenha a “luz dos homens”, a “luz do mundo”, que é o Senhor Jesus Cristo (Jo.1:4; 8:12).

- Para se ter “a mente de Cristo”, portanto, torna-se necessário ter esta “iluminação”, iluminação que
vem pelo Evangelho, pois é ele quem anuncia a “luz do mundo”, a “luz dos homens”. A Palavra de Deus,
que é a fiel testemunha de Jesus (Jo.5:39) traz a devida “iluminação” para o homem, daí porque o salmista
ter dito que a Palavra do Senhor é lâmpada para os nossos pés e luz para o nosso caminho (Sl.119:105).

- O Senhor manda a Sua Palavra e esta Palavra traz a “iluminação”, ou seja, passamos a enxergar a verdade,
a ter noção da realidade da necessidade que temos de estar em comunhão com Deus, de termos amizade com
Ele e de nos arrependermos, “mudarmos de mente”.

- A mensagem do Evangelho é a mensagem do arrependimento e arrependimento é “mudança de


mente”, “mudança de modo de viver”, “mudança de mentalidade”, “mudança de atitudes”. O
Evangelho é um convite para deixarmos a “mente cega” para termos a “mente iluminada”.

- Viver com a “mente de Cristo”, portanto, implica em renunciarmos a nós mesmos, reconhecermos
que nada podemos saber ou entender se não tivermos a “iluminação divina”, é declararmos a nossa

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
1º Trim. de 2019: BATALHA ESPIRITUAL: o povo de Deus e a guerra contra as potestades do mal

dependência de Deus, a nossa necessidade de somente fazermos aquilo que Ele quer, que Ele pensou e
planejou para nós, aquilo que faz com que Ele Se agrade de nós.

- Foi exatamente por isso que o Senhor Jesus disse que são Seus discípulos tão somente aqueles que
renunciam a si mesmos (Mt.16:24; Lc.14:33).

- Ter a “mente de Cristo” é ter os pensamentos de Cristo. A “mente” é o “intelecto” e, portanto, se temos
a “mente de Cristo”, teremos de ter o “intelecto de Cristo”. Ora, os pensamentos de Deus não são os nossos
pensamentos (Is.55:8,9) e, deste modo, não poderemos, com a “mente de Cristo”, tentar seguir a lógica
humana para agirmos.

- Quando o Pai revelou a Pedro que Jesus era o Cristo, o Filho de Deus vivo (Mt.16:16,17), o Senhor revelou
o mistério da Igreja e começou a mostrar aos Seus discípulos que convinha ir a Jerusalém e padecer muito
dos anciãos e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia
(Mt.16:21).

- O mesmo Pedro que tivera a revelação do Pai procurou, então, dissuadir o Senhor Jesus deste itinerário de
sofrimento, morte e ressurreição, tendo repreendido Jesus e dizendo que, de modo algum, aconteceria o que
Jesus havia dito (Mt.16:22). Jesus, então, repreendeu Satanás, dizendo que o inimigo compreendia as coisas
dos homens mas não as de Deus (Mt.16:23).

- Neste episódio, vemos que Pedro, apesar de ter tido uma revelação divina, não tinha a “mente de Cristo”,
até porque ainda não era convertido (Lc.22:32), o que somente ocorreu quando do seu arrependimento após
a tríplice negação (Mt.26:75; Lc.22:62).

- Quando o Senhor Jesus falou da necessidade que tinha de morrer pelos pecadores, Pedro passou a
raciocinar com o seu intelecto, passou a se lembrar do imaginário judaico do Messias, imaginário até hoje
existente, que somente vê o Filho de Davi, o Rei de Israel, mas não consegue vislumbrar o Servo Sofredor
das profecias messiânicas. Pedro passou a se utilizar da lógica humana e, como tal, não poderia o Messias
ser alguém que seria morto por obra dos sacerdotes e dos escribas, precisamente aqueles que conheciam as
Escrituras.

- Pedro viu não haver lógica nas afirmações de Jesus e, por isso, passou a repreendê-l’O. A palavra grega
aqui é “epitimao” (επιτιμάω), cujo significado é “censurar ou admoestar”, palavra composta de “epi” e
“timao” , ou seja, “avaliar sobre”.

- Quando passamos a avaliar sobre o que nos diz o Senhor Jesus, sobre o que Ele nos revela, estamos agindo
segundo a lógica humana e este não é o comportamento que se espera do salvo. O salvo não tem que se
sobrepor ao Senhor Jesus e, por conseguinte, às Escrituras, que são Suas fiéis testemunhas. Ele precisa tão
somente crer, acreditar, não questionar o que está revelado pelo Senhor.

- Agir segundo a lógica humana, diz-nos claramente o Senhor Jesus, é se submeter ao maligno, é “dar
lugar ao diabo” e isto não podemos fazer (Ef.4:27). O “nascido do Espírito” é como o vento, que assopra
onde quer e não sabemos donde vem nem para onde vai, ou seja, não temos condições de querer entender a
mente divina e, portanto, temos de nos submeter ao que é revelado, ao que nos é indicado pelo Senhor Jesus.
Diz um adágio popular que “o coração tem razões que a própria razão desconhece”. Ora, se até os
sentimentos humanos não são completamente discerníveis pela nossa mente, por que querer entender o
Senhor? Deus não é para ser compreendido, mas, sim, crido.

- O homem que procura compreender Deus é chamado, pelo apóstolo Paulo, de “homem natural” (I
Co.2:14), que é o homem não salvo, o homem que não se entregou ainda a Cristo Jesus. Dentro da lógica
humana, as coisas de Deus são “loucura” e jamais serão entendidas e/ou compreendidas. Salvação,
repetimos, não é assentimento intelectual, mas um renascimento espiritual.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
1º Trim. de 2019: BATALHA ESPIRITUAL: o povo de Deus e a guerra contra as potestades do mal

- Quem tem a mente de Cristo deve se guiar pela “lógica divina” e esta lógica é a Palavra de Deus, o
que nela está contido. Nos dias hodiernos, de grande avanço científico e tecnológico, os homens se iludem
com a sua capacidade intelectual e querem viver segundo estes ditames da ciência e da técnica. O salvo,
entretanto, não é alguém que haja desta maneira, pelo contrário é alguém que sabe que foi “iluminado” pela
Palavra de Deus e que deve pensar segundo a mentalidade divina, segundo o que lhe foi revelado pelas
Escrituras.

- É relevante que, em Jó 38:36, em Seu diálogo com Jó, onde o Senhor mostra ao Seu servo que não se pode
querer compreender as coisas de Deus com a mente humana, tenha o Senhor indagado a Jó quem pusera a
sabedoria no íntimo ou quem dera à mente o entendimento, utilizando-se aqui de uma palavra que, como já
vimos supra, significa “meteoro, aparição”.

- Nesta indagação, o Senhor está a mostrar a Jó que o homem não tem como elaborar ou construir o que é
pensado por Deus, mas que isto vem ao homem por uma revelação, por um “insight” divino,
repentinamente, como um “meteoro”. Deus revela ao homem o que devemos saber e entender, revelação
esta que se encontra nas Escrituras Sagradas. Deve ser ela a nossa única regra de fé e prática.

- Quando vamos a Is.26:3, o profeta nos diz que o Senhor conservará em paz aquele que cuja mente está
firme n’Ele, porque ele confia n’Ele. Tem-se aqui nitidamente a observação de que somente se pode ter a
mente de Cristo se confiarmos n’Ele. A confiança é o elemento que nos faz ter a mente de Cristo. A
confiança é que nos permite viver segundo o pensamento divino.

- Não são os raciocínios humanos que dão firmeza e estrutura para a vida do salvo, mas, sim, a confiança em
Deus. Quando cremos no Senhor, alcançaremos a força necessária para enfrentar as intempéries da vida,
ainda que as atitudes pareçam ser “loucuras” para a mente humana. Como diz o profeta é Deus que edifica a
forte cidade, com seus muros e antemuros (Is.26:1,2) e, portanto, não temos o que temer, pois É Ele a rocha
eterna em que podemos confiar perpetuamente (Is.26:4).

- Quando cremos em Cristo e baseamos nossa vida n’Ele, pode acontecer o que acontecer à nossa volta, que
não seremos abalados, continuaremos firmes, porque nossa casa não cai, firmada que está na rocha, que é
Nosso Senhor e Salvador (Mt.7:24,25). Como diz o salmista: “Os que confiam no Senhor serão como monte
Sião, que não se abala mas permanece para sempre” (Sl.125:1).

- Ter a mente de Cristo é ter os sentimentos de Cristo. Cristo apresenta-Se nas Escrituras como um ser
sensível, dotado de sentimentos e o salvo, como imitador de Cristo, deve ter estes mesmos sentimentos.

- O apóstolo Paulo afirma que devemos ter o mesmo sentimento de Cristo Jesus (Fp.2:5) e que sentimento
era este? O sentimento de humildade, que fez com que Jesus Cristo Se humilhasse, deixando a Sua glória
para Se fazer homem e, como homem, fazer-Se servo e ser obediente até a morte e morte de cruz (Fp.2:6-8).

- No contexto em que descreveu o “esvaziamento” de Cristo, Paulo está a incitar os crentes de Filipos a nada
fazer por contenda ou por vanglória, mas por humildade, considerando os outros superiores a si mesmo e
não atentando cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros
(Fp.2:3,4).

- Ter a mente de Cristo é viver para os outros, é considerar os outros, entregar-se aos outros em
obediência a Deus, a ponto, inclusive, de morrer pelos outros, de se fazer maldito para o bem dos outros,
que foi o que Cristo fez por nós, sem o que não nos teria salvado.

- Ter a mente de Cristo é se deixar usar como instrumento nas mãos de Deus, mesmo que isto signifique
sofrimento, tribulação e morte. Amar os outros, estar disposto a dar a sua vida pelos outros, querer bem aos
outros, querer a salvação do nosso próximo.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
1º Trim. de 2019: BATALHA ESPIRITUAL: o povo de Deus e a guerra contra as potestades do mal

- O salvo não pode jamais viver para si. Deve entender que a salvação que recebeu não foi obra sua, nem
fruto dos seus méritos, mas um favor imerecido de Deus para ele e que deve também alcançar outras
pessoas. Quando nos fechamos em nós mesmos, quando deixamos de evangelizar, quando retemos a
salvação somente para nós, não estamos tendo o sentimento de Cristo Jesus e, por conseguinte, não temos a
mente de Cristo.

- A salvação não é apenas para nós, mas também é para os outros. Jesus morreu por todos os homens (II
Co.5:14,15; I Tm.2:4; 4:10; Tt.2:11) e, portanto, temos de levar a mensagem da salvação a todos
(Mc.16:15). Jesus deixou a Sua glória para trazer esta mensagem à humanidade e nós devemos seguir-Lhe as
pisadas (I Pe.2:21), também deixando a nossa “zona de conforto” para alcançar os que precisam de salvação.

- Daí porque ser uma característica da salvação a realização de boas obras, a prática da beneficência,
até porque Deus é beneficente (Ex.15:13; 34:6; Nm.14:18; Rt.2:20; I Rs.3:6; II Cr.1:8; 6:14; Ed.7:28; 9:9;
Ne.9:17,32; Jó 10:12; Jr.9:24; Jl.2:13).

- O Senhor requer de nós o amor à beneficência (Mq.6:8), como também informa que só é convertido aquele
que guarda a beneficência e o juízo, esperando sempre em Deus (Os.6:4).

- Em o Novo Testamento, a palavra “beneficência”, na Versão Almeida Revista e Corrigida, aparece duas
vezes e são duas palavras gregas distintas. Em II Co.9:11, temos a palavra grega “haplotes” (απλότης), cujo
significado é “generosidade, liberalidade, simplicidade, singularidade, simplicidade de coração, franqueza,
integridade”. Teremos o sentimento de Cristo se formos sinceros, sem qualquer dissimulação, se realmente
fizermos o bem querendo o bem-estar do outro, sem qualquer segunda intenção, com pureza de propósitos.

- A outra palavra é “eupoiia” (ευπιϊα), encontrada em Hb.13:16, que significa “boa ação, fazer o bem”. O
escritor aos hebreus afirma que esta ação é um sacrifício agradável a Deus.

- É evidente que a “boa obra” não salva, mas o salvo tem de ser alguém que pratica “boas obras”, até
porque tais “boas obras” são sinceras e motivadas única e exclusivamente pelo amor de Deus, o amor
desinteressado, que visa única e exclusivamente o bem-estar do outro, a salvação do outro, a glória de Deus.
”…A Igreja tem o papel de ser a luz do mundo, e essa luz resplandece por meio de nossas boas obras
[Mt.5:14,16]…” (Declaração de Fé da CGADB, XI,5, p.123).
OBS: Como diz o capítulo XVI da Confissão de Fé de Westminster: “…I. Boas obras são somente aquelas que Deus ordena em Sua santa
palavra, não as que, sem autoridade dela, são aconselhadas pelos homens movidos de um zelo cego ou sob qualquer outro pretexto de boa
intenção.(…) II. Estas boas obras, feitas em obediência aos mandamentos de Deus, são o fruto e as evidências de uma fé viva e verdadeira; por
elas os crentes manifestam a sua gratidão, robustecem a sua confiança, edificam os seus irmãos, adornam a profissão do Evangelho, tapam a
boca aos adversários e glorificam a Deus, cuja feitura são, criados em Jesus Cristo para isso mesmo, a fim de que, tendo o seu fruto em
santificação, tenham no fim a vida eterna. (…) VII. As obras feitas pelos não regenerados, embora sejam, quanto à matéria, coisas que Deus
ordena, e úteis tanto a si mesmos como aos outros, contudo, porque procedem de corações não purificados pela fé, não são feitas devidamente -
segundo a palavra; - nem para um fim justo - a glória de Deus; são pecaminosas e não podem agradar a Deus, nem preparar o homem para
receber a graça de Deus; não obstante, o negligenciá-las é ainda mais pecaminoso e ofensivo a Deus.…”

- Ter a mente de Cristo é ter a vontade de Cristo. A salvação implica na assunção da vontade do Senhor
em detrimento de nossa vontade. Quando o Senhor Jesus nos ensinou a orar, disse que deveríamos pedir que
a vontade d’Ele se fizesse assim na terra como no céu (Mt.6:10). Jesus mesmo deu o exemplo, sacrificando
a Sua vontade para fazer a vontade do Pai (Mt.26:42)

- Sendo assim, não podemos mais fazer o que queremos, mas, sim, o que o Senhor quer que nos façamos. O
verdadeiro salvo vive as palavras proferidas por Davi: “Deleito-me em fazer a Tua vontade, ó Deus meu;
sim, a Tua lei está dentro do meu coração” (Sl.40:8), palavras que são as do próprio Cristo, como nos dá
conta o escritor aos hebreus em Hb.10:9.

- Em Pv.8:30,31, mostra-se como Jesus, aqui tipificado na Sabedoria, fez a vontade do Pai: sendo Seu aluno,
folgando cada dia nas Suas delícias e achando as delícias do Filho com os filhos dos homens.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
1º Trim. de 2019: BATALHA ESPIRITUAL: o povo de Deus e a guerra contra as potestades do mal

- Fazemos a vontade do Senhor quando somos Seus alunos, ou seja, quando somos Seus discípulos e,
para tanto, faz-se mister que renunciemos a nós mesmos, tomemos a nossa cruz e sigamos ao Senhor
(Mt.16:24; Mc.8:34; Lc.9:23). Fazer a vontade do Senhor é negar a nossa própria vontade, assumir a posição
e a missão que Deus nos dá no corpo de Cristo e passar a seguir a orientação divina até o dia da glorificação.

- Fazemos a vontade do Senhor quando folgamos cada dia nas Suas delícias, ou seja, quando nos
alegramos naquilo que Deus tem prazer, naquilo que Deus Se agrada. O salvo não é alguém que procura o
prazer, que procura se satisfazer, mas alguém que se satisfaz e se realiza quando agrada ao Senhor, quando
faz o que é agradável a Deus.

- O salvo é alguém que repete as palavras do poeta sacro traduzido/adaptado por Paulo Leivas Macalão: “Eis
que estou no Senhor confiando, todo o meu ser a Jesus entreguei. Todos prazeres eu tenho deixado, em Jesus
Cristo meu gozo achei” (segunda estrofe do hino 70 da Harpa Cristã) ou, ainda, do poeta sacro Ernesto
Wooton: “Acho prazer em Te seguir; descanso e paz me faz sentir; doce é a mim o Teu querer, gozo me traz
Te obedecer” (segunda estrofe do hino 141 da Harpa Cristã).

- Este prazer é cotidiano, ou seja, é a cada dia. Deve haver uma constância no alegrar-se com o que Deus Se
alegra. A todo instante, a todo momento, devemos ter prazer naquilo que agrada ao Senhor.

- Mas, além de ter prazer naquilo que agrada a Deus, devemos compartilhar este prazer com os filhos
dos homens, ou seja, devemos fazer o que agrada a Deus em prol dos outros. Jesus disse que a Sua comida
era fazer a vontade d’Aquele que O havia enviado e realizar a Sua obra (Jo.4:34). Ora, a Sua obra era pregar
o Evangelho e proporcionar a salvação da humanidade morrendo em nosso lugar na cruz do Calvário
(Jo.12:27).

- Nós fomos salvos para realizar a obra de Cristo sobre a face da terra (Jo.20:21) e, por isso, devemos
sempre estar a pregar o Evangelho, primeiramente com a nossa vida, com o nosso testemunho e, quando
houver oportunidade, com palavras. Faz-se preciso que comuniquemos aos “filhos dos homens” a
mensagem da salvação e que tenhamos prazer em isto realizar.

- A vontade de Deus precisa ser aprendida por nós. Davi pede ao Senhor que o ensine a fazer a Sua
vontade e que fosse guiado pelo Espírito Santo por terra plana (Sl.143:10). Jesus mandou o Espírito Santo
para nos guiar em toda a verdade (Jo.16:13), de modo que não temos o que recear com relação a fazer a
vontade do Senhor, pois o Paráclito sempre nos orientará. O Espírito Santo continua guiando o Seu povo,
como nos diz a parte final do item 4 da Declaração de Fé da CGADB. Como diz o poeta sacro Arthur
Lakschevitz: “O meu guia e protetor é sempre o Senhor, que temerei. E sempre será da minha vida o vigor,
de quem mais recearei. Nos perigos e lutas da vida jamais perecerei. Pois o Senhor me guarda, por isso n'Ele
eu confiarei” (primeira estrofe do hino 30 dos Coros Sacros).

- Para fazer a vontade do Senhor é preciso procurar a Deus a cada dia e ter prazer em querer saber os
Seus caminhos, em se chegar a Ele (Is.58:2). Ter a mente de Cristo é ter uma vida piedosa, é estar
incessantemente buscando ao Senhor para saber o que Ele quer de nós, qual é a Sua vontade.

- O Senhor Jesus disse que as Suas ovelhas ouvem e conhecem a Sua voz (Jo.10:4,14,27), mas para que
conheçamos a voz do Senhor torna-se absolutamente necessário que mantenhamos continuamente diálogo
com Ele, a fim de nos familiarizarmos com a Sua voz, com o Seu falar.

- Tem-se, pois, que o salvo é alguém que está em constante comunicação com o Senhor, ou seja, medita
dia e noite nas Escrituras, que é a Palavra de Deus, como também está constantemente orando, para falar
com Deus. É alguém que tem momentos a sós com o Senhor, que desenvolve uma intimidade crescente, que
é o que a Bíblia denomina de “conhecimento de Deus”, já que “conhecer” é “ter intimidade”.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
1º Trim. de 2019: BATALHA ESPIRITUAL: o povo de Deus e a guerra contra as potestades do mal

- O salvo está constantemente buscando ao Senhor, reconhece a voz do Salvador por causa desta intimidade
que tem com Ele e, por isso mesmo, não se deixa impressionar pelos ruídos e pelas interferências que o
mundo, a carne e as hostes espirituais da maldade trazem para tentar obstruir esta sintonia, este contato que o
salvo tem com o seu Senhor e Salvador.

- Por isso mesmo, o salvo é o “homem espiritual” de que fala o apóstolo Paulo, aquele que tudo discerne e
de ninguém é discernido (I Co.2:15). É alguém que tem uma intimidade com o Espírito Santo, que põe no
seu íntimo a sabedoria e, desse modo, faz com que o salvo possa ver as coisas sob a perspectiva divina e,
mesmo sem entender completamente, faz o que Deus quer que seja feito.

- Assim como os profetas trouxeram a mensagem divina sem que a tivessem compreendido totalmente
(Ez.37:3; Dn.12:4; I Pe.1:10-12), também nós devemos fazer o que Deus nos ordenar sem que o
compreendamos plenamente, tendo prazer em fazer a vontade do Senhor, que Ele nos revela por Sua infinita
graça e misericórdia, pois somente assim cumpriremos o propósito divino, que é sempre bom e nunca
causará dano ou mal, pois como diz o nosso Deus, pela boca de Jeremias: “Porque Eu bem sei os
pensamentos que penso de vós, diz o Senhor; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que
esperais” (Jr.23:20).

- A salvação gera “uma nova criatura”, criatura esta é que espiritual, pois o salvo é “nascido do Espírito”. É
o que, como já vimos, Paulo denomina de “homem espiritual”.

- Para ser “homem espiritual”, é preciso ter a mente de Cristo, ou seja, aqueles que têm a graça de
receber a revelação divina da sabedoria divina, aquela que, embora oculta em mistério, Deus preparou para
aqueles que O amam (I Co.2:7-9).

- O homem espiritual, portanto, é aquele que ama a Deus e amar a Deus nada mais é que guardar a
Palavra do Senhor, fazer o que Ele manda (Jo.14:23,24; 15:14). Notamos a espiritualidade de um crente
não pelo que ele recebeu da parte do Senhor, mas pelo modo como ele se relaciona com o Senhor. Ele é
obediente à Palavra de Deus? Ele faz o que a Bíblia diz? Ele vive de acordo com as Escrituras? Se é assim,
ele é um genuíno homem espiritual.

- O homem espiritual, por amar a Deus, tem comunhão com o Senhor e o Espírito Santo nele habita
(Jo.14:17). O Espírito Santo, por habitar no homem espiritual, revela a ele as coisas de Deus, pois só o
Espírito de Deus sabe as coisas de Deus (I Co.2:11). Assim, o homem espiritual mergulha nas profundezas
de Deus, tem o conhecimento de Deus e, tendo o conhecimento e a Palavra, tudo discerne, mesmo que tudo
pareça loucura aos olhos do homem natural. O crente espiritual discerne bem tudo e de ninguém é discernido
(I Co.2:15) e, por isso, seu comportamento é completamente diferente do dos demais seres humanos.

III – ESTANDO PREPARADO CONTRA AS INVESTIDAS DO INIMIGO EM NOSSA MENTE

- O apóstolo Paulo, em Fp.4:8, apresenta uma “fórmula” para que o salvo possa se manter com a
mente de Cristo enquanto aguarda a sua glorificação. Manda que o servo de Cristo pense em tudo o que
é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é
de boa fama, em tudo que tiver alguma virtude ou algum louvor.

- O ser humano está a todo tempo pensando em algo, sua essência é a própria racionalidade, e estes
pensamentos o levam a ter vontades, desejos e sentimentos. É o intelecto quem acaba guiando as demais
faculdades da alma e, por isso mesmo, precisamos ter a nossa mente voltada para as coisas de Deus,
precisamos ter a mente de Cristo, como já demonstrado, para que não venhamos a ter a nossa mente ocupada
com coisas que desagradam ao Senhor e que nos levarão a fracassar na batalha espiritual.
- Não é por outro motivo que o inimigo tem sempre procurado atacar a mente dos seres humanos, visando
manter os incrédulos na cegueira espiritual, mas, também, buscando levar os salvos a abandonar a mente de
Cristo e, assim, perder o discernimento espiritual e acabar sendo controlado por Satanás novamente.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
1º Trim. de 2019: BATALHA ESPIRITUAL: o povo de Deus e a guerra contra as potestades do mal

- Um dos primeiros cuidados que devemos ter nesta questão é com os nossos olhos, pois eles são a
entrada de tudo quanto irá se operar na nossa mente. Cristo chama os olhos de “candeia do corpo”, dizendo,
ainda, que “se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz. Se, porém, os teus olhos forem maus, o
teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais
trevas!”(Mt.6:22,23).

- O patriarca Jó, de quem o próprio Deus dava testemunho de que se desviava do mal (Jó 1:8; 2:3), tinha
como um dos segredos de sua integridade espiritual o cuidado que tinha com os olhos (Jó 31:1). A falta de
cuidado com os olhos foi um dos fatores que levou Davi a pecar (II Sm.11:2).

- Vivemos dias em que os meios audiovisuais dominam a comunicação e, aproveitando-se disto, o inimigo
tem buscado, de todas as formas, fazer com que as mentes sejam poluídas com o que não se encontra dentro
dos parâmetros estabelecidos pelas Escrituras, como vemos em Fp.4:8.

- De forma particular, aliás, temos visto como a pornografia tem causado imensos males à moralidade, à
família e à santidade de muitos que cristãos se dizem ser, com efeitos deletérios, pois tem gerado grandes
sequelas mentais, pois o poder viciante da pornografia se equipara e até supera a muitas substâncias
entorpecentes.
OBS: Veja o que diz o escritor e apologeta cristão norte-americano Josh MacDowell a respeito: “…“A pornografia está atrás deles [crianças e
adolescentes – observação nossa]”, diz Josh. “Dos adolescentes que viram pornografia, entre 75% e 91% não estavam em momento algum atrás
dela. Pesquisadores mostram que 38% deles ficarão viciados” (…) a pornografia produz um questionamento sobre a autoridade das Escrituras,
de Cristo, da Ressurreição, da Igreja e dos pais. A pornografia começa a entenebrecer a porta do cérebro para considerar as verdades da fé cristã.
Logo que você se envolve na pornografia, ela assume o controle dos seus pensamentos, de seus padrões morais e de sua vida. Você precisa
entender: a pornografia simplesmente assume o controle da sua vida. A pornografia assume o controle dos seus relacionamentos — o modo
como você vê as pessoas, as mulheres e as crianças. E como consequência, a pornografia não deixa espaço para sua caminhada com Cristo. Não
dá para você se envolver com a pornografia e ter uma caminhada saudável com Cristo…” (MORRIS, Shane. Pornografia é uma das maiores
ameaças ao Cristianismo. Trad. de Júlio Severo. 22 nov. 2012. Disponível em: http://juliosevero.blogspot.com/2012/11/pornografia-e-uma-das-
maiores-ameacas.html Acesso em 14 nov. 2018).
Ou, ainda, o que diz este outro artigo traduzido por Júlio Severo: “…Embora seja assombroso para muitos, os usuários de pornografia
acabam pondo a religião, o casamento, o trabalho e as amizades em segundo lugar depois de seu desejo por pornografia. Eles querem mudar,
voltar à vida como era antes da pornografia, mas a maioria voltará e descerá muito mais. A Dra. Mary Anne Layden, diretora do Programa de
Trauma Sexual e Psicopatologia do Centro de Terapia Cognitiva da Universidade da Pensilvânia, assemelha a pornografia ao crack. Num
depoimento juramentado no Senado dos EUA em novembro de 2004, ela comentou: “Esse material é potente, viciador e fica permanentemente
implantado no cérebro”.…” (TRUEMAN, Patrick A. Epidemia de pornografia: estamos inundados de pornografia. Trad. de Júlio Severo. 27
nov. 2011. Disponível em: http://juliosevero.blogspot.com/2011/11/epidemia-de-pornografia-estamos.html Acesso em 14 nov. 2018).

- Não é à toa que o inimigo tem feito da mídia uma das suas principais cidadelas, pois, através dela, tem
disseminado imoralidades, perversões e todo o tipo de coisa que mantém a mente das pessoas
completamente alheia à santidade e às coisas que agradam a Deus e isto, a começar das crianças, que têm
sido alvo de uma intensa campanha de erotização infantil, inclusive no sistema educacional, outro pilar
desta investida satânica.

- Outra arma que tem sido utilizada pelo inimigo para ter vantagem no domínio das mentes humanas
é a distração. Distração é, segundo o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa,
“falta de concentração dos sentidos no que se passa à volta; desatenção”. Vem da palavra latina “distractio”,
cujo significado é “divisão, separação, afastamento, desunião, venda ao retalho”.

- Vemos, pois, que a distração é uma ação pela qual se desvia a atenção de alguém, se separa alguém de algo
ou de outrem. A distração nada mais é que uma atividade que procura fazer com que as pessoas não prestem
atenção nas coisas divinas, não se concentrem em buscar, saber e realizar a vontade de Deus em seu dia-a-
dia.

- Conta-se que Dom Bosco (1815-1888), padre católico romano, fundador da ordem dos salesianos, em um
de seus conhecidos sonhos, sonhou com os jovens de sua igreja, que, enquanto a missa se desenvolvia, eram
entretidos por uma série de demônios, que faziam com que a mente dos jovens, durante a celebração
religiosa, ficasse ocupada com diversas atividades, como jogos, danças, comida, música e que somente se

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
1º Trim. de 2019: BATALHA ESPIRITUAL: o povo de Deus e a guerra contra as potestades do mal

voltaram para a missa no momento solene da consagração, voltando, após isto, a novamente estarem alheios
aos que se passava. Entendeu o padre que este sonho falava das distrações que os jovens estão expostos por
sugestões demoníacas e que lhes retiram a capacidade de adoração.

- Este sonho deste sacerdote romanista está em consonância com as Escrituras e bem mostra uma das
principais armas utilizadas pelo inimigo, máxime em nossos dias, que são dias de grande agitação, com
múltiplas atividades, onde é muito fácil operar-se a desconcentração das coisas relacionadas com nossa vida
espiritual.

- O ex-chefe da Igreja Romana, o Papa Emérito Bento XVI, bem descreveu esta realidade de nossos dias que
vale a pena aqui transcrever: “…O progresso técnico, nomeadamente no campo dos transportes e das
comunicações, tornou a vida do homem mais confortável, mas também mais agitada, às vezes até
desordenada. As cidades são quase sempre ruidosas: nelas raramente há silêncio, porque um barulho de
fundo permanece sempre, nalgumas áreas até de noite. Além disso, nas últimas décadas o desenvolvimento
dos mass media difundiu e amplificou um fenómeno que já se perfilava nos anos 60: a virtualidade, que
corre o risco de dominar a realidade. Cada vez mais, mesmo sem se dar conta, as pessoas vivem imersas
numa dimensão virtual, por causa de mensagens audiovisuais que acompanham a sua vida, desde a manhã
até à noite. Os mais jovens, que já nasceram nesta condição, parecem desejar encher com músicas e imagens
cada momento vazio, como se tivessem medo de sentir, precisamente, este vazio. Trata-se de uma tendência
que sempre existiu, especialmente entre os jovens e nos contextos urbanos mais desenvolvidos, mas hoje ela
alcançou um nível tal, que se chega a falar de mutação antropológica. Algumas pessoas já não são capazes
de permanecer por muito tempo em silêncio e solidão.(…) retirando-se no silêncio e na solidão o homem,
por assim dizer, «expõe-se» à realidade na sua nudez, expõe-se àquele aparente «vazio» ao qual me referia
antes, para experimentar ao contrário a Plenitude, a presença de Deus, da Realidade mais real que existe, e
que se encontra para além da dimensão sensível.…” (Homilia na celebração das Vésperas na Igreja da
Cartuxa de Serra San Bruno. 9 out. 2011. Disponível em: http://w2.vatican.va/content/benedict-
xvi/pt/homilies/2011/documents/hf_ben-xvi_hom_20111009_vespri-serra-san-bruno.html Acesso em 14
nov. 2018).

- Tome-se, por exemplo, a questão do tempo gasto pelas pessoas, principalmente aqui no Brasil, nas redes
sociais. Recente levantamento deu conta de que o brasileiro, em média, passa 3 horas e meia diárias nas
redes sociais e, lamentavelmente, sabemos que os servos de Jesus Cristo não passam este tempo com
atividades concernentes ao reino de Deus, não raras vezes com atividades que são, inclusive, nocivas à nossa
vida espiritual.
OBS: “…Os dados são do relatório "2018 Global Digital", da We Are Social e da Hootsuite, o Brasil está entre os três países do mundo no
qual a população passa, em média, mais de 9 horas do dia navegando na Internet. E é um dos dois únicos países onde o tempo diário gasto nas
redes sociais supera 3 horas e meia. Portanto, bem acima da média mundial nesses dois quesitos…( LUCA, Cristina. 5 fev. 2018. Disponível em:
https://porta23.blogosfera.uol.com.br/2018/02/05/brasileiro-passa-mais-de-3-horas-e-meia-por-dia-em-redes-sociais/ Acesso em 14 nov. 2018).

- A situação está tão periclitante que, a exemplo do sonho de Dom Bosco, não são poucos os que estão
completamente envolvidos com o telefone celular durante os cultos, completamente alheios ao que se passa,
o que dá uma ideia do quanto se dedicam ao Senhor e à vida espiritual quando estão fora dos templos.

- Diante desta agitação imensa, desta ocupação da mente com coisas completamente alheias às coisas de
Deus, não é difícil descobrir como a distração tem prejudicado a vida espiritual de muitos, de como o
inimigo tem conseguido, com grande êxito, “separar” a mente dos salvos de Deus e o resultado disto é a
consequente perda na batalha espiritual.

- A sabedoria popular, aliás, já adiantava este quadro ao dizer que “mente vazia é oficina do diabo”, a
indicar que, quando nossas mentes estão vazias daquilo que se refere às coisas de Deus ou às coisas em que
há alguma virtude ou algum louvor, para nos utilizarmos da expressão do apóstolo Paulo em Fp.4:8, nossa
tendência é sermos seduzidos pelo inimigo e deixarmos de ter a capacidade de servi-l’O.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
1º Trim. de 2019: BATALHA ESPIRITUAL: o povo de Deus e a guerra contra as potestades do mal

- Ao interpretar o seu próprio sonho, Dom Bosco disse que a distração tirava a capacidade de oração dos
jovens que se tornavam, assim, vítimas do inimigo, suas presas fáceis. E temos de concordar com o
entendimento daquele sacerdote romanista.

- Como vencer esta investida do inimigo? Como disse o ex-chefe da Igreja Romana, Bento XVI, é preciso
haver uma “retirada para o silêncio e para a solidão”, ter um momento de intimidade com o Senhor, algo
que Jesus nos ensinou a fazer, pois sempre O vemos tendo momentos a sós com o Seu Pai (Mc.1:35;
Lc.5:16; 22:41), normalmente em oração. Ele próprio repreende os discípulos por não terem podido velar
com Ele nem ao menos uma hora (Mt.26:40).

- Em meio à agitação de nossos dias, precisamos ter um momento de intimidade com o Senhor, dedicarmo-
nos às coisas divinas, orando, meditando nas Escrituras, pensando nas coisas que são de cima. Assim
fazendo, venceremos mais esta tentativa de conquista da nossa mente que é a distração.

- Temos de pensar nas coisas que são de cima e não nas que são da terra. Esta é uma das características
de quem realmente foi salvo, que ressuscitou com Cristo: a busca das coisas que são de cima (Cl.3:1,2).

- Precisamos remir o tempo (Ef.5:16), aproveitando as oportunidades para nos dedicarmos ao reino de
Deus e à sua justiça (Mt.6:33), o que deve ser prioritário em nossas vidas, até porque, já diziam os monges
da abadia de Port Royal, grandes estudiosos da lógica, que “…as coisas infinitas, como a eternidade e a
salvação, não podem igualadas por alguma vantagem temporal e, assim, jamais se deve pôr em balança com
alguma das coisas do mundo…” (Lógica, p.391) (tradução nossa de texto em francês). É, de pronto,
contrário à razão querermos nos dedicar antes às coisas efêmeras e passageiras desta vida em detrimento do
que é eterno e nos faz aproximar mais de Deus.

- Para tanto, precisamos ter a nossa mente firme em Deus, como diz o profeta Isaías, sempre olhando para
Jesus, o autor e consumador da nossa fé (Hb.12:1), seguindo o Seu exemplo e querendo imitá-l’O a cada dia
(I Co.11:1).

Colaboração para o Portal Escola Dominical – Ev. Caramuru Afonso Francisco

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4

Interesses relacionados