Você está na página 1de 24

20/02/2019

Desafio 1 – Portfólio dos Campos de Atuação de Educação Física


TAREFA 1. Como fazer um Portfólio.
O desafio desta unidade é a busca por modelos, tipos e meios de
construção de portfólios! Para isso, você poderá utilizar a internet (fazendo
pesquisa sobre portfólio no meio educacional), conversar com professores
e também com alunos. A palavra de ordem nesse desafio é: diversidade.
Quanto mais diversificado for o seu portfólio de portfólios (interessante
isso, não é?), melhor! Vamos lá?
O que é Portfólio:

Portfólio é uma coleção de trabalhos já realizados de uma empresa ou de um


profissional.
Muitas organizações têm seus portfólios separados por departamentos ou
unidade de negócios. Existem diversos tipos de portfólios, depende do
segmento da empresa e do profissional.
Um tipo de portfólio é o portfólio de investimentos, que são o conjunto de
aplicações no mercado de ações, portfólio exploratório é conhecido como os
projetos de empresas de petróleo, existe também o portfólio de bens, quando é
mais relacionado a imóveis, portfólio de quadros e fotografias, portfólio de
publicitários, portfólio de educação e muitos outros.
O portfólio é um termo vindo do inglês e tem uma importância muito grande
para profissionais com a necessidade de mostrar além de seu currículo. O
portfólio agrega valor para o indivíduo e normalmente é iniciado durante a vida
acadêmica, principalmente para profissionais da área da comunicação.
Para um designer gráfico, é essencial ter um bom portfólio, ou seja, uma
compilação dos seus trabalhos, que demonstre a sua capacidade na área
profissional.
A palavra portfólio também é usada para descrever um papel dobrado ou uma
pasta que serve para armazenar documentos ou trabalhos.
Muitas pessoas têm dúvidas em relação à grafia da palavra, especificamente
entre portfólio e portfólio. A forma correta é portfólio e não portfólio.
Existem vários sites que contêm vários modelos de portfólios com design para
vários gostos diferentes.

Portfólio acadêmico

O portfólio acadêmico é uma ferramenta pedagógica que consiste em uma


listagem de trabalhos realizados por um estudante ou até trabalhos realizados
no contexto profissional. Esta lista costuma estar organizada de forma
cronológica e serve para demonstrar as competências adquiridas através de
tarefas realizadas. Neste caso o portfólio também pode facilitar o pensamento
crítico em relação ao processo acadêmico.
Portfólio Acadêmico: Como Fazer um Portfólio Para Faculdade
Nele, você vai arquivar de maneira organizada tudo o que foi trabalhado em
seus anos de faculdade.
Isso inclui textos de aulas, atividades, trabalhos, apostilas, exercícios e
pesquisas. Tudo de relevante que você fizer em seus estudos, merece lugar ali.

Tirou nota alta naquele trabalho? Inclua no portfólio. Sua pesquisa recebeu
comentários elogiosos do professor? Inclua também!
O portfólio acadêmico é uma maneira incrível e prática de ter para rápido
acesso toda a sua história acadêmica, o que pode servir até mesmo como
instrumento de avaliação.
Mais adiante, seu portfólio acadêmico pode se ampliar e conter uma seleção
dos seus títulos educacionais.
É a hora de incluir os cursos de longa e curta duração, teses, artigos e
citações.
Tudo de mais relevante nos seus estudos deve estar lá.
Um exemplo de estrutura a ser seguida para o portfólio acadêmico é obedecer
ao roteiro que já lhe é familiar na faculdade.
Como se fosse um trabalho acadêmico, você terá capa, folha de rosto,
sumário, considerações iniciais, desenvolvimento (não esqueça de incluir
datas), considerações finais e anexos.
Com isso em mãos, você está pronto para mostrar ao mundo o excelente
profissional que está caminhando para ser.
É importante que você demonstre, desde cedo, como ser um profissional
organizado e ciente de seu potencial.

Quais são os tipos de portfólio?


Existem os portfólios físicos e os digitais.
Antes da internet, era muito comum ver profissionais procurando emprego com
pastas e mais pastas de exemplos do seu trabalho.
Hoje, essa cena é um tanto rara, embora ainda exista – tanto que alguns
contratantes ainda exigem que seja assim.
Isso não é um problema.
Um portfólio físico não tem segredos para a sua execução. Tenha a versão
impressa dos seus melhores trabalhos e leve-os junto com você em sua
entrevista.
Use papel de formato A3 ou A4 de boa qualidade, e escolha uma pasta de
material bom.
Agora, caso você prefira o ambiente digital, as opções são mais amplas.
Para começar, você pode fazer o seu portfólio em PDF. Este é um formato de
usabilidade ampla, adotado em diversos processos.
É um meio mais prático, onde você pode prepará-lo direto no seu computador e
enviá-lo para quem quiser.
Do outro lado da tela, a pessoa interessada pode facilmente abrir o arquivo e
ter todas as informações de que precisa. É extremamente raro um profissional
não ter conhecimento sobre como visualizar um arquivo em PDF.
Perceba que, por ser tão prático, os contratantes possuem centenas de
arquivos assim. Você corre o risco de não ser notado entre tantos
concorrentes.
21/02/2019
Desafio 2 semana 2– História e origem da educação física

A evolução da área da Educação Física teve a contribuição de diversos


povos em diferentes partes do globo terrestre, contribuições estas que
em alguns casos se aprimoraram e, em outros, se perpetuaram devido
à grande influência que tiveram sobre a prática de atividades físicas.
Você foi convidado para palestrar sobre uma parte da história da
Educação Física que discute a contribuição de alguns povos orientais
para a área. O evento ocorrerá na Universidade de Ponta Alta, no Mato
Grosso do Sul, instituição fundada no ano de 2000, que gostaria de
conhecer sua experiência em tal tema.
Pronto para apresentar a sua palestra?
Para nortear o seu trabalho, é dada uma questão balizadora para a
elaboração de sua explanação: cite dois povos orientais e suas
contribuições para o desenvolvimento da prática de atividades físicas.

Evolução da Educação física pela história.


Tudo começou com as necessidades de sobrevivência do homem nas eras
mais primitivas, obrigando-lhes a lutar, fugir, lutar e manter-se em constante
movimento em prol da sua sobrevivência (nômades). Por meio disto o homem
começou a correr, saltar, arremessar, trepar, empurrar, puxar, etc.
Aspecto militar: significa que as pessoas praticavam os esportes ou qualquer
tipo de atividade física como forma de treinamento do exército para combates e
guerras daquela época.
Aspecto esportivo: desenvolvia, individual e coletivamente, as qualidades
guerreiras. Praticavam os esportes individualmente para desenvolver as
qualidades e capacidades de cada um, como coragem, ousadia, resistência e
confiança em si mesmo. Já coletivamente praticavam os esportes como
caçadas e corridas de carros apenas como forma recreativa e descontraída e
para desenvolver o espírito de competição.
A Educação Física de antigamente teve seu desenvolvimento e sua prática
realizada em diferentes lugares e regiões do mundo.
2700 a.C. - Os chineses parecem haver sido os primeiros a racionalizar o
movimento humano, emprestando-lhe, ainda, um forte conteúdo médico.
Criaram, provavelmente, o mais antigo sistema de ginástica terapêutica de que
se tem notícia: era o Kong-Fou (a arte do homem) - surgido por volta de 2700
a.C. - e praticado pela seita Tao-Tsé, onde a pessoa executava os movimentos
nas mais diversas posições, obedecendo a certos critérios sobre respiração,
tudo de acordo com a doença a ser tratada. Há que se ressaltar, ainda, o
aspecto religioso dessa prática que, além de curar enfermidades do corpo,
servia para torná-lo um "leal servidor da alma".
2000 a.C.- A índia é reconhecida como a nação que conseguiu atingir o maior
grau de elevação espiritual de toda a humanidade. Entre as práticas hindus,
temos de destacar a yoga como a sua manifestação suprema. A parte desse
sistema que trata do corpo físico chama-se hatha-yoga e é fundamentalmente
uma ginástica de posições com a utilização de uma respiração adequada. A
yoga não é apenas um conjunto de exercícios ginásticos, mas uma doutrina
que busca não só a purificação do corpo como também, através da meditação,
facilitar a identificação do homem com a sua essência divina. Integra, portanto,
o físico, o intelectual e o emocional, numa bela concepção do ser humano.
Os Egípcios exercitavam os seus guerreiros com treinamentos rígidos e como
práticas esportivas tinha a luta, o remo, o atletismo, etc.

No Japão, a Educação Física possuía fundamentos médicos, higiênicos,


filosóficos, morais, religiosos e guerreiros. Os samurais são um exemplo de
guerreiros feudais originados da pratica da Educação Física no Japão. Já no
Egito, os exercícios Gímnicos formaram a ginástica egípcia dotada de
equilíbrio, força, flexibilidade e resistência. A existência da ginástica egípcia foi
revelada em pinturas nas paredes de tumbas.

Mas foi na Grécia que encontramos a civilização antiga que mais contribuiu
para a Educação Física. Novamente é visível a ligação que a sociedade e sua
cultura têm com a história da Educação Física. Foi na Grécia que surgiram os
grandes pensadores, que contribuíram com vários conceitos, até hoje aceitos
pela Educação Física e pela pedagogia. Grandes artistas, pensadores e
filósofos como Mirón, Sócrates, Hipócrates, Platão e Aristóteles criaram
conceitos como o de equilíbrio entre corpo e espírito ou mente, citados por
Platão. Também nasceram na Grécia os termos halteres, atleta, ginástica,
pentatlo, entre outros.

Após a tomada militar da Grécia, Roma absorveu a cultura desta civilização,


porém a Educação Física se caracterizou pelo espírito prático e utilitário, tendo
assim uma visão voltada para a preparação dos soldados e da população para
a guerra. Foi no período romano que surgiu a famosa frase “Mens sana in
Corpore Sano”.

A Idade Média foi marcada pelo impacto do Cristianismo, repleta de


ascentismo. Mesmo com isso, estudantes continuavam a seguir as teorias de
Aristóteles, enriquecendo o patrimônio dos conhecimentos. Nesta época
floresceu a arte gótica, surgiram as primeiras universidades, e com elas
personalidades geniais como Santo Tomás de Aquino. Considerada como “a
Idade das Trevas”, o culto ao corpo era considerado pecado e com isso, houve
uma grande decadência da Educação Física. Os exercícios Físicos ficaram
retidos em torneios muito sangrentos.

No Renascimento, a Educação Física deu um salto em busca do seu próprio


conhecimento. O período da renascença fez explodir novamente a cultura
física. A admiração e dedicação pela beleza do corpo, antes proibida, agora
renasce com grandes artistas como Leonardo da Vinci (1432-1519). A
escultura de estátuas e a dissecação de cadáveres fizeram surgir a anatomia,
grande passo para a Educação Física e a Medicina. A introdução da Educação
Física na escola, no mesmo nível das disciplinas tidas como intelectuais, se
deve nesse período a Vittorino da Feltre (1378-1466) que, em 1423, fundou a
escola “La Casa Giocosa” onde o conteúdo programático incluía os exercícios
físicos”. (PEREIRA; MOULIN, 2006, p. 19-20).

O Iluminismo na Inglaterra era contra o abuso do poder no campo social.


Esse período trouxe novas idéias e, como destaque nessa época, temos dois
grandes nomes: Rousseau e Pestalozzi. Rousseau propôs a Educação Física
como necessária à educação física infantil, introduzida nas escolas. Pestalozzi
foi o primeiro educador a chamar a atenção para 2 (dois) elementos
fundamentais na prática dos exercícios, a posição e a execução perfeita, sem
os quais os praticantes não conseguiriam os objetivos visados.

O marco da idade contemporânea teve como principal tema o surgimento da


ginástica localizada, onde tiveram como responsáveis quatro grandes escolas:
a alemã, a nórdica (escandinava), a francesa e a inglesa.

Deste período podemos citar grandes personalidades de destaque. Na escola


alemã como pai da ginástica pedagógica moderna Johann Cristoph Friederick
Guts Muths, notável pedagogo. O fundador e fomentador da ginástica sócio-
patriótica foi Friedercik Ludwing Jahn, cujo fundamento era a força. Seu lema
era “vive quem é forte”. “Foi ele quem inventou a Barra fixa, as barras paralelas
e o cavalo, dando origem à Ginástica Olímpica”. (PEREIRA; MOULIN, 2006, p.
20).

Já na Escola Escandinava ou Nórdica, o grande destaque foi o sueco Per


Henrik Ling, que teve de lutar com energia e tenacidade ao procurar
estabelecer ramos científicos aos exercícios físicos, levando para a Suécia as
idéias de Guts Muths. A ginástica sueca foi o grande trampolim para tudo o que
se conhece como ginástica atualmente. Como nos descreve em sua obra
PEREIRA e MOULIN (2006, P. 21) “Per Henrick Ling (1766-1839) foi o
responsável por isso, levando para a Suécia as idéias de Guts Muths após
contato com o instituto de Nachtegall. Ling dividiu sua ginástica em quatro
partes: a pedagogia – voltada para a saúde evitando vícios posturais e
doenças, a militar – incluindo o tiro e a esgrima, a médica – baseada na
pedagogia, evitando também as doenças e visando ainda a estética –
preocupada com a graça do corpo”.

Na Escola Francesa temos como elemento principal o espanhol naturalizado


Francisco Amorós y Ondeano. Ele dividiu a ginástica em civil e industrial,
militar, médica e cênica. O método conhecido como ginástica natural teve um
francês como seu defensor. Georges Herbert (1875-1957) defendia que a
Educação Física deveria preconizar os movimentos naturais do ser humano, ou
seja: correr, trepar, nadar, saltar, empurrar, puxar, dentre outros.

Já a Escola Inglesa baseava-se nos jogos e nos esportes. Seu defensor era
Thomas Arnold, quem recriou os jogos olímpicos. A escola inglesa também
teve uma enorme influência no treinamento militar.

Com a propagação das idéias pelo mundo destas quatro grandes escolas, a
Educação Física passou a ser mais estudada, organizada e reconhecida. Ela
conquistou seu espaço, ganhou cunho científico e tornou-se indispensável na
vida das pessoas, desde as crianças menores até as pessoas mais idosas.

27/02/2019

Modulo Motricidade Humana

Desafio 01 -Portfólio

Tarefa 3

Pesquisar e traçar uma linha do tempo do processo história romana,


Período Medieval, idade média e renascimento: (princípios do movimento
humano)

O império Romano foi uma das civilizações mais importantes que já existiu.
Essa civilização viveu três fases importantes: a monarquia, a república e o
império. A queda da monarquia se deu na busca de uma forma de poder
menos autoritária, a república, que foi substituída pelo império quando a
expansão militar acabou gerando dificuldades para administrar a cidade. Esse
expansionismo militar gerou confrontos com os romanos e inúmeras
populações foram escravizadas. A facilidade da dominação romana se dava
pelo sistema de estradas criadas por essa civilização, que facilitava a
expansão. Além disso, os romanos também marcaram forte presença na arte,
no comércio, na produção, nos jogos e nas práticas de exercícios físicos, que
eram presentes no cotidiano da população.

A educação física na Idade Média


A queda do Império Romano e a consequente chegada da Idade Média
trouxeram profundas transformações para a educação física. Esse período se
caracterizou por uma diminuição ainda maior na prática de exercícios físicos,
acentuada por proibições de algumas práticas por parte da Igreja Católica,
ocorrendo um total desprezo à educação física. A proibição de práticas físico-
corporais nesse período se dá principalmente pelo descaso que se tinha pelo
corpo na busca da salvação da alma (RAMOS, 1982). Atividades como a
ginástica, a dança teatral e a luta passaram a ser proibidas devido ao uso do
corpo, que, nessa época, se tornou um instrumento de pecado (BERTONI;
PEREIRA; PALMA, [200-?]). Ou seja, as atividades físicas que já vinham em
processo de decadência, ainda em Roma, se tornaram inexpressivas na Idade
Média.

Com a organização das Cruzadas, pela Igreja, a preparação militar acabou


sendo a tônica das práticas físicas. Os exercícios corporais eram a base dos
cavaleiros para os embates, destacando-se, assim, as marchas, o manejo do
arco e flecha e as corridas a pé (RAMOS, 1982).

Medieval

Era medieval marca proibições aos exercícios ligados ao corpo, porém acentua
a prática de atividades ligadas ao cavaleiro como preparação para as
Cruzadas. A partir da figura do cavaleiro vão ser criadas modalidades como a
esgrima e o hipismo.

A educação física no Renascimento

A concepção grega sobre o corpo e os exercícios físicos voltam a ganhar força,


levada adiante pelas ideias difundidas por vários pensadores renascentistas.
Vitorino da Feltre, Maffeo Veggio e François Fénélon são alguns dos pensadores
que escrevem sobre a relação do corpo com o exercício, retomando os ideais
gregos. Ainda nessa época os jogos passam a ser vistos como agentes
educacionais e os exercícios físicos naturais ganham força.

Nesse período, a razão passa a se constituir como conhecimento válido. O


corpo passa a ser objeto de estudo, de controle e de disciplina, com isso os
renascentistas vão compreender que os exercícios físicos são tão importantes
como a leitura e a escrita.
SEMANA 4
A EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL
Os primeiros habitantes, os índios, deram pouca contribuição a não ser os
movimentos rústicos naturais tais como nadar, correr atrás da caça, lançar, e o
arco e flecha. Nas suas tradições incluem-se as danças, cada uma com
significado diferente: homenageando o sol, a lua, os Deuses da guerra e da
paz, os casamentos etc. Entre os jogos incluem-se as lutas, a peteca, a corrida
de troncos entre outras que não foram absorvidas pelos colonizadores. Sabe-
se que os índios não eram muito fortes e não se adaptavam ao trabalho
escravo.
Os negros e a capoeira - Sabe-se que vieram para o Brasil para o trabalho
escravo e as fugas para os Quilombos os obrigava a lutar sem armas contra os
capitães-do-mato, homens a mando dos senhores de engenho que entravam
mato a dentro para recapturar os escravos. Com o instinto natural, os negros
descobriram ser o próprio corpo uma arma poderosa e o elemento surpresa. A
inspiração veio da observação da briga dos animais e das raízes culturais
africanas. O nome capoeira veio do mato onde entrincheiravam-se para treinar.

"Um estranho jogo de corpo dos escravos desferindo coices e marradas, como
se fossem verdadeiros animais indomáveis". São algumas das citações de
capitães-do-mato e comandantes de expedições descritas nos poucos
alfarrábios que restaram. Rui Barbosa mandou queimar tudo relacionado à
escravidão.
Brasil Império - Em 1851 a lei de nº 630 inclui a ginástica nos currículos
escolares. Embora Rui Barbosa não quisesse que o povo soubesse da história
dos negros, preconizava a obrigatoriedade da Educação Física nas escolas
primárias de secundárias praticada 4 vezes por semana durante 30 minutos.
Brasil República - Essa foi uma época onde começou a profissionalização da
Educação Física.
As políticas públicas - Até os anos 60 o processo ficou limitado ao
desenvolvimento das estruturas organizacionais e administrativas específicas
tais como: Divisão de Educação Física e o Conselho Nacional de Desportos.
Os anos 70, marcado pela ditadura militar, a Educação Física era usada, não
para fins educativos, mas de propaganda do governo sendo todos os ramos e
níveis de ensino voltada para os esportes de alto rendimento.
Nos anos 80 a Educação Física vive uma crise existencial à procura de
propósitos voltados à sociedade. No esporte de alto rendimento a mudança
nas estruturas de poder e os incentivos fiscais deram origem aos patrocínios e
empresas podendo contratar atletas funcionários fazendo surgir uma boa
geração de campeões das equipes Atlântica Boa Vista, Bradesco, Pirelli entre
outras.
Nos anos 90 o esporte passa a ser visto como meio de promoção à saúde
acessível a todos manifestada de três formas: esporte educação, esporte
participação e esporte performance.
A Educação Física finalmente regulamentada é de fato e de direito uma
profissão a qual compete mediar e conduzir todo o processo.
Rui Barbosa, identificou-se os principais pontos tratados na reforma do ensino
primário por ele apresentada à Câmara dos Deputados em 1883, questionando
qual era a importância desta reforma na totalidade das mudanças almejadas e,
em específico, analisou-se as propostas e as considerações por ele formuladas
a respeito da disciplina de Educação Física. Desta forma foi possível relacionar
esta disciplina, inserida no currículo pedagógico da escola pública, com os
principais problemas e aflições pertencentes à sociedade brasileira do século
XIX, especialmente com aqueles enfrentados pela classe detentora do poder
político e econômico, da qual Rui Barbosa é considerado representante. Frente
às necessidades sociais dos homens, Rui Barbosa vislumbrou na educação
física, anexada ao currículo sob a forma de ginástica militar ou calistênica, com
caráter científico e utilitário, a adequação dos corpos dos indivíduos às
exigências do processo de modernização da sociedade brasileira.

06/03/2019

Semana 04
Tarefa: 01) Levantar em pesquisa dentro do processo historico da Ed.
Fisica no Brasil como e de qual forma o profissional de ed. fisica vem
conquistando seu espaço

02) Analisar areas de atuação e crescimento da profissão, campos de


atuação.

1-A educação física de forma profissionalizada começou logo depois do


período militar, vindo de uma época muito conservadora, vem se desenvolvendo
no Brasil à partir de importantes mudanças político-sociais e que atualmente é vista
como um elemento essencial para a formação do cidadão Brasileiro. Com isso a
popularização era inevitável e a busca da população por formas diferentes de lazer e
saúde foram os levando à educação física.
A musculação vinha crescendo sua popularidade no estrangeiro, e com a
popularização da educação física no Brasil as pessoas começaram a buscar essa
modalidade, assim, virando referência pela busca da estética, saúde e lazer. A
profissionalização cresceu expondencialmente nessa época e logo em seguida foi
criado o Conselho Federal de Educação Física para manutenção e controle
dessa profissão. Hoje é uma das profissões que mais cresce já que a demanda
de pessoas só cresce.
2- Há dois tipos de modo de atuação dessa área, a prática e a docente,
bacharéis de educação física atuam em áreas práticas como academias,
danças, etc ou seja, fora da sala de aula. Licenciados da educação física tem
sua área limitada à sala de aula, onde os profissionais lecionam sobre
educação física.
Semana 5

Levantar em pesquisa dentro do processo histórico da educação física no brasil


como e de que forma o profissional de educação física vem conquistando seu
espaço.

A Educação Física sempre esteve presente nas escolas visando atender as


necessidades da sociedade, por isso ela foi regida por várias concepções ao
longo dos anos, higienista, militarista, pedagogista, tecnicista e popular. Para
compreendermos a estrutura das aulas de educação física hoje é necessário
entendermos as transformações pelas quais essa disciplina passou e vem
passando, desde a concepção higienista até os dias atuais onde, a educação
física busca conquistar seu espaço e importância junto as outras disciplinas.

(GRESPAN, 2002)
A educação física escolar vem sendo pensada nos dias atuais como um
instrumento de formação integral do sujeito, tanto uma formação física, como
cognitiva e social. Entretanto essa nova forma de pensá-la se confronta com os
objetivos deixados pelas outras concepções e pela presença forte do
esportismo, enfatizado pela mídia. Sendo assim se torna de grande valia para
os professores da área a compreensão deste caminho traçado pela educação
física, para que um novo caminho possa ser percorrido, neste sentido este
artigo busca através de uma revisão de literatura, esclarecimentos sobre a
trajetória da educação física até hoje.

A princípio a educação física surge na escola sob o caráter higienista, voltada


para formação de sujeitos fortes e sadios. Em um segundo momento ela
assume a função militarista, onde sua preocupação é disciplinar e selecionar os
mais aptos. Posteriormente temos a educação física pedagogicista onde a
educação física busca seu perfil educativo. Após esse período ela assume uma
tendência competitiva, tecnicista ou esportivista, voltada para o rendimento e
formação do aluno atleta. Com a supremacia do capitalismo ela passa a se
preocupar com o adestramento, capacitação e manutenção da força de
trabalho, essa concepção é chamada político- desenvolvimentista. E por último
tem-se a educação física popular criada pela classe trabalhadora que visava o
lúdico e a cooperação (GRESPAN, 2002).

Entretanto, na atualidade a educação física escolar vem sendo repensada a fim


de se assumir como uma disciplina tão importante como as demais, na busca
pela formação integral do aluno que é visto não mais como um corpo, mas
como um ser integral, corrobora com essa formação Grespan (2002, p. 25)
quando afirma que a educação física busca “enfocar o aluno como um ser
humano integral, munido não só de corpo e da mente, mas um corpo em todas
as dimensões – psicológicas, cognitivas, motoras, afetivas e, principalmente,
sociais”. A forma como a educação física é vista hoje também pode ser
percebida na fala de Boff que aponta para a importância social que a educação
física tem no desenvolvimento do aluno: A socialização e a interação que só a
disciplina de Educação Física nos proporciona, é fator fundamental para o
desenvolvimento do aluno, pois faz com que criem capacidades de afetividade
e formem relações interpessoais, entendendo as diferenças e necessidades de
cada indivíduo que os rodeiam. (BOFF, 2009 p. 12).

07/03/2019

Modulo Motricidade Humana

Desafio 01 -Portfólio

Tarefa 6

1- Por que você escolheu a Educação Física?

Pela necessidade de ser habilitado para a área de trabalho, vivo para o


esporte, espero um dia poder viver do esporte também.

2- Qual importância e a relevância em sua vida?

Na minha vida em específico é de extrema importância comecei a praticar


esportes desde pequeno com muita vontade de viver disso, por problemas de
saúde não pude continuar no esporte pretendido (futebol) mas anos depois
achei algo que me completasse, onde podia tirar o melhor de mim, a calistenia
e street workout, passando por um período melancólico após uma lesão
percebi que eu amava a prática do esporte e isso me deixava completo.

3- Quais objetivos você estabeleceu para sua profissão?


Ser um profissional altamente qualificado para preparar futuros atletas e tornar’
o brasil uma potência nessa modalidade tão nova.

4- Quais são seus planos de ação para alcançar seus objetivos?

Formação acadêmica com excelência, me destacar como atleta para poder me


destacar também como treinador.

13/03/2019

Modulo Motricidade Humana

Desafio 01 -Portfólio

Tarefa 7

1) levantar todas as coordenadas para uma observação e conhecimento


sobre todas as mudanças dentro de uma academia.

Tarefa - Amanha visita técnica SMARTFIT

Hoje - Levantar todas as coordenadas para uma observação e conhecimento


sobre todas as nuanças dentro de uma academia.

Pesquisar procedimentos sobre visitas qualificadas.

Entrega semana que vem os relatório (digitado).

A prática da musculação vem sendo crescente desde a revolução


industrial por conta do significado que tinha para a época, hoje, a musculação é
a atividade física mais praticada no mundo por várias vertentes, sendo a principal
a busca por qualidade de vida, onde encontram dentro das academias, portanto,
a modalidade é a que mais cresce no mundo, tanto em popularidade quanto em
estruturas, já que é um meio lucrativo na área da saúde.

Para abrir uma academia é necessário analisar vários âmbitos desse


meio, como contratação de profissionais bacharéis em educação física,
contendo o credenciamento (CREF), localização para aumentar a visibilidade e
facilitar a locomoção de seus clientes, equipamentos, precaução, higienização,
conforto, divulgação e um diferencial.
Figura 01: cademia.

Fonte: INFOMONEY, 2017.

Educador Físico: Um profissional qualificado, ativo e amigável para


o bem-estar dos clientes. O bacharelado permite ao educador físico atuar em
ambientes práticos, fora da sala de aula, para exercer sua profissão. O CREF
tem como principal atribuição a habilitação do exercício profissional de educação
física, ou seja, serve para garantir que apenas pessoas formadas possam
trabalhar como educadores físicos, e seguindo os preceitos éticos da função.
Dentro dessa prerrogativa, também tenta fiscalizar o exercício irregular da
profissão.

Localização: Fator importante para ganhar boa visibilidade do


público, já que as pessoas buscam algo fácil, tanto para locomoção como
relevância na área inserida, shoppings e avenidas movimentadas são pontos
chamativos para praticantes da musculação, até porque as pessoas gostam de
contato social, ainda mais quando é para se sentir bem fisicamente.

Equipamentos: É um dos fatores mais cruciais para uma academia,


já que uma aparelhagem nova e sofisticada chama mais atenção que uma
aparelhagem velha e feia visivelmente. Boa qualidade é crucial para prevenção
de lesões e exercícios mais adequados para cada pessoa.

Precauções: Avaliações físicas, termos de segurança e faixa etária


são medidas importantes a ser tomado para prevenir riscos aos seus clientes,
para um gestor poder atingir melhor seu público alvo, delimitando o trabalho
que será feito na academia.

Higienização e conforto: São pontos importantes para uma boa


atratividade da academia e salubridade, sempre mantendo equipamentos e
espaços limpos, de maneira que seus clientes se sintam bem e tranquilos em
relação ao ambiente. Conforto é algo altamente relevante na decisão de
escolha de uma academia para seus clientes, ar condicionado, bons vestuários
e bebedouros são ótimos pontos positivos.

Divulgação: Um bom trabalho de divulgação é importante para uma


academia, já que no mundo moderno as pessoas são muito influenciáveis por
mídias sociais e influenciadores, um trabalho bem feito de divulgação
juntamente com a estrutura oferecida possa ‘’fazer o nome’’ da sua academia.

Diferencial: Algo inovador que não seja comum em outras


academias, como modalidades diferentes da musculação, e até mesmo
produtos comercializados dentro da academia. A maior franquia de academias
do Brasil vem sempre inovando nessa área, trazendo diversas práticas
saudáveis para seus clientes como o ‘’smart shape’’e produtos como shakes e
suplementações

Figura 02: Recepção Academia

Fonte: REUTERS, 2018.


REFERENCIAS

INFOMONEY. Rede de academias Smart Fit pede registro inicial de companhia


aberta. Infomoney, 2017. Disponível em:<
https://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/6889505/rede-
academias-smart-fit-pede-registro-inicial-companhia-aberta>. Acesso em 18
Março 2019.

20/03/2019

Modulo Motricidade Humana

Desafio 01 -Portfólio

Tarefa 8

1) estudar e descrever as funções e papeis do CONFEF e do CREF e ver


como estas entidades se relacionam entre si.

O CONFEF – Conselho Federal de Educação Física foi criado pela Lei


nº 9696/98, é uma instituição de direito público, com sede e foro na
cidade Rio de Janeiro, destinada a orientar, disciplinar e fiscalizar o
exercício das atividades próprias dos profissionais de Educação
Física. Órgão Federal, ele supervisiona e coordena o funcionamento
dos CREFs – Conselhos Regionais de Educação Física.
O CONFEF – Conselho Federal de Educação Física foi criado pela Lei
nº 9696/98, é uma instituição de direito público, com sede e foro na
cidade Rio de Janeiro, destinada a orientar, disciplinar e fiscalizar o
exercício das atividades próprias dos profissionais de Educação
Física. Órgão Federal, ele supervisiona e coordena o funcionamento
dos CREFs – Conselhos Regionais de Educação Física.
É o conjunto coordenado formado pelo Conselho Federal de
Educação Física e pelos quatorze Conselhos Regionais de Educação
Física, cujas jurisdições cobrem os vinte e seis estados brasileiros e o
Distrito Federal com a finalidade de garantir à sociedade o direito
constitucional de ser atendida na área de atividades físicas e
esportivas, e que isso seja exercido por profissionais de Educação
Física habilitados.

21/03/2019
Modulo Motricidade Humana
Desafio 01 -Portfólio
Tarefa 9
1) levantar e pesquisar quais são os principais regulamentos da
educação física.

O processo da regulamentação e criação de um Conselho para a


Profissão de Educação Física, teve início nos anos quarenta. A iniciativa partiu
das Associações dos Professores de Educação Física – APEF´s – localizadas
no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo. Juntas fundaram a
Federação Brasileira das Associações de Professores de
Educação Física – FBAPEF, em 1946. A História da regulamentação da
profissão de Educação Física no Brasil, pode ser dividida em três fases: a
primeira relacionada aos profissionais que manifestavam e/ou escreviam a
respeito desta necessidade, sem, contudo, desenvolver ação nesse sentido; a
segunda na década de 80 quando tramitou o projeto de lei relativo à
regulamentação sendo vetado pelo Presidente da República. E a terceira
vinculada ao processo de regulamentação aprovado pelo Congresso e
promulgado pelo
Presidente da República em 01/09/98, publicado no Diário Oficial de
02/09/98.
A intenção de se criar uma Ordem ou um Conselho ocorreu nos idos da
década de 50. Os saudosos professores Inezil Penna Marinho, Jacinto
Targa e Manoel Monteiro apresentaram esta ideia e defendiam sua
importância, fazendo paralelo sempre com as demais profissões
regulamentadas, a Ordem dos Advogados ou o Conselho dos Médicos, sem,
no entanto tomarem qualquer ação efetiva no sentido de consolidar a proposta.
Hoje entende-se ter sido em virtude de na época os profissionais atuarem
prioritariamente em unidades escolares, os cursos serem exclusivamente de
licenciatura e os currículos voltados essencialmente à formação de
profissionais para atuarem no ensino formal.
Historicamente, a área era responsável por oferecer profissionais a um
mercado pré-determinado: a escola. O fato da profissão de Professor não ser
regulamentada, torna incoerente desmembrar a Educação
Física.
1. Em razão da liberdade para o exercício de ofícios ou profissões
estabelecidas pela Constituição Federal em seu art. 5º, inciso XIII, a
elaboração de projetos de lei destinados a regulamentar o exercício profissional
deverá atender, cumulativamente, os seguintes requisitos:
1.1- Imprescindibilidade de que a atividade profissional a ser regulamentada -
se exercida por pessoa desprovida da formação e das qualificações adequadas
- possa oferecer risco à saúde, ao bem-estar, à segurança ou aos interesses
patrimoniais da população;
1.2- A real necessidade de conhecimentos técnico-científicos para o
desenvolvimento da atividade profissional, os quais tornem indispensáveis à
regulamentação;
1.3- Exigência de ser a atividade exercida exclusivamente por profissionais de
nível superior, formados em curso reconhecido pelo
Ministério da Educação e do Desporto;
2- Indispensável se torna, ainda, com vistas a resguardar o interesse público,
que o projeto de regulamentação não proponha a criação de reserva de
mercado para um segmento de determinada profissão em
detrimento de outras com formação idêntica ou equivalente”.
2) Quais são os direitos e deveres do educador físico.
Art. 8º - Compete exclusivamente ao Profissional de Educação Física,
coordenar, planejar, programar, prescrever, supervisionar, dinamizar,
dirigir, organizar, orientar, ensinar, conduzir, treinar, administrar,
implantar, implementar, ministrar, analisar, avaliar e executar trabalhos,
programas, planos e projetos, bem como, prestar serviços de auditoria,
consultoria e assessoria, realizar treinamentos especializados, participar
de equipes multidisciplinares e interdisciplinares e elaborar informes
técnicos, científicos e pedagógicos, todos nas áreas de atividades
físicas, desportivas e similares.
Art. 9º - O Profissional de Educação Física é especialista em atividades
físicas, nas suas diversas manifestações - ginásticas, exercícios físicos,
desportos, jogos, lutas, capoeira, artes marciais, danças, atividades
rítmicas, expressivas e acrobáticas, musculação, lazer, recreação,
reabilitação, ergonomia, relaxamento corporal, ioga, exercícios
compensatórios à atividade laboral e do cotidiano e outras práticas
corporais, sendo da sua competência prestar serviços que favoreçam o
desenvolvimento da educação e da saúde, contribuindo para a
capacitação e/ou restabelecimento de níveis adequados de desempenho
e condicionamento fisiocorporal dos seus beneficiários, visando à
consecução do bem-estar e da qualidade de vida, da consciência, da
expressão e estética do movimento, da prevenção de doenças, de
acidentes, de problemas posturais, da compensação de distúrbios

funcionais, contribuindo ainda, para consecução da autonomia, da


autoestima, da cooperação, da solidariedade, da integração, da
cidadania, das relações sociais e a preservação do meio ambiente,
observados os preceitos de responsabilidade, segurança, qualidade
técnica e ética no atendimento individual e coletivo.
§ 1º - Atividade física é todo movimento corporal voluntário humano, que
resulta num gasto energético acima dos níveis de repouso,
caracterizado pela atividade do cotidiano e pelos exercícios físicos.
Trata-se de comportamento inerente ao ser humano com características
biológicas e socioculturais. No âmbito da Intervenção do Profissional de
Educação Física, a atividade física compreende a totalidade de
movimentos corporais, executados no contexto de diversas práticas:
ginásticas, exercícios físicos, desportos, jogos, lutas, capoeira, artes
marciais, danças, atividades rítmicas, expressivas e acrobáticas,
musculação, lazer, recreação, reabilitação, ergonomia, relaxamento
corporal, ioga, exercícios compensatórios à atividade laboral e do
cotidiano e outras práticas corporais.
§ 2º - O termo desporto/esporte compreende sistema ordenado de
práticas corporais que envolve atividade competitiva, institucionalizada,
realizada conforme técnicas, habilidades e objetivos definidos pelas
modalidades desportivas segundo regras pré-estabelecidas que lhe dá
forma, significado e identidade, podendo também ser praticado com
liberdade e finalidade lúdica estabelecida por seus praticantes, realizado
em ambiente diferenciado, inclusive na natureza (jogos: da natureza,
radicais, orientação, aventura e outros). A atividade esportiva aplica-se,
ainda, na promoção da saúde e em âmbito educacional de acordo com
diagnóstico e/ou conhecimento especializado, em complementação a
interesses voluntários e/ou organização comunitária de indivíduos e
grupos não especializados.
§ 3º - As atividades elencadas na Lei nº. 6.533, de 24 de maio de 1978,
e pelo Decreto nº. 82.385, de 05 de outubro de 1978, ficam isentas do
exame por parte do Sistema CONFEF/CREFs.
Art. 10 - O Profissional de Educação Física intervém segundo propósitos
de prevenção, promoção, proteção, manutenção e reabilitação da
saúde, da formação cultural e da reeducação motora, do rendimento
físico-esportivo, do lazer e da gestão de empreendimentos relacionados
às atividades físicas, recreativas e esportivas.
Art. 11 - O exercício da Profissão de Educação Física, em todo o
Território Nacional, tanto na área privada, quanto na pública, e a
denominação de Profissional da Educação Física são privativos dos
inscritos no CONFEF e registrados no CREF, detentores de Cédula de
Identidade Profissional expedida pelo CREF competente, que os
habilitará ao exercício profissional.
Parágrafo único - O disposto no caput deste artigo aplica-se também ao
exercício voluntário de atividades típicas da profissão.
Art. 12 - Para nomeação e ou designação em serviço público e o
exercício da Profissão em órgão ou entidade da Administração Pública
ou em instituição prestadora de serviço no campo da atividade física, do

desporto e similares, será exigida a apresentação da Cédula de


Identidade Profissional.
Art. 13 - Nas entidades privadas e nos órgãos e entidades da
Administração Pública direta, indireta, autárquica ou fundacional e nas
pessoas jurídicas de direito público, os empregos e cargos envolvendo
atividades que constituem prerrogativas dos Profissionais de Educação
Física somente poderão ser providos e exercidos por Profissionais
habilitados em situação regular perante o Sistema CONFEF/CREFs.
Parágrafo único - As entidades e órgãos referidos no caput deste artigo,
sempre que solicitados pelo CONFEF ou pelo CREF da respectiva área
de abrangência, são obrigados a demonstrar que os ocupantes desses
empregos e/ou cargos são Profissionais em situação regular perante o
CREF de sua região.
Art. 14 - O exercício simultâneo da Profissão de Educação Física, em
caráter temporário ou permanente, em área de abrangência de dois ou
mais CREFs obedecerá às formalidades estabelecidas pelo CONFEF.
Art. 15 - O exercício das atividades do Profissional de Educação Física
em desacordo com as disposições deste Estatuto configurará ato ilícito,
nos termos da legislação específica.
27/03/2019
Modulo Motricidade Humana
Desafio 01 -Portfólio
Tarefa 10
Levantar as principais razões e benefícios das atividades físicas
nos dias atuais.
Aqui estão alguns benefícios da prática regular de atividade física:

Contribui para o bom funcionamento dos órgãos, principalmente o


coração.

Contribui para o bom funcionamento do intestino.

Diminui a ansiedade, o estresse e a depressão.

Melhora o humor e a auto-estima.

Ajuda na prevenção e no controle de doenças cardiovasculares,


diabetes melito, hipertensão arterial, osteoporose e problemas
respiratórios.

Contribui para o funcionamento normal dos mecanismos cerebrais


de controle de apetite, de modo a trazer um equilíbrio entre a
ingestão e o gasto de energia.

Aliada ao consumo reduzido dos alimentos, aumenta a perda de


gordura e melhora a sua distribuição corporal. Também aumenta a
massa magra corporal (músculos).

28/03/2019
Modulo Motricidade Humana
Desafio 01 -Portfólio
Tarefa 11
Pesquisar como esta os campos de atuação do profissional da educação
física: