Você está na página 1de 7

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ

ARTHUR LENIN MAINARDES


FREDERICO LUCIO MARTINS
JOÃO GUILHERME VERENKA DOS SANTOS
JOÃO LEONARDO MARQUES PAUK
JOÃO MARCELO FERREIRA
JULIANO GOMES

RELATÓRIO SOBRE MRU E SUAS CARACTERÌSTICAS

TELÊMACO BORBA
2019
1. RESUMO
A finalidade deste trabalho é aplicar os conhecimentos teóricos a prática
do movimento retilíneo uniforme, tomando seis tempos, para calcular o tempo
médio, que uma esfera de metal levou para percorrer uma determinada distância
para assim podermos calcular a velocidade média e a sua incerteza.

2. INTRODUÇÃO

O estudo sobre o movimento do retilíneo uniforme é descrito como um


movimento de um móvel em relação a um referencial, movimento este ao longo
de uma reta de forma uniforme, ou seja, com velocidade constante.

3. OBJETIVOS

3.1 Objetivo Geral

O presente trabalho tem como objetivo desenvolver conhecimentos sobre


o movimento retilíneo uniforme e suas características.

3.2. Objetivos específicos

● Caracterizar o movimento retilíneo e uniforme;


● Calcular a velocidade de um móvel em MRU;
● Prever a posição futura a ser ocupada por um móvel que se desloque em
MRU;
● Construir gráficos: Posição por tempo e velocidade por tempo.

4. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

4.1. O que é movimento?

Movimento é todo deslocamento realizado por um corpo. A partir do


momento em que um corpo deixa de ocupar uma posição e passa a ocupar outra,
diz-se que houve movimento. Porém, só é válido assumir que um corpo se move
quando é adotado um referencial, visto que o conceito de movimento é relativo.
(HALLIDAY, 2012)
4.2. O que é movimento retilíneo uniforme?

A primeira lei de newton diz que todo corpo em movimento tende a


permanecer em movimento até que sofra a ação de uma força externa. O
movimento retilíneo uniforme funciona a partir desta lei. Neste tipo de
movimento, o corpo tem velocidade constante e aceleração nula, permanecendo
na mesma trajetória e não variando sua velocidade, visto que não há uma força
atuando sobre. (HEWITT, 2011)

5. METODOLOGIA

5.1. Materiais utilizados

● 1 Cronômetro digital manual- 30000.09;


● 1 Plano inclinado articulável- EQ001.24.
● 1 Esfera;
● 1 Imã NdFeB encapsulado- EQ069.11;

5.2. Montagem experimental

Cronômetro digital manual- 30000.09 Plano inclinado articulável- EQ001.24


Esfera Imã NdFeB encapsulado- EQ069.11

5.3. Descrição do experimento

O experimento foi proposto da seguinte forma: Foi configurada uma


inclinação de 15º e o imã foi posicionado a 100 mm de distância da esfera. A
esfera foi liberada e o cronômetro foi acionado. Foram tomados 6 diferentes
tempos por alunos diferentes para que o tempo médio fosse calculado. Após a
primeira parte do experimento, o imã foi configurado a 200 mm de distância do
ímã e o mesmo procedimento em relação ao tempo foi efetuado. O mesmo foi
feito com as distâncias de 300 e 400 mm.

5.4. Dados obtidos experimentalmente

Tabela de tempo médio e velocidade média


S(m) ± t1(s) t2(s) t3(s) t4(s) t5(s) t6(s) <t>*(s) ΣT**(s) Vm(m/s) ϬVm**(m/s)
0,000 0,00125 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,00000 0,000 0,000
0,100 0,00125 0,400 0,400 0,410 0,320 0,250 0,410 0,365 0,06595 0,274 0,050
0,200 0,00125 0,510 0,460 0,410 0,460 0,380 0,400 0,437 0,04844 0,458 0,051
0,300 0,00125 0,720 0,550 0,750 0,500 0,590 0,560 0,662 0,11438 0,453 0,078
0,400 0,00125 0,820 1,000 0,750 0,630 0,520 0,950 0,778 0,18433 0,514 0,122

Coeficiente Ang.
S0 e S1 1,3034
S0 e S2 1,1413
S0 e S3 1,1452
S0 e S4 1,0961
Os dados foram obtidos com as seguintes equações:

O resultado da medição é expresso pela seguinte equação:


RM=RB±INC

As propagações do erro de medição foram obtidas através da equação:


Ϭ𝑅 2 Ϭ𝑎 2 Ϭ𝑏 2 Ϭ𝑛 2
( ) = ( ) + ( ) …( )
𝑟 𝑎 𝑏 𝑛

O desvio padrão foi obtido através da equação:

∑𝑛𝑖=1(𝑥𝑖 − 𝑥̅ )2
Ϭ𝑥 = √
𝑛−1

Equação do valor médio


∑𝑛𝑖=1∗ 1
𝑥̅ =
𝑛

6. DISCUSSÕES DOS RESULTADOS

O coeficiente angular da reta nos pontos S0–S2 e S0–S3 ficaram bem


próximos um do outro, mas os coeficientes angulares de S0–S1 e S0–S4
variaram, isto provável a erros na hora da tomada de dados. Os coeficientes
angulares deveriam estar muito próximos para todos os valores, porque, com a
medida que distância aumentava, o tempo para percorrer a determinada
distância também crescia, e isto se daria presente na reta, o que não ocorreu. A
reta no gráfico representa a grandeza física da velocidade, que é a distância
percorrida por um período de tempo (V=Δs/Δt).

A velocidade variou infimamente devido a pequena distância percorrida e


a baixa inclinação do plano (15º). O gráfico se caracteriza como um MRU,
conforme o coeficiente angular dos pontos S0–S2 e S0–S3 indicam.

Com os valores obtidos, a função horária do movimento analisado é:

Se empregarmos a função horária para calcular a posição que a esfera


deve ocupar após 10 segundos depois ter ocupado a posição S0, a posição
seria:

Conforme citado acima, o coeficiente angular entre S0–S2 e S0–S3 estão


bem próximos, foi calculada a velocidade média entre eles para achar um valor
de velocidade média para poder ser aplicada na função horária e encontrar a
posição que a esfera deve ocupar após os 10 segundos.

7. CONCLUSÕES FINAIS

Através do gráfico, foi possível notar o comportamento de um movimento


retilíneo uniforme. Ainda conforme o gráfico, as velocidades ficaram próximas a
reta e particularmente a velocidade dos pontos S0 até S2 e S0 até S3
apresentam o coeficiente angular esperado para o MRU. Com as informações
de espaço e tempo resultando na velocidade, foi possível determinar a função
horária da posição e, consequentemente, determinar pontos futuros na mesma
reta.
8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALBERTAZZI, Armando. Fundamentos de metrologia científica e industrial.


Editora Manole, 2008.

HEWITT, Paul G. Física conceitual. Editora Bookman, 2011.


HALLIDAY, David. Fundamentos de física. Editora GenLTC, 2012.