Você está na página 1de 6

A escola que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir.

Rubens Alves
Introdução
Neste trabalho será feita uma análise sobre as abordagens tradicional,
comportamental,humanista,psicanalítica, histórico cultural,construtivista,
sistêmica,emocional e Inteligências múltiplas associando com livro "A escola que sempre
sonhei sem imaginar que pudesse existir" de Rubens Alves.
O livro "A escola que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir" menciona a
experiência transformadora da Escola da Ponte. Rubens Alves se encanta com o projeto da
escola da ponte em Portugal, a escola que sempre sonhou sem imaginar que pudesse existir,
o autor se opõe com a escola tradicional, pois seus métodos são diferenciados. Nessa escola
em Portugal, não se encontra salas de aula com o professor sendo o único transmissor de
conhecimento e turmas seriadas. Alunos e professores formam pequenos grupos e escolhem
um assunto incomum, as pesquisas são feitas com auxilio da internet e de bibliografias
durante 2 (duas) semanas, depois desse período, o grupo se reuni novamente e é feita uma
avaliação. Na escola a avaliação não se destaca, embora estejam presentes,durante esse
processo os professores buscam forma de melhorias para aqueles alunos que não
conseguiram alcançar os objetivos propostos. Entretanto o projeto tem sua centralidade no
aluno.Portanto associar com o livro as abordagens: tradicional, comportamental, humanista,
psicanalítica,histórico-cultural,construtivista,sistêmica,emocional e Inteligências múltiplas.
De inicio percebemos que a escola da ponte fragmenta-se com os modelos tradicionais de
ensino-aprendizagem, em que o sistema é centrado na autoridade do docente ou no
currículo pré-estabelecido, na qual não se pode se distanciar. A narração do autor sobre a
Escola da Ponte exprime que as orientações pedagógicas seguidas por ele é totalmente
contraria ao que se prega na abordagem tradicional.
Como podemos analisar a escola, é um ambiente compartilhado por todos.Não existe
campanhia, separação de turmas e sem currículo formal a ser seguido o que vai de encontro
o que sugeri a abordagem comportamental. Em que a concepção principal é o
estabelecimento de comportamento padrões através de instrumentos reforçadores.
Entende-se que nessa abordagem que reproduzir e controlar eventos constantes desenvolve
hábitos em que o conhecimento é mantido através de estratégias de memorização. O que
contraria a proposta da Escola da Ponte, pois o objetivo da mesma é partilhar do mesmo
mundo, onde todos se ajudam e não há rivalidade.
Na abordagem humanista se engrandece as relações interpessoais, nela o docente deve se
apropriar de uma conduta empática, mas sem interromper no processo de desenvolvimento
do aluno. Rubens Alves ao mencionar a escola nos oportuniza um conjunto de informações
que nos faz refletir sobre a probabilidade dessa proposta de forma concreta. Os projetos são
produtos de suas curiosidades, onde eles definem como auxiliar aqueles que precisam, não
constitui regras a seguir, mas um processo de vir a ser, onde se torna um sujeito ativo do
conhecimento.
Segundo Freud, em suas alegações, nos mostra os limites da ação pedagógica entre proibir e
permitir que o aluno pratique de seus desejos, por conta da complexidade da psique
humana, entre outos pontos como: os obstáculos interiores ao processo de
amadurecimento, o conflito entre o desejo individual e as exigências e obrigações da vida da
comunidade. Dessa maneira a escola da Ponte acompanha uma linha pedagógica em que o
proibir e o permitir são determinados pelos próprios estudantes por meio da Assembléia de
alunos, que é uma ação que reúne todos os alunos, onde são debatidos, averiguados e
votados os direitos e deveres que declaram fundamentais para o andamento da escola.
Partindo da teoria construtivista o conhecimento é formado da discussão da interação
sujeito-objeto, de sua atitude e levantamento de teorias , sendo um procedimento
A escola que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir.
Rubens Alves
Introdução
Neste trabalho será feita uma análise sobre as abordagens tradicional,
comportamental,humanista,psicanalítica, histórico cultural,construtivista,
sistêmica,emocional e Inteligências múltiplas associando com livro "A escola que sempre
sonhei sem imaginar que pudesse existir" de Rubens Alves.
O livro "A escola que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir" menciona a
experiência transformadora da Escola da Ponte. Rubens Alves se encanta com o projeto da
escola da ponte em Portugal, a escola que sempre sonhou sem imaginar que pudesse existir,
o autor se opõe com a escola tradicional, pois seus métodos são diferenciados. Nessa escola
em Portugal, não se encontra salas de aula com o professor sendo o único transmissor de
conhecimento e turmas seriadas. Alunos e professores formam pequenos grupos e escolhem
um assunto incomum, as pesquisas são feitas com auxilio da internet e de bibliografias
durante 2 (duas) semanas, depois desse período, o grupo se reuni novamente e é feita uma
avaliação. Na escola a avaliação não se destaca, embora estejam presentes,durante esse
processo os professores buscam forma de melhorias para aqueles alunos que não
conseguiram alcançar os objetivos propostos. Entretanto o projeto tem sua centralidade no
aluno.Portanto associar com o livro as abordagens: tradicional, comportamental, humanista,
psicanalítica,histórico-cultural,construtivista,sistêmica,emocional e Inteligências múltiplas.
De inicio percebemos que a escola da ponte fragmenta-se com os modelos tradicionais de
ensino-aprendizagem, em que o sistema é centrado na autoridade do docente ou no
currículo pré-estabelecido, na qual não se pode se distanciar. A narração do autor sobre a
Escola da Ponte exprime que as orientações pedagógicas seguidas por ele é totalmente
contraria ao que se prega na abordagem tradicional.
Como podemos analisar a escola, é um ambiente compartilhado por todos.Não existe
campanhia, separação de turmas e sem currículo formal a ser seguido o que vai de encontro
o que sugeri a abordagem comportamental. Em que a concepção principal é o
estabelecimento de comportamento padrões através de instrumentos reforçadores.
Entende-se que nessa abordagem que reproduzir e controlar eventos constantes desenvolve
hábitos em que o conhecimento é mantido através de estratégias de memorização. O que
contraria a proposta da Escola da Ponte, pois o objetivo da mesma é partilhar do mesmo
mundo, onde todos se ajudam e não há rivalidade.
Na abordagem humanista se engrandece as relações interpessoais, nela o docente deve se
apropriar de uma conduta empática, mas sem interromper no processo de desenvolvimento
do aluno. Rubens Alves ao mencionar a escola nos oportuniza um conjunto de informações
que nos faz refletir sobre a probabilidade dessa proposta de forma concreta. Os projetos são
produtos de suas curiosidades, onde eles definem como auxiliar aqueles que precisam, não
constitui regras a seguir, mas um processo de vir a ser, onde se torna um sujeito ativo do
conhecimento.
Segundo Freud, em suas alegações, nos mostra os limites da ação pedagogica entre proibir e
permitir que o aluno pratique de seus desejos, por conta da complexidade da psique
humana, entre outos pontos como: os obstaculos interiores ao processo de
amadurecimento, o conflito entre o desejo individual e as exigencias e obrigações da vida da
comunidade. Dessa maneira a escola da Ponte acompanha uma linha pedagógica em que o
proibir e o permitir são determinados pelos próprios estudantes por meio da Assembléia de
alunos, que é uma ação que reúne todos os alunos, onde são debatidos, averiguados e
votados os direitos e deveres que declaram fundamentais para o andamento da escola.
Partindo da teoria construtivista o conhecimento é formado da discussão da interação
sujeito-objeto, de sua atitude e levantamento de teorias , sendo um procedimento múltuo
em que a naturalidade tem uma função significativa. Para Piaget, as crianças são as próprias
construtoras ativas do pesamento, constantemente elaborando e experimentando suas
teorias sobre o mundo, dessa forma a Escola da Ponte propcia aos alunos um lugar onde eles
possam de forma natural desenvonver o conhecimento.Os alunos não estão classificados,
agrupados ou fragmentado por classes nem por séries , eles apenas formam grupos
heterogêneos.
Segundo Gardner todos os seres humanos nascem com o petencial das várias inteligencias ,
sendo elas: inteligencia verbal ou linguistica, inteligencia lógico-matemático, inteligência
sistemática...Entre outras.
A Escola da Ponte busca em seu ambiente e sua estrutura oportuniza os alunos a
engrandecer e aprimorar ao máximo as inteligências múltiplas,pois seu ambiente é livre e
não existem salas e sim espaço de trabalho. Portanto , a Escola da Ponte propicia situações
de aprendizagem para o desenvolvimento de todas as inteligências, a fim de que o aluno
consiga conquistar seus objetivos profissionais e de lazer a partir do seu
A escola que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir.
Rubens Alves
Introdução
Neste trabalho será feita uma análise sobre as abordagens tradicional,
comportamental,humanista,psicanalítica, histórico cultural,construtivista,
sistêmica,emocional e Inteligências múltiplas associando com livro "A escola que sempre
sonhei sem imaginar que pudesse existir" de Rubens Alves.
O livro "A escola que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir" menciona a
experiência transformadora da Escola da Ponte. Rubens Alves se encanta com o projeto da
escola da ponte em Portugal, a escola que sempre sonhou sem imaginar que pudesse existir,
o autor se opõe com a escola tradicional, pois seus métodos são diferenciados. Nessa escola
em Portugal, não se encontra salas de aula com o professor sendo o único transmissor de
conhecimento e turmas seriadas. Alunos e professores formam pequenos grupos e escolhem
um assunto incomum, as pesquisas são feitas com auxilio da internet e de bibliografias
durante 2 (duas) semanas, depois desse período, o grupo se reuni novamente e é feita uma
avaliação. Na escola a avaliação não se destaca, embora estejam presentes,durante esse
processo os professores buscam forma de melhorias para aqueles alunos que não
conseguiram alcançar os objetivos propostos. Entretanto o projeto tem sua centralidade no
aluno.Portanto associar com o livro as abordagens: tradicional, comportamental, humanista,
psicanalítica,histórico-cultural,construtivista,sistêmica,emocional e Inteligências múltiplas.
De inicio percebemos que a escola da ponte fragmenta-se com os modelos tradicionais de
ensino-aprendizagem, em que o sistema é centrado na autoridade do docente ou no
currículo pré-estabelecido, na qual não se pode se distanciar. A narração do autor sobre a
Escola da Ponte exprime que as orientações pedagógicas seguidas por ele é totalmente
contraria ao que se prega na abordagem tradicional.
Como podemos analisar a escola, é um ambiente compartilhado por todos.Não existe
campanhia, separação de turmas e sem currículo formal a ser seguido o que vai de encontro
o que sugeri a abordagem comportamental. Em que a concepção principal é o
estabelecimento de comportamento padrões através de instrumentos reforçadores.
Entende-se que nessa abordagem que reproduzir e controlar eventos constantes desenvolve
hábitos em que o conhecimento é mantido através de estratégias de memorização. O que
contraria a proposta da Escola da Ponte, pois o objetivo da mesma é partilhar do mesmo
mundo, onde todos se ajudam e não há rivalidade.
Na abordagem humanista se engrandece as relações interpessoais, nela o docente deve se
apropriar de uma conduta empática, mas sem interromper no processo de desenvolvimento
do aluno. Rubens Alves ao mencionar a escola nos oportuniza um conjunto de informações
que nos faz refletir sobre a probabilidade dessa proposta de forma concreta. Os projetos são
produtos de suas curiosidades, onde eles definem como auxiliar aqueles que precisam, não
constitui regras a seguir, mas um processo de vir a ser, onde se torna um sujeito ativo do
conhecimento.
Segundo Freud, em suas alegações, nos mostra os limites da ação pedagógica entre proibir e
permitir que o aluno pratique de seus desejos, por conta da complexidade da psique
humana, entre outros pontos como: os obstáculos interiores ao processo de
amadurecimento, o conflito entre o desejo individual e as exigências e obrigações da vida da
comunidade. Dessa maneira a escola da Ponte acompanha uma linha pedagógica em que o
proibir e o permitir são determinados pelos próprios estudantes por meio da Assembléia de
alunos, que é uma ação que reúne todos os alunos, onde são debatidos, averiguados e
votados os direitos e deveres que declaram fundamentais para o andamento da escola.
Partindo da teoria construtivista o conhecimento é formado da discussão da interação
sujeito-objeto, de sua atitude e levantamento de teorias , sendo um procedimento mútuo
em que a naturalidade tem uma função significativa. Para Piaget, as crianças são as próprias
construtoras ativas do pesamento, constantemente elaborando e experimentando suas
teorias sobre o mundo, dessa forma a Escola da Ponte propícia aos alunos um lugar onde
eles possam de forma natural desenvolver o conhecimento.Os alunos não estão
classificados, agrupados ou fragmentado por classes nem por séries , eles apenas formam
grupos heterogêneos.
Segundo Gardner todos os seres humanos nascem com o potencial das várias inteligencias ,
sendo elas: inteligencia verbal ou linguística, inteligencia lógico-matemático, inteligência
sistemática...Entre outras.
A Escola da Ponte busca em seu ambiente e sua estrutura oportuniza os alunos a
engrandecer e aprimorar ao máximo as inteligências múltiplas,pois seu ambiente é livre e
não existem salas e sim espaço de trabalho. Portanto , a Escola da Ponte propicia situações
de aprendizagem para o desenvolvimento de todas as inteligências, a fim de que o aluno
consiga conquistar seus objetivos profissionais e de lazer a partir do seu espectro particular
de inteligência.

particular de inteligência.

em que a naturalidade tem uma função significativa. Para Piaget, as crianças são as próprias
construtoras ativas do pesamento, constantemente elaborando e experimentando suas
teorias sobre o mundo, dessa forma a Escola da Ponte propícia aos alunos um lugar onde
eles possam de forma natural desenvolver o conhecimento.Os alunos não estão
classificados, agrupados ou fragmentado por classes nem por séries , eles apenas formam
grupos heterogêneos.
Segundo Gardner todos os seres humanos nascem com o petencial das várias inteligencias ,
sendo elas: inteligencia verbal ou linguística, inteligencia lógico-matemático, inteligência
sistemática...Entre outras.
A Escola da Ponte busca em seu ambiente e sua estrutura oportuniza os alunos a
engrandecer e aprimorar ao máximo as inteligências múltiplas,pois seu ambiente é livre e
não existem salas e sim espaço de trabalho. Portanto , a Escola da Ponte propicia situações
de aprendizagem para o desenvolvimento de todas as inteligências, a fim de que o aluno
consiga conquistar seus objetivos profissionais e de lazer a partir do seu aspecto particular
de inteligência.

ABORDAGEM PSICANALISTICA:

Segundo Freud, em suas alegações, nos mostra os limites da ação pedagogica

entre proibir e permitir que o aluno pratique de seus desejos, por conta da complexidade

da psique humana, entre outos pontos como: os obstaculos interiores ao processo de

amadurecimento, o conflito entre o desejo individual e as exigencias e obrigações da vida

da comunidade. Dessa maneira a escola da Ponte acompanha uma linha pedagogica em

que o proibir e o permitir são determinados pelos próprios estudantes por meio da

Assembleia de Alunos, que é uma ação que reúne todos os alunos, onde são debatidos,

averiguados e votados os direitos e deveres que declaram fundamentais para o

andamento da escola.

ABORDAGEM CONSTRUTUVISTA

Segundo a teoria construtivista o conhecimento é efeito da dialética da interação

sujeito-objeto, de sua ação e levantamento de hipoteses, sendo um procedimento

interativo em que a espontaneidade tem um papel significativo. Para Piagel, as crianças

são as proprias construtoras ativas do pesamento, constantemente elaborado e

experimentando suas teorias sobre o mundo, dessa forma a Escola da Ponte propcia aos

alunos um ambiente onde eles possam de forma estando classificados, reunidos ou

divididos por classes nem por anos de escolaridade que, não existem, eles apenas

formam grupos heterogeneos

ABORDAGEM INTELIGENCIAS MULTIPLAS

Segundo Gardner todos os seres humanos nascem com o petencial das

várias inteligencias , sendo elas: inteligencia verbal ou linguistica, inteligencia

lógico-matemático, inteligencia sistemática...Entre outras.


A Escola da Ponte busca em seu ambiente e sua estrutura propiciar os alunos a

ampliar e melhorar ao máximo as inteligencias múltiplas,pois seu ambiente é livre e não

existem salas e sim areas de trabalho. Alem disso, a Escola da Ponte auxilia situações

de aprendizagem para o desenvolvimento de todas as inteligencias, a fim de que o aluno

possa culminar seus objetivos profissionais e de lazer a partir do seu aspectro particular

de inteligencia, como Gardner afirmou que deveria ser.