Você está na página 1de 44

Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

CONSTRUÇÃO CIVIL II
ENG 2333 (2016/1)

Aula 05 – Revestimentos Argamassados de Paredes

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

ARGAMASSA

 NBR 13281:

 Mistura homogênea de agregados miúdos,


aglomerantes inorgânicos e água, contendo ou
não aditivos químicos, com propriedades de
aderência e endurecimento, podendo ser
dosada em obra ou em instalação própria.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

ARGAMASSA DE REVESTIMENTO
 Utilizada para revestir paredes, muros e tetos,
os quais, geralmente, recebem acabamentos
como pintura, revestimentos cerâmicos,
laminados, etc.
 Camadas:
 Chapisco
 Emboço
 Reboco
 Camada única
 Revestimento monocamada decorativo

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

ARGAMASSA DE REVESTIMENTO

 Propriedades:

 Plasticidade: Deformar-se
e manter a forma depois de
seca;
 Fluidez: Envolver a base;
 Retenção de água: Manter
a trabalhabilidade por um
intervalo de tempo.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO ARGAMASSADO
 Funções:
 Regularizar as superfícies de paredes (e também de
tetos, muros e fachadas), resguardando-as das
intempéries e do desgaste de maneira geral.
 Auxiliar na função termo-acústica das vedações.

 Qualidades essenciais:
 Resistência ao choque e a esforços de abrasão;
 Durabilidade
 Impermeabilidade, quando necessária.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO ARGAMASSADO
 Funções:
Não é função do revestimento
 Regularizar as superfíciesdissimular
argamassado de paredes (e também de
tetos, muros e fachadas),
imperfeições resguardando-as
grosseiras da base. das
intempéries e do desgaste de maneira geral.
 Auxiliar na função termo-acústica das vedações.

Na prática, isto ocorre com freqüência, devido à falta de


 Qualidades essenciais:
cuidado na execução da estrutura e da alvenaria, que ficam
desaprumadas e desalinhadas. Com isso, é necessário
 Resistência ao choque e a esforços de abrasão;
“esconder na massa” as imperfeições, o que compromete o
 Durabilidade
cumprimento adequado das reais funções do revestimento.
 Impermeabilidade, quando necessária.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

O PROBLEMA EM GOIÁS

Figura 1 - Distribuição das manifestações patológicas nas edificações de Goiás


(BRANDÃO, 2007).

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

LIMITES NORMATIZADOS
 Espessuras admissíveis

 Fonte: ABNT NBR 13.749 - Revestimento de paredes e tetos


de argamassas inorgânicas – Especificação (2013).

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

LIMITES NORMATIZADOS
 Resistência de aderência

 Fonte: ABNT NBR 13.749 - Revestimento de paredes e tetos


de argamassas inorgânicas – Especificação (2013).

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES
 Chapisco:
 Camada fina de preparo da
base (e = 5mm)
 Argamassa forte de cimento
e areia grossa lavada
(geralmente, traço 1:3)
 Aplicada de forma contínua
ou descontínua,
 Finalidades:
• Uniformizar a superfície
quanto à absorção;
• Melhorar a aderência do
revestimento posterior.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES
 Chapisco:

Desempenado

Tradicional Rolado

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES
 Emboço:
 Camada de revestimento executada para cobrir
e regularizar a base, propiciando uma superfície
que permita receber outra camada, de reboco ou
de revestimento decorativo (por exemplo,
cerâmica).
 Espessura de 1 a 2 cm, de acabamento áspero;
 Aplicado somente após o endurecimento total do
chapisco e com as tubulações de instalações
elétricas e hidráulicas, de esgoto, gás, etc., já
embutidas nas paredes;

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES
 Emboço:
 Camada de revestimento executada para cobrir
e regularizar a base, propiciando- Trabalhabilidade;
uma superfície
que permita receber outra camada, de reboco ou
- Baixa retração
de revestimento decorativo (por na
exemplo,
secagem;
cerâmica).
- Resistência
 Espessura de 1 a 2 cm, de acabamento
mecânica;áspero;

 Aplicado somente após o endurecimento


- Elasticidade
total do
chapisco e com as tubulações de adequada;
instalações
elétricas e hidráulicas, de esgoto, gás, etc., já
- Aderência
embutidas nas paredes; suficiente à base.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES

 Emboço:
 Técnica de aplicação:
• Taliscamento;
• Execução das “mestras”, faixas-guias de
argamassa que definem um plano;
• Espalhamento da argamassa com colher;
• Regularização com régua (sarrafo) e, em alguns
casos, com desempenadeira, seguindo o
alinhamento das mestras;

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES
 Emboço:
 1. Taliscamento

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES
 Emboço:
 2. Mestras

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES
 Emboço:
 3.Sarrafeamento / Desempenamento

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES
 Emboço:

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES
 Reboco:
 Camada de revestimento utilizada para cobrimento
do emboço, propiciando uma superfície que permita
receber o revestimento decorativo (por exemplo,
pintura) ou que se constitua no acabamento final;
 Utiliza areia fina (DMC máximo 0,6 mm);
 É aplicado após o endurecimento do emboço
(mínimo de 7 dias), com menor espessura (0,5 cm)
e acabamento mais liso;
 Deve ser executado depois de peitoris e guarnições
de portas e janelas, mas antes da instalação de
rodapés e alisares.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES
 Reboco:
 Camada de revestimento utilizada para cobrimento
do emboço, propiciando uma superfície que permita
receber o revestimento decorativo (por exemplo,
pintura) ou que se constitua no acabamento final;
 Utiliza areia fina (DMC máximo 0,6 mm);
 É aplicado após o endurecimento do emboço
(mínimo de 7 dias), com menor espessura (0,5 cm)
e acabamento mais liso; OBS.: Pode ter acabamento
camurçado (em que se utiliza,
 Deve ser executado depois
alémde da peitoris e guarnições
desempenadeira, feltro
de portas e janelas, mas antes da instalação
ou espuma, de
alisando mais
rodapés e alisares. finamente o revestimento).

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES
 Camada única /
Reboco paulista:
 Aplicado em
uma só camada
sobre a
alvenaria (com
ou sem
chapisco,
conforme a
rugosidade da
base).

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES
 Camada única / Reboco paulista:
 Em geral, é a tecnologia mais usada no Brasil
hoje, principalmente pela economia de tempo.

No entanto, nas paredes que serão revestidas


com cerâmica, o acabamento do revestimento
argamassado não precisa ser fino, já que ele
será coberto. Por isso, nestes casos, utiliza-se
o emboço, feito com argamassa mais barata
do que o reboco paulista.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REVESTIMENTO DE PAREDES
 Acabamentos:

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

ACABAMENTOS
 Grosso (sarrafeado):
 Para revestimentos em que a espessura global seja maior
que 5 cm (com cerâmica, por exemplo)
 Superfície regular e compacta (não muito lisa)
 Fino (desempenado):
 Base para massa corrida acrílica e posterior pintura
 Textura final homogênea, lisa e compacta
 Desempeno com madeira, seguido de desempeno com aço.
 Extra-fino (feltrado ou acamurçado):
 Base para pintura aplicada diretamente sobre a argamassa
 Textura final homogênea, lisa e sem imperfeições visíveis
 Desempeno com madeira, seguido de desempeno com feltro
ou espuma (densidade de 26 ou 28).

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA
PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

 Condições para início:


 A alvenaria deve estar concluída e fixada
(encunhada) há pelo menos 15 dias;
 Os peitoris, marcos e contra-marcos precisam
estar chumbados;
 Todas as instalações embutidas na alvenaria
devem estar passadas;
 As instalações hidráulicas embutidas na
alvenaria devem estar preferencialmente
testadas.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

 Preparação da base:
 Remover sujeiras ou incrustações, como óleos,
desmoldantes, pregos, arames, etc.
 Preencher os vazios provenientes de rasgos,
quebra parcial de blocos (por acidente),
depressões localizadas (de pequenas
dimensões) e outros defeitos com argamassa de
mesmo traço da que será utilizada no
revestimento.
• Em caso de rasgos maiores para embutimento de
instalações, é preciso colocar tela de aço zincada
fio 1,65 mm malha 15 mm x 15 mm ou similar.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

 Chapisco:
 Antes do início: Molhar a superfície da parede com
broxa, para que não ocorra absorção excessiva de
água da argamassa;
 Chapiscar a superfície com a argamassa fluida de
cimento e areia, no traço 1:3, com ou sem aditivo
adesivo (que é adicionado à água de amassamento,
na proporção indicada pelo fabricante).
 Tempo mínimo para a cura do chapisco: Em geral,
três dias (deve-se aguardar antes de iniciar a
segunda camada do revestimento).

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

 Chapisco:
 A argamassa tem de ser projetada energicamente,
de baixo para cima, contra o substrato.
 O revestimento em chapisco deve ser feito tanto
nas superfícies verticais da estrutura do concreto
como nas de alvenaria.
 A espessura máxima do chapisco é de 0,5 cm.
 Como alternativa ao chapisco tradicional, pode ser
aplicado chapisco rolado ou projetado (com
argamassa específica) ou com desempenadeira
dentada (chapisco industrializado).

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

 Preparo da argamassa – Reboco paulista:


 Molhar o masseiro onde será virada a argamassa;
 Adicionar cerca de 8 litros de água limpa para cada
saco de 40 kg de massa industrializada (ou outra
proporção, atendendo às recomendações do
fabricante);
 Misturar bem até conseguir uma argamassa
homogênea e pastosa;
 Deixar a argamassa em repouso por 10 min ou por
tempo definido pelo fabricante;
 Remisturar a argamassa sem adicionar água.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

 Preparo da argamassa –
Reboco paulista:
 Argamassa com boa
trabalhabilidade é aquela que
se mantém coesa ao ser
transportada, mas não adere à
colher de pedreiro ao ser
projetada!
 A espessura do revestimento
deve ser entre 1,5 cm e 2,5 cm.
• Acima de 2,5 cm, a aplicação
tem de ser feita em duas
camadas.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO


 Inicialmente, é preciso
identificar os pontos de maior e
menor espessura utilizando
esquadro e prumo.
 Depois, assentar, com a mesma
argamassa a ser utilizada no
revestimento, as taliscas de
cerâmica, de preferência nos
pontos de menor espessura.
 Transferir o plano definido por
essas taliscas para o restante
do ambiente, assentando então
as demais.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

 Taliscamento:

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

 Executar as mestras entre as taliscas verticais e


aplicar a argamassa de revestimento em
chapadas, espalhando-a até a espessura
necessária e comprimindo-a fortemente com a
colher de pedreiro.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

 Executar as mestras entre as taliscas verticais e


aplicar a argamassa de revestimento em
chapadas, espalhando-a até a espessura
necessária e comprimindo-a fortemente com a
colher de pedreiro.
A aplicação da argamassa
sobre a superfície deve
ser feita por projeção
enérgica do material
sobre a base, de forma
manual ou mecânica
(argamassa projetada).

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

 Após ser aplicada a argamassa, segue a


atividade do sarrafeamento, que consiste no
aplainamento da superfície revestida, utilizando
uma régua de alumínio apoiada nos referenciais
de espessura (mestras), descrevendo um
movimento de vaivém de baixo para cima.
 Concluída essa etapa, as taliscas devem ser
retiradas e os espaços deixados por elas,
preenchidos com a argamassa de revestimento.
 Depois de um intervalo de tempo adequado, é
dado o acabamento ao revestimento.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

 Acabamento:
 Desempeno: Movimentação circular de uma
desempenadeira sobre a superfície do revestimento,
imprimindo-se certa pressão. Essa operação pode
exigir a aspersão de água sobre a superfície.
 Camurçamento: Fricção da superfície do revestimento
com um pedaço de esponja ou uma desempenadeira
com espuma, através de movimentos circulares.
Proporciona textura mais lisa e regular para as
superfícies.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

 As juntas de dilatação têm de ser executadas


logo após o desempeno da superfície.
 Deve-se fazer a marcação das juntas com auxílio de
nível de mangueira e, em seguida, realizar o risco do
revestimento com um frisador.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PAULISTA - PROCEDIMENTO

 Reforços com tela de aço zincada devem ser


colocados nos encontros da alvenaria com a
estrutura (excluindo-se os casos de alvenaria
estrutural).
 A tela é chumbada no substrato (alvenaria e estrutura)
com pinos ou grampos.
 É recomendável o uso sob a tela, de fita de polietileno
com largura de 7,5 cm recobrindo o encontro da
alvenaria com a estrutura.
 Utilizar tela metálica na parede toda onde o
revestimento tiver espessura superior a 3 cm.

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio


Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PROJETADO

 A projeção mecanizada
de argamassas permite a
execução de chapisco e
a aplicação do emboço
ou do reboco paulista.
 Mais agilidade na
produção dos
revestimentos verticais;
 Redução de mão-de-obra
e de desperdícios;
 Maior uniformidade de
características do produto
final.
Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio
Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PROJETADO

 A projeção mecanizada
de argamassas permite a
OBS.: A otimização
execução de chapiscodo e
processo só é
a aplicação
conseguidado emboço
se houver
ou doracionalização
reboco paulista.
dos
outros subsistemas do
 Mais agilidade na
edifício, principalmente
produção
alvenarias dos
e estruturas
revestimentos
de concreto.verticais;
 Redução de mão-de-obra
e de Ex.: Projeção
desperdícios;
mecanizada feita em
 Maior
uma uniformidade
alvenaria sem de
características
prumo?? do produto
final.
Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio
Pontifícia Universidade Católica de Goiás – Engenharia Civil CONSTRUÇÃO CIVIL II

REBOCO PROJETADO
 Dois tipos de bomba:
 Helicoidal (rosca sem fim que expele a argamassa)
 Pistão (mecanismo pneumático)

Prof. Msc. Mayara Queiroz Moraes Custódio