Você está na página 1de 3

Tradutor Desativar tradução instantânea

al cosmos como desencantado y desprovisto de sentido–, la o cosmos como desencantados e desprovida de significado,
metafísica del cosmos propia de la visión judeo- cristiana e islámica metafísica próprio cosmos de Christian judaico-islâmica e visão
subraya la trascendencia de Dios respecto del cosmos y la enfatiza a transcendência de Deus com respeito ao cosmos ea
dependencia de este último respecto de Dios. Esta doble dependência deste último sobre Deus. Esta dupla característica é
característica se refleja en tres notas teológicas: monoteísmo, refletida em três notas teológicas: o monoteísmo, a visão de Deus
visión de Dios como Creador y del cosmos como creado, como Criador e do cosmo como concepção pessoal criada de Deus
concepción personal de Dios (Inteligencia, Voluntad, Amor). (Inteligência, Vontade, Amor).

El monoteísmo no sólo significa que Dios es uno y no muchos, O monoteísmo não significa apenas que Deus é um e não muitos,
como si fuera una mera cuestión numérica, sino que es único y que como se fosse uma mera questão numérica, mas é único e que nada
nada del universo puede divinizarse o identificarse con la Divinidad, no universo pode ser divinizado ou identificado com o Divino, nem
ni ser considerado como una parte o una fase temporal de Dios. ser considerado uma parte ou uma fase temporal de Deus. . Deus
Dios no se identifica tampoco con la razón humana, ni con la não se identifica com a razão humana, nem com a história nem com
historia, ni con la naturaleza. Dios no es nada del mundo. Lo a natureza. Deus não é nada do mundo. O oposto é considerado
contrario es considerado idolatría. idolatria.

El carácter creador de Dios implica que el cosmos depende como O caráter criativo de Deus implica que o cosmo depende como um
un todo de un Dios trascendente que con absoluta libertad, pero todo de um Deus transcendente que, com absoluta liberdade, mas
también con sabiduría, le ha otorgado su ser o existencia, en su também com sabedoria, lhe concedeu seu ser ou existência, em sua
variedad y multiplicidad. La relación de dependencia ontológica es variedade e multiplicidade. A relação de dependência ontológica é
permanente y siempre en acto, no un inicio temporal. Implica permanente e sempre em ato, não um começo temporário. Também
también que las leyes cósmicas, estructurales y evolutivas, son implica que as leis cósmicas, estruturais e evolutivas são
establecidas por Dios con su sabiduría y omnipotencia. El universo estabelecidas por Deus com sua sabedoria e onipotência. O universo
creado se muestra así como esencialmente contingente, es decir, criado é, portanto, mostrado como essencialmente contingente, isto
como no absolutamente necesario ni en su existencia ni en su é, como não absolutamente necessário nem em sua existência nem
estructura. Las necesidades intracósmicas surgen presuponiendo la em sua estrutura. As necessidades intracósmicas surgem
existencia del cosmos creado. pressupondo a existência do cosmo criado.

La visión de Dios como ser personal indica que el principio radical A visão de Deus como um ser pessoal indica que o princípio radical
del universo no es una ley matemática, ni una energía física infinita, do universo não é uma lei matemática, nem uma energia física
sino una realidad que, aunque no la podamos comprender a fondo, infinita, mas uma realidade que, embora não possamos entendê-la
se parece mucho más a las personas humanas, con su inteligencia, completamente, é muito mais semelhante às pessoas humanas, com
libertad, capacidad de amar y de tomar decisiones, que a las cosas sua inteligência, liberdade, capacidade de amar e tomar decisões, de
naturales subhumanas. Este carácter personal implica una especial coisas naturais subumanas. Esse caráter pessoal implica uma
relación de Dios Creador con las personas humanas, con sus relação especial de Deus criador com pessoas humanas, com suas
experiencias morales y con sus problemas existenciales como el experiências morais e com seus problemas existenciais como o mal,
mal, la muerte y la injusticia, puntos que se afrontan no sólo con la a morte e a injustiça, pontos que são enfrentados não só com a
teología especulativa, sino con la relación religiosa del ser humano teologia especulativa, mas também com a relação religiosa. do ser
con respecto a Dios. humano em relação a Deus.

Lo que acabamos de indicar pertenece al ámbito de la teología de Eu apenas indicado pertence ao reino da teologia da fé religiosa
la fe religiosa (Sayés 2002), pero puede también razonarse de (Sayes 2002), mas também pode ser fundamentado de alguma forma
alguna manera en el plano de la metafísica del universo y de este no plano da metafísica do universo e, assim, estar relacionada a
modo ponerse en relación con problemáticas surgidas con ocasión problemas que surgiram durante as cosmologias estudos científicos
de las cosmologías científicas (Tanzella-Nitti 2002a). (Tanzella-Nitti 2002a). Assim, pressupomos uma imagem de
Presuponemos así un cuadro de interacciones positivas y interações positivas e enriquecedoras entre a teologia da criação, a
enriquecedoras entre la teología de la creación, la cosmología cosmologia filosófica e a cosmologia científica.
filosófica y la cosmología científica.
5.3. O caminho cosmológico para Deus e o significado do universo
5.3. La vía cosmológica hacia Dios y el sentido del universo ↑
A contemplação do universo e da natureza como um todo ordenado
La contemplación del universo y de la naturaleza como un todo e contingente é o caminho comum
ordenado y contingente es el camino ordinario -Embora não exclusivo- que a razão humana tem que alcançar o
–aunque no exclusivo– que la razón humana tiene para llegar al conhecimento de Deus. As argumentações tradicionais da existência
conocimiento de Dios. Las tradicionales argumentaciones de la de Deus, tais como os famosos caminhos de Tomás de Aquino, que
existencia de Dios, como las famosas vías de Tomás de Aquino, refletem muitas tradições anteriores da filosofia (Summa Theologiae,
que recogen muchas tradiciones anteriores de la filosofía (Summa I, q.2, a.3), são principalmente cosmológicas.
Theologiae, I, q. 2, a. 3), son principalmente cosmológicas.
Assim como a razão humana, ao considerar os fenômenos sensíveis
Así como la razón humana, al considerar los fenómenos sensibles imediatos, é questionada por suas causas ocultas à visão sensível,
inmediatos, se interroga por sus causas escondidas a la visión mas real e operativa, parece lógico questionar também a causa do
sensible, pero reales y operantes, parece lógico también universo em sua unidade, inteligibilidade, ordem e existência
interrogarse por la causa del universo en su unidad, inteligibilidad, contingente. Esta questão não se refere a processos concretos e
orden y existencia contingente. Esta pregunta no se refiere a setoriais do cosmos ou a sua evolução temporal, nem a questões
procesos concretos y sectoriales del cosmos o de su evolución específicas que a cosmologia científica, no plano físico em que
temporal, ni a cuestiones específicas que la cosmología científica, opera, não é capaz de resolver no estado atual das ciências. A
en el plano físico en que opera, no es capaz de resolver en el questão sobre o princípio ou causa radical da existência do universo,
estado actual de las ciencias. La cuestión acerca del principio o com todas as suas leis e contando com seus estágios evolutivos, é
causa radical de la existencia del universo, con todas sus leyes y colocada em uma perspectiva metafísica (Sanguineti 1994, 411-417,
contando con sus estadios evolutivos, se coloca en una perspectiva Carroll 2005). Isto supõe ser interrogado pelo próprio princípio do ser
, p p ) p g p p p p p
metafísica (Sanguineti 1994, 411-417; Carroll 2005). Esto supone
4440/5000 físico, em sua ordem e poderes causais.
i t l i i i i d l fí i d
Esta questão acaba por nascer da contingência ontológica radical do
universo. Isto tem muitas manifestações, tais como temporalidade e
evolução, suas flutuações, a própria limitação do espaço-tempo (se
compararmos com a inteligência humana, que em vez disso ganha
espaço e tempo) (Soler Gil 2005, 223-250). Hanby 2013, 334-405).
Por outro lado, pode ser facilmente entendido que a física nunca