Você está na página 1de 46

A escola de

Chicago -
Louis Sullivan
Contextualização:
Chicago e o grande incêndio
• Data: Em 8 de outubro de 1871.
• Possíveis causas: Até hoje não se tem certeza absoluta de como
tudo começou, mas a versão mais conhecida e divulgada dá conta
de que o incêndio teria começado numa fazenda, onde uma vaca
teria derrubado um lampião a querosene no estábulo,
desencadeando o fogo pela cidade, que seria apagado apenas
dois dias depois.

• O incêndio: Durante este período de tempo e até que nuvens


despejassem uma intensa chuva sobre a cidade, que já era a
quarta maior do país, o fogo havia ficado fora de controle. Os
bombeiros apenas puderam proteger outras partes da cidade
contra as chamas e aguardar a chuva, que finalmente apagou o
incêndio.
• O clima: No verão de 1871, uma estação de seca fora do
comum e extremamente acentuada, com apenas 25% da
precipitação normal do período, criou-se o cenário propício
para um grande incêndio. Mesmo antes disso já haviam sido
registrados inúmeros pequenos incêndios na cidade. No dia
anterior à grande tragédia, inclusive, os bombeiros tinham
combatido com êxito um incêndio de grandes proporções em
quatro quarteirões.

• Saldo da tragédia: 300 mortos, 100 mil desabrigados e 200


milhões de dólares de prejuízo, tudo isso espalhado por uma
área de aproximadamente 8km² de destruição.
• A reconstrução: Na semana seguinte já começavam os trabalhos
de reconstrução da metrópole. Chicago atraiu muitos
engenheiros e arquitetos de renome, que queriam participar do
processo de reconstrução. Frank Lloyd Wright foi um destes
arquitetos. Um detalhado plano de planejamento urbano foi
criado e implantado e hoje a engenharia e a arquitetura da
cidade são conhecidas mundialmente.

Menos de um ano depois


do grande incêndio,
estava pronta a nova
Chicago.
• Essa reformulação urbana transforma a cidade numa grande
metrópole com edifícios para escritórios, grandes magazines,
hotéis, adotando novas tecnologias construtivas e novos
materiais nos projetos. Uma das inovações é a utilização de
painéis de vidro como sistema de vedação.
A arquitetura que vai surgir
• Na malha quase que inteira a ser construída, explode a
especulação imobiliária.

• A idéia é ocupar o máximo do terreno e da altura.

• A volumetria cúbica toma conta da morfologia e a rigidez formal e


volumétrica, produz edifícios com formas semelhantes que se
diferenciam apenas pelos detalhes das fachadas.

• Na arquitetura, o vidro e a estrutura são o foco de inovação.

• A fachada é o resultado da ‘ossatura’ da construção.


• A arquitetura tem caráter unitário, principalmente no que
diz respeito à utilização do material e adoção de uma nova
linguagem e o surgimento da tipologia conhecida como
arranha-céu.

• As várias indústrias de ferro existentes próximas à cidade


favoreceram, e ampliaram nessa reconstrução.

• O esqueleto de aço com paredes de vidraças contínuas.

• Os elevadores hidráulicos ou elétricos, marcam a nova forma


de projetar.
No pensamento do Movimento Moderno

• A partir dessas tendências, surge uma arquitetura tipo, e é o


momento em que a arquitetura começa a introduzir uma
linguagem nova, com utilização de novos materiais
construtivos e novas tecnologias pioneiras. A Escola de
Chicago marca uma ruptura, baseando-se numa arquitetura
nova, numa nova tipologia, numa arquitetura tipo, mesclada
a um novo sistema estrutural onde a forma segue a função e
é definida pela estrutura.
Contexto histórico do surgimento da Escola de Chicago

• O surgimento da Escola de Chicago está diretamente ligado ao


processo de expansão urbana e crescimento demográfico da
cidade de Chicago no início do século 20, resultado do
acelerado desenvolvimento industrial das metrópoles do Meio-
Oeste norte-americano.

Como decorrência desse processo, Chicago presenciou o


aparecimento de fenômenos sociais urbanos que foram
concebidos como problemas sociais: o crescimento da
criminalidade, da delinquência juvenil, o aparecimento de
gangues de marginais, os bolsões de pobreza e desemprego, a
imigração e, com ela, a formação de várias comunidades
segregadas (os guetos).
• Todos esses problemas sociais (na época se utilizava o termo
"patologia social") se converteram nos principais objetos de
pesquisa para os sociólogos da Escola de Chicago. O mais
importante a destacar é que os estudos dos problemas
sociais estimularam a elaboração de novas teorias e
conceitos sociológicos, além de novos procedimentos
metodológicos.
A QUESTÃO GEOGRÁFICA
Quanto as questões
geográficas, temos a
posição especial de
Chicago, porta de
entrada e maior
entreposto para o
mercado agrícola do
meio oeste, na medida
em que se trata de um
entroncamento da
principal rede
ferroviária e
1 – Chicago 2 – Boston 3 – Nova Iorque 4 – Saint Louis 5 – fluvial. Sua localização
Nova Orleans 6 – Los Angeles 7 – San Francisco 8 – Rio
Mississipi 9 – Rio Missouri. Observe-se a posição central geográfica tornou
da cidade de Chicago, no cruzamento do eixo comercial e Chicago o cenário de
ferroviário Nova Iorque – Los Angeles (2, 3, 1, 6, 7) e do importantes trocas
eixo cultural e hidroviário Nova Orleans – Saint Louis –
Chicago (4, 5, 1, 8, 9). comerciais
A QUESTÃO DEMOGRÁFICA
Com relação às questões demográficas, temos a valorização dos
terrenos devido à rápida evolução da atividade terciária (comércio
e prestação de serviços), o que provoca a concentração e a
elevação em altura. Houve um grande crescimento demográfico.
A QUESTÃO TÉCNICA
Quanto à questões técnicas, temos a evolução da estrutura em
grade de ferro metálica equilibrada com precisão, o uso do
elevador e um aprimoramento geral das técnicas construtivas.
OS PROBLEMAS SOCIAIS
Imigração, crescimento demográfico, delinquência,
criminalidade, conflitos étnicos, seus guetos de diferentes
nacionalidades geradoras de segregação urbana, sua
concentração populacional excessiva e suas condições de vida e
de infra-estrutura precárias, que favoreceram a formulação da
ideia da cidade como problema, que dificulta a articulação de um
pensamento com maior grau de abstração acerca da cidade.
A questão do espaço do indivíduo na grande cidade
Ecologia humana

O conceito de ecologia
humana serviu de base para o
estudo do comportamento
humano, tendo como
referência a posição dos
indivíduos no meio social
urbano. A abordagem
ecológica questiona se o
habitat social (ou seja, o
espaço físico e as relações
sociais) determina ou
influencia o modo e o estilo
de vida dos indivíduos.
• A questão central é saber até que ponto os comportamentos
desviantes (por exemplo, as várias formas de criminalidade) são
produtos do meio social em que o indivíduo está inserido.

• "se um homem define uma situação como real, ela se torna real
em suas consequências” (William I. Thomas) Esta foi a primeira
elaboração do conceito de "definição de situação" como
elemento crucial para a compreensão da sociedade e da ação
social. A Escola de Chicago foi a pioneira no que se refere a tomar
a cidade como seu objeto privilegiado de investigação, distinguiu-
se pela produção de conhecimentos úteis para a solução de
problemas sociais concretos, os quais, a cidade de Chicago
enfrentava.
Escola de Chicago
• A expressão Escola de Chicago, entre 1912 e 1922 refere-se a
escolas e correntes do pensamento de diferentes áreas e épocas
que ficaram conhecidas por serem discutidas e desenvolvidas na
cidade norte-americana de Chicago.

• Por iniciativa de sociólogos americanos, professores do


Departamento de Sociologia da Universidade de Chicago, surgiu
uma série de propostas de pesquisas e certo número de estudos
empíricos que passaram a ser tomados como ponto de partida e
modelos para pesquisadores dos anos seguintes.

• Teve um papel relevante na história da criminologia, ao trazer a


questão da desorganização social, e da ecologia criminal
(arquitetura criminal). Essa escola foi responsável por um estudo
mais detalhado a respeito de fenômenos sociais que ocorriam na
parte urbana das metrópoles, devido ao aumento na imigração
para o Centro e Sul dos Estados Unidos.
Depois de 1922 e se prolongando até 1934, concluiu-se um
conjunto de trabalhos de pesquisa animados pela perspectiva
delineada por aquelas propostas e os primeiros estudos que as
seguiram, utilizando procedimentos, concepções e teorizações
semelhantes. O resultado foi a primeira linha de pesquisa contínua
e consistente levada adiante por um grupo de pesquisadores
motivados por uma orientação comum. Sua produção, por mais de
uma década, centrou-se na sociologia urbana e na sociologia do
imigrante, das relações raciais e da condição do negro na
sociedade americana, mas abrangeu ainda diversos outros temas.

Mário A. Eufrásio, professor, doutor do departamento de sociologia FFLCH- USP


• Campos de atuação da Escola de Chicago:
• Na sociologia, a Escola de Chicago representa um conjunto de
teorias cujo principal tema eram os grandes centros urbanos, pela
primeira vez estudados etnograficamente.
• Na arquitetura e no urbanismo, a Escola de Chicago representa
um conjunto de ideais e pensamentos sobre o futuro das cidades
e do planejamento urbano americanos, desenvolvidos no início
do século XX.
• Na economia, a Escola de Chicago representa uma corrente que
defende o livre-mercado. Seu mais conhecido representante
é Milton Friedman, ganhador do Prêmio Nobel de
Economia em 1976 .
• Na comunicação, a Escola de Chicago representa um conjunto de
estudos referentes a comunicação social, afirmando que
a sociedade é um produto da comunicação, que torna possível o
consenso entre as pessoas. Também expressa que a comunicação
serve, promove ou reprime o conhecimento.
Os incentivos que faltavam:
• A criação do elevador.
Otis inventou um dispositivo de segurança
em 1852 que possibilitou elevadores muito
mais seguros, ao inventar um sistema que
impedia uma eventual queda de elevador,
caso o cabo de suspensão “arrebentasse”.
Para isso acoplou uma mola resistente de aço
preso ao vagão que engrenava com uma
catraca caso a corda que iça o elevador
arrebentasse. Graças ao seu invento as
Elisha Graves Otis cidades seriam capazes de crescer
(3 de Agosto de 1811 -
7 de Abril de 1861)
verticalmente, saltando para o céu, formando
os arranha céus.
Patente de Otis
Elisha Otis impressionou
multidões ao ordenar que
cortassem a única corda que
segurava a plataforma onde
se encontrava com um
machado. A plataforma caiu
algumas polegadas, mas
parou em seguida. O novo
freio de segurança impediu
que o elevador se chocasse
com o chão, revolucionando
toda a indústria. Sr. Otis
vendeu os seus primeiros
elevadores seguros em 1853.

E. G. Otis demonstrando sua


invenção em 1853. Imagem
www.ltmcollection.org
• A solução estrutural
• Foi William Le Baron Jenney que
descobriu a solução estrutural
capaz de suportar cargas e resistir
a incêndios, pelo revestimento de
perfis laminados de aço com
elementos metálicos com
alvenaria de tijolos. Era a
William Le Baron Jenney
chamada “gaiola equilbrada”, na
(25 de Setembro de 1832-1814 qual trocou o ferro fundido, então
junho 1907) solução vigente, pelo ferro
laminado. Graças ao novo sistema,
Jenney pode vencer as limitações
da construção com paredes
portantes, que poderiam chegar a
grandes espessuras.
Detalhe da grade estrutural,
concebida por Le Baron Jenney
para compor a gaiola estrutural.
• A questão do peso na construção

Abobadilha tradicional de tijolos maciços e abobadilha de lajotas


cerâmicas.
Outro engenhoso avanço estrutural seria a substituição das
antigas abobadilhas de tijolos maciços, que pesava cerca de 375
kg/m², por abobadilhas feitas em lajotas cerâmicas, cujo peso
se reduzia para aproximadamente 175 kg/m².

A abóbada é uma cobertura côncava. Caracteriza-se por um teto arqueado, usualmente


constituído por pedras aparelhadas, tijolos ou betão. É um elemento pesado e que gera vários
impulsos, em diversas direções, que devem ser equilibrados ou apoiados. Assim, enquanto que as
forças verticais se distribuem pelas paredes ou pelos arcos e pilares, os impulsos horizontais são
contidos através do uso de contrafortes ou arcobotantes.
Considerado o primeiro edifício
da Escola de Chicago, constituía-
se em um paço anterior à gaiola
de aço, com pilares de ferro
fundido e vigas de madeira. A
grande evolução estética já se
anunciava, com as janelas de piso
a teto.

Edifício Leiter I. William Le Baron Jenney.


Construído em 1879. Demolido em 1972.
A questão do decorativismo O próximo passo seria
desprender-se do
decorativismo historicista
vitoriano. Isso se tornaria lei
no pensamento da
arquitetura moderna:eliminar
completamente os apliques
decorativos, exteriorizar os
elementos estruturais, para
tornar evidente a leveza e a
verticalidade da época
O detalhe é praticamente
inexistente, mas quando
existe, os ornamentos podem
ser do tipo, clássico, gótico,
romanesco, renascentista,
Loja de Departamentos Marshall Field & Co. 1882.
sullivanesco ou “Art
Henry Hobson Richardson. Nouveau”.
Exposição Colombiana de Chicago de 1893. A
Traição de Burnham.

A Escola de Chicago recebe um golpe mortal com a Exposição


Colombiana de 1893, evento que comemorava o quarto centenário
da descoberta da América, ocorrida nesta cidade. Este episódio é
conhecido como a Traição de Burnham. Daniel Burnham, que já
havia assinado importantes edifícios, principalmente associado a
John Root, encarregado de projetar a exposição deu a esta traços
neoclássicos, abandonando a tendência construtivista em pleno
florescimento nos dez anos anteriores. Foi um retrocesso a volta
ao conceito neoclássico de cidade, horizontal e formalista, quase
com um expiação ao pecado bíblico de aspirar aos céus. Somente
décadas mais tarde a experiência de Chicago seria avaliada com
justiça, sendo uma das mais importantes reflexões a do próprio
Sullivan, que publicou em 1922, um ano antes de sua morte, seu
ensaio crítico: A autobiografia de uma idéia.
Exposição Colombiana. 1893. Imagens www.teslasociety.com/beautifulnyc.htm
Louis Sullivan
Biografia:
• 3 de setembro de 1856 – Nasce em Luis Sullevan;

• Em 1872 - Após o curso regular, ingressou no Instituto Tecnológico


de Massachusetts;

• Em 1874 – Viajou à Europa, com a idéia de estudar em Paris, onde


participou, na École des Beaux Arts

• Em 1875 – Retorna à Chicago, quando trabalhou como projetista


para diversas firmas;

• Em 1881 - Fundou em Chicago, com o engenheiro Dankmar Adler, a


companhia Adler and Sullivan, que construiu mais de cem edifícios;

• 1886-1889 - A primeira grande obra de Sullivan como arquiteto foi o


Auditorium Building de Chicago;
• 1900 - Edifício Wainwright de Saint, que consagrou Luis Sullevan;

• Em 1895 – Rompe sua associação com Adler;

• Entre 1899 e 1904 - dedicou-se à construção dos grandes


armazéns Schlesinger & Mayer;

• A partir do fim da década de 1910 – Houve redução na procura


por seus projetos;

• 14 de abril de 1924 – morre Luis Sullevan em Chicago.


• Louis Sullivan foi autor do movimento conhecido como
Movimento sullivanesco, cujas características principais
contribuíram muito para o movimento moderno que se dá
principalmente pela "forma segue a função” o que se torna
lei no modernismo. Este é o ato de se retirar os elementos
decorativos das fachadas.

• Louis Sullivan consolidou um novo modelo de edifícios de


escritórios, em forma de arranha-céus, no qual aplicava um
esquema compositivo de raiz classicista que acentuava a
expansão vertical do volume.
Edifício Wainwright
• No edifício Wainwright, em
St. Louis (1890-91), Sullivan se
utiliza de uma organização
tripartite clássica –
embasamento com térreo e
mezanino, corpo
intermediário de articulação
vertical e o coroamento com
um pavimento atico, como
pavimento de máquinas. Esta
obra assinala o nascimento
do arranha-céu como
tipologia independente.

Edifício Wainwright, em St. Louis


(1890-91) Adler e Sullivan
Edifício Auditorium.
No Auditorium, a influência
de Richardson se torna
ainda mais patente. Neste
edifício os projetistas
envolvem um auditório com
um edifício comercial.

Edifício Auditorium. 1889. Adler & Auditorium. Seção transversal. Imagem


Sullivan. http://www.prairiestyles.com/im http://upload.wikimedia.org/wikipedia/common
ages/architects/sullivan_l/auditorium.jpg s/
Edifício Auditorium. Interior. Imagem
www.answers.com/topic/proscenium
Carson, Pirie & Scott
O Sullivan Center, formalmente conhecido como Carson, Pirie &
Scott é um prédio comercial em Chicago. Foi desenhada por Louis
Sullivan em 1975 e construído em 1899 para a firma Schlesinger &
Mayer e comprada pela Carson Pirie Scott em 1904.

Desenvolvido por causa do incêndio de 1871, em Chicago. O


edifício é notável pela sua estrutura de aço-moldado, o que
permitiu um aumento dramático na área da janela criado por
janelas-sacada mais largas, permitindo maior quantidade de luz
para o interior do edifício. Isto proporcionou maior mostra da
mercadoria, melhor tráfego de pedestres e foi criado a idéia de
mostrar o produto na calçada.
Sem dúvida esta é a obra mais
representativa da Escola de
Chicago. O espaço interior
definido por superfícies contínuas
não se diferençava tanto dos
congêneres. A originalidade está
na fachada, constituído de uma
retícula tensa de horizontais e
verticais que enfatiza a estrutura
do edifício criando um dos
padrões de composição de
fachada mais característicos: a
grade fenestrada.
Edifício Carson, Pirie & Scott. 1899. Adler e
Sullivan. Imagem
http://www.prairiestyles.com/images/archi
tects/sullivan_l/auditorium.jpg
O preenchimento desta grade
estrutural se dá com as janelas
conhecidas como Janela Chicago:
um retângulo de dominância
horizontal, dividido em três – a
parte central fixa e as laterais com
janelas tipo guilhotina. Em
contraste deliberadamente buscado
a esta composição tão comedida se
introduz uma filigranada e festiva
ornamentação orgânica de ferro
fundido, nos pavimentos inferiores.

Edifício Carson, Pirie & Scott.


Entrada.
CRONOLOGIA
1804 Fundação do Forte Dearbon ( posto militar ao sul da foz do Rio Chicago)
1830 Implantação da malha urbana de Chicago.
1833 Divulgação o sistema Baloon Frame, sistema de construção
industrializado inventado por George Washington Snow.
1853 Invenção do elevador.
1857 Elisha Graves Otis instala em Nova Iorque o primeiro elevador de
segurança a vapor.
1861-65 Guerra da Secessão ( guerra civil ocorrida nos EUA.)
1864 Primeira utilização de elevador Otis em Chicago.
1870 C. W. Baldwin inventa e constrói em Chicago o primeiro elevador
hidráulico.
1871 Chicago é quase completamente destruída por um incêndio.
1879 William Le Baron Jenney constrói o primeiro edifício alto em estrutura
metálica, o Leiter Building I.
1893 Exposição Colombiana de Chicago. A Traição de Burnham.
• RESUMO CONCLUSIVO:
As principais características presente na arquitetura dos
edifícios do movimento conhecido como a Escola de Chicago
são:
• Paredes deixam de ter função estrutural;
• Janelas normalmente retangulares e a área do vidro pode
exceder as paredes.
• Estruturalmente é expressa através de telhados planos,
frentes simples e padronização das janelas;
• Queriam fazer uma nova arquitetura;
• Utilização de aço e vidro;
• Exteriorização dos elementos estruturais;
• Eliminação dos apliques decorativos;
Recursos Bibliográficos
• http://torinoblog.blogspot.com/2010/10/o-grande-incendio-de-
chicago.html
• http://books.google.com.br/books?hl=pt-
BR&lr=&id=eH6698F4Y4gC&oi=fnd&pg=PA13&dq=surgimento+da+escola+
de+chicago&ots=zbjOx8mD8M&sig=jtF-
4H1ibG8LYQ8FVeHYK0nPlEQ#v=onepage&q&f=false
• http://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=2k1kGrB-
Cx0C&oi=fnd&pg=PA14&dq=A+escola+de+Chicago+e+Louis+Sullivan&ots=
aSHfL-VkrA&sig=IndpGHx48mP0hS8qt8jQ_sxe3mE#v=onepage&q&f=false
• http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
93131996000200008
• http://www.biografiasyvidas.com/biografia/s/sullivan.htm
• http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-
BR&sl=en&u=http://en.wikipedia.org/wiki/William_Le_Baron_Jenney&ei=
Y1GrTbX8L8HLgQfR39zzBQ&sa=X&oi=translate&ct=result&resnum=1&ved
=0CCkQ7gEwAA&prev=/search%3Fq%3DWilliam%2BLe%2BBaron%2BJenn
ey%26hl%3Dpt-BR%26prmd%3Divns
• http://www.biografiasyvidas.com/biografia/s/sullivan.htm
UEG- UnUCET
DATA: 18/04/2011.
Acadêmicos:
–Nayara Araújo de Assis
–Diógenes Fidel
–Thiago
Matéria: História da Arte 2
Professora: Cláudia

Interesses relacionados