Você está na página 1de 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS


DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS
Disciplina: Política e Legislação Ambiental A

Exercícios – Unidade 3

1 - Em matéria de licenciamento ambiental, a Lei Complementar nº 140/2011 estabelece que:


a) a supressão de vegetação decorrente de licenciamentos ambientais é autorizada pelo órgão ambiental
municipal, ainda que o licenciamento esteja sendo levado a cabo no âmbito do Estado ou da União;
b) no caso de empreendimentos e atividades efetiva ou potencialmente poluidores que, em tese, atinjam dois
Estados da Federação, há necessidade de obtenção de licença ambiental pelo órgão competente de ambos os
entes federativos e da União;
c) para autorização de supressão e manejo de vegetação, e para fins de licenciamento ambiental de atividades
ou empreendimentos utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores, o critério do
ente federativo instituidor da unidade de conservação é aplicado às Áreas de Proteção Ambiental;
d) a renovação de licenças ambientais deve ser requerida com antecedência mínima de cento e vinte dias da
expiração de seu prazo de validade, fixado na respectiva licença, ficando este automaticamente prorrogado até
a manifestação definitiva do órgão ambiental competente;
e) os demais entes federativos interessados no processo de licenciamento de determinado empreendimento
podem manifestar-se ao órgão responsável pela licença ou autorização, de maneira vinculante, desde que
respeitados os prazos e procedimentos legais.

2 - A respeito do licenciamento ambiental, previsto na Lei Complementar nº 140 de 2011, é correto afirmar:
a) Os empreendimentos e atividades poderão ser licenciados ou autorizados, ambientalmente, por mais de um
ente federativo, como no caso de os impactos ambientais atingirem recursos ambientais múltiplos.
b) O ente federativo não poderá delegar a execução de ações administrativas a ele atribuídas na Lei
Complementar nº 140 de 2011, de forma a evitar conflitos de atribuições e garantir uma atuação administrativa
eficiente no licenciamento ambiental.
c) O Município poderá aprovar a supressão e o manejo de vegetação, de florestas e formações sucessoras em
empreendimentos por ele licenciados ou autorizados, ambientalmente.
d) Prevalecerá o auto de infração ambiental lavrado pelo primeiro ente federativo que constatar a infração à
legislação ambiental, o qual se sobreporá, inclusive, ao auto do ente que detenha a atribuição de licenciamento
ou autorização do empreendimento, em razão da atribuição comum de fiscalização.

3 - Sobre o licenciamento ambiental, instrumento da Política Nacional do Meio Ambiente, a Lei Complementar
no 140, de 08/12/2011, dispõe que:
a) a atuação supletiva ou subsidiária é aquela pela qual o ente da Federação se substitui ao ente federativo
originariamente detentor da competência para exercer o licenciamento ambiental.
b) cabe aos Municípios o licenciamento ambiental das atividades ou empreendimentos que causem ou possam
causar impacto ambiental de âmbito local, conforme tipologia definida pelos respectivos conselhos estaduais
do meio ambiente, segundo critérios fixados nesta Lei.
c) cabe aos Municípios o licenciamento ambiental das atividades ou empreendimentos que causem ou possam
causar impacto ambiental de âmbito local, conforme tipologia definida pelo respectivo Conselho Municipal do
Meio Ambiente, segundo critérios fixados nesta Lei.
d) a supressão de vegetação será sempre autorizada pelo Estado. Todavia, se a União for o ente federativo
competente para o licenciamento ambiental, a ela caberá conceder a autorização para a supressão da
vegetação.
e) a cooperação dos entes federativos no licenciamento ambiental se dará apenas por meio de convênios.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA
CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS
Disciplina: Política e Legislação Ambiental A

4 - Considerando o que dispõe o artigo 3º da Lei Complementar nº 140/2011, constitui objetivo fundamental
da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, no exercício da competência comum:
a) harmonizar as políticas e ações administrativas para evitar a sobreposição de atuação entre os entes
federativos, de forma a evitar conflitos de atribuições e garantir uma atuação administrativa eficiente
b) proteger, defender e conservar o meio ambiente ecologicamente equilibrado, promovendo gestão
centralizada, democrática e eficiente.
c) garantir o equilíbrio do desenvolvimento político econômico com a proteção ambiental, observando a
dignidade da pessoa humana, a erradicação da pobreza e a redução das desigualdades sociais e regionais.
d) garantir uma política ambiental nacional, sem observância das peculiaridades regionais e locais.

5 - No que se refere à repartição de competências em matéria ambiental e ao licenciamento ambiental, segundo


as regras introduzidas com o advento da Lei Complementar n.º 140/2011, assinale a opção correta.
a) A atuação supletiva ou subsidiária em matéria de competência administrativa ambiental ocorre nos casos de
auxílio na execução conjunta de atribuições entre estados ou DF e municípios, desde que haja solicitação pela
União.
b) Dada a competência comum de proteção ambiental entre os entes federativos, no caso de autuação por
mais de um ente federativo em relação à mesma infração, deve prevalecer a ação de fiscalização do órgão
ambiental que primeiramente tenha lavrado o auto de infração ambiental.
c) No âmbito do licenciamento ambiental de determinado empreendimento, o não cumprimento de prazo
administrativo, desde que prejudique a emissão da licença ambiental pelo órgão competente, gera a emissão
tácita da licença, condicionada ao cumprimento da legislação ambiental.
d) Em se tratando de licenciamento ambiental federal de empreendimento localizado no DF, a respectiva
autorização de supressão de vegetação nativa deve ser, em regra, emitida pela entidade ambiental distrital.
e) Nos termos da referida lei, que trata da cooperação entre União, estados, DF e municípios nas ações
administrativas ambientais, admite-se a delegação de atribuições e de execução dessas ações, observados os
requisitos dessa lei.