Você está na página 1de 3

 AS RAPOSINHAS – Cânticos 2.

15

"Apanhai-me as raposas, as raposinhas, que fazem mal às vinhas; pois as


nossas vinhas estão em flor." (Cantares 2.15).
 As raposinhas de Cantares eram pequenos mamíferos que viviam na Palestina
e que destruíam as vinhas comendo seus caules e ramos mais tenros.
 Num contexto espiritual, essas “raposinhas” também se infiltram em nossas
vidas e causam grandes estragos. Pequenas coisas impedem o nosso
crescimento e normalmente estas coisas estão relacionadas ao pecado.
 Precisamos ficar atentos às pequenas coisas.
 As coisas grandes acontecem de uma coisa pequena.
 O que é pequeno hoje pode ser grande amanhã.
 Ex: defendo os centavos porque os reais sabem se defender.
 São os pequenos gastos que iludem nosso orçamento.
 São os pequenos detalhes que fazem a diferença em um relacionamento
conjugal.
 São as frações de segundos que provocam um grande acidente.
 Há pessoas que deixaram se levar pelas raposinhas e estas corroeram sua fé
de tal forma que não tiveram mais lugar na congregação.
 Pessoas que brincaram com o pecado. Começaram brincando de se queixar...
de falar mal...de não praticar a palavra e quando viram estavam tão longe
que não acharam mais o caminho de volta.

Muitos exegetas da Bíblia identificam as raposinhas com os pequenos "pecadilhos",


ou pecados tidos como “sem importância”, que se introduzem na "vinha" e
destroem suas raízes e ramos. Elas mesmas não parecendo são extremamente
perigosas e destruidoras, pois a sua ação é mais sutil, mais escondida, e só se dá
por isso tarde demais.

São perigosíssimos esses "pequenos pecados", pois vão destruindo lentamente a


vinha, deixando-a incapacitada para produzir bons frutos por longo tempo, ou até
para sempre. Cuidado, muito cuidado!

Oremos para que pelo Espírito Santo possamos localizar dentro de nós as pequenos
coisas que quando tratadas produzirão grandes resultados!

Exemplos de raposinhas – parte 2

Entre essas raposinhas, que se introduzem na Igreja pela vida dos crentes
descuidados, podemos mencionar:

O "mau génio" - Ira Cl 3.5,8; Ef 4.26; Pv 29.11


Reação egoísta de se defender, cólera, paixão que nos excita contra alguém. A ira
incita uma pessoa contra a outra. Temos que ter domínio sobre nós mesmos.
A "má língua" - Murmuração Ex 16.8; Rm 1.30-32 Queixar-se em voz baixa.
Dizer mal de alguma coisa. Insatisfação. A murmuração prejudica a nós e aos
outros. Às vezes por uma pequena situação que nos aperta esquecemos tudo o que
Deus fez e começamos a murmurar. Murmuração é sinal de ingratidão. Às vezes
murmuramos até em oração. Deus quer nos ensinar a dar graças pelo que temos. É
mais importante o que Deus quer nos ensinar do que o que queremos fazer. Deus
quer nos ensinar a linguagem do seu reino. Nós perdemos muito do que Deus tem
para nós devido à murmuração.
A "calúnia velada" - Fofoca Lv 19.16-18.
Intriga. Divulgar em segredo com fim de causar dano a outras pessoas.
As "pequenas mentiras" - Ap 21.8; 22.15
Falsidade. Enganar as pessoas. Dizer meia verdade, mentir por brincadeira. A
mentira é algo sério, mas nós não levamos muito a sério. Mentira vem do diabo.
Nós tratamos levianamente a mentira.
A "inveja perniciosa"- Hb 13.5; Gl 5.21; Tg 3.16; 1Co 3.3.
Desgosto provocado pela prosperidade ou alegria de outros. Desejo de possuir um
bem que outro possui ou desfruta. Descontentamento. A inveja muitas vezes é algo
sutil. Temos que ter cuidado com a inveja.
O "egoismo" - Orgulho Sl 131.1; 2Tm 3.4
Pensamento elevado sobre si mesmo. Amor próprio exagerado. Soberba. Deus quer
que saibamos o que somos. O diabo quer mostrar que somos muito ou que somos
muito pouco. Temos que nos despir de toda auto-suficiência. Se confiarmos em nós
mesmos, caímos. Obstinação é uma faceta do orgulho. O orgulho vem direto do
diabo. Temos que ter coragem para fazer a coisa certa. Deus nos chamou para
segui-lo.
Concupiscência 1Jo 2.16
Desejo desordenado. Isso envolve várias áreas da nossa vida: comida, prazer,
ambição, sexo, cobiça, luxuria. Concupiscência é um desejo além do normal. Temos
que saber dominar os desejos carnais. Hedonismo = o prazer aqui e agora, custe o
que custar. É certo termos desejos por coisas boas e a Palavra afirma que Deus
tem o desejo de satisfazer as nossas necessidades (Sl 34.7). O erro está no
extremo.
O "amor ao dinheiro" - A avareza para com a igreja

Indiferença Ap 3.15; Jeremias 48:10


Apatia, desânimo, negligência, fazer as coisas de qualquer maneira.
Muitas vezes a obra de Deus não anda devido à indiferença. "Eu tenho o que eu
quero, os outros que se lasquem" isto é um pecado que nós precisamos combater.
Não devemos estar conformados com a vida que temos com Deus.
Ociosidade Pv 28.19; Ez 16.49; Ef 5.14-18.
Falta de trabalho, estado desocupado. Temos que saber planejar a nossa vida. Se
nós não temos alvos, acabamos caindo numa monotonia.
Incredulidade Mc. 6.5-6 - Falta de fé.
O terrível é não alcançar promessas por não crermos. "A fé vê o invisível, crê no
inacreditável e alcança o impossível". Na teoria nós sabemos tudo, na prática não
fazemos nada. Deus é o Deus dos absurdos. Muitas vezes não temos coragem de
obedecer a Deus por incredulidade.
Falta de Perdão Mt 18.23-35; Hb 12.15 - Não querer exercitar perdão, guardar
ressentimento. Ressentimento destrói a nossa vida com Deus. Deus quer nos
ensinar a agir com um espírito perdoador.
Amizade com o mundo I Jo. 5.19 - Dar mais tempo para as coisas do mundo do
que para as coisas de Deus. O mundo é o sistema de uma sociedade humana sem
Deus. Temos que fugir deste mundo.
Mundanismo = viver para satisfazer nossos desejos naturais, ultrapassando os
limites estabelecidos por Deus. Deus nos criou com desejos que são naturais, mas
se somos dominados por esses desejos, há algo errado.

"Cuidado com as raposinhas que fazem mal às vinhas..." Expulsai-as cedo.


Guardai a vinha para que nenhuma entre, pois, quando entrar uma, logo chegarão
outras.
“Deixa o teu rio passar em minha vida, curar minhas feridas e sarar as minhas
dores. Livra-me ó Deus das cadeias que me prendem, toca-me ó Deus, faz em mim
o teu querer Senhor!”.