Você está na página 1de 29

2018

RESUMO PARA
SEGUNDO OFICIAL DE
NÁUTICA
Equipamentos de Segurança, Salvatagem,
Combate a Incêndio e Manutenções

Nathalie Barbato
Esse resumo foi feito no período de praticagem e esta adaptado para um
navio de carga específico, onde se passou o período de praticagem, e foi
feito como uma forma de tentar entender melhor a função do 2ON e ter
uma visão mais ampla.
O trabalho do 2ON não se resume apenas ao que está aqui contido.
Peço que, se verificar algum erro nas informações ou de digitação, por
favor avise.
Espero que este seja útil, assim como foi para mim.

1
CONTEÚDO

Embarcação de sobrevivência - Baleeira...................................................................................... 3


Embarcação de sobrevivência - Balsa Inflável.............................................................................. 5
Bóias Salva-Vidas ........................................................................................................................... 7
Colete Salva-Vidas ......................................................................................................................... 8
Roupa de Imersão ......................................................................................................................... 9
Artefato Pirotécnico – Foguete Iluminativo com Pára-Quedas .................................................. 10
Artefato Pirotécnico – Facho Manual ......................................................................................... 10
Artefato Pirotécnico – Fumígeno ................................................................................................ 11
Escada do Prático ........................................................................................................................ 12
Escadas de embarque ................................................................................................................. 13
Dispositivos de Lançamento........................................................................................................ 14
Dispositivos Hidrostáticos ........................................................................................................... 15
Lança Retinida ............................................................................................................................. 15
EPIRB ........................................................................................................................................... 16
SART ............................................................................................................................................ 16
Conexão Internacional para a Terra ............................................................................................ 17
EEBD (Dispositivo de respiração para escape em emergência) 10min ....................................... 18
Aparelhos de Respiração (30min) ............................................................................................... 19
Roupa de Combate a Incêndio .................................................................................................... 20
Extintores de Incêndio ................................................................................................................ 20
Redes e tomadas de Incêndio ..................................................................................................... 22
Bombas de Incêndio .................................................................................................................... 23
Esguichos e Mangueiras de Incêndio .......................................................................................... 23
Rotas de Escape de Emergência .................................................................................................. 24
Regulamentos e Manutenções ................................................................................................... 25

2
Embarcação de sobrevivência - Baleeira
Dimensões e Cargas Outras Obrigatoriedades
Quantidade (N): 1 ou mais embarcações salva-vidas
totalmente fechadas cuja capacidade em cada bordo,
seja suficiente para acomodar o número total de
pessoas a bordo

Para comprimento do navio acima de 120m, deve ser


estivada de modo que sua extremidade a ré não fique a
uma distância menor do que uma vez e meia o seu
comprimento por ante a vante do hélice.
Deve ser estivada de modo que, em plena carga e na
posição de embarque ela não fique a menos que 2m
acima da linha de flutuação..

Marcação: Deve possuir: Nome do navio, Porto de


Registro, Capacidade da Baleeira e numero da
embarcação (deve ser visto do alto)

Acesso: Deve dispor de uma escada de embarque, cujo


degrau inferior não deverá ficar localizado a menos de
0,4 m abaixo da linha de flutuação da balsa salva-vidas
na sua condição leve, atendendo LSA 6.1.6.

Lançamento: Turco ou queda-livre

Iluminação: Se atentar para iluminação adequada.

Instruções: Deve possuir nas proximidades, de forma


clara, a forma de manuseio da baleeira, corretamente
iluminada
OBS: Combustíveis possuem data de validade. A gasolina,
Obs: Uma embarcação de sobrevivência também pode
por exemplo, normalmente varia de 2 a 4 meses. Após esse
ser de resgate, caso atenda os requisitos como a
período, o combustível começa a perder suas propriedades
potencia do motor do turco.
PALAMENTA – Baleeira com capacidade para mais de 13 pessoas – NORMAM 05 - 0329
ITEM QTDE ITEM QTDE
Aro de salvamento preso a um cabo com 1 Foguete manual estrela vermelha com para quedas - 4
L>30m Intensidade>30.000 cd, queimar por t>40s
1 Faca não dobrável com punho flutuante e fiel 2 Sinal fumígeno flutuante - 3 min e 15.000cd 2
+ outra faca
Cuia Flutuante 1 Facho manual luz vermelha - 15 min 6
Esponja 2 Manual de sobrevivência 1
3L de água por pessoa). 1L pode ser substituído 3L p/ p Agulha magnética luminosa ou com dispositivo de 1
caso tenha dessalinizador que produza a iluminação adequado Provida de uma bitácula
mesma quantidade em 48h. 2L se for osmose
reversa
Ração em embalagens estanques e guardadas 10.000k Espelho de sinalização diurna + instruções de uso para 1
em recipiente estanque à água. Suficiente para p/pessoa navios e aeronaves
6 dias.
Croques 2 Âncora Flutuante com cabo de reboque e trapa 1
Cuia 1 Abridor de lata 3
Balde 2 Kit de pesca 1

3
Boça com L> 2h – h=altura de estivagem ou 2 Jator elétrico à prova d'agua adequado para sinalização 1
15m (a maior) morse, com pilhas e lâmpada sobressalente
Machadinha (1 por bordo) 2 Refletor radar ou SART 1
Caneco inoxidável com fiel 1 1 Bomba para esgoto
Recipiente inoxidável graduado para bebida 1 Ferramentas suficientes para pequenas ajustagens no motor Quantas
e acessórios forem
necessárias
Cópia dos sinais de salvamento da Regra V/16 1 Meio de proteção térmica 10% da
impressa em um cartão à prova d'água capacidade
(0,1x3,6 ->4)
Holofote com setor horizontal e vertical de 1 Remos flutuantes com toletes, forquetas ou dispositivos Quantos
6graus, intensidade de 2,500cd que funcione semelhantes forem
por 3h necessárias
Apito ou dispositivo similar 1 Caixa de primeiros socorros 1
Medicamentos contra enjoo para 48h 1 Equipamento portátil para extinção de incêndios, adequado 1
para apagar incêndios em óleo
Saco de enjôo 1p/p (36 Faca de Marinhero presa por fiel 1
sacos)

Kit de Primeiros Socorros para Capacidade de até 36 pessoas (Normam 05) – obs: verificar normam para
proporcionalidade
Item Qtde Item Qtde
Alfinete de Segurança (tipo fralda) 18 un Tesoura reta de Maio com 15cm 1 un
Atadura de Crepom RL 4,5m x 10 cm 18 un Diazepan CO 10 mg 180 TT
Caixa à Prova d’água 1 un Dipirona CO 500 mg 180 TT
Compressa Cirúrgica Estéril 23x25 cm 9 pct com 5 un Loperamida CO 2 mg 180 TT
Compressa Dobra Uniforme Estéril, 7.5x7.5cm 36 pct com 10 un Metoclopramida CO 10 mg 180 TT
Curatico Adesivo (Band-Aid) 6 Cxs com 10 un PVPIAquoso (Tópico) – 100 ml 6
Esparadrapo RL 10cm x 4.4m 3 un Soro Fisiológico 0,9% FR 500 ml 3
Filtro Solar Fps 30 9 de 120 ml Sulfadiazina de Prata 2%, 400mg 3
Tipóia Americana Adulto 6 un Memento Terapêutico (Modo de usar dos itens) 1
PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Semanal Inspecionar visualmente as condições da embarcação. Verificar:
• Condição dos gatos e da sua fixação à embarcação
• Se o dispositivo de liberação com carga está adequado e totalmente rearmado;
• Os bujões deverão estar disponíveis e fixos na baleeira .
• Os drenos deverão estar abertos. Checar se a água poderá passar livremente através dos drenos
Checar iluminação e instruções
Ligar o motor por 3 minutos (Verificar temperatura mínima exigida para partida do motor). Verificar:
• Se a caixa de engrenagem e sua transmissão estão engrenando
Checar alarme de emergência
Checar o mecanismo do leme e de governo.
Verificar e ajustar os cintos de segurança.
Verificar validades
Inspeção – Mensal Conforme “Inspeção Semanal”
Baleeira Mover da Posição as baleeiras lançadas com turco
Verificar baterias (eletricista).
Verificar Palamenta
Inspeção - Mensal Os equipamentos completos da baleeira deverá ser corretamente seguro e colocado no local apropriado.
Parlamenta Verificar a data de vencimento dos foguetes
Verificar a quantidade, condições e validade da ração sólida e ração líquida.
Verificar e trocar a água doce dos tanques deverá ser verificada e ser trocada mensalmente.
Testes 3 Meses Lançar e manobrar na água.
Lanterna e Anual Checar a lanterna e baterias de reserva do Jator, elas deverão ser trocadas uma vez ao ano
Bateria da limpar os remos e aplicar verniz se necessário.
Parlamenta
Ração e 3 anos Substituição – Vide data de Validade
dispositivos
pirotécnicos

4
Outros - Limpeza
Manutenção Verificar :
• Fitas retro-refletivas
• Marcações
• Bancos e estrados – parafusos
• Cabos
• Tiradores de talha – devem ser trocadas a cada 5 anos ou conforme desgaste
• Kit de Primeiros Socorros – trocar anualmente

Embarcação de sobrevivência - Balsa Inflável


Dimensões e Cargas Outras Obrigatoriedades
Quantidade (N): 1 ou mais
balsas salva vidas infláveis ou
rígidas com m<185kg com
rampa de embarque ou
escada de embarque e
estivagem em local de fácil
transferência de um bordo a
outro, com capacidade
reunida para o numero total
de pessoas a bordo. Se
m>185kg ou se a
transferência entre bordos
não for fácil, a capacidade
em cada bordo deve ser para
o total de pessoas a bordo.
Ou uma ou mais em cada
bordo com capacidade para
todos a bordo e em um dos
bordos deve ser servida por
equipamentos de
lançamento

Boça: L=10m + h ou L=15m,


h= altura estivagem ou 15m,
a maior.
Deve estar
permanentemente presa ao
navio
SOLAS III/41.8.20
LSA Code 4.4.8.12
Iluminação: se atentar para
Balsa da Proa: Como a distancia das balsas até uma das extremidades do a iluminação da área da
navio>100m, deve possuir mais uma balsa salva-vidas estivada mais a vante, não escada da balsa.
sendo necessário equipamento de lançamento aprovado Deve estar virada para o
local correto e funcionando
Marcação casulo: nome do fabricante ou marca, numero de série, autoridade que perfeitamente,
aprovou, capacidade, SOLAS, tipo de pacote de emergência, data da última revisão,
comprimento da boça, pelo dela embalada caso seja mais que 185kg, altura máxima Instruções: Deve possuir nas
de estivagem permitica e instuções para lançamento.: Deve possuir: Nome do navio, proximidades, de forma
Porto de Registro, Capacidade e numero da embarcação clara, a forma de manuseio
da baleeira, corretamente
5
Lançamento: As balsas com massa acima de 185 kg e estivadas acima de 4,5 m devem iluminada
ser lançadas ao mar por meio de dispositivo de lançamento.
As balsas cujo embarque seja necessário realizar a mais de 4,5 m acima da linha de
flutuação do navio leve deverão ser arriadas por meio de um dispositivo de
lançamento aprovado, já infladas e carregadas.

OBS: Instalar luz branca externa que funcione por 12h com 4,3 candelas ou de 50 a 70
lampejos por minuto. Tempo de lançamento e lotação de pessoas: t<10 minutos
depois do sinal de abandono.

PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Semanal Checar a fixação da boca e condições do casulo
da Balsa Checar as condições das instruções de lançamento, etiquetas de indicação e iluminação.
Inspeção do dispositivo Hidrostático
Escada da Mensal Peação, estivagem, cabos e degraus devem ser inspecionados visualmente.
Balsa Cabos, degraus, manilhas, etc
Manutenção Anual Inspeção em terra
Inspeção do berço
Outras É recomendado inflar uma balsa salva-vidas para fins de treinamento próximo da data das balsas serem
Orientações enviadas à terra para o serviço anual. Isto deverá ser informado previamente a estação de serviço para ter
disponível uma garrafa de gás de liberação de reserva.

6
Bóias Salva-Vidas

Dimensões e Cargas Outras Obrigatoriedades


Número de Bóias: N(Ver tabela ao lado): de
forma que uma pessoa não se desloque mais do
que 12m para alcançar uma.

Com Retinida: 2 - 1 em cada bordo


L >2h ou L>30m; h = altura de estivagem até a
linha de flutuação.
Diâmetro da retinida: 9,5mm de acordo com a
Normam 05 e 8m de acordo com o SOLAS.

Com Lâmpadas de Acendimento Automático: N/2


Lâmpada deve ser branca, agüentar mais do que
2h de lampejo. Lampejo: entre 50 e 70 por minuto

Com Sinal de Fumígeno Auto Ativados:2 em cada


Comp. do Navio Qtde. Mín. Laís do passadiço (m>4kg).
L<100 8
Deve emitir fumaça por pelo menos 15 minutos.
100 < L<150 10 Quando submersos, por pelo menos 10 segundos.
150< L<200 12 Dotado de Dispositivo de Liberação Rápida.
L > 200 14
m > 2,5kg OBS: Nao devem ser, em hipotese alguma, presas
Lais do Passadiço: M > 4kg; com Fumígeno permanentemente ao navio

PLANO DE MANUTENÇÃO
Interva
Ação Procedimento
lo
Verificar:
Condições Gerais
Fitas Auto Refletivas, MOB, Estivagem, Marcação
Mensa Facho Holmes – preso à bóia
Inspeção
l Retinida – presa à bóia - comprimento e diâmetro
O cabo que conecta o sinal MOB à bóia salva-vidas deverá ter um comprimento mínimo de 3,6 m.
Quantidade e Localização
Se podem ser soltas rapidamente e não deverão ser presas permanentemente.
Facho Homes Anual Checar Bulbo e trocar bateria
MOB 3 Anos Substituir
Limpar as boias salva-vidas (somente água com sabão).
Outros -
Inspecionar o mecanismo de liberação para as boias salva-vidas colocadas no passadiço c) Após cada
Manutenção
porto.

7
Colete Salva-Vidas
Dimensões e Cargas Outras Obrigatoriedades
Quantidade (N): Deverá haver um colete salva-vidas para
cada pessoa a bordo. Mais coletes de trabalho suficientes
em postos de trabalho mais afastados. (Obs: para
plataformas o check-list padrao pela NORMAM 1 para
coletes de trabalho, seria de 15% do pessoal de bordo)

Colete Infantil: N>10% do número de passageiros a bordo


ou mais de forma a atender cada criança.

Colete para adultos com P>140kg e circunferência do


peito >1,75m, deve haver acessórios para que os coletes
sejam adaptados.

Com Lâmpadas de acionamento manual:Todos os coletes


devem dispor de lâmpada para colete salva-vidas em
navios de carga.Lampejo entre 50 e 70 por minuto. Luz
Branca.

Cabo Flutuante: que possa ser solto, ou outro meio de


prendê-lo a um colete salva-vidas usado por outra pessoa
que estiver na água. Um colete salva-vidas deverá ser
dotado de um meio adequado que permita que quem
estiver fazendo o salvamento ice da água quem o estiver
usando e o coloque numa embarcação de sobrevivência
ou numa embarcação de salvamento.

PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Mensal Verificar:
• Cabo Flutuante
• Lâmpadas
• Apito
• Juntas e fitas Retro refletivas
• Quantidade e localização
Pilhas e luzes 5 anos Troque as luzes e as pilhas a cada cinco anos (vide validade e condições gerais)
Outros - Limpeza - normalmente é usada água com sabão.
Manutenção

8
Roupa de Imersão
Obrigatoriedades

Quantidade (N): Caso o navio não ultrapasse latitudes 36°Norte e


36°Sul, e não seja graneleiro, não se faz neccessário. Porém, deve
haver três roupas destinadas a tripulação das baleeiras abertas e
duas para os botes de resgate.
Quando se faz obrigatório - Quantidade suficiente para todos a
bordo + 2 no passadiço, + 2 nas máquinas + 2 próximo à balsa
salva-vidas caso a balsa esteja na proa ou na popa.
Para postos guarnecidos afastados dos locais das roupas, deverá
haver roupas de tamanho adequado para o número de pessoas
que normalmente lá trabalham. Localização claramente indicada.

Marcação: Letras romanas maiúsculas, com tinta à prova d’água e com o nome e porto de inscrição da embarcação a
que pertencem.

Se for de material sem isolamento próprio: Deve ser marcada com instruções indicando que deve ser vestida
juntamente com roupas quentes

Deve cobrir todo o corpo. Se for utilizar luvas, estas devem estar permanentemente presas
à roupa.

Para utilização:
Sem Lâmpada, apito, cabo flutuante ou outro NORMAM 01
colete: meio para prendê-la a outra pessoa na SOLAS III/20.7
água e meio adequado para içamento MSC/Circ. 1047
Com Deve ser marcada para indicar que deve MSC/Circ. 1114
colete: ser usada em conjunto com o colete Bastão de cera para zíper
PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Mensal Verificar:
Condições Gerais
Quantidade e Localização
Etiquetas
Instruções Legíveis
Teste com 3 anos Ao invés de teste de pressão de ar, a roupa poderá ser vestida por uma pessoa e testada na piscina. – MSC/Circ
Ar de 1114
Pressão Após o uso: lavar a roupa em água doce se ela teve contato com água salgada. A roupa deverá estar
completamente seca antes de ser re-embalada
Outros - Encere os zíper com o bastão de cera fornecido.
Manutenção Durante a re-embalagem da roupa, as instruções deverão ser seguidas, todos os zíperes deverão ser abertos e
o forro, se fornecido, deverá ser colocado no local.

9
Artefato Pirotécnico – Foguete Iluminativo com Pára-
Quedas
Obrigatoriedades

Quantidade (N): 12 no Passadiço e 4 em cada Baleeira

Deve: Estar contido num invólucro resistente à água;


Ter impresso no seu invólucro instruções resumidas ou
diagramas, ilustrando claramente o seu modo de emprego

É foguete manual estrela vermelha com pára-quedas é o


dispositivo de acionamento manual que, ao atingir 300 m de altura, ejeta um pára-quedas com uma luz vermelha
intensa de 30.000 candelas por 40 segundos. É utilizado em navios e embarcações de sobrevivência para emitir sinal
de socorro visível a grande distância.
SOLAS III/6.3
LSA Code 1.2.3
LSA Code 3.1
PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Mensal Verificar
• Localização e Quantidade
• Marcação
Substituição 3 Anos Substituição – vide validade

Artefato Pirotécnico – Facho Manual


Obrigatoriedades
Quantidade (N): 6 em cada Baleeira

Deve: Estar contido num invólucro resistente à água;


Ter impresso no seu invólucro instruções resumidas ou diagramas, ilustrando claramente o
seu modo de emprego

Fiel:
O facho manual luz vermelha é o dispositivo de acionamento manual que emite luz vermelha
intensa de 15.000 candelas por 1 minuto. É utilizado em embarcações de sobrevivência para
indicar sua posição à noite, vetorando o navio ou aeronave para a sua posição.
Deve continuar queimando após ter ficado submerso por um período de 10 segundos a 10 cm
da superfície da água..
SOLAS III
LSA Code 1.2
LSA Code 3
PLANO DE MANUTENÇÃO
Ação Intervalo Procedimento
Inspeção Mensal Verificar
• Localização e Quantidade
• Marcação
Substituição 3 Anos Substituição – vide validade

10
Artefato Pirotécnico – Fumígeno
Obrigatoriedades
Quantidade (N): 1 de 15min em cada lais do passadiço (Preso às bóias) e 2 de 3min em
cada Baleeira

Deve: Estar contido num invólucro resistente à água;


Ter impresso no seu invólucro instruções resumidas ou diagramas, ilustrando claramente o
seu modo de emprego ; Continuar a emitir fumaça após ter ficado submerso por um
período de 10 segundos a
100 mm da superfície da água; Não emitir qualquer chama durante todo o período de
emissão de fumaça;

O sinal fumígeno flutuante laranja é o dispositivo de acionamento manual que emite


fumaça por 3 ou 15 minutos para indicar, durante o dia, a posição de uma embarcação de
sobrevivência ou a de uma pessoa que tenha caído na água.um período de 10 segundos a
10 cm da superfície da água.
.
PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento – GLSM Code


Inspeção Mensal Verificar
• Localização e Quantidade
• Marcação
Substituição 3 Anos Substituição – vide validade

11
Escada do Prático
Procedimentos necessários para o embarque do prático

Devem estar claramente identificadas com etiquetas ou outra marcação permanente, permitindo a identificação de
cada equipamento para efeito de vistoria, inspeção e manutenção de registros.
Deve estar suficientemente afastada das arestas do navios.

Acesso do Prático:
1 – Escada Quebra Peito: 1,5m da água e menor que 9 metros.;
2 - Combinada - sempre que a distancia da superfície da água até ponto de acesso do navio >9m.
Em caso de necessidade, devem estar prontas para serem usadas duas boças solidamente amarradas à embarcação,
com 65mm de circunferência e um cabo de segurança.
Quando combinado, deverão ser providos meios de manter a escada de prático e seus cabos de segurança (boças
laterais) firmemente apoiados no costado do navio a um ponto de nominalmente 1,5 m acima do patim inferior da
escada de portaló.

Os espaços entre os balaústres devem ter entre 70e 80 cm e ficar pelo menos 1,20m acima da parte superior da borda
falsa.
Deve haver uma bóia salva-vidas com dispositivo de iluminação e retinida junto à escada..

Deverá haver apoio para as mãos

Degraus: Madeira dura ou outro equivalente, sem nós, bem lisa e sem arestas vivas e rebarbas. Com ranhuras
longitudinais ou antiderrapante aprovado.
Comprimento >48cm, Largura >11,m e espessura >2,5cm
Distância entre um e outro –entre 30 e 38cm
12
Cabos laterais: dois cabos de manilha sem cobertura, com circunferência maior que 6,5cm.
Cabo contínuo, sem costuras abaixo do degrau superior.

Ilumimnação: A iluinação da escada do prático deve estar adequada.

PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Mensal Verificar:
Peação, estivagem, cabos e degraus , manilhas, etc
Substituição 5 Anos Substituir

Escadas de embarque
Dimensões e Cargas Outras Obrigatoriedades
O dispositivo de abertura da escada deve poder ser
removido facilmente. Para isso, o uso de ganchos é mais
adequado que a utilização de manilhas que podem
emperrar.
Manter as escadas de embarque sempre presas ao navio
(se certificar que a manilha não se solte) e cobertas
adequadamente para sua não deterioração. Utilizar capas
de lona.

PEDRO ÁLVARES CABRAL –

PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Mensal Verificar:
Peação, estivagem, cabos e degraus , manilhas, etc
Manutenção 5 anos Substituir

13
Dispositivos de Lançamento
Deve possuir estropos de recolhimento para mau tempo,
quando as talhas pesadas constituirem um perigo.
As talhas deverão utilizar tiradores de cabo de aço resistêntes
à rotação e à corrosão.
Guinchos com mais de um tambor: a menos que haja um
dispositivo compensador eficaz instalado, as talhas deverão
ser dispostas de modo que os tambores desenrolem os
tiradores com a mesma velocidade ao arriar e os recolham
igualmente com a mesma velocidade ao içar.

As manivelas ou volantes não devem ser movimentadas pelas


partes móveis do guincho quando arriar ou içar pelo motor
acionador.

Tempo de recolhimento da embarcação de salvamento


t<5min em condições de mar moderadas com lotação de pelo
menos 6 pessoas

Na posição estivada os braços do turco (berço) são fixos ao


corpo do turco por meio de batentes de berço (trapas ).
Na posição estivada a catarina flutuante repousa sobre um
olhal do turco, não existe carga sobre o cabo.
A embarcação está equipada com um dispositivo de
desengate sob carga. Ambos os gatos estão ligados à unidade
de desengate por um cabo de Bowden. A alavanca de
desengate é bloqueada por um dispositivo mecânico (que
pode ser anulado quebrando o vidro para lançamentos antes
da baleeira chegar na água), a menos que a baleeira tenha
entrado na água.

É extremamente importante que o eixo axial não seja


deslocado da posição de bloqueio. A posição correta
(indicada pela cor verde, duas setas ou um valor mínimo de>
75 °) do eixo axial deve ser verificada em ambos os gatos de
vante e de ré antes de lançar a embarcação.
PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Semanal Mover embarcações da posição estivadas
Verificar se frio está limpo, sem óleo e graxa
Inspeção Geral.
Manutenção Verificar:
Polias do freio
Fixação do cabo no tambor.
Engraxar cabo e guincho e graxeiras
Checar o nível de óleo nos guinchos e completar, se necessário..
Substituição 5 Anos Substituir o estropo
Manutenções Anual e Inspeção em Terra
por empresas Quinquenal Teste dinâmico do freio do guinhco - anual
Teste de carga – 5 anos
certificadas

14
Dispositivos Hidrostáticos

Deve liberar a balsa a uma profundidade de h<4m

Marcação: tipo, número de série, data de fabricação, se é adequada para


utilização em balsas com capacidade para mais de 25 pessoas. Se descartável:
data de validade
Cada peça ligada à boça deve ter uma resistência igual ou maior que a prescrita
na boça.

PLANO DE MANUTENÇÃO – SOLAS III/20.9.1

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Semanal Inspeção do dispositivo e suporte
Substituição 2 Anos Substituição de acordo com a validade
Obs Cuidado com mangueira de água diretamente contra o dispositivo.
Manter livre de gelo.

Lança Retinida
Quantidade - Deve haver ao menos 1 equipamento lança-
retinida com capacidade para:
• 4 projeteis. D>230m
• 4 retinidas com Frup>2kN
Instruções ou diagramas
Contidos em um invólucro resistente à água
Obs: No Check List de verificacao para embarcacoes
SOLAS contido na Normam 01, pede-se a verificacao da
disponibilidade, dentro de cada embarcação salva-vidas
ou em local próximo e de fácil acesso, de, pelo menos,
dois aparelhos lança-retinida
PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Mensal Verificar
Condições Gerais
Data de Validade
Etiquetas
Quantidade e Localização
Substituição 3 Anos Trocar as espoletas de acordo com a data de vencimento

15
EPIRB
Obrigatoriedades

EPIRB (Emergency Positioning Indicator Radio Beacon) - rádio baliza indicadora de


posição de emergência, instalada em todos os navios empregados em
viagens nas áreas marítimas A1, A2, A3 ou A4, operando na freqüência de 406 MHz.
Os equipamentos deverão ser dotados de uma codificação única, constituída pelo dígito
710 (identificação do Brasil), seguido por outros 6 dígitos que identificarão a estação do
navio, de acordo com o apêndice 43 do Regulamento Rádio da União Internacional de
Telecomunicações (UIT). O código, é conhecido como MMSI (Maritime Mobile Safety
Identities). f=406MHz, pronto a ser solto manualmente e transportado para uma
embarcação de sorevivência; Deve ser ativado automaticamente em caso de naufrágio
PLANO DE MANUTENÇÃO – SOLAS IV/15.9
Ação Intervalo Procedimento
Inspeção Mensal Realizar o teste de padrão automático para verificar bateria. – durante 5 min
Verificar:
• Localização e Condições Gerais; Limpeza, chaves de humidade, cordão bem
Empacotado e fixado ao EPIRB
• Marcação da localização e instruções
• Data de vencimento do dispositivo de liberação hidrostática e da bateria.
Teste Semestral Auto-teste – Ver instruções do fabricante.

Inspeção Anual Inspeção e teste em um serviço de terra.


OBS: até 3 meses antes de expirar a data de validade ou depois da data de aniversário,
do Certificado de segurança Rádio de Navio de Carga. Pode ser realizado a bordo ou
num posto de teste aprovado
Substituição 2 anos Trocar o sistema de liberação hidrostática
Bateria 4 anos Substituir
Manutenção 5 anos Manutenção de terra.

SART

PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Mensal Verificar:
• Localização
• Data de vencimento da bateria
• Etiquetas
Testar
16
Conexão Internacional para a Terra

Quantidade: para navios com AB > 500, ao menos 1


conexão que possa ser utilizada em qualquer bordo do
navio ou uma em cada bordo.

Projetadas para trabalhar com uma pressão de


1N/mm2.
Deve ser mantida sempre a bordo, , e com uma junta adequada para trabalhar com uma pressão de 1N/mm2.
Descrição DImensões
Diâmetro externo 178 mm
Diâmetro interno 64 mm
Diâmetro do círculo dos 132 mm
parafusos
Espessura no flange 14,5 mm no mínimo
Aberturas no flange 4 furos de 19mm
espaçado de forma
eqüidistantes
Porcas e Parafusos 4 parafusos de 16mm de
diâmetro e 50mm de
comprimento
4 porcas de 16mm
8 arruelas

PLANO DE MANUTENÇÃO – MSC/Circ.850


Ação Intervalo Procedimento
Inspeção 3 meses Verificar condições gerais da conexão, flange oircas e parafusos
Verificar quantidade correta de pordas e parafusos (4 completos)

17
EEBD (Dispositivo de respiração para escape em
emergência) 10min
Deve funcionar por, pelo menos, 10 minutos.
Devem estar marcados e indicados no Plano de Segurança

Para Navios de Carga:


Acomodações – 3 (2 EEBD, mais 1 conjunto completo sobressalente) -
estivados tão afastados quanto possível.
Espaços de máquinas de Categoria A - 1 EEBD para cada plataforma ao
longo de cada escada/rota de fuga. Caso a sala de controle de máquinas
esteja situada dentro da praça de máquinas, deverá ser dotada com 1 EEBD
adicional
FSS Code
Dispositivo que recebe ar ou Outros espaços de máquinas 1 EEBD, caso a Sociedade Classificadora
considere necessário
oxigênio, e que só é utilizado para
escapar de um compartimento que
A localização dos EEBD a bordo deverá estar claramente indicada e os EEBD
tenha uma atmosfera perigosa.
sobressalentes deverão estar claramente indicados como tal.
Não utilizar para combater
Os compartimentos de máquinas devem possuir EEBD em locais visíveis e de
incêndios, entrar em espaços vazios fácil e rápido acesso. A localização e o número deverão estar indicados no
ou em tanques onde haja plano de controle de incêndio (Regra 15.2.4), podendo, o local, ser alterado
deficiência de oxigênio pela Classificadora.
MSC/Circ. 849 Deverá haver instruções ou diagramas mostrando sua utilização, claramente
FSS Code (IMO Res. MSC. 98(73)) estampadas nos EEBD.

Marcação: Exigências relativas à manutenção, a marca registrada e o


número de série do fabricante, a vida útil, juntamente com a data de
fabricação e o nome da autoridade que o aprovou.
PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Mensal Verificar Quantidade e localização
Checar a pressão no manômetro
Inspeção 10 Inspeção por uma estação de serviço certificada
Em terra Anos

18
Aparelhos de Respiração (30min)
Obrigatoriedades
Aparelho de respiração autônomo que utilize ar comprimido com V > 1200l ou
outro capaz de funcionar por 30 minutos.
As ampolas de ar devem ser intercambiáveis.
Deve conter um cabo guia com comprimento de 30m, prvido de engate rápido
passível de ser atado ao arreios do conjunto ou a um cinto próprio, e que seja
desenrolável quando iniciar-se a operação.
SOLAS II-2/10.10.2.5
SOLAS 19.3.6.2
MSC/Circ. 850
NBR 13716.
PLANO DE MANUTENÇÃO
Ação Intervalo Procedimento
Inspeção Semanal Testar Vedação:
• De alta pressão do sistema
• De baixa pressão da máscara
• De de ar por 1 minuto
Inspeção Anual Checar número e nível de enchimento dos cilindros de ar de respiração sobressalentes.
Checar tela da máscara facial quanto a arranhões e a borracha quanto à vedação e elasticidade.
Checar qualidade do ar deverá do compressor (empresa certificada).a) Inspecionar e manter aparelho de
acordo com as instruções a seguir.
b) Checar número e nível de enchimento dos cilindros de ar de respiração
sobressalentes.
c) Checar tela da máscara facial quanto a arranhões e a borracha quanto à
vedação e elasticidade.
d) Se houver um compressor de enchimento instalado a bordo, a qualidade
do ar deverá ser testada por uma companhia de serviço certificada. (SAF
77)

19
Roupa de Combate a Incêndio
Obrigatoriedades
Quantidade (N): N > 2 prontos para uso, mantidos em locais de fácil acesso que estejam
marcados clara e permanentemente e acondicionados em locais amplamente separados.

Comunicação do pessoal: dois rádio telefones portáteis de duas vias para cada grupo de
combate a incêndio de duas vias, à prova de explosão ou intrinsicamente seguros.

Roupa de Combate a Incêndio Completa:


• Aparelho de respiração – sempre carregado
• Cabo de segurança à prova de fogo com L > 30m. Deverá poder ser fixado através de
um gato ao suporte do aparelho de respiração ou a um cinto separado.
• Roupa de proteção
• Botas de borracha ou outro material não condutor de eletricidade
• Capacete rígido
• Lâmpada elétrica de segurança (de mão). Período: 3h e à prova de explosão
• Machado com cabo dotado de isolamento contra alta tensão

PLANO DE MANUTENÇÃO - MSC/Circ. 850

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Semestral Verificar condições gerais.

Extintores de Incêndio
Dimensões e Cargas Outras Obrigatoriedades
Extintores com m <23 kg = portáteis
m>23kg - semiportáteis e devem possuir mangueiras e
CLASSE CARACTERÍSTICA esguichos adequados.
A Sólidos que deixam resíduos
B Líquidos, gases e graxas combustíveis ou Testes
inflamáveis Data do teste hidrostático de alta pressão - testes em
C Equipamentos e instalações elétricas intervalos de menos de 10 anos. 10% é submetido a
energizados. Caso desenergizado, passa para teste hidrostático. Se algum for reprovado -> 50%
classe A devem ser testados. Se mais cilindros forem reprovados
-> 100%
Classe Água Espuma CO2 Pó Químico Substituir mangotes flexíveis a cada 10 anos
Mecânica
A-2 10 L 9L - - Cargas Sobressalentes: 100% para os 10 primeiros e
B-1 - 9L 4 kg 1 kg 50% para o restante dos extintores capazes de serem
B-2 - 9L 6 kg 4 kg recarregados a bordo . Não são exigidas mais do que 60
B-3 - 9L 10 kg 6 kg cargas sobressalentes. Se não houver como recarregar a
B-4 - 9L 25 kg 12 kg bordo, deve haver extintores adicionais para substituir
os que não puderem ser recarregados da mesma forma
B-5 - 9L 50 kg 25 kg
que para as cargas.
C-1 - - 4kg 1 kg
C-3 - - 6 kg 4 kg
SOLAS II-2/10.3
MSC/Circ. 850
IMO Res. A.951(23)

20
QUANTIDADE E CLASSE DOS
ÁREA LOCALIZAÇÃO EXTINTORES

ÁREAS DE Passadiço e Camarim de Cartas 1 C-2


SEGURANÇA Sala de Rádio 1 (próximo da saída) C-2(*1)
ÁREAS DE Camarotes, Banheiros, Espaços 1 em cada corredor A-2 ou B-2
ACOMODAÇÕES Públicos, Escritórios etc e principal em cada convés,
paióis, depósitos e copas adequadamente
associados localizado de forma que
nenhum espaço esteja a
mais de 20m de um
extintor

ÁREAS DE Cozinhas 1 para cada 200m2 ou B-2 ou C-2


SERVIÇO fração, adequado ao risco
envolvido
Paióis, incluindo de tintas e lâmpadas. 1 para cada 200m2 ou A-2 ou B-2
fração, adequado ao risco
envolvido
ESPAÇOS DE Espaços contendo caldeiras a óleo 2(*3) B-2
MÁQUINAS(*2) (principal ou auxiliar) ou qualquer
unidade de óleo combustível sujeita à
descarga sob pressão da bomba de
serviço de óleo combustível

Espaços contendo motores de 1 B-5(*4)


combustão interna ou turbinas a gás
para a propulsão 1 para cada 1000 BHP, B-2
mas não menos que 2
nem mais que 6(*5)

Espaços Auxiliares contendo motores 1(*6) (*7) B-3


de combustão interna ou turbinas a
gás 1 próximo da saída (*7) B-2

Espaços Auxiliares contendo 1 próximo da saída C-2


geradores de emergência
ÁREAS DE Praça de Bombas 1 B-2
CARGA
Área de Carga nenhum
NOTAS:
(*1) - embarcações não empregadas em viagens internacionais podem substituir por 2 C-1.
(*2) - um extintor C-2 deve estar imediatamente disponível para as áreas do gerador de serviço e do quadro elétrico
principal e, adicionalmente, um C-2 deve estar convenientemente localizado a uma distância sem obstruções não
superior a 15 m de qualquer ponto do compartimento principal de máquinas. Esses extintores não necessitam ser
exigidos em adição aos outros extintores regulamentares.
(*3) - embarcações com AB menor que 1000 necessitam apenas 1.
(*4) - embarcações com AB menor que 1000 podem substituir por 1 B-4.
(*5) - apenas 1 é exigido para barcos com menos de 20 m de comprimento.
(*6) - se uma caldeira auxiliar está instalada no espaço, o extintor B-5 previamente exigido para a caldeira pode ser
substituído. Não é exigido quando um sistema fixo estiver instalado.
(*7) - não exigido para embarcações com AB menor que 300.

21
PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento – GLSM Code


Inspeção Mensal Verificar quantidade e localização
Verificar as mantas de incêndio.
Checar as condições da etiqueta fluorescente.
OBS: Todos os extintores portáteis deverão estar carregados, identificados, com instruções de uso e dentro
do prazo de validade.
Inspeção Semestral Como inspeção Mensal
Verificar a data de vencimento e a numeração interna.
Checar a alavanca do esguicho, lacre e indicadores.
Agitar os extintores para evitar sedimentação do pó de extinção.
Manutenção Anual Manutenção por empresa de serviço subcontratada.
Manutenção 5 anos Manutenção a cada 5 anos, prorrogáveis por mais 05 anos de acordo com o disposto na NORMAM/DPC
Teste de pressão hidrostático

Redes e tomadas de Incêndio


Quantidade: tais que dois jatos provenientes de tomadas
distintas, um fornecido por uma seção de mangueira e a outra
por, no máximo duas, possam atingir qualquer região da
embarcação, incluindo os compartimentos de carga.
Armário pintado de vermelho, com uma porta com visor de vidro
Redes e tomadas:pintadas de vermelho.
Tomadas: Devem possuir tampas com buracos para aliviar a
pressão da rede. Devem ser testadas antes de serem utilizadas
Todos os equipamentos de combate a incêndio devem estar
prontos para utilização imediata, devendo estar desobstruídos..

Na entrada da praça de Máquinas (Lado externo) deverão ser


previstas uma tomada e uma estação de incêndio, que também
deve possuir uma seção de mangueira e um aplicador de neblina.
Os esguichos dessa tomada deve ser de duplo emprego: borrifo e
jato sólido, incluindo um dispositivo de fechamento.

Pressão nas tomadas: com duas bombas ligadas


simultaneamente para navios de carga com AB>6000 P > 0,25
N/mm2

Diâmetro da rede: suficiente para permitir distribuição da


descarga de 140 m3/h (navios de carga).

Seção das mangueiras: L<15m


MSC/Circ. 850 X: 1 seção de mangueira, incluindo uniões e esguichos, para cada
ISO 14726:2008 – Identificação por cores das 25m de comprimento da embarcação mais 1 sobressalente. O
tubulações em embarcações. número nunca poderá ser inferior a 3.
Diâmetro das mangueiras d>38mm
Esguichos devem ter d>12mm

Válvula de Interceptação: separa a rede do compartimento de


máquinas que contém as bombas, do resto da rede.

PLANO DE MANUTENÇÃO – conforme o item esguichos e mangueiras


22
Verificar desobstrução, pintura das caixas, condições das tampas das tomadas, indicação e adesivos

Bombas de Incêndio
Quantidade (N): N > 2 para navios de carga com AB > 1.000

Bombas sanitárias, de lastro, de esgoto ou de serviços gerais podem ser aceitas como bombas de incêndio desde que
não sejam utilizadas normalmente para bombear óleo e que se ocasionalmente bombearem óleo, que sejam dotadas
de dispositivos adequados para realizar a mudança de função.

Capacidade: 80% ou mais que a capacidade total exigida pelas duas bombas dividida pela quantidade de bombas, mas
não inferior a 25m3/h.

Deve haver ao menos 1 bomba de incêndio de emergência com sua fonte de energia elétrica e conexão no costado
localizadas fora do compartimento das bombas de incêndio principais ou as suas fontes de energia elétrica.

PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção Mensal Inspeção visual das válvulas das bombas, checar movimentação e posição correta

Inspeção Semestral Checar partida à distância e local das bombas e da parada de emergência
Checar a vazão e a pressão
Inspeção Semanal Verificar as condições visuais da bomba de emergência
Verificar de existe água / óleo no esgoto
Bomba de Verificar posição das válvulas
Emergência Dar partida na bomba de emergência, checar sucção e pressão de saída
Checar "controle à distância", se aplicável.

Esguichos e Mangueiras de Incêndio


Quantidade de mangueiras(N): 1 para cada 30m de comprimento
do navio (de carga com AB>1.000) mais 1 sobressalente mas, em
nenhuma hipótese, menos de 5 ao todo. Esse número não inclui
as mangueiras necessárias para o compartimento das máquinas e
caldeiras.
Para navios que transportam cargas perigosas: mais 3
mangueiras e 3 esguichos além dos exigidos acima.

Comprimento das mangueiras


• Máquinas: Entre 10m e 15m
• Convés – se Boca máxima < 30m -> entre 10m e 20m
• Convés – se Boca máxima < 30m -> entre 10m e 25m

Deve haver 1 mangueira um 1 esguicho para cada tomada ou os


No caso acima, cortar a extremidade e refazer o acoplamentos das mangueiras e os esguichos deverão ser
trabalho. Manter o arame e os anéis de vedação totalmente intercambiáveis.
levemente lubrificados com vaselina.
Os esguichos também devem estar lubrificados Tamanhos e tipos de esguichos:
para que o mecanismo de jato spray funcione 12mm, 16mm ou 19mm
corretamente Para compartimentos habitáveis: 12mm é o suficiente
23
Para máquinas e locais abertos: 19mm ou menos. Tal que seja
MSC/Circ. 850 obtida máxima descarga fornecida pela menor bomba.

PLANO DE MANUTENÇÃO

Ação Intervalo Procedimento


Inspeção e Mensal Checar quantidade e localização das mangueiras.
Manutenção Aplicar vaselina, se necessário.
Checar as partes móveis no esguicho de jato., aplicadores de espuma e etiquetas
fluorescentes
Teste Semestral Checar todas os postos de incêndio quanto ao número completo de mangueiras,
esguichos e chaves para a mangueira. Secar e limpar as estações.
Desenrolar as mangueiras e verificar condição.
Teste de pressão com água.
Testar as posições dos esguichos
Testar todos os hidrantes.
Obs O concentrado de espuma dos aplicadores de espuma portáteis deverão ser trocados a cada 5 anos

Rotas de Escape de Emergência


Obrigatoriedades
Escadas de rotas de escape: devem possuir setas fotoluminescentes indicadoras de direção

Iluminação: Se certificar de estarem devidamente indicadas (adesivos vermelhos) e funcionando.


SOLAS III/19.3.3.9

24
Regulamentos e Manutenções
SEMANALMENTE

Equipamento Tipo de inspeção Regulamentos


Baleeiras e Embarcações de Resgate Visual SOLAS III/20.6.1
MSC/Circ. 1206
Baleeiras e Embarcações de Resgate Ligar o motor SOLAS III/20.6.2
MSC/Circ. 1206
Dispositivos de Lançamento Mover da Posição SOLAS III/20.6.3
MSC/Circ. 152(78)
Sistema de Alarme Geral Teste SOLAS III/20.6.4
Cilindros SCBA Checar vazamentos. Teste SOLAS II-2/10.10.2.5
Hidrostático SOLAS 19.3.6.2
MSC/Circ. 850

MENSALMENTE

Equipamento Tipo de inspeção Regulamentos


Meios de embarque e desembarque Inspeção SOLAS II-1, Reg 3-9.3
SOLAS III/20.7.2
MSC/Circ. 1331, 4.6
Dispositivos de Lançamento Arriada SOLAS III/20.7.1
MSC/Circ. 152(78)
Roupa de Imersão Inspeção SOLAS III/20.7
MSC/Circ. 1047
Luzes de Emergencia Teste SOLAS III/19.3.3.9
Roupa de Combate a Incendio, Extintores, Inspecao - Local e condições MSC/Circ. 850
Hidrantes, Tomadas, Mangueiras e apropriadas
Esguichos
Válvulas do sistema de combate a Incencio Na posicao correta MSC/Circ. 850
Sistema de Sprinkler Inspeção e teste MSC/Circ. 850
Pressão na rede, nível de água, pressão

25
dos tanques e bombas
Bombas de Incendio Testar MSC/Circ. 850
Sistema Fixo de CO2 Inspeção e Manutenção MSC.1/Circ. 1318
Usando teste de válvulas para cada seção MSC/Circ. 850 A cada 4 meses

ANUALMENTE

Equipamento Tipo de inspeção Regulamentos


Dispositivo de Liberação Hidrostática SOLAS III/20.9.1
Roupa de Imersão Teste com ar MSC/Circ. 1114
Coletes Salva-Vidas e MES Rotacionar MES SOLAS III/20.8.1.1
SOLAS III/20.8.2
Lanternas, Facho Holmes e Baterias da Substituição das baterias SOLAS III/7.1.3
Palamenta, bóias e coletes LSA Code 1.2.3
LSA Code 2.1.2
Baterias Radio Inspeção e teste em Terra SOLAS V/26
EPIRB Inspeção e teste em Terra SOLAS IV/15.9
Aparelho de Respiração Teste no compressor de
enchimento em terra
Extintores semi-portáteis Localização, pressão e SOLAS II-2/10.3
manutencao em Terra MSC/Circ. 850
IMO Res. A.951(23)
Dispositivos de Lançamento Teste dinâmico do freio do SOLAS III/20/11.1
guincho com veloc. máxima SOLAS III/20/11.2.2
MSC. 152(78)
LSA Code 6.1.2.5.2
MSC/Circ. 1206
Cilindros de Ar Comprimido para as Inspeção externa GL
embarcações salva-vidas
Kit de Primeiros Socorros Baleeira Inspeção / substituição SOLAS III/41.8.20
LSA Code 4.4.8.20
Portas Corta-fogo e dampers Ver Operação remota MSC/Circ. 850
Sistema fixo de CO2 Inspeção e Manutenção MSC.1/Circ.1318
Sistema de Neblina e de Spray Teste MSC/Circ.850

26
Sistema de Detecção de Incêndio Teste SOLAS II-2-7.3.2
MSC/Circ.850
Mangueiras de Incêndio Teste Hidrostático MSC/Circ.850
Bombas de incêndio e de Sprinkler Teste Vazão e pressão MSC/Circ.850
Hidrantes Teste Operacional MSC/Circ.850
Conexões do sistema de Sprinkler Teste Operacional MSC/Circ.850
Aparelho de respiração autônoma Teste qualidade do ar MSC/Circ.850
Sistemas de gases extintores Teste MSC/Circ.850
VDR Teste em terra SOLAS V/18.8

OUTROS

Equipamento Tipo de inspeção Regulamentos


4 meses Alarme automático do sistema de Teste com válvulas MSC/Circ.850
Sprinkler para cada seção
4 meses Conexão Internacional para a Terra Inspeção MSC/Circ.850
4 meses Portas corta-fogo e dampers Operação local MSC/Circ.850
Sistemas fixos de extinção de Inspeção SOLAS II-2/10.4
incêndio em geral FSS Code (IMO RES. MSC.
98(73))
Cilindros de CO2 e Halon Checar nível SOLAS II-2/14
MSC/Circ.850
3 anos Roupa de Imersão (mais 10 anos) Teste com ar MSC/Circ. 1114
3 anos ou Pirotécnico – Pára quedas estrela Substituição SOLAS III/6.3
data validade vermelha LSA Code 1.2.3
LSA Code 3.1
3 anos ou Pirotécnico -fumígeno Substituição SOLAS III/7.1.3
data validade LSA Code 1.2.3
LSA Code 3.3
3 anos ou Sistema de combate a incêndio por Concentrado da SOLAS II-2/14
antes espuma espuma MSC/Circ.850
MSC/Circ.670
5 anos EPIRB Manutenção em SOLAS IV/15.9
terra
10 anos Cilindros usados em combate a Teste de pressão MSC/Circ 847

27
incêndio hidrostático IMO Res.A.951(23)
10 anos CO2 HOSE ASSEMBLIES feitas de Substituídas
material sintético
5 anos ou Ração Substituição LSA Code 4.4.8.12
data validade
5 anos Cilindros SCBA Checar SOLAS II-2/10.10.2.5
vazamentos. Teste SOLAS 19.3.6.2
Hidrostático MSC/Circ. 850
5 anos Baleeira – Tiradores de Talha
5 anos Dispositivo de lançamento e liberação Teste de carga SOLAS III/20.11.2.3
de carga - Baleeira
5 anos Cilindro de ar comprimido das balsas Teste hidrostático IACS REC. No. 88
De acordo EEBD MSC/Circ. 849
com FSS Code (IMO Res. MSC.
fabricante 98(73))
------ Falls used in launching Manutenção SOLAS III/20.4
MSC/Circ. 216(82)

28