Você está na página 1de 248

DIRETORIA DE AVALIAÇÃO

DA EDUCAÇÃO SUPERIOR
DAES

ANAIS DOS SEMINÁRIOS


REGIONAIS SOBRE
AUTOAVALIAÇÃO
INSTITUCIONAL E
COMISSÕES PRÓPRIAS
DE AVALIAÇÃO (CPA)
2013
Ministério da Educação

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas


Educacionais Anísio Teixeira | Inep

Diretoria de Avaliação da Educação Superior | Daes


ANAIS DOS SEMINÁRIOS
REGIONAIS SOBRE
AUTOAVALIAÇÃO
INSTITUCIONAL E
COMISSÕES PRÓPRIAS
DE AVALIAÇÃO (CPA)
2013

Claudia Maffini Griboski


Stela Maria Meneghel
(Organizadores)

Brasília-DF
Inep/MEC
2015
© Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)
É permitida a reprodução total ou parcial desta publicação, desde que citada a fonte.

Diretoria de Avaliação da Educação Superior - Daes

EQUIPE TÉCNICA:
Janaina Ferreira Ma
Mariângela Abrão

A exatidão das informações e os conceitos e opiniões emitidos


são de responsabilidade dos autores.

ESTA PUBLICAÇÃO NÃO PODE SER VENDIDA. DISTRIBUIÇÃO GRATUITA.


PUBLICADA EM 2015.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

I59a Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Brasil).


Anais dos seminários regionais sobre autoavaliação institucional e comissões
próprias de avaliação (CPA) [recurso eletrônico] / Instituto Nacional de Estudos e
Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Organizado por Claudia Maffini Griboski e
Stela Maria Meneghel. – Brasília : Inep, 2015.
242 p.

ISBN 978-85-7863-040-9

1. Autoavaliação institucional. 2. Avaliação do Ensino Superior. 3. Educação


Superior. I. Título.

CDU 378.146
SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO........................................................................................................ 13

PROGRAMAÇÃO..........................................................................................................21

PARECERISTAS............................................................................................................23

PARTE 1 – ARTIGOS .................................................................................................... 25

1. Visão da comunidade sobre o Sinaes: desafios e perspectivas


Amândia Maria de Borba.................................................................................... 25

2. Avaliação de instituição de ensino superior e autoavaliação educacional


Clarilza Prado de Sousa, Bernardete A. Gatti...................................................... 30

3. Considerações sobre o Seminário de Autoavaliação Institucional e Comissões


Próprias de Avaliação da Região Sul
Reginaldo Alberto Meloni.................................................................................... 38

4. A autoavaliação, os seminários regionais e a implementação do Sinaes:


reflexões e perspectivas fundamentadas na experiência da Conaes
Robert Verhine..................................................................................................... 46

5. Conaes – Visão da comunidade acadêmica sobre o Sinaes: desafios e perspectivas


Silke Weber . ....................................................................................................... 60

3
6. Sobre os autores ................................................................................................ 78

PARTE 2 – RESUMOS .................................................................................................. 79

Eixo I – Criação de Estratégias e Metodologias para o Trabalho das CPA ..................... 79

Região Centro-Oeste ...................................................................................................... 79

1. A autoavaliação como instrumento de democratização institucional . .............. 79

2. Cultura de avaliação institucional e gestão das IES: significado e


atuação da CPA ............................................................................................. 81

3. Reflexão sobre a trajetória das ações desenvolvidas pela Comissão Própria de


Avaliação (CPA) no período de 2004-2012........................................................... 82

4. Plano de Autoavaliação da Universidade de Brasília: proposta metodológica e


estratégica da CPA – UnB para avaliação institucional......................................... 83

5. Utilização da ferramenta Google Forms no processo de avaliação institucional:


estudo de caso nas Faculdades Magsul.............................................................. 85

Região Nordeste .............................................................................................................. 86

6. A abstenção dos estudantes nas autoavaliações institucionais ......................... 86

7. Autoavaliação institucional na UFPI: desafios e aculturação ............................. 87

8. Autoavaliação institucional na Universidade Católica de Pernambuco:


uma prática em construção . .............................................................................. 88

9. Avaliação institucional na Faculdade Santo Agostinho: processo e perspectiva ..... 90

10. Avaliação interna como prática de reflexão para melhoria da qualidade dos
serviços apresentados à comunidade acadêmica............................................... 91

11. Avaliação, qualidade educacional e participação: a experiência


autoavaliativa da Unifor ..................................................................................... 92

12. Coparticipação e corresponsabilidade da comunidade junto à CPA.................... 93

13. Desafios e Possibilidades na concretização da autoavaliação institucional:


execução das ações de avaliação interna ........................................................... 94

14. Estratégia de institucionalização da avaliação institucional na UFBA ................ 95

4 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
15. Estratégias de trabalho da CPA como indutora de melhoria e decisão na gestão
administrativa e acadêmica da Unilab ............................................................... 97

16. Problematizar caminhos, erigir novas cartografias: a experiência do IFPI


– Campus Picos frente ao desafio de construir uma cultura de avaliação
institucional . ...................................................................................................... 98

17. Processo de Autoavaliação na Ufersa: transitando entre o legal,


o real e o ideal . .................................................................................................. 99

18. Ressignificando o papel da CPA: possibilidades e perspectivas estratégicas das


ações de autoavaliação institucional . .............................................................. 100

19. Sinaes em sinal de alerta na Universidade Federal do Ceará ........................... 102

20. Tecendo compreensões sobre a CPA da UFPE: composição e


representatividade ........................................................................................... 103

Região Norte . ................................................................................................................ 105

21. A CPA e o aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem na Faculdade


Martha Falcão, Manaus, AM ............................................................................ 105

22. Autoavaliação institucional: perspectivas de melhorias ou mero cumprimento de


obrigação? . ...................................................................................................... 106

23. Avaliação institucional participativa no Cesupa: desafios e contradições . ...... 107

Região Sudeste .............................................................................................................. 109

24. A avaliação docente e seu impacto na melhoria do ensino ............................. 109

25. A construção da “práxis” institucional em autoavaliação e sua consolidação na


vivência do Sinaes ............................................................................................ 111

26. A utilização do Google Docs como ferramenta para a autoavaliação institucional


na Faculdade de Ciências Humanas e Sociais . ................................................. 112

27. As estratégias de comunicação institucional da cpa como mecanismo para o


aumento da participação do corpo discente nas avaliações da Fagoc ............. 114

28. Autoavaliação institucional na Unigranrio: relato de uma caminhada ............ 115

29. Autoavaliação Institucional: a experiência da Unimep .................................... 116

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
5
30. Autoavaliação institucional: a legitimação como pressuposto para o
encaminhamento de tomadas de decisões . .................................................... 117

31. Avaliação institucional interna: sentidos e significados atribuídos pela


Comissão Própria de Avaliação à pesquisa no Centro Universitário Estácio
Radial São Paulo ........................................................................................ 119

32. Avaliação institucional na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais ....... 121

33. Avaliação sociológica da realização da pesquisa de avaliação institucional


da UFV (2011) . ................................................................................................. 122

34. Construção de processos autoavaliativos no ensino na modalidade a distância:


uma experiência envolvendo a parceria entre gestores e CPA ........................ 123

35. Desenvolvimento de estratégias de sensibilização: considerações acerca


da identidade institucional e sua importância no estabelecimento
da cultura avaliativa . ................................................................................. 125

36. Estruturação e estratégia de trabalho de CPA em grandes universidades ....... 126

37. Experiências estratégicas da Comissão Própria de Avaliação da Universidade de


Ribeirão Preto .................................................................................................. 128

38. O processo de comunicação como canal de divulgação e elemento de


envolvimento da comunidade institucional ..................................................... 129

39. O tear de Penélope: impressões sobre comissão própria de autoavaliação como


instrumento para gestão .................................................................................. 131

40. Um olhar sobre as estratégias e metodologia de trabalho da Comissão Própria


de Avaliação da Universidade Vila Velha: um relato de experiência ................ 132

Região Sul....................................................................................................................... 133

41. A Comissão Própria de Avaliação na Universidade Federal do Paraná . ........... 133

42. A articulação entre avaliação e planejamento: a experiência da CPA


na PUCRS .......................................................................................................... 135

43. A atuação da comissão própria de avaliação como instrumento de gestão de


uma instituição de educação superior ............................................................. 136

44. A Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Universidade de Cruz Alta (Unicruz)


como instância executiva da avaliação institucional ........................................ 137

6 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
45. Avaliação docente: caminhada para a mudança .............................................. 138

46. Avaliação institucional: a trajetória na Unijuí . ................................................. 139

47. Avaliação institucional e o desafio da implantação da cultura da autoavaliação


(autoavaliação e CPA) ....................................................................................... 141

48. Avaliação institucional: uma análise dos resultados em uma unidade


descentralizada da UFSM ................................................................................. 142

49. Contribuições das visitas in loco e dos relatórios do Inep para a criação de
estratégias e metodologias de trabalho da CPA: estudo de caso nas Faculdades
Integradas dos Campos Gerais, Ponta Grossa-PR . ........................................... 144

50. O significado atribuído a avaliação e suas implicações na adesão da


comunidade acadêmica ................................................................................... 144

51. Programa de Avaliação Institucional das Universidades Comunitárias Gaúchas


(Paiung): experiências avaliativas das CPAs das comunitárias . ....................... 146

52. Programa de avaliação institucional na Universidade Federal de Santa Maria CPA


– funcionamento e descentralização do processo ........................................... 147

Eixo II – Indicadores e Instrumentos de Autoavaliação ............................................. 149

Região Centro-Oeste ..................................................................................................... 149

1. Pesquisa “Ouvindo o Aluno” – uma aplicação da análise de lacunas em uma


instituição multicampi . .................................................................................... 149

Região Nordeste ............................................................................................................ 150

2. A atuação da CPA/UFRN na autoavaliação institucional .................................. 150

3. A CPA como mediadora interpares do sistema educacional Inta em Sobral-CE:


relato de experiência de construção democrática e participativa ................... 151

4. Avaliação institucional: indicadores e instrumentos de autoavaliação produzidos


pela CPA Facema .............................................................................................. 153

5. Docência universitária: avaliação diagnóstica como instrumento transformador


da prática docente ........................................................................................... 154

6. Grupos focais como instrumentos de autoavaliação institucional: olhares e vozes


da Faculdade Dom Pedro II .............................................................................. 155

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
7
7. Relatório da autoavaliação institucional no IF Baiano – os instrumentos de coleta
de dados, paralelo entre os exercícios de 2011 e 2012 ................................... 156

Região Norte . ................................................................................................................ 158

8. A prática da autoavaliação interna: uma referência aos indicadores e aos


instrumentos de autoavaliação ........................................................................ 158

9. A utilização de indicadores de qualidade como mecanismo de autoavaliação na


Universidade Federal do Acre .......................................................................... 159

10. Avaliação institucional: relato de experiência da UFT no período


2006-2012 ........................................................................................................ 160

11. Processo de avaliação como ferramenta para qualidade na educação do IFPA –


Campus Castanhal ............................................................................................ 161

Região Sudeste .............................................................................................................. 163

12. A pesquisa com egressos como fonte de informação sobre a qualidade dos
cursos de graduação e a responsabilidade social da instituição ...................... 163

13. Análise dos dados da avaliação do perfil do ingressante da Unoeste .............. 164

14. Autoavaliação Institucional: aplicabilidade de um instrumento de avaliação de


disciplina .......................................................................................................... 165

15. Avaliação institucional: uma perspectiva em destaque ................................... 166

16. Desenvolvimento de competências gerais sob a ótica dos alunos da área


da saúde ........................................................................................................... 167

17. Desenvolvimento e implementação de uma estratégia de coleta de dados via


Mobile .............................................................................................................. 168

18. Indicadores gerenciais no processo de autoavaliação institucional em uma


universidade federal . ....................................................................................... 169

19. Instrumentos de autoavaliação e qualidade da educação superior . ............... 171

20. Intercorpore – uma metodologia qualitativa de reflexões conjuntas entre os


diversos sujeitos do curso visando a sua qualificação . .................................... 172

21. O papel da CPA no processo de autoavaliação institucional no Centro Regional


Universitário de Espírito Santo do Pinhal (UniPinhal) ..................................... 174

8 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
22. Sistemas colaborativos na elaboração dos relatórios da IES nos Ciclos Sinaes . ... 175

23. Teste de progresso e avaliação do desempenho docente: diferenciais do


Programa de Autoavaliação Institucional do Unifeso ...................................... 176

Região Sul ...................................................................................................................... 178

24. A autoavaliação institucional como fonte de informações ao Plano de


Desenvolvimento Institucional: uma aplicação da análise de conteúdo . ........ 178

25. A criação do CiAI: um índice e um conceito interno para a autoavalição


institucional . .................................................................................................... 179

26. Aprimoramento dos instrumentos de autoavaliação aplicados pela CPA ........ 179

27. Autoavaliação institucional com diplomados: contribuições


para a implantação . ......................................................................................... 181

28. Autoavaliação institucional no Centro Universitário Filadélfia/UniFil –


indicadores e instrumentos construídos – relato de experiência .................... 183

29. Autoavaliação, suas fontes e indicadores: a experiência da Univali no processo


de avaliação institucional ................................................................................. 184

30. Avaliação do sentido de realização, relações interpessoais e recompensa no


trabalho: um estudo de caso em uma Instituição de Ensino Superior do estado
do Paraná ......................................................................................................... 185

31. O uso efetivo dos resultados dos processos de autoavaliação para a qualificação
acadêmica ........................................................................................................ 186

32. Significações acerca de indicadores e instrumentos próprios de autoavaliação


institucional . .................................................................................................... 188

33. Utilização da Teoria da Resposta ao Item na análise dos dados da autoavaliação


institucional da Universidade Federal de Santa Maria: vantagens e
oportunidades . ................................................................................................ 189

Eixo III – Impactos da CPA ........................................................................................ 191

Região Centro-Oeste ..................................................................................................... 191

1. A importância da autoavaliação na gestão do curso de Sistemas de Informação


da Faculdade Projeção ..................................................................................... 191

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
9
2. Experiência de autoavaliação institucional do Campus Jataí da Universidade
Federal de Goiás: a percepção dos docentes e técnico-administrativos . ........ 192

3. Impacto da avaliação institucional no processo de gestão educacional da


Faculdade Centro Mato-Grossense .................................................................. 193

4. O impacto dos relatórios da Comissão Própria de Avaliação para a gestão


participativa ..................................................................................................... 195

Região Nordeste ............................................................................................................ 196

5. A autoavaliação como referente para as atividades de gestão, ensino, pesquisa e


extensão na Univasf ......................................................................................... 196

6. A autoavaliação da Comissão Própria e de Avaliação e seus impactos nas ações


institucionais .................................................................................................... 197

7. A contribuição da CPA para a construção da política de desenvolvimento


institucional do IFPI .......................................................................................... 198

8. A avaliação da docência por disciplina na Uern: um processo de participação e


adesão voluntária . ........................................................................................... 199

9. Autoavaliação institucional: indicadores de mudança ..................................... 201

10. Avaliação institucional interna no âmbito de uma universidade pública federal:


repensando o modelo e a prática .................................................................... 202

11. Comissões Próprias de Avaliação nas IES de Fortaleza: um levantamento


quantitativo . .................................................................................................... 203

12. Evolução histórica das autoavaliações institucionais na Universidade Federal da


Paraíba ............................................................................................................. 205

13. Impactos dos relatórios da CPA nos planos de trabalho da Faculdade de


Educação de Bacabal – Febac . ......................................................................... 206

Região Norte . ................................................................................................................ 207

14. Análise da política de assistência estudantil da Universidade Federal do


Tocantins a partir dos relatórios de avaliação institucional da CPA ................. 207

15. Autoavaliação: um desafio possível ................................................................. 209

16. O papel da CPA face aos processos de descredenciamento e recredenciamento


da Unitins pelo MEC para a oferta de cursos a distância ................................. 210

10 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
17. Qual o espaço da avaliação institucional na instituição de ensino superior? . .......211

18. Reflexões sobre o processo de autoavaliação da UFT: avanços e retrocessos .......212

Região Sudeste............................................................................................................... 213

19. A importância da articulação entre o processo de autoavaliação institucional e


os projetos pedagógicos de cursos .................................................................. 213

20. A Autoavaliação como Importante Instrumento da gestão universitária, inclusive


auxiliando na diminuição dos índices de evasão escolar ................................. 215

21. A autoavaliação da Universidade de Sorocaba: impactos da CPA .................... 216

22. A meta-avaliação como instrumento de qualificação do processo de


autoavaliação em uma instituição de ensino superior no Rio de Janeiro ........ 217

23. Autoavaliação institucional: experiência de uma instituição privada de ensino


superior ............................................................................................................ 218

24. Contribuições da atuação da Comissão Própria de Avaliação para a melhoria dos


cursos de graduação da UFSCar, no período 2004-2012 .................................. 220

25. Ensino superior, responsabilidade social e comissão própria de avaliação:


um estudo realizado em uma instituição recentemente instalada no interior
de São Paulo . ................................................................................................... 221

26. Estudo retrospectivo do programa de avaliação institucional da Faculdade


Anhanguera de Taubaté Unidade 1: contribuição da Comissão Própria de
Avaliação .......................................................................................................... 223

27. Histórico de implantação e implementação da avaliação durante os nove anos de


existência da Comissão Própria de Avaliação da Universidade de Uberaba (CPA/
Uniube) ............................................................................................................ 224

28. Impactos dos resultados obtidos pela CPA: mudança na estrutura da gestão
dos cursos ........................................................................................................ 225

29. Impactos e desdobramentos da autoavaliação no processo de melhoria do


Unifemm: uma análise da avaliação de professor de 2010 a 2013 .................. 227

30. Impactos qualitativos da autoavaliação na instituição . ................................... 228

31. Repercussões da autoavaliação institucional na elaboração e na execução do


Plano de Desenvolvimento Institucional .......................................................... 230

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
11
32. Repercussões dos processos da autoavaliação institucional na gestão da IES .......231

Região Sul ...................................................................................................................... 232

33. A trajetória dos processos de autoavaliação institucional na PUCPR .............. 232

34. As contribuições da CPA para a gestão institucional ........................................ 234

35. Autoavaliação e planejamento: avanços e reflexões . ...................................... 235

36. Autoavaliação institucional: subsídios para a capacitação docente . ............... 236

37. Contribuições da CPA na Faculdade Antonio Meneghetti . .............................. 237

38. Impactos da CPA no processo de autoavaliação do curso de Educação Física na


URI – Campus de Frederico Westphalen-RS . ................................................... 239

39. Impactos da CPA no processo de autoavaliação institucional do Centro


Universitário Franciscano ................................................................................. 240

40. Os resultados da autoavaliação institucional como balizadores para tomada de


decisão na gestão da URI – Erechim . ............................................................... 241

12 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
PROGRAMAÇÃO

Seminários Regionais Sobre Autoavaliação Institucional e Comissões


Próprias de Avaliação (CPA) | 2013

08:00 Recepção dos Participantes e Credenciamento

08:30 Mesa de Abertura - autoridades do Inep, Conaes e autoridades locais (da IES)

09:00 Mesa de Apresentação de Trabalhos

10:50 Intervalo

11:00 Apresentação de Pôsteres

12:30 Almoço

13:30 Apresentação do Novo Instrumento de Avaliação Institucional do Inep

14:30 Trabalhos em Grupo - sugestões para elaboração dos Relatórios das CPA

16:00 Intervalo

16:30 Plenária dos Grupos

17:30 Encerramento

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
13
PARECERISTAS

Alicia Bonamino Abave


Bernadete Gatti Abave
Clarilza Prado Abave
Claudia Maffini Griboski Inep
João Carlos Pereira da Silva Conaes
Joaquim José Soares Neto Abave
Lys Vinhaes Abave
Marcelo Knobel Conaes
Reynaldo Fernandes Abave
Robert Verhine Abave
Sergio Franco Abave
Stela Meneghel Inep
Suzana Shwerz Funghetto Inep
Wagner Andriola Abave

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
15
APRESENTAÇÃO

A Lei n° 10.861, de 14 de abril de 2004, instituiu o Sistema Nacional de Avaliação


da Educação Superior (Sinaes), tendo como finalidades a melhoria da qualidade da edu-
cação superior, a orientação da expansão da sua oferta, o aumento permanente da sua
eficácia institucional e efetividade acadêmica e social e, especialmente, a promoção do
aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais das instituições de edu-
cação superior (IES), por meio da valorização de sua missão pública, da promoção dos va-
lores democráticos, do respeito à diferença e à diversidade, da afirmação da autonomia e
da identidade institucional.
Fundamentado no tripé da avaliação de instituições, de cursos e de desempenho dos
estudantes, o Sinaes busca assegurar uma visão global das atividades da formação em nível su-
perior. Apoiado na avaliação institucional, interna e externa, visa promover uma análise global
e integrada das dimensões, estruturas, relações, compromisso social, atividades, finalidades e
responsabilidades sociais das instituições de educação superior e de seus cursos.
Ainda de acordo com a Lei, cabe ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas
Educacionais Anísio Teixeira (Inep) a implementação do Sinaes e à Comissão Nacional de
Avaliação da Educação Superior (Conaes) estabelecer suas diretrizes, buscando articular-
-se com os sistemas estaduais de ensino, visando estabelecer ações e critérios comuns de
avaliação e supervisão da educação superior.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
17
A proximidade dos dez anos do Sinaes e, ao mesmo tempo, o marco de realização da
100ª reunião da Conaes gerou, em 2013, um grande movimento de reflexão sobre as estra-
tégias em desenvolvimento pelo Sistema, seus impactos na educação superior e os desafios
para avançar nos próximos dez anos. Neste contexto, o Inep, por meio de sua Diretoria de
Avaliação da Educação Superior (Daes) e com o apoio da Conaes e da Associação Brasileira
de Avaliação Educacional (Abave), realizou os Seminários Regionais sobre Autoavaliação
Institucional e Comissões Próprias de Avaliação (CPA) – 2013.
Os Seminários Regionais sobre Autoavaliação Institucional e Comissões Próprias de
Avaliação (CPA) – 2013 foram realizados em capitais das cinco regiões do país1 entre os
meses de setembro e dezembro de 2013, tendo como principais objetivos:

• proporcionar um ambiente de diálogo sobre as expectativas do Inep, da Conaes


e das CPA em relação ao Sinaes;
• analisar o processo de autoavaliação institucional à luz das posições assumidas
pelos agentes das CPA, mediante debates, apresentação de artigos etc.;
• sensibilizar as CPA quanto à importância da autoavaliação no instrumento de
avaliação institucional externa;
• obter propostas, de modo a favorecer a criação de consensos em torno das
diretrizes do Sinaes e das ações necessárias para a implementação da política de
avaliação institucional;
• refletir e propor subsídios à Conaes acerca da construção das novas orientações
para a estrutura dos relatórios das CPA, com base no novo instrumento de
avaliação institucional;
• promover a qualidade da autoavaliação institucional, com publicações do Inep,
reunindo trabalhos de reconhecido mérito;
• analisar e debater formas de inserção das diretrizes do Sinaes nas IES, a partir das
experiências, operacionalização e produção das CPA;
• abordar o vínculo das CPA com os órgãos governamentais, com as instâncias
decisórias das IES, e, sobretudo, com a comunidade acadêmica (discentes,
docentes e técnicos-administrativos);
• debater sobre como as CPA idealizam e executam a produção periódica de
relatórios e como se dá o feedback das instâncias decisórias das IES e dos órgãos
governamentais;

1. Brasília/DF, Porto Alegre/RS, Belém/PA, São Paulo/SP, Belo Horizonte/MG e Salvador/BA.

18 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
• permitir o intercâmbio de experiências bem sucedidas de CPA, com foco em
sua composição: estrutura, regimentos/processo de renovação dos membros e
representatividade.

Para tanto, os Seminários Regionais foram programados com base em dois mo-
mentos distintos. No período da manhã, por meio de uma mesa redonda e exposição
de pôsteres, buscou-se promover o compartilhamento de experiências de autoavaliação
das CPA. Com isso, o evento possibilitou às Comissões que tiveram trabalhos aprovados
na região mostrarem e debaterem o aprendizado e o conhecimento adquirido ao longo
de quase dez anos de Sinaes, considerando as especificidades de seus perfis e trajetó-
rias institucionais e indicando quanto consolidaram, inovaram e/ou amadureceram em
seus processos de autorreflexão.
No período da tarde, a Daes, a partir de sua experiência em processos de Avaliação
Institucional Externa (AIE) e em interlocução com diversas IES e atores institucionais, de-
monstrou a evolução do processo, consubstanciado no novo instrumento de avaliação
institucional externa que passa a incluir indicadores específicos do processo de autoava-
liação. Nos eventos, foram apresentadas as alterações no instrumento, seguidas de tra-
balhos em grupo, desenvolvidos com o objetivo de permitir a todas as IES participantes
colaborarem com a construção de propostas de um novo roteiro de autoavaliação.
A fim de possibilitar melhor conhecimento e aprofundamento nas experiências
das CPA, o Inep elaborou edital, em abril de 2013, convidando as IES a inscreverem
resumos que traduzissem sua construção institucional, submetendo-os à análise de es-
pecialistas para posterior redação de texto completo.
Os resumos submetidos foram enquadrados nos seguintes eixos temáticos: Eixo
I – Criação de estratégias e metodologias para o trabalho das CPA (Composição e re-
presentatividade; Autonomia e influências sobre o modo de atuação; A CPA como ins-
tância executiva das ações de avaliação interna; Temas livres pertinentes à temática);
Eixo II – Indicadores e instrumentos de autoavaliação (Confecção de indicadores e ins-
trumentos; Análise de dados e confecção de relatórios; Metodologia de revisão de indi-
cadores e análise das informações pela CPA; Temas livres pertinentes à temática); Eixo
III – Impactos da CPA (Alcance interno e externo dos trabalhos da CPA; Impacto dos
relatórios na agenda de trabalho na IES; Temas livres pertinentes à temática).
Os resumos inscritos foram avaliados por um Comitê Científico, formado por sete

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
19
duplas de avaliadores,2 indicados pela Abave, pela Conaes e pela Daes/Inep, para uma
avaliação do tipo blind review.3
Foram inscritos para os Seminários o total de 163 resumos, dos quais, após seleção,
foram enviados para apresentação 125 trabalhos, conforme detalhado no Quadro 1, a seguir:

QUADRO 1 Resumos inscritos e trabalhos enviados segundo a região e eixo temático

Centro-Oeste Nordeste Norte Sudeste Sul


Região/Eixo TOTAL
I II III I II III I II III I II III I II III
Resumos
7 3 4 16 9 13 3 5 6 21 14 20 14 16 12 163
inscritos
Trabalhos
enviados para 5 1 4 15 6 9 3 4 5 17 12 14 12 10 8 125
apresentação

A fim de que todas as CPA pudessem visualizar as experiências de sua região, foi
estabelecido o formato de pôster para a apresentação de trabalhos, sendo que, destes,
até três foram selecionados para debate em Mesa Redonda em cada um dos Seminários
Regionais. Com vistas a aprofundar a análise sobre estas experiências, foram convidados
especialistas indicados pela Abave para comentar tanto os pôsteres quanto os trabalhos das
mesas. O Quadro 2 mostra a lista dos autores e debatedores que compuseram as Mesas de
Apresentação de Trabalhos em cada cidade:

QUADRO 2 Composição das mesas de apresentação de trabalhos por evento


(autores e debatedores) (continua)

Brasília, DF

Joaquim José Soares Neto Debatedor (Mesa) UnB (DF)

Wagner Andriola Debatedora (Pôsteres) UFC (CE)

Maria de Sousa Rodrigues e Ana Maria A Autoavaliação como Instrumento de UFMT (MT)
Penalva Mancini Democratização Institucional

Arlete de Freitas Botelho e Cultura de Avaliação Institucional e Gestão das IES: UEG (GO)
Jandernaide Resende Lemos Significado e Atuação da CPA

2. Profª Alicia Bonamino; Profª Bernadete Gatti; Profª Clarilza Prado; Profª Claudia Maffini Griboski; Prof. João Carlos Pereira
da Silva; Prof. Joaquim José Soares Neto; Profª Lys Vinhaes; Prof. Marcelo Knobel; Prof. Reynaldo Fernandes; Prof. Robert
Verhine; Prof. Sergio Franco; Profª Stela Meneghel; Profª Suzana Schwerz Funghetto; e Prof. Wagner Andriola.
3. Processo de revisão de trabalhos acadêmicos no qual os textos avaliados não possuem nenhuma indicação de nome e
instituição de seus autores, não permitindo a sua identificação por parte dos revisores.

20 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
QUADRO 2 Composição das mesas de apresentação de trabalhos por evento
(autores e debatedores) (continuação)

Sérgio Larruscaim Mathias Utilização da Ferramenta Google Forms no Processo Faculdade Magsul (MS)
de Avaliação Institucional: Estudo de Caso na
Faculdade Magsul

Porto Alegre, RS

Sérgio Franco Debatedor (Mesa) Abave

Reginaldo Alberto Meloni Debatedor (Pôsteres) Conaes

Marion Creutzberg A Articulação entre Avaliação e Planejamento: a ex- PUC (RS)


periência da CPA na PUCRS

Marcelo Marques Soares Avaliação Docente: Caminhada para a Mudança Feevale (RS)

Maria Aparecida Zehnpfennig Zanetti Aprimoramento dos Instrumentos de Autoavaliação UFPR (PR)
Aplicados pela CPA

Belém, PA

Wagner Andriola Debatedor (Mesa) UFC (CE)

Rosilda Arruda Debatedora (Pôsteres) UFBA (BA)

Manoel Carlos de Oliveira Júnior A CPA e o Aprimoramento do Processo de Ensino e FMF (AM)
Aprendizagem na Faculdade Martha Falcão, Manaus
–AM

Telma Ferreira; Edneuza Gonçalves Qual o Espaço da Avaliação Institucional na Instituição FARO (RO)
Silva; Sâmia de Oliveira Brito de Ensino Superior?

Maria Santana Ferreira Santos; Breno Reflexões Sobre o Processo de Autoavaliação da UFT: UFT (TO)
Suarte Cruz Avanços e Retrocessos

São Paulo, SP

Bernardete Gatti Debatedora (Mesa) FCC (SP)

Clarilza Prado Debatedora (Pôsteres) PUC (SP)

Herbert Gomes Martins Autoavaliação Institucional na UNIGRANRIO Unigranrio (RJ)

Ernesto Sílvio Rossi; “Intercorpore” – Uma Metodologia Qualitativa de Unifieo (SP)


Helena Biaggi Rossi Reflexões Conjuntas entre os Diversos Sujeitos do
Curso Visando a sua Qualificação

Raquel Cristina Ferraroni Sanches A Importância da Articulação entre o Processo de Univem (SP)
Autoavaliação Institucional e os Projetos Pedagógicos
de Cursos

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
21
QUADRO 2 Composição das mesas de apresentação de trabalhos por evento
(autores e debatedores) (conclusão)
(continuação)

Belo Horizonte, BH

Ruben Klein Debatedor (Mesa) Abave

João Carlos Pereira da Silva Debatedor (Pôsteres) Conaes

João Paulo Ciribeli As Estratégias de Comunicação Institucional da CPA Fagoc (MG)


como Mecanismo para o Aumento da Participação do
Corpo Discente nas Avaliações da FAGOC

Maria Theresa Cerávolo Laguna Abreu Histórico da Implantação e Implementação da Uniube (MG)
e Helione Dias Duarte Avaliação Durante os Nove Anos de Existência da
Comissão Própria de Avaliação da Universidade de
Uberaba

Maria Aparecida de Souza Silva e Repercussões dos Processos da Autoavaliação Unileste (MG)
Tereza Cristina Monteiro Cota Institucional na Gestão da IES

Salvador, BA

Virgílio Bastos Debatedor (Mesa) UFBA (BA)

Lys Vinhaes Debatedora (Pôsteres) Abave

Fernanda Pereira Santos A Abstenção dos Estudantes nas Autoavaliações IFBA (BA)
Institucionais

Patrícia Irene dos Santos Ressignificando o Papel da CPA: possibilidades e Fafire (PE)
perspectivas estratégicas das ações de autoavaliação
institucional

Suzana Alves Nogueira A Autoavaliação da Comissão Própria e de Avaliação e FAN (BA)


seus Impactos nas Ações Institucionais

Os Seminários Regionais sobre Autoavaliação Institucional e CPA funcionaram


como um espaço de reflexão e debates sobre as experiências de autoavaliação acumu-
ladas ao longo desses dez anos do Sinaes, acrescido de um momento de proposições,
no sentido de fortalecer as diretrizes da avaliação a as ações necessárias à consolidação
da política de autoavaliação institucional.
Assim, é com muita satisfação que a Diretoria de Avaliação da Educação Superior
do Inep entrega este documento, um registro da produção apresentada e debatida nos
Seminários Regionais 2013, com o objetivo de disseminar as experiências das diferentes
IES do nosso país e servir de referência para o fortalecimento do processo de autoava-
liação como elemento essencial para o desenvolvimento do Sinaes.

22 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
A Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (Conaes) e a Diretoria
de Avaliação da Educação Superior (Daes) do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas
Educacionais Anísio Teixeira (Inep) apresentam o registro dos Seminários das Comissões
Próprias de Avaliação com o objetivo de disseminar as experiências das diferentes IES
do nosso país para que elas possam ser referências no fortalecimento do processo de
autoavaliaçao e proporcionem o desenvolvimento do Sinaes.

Claudia Maffini Griboski


Diretora de Avaliação da Educação Superior (Daes)
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)

Stela Maria Meneghel


Coordenadora-Geral de Controle da Qualidade da Educação Superior (Daes/CGCQES)
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
23
PARTE 1
ARTIGOS

1. VISÃO DA COMUNIDADE SOBRE O SINAES:


DESAFIOS E PERSPECTIVAS
Amândia Maria de Borba

Minha saudação e meus cumprimentos às autoridades presentes e já nominadas


pelo cerimonial. Aos participantes desta reunião: boa tarde!
Registro minha satisfação em estar com os senhores nesta mesa que pretende
explicitar um pouco da visão da comunidade sobre a política do Sistema Nacional de
Avaliação da Educação Superior (Sinaes) – particularmente sobre o papel das Comissões
Próprias de Avaliação na condução do processo da Avaliação Institucional.
Apresento, também, meu agradecimento pela atenção à intervenção que faço como
pesquisadora em avaliação e gestora de uma universidade comunitária.
Para começar, tomo a liberdade de apresentar algumas interpretações e inquietações
exploradas em estudos publicados sobre o Sinaes, além de posições compartilhadas em
fóruns da área – por gestores do ensino superior e por profissionais envolvidos com os
processos de avaliação nas IES.
As instituições, ainda que identifiquem sua competência e sua qualidade, também
reconhecem que um processo de avaliação pelo órgão regulador externo é bem-vindo,

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
25
associado aos resultados da avaliação institucional, quando desenvolvida por um processo
que seja:

• sistemático, isto é, em que os dados levantados sistematicamente permitam


análises históricas dos avanços e das fragilidades da instituição;
• global, ou seja, em que as IES reconhecem que o sistema, como um corpo
integrado, precisa de padrões de comparabilidade e, ao mesmo tempo, de
espaços para demonstrar suas especificidades. Daí a diversidade de metodologias
e instrumentos, com indicadores que possam dar sustentação a um padrão
mínimo de qualidade;
• legítimo, a saber, em que todos nós reconhecemos o poder da avaliação –
para a punição ou a premiação e, ainda, para o desenvolvimento das pessoas
envolvidas e da IES, ou seja, a avaliação precisa ter propósitos proativos capazes
de subsidiar o planejamento em todos os níveis da instituição. Isso porque, no
processo de desenvolvimento da avaliação institucional e da avaliação dos cursos
de graduação, oportunidades de melhoria das ações institucionais podem ser
favorecidas sempre que as negociações forem pautadas pela ética comunicacional,
pois as proposições frente aos resultados alcançados geram o sentimento maior
do comprometimento político da responsabilidade pública – qual seja: submeter-
se sempre ao crivo do olhar da sociedade pelo olhar de avaliadores internos
e externos. Assim, a legitimidade se sustenta pelo rigor científico e pela ética
aplicada na condução do processo.

Esses princípios fundamentam a política do Sinaes, desde a sua implantação em 2004,


com a finalidade de avaliar a graduação valorizando aspectos que induzam à qualidade
da educação superior. Os estudos de avaliação têm considerado que o Sinaes representa
um avanço sobre o sistema anterior e que a política de avaliação no país vem ganhando
centralidade e força nos planos de governo, alinhada à política de expansão do setor.
As análises realizadas mostram que, desde 1995, as políticas para o ensino superior no
País vêm promovendo a desregulamentação e a privatização de ofertas e de financiamentos.
Como consequência, nos planos de gestão das IES, as políticas da expansão de seus cursos
e matrículas vêm acompanhadas da atenção ao mercado e ao movimento das profissões
e das carreiras e do comprometimento de manter e/ou de alcançar a qualidade dos
resultados levantados pelos processos de avaliação.

26 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
No entanto, é importante considerar que, no cenário atual, os resultados das
avaliações estão concentrados mais na emissão de conceitos e menos em análises
qualitativas dos projetos institucionais.
Essa é uma discussão presente nos fóruns regionais internos das IES e que precisa
ser explicitada nestes processos de aperfeiçoamento do Sinaes, a saber: o dos limites das
análises qualitativas e de suas metodologias no âmbito da avaliação de um sistema e o
da inclusão de fragmentos de opiniões de alunos (médias estatísticas) na composição de
conceitos de cursos e IES.
Nessa lógica, o Sinaes tem se caracterizado como uma política pública de abertura
para a IES se autoavaliar e traçar suas metas de forma alinhada com os indicadores nacionais.
Nestes dez anos, é prudente ressaltar que as IES investiram em pessoas qualificadas para
desenvolver estudos e processos de avaliação institucional mais qualificados.
Adicionalmente, os processos de avaliação regulamentados pelo Sinaes – avaliação
das instituições de educação superior (Avalies), de cursos de graduação (ACG) e de
desempenho acadêmico de seus estudantes (Enade) – têm proporcionado estudos e
análises que mostram avanços como:*

• a consolidação de uma cultura de avaliação no ensino superior brasileiro;


• a articulação do PDI com os resultados da avaliação;
• a ampliação da participação docente e discente na gestão acadêmica via avaliação
institucional coordenada e analisada pela Comissão Própria de Avaliação (CPA);
• a criação de projetos institucionais que ultrapassam a visão parcelada de ensino
e que conjugam a pesquisa e a extensão com o ensino;
• a discussão e a interpretação dos indicadores de avaliação de curso têm levado ao
aperfeiçoamento do processo de avaliação da aprendizagem;
• o investimento das IES em políticas de titulação e o regime de trabalho dos
professores;
• a expansão e a melhoria em bibliotecas e laboratórios para a regularidade de
oferta dos cursos de graduação;
• a dinâmica e a lógica processual dos procedimentos de avaliação têm
demonstrado forte vinculação com os processos de regulação (atos autorizativos

* Verhine, Dantas e Soares (2006), no artigo “Do Provão ao Enade: uma análise comparativa dos exames nacionais utilizados
no ensino superior”, consideram o Enade um avanço em relação à utilização dos resultados, mas reconhecem grande simi-
laridade dos processos técnicos das duas abordagens.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
27
administrativos de funcionamento) e de supervisão – procedimentos para zelar
pela conformidade da oferta à legislação aplicável (Seres);
• a entrada e/ou a permanência da IES no sistema, pelo processo de avaliação;
• a utilização de indicadores de qualidade (ainda que preliminares) traduz uma
situação identificada da IES/curso pela definição do padrão mínimo de qualidade
para todas as regiões do País;
• o aperfeiçoamento de instrumentos e de procedimentos nestes dez anos;
• a (re)capacitação do banco de avaliadores;
• a melhoria da qualidade da educação superior, indicada pelos resultados do
Enade do primeiro para o segundo ciclo (estudos realizados pelo Inep), analisados
pelas IES;
• a apropriação, pelos gestores das IES, dos indicadores de avaliação como
referência para as políticas de orçamento, planejamento estratégico, recursos
humanos e infraestrutura;
• a avaliação do avaliador pela IES avaliada, o que revela transparência e coerência
em casos de acompanhamento e impugnação do processo de avaliação externa.

Entretanto, ainda são desafios para a melhoria do Sinaes:

• o acompanhamento (Seres) dos cursos com CPC insatisfatório, antes do término


do ciclo avaliativo, para identificar se o plano de melhorias proposto pelo curso/
IES foi atendido;
• a necessidade de aperfeiçoar a atuação da CPA e o uso de seus relatórios na
gestão das IES;
• a volta à proposta original do Sinaes e a busca do tripé de sustentação (ACG/
Avalies/Enade) no desenvolvimento de sua política, pois, atualmente, o Sinaes
está centralizado no Enade, subsumido pelos conceitos CPC e IGC;
• a publicação dos resultados carece de explicações mais claras e didáticas sobre
os insumos e as fórmulas estatísticas na construção dos conceitos – dessa
forma, pode-se promover o entendimento da construção dos indicadores e sua
integração com os instrumentos de informação, facilitando para os gestores, em
todos os níveis do sistema, o processo de tomada de decisão; desse modo, a
interpretação se tornará mais eficiente, pois ancorada em dados;
• a reavaliação da construção de índice (IGC) – os pesos e os insumos a serem

28 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
reavaliados entre IES de organizações acadêmicas diferentes, bem como o peso
stricto sensu no cálculo do IGC das universidades, pois o índice atual privilegia IES
com maiores percentuais de alunos no nível de doutorado;
• o aperfeiçoamento/a otimização do indicador da responsabilidade social – para
inferir, de forma mais objetiva, o impacto socioeconômico da IES/curso;
• a inclusão de indicadores de avaliação das políticas de extensão;
• a padronização da forma como são publicadas as planilhas com o código do curso;
• a melhoria do sistema e-MEC e a elaboração de agenda contínua de oficinas para
os novos PIs que, porventura, ingressem nessa função – o Napi pode elaborar
um cronograma anual com oficinas de um dia, divididas em níveis (básico/
intermediário e temas específicos). Talvez fosse importante viabilizar a seleção
de PIs com experiência no e-MEC, para que possam servir de multiplicadores para
atuar por estratos – região, organização acadêmica e/ou categoria administrativa
– e ministrar essas oficinas em sua região. Conforme as especificidades dos
estratos, esses PIs poderiam ser cadastrados na Seres e no Inep e ir a Brasília
tanto para conhecer funcionalidades como para levar dificuldades e problemas
apontados pelos PIs de seu estrato – o que substituiria os encontros de centenas
de pessoas, milhares de dúvidas e pouquíssimos esclarecimentos.

Ao finalizar, podemos considerar que há evidências de que o Sinaes, nestes 10 anos,


contribuiu para a abertura de estudos sobre a avaliação no ensino superior, mostrando
tendências e acirrando conflitos que envolvem as esferas pública e privada, o controle
dos resultados, a meta-avaliação, mas também a avaliação associada ao desempenho e à
qualidade da educação.
Nesse processo de consolidação da cultura de avaliação, as instituições reconhecem
a importância das Comissões Próprias de Avaliação (CPAs) e sua função consultiva, técnica e
política – ao levantar evidências da qualidade institucional, seus avanços e suas fragilidades,
promovendo a análise crítica para o planejamento institucional.
Para tanto, as IES buscam aperfeiçoar seus processos avaliativos e qualificar seus
recursos humanos, para desenvolver a avaliação institucional com procedimentos e técnicas
capazes de fornecer a comparabilidade dos dados. Um bom relatório de autoavaliação deve
apontar tendências. Certamente, a condição técnica das CPAs é apenas o ponto de partida.
Serão necessários investimentos institucionais para que a CPA possa ampliar sua atenção à
complexidade dos ambientes pedagógico e institucional.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
29
2. AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR
E AUTOAVALIAÇÃO EDUCACIONAL
Clarilza Prado de Sousa
Bernardete A. Gatti

Os processos avaliativos apresentados neste encontro estimulam-nos a apresentar


algumas reflexões mais gerais sobre a questão da avaliação institucional. A avaliação
institucional é um processo que, para ser desenvolvido, precisa estar ancorada em eixos
de referência escolhidos por seu valor intrínseco, de tal forma que permitam analisar a
qualidade de uma instituição educacional. Assim, é básica, na discussão desse processo
avaliativo, a definição da qualidade que se pretende analisar e das metodologias empregadas
para este fim.
A qualidade de uma Instituição de Ensino Superior (IES) envolve tanto a análise
da efetividade do ensino oferecido, das competências adquiridas pelos estudantes em
determinada formação, da produção de conhecimento conquistada em determinada
área por meio das pesquisas realizadas, quanto o valor social dessas competências e do
conhecimento produzido pela instituição.
As metodologias já criadas e desenvolvidas são muitas e se abrem, no contexto
da produção de pesquisas sociais, à criatividade dos avaliadores. Afinal, um processo de
avaliação institucional reveste-se de características de pesquisa de natureza científica e deve
ser realmente apoiada em indicadores previamente selecionados que venham a se mostrar
fecundos nas contribuições que propiciem bases para as escolhas de encaminhamentos que
visam atingir metas de melhor qualificação nas ações institucionais, internas e externas.
No entanto, metodologias orientadas para a análise da qualidade institucional
precisam estar orientadas, além dos aspectos científicos e técnicos fundamentais,
pelo atendimento de princípios, entre os quais, destacamos, inicialmente, os três que
consideramos os mais importantes.
O primeiro deles é o de se ter critérios que balizem todo o processo avaliativo, inclusive
critérios éticos, decididos e socializados com transparência para todos os envolvidos.
O segundo, tão importante quanto o primeiro, é que a avaliação institucional deve
atentar para a construção de um sentido de coletivo em relação às ações que permearão o
processo avaliativo e que o constituirão, dando significado às ações empreendidas em um
dado contexto.

30 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
O terceiro, que é um princípio-chave, é que esse processo deve gerar ações em
sequência, pois todo processo avaliativo não pode se encerrar em si mesmo, uma vez
que só adquire sentido quando gera processos de mudança. Nesses termos, avaliar é
como um processo que envolve analisar uma determinada instituição tendo em vista a
tomada de decisão. Tomar decisões significa atender ao para que e para quem avaliar,
tendo claro o porquê. Avaliar para tomar decisões, além de ser uma relação constitutiva
da própria avaliação, é também um processo construtivo de aprendizagens, alavancador,
para as pessoas envolvidas (professores, alunos, gestores, pais, funcionários, etc.).
O processo de avaliação de que falamos aqui pressupõe também a possibilidade da
participação conjunta de agentes externos e internos no encaminhamento de processos
de natureza autoavaliativa.
A avaliação externa tem como objetivo possibilitar a uma IES compreender sua
atuação em um contexto mais amplo, nacional ou internacional. Permite que uma instituição
educativa não reduza suas atividades e suas propostas a metas que desconheçam os valores
consagrados e definidos pelas diretrizes nacionais sociais da educação.
A avaliação interna – a autoavaliação –, ao contrário das avaliações externas, tem
um objetivo formativo em processo e visa oferecer à instituição condições de refletir
sobre suas perspectivas e seu planejamento para o futuro, a partir do contexto e da
situação atual em que se encontra. Nesse sentido, deve ser conduzida por agentes
internos da instituição e procurar o envolvimento e a legitimação de toda a comunidade
universitária. Pode-se mesmo afirmar que construir um clima institucional favorável
à autoavaliação é pré-requisito para realiza-la – um clima que permita certo grau de
confiança para a expressão das análises de situações e que pressuponha a autonomia
da expressão dos participantes, de forma a permitir a desconstrução de vieses
analíticos e interpretativos construídos na instituição, que, muitas vezes, entravam seu
desenvolvimento.
Mais ainda, os processos autoavaliativos institucionais necessitam da abertura total
das equipes gestoras e mantenedores desses processos, abertura discutida e colocada
sem restrições aos participantes, que se comprometerão com o desenvolvimento da
autoavaliação. Essas posturas são as que, de início, compõem a validade do processo
autoavaliativo. Sem isso, de saída, o processo pode comprometer seus resultados, mesmo
que sua metodologia seja criativa e bem balizada.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
31
Alguns outros aspectos metodológicos e da postura do avaliador devem ser, ainda,
assinalados em um processo de autoavaliação:

a) É necessário especificar com clareza como são elaborados os conceitos a serem


utilizados, seu domínio de validade e quais conclusões podem ser realmente
sustentadas pela metodologia empregada.
b) Em autoavaliações graves, vieses podem ser gerados, ficando a serviço
de pretensões ambíguas, de pré-conceitos passíveis de manipulações e
interpretações aligeiradas.
c) É preciso refletir com maior profundidade sobre os fundamentos filosóficos,
políticos e éticos do modelo adotado em programas ou em ações pontuais de
avaliação, pois sua legitimidade e seu reconhecimento como processo valioso virão
dos fatos e de sua contribuição relevante e não de posturas autoritárias. Algumas
perguntas são pertinentes: Qual a real perspectiva que fundamenta o modelo
de avaliação adotado? É orientado por um plano estratégico de qualificação
da maioria das pessoas ou esse modelo só favorece uma pequena elite, em
detrimento de uma política de suporte e de maior ampliação das possibilidades
do grupo em foco? Esse modelo é rígido ou incorpora níveis diversificados de
qualidades?
d) Nenhum sistema de avaliação é perfeito ou onipotente e, também, nenhuma
parcela de qualquer comunidade é detentora exclusiva da verdade sobre
qualidade. A pergunta, sempre e sempre, ao avaliarmos, é: de que qualidades
falamos? E a questão deve ser posta realmente no plural – qualidades –, pois,
para diversificadas necessidades e condições, diversificadas qualidades devem
ser buscadas nos processos avaliativos.

No Brasil, o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) é uma


proposta avaliativa exemplar e de alto nível, que integra processos avaliativos de larga
escala e avaliação institucional, incluindo avaliação externa e autoavaliação. A complexidade
dessa proposta, que envolve variados procedimentos e processos, sempre exigirá ajustes
durante sua implantação e uma longa trajetória, com constante apoio político, para que
possa construir uma cultura avaliativa que atenda aos princípios estabelecidos. Isso não é
um processo fácil. Modificar uma cultura de avaliação com apoio somente na classificação
para uma proposta avaliativa que preveja também ações diagnósticas, de recuperação e

32 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
desenvolvimento, é uma tarefa difícil e muitas vezes exige força política externa contra
ações que se contrapõem internamente aos propósitos e às expectativas de tal modelo.
Na proposta do Sinaes, a Comissão Própria de Autoavaliação (CPA) – instalada em
cada IES, como um veículo de interlocução das IES com o Inep/MEC – poderia assumir
no interior da instituição um papel que favorecesse a reflexão sobre os resultados das
avaliações externas realizadas por consultores que analisam a instituição e sobre os
resultados das avaliações de larga escala – Enade. Refletir sobre os resultados, trazer à
luz os problemas encontrados, promover o acompanhamento do processo de tomada de
decisões que levem a superar dificuldades é a tarefa desafiadora que compete às CPAs
assumirem. Tarefa desafiadora porque se contrapõe à cultura classificatória; porque utiliza
os dados de classificação para construir um processo de autorreflexão; porque, sobretudo,
exige da instituição tomada implementação e acompanhamento de decisões. É desafiadora
porque indaga sobre a consequência dos resultados obtidos pela IES e não os mascara, mas
os esclarece e os procura compreender.
Esse desafio, no entanto, não é uma tarefa que pode ser empreendida pelas CPAs
sozinhas, sem que estas tenham apoio e orientação do Inep/Conaes, de forma que possam
ser, elas próprias, acompanhadas em suas atividades e ter suporte de uma instância que
as fortaleça.
Esse acompanhamento poderia começar pela formação dos agentes que compõem as
CPA, que precisariam ser preparados para assumir essa função. Qualificar quem faz avaliação
é um aspecto que não pode ser desprezado. Avaliar não é só medir, mensurar. Como temos
afirmado, se medir bem já é problemático, avaliar o é em dobro. Como processo complexo
que exige heurística e maturidade no trato de questões pessoais e sociais, de questões
relacionais, além de exercício interdisciplinar e conhecimento produzido pelo campo, sua
implementação pede, de quem conduz o processo avaliativo, uma formação condizente. Não
se improvisa um avaliador, um condutor de processos avaliativos, como não se improvisa um
pesquisador, um médico, um professor. Em avaliações institucionais essa questão também não
é simples. É mais complexa ainda para aqueles que devem avaliar a sua própria IES, mediando
a relação da comunidade universitária e dos gestores, dos resultados externos e internos, dos
resultados e do acompanhamento do processo de tomada de decisão. A preparação de quem
vai conduzir avaliações não tem sido muito debatida entre nós. Fica-se com a impressão de
que qualquer um pode avaliar qualquer coisa. É verdade, no nível do senso comum; porém,
em processos com implicações para a vida das pessoas, com implicações sociais, em políticas
institucionais e em diferentes instâncias, é preciso que amadureçamos na preparação para o

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
33
exercício da avaliação, se reconhecemos esta como um meio importante para os processos de
transformação humana e sociais.
Nesse sentido reafirmamos a importância de o Inep/Conaes acompanhar os trabalhos
das CPAs em processos de autoavaliação institucionais, para identificar os aspectos do campo
conceitual adotado, as implicações para as interpretações e, ainda, o quanto essas modalidades
autoavaliativas foram negociadas, analisadas e o quanto contaram com a adesão de instâncias
superiores na proposição de consequentes, a partir dos resultados obtidos. Principalmente
competiria ao Inep/Conaes acompanhar os fundamentos seguidos no processo de tomada
de decisões. A dinâmica das relações da CPA com as equipes gestoras e mantenedores e a
geração de consequências fecundas é que nos falam da validade desses processos. Nesses
termos, a CPA poderá ultrapassar o cumprimento de um papel apenas formal, para assumir a
relevância educacional em suas respectivas instituições.
Orientando e acompanhando as ações das CPAs, pode-se concluir que haverá perspectiva
de oferecer às IES uma avaliação formativa, que permita compreender a importância de um
projeto político-pedagógico institucional, entender sua função social e tornar transparente
todos seus propósitos, com desdobramentos concretos, para professores, alunos e funcionários
da própria IES, ou seja, cumprir os objetivos expressos pela lei que regulamenta o Sinaes. Assim,
as CPAs poderão contribuir para o oferecimento às IES de um espaço em que se possa discutir
criticamente o papel social delas e sistematizar processos de tomada de decisão, afastando-se
das visões do senso comum, de modo qualificado, com base em dados, o que irá contribuir,
sem dúvida, para a elevação do nível de desempenho da gestão da instituição; portanto, da
melhor qualificação da IES no cenário social, educacional e científico.
Tal perspectiva implica uma mudança significativa das CPA como promotoras de
avaliação em sentido formativo e não apenas como instâncias de regulação.
As CPAs como mecanismo de inter-relação entre as IES e o Inep/MEC devem, portanto,
assumir um papel importante na promoção e desenvolvimento das IES. Nesse sentido, mais
do que elaborar exaustivos relatórios anuais ou bianuais sobre a IES, seria importante que se
utilizasse esse espaço implantando para promover a reflexão sobre os caminhos do ensino
superior no Brasil e na própria instituição. Melhor dizendo: os relatórios são necessários
porque oferecem a possibilidade de oferecer à própria IES, às avaliações externas e ao Conaes
informações relevantes sobre as instituições e propor o encaminhamento de tomada de
decisões, permitindo a verificação e o acompanhamento da realização das decisões tomadas.
Mas por que não propor a análise de uma pequena faceta da instituição, uma dimensão por
ano, por exemplo?

34 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
A avaliação proposta envolve variadas dimensões:

1) Missão institucional;
2) Políticas para ensino, pesquisa, extensão e pós-graduação;
3) Responsabilidade social da instituição;
4) Comunicação com a sociedade;
5) Políticas de pessoal e de carreiras;
6) Políticas de atendimento do estudante;
7) Organização e gestão;
8) Infraestrutura física;
9) Planejamento e avaliação;
10) Sustentabilidade financeira.

A escolha de uma ou de outra, a cada período, pode gerar dados mais aprofundados e
precisos e informações (com boa interpretação) mais bem-sustentadas, levando a decisões
mais seguras.
Mesmo considerando que essas dez dimensões propostas pelo Sinaes estejam
agora organizadas em 5 (cinco) eixos de análise descritos e atualizados no Instrumento
de Avaliação Externa (janeiro de 2014), essa estruturação não significa redução dos
procedimentos avaliativos, mas é indicativa de aprofundamento e de estabelecimento de
inter-relações entre situações e circunstâncias institucionais.
Lembramos, a seguir, os eixos de análise propostos:

Eixo 1 – Planejamento e Avaliação Institucional – definido como “Relato institucional


que descreve e evidencia os principais elementos do seu processo avaliativo
(interno e externo) em relação do PDI”.
Eixo 2 – Desenvolvimento Institucional – contempla as dimensões 1. Missão
Institucional e da Instituição e 3. Responsabilidade Social.
Eixo 3 – Políticas Acadêmicas – contemplam as dimensões 2. Políticas para o Ensino,
a Pesquisa, a Extensão e a Pós-Graduação, 4. Comunicação com a Sociedade
e 6. Políticas de Atendimento do Estudante.
Eixo 4 – Políticas de Gestão – envolvem as dimensões 5. Políticas de Pessoal e de
Carreiras, 7. Organização e Gestão e 10. Sustentabilidade Financeira.
Eixo 5 – Infraestrutura Física – compreende a dimensão 8. Infraestrutura Física.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
35
A atuação da CPA na avaliação formativa em relação a esses cinco eixos deveria
propor uma estratégia ampla, contínua e prolongada, que exigisse também a construção de
um repertório sobre a temática abordada pelos indicadores e até pelas próprias dimensões.
Em outros termos, tem-se observado em todos os processos de avaliação realizados,
sejam para subsidiar políticas públicas, sejam os realizados pelas próprias instituições, que
faltam menos diagnósticos que alternativas plausíveis de ação e estratégias para tomadas
de decisão e mudanças que se efetivem. O processo formativo da avaliação realizado
pela CPA para alcançar este fim – construir novas estratégias – envolveria proposição de
seminários e grupos de estudos que poderiam ser, também, subsidiados pelo Conaes/Inep.
Os conhecimentos e as produções do campo de conhecimento em avaliação educacional
precisam encontrar espaço nos trabalhos das CPAs.
Está cada vez mais claro no campo da avaliação educacional que os diagnósticos
que apenas descrevem e interpretam uma situação têm oferecido poucas oportunidades
de construção de alternativas novas para a revisão e a superação dos problemas das
práticas socioeducacionais e de gestão. As ações de planejamento e implementação de
mudanças muitas vezes acabam sendo desenvolvidas apenas com bom senso e poderiam
ter sido tomadas sem a avaliação. Pior ainda, não levam em conta os dados avaliativos.
A ancoragem de tomadas de decisão e concretização de mudanças significantes em
sólidos processos de avaliação é fator de inovação real e não apenas de ajustes aqui
e ali. Verifica-se em muitos casos a falta de boas alternativas de ação, de repertórios
baseados em discussões férteis sobre o papel do ensino superior hoje no Brasil, em face
do nosso contexto e do contexto global.
As CPAs poderiam ter a função de fundamentar e propor alternativas e mudanças
relevantes, ajudar a encaminhá-las e acompanhá-las. Com a discussão do Eixo 1 –
Planejamento e Avaliação Institucional e o Desenvolvimento Institucional – em que,
sem dúvida, a análise da missão da IES é um ponto fundamental, podemos ilustrar essa
perspectiva. Há uma exigência de que a CPA participe do Plano de Desenvolvimento
Institucional (PDI), analisando a elaboração, a divulgação e realizando a análise sobre sua
articulação com as demais atividades e funções da IES. Para a CPA assumir essa tarefa no
interior de uma instituição, é preciso constituir apoio às suas equipes, que pode começar
desde a proposição de instrumentos alternativos para realizar suas tarefas até a organização
de grupos de discussão interinstitucionais, nacionais ou regionais, que aprofundem
estratégias para o desenvolvimento das atividades. Em outros termos, as CPA, para assumir
com competência e autonomia suas atividades no interior da IES, precisam se articular

36 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
com outras CPA e contar com a orientação da Conaes/Inep/MEC. Isto é, em um primeiro
momento, precisam ter apoio para se organizar e ter seu papel reconhecido e visibilizado.
Esta é uma tarefa da Conaes, como forma de ampliar as possibilidades de decisão das IES
para a construção de novos caminhos e novas alternativas de atuação do ensino superior
no Brasil.
A análise das dimensões do Sinaes, integradas nos cinco eixos não pode se restringir,
quando efetivada pela CPA, ao indicativo de presença ou ausência de determinado elemento.
Os indicadores selecionados pelo Sinaes atendem ao critério de suficiência mínima a ser
exigida de uma IES, e seu atendimento é ponto importante, mas não suficiente, para oferecer
às IES condições de desenvolvimento. Permanecer somente com essa análise restringe a
avaliação à situação de regulação. Seria necessário indagar sobre o conteúdo das próprias
metas propostas pelas IES e oferecer perspectivas para se buscar novos elementos, novos
caminhos. A questão da internacionalização ilustra a questão que queremos apresentar. O
indicativo da internacionalização da IES não está apenas condicionado à sua presença nas
metas do PDI; seria importante que significasse uma busca de novos métodos no exterior,
novas processos de produzir o ensino superior, e não apenas em convênios comerciais, que
muitas vezes não contemplam as necessidades locais e nacionais.
Evidentemente é preciso que as instituições de ensino superior tenham autonomia
nas suas escolhas, mas a Conaes/Inep/MEC poderia ofertar mais oportunidades de escolha,
promovendo eventos, procedimentos, seminários de acompanhamento, de forma que
venha a diminuir a distância entre os propósitos do ensino publico e do privado e melhorar
a perspectiva da qualidade do ensino pretendida entre ambos os tipos instituições,
independentemente de sua dependência administrativa. Não é o lucro de uma instituição
privada que deve ser diminuído, mas é seu papel social que precisa ser dimensionado.
O que é fundamental é a discussão sobre a qualidade que é oferecida e de como a CPA
da própria instituição pode também contribuir com uma avaliação formativa para que a
qualidade de uma IES seja crescente.
Finalizando e resumindo, entendemos que as CPAs devem assumir uma avaliação
formativa no interior das IES, mas, para tanto, precisam ser apoiadas com um repertório
de práticas, de estratégias, de alternativas, que somente um processo desencadeado
pela Conaes/Inep pode oferecer. Sem essa perspectiva, a avaliação promovida pelas
CPAs se restringe a mais um processo regulatório, que contribuirá muito pouco para o
desenvolvimento das IES e o aperfeiçoamento do tipo de ensino superior necessário ao
Brasil de hoje.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
37
3. CONSIDERAÇÕES SOBRE O SEMINÁRIO DE
AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E COMISSÕES
PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO DA REGIÃO SUL
Reginaldo Alberto Meloni

Introdução

Neste ano em que a publicação da Lei do Sinaes (Lei nº 10.861, de 14 de abril


de 2004) completa dez anos, muitos eventos e discussões têm sido realizados com o
objetivo de avaliar a rica trajetória de experiências diversas acumuladas pelas instituições
no processo de avaliação proposto pelo sistema.
Para algumas instituições, a trajetória começou antes mesmo da publicação da
lei, com a elaboração de processos de autoavaliação e a incorporação dos resultados
obtidos nesses processos em seus fóruns de gestão, como meios auxiliares para a tomada
de decisões. Em certas instituições, a construção de mecanismos de autoavaliação está
apenas começando, às vezes de forma desconfiada, restringindo-se à aplicação das
normas legais e das orientações gerais; em outras, de forma mais ousada, sem o receio
de utilizar seus resultados de forma criativa, como um dos instrumentos da gestão
institucional.
A busca pela construção de mecanismos próprios de avaliação e pelo
aprimoramento da qualidade da educação envolve mais do que o estabelecimento de
procedimentos de avaliação internos ou de adaptação às orientações das avaliações
externas. Em geral, o grande desafio é transformar as culturas estabelecidas, mudar
condutas, olhar com coragem.
Nesse sentido, um dos grandes desafios da atualidade para muitos administradores
de instituições de educação superior é sair da tradicional posição na qual a gestão é feita
a partir apenas de referenciais internos para uma postura de estreitamento do diálogo
com a comunidade acadêmica e com a sociedade.
Historicamente, as IES mantiveram certa distância das demandas sociais, seja em
função da ilusão da autossuficiência para a compreensão e a crítica dos processos e das
necessidades da sociedade, seja em função dos mecanismos impostos pela “mão invisível”
do mercado. No entanto, felizmente, há alguns anos, essa situação tem se transformado,
e o que se observa hoje é o surgimento de um promissor diálogo que, se por um lado,

38 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
valorizará as vozes vindas da sociedade, por outro, fortalecerá o caráter social, que, em
última instância, deveria prevalecer em todas as instituições educacionais.
Em um país continental com cerca de três dezenas de milhares de cursos inseridos
em realidades completamente diferentes, tanto do ponto de vista estrutural, como em
relação às culturas e às necessidades regionais, o envolvimento da comunidade com a
construção de instituições (sejam públicas ou privadas) que ofereçam uma educação
com qualidade social ganha importância fundamental.
Embora em nossa história o Estado brasileiro tenha sempre centralizado o controle
da política educacional da educação superior e, ainda hoje, seja o grande responsável
pelos mecanismos de avaliação, supervisão e regulação, o Estado não possui capacidade
operativa e domínio das especificidades locais que permitam a interferência nos detalhes
ou o controle da qualidade nos processos cotidianos que ocorrem nas instituições.
É nesse sentido que ganham importância os processos de autoconhecimento e
de aprimoramento dos serviços e a compreensão da necessidade de se estabelecer uma
avaliação interna como “um processo contínuo por meio do qual uma instituição constrói
conhecimento sobre sua própria realidade” (MEC, 2004, p. 6). Tal avaliação vem sendo
cada vez mais aceita como um caminho promissor pelas instituições e tem contribuído, em
muitos casos, para a democratização de mecanismos e processos de autoconhecimento e
de autogoverno que, ao fim, é o que realmente importa para a educação.
Percebe-se que se amplia o entendimento de que, além da necessidade de
obediência à Lei nº 10.861/2004, artigo 11, que prevê a participação da sociedade civil
organizada nas CPAs, a abertura das gestões e dos procedimentos de autoavaliação para
as comunidades interna e externa pode significar maior e melhor sintonização com
os anseios sociais e, consequentemente, possibilitar mudança na qualidade social da
educação que é oferecida.
Assim, a avaliação interna não deve ser entendida como uma formalidade que deve
ser cumprida por exigência da burocracia, mas que deve ser utilizada efetivamente para

produzir conhecimentos, pôr em questão os sentidos do conjunto de atividades e


finalidades cumpridas pela instituição, identificar as causas dos seus problemas e
deficiências, aumentar a consciência pedagógica e capacidade profissional do corpo
docente e técnico-administrativo, fortalecer as relações de cooperação entre os diversos
atores institucionais, tornar mais efetiva a vinculação da instituição com a comunidade,
julgar acerca da relevância científica e social de suas atividades e produtos, além de
prestar contas à sociedade (MEC, 2004, p. 5-6).

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
39
Entende-se, portanto, que esses processos de autoavaliação não podem estar
pautados pelas pressões do mercado. Apesar de ainda vigorar certa preocupação
com os resultados visíveis que os processos de avaliação apresentam (especialmente
os “rankings” que as mídias, os mecanismos próprios da competição no mercado
educacional e a cultura estabelecida de avaliar para classificar insistem em valorizar) e
com a repercussão que essas classificações possam provocar na imagem da instituição,
o fundamental nesse processo é o ganho na qualidade da educação que a IES oferecerá
à sua comunidade.
Algo dessa concepção tem aparecido nos encontros promovidos pelas instituições
para discutir com a comunidade as características e a importância dos processos
avaliativos, nos debates promovidos pelas associações das IES públicas ou privadas e
nos fóruns organizados pela Conaes e pelo Inep, para a discussão dos instrumentos e
processos de avaliação, especialmente, as audiências públicas e, mais recentemente, os
seminários das Comissões Próprias de Autoavaliação (CPAs).
Os trabalhos apresentados em um desses eventos, o Seminário das CPA da Região
Sul, serão tratados na seção a seguir.

O Seminário das CPA da Região Sul

O Seminário Regional sobre Autoavaliação Institucional e Comissões Próprias de


Avaliação da Região Sul foi realizado em 17 de outubro de 2013 na Pontifícia Universidade
Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e foi dividido em três eixos de discussão: Eixo I
– Criação de estratégias e metodologias para o trabalho das CPA; Eixo II – Indicadores e
instrumentos de autoavaliação; Eixo III – Alcance interno e externo dos trabalhos da CPA.
Para o evento foram enviados 30 trabalhos, sendo 12 para o Eixo I, 10 para o Eixo II e
8 trabalhos para o Eixo III. Desse total, foram registrados 19 trabalhos de instituições do Rio
Grande do Sul, 7 trabalhos do Paraná e 4 que foram inscritos pelo Estado de Santa Catarina.
Foram apresentados 27 trabalhos na forma de pôsteres e 3 na forma oral, sendo
eles: “A articulação entre avaliação e planejamento: a experiência da CPA na PUCRS”,
apresentado por Marion Creutzberg, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande
do Sul (PUCRS); “Avaliação docente: caminhada para a mudança”, apresentado por
Marcelo Marques Soares, da Universidade Feevale (Feevale), RS; e “Aprimoramento dos
instrumentos de autoavaliação aplicados pela CPA”, apresentado por Maria Aparecida

40 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
Zehnpfennig Zanetti, da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Nesse seminário houve
289 inscritos, sendo 83% provenientes de IES privadas e 17% de IES públicas.
No Eixo I – Criação de Estratégias e Metodologias para o Trabalho das CPA – foram
apresentados trabalhos que abordam a composição e a representatividade das CPA, a
autonomia para a realização da avaliação institucional e as potencialidades e limitações
das CPA como instâncias executivas das ações de avaliação interna.
Entre os trabalhos apresentados, predominaram os temas sobre os relatos de
experiências, enfatizando a apresentação de dados e a descrição de metodologias.
Alguns demonstram que há instituições com longa trajetória e larga experiência como,
por exemplo, a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), que apresentou um
balanço de suas experiências de avaliação institucional desde a década de 1990. Por
outro lado, também há instituições que começaram sua trajetória somente a partir da
publicação da Lei do Sinaes em 2004.
Algumas apresentações identificaram as limitações e as fragilidades do processo
de autoavaliação para o aprimoramento do trabalho na instituição e relataram como
se os resultados tivessem sido trabalhados para superar esses obstáculos. É o caso, por
exemplo, do trabalho que foi apresentado pela Universidade de Cruz Alta (Unicruz), no
qual foi demostrado como a instituição vem usando a avaliação institucional de forma
crítica, para aprimorar seus processos internos e torná-los mais significativo para a
comunidade acadêmica.
Além dos relatos de experiências de avaliação interna, também foi descrita e
discutida a importância das contribuições das visitas in loco e dos relatórios do Inep,
para motivar as atividades das CPA. Nesse caso, as avaliações interna e externa foram
apresentadas como elementos complementares e igualmente importantes para a
criação de metodologias e estratégias voltadas para o aprimoramento institucional e
para a qualidade dos cursos.
Ainda nesse eixo foram apresentados trabalhos de caráter histórico. Em um dos
trabalhos, foi analisada a implantação do processo de autoavaliação das Instituições
de Ensino Superior (IES) no Brasil e, em outro, foi apresentado um panorama mais
regional, com dados sobre a criação, a organização e o desenvolvimento do Programa de
Avaliação Institucional das Universidades Comunitárias Gaúchas (Paiung) e do processo
de autoavaliação institucional desencadeado pelas IES pertencentes ao programa.
Ainda no Eixo I foram identificados trabalhos com abordagens mais analíticas,
como no caso do trabalho sobre as estratégias criadas e as metodologias adotadas para

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
41
o trabalho das CPA setoriais estabelecidas nos campi, ou o trabalho que discutiu os
aspectos relacionados à adesão dos agentes no processo, ou seja, a variação da adesão
nas avaliações; a relação entre a adesão e as ações estabelecidas depois da avaliação;
e as ações visando ao aumento da participação da comunidade, em especial dos
estudantes, nos processos de avaliação.
Em uma análise geral dos trabalhos apresentados nesse eixo, percebe-se que há
realidades muito diferentes tratando-se de processos de autoavaliação. Além de haver,
como já mencionado, instituições com experiências de várias décadas e outras que
ainda estão começando suas discussões internas e realizando as primeiras experiências,
há instituições que se limitam às prescrições da legislação e as que incorporam o
processo de avaliação à sua vida cotidiana, transformando-o de forma criativa em mais
um instrumento de aprimoramento das atividades acadêmicas.
Em uma história ainda recente, entende-se que é natural que existam formas
diferenciadas de apropriação da política de avaliação institucional. Percebe-se que, se
por um lado, persistem os receios de que as autoavaliações exponham as fragilidades
ou as limitações das instituições e dos cursos, por outro, há experiências interessantes
que demonstram como muitas IES vêm incorporando as autoavaliações naturalmente,
como um instrumento de aprimoramento. Isso ficou evidente nos trabalhos apresentados
no Eixo II.
No Eixo II – Indicadores e Instrumentos de Autoavaliação –, os trabalhos podem
ser classificados em três grupos. O primeiro traz trabalhos que fazem referencias às
questões metodológicas da autoavaliação, procurando apresentar diferentes técnicas
de análise estatística dos conteúdos. Além destes, há um trabalho que apresenta a
experiência de criação de um “índice integrador” interno de qualidade.
O segundo grupo de trabalhos trata das experiências acumuladas na aplicação de
vários processos metodológicos, como, por exemplo, o que relata de forma sistematizada
a construção e a reconstrução dos instrumentos e indicadores para a coleta e a avaliação
dos dados; o que examina o processo de ampliação dos aspectos avaliados; e o que
analisa as percepções dos colaboradores técnico-administrativos, especialmente quanto
ao relacionamento interpessoal.
No terceiro grupo, encontra-se um trabalho de caráter teórico apresentado pela
PUC do Rio Grande do Sul, no qual é apresentado um levantamento bibliográfico sobre a

42 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
ampliação da autoavaliação para públicos externos. Esse trabalho foi apresentado como
parte de um projeto mais amplo, que busca ampliar a avaliação institucional para os
públicos externos, começando com os diplomados da universidade.
Verifica-se que os trabalhos apresentaram uma grande variedade de temas,
entre os quais o da elaboração de indicadores e instrumentos e o da análise de dados e
produção de relatórios e metodologia de revisão de indicadores.
Vale ressaltar que o envolvimento de algumas instituições com esses processos
levaram algumas IES a aperfeiçoarem os próprios processos de autoavaliação, realizando
uma análise crítica e uma busca criativa para o aprimoramento teórico e empírico do
processo e, consequentemente, para maior eficiência nos resultados. Observa-se, com
isso, que essas instituições têm trilhado trajetórias que se afastam da aplicação formal
das normas, para criar caminhos alternativos mais adequados à compreensão de suas
especificidades e mais efetivos para a construção da qualidade acadêmica.
O Eixo III – Alcance Interno e Externo dos Trabalhos da CPA – foi o que apresentou
o menor número de trabalhos e a maior concentração em um mesmo tema. Dos oito
trabalhos apresentados, quatro se referem às avaliações de impacto nas instituições e
ao uso da avaliação institucional como instrumento auxiliar nos processos de gestão.
Além dessa temática, também há trabalhos de caráter histórico e outros que abordam
questões de ordem metodológica.
No primeiro caso, a instituição apresentou um balanço das fases pelas quais
passou em termos de avaliação institucional ao longo de sua implantação, considerando
as alterações que o processo sofreu dos pontos de vista qualitativo e quantitativo e as
relações que se estabeleceram com as politicas educacionais, com as orientações legais
e com as opções realizadas no período analisado.
No segundo caso, encontram-se trabalhos que discutem a avaliação das disciplinas
como um dos elementos do processo e a importância de fortalecer a cultura do uso dos
resultados das autoavaliações nas ações de planejamento. Finalmente, há um trabalho que
divulga as ações de consulta dos membros da CPA às comunidades acadêmica e externa.
Em uma breve análise dos trabalhos apresentados no Eixo III, percebe-se que eles
refletem o que se espera dos processos de autoavaliação das instituições, ou seja, que
contribuam para o aprimoramento da gestão, no sentido da melhoria da qualidade da
educação.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
43
Em uma análise global dos 27 textos apresentados nos três eixos, foram
identificadas algumas ideias básicas que perpassam grande parte dos trabalhos. Uma
primeira ideia é a de que a avaliação institucional pode ser usada como um importante
instrumento de ligação entre as instituições e as comunidades locais, com o objetivo de
aperfeiçoar a eficiência da gestão e melhorar a qualidade da educação oferecida.
Nesse sentido, uma segunda ideia presente nos trabalhos é a de que a avaliação
deve ser vista como um mecanismo de autoconhecimento no qual as instituições
identifiquem suas falhas e limites, para procurar superá-las em um processo vivo,
dinâmico, democrático, e não burocrático e formal.
Em decorrência disso, uma terceira ideia forte que aparece nos trabalhos é a da
necessidade de ampliação dos agentes consultados e da liberdade para identificar os
problemas institucionais com profundidade. Com isso, são constantes as referências à
importância da participação ampla da comunidade acadêmica e dos agentes externos
nos processo avaliativos.
Finalmente, uma quarta ideia que aparece nos trabalhos é a de que a avaliação
institucional não pode e não deve ser feita de forma episódica e espontânea; pelo
contrário, deve participar do planejamento da instituição como um instrumento de
aprimoramento constante e efetivo.

Conclusão

O “Seminário de Autoavaliação Institucional e Comissões Próprias de Avaliação


da Região Sul” demonstrou que, depois de um longo processo, desde as primeiras
orientações gerais para as avaliações institucionais, já existe uma cultura de autoavaliação
estabelecida em grande número de IES.
A participação e o interesse dessas instituições pelas normas gerais para as
avaliações, a elaboração teórica e a formação de um pensamento crítico sobre esses
processos e a experiência empírica acumulada nesses últimos anos têm se refletido em
um protagonismo importante por parte das IES.
É claro que há muito a ser feito. Constata-se a existência de uma participação
ativa de grande número de instituições nos fóruns de discussão e também de um
conjunto importante de instituições preocupadas com seu aprimoramento e com a
assimilação das experiências acumuladas, para a construção de suas próprias práticas e

44 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
reflexões. No entanto, existe ainda um grande contingente de IES que ainda consideram
a avaliação institucional apenas do ponto de vista formal e burocrático como “mais uma
interferência do Estado”.
É preciso afastar as desconfianças e preocupações quanto ao excesso de controle
ou de uniformização da educação que aparece em algumas críticas ao Sinaes, o que é
um dos grandes méritos dos fóruns que ocorreram, em especial os seminários das CPA
realizados no último ano.
Com isso, é fundamental que as discussões continuem, que as experiências
acumuladas sejam divulgadas amplamente e que as instituições estreitem as relações
com os órgãos de elaboração e execução da política de avaliação (entre os quais, a
Conaes e o Inep), para que as próprias orientações gerais possam ser aprimoradas e
assimiladas na prática, com vistas, sempre, a melhorar a qualidade da educação.

Referências

BRASIL. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da


Educação Superior- SINAES e dá outras Providências. Diário Oficial da União n. 72, de 15 de
abril de 2004, Seção 1, pp. 3/4.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior/


Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Orientações gerais
para o roteiro da autoavaliação das instituições. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2004.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
45
4. A AUTOAVALIAÇÃO, OS SEMINÁRIOS
REGIONAIS E A IMPLEMENTAÇÃO DO SINAES:
REFLEXÕES E PERSPECTIVAS FUNDAMENTADAS
NA EXPERIÊNCIA DA CONAES
Robert Verhine

Introdução

O presente artigo é fruto de um conjunto de seis seminários regionais desenvolvidos


entre setembro e dezembro de 2013, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio
Teixeira (Inep), com o apoio da Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior
(Conaes) e da Associação Brasileira de Avaliação Educacional (Abave). Os seminários foram
dirigidos a representantes de Comissões Próprios de Avaliação (CPA), oriundos de todo
o Brasil, e tiveram o intento de fortalecer os processos de autoavaliação institucional
desenvolvidos no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes).
Seus principais objetivos contemplaram a sensibilização das CPAs quanto à importância da
autoavaliação, a identificação de ações necessárias para a implementação de políticas de
avaliação institucional e o levantamento de subsídios para a construção por parte da Conaes
de novas orientações para as CPAs, a respeito dos relatórios avaliativos a serem produzidos.
Para preparar os seminários, o Inep divulgou edital, em abril de 2013, convidando as IES
a encaminharem textos sobre a construção de seus processos autoavaliativos. Cento
sessenta e três (163) textos foram encaminhados, abordando três eixos temáticos básicos:
1) estratégias e metodologias para o trabalho das CPA; 2) indicadores e instrumentos de
autoavaliação; e 3) impactos do trabalho da CPA. Os textos foram submetidos à análise
de especialistas, e os de alta qualidade foram apresentados nos seis seminários, de forma
oral ou através de pôsteres. Esses textos estão incluídos neste livro, de forma a promover
a divulgação ampla de uma grande variedade de experiências institucionais que buscam
assegurar e promover a qualidade da educação superior no Brasil.
O Sinaes foi instituído pela Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004, tendo como
finalidades a melhoria da qualidade da educação superior, a orientação da expansão de sua
oferta, o aumento permanente de sua eficácia institucional, acadêmica e social, e, ainda,
a promoção do aprofundamento dos compromissos e responsabilidades das instituições
de educação superior. Baseado em um relatório bem fundamentado, produzido por uma
comissão composta de especialistas renomados na área, o Sinaes aproveitou aspectos

46 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
de uma experiência nacional já construída, mas, ao mesmo tempo, foi muito além das
iniciativas que o antecederam, tais como o Programa de Avaliação Institucional (Paiub) e o
Exame Nacional de Cursos (ENC), o Provão, pois prometeu articular a avaliação educativa,
de natureza formativa, com os processos de regulação (supervisão e fiscalização) exercidos
pelo Estado, de forma a respeitar uma série de princípios largamente aceitos, tais como o
respeito à identidade e à diversidade institucional, entre muitos. Embora três componentes
distintos fossem focalizados (a avaliação institucional, a avaliação de cursos e a avaliação
do desempenho estudantil), o elemento central seria a autoavaliação da instituição,
visando promover, mediante processos participativos, uma análise global e integrada das
dimensões, estruturas, finalidades, atividades, relações e responsabilidades sociais das
instituições de educação superior e de seus cursos de graduação.
De acordo com a Lei do Sinaes, cabe ao Inep operacionalizar o Sinaes e à Comissão
Nacional de Avaliação da Educação Superior (Conaes), estabelecer suas diretrizes, visando
à construção de ações e critérios articulados referentes à avaliação da educação superior
no Brasil. Na época da realização dos Seminários Regionais, este autor teve o privilégio de
presidir a Conaes e de acompanhar as ações e discussões desenvolvidas em torno dessa
importante iniciativa. Partindo dessa ótica, o presente texto inicialmente focaliza os ajustes
aprovados pela Conaes para viabilizar a implementação do Sinaes; subsequentemente,
discute os desafios que enfrenta o processo de autoavaliação institucional e relata possíveis
medidas que possam incentivar seu aperfeiçoamento no contexto das instituições brasileiras
de educação superior. Para concluir o trabalho, são abordados alguns desafios que ainda
precisam ser enfrentados pela Conaes e pelos demais atores envolvidos no Sinaes, para
assegurar a consolidação plena do sistema.

A implementação do Sinaes

Apesar da concepção elegante e teoricamente embasada do Sinaes, sua


implementação, a partir de 2004, se tornou um processo árduo. A avaliação do desempenho
estudantil foi implantada imediatamente, pois já existiam procedimentos e infraestrutura
para a aplicação de exames em larga escala, decorrentes do período (1995 a 2003) em que
se aplicava o Provão. Também a autoavaliação institucional começou rapidamente, uma vez
que, segundo informações fornecidas pelo MEC, a grande maioria das IES no país instituiu
sua Comissão Própria de Avaliação (CPA) no ano de 2004 e encaminhou seu relatório
de autoavaliação ao MEC até o final de 2006. A etapa externa da avaliação, por outro

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
47
lado, tanto de instituições quanto de cursos, demorou a se concretizar. Avaliadores em
grande quantidade precisavam ser capacitados, instrumentos de avaliação tiveram de ser
formulados, pré-testados e reformulados, e uma estrutura de logística teve de ser montada
de modo a contemplar visitas in loco em todas as instituições e todos os cursos de nível
superior que se integram ao sistema federal de educação. Enquanto isso, as instituições não
recebiam o retorno esperado referente a seus relatórios de autoavaliação, prejudicando a
sustentação dos processos avaliativos internos efetivamente instituídos. Nesse contexto, o
exame estudantil, por ser aplicado anualmente, voltou a assumir a centralidade existente
na época do Provão e que os que conceberam o Sinaes pretendiam apagar.
A implementação do Sinaes avançou no decorrer do tempo, especialmente a partir
de 2008, quando começou a adoção de uma série de ajustes referentes à concepção
inicial do Sistema e à interpretação de sua lei de instituição, buscando a viabilização de
seus componentes na integra (Verhine, 2010). Não é possível, no escopo do presente
trabalho, discutir todas as alterações recentemente feitas no modelo original do Sinaes.
São brevemente considerados aqui três dos ajustes mais importantes, que, em si, ilustram
tanto a lógica que fundamentou as mudanças realizadas quanto os desafios que ainda
precisam ser superados.

O Conceito Geral de Cursos (CPC)

O documento que conceituou o Sinaes e a legislação que o criou mostram que


todos os cursos superiores que compõem o sistema federal de educação teriam de,
obrigatoriamente, receber a visita de uma comissão de especialistas para a avaliação dos
cursos. Além disso, foi entendido que a periodicidade de tais visitas deveria acompanhar
o ciclo trienal do Enade, o que significava que, de três em três anos, em torno de 30 mil
cursos (todos de instituições federais e todos de instituições privadas), deveriam receber
uma visita avaliativa in loco. A intenção era boa, mas não viável, diante das condições
reais existentes. O Inep estima que, em um contexto de otimização total, seria possível
realizar, no máximo, seis mil visitas por ano (mais de cem por semana). Tais visitas teriam
de contemplar não apenas os cursos que já estavam no sistema, mas também cursos que
solicitasse autorização e primeiro reconhecimento, além de instituições que buscassem
credenciamento e recredenciamento. Em outras palavras, visitar todos os cursos no sistema
no período de três anos nunca foi, nem será factível. A impossibilidade de realizar a tarefa
assumida acabou paralisando o Inep, de tal forma que, até o começo de 2008 (quatro

48 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
anos depois da criação do Sinaes), os únicos cursos visitados para fins de renovação de
reconhecimento foram os da área de Medicina Veterinária, com o propósito de pré-testar
um instrumento que, no processo, se revelou deficiente.
Diante do impasse, várias possibilidades de solução foram consideradas pelo Inep
e pela Conaes. A estratégia escolhida contemplou a identificação, utilizando dados já
existentes, dos cursos em situação mais precária, que mais necessitavam de uma visita
in loco, e garantiu a realização da visita só para estes. Foi a partir da escolha desta opção
que o Conceito Geral de Cursos (CPC) foi introduzido, como um mecanismo prático para
assegurar a concretização da avaliação de cursos de graduação no âmbito do Sinaes.
Conforme a Portaria Normativa MEC nº 4, de 5 de agosto de 2008, os cursos que recebem
um conceito preliminar insatisfatório (1 ou 2 numa escala de cinco degraus) são visitados
obrigatoriamente, e seu conceito final é atribuído pela comissão que o avaliou in loco. Os
outros cursos (os com conceitos de 3, 4 ou 5) podem solicitar uma visita avaliativa, mas,
se não o fizerem dentro de 30 dias, o conceito preliminar é mantido como conceito final.
Como consequência, aproximadamente, 25% dos cursos tem de ser visitados, o que torna
alcançável o número total de visitas que precisam ser realizadas por ano (Brasil, 2009).

O Índice Geral de Cursos da Instituição de Educação Superior (IGC)

O Índice Geral de Cursos da Instituição de Educação Superior (IGC) foi instituído pela
Portaria Normativa MEC nº 12, de 5 de setembro de 2008. O Índice representa a média
ponderada dos conceitos obtidos por todos os cursos de graduação e de pós-graduação da
instituição, sendo essa ponderação determinada pelo número de matrículas em cada um
dos cursos. O IGC é divulgado anualmente, em conjunto com a divulgação do CPC. Conforme
estabelecido na mencionada portaria, a finalidade do IGC é servir como referencial de
orientação para as comissões externas de avaliação institucional.
Para compreender a importância do IGC, é necessário reconhecer as limitações
inerentes de uma avaliação in loco, cujos resultados tenham efeitos regulatórios. A
legislação do Sinaes estabelece que as visitas realizadas pelas comissões de visita resultem
“na aplicação de conceitos, ordenados em uma escala com cinco níveis, a cada uma das
dimensões e ao conjunto das dimensões avaliadas” (Art. 3, § 3º da Lei nº 10.861/04). A
obtenção de um resultado insatisfatório (conceito final abaixo de “3”) enseja a celebração
de protocolo de compromisso para efetuar as melhorias identificadas como necessárias, a
ser firmado entre a instituição e o Ministério da Educação. O descumprimento do referido

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
49
protocolo poderá resultar na aplicação de penalidades, indo da suspensão temporária da
abertura de processo seletivo de cursos de graduação até a cassação da autorização de
funcionamento da instituição em questão (Art. 10, inciso IV, § 2º da Lei nº 10.861/04). Dessa
forma, as consequências das avaliações externas das instituições são de grande impacto,
podendo afetar a própria sobrevivência da IES. Assim, o IGC foi criado pelo Inep/Conaes
para referenciar os resultados das avaliações efetuadas pelas comissões de visita, pois a
média dos conceitos obtidos pelo conjunto de seus cursos é, claramente, uma possível
medida da qualidade da instituição como um todo. Quando o conceito da comissão é muito
diferente daquele dado pelo IGC, levantam-se dúvidas sobre a qualidade da visita realizada.
Em tais casos, conforme estipulado no Art.17 da Portaria Normativa MEC nº 40, de 12 de
dezembro de 2007, o resultado da avaliação é impugnado pela Secretaria de Educação
Superior (SESu), e o processo é encaminhado à Comissão Técnica de Acompanhamento
da Avaliação (CTAA) para apreciação. Cabe à CTAA, depois de análise da documentação
disponível, decidir ou pela manutenção ou pela reforma do parecer da comissão de visita,
ou, ainda, pela anulação do referido parecer, determinando a realização de nova visita.
Dessa forma, o IGC serve para objetivar a avaliação da instituição (Verhine, 2010). Vale
acrescentar que o CPC, já discutido, funciona da mesma forma, pois a CTAA decide de
igual modo quando o CPC e o conceito dado pela comissão de visita são discrepantes. É
importante ressaltar, no entanto, que, diferentemente do CTC, o IGC não implica redução
do número de visitas realizadas.

Enem x Enade-Ingressante

Um terceiro ajuste importante trata da substituição do Exame Nacional de


Desempenho de Estudantes para ingressantes (Enade-Ingressante) pelo Exame Nacional
do Ensino Médio (Enem), efetuada a partir da aplicação de 2011. Para compreender essa
decisão, é necessário discutir um ajuste anterior: a criação do Indicador de Diferença entre
os Desempenhos Observado e Esperado (IDD). Neste sentido, vale lembrar uma das críticas
mais contundentes a respeito do Exame Nacional de Cursos (ENC), conhecido como Provão,
cuja aplicação antecedia a introdução do Sinaes. Por considerar apenas o desempenho do
aluno no final de seu curso, o Provão não captava a aprendizagem desenvolvida ao longo do
processo de formação, ou, dito de outra forma, não mensurava o “valor agregado” gerado
pelo curso. Com o intento de corrigir essa limitação, a Lei nº 10.861/04 determinou que o

50 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
Enade fosse “aplicado aos alunos de todos os cursos de graduação, ao final do primeiro e
do último ano de curso”, permitindo, assim, uma comparação dos resultados dos alunos
ingressantes com aqueles dos alunos concluintes. A partir da primeira aplicação do Enade,
em 2004, ficou evidente, no entanto, que havia problemas com a referida comparação, pois
foi baseada na premissa muito duvidosa de que os dois grupos (ingressantes e concluintes)
são comparáveis (Verhine; Dantas; Soares, 2006).
Assim, na tentativa de medir o “valor agregado” através de procedimento
estatisticamente mais robusto, o IDD foi introduzido pelo Inep em 2005. Em vez de fazer
uma mera comparação entre a média dos calouros e a dos formandos, subtraindo a
primeira da segunda, o IDD adota outro caminho, pois busca medir a diferença entre o
desempenho médio dos concluintes de um curso e o desempenho médio estimado para
seus concluintes. O despenho estimado, por sua vez, é determinado mediante equações de
regressão múltipla, nas quais o desempenho dos ingressantes e o nível de instrução de seus
pais e o grau de seletividade do curso (medido pela relação ingressantes/concluintes) são
inseridos como variáveis independentes. Dessa forma, a substituição do Enade pelo Enem
para ingressantes não cria nenhum problema conceitual, pois com a utilização do IDD, os
dois exames – o do ingressante e o do concluinte – não precisam ser iguais; é suficiente que
os resultados de um sejam um bom “preditor” dos resultados do outro. De fato, diversas
análises têm revelado que, ao ser comparado com o Enade-Ingressante, o Enem, com seu
foco nas competências cognitivas, tende a gerar estimativas mais precisas a respeito do
desempenho dos alunos no final do curso (Zoghbi; Oliva; Moricon, 2009).
Além dessa vantagem, existem pelo menos quatro outras com a utilização do
Enem no lugar do Enade-Ingressante. Primeiro, a substituição elimina o problema de uma
possível contaminação institucional, pois o Enem, diferentemente do Enade-Ingressante, é
normalmente aplicado a alunos que ainda não começaram seus estudos de ensino superior.
Segundo, reduz o número de provas diferentes a que cada aluno precisa se submeter.
Terceiro, sendo atrelado ao cadastro de discentes de cursos superiores (ora em construção),
a utilização do Enem pode permitir o acompanhamento individual de cada aluno (através
de seu CPF) e, consequentemente, facilitar a simulação de perfis longitudinais e, assim, o
cálculo de um “valor agregado”, que é ainda mais confiável. E, finalmente, na opinião da
maioria dos especialistas, a prova do Enem é superior à do Enade, tanto conceitualmente
quanto tecnicamente, o que significa que sua utilização representa um ganho em prol da
qualidade do processo avaliativo (Verhine; Dantas, 2009).

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
51
A autoavaliação institucional

Atualmente, existe o consenso de que os três componentes do Sinaes têm sido,


de fato, implantados, embora todos concordem que melhorias devem ser buscadas
sistematicamente, de forma constante e articulada. Entre as melhorias necessárias, a mais
urgente trata do aperfeiçoamento dos processos de autoavaliação desenvolvidos nas IES.
Em muitas instituições, a autoavaliação funciona muito bem, realizada através de processos
participativos, baseados em diversas estratégias, pareceres técnicos e instrumentos,
gerando relatórios analíticos que apontam potencialidades e fragilidades institucionais
e que revelam políticas e ações de correção e consolidação. Os artigos que compõem o
presente livro ilustram os êxitos alcançados, mostrando a utilização de grande variedade
de abordagens e procedimentos para colher e aplicar conhecimentos e informações que
servem para promover a qualidade da instituição. Fica evidente, no entanto, que tais
sucessos não são evidentes em uma parte significativa das IES no País. Dados levantados
pelo Inep demonstram que, aproximadamente, 60% das instituições brasileiras são
inadimplentes a respeito do encaminhamento ao MEC do relatório de sua CPA. Encontra-se
entre tais instituições inadimplentes um bom número de universidades federais, o que
representa um fato surpreendente, considerando que, por sua natureza, elas possuem um
vínculo direto com o governo brasileiro e seus compromissos sociais. Outro estudo que
revela como a autoavaliação institucional sofre problemas é uma pesquisa encomendada
pelo Inep na qual foram analisados 172 relatórios elaborados por CPAs. Os responsáveis
pela investigação concluíram que:

1) o envolvimento da comunidade acadêmica no processo de autoavaliação aparece


de forma pouco explicita;
2) há pouca consistência entre os resultados da autoavaliação e o contexto da IES;
3) a maioria dos relatórios analisados não apresenta a devida analise e interpretação; e
4) apenas 13,4% dos relatórios da amostra são completos e de boa qualidade
(BRASIL, 2011, p. 83).

Essas tendências nada positivas são preocupantes diante da importância da


autoavaliação para o funcionamento e o sucesso do Sinaes. A autoavaliação constitui o
elemento formativo do Sinaes, gerando uma dinâmica interna em prol da melhoria da
instituição, promovendo processos de autoconhecimento, criando uma cultura avaliativa,

52 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
permitindo uma prestação de contas à comunidade na qual a IES se insere e fornecendo
subsídios para a tomada de decisões relacionadas com a gestão da instituição e sua
vida acadêmica (Brasil, 2004, p. 97). Além disso, no contexto do Sinaes, a autoavaliação
serve para desencadear os processos externos de avaliação. O relatório da CPA orienta e
contextualiza o trabalho desenvolvido pelas comissões de visita. É por isso que, de acordo
com os atuais procedimentos do Sinaes, a avaliação externa da instituição não é permitida
sem o recebimento pelo MEC do relatório da CPA encaminhado eletronicamente através
do sistema e-MEC.
Diante da centralidade dos processos de autoavaliação institucional, uma das
primeiras tarefas assumidas pela Conaes foi elaborar roteiros e orientações para as CPA,
referentes às dimensões a serem avaliadas e à estrutura do relatório a ser anualmente
produzido. Nessa época, a Conaes, trabalhando em parceria com o Inep, também priorizou
a realização de seminários em diversas partes do País, para promover o trabalho da CPA e a
cultura de autoavaliação. Porém, nos anos mais recentes, a maior parte das deliberações da
Conaes tem focalizado a operacionalização dos processos de avaliação externa, resultando
em ajustes tais como os discutidos anteriormente. Tal foco é compreensível, pois a avaliação
externa fica sob a responsabilidade do MEC, órgão ao qual a Conaes se vincula, e tem um
papel fundamental no sentido de alimentar a regulação da educação superior efetuada
pelo governo federal. Além disso, é importante considerar que, idealmente, a autoavaliação
não deveria ser externamente imposta, de cima para baixo, pois precisa ter uma dinâmica
própria, fundamentada na história, na cultura e na natureza da instituição, contando com a
participação ampla de atores locais.
Por outro lado, não há dúvida de que algo tem de ser feito, urgentemente, para
fortalecer os processos de autoavaliação institucional desenvolvidos no âmbito do Sinaes.
Em muitas instituições, à CPA ainda faltam incentivos, apoios e estruturas, necessários
para seu bom funcionamento. É preciso que a escolha dos membros da CPA seja feita
de maneira a assegurar a participação de membros que sejam pessoas comprometidas,
experientes e competentes em relação às atividades de avaliação. É também necessário
que a CPA possua a devida autonomia e que receba o apoio de um corpo técnico altamente
qualificado. Recomenda-se que CPA seja articulada com uma estrutura especifica de
avaliação (uma pró-reitoria, superintendência ou diretoria), que deve estabelecer as
diretrizes, as metas e os procedimentos da autoavaliação (como a Conaes faz em nível
nacional), ao tempo em que a operacionalização do processo é assumida por professores
e técnicos especializados, implementando as determinações da CPA, como o Inep faz em

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
53
relação às decisões da Conaes. É também recomendável a implementação de processos
de autoavaliação no nível de cada curso, pois é através do curso que a maior parte das
atividades-fim da instituição (formação e produção acadêmica) é desenvolvida. Sugere-se a
criação de subCPA para cursos e/ou para áreas de conhecimento, que promovam estudos e
seminários em ambientes específicos e que produzam relatórios que alimentem o relatório
da CPA referente à instituição como um todo.
A Conaes, por sua vez, deve trabalhar com o Inep para institucionalizar o ciclo de
seminários e publicação de experiências, começado em 2013; precisa produzir novas
orientações, pedagogicamente construídas, a partir das sugestões levantadas no decorrer
dos seis seminários realizados e definir, de forma clara e definitiva, a diferença entre
relatório parcial e relatório integral e a periodicidade da entrega formal. Além disso, a
Conaes deve exigir que os relatórios sejam acompanhados por um plano de ação para sanar
os problemas e as fragilidades identificados. Outra medida possível seria a formação, em
âmbito nacional, de comissões de especialistas que possam ler uma amostra de relatórios
anualmente (talvez um quinto deles, perfazendo um ciclo de cinco anos), para fornecer
feedback às CPA sobre a qualidade de seus produtos. Nessa mesma linha, a Conaes e o Inep
devem assegurar que todas as informações avaliativas disponibilizadas às IES, através, por
exemplo, dos relatórios de visita e do Enade e dos dados contidos no Censo de Educação
Superior, são precisas, completas e didaticamente apresentadas.
O feedback referido deve complementar o gerado pelo novo instrumento para a
avaliação externa da instituição, lançado no início de 2014. O primeiro eixo avaliado pelo
instrumento é intitulado “Planejamento e Avaliação Institucional” e contempla a evolução
institucional da avaliação (Item 1.1), o projeto/processo de autoavaliação (Item 1.2), a
participação da comunidade acadêmica na autoavaliação (Item 1.3), a análise e divulgação
dos resultados da autoavaliação e das avaliações externas (Item 1.4) e a elaboração do
relatório de autoavaliação (Item 1.5). Assim, pela primeira vez, a autoavaliação se torna
algo da avaliação externa, o que deve incentivar esforços para aperfeiçoar processos
autoavaliativos nas instituições que, até agora, têm sido relapsas nesse sentido. Vale
acrescentar que ao adotar a avaliação externa da autoavaliação institucional, o Brasil segue
uma prática que é comum em muitos países. No Reino Unido, por exemplo, a avaliação
externa da educação superior, denominada “Auditoria”, focaliza, quase exclusivamente, as
estruturas e os mecanismos adotados pela instituição para assegurar sua qualidade. Os
auditores julgam o nível de confiança que têm na gestão da qualidade da IES e na integridade

54 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
das informações por ela publicadas. A visita resulta em três possíveis conclusões: “confiança
completa”, “confiança limitada” e “nenhuma conclusão” (Alderman; Brown, 2005, p. 318-
319). A lógica do sistema britânico se fundamenta na premissa de que uma instituição que
assegura bem sua própria qualidade é uma instituição que merece ser bem avaliada. Na
opinião do autor deste texto, essa lógica deve ser adotada no contexto brasileiro, norteando
novas configurações a serem tomadas no âmbito do Sinaes.

Considerações finais

Ao concluir seu mandato como presidente da Conaes, no final de dezembro de 2013,


o presente autor produzir uma lista de prioridades a serem enfrentadas no decorrer de
2014. No topo da lista, está o fortalecimento da autoavaliação institucional, devido a razões
explicitadas nos parágrafos acima. Antes de concluir, vale a pena relatar, resumidamente,
algumas outras prioridades consideradas centrais.

Globalidade do Sinaes

O Sinaes não é, de fato, totalmente nacional, pois não envolve diretamente as IES
estaduais. De acordo com o pacto federativo, tais instituições são avaliadas e reguladas pelos
Conselhos Estaduais de Educação, podendo participar do Sinaes mediante a celebração
de convênios formulados em espirito de cooperação. No momento, todas as instituições
estaduais participam do Enade, mas nenhum Estado participa do Sinaes integralmente,
submetendo-se às avaliações externas organizadas pelo Inep. A participação integral dos
Estados deve ser entusiasticamente incentivada, pois fortaleceria o Sinaes, assegurando
o alcance de padrões de qualidade mínima em todas as IES brasileiras. Para realizar essa
globalidade, é necessário atualizar o sistema e-MEC, para que a participação dos sistemas
estaduais seja contemplada, e convencer os conselhos estaduais do valor de abrir mão de
sua prorrogativa de escolher os membros das comissões de visita. Também é importante
que tais conselhos entendam que a participação no Sinaes não significa o abandono de
suas responsabilidades regulatórias. O Sinaes é um sistema de avaliação, não de regulação,
e os dados por ele gerados servem para subsidiar a tomada de decisões de naturezas
diversas, inclusive as relacionadas com processos de regulação, praticados pela União ou
pelos Estados.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
55
Qualidade dos indicadores

A qualidade dos indicadores do Sinaes (CPC, IGC, IDD e outros) deve ser aperfeiçoada,
buscando informações mais confiáveis, procurando novas fontes, acrescentando variáveis
adicionais, experimentando o uso de diferentes configurações de pesos, adotando técnicas
de estatística e de análise mais sofisticadas e submetendo cada indicador a processos
rigorosos de validação. No caso do CPC, por exemplo, outras formas para captar o projeto
pedagógico e a infraestrutura do curso precisam ser investigadas, critérios de qualidade
para cada ingrediente devem ser preestabelecidos (evitando o uso da curva normal) e
visitas têm de ser realizadas com cursos de todos os níveis na escala (e não apenas os com
nota 1 ou 2), para estabelecer comparabilidade entre o CPC e os conceitos atribuídos pelas
comissões externas. Nas avaliações, outras dimensões, tais como “internacionalização” e
“trajetória do egresso”, podem ser consideradas, e dados oriundos de outros setores do
governo (IBGE, Ipea, Ministério do Trabalho, etc.) devem ser minados. As possibilidades
são imensas, mas é necessário que todos os atores do Sinaes tenham a convicção de que o
sistema é dinâmico, inacabado e que vive um processo de construção contínuo e constante.

Qualidade dos avaliadores

Um dos maiores desafios que o Sinaes enfrenta é a qualidade dos avaliadores com
compõem as comissões de visita, especialmente considerando o impacto regulatório dos
conceitos atribuídos pelas referidas comissões. O Inep tem aperfeiçoado seus processos
de capacitação de avaliadores, utilizando procedimentos presenciais e também a distancia,
tanto para treinamentos iniciais quanto para processos de requalificação e aprendizagem
contínua. Também instalou a avaliação dos avaliadores externos por parte das CPA e outros
atores institucionais, fornecendo feedback valioso aos membros das comissões e ao Inep
e permitindo a identificação de avaliadores potencialmente problemáticos, que precisam
receber capacitações especiais ou serem retirado da base nacional. Recomenda-se que,
no futuro, o Inep desenvolva pelo menos duas bases, uma composta de avaliadores
experientes e que tenham recebido avaliações positivas por parte das instituições visitadas
e outra composta de avaliadores novos, com participação ainda limitada nas avaliações do
Sinaes. Dessa forma, cada comissão de visita poderia ser montada de forma a contar com
a participação de representante de cada uma das bases, tendo um profissional experiente
como coordenador e pelo menos uma pessoa que, mediante a experiência prática, vá

56 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
aperfeiçoando suas competências avaliativas. Assim, os experientes são valorizados,
enquanto o número de avaliadores devidamente qualificados cresce.

Uso dos resultados

A ampla literatura sobre avaliação mostra que um dos problemas maiores a serem
enfrentados refere-se ao uso dos resultados obtidos. O Sinaes não é uma exceção. Muitas
vezes os relatórios produzidos nem são lidos pelos atores em foco. Outras vezes a leitura
acontece, mas as informações ou não são aproveitadas ou são utilizadas de forma indevida,
gerando, por exemplo, punições em vez ações positivas. O bom uso dos resultados
de avaliações depende de uma cultura de avaliação, de incentivos, de orientações, de
informações pedagogicamente apresentadas e, por que não dizer, de cobranças formais. Por
exemplo, conforme mencionado, os relatórios de autoavaliação devem ser acompanhados
por planos de ação que busquem solucionar as fragilidades apontadas. Também os
relatórios sobre os resultados do Enade, recebidos pelos cursos participantes, devem
mostrar claramente a relação entre o desempenho e as competências, as habilidades e
os conhecimentos que compõem a matriz de referência. Além disso, o website do Sinaes
precisa ser atualizado e ampliado, fornecendo experiências, informações e análises que
ajudem seu usuário a melhor aproveitar os resultados gerados.

Relação avaliação x regulação

O presente artigo buscou demonstrar que, no contexto do Sinaes, a articulação


entre os processos de avaliação e de regulação é imprescindível, pois as informações
produzidas pelas atividades avaliativas alimentam e fundamentam as decisões no
âmbito da regulação, decisões essas que tratam da autorização, do reconhecimento e
da renovação de reconhecimento de cursos superiores, bem como do credenciamento
e do recredenciamento de instituições de educação superior. Deve ser compreendido,
no entanto, que os dois processos são distintos, pois são processos distintos que exigem
procedimentos, competências e posturas diferenciados. A regulação visa a determinações
oficiais, por parte do governo, que buscam assegurar a oferta de bens e serviços de
qualidade aos membros da sociedade. A avaliação, por sua vez, objetiva o fornecimento
de informações confiáveis para a tomada de decisões, fundamentando decisões de
regulação e também uma grande variedade de outras decisões, por parte de diferentes

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
57
atores, em diferentes níveis, em muitos casos distantes das decisões tomadas no âmbito
governamental. Assim, um processo não deve ser confundido com o outro e, conforme
discutido em outro artigo, medidas são necessárias para assegurar que os interesses a as
pressões associadas à regulação, vista como, eminentemente, uma atividade politica, não
prejudiquem a integridade do Sinaes, entendido, fundamentalmente, como uma política
de Estado (Verhine, 2013).

Referências

ALDERMAN, Geoffrey; BROWN, Roger. Can quality assurance survive the market:
accreditation and audit at the crossroads, Higher Education Quarterly, v. 59, n. 4, p. 313-
328, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais


Anísio Teixeira. Avaliação de cursos na educação superior: a função e mecânica do conceito
preliminar de cursos. Brasília, DF: Inep/MEC, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio


Teixeira. Sinaes. Da concepção à regulamentação. 2. ed. ampl. Brasília: Inep/MEC, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais


Anísio Teixeira. Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: análise dos relatórios
de autoavaliação das Instituições de Educação Superior. V. 3. Brasília, DF: Inep/MEC, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais


Anísio Teixeira. Avaliação de cursos na educação superior: a função e a mecânica do conceito
preliminar de cursos. Brasília, DF: Inep/MEC, 2009.

VERHINE, R. E. Avaliação e regulação da educação superior: articulações e tensões. e


In: ENCONTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, 5., 2013, Belo
Horizonte, MG. Texto a ser publicado na Revista Sinpro.

58 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
VERHINE, R. E. O novo alfabeto do Sinaes: reflexões sobre o IDD, CPC e IGC. In: DALBEN, A.;
DINIZ, J.; LEAL, L.; SANTOS, L. Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho
docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 632-650.

VERHINE, R. E.; DANTAS, L. V. A avaliação do desempenho de alunos de educação superior:


uma análise a partir da experiência do Enade. In: LORDÊLO, J. A.; DAZZANI, M. V. Avaliação
educacional: desatando e reatando nós. Salvador, BA: Universidade Federal da Bahia, 2009.
p. 347-405.

VERHINE, R. E.; DANTAS, L. V.; SOARES, J. F. Do Provão ao Enade: uma análise comparativa
dos exames nacionais utilizados no ensino superior brasileiro, Ensaio. Avaliação e Políticas
Públicas em Educação, v. 14, n. 52, p. 291-310, 2006.

ZOGHBI, A. C. P.; OLIVA, B. T.; MORICON, M. Aumentando a eficácia e a eficiência da


avaliação do ensino superior: uma análise do uso do Enem como alternativa ao Enade para
ingressantes. In: REUNIÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO EDUCACIONAL, 5.,
2009, Salvador. Anais...: Rio de Janeiro: Abave, 2009. p. 1-18.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
59
5. CONAES – VISÃO DA COMUNIDADE ACADÊMICA
SOBRE O SINAES: DESAFIOS E PERSPECTIVAS
Silke Weber

Este texto pretende contribuir para a reflexão a respeito do processo de constituição


e implantação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação (Sinaes), segundo a Lei nº
10.861/2004 proposta pela Conaes e pelo Inep. Trata-se de texto ainda em elaboração,
produzido para atender a convite dos organizadores dos Seminários Regionais das CPAs,
que busca, ainda que de forma provisória, sistematizar o teor do debate na comunidade
acadêmica sobre a avaliação da educação superior.
Vale dizer que a decisão de aceitar o convite teve por base trabalho recente (2012),
desenvolvido para Seminário na Universidade de Brasília (UnB), que tinha como temática a
pós-graduação e a melhoria da educação básica. Para tanto, foi realizada incursão nos dados
da Capes relativos à avaliação da pós-graduação em Ciências Humanas, no período 2007-
2009, com destaque para as áreas de Educação e de Sociologia, o que permitiu apreender
os principais temas que, então, orientavam a produção acadêmica ali realizada. Entre
eles destacava-se o tema das políticas educacionais, tendência, aliás, anotada em vários
balanços da produção acadêmica relativa à educação que vêm sendo realizados a partir
do trabalho pioneiro de Aparecida Joly Gouveia, em 1970, e que constituiu o conteúdo do
número inaugural da revista Cadernos de Pesquisa, da Fundação Carlos Chagas.
É bem verdade que, paulatinamente, foi procedida uma divisão de trabalho entre as
áreas da Sociologia e da Educação nos estudos sobre políticas educacionais, ficando o estudo
da educação superior a cargo da pós-graduação em Sociologia e aqueles relativos à educação
básica sob a responsabilidade da pós-graduação em Educação, conforme anotado em trabalho
anterior (2010), elaborado conjuntamente com Carlos Benedito Martins, da UnB.
Hoje são trazidos os primeiros resultados da consulta ao material disponível no
site dos periódicos da Capes relativos à avaliação da educação superior, sendo possível
afirmar que foi confirmada a suspeita de que se trata de tema atraente e importante desde
a década de 1990, abordado, sob ângulos diversos, tanto por autores da área da Educação
como da Sociologia, não sendo possível ainda informar a prevalência.
O texto abordará os principais temas em torno dos quais se organiza a produção
acadêmica sobre avaliação da educação superior no Brasil, para em seguida destacar alguns
desafios e perspectivas.

60 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
Temas e tônicas do debate sobre a avaliação da educação superior

O levantamento realizado privilegiou artigos produzidos e divulgados em revistas


depois da sanção da Lei nº 10.861/2004, tendo em vista o objetivo do estudo, de dar
visibilidade aos principais aspectos que preocupam a comunidade acadêmica no que
concerne à avaliação da educação superior. Esta tem como principal finalidade, conforme
o art. 1° dessa lei, a “melhoria da qualidade da educação superior, a orientação da
expansão da sua oferta, o aumento permanente de sua eficácia e efetividade acadêmica
e social”, “a promoção e aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais
das IES”. Ou seja, conforme a lei, os resultados da avaliação “constituirão referencial
básico dos processos de regulação e supervisão da educação superior” (Art. 2°, Parágrafo
Único), sendo um dos procedimentos obrigatórios na avaliação de cursos as visitas por
comissões de especialistas das respectivas áreas de conhecimento (Art. 4°, §1°).
O processo do Sinaes é coordenado e supervisionado pelo órgão colegiado instituído
no MEC e vinculado ao Gabinete do Ministro de Estado – a Comissão Nacional de Avaliação
da Educação Superior (Conaes) (Art. 6°), com as atribuições de:

I – propor e avaliar as dinâmicas, procedimentos e mecanismos de avaliação institucional,


de cursos e de desempenho dos estudantes; II – estabelecer diretrizes para organização
e designação das comissões de avaliação, analisar relatórios, elaborar pareceres e
encaminhar recomendações às instâncias competentes; III- formular propostas para
o desenvolvimento das IES, com base nas análises e recomendações produzidas no
processo de avaliação; IV – articular-se com os sistemas estaduais de ensino, visando a
estabelecer ações e critérios comuns de avaliação e supervisão da educação superior.

Cabe ao Inep, conforme Art. 8°, implementar o Sinaes, qual seja, proceder à avaliação
das instituições, cursos e desempenho do estudante.
Chama a atenção, no entanto, o fato de que entre os textos consultados não conste
um só estudo sobre a Conaes e tampouco um em que o Inep seja objeto de investigação
específica, aspecto sobre o qual se voltará mais adiante. A produção acadêmica se concentra
em estudos sobre história da avaliação da educação superior no Brasil, reflexões críticas
sobre o Sinaes, avaliação institucional e ação das CPA, Enade, criação de índices e relatos
ou estudos específicos sobre casos de avaliação institucional.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
61
História da avaliação da educação superior no Brasil

Os textos que abordam a história da avaliação da educação superior buscam inserir


o debate no contexto da reforma universitária de 1968 e nas sucessivas propostas de
reforma que foram geradas por grupos e comissões a partir dos anos de 1980, detendo-se,
no entanto, nos documentos que dão conta das iniciativas que foram institucionalizadas,
especialmente, aquelas gestadas no âmbito da LDB de 1996. Assim, são trazidos o
Programa de Avaliação da Reforma Universitária (Paru), instituído pelo MEC, visando ao
estudo dos efeitos da reforma universitária de 1968; o Programa de Avaliação Institucional
das Universidades Brasileiras (Paiub), elaborado por uma comissão de especialistas,
voltado para a avaliação institucional por adesão; a criação de um conjunto de avaliações
periódicas de instituições e cursos, previstas pela Lei n° 9.131/1995, com destaque para
o Exame Nacional de Cursos (ENC) e o ACE. Há, ainda, textos que retraçam concepções
metodológicas adotadas, instrumentos de mensuração utilizados, sistema de indicadores
criados para aferir a qualidade das IES (DIAS et al., 2006).
Em praticamente todos os textos, mencionam-se tanto as diferentes concepções de
avaliação adotadas e suas implicações nas políticas atuais, como a influência do debate
internacional sobre educação superior, especialmente, aquele organizado pela Organização
das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e pelo Banco Mundial.
Nessa perspectiva, é enfatizada a contraposição entre a concepção de avaliação como
processo mercadológico e regulatório e a avaliação de caráter formativo e emancipatório,
sendo discutido o sentido da criação de índices quantitativos que findam por permitir a
elaboração de “rankings”, reorientando a dimensão formativa inerente à Lei do Sinaes
(Barreiro; Rothen, 2008; Weber, 2010; Zandavalli, 2009; Zainko, 2008).

Reflexões críticas sobre o Sinaes

Este tema é certamente o mais abordado pela comunidade acadêmica, sendo


tratado tanto de forma teórica, quando é proposta, em nome da consistência, a introdução
de modificações específicas, como também sob o ângulo dos possíveis desdobramentos
da ação avaliadora promovida pelo Estado na IES e na sociedade, que é, aliás, a tônica
predominante. Nesse sentido, são feitas comparações com o processo de avaliação
instituído a partir da Lei nº 9.131/1995.

62 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
Nesses textos, o Sinaes é apresentado como inovador, ao combinar a dimensão
formativa da avaliação institucional, em suas vertentes interna e externa, visando
à melhoria da qualidade da educação, e a comunicação com a sociedade, restrita ao
atendimento ao mercado. Essa incongruência permitiria a oscilação entre o processo
interno de autoconhecimento institucional e sua utilização como instrumento de
regulação das IES pelo Estado (Sguissardi, 2008) e por ambos, Estado e mercado
(Barreyro; Rothen, 2006), conduzindo a uma avaliação orientada por concepções
distintas de educação superior, como bem público ou segundo a lógica do mercado
(Sobrinho, 2004).
Dessa forma, o núcleo do debate situa-se na contraposição entre avaliação e
regulação, o que pretendera o Sinaes enfrentar, ao definir a avaliação como referencial
básico para os processos de regulação.
Mas igualmente outros aspectos são explorados nos textos examinados, valendo
citar o lugar da universidade na contemporaneidade e sua relação com o setor privado, o
significado do arcabouço legal instituído em paralelo ao Sinaes (Silva; Sguissardi, 2005),
a responsabilidade social das IES (PINTO, 2009) e sua ligação com a gestão universitária
(Ashley et al., 2006), a contraposição avaliação institucional do período FHC e do Sinaes
(Abreu Junior, 2009), as tensões advindas das concepções de avaliação e de suporte à
regulação (Meneguel et al., 2006; Weber, 2010), as dicotomias conceituais da avaliação da
educação superior (Firme, 2009), as dificuldades na avaliação de universidades (Ribeiro,
2011), a constituição de campo específico que avalie nos níveis político, cognitivo e
institucional (Correia, 2010), a analise dos principais instrumentos de avaliação e seus
efeitos no ensino superior (Dias Sobrinho, 2010), o exame dos conceitos de qualidade e
de avaliação em uso (Dias Sobrinho, 2008), a descontinuidade das políticas de avaliação
(Limana, 2008; Rothen; Barreyro, 2011), a importância da avaliação in loco (Giolo, 2008),
o sistema de indicadores para avaliar o desenvolvimento e a qualidade da educação
superior (Bertolin, 2007).
Não obstante a amplitude temática e a diversidade de orientações teóricas, os
textos mencionados mostram que a questão da avaliação da educação superior constitui
preocupação da comunidade acadêmica e problema de investigação frequente, ficando
a pergunta a respeito da interlocução dos executores das políticas de avaliação com
esse conhecimento, nas reformulações que vêm sendo introduzidas no Sinaes a partir
de 2008.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
63
Avaliação institucional

Outro conjunto de textos versa sobre a avaliação institucional, tanto a autoavaliação


como a avaliação externa, nos moldes propostos pelo Sinaes.
Nessa perspectiva, tanto há textos que se propõem a averiguar quais os modelos
de avaliação institucional adotados no Brasil, como outros que se voltam para aspectos
específicos de sua materialização. É assim que tem prevalecido o enfoque regulador e
normativo, embora o enfoque cognitivo seja percebido como o que orienta o Sinaes
(Schlikmann et al., 2008).
Os estudos que discutem o processo de avaliação em implementação voltam-se para
a participação da comunidade acadêmica (Polidori, 2007), o impacto da criação dos índices
na avaliação institucional (Lehfeld et al., 2010), a construção de escalas para mensurar
a autopercepção de discentes e docentes (Batista, 2013) e a repercussão da avaliação
institucional na qualidade da formação (Oliveira et al., 2006; Nunes (2006).
No âmbito da avaliação institucional, vários estudos elegem as CPA como objeto de
análise, seja para examinar os limites e as perspectivas de sua atuação nas universidades
federais (Peixoto, 2009), a percepção dos coordenadores das CPA de IES privadas acerca
da participação e da avaliação no processo de regulação (Carneiro, 2008), a percepção
e as expectativas dos coordenadores das CPA em relação ao Sinaes (Augusto, 2007), os
significados da CPA como estratégia de avaliação institucional participativa (De Sordi,
2009, 2011), a classificação nacional das IES como ameaça à sobrevivência das CPA e
da autoavaliação das instituições (Leite, 2008), seja para perceber as repercussões das
indefinições na implementação do Sinaes na avaliação interna (Silva; Gomes, 2011).
Por outro lado, a avaliação institucional externa também é foco de atenção, seja
mediante a discussão das orientações gerais do Sinaes, em contraposição aos princípios
da avaliação externa empregados em outros países, para indicar ajustes necessários
(Marchelli, 2007), seja examinando os resultados do primeiro grupo de universidades que
se submeteram à avaliação externa do Sinaes para questionar os critérios de composição
das Comissões de avaliação externa (Lacerda, 2011). A avaliação in loco é objeto de um
único texto que versa sobre o papel positivo da interlocução dos avaliadores com as IES no
aprendizado mútuo e na construção da identidade institucional (Francisco, 2012).
Cabe observar que o estudo dos aspectos reunidos neste tópico tem sua origem em
experiências vivenciadas ou observadas de avaliação institucional, o que lhes dá um caráter
avaliativo a ser considerado em processos de meta-avaliação do Sinaes.

64 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
Essa dimensão é explorada no que foi aqui denominado de estudos de caso, uma
vez que tem como cerne a análise da dinâmica institucional sob a ótica das mudanças
operadas na compreensão dos elementos implicados em uma formação de qualidade.
Assim, são mencionados estudos que visam captar: as representações sociais de gestores
e de técnicos administrativos que participaram da autoavaliação institucional sobre o
Sinaes (Andriola, 2010); como a comunidade universitária percebe os resultados da
autoavaliação (Reis et al., 2010); a análise da trajetória institucional desde o Paiub até
o Sinaes, evidenciando o aprimoramento da gestão (Costa, 2010); como o Plano de
Desenvolvimento Institucional (PDI) construído coletivamente tornou-se o fio condutor
para a avaliação institucional (Segenreich, 2005); como a avaliação institucional, marco
referencial do Sinaes, contribui para a construção de cultura de avaliação (Vieira, 2010);
os fatores que interferem na continuidade e no aperfeiçoamento da avaliação institucional
(Venturini, 2010); a construção do processo democrático de autoavaliação institucional
e o desenvolvimento da cultura de avaliação (grego, 2007); o acoplamento da avaliação
participativa com tecnologia da informação e da comunicação (Leite, 2007); a avaliação das
universidades comunitárias (Pinto, 2009).
Cabe, igualmente, assinalar os estudos que se debruçam sobre a avaliação de cursos
da área de saúde, em particular, Medicina, Farmácia, Odontologia, Enfermagem, e também
da área de exatas, como Física, Licenciatura em Física e Matemática (Perim, 2008, Gomes
et al., 2010, Graziotinsoares, 2011, Brassea et al., 2011).
São, ainda, objeto de análise os estudantes, seja sob o ângulo do boicote ao Enade
(Leitão et al., 2010); da influência dos programas de avaliação expressos em resultados
e apelo consumista do marketing das IES sobre os estudantes (Leite, 2010); das atitudes
em face da avaliação das IES (Cardoso et al., 2010) ou da satisfação/insatisfação discente
(Souza, 2010).

Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade)

O Enade como componente do Sinaes constitui tema que obtém atenção relativa da
comunidade acadêmica, apesar da controvérsia que tem suscitado pelo fato de o Sinaes
ter como um de seus pilares o desempenho do estudante, por pretender apreender o
aporte institucional na formação por meio de exame aplicado a ingressantes e concluintes,
por imobilizar processos de aprendizagem. Será que o assunto fica restrito às Comissões
de Especialistas e às Comissões Assessoras de Avaliação responsáveis por sua elaboração?

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
65
Com efeito, no levantamento procedido, apenas quatro textos examinam os
seus fundamentos e sua implantação. O primeiro compara o Enade e o ENC e identifica
diferenças e similaridades, concluindo pela integridade técnica de ambos os instrumentos
e pelo aprimoramento do exame hoje utilizado. As diferenças se situam no plano conceitual
(Verhine et al., 2006). O segundo e o terceiro, depois de esclarecerem o lugar do exame no
Sinaes e de defini-lo como avaliação para a aprendizagem, arrolam problemas recorrentes
na interpretação de seus resultados que somente teriam se acentuado com a criação do
Conceito Preliminar de Curso (CPC) (Brito, 2007, 2008). O quarto texto considera que o
Enade corrigiu de modo satisfatório problemas observados no ENC, mas reivindica que
seja enfrentada a participação dos estudantes a partir dos princípios de obrigatoriedade e
equidade (Paiva, 2008).
Outros textos se voltam para aspectos diversos que poderiam ser vistos como
estudos de caso. Assim, procura-se apreender como a representatividade do Enade influi
nos fatores de êxito aplicados na gestão do conhecimento nas IES privadas (Da Silva et al.,
2012); as diferenças de gênero e perfil socioeconômico no Enade (Silva et al., 2010); a
análise comparativa de desempenho do curso de Ciências Contábeis de uma universidade
federal com outros cursos congêneres (Paiva Rocha, 2012); o olhar da Comissão Assessora
sobre o Enade da área de Pedagogia (Bordas, 2005).
Observa-se que a discussão sobre o Enade parece ter perdido atualidade, uma vez
que não foi encontrado texto que discutisse as mudanças nele introduzidas, a exemplo da
substituição do exame dos ingressantes pelo Enem, que dá outra configuração ao que fora
instituído no contexto da sanção da Lei do Sinaes.

A criação dos índices

Finalmente, devem ser ainda mencionados os estudos sobre os índices criados


para dar visibilidade ao processo avaliativo do Sinaes. Um texto a circular foi o estudo de
Schwartzman (2008) para a Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior
(Abmes), sobre o CPC, em que examina a forma como o conceito foi desenvolvido para
o MEC decidir se o curso precisa ou não de avaliação in loco. O autor considera que o
conceito é ilegítimo e não constitui avaliação independente porque realizada por órgão
governamental e pleiteia a criação de agência independente para substituir a Conaes.
O Índice Geral de Cursos (IGC) pretende expressar em único número a qualidade
dos cursos e graduação e de pós-graduação oferecidos por uma IES, e sua divulgação

66 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
em 2008 suscitou muito polêmica, havendo autor que se propôs a contribuir para seu
aperfeiçoamento (Bittencourt, 2009), bem como para verificar o caráter indutor desse
índice nos conceitos dos cursos oferecidos em IES públicas e privadas (Bittencourt, 2010).
Já outros interpretam o surgimento do IGC como uma forma de renovar práticas de ranking
de IES e de a avaliação obter visibilidade midiática (Barreyro, 2008).
Há certamente outros estudos sobre o assunto que não foram consultados. Em todo
caso, os exemplos trazidos deixam claro uma nítida clivagem entre aqueles que o percebem
como desdobramento positivo do processo avaliativo instituído e os que o veem como
instrumento de competição entre as IES.

Desafios e perspectivas

A rápida apresentação dos estudos divulgados em revistas reconhecidas aqui


realizada evidencia que o Sinaes tem sido dissecado pela comunidade acadêmica,
principalmente sob a ótica crítica. Mas, por outra parte, deixa claro, igualmente, que
o Sinaes ganhou legitimidade e que vem potencializando, principalmente, mediante a
avaliação institucional, o desenvolvimento de cultura avaliativa.
Tal legitimação indica, assim, que os processos de avaliação da educação superior,
nos moldes instituídos pelo Sinaes, têm produzido efeitos a médio prazo, em consonância
com o tempo requerido para o desenvolvimento de ações educativas, sendo evidente o
aprofundamento do debate sobre a qualidade da formação oferecida nas IES e em seus cursos.
Com efeito, a ação avaliadora nas instituições conduz, necessariamente, a revisões
periódicas de seus objetivos, metas e estratégias e aumenta seu controle sobre a sua
capacidade de realizá-los. Por outro lado, produz um movimento que alarga e aprofunda
a tomada de consciência da complexidade envolvida na questão educacional, e que
enseja o desenvolvimento de disposição para enfrentar a contraposição entre melhoria
da ação educativa e produtivismo.
Há, portanto, de se considerar na dinâmica em curso o resgate do componente
avaliativo institucional, apresentado como um dos pilares da avaliação processual de
caráter formativo, principal tônica da proposta original do Sinaes.
Ainda que a oposição entre a avaliação processual e de caráter formativo e
aquela destinada a alimentar com resultados a competição entre as IES e cursos
seja constatada e criticada, não parece haver propriamente uma cisão entre ambas,

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
67
sendo, antes, possível antever nos próximos anos a combinação entre as duas tônicas
mencionadas, com base nos resultados do desenvolvimento da avaliação institucional.
Se essa hipótese se sustentar, a avaliação institucional continuará a ser percebida como
o cerne da política avaliativa, reforçando a avaliação como referencial básico para a
regulação, tal como disposto na Lei do Sinaes.
Além disso, fica claro que a grande maioria dos autores arrolados rejeita que a
avaliação seja utilizada para o estabelecimento de rankings, ação que, em nenhuma
hipótese, segundo eles, poderia ter a contribuição do MEC. Que a mídia faça seus
cálculos e divulgue os resultados hierarquizados dos processos avaliativos, explorando a
dimensão mercadológica que lhe é inerente...
O levantamento aqui procedido revela que a pesquisa no campo da educação,
ao mesclar interesses de natureza acadêmica e atendimento a problemas educacionais
e sociais, tem contribuído para salvaguardar a universidade como instituição social,
conforme analisado por Freitag (1995) e retomado por Chauí (2001), para refletir sobre
as propostas para o ensino superior no decorrer dos anos de 1990.
Tais estudos precisariam ser considerados nas análises produzidas a partir dos
editais hoje lançados pelo Inep, que poderiam ser entendidos como um passo inicial
para a meta-avaliação do Sinaes,

Referências

ABREU JUNIOR, Nelson de. Sistema(s) de avaliação da educação superior brasileira.


Cadernos Cedes, v. 29, p. 257-269, 2009.

ANDRIOLA, Wagner B. Representações sociais dos gestores e dos técnicos das unidades
acadêmicas da Universidade Federal do Ceará (UFC) acerca da autoavaliação institucional.
Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 15, p. 35-72, 2010.

ASHLEY, Patrícia. FERREIRA, Roberto do N.; REIS, Helvécio L., (2006). Sistema Nacional de
Avaliação da Educação Superior: oportunidades para a responsabilidade social na gestão
estratégica das instituições de ensino superior. Revista Ibero-Americana de Estratégia v. 5,
n. 1, p. 23-35.

68 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
AUGUSTO, Rosana; BALZAN, Newton C. A vez e a voz dos coordenadores das CPAs das IES
de Campinas que integram o Sinaes. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior,
v. 12, p. 597-624, 2007.

BARREYRO, Gladys B.; ROTHEN, José C. “Sinaes” contraditórios: considerações sobre


a elaboração e implantação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior.
Educação e Sociedade, v. 27, n. 96, p. 855-977, 2006.

BARREIRO, Gladys; ROTHEN, José C. Para uma história da avaliação da educação superior
brasileira: análise dos documentos do Paru, CNRES, Geres e Paiub. Avaliação: Revista de
Avaliação da Educação Superior, v. 13, p.131-152, 2008.

BARREYRO, Gladys B. De exames, rankings e mídia. Avaliação: Revista de Avaliação da


Educação Superior, v. 13, p. 863-868, 2008.

BATISTA, Marcos A. et al. (2013) Avaliação institucional no ensino superior: construção de


escalas para discentes e docentes. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v.
18, n. 1, p. 201-218.

BERTOLIN, Julio. Indicadores em nível de sistema para avaliar o desenvolvimento da


qualidade da educação superior brasileira. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação
Superior, v. 12, n. 2, p. 309-331, 2007.

BERTOLIN, Julio. Avaliação da educação superior brasileira: relevância, diversidade,


equidade e eficácia dos sistemas em tempos de mercantilização. Avaliação: Revista de
Avaliação da Educação Superior, v. 14, n. 2, p. 351-383, 2009.

BITTENCOURT, Hélio R.; CASARTELLI, Alam de O.; RODRIGUES, Alziro C. de M. Sobre o Índice
Geral de Cursos (IGC). Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 14, n. 3, p.
667-682, 2009.

BITTENCOURT, Hélio R. et al. Mudanças nos pesos do CPC e seu impacto nos resultados
de avaliação em universidades federais e privadas. Avaliação: Revista de Avaliação da
Educação Superior, v. 15, p 147-166, 2010.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
69
BORDAS, Merion. O olhar da comissão assessora de avaliação sobre o Enade da área de
Pedagogia. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 13, p. 681-712, 2005.

BRASIL. Lei nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e


funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras
providências. Diário Oficial da União de 29 de novembro de 1968, Seção 1, p. 10369.

BRASIL. Lei nº 9.131, de 24 de novembro de 1995. Altera dispositivos da Lei nº 4.024, de 20


de dezembro de 1961, e dá outras providências. Diário Oficial da União de 25 de novembro
de 1995, Seção 1, p. 19257.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da


educação nacional. Diário Oficial da União de 23 de dezembro de 1996, Seção 1, p. 27833.

BRASIL. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da


Educação Superior- SINAES e dá outras Providências. Diário Oficial da União n. 72, de 15 de
abril de 2004, Seção 1, pp. 3/4.

BRASSEA, Gallegulos; TATIANA Gabriela; MENDES CATANI, Afranio. Avaliação da educação


superior no Brasil e a expansão da educação superior em enfermagem. Educação e Pesquisa,
v. 37, n. 4, p. 843-860, 2011.

BRITO, Márcia R. F. de. Enade 2005: perfil, desempenho e razão da opção dos estudantes pelas
licenciaturas. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 12, p. 401-443, 2007.

BRITO, Márcia R. F. de. O Sinaes e o Enade: da concepção à implantação. Avaliação: Revista


de Avaliação da Educação Superior, v. 13, p. 841-850, 2008.

CARDOSO, Sonia; SANTIAGO, Rui; SARRICO, Cláudia. As atitudes dos estudantes face à
avaliação das instituições de ensino superior. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação
Superior, v. 15, n. 3, p. 29-58, 2010.

70 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
CARNEIRO, Breno P. B.; NOVAES, Ivan L. As comissões próprias de avaliação frente ao
processo de regulação do ensino superior. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação
Superior, v. 13, p.713-732, 2008.

CHAUI, Marilena. Escritos sobre a universidade. São Paulo: Unesp, 2001.

CORREIA, José A. Paradigmas e cognições no campo da administração educacional: das


políticas de avaliação à avaliação como política. Revista Brasileira de Educação, v. 15, p.
456-466, 2010.

COSTA, Eula M. de M.B; RIBEIRO, Célia M.; VIEIRA, Regina B. B. Avaliação em movimento –
do Paiub ao PGE: o caso da Universidade Federal de Goiás. Avaliação: Revista de Avaliação
da Educação Superior, v. 15, p. 87-108, 2010.

DA SILVA, Annor Jr. et al. Factores críticos para la gestión del conocimiento en una instituición
privada de educación superior. Revista Brasileira de Gestão de Negócio,. jan./mar., p. 102-
121, 2012.

DE SORDI, Mara R. L.; LÜDKE, Menga. Da avaliação da aprendizagem à avaliação institucional:


aprendizagens necessárias. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 14, n.
2, p. 313-336, 2009.

DE SORDI, Mara R. L. Comissão própria de avaliação (CPA) similaridades e dessemelhanças


no uso da estratégia na educação superior e em escolas do ensino fundamental. Avaliação:
Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 16, n. 3, p. 603-617, 1011.

DIAS, Carmen L. et al. Políticas para avaliação do ensino superior no Brasil: um balanço
crítico. Educação e Pesquisa, v. 32, p. 435-463, 2006.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação educativa: produção de sentidos com valor de formação.
Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 13, p. 193-207, 2008.

DIAS SOBRINHO, José. Qualidade, avaliação do Sinaes a índices. Avaliação: Revista de


Avaliação da Educação Superior, v. 13, n. 3, p. 317- 325, 2008.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
71
DIAS SOBRINHO, José. Avaliação educativa: produção de sentidos com valor de formação.
Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 13, n.1, p. 193-207, 2008.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação e transformação da educação superior brasileira (1995-


2009): do provão ao Sinaes. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 15, n.
1, p. 195-224, 2010.

FIRME, Thereza P. et al. Cultura de avaliação e política de avaliação como guias para a sua
prática: reflexões a respeito da experiência brasileira. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas
em Educação, v. 17, n. 62, p. 169-180, 2009.

FRANCISCO, Thiago H. A. A contribuição da avaliação in loco como fator de consolidação dos


princípios estruturantes do Sinaes. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v.
17, n. 3, p. 851-876, 2012.

FREITAS, André L. P. RODRIGUES; SIDILENE G.; COSTA, Helder G. (2009) Emprego de uma
abordagem multicritério. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 17, p.
655-674.

FREITAG, Michel. Le naufrage de l’Université et autres essais d’épistémologie politique,


Paris: la Découverte; Mauss, Québec: Nuit Blanche Édition, 1995.

GIOLO, Jaime. “Sinaes” intermitentes. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior,


v. 13, p.851-856, 2008.

GOMES, Ana Julia P. S.; ORTEGA, Luis do N.; OLIVEIRA, Décio G. de. Dificuldades de avaliação
em um curso de Farmácia. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior v. 13, n.
3, p. 203-221, 2010.

GOUVEIA, Aparecida J. A pesquisa sobre educação no Brasil. Cadernos de Pesquisa. São


Paulo, n. 1, 1971.

GRAZIOTINSOARES, Renata et al. Avaliação da educação superior de Odontologia no Brasil:


um estudo transversal. Revista Odonto Ciência, v. 26, n. 2, p. 121-135, 2011.

72 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
GREGO, Sonia M. D. et al. A construção do processo democrático de autoavaliação institucional
na Unesp. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 12, p. 257-289, 2007.
LEHFELD, Neide A.de S. et al. Reflexões sobre o processo de autoavaliação institucional: o
olhar de uma comissão própria de avaliação. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação
Superior, v. 15, p. 177-194, 2010.

LEITÃO, Thiago; MORICONI, Gabriela; ABRÃO, Mariangela S. D. Uma análise acerca do


boicote dos estudantes aos exames de avaliação da educação superior. Revista Brasileira
de Educação, v. 15, n. 43, p. 21-44, 2010.

LEITE, Denise et al. Avaliação participativa online e off-line. Avaliação: Revista de Avaliação
da Educação Superior, v. 12, n. 3, p. 335-460, 2007.

LEITE, Denise et al. Ameaças pós-ranking: sobrevivência das CPAs e da autoavaliação.


Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 13, p. 833-840, 2008.

LEITE, Denise et al. Estudantes e avaliação. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação


Superior, v.15, p. 9-27, 2010.

LIMANA, Amir. Desfazendo mitos: o que estão fazendo com o Sinaes? Avaliação: Revista de
Avaliação da Educação Superior, v. 13, n. 3, p. 869-873, 2008.

MARCHELLI, Paulo S. O sistema de avaliação dos padrões de qualidade da educação superior


no Brasil: considerações sobre os indicadores. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em
Educação, v. 15, p. 351-372, 2007.

MARTINS, Carlos B.; WEBER, Silke. Sociologia da Educação: democratização e cidadania. In:
MARTINS, Carlos B.; MARTINS, Heloisa H. (Org.). Horizontes das Ciências Sociais no Brasil.
São Paulo: Anpocs, Instituto Ciência Hoje, Discurso Editorial, Barcarolla. 2010. p. 131-202.

MENEGUEL, Stela; ROBL, Fabiane; SILVA, Tattiana F. da. A relação entre avaliação e regulação
na educação superior: elementos para o debate. Educar em Revista, p. 89-106, 2010.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
73
NUNES, Lina C. As dimensões da auto-avaliação institucional: tecendo redes de redes.
Ensaio:Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 14, n. 52, p. 339-348.

OLIVEIRA, João F. de; FONSECA, Marília; AMARAL, Nelson C. Avaliação, desenvolvimento


institucional e qualidade do trabalho acadêmico. Educar em Revista, p. 71-87, 2006.

PAIVA, Giovanni S. A avaliação do desempenho dos estudantes da educação superior: a


questão da equidade e obrigatoriedade no Provão e Enade. Ensaio: Avaliação e Políticas
Públicas em Educação, v.16, n. 58, p. 31-46, 2008.

PAIVA ROCHA, Ana G. et al. Análise comparativa de desempenho do curso de Ciências


Contábeis da Universidade Federal do Ceará. Revista de Gestão e Contabilidade, v. 2, n. 3,
p. 105-120, 2012.

PEIXOTO, Maria do C. L. A Avaliação institucional nas universidades federais e as


comissões próprias de avaliação. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior,
v. 14, n. 1, p. 9-28, 2009.

PEIXOTO, Maria do C. L. Avaliação Institucional externa no Sinaes; considerações sobre a prática


recente. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior v. 16, n. 1, p.11-36, 2011.

PERIM, Giana L. A avaliação institucional no curso de Medicina da Universidade de


Londrina: uma experiência inovadora. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 32, n.
2, p. 217-229, 2008.

PINTO, Rafael A. B. Universidade comunitária e avaliação institucional: o caso das


universidades gaúchas. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 14, n. 1,
p. 185-215, 2009.

POLIDORI, Marlis M.; MARINHO-ARAUJO, Claisy M.; BARREYRO, Gladys B. Sinaes:


perspectivas e desafios na avaliação da educação superior brasileira. Ensaio: Avaliação e
Políticas Públicas em Educação, v. 14, n. 53, p. 425-436, 2006.

74 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
POLIDORI, Marlis M.; FONSECA, Denise; LARROSA, Sara F. Avaliação institucional
participativa. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 12, p. 333-348, 2007.

REIS, Cisne Z. T et al. Autoavaliação em uma instituição federal de ensino superior: resultado
e implicações. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 15, p. 109-129, 2010.

RIBEIRO, Jorge L. L. de S. Avaliação das universidades: as possibilidades de avaliar e as


dificuldades de ser avaliado. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 16, n.
1, p. 57-71, 2011.

ROHTEN, José C.; BARREYRO, Gladys B. Avaliação, agências e especialistas: padrões oficiais
da educação superior. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v.17, p 729-
752, 2009.

SCHLIKMANN, Raphael; MELO, Pedro A. de; ALPERSTEDT, Graziela D. Enfoques da teoria


institucional nos modelos de avaliação institucional brasileiros. Avaliação: Revista de
Avaliação da Educação Superior, v. 13, p. 153-168, 2008.

SEGENREICH, Stella C. D. O PDI como referente para avaliação de instuições de educação


superior: lições de uma experiência. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v.
13, n. 47, p. 149-168, 2005.

SILVA, Marjorie C. R.; VENDRAMINI, Claudette M. M.; LOPES, Fernanda L. Diferenças


entre gênero e perfil socioeconômico no exame nacional de desempenho do estudante.
Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 15, p. 185-202, 2010.

SILVA, Assis, Leitão da; GOMES, Alfredo M. Avaliação institucional no contexto do Sinaes: a
CPA em questão. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 16, n. 3, p. 573-
601, 2011.

SILVA JUNIOR, João dos Reis; SGUISSARDI, Waldemar. A nova lei de educação superior:
fortalecimento do setor público e regulação do privado/mercantil ou continuidade da
privatização e mercantilização do público? Revista Brasileira de Educação, p. 5-27, 2005.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
75
SILVA JUNIOR. João dos Reis; CATANI, Afrânio M.; GILIOLI, Renato. Avaliação da Educação
Superior no Brasil: uma década de mudanças. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação
Superior, v. 8, n. 4, p. 9-29, 2003.
SGUISSARDI, Waldemar. Regulação estatal versus cultura de avaliação institucional.
Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 13, p. 957-862, 2008.

SGUISSARDI, Waldemar. Modelo de expansão do ensino superior no Brasil: predomínio


privado/mercantil e desafios para a regulação e a formação universitária. Campinas.
Educação e Sociedade, v. 29, n. 135, p. 991-1022, 2008.

SOUZA, Saulo A.; REINERT, José N. Avaliação de um curso de ensino superior através da
satisfação/insatisfação discente. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v.
15, n. 1, p. 159-176, 2010.

VENTURINI, Jonas C. et al. Percepção da avaliação: um retrato da gestão pública em instituição


de ensino superior (IES). Revista de Administração Pública, v. 44, n. 1, p. 31-53, 2010.

VERHINE, Robert E.; DANTAS LYS, M. V.; SOARES, José F. Do Provão ao Enade: uma análise
comparativa dos exames nacionais utilizados no Ensino Superior brasileiro. Ensaio:
Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 14, n. 52, p. 291-310, 2006.

VIEIRA, Regina L.; FREITAS, Kátia S. de. O Sinaes na universidade pública: análise do processo
de construção da avaliação interna na Universidade do Estado da Bahia (Uneb). Avaliação:
Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 18, p. 443-464, 2010.

WEBER, Silke. Avaliação da educação superior: conquistas e impasses. Educação e


Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1247-1269, 2010.

WEBER, Silke. A pós-graduação e a melhoria da Educação Básica: retomando um antigo debate.


In: CUNHA, Célio da; SOUSA, José Vieira de; SILVA, Maria Abadia da. (Orgs.) Universidade e
educação básica: políticas e articulações possíveis. Brasília, DF: Liber Livro, p. 361-382, 2010.

76 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
ZAINKO, Maria A. Avaliação da educação superior no Brasil: processo de construção
histórica. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 13, p. 827-831, 2008.

ZANDAVALLI, Carla B. Avaliação da educação superior no Brasil: antecedentes históricos do


Sinaes. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, v. 14, p. 385-438, 2009.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
77
6. SOBRE OS AUTORES

Amândia Maria de Borba, doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de


São Paulo, é professora colaboradora do Mestrado em Educação da Universidade do Vale
do Itajaí, onde também atua como vice-reitora.
E-mail: amandia@univali.br

Bernardete Angelina Gatti, doutora em Psicologia pela Université Paris Diderot, é diretora
vice-presidente da Fundação Carlos Chagas, membro do Conselho Estadual de Educação de
São Paulo e vice-presidente da Academia Paulista de Educação.
E-mail: gatti@fcc.org.br

Clarilza Prado de Sousa, doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de


São Paulo, é pesquisadora sênior da Fundação Carlos Chagas, coordenadora do Centro
Internacional de Estudos em Representações Sociais e Subjetividade - Educação (CIERS-ed) da
Fundação Carlos Chagas e professora titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
E-mail: cprado@fcc.org.br

Reginaldo Alberto Meloni, doutor em História da Educação pela Universidade Estadual


de Campinas, é professor da Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP - no campus de
Diadema.
E-mail: meloni@unifesp.br

Robert Evan Verhine, doutor em Educação pela Universitat Hamburg, é professor associado
IV da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia e é vice-presidente da
Associação Brasileira de Avaliação Educacional (ABAVE).
E-mail: verhine@ufba.br

Silke Weber, doutora em Sociologia na Université René Descartes, é É professora emérita


da Universidade Federal de Pernambuco e Professora Permanente do Programa de Pós-
Graduação em Sociologiada UFPE.
E-mail: silke@elogica.com.br

78 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
PARTE 2
RESUMOS

EIXO I
Criação de Estratégias e Metodologias para o Trabalho das CPA

Região Centro-Oeste

1. A autoavaliação como instrumento


de democratização institucional
Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Ana Maria Penalva Mancini, Augusta Eulália, Cassia Regina Rodrigues Chagas, Cristiano
Maciel, Evaldo Pires, Fátima Possamai, Fernanda Ficagna, Gilberto Goulart, Guilherme
Ribeiro Alves, Igor Strazulas Pires, José Roberto Temponi, Josiane de Oliveira, Laura Rocha
Spallati, Luciana Santos Carvalho, Lusnaiara Rodrigues Lima, Maria de Sousa Rodrigues,
Roberta Nogueira, Rosimary Petter, Taciana Mirna Sambrano.

79
RESUMO

A avaliação interna ou autoavaliação é um processo cíclico, criativo e renovador de análise,


interpretação e síntese das dimensões que definem a instituição. A autoavaliação está
intimamente ligada à (re)construção do projeto institucional e do projeto pedagógico, e
convoca a todos os membros da comunidade universitária a uma participação efetiva na
transformação e melhoria da realidade institucional. Nesse sentido este artigo tem por objetivo
refletir sobre o processo de autoavaliação na UFMT como um instrumento de democratização
Institucional. Metodologia: Os dados desta reflexão e análise têm como fontes os Relatórios
de Autoavaliação disponíveis nos sítios/portal da UFMT 2009, 2010, 2011 e 2012, os relatórios
dos avaliadores de cursos para reconhecimento e recredenciamento designados pelo Inep/
MEC dos anos de 2011, 2012 e 2013 (até mês de junho), e avaliação dos avaliadores, de
onde foram extraídos trechos referentes à autoavaliação. Fundamenta-se em pressupostos
teóricos do pensamento crítico dialético e está sedimentada na Lei de Diretrizes e Bases
da Educação Nacional (LDB), Leis e normas do Sinaes, da UFMT, e em autores como René
Lourau (1987); Belloni (2000); Dias Sobrinho (2000); Felix (2008); entre outros. Resultados:
A partir dos apontamentos da CPA, da pesquisa de autoavaliação, do debate promovido pelo
Comando Local de Greve da AdufmatAndes/Sindicato Nacional em 06/06/2012, do encontro
das Comissões Próprias de Avaliação do estado de Mato Grosso, das reuniões para devolutivas
junto aos Institutos e faculdades da UFMT, e do cotidiano da CPA, se visualiza na Instituição
diversas mudanças, tais como melhoria nas relações entre acadêmicos, na estrutura física
– biblioteca, circulação de ônibus, alimentação para estudantes a baixo custo, o Ambiente
Virtual de Aprendizagem, a Coordenação Tecnologias da Informação e Comunicação –, entre
outros. A pesquisa exploratória de autoavaliação revela a necessidade de melhorar diversos
setores da UFMT, relacionados a planejamento, infraestrutura, trabalho docente, tecnologia da
informação, ensino de graduação, pesquisa, assistência estudantil e serviços disponibilizados
para a comunidade. Conclusões: a autoavaliação é um instrumento democrático que revela à
vida Institucional potencialidades, fragilidades e superações por meio de ações concretas. Na
contramão das tendências atuais, a UFMT precisa manter a vigilância sobre sua autonomia,
promovendo uma discussão profunda sobre critérios de avaliação, independentemente do
que é prescrito pelo Sinaes ou por lei, para continuar a missão a que se propôs.

Palavras-chave: autoavaliação; UFMT; democratização.

80 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
2. Cultura de avaliação institucional e gestão das IES:
significado e atuação da CPA
Universidade Estadual de Goiás (UEG)

Arlete de Freitas Botelho, Francisco Heitor de Magalhães Souza, Jandernaide Resende


Lemos

RESUMO

Tendo como base referencial a experiência desenvolvida na Universidade Estadual de Goiás


(UEG), discutimos neste artigo os percursos, os significados e a atuação da Comissão Própria
de Avaliação (CPA) que se explicitam na formação da cultura de avaliação institucional e na
gestão das instituições de ensino superior (IES). Em nosso país, essa vertente de estudos
tem suas origens nos processos avaliativos institucionais que vêm sendo efetivados nos
meios acadêmicos brasileiros desde os anos 1980. Vários pesquisadores – entre os quais,
Isaura Belloni, José Dias Sobrinho, Luiz Carlos de Freitas, Maria Izabel da Cunha, Denise
Leite, Dilvo Ristoff e Hélgio Trindade – destacam-se nas análises dos problemas avaliativos
institucionais. Observemos, todavia, que passamos a ter orientações e diretrizes para a
avaliação institucional de nossas IES apenas com a implantação do Sistema Nacional de
Avaliação de Educação Superior (Sinaes), por meio da Lei nº 10.861, de 14/04/2004. A
partir de então, a CPA assume papel chave na orientação e/ou operacionalização dos
processos avaliativos institucionais das IES. As experiências de avaliação institucional e,
especialmente, de autoavaliação desenvolvidas na UEG têm tornado evidente a função
que assume, para o bem e para o mal, a CPA na formação de uma cultura de avaliação
institucional, ou quando se trata de proposições e gestão de políticas institucionais, ao
adquirir um significado específico e datado. Nossos resultados apontam, em um primeiro
momento – que abarca os primeiros doze anos de existência da UEG, de 1999 a 2011 –,
certa leniência e conformismo em face das dificuldades de se efetivar uma autoavaliação
institucional abrangente e rigorosa, tendo em vista os óbices interpostos pelos gestores
do período. Optou-se por metodologias e procedimentos avaliativos que não expusessem
aberta e publicamente os problemas institucionais. Em um segundo momento, que se inicia
em 2012, a orientação metodológica toma outra configuração sem, contudo, até o momento,
superar posições culturais já inculcadas, resistentes a mudanças, fundadas, inclusive, em
tradições locais vinculadas ao provincianismo, ao patrimonialismo, ao clientelismo, ao

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
81
fisiologismo e a outras categorias obscuras no trato da coisa pública. Tendo em vista esses
problemas, nossos estudos apontam para a necessidade de redimensionamento e de
requalificação do significado e da atuação da CPA na UEG. A perspectiva é que consigamos
estabelecer, no curto prazo, uma CPA que promova concretização de processo avaliativo
participativo, formativo e democrático, assegurando, desse modo, a efetivação de uma
educação superior de qualidade social relevante.

Palavras-chave: cultura de avaliação institucional; gestão das instituições de educação


superior; Comissão Própria de Avaliação.

3. Reflexão sobre a trajetória das ações desenvolvidas pela


Comissão Própria de Avaliação (CPA) no período
de 2004-2012
Faculdades Unidas do Vale do Araguaia (Univar)

Maria Bernadete Pozzobom Costa,Sônia Aparecida Afonso Silva

RESUMO

No mundo globalizado, em que as relações internas e externas da instituição de ensino


superior adquirem novas formas constantemente, é necessário pensar as ações de
autoavaliação realizadas em sua trajetória, para a construção de um plano de ação que
permita mudança de rotas, de instrumentos, de cronogramas. A avaliação institucional tem
sido uma temática de grande interesse no ensino superior, o que se deve, provavelmente,
às condições de compreensão dessa área emergente, em um período que tem exigido
entendimento e construção do sistema de avaliação, bem como a busca por melhorias
dos serviços prestados. Este artigo tem a pretensão de rever a trajetória da Comissão
Própria de Avaliação (CPA) de uma instituição de educação superior privada localizada na
cidade de Barra do Garças, em Mato Grosso, no período de 2004 a 2012, com o objetivo
principal de analisar o processo de desenvolvimento das ações executivas realizadas por
essa Comissão para a verificação dos avanços nos processos avaliativos da instituição. No
primeiro momento, a pesquisa baseia-se em um levantamento bibliográfico embasado em
revistas da Rede de Avaliação Institucional da Educação Superior, na regulamentação legal

82 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
e em Bittar, Oliveira e Morossini (2008). Numa segunda etapa, realiza-se uma pesquisa
documental nos registros das ações em relatórios de avaliação interna, produzidos por essa
comissão, e de avaliação externa emitidos pelo E-MEC por ocasião das visitas in loco e do
Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade). Dessa forma, acredita-se perceber
e comparar os avanços obtidos na instituição desde a sua implantação, em 2004, até o ano
de 2012, tendo em vista outras estratégias de trabalho que conduzam ao aprofundamento
do compromisso e da responsabilidade social, à promoção dos valores democráticos, ao
respeito à diversidade, à busca da autonomia e à afirmação da identidade institucional, de
acordo com o proposto pelo Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes).
E, assim, continuar avançando com outras estratégias e metodologias que possam ser
desenvolvidas para contribuir com a avaliação interna.

Palavras-chave: ensino superior; avaliação institucional; Comissão Própria de Avaliação.

4. Plano de autoavaliação da Universidade de Brasília:


proposta metodológica e estratégica da CPA – UnB para
avaliação institucional
Universidade de Brasília (UnB)

Carmenisia Jacobina Aires, Joaquim Soares Neto, José Angelo Belloni, Júnia Falqueto
Maria Inez Machado Telles Walter.

RESUMO

A autoavaliação requer que as universidades assumam seus erros, acertos e busquem


mudanças positivas. É o momento no qual a instituição produz uma reflexão coletiva, uma
diagnose a respeito do conjunto das atividades institucionais, resultando em subsídios
para a tomada de consciência, para a correção e o aprimoramento de rumos. O desafio de
desenvolver uma metodologia para avaliação institucional em uma universidade pública é
tão complexo quanto a própria instituição. As múltiplas funções das instituições de ensino
superior e a complexidade de sua gestão colegiada impõem ao processo de avaliação a
necessidade de desenvolver uma metodologia coerente com um conjunto de princípios e
critérios necessários para a operacionalização de seus processos. Nesse contexto e consoante

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
83
com a legislação pertinente, a Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Universidade de
Brasília definiu estratégias para seu trabalho que resultaram no Plano de Autoavaliação
Institucional. Concebido a partir da definição de eixos temáticos, objetiva a criação de
ações, estruturas e ferramentas para subsidiar o processo de autoavaliação, permitindo
autoconhecimento, autocrítica e sensibilização da comunidade acadêmica. Foram
definidos quatro eixos temáticos: ensino, pesquisa, extensão e gestão. Os três primeiros
relacionam-se com a atividade fim da universidade e estão sintetizados na sua missão. A
gestão, por sua vez, busca a viabilização dessa missão, tendo em vista a abrangência que
tem adquirido com a expansão e a crescente quantidade de atores e órgãos envolvidos.
Assim, parte-se do princípio de que cada eixo deva ser avaliado quanto às condições
para seu desenvolvimento, aos processos realizados e aos resultados obtidos. Para isso,
foram definidos critérios e indicadores específicos para cada área. Sobre a implantação
do Plano, está prevista a criação de uma estrutura funcional de suporte. A CPA deverá
contar com o apoio de órgãos que compõem a estrutura gerencial da instituição como
suporte à concretização das atividades planejadas para o ciclo de avaliação. Entre esses,
destacam-se a Diretoria de Avaliação e Informações Gerenciais, vinculada ao Decanato de
Planejamento e Orçamento, e os Comitês Setoriais de Avaliação, que deverão ser criados
para atuar como instância de cooperação nas unidades acadêmicas e na Administração
Superior, bem como para a disseminação da autoavaliação. O Plano fundamenta-se nos
métodos correntes de pesquisa social, incluindo pesquisas de percepção, por considerar
essa uma importante dimensão da avaliação institucional. Propõe-se a captação de
informações qualitativas e quantitativas, incorporando-as em uma perspectiva articulada,
posto que essas metodologias trazem contribuições distintas e complementares. Estão
previstas captações de dados pela CPA, seja a partir de discussões e aprimoramentos
dos instrumentos existentes, como a avaliação docente por discente, seja criando novos
mecanismos para que todos os aspectos do Plano de Autoavaliação sejam abarcados.
Após a implantação das estratégias e a criação da estrutura prevista, espera-se que, após
o período de três anos, a execução do Plano de Autoavaliação da UnB tenha alcançado
o objetivo pretendido de estar articulado às demandas do Sinaes (Sistema Nacional de
Avaliação da Educação Superior) e apto a fornecer os subsídios necessários para reflexão e
aperfeiçoamento da instituição.

Palavras–chave: autoavaliação; Comissão Própria de Avaliação; Universidade de Brasília.

84 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
5. Utilização da ferramenta Google Forms no processo
de avaliação institucional: estudo de caso nas
Faculdades Magsul.
Faculdades Magsul (Famag)

Celio Sakai, Sergio Larruscaim Mathias.

RESUMO

Como utilizar os recursos tecnológicos de forma favorável a uma transformação? A resposta


não é imediata e o que propomos neste trabalho é aprofundar a utilização de recursos
tecnológicos de forma favorável. Partimos do pressuposto de que as atuais condições de
infraestrutura e ferramentas digitais podem auxiliar mais se tivermos maior conhecimento
de suas potencialidades. Este trabalho pretende contribuir no sentido de abrir novas
perspectivas, ao discutir e apresentar algumas possibilidades de um aplicativo gratuito de
grande potencial para facilitar o processo de avaliação institucional, por criar ferramentas
que auxiliem o levantamento de dados. A metodologia utilizada foi do tipo estudo de caso,
segundo Ludke e André (2004), e baseou-se nos referenciais teóricos de Sant’Ana (2010),
Heidemann e Oliveira (2010), que apresentam sugestões de utilização e possibilidades de
uso das ferramentas tecnológicas. Apontam-se algumas vantagens atribuídas ao Google
Forms: a possibilidade de acesso em qualquer local ou horário; a economia de espaço no
disco rígido; o fato de ser gratuito; a facilidade de uso, pois não requer conhecimentos
de programação; e uma interface amigável. O levantamento de dados ou de opiniões
podem ser facilmente implementados por meio de um formulário eletrônico construído e
disponibilizado em um endereço eletrônico e, quando preenchido pelos respondentes, as
respostas aparecem imediatamente na página do Google Forms do usuário que o criou. O
formulário apresenta ainda ferramentas estatísticas que possibilitam a análise dos dados
coletados. Verificou-se, na prática, que o Google Forms, que inicialmente foi desenvolvido
para a colaboração entre os internautas, pode se transformar em uma ferramenta muito
útil para a coleta e análise de dados estatísticos, facilitando o processo de avaliação
institucional.

Palavras-chave: avaliação institucional; indicadores; instrumentos de autoavaliação.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
85
Região Nordeste

6. A abstenção dos estudantes nas


autoavaliações institucionais
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IFBaiano)

Ana Carina Ferreira Barbosa, Carlito José de Barros Filho, Fernanda Pereira Santos, Giliarde
Alves dos Reis,

RESUMO

O IFBaiano possui nove cursos superiores distribuídos entre quatro dos seus dez campi
e, em 2011, foram eleitos os membros da CPA. Esses atuaram durante o referido ano e,
durante a análise dos questionários da autoavaliação institucional de 2012, aplicados aos
estudantes dos cursos superiores, verificaram que a participação foi ínfima. Um exemplo
dessa baixa participação aconteceu em um curso no qual quatro estudantes, dentre mais
de oitenta, responderam aos questionários da autoavaliação. De posse dessa informação,
os membros da CPA se perguntaram sobre o motivo da não participação dos discentes,
sendo esse o questionamento que norteia o direcionamento desse artigo. Porque os
estudantes não participaram da autoavaliação institucional de 2012? Os discentes, durante
esse estudo, também puderam opinar a respeito de outras metodologias a serem aplicadas
para a realização da autoavaliação institucional, visto que parte dos integrantes da CPA
acreditava que a pouca participação aconteceu devido à metodologia utilizada. Para
responder a esses questionamentos, resolveu-se perguntar diretamente aos estudantes
o motivo da sua não participação e questioná-los sobre os motivos que os levaram a não
responder ao questionário que foi disponibilizado na internet. A pouca participação fez
alguns membros da CPA imaginarem que alguns discentes não compreendem a importância
da avaliação, que não consideram que com os resultados obtidos é possível verificar
mudanças realizadas no âmbito de seus cursos ou na instituição, manter a qualidade do
que foi avaliado positivamente ou sugerir alternativas para o que consideram insatisfatório,
entre outras ações. Como mencionado por Sobrinho (1996, 1997) e Perrenoud (1998),
uma avaliação deve não só gerar juízos de valor, mas também anunciar possibilidades de
transformações. Segundo Davis e Espósito (1990), a avaliação é capaz de produzir novos

86 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
rumos, arranjos e fluxos de comunicação que possibilitam a articulação da sala de aula
e os demais espaços do ambiente institucional. E são essas ações que se espera obter
com os resultados da autoavaliação institucional. As respostas dadas pelos discentes, aos
responderem a pergunta central desse estudo, foram diversas. Alguns afirmaram que se
esqueceram de responder o questionário no período estabelecido, outros desconheciam a
realização da autoavaliação, houve os que alegaram dificuldade em acessar a internet, etc.
Percebe-se que é preciso mobilizar os discentes, informando-os sobre a importância de
participarem do processo autoavaliativo, a fim de possibilitar ações que visam à melhoria
e ao reconhecimento dos cursos superiores. A divulgação da realização das ações da CPA,
entre elas a realização da autoavaliação institucional, deve ser mais bem difundida e
justificada, para que os estudantes sintam-se motivados a participar.

Palavras-chave: autoavaliação; abstenção; CPA.

7. Autoavaliação institucional na UFPI:


desafios e aculturação
Universidade Federal do Piauí (UFPI)

Maria Rosália Ribeiro Brandim, Mirtes Gonçalves Honório, , Teresa Christina T. Silva Honório

RESUMO

A Lei n. 10.861/2004 instituiu o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes)


com o objetivo de assegurar o processo nacional de avaliação das instituições de educação
superior (IES), dos cursos de graduação e do desempenho acadêmico de seus estudantes,
em consonância com o estabelecido na Lei nº. 9.394/1996. Com o advento da referida lei, a
avaliação institucional apresenta-se, no cenário nacional, como um campo de novos saberes
e práticas recentes com relevância na expansão da oferta de ensino das IES. Nesse contexto,
a autoavaliação institucional ganha destaque, uma vez que as novas exigências, derivadas
da globalização, impulsionaram o crescimento desordenado dessas IES, fazendo surgir uma
necessidade crescente de mecanismos para garantir à sociedade ensino e profissionais de
qualidade. Inserindo, assim, a temática nas agendas do Estado, das IES e dos pesquisadores.
Perspectivando contribuir com esse debate, o presente artigo se propõe a descrever e a trazer

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
87
para reflexão e análise a experiência de autoavaliação desenvolvida pela Comissão Própria
de Avaliação (CPA), na Universidade Federal do Piauí (UFPI), tomando como referência o
construto teórico do Sinaes e da literatura pertinente à temática. A metodologia teve como
referência a análise documental e contou com a participação de docentes, gestores, corpo
técnico-administrativo e discentes, por meio de questionários, elaborados com base nas
dimensões do Sinaes e disponibilizados no site da UFPI. O objetivo foi identificar as condições
do ensino, da pesquisa, da extensão e da gestão, enfatizando também suas potencialidades
e fragilidades, com vista à melhoria da qualidade do ensino. Os resultados apontam para
a necessidade da criação de um programa de autoavaliação, organização de fóruns de
representantes de CPA de IES do estado e região, inclusão de empregados terceirizados no
processo de autoavaliação e formação de grupos de estudo como mecanismo de difusão de
uma cultura avaliativa. Ressalta-se que essa experiência, apesar de refletir a identidade de
uma instituição, poderá contribuir para o desenvolvimento de pesquisas na área. Para finalizar,
trazemos novos questionamentos para fomentar o debate na perspectiva da continuidade e
do aprimoramento do processo de autoavaliação institucional.

Palavras-chave: avaliação institucional; autoavaliação; Comissão Própria de Avaliação.

8. Autoavaliação institucional na Universidade Católica


de Pernambuco: uma prática em construção
Universidade Católica de Pernambuco (Unicap)

Maria da Conceição Bizerra

RESUMO

A motivação para elaborar este trabalho foi o interesse em socializar a sistemática de


autoavaliação institucional em desenvolvimento na Universidade Católica de Pernambuco
(Unicap), sob a coordenação da Comissão Própria de Avaliação, constituída pela Resolução
nº 02/2004 da Presidência desta Universidade, nos termos do art.11, da Lei nº 10861, de
14 de abril de 2004. Entre as várias experiências realizadas, elegemos a autoavaliação feita
pelos discentes e docentes, centrada em indicadores que possibilitam ampliar a produção
do conhecimento institucional e questionar os sentidos do trabalho educativo que a

88 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
Unicap desenvolve em um determinado momento da sua história. Desse modo, o presente
trabalho enseja descrever como discentes e docentes participam da autoavaliação e como as
potencialidades e as fragilidades por eles indicadas estão sendo absorvidas pelo planejamento
e pela gestão da Unicap. A metodologia que vem sendo utilizada está organizada em cinco
momentos: o primeiro consiste na avaliação da avaliação anterior, considerando os indicadores,
o instrumento utilizado e os resultados obtidos; o segundo é identificado como a sensibilização
dos sujeitos envolvidos, através do encaminhamento de correspondências, estimulando a
participação e o desejo de colaborar para a melhoria do trabalho educativo da instituição; o
terceiro compreende a coleta de informações, através da aplicação de um questionário online;
o quarto concretiza-se como análise crítica das informações e como criação de propostas,
material esse consolidado em relatórios por curso, centro e universidade; e o quinto volta-se
para a socialização dos resultados, através da internet e de reuniões de estudos. Toda a
avaliação, pensada e vivenciada como processo democrático, é inspirada numa concepção
de avaliação emancipatória comprometida com as transformações institucionais. Nessa
perspectiva, a avaliação caracteriza-se como um processo institucional e global, uma vez
que tem por objeto de estudo a Unicap, em sua totalidade e complexidade, e representa a
vontade política da comunidade. Trata-se, portanto, de uma avaliação que tem uma dimensão
pedagógica e formativa e, como tal, valoriza o processo vivido e os valores trabalhados em
detrimento dos procedimentos de natureza somativa centrados na medição de resultados, na
prestação de contas, na fiscalização e na classificação. Assim, a avaliação configura-se como
um direito à participação de todos, denunciando fragilidades, evidenciando potencialidades,
anunciando soluções e acompanhando a conversão dos resultados em ações. Vale salientar
que, nesse cenário, avaliação define-se como diagnóstico cujos resultados devem embasar
o planejamento e orientar a gestão institucional. É uma avaliação que não tem um fim em si
mesma nem espaço-tempo definidos, mas está imbricada nos processos de desenvolvimento
da instituição, integrando, portanto, de forma permanente, a vida da Unicap, definindo-se
como um valor a ser disseminado, cultivado e assumido, logo, um elemento fundamental
do patrimônio cultural dessa universidade. Nesse processo, os desafios convivem com ações
que evidenciam a criação de uma cultura de avaliação, demonstrada no interesse de setores
da universidade em se autoavaliarem, na definição de políticas, diretrizes e metas do PDI,
tomando por base as fragilidades, as potencialidades e as sugestões advindas dos processos
avaliativos, como expressão da necessária articulação entre planejamento e avaliação.

Palavras-chave: planejamento; autoavaliação; participação.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
89
9. Avaliação institucional na Faculdade Santo Agostinho:
processo e perspectiva
Faculdade Santo Agostinho (FSA)

Mônica Maria Lima Fialho Alcantara, Jovina da Silva, Josimar Alcantara de Oliveira, Átila de
Melo Lira

RESUMO

A avaliação é um processo de grande relevância para o crescimento de uma instituição de


ensino superior (IES), pois seus resultados servem de base para o planejamento estratégico, o
que proporciona mudanças na IES. Esta, por sua vez, precisa garantir um padrão de qualidade
e, para assegurar essa qualidade, necessita de avaliações de forma sistemática envolvendo os
processos de ensino, pesquisa e extensão, segmentos técnico-administrativos, corpo docente
e discente. Este estudo objetiva analisar o processo de avaliação institucional da Faculdade
Santo Agostinho (FSA). Nessa IES, a avaliação é mais do que uma exigência do Ministério
da Educação (MEC), constitui-se num instrumento para acompanhamento e análise do
desempenho discente, do corpo docente e administrativo, o que implica em repensar as
práticas de forma crítica e comprometida, com o objetivo de redirecionar o processo de ensino
e aprendizagem e os processos de gestão, o seu papel na sociedade como disseminadora e
promotora de saberes para compreender e modificar a realidade. Portanto, a avaliação é
diagnóstico para o planejamento e a implementação de políticas de atendimento às demandas
de uma educação que busca a inserção dos egressos no mundo do trabalho e a construção
da cidadania. O estudo toma como aportes teóricos Dias Sobrinho (org.) (2012) e o PDI(2010
a 2015). A trajetória metodológica compreende uma investigação de abordagem qualitativa,
bibliográfica e de campo. A avaliação institucional da FSA é um processo desenvolvido pela
sua comunidade e conta com a participação da Comissão de Avaliação (CPA), em consonância
com a Lei nº 10.861/2004 do Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes), tem
o propósito de promover a qualidade da oferta educacional em todos os Eixos das Dimensões,
retrata o compromisso institucional com o autoconhecimento e sua relação com a qualidade
dos serviços prestados à sociedade. A avaliação interna da FSA ocorre com ampla divulgação
e aplicação de questionários a todos os segmentos, reuniões com alunos representantes
de turmas e professores nos encontros pedagógicos semestrais, com o Núcleo Docente
Estruturante (NDE) , relatórios da ouvidoria, corpo técnico-administrativo que responde

90 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
questionários nos moldes da avaliação como também acerca do clima organizacional. Isso
favorece uma visão geral das potencialidades e das fragilidades, pressupostos para ações que
beneficiam a comunidade civil através de parcerias com escolas e clubes comunitários do
entorno. Assim, possibilita desenvolver processos referentes à qualidade da infraestrutura, da
limpeza e da conservação. A CPA analisa o resultado do Exame Nacional de Desempenho de
Estudantes (Enade) juntamente ao Núcleo de Apoio Pedagógico, coordenadores, professores
e alunos, elabora o planejamento anual, denominado de Plano de Ação, esse processo é
registrado em relatórios que mostram o trabalho realizado e as demandas da CPA, apresentados
em forma de Fórum à Comunidade Acadêmica. Diante do exposto, infere-se que o trabalho da
CPA deve ser realizado de forma dinâmica, envolvendo todos os seguimentos, integrando-os
no fortalecimento dos objetivos e da missão da FSA.

Palavras-chave: avaliação institucional; Comissão Própria de Avaliação; padrão de


qualidade.

10. Avaliação interna como prática de reflexão para


a melhoria da qualidade dos serviços apresentados à
comunidade acadêmica
Universidade Tiradentes (Unit)

Andréa Karla Ferreira Nunes, Juliana da Silva Dias

RESUMO

O ato da autoavaliação se reflete no processo necessário da introspecção (Morin, 2005),


fato por vezes difícil de acontecer, visto que carece do uso das capacidades de autoanálise
e autocrítica. A Comissão Própria de Avaliação da Unit, ao atuar com a avaliação interna
como prática que remete à reflexão dos serviços prestados à comunidade acadêmica,
permite-se conhecer as potencialidades e as fragilidades da instituição, iluminando os
aspectos necessários a serem aperfeiçoados. Nesse sentido, este artigo apresenta o
trabalho executado pela CPA/Unit, que entende a avaliação interna como uma fase de
antecipação para a orientação de ações a serem alcançadas, visto que a avaliação é apenas
uma parte do processo. Nessa perspectiva, a CPA/Unit vem realizando a avaliação interna

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
91
de forma a alcançar os propósitos registrados pelos participantes. Entre as ações previstas
no processo autoavaliativo estão: a revisão dos instrumentos aplicados, que tratam de
conteúdos relevantes para a IES, permitindo uma visão abrangente da instituição; a coleta
informatizada das respostas em parceria com o Departamento de Informática; e a coleta
das informações na forma estatística. De posse dos resultados, seguem as reuniões com
a comunidade acadêmica para retorno das informações coletadas e o acionamento para
proposta de ações possíveis de serem executadas para melhoria da qualidade dos serviços.
O acompanhamento das ações propostas faz parte do trabalho da CPA, que procura
registrar o que foi realizado e identificar como será possível executar as ações em parceria
com a instituição. O resultado desse trabalho de execução das ações da avaliação interna
vem permitindo à CPA/Unit ampliar olhares e atuar de forma mais conexa em parceria com
a instituição, com o apoio da comunidade acadêmica.

Palavras-chave: avaliação interna; Comissão Própria de Avaliação; autoavaliação.

11. Avaliação, qualidade educacional e participação:


a experiência autoavaliativa da Unifor
Universidade de Fortaleza (Unifor)

Danielle Batista Coimbra, Grace Troccoli Vitorino, Nise Fraga Sanford

RESUMO

O presente trabalho versa sobre as interfaces entre autoavaliação, qualidade educacional


e participação, a partir da experiência da CPA da Universidade de Fortaleza (Unifor). O
objetivo do projeto proposto consiste em apresentar um relato de experiência das ações
desenvolvidas pelo Colegiado de Avaliação Institucional Interna da referida instituição,
mediado por considerações analítico-reflexivas, sobretudo no que tange a seus objetivos,
estratégias e metodologias de avaliação interna, voltadas para a consolidação de uma
cultura avaliativa, cuja premissa está baseada na participação dos sujeitos implicados
no processo de autoavaliação. A metodologia do estudo ora apresentado é de natureza
qualitativa, mediante revisão da literatura e análise documental. Nestes termos,
investigou-se o processo de avaliação interna, de uma instituição particular de ensino

92 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
superior, cuja experiência avaliativa vem se desenvolvendo, de modo ininterrupto, desde
a sua criação. O referencial teórico utilizado está ancorado, sobretudo, nas proposições
de Andriola (2013), Sobrinho (2000) e Leite (2005). Os resultados indicam que, para que
a avaliação institucional, no contexto universitário, concorra para a qualidade educativa, é
necessário potencializar o desenvolvimento da instituição, mediante processo permanente
de avaliação, intentando aperfeiçoar a atuação qualificada na educação superior e ainda
identificar, no âmbito do ensino, pesquisa e extensão, as aproximações e os distanciamentos
institucionais do Projeto Pedagógico da universidade e suas interseções com o Plano de
Desenvolvimento Institucional. As evidências coletadas identificaram que as ações de
avaliação interna, desenvolvidas pelo Coavi/CPA na Unifor, balizam-se pela perspectiva
diagnóstica, mediadora, formativa e contínua, cujos objetivos pautam-se por elaborar e
propor ações acadêmico-educativas em consonância com as peculiaridades da instituição,
tendo em vista a qualidade do ensino, da pesquisa e da extensão. No que se refere à
perspectiva formativa, no trabalho da CPA em pauta, observou-se que foi tomada como
prática a serviço da qualidade acadêmica; do planejamento; da elaboração de objetivos
e critérios avaliativos. Ou seja, avalia-se, à luz de procedimentos atitudinais, sob uma
perspectiva da avaliação como meio e não como fim, para gerar as mudanças necessárias.
Aponta-se, à guisa de conclusão, que a experiência autoavaliativa ora apresentada prima
pela efetiva participação dos sujeitos desse processo, objetivando a formulação de ações
para a transformação e o aperfeiçoamento da Unifor.

Palavras-chave: autoavaliação da Unifor; ações de avaliação interna; trabalho CPA.

12. Coparticipação e corresponsabilidade da


comunidade junto à CPA
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB)

José Lins Cavalcanti de Albuquerque

RESUMO

Este artigo traz uma reflexão sobre a Comissão Própria de Avaliação (CPA) no âmbito do
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), ressaltando seus

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
93
objetivos, funções e a amplitude de sua responsabilidade dentro de uma instituição
de ensino. O objetivo do presente trabalho é observar como se dá a coparticipação e a
corresponsabilidade dos discentes no processo de avaliação. O método de pesquisa utilizado
foi questionários aplicados nos campi do IFPB, referentes às seguintes dimensões: organização
didático-pedagógica; corpos docente, discente e técnico-administrativo; e instalações
físicas. A partir das respostas dos questionários, foi proposto que os representantes da CPA
em cada campus e a comunidade acadêmica que respondeu aos questionários discutissem
os resultados e propusessem soluções para os aspectos avaliados como negativos. Como
referencial teórico, foi adotado a “Pedagogia do Oprimido” de Paulo Freire, relacionando
a educação libertadora à forma de participação da comunidade acadêmica no processo
de avaliação e melhoria do processo ensino-aprendizagem. Tal discussão ainda está em
andamento, no entanto, pode-se concluir, pelos resultados apresentados até o momento,
que há uma expectativa positiva de coparticipação e corresponsabilidade das comunidades
na melhoria do processo ensino-aprendizagem.

Palavras-chave: coparticipação; corresponsabilidade; CPA.

13. Desafios e possibilidades na concretização


da autoavaliação institucional: execução das
ações de avaliação interna
Associação Caruaruense de Ensino Superior (Asces)

Ana Paula Cavalcante Luna de Andrade, Marileide Rosa de Oliveira

RESUMO

Compreendemos a avaliação institucional como um desafio e, ao mesmo tempo, uma


necessidade para a instituição de educação superior comprometida em rever e qualificar a
sua prática, apontando caminhos para uma gestão universitária democrática. Antes mesmo
de ser uma exigência regulamentar, a Faculdade Asces estava atenta ao processo avaliativo,
com a opinião dos diversos sujeitos envolvidos no processo de ensino e aprendizagem,
visando a um diagnostico que lhe permitisse redirecionar suas atividades. Em continuidade

94 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
ao processo de autoavaliação, realizado na Instituição de Ensiso Superior Asces, a Comissão
Própria de Avaliação (CPA), com a respectiva elaboração e discussão do Programa de
Autoavaliação Institucional (PAI), ampliou e implementou, no seu processo avaliativo,
as dimensões estabelecidas pelo Sinaes, a fim de possibilitar a melhoria das ações
educacionais e institucionais. Nessa perspectiva, o nosso objetivo nesse artigo está em
apresentar a CPA da Asces na instância de concretização executiva das ações de avaliação
interna, discorrendo sobre as possibilidades e os desafios nos processos e a criação de um
ciclo avaliativo que contempla todos os setores da instituição e que possibilitou uma maior
interação entre todos os agentes participantes do processo de Avaliação.

Palavras-chave: avaliação interna; ciclo avaliativo; educação superior.

14. Estratégia de institucionalização da avaliação


institucional na Ufba
Universidade Federal da Bahia (Ufba)

Antonio Virgilio Bastos Bittencourt, Jorge Luiz Lordêlo de Sales Ribeiro

RESUMO

A experiência com avaliação, na Universidade Federal da Bahia, não é recente.


Entretanto, com a Lei nº 10.860/2004, que instituiu o Sinaes, a Ufba constituiu a sua
primeira Comissão Própria de Avaliação, composta por representantes de docentes,
discentes, corpo técnico-administrativo e representante da sociedade civil organizada,
seguindo, assim, as recomendações legais. Nestes últimos oito anos, as Comissões
Próprias de Avaliação que se sucederam empreenderam grandes esforços no sentido
de implantar uma cultura favorável à avaliação numa instituição com mais de sessenta
anos de funcionamento. Nesse percurso, algumas estratégias foram utilizadas para
institucionalização da avaliação, dentre as quais citamos as mais importantes: a
inclusão de dois especialistas em avaliação na CPA e a criação de comissões setoriais,
buscando, assim, envolver o maior número possível de atores institucionais no processo
de avaliação. A falta de uma unidade organizacional voltada para apoiar as ações de

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
95
avaliação constituiu, no entanto, o principal limite a uma efetiva institucionalização do
processo. Coincidentemente, três acontecimentos distintos interferiram na condução
deste processo. Foram eles: a adesão da universidade ao Programa de Apoio a Planos
de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), a mudança da
organização acadêmico-administrativa da universidade – criação de um novo Estatuto
e Regimento e, a eleição de um novo Reitor. A adesão ao Reuni resultou na criação de
novos cursos de graduação e novas Unidades Acadêmicas, imprimindo uma rápida e
grande expansão da universidade, com a criação, inclusive de dois campi no interior
do estado, distantes centenas de quilômetros entre si. Se, por um lado, esta expansão
trouxe novos desafios, que foram enfrentados, em parte por alterações no Estatuto e
Regimento da Universidade, aumentando na mesma proporção as dificuldades com a
avaliação, por outro lado, a expansão exigiu a modernização e agilização dos processos
gerenciais. A atual gestão definiu como uma das suas prioridades a institucionalização
dos processos de avaliação, o que se concretizou na recente aprovação de uma
Superintendência de Avaliação e Desenvolvimento Institucional. Em um trabalho
estritamente vinculado à CPA, foi construída uma matriz de avaliação institucional,
que tem guiado os processos de avaliação a cada ano. Por outro lado, foi definido um
conjunto de estudos diagnósticos sobre vários tópicos, destacando-se: estudo sobre
determinantes da evasão, acompanhamento de egressos, imagem interna e externa da
instituição, desempenho de alunos cotistas e não cotistas, e perfil gerencial. Finalmente,
foi concebido um modelo de avaliação dos cursos de graduação que amplia o escopo
do que vinha sendo feito e toma como foco a avaliação do processo de construção da
carreira do estudante. Uma importante diretriz da nova unidade é articular a avaliação
com projetos de intervenção e melhoria do desempenho da universidade, em seus
vários âmbitos. Na apresentação, serão expostos os principais resultados já obtidos
do conjunto de estudos que permitem acompanhar o processo de reestruturação da
área de avaliação institucional na Ufba, apontando-se os desafios que se colocam para
o futuro imediato, entre os quais, se destaca a necessidade de envolvimento maior dos
vários segmentos universitários, em especial seus gestores.

Palavras-chave: avaliação institucional; avaliação do ensino superior; Comissão Própria de


Avaliação.

96 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
15. Estratégias de trabalho da CPA como indutora
de melhoria e decisão na gestão administrativa e
acadêmica da Unilab
Universidade Internacional da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab)

Maria do Socorro Maia Silva, Aiala Vieira, Max César de Araújo

RESUMO

O presente estudo aborda a política de avaliação da educação superior, com ênfase


no trabalho da Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Universidade da Integração
Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (Unilab), no processo de implantação da avaliação
institucional e implementação das primeiras iniciativas de autoavaliação. A missão da
Unilab caracteriza-se pela atuação na cooperação internacional, intercâmbio acadêmico e
solidário com os países membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).
Nesse sentido, incrementar ações que propiciem a comunicação com a comunidade onde
a universidade está inserida e a oportunidade de verificar em que medida o trabalho
desenvolvido corresponde às demandas da sociedade, tanto na produção de conhecimento
quanto na realização de outros trabalhos, é de suma importância para a institucionalização
de uma política de avaliação. O objetivo que norteia este estudo é descrever as estratégias
de autoavaliação institucional, desenvolvidas na perspectiva de que se apresentam como
elementos importantes para a melhoria das atividades institucionais, bem como para as
decisões da gestão administrativa e acadêmica. Partindo do pressuposto de que as políticas
de avaliação objetivam elevar a qualidade dos resultados institucionais, analisam-se as
atividades da CPA a partir dos componentes que constituíram o processo de avaliação interna
na Unilab no ano de 2013 e as estratégias adotadas, tendo como referencial a legislação
pertinente e documentos do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio
Teixeira (Inep). As primeiras conclusões das atividades de autoavaliação na Unilab indicam
que as estratégias adotadas serão determinantes não apenas para o êxito do trabalho da
CPA, mas também para a elaboração de políticas institucionais.

Palavras-chave: ensino superior; gestão; avaliação institucional.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
97
16. Problematizar caminhos, erigir novas cartografias:
a experiência do IFPI – Campus Picos frente ao desafio
de construir uma cultura de avaliação institucional.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI)

Jaislan Honório Monteiro, Enói Maria da Luz Santos

RESUMO

O tema da avaliação institucional tem ganhado amplo espaço na pauta de discussões das
instituições de ensino superior no Brasil. Ao tempo em que funciona como instrumento para
diagnosticar a realidade conjuntural e estrutural da instituição ora avaliada, atua também
como dispositivo para aprimorar sua eficiência e pensar seus paradigmas à luz do seu papel
político e social frente às demandas da sociedade. Em observância à Lei nº 10.861/2004 (que
instituiu o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior – Sinaes) todos os campi do
IFPI direcionaram seus esforços à obtenção de informações que, coletadas e interpretadas
qualitativamente, pudessem apontar as potencialidades e as fragilidades da instituição “em
relação a sua missão, objetivos e às ações que desenvolve na busca de melhor qualidade
acadêmica”, com vistas a agregar valor de transformação ao sistema educacional. O estudo
aqui apresentado tem como propósito a compreensão dos movimentos empreendidos
pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) do IFPI/Campus Picos para mapear/interpretar as
redes de significações presentes no multifacetado ambiente institucional frente ao desafio
de fomentar uma cultura de avaliação. A abordagem metodológica adotada consistiu
em pesquisa qualitativa tipificada como pesquisa-ação alicerçada por análise documental
e pela interatividade de seus membros (autores) nesse processo autoavaliativo. Assim,
buscamos esclarecer alguns conceitos com base em autores como Dias Sobrinho (2008);
Balzan (2011); Ristoff (2005), dentre outros. Ambicionando o florescimento de uma
paisagem institucional cada vez mais condizente com as demandas da contemporaneidade
– e estimulando a ampla participação de todos os atores institucionais (discentes, docentes
e corpo técnico-administrativo) nesse processo –, este trabalho pretende funcionar como
contributo na caminhada do IFPI para a consecução de sua missão institucional de promover
uma educação de excelência direcionada às demandas sociais.

Palavras-chave: avaliação institucional; Comissão Própria de Avaliação; cultura de avaliação.

98 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
17. Processo de autoavaliação na Ufersa:
transitando entre o legal, o real e o ideal
Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa)

Rita Diana de Freitas Gurgel, Mara Raquel de Sousa Freitas, Jacqueline Cunha de V. Martins,
Alexandre José de Oliveira, Maurício Sekiguchi de Godoy, Daniel Freitas Freire Martins,
Elmer Rolando Llanos Villarreal

RESUMO

Desde os anos de 1990, vivemos a implantação de uma política educacional que tem
privilegiado a consolidação do Sistema Nacional de Avaliação em todos os níveis de
ensino. O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), instituído pela
Lei n° 10.861, de 14 de abril de 2004, se fundamenta na necessidade de promover
a melhoria da qualidade da educação superior, bem como orientar a expansão da
sua oferta e o aumento permanente da sua eficácia institucional. Nesse contexto de
criação dessa cultura avaliativa, em 2005, foi criada a Universidade Federal Rural do
Semi-Árido e, em 2008, em função do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação
e Expansão das Universidades Federais (Reuni), do Governo Federal, foi aprovada a
criação do primeiro campus fora da sede, o Campus de Angicos. Atualmente, a Ufersa
possui quatro campi: Mossoró, Angicos, Caraúbas e Pau dos Ferros, mas como saber se
esse crescimento quantitativo e acelerado da instituição tem sido com qualidade? Assim
sendo, este trabalho consiste em relatar a experiência das ações da Comissão Própria de
Avaliação (criada em 2009) da Ufersa, que, guiada pelas dez dimensões do Sinaes, vem,
desde 2010, realizando o processo de autoavaliação, como forma de acompanhar a
execução do primeiro Plano de Desenvolvimento Instituição (2009-2013) e de oferecer
elementos para a elaboração do novo plano. Dentre as ações, destacaremos: a evolução
da participação da comunidade acadêmica no processo autoavaliativo; a utilização das
tecnologias da informação, principalmente, no processo de avaliação docente (emprego
do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas – Sigaa) e divulgação dos
resultados; a contribuição oferecida por meio de seminários para os coordenadores
de curso e chefes de departamentos e a elaboração de material de orientação para
preparação do novo PDI da Ufersa. Também apontaremos os fatores limitadores e os
impactos dos resultados na gestão da instituição. Por fim, concluímos que o processo

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
99
de autoavaliação na instituição vem sinalizando para a construção de uma cultura
avaliativa, entretanto, reconhecemos que esse processo é lento, pois ao contrário do
público da educação básica, que é ávido pela discussão acerca da temática da avaliação,
principalmente pela avaliação da aprendizagem, no ensino superior, o cenário apresenta
sérios problemas quando o assunto é avaliação.

Palavras-chave: autoavaliação; Comissão Própria de Avaliação; ensino superior.

18. Ressignificando o papel da CPA: possibilidades e


perspectivas estratégicas das ações de autoavaliação
institucional
Faculdade Frassinetti do Recife (Fafire)

Patrícia Irene dos Santos

RESUMO

A reflexão decorrente da avaliação institucional pode contribuir para a conservação


ou modificação dos rumos das IES, considerando seus objetivos e metas, com base
na sua missão institucional. A relevância de um projeto de autoavaliação institucional
para uma IES se faz imprescindível, contudo, esse processo precisa ser efetivado na sua
totalidade, numa perspectiva transformadora e participativa, devendo integrar-se à vida
cotidiana da instituição, traduzindo-se em uma ferramenta indispensável ao trabalho
de gestão organizacional acadêmica. Partindo do pressuposto de que a autoavaliação
institucional fornece autoconhecimento que pode favorecer ações de melhoramento,
tanto das pessoas envolvidas quanto da instituição, buscamos revelar as possibilidades
estratégicas das ações que vêm sendo consolidadas através da CPA no processo de
autoavaliação interna, além de identificar as perspectivas e os rebatimentos dessas
ações frente à consolidação de uma cultura permanente de autoavaliação institucional
na Faculdade Frassinetti do Recife (Fafire). A CPA, portanto, busca realizar uma
avaliação multifocal, valorizando a descrição de contextos e privilegiando a análise e

100 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
interpretação dos dados coletados. Para tanto, realiza reuniões semanais sistemáticas;
participa dos colegiados e Núcleos Docentes Estruturantes (NDE’s); procura elaborar
e aplicar instrumentos integralizadores (questionários, entrevistas e Associação Livre
de Palavras-ALP) com toda comunidade acadêmica. Também vem sendo levantada
a legislação pertinente, relatórios e Análise SWOT junto aos setores e aos núcleos
que compõem a instituição; há um investimento na divulgação (site institucional) e
sensibilização de toda comunidade acadêmica para participação na autoavaliação
institucional. Outra estratégia que também valida a ação da CPA é sua localização no
espaço denominado Central de Escuta em parceria com a Ouvidoria e o Serviço de Apoio
Psicopedagógico ao Aluno (Appifire). Salientamos, ainda, uma articulação permanente
do Procurador Institucional (PI) e da Direção da IES junto às ações e propostas pela
CPA. Para a interpretação dos dados empregamos a Análise de Conteúdo (Bardin, 2002)
e contamos também, com a colaboração do Grupo de Estudos Socioeconômicos e
Empresariais de Pernambuco (Gemepe) órgão de pesquisa vinculado à Fafire. Adotamos
como referencial teórico as contribuições de Dias Sobrinho (2000); Silva e Gomes (2007);
Porter (1991); Mintzberg (2000); Oliveira (2005); dentre outros. Os resultados parciais
têm permitido o levantamento de hipóteses que fornecem subsídios ao Planejamento
Estratégico Participativo executado pela IES. Alguns elementos puderam ser delineados,
os quais nomeamos Intenções, Tensões e Repercussões, sinalizando questões como:
concepções sobre autoavaliação, elementos limitadores e facilitadores do processo,
feedback e direcionamento de ações. Concluímos, portanto, que muito embora o papel
da CPA junto ao Sinaes possa se restringir a um órgão de organização e coordenação
da avaliação desenvolvida internamente, na Fafire, vem sendo estabelecida, de fato,
uma ressignificação do papel da CPA. O diagnóstico decorrente da reflexão institucional
indica soluções para a conservação ou modificação dos rumos da IES, considerando seus
objetivos e metas, com base na sua missão institucional. Por sua vez, o papel da Comissão
Própria de Avaliação se traduz, convertendo dados e informações em conhecimento
estratégico, de forma integradora, participativa e reguladora, na produção de subsídios
que contribuem com o planejamento estratégico institucional.

Palavras-chave: autoavaliação institucional; CPA; planejamento estratégico.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
101
19. Sinaes em sinal de alerta na Universidade
Federal do Ceará
Universidade Federal do Ceará (UFC)

Maria do Socorro de Sousa Rodrigues, Jacqueline Ramos Macedo Antunes de Souza

RESUMO

O processo de avaliação da educação superior, preconizado pelo Sistema Nacional de


Avaliação da Educação Superior (Sinaes), Lei n° 10.861, de 14 de abril de 2004, que
contempla a um só tempo, em sua dinâmica e filosofia os aspectos formativo, somativo,
emancipatório e construtivo, na busca pela melhoria da qualidade da educação superior
no Brasil, já é uma realidade no país e não há como deter sua marcha, sob pena de
retrocesso. As diversificadas formas e etapas de avaliação dos cursos de graduação, sob
a égide dessa lei, com suas dimensões articuladas e interdialogadas vêm colaborando
com o descortinamento do perfil atual dos cursos de graduação, ao tempo em que
contribui com amplo e salutar processo de reflexão coletiva sobre a ferramenta
avaliação no âmbito das Instituições de Ensino Superior (IES), independente do viés
classificatório com que se apresentam os dados às comunidades universitárias do país
e à sociedade. Sob a responsabilidade da Comissão Nacional de Avaliação da Educação
Superior (Conaes), os processos avaliativos vêm construindo história no Brasil, mais
notadamente com o Sinaes, podendo ser verificado nos registros e na operacionalização
do Inep, cuja responsabilidade institucional a este cabe. O objetivo deste ensaio é
apresentar e discutir as ações de reflexão e despertamento da Universidade Federal
do Ceará, nesses dois últimos anos (2012 e 2013) face ao cumprimento das ações de
regulação necessárias e urgentes. Como procedimento metodológico, este trabalho
recolhe as percepções de alunos e gestores acadêmicos, capturadas nos ambientes
em que os processos avaliativos vêm ocorrendo, mais notadamente, nas atividades
de reconhecimento dos 32 cursos de graduação (Reuni), nos ensaios de Autoavaliação
Institucional e Enade, desveladas por meio de entrevistas, encontros e reuniões.
Busca-se interpretá-las à luz da legislação vigente e das contribuições teóricas de Dias
Sobrinho e Zainko, mais notadamente. Alguns resultados vêm demonstrando já não
haver mais lugar para o silêncio dos idos de 2007 a 2011 acerca da avaliação. Há um

102 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
barulho mental e formal inquietando saudavelmente a comunidade e os ambientes da
niversidade em seus mais diversificados campi e uma desvelada vontade institucional da
gestão superior, CPA e Pró-Reitoria de Graduação em fomentar e suscitar a reflexão para
a criação da cultura avaliativa. Alunos, gestores e docentes esperam ações contínuas a
materializarem-se em melhoria para a garantia da qualidade nos cursos de graduação e
criação da cultura avaliativa.

Palavras-chave: Sinaes; sinal de alerta; cultura avaliativa na UFC.

20. Tecendo compreensões sobre a CPA da


UFPE: composição e representatividade
Universidade Federal de Pernambuco – UFPE

Fernanda Maria Ribeiro de Alencar, Cristina Maria dos Santos Florêncio, Luiz Alberto da
Costa Mariz, Maria Zélia de Santana, Caroline Wanderley Souto Ferreira

RESUMO

O presente trabalho tem como objetivo socializar as experiências da Comissão Própria


de Avaliação da Universidade Federal de Pernambuco em relação à implementação
de procedimentos para seu funcionamento. Seguindo orientação do ordenamento
jurídico educacional brasileiro, a UFPE, nos termos da Portaria Ministerial nº. 2.051,
de 09 de julho de 2004, instituiu a CPA através da Portaria nº. 1291 em 14 de julho de
2004. No ano de 2011, a fim de ajustar a representatividade, a Comissão passou a ser
composta por um representante de cada segmento docente, técnico-administrativo e
discente dos doze Centros Acadêmicos localizados em Recife, Vitória de Santo Antão e
Caruaru, além de dois representantes da comunidade externa. Com essa composição, a
CPA da UFPE se tornou uma das maiores Comissões do Brasil, com 38 membros, o que
impactou e inviabilizou algumas de suas atividades, sobretudo, o processo decisório e a
presença significativa de seus integrantes, por ocasião das assembleias e das visitas dos
avaliadores externos. Com pouca visibilidade em suas ações, a CPA não era reconhecida
pela comunidade acadêmica, visto que essa mesma comunidade não vinculava os

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
103
resultados do processo de autoavaliação institucional às atividades da Comissão; além
de demonstrarem preocupação que os resultados das informações coletadas por esses
procedimentos de autoavaliação fossem utilizados de forma punitiva. A partir de 2011,
com uma nova composição dos representantes e do coordenador e vice, a CPA-UFPE
toma novo fôlego e passa a socializar o processo de autoavaliação na comunidade
universitária como compromisso de todos e para todos. Com esse propósito, foi
realizado o I Seminário de Autoavaliação para socializar entre os pares as preocupações
e as experiências. Embora a CPA tenha sido formada oficialmente desde 2004, seu
Regimento Interno só foi aprovado em 2012, pelo Conselho Universitário (Consuni),
passando a ter uma representatividade ainda maior, com a inclusão do Colégio de
Aplicação e de um representante de cada um dos Órgãos Suplementares da UFPE.
Porém, como estratégia de trabalho, foi criada a seguinte estrutura em seu regimento:
Coordenação Geral (composta por coordenador e vice-coordenador), integrantes da
CPA e eleitos pelo conjunto de seus componentes, e as Subcomissões (membros de cada
Centro Acadêmico), Colégio de Aplicação, Órgãos Suplementares e um Núcleo Gestor,
que representa a CPA junto às comissões externas de avaliação do INEP-MEC. O Núcleo
Gestor é composto pelo coordenador, vice-coordenador, dois representantes do corpo
docente, dois representantes do corpo técnico-administrativo e um representante da
administração central. Atualmente, ainda é de fundamental importância estabelecer
procedimentos para dar mais visibilidade à CPA, contribuindo para o reconhecimento
de um espaço de construção de uma cultura de autoavaliação institucional e sua
legitimação como equipe coordenadora do processo. Com a expansão e divulgação de
suas atividades, a CPA passou a subsidiar o planejamento da UFPE em vários setores
através de informações construídas e apontadas pela Comissão, preservando o princípio
da autonomia e reconhecendo o Consuni como foro legítimo para aprovação de suas
ações em última instância.

Palavras-chave: composição; representatividade; legitimidade.

104 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
Região Norte

21. A CPA e o aprimoramento do processo de ensino e


aprendizagem na Faculdade Martha Falcão, Manaus, AM
Faculdade Martha Falcão (FMF)

Manoel Carlos de Oliveira Jr., Helena Rosa Vieira Lima, Luiza Maria Bessa Rebelo

RESUMO

A partir da Lei nº 10.861/2004, que instituiu o Sinaes, a Comissão Própria de Avaliação


(CPA) passou a integrar a estrutura organizacional das IES, com autonomia de gestão.
Face à experiência vivenciada na Faculdade Martha Falcão (FMF), de Manaus, a qual vem
desenvolvendo a autoavaliação desde sua instalação, o presente trabalho visa apresentar as
inovações incrementadas e os resultados obtidos. Em funcionamento desde 2000, com cerca
de 3.300 alunos, a FMF possui 17 cursos, entre bacharelado, licenciatura e superiores de
tecnologia, a maior parte nas áreas de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas. Com a finalidade
de supervisionar, conduzir, executar e divulgar os processos e os resultados de avaliação
interna, abrangendo todos os segmentos da comunidade acadêmica, a CPA tem exercido
papel fundamental para consolidar a cultura de avaliação. Consoante com as diretrizes legais,
a FMF vem realizando avaliações de maneira sistemática, fomentando a discussão interna
sobre a gestão institucional e condicionando a tomada de decisões. O processo avaliativo e a
permanente discussão a respeito de seus efeitos sobre a qualidade das aulas e do desempenho
acadêmico acarretaram uma reflexão sobre a ampliação do escopo de atuação da CPA para
além da aplicação de instrumentos de avaliação quantitativa e qualitativa das condições gerais
do processo de ensino e aprendizagem. O estudo está respaldado em literatura referente à
qualidade de ensino e à eficácia de aprendizagem, no contexto da sociedade do conhecimento
e do avanço tecnológico, em particular em Hargreaves (2002), Freitas (2009), Christensen
(2009), Meirieu (1998), Cunha (1998), Preedy (2006), Day (2004) e Lemov (2011). Implicou
a proposta de readequação do projeto de avaliação institucional. Em 2009, iniciou-se um
processo de ampliação das atividades da referida comissão, abrangendo, a partir de então,
o processo de avaliação do ensino e da aprendizagem. Foram criadas Câmaras Assessoras,
com função precípua de analisar e qualificar os instrumentos de avaliação de aprendizagem e

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
105
práticas pedagógicas. Com a denominação de Núcleo de Qualidade em Processos Avaliativos
(NQPA) e Núcleo de Qualidade em Práticas Pedagógicas (NQPP), respectivamente, esses
órgãos auxiliares têm representantes dos cursos da IES e são coordenados pela CPA. Foram
desenvolvidos e aplicados instrumentos de avaliação específicos para essas dimensões.
Como resultados apontam-se maior interação da comunidade docente, implementação de
programas de capacitação contínua para professores, elaboração de manuais de orientação
didática, melhoria dos processos supramencionados, maior comprometimento de alunos e
docentes com processos de avaliação interna e externa, e, como indicador externo, melhoria
nos resultados em exames de ordem e Enade. O processo em andamento e constante revisão
têm conseguido agregar um conjunto cada vez maior de docentes nas ações de capacitação
contínua. Espera-se aprimorar o processo de avaliação e consolidar estratégias diferenciadas
de metodologia e de avaliação de ensino e aprendizagem, paralelamente às ações tradicionais
de autoavaliação institucional.

Palavras–chave: avaliação institucional; avaliação de aprendizagem; práticas pedagógicas.

22. Autoavaliação institucional: perspectivas de


melhorias ou mero cumprimento de obrigação?
Centro Universitário do Norte (Uninorte)

Aldenéia Soares da Cunha

RESUMO

O estudo “Autoavaliação institucional: perspectiva de melhorias ou mero cumprimento


de obrigação?”, realizado no Centro Universitário do Norte (Uninorte), teve por objetivo
analisar as percepções dos sujeitos envolvidos no processo de avaliação interna
institucional e indicar as dificuldades da Comissão Própria de Avaliação na realização
dessa atividade. Em função das proximidades relacionais entre a temática e a gestão do
ensino superior diversos desdobramentos poderiam surgir. No entanto, para este estudo,
foram norteados alguns aspectos da avaliação institucional interna condizentes com os
aspectos legais a fim de identificar fortalezas, fraquezas, oportunidades e ameaças que
inviabilizassem o crescimento da instituição que se autoavalia. A CPA da Uninorte existe

106 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
desde 2004, com a promulgação da Lei nº 10.86/04 e tem como finalidade elaborar
autoconhecimentos sobre suas atividades com o intuito de melhorar a qualidade
na educação e alcançar maior relevância social. Desde a promulgação da referida
lei, as avaliações internas nas instituições de ensino superior se tornaram práticas
comuns, porém muitas vezes não levadas a sério, servindo apenas para cumprir uma
obrigatoriedade do sistema. Concebida desta forma, a avaliação interna das instituições
se tornam meras formalidades que se encerram, muitas vezes, no preenchimento
de questionários pelos gestores, professores e alunos. Por outro lado, se concebida
como processo de autoconhecimento, pode tornar-se uma ferramenta essencial para a
melhoria da qualidade dos serviços oferecidos pela instituição. Sendo assim, a reflexão
sobre a percepção dos sujeitos que avaliam se torna importante, pois trará indicadores
sobre o modo de atuação da CPA e as práticas dos dirigentes das instituições particulares
de ensino superior. Esse estudo foi desenvolvido a partir da experiência de três anos na
coordenação da CPA e da análise dos questionários aplicados a gestores, docentes e
alunos. Os encontros realizados com esses sujeitos para as devolutivas das avaliações e
os registros em atas de suas opiniões também se tornaram uma rica fonte de informação.
Observar o ponto de vista de quem avalia pode ser uma maneira de conscientização da
política avaliativa implantada pelo Sinaes/MEC no mundo acadêmico, e, a partir desse
entendimento, as relações estabelecidas nesse processo possam vir a ser esclarecidas,
respeitosas e justas. Para que a autoavaliação realmente se torne um instrumento de
busca de melhorias é preciso que os sujeitos partícipes sejam educados sobre o seu valor
e sua razão, treinando-os para a importância de todo o processo. A proposta de refletir
sobre a autoavaliação propiciou a contextualização histórica do tema e o conhecimento
de algumas características importantes da construção do processo avaliativo em vigor.

Palavras-chave: autoavaliação; gestão; ensino superior.

23. Avaliação institucional participativa no


Cesupa: desafios e contradições
Centro Universitário do Pará (Cesupa)

Gisele Seabra Abrahim, Elza EzildaValente Dantas, Carlos Benedito Pereira da Paixão

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
107
RESUMO

Desde 2004, a autoavaliação institucional no Centro Universitário do Estado do Pará


(Cesupa) pauta-se pelo diálogo e pela participação da comunidade. No entanto,
a adesão voluntária a esse processo sempre foi um desafio para a Comissão Própria
de Avaliação (CPA). Em 2011, após projeto piloto no curso de Direito, a utilização do
sistema de serviços online da instituição passou a ser condicionada à pesquisa de
autoavaliação, o que provocou o aumento no índice de participação dos discentes.
Diante disso, o objetivo deste artigo consiste em examinar os efeitos do condicionamento
para o acesso ao sistema online nos resultados e índices de participação discente
na avaliação docente. O referencial teórico é balizado pela perspectiva da avaliação
participava, é apoiado, sobretudo, nos estudos de Leite (2005), permitindo a discussão
das contradições do processo democrático nesse método adotado pelo Cesupa, e
nas contribuições de Belloni (1997) acerca do compromisso da universidade para a
construção da cultura avaliativa. Os procedimentos metodológicos utilizados incluíram
a abordagem quantitativa, com apoio do software SPSS, para a realização do teste T
de Student pareado, que comparou a participação discente na avaliação docente, em
2010 e 2012, antes e após o condicionamento do sistema. A amostra incluiu 14 cursos
de graduação com 2.434 e 3.021 discentes respondentes do questionário nos dois
períodos do recorte dessa pesquisa. Aplicou-se também o teste de Alpha Cronbach (α)
para examinar a confiabilidade dos resultados, conforme o questionário aplicado. A
abordagem qualitativa envolveu a interpretação dos significados de 140 depoimentos
dos alunos do curso de Direito, acerca de 10 professores, sob a perspectiva da análise de
conteúdo (Bardin, 1977; Minayo 2007). A análise das falas iniciou-se com a leitura dos
depoimentos dos alunos para identificação das unidades de significado e codificação.
Foram consideradas as expressões cujo conteúdo apresentou significado avaliativo,
logo essas foram categorizadas em frases semelhantes dentro das dimensões: normas
institucionais, competência técnica, aspectos didático-metodológicos, aspectos da
avaliação da aprendizagem e de relacionamento interpessoal. Em seguida, foi possível
interpretar os depoimentos para examinar se eles corroboravam ou não as médias
obtidas de cada professor. Identificou-se que, após o condicionamento da coleta de
dados, houve aumento significativo na participação dos alunos na avaliação docente

108 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
ao se obter um índice de 95% de confiança, ou seja, baixa possibilidade de respostas a
esmo, uma vez que apenas cinco das 140 falas destoaram dos resultados quantitativos.
Percebe-se, por fim, que o Cesupa caminha para consolidar uma cultura que percebe
a autoavaliação como um processo indissociável da melhoria contínua da instituição,
mas ainda consolida uma consciência coletiva para a promoção de um processo de
autoavaliação com participação voluntária.

Palavras-chave: autoavaliação institucional; avaliação participativa; participação voluntária.

Região Sudeste

24. A avaliação docente e seu impacto na


melhoria do ensino
Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM)

Ana Maria Porto Castanheira, Mary Rosane Ceroni

RESUMO

Desde o início de 2001, a Universidade Presbiteriana Mackenzie desenvolve processos


de avaliação institucional como ferramenta de autoconhecimento. Com a implantação
do Sinaes, a Comissão Permanente de Avaliação refez seu planejamento levando em
conta as novas orientações dadas. Desde então, a CPA toma iniciativas no sentido de
conhecer as características da IES e discutir decisões para as melhorias necessárias.
Nesse sentido, o docente ganha prioridade natural acompanhada de uma preocupação
diferenciada, pois o professor é parte decisória na qualidade de ensino, o elemento mais
importante de todo o processo de ensino. No calendário organizado pela CPA-UPM,
o processo de avaliação é repetido anualmente (desde 2001) criando a possibilidade
de comparações entre as unidades e entre as disciplinas que um mesmo professor
leciona. Todos os alunos recebem as questões, em sala de aula, de membros da CPA e
as respondem sem a necessidade de se identificar, em seguida, a tabulação é realizada

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
109
com o auxílio de leitura óptica. O questionário proposto é composto por 15 questões
versando sobre o desempenho docente. Os acadêmicos atribuem notas de 1 (ruim)
a 5 (ótimo) para cada questão do questionário. No inicio das atividades, houve certa
resistência por parte dos professores que temiam algum tipo de punição, o que levou
a CPA a desenvolver um processo de sensibilização, deixando claro ao professor que
seu papel é fundamental para a implantação de qualquer processo de mudança e
que a percepção do aluno sobre seu professor pode colaborar com a identificação de
caminhos que conduzam à análise das competências avaliadas. Na hora da avaliação,
a CPA faz questão de estar presente nas salas de aula para conscientizar os alunos da
importância da participação comprometida de cada um. O objetivo desse trabalho é
provocar reflexões sobre este processo, analisando os problemas enfrentados no início,
as possíveis fragilidades e resultados obtidos, que culminaram com a melhoria do
trabalho docente e com o incentivo a sua formação continuada. O referencial teórico
sobre a formação docente enfatiza sempre que a figura do professor é importante e que
sua integração aos processos avaliativos é prioritária para a eficácia do resultado. Como
esta avaliação é realizada desde 2001, existe um histórico individual do resultado de
cada professor, a análise é realizada levando em conta todo o processo e não somente
um único resultado. Não se elaboram rankings, somente o docente tem acesso a sua
própria avaliação, acompanhado pela Coordenação de Curso e Direção, que tem acesso
aos resultados completos. Compreende-se que a reflexão que o professor faz de sua
atuação em sala de aula torna-se necessária e relevante. Criou-se (desde 2003) um
Fórum Permanente de Ensino, Pesquisa e Extensão e Semanas Pedagógicas, em que
os professores discutem estratégias de aula e sua própria atuação, o que garante a
melhoria contínua da gestão de sala de aula. Tanto alunos como professores participam
do processo sem receios, criando-se espaços de diálogo e atividades diferenciadas,
oferecendo oportunidade de desenvolver-se uma metodologia dialética.

Palavras-chave: avaliação; qualidade; formação de professores.

110 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
25. A construção da “práxis” institucional em
autoavaliação e sua consolidação na vivência do Sinaes
Universidade Cruzeiro do Sul (Unicsul)

Vanda Rutkowski Tognarelli

RESUMO

A proposta deste artigo é a de encaminhar reflexões sobre a temática da avaliação


institucional na educação superior brasileira, transitando entre o cenário teórico da área, a
efetiva prática em uma instituição de ensino superior e o atendimento às exigências legais
dos órgãos avaliativos e reguladores do Estado. O trinômio teoria, exigências legais e práxis
institucional desenha um percurso obrigatório nas reflexões e orientações para a efetiva
condução do processo autoavaliativo pela Comissão Própria de Avaliação (CPA), o qual se
pretende aplicável no contexto das exigências atuais. O objetivo precípuo desta exposição
é o de socializar a construção desta práxis específica que, em 19 anos de exercício, se
definiu como um dos elementos impulsionadores da qualidade institucional, valendo-se
de novas possibilidades que o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes)
oportunizou ao definir no Art. 11 da Lei nº. 10.861 de 2004 as reais funções das CPA. A
experiência relatada ocorreu na Universidade Cruzeiro do Sul, na cidade de São Paulo,
a qual previu a existência da autoavaliação, antes mesmo de tornar-se universidade
(1992) e, tão logo reconhecida (1993), colocou em prática o previsto. Contando com uma
comissão coordenadora, o processo foi ampliando-se e, quando da inserção do Sinaes,
já era uma realidade na comunidade institucional. Alterações e ajustes foram realizados
em função de consolidar o processo e ampliar as oportunidades da CPA, especialmente
no que se refere à produção de conhecimentos e às aplicabilidades práticas. Em um local
produtor de ciência e teoria, como é o caso das instituições de ensino superior, o processo
autoavaliativo deve, obrigatoriamente, estar fundado em paradigmas científicos capazes
de suportar o modelo proposto. A metodologia adotada na construção desta práxis foi
a pesquisa-ação e os fundamentos teórico metodológicos ancoraram-se nos paradigmas
crítico-dialético, empírico-analítico e socioantropológico. Esta opção permitiu à CPA, com
total apoio institucional, definir os elementos constitutivos de seu modelo avaliativo em
missão, política, objetivos e propostas próprios e levou-a a transitar entre a gestão da IES
e os poderes dos órgãos avaliativos e reguladores, com legitimidade e segurança. Estudos

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
111
revelam que entre as positividades do poder está a produção do saber e, neste tecido
conjuntural, os envolvidos produziram saberes teóricos e tecnológicos apropriados às
exigências institucionais e às oportunidades configuradas pela vivência do Sinaes. A título
de uma conclusão provisória, visto que o contexto institucional é movimento, sinalizamos
que a área possui processos específicos em autoavaliação, incluindo um Grupo de Estudos
e Pesquisas inscrito no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
(CNPq), que alimenta a práxis da CPA. A construção de um perfil e uma atuação própria
vem proporcionando resultados compensadores interna e externamente e reforçando a
convicção de que nenhum contexto consegue ser hermético diante da vontade política de
construir práticas inovadoras.

Palavras-chave: autoavaliação; práxis institucional; Sinaes.

26. A utilização do Google Docs como ferramenta


para a autoavaliação institucional na Faculdade
de Ciências Humanas e Sociais
Faculdade de Ciências Humanas e Sociais (Facihus)

Cristina Soares de Sousa, Kelma Gomes Mendonça Ghelli

RESUMO

Ciente da importância de se efetivar um processo de avaliação institucional e tendo em


vista a busca de melhoria e excelência acadêmica e administrativa, a Facihus implantou o
processo de autoavaliação desde 2002. O processo de avaliação interna tem-se constituído
em uma forma de diagnóstico e feedback, tanto para o processo de gestão educacional
quanto para o encaminhamento das ações acadêmico-institucionais de um modo geral.
Este trabalho tem como objetivo descrever a atual metodologia utilizada pela Faculdade de
Ciências Humanas e Sociais para o bom desempenho na avaliação institucional. Frente à
necessidade de uma metodologia prática, eficiente e que evitasse o gasto abusivo de papel,
visto que devemos caminhar para um mundo sustentável, ficou definido que seria utilizado

112 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
o Google Docs como ferramenta para criação e disponibilização dos questionários online e
ainda produção dos gráficos. Este é um serviço que possui editor de textos, editor de planilhas
eletrônicas e possibilita a criação de formulários. Para elaboração dos questionários, foram
seguidas as dimensões sugeridas pelo Sinaes. Para a autoavaliação de junho de 2012, foram
elaborados oito questionários: aluno avaliando professor, IES, Coordenador; professor
avaliando coordenador e IES; coordenador avaliando professores e IES e os funcionários
avaliando IES. Foram aferidos conceitos: 5- Sempre/Excelente, 4-Quase sempre/Ótimo,
3- Às vezes/Bom, 2- Raramente/Regular, 1- Nunca/Inexistente. Esses questionários foram
disponibilizados no site da Instituição, no link Avaliação Institucional. Foram geradas senhas
de acesso diferentes para cada curso. Para garantir a maior participação discente, os alunos
foram encaminhados até o laboratório de informática para responder aos respectivos
questionários. A aplicação de instrumentos de avaliação assegura níveis de qualidade
capazes de corresponder às demandas de formação profissional e de atender a critérios
científicos e acadêmicos reconhecidos internacionalmente. A avaliação institucional é
compreendida como a grande responsável pelas mudanças no processo administrativo e
acadêmico. Constitui-se, pois, em um importante instrumento de prestação de contas para
a própria instituição e para a sociedade. O resultado obtido nas três últimas autoavaliações
(junho e novembro de 2012 e maio de 2013) foi muito positivo. Mais de 70% dos alunos,
professores, coordenadores e funcionários participaram da avaliação institucional. O
processo se tornou mais rápido, visto que antes tanto responder aos questionários
quanto fazer as observações por escrito era demorado, além da dificuldade de análise dos
resultados. Com a utilização da ferramenta Google Docs, à medida que as pessoas iam
respondendo, era gerado um gráfico para cada pergunta instantaneamente. Ao final da
avaliação, as porcentagens disponibilizadas nos gráficos individuais foram utilizadas para
criação dos gráficos gerais apresentados nos relatórios parciais e finais. Esses dados foram
impressos, encadernados e discutidos em cada setor. Após as análises, foram sugeridas
ações acadêmicas e administrativas em função dos resultados. Com base nas três últimas
avaliações, a metodologia se mostrou prática, eficiente e econômica.

Palavras-chave: autoavaliação; Google docs; Fachius.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
113
27. As estratégias de comunicação institucional da CPA
como mecanismo para o aumento da participação
do corpo discente nas avaliações da Fagoc
Faculdade Governador Ozanam Coelho (Fagoc)

João Paulo Ciribeli, Alex Sandro Oliveira Silva, Rafaela Martins Namorato, Vanessa
Aparecida Vieira Pires

RESUMO

O presente artigo consiste num trabalho teórico-empírico que visa identificar e analisar as
principais estratégias de comunicação institucional adotadas pela Faculdade Governador
Ozanam Coelho (Fagoc), no que se refere à realização da avaliação institucional por parte
da Comissão Própria de Avaliação (CPA), e avaliar o grau de participação de seus discentes.
Quanto à sua classificação metodológica, a pesquisa é enquadrada, por sua natureza,
como aplicada, quali-quantitativa (considerando o tratamento dos dados) e descritiva. Para
atingir os objetivos, utilizou-se de pesquisa bibliográfica (fontes secundárias) e documental
(fontes primárias). O embasamento teórico foi direcionado a dois pontos centrais: 1. Os
canais de comunicação como estratégia metodológica das ações da CPA e 2. A avaliação
institucional como mecanismo participativo e de (re)construção da IES. Os principais
autores que fundamentaram a reflexão sobre o tema foram Kotler e Keller (2006), Kotler e
Armstrong (2005), Chiavenato (2003) e Pinho (2004). Considerando os resultados, pode-se
perceber que a IES utiliza um variado número de canais de comunicação (ao todo 11), e,
ainda assim, consegue fazê-lo com um custo relativamente baixo. Pode-se verificar que
a avaliação ocorre ao menos 01 (uma) vez por semestre, num período de 12 dias e com
uma média de 98 perguntas entre obrigatórias, optativas, abertas e fechadas. Sobre a
participação dos alunos, aferiu-se que, nos últimos cinco semestres, de 2011-1 a 2013-1, a
porcentagem do corpo discente que respondeu ao questionário da avaliação institucional
disponibilizada na intranet da IES via Sistema Integrado de Gestão Acadêmica (SIGA) foi de
80,06%.

Palavras-chave: comunicação; avaliação; CPA.

114 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
28. Autoavaliação institucional na Unigranrio:
relato de uma caminhada
Universidade do Grande Rio “Prof. José de Souza Herdy” (Unigranrio)

Herbert Gomes Martins, Andressa Maria Freire da Rocha Arana, Angelo Santos Siqueira,
Carolina de Souza Rocha, Emerson Rosa Santana, Lindonor Gaspar de Siqueira, Luciano
Freitas do Nascimento, Maria Luiza de Souza Andrade, Mary Neuza Dias Galdino, Paulo
Roberto de Sant’Anna, Roberto dos Santos Machado, Thereza Christina de Vasconcellos

RESUMO

Este trabalho relata o processo de autoavaliação institucional na Universidade do Grande


Rio “Prof. José de Souza Herdy” (Unigranrio), que teve sua caminhada iniciada em 2004
com a criação da Comissão Própria de Avaliação (CPA), de acordo com as diretrizes do
Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). Apresenta uma reflexão
acerca das estratégias e dos procedimentos utilizados rumo à consolidação de uma
política de autoavaliação institucional. A Unigranrio é uma universidade particular, com
sede em Duque de Caxias, município localizado na baixada fluminense do estado do Rio de
Janeiro, possui sete campi e cinco unidades e conta com aproximadamente 30.000 alunos
matriculados em 47 cursos de graduação e cinco programas de pós-graduação stricto
sensu. Ao longo do texto, expõe-se breve descrição da CPA, das opções metodológicas,
das estratégias de sensibilização, discussão e divulgação dos resultados, dos impasses e
das adequações vivenciadas no período de 2004 a 2013, com o objetivo de promover uma
avaliação cada vez mais participativa e comprometida com a aplicação dos resultados no
processo de aperfeiçoamento da gestão universitária. Destaca a variedade de experiências
metodológicas e instrumentais correspondentes às diferentes estratégias de abordagem da
comunidade, desenvolvidas nestes 10 anos de atividade contínua. Dentre as metodologias
inovadoras são descritas: a) a aplicação da Técnica de Pequenos Grupos (TPG), técnica
introduzida pela Universidade de Washington, conhecida como through small group
diagnosis (SGDI) ou Diagnóstico Instrucional de Pequenos Grupos – o grande trunfo da
técnica está em sua simplicidade metodológica; e b) o Click Avaliação, evento planejado
como estratégia de sensibilização da comunidade acadêmica, voltado para o envolvimento
dessa com o processo de avaliação interna realizado pela CPA e com o fortalecimento da

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
115
imagem da universidade. A opção metodológica pela avaliação qualitativa e pela análise
de conteúdo, com pressupostos fundamentados por Bardin (1977) e demais teóricos
citados ao longo do texto, teve por base a compreensão de que dar vez e voz às produções
cotidianas, expectativas e pontos de vista de todos, abriria possibilidades de compreender
a instituição de forma mais internalizada. A criação de estratégias e metodologias para
o trabalho da CPA não teve como preocupação maior fazer uma aferição rigorosamente
precisa, mas garantir o envolvimento e o compromisso ético de todos os segmentos da
universidade, num processo de autoconhecimento institucional.

Palavras-chave: autoavaliação; metodologia de avaliação; avaliação qualitativa.

29. Autoavaliação institucional: a experiência da Unimep


Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep)

Sanete Irani de Andrade, Ana Maria Romano Carrão, Marco Antonio Sperl de Faria, Miriam
Coelho de Souza, Diogo de Siqueira Camargo Vasconcelos, Homero Scarso

RESUMO

A Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep), com sede em Piracicaba (SP), oferece


57 cursos de graduação, 28 de especialização/MBA, 7 de Mestrado e 4 de Doutorado,
distribuídos nas unidades de Piracicaba (SP) – campus Centro e campus Taquaral –,
Santa Bárbara D’Oeste (SP) e Lins (SP) e conta atualmente com aproximadamente 10.000
alunos matriculados. A avaliação institucional na Unimep está associada, como referência
de qualidade, ao projeto institucional vinculado à Política Acadêmica implementada nos
anos de 1980 e, desde 2004, atende às orientações estabelecidas na Lei nº 10.861/04,
que instituiu o Sinaes . O presente artigo tem como objetivo apresentar a experiência
do processo de autoavaliação da Unimep e suas estratégias, adotadas pela CPA, para
transformá-lo em uma atividade regular executada com a contribuição dos membros de
todos os segmentos da comunidade acadêmica, assim como da comunidade externa. O
conjunto de informações e dados coletados para este estudo foi constituído mediante
pesquisa documental, pesquisa em dados secundários e consulta aos dados apurados

116 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
pelo processo de avaliação institucional da IES. O referencial teórico amparou-se em
documentos disponíveis no site do Inep, na Lei nº 10.861/04, de 14 de abril de 2004 e em
artigos e obras especializadas que tratam da temática da avaliação institucional. Após os
vários processos de autoavaliação postos em prática, conforme estabelecido no projeto
elaborado pela CPA, pode-se afirmar que as ações dessa comissão têm sido bem recebidas
pela comunidade acadêmica: o percentual de respondentes passou de um intervalo inicial
de 2% a 10% para 70%, e os gestores têm demonstrado disposição em atender, tendo
atendido de fato e, na medida do possível, a muitas das reivindicações do corpo discente.
As solicitações que demandam maiores investimentos em tempo e recursos financeiros ou
alterações de estruturas físicas têm sido levadas a estudo e planejadas para atendimento a
médio e/ou longo prazo. As ações propostas no projeto que, por algum motivo, não tenham
sido levadas a bom termo, têm sido rediscutidas pela CPA e novas estratégias traçadas para
que se constitua na Unimep uma efetiva cultura da avaliação que, além de dar suporte à
busca permanente de melhorias dos serviços institucionais, torne o processo avaliativo
um processo regular, contínuo, cíclico, sem qualquer caráter punitivo para qualquer dos
sujeitos envolvidos.

Palavras-chave: Unimep; autoavaliação; cultura de avaliação institucional.

30. Autoavaliação institucional: a legitimação como


pressuposto para o encaminhamento de tomadas
de decisões
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP)

Sandra Ferreira Acosta, Anamérica Prado Marcondes, Clarilza Prado de Sousa

RESUMO

Este artigo foi elaborado a partir de um estudo que situa a avaliação institucional como
instrumento capaz de possibilitar à universidade o resgate e a organização de diferentes
informações e saberes por meio da sistematização e da análise de suas práticas, visando

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
117
oferecer subsídios para o aperfeiçoamento das decisões que podem reafirmar sua
identidade social. Tal estudo teve como objetivo compor uma proposta metodológica
de avaliação vivenciada por uma IES, que levou em consideração a complexidade
institucional de uma universidade e as dificuldades inerentes à realização dos processos
avaliativos internos e à utilização de seus resultados para o aperfeiçoamento das
ações educacionais. Foi organizado em ciclos de aprofundamento do conhecimento
da realidade e contou com etapas que implicaram em sucessivos envolvimentos
diferenciados da comunidade, possibilitando manifestações de diferentes sentidos da
realidade. Procurando dar conta da complexidade institucional, a proposta metodológica
para a realização da autoavaliação institucional foi apoiada em três pilares: 1) Etapas
para vivências de participação e legitimação nos diferentes momentos do processo
avaliativo; 2) Participação qualificada: tal participação está baseada no respeito aos
sujeitos pela sua vivência e inserção na universidade. Assim, sem perder de vista a
ampliação contínua da participação, assegura-se a presença de atores diretamente
envolvidos com o objeto de avaliação, compondo com outros que vivem o ambiente
institucional; e 3) Monitoramento do processo de tomada de decisões: assume a
peculiaridade de acompanhamento sistemático de um conjunto de ações definidas
como encaminhamentos pelo processo avaliativo. Para tanto, a metodologia do trabalho
definiu uma coleta diversificada de informações – questionários, roteiros e grupo focal
– que foram coletadas na comunidade universitária interna e externa – professores,
alunos, gestores, funcionários e representantes da sociedade civil. Como suporte foi
utilizado um conjunto de softwares (Alceste e SPSS), que permitiu a realização de
análises específicas. Os resultados revelaram, de maneira geral, que, apesar de seu
grande porte e de sua complexidade, a universidade possui uma representação social
positiva de sua imagem destacando a qualidade de seus professores e a excelência de
seu ensino. As conclusões indicaram também que é possível superar o paradigma da
avaliação estática e descritiva, acoplando ao plano de ação a proposta de legitimação
das análises. Tal proposta aproxima o diálogo entre os resultados e os interlocutores
qualificados da comunidade universitária, assim considerados pela sua inserção na
instituição e vivência com o objeto investigado. A legitimação, como proposta, que
considera a mediação dos processos psicossociais nas práticas avaliativas, visa ao
aprofundamento gradativo da compreensão das diferentes dimensões que compõem

118 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
a IES, enfatizando o envolvimento crescente da comunidade universitária com vistas
a diferentes tomadas de decisões. O estudo, ainda em andamento, encontra-se numa
nova fase da pesquisa avaliativa. O objetivo é dar eficiência à gestão dos resultados
avaliativos, reconhecendo e investindo na sua capacidade de retroalimentar o processo
educativo, visando a seu aperfeiçoamento.

Palavras-chave: educação superior; avaliação institucional; legitimação; representações


sociais.

31. Avaliação institucional interna: sentidos e significados


atribuídos pela Comissão Própria de Avaliação à pesquisa
no Centro Universitário Estácio Radial São Paulo
Centro Universitário Estácio Radial São Paulo (Estácio Uniradial)

Adriano Luis Fonseca, Marilene Garcia, Pedro José Lacchia, Rita Elvira Garcia

RESUMO

O texto apresenta as etapas de implantação da avaliação institucional interna no Centro


Universitário Estácio Radial de São Paulo no período de 2008 a 2013. Essas diretrizes
são efetivadas nas ações desenvolvidas pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) –
constituída de um representante de cada segmento, corpo docente, corpo discente,
corpo técnico-administrativo e um representante da sociedade civil organizada–,
cuja coordenação está a cargo do representante docente. Essa comissão tem como
atribuição fundamental articular a autoavaliação, principal meio de coleta de dados,
por sua abrangência (pesquisa respondida por alunos, docentes, coordenadores e
administrativos); por sua acessibilidade (online); por sua periodicidade (semestral); e
pela relevância das suas questões, alinhadas às dez dimensões avaliadas pelo Sinaes.
Cumpre com as etapas de preparação, desenvolvimento e consolidação. O objetivo
deste trabalho foi articular o atendimento às necessidades do contexto da instituição
e, ao mesmo tempo, às demandas das diretrizes dos Sinaes, e ainda buscar, por meio

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
119
dessa relação, favorecer melhorias na qualidade do atendimento das ações acadêmicas
e administrativas da instituição. O procedimento metodológico corresponde ao
período de 2008 a 2010: a) Aplicação do questionário contendo perguntas fechadas,
abrangendo as dez dimensões de análise, conforme estabelecem as diretrizes oficiais
do MEC/Inep/Conaes para avaliação das IES; b) Conhecimento e análise das respostas
agrupadas, tomando como referência a instituição, os cursos e professor/disciplina.
Após o exame dos dados obtidos no questionário, foi proposto um novo instrumento:
a) grupo focal com a intenção de não só validar, mas também de ampliar os resultados
obtidos com o questionário e de evitar possíveis equívocos de interpretação. Além
disso, é uma possibilidade de os participantes esclarecerem as informações que eles
mesmos forneceram. Cada um desses agrupamentos deu origem às categorias de análise
inspiradas em alguns conceitos e princípios da teoria de desenvolvimento sócio-histórica
de Lev. S. Vygotsky. O período de 2011 a 2013 revela os resultados do período anterior,
ou seja, evidencia a importância da utilização dos distintos referenciais metodológicos.
Essa prática desencadeou um processo contínuo de observação, registro, reflexão,
síntese, avaliação e planejamento, intensificado e sistematizado a partir da primeira
etapa avaliativa. Isso possibilitou ampliar, atualizar e elaborar novas propostas de
ações de melhoria para a IES, como reestruturar e ampliar as categorias de análise das
perguntas no questionário, o que culmina com a criação do plano de ação e melhoria
elaborado por gestores e coordenadores de curso. Essa prática legitima e confere
credibilidade ao processo avaliativo, cumprindo os objetivos de consolidar uma cultura
avaliativa como forma de aprimoramento da IES e de consolidar a ação da CPA como
instrumento de gestão. Concluímos que os participantes da comunidade acadêmica se
apropriam, sim, dos significados dos documentos legais, porém os sentidos adequados
do processo de formação e avaliação só podem ser apreendidos quando confrontados
aos conhecimentos com o cotidiano da instituição. Portanto, para construir seu sentido,
a partir dos significados expostos nos documentos legais, é necessário preservar a
totalidade das diretrizes, do ponto de vista de documentos oficiais, sem desconsiderar
o atendimento às diferenças físicas, regionais e pessoais presente nas IES.

Palavras–chave: gestão; ensino superior; Comissão Própria de Avaliação.

120 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
32. Avaliação institucional na Pontifícia Universidade
Católica de Minas Gerais
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)

Antônia Maria da Rocha Montenegro, Estelina Souto do Nascimento, Mércia Aleide Ribeiro
Leite, Marisaura dos Santos Cardoso, Elisete de Assis Rebello Leite Ribeiro, Isabel Cristina
Correia dos Passos

RESUMO

Para a manutenção de uma instituição de excelência, plural, dedicada ao ensino, à pesquisa


e à extensão, é preciso que, cada vez mais, se afirme como princípio a necessidade de
sistemas permanentes de avaliação como forma de assegurar a qualidade dos serviços
tanto em termos quantitativos quanto qualitativos. O estudo pretende registrar o processo
utilizado pela Comissão Permanente de Avaliação (CPA) para a autoavaliação institucional
da PUC Minas realizada no ano de 2013. A proposta é fruto de várias discussões sobre
a condução dos trabalhos que o setor vem desenvolvendo em torno dos processos
avaliativos, tendo em vista o crescimento das demandas e o concomitante processo de
racionalização das estruturas organizacionais da instituição. Esse tem impelido esse setor
a também racionalizar seus processos sem que isso signifique a perda da qualidade do
seu trabalho. A autoavaliação institucional, segundo a proposta, ocorrerá conforme os
ciclos do Enade. Portanto, em 2013, está sendo realizada a etapa da avaliação por ciclo
com os cursos da área da Saúde e, nos anos subsequentes, serão avaliados os cursos das
áreas de Engenharia, Licenciaturas, Tecnologia e Arquitetura e Ciências Sociais Aplicadas.
Esta estratégia foi adotada tendo em vista o tamanho e a complexidade da PUC Minas
e sua extensão territorial nos mais diversos campi e unidades e o número diversificado
da população acadêmica, composta por alunos e docentes da graduação, pós-graduação
lato e stricto sensu e ensino a distância, corpo técnico-administrativo e egressos. A
autoavaliação institucional por ciclos permite rever os processos avaliativos existentes
e os alcances obtidos, ampliando espaços de discussões e reflexões entre os setores,
colegiados, departamentos, faculdades e institutos, na busca pelo aprimoramento dos
processos acadêmicos, possibilitando revisão das políticas, programas e projetos que
favoreçam a melhoria da qualidade da educação superior. Acredita-se também que crescer

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
121
com diversidade, qualidade e excelência é a trajetória que a instituição propõe perseguir.
Nesse sentido, a CPA está sempre revendo seus processos e acompanhando as dinâmicas
institucionais de modo a contribuir para as mudanças que se mostrarem necessárias na
instituição.

Palavras-chave: avaliação institucional; Comissão Permanente de Avaliação; metodologia


de trabalho da CPA.

33. Avaliação sociológica da realização da pesquisa


de avaliação institucional da UFV (2011)
Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Marcelo Ottoni Durante, Cisne Zélia Teixeira Reis, Carmem Inêz de Oliveira, Leci Soares de
Moura e Dias, Vivian Kelly Andaki Nunes

RESUMO

Ao propormos a criação de um instrumento de avaliação institucional e a análise dos dados


coletados por este instrumento, é preciso ter em mente que a compreensão dos distintos
públicos a respeito do conteúdo das questões do questionário, a disponibilidade de realizar
o preenchimento do instrumento da forma mais idônea e correta possível e, inclusive, a
disponibilidade de efetuar ou não o preenchimento do instrumento são questões que
dependem fundamentalmente do sentido que as pessoas atribuem para o instrumento de
avaliação. Este artigo tem o objetivo de discutir os condicionantes sociológicos do processo
de criação e implementação deste tipo de instrumento nas universidades públicas, visando
produzir subsídios que facilitem o seu aperfeiçoamento, no sentido da sua utilização como
instrumento de gestão. A realização deste esforço reflexivo terá como base os dados
coletados pela pesquisa de avaliação institucional realizada na Universidade Federal de
Viçosa em 2011. O contato com a comunidade universitária, estudantes de ensino médio,
estudantes de graduação, estudantes de pós-graduação, professores e funcionários técnico-
administrativos, foi realizada via e-mail, solicitando o preenchimento do questionário via
internet. O processo de amostragem utilizado baseou-se, portanto, no voluntarismo dos

122 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
membros da comunidade universitária para dedicar cerca de 25 minutos ao preenchimento
do questionário da pesquisa. Diversas ações de publicidade, nos diversos meios de
comunicação da UFV, foram realizadas visando aumentar a disposição dos membros da
comunidade universitária para responder à pesquisa. Entre 26 de setembro e 31 de outubro
de 2011, a pesquisa coletou 3.089 questionários, ou seja, 16% dos 20.097 membros da
comunidade acadêmica da UFV, nos seus três campi (Viçosa, Florestal e Rio Paranaíba),
responderam à pesquisa. O esforço reflexivo, aqui pretendido, envolveu a realização de
discussões individuais e coletivas com distintos membros da comunidade acadêmica da UFV,
alunos, professores e funcionários, buscando avaliar os aspectos simbólicos e cognitivos
associados pelos distintos públicos ao processo de avaliação institucional e o conteúdo
das questões do instrumento. Esta análise viabilizou, por fim, a produção de subsídios para
aperfeiçoar o instrumento que virá a ser aplicado na próxima avaliação institucional da UFV.

Palavras-chave: gestão pública; avaliação institucional; universidade pública.

34. Construção de processos autoavaliativos no ensino


na modalidade a distância: uma experiência envolvendo
a parceria entre gestores e CPA
Universidade Cruzeiro do Sul (Unicsul)

Sônia Maria Menezes Martinho, Alessandra Fabiana Cavalcante, Vilma Silva Lima

RESUMO

Pretende-se, neste trabalho, socializar uma experiência bem sucedida na autoavaliação


do ensino na modalidade a distância, na qual foi possível se aliar a capacidade técnica
de elaboração de instrumentos, sistematização, análise e apresentação de resultados com
um trabalho em parceria entre Comissão Própria de Avaliação (CPA) e gestores em todas
as etapas do processo: a avaliação das disciplinas 100% online dos cursos de graduação
presencial. Tratou-se de um processo autoavaliativo, no qual equipes de trabalho (CPA
e gestores da área) dialogaram em todas as suas etapas, empenhadas em conhecer a
avaliação que tutores e alunos faziam das disciplinas online dos cursos de graduação da
universidade à ocasião. O objetivo é o de demonstrar a importância do envolvimento dos

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
123
gestores no processo autoavalitivo e a possibilidade de que seja resguardada e valorizada a
autonomia da CPA neste processo.

O envolvimento dos gestores, no processo autoavaliativo em pauta, foi possível pela


construção de uma abordagem da CPA, que se inicia com um estudo aprofundado das
realidades, mais ampla e mais restrita do objeto da autoavaliação. A partir daí, foi possível
iniciar-se o processo de aproximações sucessivas, que a construção desta autoavaliação
demandou. Desde as primeiras discussões para a definição do projeto, passando pela
elaboração, pela operacionalização e chegando à análise dos resultados, a CPA trabalhou
envolvendo os gestores e suas equipes.

O modelo de avaliação institucional da Universidade Cruzeiro do Sul fundamenta-se


nos paradigmas empírico-analítico, que privilegia a abordagem quantitativa, e
socioantropológico, que privilegia a abordagem qualitativa. Assim, é uma abordagem
crítico-dialética que, sob uma perspectiva histórica, permite o cruzamento dos dados
quanti e qualitativos com vistas a uma análise que considera, a todo tempo, a relação
entre a totalidade e as particularidades. Considera, de um lado, os parâmetros legais para a
autoavaliação no ensino superior e, de outro, a realidade específica da gestão institucional
e dos sujeitos envolvidos. O que se busca no processo autoavaliativo é, não apenas a
produção de resultados, mas também uma cultura autoavaliativa. Além dos resultados
do processo autoavaliativo (avaliação que tutores e alunos fazem das disciplinas 100%
online), compreende-se também como saldo do processo autoavaliativo a capacidade de a
CPA sensibilizar e dialogar com os gestores em todas as etapas do processo. A autonomia
da CPA não deve representar isolamento. A qualidade dos processos autoavaliativos
está assentada não apenas na competência técnica, mas também na capacidade de
interlocução da CPA com os gestores e suas equipes: conhecendo profundamente o objeto
do processo autoavaliativo, permitindo que os gestores opinem, debatendo essas opiniões
desde o momento do planejamento, passando pela elaboração de instrumentos, pela
operacionalização da aplicação e chegando à análise dos resultados obtidos. Acredita-se
que esta interlocução pode contribuir para que os resultados dos processos autoavaliativos
sejam compreendidos e apropriados no planejamento da gestão institucional.

Palavras-chave: processo autoavaliativo na modalidade a distância; diálogo entre CPA e


gestores; gestão institucional.

124 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
35. Desenvolvimento de estratégias de sensibilização:
considerações acerca da identidade institucional e sua
importância no estabelecimento da cultura avaliativa
Universidade Federal de Itajubá (Unifei)

Márcia de Souza Luz Freitas, Cibele Faria Cunha, Alexandre Augusto Barbosa, Edmilson
Marmo Moreira, Ricardo Shitsuka, Cleide Beatriz Gomes dos Reis, Fábio Vieira Lacerda

RESUMO

Após oito anos da instalação das Comissões Próprias de Avaliação (CPA), em decorrência
da implantação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), há
instituições que ainda têm dificuldade em estabelecer uma cultura avaliativa. A
autoavaliação é vista apenas como uma das instâncias avaliativas desse sistema, cuja
função regulatória se sobrepõe à possibilidade que ela abre para o autoconhecimento
e para o provimento de subsídios que auxiliem à elaboração do planejamento
institucional e à tomada de decisões. O objetivo deste trabalho é relatar as barreiras
encontradas pela CPA no processo de sensibilização da comunidade acadêmica, em
busca de adesão e comprometimento dos vários segmentos que a compõem. Analisa,
a partir da identidade institucional, os fatores e as circunstâncias que impedem o
estabelecimento de uma cultura avaliativa e propõe estratégias de ação que deem
mais legitimidade ao trabalho desenvolvido. A Instituição Federal de Ensino Superior
(Ifes) em questão, embora pública, tem particularidades que a diferenciam da imagem
formada pelo senso comum em relação a universidades públicas. O relato é descritivo,
com foco nas ações que instigam a participação mais ativa da comunidade acadêmica.
Para a análise, determinam-se como categorias: a) a experiência autoavaliativa, que
busca resgatar situações e posturas de autoavaliação anteriores à formação da CPA; b) o
ideal de autoavaliação, que congrega as expectativas dos segmentos envolvidos quanto
ao processo autoavaliativo; c) o processo factual da autoavaliação, que descortina
o cenário delineado pelas respostas obtidas quando da aplicação do instrumento
avaliativo e desvela os mecanismos de resistência. A fundamentação teórica, desse
modo, está sustentada na qualidade em avaliação e na construção da subjetividade para
a identificação desses atores e a caracterização tanto do modo em que eles se inserem

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
125
no cotidiano da instituição quanto do discurso que os legitima em seu papel social. As
principais conclusões que este estudo proporcionou são: o desenvolvimento de uma
cultura avaliativa pode amenizar a resistência e o descrédito que se observam em todas
as etapas do processo de autoavaliação; os mecanismos de resistência, que incluem
a manutenção de instrumentos autoavaliativos paralelos, mas desconectados da CPA,
demonstram a não aceitação do olhar externo; a importância dada ao trabalho da CPA
tende a ser proporcional ao grau de conhecimento que os segmentos envolvidos têm
tanto sobre a necessidade do exercício de autoavaliação quanto sobre a criação e o
fortalecimento da identidade institucional.

Palavras-chave: autoavaliação institucional; Comissão Própria de Avaliação (CPA);


estratégias de sensibilização.

36. Estruturação e estratégia de trabalho de


CPA em grandes universidades
Universidade Bandeirante Anhanguera (Uniban)

Camillo Anauate-Netto, Oswaldo Rodrigues Júnior, Paulo Celso Pardi, Maria Rita Aprile

RESUMO

A autoavaliação de uma instituição de ensino superior deve perceber a eficiência e a


consonância daquilo que é executado no ensino, na pesquisa e na extensão com o seu
Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI). Todos os atores inseridos nessa comunidade
devem estar cientes e consonantes nessa filosofia de atuação. A Comissão Própria de
Avaliação, instituída pela Lei nº 10.861, de 14 de Abril de 2004, com as atribuições de
condução dos processos de avaliação internos da instituição, de sistematização e de
prestação das informações solicitadas pelo Inep, tem seu próprio estatuto ou regimento
e deve assegurar a participação de todos os segmentos da comunidade universitária e
da sociedade civil organizada e ter atuação autônoma em relação a conselhos e a demais
órgãos colegiados existentes na instituição de educação superior. As Comissões Próprias
de Avaliação em grandes instituições de ensino superior apresentam uma grande

126 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
dificuldade de atuação devido à grande quantidade de estudantes, funcionários, campi
e cursos. Relatamos, neste trabalho, uma estratégia de ação para CPA em “universidades
multicampi”, propondo um modelo de atuação em subcomissões, o que possibilita
atuar próximo da sua realidade e maior facilidade de sensibilização e diagnóstico das
potencialidades e fragilidades, com maiores condições de propor um eficiente plano de
ação. Dessa forma, cada unidade de ensino e pós-graduação possuem uma subcomissão
da CPA “padrão” atuando em rede com as CPA das outras unidades e a CPA central.
As subcomissões trabalham com os dados avaliados pela comunidade acadêmica,
coletados no Programa de Autoavaliação Institucional (PAI), que é uma excepcional
ferramenta online de coleta e análise estatística, e gera o índice de satisfação discente e
docente item por item, de cada unidade. As subcomissões se reúnem quinzenalmente,
focadas na sua unidade e compartilham suas realidades e experiências individuais,
que, neste momento, se integram e são aproveitadas por todas as outras subcomissões
nas reuniões mensais com CPA central. Este trabalho é coordenado pela CPA central
que, ao final do período, recebe de todas as subcomissões os diagnósticos e planos
de melhorias e elabora relatório circunstanciado único e consistente, que é enviado à
reitoria. O modelo de sensibilização que adotamos para o entendimento e envolvimento
da comunidade acadêmica é o que chamamos de “sensibilização em cascata”. É feita
como parceria do diretor da unidade, que se torna parceiro do trabalho, e credibiliza os
coordenadores das subcomissões a sensibilizar os coordenadores de curso, docentes,
funcionários, discentes e comunidade. Os representantes de cada um destes grupos
da comunidade acadêmica tornam-se parceiros, junto aos seus pares, no processo de
sensibilização. A CPA produz como material de sensibilização cartazes explicativos, que
são afixados em todos os murais do campus, e um selo da CPA, que sinaliza todas as
benfeitorias realizadas em função da atuação da CPA. Essa estratégia contempla uma
postura definida quanto à constituição da Comissão e sua representação, infraestrutura,
divulgação, execução, sinalização de melhorias e acompanhamento, que, em curto
espaço de tempo, já está criando uma postura mais participativa da comunidade e
sedimentando uma séria autoavaliação.

Palavras-chave: Comissão Própria de Avaliação; autoavaliação institucional; educação


superior.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
127
37. Experiências estratégicas da Comissão Própria
de Avaliação da Universidade de Ribeirão Preto
Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp)

Neide Aparecida de Souza Lehfeld, Edilson Carlos Caritá, Manoel Henrique Cintra Gabarra,
Yara Teresinha Corrêa Silva Sousa

RESUMO

Tendo como finalidade atender a sua missão e à manutenção de um ensino de qualidade, a


Universidade de Ribeirão Preto realiza, historicamente, processos avaliativos internos. Sendo,
em 1999, instituída a Comissão Executiva de Avaliação Institucional (Ceai) e transformada
em Comissão Própria de Avaliação (CPA), em 2004, considerando as exigências da Lei n°
10.861 de 14de abril de 2004. O objetivo do presente trabalho é apresentar as experiências
e os limites nos processos de autoavaliação da Comissão Própria de Avaliação de uma
instituição de ensino superior (IES) privada, do interior do estado de São Paulo, à luz das
exigências do Ministério da Educação e das ações estratégicas acadêmico-administrativas
das instâncias decisórias da IES. Procuramos encontrar uma estratégia para que o trabalho
da CPA e seus resultados fossem reconhecidos pelos gestores da universidade, legitimando
seu papel e sua importância. Para isso, buscam-se, continuamente, esclarecimentos e
compreensão dos processos avaliativos do Sinaes e dos indicadores para a regulamentação
e supervisão dos cursos da instituição. Isso faz com que a CPA tenha status e valoração,
fazendo-se importante no planejamento da universidade, passando a ser referência para
análises estatísticas e para conhecimento da posição da universidade, no contexto da
educação superior do país e do mundo. Tem como principais tarefas a avaliação institucional,
a avaliação docente e a avaliação de cursos de graduação e pós-graduação lato sensu.
Buscou-se, junto ao setor de tecnologia da universidade, o desenvolvimento de ferramentas
computacionais para auxiliar suas atividades, implementando um sistema de informação
para atender aos processos avaliativos. As questões que compõem os instrumentos foram
elaboradas coletivamente entre seus membros e a comunidade acadêmica. A avaliação
docente ocorre semestralmente e o instrumento contempla questões que versam sobre
aspectos didático-pedagógicos, postura ética e colaborativa dos docentes, utilizando
como métrica a escala de Likert. O aluno responde ao instrumento através de um sistema

128 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
online, com a possibilidade de visualização dos resultados, pelo docente, por meio de
outro sistema online. Essa dinâmica também é utilizada na realização da autoavaliação
institucional, que possui uma periodicidade maior e envolve toda a comunidade da
instituição, com a socialização dos resultados através de relatórios. Para a avaliação dos
cursos de graduação e pós-graduação, utiliza-se outra ferramenta, denominada Qualtrics.
A avaliação de cursos proposta pela CPA considera que cada curso deve criar seu próprio
questionário, focado nas especificidades do respectivo curso. Após a análise dos resultados
e a socialização aos coordenadores de curso, há a devolutiva desses, por meio de um plano
de ações para atender às principais deficiências. Os mesmos procedimentos são realizados
para avaliação dos cursos de pós-graduação lato sensu. Ressalta-se que a elaboração do
Plano de Desenvolvimento Instituicional (PDI) e de estudos sobre os indicadores avaliativos
do Ministério da Educação também são funções dessa CPA. Todas as ações resultantes dos
processos avaliativos internos e externos são discutidas com a gestão da IES e previstas no
PDI. A Universidade de Ribeirão Preto sempre esteve aberta a mudanças, visando consolidar
os processos de formação profissional com qualidade. Mesmo assim, a implantação da CPA
significou uma mudança na sua cultura organizacional em termos de gestão institucional.

Palavras-chave: Comissão Própria de Avaliação; processos avaliativos; estratégias de


avaliação.

38. O processo de comunicação como canal de divulgação


e elemento de envolvimento da comunidade institucional
Universidade Cruzeiro do Sul (Unicsul)

Mauro Sérgio Teixeira de Araújo, Alessandra Fabiana Cavalcante

RESUMO

Este trabalho tem por objetivo apresentar o processo de comunicação e envolvimento da


comunidade institucional, realizado na Universidade Cruzeiro do Sul, buscando caracterizar
os aspectos operacionais, objetivos e os resultados relacionados aos diferentes projetos
que integram esse processo. Em linhas gerais, o processo de comunicação visa a estabelecer
e sistematizar a comunicação entre a área da avaliação institucional (AI) e os diversos

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
129
segmentos institucionais, divulgando informações gerais, andamento e resultados dos
projetos autoavaliativos desenvolvidos e previstos em documento orientador que compõe
uma síntese da proposta geral da AI, coordenada pela CPA da instituição e em consonância
com o seu PDI. O processo de comunicação possui um enfoque qualitativo por ser baseado
na interação entre pessoas e nas informações da área de avaliação institucional com
os demais profissionais da comunidade acadêmica, envolvendo a utilização de diversos
canais de comunicação, com destaque para reuniões presenciais, das quais participam
núcleos específicos da própria CPA. Outra parte é realizada por encontros com membros
das diversas áreas da instituição, de maneira a planejar ações previstas no processo, dar
continuidade a sua operacionalização, além de divulgar resultados de trabalhos concluídos.
Complementando os canais de divulgação, temos ainda publicações, como cadernos
de resultados, folders e banners. Há também divulgações de informações por meios
eletrônicos, como sites, espaços específicos de acesso de alunos e professores, plataforma
do Ambiente Virtual de Aprendizagem e os aplicativos de acessos móveis, visando a atingir o
maior público possível. Tendo em vista o paradigma crítico-dialético, que embasa o percurso
metodológico da área de avaliação institucional e da CPA da Universidade Cruzeiro do Sul,
as ações previstas no processo de comunicação buscam consolidar a cultura avaliativa na
instituição, reforçando a relevância de amplo envolvimento e participação de todos os
segmentos institucionais. Esta opção metodológica proporciona maior legitimidade ao
conjunto de processos e projetos desenvolvidos. Pela sua natureza qualitativa, também
encontramos amparo em teóricos da vertente socioantropológica, para os quais é
preciso levantar elementos de análise interpretativos e qualitativos. As diversas ações de
comunicação resultaram apenas, nos anos de 2012 e 2013, em sete reuniões ordinárias
convocadas pela CPA, sua participação em dezenas de outras reuniões, encontros com
centenas de professores e dezenas de coordenadores de cursos, elaboração e distribuição
de milhares de folders, além de numerosos acessos aos canais eletrônicos de divulgação
de informações. Todo esse material abrange um amplo leque de possibilidades para que
os trabalhos e resultados dos projetos autoavaliativos sejam conhecidos pela comunidade
acadêmica, o que nos permite concluir que o processo de comunicação da Universidade
Cruzeiro do Sul tem proporcionado aos diferentes segmentos acadêmicos a compreensão
da abrangência, fundamentos, projetos e relevância do processo de avaliação institucional.
Neste sentido, oportuniza a sensibilização destes segmentos para que participem, de
maneira consciente, das ações avaliativas, favorecendo seu adequado envolvimento

130 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
nos processos e projetos desenvolvidos, aspecto essencial para que se possa legitimar o
processo avaliativo, na medida em que os próprios participantes devem perceber-se como
beneficiários diretos do processo, e não entendê-lo como um procedimento meramente
técnico e burocrático.

Palavras-chave: processo de comunicação; legitimação da avaliação institucional;


envolvimento da comunidade acadêmica.

39. O tear de Penélope: impressões sobre comissão


própria de autoavaliação como instrumento para gestão
Faculdades da Fundação de Ensino de Mococa (FaFem)

Luciano Plez de Melo

RESUMO

A partir dos relatórios de autoavaliação institucional produzidos por Comissão Própria


de Autoavaliação(CPA), buscaremos refletir sobre aspectos da composição da CPA como
espaço de interlocução entre as diversas instâncias e atores institucionais e co-propositor de
políticas de gestão. Os relatórios referem-se a ciclo avaliativo compreendido entre o período
de 2008 e 2011 de instituição de ensino superior situada na cidade de Mococa, interior do
estado de São Paulo. A atenção a tais relatórios e à instituição em questão decorre do fato
de esta manter-se com status de Faculdades Isoladas há trinta e oito anos no município,
constituída pelo poder público e caracterizada como instituição pública. A instituição,
desde 1986, vinculava-se ao Conselho Estadual de Educação do estado de São Paulo. A
constituição da Comissão Própria de Autoavaliação coincide com processo de mudança de
manutenção da instituição, iniciado no ano de 2007, culminando com a alteração de sua
personalidade jurídica e, consequentemente, com a mudança de jurisdição de ensino e
de migração ao sistema federal, processos iniciados em 2010 e em trâmites. A prática de
autoavaliação na instituição é anterior a tais processos, porém, em virtude da migração
entre sistemas de ensino e da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, grafa-se na instituição
a necessidade legal de construção da CPA como lócus autônomo avaliativo, de interlocução

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
131
e proposição de políticas, promovendo distensões entre o que fora instituído como prátics
de gestão e o atendimento à legislação vigente. As distensões tencionam e deslocam as
relações de autoridade, culminando com momentos de resistência à autonomia necessária
e legalmente consentida.

Palavras-chave: CPA; gestão; autoridade.

40. Um olhar sobre as estratégias e metodologia de


trabalho da Comissão Própria de Avaliação da
Universidade Vila Velha: um relato de experiência
Universidade Vila Velha (UVV-ES)

Cristiano Biancardi, Marcelo Oliveira Camponez

RESUMO

Este trabalho objetiva problematizar e socializar os múltiplos movimentos criados pela


Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Universidade Vila Velha, Espírito Santo (UVV-ES),
na construção de sua metodologia de trabalho, focada em indicadores quantitativos e
qualitativos, de forma a contemplar na avaliação os diferentes processos de desenvolvimento
do planejamento estratégico, favorecendo as tomadas de decisões. Como referencial
teórico, utiliza Dias Sobrinho (1994, 2003), Balzan e Dias Sobrinho (2000), Bertelli e Eyng
(2004), Schmidt e Nez (2012) e a Lei nº 10.861/04, que regulamenta o Sistema Nacional
de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). A autoavaliação da UVV-ES teve início, antes
do estabelecimento do Sinaes, com o objetivo de desenvolver ações contínuas e vem
passando por uma etapa de amadurecimento, principalmente, após a instalação de sua
primeira CPA. Entende-se que, no processo de avaliação, existem duas categorias a serem
examinadas: na primeira, estão as informações relativas à inferência de qualidade de
processos, que são obtidas por meio dos questionários de avaliação institucional; e, na
segunda, estão as informações relativas ao cumprimento do Plano de Desenvolvimento
Institucional (PDI), que são obtidas em relatórios setoriais. A CPA reconhece o instrumento
de avaliação institucional externa como um orientador dos aspectos que compõem o
Sinaes e o PDI como a materialização do plano estratégico da instituição. Por isso, mapeou
as metas do PDI para cada item das dez dimensões desse instrumento. Para cada meta do

132 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
PDI, destacou os setores responsáveis por sua implementação; estabeleceu um conjunto
de indicadores que permitem acompanhar o cumprimento das metas do PDI; fez um
mapeamento dos dados necessários para geração de cada indicador; ordenou esses dados
por áreas de responsabilidade; desenvolveu diferentes modelos de relatórios, um para
cada área envolvida, e definiu a frequência de atualização. Os questionários de avaliação
são aplicados nas datas previstas no calendário acadêmico da instituição e, a seguir, os
dados são tabulados. Quanto aos relatórios, a CPA envia para cada área o modelo e, após
receber os dados, gera os indicadores gerenciais. De posse das informações advindas dos
questionários de avaliação e dos relatórios das diversas áreas da instituição, a CPA gera
seus relatórios parciais e, através deles, analisa os pontos fortes e fracos da Universidade
Vila Velha, assim como propõe possíveis soluções para os problemas encontrados. Por
fim, é feita a divulgação e a discussão dos resultados nos Conselhos, nas Câmaras e nos
Colegiados, além da promoção de reuniões com os setores envolvidos. Como resultados,
foi possível verificar quais as metas presentes no PDI estão sendo cumpridas de maneira
satisfatória e as que precisarão de mais atenção aos seus processos. Isso tem direcionado
a UVV a rever suas ações, prioridades e investimentos. Além disso, tem servido de base
para revisão contínua do PDI. Com essa metodologia, é possível assegurar uma avaliação
fidedigna, realçando as especificidades que marcam a instituição, viabilizando a utilização
de indicadores diagnósticos que contribuem para uma análise mais substancial da realidade
retratada no instrumento de avaliação institucional externa. Considera, também, que essa
metodologia necessita de aprimoramento contínuo.

Palavras-chave: CPA; avaliação institucional; metodologia de trabalho.

Região Sul

41. A Comissão Própria de Avaliação na


Universidade Federal do Paraná
Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Robson Tadeu Bolzon, Lairdes Figueredo Cheke, Maria Aparecida Zehnpfennig Zanetti,
Salette Aparecida Franco Miyake

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
133
RESUMO

O objetivo deste trabalho é apresentar os dados disponíveis da Comissão Própria


de Avaliação (CPA) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), mostrando um breve
histórico das atividades, da estrutura e da participação de seus membros. São relatadas
as experiências com relação aos instrumentos de avaliação e as suas características, as
estratégias de sensibilização da comunidade, os procedimentos de sistematização e a
divulgação dos resultados. A primeira CPA foi instituída na UFPR em junho de 2004. Essa
comissão estruturou o Projeto de Autoavaliação Institucional e a minuta do regimento
que foi apreciado e aprovado em maio de 2005 pelo órgão colegiado de regulamentação
máxima, o Conselho Universitário (Coun). O Regimento da CPA/UFPR trata de suas
finalidades e competências, composição e duração do mandato de seus membros e de sua
dinâmica de funcionamento. Desde 2005, ela é constituída por ato do dirigente máximo
da instituição, o reitor, sendo composta por 10 membros, com oito representantes da
comunidade acadêmica (administração, docentes, técnico-administrativos e discentes,
todos em igual número) e dois da sociedade civil, não sendo permitida a existência de
maioria absoluta por parte de qualquer um dos segmentos representados. Os membros
tem mandato de dois anos, podendo ser reconduzidos. Em 2006, foi elaborada uma nova
versão do Projeto de Autoavaliação Institucional, instituído o logotipo da CPA e criado o
Grupo Executivo de Avaliação Institucional, integrado pelos representantes das unidades
e dos setores administrativos. Esses representantes participaram da construção do
instrumento de pesquisa e foram responsáveis pela avaliação institucional na sua unidade.
No ano de 2007, a Comissão conduziu a aplicação de um instrumento de avaliação. Entre
os anos de 2009 e 2011, trabalhou com a análise dos relatórios de avaliações efetuados
pelas unidades. Em 2012, foi responsável pela revisão, por meio de análise fatorial, e
reformulação do instrumento de avaliação. A nova pesquisa foi aplicada na comunidade
acadêmica e na sociedade civil. Os resultados foram analisados e apresentados em
relatório. Atualmente, a CPA/UFPR está revisando o instrumento de avaliação de 2012 e
se prepara para a sua aplicação. Ao longo dos anos, a Comissão Própria de Avaliação tem
trabalhado e atuado com autonomia e contado com o apoio da administração superior da
UFPR para a disponibilização de infraestrutura e pessoal para a execução das diferentes
ações de avaliação interna da universidade.

Palavras-chave: histórico; composição; avaliação interna.

134 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
42. A Articulação entre avaliação e planejamento:
a experiência da CPA na PUCRS
Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Alam de Oliveira Casartelli, Marion Creutzberg, Alessandra Maria Scarton, Clarissa Lopes
Bellarmino, Nádia Sá Borges, Roberto Hubler, Dario Anschau, Ana Lucia Souza de Freitas,
Juliana Bernardes Marcolino, Afonso Strehl, Elaine Bauer Veeck, Marta Voelker, Márcio Vinícius
Fagundes Donadio, Maria Inês Corte Vitória, Carmem Sanson, Elaine Turk Faria, Alexandre de
Mello Zart, Hélio Radke Bittencourt Ana Paula Bragaglia Acauan, Edison Faller Pereira

RESUMO

O processo de autoavaliação na Pontifícia Universidade Católica do Rio grande do Sul


(PUCRS) tem início na década de 1970. No entanto, com o advento do Sinaes (Sistema
Nacional de Avaliação da Educação Superior), em 2004, os processos de avaliação
interna foram redefinidos, conforme as novas exigências legais. A Comissão Própria de
Avaliação (CPA) foi instituída e assumiu a condução das avaliações na universidade. Ao
longo do período, consolidaram-se os métodos e os fluxos dos processos avaliativos,
bem como a articulação da avaliação com o planejamento institucional da PUCRS,
reforçando a avaliação como uma importante ferramenta de gestão. No intuito de relatar
essa experiência da PUCRS, alinhada ao Sinaes, e a articulação dessa com os processos
de planejamento estratégico da universidade é que foi desenvolvido este artigo.
Trata-se de um relato de experiência baseado em documentos institucionais como o
Plano de Autoavaliação Institucional, o Plano de Desenvolvimento Institucional, o Plano
Estratégico, os relatórios de autoavaliação e as atas e registros de reuniões da CPA. Os
resultados indicam o amadurecimento por parte da PUCRS no desenvolvimento de seus
processos avaliativos. A utilização dos resultados de avaliação como uma ferramenta
efetiva para o processo de gestão e planejamento da universidade constitui-se em
aprendizado contínuo. Contudo, novos desafios estão presentes, como articulação
crescente entre os resultados de avaliações e outros diagnósticos estratégicos da
Instituição, criando uma cultura permanente de reflexão e análise estratégica por parte
dos diferentes níveis de gestão. Percebe-se que, em algumas instâncias, esta prática é
mais comum e sistêmica. Por outro lado, como em qualquer instituição de grande porte,

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
135
avançar neste processo faz com que a CPA e a Assessoria de Planejamento trabalhem de
forma a identificar avanços possíveis e fomentar o compartilhamento de experiências
entre os diferentes gestores da Universidade.

Palavras-chave: avaliação institucional; planejamento estratégico; educação superior;


Comissão Própria de Avaliação.

43. A atuação da Comissão Própria de Avaliação como


instrumento de gestão de uma instituição de educação
superior
Centro Universitário Metodista (IPA)

Luciane Torezan Viegas, Marlis Morosini Polidori, Janile Daniel Moiano Silva

RESUMO

A Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Centro Universitário Metodista (IPA) foi criada em
2004 a partir das exigências do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes).
É importante destacar que os processos avaliativos do IPA acontecem desde a década de
1990, tendo como base várias experiências advindas da própria instituição. A composição da
CPA seguiu as regras dessa lei, no entanto, é importante evidenciar que a representatividade
dos diversos segmentos da comunidade universitária foi alcançada com relevância, sem
caracterizar-se por uma simples designação. A CPA do IPA possui a seguinte representação:
quatro representantes discentes, quatro docentes, quatro técnico-administrativos, dois
membros da sociedade civil, um membro da Pastoral Universitária do IPA, um membro da
Coordenadoria de Avaliação Institucional do IPA e por um presidente. De acordo com o Sinaes,
a CPA está instalada na instituição de forma autônoma em relação às demais instâncias da IES,
estando, em seu organograma, como instância de apoio à reitoria. Dessa forma, consegue
desenvolver o seu trabalho com autonomia, sem prescindir do fluxo acadêmico-administrativo
que é dado, principalmente, pela Coordenadoria de Avaliação Institucional, órgão existente
na IES com o objetivo de suportar e operacionalizar os processos de avaliação internos do
IPA. Ainda, a CPA do IPA recebe apoio da Coordenadoria de Graduação, no que diz respeito
ao suporte necessário para a disseminação das ações avaliativas aos coordenadores de

136 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
graduação, aos docentes e aos discentes, sendo este um instrumento de gestão acadêmica.
Recebe apoio de outros setores para a ampliação da divulgação das práticas avaliativas e,
principalmente, de seus resultados através de instalação de banners na instituição, no portal
institucional e nas redes sociais. A autoavaliação institucional acontece semestralmente,
dividindo-se em avaliação do docente, avaliação do curso e avaliação da infraestrutura, sendo
que todos os quesitos são avaliados pelos docentes e discentes. Ainda, há avaliação dos técnico-
administrativos, que inclui os gestores. A metodologia é realizada através da aplicação de
formulários de avaliação pelo sistema Práxis, que permite uma grande variação de composição
de perguntas divididas em dimensões– estabelecidas nos formulários de avaliação do Inep.
Esse sistema permite o acesso aos resultados no dia seguinte ao encerramento da avaliação.
Esses são disponibilizados aos gestores, coordenadores de cursos e docentes. Aos discentes, os
resultados são retrabalhados e posteriormente divulgados pela IES. Como consequência dessas
articulações, a CPA vem atuando de forma efetiva nas práticas acadêmicas e administrativas da
IES, caracterizando-se como um organizador qualificado (Morosini; Leite, 1997) que possibilita
que as ações da CPA tornem-se instrumentos de gestão (Escott; Polidori, 2010), colocando
em prática os resultados obtidos no desenvolvimento das avaliações internas. Os resultados
vêm possibilitando que os diversos setores da IES obtenham melhorias tanto em relação aos
equipamentos e acervos necessários quanto na melhoria de processos de desenvolvimento.
Observa-se que as melhorias vêm sendo crescentes e, o mais importante, buscando atender
às demandas da comunidade acadêmica na instalação de uma cultura de qualidade (OCDE,
2008).

Palavras-chave: Comissão Própria de Avaliação; representação; gestão; cultura de


qualidade.

44. A Comissão Própria de Avaliação (CPA) da


Universidade de Cruz Alta (Unicruz) como instância
executiva da avaliação institucional
Universidade de Cruz Alta (Unicruz)

Angélica Teixeira Rissi, Daniele Furian Araldi, Lia da Porciuncula Dias da Costa, Luciano
Nazário, Márcia Cristina Gomes Rodrigues, Maria Christina Schettert Moraes, Solange
Beatriz Billig Garces

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
137
RESUMO

O objetivo principal é resgatar o processo de autoavaliação ocorrido na Unicruz, até a


presente data, identificando suas lacunas e/ou fragilidades que provocaram e provocam
ajustes e adequações, tornando-o mais significativo. Realizou-se um levantamento
documental em relatórios, atas e outros registros legais pertinentes à CPA. A avaliação
interna é vista na instituição como parte integrante do processo pedagógico institucional,
pois ao se avaliar e explicitar os resultados desta ampliam-se as possibilidades de
definir os rumos da instituição, através de um espaço de discussão coletiva. A pesquisa
demonstrou que o marco legal da regulamentação da autoavaliação na universidade
é de 2006, quando se constituiu a CPA. Era um momento de readequação da própria
Unicruz, que passou por um período de intervenção judicial (2005 a 2007), que a fez (re)
avaliar todos os seus processos. Em anos anteriores, a instituição apresentou ações de
autoavaliação, em diferentes cursos e setores, com maior evidência na área pedagógica,
contudo, só a partir de 2006, a CPA se organiza como foro de execução e discussão da
avaliação interna. A intervenção judicial acaba em 2007. Nesse período, a instituição vai
organizando seus setores pedagógicos e administrativos. No ano de 2010, há uma (re)
avaliação da própria CPA com a readequação dos instrumentos para atender às 10 (dez)
dimensões propostas pelo Sinaes. Atualmente, o maior objetivo da CPA é fortalecer a
cultura avaliativa na comunidade acadêmica, visando ao fortalecimento da instituição
interna e externamente. Conclui-se que a avaliação na IES é um constante processo de
vir a ser.

Palavras-chave: ensino superior; avaliação interna; Comissão Própria de Avaliação.

45. Avaliação docente: caminhada para a mudança


Universidade Feevale (FEEVALE)

Marcelo Marques Soares, Adriel Scheffer Amado, Ana Maria Argenton Woltz, Claudia
Denicol Winter, Marta Oliveira dos Santos, Tereza Cristina Gazzotti Mayborod, Uelinton
Telmo Ermel

138 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
RESUMO

A avaliação docente em instituições de ensino superior é uma ferramenta fundamental


na busca pela qualidade do ensino, visto que propicia aos gestores uma análise
do seu quadro docente e aos professores, de suas ações pedagógicas. Um dos
aspectos essenciais nesse processo é o envolvimento dos acadêmicos e, para isso, os
diversos contextos educacionais têm o desafio de motivá-los a participar, de forma
representativa, da avaliação dos seus professores. Na Universidade Feevale, a avaliação
docente é realizada desde 1994 e, no transcorrer dos anos, constatou-se o declínio na
participação dos estudantes, o qual originou o presente estudo, que teve como objetivo
identificar as causas dessa baixa adesão e promover o aumento da participação do
corpo discente nesse processo de avaliação. Para isso, foram formados grupos focais,
com acadêmicos e professores, que, em reuniões mediadas pela CPA, discutiram,
sugeriram e subsidiaram a elaboração de um plano de ações participativo. As ações
de recuperação iniciaram-se no ano de 2010 e, a partir daí, observou-se um aumento
significativo da adesão dos estudantes, passando da faixa de 30% para 90%. Além do
aumento do número de participantes na avaliação, também se constatou a melhora
da satisfação dos estudantes com seus professores. Por meio deste estudo, pode-se
concluir também que a participação coletiva nas discussões sobre os processos de
avaliação institucional, especificamente a avaliação docente, além de oportunizar a
vivência democrática contribuiu para a conscientização dos acadêmicos sobre o seu
papel na busca pela melhoria na qualidade do ensino.

Palavras-chave: avaliação docente; cultura de mudança; avaliação institucional.

46. Avaliação institucional: a trajetória na Unijuí


Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí)

Magna Stella Cargnelutti Dalla Rosa, Marileide Regina Schiavo, Patricia Spilimbergo, Lurdes
Marlene Froemming, Dionei Fábio Buske, André Gagliardi, Eleandro Lizot

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
139
RESUMO

A Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí) é uma


universidade comunitária e, como em todo projeto coletivo e participado, a avaliação é
um dos pilares do seu planejamento. A história de avaliação dessa instituição evidencia o
compromisso com uma prática de reflexão e de sistematização da atuação universitária em
suas diferentes dimensões, sustentada no princípio democrático, no diálogo e na interação no
âmbito da comunidade interna e da comunidade externa. Este artigo visa apresentar e pensar
o processo de avaliação institucional da Unijuí desde a sua origem, com ênfase nas políticas
de avaliação da educação superior estabelecidas pela lei do Sinaes, Lei nº 10.861, de 2004.
Uma diversidade de metodologias é utilizada nas diferentes unidades institucionais, em que
cada uma dentro do seu contexto, da sua área e experiência faz a avaliação. No entanto, há
metodologias comuns, com destaque para o programa institucional de avaliação docente,
que engloba a avaliação docente pelo aluno, a autoavaliação docente e a avaliação pelos
pares. Junto aos técnico-administrativos e de apoio acontece a avaliação de desempenho
anual. Outra metodologia consiste na dinâmica de cada unidade desenvolver anualmente
uma análise em relação às potencialidades, às fragilidades e aos resultados do ano anterior,
e, também, estabelecer perspectivas para o próximo ano. Essa análise objetiva possibilitar
aos sujeitos reverem seu planejamento, a evolução e as fragilidades remanescentes que
precisam ser enfrentadas, além de estabelecer novas perspectivas, permitindo ainda
identificação de resultados institucionais. No âmbito da avaliação externa, agregam-se
Pesquisa de Imagem da Unijuí e análise dos pareceres dos avaliadores do MEC relativos aos
processos de reconhecimento e renovação de reconhecimento dos cursos de graduação.
A discussão teórica toma por base a legislação que regulamenta a educação superior no
contexto do Sinaes, os documentos, a produção interna da Unijuí no âmbito da avaliação e
os teóricos José Dias Sobrinho e Denise Leite. Como resultados, os documentos evidenciam
que a avaliação na Unijuí possibilitou a criação de um conjunto de políticas institucionais
no âmbito acadêmico e administrativo, permitindo adequações e melhorias nos processos
da instituição, tanto nos aspectos pedagógicos dos cursos quanto na infraestrutura física
da universidade. Para exemplificar, destaca-se a implementação do Programa de Formação
Continuada dos Professores, do Programa de Avaliação Docente, do Programa Egresso, do
fortalecimento da Educação Continuada e da criação do Mestrado em Direitos Humanos,
entre outros. Assim, na Unijuí, a avaliação e o planejamento estão articulados, fato que

140 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
se evidencia por um conjunto de questões registradas nos relatórios de autoavaliação
institucional pela CPA e que foram contempladas no planejamento institucional, na medida
do possível, por meio de política institucional ou com o atendimento das demandas.

Palavras-chave: planejamento; avaliação; Unijuí.

47. Avaliação institucional e o desafio da implantação


da cultura da autoavaliação (autoavaliação e CPA)
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC)

Cleverson Tabajara Vianna

RESUMO

Avaliar e julgar fazem parte do cotidiano. O processo de avaliar não é ingênuo,


permeado não apenas por teorias, mas também por ideologias, é implicitamente
uma demonstração de poder, com diversas variáveis subjetivas, muitas das quais
incontroláveis, no processo de avaliação. O modelo brasileiro de avaliação institucional
do ensino superior compreende um universo robusto e complexo de instituições, onde
há coleções de exames intrincados e classificações transformadas em grandes eventos
da mídia. Envolvendo milhares e milhares de estudantes, centenas de instituições de
ensino superior (IES), a avaliação de cursos de graduação no Brasil é regulamentada
pelo governo, e conduzida pelo Conselho Nacional de Avaliação Superior (Conaes). O
objetivo deste trabalho é analisar e detalhar a implantação do processo de autoavaliação
das instituições de ensino superior no Brasil, contribuindo teoricamente para a revisão
do tema, evidenciando a cultura da autoavaliação, trazendo à tona as principais
dificuldades para a implantação das Comissões Próprias de Avaliação e apresentando
os possíveis pontos de contorno destas dificuldades, servindo, assim, de subsídio a
sua instalação e formação (contribuição prática). Percorrendo a história da avaliação
e trazendo o pensamento de muitos autores, este trabalho revisita o campo e os fins
da avaliação institucional em suas funções regulatórias e de aperfeiçoamento. Vale-se
de pesquisa bibliográfica, descritiva e qualitativa, utiliza o método de levantamento

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
141
de fontes primárias e secundárias, como relatórios, relatos, entrevistas e constatações
do autor (participante de CPA). Ainda com base em experiências documentadas em
artigos científicos e ação direta do autor na CPA, este trabalho destaca os desafios e as
soluções para a constituição das comissões, fornecendo uma contribuição prática para
a autoavaliação e as CPA. É um tema fascinante que gera múltiplas discussões, e que,
adequadamente conduzido, fornece informações úteis para as instituições que buscam
a excelência.

Palavras-chave: desafios do Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes);


autoavaliação institucional; Comissão Própria de Avaliação (CPA).

48. Avaliação institucional: uma análise dos


resultados em uma unidade descentralizada
da UFSM
Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Silvane Brand Fabrizio, Charlene Oliveira Trindade

RESUMO

Este estudo tem como objetivo analisar as estratégias criadas e as metodologias


adotadas para o trabalho da CPA-setorial da Universidade Federal de Santa Maria, no
(UFSM) Centro de Educação Superior Norte/RS, nos campi de Frederico Westphalen e
Palmeira das Missões. O Centro de Ensino atua nessas duas cidades e é composto por
uma Comissão Setorial de Avaliação (CSA), que conta com representantes dos seguintes
seguimentos: docentes; discentes; corpo técnico-administrativo em educação; e
sociedade civil de cada cidade. A Comissão é coordenada por um membro que faz parte
da CPA da UFSM. A Comissão Própria de Avaliação (CPA) da UFSM, órgão de apoio da
universidade, tem como função conduzir os processos de avaliação internos e externos
da instituição. A estrutura e o funcionamento dessa comissão são regulamentados, no
âmbito da UFSM, pela Resolução n.º 008/04, segundo orientações do Sistema Nacional

142 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). A avaliação tem como objetivo auxiliar a
instituição a identificar seus pontos fortes e fracos, seus potenciais e suas carências
gerais e setoriais. Dessa forma, o processo da autoavaliação destina-se a melhorar a
qualidade do ensino, articulando as áreas de pesquisa, graduação, pós-graduação,
extensão e gestão, tendo em vista a concepção da formação e da responsabilidade
social, nos termos definidos pelo Projeto Pedagógico Institucional. Para viabilizar
o processo, o Centro conta com o trabalho da CSA, instituída por uma portaria, com
representatividade de cada seguimento. Compete à Comissão Setorial de Avaliação
sensibilizar a comunidade acadêmica dos centros para os processos de avaliação
institucional, desenvolver o processo de autoavaliação na unidade, conforme o projeto
de autoavaliação da universidade e de orientações da CPA, participar das reuniões para
desenvolver suas atividades, sistematizar e prestar as informações necessárias para
a CPA, tendo como papel fundamental a execução da autoavaliação institucional e a
sensibilização de toda a comunidade acadêmica. Para tanto, desde o ano de 2007, a
CSA tem buscado desenvolver, através dos resultados obtidos nas avaliações, meios
para instrumentalizar as reformas institucionais, as mudanças necessárias nos Projetos
Pedagógicos, na estrutura organizacional, na gestão, no sistema educativo, nas questões
de pesquisa e nos compromissos de responsabilidade social. Essas ações afetam não
somente a instituição, mas também toda comunidade interna e externa, uma vez que as
estratégias adotadas pela Comissão partem da elaboração de um Plano de Ação anual,
pautado na análise e na interpretação dos conjuntos de dados armazenados a partir dos
resultados dos questionários da autoavaliação. O presente artigo divide-se em quatro
seções. A primeira seção refere-se à introdução, que apresenta o Centro de Educação
Superior Norte-RS, a composição da Comissão Setorial de Avaliação e refere-se à
autonomia. A segunda seção trata da metodologia e das estratégias adotadas para
alcançar os objetivos propostos pela Comissão. A terceira seção aborda o referencial
teórico que visa apresentar as noções relativas à avaliação institucional. A quarta seção
é composta pelo método e traz os resultados da autoavaliação institucional e discussões;
e, por fim, a quinta seção, apresenta as considerações finais.

Palavras-chave: autoavaliação institucional; representatividade; estratégias.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
143
49. Contribuições das visitas in loco e dos relatórios
do Inep para a criação de estratégias e metodologias
de trabalho da CPA: estudo de caso nas Faculdades
Integradas dos Campos Gerais, Ponta Grossa-PR
Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais (Cescage)

Rosa Cristina Hoffmann, Lindenalva Feltrim Catelli

RESUMO

A CPA das Faculdades Integradas dos Campos Gerais vem aprimorando constantemente
os instrumentos e as práticas de autoavaliação. Sempre haverá o que ser criado,
redefinido e redirecionado com um olhar no futuro e no projeto que vem sendo
modificado de acordo com as necessidades institucionais. É necessário conjugar, cada
vez mais, avaliação e mudança, avaliação e autonomia. É indispensável a existência da
autoavaliação focando o institucional, definindo-se indicadores, valendo-se de todas as
contribuições, de todas as pesquisas e de todas as fontes de informações. Então, este
trabalho tem por objetivo principal descrever a importância das contribuições das visitas
in loco e dos relatórios do Inep para o despertar da CPA e as metodologias e estratégias
criadas pela Comissão e voltadas à excelência e à qualidade dos cursos e da instituição. A
partir de um estudo de caso, com uma abordagem qualitativa, são apresentadas as ações
realizadas pela CPA em todos os âmbitos institucionais bem e é tratada a questão das
ações idealizadas e executadas pela CPA em prol do bom desempenho dos acadêmicos
no Enade, aplicando-se estratégias e metodologias originadas do aprendizado da
Comissão Própria de Avaliação junto aos relatórios do Inep.

Palavras-chave: autoavaliação; visitas in loco; estratégias da CPA.

50. O significado atribuído a avaliação e suas


implicações na adesão da comunidade acadêmica
Faculdade Novo Hamburgo (Faculdade IENH)

Luciana Hoppe, Maria Celina Melchior

144 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
RESUMO

Na Faculdade Novo Hamburgo (IENH), instituição comunitária, filantrópica e privada, a


autoavaliação é entendida como processo contínuo para detectar potencialidades, falhas
e dificuldades; apoiar busca de soluções para os problemas; subsidiar metas e tomada de
decisões. Percebendo-se a variação da adesão dos alunos no processo avaliativo, busca-se
responder: como melhorar a adesão nos processos avaliativos? Quanto aos objetivos do
estudo, estes são: identificar hipóteses para a variação da adesão nas avaliações; avaliar
as ações estabelecidas, focadas na melhoria da adesão; e propor novas ações visando ao
aumento da participação dos alunos nos processos. A metodologia enquadra-se num estudo
de caso, exploratório e qualitativo. Como métodos de coleta de evidências destacam-se
o levantamento bibliográfico e documental e as entrevistas em profundidade. Os cursos
da Faculdade IENH são o objeto de estudo . Toma-se como universo o corpo docente e
o discente. Alguns pressupostos teóricos embasam o trabalho. Através da sensibilização,
busca-se mudar a maneira de se perceber a avaliação. As resistências quanto a avaliação
estão ligadas ao papel que ela desempenhou na educação conservadora, que objetivava
resultados. Assim, a avaliação deve ser vista como um recurso para assegurar a qualidade
e não um instrumento de seleção ou de exclusão. É preciso estar alerta para o perigo de
viés nas avaliações com critérios próprios, justificando ações e não alterando rotinas, se
isto ocorrer não haverá qualificação. As mudanças nas IES partem da discussão entre os
componentes do grupo. Há necessidade de vontade de mudar, de qualificação contínua
dos profissionais, de autonomia na busca da melhoria e de atividades coletivas. Ou
seja, a avaliação é uma forma de conduzir à compreensão e à construção de totalidades
integradas. Tal cenário foi percebido na Faculdade IENH, onde a avaliação institucional
tem pauta relevante. Uma das preocupações é atinente à participação dos alunos no
processo. Muitos quesitos são importantes de serem analisados, mas os motivos da
oscilação de adesão são prioritários. A CPA iniciou, em 2011, mudanças no processo da
avaliação, buscando aproximação dos alunos e professores à sistemática das avaliações.
O intuito foi alteração de percepção: de um processo visto como “punitivo” ou “vazio”
para um sistema crítico, significativo e gerador de mudanças. Durante essa mobilização,
notaram-se melhorias. As ações foram focadas em docentes e discentes: mobilização sobre
o significado das avaliações; intensificação de feedback; adequação do calendário das
avaliações; revisão dos instrumentos; intensificação da comunicação antes, durante e após
as avaliações. Observou-se um crescimento da adesão em 2012-1 e, posteriormente, uma

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
145
queda. Retomou-se um patamar alto em 2013-1. Hipóteses foram levantadas para explicar
a variação e as melhorias aplicadas no último processo, com resultado positivo.

Palavras-chave: avaliação docente; adesão; sensibilização.

51. Programa de Avaliação Institucional das Universidades


Comunitárias Gaúchas (Paiung): experiências avaliativas
das CPAs das comunitárias
Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI (URI – Paiung)

Nilce Fátima Scheffer, Magda Inês Luz Moreira, Fabiano Lopes Chiesa, Magna Stella
Cargnelutti Dalla Rosa

RESUMO

Este trabalho pretende apresentar dados oriundos da criação, organização e andamento


do Programa de Avaliação Institucional das Universidades Comunitárias Gaúchas (Paiung)
e do processo de autoavaliação institucional desencadeado pelas IES pertencentes ao
programa. Objetiva apresentar aspectos organizacionais da avaliação institucional, sua
implementação e seu andamento nessas instituições que têm a característica comunitária
de grande penetração na realidade regional em que estão inseridas. O trabalho reúne
reflexões a respeito de experiências avaliativas desenvolvidas nas diferentes instituições,
desencadeadas a partir do advento do Sistema Nacional da Educação Superior (Sinaes),
sua história, metodologia, autonomia e resultados. As instituições do Paiung já possuem
um processo de autoavaliação consolidado, pois o concebem como processo formativo e
permanente, que visa articular a avaliação com a gestão, assim, a avaliação contribui para
o planejamento e para a garantia da qualidade educativa. A coleta e a análise de dados,
na maioria das IES, apresentam uma abordagem qualitativa, considerando as diferentes
metodologias e organização das CPA. A organização dos dados também assume essas
características, considerando a literatura existente na área da avaliação especificamente
em autores como Sobrinho (2003) e Leite (2003); Projetos de Autoavaliação Institucional
das IES; e Relatórios de Autoavaliação Institucional das IES, que são protocolados no

146 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
sistema e-MEC anualmente. Os resultados nas IES do Paiung são tratados de formas
diversas, contam com seminários de discussão, reuniões dos Conselhos da Universidade
e dos coordenadores, divulgação nos meios de comunicação impresso e online, que se
constituem em base de dados para conduzir as IES em seus diferentes segmentos de gestão
e organização. Os resultados apontam que a autoavaliação nas IES auxilia a compreensão
e apropriação de políticas, na busca de estratégias para atender aos requisitos legais
sem perder a identidade das nossas instituições. Neste cenário, o Paiung constitui-se
em um importante fórum de discussões, reflexões e produção de conhecimento sobre a
autoavaliação institucional, registradas em publicação coletiva, produção e apresentação
das experiências das IES em eventos que acontecem no país sobre o tema avaliação da
educação superior.

Palavras-chave: autoavaliação institucional; Paiung; universidade comunitária.

52. Programa de Avaliação Institucional na Universidade


Federal de Santa Maria CPA – funcionamento e
descentralização do processo
Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Marcia Helena do Nascimento Lorentz, Sandra Ligia Agnolin, Juarez de Lima Ventura,
Carolina Costa Pires Trindade, Lúcia Rejane da Rosa Gama Madruga

RESUMO

A Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), comprometida com a avaliação institucional,


apresenta, a cada ano, o relatório de autoavaliação, dando destaque às ações desenvolvidas
pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) e pelas Comissões Setoriais de Avaliação (CSA).
O estágio atual do processo de avaliação na UFSM é resultado de um trabalho persistente,
desenvolvido ao longo dos anos, tendo como principal indutor o processo de autoavaliação.
O referido processo oferece à comunidade universitária o conhecimento de suas forças e
fraquezas, contribuindo para a tomada de decisão. O objetivo deste artigo é apresentar o
processo de autoavaliação institucional na UFSM, por meio do funcionamento da CPA e
da descentralização das atividades junto às CSA. O estudo caracteriza-se como pesquisa

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
147
descritiva e documental, com processo de análise qualitativa e sua principal fonte de
dados foram os relatórios de autoavaliação da UFSM, documentos oficiais da instituição,
publicações da Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (Conaes), bem como
a legislação vigente sobre o tema. A coleta de dados ocorreu no período de abril a junho de
2013, contemplando informações sobre o histórico da CPA desde a sua constituição até os
dias atuais. O artigo está ancorado no arcabouço teórico relativo à avaliação institucional,
no qual se destacam as publicações da Conaes e as legislações pertinentes. A CPA da UFSM
mantém quatro eixos como norteadores de seu trabalho: i) ações contínuas; ii) fortalecimento
das comissões setoriais de avaliação; iii) ações das unidades e disponibilidade do recurso;
e iv) aprimoramento do processo de divulgação de ações e resultados. No primeiro eixo,
identifica-se a preocupação da CPA em manter a continuidade das ações da avaliação,
fortalecendo o processo junto às CSA. No segundo eixo, a CPA mantém auxílio permanente
na estruturação e reestruturação das CSA e apoio à realização de eventos e incentivo a
publicações das CSA. No terceiro eixo, a CPA auxilia na priorização do atendimento às etapas
apontadas no plano de ação de cada unidade, estabelece critérios e orienta a execução do
recurso para que ocorra de acordo com as dimensões do Sistema Nacional de Avaliação da
Educação Superior (Sinaes). No quarto e último eixo, a CPA desenvolve atividades com o
objetivo de contribuir para a troca de experiências entre as CSA. A elaboração dos planos
de ação pelas CSA evidencia o envolvimento das Unidades Universitárias no processo. A
sistemática de trabalho da CPA e das CSA, a partir dos quatro eixos apontados, identifica
que a avaliação na UFSM apresenta uma estrutura adequada para o desenvolvimento das
atividades propostas, com ênfase na descentralização das CSA, visando à qualificação e
à melhoria contínua do processo. O presente artigo reforça a importância do processo
desenvolvido pela UFSM, o qual se consolida por meio da integração e participação da
comunidade na autoavaliação institucional coordenada pela CPA e desenvolvida em um
trabalho conjunto com as CSA.

Palavras-chave: avaliação institucional; autoavaliação; descentralização.

148 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
EIXO II
Indicadores e Instrumentos de Autoavaliação

Região Centro-Oeste

1. Pesquisa “Ouvindo o Aluno” – uma aplicação da análise


de lacunas em uma instituição multicampi.
Universidade Salgado de Oliveira (Universo)

Jobenil Luiz Magalhães Júnior, Mauro Urbano Rogério, Paulo de Tarso Tonelli Teixeira Álvares

RESUMO

Este trabalho apresenta os detalhes metodológicos que justificaram a elaboração de dois


instrumentos de pesquisa levados aos alunos de uma IES multicampi. Os indicadores
permitem, sem perda de generalidade, uma análise comparativa entre os distintos campi e
cursos, além de servirem como parâmetros para que os gestores direcionem as eventuais
melhorias que, por ventura, venham a ser necessárias. O trabalho teve como objetivos a
elaboração e a validação dos instrumentos de medidas utilizando de pesquisa junto aos
alunos, a construção dos indicadores de necessidade de crescimento e de desempenho e a
construção de relatórios a serem utilizados por distintas instâncias da gestão universitária.
A metodologia utilizada foi a de Análise de Lacunas – “Gap Analysis”, utilizando-se o
instrumento Servqual, em que os alunos podem manifestar suas expectativas e suas
satisfações com os distintos aspectos das ações desenvolvidas pela Universidade na oferta
dos seus cursos. A pesquisa, além de deixar explícitos os valores atribuídos à importância
e à satisfação declarados em cada aspecto avaliado, introduziu, como elemento de
análise quantitativa, o Indicador de Necessidade de Crescimento (INC) inspirado no PGCV-
“Pontencial Gain in Customer Value”. Foram criados indicadores que compõem uma
série de relatórios como: desempenho individual dos docentes, no semestre e em anos
anteriores; desempenho dos gestores, dos serviços e da infraestrutura da IES em cada
campus. Esta pesquisa é realizada anualmente desde 2007 na Universo e já se encontra
estabelecida na rotina da IES.

Palavras-chave: avaliação institucional; indicadores de qualidade educacionais; Servqual.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
149
Região Nordeste

2. A atuação da CPA/UFRN na
autoavaliação institucional
Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Francisco de Assis Medeiros da Silva, Renata Archanjo, Mariana Oliveira Cedraz

RESUMO

Este trabalho apresenta um recorte de parte das avaliações realizadas no processo de


autoavaliação institucional da UFRN, executada pela Comissão Própria de Avaliação (CPA)
da instituição. Na UFRN, a CPA tem participado ativamente das 10 dimensões da avaliação
institucional, destacando-se as avaliações da docência na graduação sob a ótica do
aluno, do ensino a distância, das residências profissionais em saúde, do atendimento nos
ambulatórios, da qualidade de vida e saúde no trabalho do servidor, de algumas atividades
de extensão e da gestão. A avaliação da docência, tanto a presencial quanto a distância
é feita semestralmente em todas as turmas, online, no momento da matrícula. Nessa
avaliação, constam a atuação didática e a postura profissional do professor, a autoavaliação
do aluno, a autoavaliação do professor, a turma sob a ótica do professor e a infraestrutura
disponível para o ensino. O resultado – que tem posicionado a maioria dos docentes entre
bons e excelentes – é disponibilizado para cada professor, para chefes de departamento e
diretores de centro no início do período letivo seguinte. Além disso, é feita uma análise geral
anual, que é apresentada num fórum formado pelos representantes de toda a comunidade
universitária: pró-reitores, membros dos Colegiados Superiores e da CPA, diretores de
Centro, chefes de Departamento, coordenadores de curso e representantes dos alunos.
Na extensão, a avaliação está em execução por meio de questionários preenchidos por
coordenadores de projetos e bolsistas e por meio da opinião dopúblico alvo de um dos
principais programas, “Trilhas Potiguares”, realizado em diversos municípios do RN. Os
resultados iniciais mostram os benefícios para os municípios participantes. A gestão é
avaliada a cada dois anos, sendo que a última avaliação mostrou uma aprovação de mais
de 70% de alunos, servidores docentes e servidores técnico-administrativos. O impacto

150 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
da ação da UFRN no interior do estado, sob a ótica da população da região beneficiada,
obteve ótimos resultados. A avaliação das residências em saúde, segundo residentes e
preceptores, detalha a atuação da UFRN nessa área, assim como uma pesquisa realizada
sobre o atendimento nos ambulatórios dos hospitais da UFRN, em que a maioria se diz
satisfeita com o serviço prestado. Da mesma forma, uma avaliação da Qualidade de Vida e
Saúde do Servidorensejou a criação do programa Viver em Harmonia, implantado na UFRN
e direcionado para todos os servidores.

Palavras-chave: avaliação da docência na UFRN; autoavaliação da UFRN

3. A CPA como mediadora interpares do sistema


educacional Inta em Sobral-CE: relato de experiência de
construção democrática e participativa
Instituto Superior de Teologia Aplicada (Inta)

Rita de Cássia Marques Costa, Marisa Pascarelli Agrello, Mauro Vinícius Dutra Girão, Viviane
Cunha de Abreu

RESUMO

A avaliação, do ponto de vista ético, deve pertencer ao interesse público e ser assegurada
por propósitos referentes a proatividade, a natureza participativa, envolvendo
comunidade acadêmica, sociedade e setor governamental representado pelo Ministério
da Educação, elencado no Sistema de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes). Através das
avaliações internas, busca-se mediar e integrar intenções específicas de vários grupos
interessados, como dirigentes, comunidade acadêmica, pais, alunos e sociedade civil, na
perspectiva de promover mudanças para melhoria da qualidade na educação superior.
A Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto Superior de Teologia Aplicada
(Inta) iniciou suas atividades em 2006, primeiramente, com um grupo de estudos
para apropriar-se das dimensões de sua competência, refletindo sobre o papel e a
responsabilidade de cada membro que a constitui, elaborando um instrumento próprio

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
151
que atendesse às exigências, mas que se adequasse à realidade local na qual a Faculdade
está inserida. Preocupava-se em sensibilizar discentes, docentes, corpo técnico-
administrativo e comunidade civil para a importância da participação consciente e ativa
em benefício não exclusivamente da Instituição, mas, principalmente, dos protagonistas
que fazem e pertencem a esta Instituição de Ensino. Ao destacar o relato de experiência
dos membros da CPA das Faculdades Inta, que atuam/atuaram comprometidos com a
melhoria da qualidade da Instituição Superior através do processo de avaliação interna,
pretende-se abordar aspectos próprios de tomada de decisão da comunidade acadêmica
das Faculdades Inta em Sobral-CE, desde sua criação em 2006 até os dias de hoje.
Apontam-se as potencialidades e as fragilidades, principalmente aquelas concernentes
à IES e seus atores, no intuito de socializar através das mediações entre pares, na
perspectiva democrática e participativa. Em síntese, pretendemos responder, a partir
dos decorridos sete anos de implantação da CPA no INTA: a) quais foram os avanços de
ações democráticas na Instituição; b) quais as dificuldades enfrentadas para construção
de uma cultura de participação ativa; c) como se deu o processo de mediação entre
os protagonistas envolvidos. Para realização deste trabalho, foram realizadas reuniões
para levantamento de ações desenvolvidas pela CPA, estudos em relação à legislação
interna e sobre os processos de sua implantação, pois a posse da atual gestão se deu em
31 de maio de 2013. Os autores que subsidiaram a fundamentação e o aprimoramento
do estudo foram: Gadotti (1994); Balzan (2000); Dias Sobrinho (2003); Libâneo (2005);
Brasil (2011). Dos resultados obtidos percebemos que o desafio maior foi o alcance de
relações democráticas nos setores externos, com a organização de um encontro entre
todas as instituições públicas e privadas, para estabelecimento de calendário em comum
interesse. Esse se fez necessário devido ao atendimento a um público oriundo de mais
de oitenta municípios da região norte do Estado do Ceará, conciliando o transporte
de estudantes em veículos disponibilizados pelas prefeituras, o que representou um
grande avanço para a construção da maturidade democrática da comunidade. Como
desafio atual de alcance interno, é de fundamental importância alicerçar a cultura da
participação ativa dos alunos no processo avaliativo de forma mais espontânea.

Palavras-chave: CPA; mediação; participação ativa.

152 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
4. Avaliação institucional: indicadores e instrumentos de
autoavaliação produzidos pela CPA Facema
Faculdade de Ciência e Tecnologia do Maranhão (Facema)

Edilene Lima da Silva

RESUMO

O presente trabalho traz um relato de experiência referente ao processo de avaliação


institucional vivenciado na Faculdade de Ciência e Tecnologia do Maranhão (Facema)
no período de 2013.1. Tem como objetivo refletir sobre o processo de autoavaliação
realizado pela Comissão Própria de Avaliação da Instituição acerca da dimensão
ensino, pesquisa e extensão, proposta pelo Sistema Nacional de Avaliação da Educação
Superior (Sinaes).Apresenta os métodos de condução deste processo e os instrumentos
utilizados para a avaliação da referida dimensão, tendo em vista a verificação do
controle de qualidade e de autorregulação dos serviços oferecidos pela Instituição de
Ensino Superior. Para tanto, foram evidenciados indicadores e procedimentos de coleta
de dados da autoavaliação realizada junto aos alunos, professores e funcionários da
gestão administrativa da faculdade, a partir da aplicação dos seguintes instrumentos:
questionários, grupo focal e levantamento de documentação institucional. A Análise
dos dados deu-se em consonância com os pressupostos legais que regulamentam a
avaliação institucional como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9392/96,
o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (2003), fundamentada teórico e
metodologicamente em autores como Balzan e Sobrinho (2000), Oliver (2010), Lück
(2012), entre outros. A avaliação institucional realizada na Facema tem-se consolidado
nos últimos anos buscando atender a três pressupostos previstos na Proposta de
Autoavaliação Institucional e especificado no Plano de Trabalho da CPA: negociação,
flexibilidade e construção coletiva.

Palavras-chave: avaliação institucional; autoavaliação; Sinaes.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
153
5. Docência universitária: avaliação diagnóstica como
instrumento transformador da prática docente
Universidade Federal do Ceará (UFC)

Suzete Suzana Rocha Pitombeira, Wagner Bandeira Andriola

RESUMO

Tem como tema a meta-avaliação e está inserida na linha de pesquisa da avaliação


educacional, particularmente, da institucional. O processo de planejamento de uma
Instituição de Ensino Superior se completa com a avaliação, que tem o papel de alimentar
continuamente a ação institucional. Portanto, avaliar a atividade do docente se faz
imprescindível para a obtenção de resultados que orientem o efeito e a transparência
do planejamento e da gestão das instituições do ensino superior. Para isso, dois olhares
são importantes nesse processo: o do docente e o do discente, ambos protagonistas da
aprendizagem. A avaliação docente objetiva que os professores se reconheçam em sua
prática pedagógica e promovam mudanças que orientem as condições de ensino. O Sistema
Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) trouxe desafios para as Instituições de
Ensino Superior, que tiveram de implementar e desenvolver seus processos de autoavaliação,
contribuindo para uma nova dinâmica no interior dessas instituições. Investiga-se, então,
o que seria necessário avaliar no desempenho docente, no sentido de contribuir para a
melhoria do trabalho pedagógico, revertendo-se em benefícios para a instituição como um
todo. Para tanto, desenvolveu-se uma pesquisa qualitativa, utilizando como instrumento
questionários formulados com base em atributos criados pelo Joint Committee on
Standards for Educational Evaluation. Participaram da pesquisa 25 professores e 58 alunos
de duas unidades acadêmicas da Universidade Federal do Ceará (Centro de Tecnologia e
Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade). Evidenciou-se que, na
opinião dos alunos, a avaliação docente pode proporcionar mudanças no ensino quando
avaliados os aspectos didáticos e metodológicos, o comprometimento docente, a avaliação
da aprendizagem e as relações professor-aluno. A opinião dos professores atrelou-se aos
objetivos da avaliação como promoção funcional e como aperfeiçoamento da prática;
e ao descrédito da avaliação pelos alunos, em razão da necessidade de conscientização
e orientação desses em relação à desqualificação de sua opinião. Concluiu-se que a
avaliação docente ajuda a compreender melhor uma dada realidade e pode contribuir para

154 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
melhorá-la e transformá-la, mas deve-se saber utilizar adequadamente seus resultados e
suas recomendações e saber reconhecer os seus limites.

Palavras-chave: avaliação docente; meta-avaliação; avaliação diagnóstica.

6. Grupos focais como instrumentos de autoavaliação


institucional: olhares e vozes da Faculdade Dom Pedro II
Faculdade Dom Pedro II

Diana Leia Alencar da Silva, Jacqueline dos Santos Silva, Sílvia Santos da Silva Gonçalves,
Teresa Cristina Merhy Leal

RESUMO

Este artigo trata do processo de autoavaliação institucional que foi iniciado com a
redefinição do projeto de avaliação institucional da Faculdade Dom Pedro II. Pautados nas
diretrizes para o processo avaliativo, descritas pela Conaes (2004), foram estabelecidos
como um dos principais instrumentos para a coleta de informações: os grupos focais,
realizados anualmente com todos os segmentos da instituição. Em linhas gerais, esses
grupos se constituem em equipes de discussão compostas por participantes dos segmentos
discente, docente e de funcionários, que analisam a instituição. Pautam-se nas dez
dimensões avaliativas estabelecidas pelo Sinaes. O objetivo é identificar as fragilidades e as
potencialidades da instituição de forma qualitativa, para fortalecer tanto as ações educativas
quanto a legitimidade da identidade da organização, como instituição de ensino superior.
Alicerçados nos princípios da pesquisa qualitativa, os grupos focais ocorrerem com a presença
de um moderador (membro da CPA) e com os representantes de turma, coordenadores,
professores e funcionários, separados por segmento. Nos grupos, em consonância com
um roteiro previamente definido, os participantes são convidados a discutir e a analisar
questões referentes a autoavaliação, o curso e a instituição. O fomento à interação entre os
participantes, necessária à coleta das informações pleiteadas, é realizado por um mediador,
responsável pelos encaminhamentos e direcionamentos necessários. Também incentivam
a participação de todos os componentes do grupo, para que se aprofundem as discussões,
possibilitando a revelação de novos aspectos e novos olhares relativos ao tema. O processo

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
155
de interação e discussão é acompanhado por um ou mais observadores, que têm a função
de registrar todas as informações que surgirem durante o encontro do grupo em três
etapas, a saber: abertura, em que se devem registrar o mais fielmente possível todas as
informações; o desenvolvimento, no qual o grupo começa a se posicionar frente ao tema
a ser desenvolvido; e o fechamento, quando o grupo começa a formular uma síntese dos
fenômenos ocorridos. Todas as informações anotadas pelos observadores são, ao final,
analisadas e devidamente registradas em relatórios, focados nos tópicos apresentados pelo
moderador ao grupo. A elaboração da proposta dos grupos focais apoiou-se nos estudos
de Gondim (2002), Gatti (2005) e nas orientações do Sinaes. Em face da participação dos
grupos convidados e das informações apuradas, foi possível identificar as percepções e
sentidos, opiniões atribuídos pelos docentes, discentes e funcionários sobre a instituição,
assim como as sugestões para que essa fortaleça o principal princípio que estabeleceu
para suas práticas: a evolução contínua das suas ações educativas, junto à comunidade
acadêmica e aos grupos sociais que dela necessitam.

Palavras-chave: grupos focais; autoavaliação institucional; instituição de ensino superior.

7. Relatório da autoavaliação institucional no IF


Baiano – os instrumentos de coleta de dados,
paralelo entre os exercícios de 2011 e 2012
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano)

Ana Carina Freire Barbosa Silva, Carlito José de Barros Filho

RESUMO

Dos três processos de autoavaliação ocorridos no IF Baiano, a atual Comissão Própria de


Avaliação deste Instituto já liderou dois exercícios, os de 2011 e de 2012. A metodologia de
trabalho adotada pela CPA consistiu em questionário fechado aplicado junto à comunidade
acadêmica. Este artigo discute o modo como foram elaborados os instrumentos de coleta
de dados, traçando-se um paralelo entre os exercícios de 2011 e de 2012. Este trabalho
corresponde a um relato de experiência, à luz da revisão bibliográfica, a fim de clarificar os
aspectos observados quanto à elaboração dos instrumentos de coleta de dados. A perspectiva

156 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
de avaliação defendida neste trabalho ultrapassa a regulação e o controle, possuindo esta
um sentido mais abrangente de orientação e decisão nas discussões sobre os rumos da
universidade. Esta corresponde a um processo complexo, de natureza global e abrangente,
conforme preceituam Morin e Kern (1993) e Dias Sobrinho (1994). Assim, abarca tanto aspectos
de qualidade formal como de qualidade política, requerendo a participação coletiva conforme
orienta Demo (2002). O aspecto humano para Worthen, Sanders e Fitzpatrick (2004) garantirá a
qualidade do objeto avaliado quando contempla as necessidades dos envolvidos nos processos
em que a avaliação está sendo realizada. No paralelo traçado na Autoavaliação Institucional,
quanto ao processo de elaboração e de aplicação dos questionários nos exercícios de 2011
e de 2012, percebem-se, no exercício de 2011, alguns entraves. Inicialmente, observou-se o
exíguo tempo entre a posse dos membros da CPA e o prazo estabelecido para entrega do
relatório (janeiro a março de 2012). Ocorreu também a descontinuidade na participação dos
membros da CPA na elaboração dos questionários. Esses dois aspectos implicaram na falta
de discussão aprofundada do questionário pelos próprios membros da CPA. Além disso,
junto à comunidade, nem mesmo houve sua testagem. A aplicação do questionário ocorreu
manualmente, dificultando, pois, a tabulação. Na elaboração dos instrumentos, no exercício
2012, algumas situações foram corrigidas: primeiro, garantiu-se a participação dos membros da
CPA de modo continuado, facilitando a discussão e a reformulação desses instrumentos, além
de um maior tempo para elaboração dos questionários; segundo, a aplicação do questionário
ocorreu eletronicamente, facilitando a tabulação dos dados. Por outro lado, reduziu-se o nível de
participação da comunidade, o que denota a necessidade de maior divulgação e sensibilização
quanto à importância de participação no processo avaliativo. É preciso também aprimorar o
programa de informática para fornecer dados de controle dos respondentes de modo mais
eficiente. Visualizou-se, ainda, ser fundamental uma discussão minuciosa dos instrumentos de
coleta de dados junto à comunidade acadêmica. Outro aspecto que tem dificultado o trabalho
da CPA é a inexistência de formação de seus membros, uma vez que a instrumentalização
teórica e prática dariam uma maior qualidade ao trabalho desenvolvido. A elaboração dos
instrumentos de coleta de dados é uma etapa importante para obter a qualidade do relatório
da autoavaliação, assim, são de fundamental importância a formação dos membros da CPA,
a discussão junto à comunidade acadêmica e a sensibilização desta quanto à importância de
participação no processo avaliativo.

Palavras-chave: autoavaliação no IF Baiano; instrumentos de coleta de dados; linha


comparativa.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
157
Região Norte

8. A prática da autoavaliação interna: uma referência aos


indicadores e aos instrumentos de autoavaliação
Faculdade de Castanhal (FCAT)

Maura da Silva Costa Furtado, Maria Cândida Mendes Forte

RESUMO

Este trabalho tem como objetivo central a descrição da implantação do Processo de


Autoavaliação Institucional na Faculdade de Castanhal (FCAT), localizada no nordeste do
estado do Pará, perpassando a forma com que foram confeccionados os instrumentos
avaliativos, a sistemática metodológica de revisão dos indicadores e consequente
reformulação dos instrumentos e sua validação, análise dos resultados, elaboração
dos relatórios por curso de graduação até a formulação do relatório bianual. Como
insumos, a Comissão Própria de Avaliação (CPA) acumula os registros das etapas
evolutivas do Processo da Autoavaliação Institucional, os resultados das coletas de
dados, a cada semestre e, de modo especial, agrega valores qualitativos obtidos nos
Grupos de Discussão, realizados com cada segmento acadêmico avaliado. Os grupos
são consequência da sistematização dos resultados do Processo de Avaliação do ensino-
aprendizagem, parte substancial da agenda de trabalho da Diretoria Acadêmica, em
parceria com as Coordenações dos Cursos de Graduação, processo do qual a CPA é
colaboradora. Os relatórios da CPA sintetizam tais informações de forma descritiva
e analítica, por meio de mostras de tabelas, gráficos, análise e interpretação dos
resultados. Para este trabalho, foram utilizados alguns autores como: Bertolin (2009),
Cunha (2009), Dias Sobrinho (2008)e Freitas (2003), assim como o Decreto-Lei nº10.861,
de 14 de abril de 2004 (Sinaes), as Diretrizes para a Avaliação das Instituições de educação
superior (MEC/Conaes), o Projeto de Avaliação Institucional da Faculdade de Castanhal
(2007), os Planos de Desenvolvimento Institucional da Faculdade de Castanhal (2007 e
2012) e os Relatórios de Autoavaliação Institucional da Faculdade de Castanhal (2008 a
2012). Na prática, os resultados obtidos são significativos para o Processo de Avaliação
Continuada, objetivo pedagógico constante no Plano de Desenvolvimento Institucional

158 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
(PDI) da FCAT. Nesse trabalho conjunto, a CPA tem alcançado resultados visíveis aos olhos
de cada segmento, a exemplo da sugestão de eventos temáticos no Fórum Permanente
de Educação, da ampliação física da biblioteca e da reprografia, da sinalização de novas
propostas curriculares de cursos de aperfeiçoamento para professores e funcionários. A
FCAT tem muito a contribuir no que diz respeito à inovação do Processo de Autoavaliação
Institucional para a educação superior, na medida em que vem avançando na qualidade
do ensino, graças ao esforço e à dedicação de cada um dos envolvidos neste processo.

Palavras-chave: autoavaliação institucional; instrumentos de avaliação; ensino superior.

9. A utilização de indicadores de qualidade como


mecanismo de autoavaliação na Universidade Federal
do Acre
Universidade Federal do Acre (Ufac)

Anderson Azevedo Mesquita, Lorena Rodrigues Barbosa da Silva, Marcos Thomaz da Silva

RESUMO

O objetivo deste trabalho é apresentar uma proposta de acompanhamento, através de


indicadores de qualidade, que demonstra a evolução dos elementos que apontam as
potencialidades e as fragilidades no processo de autoavaliação institucional, baseando-se
nas dimensões da Lei 10.861/2004. O processo de autoavaliação institucional é um
importante instrumento de acompanhamento e monitoramento das ações da instituição,
impactando diretamente no seu desenvolvimento. Os indicadores institucionais visam a
permanente atualização e ou reformulação do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI),
dando um norte à sua execução. A Universidade Federal do Acre (Ufac) vem, a cada ano,
inovando no tocante à confecção de instrumentos de avaliação, sempre objetivando atingir
um maior número de alunos, funcionários técnico-administrativos, docentes e membros
da comunidade externa que possam contribuir com a autoavaliação da instituição. Os
instrumentos foram elaborados segundo as orientações do Sistema Nacional de Avaliação
da Educação Superior (Sinaes) e aplicados através de um sistema computacional próprio,
que permitia o acompanhamento, em tempo real, dos resultados da avaliação. O cálculo

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
159
dos indicadores de qualidade foi realizado por meio da média ponderada das frequências
obtidas com as respostas de cada segmento em relação às questões que avaliavam
as dimensões previstas na legislação. Dentro da escala mensurável e prevista para o
cálculo dos indicadores de qualidade (insuficiente, regular, bom e ótimo), os resultados
encontrados apontam, de forma geral, que as dimensões foram avaliadas como regulares.
Com os indicadores de qualidade, será possível obter uma analise objetiva da evolução e
do desenvolvimento da Ufac, fomentando seu planejamento estratégico e a permanente
revisão de suas ações no decorrer dos anos.

Palavras-chave: autoavaliação; indicadores de qualidade; planejamento estratégico.

10. Avaliação institucional: relato de experiência da


UFT no período 2006-2012
Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Francisca Maria da Silva Costa, Elaine Jesus Alves, Enilda Rodrigues de Almeida Bueno,
Enedina Betânia Pires Nunes, Heber Grácio

RESUMO

Este artigo apresenta a experiência da Comissão Própria de Avaliação da Universidade


Federal do Tocantins (UFT), retomando seu percurso histórico e metodológico no contexto
em que esta universidade se insere. A UFT é instituição nova, criada em 2000, a partir
do processo de federalização dos campi que compunham a Universidade do Tocantins
(Unitins). Esta Universidade já nasceu com sete unidades, que estão distribuídas ao longo
de todo o estado, abarcando regiões socialmente tão diversas como o Bico do Papagaio,
caracterizada por um histórico de conflitos fundiários, e áreas de expansão da fronteira
agrícola, com seu profundo alinhamento econômico com políticas desenvolvimentistas.
Atualmente, a UFT oferece 48 cursos de graduação, 17 cursos de mestrado e 4 cursos de
doutorado. Todos esses cursos refletem a ampla diversidade acadêmica, social e política da
instituição. Esses fatores impõem dificuldades específicas para os processos de avaliação, em
particular, aqueles empreendidos pela CPA. Em termos metodológicos, a existência de sete
unidades, separadas por longas distâncias, demandou a criação de mecanismos de coleta

160 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
de informações, que contemplassem as especificidades geográficas. Entretanto, o grande
fator de restrições para as ações da CPA é a ausência de uma participação mais efetiva da
comunidade acadêmica nos processos avaliativos. Esses aspectos possuem relação com a
origem da Universidade e com o a ausência de uma cultura avaliativa. O presente trabalho
tem como objetivo relatar a experiência do processo de avaliação institucional realizado
pela Comissão Própria de Avaliação (CPA). A metodologia para a apresentação do trabalho
será um relato de experiência. Autores como Dilvo Ristoff (2005) e Dias Sobrinho (2008)
serviram de parâmetro para este o trabalho. Além desses teóricos, foram consultados ainda
os relatórios de gestão, questionários online e os relatórios de diagnósticos das Comissões
Setoriais de cada campus. A necessidade de fortalecer a cultura de avaliação institucional
despertou interesse em apresentar a experiência da Universidade Federal do Tocantins no
período 2006-2012. Em função dos resultados da avaliação pelos docentes, funcionários
técnico-administrativos e discentes, no referido período, foi constatado que apesar da
realização de atividades de sensibilização, uma cultura de avaliação institucional mais efetiva
mostrou-se imprescindível. Considera-se, então, fundamental o papel da CPA como agente
de interlocução no âmbito da instituição, no sentido de promover uma cultura avaliativa
com a comunidade interna, buscando fortalecer a participação no processo avaliativo.

Palavras-chave: avaliação institucional; relato de experiência; cultura avaliativa.

11. Processo de avaliação como ferramenta para


qualidade na educação do IFPA – Campus Castanhal
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA)

Ângelo Rodrigues de Carvalho, Alciene Oliveira Felizardo, Ednara da Costa Sampaio, Lígia
Denyse Assunção da Silva, Gleice Izaura da Costa Oliveira, Roberta de Fátima Rodrigues Coelho

RESUMO

O Campus Castanhal do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará


(IFPA) compreende uma instituição que, historicamente, no bojo da educação do Pará,
se diferencia no processo de oferta do saber formal, não apenas pela sua história, mas,
sobretudo, pela particularidade do modelo de ensino que oferta, e, mais ainda, pelos

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
161
avanços e pelas mudanças sofridos nos últimos anos. O presente trabalho pretende fazer
um breve levantamento das práticas metodológicas realizadas pela Comissão Própria de
Avaliação (CPA) desta Instituição. Levantamento feito com base nas dimensões aferidas no
Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), referentes aos anos 2011 e
2012. É válido salientar que as atribuições da CPA estão e são definidas na lei nº 10.861
de 14 de abril de 2004: a condução dos processos de avaliação internos da instituição, a
sistematização e prestação das informações solicitadas pelo Instituto Nacional de Estudos
e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A avaliação tem nos servido enquanto
um exercício na busca não apenas de aprender com os estudos ora realizados, mas,
principalmente, enquanto reflexão de nossas práticas pedagógicas, buscando, ao mesmo
tempo, descobrir e superar nossos limites no que tange ao aprimoramento de nossa prática
educacional e de formação humana. O trabalho aqui apresentado partiu de um panorama
preliminar de nossa Instituição tanto no aspecto pedagógico quanto institucional,
procurando compreender a história construída e apontar sugestões para o melhoramento
do trabalho oferecido dentro dos quadros político-pedagógicos dos cursos. Assim, esta
CPA adotou como prática de avaliação a aplicação de uma metodologia de trabalho que
contou com a realização de levantamento dos dados obtidos através dos questionários,
instrumentos de avaliação desse campus. O processo de autoavaliação iniciou-se com o
curso de Tecnologia em Aquicultura e, posteriormente, expandiu-se ao curso de Agronomia.
O trabalho foi realizado envolvendo a participação dos discentes, docentes, funcionários
técnico-administrativos e gestores. As questões levantadas buscaram identificar as
problemáticas e os avanços alcançados no processo de ensino-aprendizagem, percebidos
por todos os sujeitos que formam o coletivo acadêmico e o institucional: infraestrutura,
ensino, pesquisa e extensão, formação profissional, aparato disciplinar e bibliográfico,
dentre outros aspectos importantes no processo avaliativo. Cientes de que o exercício de
autoavaliação ainda é, para nós, uma prática recente, ao logo deste trabalho, percebemos
diversas dificuldades nesse processo. Este é o motivo de buscarmos contribuir para o
aprimoramento de nossa gestão e da prática educativa, filosófica e técnica-profissional,
que contempla a premissa de nossa labuta acadêmica e de formação cultural e humana de
homens e mulheres, jovens e adultos do campo e da cidade, que são os sujeitos com os
quais partilhamos saberes pela construção de outro mundo melhor e possível.

Palavras-chave: autoavaliação; práticas pedagógicas; formação profissional.

162 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
Região Sudeste

12. A pesquisa com egressos como fonte de informação


sobre a qualidade dos cursos de graduação e a
responsabilidade social da instituição
Universidade Federal Fluminense (UFF)

Marilene Sinder, Renato Crespo Pereira

RESUMO

A pesquisa com os egressos dos cursos de graduação possibilita conhecer a qualidade


desses e o nível de compromisso da instituição universitária com a sociedade. A literatura
no campo da avaliação institucional aponta para a existência de poucas informações acerca
dos egressos dos diversos cursos de graduação no país. Logo, verifica-se a necessidade de
criação de sistemas de acompanhamento de egressos por parte das IES. A Universidade
Federal Fluminense (UFF), sob a responsabilidade e condução da CPA (Comissão Própria
de Avaliação), implementou sua pesquisa com egressos, em 2012, por meio de sistema
eletrônico com instrumento de coleta de dados aplicado online ao universo de cerca de
15mil alunos formados nos cursos de graduação nos últimos cinco anos. Um dos objetivos
desta pesquisa é conhecer aspectos como a preparação dada pelos cursos de graduação
para o mercado de trabalho, a contribuição desses para o desenvolvimento cultural e pessoal
dos ex-alunos e a participação das disciplinas dos cursos no seu desempenho profissional.
A análise dessas informações permite saber o que os egressos pensam sobre a formação
recebida, visando ao procedimento de ajustes no Projeto Pedagógico dos Cursos, para
adequá-los às demandas do mercado de trabalho, e à formulação da política para o ensino,
a pesquisa e a extensão. Além disso, possibilita perceber o grau de inserção da instituição
na sociedade, no cumprimento da sua responsabilidade social. Uma das finalidades da
Universidade é a preparação para o exercício profissional e a pesquisa com os egressos
permite que ela tenha o retorno quanto à qualidade dessa formação, principalmente no
que se referente à qualificação para o trabalho. Essa qualificação, por sua vez, possibilita
dimensionar o grau de inserção da instituição no contexto da sociedade. A pesquisa com
egressos é fundamental para a autoavaliação das IES e, consequentemente, para a avaliação

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
163
da qualidade dos cursos de graduação no país e o dimensionamento da importância da
Instituição de Ensino Superior para a formação do profissional qualificado para o efetivo
exercício no mercado de trabalho, seja nos setores produtivos, nos de serviço ou na área
do ensino e da carreira acadêmica.

Palavras-chave: pesquisa com egressos; universidade; qualidade dos cursos de graduação.

13. Análise dos dados da avaliação do perfil do


ingressante da Unoeste
Universidade do Oeste Paulista (Unoeste)

Robson Quintilio, Aparecida Darcy Alessi Delfim, Cristiane Maciel Rizo, Lucimara Carvalho
de Andrade Sanches

RESUMO

Os processos de avaliação do ensino superior têm grande importância na garantia de


qualidade da formação de pessoal acadêmico e de mercado. Como importante elemento
do processo avaliativo, o Sinaes destaca o autoconhecimento, que deve gerar ações que
direcionem o crescimento da Instituição. Portanto, o material produzido pelas Comissões
Próprias de Avaliação (CPAs) tem extrema importância no processo avaliativo da Instituição
e na construção de diretrizes administrativas e acadêmicas, sendo importante subsídio
para a elaboração do seu Plano de Desenvolvimento Institucional. Com base nisso, o
presente projeto analisou a série histórica dos dados sobre o perfil dos alunos ingressantes
da Unoeste coletados por meio dos procedimentos atuais de autoavaliação, identificando
características e tendências. Tal estudo pode ser utilizado como suporte (pré-requisito)
para ações da Comissão Própria de Avaliação da Unoeste e setores administrativos.

Palavras-chave: ingressante; avaliação; formação.

164 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
14. Autoavaliação institucional: aplicabilidade de um
instrumento de avaliação de disciplina
Faculdade de Enfermagem do Hospital Israelita Albert Einstein (FEHIAE)

Fabiane de Amorim Almeida, Maria Mercedes Fernandez Samperiz, Ana Villares Musetti

RESUMO

O processo de autoavaliação institucional, além do importante papel de retratar a


situação da Instituição de Ensino Superior (IES) perante o Ministério da Educação (MEC),
traz contribuições significativas para a própria instituição, quando está comprometida
em aprimorar cada vez mais o seu desempenho junto à sociedade. Dentre os diferentes
aspectos contemplados pelas 10 dimensões que norteiam esse processo, destaca-se
a avaliação das disciplinas oferecidas pelo curso da IES, realizada anualmente junto aos
discentes. Após alguns anos utilizando o mesmo instrumento, que avalia o conteúdo
programático das disciplinas e o desempenho dos seus professores, os autores deste estudo
questionam sobre a adequação deste instrumento para a identificação de fragilidades em
relação a esses dois aspectos. Objetivou-se verificar a aplicabilidade do instrumento de
avaliação de disciplina empregado no processo de avaliação institucional. Trata-se de um
estudo descritivo, retrospectivo, de abordagem quantitativa. Foram analisados os dados
obtidos a partir da avaliação das disciplinas realizadas pelos discentes por meio do uso
do instrumento em questão no período de 2010 a 2012. Este instrumento, apresentado
aos discentes por sistema de votação eletrônica, é constituído por nove questões de
múltipla escolha que consideram uma escala de satisfação de quatro pontos: 1= péssimo;
2= ruim; 3= bom; e 4= ótimo. A avaliação é considerada satisfatória quando pelo menos
75% dos discentes avaliavam o item em questão como ótimo ou bom. A organização e
a tabulação dos dados foram realizadas por meio de técnicas de estatística descritiva,
utilizando os programas Excel® e Minitab®. Ainda que o conteúdo programático da maioria
das disciplinas (média= 81,8%) e o desempenho da maioria dos docentes (média= 75,7%)
tenham sido avaliados como satisfatórios no período analisado, os resultados evidenciaram
pontos de insatisfação que, embora menos frequentes, não podem ser desconsiderados.
Em relação ao conteúdo programático das disciplinas, o índice de insatisfação foi de 15,9%
em 2010 e 2011, elevando-se para 22,7% em 2012. Quanto ao desempenho docente, o

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
165
índice de insatisfação foi de 14,3% em 2010, elevando-se para 30,3% em 2011 e 28,4%
em 2012. Partindo do princípio de que esta IES busca sempre oferecer um serviço de
excelência à comunidade, o instrumento de avaliação de disciplina analisado mostrou-se
efetivo na identificação de pontos a serem melhorados. Os resultados suscitaram a adoção
de medidas pela coordenação de curso da IES, com destaque para o investimento na
capacitação docente. As autoras acreditam, contudo, que a sensibilidade do instrumento
de avaliação possa ser otimizada e os resultados se tornem mais significativos a partir do
uso de uma escala de satisfação de 10 pontos (em que 1 significa totalmente insatisfeitos e
10, totalmente satisfeito), ao invés da escala de quatro pontos.

Palavras-chave: autoavaliação institucional; avaliação de disciplina; Comissão Própria


de Avaliação.

15. Avaliação institucional: uma perspectiva em destaque


Faculdade de Ciências Aplicadas e Tecnológicas do Litoral Sul (Facsul)

Kilza Roberta Assunção Monteiro

RESUMO

Com a possibilidade de ressaltar aspectos relevantes do processo de ação, de reflexão e de


tomada de decisão que envolve todos os atores do contexto escolar, este texto apresenta
algumas considerações quanto à análise dos dados da autoavaliação institucional e a
elaboração de relatórios pela CPA (Comissão Própria de Avaliação). Tem o intuito de
refletir sobre as potencialidades, vulnerabilidades e repercussões dos resultados obtidos
na avaliação interna institucional. Quanto à metodologia utilizada na autoavaliação, esta
se baseou em dados obtidos após aplicação de instrumento de avaliação, que foram
organizados em tabelas e gráficos que indicavam as ocorrências de cada um dos itens. O
tratamento desses dados foi composto por procedimento quantitativo que visava à descrição
da opinião dos respondentes. O entendimento do grau de satisfação quanto às afirmativas
constantes no instrumento seguiu uma escala pré-estabelecida onde o respondente
deveria indicar sua opinião assinalando um valor de 1 (nunca/insuficiente) até 5 (sempre/

166 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
satisfatório), sendo que NS indicaria ausência de informação sobre o assunto. Os dados
assim constituídos foram organizados em tabelas que permitiram verificar, de forma ampla,
o grau de satisfação. O plano para tabular a aplicação do instrumento foi organizado da
seguinte forma: tabelas e gráficos; divulgação dos dados para seus respectivos segmentos,
especificando objetivos e orientações para leitura e análise dos resultados; e elaboração
dos relatórios. O referencial teórico embasou-se em autores como Dias Sobrinho (2002)
e Freitas (2003; 2012). A partir dos resultados obtidos, os responsáveis puderam planejar
e organizar ações diversas de cunho administrativo, pedagógico e social. Neste sentido, a
avaliação institucional tem um importante papel de articuladora entre os atores envolvidos
nesse processo de aprimoramento a partir dos problemas vivenciados por ela e de implantar
a cultura da avaliação institucional como processo formativo.

Palavras-chave: avaliação institucional; Comissão Própria de Avaliação; processo formativo.

16. Desenvolvimento de competências gerais sob a ótica


dos alunos da área da saúde
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)

Estelina Souto do Nascimento, Antônia Maria da Rocha Montenegro, Elisete de Assis


Rebello Leite Ribeiro, Isabel Cristina Correia dos Passos, Marisaura dos Santos Cardoso

RESUMO

Nos últimos anos, no Brasil, as mudanças ocorridas nas áreas da educação e,


particularmente, da educação superior trouxeram significativas transformações para a
formação acadêmica e profissional. A ênfase na formação, baseada no desenvolvimento
de competências e habilidades, tem induzido à adequação dos currículos a esta nova
realidade que se apresenta. Na área de formação da saúde, estes também têm sido os
elementos norteadores dos diversos cursos superiores. Considerando essa realidade,
este estudo tem como objetivo analisar a percepção dos alunos sobre a abordagem das
disciplinas da área da saúde no que tange às práticas pedagógicas, às competências
do profissional da área de saúde que, em conformidade com as Diretrizes Curriculares

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
167
Nacionais, são exercidas em contexto de prática social. Os sujeitos do estudo foram
os alunos dos cursos da área da saúde de uma Instituição de Educação Superior que
responderam um questionário eletrônico. Foi feita uma amostra geral para os cursos,
com um nível de confiabilidade de 95% e margem de erro de 1,9%. O resultado foi
construído em cinco partes: caracterização dos alunos da área da saúde; políticas públicas
e atuação profissional; contribuições do estágio; atividades práticas; e competência. No
presente texto, é apresentada parte dos resultados da avaliação, relatando os dados nos
aspectos ligados às atividades práticas; contribuições do estágio; e competência. Além
disso, é apresentado, de forma sintética, o perfil dos alunos participantes da avaliação.
A presente avaliação vai além de capturar a visão do aluno sobre práticas desenvolvidas,
busca as condições de ensino e as diversas questões que envolvem as atividades
acadêmicas. O propósito, principalmente, é colocar em pauta questionamentos sobre
a produção de significados, a pertinência social, a relevância teórica, científica e ética
dos conhecimentos, das práticas e das competências previstas. Tudo isto visando à
cidadania, à saúde da população e às prioridades da sociedade. Vale ressaltar que a
avaliação tem servido para balizar o desenvolvimento do processo educativo e para
indicar caminhos de transformação e de fortalecimento de estratégias e de políticas
coerentes com objetivos sociais.

Palavras-chave: avaliação institucional; competências profissionais; formação em Saúde.

17. Desenvolvimento e implementação de uma estratégia


de coleta de dados via Mobile
Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap)

Marcelo Krokoscz, Ronaldo Araújo, Graziani Arciprete, Rogério Gustavo, Fernando Reis

RESUMO

O uso de instrumentos convencionais (formulários impressos ou via internet) nos processos


de coleta de dados nas pesquisas de avaliação institucional além de demandarem tempo
e custo elevado, nem sempre obtêm uma taxa de resposta representativa. Em ambos os

168 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
casos, os resultados obtidos, por vezes, são insuficientes e a implicação disto é a fragilidade
das constatações inferidas. O principal objetivo deste trabalho é apresentar o processo de
desenvolvimento e de implementação de uma modalidade inovadora de coleta de dados,
que, ao mesmo tempo em que fosse barata e rápida, permitisse a obtenção de melhores taxas
de participação dos respondentes nas pesquisas institucionais. Sabe-se que as atividades
de avaliação institucional adquirem significância em termos educativos na medida em que
envolvem um grande número de participantes e que tal escopo nem sempre é uma tarefa
simples e fácil de ser realizada, portanto, a busca de estratégias alternativas de coleta de
dados além de ser necessária é uma tarefa que cabe à própria instituição visando a seu
aprimoramento e desenvolvimento. Sendo assim, foi desenvolvida uma plataforma mobile
para a coleta de dados visando à otimização desse processo. Desta maneira, o formulário
de pesquisa, que continha 17 questões de múltipla escolha e uma questão aberta, pode ser
acessado via smartphones e tablets por meio da rede wireless da Instituição e por redes
wireless fora da Instituição ou em conexões 3G. Verificou-se um aumento considerável da
participação dos respondentes de um Curso de Pós-graduação na pesquisa de avaliação
de desempenho docente, alcançando as taxas convencionais de resposta obtidas por meio
de formulários eletrônicos. Além disso, tal estratégia possibilitou a agilização do processo
de coleta de dados, a redução dos custos de aplicação dos questionários e os resultados
da pesquisa, pois por terem sido tabulados automaticamente puderam ser acessados de
forma mais eficiente. Ainda é necessário fazer melhorias nesta modalidade de coleta de
dados, contudo, desde já, se recomenda que esta técnica inovadora seja utilizada por
outras comissões e eventuais aprimoramentos possam ser compartilhados entre todos os
interessados na excelência dos processos de avaliação institucional.

Palavras-chave: pesquisa institucional; coleta de dados; plataforma mobile.

18. Indicadores gerenciais no processo de autoavaliação


institucional em uma universidade federal
Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Cisne Zélia Teixeira Reis, Vivian Kelly Andaki Nunes, Carmem Inêz de Oliveira, Leci Soares de
Moura e Dias, Marcelo Ottoni Durante, Sebastião Tavares de Rezende

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
169
RESUMO

Este estudo tem por objetivo analisar a metodologia utilizada pela Universidade Federal
de Viçosa(UFV) nos três ciclos de autoavaliação institucional, ocorridos a partir de 2004,
com a edição da lei do Sinaes. Tendo como princípios a importância da autoavaliação
institucional e o estabelecimento de indicadores para a avaliação de resultados,
buscou-se a utilização de parâmetros que possibilitem a análise dos dados e a emissão
de relatórios capazes de proporcionar visão gerencial do comportamento da Instituição
em cada dimensão avaliada. Por meio da técnica de Análise Documental, aplicada nos
Relatórios de Autoavaliação Institucional produzidos pela Comissão Própria de Avaliação
(CPA) da UFV, podem-se analisar os procedimentos metodológicos adotados em cada
ciclo de autoavaliação institucional nas 10 dimensões estabelecidas pelo Sinaes: 1)
missão e PDI; 2) a política para o ensino, a pesquisa e a extensão; 3) a responsabilidade
social da Instituição; 4) a comunicação com a sociedade; 5) as políticas de pessoal;
6) organização e gestão da Instituição; 7) infraestrutura física; 8) planejamento e
avaliação; 9) políticas de atendimento aos discentes e 10) sustentabilidade financeira.
Observou-se que no Ciclo I, correspondente ao período 2004-2006, para cada dimensão
foi formulado número variado de questões, de zero a 25, com escala padrão única de
avaliação(ótimo, bom, ruim e sem condições de avaliar), totalizando 78 questões no
conjunto das dimensões. No Ciclo II, referente ao período 2007-2008, a metodologia
foi similar à do Ciclo I, com pequenas variações nos tipos e na quantidade de questões
por dimensão. Destaca-se a elaboração de cinco questões para a dimensão “Missão e
PDI”, que estava zerada no ciclo anterior. Por fim, no Ciclo III, correspondente ao período
2009-2010, a metodologia foi substancialmente alterada e passou a ser composta de
181 questões/subquestões para o conjunto das 10 dimensões. Esta alteração permitiu
qualificar a avaliação, possibilitando ao avaliador apontar os fatores que contribuem
para a avaliação positiva ou negativa de cada dimensão. Contudo, este novo formato
implicou em questionário mais extenso, o que pode ter restringido a participação
de avaliadores no processo. Neste último ciclo, os dados foram submetidos à análise
estatística, permitindo a emissão de relatório analítico e sintético/gerencial. Apesar
dos esforços da CPA na construção de metodologia de autoavaliação institucional
mais significativa e qualificada, verificou-se que apenas 15% da população participou

170 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
do processo e não foram produzidos indicadores do comportamento institucional na
série histórica, de modo a subsidiar a Instituição na gestão universitária de qualidade.
Verificou-se, também, que a CPA sinaliza para a necessidade da consulta à comunidade
acadêmica se dar por amostragem, visto que a participação espontânea tem sido baixa,
seja por segmento seja no todo.

Palavras-chave: autoavaliação institucional; indicadores de desempenho; universidade


federal.

19. Instrumentos de autoavaliação e qualidade da


educação superior
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Paulo José Modenesi, Maria do Carmo de Lacerda Peixoto

RESUMO

No presente trabalho, discute-se a utilização dos questionários de avaliação das disciplinas


como instrumento de autoavaliação da qualidade do ensino. Nesses questionários, os
alunos têm a oportunidade de se autoavaliarem, de avaliarem a disciplina e o professor que
a ministrou. A metodologia que foi desenvolvida pela CPA sintetiza as respostas para cada
item do questionário, por meio de uma nota média calculada conforme o tipo de questão,
tratando os dados para que sejam utilizados nas suas diversas dimensões: Universidade,
Unidades Acadêmicas, departamentos, cursos, turmas e professores. Neste artigo, os
resultados são apresentados apenas para a Universidade e as Unidades Acadêmicas. O
referencial teórico se fundamenta nas distintas perspectivas sobre a qualidade da educação
superior, apoiando-se em estudos de Bertolin, Cunha, Morosini, e Renaud e Patrício. Como a
avaliação é opcional para o estudante, o estudo considera também a evolução da abstenção
no período 2004 a 2012, indicando que, ao longo do período analisado, a participação
dos estudantes sofreu relativa redução. Registra-se, contudo, aumento do percentual de
respondentes no grupo das Unidades Acadêmicas, onde tinha sido mais elevado. As notas
médias obtidas para a maioria das perguntas mantiveram-se relativamente constantes a
partir do ano de 2007. Uma análise mais detalhada dos resultados do primeiro semestre de

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
171
2012 evidencia alguns aspectos da autoavaliação do estudante em relação ao aprendizado
na disciplina e da avaliação do professor quanto à capacidade de transmissão do
conhecimento. Os resultados mostram que os estudantes têm visão positiva da qualidade
dos cursos, sendo destacada a presença de dificuldades dignas da atenção e da intervenção
da Universidade, embora não cheguem a impactar os resultados gerais da Universidade
ou das Unidades Acadêmicas. As análises feitas pela CPA têm sido divulgadas para diversas
instâncias da Universidade, em especial para os colegiados de curso, o que possibilita a
verificação da pertinência de aplicação de medidas visando proporcionar maior qualidade
aos cursos.

Palavras-chave: autoavaliação; qualidade da educação superior; participação dos


estudantes.

20. Intercorpore – uma metodologia qualitativa de


reflexões conjuntas entre os diversos sujeitos do curso
visando a sua qualificação
Centro Universitário FIEO (Unifieo)

Ernesto Sílvio Rossi Júnior, Márcia Helena Biaggi Rossi, Adair Martins Pereira, Andreia Cristina
Grisólio Machion, Celina Maria Golin, Maria Helena Paula de Oliveira Cardim, Marcelo
Moacir da Silva, Maria Isabel Araújo da Silva, Dione Lis Martins Pereira (in memoriam)

RESUMO

A partir de 2004, quando se iniciaram as autoavaliações nas IES brasileiras, notamos


enormes dificuldades que surgiram na maioria das Comissões Próprias de Avaliação , quanto
ao desenvolvimento de um eficaz processo de autoavaliação. Percebemos então, o quão
complexa é essa questão. Uma das maiores preocupações, dentre várias levantadas, é
como podemos obter respostas, que, de fato, reflitam a realidade do curso e da instituição.
Ao realizar uma avaliação quantitativa, muitas vezes, deparamo-nos com ambiguidades.
Por exemplo, ao observarmos uma incoerência entre as respostas de uma mesma
questão, retornamos a questão e tentamos entender os fatores que estão diretamente

172 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
e indiretamente ligados a ela. Dessa forma, podemos ir além, aprofundar-nos mais no
entendimento das respostas e, se for o caso, reformular a questão para que ela nos traga,
nas respostas, um significado mais realista sobre o objeto de investigação. Mas, mesmo
com esses procedimentos, ainda nos faltam informações preciosas que venham corroborar
numa análise sistêmica mais abrangente, no que diz respeito aos diversos resultados da
autovaliação. A falta de informação qualitativa dos sujeitos envolvidos faz com que, muitas
vezes, o instrumento utilizado não contemple muitos dos requisitos necessários para
obter um diagnóstico preciso da real qualificação dos cursos, como dos demais setores
autoavaliados na instituição. Numa tentativa de chegar mais próximo a essa realidade
acadêmica, desenvolvemos uma metodologia de pesquisa qualitativa (fenomenológica)
de autoavaliação, que chamamos de Intercorpore. Tem como principal objetivo propor
uma metodologia de avaliação qualitativa de curso. Nesse processo avaliativo, participam
efetivamente, por meio de um fórum interno de discussões (reunião de avaliação
Intercorpore), os diversos sujeitos envolvidos na qualificação do curso: Coordenador, Chefe
de Departamento, representantes de turmas (alunos), professores e membros da CPA.
Antes de realizar a referida reunião, o Coordenador e o Chefe de Departamento do curso a
ser avaliado recebem uma lista com 22 (vinte e dois) indicadores de qualidade, abrangendo
três grandes aspectos: Qualidade de Planejamento, Qualidade de Gestão e Qualidade
de Ensino. Em reunião de colegiado, priorizam-se alguns indicadores. Esses indicadores
são repassados aos discentes que, em reuniões internas entre os alunos, discutem esses
indicadores, cujos pontos levantados são levados pelos representantes de turma na reunião
de avaliação Intercorpore. Durante a reunião, com todos os sujeitos envolvidos, os membros
da CPA fazem detalhadas anotações do indicador que está sendo discutido, considerando
os pontos positivos, negativos, expectativas, sugestões e compromissos, dentre outros
fatores. Após a reunião, a CPA realiza uma profunda reflexão sobre todas as questões que
foram levantadas, com o objetivo de elucidar todo o processo de autovaliação. Muitas
dessas questões, posteriormente, são correlacionadas com os resultados das avaliações
quantitativas. A Intercorpore, também, serve de suporte para aplicar essas avaliações com
questões mais próximas à realidade dos docentes, dos discentes, do curso e da Instituição. As
considerações finais apontam que a reunião Intercorpore é uma ferramenta fundamental,
de grande importância para estudos de autoavaliação de natureza qualitativa.

Palavras-chave: CPA; avaliação institucional; Intercorpore.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
173
21. O papel da CPA no processo de autoavaliação
institucional no Centro Regional Universitário de
Espírito Santo do Pinhal (UniPinhal)
Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal (UniPinhal)

André Luis Paradela, Luciana Oliveira Ribeiro

RESUMO

O processo de avaliação institucional do UniPinhal teve início em 2000, quando foi


instaurada a primeira Comissão de Avaliação Institucional (CAI). Reformulada em 2001, a
Comissão de Avaliação Institucional (CAI) incorporou outros procedimentos metodológicos
ao processo avaliativo e ampliou o trabalho, contando com novos integrantes e com a
elaboração do Programa de Avaliação Institucional, que traça as diretrizes básicas para
avaliação da IES. De acordo com o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior
(Sinaes), instituído pela Lei nº 10.861, de 14/04/2004, a antiga CAI passou a ser denominada
Comissão Própria de Avaliação (CPA), composta por coordenação e participação de outros
integrantes da IES e da sociedade civil organizada. Para cumprir os objetivos propostos no
projeto de autoavaliação, a CPA estabeleceu a sistemática de sensibilização da comunidade
acadêmica, levantamento de dados, elaboração e aplicação dos instrumentos para a coleta
de informações, divulgação de resultados à comunidade acadêmica e à sociedade. Os
resultados do processo de avaliação realizado em 2011 mostraram, de maneira geral, a
avaliação do Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal – UniPinhal, na visão
dos alunos, professores e coordenadores de curso. Na visão discente, os resultados foram
bastante próximos ao valor de referência (nota 3, em escala de 1 a 5), mais próximos do
médio do que do bom. As notas atribuídas pelos alunos na avaliação de ensino-aprendizagem
foram superiores ao padrão estabelecido, mostrando contentamento do corpo discente
em relação aos professores. A partir destes resultados, a CPA elaborou Plano de Ação que
vem sendo executado para atender às fragilidades apontadas. Até o presente momento, a
CPA já registrou mais de 100 ações devidamente comprovadas em documentos.

Palavras-chave: avaliação; infraestrutura; ensino-aprendizagem.

174 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
22. Sistemas colaborativos na elaboração dos
relatórios da IES nos Ciclos Sinaes
Universidade Cruzeiro do Sul (Unicsul)

Manuel Fernández Paradela Ledón, Vanda Rutkowski Tognarelli

RESUMO

A finalidade precípua dos relatórios autoavaliativos, elaborados anualmente pela Comissão


Própria de Avaliação (CPA), é a de relatar o fazer institucional, permitindo que cada área
ou setor da IES registre suas ações, potencialidades, fragilidades e propostas. Esta é
uma concepção que exige fundamentos, metodologia e condições muito especiais, pois
a palavra de ordem é participação. Nesta direção, prevê-se um extenso envolvimento
da comunidade institucional, cumprindo o detalhamento dos relatos inseridos em cada
uma das dimensões indicadas pelo Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior
(Sinaes). Dentre as principais condições para viabilizar a proposta insere-se a utilização
de ferramentas computacionais apropriadas, que permitem este nível de participação,
organizando e facilitando os acessos em um ambiente ético e dialógico. O objetivo
deste trabalho é expor o uso de um sistema colaborativo computacional desenvolvido
com a finalidade de viabilizar o modelo proposto no processo autoavaliativo, de forma
a atender às especificidades da IES e às exigências dos órgãos reguladores do Estado. A
experiência relatada tem como cenário a Universidade Cruzeiro do Sul, uma IES da cidade
de São Paulo, como área a Avaliação Institucional, coordenada pela Comissão Própria de
Avaliação e viabilizada pelo Sistema Informatizado da Avaliação Institucional (Sisavi). Os
fundamentos dos paradigmas crítico-dialético, empírico-analítico e socioantropológico,
adotados na experiência relatada, exigiram abrir um espaço virtual fortemente interativo,
garantindo a participação dos envolvidos e legitimando as propostas das áreas e da CPA.
O referido sistema dotou-se de características adequadas às especificidades do processo,
criando mecanismos de sincronização de acessos para a elaboração de textos e registros
de resultados, respeitando as colocações e identidades dos participantes. Este modelo
específico de autoavaliação só se tornou realidade pela parceria entre teoria, metodologia,
Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), apoio e prática efetiva de toda a IES. Sua

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
175
utilização paciente e gradual vem apresentando, em dezesseis anos de exercício, resultados
satisfatórios tanto internamente quanto os observados nos relatos das Comissões de
Avaliação Externa do MEC, com excelentes conceitos na área de Avaliação Institucional,
cuja viabilização é função da Comissão Própria de Avaliação.

Palavras-chave: relatório autoavaliativo; sistemas colaborativos; sujeito coletivo


institucional.

23. Teste de progresso e avaliação do desempenho


docente: diferenciais do Programa de Autoavaliação
Institucional do Unifeso
Centro Universitário Serra dos Órgãos (Unifeso)

José Feres Abido Miranda, Flávio Eduardo Frony Morgado, Maria Beatriz Villas Boas de
Moraes, Maurício da Cunha Oliveira, Rosângela Pimentel Guimarães Crisostomo

RESUMO

Este artigo aborda os principais indicadores e instrumentos que a Comissão Própria


de Avaliação (CPA) do Centro Universitário Serra dos Órgãos (Unifeso), situado em
Teresópolis-RJ, utilizou para desenvolver ações na perspectiva de tornar a autoavaliação
institucional cada vez mais significativa. Em 2004, foi instituída a Comissão Própria de
Avaliação (CPA). Criou-se um modelo inovador de avaliação institucional, formativa e
diagnóstica, com a participação de grupos de pesquisa, em que o público-alvo envolveu
professores, estudantes e funcionários técnico-administrativos. A avaliação teve como
base as dez dimensões determinadas pelo Sinaes. Em 2008, foi elaborado o Programa
de Auto Avaliação Institucional – Paai, integrando a avaliação dos cursos e ampliando
a autoavaliação institucional para além das dimensões preconizadas pelo Sinaes, por
contemplar a necessidade de avaliar os cursos em quesitos como desempenho da
coordenação, projetos pedagógicos, condições psicossociais e pedagógicas dos alunos,
entre outros. O PAAI utiliza instrumentos como o Teste de Progresso, que consiste na

176 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
avaliação anual do desenvolvimento cognitivo de todos os estudantes e a avaliação
do desempenho dos professores (Avaliação Docente). O Teste de Progresso, realizado
há seis anos, é uma avaliação formativa cujo conteúdo tem por objetivo avaliar o
crescimento cognitivo do estudante, sendo aplicado longitudinalmente em todos os
períodos, sem caráter de premiação, punição ou promoção, traduzindo, na prática,
a política de avaliação formativa preconizada no Projeto Político Pedagógico (PPPI)
do Unifeso. É composto por dez questões de conhecimentos gerais e cinquenta de
conhecimentos específicos, categorizadas de acordo com as Diretrizes Curriculares
Nacionais. Seus resultados permitem ao estudante acompanhar sua evolução de forma
reservada e individual, servindo de estímulo ao seu autoconhecimento frente ao mundo
do trabalho. A gestão, ao identificar áreas do conhecimento com bom ou desempenho
insuficiente, efetua análises que correlacionam o tema ao aspecto didático-pedagógico
ou cenários de prática que lhe diz respeito. A Avaliação Docente veio complementar
a avaliação dos cursos no sentido da prática pedagógica. Possui duas vertentes: a
autoavaliação do docente e a realizada pelos estudantes. As dimensões analisadas
são: relações acadêmicas em geral; relação didático-pedagógica; normas disciplinares
básicas; planejamento pedagógico; e avaliação. Seus resultados determinam uma ação
diagnóstica da coordenação do curso, o que promove uma interlocução com os docentes
de acordo com as fragilidades ou as potencialidades identificadas. O seu caráter reservado
e não punitivo tem contribuído intensamente para provocar a reflexão sobre a prática
docente, caracterizando-se como educação permanente, proposta no PPPI do Unifeso.
O objetivo é destacar dois instrumentos de avaliação que propiciam o aprofundamento
da avaliação dos cursos e promover intervenções. A metodologia utilizada foi a análise
dos relatórios do Teste de Progresso e da Avaliação Docente e relatos das intervenções
realizadas. Como referencial teórico, o embasamento se deu a partir dos pressupostos
do Sinaes, dos Relatórios da CPA/Unifeso e documentos institucionais. Como resultado,
identifica-se maior participação e compreensão da comunidade acadêmica acerca da
importância da autoavaliação institucional. Pode-se concluir que estes instrumentos
têm colaborado para análise do progresso individual do estudante, do desempenho
docente e da qualidade da formação oferecida.

Palavras-chave: autoavaliação; teste de progresso; avaliação docente.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
177
Região Sul

24. A autoavaliação institucional como fonte de


informações ao Plano de Desenvolvimento Institucional:
uma aplicação da análise de conteúdo
Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Lúcia Rejane da Rosa Gama Madruga, Marcia Helena do Nascimento Lorentz, Sandra Ligia
Agnolin, Juarez de Lima Ventura, Carolina Costa Pires Trindade

RESUMO

Inserido no contexto da autoavaliação institucional, este artigo tem como objetivo


apresentar uma aplicação do método de análise de conteúdo (Moraes, 1999) como
instrumento para a sistematização e a análise das sugestões da comunidade universitária
– apresentadas nas questões abertas do Instrumento de Autoavaliação – tendo em vista a
sua utilização como fonte de informações para o Plano de Desenvolvimento Institucional
(PDI). Os dados foram coletados no segundo semestre de 2009 e participaram do processo
os segmentos de servidores, discentes, gestores e egressos. As dimensões de análise foram
as linhas estratégicas definidas pela CPA: comunicação/divulgação, ensino, infraestrutura,
integração, qualificação de pessoal, questionário e organização e gestão. Os resultados
foram organizados por segmento e demonstraram que, naquele momento, a linha
estratégica da infraestrutura era uma questão preponderante, seguida das linhas de ensino
e de organização e gestão. As questões de infraestrutura estavam muito relacionadas às
bibliotecas e aos laboratórios de ensino e de informática com acesso à internet para apoio
às aulas. No ensino, destacavam-se questões como a formação profissional dos acadêmicos,
currículo, aulas e atividades práticas, atenção aos estudantes com deficiências, maior apoio
aos projetos de pesquisa e extensão, dentre outras questões. Os resultados deste processo
foram incorporados ao PDI 2011/2015 e configuraram-se em ações/projetos/programas
institucionais de diversas áreas, dentre as quais se destacam as áreas de infraestrutura, de
graduação e de pós-graduação e pesquisa.

Palavras-chave: avaliação institucional; autoavaliação; PDI.

178 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
25. A criação do CiAI: um índice e um conceito
interno para a autoavalição institucional
Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos)

Suzana Salvador Cabral Gianotti

RESUMO

Apresenta a experiência inovadora em Avaliação Institucional da Universidade


do Vale dos Sinos (Unisinos), desenvolvida pela CPA Unisinos a partir de 2011, pela
qual se estabeleceram um índice integrador, o CIAI-Unisinos, e a enunciação de um
conceito interno para a Avaliação Institucional. O projeto teve por objetivos construir
uma ferramenta para facilitar o processo de autoavaliação, em conformidade com a
essência, os objetivos e as políticas e as ações estabelecidas no PDI da Universidade
e gerar um resultado dependente das percepções da comunidade interna sobre os
indicadores que integram as Dimensões de Avaliação previstas pelo Sinaes. A discussão
do CIAI-Unisinos, em 2011 e 2012, que é aqui apresentada de forma resumida, permite
identificar dois grandes desafios para a autoavaliação institucional no ensino superior: o
primeiro está relacionado à capacidade de a avaliação interna, de fato, orientar a crítica
da instituição, mediante indicadores de eficiência e efetividade para processos internos
e de eficácia nas respostas à sociedade; o segundo diz respeito à necessidade de revisão
dos procedimentos de comunicação interna e de verificação da qualidade da apreensão
das informações pela comunidade acadêmica.

Palavras-chave: avaliação institucional; integração avaliação-planejamento; indicador de


autoavaliação.

26. Aprimoramento dos instrumentos de autoavaliação


aplicados pela CPA
Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Maria Aparecida Zehnpfennig Zanetti, Salette Aparecida Franco Miyake, Aldemir Junglos,
Claudete Silva, Danielle Willemann Sutil de Oliveira, Fernanda Langa, Gustavo Gonçalves da

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
179
Silva, Lairdes Figueredo Cheke, Luisa Fanes, Maria José Gnatta Dalcuche Foltran, Maurício
Roberto Nascimento Martins, Robson Tadeu Bolzon, Sergio Augusto Suckow de Castro

RESUMO

O presente artigo tem por objetivo expor as principais estratégias utilizadas para o
aprimoramento dos instrumentos de avaliação institucional empregados pela Comissão
Própria de Avaliação (CPA) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Faz uma breve reflexão
sobre a atuação da CPA na UFPR quanto a representatividade e a articulação com os Setores
Acadêmicos e as instâncias administrativas da Instituição. Aborda as estratégias utilizadas
para a construção dos instrumentos e a formalização das escalas. Contempla informações
sobre a meta-avaliação realizada pela Comissão quanto à tomada de decisão de revisão dos
instrumentos. A CPA aplicou a primeira pesquisa por instrumento de autoavaliação durante
o ciclo 2007-2008. Esse instrumento contendo 80 questões, sendo 55 questões gerais e
25 específicas, distribuídas entre os segmentos que compõem a comunidade universitária.
Durante os dois ciclos seguintes, a Comissão utilizou outras metodologias de captação de
dados e informações, e, durante o ciclo 2011-2012, realizou nova pesquisa utilizando um
instrumento de avaliação revisado por análise fatorial. A análise fatorial é uma das técnicas
de análise multivariada, frequentemente utilizada para análise do comportamento de uma
variável ou grupos de variáveis, tendo por objetivo encontrar simetrias no comportamento
de duas ou mais variáveis para testar modelos de associação entre elas. Este trabalho
resultou em um questionário reduzido em comparação ao do ciclo 2007-2008, contendo
47 questões, sendo uma aberta e 46 gerais. Neste formato, foi utilizada uma escala de dez
pontos e a opção “não sei/não se aplica”. Os questionários foram aplicados e respondidos
espontaneamente em sistema informatizado, especialmente planificado para este fim por
equipe de programadores e estatísticos da própria instituição. Em 2013 e após recomposição,
a CPA iniciou os trabalhos de construção de um novo instrumento, baseando-se em uma
metodologia distinta, que avalia a percepção da qualidade pelo respondente. Entendendo
que esta mudança é necessária diante do atual perfil institucional pós Reuni e perante
necessidade de realizar nova meta-avaliação, atualmente, a CPA está analisando o Projeto
de Avaliação Institucional e, com base na atual estrutura da UFPR, discutindo e formulando
novas questões, de acordo com as Dimensões do Sistema Nacional de Avaliação da
Educação Superior (Sinaes), que comporão o instrumento. Com isto, busca-se traçar

180 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
novos rumos para o formato das pesquisas de autoavaliação. O instrumento passará por
revisão dos representantes da Comissão nos diversos setores acadêmicos e nas instâncias
administrativas para sua aprovação e deverá ser aplicado através de sítio eletrônico no
segundo semestre de 2013. As pesquisas realizadas permitem a percepção da comunidade
acadêmica em relação às dimensões abordadas, possibilitando que a UFPR conheça e
discuta seus sucessos e fraquezas.

Palavras-chave: instrumento de avaliação; análise fatorial; percepção de qualidade.

27. Autoavaliação institucional com diplomados:


contribuições para a implantação
Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Marion Creutzberg, Afonso Strehl, Alam Oliveira Casartelli, Alessandra Maria Scarton,
Alexandre de Mello Zart, Ana Lúcia Souza de Freitas, Ana Paula Bragaglia Acauan, Carmem
Sanson, Clarissa Lopes Bellarmino, Dario Anschau, Edison Faller Pereira, Elaine Bauer Veeck,
Elaine Turk Faria, Hélio Radke Bittencourt, Juliane Bernardes Marcolino, Márcio Vinícius
Fagundes Donadio, Maria Inês Corte Vitória, Marta Voelcker, Nádia Sá Borges, Roberto
Hubler, Valderez Marina do R. Lima

RESUMO

A CPA da PUCRS definiu, em seu Plano de Autoavaliação Institucional, as etapas para


a elaboração e a aplicação de instrumentos avaliativos. Diferentes instrumentos são
utilizados em mais de 20 processos avaliativos. Ao definir a ampliação da autoavaliação
para públicos externos, começando com os diplomados da Universidade, iniciou-se
a discussão do instrumento. Uma das etapas incluídas foi a revisão de publicações
nacionais sobre o tema, com a finalidade de implantar a referida avaliação. Considera-se
que a avaliação do egresso pode significar um interessante indicador de qualidade na
avaliação institucional e que sua condição de perceber a interação da IES na comunidade
e na sociedade constitui aspecto essencial na autoavaliação. Objetivo: revisar a
literatura nacional no que diz respeito às experiências de avaliação com egressos de

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
181
IES, de graduação e de pós-graduação lato e stricto sensu, identificando as finalidades
da avaliação e os instrumentos utilizados. Método: revisão de literatura, com base em
busca no Portal da Capes, de publicações a partir de 2004, com os descritores “egresso”
e “egressos”. A análise preliminar permitiu identificar 68 publicações sobre egressos da
educação superior, em IES brasileiras. A partir disso, ainda foram utilizados como critérios
de exclusão os estudos que envolviam egressos de várias IES; estudos que incluíssem
outros grupos além de egressos e, em seus resultados, não distinguiam os grupos;
estudos que se referiam a egressos, mas que coletaram dados em fontes secundárias,
o que levou à seleção de 44 artigos. Após definição, procedeu-se à leitura analítica e à
sistematização dos achados. Resultados: Dos estudos revisados, 10 contextualizam o
estudo na Avaliação Institucional e apenas quatro explicitam a relação com o Sinaes. Da
totalidade, 32 provêm de avaliações em IES públicas, sete em IES privadas e cinco em
IES que se caracterizam como comunitárias ou filantrópicas. Destes, 32 foram avaliações
realizadas em universidades, 28 foram realizados com egressos da graduação, 10 com
egressos de programas de mestrado ou doutorado e seis com diplomados em cursos
de especialização. Quanto aos aspectos metodológicos, 13 estudos foram realizados
com abordagens quanti e qualitativas, 16 apenas com abordagem qualitativa e 13 com
métodos exclusivamente quantitativos. As finalidades da avaliação com egressos, na
literatura revisada, foram organizadas em quatro dimensões: avaliação da IES, avaliação
do curso ou programa, avaliação da trajetória do egresso e contribuição com a área
profissional. Foi possível identificar tópicos ou variáveis incluídas nos instrumentos
utilizados, pois os instrumentos não foram disponibilizados nos artigos, até mesmo
por normas de publicação dos periódicos. No entanto, os elementos constituintes
de questionários e de entrevistas foram descritos nas publicações e puderam ser
identificados. Conclusões: a revisão realizada cumpriu sua finalidade ao subsidiar a
finalização do instrumento a ser utilizado na PUCRS para a implantação da avaliação
com diplomados que, certamente, tornar-se-á importante ferramenta de gestão para
diversos setores da Universidade, proporcionando o contínuo aperfeiçoamento no
cumprimento de sua missão. Destaca-se, ainda, que a produção de conhecimento com
base em avaliação com egressos no contexto do Sinaes é incipiente, demonstrando a
importância de que experiências sejam sistematizadas e compartilhadas.

Palavras-chave: avaliação institucional; educação superior; egresso.

182 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
28. Autoavaliação institucional no Centro Universitário
Filadélfia/UniFil – indicadores e instrumentos construídos –
relato de experiência
Centro Universitário Filadélfia (UniFil)

Fernando Pereira dos Santos, Selma Frossard Costa

RESUMO

Este trabalho é um relato de experiência sobre o processo de autoavaliação institucional


conduzido pela CPA, no Centro Universitário Filadélfia, com base no ano de 2012. Tem
como objetivo principal relatar, de forma sistematizada, a construção e a reconstrução dos
instrumentos e dos indicadores para coleta e avaliação dos dados, buscando contribuir com
as demais IES na condução desse importante desafio da autoavaliação institucional. Esta é
marcada por etapas metodológicas e por indicadores e instrumentos que são construídos
para dar conta não apenas da coleta dos dados, mas também da sua análise efetiva. Os
sujeitos da pesquisa de avaliação (a comunidade acadêmica) necessitam estar motivados a
envolver-se neste processo, pois são portadores de informações valiosas para a composição
do quadro final da avaliação institucional. Sendo assim, este relato apresenta os indicadores
e os instrumentos construídos e utilizados nos três momentos básicos do processo de
autoavaliação (planejamento e preparação; coleta, tabulação e análise dos dados; devolutivas),
que é descrito em suas seis principais etapas, indicando a metodologia do trabalho realizado.
Ilustrando e exemplificando os instrumentos e os indicadores construídos para cada etapa,
em sua forma e conteúdo, apresenta os resultados metodológicos alcançados na coleta e na
análise dos dados, culminando com a devolutiva ainda em efetivação. Esse processo facilitou
o envolvimento espontâneo da comunidade acadêmica, focando na qualidade dos dados
coletados e não tanto em sua quantidade. Na forma como foram pensados, estruturados e
operacionalizados têm permitido a socialização dos seus resultados junto a cada segmento,
alcançando gradativamente toda a comunidade acadêmica. E a ênfase está também no
conteúdo destas devolutivas e não apenas na sua forma, permitindo aos gestores acadêmicos
e administrativos, em todas as instâncias, visualizarem as fragilidades como possibilidades de
melhorias e sendo instados a promovê-las.

Palavras-chave: autoavaliação; indicadores; instrumentos.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
183
29. Autoavaliação, suas fontes e indicadores: a experiência
da Univali no processo de avaliação institucional
Universidade do Vale do Itajaí (Univali)

Cássia Ferri, Leo Lynce Valle de Lacerda

RESUMO

A promulgação da Lei do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes),


em 2004, trouxe para as Instituições de Ensino Superior (IES) um desafio conhecido por
alguns desde os anos de 1980 e desconhecido por muitos: autoavaliar-se. A exigência de
elaborar um relatório de autoavaliação institucional tornou-se preocupação dos setores
institucionais responsáveis pela avaliação ou pelo ensino nas IES. Na Univali, a existência de
um programa de avaliação institucional desde 1993 não tornou a tarefa menos trabalhosa. Ao
contrário, vimos na implantação da Comissão Própria de Avaliação (CPA) uma oportunidade
para ampliar o processo já instalado de avaliação institucional, incorporando diversas
outras fontes de dados e informações à percepção de alunos e professores captada pelas
pesquisas de opinião realizadas pelo programa de avaliação. Neste trabalho, utilizando
a bibliografia especializada da área, objetiva-se examinar o processo de ampliação dos
aspectos avaliados, as principais fontes de dados e informações utilizadas pela Comissão
Própria de Avaliação (CPA). A análise documental e de conteúdo indicam o caminho para
o uso do programa de avaliação institucional como fonte primária. Evidenciando-se, no
entanto, a importância do exame de outras fontes, tais como: as estatísticas de uso do
acervo bibliográfico, o rendimento acadêmico, o programa de avaliação institucional e
outros. É investigada, também, a inter-relação entre estas fontes, numa perspectiva em
que a análise de dados quantitativos fornece indícios, mas não mais que isso, para o
processo de avaliação, mais amplo e qualitativo, necessário ao juízo de valor que se quer
estabelecer para as mudanças qualitativas da IES. As principais dificuldades encontradas
são apontadas e discutidas, bem como a interação entre os dados, resultante das diversas
questões estabelecidas no processo. Também é descrita a avaliação qualitativa realizada
pela CPA em seu balanço crítico de cada uma das dimensões estabelecidas pelo Sinaes. Ao
final, são feitas considerações acerca da evolução deste processo de autoavaliação e seus
resultados em relação ao planejamento e desenvolvimento institucional.

184 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
Palavras-chave: autoavaliação institucional; Comissão Própria de Avaliação; indicadores de
avaliação.

30. Avaliação do sentido de realização, relações


interpessoais e recompensa no trabalho: um estudo de caso
em uma Instituição de Ensino Superior do Estado do Paraná
Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais (Cescage)

Lindenalva Feltrim Catelli, Rosa Cristina Hoffmann, Fernanda Cordeiro De Geus, Patricio
Henrique Vasconcelos

RESUMO

O presente trabalho analisa as percepções dos colaboradores técnico-administrativos


das Faculdades Integradas dos Campos Gerais do estado do Paraná nos aspectos de
relacionamento interpessoal, sentido de realização e sistema de recompensas, existentes
no contexto de trabalho em que realizam seu exercício profissional. Através de um estudo
de caso, com uma abordagem qualitativa, mostra que a Comissão Própria de Avaliação
preocupa-se com a motivação dos funcionários e como que a Instituição está fazendo para
que esses colaboradores supram suas necessidades econômicas, sociais e emocionais,
tendo em vista que as organizações dependem de que as pessoas produzam, inter-
relacionem-se e sintam-se recompensados pelas atividades que realizam. É por meio do
trabalho que as pessoas buscam encontrar satisfação para realizar seus objetivos, sendo
esse um dos fatores condicionantes para a realização do planejamento organizacional a
fim de alcançar as metas em todos os níveis e que estas só serão alcançadas através do
esforço dos colaboradores motivados. Entende-se que o planejamento serve como base
dos objetivos das pessoas e do funcionamento efetivo da instituição; ao se planejar uma
tarefa, pensa-se no colaborador como pessoa e ser responsável por suas atividades.
Então, no estudo sobre o sentido de realização, relações interpessoais e recompensa
no trabalho, verifica-se que colaboradores possuem necessidades e expectativas que
combinam de maneiras diferentes em cada indivíduo, o que reforça que a Instituição recebe
indivíduos comportando-se das mais diferentes formas, como consequência de diferentes
necessidades no processo de alcance dos objetivos e desafios empresariais. O simples fato
de que os colaboradores possuem necessidades e expectativas que combinam de maneiras

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
185
diferentes com a organização e, desse modo, comportam-se das mais diferentes formas
dentro dela, cria-se uma dependência recíproca de se atingir os objetivos, pessoais ou
da organização, o que não impede que conflitos surjam no ambiente organizacional,
desafiando as organizações, seus gestores e colaboradores, a encontrarem maneiras de
edificar convergências que pavimentem o caminho do alcance de objetivos comuns. A
preocupação com a gestão de pessoas nos dias atuais está na motivação dos funcionários
no que as organizações estão fazendo para que esses colaboradores produzam, se inter-
relacionem e sintam-se motivados para a realização das suas atividades. Nas Faculdades
Integradas dos Campos Gerais, essa preocupação com a motivação dos colaboradores,
a sua posição perante as atividades realizadas e os conflitos no ambiente organizacional,
que desafiam seus gestores a tomarem posições importantes de forma que se alcancem
os objetivos comuns, também ocorre.

Palavras-chave: gestão de pessoas; autoavaliação; reconhecimento no trabalho.

31. O uso efetivo dos resultados dos processos de


autoavaliação para a qualificação acadêmica
Universidade de Caxias do Sul (UCS)

Marcos Eduardo Casa, Marcelo Faoro de Abreu, Ademar Galelli

RESUMO

Este trabalho apresenta um estudo de caso sobre a atuação da Comissão Própria de Avaliação
(CPA) da Universidade de Caxias do Sul (UCS) e, principalmente, sobre as ações decorrentes
dos processos avaliativos organizados e fomentados por ela. Para a realização deste estudo,
foram coletados relatos dos gestores acadêmicos da instituição inerentes a suas ações e
decisões, baseadas nos resultados dos processos de autoavaliação. É importante lembrar
que a UCS é uma Universidade Comunitária multicampi com unidades em nove municípios
da região nordeste do estado do Rio Grande do Sul e, a cada semestre, um universo de mais
de 30 mil alunos, 1 mil professores e cerca de 300 funcionários são convidados a participar
do processo de avaliação. Como principais resultados foi possível verificar que os processos

186 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
de autoavaliação na Universidade de Caxias do Sul (UCS), dos quais participam alunos,
professores e funcionários técnico-administrativos, servem como uma fonte inestimável de
avaliações, opiniões e sugestões sobre diversas dimensões da instituição. Estas informações
são valiosas para o planejamento de ações capazes de produzir um movimento contínuo
de qualificação da instituição como um todo e, mais especificamente, dos seus programas
de graduação. No entanto, há desafios constantes que precisam ser enfrentados para
que os resultados desses processos de avaliação possam efetivamente ser empregados
como subsídios para o planejamento. O processo de avaliação, evidentemente, não
pode limitar-se à coleta de informações ou mesmo à divulgação de resultados/relatórios
quantitativos para a comunidade acadêmica. As informações qualitativas e quantitativas
produzidas devem ser analisadas e organizadas de maneira que possam ser utilizadas como
subsídio para a gestão acadêmica. Surgem aqui algumas das dificuldades com o processo.
Além das resistências conhecidas e recorrentes aos processos que envolvem a avaliação
do desempenho dos professores pelos alunos (principalmente sobre a legitimidade dos
resultados), há o problema de obter uma participação significativa dos alunos (aumentando
assim a confiabilidade dos resultados); obter análises significativas dos resultados, quando
o sucesso na participação produz uma grande quantidade de informações; e, finalmente,
acompanhar o uso efetivo destes resultados no planejamento de ações de qualificação.
Portanto, a estratégia adotada pela CPA tem sido, em grande medida, a de envolver os
gestores acadêmicos (principalmente coordenadores de cursos e diretores de unidades)
para contextualizar estes resultados e análises, planejar e executar ações a partir deles e
divulgar as ações desenvolvidas. Entretanto, além das dificuldades com a heterogeneidade
dos resultados de um processo que envolve um número grande de atores, há o problema
de como fazer um acompanhamento do uso destes resultados para a contínua melhoria
da qualidade dos serviços oferecidos pela Universidade. A análise dos relatórios de ações
configura-se como um elemento importante para esse processo de acompanhamento
e aponta tanto para categorias específicas de ações que se pautam diretamente pelos
resultados dos processos de autoavaliação quanto para possíveis avaliações subsequentes
que poderão medir a eficácia destas ações em responder os problemas evidenciados.

Palavras-chave: autoavaliação institucional, autoavaliação e planejamento; uso dos


resultados da autoavaliação.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
187
32. Significações acerca de indicadores e instrumentos
próprios de autoavaliação institucional
Faculdade do Litoral Paranaense (Isepe-Guaratuba)

Rosane Patrícia Fernandes, Alessandro Koiti Ymai, Rosi Mariana Kaminski, Carlos Alberto
Shonrock

RESUMO

A necessidade de avaliação do ensino superior do país é uma realidade que surge da


própria essência de uma instituição de ensino, a de agente transformador da sociedade.
Sendo uma peça chave no desenvolvimento socioeconômico, a autoavaliação
institucional ganha importância na medida em que agrega mudanças significativas na
qualidade dos serviços educacionais ofertados. Desta maneira, o presente estudo busca
analisar a viabilidade da utilização dos métodos de avaliação da qualidade em serviços
(Servqual) em conjunto com a abordagem do Desdobramento da Função de Qualidade
(QFD) como instrumento auxiliar na autoavaliação institucional. O método Servqual é
uma escala que compara as expectativas e as percepções acerca da qualidade de um
serviço, enquanto o método QFD transforma os requisitos de qualidades demandados
pelos clientes em processos mensuráveis. O objetivo geral deste trabalho é adaptar
estes dois modelos para serem utilizados no processo de autoavaliação institucional
da Faculdade Isepe Guaratuba, buscando verificar a viabilidade da utilização destes
dois modelos e analisar suas limitações. Após aplicação experimental de instrumentos
construídos a partir da proposta, constatou-se que a integração destes dois modelos,
apoiados por estudos pertinentes, são capazes de identificar em quais processos
a gestão da instituição deve focar seus esforços para alinhar a qualidade do serviço
educacional ofertado à qualidade almejada. Os resultados apontam que as dimensões
Responsabilidade Social, Comunicação com a Sociedade e Infraestrutura apresentaram
maiores níveis de insatisfação. Dentre os processos para eliminação destas lacunas,
Quantidade de docentes, Qualificação dos docentes, Sistema de Informação e Atuação
da CPA apresentaram maior importância.

Palavras-chave: autoavaliação; Servqual; QFD.

188 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
33. Utilização da Teoria da Resposta ao Item na análise
dos dados da autoavaliação institucional da Universidade
Federal de Santa Maria: vantagens e oportunidades
Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Fernando de Jesus Moreira Junior, Charles Rogério Paveglio Szinvelski

RESUMO

A análise dos dados da autoavaliação institucional da Universidade Federal de Santa


Maria (UFSM) é realizada por meio de estatísticas descritivas, tabelas de frequência
e gráficos apresentados anualmente no relatório de autoavaliação institucional.
Este trabalho tem como objetivo apresentar as vantagens e as oportunidades que a
utilização da técnica estatística conhecida como Teoria da Resposta ao Item (TRI) pode
fornecer, no sentido de complementar a análise que tradicionalmente é realizada. A
TRI é uma metodologia muito utilizada nas avaliações educacionais internacionais em
larga escala e, inclusive, vem sendo utilizada recentemente pelo Instituto Nacional de
Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) na avaliação do Exame Nacional
do Ensino Médio (Enem). Embora a maioria das aplicações esteja relacionada com as
avaliações educacionais, a TRI também tem sido utilizada em diversas outras áreas, tais
como, as ciências administrativas, as ciências da saúde, a psicologia, as engenharias,
etc. A TRI utiliza modelos de probabilidade para avaliar traços latentes, por exemplo,
nível de proficiência ou conhecimento, satisfação de clientes, grau de depressão, etc. A
TRI permite analisar os itens (conjuntamente e individualmente) por meio das Curvas
Características e das Curvas de Informação de cada item e do instrumento. Cria também
uma escala interpretável, em que os itens e os respondentes são posicionados. Para
executar a análise desse trabalho, foram utilizados os bancos de dados que continham
as respostas dos indivíduos que participaram da autoavaliação institucional realizada
em 2012. As respostas foram dicotomizadas para fins de utilização do Modelo Logístico
Unidimensional de Dois Parâmetros (ML2). Os dados foram analisados no R. Este estudo
é uma pesquisa descritiva e de análise quantitativa. Os resultados permitiram verificar a
qualidade dos itens que compõem o instrumento de autoavaliação institucional, que, em

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
189
geral, possuíam um bom poder discriminatório. O próprio instrumento, como um todo,
também pode ser analisado e foi constatada uma concentração maior de informação
à esquerda da escala criada. Nessa escala, os itens e indivíduos foram posicionados,
o que permitiu a identificação de níveis na escala e a interpretação desses níveis. Os
resultados mostraram que a TRI pode contribuir nas análises dos dados da autoavaliação
institucional, fornecendo informações adicionais relacionadas com a qualidade do
instrumento como um todo, dos itens individualmente e da avaliação dos respondentes.

Palavras-chave: Teoria da Resposta ao Item; autoavaliação institucional.

190 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
EIXO III
Impactos da CPA

Região Centro-Oeste

1. A importância da autoavaliação na gestão do curso


de Sistemas de Informação da Faculdade Projeção
Faculdade Projeção

Keila Pereira Capalbo

RESUMO

O artigo demonstra quais foram as principais contribuições da autoavaliação para a gestão


do curso de Sistemas de Informação da Faculdade Projeção. A avaliação é entendida como
um poderoso instrumento de gestão e é utilizada como estratégia institucional. Este artigo
é uma análise acerca do impacto da autoavaliação na gestão de cursos superiores, em
especial, no curso de Sistemas de Informação da Faculdade Projeção. O objetivo foi analisar
os impactos da autoavaliação na gestão do curso de Sistemas de Informação da Faculdade
Projeção de Taguatinga, compreendendo como se dá o processo de autoavaliação do Sinaes,
apresentando como ocorre o processo de autoavaliação após a implementação do Sinaes e,
principalmente, compreender como, na Escola de Tecnologia, os resultados da autoavaliação
contribuíram com a gestão do curso de Sistemas de Informação. A metodologia partiu da
problemática levantada e consistiu na investigação acerca dos impactos da autoavaliação na
gestão de um curso, neste caso, o curso de Sistemas de Informação da Faculdade Projeção.
Demonstra como a utilização dos resultados da autoavaliação colaborou positivamente
com a gestão do curso a ponto de gerar resultados positivos nas avaliações externas. Foi
realizada uma revisão da literatura sobre avaliação institucional, os antecedentes do Sinaes
(Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior)e do próprio Sinaes. De acordo com
um dos autores pesquisados, “a avaliação institucional é um instrumento capaz de dar um
retorno à sociedade acerca das instituições de ensino superior, apontando aspectos que
podem ser aperfeiçoados”. A identificação destes “aspectos que podem ser aperfeiçoados”
faz com que a Faculdade Projeção venha mantendo um processo contínuo de autoavaliação
institucional desde 2005. Isso permitiu verificar dados do curso tendo por base o período

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
191
que culminou com a divulgação do primeiro CPC do curso em 2008 e o último CPC do curso
em 2011. Para garantir a devida articulação com o PDI da IES, o Programa de Avaliação
Institucional da Faculdade Projeção (Paip) tem por objetivo principal manter na Faculdade
Projeção um processo permanente de avaliação institucional, sistemático e confiável, de
forma que estes dados contribuam para que a instituição possa diagnosticar, em todos os
seus setores e ou segmentos, as oportunidades de melhorias no processo educacional. Por
meio de alguns dados extraídos dos relatórios de autoavaliação, foi possível demonstrar que
a autoavaliação na IES não é e nem pode ser apenas um instrumento regulador, mas sim,
um eficaz instrumento de gestão, capaz fazer com que o processo de autoconhecimento da
IES contribua significativamente para a gestão do curso, em busca da qualidade do ensino.
Em consonância com os estudiosos da área, foi possível demonstrar que um processo de
autoavaliação contínuo e permanente, é capaz de contribuir positivamente para a gestão
do curso, pois a autoavaliação é uma ferramenta eficaz na busca pela excelência e pela
qualidade dos cursos ofertados pela IES.

Palavras-chave: avaliação institucional; autoavaliação; Sinaes.

2. Experiência de autoavaliação institucional do


Campus Jataí da Universidade Federal de Goiás: a
percepção dos docentes e técnico-administrativos
Universidade Federal De Goiás (UFG)

Patrícia de Sá Barros, Victor Souza Martins e Verdú, Marina Pacheco Miguel, Alexandre
Braoios, José Carlos Seraphin, Regina Beatriz Bevilacqua Vieira

RESUMO

A avaliação e a regulação são concepções contraditórias de avaliação, mas não opostas.


A autoavaliação, protagonizada pelos atores institucionais, identifica as fragilidades e
as potencialidades da instituição. Na Universidade Federal de Goiás (UFG), o processo
de avaliação está concebido no interior de um projeto maior denominado Programa de
Gestão Estratégica, que articula planejamento, avaliação e informação institucional. Este
trabalho descreve a primeira experiência de autoavaliação institucional do campus Jataí

192 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
da Universidade Federal de Goiás, desde a sensibilização da comunidade acadêmica, o
procedimento metodológico, a análise dos resultados das dez dimensões propostas pelo
Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes) até as possibilidades de ações
futuras. Esta experiência teve como referência o modelo de avaliação institucional da UFG,
sendo coordenada por um comitê interno, que sensibilizou a comunidade; conta com o
apoio da Assessoria de Comunicação do campus, a qual enviou instrumento de avaliação
para os docentes e técnico-administrativos, foco desta descrição. A leitura/análise da
autoavaliação institucional do campus Jataí indica uma insatisfação generalizada com as
10 dimensões avaliadas, a despeito do desenvolvimento do campus proporcionado pela
expansão e Reuni, referenciados nos relatórios de gestão da Instituição. Esses resultados
geraram autoconhecimento, que poderá permitir ações de melhorias no campus. Espera-se
que a autoavaliação seja complementada com a regulação, a qual é protagonizada pelo
Estado, que tem como papel elaborar políticas educacionais e executá-las, a fim de
assegurar a sociedade quanto à qualidade da educação superior.

Palavras-chave: autoavaliação institucional; universidade; gestão acadêmica.

3. Impacto da avaliação institucional no processo


de gestão educacional da Faculdade Centro
Mato-Grossense
Faculdade Centro Mato-Grossense (Facem)

Jaquelini Silveira Schardosim, Ariel Díaz Loaces, Víviam Santin Tremea

RESUMO

A avaliação institucional pode ser compreendida em sua dimensão formativa, que busca o
aperfeiçoamento dos procedimentos existentes e a melhoria constante da comunidade
acadêmica. O processo de avaliação, quando desenvolvido com seriedade, respeitando os
princípios de qualidade, permite compor uma visão diagnostica dos processos pedagógicos,
administrativos, científicos e sociais da Instituição de Ensino Superior (IES). Esse processo deve
ser desenvolvido como ferramenta para a prática pedagógica, servindo como instrumento de
gestão, direcionando caminhos, apontando falhas, identificando possíveis causas de problemas,

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
193
fidelizando o que está bom e mostrando possibilidades. A prática da avaliação deve ser
permanente, um instrumento de concretização de uma cultura de avaliação institucional, com
o qual a comunidade acadêmica se identifica e se compromete. Nesse sentido, esta pesquisa,
de caráter descritivo, teve como objetivo analisar o impacto da avaliação institucional no
processo de gestão da Faculdade Centro Mato-grossense (Facem). Participaram dos estudos
acadêmicos professores e colaboradores da Facem, sendo utilizados como instrumentos para
a coleta de dados questionários com perguntas abertas e fechadas, a revisão documental dos
relatórios da Comissão Própria de Avaliação (CPA) dos anos 2011 e 2012 e portarias e atas do
conselho superior da IES (Consu) de julho de 2012 a abril de 2013. Na fundamentação teórica,
foram utilizadas a documentação do Inep referente à CPA e os critérios de pesquisadores dos
processos de avaliação institucional como José Dias Sobrinho, Roberta Muriel, Wille Muriel,
Domingos Giroletti, Dilvo L. Ristoff. A partir do relatório de avaliação da CPA, foram identificadas
situações que interferem diretamente na qualidade do processo de ensino aprendizagem da
Facem: a preparação didático-pedagógica dos professores, dada fundamentalmente por se
tratar de pessoas jovens, com pouca experiência na área de educação, sendo, principalmente,
engenheiros agrônomos, fisioterapeutas, zootecnistas e enfermeiros; a segunda situação
relatada está relacionada com a qualidade da internet wi-fi para a realização de atividades
docentes e de pesquisas acadêmicas; a terceira situação está relacionada aos laboratórios,
especialmente, a clínica-escola do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética, cuja
qualidade não permitia a realização do estágio supervisionado nas instalações físicas da IES,
o que provocava deslocamento e desgaste de acadêmicos e professores, sem supervisão. A
análise das atas do Consu evidenciou as ações traçadas pela gestão da IES para resolver essas
dificuldades, sendo as principais: elaboração de um programa de formação continuada na área
de educação; implementação da primeira pós-graduação da IES na área de educação, em quea
gestão facilitou a inclusão dos professores mediante oferecimento de taxas diferenciadas e
facilidade de pagamento, incentivando a matrícula; extensão da rede de internet sem fio para
todos os locais da instituição, para possibilitar o acesso para fins educacionais; e a reforma
da clínica escola, que possibilitou a realização de atividades de estágio supervisionado e de
extensão, visando atender à comunidade. Há uma relação entre os processos de avaliação,
planejamento e ações de gestão dentro da Facem, possibilitando a consecução lógica da
qualidade do ensino superior mediante a direção científica dos processos institucionais.

Palavras-chave: avaliação institucional; gestão do ensino superior; Comissão Própria de


Avaliação.

194 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
4. O impacto dos relatórios da Comissão Própria de
Avaliação para a gestão participativa
Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires (Facesa)

Walquiria Lene dos Santos, Maria Aparecida de Godoi, Cristilene Akiko Kimura, Francisco
de Assis Batista da Silva

RESUMO

Nas duas últimas décadas, a avaliação da educação superior adquiriu enorme relevância
acadêmica e social, particularmente, porque as políticas públicas de educação têm lhe
conferido grande visibilidade, criando sistemas avaliativos compreensivos e pungentes e
investindo somas consideráveis de recursos. Este estudo objetivou realizar levantamento
bibliográfico acerca do impacto da CPA como método avaliativo das instituições de educação
superior. Metodologia: revisão literária em artigos escolhidos com um conteúdo capaz
de fornecer as informações necessárias para o alcance do objetivo da pesquisa. As bases
de dados utilizadas foram: Scielo, Lilacs e periódicos da Capes. Por meio dos descritores
“Avaliação da Educação Superior, Sinaes e Avaliação Institucional”, foi realizada busca de
artigos, independentemente do ano publicado. Foram selecionados 33 artigos científicos,
publicados entre os anos de 2006 à 2013. Um total de 7 artigos tiveram sua publicação no
ano de 2010, somente 3 artigos foram encontrados utilizando as palavras-chave descritas
acima no ano de 2011. Cerca de 51,5% dos artigos pesquisados descreveram de forma
direta ou indireta o impacto da CPA para o fortalecimento do ensino superior no Brasil.
Referencial teórico: no que tange à avaliação, autores afirmam que ela “está no cerne de
todas as políticas atuais de regulação dos resultados da educação superior empreendidas
pelos governos através da desregulação dos seus processos e da flexibilização das formas
institucionais”. Os resultados deste estudo demonstraram que as pesquisas científicas
envolvendo o tema avaliação institucional ainda se mostram tímidas.. Faz-se necessário
desenvolver mais estudos sobre este tema. Contudo, evidenciam-se avanços no processo
de internalização da cultura de avaliação orientada para a autogestão.

Palavras–chave: avaliação institucional; Sinaes; avaliação da educação superior.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
195
Região Nordeste

5. A autoavaliação como referente para as atividades


de gestão, ensino, pesquisa e extensão na Univasf
Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf)

Vivianni Marques Leite dos Santos

RESUMO

A Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) iniciou suas atividades em 2004,
em função da perspectiva de crescimento da região, pretendendo atender aos municípios
do semiárido brasileiro. O incentivo de criação de uma universidade federal com esta
área de abrangência teve como objetivo principal integrar toda essa região e possibilitar o
desenvolvimento econômico, social e cultural. A Univasf iniciou suas atividades oferecendo
10 cursos de graduação. Nesse mesmo ano, foi instituído o Sistema Nacional de Avaliação
da Educação Superior (Sinaes)por meio da Lei nº 10.861/04, idealizado como um sistema
de avaliação e aprimoramento do ensino público brasileiro, por meio de instrumentos e
ciclos de avaliação contínuos, obrigando as instituições a criarem Comissões Próprias de
Avaliação com o objetivo de identificar aspectos a serem aprimorados para contribuir com
a formação de cidadãos conscientes com seu papel estratégico no mundo e na sociedade
em que vivem. Na Univasf, a CPA foi criada pela Resolução 07/2005, que estabeleceu seu
regimento interno. Segundo essa resolução, a CPA realiza suas atividades em parceria com
as Comissões de Avaliação nos Colegiados (CAC). Desde o início das suas atividades, a
CPA destacou seu caráter participativo e de melhoria contínua, sendo deixadas de lado
quaisquer atividades com princípios obrigatórios ou punitivos. O processo de autoavaliação
vem sendo realizado a partir de um planejamento das atividades, sensibilização,
consolidação e divulgação dos resultados. A CPA tem atuado também em estreita relação
com as pró-reitorias, secretarias e coordenações dos cursos. Atualmente a Univasf oferta
23 cursos de graduação e 07 cursos de mestrado stricto senso, distribuídos em cinco campi.
Este artigo registra os resultados obtidos, relatos de experiências e ações desenvolvidas
pela Comissão Própria de Avaliação durante o período de outubro de 2011 a junho de
2013, que se desenvolvem a partir da análise das atividades propostas e realizadas

196 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
durante os anos anteriores, desde sua implantação no ano de 2005. Entre as dificuldades
encontradas pode-se relatar que, embora seja possível observar melhoria significativa,
uma parte dos docentes, discentes e técnicos ainda se mantêm à margem do processo.
Entre os métodos de divulgação, a apresentação oral dos resultados tem se mostrado o
mais eficiente, principalmente quanto às ações da gestão, visto que, nesta oportunidade,
os vários setores têm a oportunidade de buscarem juntos a solução para as fragilidades. A
avaliação in loco da infraestrutura tem promovido, além da identificação de fragilidades,
também uma oportunidade para conscientização da comunidade quanto aos objetivos da
CPA. Finalmente, o grande número de informações e dados tem requerido tamanhos de
arquivos que não estão previsto no sistema e-MEC.

Palavras-chave: autoavaliação; melhoria contínua; ensino superior.

6. A autoavaliação da Comissão Própria de Avaliação


e seus impactos nas ações institucionais
Faculdade Nobre de Feira de Santana (FAN)

Suzana Alves Nogueira, Bruno José Borges da Silva, Priscila Santos Pires, Deivisson Pimentel,
Beatriz Lisboa Pereira

RESUMO

Este estudo trata de uma investigação acerca dos impactos da Comissão Própria de
Avaliação nas ações institucionais da Faculdade Nobre de Feira de Santana. O estudo
tem como objetivo analisar os impactos gerados pela CPA e as mudanças implantadas
na instituição frente ao que institui o artigo 11 da Lei nº10.861/2004 do Sistema
Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). Como metodologia, optou-se pelo
estudo de campo, de caráter descritivo, e pela abordagem quantitativa. Foi aplicado
um questionário para 2.743 discentes e cerca de 118 docentes dos diferentes cursos.
Os dados foram analisados a partir da estatística descritiva. Ficou evidenciado que as
fragilidades apontadas pela autoavaliação referiram-se às lacunas na infraestrutura, na
pesquisa e na extensão, na responsabilidade social e nas políticas de pessoal. A fim
de sanar as fragilidades apontadas na coleta de dados, a instituição apresentou ações,

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
197
obras e projetos em andamento e em fase final de implantação que são resultado
de uma filosofia de trabalho planejada para o crescimento, aderindo à política de
democratização da educação superior no país.

Palavras-chave: autovaliação; impactos; ações institucionais.

7. A contribuição da CPA para a construção da política


de desenvolvimento institucional do IFPI
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI)

Ana Célia Furtado Orsano, Ana Claudia Galvão Xavier

RESUMO

Em decorrência das novas relações construídas na década de 90 nas áreas econômicas,


políticas, culturais, tecnológicas e produtivas da sociedade, o Brasil tem buscado alcançar
um nível satisfatório de desenvolvimento que agregue sustentabilidade, qualidade
e equidade. A promoção da melhoria da qualidade do ensino, em todos os níveis, tem
representado uma importante política social no enfrentamento das mudanças, em todas
as áreas da sociedade, neste início de século. Redirecionar políticas de expansão e melhoria
do ensino superior é o grande desafio das instituições na atualidade. É notório considerar
a importância dos sistemas de avaliação nas Instituições de Ensino Superior (IES),
aperfeiçoando e monitorando o seu desempenho para o alcance satisfatório de qualidade
no sistema educacional brasileiro. Este artigo tem como objetivo analisar o papel da
avaliação institucional, como instrumento de gestão, a partir da experiência construída pela
Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
do Piauí (IFPI). O IFPI, considerando sua nova institucionalidade, apontada pela Lei nº
11.892/2008, e a ampla expansão na oferta de seus cursos, definida por uma estrutura
multicampi, apresenta singularidades em relação às gestões acadêmica e administrativa.
Investigou-se, pois, o desdobramento do trabalho da CPA, através das comissões setoriais
constituídas, nos campi da instituição. Partiu-se do problema: qual a contribuição da
autoavaliação para o desenvolvimento institucional? Tem-se uma pesquisa qualitativa,

198 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
realizada por meio de análise documental, observação participante e análise de conteúdo
dos relatórios das comissões setoriais. O trabalho fundamentou-se nas ideias de Polidori,
Marinho-Araújo e Barreyro (2006), Dias Sobrinho (2007), e outros, que tratam a avaliação
como um instrumento de melhoria da qualidade da educação superior. Constatou-se que a
avaliação interna, por meio do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes),
possibilita a redefinição da gestão institucional, a partir da construção do conhecimento
sobre a instituição, suas fragilidades e suas potencialidades e, sobre a efetiva construção
de uma cultura institucional de valorização da avaliação, como instrumento de melhoria da
gestão e reorientação do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI).

Palavras-chave: avaliação institucional; Comissão Própria de Avaliação; IFPI.

8. A avaliação da docência por disciplina na Uern:


um processo de participação e adesão voluntária
Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern)

Francisca de Fátima Araújo Oliveira, Sirleyde Dias de Almeida

RESUMO

Este trabalho objetiva apresentar e discutir a experiência de avaliação da docência por


disciplina como uma das etapas da avaliação institucional na Universidade do Estado
do Rio Grande do Norte (Uern). Tal processo se realizava por meio de questionários
impressos aplicados junto a professores e alunos, pela Comissão Própria de Avaliação
(CPA). A partir de 2011.1, o formulário passou a ser aplicado de forma eletrônica.
Entendendo que a avaliação institucional é um processo democrático que se caracteriza
pela adesão voluntária, a CPA não estabeleceu mecanismo que obrigue a participação
dos segmentos. Para atingir o maior número de pessoas, a CPA realizou um trabalho
de sensibilização sobre a importância da participação dos segmentos nesse processo,
afixando cartazes em salas de aula, conclamando a comunidade acadêmica, as
Comissões Setoriais de Avaliação (Cose), os Chefes de Departamento/Coordenadores de
Cursos e os Diretores de Faculdades a participarem do processo. Esse envolvia docentes

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
199
e discentes no interior dos cursos. Considerando que o segmento discente era o mais
difícil de sensibilizar, em virtude do grande número a ser atingido, a CPA estabeleceu um
percentual de 25% para a participação de estudantes, por curso. No primeiro momento,
realizou-se a experiência com a Faculdade de Ciências Exatas e Naturais (Fanat) do
campus Central Mossoró-RN e com os Cursos do campus Natal-RN. Para análise dos
dados, buscamos fundamentação em Bordenave (1994), Dias Sobrinho (2000), Ristoff
(2000). Resultados sobre participação docente: a) Fanat: Curso de Ciências Biológicas
Licenciatura, 75%; Ciências Biológicas Bacharelado, 88%; Química Licenciatura, 92%;
Física Licenciatura, 83,9%; Ciência da Computação, 96%; Matemática Licenciatura
Noturno,72,7%; Matemática Licenciatura Diurno, 87,5%; b) Campus de Natal: Direito
90,9%; Ciência da Computação 82,1%; Ciências da Religião 92,3%; Turismo, 65,6%.
Quanto à participação discente, o Curso de Ciências Biológicas Licenciatura obteve 49%;
Ciências Biológicas Bacharelado, 47,%; Química Licenciatura, 53,74%; Física Licenciatura,
29,49%; Ciência da Computação, 49,7%; Matemática Licenciatura Noturno, 28,57%,
Matemática Licenciatura Diurno, 39,16%. No campus de Natal: Direito, 22,29%; Ciência
da Computação, 35,06%; Ciências da Religião, 40,61%; Turismo, 11,30%. Observamos
que todos os cursos em Mossoró superaram a meta estabelecida e que apenas dois
Cursos do campus de Natal não atingiram 25% da participação discente. Sendo a
participação por adesão um desafio, o resultado da aplicação superou as expectativas e
estimulou a CPA a introduzir o processo em outras faculdades, institucionalizando, assim,
a avaliação da docência semestral. No semestre letivo 2012.2, os formulários eletrônicos
foram disponibilizados para os 81 cursos/oferta, nos seis campi e nos 11 Núcleos de
Educação Superior da Uern. Os relatórios individuais foram enviados a cada docente,
e o resultado geral foi encaminhado aos chefes de departamento/coordenadores de
cursos e diretores de Faculdades, para, juntamente com as Cose, analisarem-nos nas
plenárias, visando ao fortalecimento dos pontos positivos e à superação das fragilidades
detectadas. Diante do exposto, concluímos que a experiência de avaliação da docência
por meio de formulário eletrônico com a adesão voluntária de professores e estudantes
está consolidada. Inferimos que docentes e discentes da Uern compreenderam a
importância da avaliação para a qualidade dos cursos e o aprimoramento da instituição.

Palavras-chave: avaliação institucional; docência; participação.

200 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
9. Autoavaliação institucional: indicadores de mudança
Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS)

Ângela Maria Magalhães Salvi, Luciana Marques Andreto, Alcieros Martins da Paz

RESUMO

A partir de 2009, a avaliação institucional da Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS)


foi redimensionada, a fim de contemplar as dez dimensões a serem consideradas no
processo de autoavaliação institucional, de acordo com a Lei nº 10.861, que instituiu o
Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes). Ela passou a ser conduzida
por uma Comissão Própria de Avaliação (CPA), que surge engajada em contemplar, na sua
constituição, um número de integrantes com maior representatividade da comunidade
acadêmica, para atingir o objetivo de produzir informações que subsidiassem a análise das
dimensões que constituem o objeto do processo de avaliação. Este trabalho tem o objetivo
de relatar o impacto dos relatórios realizados a partir dos resultados da autoavaliação
institucional coordenado pela CPA, no planejamento da FPS. Trata-se de um estudo
descritivo, caracterizado como relato de experiência, que teve como cenário a pesquisa
de autoavaliação institucional– realizada por meio de aplicação de questionários com
docentes, discentes, funcionários técnico-administrativos e coordenadores, no período de
01 a 30 de setembro de 2012 –, pesquisa documental e entrevistas com gestores, que
corroboraram para a ampliação das conclusões obtidas. A metodologia utilizada baseou-se
na análise de conteúdo, modalidade temática, com ênfase na abordagem qualitativa de
pesquisa social. As estratégias e a construção de instrumentos para coleta de dados foram
definidas em reunião da CPA com as subcomissões. Os indicadores pertencentes a cada
dimensão apresentada foram transformados nos itens dos questionários e dos roteiros
de observação e de análise documental. Como referencial teórico, identificaram-se as
orientações e os instrumentos baseados na Lei de Diretrizes e Bases (Lei nº 9.394 de 20de
dezembro de1996), nas Diretrizes Curriculares de cada curso oferecido pela FPS, no Decreto
nº 3.860 e na Lei nº 10.861, que instituiu o Sinaes. O índice de participação por categoria
foi o esperado: docente e técnicos administrativos, em torno de 50%; coordenações, 100%.
A exceção foram os estudantes com 15,5% de participação, considerada muito aquém.
Potencialidades e fragilidades foram apontadas, destacando-se entre as fragilidades a
comunicação (interna/externa), com o menor índice de satisfação (44%), principalmente

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
201
no fluxo e na circulação de informações intersetoriais, tanto no portal online do aluno
quanto na comunicação da FPS com a sociedade. Os cursos de pós-graduação e extensão
apresentaram o índice de 51% em relação à quantidade e à diversidade. Registra-se,
também, os 54% da responsabilidade social, referidos, principalmente, como eventos
pontuais e não contínuos. Entre as potencialidades, destacam-se a coerência da gestão
com as políticas firmadas nos documentos oficiais (93%), cumprimento da missão (96%) e
100% de satisfação dos docentes com as coordenações. Esses resultados geraram amplos
debates promovidos pelos integrantes da CPA e pelo conselho gestor; e, a partir disso,
definiu-se que esses indicadores seriam os desafios macro contemplados no planejamento
estratégico da FPS, os quais deverão estar inseridos como metas prioritárias nos diversos
setores da instituição no ano de 2013. É mister que a comunidade acadêmica compreenda
a prática autoavaliativa como auxiliar no processo administrativo institucional, utilizando-a
como um instrumento de gestão ímpar para o fortalecimento de um estilo de vida
democrático na FPS, orientado pela legitimidade, transparência e objetividade.

Palavras-chave: autoavaliação; Comissão Própria de Avaliação (CPA); planejamento.

10. Avaliação institucional interna no âmbito


de uma universidade pública federal: repensando
o modelo e a prática
Universidade Federal de Alagoas (Ufal)

Maria Antonieta Albuquerque de Oliveira

RESUMO

O texto aborda os pressupostos teóricos e metodológicos da avaliação institucional e as


estratégias e os percalços para sua consolidação e sistematização, no esforço de efetivação
de uma cultura avaliativa no âmbito de uma instituição de ensino superior. Elege como
categorias de análise: a política de avaliação vigente e as estratégias de sua implantação,
privilegiando a dimensão da avaliação institucional interna ou autoavaliação. Questiona a
efetividade da autoavaliação enquanto instrumento de regulação interna das instituições

202 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
de ensino superior, enquanto o referencial teórico recupera a literatura sobre avaliação
institucional e a documentação legal que institui sua política. O caminho metodológico foi
traçado através da análise crítica e reflexiva da política de avaliação da educação brasileira,
adotada pela Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004, mais conhecida como lei do Sinaes,
que instituiu o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior e sua regulamentação
subsequente. Elegem-se como parâmetro de análise as diretrizes norteadoras e o contexto
de sua concretização na realidade do cotidiano de uma instituição de ensino superior de
organização acadêmica universidade e de categoria administrativa pública federal. Procura
registrar o caminho percorrido, as conquistas alcançadas, os obstáculos enfrentados e os
impactos observados, ao longo do tempo, pela ótica da Comissão Própria de Avaliação (CPA).
Esses caminhos permeiam as tentativas engendradas em favor da implantação do Projeto
de Autoavaliação, a consolidação dos Relatórios de Autoavaliação, as mudanças adotadas
e na integração dos resultados da autoavaliação aos planejamentos institucionais, enfim, a
sistematização de práticas que consolidam uma cultura avaliativa. Conclui apresentando os
aspectos de ordem conceitual, operacional e tecnológicos que, em diferentes momentos,
foram confrontados nas tentativas levadas a efeito pela CPA no cumprimento de suas
atribuições. Ao passo que seus membros se submetem ao exercício da meta avaliação,
impondo-se a mea culpa, e apontam caminhos a serem percorridos na perspectiva de
repensar o modelo de autoavaliação institucional proposto pela Conaes em sua perspectiva
regulatória. No âmbito mais próximo, sugere como uma das tarefas a serem cumpridas
pela Comissão Própria de Avaliação proceder à revisão do Projeto de Autoavaliação da
Universidade Federal de Alagoas, no sentido de seu ajustamento à realidade do contexto
universitário.

Palavras-chave: autoavaliação institucional; Comissão Própria de Avaliação; cultura


avaliativa.

11. Comissões Próprias de Avaliação nas IES de Fortaleza:


um levantamento quantitativo
Faculdade Nordeste (Fanor)

Raquel Figueiredo Barretto

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
203
RESUMO

As Comissões Próprias de Avaliação (CPA) são os órgãos responsáveis pela avaliação


institucional de cada Instituição de Ensino Superior (IES). Sua regulamentação deu-se
através da Lei nº 10.861/2004, que institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação
Superior (Sinaes). As CPA devem ser compostas, equitativamente, por todos os segmentos
da comunidade acadêmica e da sociedade civil organizada. A avaliação institucional é
um importante instrumento para a tomada de decisões administrativas, acadêmicas
e pedagógicas na IES. Este estudo teve como objetivo descrever a disponibilidade das
informações acerca da CPA no sítio das IES que atuam em Fortaleza. Para que os objetivos
fossem alcançados, foi realizada, no primeiro semestre de 2013, uma pesquisa documental,
descritiva, exploratória com abordagem quantitativa. A busca pelas IES que atuam em
Fortaleza foi realizada no sitio do e-MEC através do seguinte procedimento: busca avançada,
IES, CE, Fortaleza, Ativa. O corpus deste estudo foi composto por informações de 35 IES.
Após a identificação das IES que atuam em Fortaleza, foi realizada uma busca no sítio de
cada uma delas. Os dados foram analisados através do programa Excel. Conforme Balsan e
Dias Sobrinho (1995) e Belloni (2003), a avaliação institucional, por ser um processo global,
é extremamente complexa, uma vez que aborda, em face dos objetivos e /ou missão da
instituição, os aspectos econômicos, políticos e culturais em que a instituição está inserida.
Segundo Andriola (2005), a avaliação institucional deve ser: holística, participativa, útil,
ética, sistemática, iluminadora, pedagógica e indutora. Os resultados do nosso estudo
mostram que, quanto à categoria administrativa das IES que atuam em Fortaleza:
57% são instituições privadas com fins lucrativos; 35%, instituições privadas sem fins
lucrativos; 6%, instituições públicas federais e 3%, instituições públicas estaduais. Quanto à
organização acadêmica, 83% são faculdades, 8%, universidades; 6%, centros universitários
e 3%, institutos federais. Quanto à busca por informações sobre as CPA no sítio das IES
verificou-se que em 31% dos sítios visitados, as informações sobre a CPA estavam logo
na primeira página; em 46% dos sítios pesquisados, para localizar as informações sobre a
CPA, o usuário precisaria navegar através do link institucional; em 17%, não localizamos
nenhuma informação relacionada à CPA, seu trabalho ou sua composição; e em 6%, não
conseguimos acessar o sítio das IES pesquisadas usando nenhum dos navegadores (Internet
Explorer, Mozilla e Google Chrome). Conclui-se que as CPA devem conduzir o processo de
avaliação institucional de cada IES, analisar os dados levantados para apontar as melhorias,

204 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
as necessidades de intervenções e tecer eventuais críticas sobre a própria atuação da
CPA, além, é claro, de sistematizar as informações para prestar as informações necessárias
ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). É muito
importante para a comunidade acadêmica que a IES divulgue, claramente, os resultados,
mesmo que de forma sintética, das autoavaliações realizadas. Tal divulgação é parte do
processo de mobilização da comunidade acadêmica para atuar de forma participativa e
consciente durante o período/momento da avaliação institucional.

Palavras-chave: Comissão Própria de Avaliação; instituição de ensino superior; Fortaleza.

12. Evolução histórica das autoavaliações institucionais


na Universidade Federal da Paraíba
Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Caroline Rangel Travassos Burity, Maria Elba Dantas de Moura Pereira, Renata Conceição
Neves Monteiro

RESUMO

A autoavaliação institucional (AI), realizada de forma processual e contínua, busca alinhar


as características de multifuncionalidade, complexidade e singularidade, das Instituições
de Ensino Superior (IES) a determinados padrões de excelência. Nessa perspectiva,
acompanha o planejamento institucional, aponta fragilidades, sugere correções e ressalta
atribuições concernentes ao desempenho das ações éticas, culturais, sociais e políticas das
instituições. Simultaneamente, a AI se integra ao desenvolvimento da cultura, das artes,
da ciência e da tecnologia, expressas na missão dessas instituições. Nesse contexto, a
autoavaliação se configura como atividade complementar ao planejamento institucional,
porque é através dela que a instituição constrói conhecimento sobre sua própria realidade
e busca compreender os significados do conjunto de suas atividades, para melhorar a
qualidade educativa e alcançar maior relevância social. O presente estudo se configura como
uma pesquisa de natureza qualitativo-descritiva e tem como objetivo fazer um apanhado
histórico sobre as autoavaliações institucionais da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
205
a partir da vigência do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), no
período de 2004 a 2013, discutindo aspectos relativos a: origem, consolidação, fatores
intervenientes nas atividades por elas desenvolvidas, descontinuidades e continuidades
do processo avaliativo. Concluindo-se com a discussão do projeto de retomada da cultura
de avaliação institucional interna (AII), outra vez em fase de implantação. Para efeito de
compreensão mais circunstanciada dessa trajetória, a abordagem retroagiu ao tempo da
autoavaliação institucional realizada nos moldes do Programa Institucional de Avaliação
das Universidades Brasileiras (Paiub), na década de 1990. Ao final, apresentam-se reflexões
e sugestões que poderão ensejar novos estudos e/ou decisões políticas, por parte dos
gestores do Sinaes e/ou das IES.

Palavras-chave: autoavaliação; histórico; UFPB.

13. Impactos dos relatórios da CPA nos planos de trabalho


da Faculdade de Educação de Bacabal (Febac)
Faculdade de Educação de Bacabal (Febac)

Leandro Angelo Cruz dos Santos

RESUMO

O processo de autoavaliação de uma instituição de ensino superior (IES) não se reduz a


simples atribuição de notas ou conceitos para infraestrutura, ensino, pesquisa e atividades
de extensão, pois também fornece uma visão dos impactos que os relatórios geram dentro
do ambiente da IES. Os resultados destes processos adquirem grande relevância nos planos
de trabalho de uma instituição de ensino superior, desta forma, observa-se, no contexto
da Febac, a necessidade de identificar e expor a maneira como isso ocorre. O presente
trabalho objetiva identificar os impactos dos relatórios da CPA no plano de trabalho da
Faculdade de Educação de Bacabal (Febac). Quanto à estrutura metodológica, a pesquisa é
uma revisão de literatura que contempla os documentos institucionais oficiais e os planos
de trabalho da IES, tem um caráter qualitativo e foi realizada no período de fevereiro a

206 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
abril de 2013, quando são analisados livros e artigos científicos referentes à temática,
discussões e comparações com a realidade local. Os resultados apresentam uma análise
de todos os relatórios da CPA em conjunto com os planos e as agendas de trabalho da IES.
Verifica-se uma gama de melhorias satisfatórias voltadas para o ambiente institucional,
tanto internamente quanto externamente. A partir da análise coletiva dos relatórios e
dos planos de trabalho, verifica-se que a IES contemplou 61% das ações programadas no
relatório da CPA, transformando-as em potencialidades, mostrando quão importantes e
intervenientes são os relatórios da autoavaliação e o quanto eles ajudaram a aprimorar
e a modificar os planos de trabalho da Febac. Além de todo o impacto da autoavaliação
em termos de autoconhecimento, reconhecimento de potencialidades e dificuldades e,
principalmente, dos avanços efetivos promovidos por esse processo, observa-se que, para
efeito de implementações e mudanças no plano de trabalho, é ainda mais satisfatória. Isso
suscita um processo contínuo e incentivador de mudanças, que geram bases importantes
para o crescimento da IES.

Palavras-chave: impactos da CPA; autoavaliação; Febac.

Região Norte

14. Análise da política de assistência estudantil da


Universidade Federal do Tocantins a partir dos
relatórios de avaliação institucional da CPA.
Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Elaine Jesus Alves

RESUMO

A política de atendimento ao estudante é contemplada na Dimensão 9 do Sistema


Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), cujo objetivo é analisar as formas
pelas quais os estudantes estão sendo integrados à vida acadêmica e os programas
que as universidades propõem para assistir os mais carentes. A Comissão Própria de

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
207
Avaliação (CPA) da UFT contemplou a dimensão “política de atendimento ao estudante”
em todos os relatórios de avaliação institucional nos períodos de 2006 a 2012. A
análise destes documentos possibilita a visão de um quadro evolutivo da política de
assistência ao estudante na UFT e ainda os avanços e retrocessos encontrados nesse
percurso. Nesse sentido, este artigo tem o intuito de apresentar a evolução da política
de assistência ao estudante na UFT a partir dos relatórios de avaliação institucional
dos anos de 2006 a 2012 dessa universidade. A publicação Orientações gerais para o
roteiro de autoavaliação das instituições, produzida pelo Instituto Nacional de Estudos
e Pesquisas Educacionais (Inep), apresenta o conjunto de questões norteadoras para
avaliação institucional das Ifes. No tocante à política de atendimento ao estudante, são
apresentadas as questões relativas às políticas de acesso, seleção e permanência dos
estudantes nas universidades. O Relatório da CPA de 2006 foi sintético e apresentou
apenas as demandas de assistência ao estudante que a UFT passou a ter em virtude
da aprovação da política de cotas para estudantes indígenas. O Relatório de 2007-2008
também foi muito sucinto ao tratar da política de atendimento ao estudante: citou
os programas Bolsa Permanência e Bolsa Estágio como principais ações nesta área. O
relatório de 2009-2010 sinaliza uma política de assistência estudantil mais estruturada
em diferentes ações além das bolsas: isenção da taxa de vestibular e auxílio transporte
para eventos. O relatório da CPA de 2010 avança em relação aos anteriores no sentido de
não se limitar a apresentar apenas os dados coletados, mas também fazer comparação
com o relatório de 2009-2010. Aponta, por exemplo, as fragilidades constatadas no
relatório anterior no que concerne à necessidade de RU, atendimento psicossocial
aos alunos, espaços de convivência e quadras esportivas. O relatório de 2011 segue o
mesmo padrão do anterior, apresenta, em gráficos, a evolução dos programas de bolsas
e descreve as condições das casas dos estudantes dos campi. O relatório mais recente, de
2012, aponta para a necessidade de uma política efetiva de assistência aos estudantes,
que atenda às suas reais necessidades. Na análise dos relatórios, percebe-se o avanço
da política de assistência estudantil na UFT e o amadurecimento da CPA na avaliação
institucional.

Palavras-chave: CPA; avaliação institucional; assistência estudantil.

208 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
15. Autoavaliação: um desafio possível
Faculdades Integradas Aparício Carvalho (Fimca)

Maria José Ribeiro de Souza, Carla Aguiar Machado

RESUMO

Esta pesquisa relata o processo de evolução da autoavaliação das Faculdades Integradas


Aparício Carvalho (Fimca), no ciclo de três anos, de 2009 a 2012. Essa é uma instituição
que se insere no contexto amazônico, na cidade de Porto Velho no Estado de Rondônia.
A Fimca tem 22 cursos de bacharelado, licenciatura e tecnólogo, nas áreas de saúde,
ciências agrárias, humanidades e ciências sociais aplicadas. O processo de autoavaliação
institucional e docente passou a ser um desafio para as instituições de ensino superior,
em especial, para as privadas. O objeto desta pesquisa é a necessidade de se perceber
a qualidade do ensino oferecido e como essa é avaliada pelos alunos é. Este texto está
estruturado em três tópicos: no primeiro, faz-se a introdução do trabalho com os objetivos
e os cenários da pesquisa, a fundamentação teórica com enfoque na legislação do Sinaes
e com base nos autores Sguissard, Dias Sobrinho, Cavalieri, Demo e outros; no segundo,
há a descrição dos dados em forma de relatos das experiências vividas durante o ciclo
de avaliação; e, no ultimo tópico, estão as conclusões de todo este processo. Os dados
foram construídos a partir das avaliações que foram respondidas por todos os segmentos
da IES no período do ciclo. Os questionários impressos, os relatos de alunos e funcionários
junto à ouvidoria e à CPA formaram os instrumentos de coleta de dados. Ao finalizar esta
pesquisa, ficou explicito que a autoavaliação não é vista mais como um instrumento de
acusação, de punição ou de premiação, e sim como um processo de sensibilização e
verificação para resolução de problemas que interferem na rotina acadêmica e que podem
ser solucionados a partir da sua constatação. A autoavaliação está sendo institucionalizada
como um artifício indispensável de gestão do ensino. Mesmo assim, ela enfrenta oposições,
trazendo dificuldades para a sua concretização com eficiência. Enfim, a autoavaliação, seja
ela docente ou institucional, passa a ser um mecanismo de controle democrático, o qual
pode servir de subsídio para a melhoria da gestão educacional da IES.

Palavras-chave: autoavaliação institucional e docente; sensibilização e gestão; processo.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
209
16. O papel da CPA face aos processos de
descredenciamento e recredenciamento da Unitins
pelo MEC para a oferta de cursos a distância
Fundação Universitária do Tocantins (Unitins)

Alcides do Nascimento Moreira, Rodrigo Barbosa e Silva, Willany Palhares Leal

RESUMO

O presente trabalho pretende contextualizar as ações desenvolvidas pela Comissão


Própria de Avaliação da Fundação Universidade do Tocantins durante um período de
profunda agitação institucional devido ao processo administrativo instaurado pelo MEC,
que pretendia investigar denúncias de irregularidades na oferta de cursos a distância,
o que culminou com o descredenciamento da referida IES para esta modalidade de
ensino. O objetivo é apresentar a relevância dos trabalhos da CPA, em especial, dos
relatórios de autoavaliação, que sustentaram as discussões da comunidade acadêmica
sobre a reestruturação pedagógica e a reconfiguração política da instituição promovida
pela equipe gestora. A metodologia utilizada pauta-se na análise de documentos
institucionais, preceitos legais, de âmbitos federal e estadual, e relatos orais dos sujeitos
que participaram do processo histórico de defesa da universidade pública estadual,
gratuita e de qualidade. As referências utilizadas para o embasamento teórico deste
estudo estão ancoradas em autores que defendem uma avaliação emancipatória, cuja
perspectiva pedagógica é caracterizada por diferentes processos de descrição, análise
e crítica da realidade vivenciada por aqueles que dela participam com a finalidade
de transformá-la. Assim sendo, Abílio Ribeiro Coelho, Almerindo Afonso, Ana Maria
Castanheira, Ana Maria Saul, Carlos Rodrigues Brandão, Ilma Passos Veiga, José Carlos
Sobrinho e Paulo Freire são os principais interlocutores desta reflexão. Os resultados
obtidos mostraram que os relatórios avaliativos institucionais, quando elaborados de
modo autônomo pela CPA, partindo das ações dialógicas empregadas neste processo,
tornam-se instrumentos de poder a favor da transformação político-institucional
necessária para a efetivação de um ambiente acadêmico democrático. A avaliação
institucional realizada na Unitins, por meio da atuação de sua CPA, nestes últimos
anos, caracterizou-se como um processo importante de readequação da estrutura

210 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
política, administrativa e pedagógica, seguindo as diretrizes estabelecidas pelos
órgãos reguladores da EaD no país. Também torna possível o redimensionamento dos
mecanismos de acompanhamento da vida acadêmica e das interfaces do ensino, da
pesquisa, da extensão e da gestão em todas as instâncias da instituição, especificamente,
como uma análise do processo de reestruturação da universidade e da reorganização
dos diferentes setores institucionais.

Palavras-chave: educação superior a distância; autoavaliação institucional; CPA.

17. Qual o espaço da avaliação institucional na


instituição de ensino superior?
Faculdade de Rondônia (Faro)

Telma Ferreira, Edneuza Gonçalves Silva, Sâmia de Oliveira Brito

RESUMO

Compreender qual o espaço da avaliação institucional nas instituições de ensino


superior permeia o entendimento do espaço enquanto vivências, experiências e
significados atribuídos a este em cada espacialidade que a instituição destina, para
interagir e evidenciar as ações voltadas ao processo ensino-aprendizagem. Este último,
desenvolvido através da atuação gestora nas instituições de ensino superior. A pesquisa
consiste de um estudo das experiências vivenciadas pelas professoras que atuam
como membros de Comissão Própria de Avaliação (CPA) e pelo gestor da instituição
pesquisada, localizada na cidade de Porto Velho, no Estado de Rondônia, na Região
Norte do Brasil. Utilizamos as técnicas de diário de campo, análise de relatórios e
aplicação de entrevista com gestor da Faculdade de Rondônia, o qual implantou a CPA
em sua gestão e vem acompanhando seu desenvolvimento até os dias atuais. A forma de
pesquisa é qualitativa e participativa. Situa-se no método hermenêutico de abordagem
fenomenológica. O objetivo geral consiste em apresentar um estudo sobre o espaço
vivenciado por gestores e pesquisadores de uma instituição de ensino superior, visando
a um melhor entendimento do significado atribuído à avaliação enquanto espacialidade

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
211
existente dentro da IES. Os resultados apontam para uma reflexão acerca do processo
avaliativo institucional, a cultura histórica construída ao longo de sua prática no Brasil
e, neste caso, em Rondônia. Cultura que tende a refletir-se na atitude do avaliador e
avaliado.

Palavras-chave: espaço; avaliação institucional; ensino superior.

18. Reflexões sobre o processo de autoavaliação da UFT:


avanços e retrocessos
Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Maria Santana Ferreira Santos, Breno Suarte Cruz

RESUMO

Sabe-se que avaliar é tarefa das mais difíceis. Mesmo levando-se em conta o sentido mais
usual de avaliação em uma instituição universitária – a avaliação da aprendizagem – é certo
que haverá pontos discordantes quanto ao melhor meio de realizá-la e quanto à aferição
dos resultados. Tais características também se aplicam ao processo de autoavaliação,
que requer um olhar interno para conhecer e avaliar as próprias estruturas, atividades
e uma gama de processos. No caso de uma autoavaliação institucional, a magnitude da
tarefa torna-a ainda mais complexa, porém não inexequível. Este texto tem como principal
objetivo apresentar algumas reflexões sobre as fraquezas e fragilidades apontadas nos
relatórios de autoavaliação da Universidade Federal do Tocantins (UFT), desde 2004, quando
do início do primeiro ciclo de avaliação institucional, até 2012, ou seja, o quinto ciclo. O
processo metodológico percorrido por este estudo será de uma análise qualitativa das
considerações finais contidas nos relatórios de autoavaliação. Ou seja, será possível fazer
uma análise das mudanças e retrocessos apontados nos referidos relatórios. Esse estudo
será fundamentado no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da Universidade, nos
relatórios de avaliação interna e em autores como Dias Sobrinho (2003, p.177), quem
enfatiza que a avaliação institucional “é uma prática social orientada, sobretudo, para
produzir questionamentos e compreender efeitos pedagógicos, éticos, sociais, econômicos
do fenômeno educativo e não simplesmente uma operação de medida e muito menos um

212 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
exercício autocrático de discriminação e comparação” e em Belloni (2009), que considera a
avaliação institucional como um processo sistemático de busca de subsídios para melhoria
e aperfeiçoamento da qualidade da instituição em face de sua missão científica e social.
Nesse sentido, os resultados mostram que a Universidade Federal do Tocantins tem
conseguido desenvolver um processo permanente de avaliação institucional, ou seja, são
vários os avanços: consolidação do processo de autoavaliação através da reestruturação
de sua Comissão Própria de Avaliação; maior conhecimento e acompanhamento do PDI
por parte da comunidade interna (professores, servidores); e confecção de instrumentos
avaliativos como a avaliação disciplina/professor. Porém, a sensibilização de todos
os setores da universidade para a importância da avaliação ainda não foi atingida, as
dificuldades recorrentes enfrentadas pela CPA na coleta de dados de cada setor, a cada
ano, demonstram esta fragilidade. Portanto, considera-se que são grandes os desafios que
a Universidade Federal do Tocantins deve enfrentar para cumprir sua missão que é produzir
e difundir conhecimentos visando à formação de cidadãos e profissionais qualificados,
comprometidos com o desenvolvimento sustentável da Amazônia.

Palavras-chave: autoavaliação; avanços; retrocessos.

Região Sudeste

19. A importância da articulação entre o processo


de autoavaliação institucional e os projetos
pedagógicos de cursos
Centro Universitário Eurípides de Marília (Univem)

Raquel Cristina Ferraroni Sanches

RESUMO

As instituições de ensino superior (IES) necessitam, constantemente, repensar suas


práticas, seus princípios e valores, sua missão, enfim, todo o conjunto que as constituem
como instituições e, para isso, é possível apontar que o melhor caminho é a avaliação
institucional, pois, em tese, ela rompe com visões centralizadoras e autoritárias. As IES

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
213
melhor se constroem se apoiadas em discussões, reflexões e ações, uma vez que cada
instituição tem características peculiares. O presente trabalho descreve, portanto,
pesquisa realizada, no Centro Universitário Eurípides de Marília-SP (Univem), com o
objetivo de analisar a relevância da articulação entre os processos de autoavaliação
institucional e os projetos pedagógicos dos cursos, com a preocupação de construir uma
cultura interna de avaliação, contribuindo, assim, para o aprimoramento tanto acadêmico
quanto administrativo do estabelecimento de ensino. A estratégia metodológica adotada
compreendeu o desenvolvimento de pesquisa qualitativa, por meio de estudo de caso. É
preciso considerar, também, que a discussão sobre educação superior está incrustada em
um novo cenário nacional, que deu vez e voz aos processos de avaliação institucional para
melhoria da qualidade da educação no país. Segundo Dias Sobrinho (1998), o interesse pela
avaliação institucional não se deve somente a seu potencial de transformação qualitativa,
à oportunidade de melhoramento pedagógico e à eficácia de gestão, mas se justifica,
igualmente, em função das exigências de regulação e de controle da educação superior
pelo Estado. Mais ainda, quando compreendida como transformadora, a autoavaliação
institucional se constitui em instrumento dialético de avanço, de identificação de novos
rumos, assumindo, assim, “importância fundamental no planejamento e na gestão das
organizações educacionais” (Bordignon, 1995, p. 404). Sob esse olhar, a autovaliação
institucional ocupou uma posição de destaque dentre as preocupações do Univem,
pois proporcionou a construção de conhecimentos sobre si mesmo e, desse modo, a
identificação de seus pontos fracos, fortes e de suas potencialidades, constituindo-se
num processo contínuo de reflexões e ações que permitiram subsidiar a condução de
seu planejamento. Compreendeu-se, com o desenvolvimento da pesquisa, que projetar
o futuro e aspirar a excelência pôde levar a instituição a reconhecer, a aprender com
seus erros e, em um processo harmonioso de correção de rumos, a envolver toda a sua
comunidade, fortalecendo a si e a seus atores, na busca de um padrão de qualidade para a
educação ofertada, acompanhando a evolução dos tempos, dos avanços tecnológicos, das
exigências mercadológicas, das mudanças políticas e econômicas. O processo em questão,
que alimentou tanto os processos de avaliação institucional como os Projetos Pedagógicos,
favoreceu articulação entre autoconhecimento e reconstrução institucional, fundamentos
mediados pela realidade social. Por fim, a autovaliação institucional, articulada aos Projetos
Pedagógicos dos Cursos, contribuiu para o aprimoramento de todo o contexto, dos atores

214 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
do processo às instâncias avaliadas, já que ofereceu subsídios para a tomada de decisão,
isto é, para a formulação de ações pedagógicas e administrativas. Nesse contexto, encontrar
uma alternativa para que a avaliação institucional se configurasse como um instrumento de
melhoria da qualidade da educação ofertada e do próprio Univem foi um grande desafio.

Palavras-chave: avaliação institucional; qualidade; projeto pedagógico.

20. A autoavaliação como importante instrumento da


gestão universitária, inclusive auxiliando na diminuição
dos índices de evasão escolar
Universidade José do Rosário Vellano (Unifenas)

Sandra Regina Remondi I. Paschoal, Ivanilda Cabral da Costa Chaves

RESUMO

A prestação de serviço educacional exige um contínuo (re)pensar e um constante (re)


criar porque é um serviço sui generis de relevante papel na formação do ser humano e
do desenvolvimento da sociedade. O maior desafio é caminhar para uma educação com
qualidade e, para isso, faz-se necessário avaliar constantemente esse serviço. A Unifenas
tem longa e rica trajetória no campo da avaliação institucional por entender a necessidade
de se autoconhecer para aperfeiçoar as atividades desenvolvidas e verificar se sua
missão e metas estão sendo atingidas. A CPA, responsável pela autoavaliação, adota uma
metodologia participativa, que traz para o âmbito das discussões diversos instrumentos
e métodos combinados, conforme necessidades e situações específicas dos cursos. Para
verificar se a Unifenas está atingindo as metas previstas no PDI e PPI, continuamente se
avalia o ensino, a pesquisa, a extensão, o corpo técnico-administrativo, o corpo docente, as
instalações, os estágios supervisionados, os serviços prestados, a localidade em que está
inserida e outros aspectos requeridos em uma universidade multicampi. Dentro dessa
perspectiva de autoavaliação, que busca nortear o planejamento das ações institucionais
para superação das fragilidades, desde 2011, após dois meses do início do semestre letivo,
começou a ser aplicado um questionário para os ingressantes com a finalidade de diminuir
os índices de evasão escolar. Em tal questionário é levantado se o aluno está satisfeito

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
215
com o atendimento pela coordenação, com a secretaria de apoio, com o corpo docente,
com a estrutura física, com os recursos audiovisuais, com a biblioteca, com a divulgação
de informações, com a metodologia de ensino, com o material didático e se o curso está
satisfazendo suas expectativas. Objetivou-se minimizar os efeitos da evasão e tornar-se
mais um instrumento de mudança da cultura acadêmica, seja no trabalho da coordenação
e dos docentes seja nas redefinições curriculares, entre outras dimensões da estrutura do
ensino superior. Buscou-se também desenvolver uma reflexão mais sistemática sobre a
relação entre a autoavaliação e a evasão, para ampliar caminhos de propostas e projetos
de combate ao abandono escolar; e encontrar maiores explicações e dar visibilidade
ao problema “evasão”. Aplicam-se questionários aos ingressantes nos meses de abril e
outubro. Após a tabulação dos dados e análise estatística, são levantados os alunos que não
estão satisfeitos com o curso, quais as dificuldades que os ingressantes estão encontrando
e discutem-se os resultados, inicialmente com a coordenação e depois com os alunos,
auxiliando-os nas situações de dificuldade, inclusive direcionando-os para o Serviço de
Apoio Psicopedagógico. Alva (2004) afirma que é preciso descobrir se o aluno tem algum
problema e, caso tenha, o que a escola pode fazer para ajudá-lo. Segundo Polydoro (2000),
um dos meios para manter os alunos em seus cursos é realizar ações que controlem os
fatos que levam à evasão, bem como sua prevenção, com estratégias coordenadas e de
avaliação de programas. Como o trabalho iniciou-se em 2011, mesmo diminuindo o índice
de evasão em 2012, não se pode afirmar que foi decorrente do estudo. A Unifenas busca,
através do questionário do ingressante e da autoavaliação, conhecer melhor o seu aluno e
quais são suas expectativas e (in) satisfações quanto ao curso e à própria instituição.

Palavras-chave: autoavaliação; gestão universitária; evasão escolar.

21. A autoavaliação da Universidade de Sorocaba:


impactos da CPA
Universidade de Sorocaba (Uniso)

Augusto de Abreu Pires, Rafael Ângelo Bunhi Pinto, Raquel Vieira de Campos, Silvana Maria
Gabaldo Xavier

216 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
RESUMO

A Universidade de Sorocaba (Uniso) pratica a avaliação institucional desde a década de 1990.


Sua rica história e a da sua autoavaliação serão apresentadas neste trabalho. Após 2004,
sob os preceitos do Sinaes, nosso processo avaliativo é concebido em ciclos, sendo o atual
o terceiro. Inicialmente, nosso processo avaliativo estava voltado para a conscientização
da comunidade acadêmica e para a elaboração de instrumentos que atendessem às
necessidades institucionais, ao mesmo tempo, subsidiando as visitas verificadoras. Nos anos
seguintes, buscou-se o envolvimento dessa comunidade na definição das diretrizes internas,
e, finalmente, a integração com o planejamento. Sem dúvida alguma, esses objetivos foram
alcançados na Uniso. A partir da conceituação que todo processo avaliativo pode pertencer
a duas perspectivas bem distintas, a heurística e a experimentalista, a concepção adotada na
Uniso não pode ser classificada puramente em nenhuma delas. As avaliações diagnósticas
são apresentadas e comentadas, assim como muitas das ações promovidas na instituição a
partir de apontamentos da autoavaliação. Em seguida, apresentamos determinadas ações
de algumas metas do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), relacionadas com os
resultados da autoavaliação, e algumas citações de comissões verificadoras validando a
autoavaliação da Uniso.

Palavras-chave: autoavaliação; avaliação institucional; integração com Plano de


Desenvolvimento Institucional.

22. A meta-avaliação como instrumento de qualificação do


processo de autoavaliação em uma instituição de ensino
superior no Rio de Janeiro
Faculdade Internacional Signorelli

Maria Cecília Alves Galvão, Hércules Pereira, Luiz Annunziata Neto

RESUMO

Este artigo apresenta os resultados da proposta de meta-avaliação do processo de


autoavaliação em uma instituição de ensino superior no Rio de Janeiro. Para tanto, foram

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
217
utilizados os princípios de eficácia e eficiência apresentados pelo Joint Committee on
Standards for Educational Evaluation. O estudo baseou-se nas categorias de “utilidade” e
“precisão” e foi realizado por meio de formulário intitulado Checklist, que foi aplicado aos
coordenadores da IES em questão. O objetivo principal do estudo foi identificar e refletir
sobre questões relacionadas à importância e à utilização das informações geradas, do controle
da efetividade, da qualidade e credibilidade das autoavaliações, assim como da análise das
estratégias para a divulgação e o acesso aos seus resultados. Considerando que meta-avaliações
podem influenciar avaliações, que, por sua vez, influenciam os rumos da aplicabilidade, ou não,
de algum programa ou política sobre realidades sociais e que, em geral, envolvem orçamentos
que não são pequenos, parte-se do pressuposto que a realização de uma meta-avaliação
exige uma pesquisa acurada sobre a documentação produzida pela avaliação, sobre seus
estágios, sua receptividade entre os interessados e os participantes, sobre possíveis conflitos
de interesse entre as partes envolvidas, enfim, sobre uma longa lista de acontecimentos e
informações. A proposta desenvolvida contribuiu para o aperfeiçoamento da autoavaliação
da IES – entendida como um processo permanente de autoconhecimento e de autocrítica da
instituição –, constituindo-se em instrumento fundamental para a reflexão de sua identidade
institucional e de auxílio para a tomada de decisões quanto a suas diferentes atividades, sejam
elas pedagógicas, administrativas, de extensão ou de pesquisa e, desse modo, consolidando-a
como diretriz das políticas públicas da educação superior no Brasil.

Palavras-chave: meta-avaliação; avaliação institucional; educação superior.

23. Autoavaliação institucional: experiência de uma


instituição privada de ensino superior
Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (Fadip)

Laisa Maria Ferraz Carlos, Leny Fernandes de Pinho

RESUMO

A autoavaliação institucional, representada pelas Comissões Próprias de Avaliação (CPA),


tornou-se uma prática contínua nas instituições de ensino superior (IES), prática também
realizada desde 2010 pela Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga (Fadip) do município de

218 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
Ponte Nova, Minas Gerais. O presente artigo tem por objetivo apresentar os resultados da
CPA da Fadip, tendo como referência o ciclo trienal 2010 – 2012, assim como reflexão e
proposta acerca dos resultados obtidos. A metodologia utilizada foi descritiva e analítica,
utilizando técnicas quantitativas e qualitativas para coleta de dados, sendo avaliados os
cursos de Bacharelado em Direito, Enfermagem e Farmácia. O processo de avaliação da
educação superior no Brasil apresenta uma tra¬jetória que vem sendo construída de forma
consistente, no que diz respeito a sua proposta de considerar o processo na sua totalidade.
Nas duas últimas décadas, a avaliação do ensino superior apresentou mudanças no seu
formato, no qual o modelo de avaliação totalitário, que primava pela classificação por
rankings, tornou-se um processo que respeita as diversidades e as especificidades das
instituições de educação superior (IES). Essas mudanças ocorreram quando da instituição
do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior, o Sinaes. O Sinaes começou a
ser criado a partir da constituição da Comissão Especial de Avaliação do Ensino Superior
(CEA), constituída por representantes das IES, de membros do Ministério da Educação e
da União Nacional dos Estudantes (UNE). Essa proposta, em 2004, transformou-se em lei
(Lei nº 10.861), instituindo o Sistema. Nos resultados obtidos pela CPA da Fadip, por meio
das dimensões avaliadas, considerando o triênio 2010 – 2012, pode-se constatar que o Plano
de Desenvolvimento institucional (PDI) é um instrumento de gestão que expõe com clareza
os objetivos, as metas e a missão da instituição, sendo estes conhecidos pelos discentes. A
participação dos alunos foi bem significativa, tendo um crescimento gradativo o interesse
na avaliação pela CPA, chegando a 94,7% no 2º semestre de 2012, fato justificado pelo
empenho da CPA em divulgar a importância da avaliação tanto para a instituição quanto
para o aluno. Após análise do triênio 2010-2012, a CPA apresentou algumas reflexões acerca
do processo de autoavaliação institucional, questionando alguns aspectos determinados
no Roteiro de Autoavaliação Institucional-orientações gerais publicado pelo Sinaes/
MEC/2004, que propõe uma visão globalizada das formas participativas nos procedimentos
de avaliação. Diante deste contexto, pode-se observar que a Fadip está, cada vez mais,
atenta e participativa, na busca pelo crescimento e pelo aprimoramento da qualidade,
utilizando a CPA como instrumento norteador para o desenvolvimento da instituição.

Palavras-chave: autoavaliação institucional; educação; qualidade.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
219
24. Contribuições da atuação da Comissão Própria de
Avaliação para a melhoria dos cursos de graduação da
UFSCar, no período 2004-2012
Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

José Carlos Rothen, Taís Delaneze, Joelma dos Santos, Alessandra Maria Sudan, Maria
Helena Antunes de Oliveira Souza

RESUMO

Este trabalho iniciou-se com a contextualização dos processos avaliativos dos cursos
de graduação da UFSCar, dando especial destaque ao momento da implantação da
Comissão Própria de Avaliação (CPA), coincidente com a finalização do processo de
construção do Plano de Desenvolvimento Institucional (2004). O objetivo do trabalho
foi verificar a efetivação, no período 2006-2012, das propostas de melhoria para o
ensino de graduação, estabelecidas a partir da análise do diagnóstico realizado no
primeiro trabalho sistematizado da CPA, no período 2004-2006, no que diz respeito
à organização curricular e aos processos avaliativos internos e externos dos cursos. A
metodologia utilizada consistiu na análise dos documentos institucionais do período,
considerando a atuação, em alguns casos, em parceria, da CPA e dos outros setores
envolvidos. Os aspectos selecionados para análise da organização curricular foram o
acompanhamento sistemático da criação/reformulação dos projetos pedagógicos
e dos processos regulatórios dos cursos, além do enriquecimento curricular com
as atividades complementares. Os aspectos escolhidos para análise da avaliação
interna foram o aperfeiçoamento dos instrumentos, a participação dos estudantes, a
sistematização dos dados e o acompanhamento dos processos; para a avaliação externa,
o envolvimento dos diversos atores. A “concepção emancipatória”, na perspectiva de
“(a)firmar valores” da instituição, buscando melhorias, fundamentou, do ponto de vista
teórico, os processos avaliativos na UFSCar e, por conseguinte, a atuação da própria
CPA. Os resultados apontaram para uma ação mais efetiva da equipe pedagógica da
Divisão de Desenvolvimento Pedagógico/ProGrad, indicando que todos os cursos
têm projetos pedagógicos aprovados, com processos regulatórios finalizados ou em
andamento. Os resultados também indicaram uma maior diversificação de atividades
complementares e um envolvimento dos estudantes nessas atividades menor que o

220 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
previsível. No que se refere à avaliação das disciplinas, houve aperfeiçoamento do
instrumento de coleta de dados, mas irregularidades na realização, na participação
dos estudantes e na sistematização dos dados obtidos. Quanto à autoavaliação dos
cursos, houve também aperfeiçoamento do instrumento; aumento do número de
cursos avaliados e da participação discente nessa avaliação, tanto pelos egressos como
pelos alunos ativos; e análise qualitativa e quantitativa dos dados colhidos pela CPA,
da qual resultaram indicadores mais adequados à avaliação dos cursos. Os indicadores
utilizados para a avaliação dos cursos foram: Satisfação com o curso, Valorização da
formação, Condições pedagógicas dos docentes, Participação em pesquisa e extensão
e Condições de funcionamento da Universidade. A coleta de dados e a construção
teórica desses indicadores foram realizadas em parceria com o Centro de Estudo do
Risco do Departamento de Estatística da UFSCar. No tocante à avaliação externa dos
cursos, foi possível identificar uma ampliação da participação discente no Exame
Nacional de Desempenho de Estudantes, assim como dos demais atores envolvidos
no processo formativo nas avaliações in loco, considerando os conceitos atribuídos no
período analisado. A título de conclusão, cabe destacar que a atuação da CPA/UFSCar foi
significativa para a melhoria dos processos formativos em nível de graduação, mas não
isoladamente. Os progressos identificados são resultantes de parceria da CPA com os
demais setores da Universidade e do estabelecimento de políticas e ações institucionais.

Palavras-chave: avaliação emancipatória; CPA/UFSCar; ensino de graduação.

25. Ensino superior, responsabilidade social e Comissão


Própria de Avaliação: um estudo realizado em uma
instituição recentemente instalada no interior de São Paulo
Faculdade de Ciências Gerenciais de São Joaquim da Barra, SP (Facig)

Glaúcia Coutinho Bucioli Oliveira, Aline Marques Barbosa

RESUMO

A Faculdade de Ciências Gerenciais de São Joaquim da Barra–SP (Facig), uma instituição


de ensino superior recentemente instalada no interior de São Paulo, com apenas cinco

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
221
anos de atuação, conta com dois cursos em funcionamento, com cerca de 150 alunos
e 20 docentes. A Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Facig de São Joaquim da
Barra–SP foi formada pela Direção Geral, que nomeou seus membros por um mandato
determinado de um ano, podendo ser prorrogado. A avaliação da CPA ainda está
sendo realizada manualmente por meio de questionários impressos e, posteriormente,
os dados são apurados, tabulados e analisados. Tem como objetivo apresentar os
resultados do trabalho desenvolvido pela CPA – dentre eles, necessidades, dificuldades
e satisfações dos discentes em relação ao ensino superior – e investigar quais são
os efeitos que a instituição de ensino superior está gerando na comunidade em que
está alocada. Busca descrever as alterações no desenvolvimento comunitário a partir
da instalação da instituição de ensino superior e descrever a percepção que se tem,
na instituição, acerca das relações faculdade e comunidade. Para tanto, utilizou-se
a metodologia exploratória que se consubstanciou no estudo de caso especificado e
incluiu pesquisa de levantamento de opinião e pesquisa documental. Para sua realização,
foram elaborados questionários estruturados (entregues pessoalmente e respondidos
no mesmo momento) para alunos, professores, funcionários da faculdade, membros
da comunidade, a fim de averiguar o nível de satisfação e entendimento do processo
de instalação da faculdade. Como resultado da pesquisa, verificou-se a necessidade
de uma reflexão de como as instituições de ensino superior têm papel importante na
formação não só profissional, mas também pessoal dos discentes. Como considerações
finais, destacam-se os pontos fortes, como a promoção do desenvolvimento sustentável,
a formação de recursos humanos, a integração da faculdade com o meio externo, a
realização de projetos e a atração das empresas para fomentar as atividades culturais.
Nos pontos fracos, destacamos a dificuldade de sinergia da faculdade com a comunidade,
a falta de recursos financeiros para o incentivo à pesquisa e à tecnologia e a concorrência
com outras instituições de ensino. As oportunidades destacadas foram a interação
maior com o meio externo, possibilitando atender às demandas da comunidade, gerar
desenvolvimento social e científico, aumentar o acesso de estudantes de graduação,
para satisfazer as necessidades do mercado de trabalho e uma maior interação da
faculdade com empresas.

Palavras-chave: responsabilidade social; ensino superior; CPA.

222 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
26. Estudo retrospectivo do programa de avaliação
institucional da Faculdade Anhanguera de Taubaté
Unidade 1: contribuição da Comissão Própria
de Avaliação
Faculdade Anhanguera de Taubaté – Unidade 1 (FAT)

Ana Cláudia Abud, Ana Helena Pinheiro Gomes, Fernanda Santana Jardim, Jeanete Ferreira
da Silva, Silvana Rocha da Silveira, Thiago Aribaldo da Silva Rocha

RESUMO

O objetivo deste estudo é apresentar os resultados obtidos nas avaliações internas e


externas da instituição de ensino superior (IES) e como os resultados impactaram na
implementação dos planos de melhorias. A metodologia que subjaz este trabalho é
de estudo retrospectivo analítico referente ao período de 2006 a 2012. A amostragem
constituiu-se de forma aleatória, composta por 30 discentes por turma dos cursos de
graduação nas modalidades presencial e Educação a Distância (EaD). Os critérios de
inclusão adotados foram: alunos matriculados nos cursos de graduação nas modalidades
presencial e EaD; e docentes e funcionários contratados por um período igual ou superior
a três meses. Os instrumentos de avaliação utilizados foram o Programa de Avaliação
Institucional (PAI) e a análise dos resultados do Inep. Tais resultados foram elucidados
perante as análises dos instrumentos de avaliação interna, o PAI, e as avaliações externas.
A Faculdade Anhanguera de Taubaté – Unidade 1 vem apresentando, desde o início
do estudo, resultados satisfatórios diante dos indicadores de qualidade. No decorrer
deste trabalho, conclui-se que o processo de avaliação contribui indubitavelmente para
uma reflexão mais acadêmica, que possibilita ações corroborativas para o processo de
ensino-aprendizagem de uma IES.

Palavras-chave: Comissão Própria de Avaliação; Programa de Avaliação Institucional;


planos de melhorias.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
223
27. Histórico de implantação e implementação da avaliação
durante os nove anos de existência da Comissão Própria de
Avaliação da Universidade de Uberaba (CPA/Uniube).
Universidade de Uberaba (Uniube)

Maria Theresa Cerávolo Laguna Abreu, Helione Dias Duarte

RESUMO

Com a publicação da Lei Federal nº 10861/2004 (criação do Sinaes) que regulamenta o


parágrafo 1º do artigo 46 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), foi
composta, por designação da Reitoria da Universidade de Uberaba, a primeira Comissão
Própria de Avaliação(CPA) desta instituição de ensino superior, por meio da Portaria
35/04. Transcorridos nove anos de existência, hoje a CPA se encontra na sua sexta
composição. Paralelamente à sua criação, a Uniube iniciou um ciclo de crescimento com
fortalecimento dos cursos presenciais e a distancia, sendo reconhecida como uma das
importantes instituições do Brasil Central. A CPA/Uniube tem acompanhado e avaliado
este processo, considerando a contextualização da Universidade, suas potencialidades
e fragilidades e reorientando as ações quando necessário. O objetivo deste trabalho é
apresentar a sistemática de implementação dos instrumentos de avaliação e sua evolução
durante os nove anos de existência da CPA/Uniube. Para isso, analisamos os sete relatórios
e os instrumentos de avaliação, fundamentados nas dimensões previstas pelo Sinaes,
produzidos pela CPA/Uniube. Utilizamos como referencial teórico a Constituição Federal
de 1988, a LDB nº9394/96, os Decretos e Leis Federais, as Notas Técnicas do MEC, as
Portarias Ministeriais e Resoluções que regulamentam a avaliação do ensino superior no
Brasil. Nossos resultados apontam que a participação da CPA nos diferentes segmentos
da Uniube, quanto ao desenvolvimento de seus processos de autoavaliação institucional,
tem evoluído de forma significativa. Inicialmente, houve um período de conscientização
sobre a importância do processo de avaliação institucional; posteriormente, os membros
da comunidade acadêmica se manifestaram, de maneira livre, escrevendo suas opiniões
sobre as potencialidades e fragilidades das estruturas, dos processos, e das relações na
Instituição. A CPA registrou que seis dimensões previstas pelo Sinaes foram contempladas
nesse primeiro momento. E, em um segundo momento, os representantes de todos os
segmentos da comunidade educativa e os representantes da sociedade Uberabense foram

224 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
convidados a participar da formulação e da validação dos instrumentos de avaliação. Em
um terceiro momento, os instrumentos foram aplicados, e os resultados foram tabulados
e discutidos por diferentes grupos da comunidade acadêmica. A partir de 2008, por mídia
online, vinte e três avaliações foram realizadas, contemplando as dez dimensões previstas
pelo Sinaes (relatório 2006-2008). A partir do terceiro relatório, houve uma sistematização
da CPA/Uniube para a criação e disponibilização dos instrumentos de avaliação por meio
na Plataforma Uniube, à qual professores, alunos e técnicos-administrativos, têm acesso
livre e contínuo, no desenvolvimento de suas atividades. A participação dos agentes da
comunidade acadêmica e dos técnicos-administrativos constitui um ponto forte destacado
nos relatórios. Pode-se concluir que houve uma evolução na metodologia de trabalho
da CPA. As ações desencadeadas com as avaliações, a evolução e a reestruturação dos
instrumentos no decorrer do processo, a Plataforma Uniube Online funcionando como
um mediador do processo de avaliação ampliam o número de avaliadores e de aspectos
avaliados nas diferentes dimensões previstas pelo Sinaes, conferindo credibilidade à CPA e
consolidando o seu espaço na vida da Universidade de Uberaba.

Palavras-chave: implementação; avaliação; CPA/Uniube.

28. Impactos dos resultados obtidos pela CPA:


mudança na estrutura da gestão dos cursos
Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM)

Ana Maria Porto Castanheira

RESUMO

A CPA da Universidade Presbiteriana Mackenzie, criada em 2001, anterior à criação do Sistema


Nacional de Educação Superior (Sinaes), em 2004, desenvolve processos avaliativos que
contemplem a globalidade da instituição e a integração. Compreender o todo só é possível
mediante análises conceituais e metodológicas complexas. A UPM, contando com os dados
levantados e as análises realizadas pela CPA, busca priorizar os seguintes aspectos: a gestão
dos cursos que oferece; a formulação de um projeto didático-pedagógico de qualidade,
que priorize a importância da formação integral do aluno e o processo da construção de

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
225
conhecimentos. A avaliação institucional, que visa à integração, buscou subsídios com
o objetivo de traçar um perfil das pessoas envolvidas na gestão dos cursos, para indicar
caminhos que possibilitassem uma adequação das estruturas existentes às necessidades
reais. Foi feito um levantamento de dados em 2005 por meio da análise das respostas a
um questionário enviado às chefias de departamentos com perguntas abertas e fechadas.
As respostas obtidas permitiram verificar a importância das tarefas realizadas e como eram
conduzidas, apontando para deficiências da estrutura de chefia de departamento, que
dificultavam as decisões relativas ao curso. Houve a preocupação de identificar o perfil de
cada chefia de departamento e ficou evidente a competência de cada envolvido nesse grau
hierárquico, pois todos apresentavam titulação relevante e grande experiência, seja na
área em questão seja como docente. Além disso, todos atuavam nos cursos de graduação
com avaliações positivas. Obteve-se o seguinte perfil: regime de trabalho integral; idade
média de 46 anos; tempo de magistério de 18 anos, tempo na instituição de 19 anos; e
número de aulas, 12h/a. O instrumento analisou as funções consideradas pertinentes ao
cargo em quatro categorias: Política, Gerencial, Acadêmica e Institucional. O significado
da pontuação foi: A – Muito Importante; B – Média Importância, C – Pouca Importância.
As funções assinaladas pelas chefias indicaram na direção de funções mais acadêmicas e
administrativas, dando ênfase à gestão. O gestor estava apto para a o gerenciamento de
potencialidades internas e externas e mostrava a necessidade de monitorar, sentir, reagir,
aprender e identificar oportunidades antes de qualquer tipo de decisão. Na verdade,
atuavam como gestores de seu curso. Já não era suficiente a elaboração de currículos que
contemplassem diretrizes e atendessem às exigências mínimas, seria necessário ter uma
visão mais ampla, que envolvesse planejamento a longo prazo e cuidados criteriosos para
atender às exigências de docentes e discentes, de forma a garantir a excelência da educação
superior. A chefia de departamento sentia-se limitada para ser gestora de oportunidades
e provocar mudanças que incrementassem o nível de aprendizado contínuo por meio da
ênfase na crítica e na criatividade de todos os agentes envolvidos, uma vez que alguns
professores de seus cursos eram de outro departamento. Depois das análises e reflexões,
a reitoria, no Ato nº 8 de 1º de agosto, alterou a mudança de denominação e de estrutura
da gestão dos cursos, mudando chefia de departamento para coordenação de curso.
Os resultados da autonomia do gestor foram sentidos imediatamente, e as ações foram
agilizadas, melhorando o andamento dos processos administrativos.

Palavras-chave: gestão; curso; CPA.

226 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
29. Impactos e desdobramentos da autoavaliação no
processo de melhoria do Unifemm: uma análise da
avaliação de professor de 2010 a 2013
Centro Universitário de Sete Lagoas (Unifemm)

Raíssa Pimenta Pires, Luciene Lessa Moreira, Simone Farias Pereira, Raquel Andrade de
Paula, Izabela da Silva Souza

RESUMO

Este trabalho propõe uma reflexão sobre os impactos dos processos autoavaliativos
coordenados pela CPA nas melhorias alcançadas pelo Centro Universitário de Sete
Lagoas (Unifemm) nos últimos anos. O projeto de autoavaliação institucional se sustenta
em dimensões conceituais, nas quais a avaliação tem um indelével caráter formativo,
operando como um movimento contínuo de catalisação de mudanças, potencializando
as riquezas já existentes na IES e buscando sanar as fragilidades evidenciadas. Vários
são os procedimentos avaliativos desenvolvidos, todos eles imbuídos de um espírito
de autoanálise de potencialidades e fragilidades, o que possibilita um processo crítico
de autoconhecimento e um repensar dos processos internos de gestão. Dentre os
procedimentos realizados, destaca-se, aqui, a avaliação de professor, que tem como
objetivo analisar as práticas docentes que interferem na qualidade de ensino. Esse recorte
se ampara no histórico de realização desse procedimento na IES, já consolidado como uma
cultura avaliativa de busca de melhorias de forma constante. A avaliação não pode perder
seu foco principal, que é o de desenvolver melhorias constantes para alcançar resultados
pertinentes ao planejamento estratégico em uma organização. Avaliar os professores e
desenvolver novos paradigmas visando a melhorias no ensino tornou-se uma estratégia
competitiva e um desafio que diferenciam as IES hoje em dia. Pesquisas mostram que o
professor é a variável mais significativa no (in)sucesso dos alunos, já que influencia de
forma significativa o aprendizado. Porém, só faz sentido realizar esse processo avaliativo
se ele vier para enriquecer a prática docente e, consequentemente, a educação e que
não se baseie em um único aspecto do desempenho do professor. O objetivo é encorajar
a melhoria de professores. Aqueles que são bons precisam ser ainda melhores; aqueles
que estão aquém do desejado precisam encontrar suporte para melhorar suas práticas.
No Unifemm, a avaliação de professor iniciou-se em 2002 e, ao longo do tempo, vem

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
227
sendo reformulada com o objetivo de se consolidar como um instrumento de gestão e
como um mecanismo propulsor de reflexões e melhorias institucionais. O processo atual
desta avaliação foi concebido e implantado em 2010. Ele é realizado semestralmente por
adesão voluntária por três segmentos – alunos, professores e coordenadores – em quatro
dimensões avaliadas – Didática do Professor, Questões Avaliativas, Questões Administrativas
e Relação Professor/Aluno. Como desdobramentos deste processo avaliativo, podem ser
citados: a evolução dos índices de participação (de 31 para 96%); os Planos Individuais de
Desenvolvimento, que cada docente elabora em conjunto com o seu coordenador de curso,
tentando minimizar as fragilidades apontadas em relação aos resultados de sua avaliação; os
Seminários de Boas Práticas, que são a socialização das melhores práticas docentes a todos
os professores do Unifemm; e os Cursos de Aperfeiçoamento coordenados pelo Núcleo
de Apoio Docente – oferecidos a todos os docentes da IES e ministrados pelos professores
que tiveram os resultados mais positivos nas dimensões avaliadas. Discutem-se, assim, as
melhorias institucionais e do processo de ensino vinculadas à referida avaliação, por meio
de um ciclo avaliativo que está, cada vez mais, avançando na compreensão de práticas
avaliativas mais participativas, sistemáticas e contínuas.

Palavras-chave: autoavaliação; avaliação de professor; processo de melhoria.

30. Impactos qualitativos da autoavaliação na instituição


Universidade Veiga de Almeida (UVA)

Roberto Guimarães Boclin, Eliane Gomes Santos, Marcos Moreira Braga

RESUMO

A partir da criação do Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes), a avaliação


institucional ganhou destaque nas instituições. Este trabalho mostra uma experiência na
gestão da avaliação e os impactos qualitativos das ações da Comissão Própria de Avaliação
(CPA/UVA) na era Sinaes. A Universidade Veiga de Almeida construiu, de forma cuidadosa
e compartilhada, um projeto de avaliação com adaptações para o instrumento oficial do
Inep, correspondendo aos 10 indicadores do Sinaes/MEC, considerando o núcleo básico

228 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
e comum, o núcleo de temas optativos e a documentação, os dados e os indicadores. O
modelo do projeto que será apresentado no trabalho é dinâmico e poderá ser acrescido
à medida que o sistema de coleta e processamento de informações é aprimorado. Teve
como base o pressuposto de que a avaliação tem estreita relação com a pesquisa. O
processo foi desenvolvido, a partir de 2005, em duas frentes principais: a de levantamentos
documentais de informações já produzidas pela Universidade e a da consulta direta, através
da aplicação de questionários aos diferentes segmentos da comunidade interna e externa.
Os resultados foram apresentados em um relatório que destacou os dados obtidos e as
análises decorrentes, suscitando recomendações para a tomada de importantes decisões
de gestão. Alguns resultados dessas ações foram: a criação do processo seletivo para
contratação de coordenadores e diretores (inovação); a criação da Casa de Comunicação e
das oficinas de jornalismo e propaganda; a restruturação do NPJ (Núcleo de Prática Jurídica)
e do Curso de Direito; os currículos de todos os cursos com duas disciplinas eletivas, para
reforço do conhecimento profissional, foram aprimorados; e o desenvolvimento do Ensino a
Distância e das disciplinas online. Em 2007, em todos os campi da Universidade, a avaliação
foi relativa ao desempenho docente e a aspectos institucionais sob o ponto de vista dos
discentes. Na visão dos alunos, o resultado foi bastante satisfatório. No seu conjunto, o
corpo docente foi muito bem avaliado. Dentre os aspectos apontados, foram revistos pelos
gestores: a construção de um Sistema de Informações Gerenciais voltada para discentes
de modo eficiente e prático; a informatização acadêmico-administrativa eficiente como
estratégica competitiva externa; a implantação de um Sistema de Comunicação Interna,
que beneficia alunos e professores com os serviços acadêmicos; visitas a empresas e a
instituições relacionadas com os cursos; e treinamento permanente do pessoal envolvido.
Em 2010, a CPA e o Setor de Recursos Humanos implementou a Pesquisa de Clima, que
revelou um bom grau de satisfação dos colaboradores com as decisões da gestão. Ao longo
de 2011, a CPA produziu 11 relatórios de cursos de graduação e graduação tecnológica. O
Relatório final de 2011 encerrou-se no término da vigência do PDI (2007/2011). O processo
de avaliação prossegue e, em função dos resultados alcançados, verificou-se que a posição,
ora atingida com o Índice Geral de Cursos (IGC) 4, é o resultado do grande impacto da
autoavaliação.

Palavras-chave: avaliação institucional; impactos qualitativos.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
229
31. Repercussões da autoavaliação institucional na
elaboração e na execução do Plano de Desenvolvimento
Institucional
Centro Universitário de Formiga (Unifor)

Ricardo Wagner de Mendonça Trigo, Josiane Pires Alves, Marilene Nepomuceno do Amaral
e Castro

RESUMO

Dentro da atual política de avaliação do ensino superior instituída pelo Sistema Nacional
de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes), as Comissões Próprias de Avaliação (CPA) têm
um valor importante na análise das instituições de ensino. A CPA do Centro Universitário
de Formiga (Unifor) cumpre seu papel avaliativo junto à comunidade acadêmica.
Diante desse quadro, este estudo procura analisar as repercussões que a autoavaliação
institucional trouxe na execução do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do
Centro Universitário de Formiga (Unifor). Para realizarmos este estudo, utilizamos uma
pesquisa documental, tendo como base todos os relatórios oriundos das autoavaliações
realizadas. Foram analisadas as demandas detectadas nos resultados, as ações que foram
tomadas pelos diversos setores da comunidade acadêmica e os reflexos desse cenário
na elaboração e na execução de políticas institucionais de ensino, extensão e pesquisa
do PDI. A coleta de dados acontece a partir do relatório dos resultados apreciados na
avaliação de 2005, ano de criação da CPA nessa instituição, até os resultados e as ações
propostas no relatório da autoavaliação de 2012. O trabalho encontra-se em fase de análise
dos relatórios apresentados pela CPA, da resposta de ações dos diversos setores ante a
questões levantadas e a análises feitas pelas comissões de avaliação externa, em visitas
realizadas com fins de recredenciamento da instituição ou reconhecimento e renovação
de reconhecimento dos diversos cursos por ela oferecidos. Pode-se observar que, embora
ainda sem uma efetiva participação da comunidade acadêmica, as autoavaliações realizadas
no Unifor têm, dentro de suas possibilidades e limitações, contribuído positivamente para
a elaboração, o acompanhamento e o reajustamento dos Planos de Desenvolvimento
Institucional. Observamos também que todos os resultados apresentados são devidamente
analisados pelos diversos setores do Centro Universitário de Formiga, colaborando para
as transformações referentes, principalmente, aos procedimentos didáticos pedagógicos.

230 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
Conclui-se, portanto, que as ações propostas pelas autoavaliações institucionais repercutem
positivamente na elaboração, na execução e no controle dos Planos de Desenvolvimento
Institucional do Unifor.

Palavras-chave: repercussões; autoavaliação institucional; desenvolvimento institucional.

32. Repercussões dos processos da autoavaliação


institucional na gestão da IES
Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste)

Maria Aparecida de Souza Silva, Tereza Cristina Monteiro Cota

RESUMO

A avaliação tem uma função social, política e pedagógica, podendo subsidiar as tomadas de
decisão sobre processos de aprendizagem, sobre gestão acadêmica e sobre políticas públicas,
a partir de indicadores de desempenho de alunos, de instituições e do próprio sistema
educacional (Inez, 2007). Por acreditar que a avaliação, ao favorecer a participação conjunta,
amplia o princípio da autonomia, a compreensão da realidade e o compromisso com as
propostas de mudanças, a CPA do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste)
vem criando espaços de diálogo e realizando fóruns de interlocução durante todo o processo
de avaliação institucional: (i) elaboração do projeto de autoavaliação de cada ciclo avaliativo;
(ii) construção dos instrumentos de autoavaliação ; (iii) análise, interpretação e publicação de
resultados obtidos. Nessa perspectiva, o objetivo deste trabalho é discutir as repercussões,
no campo da gestão acadêmica e administrativa, da autoavaliação desenvolvida pela CPA na
gestão da IES. Do ponto de vista teórico, serão considerados as contribuições de Larossa (2002),
no que se refere ao conceito de experiência, os estudos de Dias Sobrinho (2008) e Inez (2007)
sobre avaliação da educação superior, além dos documentos legais (LDBEN 9394/96 e a Lei do
Sinaes, nº 10.861/04). Trata-se de um estudo analítico acerca das práticas e das experiências
vividas em processos de avaliação institucional, abrangendo, inclusive, seus atores. Também,
serão evidenciadas repercussões dessas experiências na gestão acadêmica e administrativa da
IES. Os processos avaliativos vivenciados até então evidenciaram que a participação, qualificada,
organizada e intensa da comunidade acadêmica nas diferentes etapas de planejamento,

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
231
realização e feedback da avaliação, amplia a cultura da avaliação. Percebe-se, ainda, que o
engajamento da comunidade acadêmica tem fortalecido os códigos de legitimidade técnica
e ética da avaliação, contribuindo para os avanços na qualidade do ensino ofertado pela
IES. As informações qualitativas e quantitativas levantadas durante o processo de avaliação
contribuem para fornecer elementos para caracterizar o nível de atendimento aos indicadores
de qualidade que, em conjunto, integram cada uma das dez dimensões de avaliação e as
conexões que se estabelecem entre elas. A ampliação e o aprimoramento da metodologia
participativa no processo de criação dos instrumentos de avaliação, da produção dos relatórios;
na produção dos meios de divulgação e sensibilização; no processo de feedback dos resultados
aumenta as possibilidades de intervenção nos processos formativos da Instituição. Destaca-se
que a CPA no Unileste é composta por Comissões Setoriais de Avaliação (CSA) e por Comissão
Permanente de Avaliação (Copavi), além de outros setores administrativos. A integração entre
os diferentes segmentos que compõem a CPA “ampliada” oportuniza a problematização das
dimensões avaliadas, suscitando discussões dos diversos pontos de vista. Esse debate, além de
minimizar resistências de sujeitos envolvidos, deixando fluir o processo avaliativo, faz emergir
as responsabilidades individuais e coletivas, que extrapolam os limites da visão funcionalista,
ligada a cargos e atividades.

Palavras-chave: autoavaliação; Comissão Própria de Avaliação; gestão.

Região Sul

33. A trajetória dos processos de autoavaliação


institucional na PUCPR
Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Alboni Marisa Dudeque Pianovski Vieira

RESUMO

Na Pontifícia Universidade Católica do Paraná, a avaliação institucional tem sido oficialmente


concebida como instrumento de gestão universitária a partir da adesão feita ao Programa
de Avaliação Institucional das Universidades Brasileiras (Paiub), na década de 1990. Desde

232 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
sua implantação até o momento, esse processo de avaliação institucional tem passado
por diferentes fases, tanto do ponto de vista conceitual quanto do procedimental. O
objetivo deste trabalho, assim, é analisar as diferentes fases pelas quais passou o processo
de autoavaliação na PUCPR, ao longo de sua implantação, considerando as alterações a
que foi submetido, quer do ponto de vista qualitativo, quer quantitativo, à luz das politicas
educacionais, das orientações legais e institucionais vigentes nos diversos momentos
históricos mencionados. Como objetivos específicos, buscou-se: 1) discutir a contribuição
da Comissão Própria de Avaliação para consolidação do processo de autoavaliação
institucional na PUCPR; 2) discutir a abrangência acadêmico-administrativa dos resultados
em sua integração com o planejamento estratégico institucional; 3) analisar a tendência
identificada nas séries históricas de desempenho, obtida a partir dos resultados e a
reorientação política motivada; 4) analisar os avanços da utilização dos sistemas eletrônicos
auxiliares. Como apoio teórico, foram utilizados os estudos de Dias Sobrinho e Balzan (2005),
Darling-Hammond e Ascher (2006), Cabrito (2009), Juliatto (2010) e Polidori et al (2011),
entre outros. Para responder às indagações da pesquisa, foram utilizados procedimentos
de coleta de dados nas fontes documentais disponíveis na instituição, tais como, atas das
reuniões das Comissões de Avaliação anteriores a 2004 e da Comissão Própria de Avaliação a
partir dessa data, instrumentos utilizados para coleta de dados, relatórios de autoavaliação,
séries históricas disponibilizadas e outros resultados relativos ao período estudado.
Subsidiariamente, foram utilizadas fontes orais, constantes de entrevistas com funcionários
do setor de apoio da avaliação institucional na universidade. De abordagem qualitativa,
o estudo contou com a contribuição teórica de Bogdan e Biklen (1994). A análise do
material coletado possibilitou sistematizar os diferentes períodos avaliativos da instituição,
seus objetivos, procedimentos e resultados. Permitiu, também, considerar os avanços
e os ajustes que foram feitos para a condução do processo, no sentido de transformá-lo
efetivamente em uma ferramenta de gestão para coordenadores de curso, diretores de
campus e decanos de escolas, sendo elemento imprescindível para o acompanhamento
e a avaliação das metas constantes no Plano de Desenvolvimento Institucional, no Projeto
Pedagógico Institucional e nos Projetos Pedagógicos dos Cursos.

Palavras-chave: educação superior; avaliação institucional; gestão acadêmica.

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
233
34. As contribuições da CPA para a gestão institucional
Centro Universitário – Católica de Santa Catarina em Jaraguá do Sul (Católica em Jaraguá)

Susana Hintz, Agostinho Fernando Zimmermann, Anadir Elenir Pradi Vendruscolo, Flávio
Knihs

RESUMO

A autoavaliação institucional constitui uma das modalidades de avaliação instituída pelo


Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), através da Lei nº 10.861,
de 14 de abril de 2004, que possibilita à comunidade acadêmica (gestores, professores,
acadêmicos e funcionários técnico-administrativos) e à externa lançarem um olhar crítico
e reflexivo para a instituição de ensino superior (IES), identificando suas potencialidades
e fragilidades. Esse movimento promove o autoconhecimento da IES. Conforme as
diretrizes do Sinaes, a Comissão Própria de Avaliação (CPA) é responsável pela condução
do processo autoavaliativo das IES, o que acontece no Centro Universitário – Católica de
Santa Catarina em Jaraguá do Sul. Os dados coletados nas pesquisas que compõem o
Relatório da Autoavaliação Instituição são analisados e debatidos por essa comissão, que
propõe ações visando à melhoria da qualidade do ensino. A CPA faz estudos, análises e
reflexões sobre as informações e os documentos obtidos por meio da pesquisa realizada
junto à comunidade acadêmica. Essa comissão conta com a participação e o envolvimento
dos gestores, docentes, corpo técnico-administrativo e acadêmicos que fazem parte da
instituição pesquisada. Nessa perspectiva de trabalho, toda a comunidade acadêmica, de
uma forma ou de outra, contribuiu para a construção do relatório, que registra o processo
histórico da instituição vivido no período pesquisado. Com o contexto apresentado,
alguns questionamentos são levantados pelos representantes da CPA, entre eles: quais
as contribuições dos Relatórios da Autoavaliação Institucional para a gestão da IES e a
melhoria da qualidade do ensino? Com o objetivo de compreender as contribuições da
autoavaliação institucional para a gestão do Centro Universitário e os seus impactos no
replanejamento da IES, a CPA sentiu-se mobilizada a desenvolver o presente estudo, que
se caracteriza como uma pesquisa de cunho qualitativo. Para tanto, foram analisados os
relatórios da autoavaliação institucional e suas implicações para a gestão institucional.
A fundamentação teórica desse estudo pautou-se em autores que investigam temáticas
voltadas para a avaliação institucional e o planejamento no âmbito das instituições de

234 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
educação superior, sendo eles: Cabrito (2009), Dias Sobrinho (2008a, 2008b), Eyng (2004,
2007) e Sermann (2007). Dentre as considerações indicadas pelo estudo, destaca-se a
autoavaliação como promotora de autoconhecimento dos sujeitos envolvidos no processo
avaliativo, produzindo um movimento de reflexão sobre as ações e as práticas desenvolvidas
nas IES. Nessa perspectiva, acredita-se no potencial da autoavaliação para o replanejamento
institucional e da CPA como espaço de construção de conhecimento.

Palavras-chave: autoavaliação institucional; Comissão Própria de Avaliação; gestão


institucional.

35. Autoavaliação e planejamento: avanços e reflexões


Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc)

Anne Marie Scoss, Neide Inês Ghellere de Luca

RESUMO

Motivado pelas melhorias percebidas na instituição, decorrentes dos processos avaliativos,


esse trabalho objetiva apresentar e analisar os avanços e os impactos ocorridos na IES
e registrados nos Relatórios de Autoavaliação da Unesc de 2004 a 2012. A metodologia
oportunizou a participação de estudantes, professores, corpo técnico-administrativo,
gestores e sociedade civil. Como instrumento de pesquisa foram adotados, prioritariamente,
questionários e análise documental (documentos oficiais, relatórios de avaliação
disponibilizados pelo Seai, dentre outros). Para construção desse artigo, utilizou-se a
analise dos três últimos relatórios de autoavaliação, nos quais os gestores da universidade
apontaram os impactos que a avaliação gerou sobre o planejamento e a execução das ações
acadêmico-administrativas. O embasamento teórico possibilitou refletir sobre: o papel, os
princípios e a pertinência da avaliação; a avaliação e o planejamento como subsídios para
a melhoria e o aperfeiçoamento das instituições; o papel da universidade e suas relações
internas e externas; e a participação ativa dos atores, possibilitando que os envolvidos no
processo possam repensar suas práticas, seus objetivos e os resultados alcançados. Por
meio do processo avaliativo, constatam-se os avanços da Universidade. Quando ela redefine
suas ações acadêmico-administrativas cria mecanismos para aperfeiçoar as políticas e,

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
235
consequentemente, cumpre efetivamente a sua missão institucional. Ainda assim, o
processo de avaliação interna e de avaliação realizada pelos órgãos de regulação não têm
um fim em si mesmo, necessitando de constante aprimoramento de seus mecanismos e
instrumentos, visto que a realidade das instituições de educação superior não é acabada e
pronta, mas, por serem dinâmicas, estão em permanente mudança.

Palavras-chave: autoavaliação; planejamento; impactos.

36. Autoavaliação Institucional: subsídios para


a capacitação docente
Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Ana Lucia Souza de Freitas, Marion Creutzberg, Alam de Oliveira Casartelli, Alessandra
Maria Scarton

RESUMO

Dentre os diferentes processos de autoavaliação institucional, a avaliação de disciplinas


da graduação (AD), iniciada em 2006, tornou-se referência para consolidar, no âmbito da
CPA, concepções e processos, contribuindo para fortalecer a cultura do uso dos resultados
nas ações de planejamento, em diferentes instâncias da gestão da universidade. Entre as
possiblidades de uso dos resultados dos processos avaliativos, destacam-se a identificação
de aspectos para a qualificação da gestão da aula universitária, das ações de inovação
curricular e de capacitação docente, assim como para a qualificação da pesquisa e da
extensão. Neste relato, o uso dos resultados da AD na capacitação docente é o foco da
reflexão proposta. Objetivo geral é fortalecer o uso dos resultados dos processos avaliativos
nas ações de capacitação docente. Para a proposição da atividade de capacitação docente
foi realizada a análise dos resultados da AD, utilizando uma metodologia qualitativa,
fundamentada na análise textual discursiva. Entre os temas emergentes da análise, o uso
das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) para aprendizagem colaborativa foi a
temática abordada na Capacitação Docente, por meio de um grupo de discussão intitulado
“A visão dos alunos sobre o uso das tecnologias: contribuições da avaliação institucional para
a aprendizagem colaborativa”. As categorias de análise utilizadas foram: o uso do quadro

236 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
em sala de aula; o uso do slide; o material de apoio e uso do moodle; o uso de laptops; o
uso do tempo em sala de aula; e a interação. Essas embasaram a elaboração das seguintes
questões: como as TICs estão presentes na sua prática? Como você percebe a visão do
aluno sobre a sua prática? A discussão realizada propiciou uma série de reflexões relevantes
para a continuidade do processo. A discussão com o grupo fortaleceu a compreensão
de que o uso de TICs, por si só, não altera os processos de ensino e de aprendizagem,
mas pode potencializar ou restringir a gestão da aula universitária, conforme a visão dos
professores e alunos. Alguns aspectos foram destacados nesse sentido: a importância da
flexibilidade; a necessidade da atualização dos professores para acessarem a linguagem
dos alunos; o equilíbrio entre o uso dos recursos tecnológicos e dos humanos; a atribuição
de significado para o uso pedagógico das ferramentas; e a coerência entre o ser e o fazer
na gestão da aula fundamentada na presença pedagógica. Conclusões: um dos maiores
desafios é estabelecer relações entre a avaliação na visão dos alunos e a percepção dos
professores. Os processos reflexivos, a partir dos resultados da AD, geram inquietações e
dilemas que instigam a proposição de ações para qualificar a gestão da aula universitária.
Sendo assim, a avaliação tem uma relevante contribuição para as ações de capacitação
docente na instituição. Por outro lado, o programa institucional de capacitação docente, ao
garantir um espaço para a discussão sobre a autoavaliação institucional, contribui para o
fortalecimento do uso dos resultados da avaliação nas ações de planejamento.

Palavras-chave: avaliação institucional; avaliação de disciplinas; capacitação docente.

37. Contribuições da CPA na Faculdade Antonio Meneghetti


Faculdade Antonio Meneghetti (AMF)

Leandra Calegare, Erlei Melgarejo, Josele Nara Delazeri de Oliveira, Ana Marli Bulegon,
Helena Biasotto, Patrícia Wazlawick

RESUMO

A Comissão Própria de Autoavaliação (CPA) na Faculdade Antonio Meneghetti (AMF), criada


concomitantemente com a Instituição de Ensino Superior (IES) no ano de 2007, é autônoma e
constituída por membros que fazem parte da comunidade acadêmica: docentes, discentes,

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
237
colaboradores técnico-administrativos e comunidade civil. O objetivo da AMF é formar seu
aluno (jovem e adulto) para ser protagonista competente, responsável, flexível e criativo
e, por consequência, profissional capaz de ser solução em qualquer ambiente em que se
encontra. Para atender a esses objetivos, as premissas pedagógicas que alicerçam a missão
desta IES são materializadas pelos docentes e corpo técnico-administrativo, priorizando
a interdisciplinaridade como metodologia de ensino, aliando teoria e prática. Para avaliar
essas ações e para que o ensino e a aprendizagem sejam constantemente aprimorados,
foi criada a Comissão Própria de Avaliação (CPA) da AMF, cuja proposta da autoavaliação
fundamenta-se no artigo 9º, inciso IX, da Lei de Diretrizes e Bases nº 9.394/1996, na
Lei nº 10.861/2004, que institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior
(Sinaes), na Portaria nº 2.051/2004 do Ministério da Educação, nos Documentos Diretrizes
para avaliação das instituições de Educação Superior e no roteiro para a autoavaliação
institucional, concebido pela Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (Conaes)
e pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (Inep). De acordo com o PPI
2011-2013 da AMF, as funções da CPA são: a) elaborar o plano de atividades de avaliação
e autoavaliação institucional; b) coordenar as atividades de autoavaliação, tratamento dos
dados e do relatório e divulgação dos resultados. Neste sentido, este trabalho tem por
objetivo relatar as contribuições da CPA para a Faculdade Antonio Meneghetti. Pautada
nesse contexto, a CPA realiza, semestralmente, as atividades de avaliação e autoavaliação
discente e docente, contribuindo para o processo de construção e aprimoramento coletivo
da IES. A metodologia utilizada compreende avaliações semestrais por meio de questionários
que contemplam as dez dimensões determinadas pelo Sistema Nacional de Avaliação da
Educação Superior (Sinaes) e as manifestações cotidianas da comunidade acadêmica,
considerando-se a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. A partir da coleta
de dados, os membros da CPA os analisam e contatam os dirigentes da faculdade a fim de
dialogar sobre as melhorias sugeridas. Nesse sentido, destacam-se algumas reivindicações:
oferta de cursos complementares à formação acadêmica; oportunidades de trabalho e
bolsas de estudo ao discente; qualificação do bar, do transporte, de docentes e do corpo
técnico-administrativo. O diálogo frequente da CPA com os dirigentes da instituição de
ensino proporcionam algumas ações como: oferta de cursos de extensão como Excel
Básico, Imagem e Marketing Pessoal, Linguagens de Programação, Comunicação, Vendas,
entre outros; criação da Incubadora de Empresas; criação de grupos de estudo e projetos
de pesquisa para inserção dos discentes conjuntamente com docentes; intuiu-se o
programa de desconto por mérito nas parcelas da semestralidade ao aluno da AMF, apoio

238 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
pedagógico aos docentes e adequação desses à missão da IES; entre outras. Com este
trabalho, compreende-se que a CPA contribui para o desenvolvimento e a qualidade da
AMF no cumprimento de sua missão.

Palavras-chave: impactos da avaliação institucional; CPA; Faculdade Antônio Meneghetti.

38. Impactos da CPA no processo de autoavaliação do


curso de Educação Física na URI – Campus de Frederico
Westphalen, RS
Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI)

Maria Cristina Gubiani Aita, Camila de Fátima Soares dos Santos

RESUMO

A avaliação, quando concebida em um processo dinâmico, pode ser usada como um


referencial para que as instituições possam rever não apenas suas debilidades, mas
também suas potencialidades e suas realizações. É com este propósito que, em 2004, foi
implantado o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), o qual tem
como finalidade a melhoria da qualidade da educação superior, promovendo a avaliação
de instituições, de cursos e de desempenho dos estudantes. O Sinaes compreende alguns
componentes como a autoavaliação realizada pela CPA. Essa coordena o processo interno
de autoavaliação institucional, organiza um sistema de informações e divulga dados com a
participação dos diferentes segmentos da universidade, garantindo a democratização das
ações e implantando a cultura de avaliação num processo reflexivo, sistemático e contínuo.
Cada Instituição constitui sua CPA, o que, na URI, foi determinado pela Resolução nº 1166/
CUN/2008 – Regulamento da Comissão Própria de Avaliação. No campus de Frederico
Westphalen, diversas atividades são realizadas pela CPA, o que garante a participação dos
diferentes segmentos envolvidos no processo avaliativo. Este trabalho tem como objetivo
divulgar as ações realizadas pelas representantes da CPA na autoavaliação institucional,
realizada junto à comunidade acadêmica e externa. A metodologia utilizada é descritiva e
analítica, de cunho qualitativo, contemplando a análise dos gráficos gerados na autoavaliação
no ano de 2012, na URI – Campus de Frederico Westphalen, analisando os dados da

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
239
autoavaliação dos discentes do Curso de Educação Física. A autoavaliação institucional
exerce papel de grande importância para o desenvolvimento e a inovação da instituição.
Com base nas sugestões apontadas pelos acadêmicos – partícipes desse processo – dos
21 cursos de graduação da URI, é possível aos gestores traçar novas metas, planejar ações
estratégicas, refletir sobre o processo, visualizar novos caminhos, novas possibilidades de
mudança, conscientes de que, muitas vezes, e, em muitas dimensões, a mudança exige
desconstrução da autossuficiência, para reconstruir em conjunto uma nova concepção de
avaliação, com sua importância em todas as instâncias e dimensões da vida do ser humano.
Assim, efetiva-se, na prática, a cultura da autoavaliação, resultado do trabalho realizado
pela CPA, e a importância da gestão democrática e participativa. A partir da pesquisa e da
análise dos dados gerados pelo processo de autoavaliação institucional, destaca-se que
esse processo deve estar vinculado ao planejamento institucional, tendo por finalidade
envolver toda a comunidade acadêmica e a comunidade externa, como propõe o Sinaes.
É válido destacar, também, que os segmentos devem estar motivados para participar do
processo avaliativo com liberdade e seriedade. Quando discutidos e refletidos com os
acadêmicos, o corpo docente e os coordenadores de curso, os resultados, sem dúvida,
serão significativos, visando à melhoria da qualidade do ensino superior, objetivo principal
da autoavaliação institucional.

Palavras-chave: Sinaes; autoavaliação; CPA.

39. Impactos da CPA no processo de autoavaliação


institucional do Centro Universitário Franciscano
Centro Universitário Franciscano (Unifra)

Marisa Diniz Dallacort, Greice Scremin, Marloá Eggres Krebs, Valduíno Estefanel

RESUMO

Tendo em vista a realidade de democratização do acesso ao ensino superior no Brasil e


a decorrente necessidade de qualificar essa educação superior, propomos a discussão
referente ao impacto da CPA no contexto institucional a partir de 2004. Este artigo tem

240 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
o objetivo de apresentar e discutir as repercussões da atuação da Comissão Própria de
Avaliação Institucional no Centro Universitário Franciscano. Para a construção dessa
proposta de trabalho, foi realizado um levantamento histórico da implementação do
processo de autoavaliação institucional que ocorre na Instituição desde o ano de 1998.
Analisou-se também o projeto de autoavaliação institucional e foram elaborados e
aplicados instrumentos com questões abertas para a reitora, as pró-reitoras (graduação,
administração, pós-graduação, pesquisa e extensão) e para os coordenadores dos
cursos de graduação. A análise desses instrumentos utilizou os princípios da Análise de
Conteúdo (Bardin, 1995). A discussão teórica realizada envolve as produções no âmbito
do Sinaes, no que se refere à constituição das CPAs. Outros aspectos teóricos envolvidos
no artigo contemplam discussões sobre a importância da avaliação institucional como
base referencial para a qualificação dos processos acadêmicos institucionais. Foi possível
constatar os efeitos positivos do trabalho desenvolvido pela CPA desde o ano de 2004.
Dentre esses, a efetiva participação da comunidade acadêmica nos processos avaliativos e a
validade das informações, especialmente, tendo em vista o crescimento da instituição, nos
últimos anos. Outro aspecto mencionado diz respeito à ampliação do conhecimento sobre
a instituição proporcionado pelos processos de autoavaliação, que permitiram identificar as
áreas de maior ou menor impacto científico, social, tecnológico e educacional. Foi possível
concluir que a CPA é fundamental para a identificação de potencialidades e fragilidades,
contribuindo assim, para a realização de ações que incentivem o desenvolvimento da
qualidade institucional.

Palavras-chave: impactos da CPA; autoavaliação institucional; Sinaes.

40. Os resultados da autoavaliação institucional como


balizadores para tomada de decisão na gestão da URI
– Erechim
Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI-Erechim)

Nilce Fátima Scheffer, Arnaldo Nogaro, Denise Aparecida Martins Sponchiado, Maiara
Fernanda Fusinatto, Sandra Milbrath Vieira

ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013
241
RESUMO

Este trabalho contempla dados oriundos de revisão de literatura e de pesquisa documental,


considera resultados obtidos no processo de autoavaliação institucional interna da URI-
Erechim referentes ao ano de 2009. Objetiva demonstrar como a avaliação institucional
pode tornar-se um suporte e um instrumento que auxiliam nos processos de gestão
universitária. Este destaca aspectos mais incidentes na avaliação por disciplinas oferecidas,
ao longo dos dois semestres do referido ano, e reúne reflexões a respeito de habilidades,
potencialidades, concepções e contribuições advindas do processo de avaliação realizado.
Os atores envolvidos no processo aqui relatado foram acadêmicos, docentes, gestores,
egressos, funcionários técnico-administrativos da instituição e comunidade externa.
A coleta e a análise de dados seguiram uma abordagem qualitativa, considerando
documentos e relatórios internos da unidade. A organização dos dados foi balizada por
categorias geradas a partir dos questionamentos constantes nos instrumentos de coleta
pela literatura existente na área da avaliação, especificamente, por autores como Sobrinho
(2000) (2003), Feltran (2002), Ristoff (1999), Leite (2010) (2011), Hoffmann (2008) e Luckesi
(2011). Os resultados de autoavaliação constituem uma base de dados com informações
estratégicas, que permitem visualizar a IES em seus diferentes segmentos, seus pontos
críticos e relevantes. Desta forma, apontam que a autoavaliação, nesta unidade da URI, está
caminhando, de maneira significativa, para a consolidação e está assumindo uma posição
de destaque e vanguarda, para que seja instaurada uma cultura institucional de avaliação
que possa subsidiar diferentes instâncias da universidade, que realizam o planejamento e
a gestão da IES.

Palavras-chave: autoavaliação institucional; universidade; ações.

242 ANAIS DOS SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL


E COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO (CPA) | 2013

Você também pode gostar