Você está na página 1de 10

LEDA TENÓRIO DA

MOTTA é crítica literária


e professora na Pontifícia
Universidade Católica de
São Paulo. Autora de

s
Catedral em Obras –
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
Ensaios de Literatura
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901

re
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
(Iluminuras) e Lições de
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
Literatura Francesa
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
(Imago).
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901

nd
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901

iga
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
No
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
LE
e

456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
DA

456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
TE

456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
N

456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
Ó

456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
a

456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
RIO

456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
DA

456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
im

456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
M

A crítica
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
O

456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
TT

456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
A

456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
Cl

456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901

literária
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901

brasileira entre
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901
456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901

dois fogos
120 REVISTA USP, São Paulo, n.39, p. 120-129, setembro/novembro 1998
N ada no Brasil, em esfera culta, seria verdadeiramente
próprio. Ou porque, diriam uns, lembrando a posição
colonial, e batendo na tecla da dependência, tudo nos é,
desde sempre, estranho, destituídos de cultura letrada
original que somos; ou porque, diriam outros, lembrando que o infante
é o que não fala, nunca fomos crianças, dominamos de saída o código
sofisticado europeu, nascemos falando barroco. Estas são duas manei-
ras, uma delas nostálgica da unidade, a outra fixada na divisa moderna
do “je est un autre”, de lidar com o mesmo enquanto duplo.
Das mais interessantes para a vitalidade da crítica na, como di-
riam uns, “periferia”, porque mobiliza diferentes, como diriam ou-
tros,“funções” da literatura, à história dessa controvérsia, que começa
pelas nomenclaturas em uso, e se acha em boa medida por escrever,
não são estranhas duas revistas. Que, por assim dizer, se estranham.
São elas Clima e Noigandres, publicações de vida relativamente
breve, a levar em conta a fortuna, século adentro, das tendências crí-
ticas que prenunciam. Marcos literários cujos títulos, olhando retros-
pectivamente, por si só programam a pendência em questão, por si só
resumem as disposições de espírito que presidem às duas correntes a
que se ligam. Uma histórico-evolutiva, sensível à idéia de “forma-
ção”; a outra apoiada em cortes sincrônicos, que descontinuam a
historiografia linear e problematizam a noção de origem, preferindo a
formação, transformação. De um lado, os pés no chão, a atenção vol-
tada para as condições ambientes, que a palavra”clima” vem atender,
os teóricos do transplante, às voltas com o “arbusto de segunda ordem
no jardim das musas”, que é o que seria nossa literatura; de outro,

REVISTA USP, São Paulo, n.39, p. 120-129, setembro/novembro 1998 121


desterritoriais, e chamando a atenção para feito para desdizer o valor jovem, sobre o
a metafórica biológica da escola vizinha, qual se insiste. Severa com o presente, que
os continuadores de um grande “poema uni- percebe inócuo, a entrada em cena do gru-
versal”, sempre em reprocesso, daí po nada tem de rebelde, como seria de se
“noigandres”, enigmática referência do esperar de sua juventude. Bem ao contrá-
domínio da poesia de Provença (a que tere- rio, usa-se de respeito com o passado, pró-
mos que voltar). ximo e distante. A Alfredo Bosi intriga,
Lançada em São Paulo, sob o Estado justamente, que a reconstituição da experi-
Novo, em plena Segunda Guerra Mundial, ência brasileira aí empreendida explore
em maio de 1941, Clima parte de uma idéia respeitosamente, ainda que, diz ele, haja
de Alfredo Mesquita, dono do jornal O Es- desenvoltura, as imagens do passado, no
tado de S. Paulo, encampada por um grupo que tende a ver um “aproveitamento mo-
de então rapazes – Antonio Candido, Paulo derno” da tradição, ponderando que “resis-
Emilio Salles Gomes, Lourival Gomes tir à insolência do novo também é um modo
Machado, Decio de Almeida Prado, Anto- de ser moderno”. Ao passo que a posição
nio Branco Lefèvre, Marcelo Damy de reverente, principalmente aos executores
Sousa Santos, entre outros – de pendor para desse passado, e principalmente aos mais
a crítica e interesses os mais diferenciados próximos, fará Haroldo de Campos dizer:
– teatro, cinema, música, literatura, socio- são antes “noviços” do que “novos” (2).
logia, ciências. Que se reúnem, conforme Penhor do mérito desses recém-forma-
anuncia um manifesto dos redatores no pri- dos e graduandos da universidade paulista
meiro número – por todos endossado mas recém-criada, breve professores ali, posta-
escrito pelo diretor de O Estado, como es- dos diante de um país a explicar, o propalado
clareceria mais tarde Antonio Candido, em frescor do empreendimento redunda, com
Teresina etc. (1) –, para agitar idéias e o efeito, segundo avança o texto, em apego a
próprio meio intelectual brasileiro da épo- referências de autoridade. Assim, quem ler
ca, “um tanto sonolento e inativo”, segun- o manifesto do primeiro número não dei-
do eles. O fim e o programa da revista, le- xará de notar o quanto ele invoca certo
mos nesse primeiro editorial, é criar aqui, establishment. O grupo de Alfredo Mes-
na ex-província paulistana, e irradiar daqui quita, que se manteria até 1944, surge con-
“um clima de curiosidade, de interesse e de fiante e, ao mesmo tempo, temeroso de si,
ventilação intelectual”. o que o leva a buscar o “apoio moral” e o
Com a execução, dispõe-se a colaborar “apoio material” de gente já consagrada.
gente como: Gilda de Moraes Rocha, a so- Nesse sentido, a alusão a figuras “de proa”,
brinha de Mario de Andrade, que se casaria a personalidades “de nomeada” – a gente
com Candido, lecionaria Estética no De- “de nome feito”, reconhece Candido, de-
partamento de Filosofia da Faculdade de cênios mais tarde, sempre em Teresina etc.
Filosofia da Universidade de São Paulo e – é reiterativa. E Clima não se permite nas-
assinaria, entre outros, sobre Macunaíma, cer sem a colaboração de um professor
O Tupi e o Alaúde (1979); Ruy Coelho, que estrangeiro na USP, Monsieur Gagé, in-
apresenta, no primeiro número, um desco- cumbido de abrir o número de estréia com
nhecido por nome Marcel Proust; Geraldo a transcrição de uma conferência sobre as
Ferraz; Cícero Cristiano de Souza; Lourdes origens do romantismo. Escola já então em
Machado, etc… destaque a que o mesmo Candido viria a
Curiosamente, no entanto, esse primei- atribuir importância central, prestigiando
1 Antonio Candido, “Clima”, in ro manifesto dos responsáveis, todos im- o seu papel afirmador da nacionalidade.
Teresina etc., São Paulo, Paz e buídos de vocação crítica, que se Nada se faz, por outro lado, sem o aval de
Terra, 1980.
credenciam frente a seu público como jo- Mário de Andrade, igualmente requisita-
2 Alfredo Bosi, “Argüição a Pau-
lo Emílio”, in Céu, Inferno, São vens desejosos de participação, capazes de do. Mário de Andrade que, nas palavras
Paulo, Ática, 1988. Haroldo influenciar os tempos por força da “moci- dos editorialistas, “gentilmente (os) aten-
de Campos: depoimento a
mim, em janeiro de 1996. dade do espírito”, difunde certo embaraço, deu e encorajou”.

122 REVISTA USP, São Paulo, n.39, p. 120-129, setembro/novembro 1998


Um Mário a quatro anos de sua morte, do Auto do Possesso, Haroldo, têm muita
nessas alturas envolvido em depressão e consciência, como também haveriam de
com o balanço que se conhece da Semana admitir a posteriori (3).
de 22 – comunicado no famoso discurso do Como aponta Haroldo, é Sergio Buarque
Itamaraty, de influência sobre outro docu- de Holanda, refinado eqüidistante
mento famoso, o Manifesto de 45, que revê resenhista, quem sabe reconhecer nessa
a explosão modernista –, é assim convida- proposta não apenas um embrião de ruptu-
do a legitimar a revista, inserindo ali um ra com os tempos, segundo ele, Sergio, mais
texto de abertura, “Elegia de Abril”, de tom marcante em Décio Pignatari, mas ainda o
amargo. Onde principia confessando que horizonte mallarmeano de Haroldo de Cam-
“poucas vezes me vi tão indeciso como pos. E ainda certa presença na literatura de
neste momento em que uma revista de Haroldo de Stefan George, que então se
moços me pede para iniciar nela a colabo- desconhece por aqui. Stefan George cujo
ração de veteranos”. mestre é Mallarmé, diga-se, contra o qual
São portanto duas matérias de apresen- se levantava, em slogans, o Mario de
tação, da mão de mestres, que os de Clima Andrade de a Escrava que Não É Isaura.
providenciam. A de Gagé, devido a um Não bastasse Mallarmé, a atenção dada
contratempo, termina por não sair. A de aos desvios poéticos de linguagem, o
Mário, posto em melancolia, vem introme- formalismo já em pauta – objeto de reticên-
ter no primeiro número um tom de capitu- cias da parte de outro Sergio, Milliet, con-
lação, política e pessoal. O que em nada trário à “poesia pura”, igualmente atacada
desmerece o próprio Mário, ressalte-se, por Fausto Cunha, que condena “essa lite-
apenas dá mostras da intrepidez contida dos ratura de palavras” – repõe em circulação o
rapazes. Assumida, de resto, no texto de experimentalismo daquele de quem Mário
Alfredo Mesquita, quando faz observar: se acha afastado no segundo tempo moder-
nista, Oswald de Andrade. Sai deste último
“Se pedimos a Mário de Andrade que se a visão do nacional em relacionamento
incumbisse de uma das apresentações, foi devorador com o universal, isento do ideal
que seu nome nos pareceu, por diversas europeizante do espírito da formação, “ro-
razões, o mais indicado para tal fim. Clima mântico-bom-selvagem”, no dizer de
é uma revista de gente nova e desconheci- Haroldo (4).
da, gente que poderia parecer por demais Demarcados já assim, em termos de
ousada apresentando-se a si mesma e que, freqüentação, do grupo Clima, os Noigan-
a seu próprio ver, precisava de uma apre- dres tomam ainda distância da família inte-
sentação feita por pessoa de reconhecida lectual de Antonio Candido pelo fato de a
autoridade. Ninguém mais que Mário de eleição visar uma figura nessas alturas eclip-
Andrade estava nessas condições”. sada. Cuja obra, fora as Poesias Reunidas,
não se reedita mais, nem soma novos títu-
Ora, as primeiras intervenções do gru- los, exceto um último publicado em vida,
po Noigandres, a partir de 1950, ano em Sob as Ordens de Mamãe. Obra cujos ver-
que Haroldo de Campos e Décio Pignatari sos, curtos e livres, nem mesmo Manuel
estréiam em livro, sob a chancela do Clube Bandeira leva muito a sério em sua Apre-
de Poesia – domínio paulista da Geração de sentação da Poesia Brasileira. Seria por
45, a que Augusto de Campos já terá esca- isso que o autor do Manifesto Antropofágico
pado no ano seguinte – são feitas para so- só entra em Clima – convidado por Paulo
3 Haroldo de Campos, “Da Crí-
bressaltar não apenas a influência do últi- Emílio – para inserir-se ali, no número 5, tica antecipadora – Evocação
mo Mário de Andrade, mas os modos mes- fora de seu domínio próprio, com um arti- de Sérgio Buarque de
Holanda”, in Metalinguagem
mos daqueles que Oswald de Andrade ha- go sobre o cinema de Chaplin? & Outras Metas, São Paulo,
Via antropofagia, Haroldo, Augusto e Perspectiva, 1992.
veria ainda de chamar os “chato boys”. Fato
de que, no calor da hora, nem o recente Décio fazem pacto com a irreverência, vão 4 Idem, “Da Razão Antropo-
fágica: Diálogo e Diferença na
autor de O Carrossel, Décio, nem o autor contra a “nomeada”, vão no sentido de res- Cultura Brasileira”, in op. cit.

REVISTA USP, São Paulo, n.39, p. 120-129, setembro/novembro 1998 123


taurar o ímpeto demolidor de 22, interrom- De um desses lados sai, em 1959, no
pido por uma contra-reforma dita, aqui e fim do decênio em que o outro se lançou, a
ali, em Noigandres, convencionalizante e Formação da Literatura Brasileira de
floral. A menção a Oswald, uma das mais Antonio Candido, o mais notável represen-
recorrentes do grupo, dentro de um leque tante da revista e da tendência. A concep-
de referências indistintamente nacionais e ção do livro é da segunda metade dos 40. A
estrangeiras, desestabelece a inquietação redação, como explicita o próprio Candido
com o”clima” local, e com isso o critério na apresentação, ultima-se entre 1955 e
nacional, e com ele o mentor do projeto da 1956. Ora, são desse mesmo período não
nacionalidade, Mário. só os números heróicos da revista
A tais perspectivas vem contrapor-se Noigandres, mas parte dos textos-manifes-
uma outra, não nacional, daí a atenção dada, tos da Teoria da Poesia Concreta, assina-
justamente, a este efeito colonial que é o dos pelos Campos e por Décio Pignatari. A
barroco, e às vanguardas européias, aos década de 50 – década brasileira das mais
futurismos, aos construtivismos, às felizes, em que se publicam Corpo de Baile
desconstruções. Daí a suposição de uma e Grande Sertão: Veredas de Guimarães
cultura literária, aliás avançada, na colônia Rosa, e se reúnem, em Duas Águas, os
seiscentista de Vieira e Gregório de Mattos, poemas de João Cabral de Melo Neto, acon-
dois ausentes do sistema interpretativo de tecimentos a que se acresce uma primeira
Candido. Daí certas revisões, hoje famo- Exposição Nacional de Arte Concreta, ins-
sas, do cânone. talada em dezembro de 1956 no Museu de
Para bem marcar seu descentramento e Arte Moderna – é de maturidade das duas
a preponderância dos processos experimen- linhas críticas. Que vão alcançar os 90 em
tais em arte poética, o grupo tira o nome plena atividade e tensão, deixando de he-
com que se apresenta da literatura trovado- rança para o século que vai chegando ao
resca, via os Cantos do mesmo Pound, cuja fim, com suas duas visões conflitantes, duas
tradução assina a três. É no Canto XX, em histórias da literatura brasileira, para não
referência a uma cantiga de Arnaut Daniel, dizer dois Brasis. Já que tudo as separa.
que o poeta norte-americano pergunta o que Mesmo quando a prestigiar os mesmos
5 Cf. Augusto de Campos, De-
cio Pignatari, Haroldo de Cam- significaria “noigandres”, palavra de sen- autores.
pos , “Sinopse do Movimento tido por muito tempo incerto, até mesmo Os intelectuais de Clima, scholars, são
de Poesia Concreta”, in Teoria
da Poesia Concreta, São Pau- para os romanistas (e ao que parece des- de ascendência dominantemente francesa,
lo, Duas Cidades, 1975. Em
The Pound era (Londres,
vendada nos anos 70: ennui + gandir = o que se explica pela presença dos france-
Faber&Faber, 1971), Hugh proteger do tédio). E é sob essa influência, ses – Lévi-Strauss, Fernand Braudel, Roger
Kenner acredita reconstituir a
expressão d’enoi gandres, e também, que o grupo Noigandres se afir- Bastide, Jean Maugüé – na Faculdade de
desvelar o mistério. Enoi seria ma, adotando as sugestões em aberto de Filosofia da USP, de onde eles saem e para
forma cognata do francês mo-
derno ennui (tédio). E gandres um puro significante como lema de experi- onde voltam. Clima reflete a mentalidade
derivaria do verbo gandir (pro-
teger). Assim, noigandres sig- mentação (5). uspiana, e assim o espírito francês. Ela é,
nificaria “o que protege do té- Temos assim, em resumo, por um lado, mesmo, a primeira manifestação, no terre-
dio”. Cf. ainda Antonio
Risério,”Formação do Grupo o clima, vale dizer, o chão social, em que no da crítica e do movimento de idéias entre
Noigandres”, in Poesia Con-
creta, Salvador, Código 11,
idéias de fora – e “fora de lugar” – haverão nós, da nova mentalidade definida pela
1986. de germinar, no romantismo, de acordo com USP, observa Antonio Candido em
6 Roberto Schwarz, “Notas do a tese famosa de Candido, reencetada por Teresina etc. Ratificado, oportunamente,
Debatedor”, in Maria Angela
d’Incao e Eloisa Faria Roberto Schwarz. Aqui, onde se começa por Roberto Schwarz: “[tinha-se] a ver com
Scarabôtolo (orgs.), Dentro do por tomar o nome de um pai, e onde reme- os novos patamares teóricos ligados ao
Texto-Dentro da Vida – Ensaios
sobre Antonio Candido, São ter-se à influência estrangeira como a um surgimento da Faculdade de Filosofia da
Paulo, Companhia das Letras,
1992. Trata-se de reunião de
embaraço será gesto crítico crucial, predo- USP” (6).
ensaios e outras intervenções minarão os assuntos de casa. Alhures, onde Os Noigandres movem-se entre cultu-
feitas no âmbito da III Jornada
de Ciências Sociais da Unesp, o pai é devorável, se porá em risco, junta- ras. Desde o decênio de 50, o grupo opera
realizada em Marília – São Pau- mente com a linearidade do tempo históri- com técnicas ideogramáticas e, além do
lo, em maio-junho de 1990,
em homenagem a Candido. co, o binômio dentro-fora. japonês de Bashô, com um certo número

124 REVISTA USP, São Paulo, n.39, p. 120-129, setembro/novembro 1998


de línguas cultas, que aprende para estudar sociólogo “empurrado” pelas circunstân-
e traduzir os poetas: o russo para verter, cias para crítico de literatura, como ele
entre outros, Maiakóvski e Khlébnikov; o mesmo se autodefine em Teresina etc. –,
italiano para o Paraíso de Dante, para enfrentam as relações entre o texto literário
Ungaretti e Marinetti; o alemão para Rilke; e as diversas esferas da criação de maneira
o francês para os poetas de Provença, para que se teria que chamar paralelística. As
Villon, Mallarmé, Rimbaud, Corbière, artes são nesse caso objetos, externos e
Francis Ponge; o inglês para John Donne, estanques, a que a literatura se compara.
Lewis Carroll, Edgard Poe, Joyce, Pound, Sem com isso pôr-se em risco, ou sem dei-
Wallace Stevens; mais recentemente, o xar neles sua “pele”, para usarmos a ex-
hebraico para a tradução do Gênesis, e o pressão forte de Roland Barthes em O Grau
grego para a tradução da Ilíada, que Haroldo Zero da Escritura.
pretende verter, aliás, por completo, e de Fala-se de cinema, por exemplo, na re-
que já temos o primeiro canto (7). vista – e é certo que a fundação por Paulo
Temos aí tradutores, em suma, o que se Emílio da Cinemateca Brasileira é um pro-
coaduna com as extensões infinitas do poe- longamento dela – mas não se concebe o
ma que a literatura está sempre reescreven- texto literário como uma montagem cine-
do, e essa é a razão pela qual os Noigandres matográfica, ou não se concebem relações
são ainda os artífices da “transcriação”. internas entre essas linguagens. Trabalha-
Método tradutório em cujas prestações, se ali com música, por outro lado, e Alvaro
pondo sob suspeita ou não os aportes pro- Bittencourt, que secunda na área Branco
priamente críticos, alguns vêem a sua con- Lefèvre, dá destaque a propostas renova-
tribuição mais importante, outros, como o doras, na contramão do apego marioan-
recém-chegado aos debates Bruno dradino à tradição e à cor local, mas não se
Tolentino, um descaminho imputável às vê nas pesquisas melódicas da vanguarda
concepções de origem, outros ainda, como contemporânea material pertinente à esfe-
Alexandre Eulálio, em sua resenha da tra- ra do verso, musicalizado até o seu irre-
dução, do Coup de dés de Mallarmé pelo conhecimento no alto simbolismo. Por
trio, um pouco das duas coisas (8). outro lado ainda, publica-se propaganda na
Os de Clima começam por estreitar la- revista – do Mappin, da Caixa Econômica
ços com gente de Santos (Miroel Silveira), Federal, do Guaraná Champagne e do
de Belo Horizonte (Fernando Sabino), do Biotônico Fontoura – mas não ocorre asso-
Rio de Janeiro (Carlos Lacerda, Werneck ciar a técnica da linguagem publicitária à
de Castro, Guilherme Figueiredo), do Re- técnica poética, ou não ocorre ver afinida-
cife (Octavio de Freitas Júnior), de Forta- des entre os processos, como via um
leza (Aluísio Medeiros). Os Noigandres, Maiakóvski, por exemplo (“poemas carta-
por se corresponder com Max Bense, zes”), entrando assim na discursividade
Francis Ponge, e.e.cummings, o próprio mais complexa em que Roman Jakobson,
Pound, continuando assim os contatos de tão percucientemente, localizaria um cru-
Oswald com Cendrars, Valéry Larbaud, zamento de funções.
Cocteau, etc. Atentos às transformações da indústria
Os de Clima, embora acolham nas pági- cultural, que avança entre nós no período
nas de sua publicação, eclética e em questão, já os Noigandres partem para
multidisciplinar, as diferentes artes, músi- a consideração dessas e de outras relações
7 Haroldo de Campos e Trajano
ca, cinema, teatro – até porque colaboram inusitadas, propondo estender a prática Vieira, A Ira de Aquiles – Can-
to I da Ilíada de Homero, São
ali um homem do cinema, Paulo Emílio, poética para além da linguagem verbal, Paulo, Nova Alexandria,
um homem do teatro, Decio de Almeida ponto em que insistirá a Teoria da Poesia 1994.

Prado, um crítico de música, Branco Concreta. Montagens textuais inspiradas 8 Bruno Tolentino, Os Sapos de
Ontem , Rio de Janeiro,
Lefèvre, um crítico de artes plásticas, na visualidade dos anúncios tornam-se, Diadorim, 1995; Alexandre
Lourival Gomes Machado, e um encarre- dessa maneira, correntes, incorpora-se a Eulalio, “Um Lance Triplo de
Dados”, in Escritos, Campinas,
gado da seção de livros, Antonio Candido, substantivação dos brancos gráficos Editora da Unicamp, 1992.

REVISTA USP, São Paulo, n.39, p. 120-129, setembro/novembro 1998 125


mallarmeanos, encara-se a possibilidade de tão, tão cansadas/ adormeceu e ali ficou./
editar poesia como se monta um filme, a Vieram as ondas/ para adverti-lo/ da eter-
construção “eisensteiniana” de certos poe- nidade/ quasi em sigilo/ Vieram os peixes/
mas-minuto de Oswald de Andrade (brin- com a mensagem:/ Neste mar único/ tudo é
cadeiras para Manuel Bandeira!) é tomada viagem”.
como ilustração do corte cinético. E enquanto a poesia soa convencional,
Também os quadrinhos, os outdoors, é a prosa, e mesmo certa prosa de combate,
as manchetes de jornal, os slogans políti- dada a situação de guerra na Europa e a
cos são poeticamente reelaborados. Flora crescente arregimentação do grupo à es-
Süssekind anota com atenção essa inser- querda, sob o impulso de Paulo Emílio,
ção da mídia e das artes aplicadas na pro- autor da “Declaração Política” do número
posta concreta, em ensaio em torno de lite- 11, que mais parece mobilizar o espírito
ratura e técnica (9). E acrescente-se que Clima. Seus representantes encontram aí
tais exercícios são ativados juntamente com não apenas o veículo da atitude empenhada
outros, de lastro erudito. A música de que é, cada vez mais, a sua, porém os con-
Webern, Stockhausen e Boulez inspira a teúdos da vida social que verão atuar na
dicção concreta. As formas puras de intimidade da obra literária.
Mondrian, a desfigurativização suprema- Assim, pois, dono de uma prosa de en-
tista de Maliévitch servem de modelo pos- saio sobre cujo estilo, elegante e mineiro,
sível à sua inscrição na visualidade. professoral e coloquial, Davi Arrigucci se
Quando os rapazes de Mário de Andrade debruça (11), quando deixa de escrever
– que em sua última posição, no crítica para produzir literatura, Candido se
9 Flora Süssekind, “Poe- Empalhador de Passarinho, aconselhava a faz cronista (12). E o discípulo, Roberto
sia&Media”, in Papéis Cola-
dos, Rio de Janeiro, Editora da retomada do rigor formal – abrem espaço Schwarz – que assina alguma poesia,
UFRJ, 1993. para versos de medida bem mais clássica, investida apenas como licença poética, tudo
10 Ver a respeito a notícia das re- próximos da produção daqueles artífices autoriza a pensar, e considerada imperita
senhas de Sergio para O Auto
Possesso e O Carrossel no que alguns vão alojar na geração de 45 como pela outra parte – será o nosso grande estu-
ensaio de Haroldo já citado: maus versejadores, postos sob o signo da dioso da prosa ficcional de Machado de
“Da Crítica Antecipadora –
Evocação de Sergio Buarque disciplina formal, do ritmo estereotipado e Assis, a que dedica, até aqui, dois volumes.
de Holanda”.
da expressão convencionada. Alguns den- Volumes esses que o novo Duas Meninas,
11 Davi Arrigucci Jr., “Momentos
de um Leitor – Ensaio e Imagi- tre os quais, por ilustração, novamente, fi- acerca do livro Minha Vida de Menina, de
nação Crítica em Antonio gura Sergio Buarque de Holanda (10). Helena Morley, apontamentos de uma ado-
Candido”, in Dentro do Texto-
Dentro da Vida, op. cit. E parece, de fato, que Clima não prima lescente, escritos entre 1893 e 1894, e só
12 De fato, se Teresina etc. é pu- pela criatividade dos poetas atendidos, publicados em 1942, parece que vem con-
blicado dentro da rubrica “en- muitos deles desaparecidos desde então, tinuar, já que Schwarz se serve dessa escri-
saios”, já o título do primeiro
texto anuncia: “Crônica Inicial”. nem resiste ao tempo sob este ângulo. Ex- tora aparentemente menor para tratar ainda
13 Schwarz publica, em 1974, o ceção feita a alguma colaboração de Carlos de Capitu (13).
volume de poesias Corações
Veteranos (Rio de Janeiro, Fon- Drummond de Andrade, que publica “Pro- Em boa medida, a prosa funciona como
Fon e Seleta, Coleção Frene- cura da Poesia” nas páginas da revista, e de um divisor de águas entre Clima e
si), que é antecedido de outro,
O Pássaro na Gaveta. Quanto Cecília Meirelles, que publica ali o “La- Noigandres. Certamente porque convém
ao ensaísmo crítico, destacam-
mento do Oficial por seu Cavalo Morto”. mais à montagem do argumento sociológi-
se, em torno de Machado de
Assis, os famosos Ao Vence- Há ainda poemas de Vinicius de Morais, co, com suas passagens do real para o esté-
dor as Batatas – Forma Literá-
ria e Processo Social nos Iní- Lêdo Ivo, Péricles Eugênio da Silva Ra- tico, via mediações, ditas dialéticas, de que
cios do Romance Brasileiro mos, Afrânio Zuccolotto, Carlos Penteado Schwarz nos diz, recentemente, que elas
(São Paulo, Duas Cidades,
1981) e Um Mestre na Perife- de Rezende etc. Veja-se, por exemplo, este foram “verdadeira obsessão” para quem,
ria do Capitalismo – Machado
de Assis (São Paulo, Duas Ci- poema de Penteado de Rezende, algo “pré- como ele, queria “fazer crítica marxista sem
dades, 1990). A estes vem so- tudo”, somos tentados a dizer, publicado cair em facilidades” (14). Mas dado tam-
mar-se, desde 1996, Duas
Meninas. em agosto de 1944, ano em que a publica- bém o prestígio da prosa na teoria do ro-
14 Roberto Schwarz, entrevista a ção sai de circulação, na altura do número mance de Lukács, subentendida nesse
Fernando Barros e Silva , Ca- 16: “Meu pensamento/ pássaro errante/ modelo interpretativo, embore a Lukács se
derno Mais! da Folha de S.
Paulo, 1/6/1997. pousou na praia de Guarujá/ Fechou as asas/ façam sempre as devidas reservas. E dada

126 REVISTA USP, São Paulo, n.39, p. 120-129, setembro/novembro 1998


ainda a dívida do modelo para com a soci- vimento” (1973). Nossos modelos vêm de
ologia universitária e o marxismo, porta fora – chegam de barco à colônia portugue-
pela qual entra Lukács, igualmente aponta- sa! – nossas produções avaliam-se, dessa
dos por Davi Arrigucci, quando trata de maneira, em perspectiva evolutiva, segun-
Candido prosador. Ancoragens tais farão do a maior ou menor consciência que pos-
Augusto de Campos dirigir-se a Schwarz, sam ter do desconforto que inere às belas
quando dos embates jornalísticos do ano letras em contexto periférico. Assim pois,
de 1985, envolvendo o poema “Póstudo”, para Candido, cuja Formação progride por
nos seguintes termos: “Você, mais soció- “momentos decisivos” – inicialmente des-
logo do que crítico e mais crítico do que tinada a ser uma História da Literatura
poeta...” (Nós voltaremos à briga e às pe- Brasileira, como estava –, não é senão no
ças escritas que a recolhem.) romantismo que deixamos de nos ver com
Já o ofício de poetas dos Noigandres os os olhos do outro. Assim também, para
inclinaria à escuta da forma… Trata-se, no Schwarz, é Machado de Assis, com seus
entanto, menos de uma separação de gêne- narradores agora ironicamente à vontade
ros, ambas as escolas tratando de prosa e de entre a civilização e a barbárie, quem nos
poesia, do que, outra vez, do approach. leva a radicar, de fato, em nós mesmos. Por
De fato, se a Haroldo, Augusto e Décio incorporar, genialmente, a contradição que
interessam Gregório de Mattos, Souzân- nos constitui.
drade, Manuel Bandeira, Oswald de An- Ora, esse trabalho de acumulação, ou
drade, Mario Faustino, João Cabral de Melo esse uso da tradição, com vistas ao apogeu,
Neto, Carlos Drummond de Andrade, Pau- desrealiza-se em Noigandres. De cujo ân-
lo Leminski…, para só ficarmos no Brasil, gulo a literatura brasileira, e tanto a coloni-
uma olhada sobre a produção crítica mos- al como a moderna, equipara-se, desde sem-
tra que eles não descuidam tampouco do pre, em seus melhores momentos, que são
que chamam “prosa de invenção” – gênero os que contam, ao padrão externo. Não há,
que representariam as Galaxias de Haroldo desta perspectiva, percepção de defasagem,
de Campos (anteriores a Paradis de Philippe de descompasso histórico, daquilo que
Sollers, o que não é dizer pouco em termos Paulo Arantes chama, inspirado em
de perturbação discursiva) – e não sepa- Schwarz, e cônscio de que “periferia e en-
ram, tecnicamente, da poesia. vergadura intelectual não costumam andar
Entra aí certo Mário de Andrade – o de juntas”, de “estado de arremedo” (15). Bem
Macunaíma, o que mais interessou a ao contrário, pondo-se na contramão do
Haroldo, autor de uma tese de doutorado balanço depressivo, para o trio dos concre-
sobre o romance, Morfologia do Macunaí- tos, e notadamente para Haroldo, que leva
ma, acolhida na USP por Antonio Candido a peito sublinhá-lo, um país subdesenvol-
– ao lado de Oswald romancista, do pró- vido “pode tocar o primeiro violino em li-
prio Machado de Assis, de Raul Pompéia, teratura”. Como nota ele, parafraseando 15 Paulo Eduardo Arantes, “Provi-
de José de Alencar – que Haroldo conside- Engels, quando este último compara a dências de um Crítico Literário
na Periferia do Capitalismo”,
ra o maior poeta indianista brasileiro e a França pós-revolucionária, napoleônica e in Sentido da Formação, São
Paulo, Paz e Terra, 1997. A
que dedica “Iracema: uma Arqueografia de autoritária, com a Alemanha da geração notar que este ensaio encon-
Vanguarda”, texto de 1981, inserido em romântica (16). tra-se, primeiro, inserido no
volume Dentro do Texto-Dentro
Metalinguagem e Outras Metas –, de Estávamos, aliás, tocando o primeiro da Vida, op. cit.
Graciliano Ramos, de Guimarães Rosa, de violino nos 50, em São Paulo, argumenta 16 Haroldo de Campos, “A Poe-
Clarice Lispector, de Dionélio Machado… Haroldo. A cidade, afora o fato de ter sido sia Concreta e a Realidade
Nacional”, in Revista Tendên-
Todos valores para todas as partes. A poupada dos efeitos diretos da guerra, ti- cia , n. 4, Belo Horizonte,
1962. O crítico francês Michel
Clima ocorre porém referi-los à constru- nha a vantagem sobressalente de ser um Tournier discorre longamente
ção identitária, realizada à revelia do pos- centro industrial e cultural ativo, um terre- sobre esse contraste entre a
Alemanha de que Haroldo se
tiço nacional, no fogo cruzado do “não-ser” no propício ao processamento de informa- vale, no ensaio “Germaine
e o “ser-outro”, para lembrar Paulo Emilio ções de toda espécie, logo ao desenvolvi- Necker de Staël” de seu livro
Le Vol du Vampire (Paris,
em “Cinema – Trajetória no Subdesenvol- mento de uma síntese artística original. Pois Gallimard, 1981).

REVISTA USP, São Paulo, n.39, p. 120-129, setembro/novembro 1998 127


muito bem, uma síntese original de infor- mais recentemente, em livro de 1995, igual-
mações artísticas, e não apenas em terreno mente saído de uma tese de doutoramento,
literário, está justamente sendo feita ali – desta vez na Sorbonne, o germanista
somos convidados a ponderar – no mesmo Philippe Buschinger (18).
momento em que Candido desenvolve a Dessa maneira de olhar Schwarz vem,
sua teoria crítica da dependência. As ino- porém, divergir, nas páginas de um memo-
vações poéticas decorrentes fazendo-se, rável Folhetim da Folha de S. Paulo, de
aliás, conhecer e reconhecer, lá fora, ato março de 1985, onde empreende o comen-
contínuo, através de simpósios, mostras e tário do poema “Póstudo” de Augusto de
antologias, que nos põem, pela primeira Campos, publicado pouco antes no mesmo
vez, na dianteira, bem longe da porta dos suplemento. Frisando ali que a insistência,
fundos. principalmente dos Campos, no papel de
Inverte-se pois a direção das influên- pioneiros reconhecidos fora do país nos
cias. Esta é uma tecla em que os Noi- traria, sorrateiramente, de volta ao velho
gandres vêm batendo há mais de quarenta patamar periférico, com todos os sinais tro-
anos, ilustrando com o seu próprio caso, cados. E suspeitando de que o alarido em
embora não somente com ele, a tese da torno da audiência internacional nada mais
não-dependência. E esse é o pivô de mais é que um resto de embaraço provinciano,
uma controvérsia. disfarçado de delírio de grandeza.
Professor na Unicamp e autor de um Esse é o momento em que as diferenças
dos poucos estudos sobre a poesia concreta assumem altíssonos de guerrilha estética,
produzidos, por ora, em meio acadêmico – depois de travada na imprensa inserida em
um outro é a tese de mestrado da professora livro, quanto a Roberto no volume de en-
da USP Salete Almeida Cara, não publicada saios Que Horas São, quanto a Augusto em
em livro, A Poética de Invenção na Van- À Margem da Margem, onde o artigo do
guarda Brasileira, do Pré-concretismo ao Folhetim vê-se acrescido de um apêndice,
Concretismo (1975), e há ainda um livro de “The Gentle Art of Making Enemies”, que
Lúcia Santaella, professora na Universida- oferece uma pequena antologia de crítica
de Católica de São Paulo, em parte dedica- acrimoniosa (19). Schwarz endereça ao
do ao assunto, Poesia Concreta e Tropi- poema, que o contra-fascina e lhe permite
calismo (1986) –, Paulo Franchetti não dis- inquirir a teoria poética por trás, a pergunta
corda desse passo à frente na “periferia”. “quando é póstudo?”. Seguida desta outra,
Em seu livro, também saído de uma tese de talvez ainda mais provocante: “o que foi
doutorado, ele observa, dando razão aos mesmo que aconteceu?”. Pergunta que, se
concretos, que não se pode referir seu tra- parece plausível a um teórico puro e duro
balho de criação a nenhuma iniciativa es- da escola da sociologia, imbui-se de tolice
17 Paulo Franchetti, Alguns Aspec-
tos da Teoria da Poesia Con- trangeira semelhante, a menos que se quei- aos olhos de um formalista idem. Para pros-
creta, Campinas, Editora da ra ressuscitar a idéia de metrópole (17). peridade da desavença.
Unicamp, 1992, pp. 121-2.
Isso é também o que pensa o poeta su- A notar, enfim, que, se o enfrentamento,
18 Octavio Paz e Haroldo de
Campos, Transblanco, Rio de íço-boliviano de expressão alemã Eugen senão o tom de guerra, só envolve direta-
Janeiro, Guanabara, 1985.
Quanto a Philippe Buschinger,
Gomringer, promotor do movimento no mente Roberto e Augusto, em circunstân-
reporto-me à apresentação de exterior, a partir de Berna, onde, em 1954, cia específica, sem com isso esvaziar a ci-
seu livro A Poesia Concreta nos
Países de Língua Alemã – Ele- dois anos depois da criação da revista vilidade de certo diálogo dentro da polêmi-
mentos de uma Definição, fei- Noigandres, que já encerra um “Plano Pi- ca, de que dá testemunho não só o comér-
ta por ele mesmo para o Ca-
derno Mais! da Folha de S. loto da Poesia Concreta”, publica um ma- cio anterior entre as partes mas, mais adi-
Paulo, 8/12/95.
nifesto teórico, com créditos para os brasi- ante, O Seqüestro do Barroco na Forma-
19 Augusto de Campos, “Dialéti-
ca da Maledicência”, in À
leiros. É o que pensam ainda estrangeiros ção da Literatura Brasileira – O Caso
Margem da Margem , São como Julio Cortázar, Cabrera Infante, Gregório de Mattos de Haroldo de Cam-
Paulo, Companhia das Letras,
1989. Roberto Schwarz, “Mar- Humberto Eco e Octavio Paz, que troca pos (1989), que se abre para um belo diálo-
co Histórico”, in Que horas correspondência com Haroldo a respeito, go teórico (como sabe quem o leu), o fato
São?, São Paulo, Companhia
das Letras, 1989. em Transblanco (1985). E é o que atesta, é que se verifica, doravante, um esfriamento

128 REVISTA USP, São Paulo, n.39, p. 120-129, setembro/novembro 1998


geral. Cessando, por completo, a partir daí articulam literatura e sociedade, concorrem
– e ficando as coisas por ora nesse pé – as leis do meio, da raça e do momento his-
colaborações antes possíveis, a exemplo da tórico, adotadas, sob influência francesa
contribuição de Haroldo para a edição das tainiana, pela chamada Escola do Recife. E
obras completas de Oswald de Andrade a assim o fator clima, no sentido também de
cargo de Antonio Candido, e outras parce- clima social, considerável para Sílvio
rias com o próprio Schwarz (20). Romero, a quem Candido dedicaria sua tese
Seria porque o grupo Noigandres, e de doutorado, e de quem podemos dizer
particularmente Haroldo, está deixando que ele descende, embora o leque de influ-
nesse momento certa posição à margem, ências seja muito maior, incluindo Eliot.
quase herege, para ganhar, doravante, visi- Para as abordagens atentas à especificidade
bilidade plena? Seja qual for a resposta que da coisa literária, pode bastar a concepção
se dê a essa pergunta, uma coisa parece estrita de literatura como belas letras, e é
certa: às voltas com duas naturezas da lite- esta a tese desposada pelo opositor de
ratura, ora definida como continuação da Romero, Veríssimo.
cultura, ora como campo autônomo, essas “Ao longo das polêmicas […] surgem
discrepâncias retomam certa tradição do questões até hoje presentes em nossa críti-
impasse, vigente entre nós desde o século ca literária: o predomínio da história ou da
anterior. E parece, aliás, que, à exceção estética, o destaque dos fatores intrínsecos
talvez do instante em que se crispa, nos ou extrínsecos das obras, a análise do tema
anos 80, elas estão longe de atingir os cu- ou conteúdo, da forma, ou da linguagem
mes polêmicos a que chegaram os críticos […]”. Nesses termos o autor de Estilo Tro-
brasileiros do Dezoito. pical assinala a recorrência da antinomia
De fato, é interessante ressaltar, até para no século que se segue (21). Vale dizer
relativizar devidamente as coisas, que, já que, com roupagens novas, o que temos
nesses primórdios da crítica brasileira, que ainda hoje em pauta – hoje que a crítica
floresce, na virada do século, entre Recife literária brasileira transferiu-se dos jornais
e o Rio de Janeiro, correntes historicistas e para os circuitos universitários e editori-
esteticistas se articulam, fazendo vínculo ais, onde Clima e Noigandres ocupam
com este ou aquele autor. Há uma valiosa espaços democraticamente distribuídos –
retomada desses episódios críticos arreba- está em questão desde há muito. Desde
tados, então veiculados nos jornais e revis- sempre, por aqui.
tas, que se popularizam, e onde intervém A lição das coisas sugere que se convi-
gente como Araripe Junior, Capistrano de va com mais de uma natureza, e em vista
Abreu, Teófilo Braga, Laudelino Freire, disso, com mais de uma função da literatu-
Joaquim Nabuco, José de Alencar e o póprio ra, que certamente haverá de ter mais de
Machado de Assis, ele também no centro uma. Mas diga-se, fazendo justiça a
de um caso, no livro de Roberto Ventura, Noigandres, que a função social tem impe-
20 Recolhido em Metalin-
Estilo Tropical (1991). dido, entre nós, de falar, precisamente, em guagem&Outras Metas, o en-
saio “Arte Pobre, Tempo de
Ventura começa por observar que as literatura. De fato, os tratos da arte da pa- Pobreza, Poesia Menos” de
polêmicas incorporam – de forma dialógica, lavra em Clima, onde prospera a socialidade Haroldo de Campos, por
exemplo, é originalmente pu-
nos diz ele – os “desafios” da poesia popu- – as elites, as classes, o capitalismo – não blicado na revista Novos Estu-
lar nordestina e um código de honra tradi- deixam de acusar certa inapetência pela arte. dos/Cebrap (vol. 1, n. 3, de
julho de 1982), e republicado
cional, conflitante com a modernidade do Nem de incorrer – no momento mesmo em em Roberto Schwarz (org.), Os
Pobres na Literatura Brasileira,
tratamento positivista que, ao mesmo tem- que se fiam na materialidade histórica para São Paulo, Brasiliense, 1983.
po, é o seu. E continua lançando luzes so- escapar à ilusão do estado de natureza, 21 Roberto Ventura, “Escritores,
bre a situação contemporânea, ao mostrar imputada ao poético enquanto tal – na ilu- Polemistas e Bacharéis”, in Es-
tilo Tropical, São Paulo, Com-
que, segundo o enfoque ou a paixão crítica, são do concreto. O concreto podendo panhia das Letras, 1991.
Machado de Assis pode preencher (Rome- recobrir, por seu turno, a impostura contrá- 22 Roland Barthes, “L’Exemption
ro) ou não (Veríssimo) o critério naciona- ria, bem apontada por Roland Barthes: a de Sens”, in Roland Barthes par
Roland Barthes, Paris, Seuil,
lista. Para as abordagens genéricas, que pretensão de furtar-se ao sentido (22). 1975.

REVISTA USP, São Paulo, n.39, p. 120-129, setembro/novembro 1998 129