Você está na página 1de 10

Rev. Bras. Farm.

92(4): 235-244, 2011

ARTIGO DE REVISÃO / REVIEW

Anadenanthera colubrina: um estudo do potencial terapêutico


Anadenanthera colubrina: a therapeutic potential study
Recebido em 11/02/2010
Aceito em 15/06/2011
Carlos R. Weber *, Carla M. L. Soares , Andréa B. D. Lopes , Terezinha S. Silva , Márcia S. Nascimento4, Eulália
1 2 3 4

C.P.A. Ximenes4
1,2
Programa de Pós Graduação em Patologia, UFPE, Pernambuco, Brasil
3
Programa de Pós Graduação em Química, UFPE, Pernambuco, Brasil
4
Departamento de Antibióticos, UFPE, Pernambuco, Brasil

RESUMO
A espécie Anadenanthera colubrina apresenta potencial terapêutico de fácil acesso, reconhecida pela medicina popular e muito
utilizada como antisséptico e cicatrizante. O presente estudo tem como objetivo a realização de uma revisão sistemática sobre
esta planta e seu potencial terapêutico. A estratégia de busca para identificação dos estudos foi realizada através de pesquisa
nos bancos de dados virtuais ScienceDirect, SCIRUS, LILACS, SciELO, SCOPUS, MEDLINE e SciFinder, no período de
março a dezembro de 2009, utilizando as palavras-chave: Acacia cebil, Piptadenia Cebil, Piptadenia macrocarpa,
Anadenanthera macrocarpa, Anadenanthera colubrina, Piptadenia microphylla, Piptadenia hassleriana. Com a busca foram
obtidos 1306 artigos, que submetidos aos critérios de exclusão, foram reduzidos a 34 estudos. Destes, 16 artigos visaram
isolamento de metabólitos especiais ou comprovaram atividade biológica através de bioensaios, enquanto 18 artigos
confirmaram ação terapêutica através do conhecimento popular. A conclusão que Anadenanthera colubrina apresenta um
potencial terapêutico reconhecido é irrefutável, entretanto, é evidente que ainda apresenta questionamentos científicos sobre
seu uso, mecanismo de ação, posologia e indicações terapêuticas. Trata-se de uma planta promissora, explorada do ponto de
vista etnobotânico, mas ainda pouco explorada farmacologicamente.
Palavras-chave: Etnofarmacologia, plantas medicinais, Anadenanthera colubrina

ABSTRACT
The species Anadenanthera colubrina presents an easy access therapeutic potential, which is recognized in popular fields of
medicine and well utilized as antiseptic and healing agent. The current study presents a systematic review on this plant, as well
as the therapeutic potential. Research was performed through virtual databases such as ScienceDirect, SCIRUS, LILACS,
SciELO, SCOPUS, MEDLINE and SciFinder between March and December 2009. The keywords used in this research were:
Acacia cebil, Piptadenia cebil, Piptadenia macrocarpa, Anadenanthera macrocarpa, Anadenanthera colubrina, Piptadenia
microphylla, Piptadenia hassleriana. The search obtained 1306 articles which were reduced to 34, by exclusion criteria. Among
these, 16 articles emphasized the isolation special metabolites or proved the biologic activity through bioassays. On the other
hand, 18 articles proved therapeutic action through popular knowledge. In conclusion, it is evident that Anadenanthera
colubrina presents a therapeutic potential, although its scientific utilization, mechanism of action, dosage and therapeutic
indications are still questionable. It is a prominent plant, explored in ethnobotanically, but little explored pharmacologically.
Keywords: Ethnopharmacology, medicinal plants, Anadenanthera colubrina

INTRODUÇÃO
O gênero Anadenanthera pertence à seção Mimosoideae Reis Altschul (1964) compartilham da teoria que este
da família Fabaceae, ordem Fabales. A primeira descrição exemplar teve crescimento a partir de sementes oriundas
científica data de 1737 no Hortus Clinffortianus, a partir da do Oeste da Índia ou Norte da América do Sul (Torres &
observação de um espécime no Jardim de Clifford na Repke, 1996).
Holanda. Pesquisadores como Stanford (1916) e Siri Von O gênero Anadenanthera, inicialmente proposto por

* Contato: Carlos R Weber, Programa de Pós Graduação em Patologia, UFPE, Pernambuco, Brasil, email: carlos.rws@gmail.com

235
Weber et al.
Rev. Bras. Farm. 92(4): 235-244, 2011

J. P. M. Brenan (1955) e Reis Altschul (1964, 1967), etnofarmacologia da espécie A. colubrina, além de estudos
consistia de quatro espécies, anteriormente incluídas como com informação acerca das formas de utilização popular.
seção Niopa do gênero Piptadenia, originalmente Os artigos que estavam de acordo com estes critérios
concebida por Bentham (1840, 1841-1842, 1874-1875) foram divididos em três grupos. O primeiro grupo
devido às suas semelhanças morfológicas. No entanto, o compreendeu todos os artigos sobre a avaliação do
pesquisador Siri Von Reis Altschul (1964, 1967), em sua potencial terapêutico determinada através de bioensaios,
revisão taxonômica do gênero considerou este ser incluindo artigos que avaliassem atividades citotóxica,
composto de apenas duas espécies, A. Peregrina (L.) Speg. antioxidante, anti-inflamatória, imunomoduladora e
e A. colubrina (Vell.) Brenan, cada uma delas contendo antimicrobiana de extratos ou substâncias isoladas. O
duas variedades. Elas foram distinguidas por meio de segundo grupo compreendeu estudos sobre conhecimento
poucos caracteres morfológicos consistentes e suas do potencial terapêutico, os quais não estavam
correlações com localizações geográficas particulares. relacionados diretamente aos bioensaios, mas traziam
Anadenanthera colubrina é descrita na literatura como informações relevantes, principalmente de cunho popular,
um arbusto alto, com caule entre 30 e 50 cm de diâmetro sobre atividade biológica da planta. O terceiro grupo trazia
(Reis Altschul, 1964), casca espessa de coloração informações sobre isolamento de compostos químicos
acinzentada, e aspecto liso ou espiculado. Fornece realizados na espécie botânica. Não houve restrição quanto
madeira, compacta, não elástica, rija, pesada (densidade ao idioma do estudo, nem ano de publicação. Foram
1,07 g/cm3). As folhas são compostas, folíolos rígidos, as excluídos os artigos duplicados nas bases de dados, bem
flores brancas e o seu fruto é descrito como uma vagem como os artigos que tinham o objetivo restrito ao estudo
achatada (Corrêa, 1978, Lorenzi, 1998). As sementes genético, paleontológico, ecológico ou botânico de A.
possuem alcalóides psicoativos, dentre os quais a colubrina, sem demonstrar interesse medicinal, químico ou
bufotenina (5-OH-dimetiltriptamina), variando de 1 a 12% qualquer relação etnofarmacológica.
da massa das sementes e o N,N-dimetiltriptamina (N,N- Os dados foram extraídos de cada estudo de forma
DMT) e 5-metoxi-dimetiltriptamina (5-MeO-DMT) independente pelos autores. No GRUPO 1, caracterizado
(Torres & Repke, 2009). pelos relatos da avaliação do potencial terapêutico de A.
Esta espécie ocorre apenas ao sul da linha do Equador, e colubrina através da investigação da atividade biológica,
tem uma distribuição estimada entre a latitude de 0°-30°S foram extraídas as informações acerca do objetivo e
(Hunziker, 1973; Reis Altschul, 1964). Foi adaptada às conclusão dos bioensaios. No GRUPO 2, caracterizado por
mais variadas condições climáticas e ambientais, essa apresentar informações sobre o conhecimento do potencial
adaptação é muito mais desenvolvida que outras espécies terapêutico, foi extraída toda e qualquer informação acerca
da família Fabaceae (Torres & Repke, 2006). No Brasil, do potencial medicinal, além de informações sobre uso
ocorre numa faixa compreendida desde o Maranhão até terapêutico de qualquer parte do vegetal, sob qualquer
São Paulo, passando por Minas Gerais e Mato Grosso do forma de apresentação medicamentosa. No GRUPO 3,
Sul, sendo uma das espécies lenhosas típicas do bioma caracterizado pelos artigos de isolamento de metabólitos
Caatinga (Lorenzi, 1998). especiais, foram extraídas informações sobre sua classe,
Apesar de ser uma espécie encontrada na Caatinga, bem como sua estrutura.
bioma exclusivamente brasileiro, A. colubrina não é uma
espécie exclusiva do Brasil. Estudos realizados na América RESULTADOS E DISCUSSÃO
Latina relatam que comunidades da Argentina, Venezuela A grande dificuldade de estudar a espécie Anadenanthera
e Bolívia utilizam este vegetal para diversos fins colubrina (Vell.) Brenan var. cebil (Griseb.) von Reis Alt.,
terapêuticos, utilizando também como alucinógeno em alvo deste estudo, deve-se ao fato de grande quantidade de
rituais religiosos (Hilgert, 2001; Rodd, 2002; Dante sinonímias reportadas na literatura (Altschul, 1964), assim
Angelo & Capriles, 2004; Macía; Garcia; Vidaurre, 2005). como diversos nomes populares e indígenas (Tabela 1).
Nas bases de dados supracitadas foram encontrados 1306
MÉTODOS artigos referentes à espécie botânica, publicados entre os
O presente estudo teve como referência as diretrizes anos de 1955 e 2010. Destes artigos, foram selecionados
metodológicas para realização de revisão sistemática, as 34 estudos após a utilização dos critérios de exclusão para
quais estão de acordo com protocolo pré-determinado no a revisão sistemática. Dez foram identificados como
manual Cochrane. A estratégia de busca para identificação pertencentes ao GRUPO 1 e estão apresentados na Tabela
dos estudos se deu através realização de pesquisa nos 2 e 18 pertencentes ao GRUPO 2, apresentados na Tabela
bancos de dados virtuais ScienceDirect, SCIRUS, 3. Pertencentes ao GRUPO 3, foram identificados apenas
LILACS, SciELO, SCOPUS, MEDLINE e SciFinder seis artigos, os quais estão apresentados na Tabela 4.
durante o período compreendido entre março e dezembro Muitas espécies de plantas medicinais presentes na
de 2009. Para isso foram utilizadas as seguintes palavras- Caatinga são amplamente conhecidas e utilizadas pela
chave: Acacia cebil, Piptadenia cebil, Piptadenia população, incluindo a Anadenanthera colubrina (Vell.)
macrocarpa, Anadenanthera macrocarpa, Anadenanthera Brenan var. cebil (Griseb). O número de estudos de plantas
colubrina, Piptadenia microphylla, Piptadenia hassleriana. medicinais na região semi-árida do Nordeste tem crescido
A utilização da elevada quantidade de palavras-chave é progressivamente. A maioria destes estudos apresenta
justificada pelo fato da espécie botânica apresentar descrição botânica, além de informações populares no que
diversas sinonímias. se refere às indicações terapêuticas, modo de utilização, e a
Nesta revisão foram incluídos artigos com dados sobre parte empregada na sua preparação (Cabral & Agra, 1998;

236
Weber et al.
Rev. Bras. Farm. 92(4): 235-244, 2011
Tabela 1.Sinonímia científica, nomes populares e indígenas de Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan var. cebil (Griseb.)
von Reis Alt

Conhecimento Indígena
Sinonímia Nomes Populares Referência
Nomes Comunidades País
Tupari, Rio Branco e Caspar (1956), Wassén (1965,
aimpä, aimpë Brasil
Guaporé 1967b).
Acacia Cebil (Griseb.)
akiri Bororo, Mato Grosso. Brasil, Paraguai Fabian (1992)
Piptadenia macrocarpa Benth.
Torres & Repke (2006), Sotelo de
Piptadenia macrocarpa Benth. var.
cebil, cébil, cevil, Argentina, Narvaez (1965 , primeira citação
vestita Chod. & Hass. ---
cibil, sebil, sevil. Paraguai, Uruguai datada em 1583),
Piptadenia macrocarpa Benth. var. Angico
Reis Altschul (1972).
genuina Chod. & Hass. Angico-de-caroço
hatáj, hatax,
Piptadenia macrocarpa Benth. var. Angico-vermelho Arenas (1992), Califano (1976),
há’tax, jatáj, jatáj- Wichi Bolivia
cebil (Griseb.) Chod. & Hass. Angico-do-campo Dasso (1985), Dijour (1933)

Anadenanthera macrocarpa (Benth.) Angico-preto
kurupa, kurupaî, Pardal (1937),
Brenan Arapiraca Guaraní (Sul do Brasil) Brasil
curupay Reis Altschul (1967)
Piptadenia cebil (Griseb.) Griseb. Angico-de-casca
vihó Tukano, Rio Vaupés Colombia Reichel-Dolmatoff (1971)
Piptadenia microphylla Benth.
Torres e Repke (2006), Reis
Piptadenia hassleriana Chod.
vilca, huilca, Altschul (1967), Duviols (1967,
Piptadenia hassleriana Chod. var. Peru
huillka, villca, --- citado por Cristobal de Albornoz,
fruticosa Chod. & Hass. Bolivia
willka. 1580), Larraíns Barros (1976),
Yacovleff e Herrera (1935)

Costa-Neto & Oliveira, 2000; Silva & Andrade, 2002; aquecidas com manteiga ou azeite e aplicadas sobre a parte
Almeida & Albuquerque, 2002; Moreira et al., 2002; afetada.
Albuquerque & Andrade, 2002a, b; Almeida et al. 2006). Algumas preparações de uso tópico são elaboradas
Os ensaios químicos e biológicos que comprovem através da decocção, as quais são indicadas na
atividade de plantas locais, entretanto, são raros (Almeida higienização de áreas de lesão tegumentar, ou são
et al., 2005; Monteiro et al., 2006) e as indicações utilizadas como loção após o banho sem restrição à área
terapêuticas têm sido geralmente limitadas a construção de lesada. O emprego de ambas as formas foi documentado
generalizações sobre o uso destes recursos medicinais pela em uma pesquisa sobre plantas medicinais comercializadas
população local. na Bolívia por Macia, Garcia e Vidaurre (2005). Em Santa
O estudo de Agra et al. (2007) mostrou que a A. Cruz, Bolívia, a espécie botânica é utilizada também para
colubrina é uma das espécies botânicas com propriedades curtir o couro, como matéria prima para a construção civil
medicinais mais citadas pela população residente em área ou como lenha (Saldias, 1993).
endêmica desta espécie. Estes estudos foram conduzidos Albuquerque et al. (2006) justificou o conhecimento e
através da aplicação de questionários, e concluíram, que na ampla citação de A. colubrina pela população sertaneja
maioria das vezes, a planta é administrada oralmente, adepta à medicina popular pelo fato de ser uma árvore
preparada por decocção, infusão, maceração ou como autóctone e, sendo a casca a parte mais utilizada, a sua
sumo, obtido após a maceração das folhas ou outras partes disponibilidade não é limitada pela sazonalidade.
da planta com água. Algumas preparações são descritas Popularmente, a casca do caule é unanime como a mais
por Agra et al. (2007) pelo nome de "garrafada", utilizada na preparação de cocções e tinturas. Entretanto, o
constituída por uma preparação de diferentes plantas, fornecimento contínuo de matéria prima não garante
principalmente raízes e cascas de caule. O processo de sustentabilidade de suas colheitas, uma vez que a coleta
preparação inclui maceração e armazenamento da planta destes materiais pode destruir o exemplar botânico e não
por um período de três dias a uma semana em bebida garantir novas coletas (Albuquerque & Andrade, 2002a;
alcoólica destilada (preferencialmente cachaça). Ela é Albuquerque et al., 2005a, b).
usada principalmente por adultos, mais frequentemente Em alguns trabalhos foi demonstrado que a casca do
pelos homens. Outras preparações são xaropes de açúcar caule de A. colubrina contém, em média, 15,38% de
ou mel, conhecidas no folclore como "lambedor", são tanino. As vagens contêm sementes com 3% de taninos e
usadas principalmente no tratamento de doenças cerne 1,8% deste metabólito secundário (Corrêa, 1984;
pediátricas, inflamações de garganta ou como Lorenzi, 1998). Estudos mais recentes demonstraram que a
expectorante. Para uso externo, a forma preferida é a quantidade de taninos na casca do caule poderia variar de
aplicação em cataplasma, indicada principalmente para 3,21 a 11,07% em relação ao peso total da amostra vegetal
dores reumáticas, inflamações dermatológicas e úlceras (Monteiro, 2005), já que a concentração destes compostos
externas. Na preparação do cataplasma, as folhas são depende da interação planta-ambiente, em resposta a

237
Weber et al.
Rev. Bras. Farm. 92(4): 235-244, 2011
Tabela 2.Estudos relacionados à atividade biológica de A. colubrina, comprovada através de bioensaios in vitro e in vivo

Referência Ano Objetivo Conclusão


Desmadechelier et 1999 Identificar atividade antioxidante e propriedades anti- Os extratos hidroalcoólico e metanólico testados apresentaram atividade in vitro
al. radicais livres in vitro de extratos aquoso e metanólico propostas nos testes. O extrato metanólico da casca de A. macrocarpa apresentou
da casca de A. macrocarpa e mais três outras espécies a maior atividade antioxidante e seu extrato aquoso mostrou a maior atividade
utilizadas como agentes anti-inflamatórios no interior contra o íon peroxila sugerindo que estas propriedades possuem um importante
da Bahia. papel na atividade anti-inflamatória da planta.
Tokarnia et al. 1999 Estudar a intoxicação cianídrica em bovinos As folhas de A. colubrina são mais tóxicas quando em brotos do que maduras.
promovida por A. colubrina e outras plantas Sua toxicidade é perdida lentamente quando dessecadas. Os resultados positivos
cianogênicas. do teste do papel picro-sódico realizado foram mais lentos para brotos de A.
colubrina e mais retardadas nas folhas maduras sugerindo que o teste tem valor
apenas relativo na avaliação de glicosídeos cianogênicos em material vegetal.
Brito et al. 2000 Testar em coelhos a toxicidade de folhas secas de P. A toxicidade neuromuscular em coelhos foi observada em folhas dessecadas
macrocarpa coletadas e armazenadas durante 4-6 armazenadas nos primeiros cinco meses. A dose letal de 6g/kg foi caracterizada
meses sob duas formas: sacos de algodão e embalagens nas folhas em fase brotação e posteriormente dessecadas.
de vidro.
Moretão et al. 2003 Estudar a atividade imunológica da goma extraída de A exposição in vitro do ARAGAL aumentou a atividade fagocítica de
A. colubrina, formada por um complexo de macrófagos com uma relação tempo e dose-dependente. Os resultados obtidos
heteropolissacarídeos ácidos, constituídos sugeriram que a goma possivelmente possui um papel como mediador de
principalmente por galactose e arabinose (ARAGAL) resposta imunológica.
em macrófagos peritoneais de ratos.
Moretão et al. 2004 Determinar a atividade antitumoral e A exposição in vitro e in vivo do ARAGAL aumentou a habilidade fagocitária e
imunomoduladora da goma extraída de A. colubrina, produção de superóxido, bem como aumentou em número os macrófagos
formada por um complexo de heteropolissacarídeos peritoneais de ratos e a produção de (fator de necrose tumoral alfa) α-TNF pelos
ácidos, constituídos principalmente por galactose e macrófagos, que se mostraram hábeis em destruir células do Sarcoma 180. Esses
arabinose (ARAGAL) na ativação de macrófagos resultados sugerem a possível participação do ARAGAL como mediador de
peritoneais in vivo e in vitro. resposta imunológica frente a tumores.
Luna et al. 2005 Testar a atividade moluscicida e larvicida de 23 O extrato da casca de A. macrocarpa composta basicamente de Fenóis,
espécies de plantas. Flavonoides e terpenos apresentou atividade larvicida e moluscicida. outras
espécies apresentaram toxicidade mais pronunciada como Operculina
macrocarpa e Caesalpinia echinata.
Schepetkin; Quinn 2006 Artigo na forma de revisão que aborda informações A maioria dos polissacarídeos com atividade imunomoduladora produzidos por
sobre as propriedades terapêuticas de diversos plantas ligam-se a uma variedade de receptores na superfície de macrófagos
polissacarídeos oriundos de plantas, fungos e algas como CD14 e CR3. O tratamento com polissacarídeos de plantas induz ativação
com atividade moduladora de macrófagos. O artigo de NF-kB promovendo secreção de diversos compostos incluindo citocinas, no
aponta possíveis adjuvantes terapêuticos com esta entanto pouco se conhece sobre a estrutura molecular dos polissacarídeos.
propriedade.
Da Silva et al. 2006 Realizar entrevistas com produtores e técnicos dos 17 A intoxicação por plantas cianogênicas como A. colubrina são importantes na
municípios que compõem a região do Seridó, Rio região e o acesso a galhos e folhas, principalmente, está relacionado ao corte
Grande do Norte – Brasil, para identificar plantas para aproveitamento da madeira. Os sintomas descritos do envenenamento
tóxicas para bovinos e equinos. sugerem toxicidade neuromuscular. De acordo com os entrevistados, a morte dos
animais ocorreu em até duas horas.
Da Silva et al. 2009 Avaliar o efeito sinérgico de extratos vegetais do O extrato combinado de angico e manjericão não inibiu o crescimento micelial
angico e de outras plantas como o manjericão com do fungo. O extrato de manjericão isoladamente, se mostrou um potente
Mancozeb® no controle de infecções por Fusarium fungicida. A associação de Mancozeb® e extrato de angico proporcionaram uma
oxysporum. redução do desenvolvimento da infecção fúngica nas plantas avaliadas.
Svetaz et al. 2010 Investigar a atividade antifúngica em plantas utilizadas As abordagens etnofarmacológicas são ferramentas importantes na busca por

Svetaz et al. 2010 Investigar a atividade antifúngica em plantas utilizadas As abordagens etnofarmacológicas são ferramentas importantes na busca por
popularmente contra micoses, e comparar às plantas tratamentos e para cura de micoses superficiais, pois fornece informações sobre
não utilizadas para esses fins. Identificar diferenças nas plantas com atividade antifúngica.
atividades de plantas com potencial antifúngico frente
a dermatófitos, leveduras ou Aspergillus spp.

diversos fatores biológicos e químicos, como quantida de quantificados teores de metabolitos secundários como
de nitrogênio e oxigênio disponível no solo (Freitas et taninos e flavonoides, quando o objetivo do estudo era
al.,2004). O mesmo estudo ainda demonstrou não haver verificar a eficiência de extratos. Esse fato dificultou a
diferenças significativas entre os teores de taninos e comparação mais acurada entre estes resultados
flavonoides da casca da árvore e de suas folhas. discrepantes.
Mors et al. (2000) relataram uma evidente atividade Embora muitos metabólitos sejam descritos para este
antimicrobiana do extrato hidroalcoólico da casca do caule gênero (Tabela 4), poucos trabalhos foram realizados
de A. colubrina, no entanto, o trabalho de Gonçalves, mostrando a importância biológica de seus compostos
Alves Filho e Menezes (2005) questiona esta atividade isolados e purificados. Gutierrez-Lugo et al. (2004),
biológica, justificando como causa da ausência do estudando os inibidores da lipoxigenase, verificaram que
potencial antibiótico a resistência das linhagens de micro- entre os doze compostos isolados das partes aéreas de A.
organismos utilizadas nos ensaios aos antibióticos usuais. colubrina, os mais ativos eram: Anadantoflavona,
Este estudo sugere que os micro-organismos teriam lupenona, lupeol, α-amirina e apigenina. A inibição da
apresentado resistência também à fração hidroalcoólica do lipoxigenase é uma linha de pesquisa significativa devido a
extrato bruto. suas implicações no tratamento do câncer, da aterosclerose
Na maioria dos estudos descritos na literatura, os micro- e de várias doenças inflamatórias (Steele et al., 1999;
organismos utilizados nos testes de drogas e fármacos Brash, 1999; Natarajan et al., 1996).
vegetais, não tiveram também sua resistência testada Desmarchelier et al. (1999) relataram que o extrato das
contra antibióticos comerciais, assim como não foram cascas do caule de A. colubrina suprimiu a geração de
238
Weber et al.
Rev. Bras. Farm. 92(4): 235-244, 2011

radicais peroxila e a degradação do DNA mediado pelo espécie A. colubrina (Elixir Sanativo®, que contém outras
radical hidroxila, como também inibiu a peroxidação duas espécies vegetais) origina-se das propriedades
lipídica em ratos. Desta forma, os resultados obtidos adstringentes de sua casca. A decocção da casca ralada é
sugeriram que tal atividade antioxidante pode utilizada para complicações do fígado, gonorreia,
desempenhar um papel importante na atividade anti- leucorreia, infecção dos ovários e como depurativo do
inflamatória descrita para esta planta. sangue. O xarope da casca e da resina é administrado por
Em outra investigação relacionada com A. colubrina, foi via oral no tratamento da bronquite e angina (Paula,1981;
comprovado que o extrato das cascas de sua madeira Μοντειrο et al., 2006). No entanto, Brandão et al. (2008)
apresentou toxicidade contra Artemia salina, um expõe que não há comprovação científica das propriedades
microcrustáceo de água salgada (Luna et al., 2004). De asseguradas pela medicina popular desta planta medicinal.
acordo com McLaughlin, Chang e Smith (1991), este Extratos hidroalcoólico e acetato de etila da espécie
ensaio é considerado uma ferramenta útil para a avaliação Anadenanthera colubrina apresentaram o alcalóide N,N-
preliminar de toxicidade e tem mostrado boa correlação dimetiltriptamina, Esteroides (palmitato de β-sitosterol, β-
com atividade citotóxica frente a tumores sólidos sitosterol, glicosídeos), Flavonoides, triterpeno (lupeol) e
humanos. compostos fenólicos (dalbergina, 3,4,5- dimetoxidalbergi-
A utilização de produtos farmacêuticos contendo a na) (Lorenzi & Matos, 2002).

Tabela 3.Estudos relacionados à etnofarmacologia da espécie A. colubrina (indicação terapêutica, parte utilizada da planta ,
forma de utilização)
Referência Indicação Terapêutica Parte da planta Forma de utilização
Paula, 1981 Tratamento de doenças hepáticas, infecção gonocócicas, Casca do caule e Cocção da casca do caule, gargarejo.
leucorreia e infecção ovariana, piorreia e bronquites, sementes Inalação de sementes moídas secas.
dores de cabeça, resfriados e sinusites.
Agra et al., 1994; Agra et al., 1996; Tratamento da tosse, tosse crônica, bronquite e Cascas do caule A partir da maceração em um litro de vinho ou
Agra, 1996; Agra, 1999; inflamação geral. cachaça. A mistura é ingerida três vezes ao dia
Albuquerque e Oliveira, 2007. até que os sintomas desapareçam
Hilgert, 2001 Apresenta ação antiinflamatória e antipirética Cascas do caule Cocção e ingestão da infusão.
Macia, Garcia e Vidaurre, 2005 Utilizado com objetivo de retardar menstruação. Sementes da vagem Cocção e ingestão da infusão.
Almeida et al,, 2006 Tratamento da bronquite e pneumonia. A ação Cascas do caule Cocção e ingestão e inalação da infusão.
terapêutica é justificada pela presença de Fenóis,
taninos, triterpenos e quinonas.

Albuquerque, 2006 Utilizado no tratamento da tosse. Cascas do caule Cocção juntamente com açúcar ou mel (xarope)
e ingestão da mistura.
Monteiro et al., 2006 Tratamento de processos Inflamatórios, tratamento de Casca do caule Cocção e ingestão ou produção de extrato
feridas, tratamento de doenças do aparelho alcoólico para uso externo.
geniturinário, respiratório (especialmente tosse). Uso
veterinário
Agra et al., 2007 Utilizado no tratamento da tosse, bronquite e Cascas do caule Realizada da maceração em bebida alcoólica
coqueluche destilada. Ingestão da bebida.
Albuquerque et al., 2007a Tratamento da anemia, tosse, processo inflamatório, Cascas do caule Solução hidroalcoólica com bebida destilada.
asma, gripe. Ingestão da bebida.
Albuquerque et al., 2007b Tratamento da anemia, tosse, asma, bronquite, gripe, Cascas do caule, raiz, Maceração e cocção da casca do caule,
prisão de ventre, processos inflamatórios, neoplasias, flor, folha, fruto associado ao açúcar ou mel. Maceração em
distúrbios hemostáticos, trauma, difteria, fissuras nos bebida alcoólica. Ingestão da bebida.
pés, gastrite. Utilizado como expectorante.
Lucena et al., 2007 Apresenta atividade anti-inflamatória e é utilizado no Cascas do caule --
tratamento de doenças respiratórias.
Araújo et al., 2008 Apresenta atividade anti-inflamatória Cascas do caule Extrato alcoólico produzido com bebida
destilada
Monteiro et al., 2006; Utilizado no tratamento da Bronquite Resina do caule Maceração com bebida alcoólica e água, e
Brandão et al., 2008 ingestão da bebida.
171

Investigação química das partes desta árvore resultou no resina de A. colubrina demonstrou forte atividade antitu-
isolamento de um novo Flavonoide chamado de moral frente à linhagem de células do sarcoma 180
Anadantoflavona, além dos ácidos alnusenol lupenona, (Moretão et al., 2004), em consonância com as indicações
lupeol, estigmasterol, apigenina, ácido 4-hidrobenzênico e populares abordadas nesta revisão.
ácido cinâmico (Gutierrez-Lugo et al., 2004). O alcalóide Fisch et al. (1955) estudaram a composição química das
com propriedades psicotrópicas presente em sua estrutura sementes e vagens de duas espécies, A. peregrina Benth. e
é a bufotenina (Dante Angelo & Capriles, 2004, SMET & A. colubrina Benth. Nas sementes e vagens de das duas
RIVIER, 1987). A casca desta árvore é rica em taninos, espécies foram encontradas quatro bases indólicas. As
que conferem propriedades medicinais, tais como ação vagens continham o composto N,N-dimetiltriptamina e seu
antiinflamatória, anti-oxidante e antimicrobiana respectivo óxido, já as sementes apresentaram a
(Desmarchelier et al., 1999, Monteiro et al., 2005). A bufotenina e também o seu respectivo óxido (Tabela 4).

239
Weber et al.
Rev. Bras. Farm. 92(4): 235-244, 2011

Assim, concluíram serem os alcalóides os metabólitos Nesta conjuntura, mesmo que se tenha um conhecimento
majoritários em ambas as espécies estudadas. De acordo popular acerca da ação terapêutica de A. colubrina, ainda
com Pachter et al. (1959), as sementes de A. colubrina existe a necessidade de uma maior investigação científica
constituem-se em uma rica fonte de alcalóides, sendo com finalidade de averiguar e comprovar as informações
também a bufotenina o mais abundante, conclusão que obtidas através do conhecimento popular.
corrobora com os estudos de Fisher et al. (1995).

Tabela 4.Estrutura dos metabólitos especiais isolados da A. colubrina

Apigenina Flavonoide Partes aéreas Gutierrez-Lugo et al., 2004

Anadantoflavona
Flavonoide Partes aéreas Gutierrez-Lugo et al., 2004

Anadantosídeo Flavonoide Casca Piacente et al., 1999

Prosopina Flavonoide Cerne Miyauchi et al., 1976

Outra substância
Dalbergina Cerne Miyauchi et al., 1976
aromática

Outra substância
Kuhimannina Cerne Miyauchi et al., 1976
aromática

Outra substância
Dimetoxidalbergina Cerne Miyauchi et al., 1976
aromática

Outra substância
Partes aéreas Gutierrez-Lugo et al., 2004
Ácido cinâmico aromática

Outra substância
Partes aéreas Gutierrez-Lugo et al., 2004
Ácido 4-hidroxibenzoico aromática

Alnusenol Terpenoides Partes aéreas Gutierrez-Lugo et al., 2004

β-amirina
Terpenoides Partes aéreas Gutierrez-Lugo et al., 2004

α-amirina
Terpenoides Partes aéreas Gutierrez-Lugo et al., 2004

Partes aéreas Gutierrez-Lugo et al., 2004


Terpenoides
Lupeol
Cerne Miyauchi et al., 1976

Partes aéreas Gutierrez-Lugo et al., 2004


Lupeona Terpenoides

Cerne Miyauchi et al., 1976

240
Weber et al.
Rev. Bras. Farm. 92(4): 235-244, 2011

Terpenoides Partes aéreas Gutierrez-Lugo et al., 2004


Ácido betulínico

Partes aéreas Gutierrez-Lugo et al., 2004


Esteroides
β-sitosterol
Cerne Miyauchi et al., 1976

Daucosterol Esteroides Cerne Miyauchi et al., 1976

Palmitato de β-sitosteril Esteroides Cerne Miyauchi et al., 1976

Stigmasterol
Esteroides Partes aéreas Gutierrez-Lugo et al., 2004

CONCLUSÃO
Albuquerque UP. Re-examining hypotheses concerning
Anadenanthera colubrina apresenta um potencial the use and knowledge of medicinal plants: a study in the
terapêutico reconhecido e utilizado pela medicina popular. caatinga vegetation of NE Brazil. J Ethnobiol Ethnomed,
A espécie botânica é nativa da Caatinga, encontrada 26 (2): 30-39, 2006.
principalmente no nordeste brasileiro e, apesar de
Albuquerque UP & Andrade LHC. Uso de recursos
amplamente utilizada na medicina tradicional pelos nativos
vegetais da caatinga: o caso do agreste do estado de
da região, apresenta questionamentos científicos, inerentes
Pernambuco (Nordeste do Brasil). Interciencia, 27 (7):
ao seu uso, mecanismo de ação, posologia e indicações de
336–345, 2002a.
tratamento. Embora muitas substâncias tenham sido
isoladas do gênero Anadenanthera, poucos trabalhos Albuquerque UP & Andrade LHC. Conhecimento
foram realizados mostrando a importância biológica de botânico tradicional e conservação em uma área de
seus metabólitos. Trata-se de uma planta promissora, caatinga no estado de Pernambuco, Nordeste do Brasil.
explorada do ponto de vista etnobotânico e econômico, Act Bot Bras, 16 (3): 273-285, 2002b.
mas ainda pouco explorada farmacologicamente.
Albuquerque UP, Andrade LHC, Caballero J. Structure
and floristics of homegardens in Northeastern Brazil. J
REFERÊNCIAS
Arid Environ, 62 (3): 491–506, 2005.
Agra MF. Plantas da Medicina Popular dos Cariris Velhos,
Albuquerque UP, Andrade LHC, Silva ACO. Use of plant
Paraíba, Brasil: espécies mais comuns. João Pessoa:
resources in a seasonal dry forest (Northeastern Brazil).
União, 1996, 125p.
Act Bot Bras, 19 (1): 19–38, 2005.
Agra M.F. Plantas medicinais dos cariris velhos, Paraíba:
um projeto interdisciplinar. ln: Araújo FD (Ed.) et al. Albuquerque UP, Lucena RFP, MONTEIRO JM et al.
Evaluating two quantitative ethnobotanical techniques.
Plantas do nordeste, anais do I workshop geral. London:
Ethnobotany Res Appl, 4 (1): 51–60. 2006
Royal Botanic Gardens. 1999. p. 16–21.
Albuquerque UP, Medeiros PM, Almeida AL et al.
Agra MF, Baracho GS, Nurita K et al. Medicinal and
poisonous diversity of the flora of “Cariri Paraibano”, Medicinal plants of the caatinga (semi-arid) vegetation of
Brazil. J Ethnopharmacol, 111 (2): 383–395, 2007. ne Brazil: a quantitative approach. J Ethnopharmacol, 114
(3): 325–354, 2007.
Agra MF, Locatelli E, Rocha EA et al. Plantas Medicinais
dos Cariris Velhos, Paraíba, Brasil, Parte II: Subclasses Albuquerque UP, Monteiro M, Ramos MA et al.
Magnoliidae, Caryophyliidae, Dilleniida e Rosidae. Rev Medicinal and magic plants from a public market in
Bras Farm, 77 (1): 97–102, 1996. Northeastern Brazil. J Ethnopharmacol, 110 (1): 76–91,
2007.
Agra MF, Rocha EA, Formiga SC et al. Plantas medicinais
dos cariris velhos, Paraíba, Brasil, parte I: subclasse Albuquerque UP & Oliveira RF. Is the use-impact on
Asteridae. Rev Bras Farm, 75 (1): 61–64, 1994. native caatinga species in Brazil reduced by the high

241
Weber et al.
Rev. Bras. Farm. 92(4): 235-244, 2011

species richness of medicinal plants? J Ethnopharmacol, Costa-Neto EM & Oliveira MVM. The use of medicinal
113 (1): 156–170, 2007. plants in the country of Tanquinho, state of Bahia,
northeastern Brazil. Rev Bras Pl Med, 2 (2): 1–8, 2000.
Almeida CFCBR. & Albuquerque UP. Uso e conservação
de plantas e animais medicinais no estado de Pernambuco Da Silva DM, Riet-Correa F, Medeiros RMT et al. Plantas
(nordeste do Brasil): um estudo de caso. Interciência, 27 tóxicas para ruminantes e equídeos no Seridó Ocidental
(6): 276–285, 2002. eOriental do Rio Grande do Norte. Pesq Vet Bras, 26 (4):
223-236, 2006.
Almeida CFCBR, Amorim ELC, Albuquerque UP et al.
Medicinal plants popularly used in the Xingo Region—a Da Silva JA, Pegado CMA, Ribeiro VV et al. Efeito de
semi-arid location in northeastern Brazil. J Ethnobiol extratos vegetais no controle de Fusarium oxysporum f. sp
Ethnomed, 2 (1): 1-7, 2006. tracheiphilum em sementes de caupi. Ciênc Agrotec, 33
(2): 611-616, 2009.
Alstchul SR. A taxonomic study of the genus
Anadenanthera. Contr Gray Herb, (193): 3-65, 1964. Dante Angelo Z & Capriles JM. La importancia de las
plantas psicotrópicas para la economía de intercambio y
Alstchul SR. Vilca and its use. ln: Efron DH, Holmstedt B,
relaciones de interacción en el altiplano sur andino.
Kline NS (Ed.) Ethnopharmacologic search for
Chungará, 36 (2): 1023-1035, 2004.
psychoactive drugs. New York: Raven Press, 1967. 468p.
DASSO MC. El chamanismo de los mataco de la margen
Araújo TAS, Alencar NL, De Amorim ELC et al. A new
derecha del Río Bermejo (Provincia del Charco, República
approach to study medicinal plants with tannins and
Argentina). Scripta Etnologica, 7 (5): 9-35, 1985.
flavonoids contents from the local knowledge. J
Ethnopharmacol, 120 (1): 72-80, 2008. Desmarchelier C, Romão RL, Coussio J et al. Antioxidant
and free radical scavenging activities in extracts from
Arenas P. El cebíl o el árbor de la ciencia del bien y del
medicinal trees used in the “caatinga” region of
mal. Parodiana, 7 (1-2): 101-114, 1992.
northeastern Brazil. J. Ethnopharmacol, 67 (1): 69-77,
Bentham G. Contributions towards a flora of South 1999.
America – enumeration of plants collected by Mr.
Dijour E. Las cérémonies d’expulsions des maladies chez
Schomburgk in British Guiana. J Bot, 2: 38-103, 1840.
les Matako. J Soc Am, 25: 212-217, 1933.
Bentham G. Notes of Mimoseae, with a short synopsis of
Duviols P. Un inédit de Cristóbal de Albornoz: la
species. London J Bot, 1: 494-518, 1842.
instrucción para descubrir todas las guacas del Pirú y sus
Bentham G. Revision of suborder Mimoseae. Transac Linn camayos y haziendas. J Soc Am, 55: 497-510, 1967.
Soc, 30: 335-664, 1875.
Fabian SM. Space-time of the Bororo of Brazil.
Brandão MG, Zanetti NN, Oliveira P et al. Brazilian Gainesville: University Press of Florida, 1992, 272p.
medicinal plants described by 19th century European
Fisch MS, Johnson NM, Horning EC. Piptadenia
naturalists and in the official pharmacopoeia. J
alkaloids. Indole base of P. peregrina (L.) Benth. and
Ethnopharmacol, 120 (2): 141–148, 2008.
related species. J Am Chem Soc, 77 (22): 5892-5895,
Brash AR. Lipoxygenases: occurrence, functions, 1955.
catalysis, and acquisition of substrate. J Biol Chem, 274
(34): 23679–23682, 1999. Freitas MSM, Martins MA, Carvalho AJC et al.
Crescimento e produção de fenóis totais em carqueja
Brenam JPM. Notes of Mimosoideae: I. Kew Bull, 10 (2): [Baccharis trimera (Less.) D.C.] em resposta à inoculação
161-191, 1955. com fungos micorrízicos arbusculares, na presença e na
ausência de adubação mineral. Rev Bras Pl Med, 6 (1): 30-
Brito MF, França TN, Oliveira KD et al. Estudos 34, 2004.
experimentais em coelhos com plantas cianogênicas. Pesq
Vet Bras, 20 (2): 65-70, 2000. Gonçalvez AL, Alves FILHO A, Menezes H. Estudo
comparativo da atividade antimicrobiana de extratos de
Cabral SCMC & Agra MF. Etnomedicina e
algumas árvores nativas. Arq Inst Biol, 72 (3): 353-358,
farmacobotânica das Capparaceae da caatinga paraibana,
2005.
Brasil. Rev Bras Farm, 79 (1): 2–6, 1998.
Califano M. El chamanismo mataco. Scripta Etnologica, 3 Gutierrez-Lugo MT, Deschamps JD, Holman TR et al.
(3): 7-60, 1976. Lipoxygenase inhibition by anadanthoflavone, a new
flavonoid from the aerial parts of Anadenanthera
Caspare F. Tupari. London: Bell, 1956, 224p. colubrina. Planta Med, 70 (2): 263–265, 2003.
Corrêa MP. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das Hardman JG & Limbird LE. Goodman & Gilman, As
exóticas cultivadas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, bases farmacológicas da terapêutica. 9 ed. Cidade do
1978, p. 125-126. México: McGrawHill, 1996, 1436p.

242
Weber et al.
Rev. Bras. Farm. 92(4): 235-244, 2011

Hilgert NI. Plants used in home medicine in the Zenta (ARAGAL) from the gum of Anadenanthera colubrine
river basin, northwest Argentina. J Ethnopharmacol, 76 (angico-branco). Immunol Lett, 93 (2-3): 189-197, 2004.
(1): 11–34, 2001. Mors WB, Rizzini CT, Pereira NA. Medicinal Plants of
Hunziker AT. El cebil (Anadenanthera colubrina, var. Brazil. Michigan: Reference Publications, 2000. 501p.
cebil) en la provincia de córdoba. Kurtziana, 7: 265, 1973. Natarajan R, Bai W, Gu JL et al. Platelet-derived growth
factor BB mediated regulation of 12-lipoxygenase in
Iacobucci GA & Rúveda EA. Bases derived from
porcine aortic smooth muscle cells. J Cell Physiol, 169 (2):
tryptamine in argentine Piptadenia species.
391-400, 1996.
Phytochemistry, 3 (3): 465-467, 1964.
Pachter IJ, Zacharias DE, Ribeiro O. Indole alkaloids of
Larraín-Barros H. La Vilca o Paricá (Anadenathera spp.)
Acer saccharinum (The Silver Maple), Dictyoloma
?Purga o estimulante indígena? Alguna referencias
incanescens, Piptadenia columbrina, and Mimosa hostiles.
etnohistóricas. Sarance, 2 (3): 27-49, 1976.
J Org Chem, 24 (9): 1285-1257, 1959.
Lorenzi H. Árvores brasileiras - manual de identificação e
PARDAL R. Medicina arborígen americana (Las
cultivo de plantas arbóreas do Brasil. vol. 2. São Paulo:
Piptadenias). Colección Humanior, vol. 3. Buenos Aires:
Plantarum, 1998, p. 97.
Biblioteca del Americanista Moderno, 1937, p. 333-3414.
Lucena RFP, Albuquerque UP, Monteiro JM et al. Useful
Paula JE. Estudo das estruturas internas das madeiras de
plants of the semi-arid northeastern region of Brazil – a
dezesseis espécies da flora brasileira visando o
look at their conservation and sustainable use. Environ
aproveitamento econômico para a produção de álcool,
Monit Assess, 125 (1-3): 281–290, 2007.
carvão, coque e papel. Brasil Florestal, 11 (47): 23-50,
Luna JS, Dos Santos AF, De Lima MRF et al. A study of 1981.
the larvacidal and molluscicidal activities of some
Piacente S, Balderrama L, De Tommasi N et al.
medicinal plants from northeast Brazil. J Ethnopharmacol,
Anadanthoside: a flavanol-3-O-β-D-xylopyranoside from
97 (2): 199-206, 2004.
Anadenanthera macrocarpa. Phytochemistry, 51 (): 709,
Macía MJ, García E, Vidaurre PJ. An ethnobotanical 1999.
survey of medicinal plants commercialized in the markets
Reichel-Dolmatoff G. La cultura material de los indios
of La Paz and El Alto, Bolivia. J Ethnopharmacol, 97 (2):
Guahibo. Rev Inst Etnol Nac, 1 (2): 437-506, 1946.
337–350, 2005.
Rodd R. Snuff synergy: preparation, use and
Mclaughlin JL, Chang C, Smith D. Bench-top bioassays
pharmacology of yopo and Bonisteriopsis caapi among the
for the discovery of bioactive natural products: an update.
Piaroa of southern Venezuela. J Psychoactive Drugs, 34
In: Atta-Ur Rahman (Ed.) Studies in Natural Product
(3): 273-279, 2002.
Chemistry. vol. 9. London: Pergamon Press, 1991, p. 383–
389. Saldias M. Mimosoideae: en guía de árboles de Bolivia. ln:
Killeen TL, García E, Beck SG (Ed.) La Paz: Herbario
Miyauchi Y, Yoshimoto T, Minami K. Extractives from
nacional de Bolivia, 1993, p. 420-456p.
the heartwood of Piptadenia sp. Mokuzai Gakkaishi, 22
(1): 47-50, 1976. Schepetkin IA & Quinn MT. Botanical polysaccharides:
macrophage immunomodulatiuon and therapeutic
Monteiro JM, Albuquerque UP, Lins Neto EM et al. Use
potential. Int Immunopharmacol, 6 (3): 317-333, 2006.
patterns and knowledge of medicinal species among two
rural communities in Brazil's semi-arid northeastern Silva VA & Andrade LHC. Etnobotânica xucuru: espécies
region. J Ethnopharmacol, 105 (1-2): 173-186, 2006. místicas. Biotemas, 15 (1): 45–57, 2002.
Moreira RCT, Costa LCB, Costa RCS et al. Abordagem Smet PAGM & Rivier L. Intoxicating paricá seeds of the
etnobotânica acerca do uso de plantas medicinais na Vila Brazilian maué Indians. Econ Bot, 41 (1): 12-16, 1987.
Cachoeira, Ilhéus, Bahia, Brasil. Acta Farm Bon, 21 (3):
Sotelo De Narvaez P. Relacción de las provincias de
205–211, 2002.
Tucumán. Relaciones geográficas de Indias. Madrid:
Moretão MP, BuchI DF, Gorin PAJ et al. Effect of an Ediciones Atlas, 1965, p. 390-396.
acidic heteropolysaccharide (ARAGAL) from the gum of Steele VE, Holmes CA, Hawk ET et al. Lipoxygenase
Anadenanthera colubrina (angico-branco) on peritoneal inhibitors as potential cancer chemopreventives. Cancer
macrophage functions. Immunol Lett, 89 (2-3): 175-185, Epidemiol Biomarkers Prev, 8 (5): 467-483, 1999.
2003.
Svetaz L, Zuljan F, Derita M et al. Value of ethnomedical
Moretão MP, Zampronio AR, Gorin PAJ et al. Induction information for the discovery of plants with antifungal
of secretory and tumoricidal activities in peritoneal properties. A survey among seven Latin American
macrophages activated by an acidic heteropolysaccharide countries. J. Ethnopharmacol, 127 (1): 137-158, 2010.

243
Weber et al.
Rev. Bras. Farm. 92(4): 235-244, 2011

Tokarnia CH, Peixoto PV, Brito MF et al. Estudos


experimentais com plantas cianogênicas em bovinos. Pesq
Vet Bras, 19 (2): 84-90, 1999.
Torres CM & Repke D. Anadenanthera : visionary plant of
ancient South America. Binghamton: The Haworth Herbal
Press. 2006, 256p.
Torres CM & Repke D. The use of Anadenanthera
colubrina var. cebil by witch (mataco) shamans of the
chaco central, Argentina. Yearbook for Ethnomedicine and
the Study of Consciousness, 5: 41-58, 1996.

Wassén SH. Anthropological survey of the use of South


America snuffs. ln: Efron DH, Holmstedt B, Kline NS.
Ethnopharmacologic search for psychoactive drugs. New
York: Raven Press, 1967, p. 233-289.
Wassén SH. The use of some specific kinds of South
American Indian snuff and related paraphernalia. Ethnol
Stud, 28 (1): 1-116, 1965.
Yacovleff E & Herrera F. El mundo vegetal de los
antiguos peruanos. Lima: Imp de Museo Nacional, 1935.
p. 31-102
Yamasato S, Kawanishi K, Kato A et al. Organic bases
from Brazilian Piptadenia species. Phytochemistry, 11 (2):
737-739, 1972.

244
Weber et al.