Você está na página 1de 2

Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco

Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais


Pastor Presidente: Aílton José Alves
Av. Cruz Cabugá, 29 - Santo Amaro - Recife-PE / CEP. 50.040.000 Fone: 3084.1524 / 3084.1543

LIÇÃO 09 – A ARCA DA ALIANÇA – 2º TRIMESTRE DE 2019


(Êx 25.10-22)

INTRODUÇÃO
Nesta lição estudaremos sobre o mais importante móvel do Tabernáculo, a arca da aliança; veremos algumas
considerações a respeito desse utensílio; notaremos também, alguns elementos relacionados a arca; e por fim, pontuaremos
a sua simbologia à luz das Escrituras.

I – CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A ARCA DA ALIANÇA

1.1 O significado do termo. A Bíblia emprega para a arca a palavra hebraica: “aron”, que significa: “baú, caixa, cofre ou
arca”. Como podemos compreender pelo significado da palavra, a arca era destinada a guardar intacto o que é posto dentro
dela (Gn 50.26; 2Rs 12.9,10). Há aproximadamente 185 referências à arca no Antigo Testamento, há mais referências
sobre esse móvel do que sobre qualquer outra peça do santuário. A primeira referência à arca aparece em Êxodo 25.10 e a
última menção a ela no Antigo Testamento se encontra em Jeremias 3.14-16. A última referência a respeito da arca na
Bíblia está em Apocalipse 11.19, onde a verdadeira “arca da sua aliança” é vista no céu, uma vez que os móveis do
Tabernáculo terrestre, eram figuras do celeste (Hb 9.1,11,23) (CONNER, 2015, p. 30 – acréscimo nosso).

1.2 Descrição. Há de se considerar que a arca da aliança era o objeto mais importante do Tabernáculo. Ela era também
chamada de: “arca do Testemunho” (Êx 25.22), “arca do SENHOR” (1Sm 4.6), a “arca de Deus” (1Sm 3.3), “arca do
concerto do SENHOR” (Dt 10.8), “a arca sagrada” (2Cr 35.3). Quanto ao seu material, assim como outros móveis, a arca
era feita de madeira de acácia (cetim), revestida de ouro puro por dentro e por fora (Êx 37.1,2). Suas dimensões também
são especificadas por Deus a Moisés, tendo ela de comprimento dois côvados e meio (1,25 metros), de largura um
côvado e meio (75 centímetros), e de altura também um côvado e meio (75 centímetros), formando um recipiente de
formato retangular (Êx 25.10,11; 37.1,2).

1.3 Localização no Tabernáculo. A arca foi o primeiro móvel a ser introduzido no Tabernáculo quando ele foi erguido
(Êx 40.3). A arca da aliança estava posicionada na parte interna do Tabernáculo depois do segundo véu, no ambiente
denominado de “lugar santíssimo” ou “o santo dos santos” (Êx 25.10-11; 40.3,21; Hb 9.3,4). “Pendurarás o véu debaixo
dos colchetes e meterás a arca do Testemunho ali dentro do véu; e este véu vos fará separação entre o santuário e o
lugar santíssimo” (Êx 26.33).

1.4 Como deveria ser transportada. Além do detalhe da coroa de ouro que estava ao redor da arca ou seja, uma moldura
(Êx 25.11), havia nos quatro cantos da arca argolas de ouro (Êx 25.12). Por estas argolas, colocavam-se varais de madeira
de acácia que eram revestidas de ouro (Êx 25.13) e que serviam para carregar a arca (Êx 25.14). As varas, ou bastões,
nunca deveriam ser removidas (Êx 25.15), pois assim se evitava a necessidade de tocá-la. A arca quando transportada
deveria ser coberta com o véu da tenda, revestida com peles de texugo e um pano azul (Nm 4.4-6), sendo coberta por Arão
e seus filhos (Nm 4.5), e estava a encargo dos levitas filhos de Coate fazerem o seu transporte (Nm 4.1-3,15; 7.9).

II – ELEMENTOS PERTENCENTES A ARCA DA ALIANÇA

2.1 Propiciatório. Para cobertura da arca foi fabricado o que é chamado de: “propiciatório”, tradução de “kaporeth” que
quer dizer: “lugar de expiação, de reconciliação ou seja, o lugar onde Deus se mostrava propício ao homem”. Sendo
feito de ouro puro, e medindo dois côvados e meio de comprimento (1,25 metros) e de largura um côvado e meio (0,75
centímetros) (Êx 25.17). O propiciatório provia tanto uma tampa para a arca como também era o lugar onde o sangue do
sacrifício anual era aspergido. Ali era o lugar onde, por meio de sangue, os pecados de Israel eram cobertos, ou seja,
expiados (Lv 16.2,13-15). Nos extremos opostos do propiciatório, dois querubins foram moldados de ouro batido (sólido),
constituindo uma só peça com a tampa, sendo que as suas asas estendidas deviam cobrir a tampa da arca e as suas faces
deviam estar voltadas para o propiciatório (Êx 25.18-20). Entretanto, devemos lembrar que sob nenhuma hipótese os
querubins eram adorados ou venerados, ali estavam como os guardiões simbólicos do recinto sagrado, algo relacionado
a sua função à luz da Bíblia (Gn 3.24; Ez 28.14).

2.2 As tábuas da lei. O Senhor orientou a Moisés que dentro da arca deveria estar o “testemunho” do hebraico “eduth”
(Êx 25.16,21; 40.20; Dt 10.5), o que devemos entender que eram as duas tábuas da lei (Êx 24.12). Os povos antigos
depositavam seus ídolos em caixas que consideravam sagradas, mas Israel guardara na arca a Palavra do Senhor. Essa lei
era o testemunho da santidade de Deus e contra o pecado (Dt 31.25). Por essa razão veio a ser conhecida como arca da
aliança por causa da presença das duas tábuas da lei, ali guardadas (Êx 25,22; 26,34; 30.6,26; Nm 4.4; 7.89; Js 4.16)
(CHAMPLIN, p. 417). Como as tábuas da Lei representavam a vontade de Deus para com o povo de Israel; assim sendo,
as duas tábuas da Lei apontam para aquEle que foi o único a cumprir perfeitamente a lei do Pai, isto é, a vontade do Pai (Jo
5.30; 6.38; 8.29). Por essa causa, toda a condenação que havia anteriormente na Lei foi lançada sobre Jesus Cristo (Jo
5.22). Toda a Lei foi perfeita e completamente cumprida Nele: “Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas; não
vim ab-rogar, mas cumprir” (Mt 5.17); como Paulo afirma: “Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que
crê” (Rm 10.4). Só Ele poderia cumprir a Lei, pois ela estava em seu coração (Sl 40.7,8).

2.3 Um vaso de ouro com maná. Não menos importante nos é dito que, na arca continha também um vaso com maná
dentro dele (Êx 16.33,34). Quando foi feito o Tabernáculo, a natureza desse vaso onde se armazenava o maná não foi
revelado. Mas na epístola aos hebreus, o autor sagrado faz esta grande revelação de uma urna de ouro (Hb 9.4).
Literalmente, maná era o pão vindo do céu que serviu de alimento para o povo de Israel, no deserto, por 40 anos (Êx
16.35). O termo maná em hebraico é “man”, significa: “o que é isso?”, recebeu esse nome por causa da reação das
pessoas quando o viram pela primeira vez, tinha um gosto característico de azeite (Nm 11.7-9), e caía do céu durante a
noite como o orvalho (Êx 16.4; Sl 78.23-25). Era branco, de formato arredondado e doce como mel para o paladar (Êx
16.31). Espiritualmente o maná simboliza a natureza, o caráter e a provisão do Senhor Jesus Cristo como o pão da vida :
Como Ele próprio afirmou: “Na verdade, na verdade vos digo que Moisés não vos deu o pão do céu, mas meu Pai vos dá
o verdadeiro pão do céu […] Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome […]” (Jo 6.32,35), o pão vivo
que desceu do céu: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer desse pão, viverá para sempre [...]” (Jo
6.51).

2.4 A vara que floresceu. Esse elemento dentro da arca, relembrava um dos eventos mais importantes dos quarenta anos
de peregrinação de Israel pelo deserto. A vara de Arão floresceu para vindicar a autoridade que recebera de Deus para ser o
sumo sacerdote (Nm 17.8) e para servir de contínua afirmação da instituição ordenada por Deus, em contra distinção às
pretensões espirituais espúrias (Nm 17.10). Assim como o fato da vara de Arão ter brotado atestava que ele era o escolhido
de Deus, ou o ungido de Deus e sumo sacerdote designado por Deus em Israel, a ressurreição de Jesus Cristo dentre os
mortos atesta seu sacerdócio eterno, segundo a ordem de Melquisedeque (Hb 7.24,25; 5.1-14; Jo 11.25; 14-1-6; Rm 1.1-4).
Jesus nosso grande sumo sacerdote, o único mediador entre Deus e os homens (1Tm 2.5,6) ressurgiu dos mortos (1Co
15.4).

III – A SIMBOLOGIA DA ARCA DA ALIANÇA


3.1 A presença de Deus. Com toda a certeza a arca aponta tipologicamente para a presença de Deus com o seu povo: “E
ali virei a ti e falarei contigo de cima do propiciatório, do meio dos dois querubins (que estão sobre a arca do
Testemunho), tudo o que eu te ordenar para os filhos de Israel” (Êx 25.22), de modo que ela era considerada como um
trono de Deus (1Sm 4.4; 2Sm 6.2; Jr 3.16). A arca era um símbolo visível da presença de Deus como lugar de encontro no
mais íntimo santuário, onde o Senhor revelava Sua vontade aos seus servos (Êx 30.36; Lv 16.2; Js 7.6). Assim sendo,
servia como símbolo da presença divina orientadora entre o seu povo (Nm 10.33-35; Js 3.3-14).

3.2 A dupla natureza de Cristo. A arca era feita de madeira de cetim revestida de ouro por dentro e por fora. Ela
tipificava a Cristo e suas duas naturezas: “a divina e a humana”. Por ser feita de madeira de acácia, boa parte dos
expositores bíblicos, veem nisso a humanidade de Cristo tipificada. A madeira usada era de uma espécie vegetal típica do
deserto, é um tipo apropriado de Cristo em Sua humanidade, como raiz que brota de uma terra seca (Is 53.2). Em meio aos
desertos desta vida, de corrupção e maldade, Ele permaneceu incorruptível, puro e irrepreensível em sua natureza e caráter
(Sl 16.10; Lc 1.35; 1Pd 1.23; 1Jo 3.5) (CHAMPLIN, 2001, p. 417). Ao ser revestida de ouro se indica um símbolo da
deidade de Cristo, o aspecto mais preciso e esplêndido de Sua pessoa (Fp 2.5,6; Cl 1.15,19; 2.9; Hb 1.1-4).

3.3 A reconciliação do homem com Deus. Uma vez por ano, no dia da expiação, o sangue de um animal era aspergido
sobre o propiciatório de ouro (Lv 16.14). Isso significava que a justa sentença da lei havia sido executada, transformando o
assento do julgamento em um assento de misericórdia (Hb 9.11-15). A tampa da arca, era um trono de misericórdia, pois a
palavra propiciatório significa: “onde Deus nos é propício, nos é favorável”. Isso também denotava que o homem havia
sido reconciliado com Deus. Portanto, o propiciatório, era uma figura de Cristo crucificado, o ponto de encontro entre
Deus e o homem. Sendo assim, a obra de Cristo foi a nossa propiciação por meio da qual a justiça de Deus foi satisfeita
para sempre (1Jo 4.10). Como afirma o apóstolo João: “Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos
nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro” (1Jo 2.2).

CONCLUSÃO
Considerados em seu conjunto, a Arca e o Propiciatório constituem uma admirável figura do Senhor Jesus Cristo
em sua adorável pessoa e em sua perfeita obra.

REFERÊNCIAS
 ALMEIDA, Abraão de. O Tabernáculo e a Igreja. CPAD, 2009.
 CHAMPLIN, R. N. Comentário versículo por versículo. HAGNOS, 2001.
 CONNER, Kevin J. Os segredos do Tabernáculo de Moisés. (Trad. Célia Chazanas). ATOS, 2004.
 STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD, 1995.