Você está na página 1de 19

BEM VINDO!

Olá, seja bem-vindo ao TREINAMENTO DE LÍDERES DE CÉLULA (TLC) da Escola do Discip ́ ulo.
Nós da Igreja Evangélica Assembléia de Deus Projeto Geração Eleita estamos muito felizes e nos
sentimos honrados com a sua presença.

Nas próximas semanas vamos refletir sobre a importância da igreja nas casas, o que chamamos
de células. Temos aprendido que os grupos pequenos são mais do que uma mera estratégia, mas
a própria igreja de Jesus, em seu modelo apresentado no Novo Testamento. Se você quer ser um
cristão autêntico, você também vai perceber que não há melhor lugar para se colocar em prática
os valores do Reino de Deus do que em um grupo pequeno.

COMO APROVEITAR MELHOR AS AULAS

 Procure chegar no horário para não perder nada;


 Tenha um caderno de anotações e caneta para registrar o que achar interessante;
 Faça perguntas. Este é o lugar mais apropriado para tirar as suas dúvidas;
 Não falte. Cada aluno tem direito a uma falta, por isso busque se organizar. Se tiver muitas
faltas, infelizmente não poderá terminar o curso;
 Pratique o que aprender. A grande medida do crescimento espiritual vem pela prática da
verdade e não só pelo seu conhecimento.

COMO APROVEITAR MELHOR ESTE MATERIAL

Esta apostila em suas mãos foi preparada especialmente para você, então:

 Tenha o hábito de ler a lição antes das aulas para assimilar melhor o conteúdo;
 Traga sempre a apostila com você para poder fazer observações e perguntas;
 Faça as atividades! No final de cada lição existem atividades que o ajudarão a avaliar seus
conhecimentos e fixar as informações em sua mente.

Que Deus lhe abençoe.

AULA 1 – O QUE É UMA CÉ LULA


́ lia compara a Igreja de Cristo ao corpo humano, mostrando que diversos membros compõem
A Bib
um mesmo corpo. A célula é a base de todo o organismo, e a somatória delas é que compõe o
corpo.

Assim também é com a igreja: a célula é o que chamamos de comunidade cristã de base, um grupo
de pessoas que se reúne semanalmente para comunhão, adoração, edificação e evangelização.
Mas, como o que compõe o corpo é a somatória de todas as células, reunimos todas as células
semanalmente para uma celebração conjunta no prédio da igreja.

As Escrituras ordenam desenvolver relacionamentos de edificação mútua. Congregar não se


resume apenas a louvor e pregação, mas também oração e ministração uns aos outros (Hebreus
10.24-25). Cada membro do corpo de Cristo é um sacerdote e deve servir a seus irmãos no Senhor,
e a célula é o melhor lugar para praticar este princip
́ io.

UMA DEFINIÇÃ O DE CÉ LULA


Uma célula é um grupo constituid ́ o de seis (06) a dezesseis (16) pessoas, reunindo-se
semanalmente para aprender como tornar-se uma família, adorar o Senhor, edificar a vida
espiritual uns dos outros, orar uns pelos outros e levar pessoas ao Evangelho.
Cada célula deve ter no min ́ imo seis pessoas e nao ̃ é ideal que ela ultrapasse o limite de
dezesseis. Os grupos de Moisés eram constituid́ os de 10 (Êxodo 18.21) e Jesus liderou doze. Dez
ou doze pessoas são o número ideal de membros uma célula. Quando atingir o limite de quatorze
ou quinze pessoas, a célula deve estar preparada para se multiplicar.

A célula é muito maior que a sua reunião. A célula acontece a semana toda: no supermercado,
no shopping, na caminhada, no lazer, nas casas, na escola. Sempre que os irmãos se encontram,
a célula acontece. A primeira caracteriś tica da célula é ser uma comunidade que vai além da
reunião formal.

O QUE NÃ O É UMA CÉ LULA


❖ Grupo de oração: Normalmente esse tipo de grupo é composto de muitas pessoas que
têm a seguinte atitude: “O que esse grupo pode fazer por mim?”

❖ Grupo de estudo bib ́ lico: O problema deste tipo de grupo é que ele não estimula o
compartilhar de necessidade e nem a verdadeira comunhão; pelo contrário, tende a se tornar
um grupo restrito e fechado, onde o não crente não se sente bem-vindo.

❖ Grupo de discipulado: Este tipo de grupo procura um crescimento espiritual num


ambiente fechado com pessoas que participam de uma determinada “rede” de discip
́ ulos.

❖ Grupo de cura interior: É um tipo de grupo que usa técnicas da psicologia para buscar
cura para os seus traumas emocionais. O foco principal destes grupos geralmente não é
trazer pessoas a Jesus.

❖ Grupo de apoio: Grupos assim são semelhantes a alcoólicos anônimos: as pessoas


se reúnem para falar de seus problemas, vez após vez, semana após semana.

❖ Ponto de pregação: Grupos assim têm como deficiência básica o fato de não
compartilharem a realidade da vida do corpo. O grupo é apenas um ajuntamento, mas sem
comunhão.

❖ Qualquer grupo com as seguintes ́ ticas:


caracteris
➢Grupo fechado, criado só para as pessoas de um departamento da igreja; ➢Qualquer
grupo que não tenha a multiplicação como objetivo;
➢Qualquer grupo que não se submeta à liderança geral da igreja;

❖ Qualquer grupo que seja apenas uma reunião social.

ONDE A CÉ LULA SE REÚNE?


A maioria das células se reúne em residências. Parece que a casa, o lar, a habitação da famiĺ ia,
tem mais afinidade com a ideia de igreja no lar do Novo Testamento.

Apesar de preferirmos residências, uma célula pode se reunir também em empresas (na hora do
almoço), em escolas, praças, parques, em salões de festas (de condomin
́ ios) e em qualquer lugar
onde haja um min ́ imo de silêncio e privacidade. Só não recomendamos reuniões em bares ou
lugares semelhantes.

A IGREJA PRIMITIVA E OS PEQUENOS GRUPOS


❖ Atos 2.46-47: “E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão de
casa em casa, comiam com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus, e caindo na graça
de todo o povo. E cada dia acrescentava-lhes o Senhor os que iam sendo salvos”.

❖ Atos 5.42: “E todos os dias, no templo e de casa em casa, não cessavam de ensinar, e de
anunciar a Jesus, o Cristo”.

❖ Romanos 16.3-5: “Saudai a Priscila e a Áquila, meus cooperadores em Cristo Jesus, os


quais pela minha vida expuseram as suas cabeças; o que não só eu lhes agradeço, mas
também todas as igrejas dos gentios. Saudai também a igreja que está na casa deles.”

❖ Romanos 16.1-2: “Recomendo-vos a nossa irmã Febe, que está servindo à igreja de
Cencréia, para que a recebais no Senhor como convém aos santos e a ajudeis em tudo que de
vós vier a precisar; porque tem sido protetora de muitos e de mim inclusive”.

❖ Romanos 16.3-5: “Saudai Priscila e Áquila, meus cooperadores em Cristo Jesus, os quais
pela minha vida arriscaram a sua própria cabeça; e isto lhes agradeço, não somente eu, mas
também todas as igrejas dos gentios; saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles”.

❖ Romanos 16.10: “Saudai Apeles, aprovado em Cristo. Saudai os da casa de Aristóbulo”.

❖Romanos 16.11: “Saudai meu parente Herodião. Saudai os da casa de Narciso, que estão
no Senhor.

❖Romanos 16.14: “Saudai Asíncrito, Flegonte, Hermes, Pátrobas, Hermas e os irmãos que
se reúnem com eles. Saudai Filólogo, Júlia, Nereu e sua irmã, Olimpas e todos os santos que se
reúnem com eles”.

❖ Romanos 16.16: “Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo. Todas as igrejas de Cristo
vos saúdam”.

❖ 1a Coríntios 16.19: “As igrejas da Ásia vos saúdam. No Senhor, muito vos saúdam Áquila
e Priscila e, bem assim, a igreja que está na casa deles”.

❖ Colossenses 4.15: “Saudai os irmãos de Laodicéia, e Ninfa, e à igreja que ela hospeda
em sua casa”.

❖ Filemom 2: “Paulo, prisioneiro de Cristo Jesus, e o irmão Timóteo, ao amado Filemom,


também nosso colaborador, e à irmã Afia, e a Arquipo, nosso companheiro de lutas, e à igreja
que está em tua casa...”

̃ a força motriz da Igreja do Novo Testamento.


Os pequenos grupos sao

MINISTRANDO UNS AOS OUTROS


Ninguém possui todos os dons, por isso precisamos uns dos outros! Não é possiv́ el que todos os
membros da igreja ministrem com seus dons durante o culto semanal no prédio da igreja, mas nas
células isso pode acontecer naturalmente.

❖ 1a Coríntios 12.4: “Porque também o corpo não é um membro, mas muitos”.


❖ 1a Coríntios 12.7: “A cada um, porém, é dada a manifestação do Espírito para o proveito
comum”.

❖ 1a Coríntios 12.12: “Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos
os membros do corpo, embora muitos formam um só corpo, assim também é Cristo”.

❖ 1a Coríntios 12.27: “Ora, vós sois corpo de Cristo, e individualmente seus membros”.

❖ 1a Corin ́ tios 14.26: “Quando vos congregais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina,
tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação”.

❖ Hebreus 10.24-25: “e consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e
às boas obras, não abandonando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes
admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele
dia”.

QUALIDADES DA CÉ LULA


❖ Informalidade – Ajuda a combater a religiosidade. É fácil cultivar uma vida cristã de
aparência, mas aqueles que crescem num ambiente cristão de informalidade assimilam pelo
exemplo a importância da transparência. Num ambiente informal as pessoas estão mais abertas
ao mover do Espiŕ ito e à comunhão.

❖ Amizade e Comunhão - Quando a igreja cresce, as pessoas correm o risco de se tornarem


números e não mais receberem atenção, passando a sentir solidão no meio da multidão. As
células, contudo, proporcionam um ambiente de intimidade onde a amizade é desenvolvida.
́ culos é imprescindiv́ el para quem quer desenvolver
Ninguém vive sozinho a vida cristã; criar vin
uma fé sadia.

❖ Evangelismo - Muitas pessoas jamais entrarão numa igreja evangélica por puro
preconceito, tradição familiar ou pela generalização da mid
́ ia para com os evangélicos. Mas a
igreja não foi chamada para ser sal e luz dentro do templo, e sim lá fora onde os pecadores
estão. As estatiś ticas indicam que a grande maioria das pessoas se converte mediante contato
com amigos ou familiares.

❖Crescimento ilimitado - Em todo o mundo, as igrejas em células transcendem o limite


fiś ico que seus templos comportam, pois não estão limitadas às acomodações de um prédio, mas
espalhadas pelas casas; além de que são facilmente adaptáveis.

❖Oportunidade ministerial - No templo, poucas pessoas chegam a ter oportunidade de exercer


seu ministério, pois eles se restringem a pregação, louvor, ensino infantil e recepção. Nas células
cada membro pode exercitar seus dons e ministérios. Sem este tipo de reunião será impossiv́ el
cada um funcionar em seu lugar no corpo de Cristo.

❖Pastoreio - As células que se reúnem nas casas são um tremendo meio de acomodação e
́ er cuida bem de sua célula, pois o número de pessoas é pequeno;
pastoreio do rebanho. Cada lid
́ eres também recebem cuidado pastoral de seus supervisores, que também
por sua vez os lid
recebem acompanhamento de seus pastores, etc. Isso possibilita aliviar os lid́ eres da sobrecarga.

OS PROPÓSITOS DA CÉ LULA


1. Crescer em relacionamento com Deus: As células providenciam um lugar eficaz para
conhecer sobre Deus e crescer em relacionamento com Ele. Buscar a Jesus numa célula
também nos dá a oportunidade de aprender uns com os outros.
2. Desenvolver relacionamento uns com os outros: É cada vez mais difić il em nossa
sociedade as pessoas exercerem confiança uns para com os outros. As células oferecem
uma oportunidade segura de formar amizades seguras e duradouras. São também
ambientes ideais para que membros sejam cuidados bem de perto.
3. Equipar e treinar: Todo crente é chamado como um ministro de Cristo e recebe o privilégio
e a responsabilidade de ministrar nos dons do Espiŕ ito (1a Co 12).
4. Providenciar apoio e cura: Todo mundo precisa de apoio e cura em algum momento de
sua vida. Todos enfrentam emergências, doenças e crises pessoais. A célula é o melhor
espaço para percebermos aqueles que estão em necessidade, carentes de amor, de apoio
e de oração, e ali podemos ajudá-los como um grupo de amigos.
5. Providenciar cuidado pastoral adequado: Segundo algumas pesquisas, é impossiv́ el para
um só pastor cuidar adequadamente de mais do que 85 pessoas! As células são um lugar
onde podemos conhecer outros e ao mesmo tempo ser conhecidos e reconhecidos. 1 a Pedro
5 encoraja os lid́ eres a "pastorear o rebanho de Deus". Na célula isto pode ser feito muito
bem por meio da oração, ensino bib ́ lico, comunhão e aconselhamento.
6. Desenvolver novos lid ́ eres: A cé lula é um ambiente altamente propić io para o treinamento
de novos lid ́ eres. Por meio das células as pessoas são discipuladas, amadurecidas e
conduzidas a um papel de liderança na comunidade.
7. Ministrar aos de fora: Um foco significativo das células é alcançar outros com o evangelho
e o amor de Jesus. A célula pode visitar orfanatos, presid ́ ios, hospitais, abrigos de idosos,
etc. Precisamos estar mais centrados nos outros do que em nós mesmos.
8. Trazer pessoas a Jesus: A célula é a ferramenta primária para o evangelismo. É um lugar
pouco ameaçador para uma pessoa que está buscando resposta para suas questões
pessoais, a qual poderá abrir-se à vontade e ser ajudada. Todos os membros são altamente
encorajados a trazer pessoas para as reuniões da célula e demais eventos de comunhão.

BENEFÍCIOS DE SE PERTENCER A UMA CÉ LULA


 A célula agrega valor às pessoas. Assim elas deixam de ser meros espectadores, mais
um na multidão, e passam a ser pessoas que têm nome, endereço, data de aniversário,
necessidades pessoais compartilhadas, vin ́ culos de amizade, etc.
 A célula aproxima as pessoas umas das outras. Tornando-as importantes e levando-as
a ter relacionamentos fortes e significativos dentro da igreja, experimentando o sentido uma
verdadeira igreja famiĺ ia.
 A célula facilita o atendimento às diversas necessidades espirituais e materiais de
cada pessoa do grupo, pois através do lid ́ er e dos auxiliares de célula, o grupo pode
facilmente cuidar bem de cada um.
 As células ajudam a descobrir e identificar os dons das pessoas. Dão oportunidades
para cada pessoa participar significativamente na vida da igreja. Nem todos serão pastores
ou professores na Escola do Discip ́ ulo, mas nas células há oportunidade para que todos
participem em alguma atividade importante.
 As células viabilizam a concretizaçao ̃ do amor fraternal. Isso produz segurança para os
membros, pois cada pessoa torna-se parte da famiĺ ia, produzindo assim um ambiente de
proteção onde cada um cuida do outro.
 Na célula não há lugar para liturgia e formalismo religioso, pois tudo é feito num
ambiente espontâneo e informal. Não há espaço para shows de qualquer espécie, pois na
célula o centro das atenções é somente Jesus.
 As células facilitam o processo de ensino-aprendizagem. Ali todos têm a oportunidade
de falar e participar durante o estudo. Diferente dos cultos de celebração, onde a
participação é limitada a alguns poucos.
 As células viabilizam o crescimento numérico da igreja. As pessoas estão sempre
motivadas a ganhar outros para Jesus. Fazem isso convidando novas pessoas, visitando e
evangelizando amigos, vizinhos, parentes, colegas do trabalho, colegas de escola, etc.
Nossas células são “redes espirituais”.

 As células integram os novos decididos com maior eficácia. Ela é o melhor ambiente
para cuidar dos novos convertidos, proporcionando acompanhamento e alimento necessário
para o seu crescimento espiritual. Assim, chamamos as células de “berçário” para os novos
bebês e “celeiro“ para pôr o trigo.

 As células estendem os limites de crescimento da igreja. A estratégia das células nos


liberta da ideia de que a nossa “missão” acaba quando o prédio se enche, pois com células
o nosso crescimento é ilimitado. O nosso lugar de reunião é a casa dos irmãos, e os cultos
de celebração podem ser feitos em dias e horários diferentes no mesmo prédio.

 As células ampliam as possibilidades de engajamento de todos os membros da igreja


no ministério cristão. A célula nos liberta também da ideia errada de que a obra de Deus
só deve ser feita por pessoas de tempo integral que são financiadas pela igreja. Com as
células a maior parte do trabalho de aconselhamento, pastoreio, visitas, é feito por
voluntários, uma vez que todos somos um reino de sacerdotes.

 A célula é um dos melhores instrumentos de formação de novos lid ́ eres, com respaldo
ministerial e capacidade reconhecida pelo povo. Assim, nossos lid ́ eres não são colocados
nessa posição por meio de eleição, ou por ter concluid
́ o um curso de seminário ou instituto
́ lico,
bib mas por experiência e evidência do seu chamado.

 As células ajudam a fechar a porta de trás da igreja. Qual é o pastor que um dia já não
perguntou a si mesmo, e a outros, o seguinte: “O que fazer para evitar a evasão de membros
da minha Igreja?” Se uma pessoa falta ao culto de domingo, é capaz que ninguém perceba
a sua ausência. Mas se ela faltar a reunião de célula, todo o grupo vai sentir a falta daquela
pessoa e rapidamente tentará ministrar a ela. Assim, cumprimos a vontade do Senhor que
é “que nenhum se perca” (João 6.39).

 As células são ágeis instrumentos de mobilizaçao


̃ do rebanho. Para mobilizar toda a
igreja, basta dar cinco telefonemas para os lid ́ eres certos, das células.

 As células levam a presença da igreja em todas as direções geográficas da cidade.


Onde há uma célula, a igreja está presente. Assim, nós podemos alcançar todos os bairros
e todas as ruas da cidade com “igrejas” nas casas, aumentando a expansão do evangelho.

 Na célula as pessoas passam a ser conhecidas como elas realmente são: As máscaras
caem. Numa igreja grande as pessoas podem ser apenas mais um multidão, mas numa
igreja com células mais cedo ou mais tarde todos vão entrar no sistema do discipulado um
a um e começar receber ajudar no niv́ el pessoal.

ELEMENTOS QUE COMPÕ E UMA CÉ LULA


Membros: Todos aqueles que se reúnem regularmente, no grupo pequeno, com a intenção de
exercer as funções e princip
́ ios já estudados nesta lição, de acordo com o modelo adotado e
praticado por esta igreja. Pode ser um convertido a Jesus, membro da igreja ou mesmo ainda não
cristão. Membros são todos aqueles que fazem parte regularmente do corpo daquela célula, mas
ainda não são lid
́ eres.

Núcleo Base da célula: É o grupo de pessoas que ajudam o Lid́ er a conduzir a célula. Os
membros no núcleo devem ser as pessoas com mais maturidade, compromisso, fiéis à sua
liderança, com o coração quebrantado e disposição para servir. Esses irmãos devem ajudar na
condução da reunião, recepção das pessoas, podem ministrar sobre os outros nos momentos de
oração, além de ajudar o lid
́ er a tomar as decisões sobre o cuidado das pessoas, estratégias
evangeliś ticas e também sobre a multiplicação da célula.

́ er da célula: É um membro que amadureceu, entendeu a visão e o propósito do Reino de


Lid
Deus e da igreja local, e está disposto a exercer o sacerdócio em benefić io dos outros irmãos. Ele
doa seu tempo, dons e talentos para ver a Grande Comissão de Jesus se cumprir na sua vida, sua
famiĺ ia, sua igreja e no mundo.

́ er de célula é alguém que cumpriu com todos os requisitos para assumir tal função. Ele está
O lid
avançando no Trilho de Liderança da igreja, o que significa dizer que ele é regular nos Cultos,
concluiu o Curso de Integração, o TLC (Treinamento Líder de Célula), é dizimista fiel, busca ter
uma famiĺ ia exemplar, entre outros requisitos. Mais detalhes serão abordados a fundo no decorrer
deste treinamento.

Supervisores de Célula: São aqueles lid́ eres que já multiplicaram suas células várias vezes
e agora funcionam na posição de Coordenadores, ajudando a garantir o bom andamento das
células através do cuidado a assistência a esses grupos. Os supervisores geralmente cuidam de
quatro ou mais células, mas nunca deve passar de sete células, quando a supervisão deve ser
multiplicada.

Pastor Presidente: É o pastor titular da igreja, o nosso lid́ er maior dentro da igreja local. A visão
e a responsabilidade final das células são dele, não podendo ser transferidas ou delegadas, apenas
compartilhadas com todos os demais niv́ eis. Se não for assim a igreja sofrerá, e não refletirá os
anseios do Espiŕ ito Santo para o cuidado eficiente do rebanho.

AULA 2 – O LÍDER DE CÉ LULA


Na aula de hoje falaremos sobre a grande importância das células para a formação de novos
Lid ́ eres no Reino de Deus. Cremos que através de Jesus, o sacerdócio dos crentes é universal, ou
seja, não cabe só aos pastores presidentes da igreja a tarefa de fazer disciṕ ulos, mas sim uma
tarefa de todos os cristãos. Em cristo, fomos todos chamados para proclamar o evangelho e fazer
discip ́ ulos. E as células são uma poderosa ferramenta para o treinamento e formação de novos
́
lid eres.

A liderança, tanto na célula como na igreja, tem uma importância fundamental. Sem uma boa
liderança uma célula sempre vai sofrer e adoecer. Um bom lid ́ er ajuda o grupo a clarear seu
propósito e a alcançá-lo. Porém infelizmente muitas pessoas resistem a ideia de liderar uma célula.
Essa ausência de liderança em muitas igrejas tem algumas razões identificadas:

❖ Problemas de passividade na igreja, por falta de uma compreensão clara da Grande Comissão
de Cristo e da missão da igreja sobre a Terra;

❖ Más experiências anteriores, onde a pessoa foi “queimada” na tentativa de ajudar e ser útil;

❖ Outros compromissos e interesses que não a obra de Deus;

❖ Falta de sabedoria e tato naqueles que lhes pediram algo ou tentaram lhes delegar
responsabilidades;

❖ Falta de discipulado e cuidado pastoral adequados;


❖ Falta de capacitação adequada;

❖ Abandono daqueles que estão no processo de crescer e ser úteis.

JESUS, NOSSO MODELO DE LIDERANÇA


Liderança é algo necessário em qualquer sociedade ou instituição. Nada funciona sem um lid
́ er.
Quando estamos em grupo em um local informal, como um restaurante, alguém sempre assume
espontaneamente e lidera na escolha do cardápio, ainda que com participação de todos. Isso é
liderança.

Se as células são relevantes hoje, isso aconteceu porque Deus levantou homens e mulheres fiéis
para a nobre tarefa de liderá-las. É exatamente por isso que a Bib́ lia fala tanto sobre lid
́ eres, dons,
̂
funções e responsabilidades. Dons tem a ver com ministério, que tem a ver com serviço. O
referencial inigualável para todo servo que lidera no reino de Deus é Jesus Cristo. O alvo de todo
o cristão é ser, pensar e sentir o que Ele. Jesus é o nosso modelo de liderança.

́ er precisa assumir sua posição em Cristo, usar seus dons com intensidade e provar a mais
Cada lid
sublime das oportunidades, que é servir por meio do amor.

Em Marcos 10.32-45, temos um exemplo muito claro do ensino de Jesus sobre
liderança, que diverge totalmente da concepção de liderança dos discip
́ ulos:
“Ele estavam a caminho, subindo para Jerusalém, e Jesus ia adiante deles. E, espantados, seguiam-no com medo. De
novo, Jesus tomou consigo os Doze e começou a falar-lhes das coisas que deveriam lhe acontecer. Estamos subindo
para Jerusalém, e o Filho do homem será entregue aos principais sacerdotes e aos escribas. Eles o condenarão à
morte e o entregarão aos gentios; irão zombar dele e cuspir nele, açoitá-lo e matá-lo. Depois de três dias, ele
ressuscitará. Nisso aproximaram-se dele Tiago e João, filhos de Zebedeu, dizendo-lhe: Mestre, queremos que nos
faças o que te pedirmos. E ele lhes perguntou: Que quereis que eu vos faça? Eles lhe responderam: Concede-nos que
na tua glória nos sentemos, um à tua direita e outro à tua esquerda. Mas Jesus lhes disse:

Não sabeis o que pedis. Podeis beber o cálice que eu bebo, ou ser batizados com o batismo com que sou batizado?
Eles responderam: Podemos. Mas Jesus lhes disse: Bebereis o cálice que eu bebo e sereis batizados com o batismo
com que sou batizado; mas o sentar-se à minha direita, ou à minha esquerda, não cabe a mim concedê-lo; isso é para
aqueles a quem está reservado. Ouvindo isso, os dez começaram a indignar-se contra Tiago e João. Então Jesus
chamou-os para junto de si e lhes disse: Sabeis que os que são reconhecidos como governantes dos gentios têm
domínio sobre eles, e os seus poderosos exercem autoridade sobre eles. Mas entre vós não será assim. Antes, quem
entre vós quiser tornar-se grande, será esse o que vos servirá; e quem entre vós quiser ser o primeiro, será servo de
todos. Pois o próprio Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e para dar a vida em resgate de
muitos.”

enquanto Jesus exercia autoridade para servir, os discípulos ambicionavam poder para
dominar. Houve uma crise entre os discip ́ ulos por questão de poder! Manifestou-se outra vez a
tendência de discutir quem entre eles era o maior, como já havia ocorrido no capit́ ulo anterior (9.33-
35). Não fosse a intervenção de Jesus, teria acontecido uma divisão com base em interesses
pessoais.

 Para Jesus, o maior e o mais importante é aquele que serve. Jesus ensinou isso com o
Seu exemplo. A Sua autoridade se manifestava na Sua disposição para servir. A liderança
cristã, segundo o modelo de Jesus, adota o princípio da submissão ao superior e serviço ao
subordinado, uma grande quebra de paradigma para os discípulos e uma concepção
totalmente contrária ao pensamento da sociedade atual.

 Na igreja, o modelo é Cristo e o alvo é servir como Ele. Se Jesus não almejou o poder, a
́ io, a fama, por que alguns lid
vaidade, o prestig ́ eres buscam tanto essas coisas?
CARACTERÍSTICAS DE UM BOM LÍDER DE CÉ LULA
Vamos, agora, verificar quais são as caracteriś ticas de um bom lid ́ er de Célula. Todas as a seguir
mencionadas são aplicáveis à liderança bib
́ lica em geral, sobretudo na célula. Todo lid́ er que deseja
fazer a obra de Deus deverá buscar essas qualidades em oração até que cada uma delas seja
gerada pelo Espiŕ ito Santo no seu interior. O Espiŕ ito Santo trará uma profunda crise até que isso
aconteça na vida de todo aquele que ardentemente desejar essas qualidades impressas em seu
caráter.

Com a lista a seguir, não estamos afirmando que apenas um crente experiente pode
se tornar um líder de célula. Não importa o tempo de convertido de uma pessoa. O
que importa é a intensidade de sua busca por ser o exemplo de cristão e de líder
que todos esperam. Esses aspectos certamente farão a diferença para que você
colha bênçãos de Deus como líder:

̃ Exemplar
1 - Testemunho cristao

Um conceito muito difundido na Bib ́ lia é o de ser irrepreensiv́ el, ter uma vida cristã saudável. Ser
uma referência de cristão é muito importante para alcançar vitórias que engrandeçam o precioso
nome de Jesus. Para ser um lid ́ er de Célula, é necessário em primeiro lugar ter uma vida cristã
exemplar, compromisso e a compreensão de que ser lid ́ er é um privilégio e não um sacrifić io.

O maior desafio de um lid ́ er é ser um exemplo para todos, vivendo um estilo de vida bib ́ lico. O
apóstolo Paulo, na carta que escreveu aos Coriń tios, disse para a igreja: “Sede meus imitadores,
como também eu sou de Cristo” (1 Coríntios 11.1). Os membros devem olhar para o lid ́ er da célula
e enxergar um servo de Deus que luta contra sua carnalidade para honrar e glorificar a Deus.

2 - Direçao
̃ do Espiŕ ito Santo
O contrário de ser cheio do Espiŕ ito Santo é ser cheio de si mesmo, de ideias e conceitos próprios.
A igreja precisa de lid́ eres que exerçam liderança por meio do poder do Espiŕ ito Santo. Todos os
́
discip ulos de Jesus que exercem funções de liderança na igreja são chamados, confirmados,
enviados pela igreja e usados por Deus no poder do Espiŕ ito Santo! Viver dirigido pelo Espiŕ ito
Santo faz de um lid ́ er um servo aprovado. “Entrega tuas obras ao SENHOR, e teus planos serão
bem-sucedidos”(Provérbios 16.3).

3 - Consciência de Missao
̃
́ er de célula é uma questão de entendermos a missão para a qual todos nós fomos
Ser lid
chamados. Em Romanos 1.1 temos uma interessante descrição de Paulo sobre si mesmo: “Paulo,
servo de Cristo Jesus, chamado para ser apóstolo, separado para o evangelho de Deus”.
Paulo sempre se apresenta de forma desafiadora para mim e para você. Ele sabia exatamente
quem era e qual era a sua missão. Cada discípulo precisa compreender isso e aplicar no seu
estilo de vida a vocação que recebeu de Cristo.

O lid ́ er consciente de sua missão será motivado, disposto e ousado. Como é bom
termos lid́ eres motivados na igreja, e como é bom estar ao lado deles! Eles nos impulsionam
a seguir em frente e vencer. Na verdade, um lid ́ er motivado tem o crescimento desobstruid
́ o.
Facilmente, esse lid ́ er envolve outros a prosseguir ao seu lado.
 Em segundo lugar, o lid ́ er consciente de sua missão será disposto. Não há nada mais
complicado do que lidar com pessoas indispostas. Elas geralmente não produzem nada, e
com sua indisposição ainda têm a capacidade de influenciar outros negativamente.
Disposição é uma qualidade importante para uma pessoa que está exercendo a liderança.

 Por fim, a consciência de missão traz ousadia. Uma pequena direção dada por Deus,
no nosso Espiŕ ito, nos fará avançar e prosperar naquilo para que fomos dirigidos, sem
qualquer dúvida, questionamento ou sentimento de incapacidade. O lid ́ er que desenvolve
esta qualidade avança, prospera e supera suas próprias limitações.

4 - Vida Devocional consistente

É fundamental que o lid ́ er de célula seja disciplinado e tenha comunhão diária com Deus, vivendo
em temor e de acordo com os ensinos de Jesus. Investir tempo com Deus é a garantia de que sua
liderança resultará em vidas transformadas e frutif́ eras, glorificando a Deus.

Ter uma vida devocional consistente é uma questão de priorizar o reino de Deus. Dia a dia somos
inundados por compromissos e muitas vezes não temos claro quais são nossas prioridades.
Quando lideramos um grupo de pessoas, precisamos dedicar tempo de qualidade para que haja
um crescimento significativo.

̃ à liderança da igreja e sua visao


5 - Submissao ̃
́ er deve ser submisso a sua liderança e ter uma visão que se integre à missão global da igreja.
O Lid
Uma das estratégias de Satanás na vida do lid́ er é fazê-lo rebelde e insubmisso. Submissão não é
prisão, é liberdade. Submissão é um dos segredos de uma vida longa, próspera e cheia de frutos.
Pessoas submissas às autoridades são prevalecentes.

Uma das expressões da insubmissão é a arrogância. Pessoas arrogantes geralmente apresentam


resistência a mudanças e aprendizagem de algo novo. É difić il conviver com alguém duro,
resistente e cheio de razão. Pessoas intratáveis nunca erram, sempre estão com a razão ou se
justificando e, finalmente, nunca terão o caráter transformado. Se existe algo que nós devemos
aprender nestes dias, é a capacidade de sermos ensináveis e tratáveis. Disponibilidade para
inclinar os ouvidos e o coração para ser ensinado é algo necessário e urgente. Somente aqueles
que têm o coração amolecido por Deus e se deixam ensinar e tratar podem se tornar grandes
́ eres na igreja de Cristo.
lid

Somente aqueles que têm o coração amolecido por Deus e se deixam ensinar e tratar podem se
́ eres na igreja de cristo.
tornar grandes lid

O LÍDER COMO PASTOR DA CÉ LULA

́ er de célula será usado por Deus para pastorear as pessoas da sua célula. O princip
O lid ́ io do
pastoreio envolve cinco princip ́ ios fundamentais:

1. Cuidar das ovelhas (Atos 20.28-29): O lid ́ er visita, aconselha e ora pelo rebanho
doente, é responsável por cuidar da célula, como um pastor cuida do seu rebanho.
2. Conhecer as ovelhas (João 10.14-15): O líder procura conhecer cada pessoa que entra
no grupo e tenta encontrar-se particularmente com ela para conhecê- la melhor.
3. Procurar as ovelhas (Lucas 15.4): Vai atrás da ovelha que deixou de frequentar a
célula.
4. Alimentar as ovelhas (Salmo 23.1-3): O encontro da célula nao ̃ é um estudo bíblico,
mas a palavra de Deus sempre tem um lugar central. As reuniões sao ̃ baseadas no
Tema do Mês – conforme visão dada ao Pastor Presidente.
5. Proteger as ovelhas (Joao ̃ 10.10; Efésios 6.12; 1a Pedro 5.8-9): Na igreja em células,
cada 10 membros em média estao ̃ sob os cuidados e orientaçao ̃ de um líder (pastor
da célula) e um auxiliar, que saõ responsa ́ veis pela proteç a ̃
o do seu rebanho (Atos
20.28-31). Proteger envolve muita oração por cada pessoa, buscar levantar um
discipulador para cada um na célula, e agir rápido para tratar situações críticas.

RESPONSABILIDADES DO LÍDER DE CÉ LULA

❖ Orar diariamente pelos membros de sua célula;

❖ Pastorear os membros da célula e ajudá-los a viver uma vida cristã vitoriosa;

❖ Garantir que cada semana o relatório da célula seja fielmente preenchido e entregue à
liderança.

❖ Guiar e motivar os membros de sua célula a envolver-se na vida da célula de todas as


formas possiv́ eis (participando, opinando, trazendo pessoas novas);

❖ Buscar garantir um clima de companheirismo, alegria e comunhão entre os membros;

❖ Distribuir tarefas e responsabilidades entre os membros, e formar novos lid


́ eres,
treinando-os de acordo com os mesmos valores e princiṕ ios;

❖ Preparar a multiplicação, de maneira que uma nova célula seja gerada de forma
natural e saudável.

O LÍDER DE CELULA TEM SOB SEUS CUIDADOS O QUE A IGREJA TEM


DE MAIS VALIOSO: AS PESSOAS

AULA 3 – ELEMENTOS IMPORTANTES PARA A


CÉ LULA
Para que toda célula se torne saudável, é importante que o lid́ er fique atento a alguns elementos
essenciais para a vida de uma célula. Nesta aula falaremos de alguns elementos essenciais para
que a célula aconteça. Claro que estes não são os únicos elementos que garantem o sucesso da
célula, mas consideramos importante falar de alguns deles.

PRIMEIRO ELEMENTO – UM BOM LOCAL


Pode parecer que não, mas o bom preparo do local onde acontecerá o encontro da célula também
é fundamental para que todos fiquem à vontade, bem acomodados. Um lugar bem cuidado e
aconchegante também ajuda os membros e convidados a sentirem que estão num lugar
especialmente preparado para recebê-lo.

1. QUANTO À ESCOLHA DO LUGAR DE REALIZAÇÃ O DA CÉ LULA

 Muitas células escolhem se reunir cada semana na casa de um dos membros. Por muito
tempo esta foi a nossa prática, mas temos percebido que muitas vezes isso limita o
crescimento da célula, a permanência dos convidados e a visita do supervisor de célula.
 A orientaçaõ da nossa liderança é que as células sejam FIXAS, ou seja, tenham apenas
um endereço onde se encontram todas as semanas.
 O ideal é que a célula aconteça na casa de um membro da célula, e não do lid́ er. Fazendo
assim, envolvemos o máximo de pessoas na realização da célula sem sobrecarregar o lid ́ er.
 A célula fixa ajuda a criar uma identidade da célula, além de ser mais fácil para a célula
alcançar a vizinhança. Quando uma célula é fixa, é mais simples encaminhar um novo
convertido que mora naquele determinado bairro.

 O lugar fixo também impede que as pessoas cheguem sempre atrasadas ou se percam no
caminho para um novo endereço. Os convidados podem sempre ir direto para o mesmo
endereço sem ter que se preocupar onde será a célula naquela semana.
 Caso o anfitrião não possa receber a célula em uma determinada razão (viagem, trabalho,
etc), a célula deve se encontrar em outro local sem desmarcar a reunião. Por isso é bom
sempre ter uma casa “reserva” de outro membro da célula que concorde em receber as
reuniões quando houver necessidade.

2. QUANTO AO ASPECTO FÍSICO DO LOCAL

 O local de reuniões normalmente é uma casa, o lar de irmãos da igreja. Um ambiente


institucional pode não ser muito propić io para uma boa comunhão, a não ser que tenha uma
atmosfera agradável.
 As casas são associadas com famiĺ ias e amigos, e os lares são o ambiente mais apropriado
para a comunhão depois da reunião, mas não há problema em fazer em outros lugares uma
vez ou outra.
 Evite fazer a reunião em locais de comércio, de muita circulação de pessoas passando pelo
local.
 Dentro das possibilidades, o lugar das reuniões deve ser bem arejado, com uma temperatura
agradável e circulação de ar. Muito calor deixa as pessoas tontas e sonolentas. Se possiv́ el,
use ventiladores discretos, pouco barulhentos.
 O local deve ter uma boa iluminaçao ̃ , nem fraca nem excessiva.

3.QUANTOÀDISTRIBUIÇÃ ODOSASSENTOS

 Se a casa for muito grande e tiver uma grande mesa, e o grupo não for muito grande (entre
6 e 12 pessoas), pense na possibilidade de fazer a reuniao ̃ ao redor de uma mesa. Este
tipo de reunião produz o máximo de concentração, além de apoio para as Bib ́ lias e outros
materiais que a pessoa queira usar, até mesmo para escrever.
 Caso prefiram o método das mesas, pode ser necessário conseguir ou construir uma mesa
grande, ou juntar várias mesas antes da reunião.
 A reunião pode ser feita com as pessoas sentando em sofás e poltronas. O ideal é que eles
não fiquem muito longe uns dos outros, nem num formato muito quadrado ou irregular.
 Evite cadeiras de balanços ou espreguiçadeiras, pois elas podem produzir muito ruid ́ o ou
fazer com que as pessoas durmam.
 As pessoas precisam estar olhando uma para as outras. O formato de igrejinha, com as
pessoas olhando umas para a nuca das outras, não é recomendado. Por isso, use as
cadeiras ou bancos em forma de ciŕ culo, quando o ambiente permite. Isto permite que todos
possam se ver.
 Antes da chegada das pessoas, coloque os sofás e cadeiras em forma de ciŕ culo. Se
necessário, traga as cadeiras da sala de jantar, para que haja suficientes assentos para todo
mundo.
 Deixe o círculo largo o bastante para que ninguém se sente fora dele. Caso algumas pessoas
faltem, vocês podem estreitar o ciŕ culo depois.
 Evite cadeiras desconfortáveis, com as pernas moles, quebradas ou rangendo. Evite
também colocar pessoas “bem nutridas” em cadeiras plásticas de capacidade duvidosa.

DICAS ÚTEIS PARA O BOM ANDAMENTO DA REUNIÃ O


 O crescimento da célula não é um problema, pois ela logo vai se multiplicar, mas evite, a
todo custo, que ela se pareça com um culto de celebração ou uma reunião de sócios de um
clube.
 É importante, se possiv́ el, ter uma mesinha pequena (ou outro móvel parecido) no centro ou
ao lado do ciŕ culo, tipo mesinha de café.
 Evitem distrações como televisão ou rádio ligados, pessoas transitando pelo meio da
reunião ou eventos paralelos na casa.
 Desde o inić io da reunião, já tenha um pacote de guardanapos de papel na mesinha, pois
normalmente algumas pessoas precisam, para chorar ou tossir.
 O banheiro deve estar limpo, com papel higiênico, toalha e sabonete para as mãos bem à
vista.
 Desligue ou desconecte as extensões de telefone que ficarem no local onde será a reunião,
assim como mantenha seu próprio telefone celular no modo silencioso ou desligado.
 Dependendo do caso e idade dos membros, mantenha uma jarra com água ao lado do
ciŕ culo desde o inić io. Se for possível, tenha café e copinhos à disposição também. O café
age como estimulante e para pessoas que tiveram um dia puxado de trabalho, ele servirá
para mantê-las acordadas e atentas.
 ́ er não precisam providenciar o lanche toda semana; peçam aos outros
O anfitrião ou o lid
membros para trazer o lanche, observando uma escala de rodiź io entre os membros que
podem fazê-lo.

SEGUNDO ELEMENTO – UMA BOA ATMOSFERA


A atmosfera de uma célula é um dos aspectos mais importantes para um bom encontro de célula.
É a atmosfera da célula que fará dela um lugar gostoso, receptivo e espiritual, onde todas as
pessoas se sentirão animadas e felizes. Muitas vezes uma má atmosfera impede a célula de ter
uma reunião agradável.

A boa atmosfera da célula deve ser claramente perceptiv́ el pelos dos de fora, de maneira que
possam ser atraid ́ os para Deus, mas para nós também. Membros e visitantes devem sentir-se em
casa. Essa atmosfera deve ser gerada pela fé, em oração, mas deve ser expressa por obras de
atenção, cuidado, serviço e amor.

́ er precisa fazer o possiv́ el para que todas as reuniões e atividades da célula, seja a reunião
O lid
no lar ou qualquer comunhão fora, possua “três atmosferas”:

❖ A atmosfera de alegria vai contagiar todos os presentes e os novos, pelo clima de


descontração e presença de Deus, produzindo encorajamento e bem-estar. A célula deve ser muito
alegre!

❖ A atmosfera de fé atrai o sobrenatural, move a mão de Deus em favor da célula; gera-se uma
expectativa de milagres, de cura, de manifestação de Deus, a ponto da vizinhança inteira ser
afetada pela presença de Deus na vida daquela célula. A célula deve ser cheia de fé!

❖ A atmosfera de amor vai unir cada vez mais os membros da célula, aponto desse amor
transbordar para os de fora, que saberão que somos verdadeiramente discip
́ ulos de Jesus, e vão
querer sê-lo também. A célula de transbordar de amor pelas pessoas!

PREPARANDO A ATMOSFERA:
Os donos da casa, anfitriões, devem ser bons acolhedores, amigáveis, ter bom relacionamento
com a vizinhança, e ser os primeiros a dar as boas vindas aos visitantes, deixando-os bem à
vontade.
❖Antes que qualquer pessoa chegue, o lid ́ er e o anfitrião devem separar cinco minutos para eles
mesmos, sentar-se no ciŕ culo e orar pela reunião, para que abênção de Deus venha sobre todos.
Se desejar, convide o núcleo da célula para chegar 15 minutos antes para interceder pela
̃ , orando por cada momento e individ
reuniao ́ uo da célula.

❖De novo, cheque a atmosfera fis ́ ica e espiritual de sua casa. Veja se não está muito calor,
se é preciso abrir ou fechar janelas, ligar ventilador, coisas desse tipo. A iluminação deve ser
adequada.

❖ Gatos, cachorros e outros animais domésticos devem ser postos em outro cômodo da
casa durante a reunião. Alguém pode ter medo, não gostar de animais, ter alergia ou qualquer
outro sentimento, e por mais que amemos nossos bichinhos, Jesus ama muito mais as pessoas, e
nós devemos seguir os Seus passos. Todos os membros da casa devem cooperar com a reunião!

❖ Se possiv́ el, que a reunião seja num lugar que as pessoas possam conversar e ter comunhão
depois da reunião.

TERCEIRO ELEMENTO – COMUNHÃ O INTENSA


Em João capit́ ulo 17, temos uma passagem conhecida como “A oração sacerdotal de Jesus”. Ali o
́ ulos. Esse texto é um exemplo de como
Mestre intercede junto a Deus pela vida dos seus discip
um pastor ou lid́ er de cé lula deve orar.

Nessa oração o Senhor ora por proteção e santificação, mas a Sua maior insistência é pela
unidade, comunhão entre os discip ́ ulos. O próprio Jesus disse que se houver intensa unidade
entre os crentes, o mundo saberá que Ele é o Filho de Deus. Este é o poder da unidade!

A célula não deve ser apenas um encontro semanal, ela deve ir muito além disso.
Costumamos dizer em nossa igreja que uma boa reunião de célula semanal representa
apenas 40 a 50% da vida de uma célula naquela semana. Os outros 60 a 50% da vida da
célula está no partir do pão durante a semana, nas ligações, nas visitas, na amizade dos
membros, na oração e jejum uns pelos outros, etc.

A VISÃ O DO PURÊ DE BATATAS

Um grande exemplo que temos para exemplificar a verdadeira unidade é a comparação ilustrativa
a de um purê, onde as batatas são cozidas, descascadas,amassadas, misturadas com sal, óleo e
leite, e transformadas numa deliciosa massa cremosa e homogênea. Uma célula pode ser:

❖Um saco de batatas – onde as pessoas estão juntas no mesmo lugar, mas não estão em
unidade. O saco de batatas não alimenta, é pesado e difić il de carregar.

❖Um purê de batatas – onde as pessoas estão muito unidas e caminham juntas sempre. O
purê de batatas é uma delić ia, alimenta e traz muito prazer e alegria.

A visão do Purê de Batatas nos ensina quatro princip


́ ios para ter uma comunhão intensa na célula:

1. LAVAR AS BATATAS – As batatas precisam ser lavadas em primeiro lugar.

Essa água representa a palavra de Deus. Para cozinhar a “batata” (ganhar uma pessoa para
Jesus), ela tem que ser amolecida na água da Palavra. Não podemos achar que conseguiremos
ganhar as pessoas com nossos argumentos, afinal quem faz o milagre é a Palavra de Deus (Isaia
́ s
55.11).
2. FERVER AS BATATAS – Para cozinhar a batata, precisamos de fogo também. E o fogo é a
intercessão e guerra espiritual que travamos em favor da pessoa em oração. Se a batata tivesse
olhos, ela não veria o fogo porque está dentro da panela, mas mesmo sem vê-lo ela sente seus
efeitos. Da mesma forma, as pessoas da célula devem sentir o efeito de nossa intercessão em suas
vidas quando oramos uns pelos outros.

3. DESCASCAR AS BATATAS – Uma vez que a batata está cozida, precisamos descascar. E a
casca é o que usamos para parecermos mais espirituais aos olhos das pessoas (máscaras).
Devemos tirar as máscaras no discipulado e ser sinceros. Se todos forem discipulados um a um
será mais fácil retirar as cascas.

4. AMASSAR AS BATATAS–Estando descascada, o próximo passo é amassar, ou seja, aproximar


uma batata da outra, até que elas percam sua essência de batata e não seja possiv́ el separá-las
mais. A célula deve ter muita comunhão, como era na igreja primitiva. Partir o pão constantemente,
falar uns com os outros durante a semana, ter tempo de lazer juntos, etc. Assim elas serão cada
vez mais unidas umas às outras.

O PURÊ DE BATATAS NO LIVRO DE ATOS

Os crentes da igreja primitiva praticavam este princiṕ io. Eles tomavam suas refeições juntos com
alegria e simplicidade de coração; Eles tinham muita alegria compartilhada, pela construçao ̃ de
relacionamentos fortes.

❖ Como resultado do purê de batatas, havia grande perseverança entre os irmãos da


Igreja Primitiva (Atos 2.46);

❖ Como resultado do purê de batatas, os crentes primitivos experimentavam muita


alegria (Atos 2.46);

❖ Como resultado do purê de batatas, a comunidade dos crentes primitivos vivia a


simplicidade que caracteriza a toda a mensagem do evangelho (Atos 2.46); ❖Havia
constante ajuda aos necessitados, que eram atendidos em suas necessidades mais
básicas (Atos 2.44-45);

❖ Por conta de serem assim, “muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos”
(Atos 2.43) – o mesmo precisa acontecer hoje;

❖ Eles atraia
́ m novas pessoas para Jesus (Atos 2.46-47);

❖ Quando nos tornamos semelhantes a eles, trazemos abundante graça sobre os


̃ s, sobre a célula (Atos 4.32);
cristao

❖Quando nos tornamos semelhantes a eles, promovemos o crescimento autêntico da


igreja de Jesus (Atos 5.14).

QUARTO ELEMENTO – UM BOM NÚCLEO DE CÉ LULA


Chamamos de núcleo aquele grupo de pessoas da célula que ajudam o lid ́ er a liderar a célula. O
bom lid́ er jamais lidera sozinho, mas mobiliza aquelas pessoas mais “fortes” e comprometidas para
liderar o grupo juntamente com ele.
EXEMPLOS BÍBLICOS DE UM NÚCLEO DE LIDERANÇA
O núcleo da “célula” de Moisés (Êxodo 18.13-26). Jetro, orientou seu genro Moisés a recrutar
homens tementes a Deus e maduros para ajuda-lo a liderar a nação de Israel. O núcleo da “célula”
de Moisés era composto por “homens capazes, tementes a Deus, dignos de confiança e não
avarentos” (v. 21) que o ajudaram a cuidar de todo o povo de Israel, algo que ele jamais conseguiria
fazer sozinho. Assim, na célula, uma das funções do núcleo é ajudar o lid
́ er a cuidar dos membros
da célula.

O núcleo da “célula” de Jesus (Mateus 26.37-38). Jesus escolheu 3 discip ́ ulos (Pedro, Tiago e
João) para caminhar mais próximo dele. Por várias vezes o Mestre os separou para estarem a sós
com ele (Mc 5.37; Mc 9.2; Mc 13.3; Mc 14.33), e mais tarde, Paulo se referiu a Eles como as
“colunas” da igreja cristã (Gl 2.9). Este era o núcleo da “célula” de Jesus. Eles estavam preparados
para ver e ouvir coisas que os outros ainda não estavam, inclusive oraram por Jesus no seu
momento de maior necessidade. O núcleo vai ser mais in ́ timo do lid
́ er, ajudando-o e orando
juntamente com ele nos momentos cruciais.

A IMPORTÂNCIA DE TER UM NÚCLEO DE CÉ LULA

O NÚCLEO AJUDA A CUIDAR DOS MEMBROS DA CÉ LULA.

́ er deve delegar para as pessoas do núcleo o cuidado dos membros da célula. Cada membro
O lid
do núcleo vai ficar responsável por ligar ou visitar pessoalmente uma ou duas pessoas da célula
naquela semana, orar com ela por telefone, e depois prestar contas ao lid ́ er sobre como ela está,
como um pré-discipulado. Assim, todos serão cuidados! No futuro, isso ajudará o lid
́ er a estabelecer
o discipulado definitivo

O NÚCLEO AJUDA A ORAR PELOS PROPÓSITOS DE DEUS

O lid́ er deve compartilhar os sonhos de Deus com os membros do núcleo, afim de orarem com o
mesmo coração e fé por cada propósito para aquela célula. Pedro, Tiago e João foram chamados
a orarem junto com Jesus num ambiente privado, longe dos outros discip ́ ulos em um momento
muito crucial (Mateus 26.37-38). Assim também o lid ́ er deve, em um ambiente separado da célula,
reservado somente para os mais próximos, comunicar claramente os propósitos de Deus para a
célula, como a sua multiplicação, batismos e discipulado. As pessoas poderão ajudar o lid
́ er a orar
diariamente pela multiplicação da célula, pelo crescimento de cada pessoa, nome por nome, pelos
batismos, pela salvação dos perdidos, etc.

O NÚCLEO AJUDA A CONDUZIR A REUNIÃ O DA CÉ LULA

O lid́ er deve envolver o núcleo também na reunião da célula, repartindo atividades e delegando
funções para que todos liderem com ele. Enquanto um membro do núcleo fica responsável pelas
boas-vindas na porta da casa, outro é o responsável por iniciar a célula com uma oração cheia de
fé, o outro vai orar impondo as mãos sobre as pessoas. É importante que as funções sejam
alternadas de um encontro para outro, de modo que todos sejam experimentados em todas as
áreas. Todos têm dons espirituais! Deus deseja usar a todos!

O NÚCLEO AJUDA A CÉ LULA A ALCANÇAR SEUS ALVOS

Os membros do núcleo não vão somente orar pelos alvos da célula, mas também se envolver
ativamente no trabalho. Se a célula deseja começar grupos de evangelismo, os membros do núcleo
poderão liderá-los. Eles darão ideias úteis para realizar eventos importantes, organizar momentos
de comunhão fora da reunião da célula (como um cinema, churrasco, etc), preparar as pessoas
para o batismo, discipular os membros da célula. As boas ideias do núcleo são sempre bem-vindas,
́ er da célula é quem dará a palavra final.
mas o lid
UM NÚCLEO FORTE E CRESCENTE É A CHAVE PARA A MULTIPLICAÇÃ O

Na biologia, a primeira estrutura a se multiplicar em uma célula são os componentes do núcleo.


Sem um núcleo, a célula ficaria desorganizada e deficiente. Por isso, o lid
́ er deve sempre convidar
pessoalmente mais pessoas para fazer parte do núcleo, afim de que ele cresça. Quando o núcleo
estiver com muitas pessoas fortes e bem treinadas, a multiplicação acontecerá rapidamente e com
muito sucesso. O núcleo se multiplicará em dois, e as duas células começarão a nova vida com
lideranças bem formadas.

NOVOS CONVERTIDOS TAMBÉ M DEVEM PARTICIPAR DO NÚCLEO

Pessoas recém-chegadas à célula também podem ser parte do núcleo, desde que já tenham
entregado a vida a Jesus. Em Lucas 9, Jesus enviou seus doze disciṕ ulos a pregarem o evangelho
do Reino e curar os enfermos. Eles só poderiam fazer isso por causa da autoridade delegada de
Jesus.

Pouco depois, em Lucas 10, Jesus enviou não doze, mas setenta discip ́ ulos! De onde esses
cinquenta e oito novos discip ́ ulos vieram? Os estudiosos confirmam que estes são novos
convertidos, frutos da primeira viagem dos discip ́ ulos em Lucas 9. Eles haviam recebido o
́ ulos,
evangelho e deixaram tudo para seguir a Jesus. Assim que eles chegaram ao grupo dos discip
Jesus os enviou para o trabalho e compartilhou com eles a mesma autoridade delegada aos doze.

Não espere os novos convertidos “esfriarem” no primeiro amor para envolvê-los no trabalho. Se
eles estão demonstrando compromisso, dê a eles responsabilidades menores e eles se sairão
muito bem. A única coisa que eles precisam é da autoridade delegada de Jesus, e do seu convite
para ajudar.

QUEM PODE PARTICIPAR DO NÚCLEO?

Convide para participar do encontro do núcleo, membros da célula que:

 São fiéis em participar da reunião da célula;


 Entenderam o propósito da célula e do Reino de Deus;
 Demonstram responsabilidade e compromisso nas pequenas coisas;
 Demonstram algum niv́ el de crescimento espiritual, mesmo que sejam novos

convertidos (muitas vezes os novos convertidos demonstram mais amor e compromisso do


que cristãos antigos).

COMO CHAMAR ALGUÉ M PARA PARTICIPAR DO NÚCLEO?

 Chame a pessoa para uma rápida conversa particular depois da reunião (ou por telefone
durante a semana);
 Honre muito a pessoa pela sua fidelidade e compromisso. Demonstre muita gratidão!
 Abra o coração sobre os propósitos maravilhosos de Deus para a célula.
 Diga a ela que você gostaria muito de contar com as suas ideias e dons para ajudar a fazer
dessa célula, a melhor célula do mundo.
 Fale sobre o encontro do núcleo.
 Esteja sempre atento a novas pessoas para participar do núcleo. Sempre

que identificar alguém que tem crescido em compromisso na célula, que está se
“soltando” mais, naõ perca tempo e chame-a para ajudar.

TOQUE O CORAÇÃ O
No livro “As 21 Leis Irrefutáveis da Liderança”, John Maxwell ensina que um lid ́ er deve tocar o
coração antes de pedir ajuda. Isso significa que você precisa explicar não só “o que fazemos”,
mas principalmente “o porquê fazemos”. Antes de pedir que alguém faça uma visita a outra
pessoa, explique o porquê uma visita é tão importante. Conte uma experiência de alguma visita
que você fez ou recebeu, e como isso foi abençoador. Quando pedir para alguém discipular outro,
conte um testemunho de como isso é maravilhoso, e o quanto isso tem agregado à sua vida.
Resumindo, mostre o seu coração aos seus liderados. Não fale só de tarefas humanas, mas
de propósitos espirituais. Não fale só sobre o que vai acontecer na próxima semana, mas como
essas ações mudarão a eternidade.

PROMOVA UM ENCONTRO DO NÚCLEO DA CÉ LULA

É muito importante fazer um encontro com o núcleo da célula. Ele deve ser curto, objetivo, cheio
de unção e amor. Pode ser uma hora antes de começar a célula, um almoço de domingo, um café
da manhã no sábado, o que você achar melhor. Tome cuidado para não querer falar tudo em
apenas um encontro. Às vezes uma grande quantidade de assuntos atrapalha a compreensão das
pessoas, então, seja bem objetivo. Neste encontro você vai:

AGRADECER MUITO
Seja sempre grato! Jamais comece qualquer reunião sem agradecer (e MUITO!) a presença e a
vida das pessoas, uma por uma. Elas são mais importantes do que o trabalho que desempenham.
Busque essa marca de ser sempre muito amável, muito agradecido, muito humilde.

PASSAR A VISÃO
Tudo o que fazemos não é para a Primeira Igreja Batista, nem para o Pr. Gilson, mas para JESUS!
Lembre as pessoas que a visão da igreja é ser uma igreja apaixonada por Deus e por pessoas, que
desejamos ver muitos perdidos sendo salvos para a glória de Deus. Vale muito a pena trabalhar
pra Jesus!

ENSINAR A CONDUZIR OS MOMENTOS DA CÉLULA


Ensine como cada momento da célula deve ser realizado (por exemplo, quem compartilhar a
palavra deve fazer boas perguntas para fazer todos participarem). Em seguida, divida as tarefas
das próximas reuniões. Informe quem ficará responsável pelos boas-vindas, oração inicial, louvor,
momento de testemunhos, passar a visão, ministração da Palavra, oração pelos pedidos e avisos.
Depois da reunião, agradeça a cada um e dê um “feedback” sobre seu desempenho e no que ele
pode melhorar.

MULTIPLICAR O “PASTOREIO”
Faça uma lista de todos os membros da célula, em seguida, coloque cada um do núcleo como
responsável por cuidar pessoalmente de um ou dois nomes da lista. O cuidado deve ter: no min ́ imo
duas ligações por semana, oração diária por aquela pessoa e se possiv́ el uma breve visita durante
a semana. Esta é a maneira que vamos garantir que cada um será bem cuidado e que não iremos
perder ninguém!

ORAR PELOS ALVOS DA CÉLULA


Mostre às pessoas do núcleo os alvos da célula, depois de mostrar os alvos, avaliem se vocês
estão alcançando ou não. Não se esqueça de ter um tempo de oração precioso por cada alvo,
pedindo a Deus poder do Espiŕ ito Santo e estratégias espirituais para alcançá-los.

DICAS IMPORTANTES:

❖ Para que a célula se multiplique com qualidade, precisamos preparar bem os auxiliares,
deixando-os bem maduros, aptos, capazes, conhecendo profundamente o funcionamento da
célula.
❖ A multiplicação deve ser feita colocando liderança de qualidade nas duas células e
desmembrando o povo sabiamente, para que ambas continuem mantendo o mesmo padrão de
qualidade que produzirá quantidade;

❖ O lid ́ er mais antigo deve continuar dando apoio e atenção ao mais novo, pois os sucessos da
nova célula e do novo lid
́ er são resultado do seu trabalho;

❖ Cada lid́ er deve ter em mente que todos os membros de sua célula são auxiliares e lid
́ eres em
potencial.