Você está na página 1de 143

HISTÓRIA MUNDIAL

AULA 01-02 – Livros

O ESTADO MODERNO EUROPEU

CONCEPÇÃO E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA

Várias definições  professor concorda com: Reunião de feudos sob comando do rei

Crise do século XIV: Enfraquecimento feudal e centralização do poder no rei

Regime político: monarquia absolutista

Símbolo: Louis XIV, França

Centralização de poderes no rei  legislativo, executivo e judiciário  regra

Tipos de monarquia:

Clássico: França e Rússia czarista  rei com amplos poderes nas mãos

Parlamentar: Inglaterra  rei absolutista consulta parlamento para aumento de


impostos, declaração de guerras, etc.

Eclesiástico: Portugal e Espanha  rei + igreja católica

BASES IDEOLÓGICAS:

Teoria do direito divino: Rei como representante de Deus na terra

Maquiavel: O princípe  dicas para os nobres centralizarem o poder em suas mãos

Hobbes: pacto social  homem se associa para sair do estado natural de guerra/conflito

ECONOMIA:

Mercantilismo: conjunto de práticas econômicas do estado europeu

Balança comercial favorável

Estado invervencionista

Protecionismo economico

SOCIEDADE ESTAMENTAL

1º Clero/Rei
2º Nobreza

3ª Camponeses e servos

ILUMINISMO

Antecedentes:

Antropocentrismo

Humanismo: valorização do homem e seu meio

Homem como mais perfeita criação de deus

Lutero: compimento com a fé católica só a fé salva

Livre interpretação da bíblia

Parou com o culto a santos

Século XVII: Revolução científica

Surgimento dos países com catolicismo enfraquecido

Razão sobreposta à fé.

Aplicação da razão às ciências naturais

Copérnico, galileu  Terra é redonda

Kepler: forma dos astros

Empirismo x racionalismo

Descartes: penso, logo existo  império da RAZÃO

Francis Bacon: Razão aprimorada com a EXPERIÊNCIA

Newton, Harvey, Lavoisier, etc.

John Locke: Século XVIII  começa a falar de política e liberdade

Iluminismo: aplicação da razão nas ciências humanas

Razão + liberdade = progresso da nação

Críticas ao estado moderno europeu, que não possui esses três conceitos

Críticas e propostas iluministas


Política: Absolutismo  contratualismo

Propõe um conjunto de leis que limite o poder dos governantes e governados

Contrato pode propor monarquia ou república

Precisa respeitar a divisão dos poderes

Montesquieu  voto censitário à posse de bens  quem intervem no poder

Rousseau: voto geral  radical

Economia: mercantilismo  livre mercado (laissez-faire, laissez passer)

Mais liberdade e mais riqueza

Crítica ao protecionismo, intervenciosmo e pacto colonial

Fisiocracia: principal fonte de riqueza éa terra  França

Livre comércio aplicado aos produtos da terra geram riquezas

Incentivo à economia agrícola  França como maior principal agrícola

Escola clássica: principal fonte de riqueza é o trabalho

Liberalismo econômico  Inglaterra

Mão invisível regula oferta e procura  desnecessário o estado.

Sociedade: Estamental  Igualdade jurídica

Crítica à falta de mobilidade estamental

Quem pensava: burguesia e nobresa estamentada  sem crescimento

Igualdade jurídica: destaca quem tem capital

Ideologia: Fé  Razão

Voltaire  liberdade de expressão

Laicismo estatal

Diderot e D’Alembert: Enciclopédia dos Iluministas

Despotismo esclarecido: tentativa de conciliar monarquia com iluminismo

Progresso e consolidação de poder

Frederico II, Prussia: abolição à censura, reforma educacional, reforma no


judiciário e reforma na agricultura.

Catarina II, Russia: Liberdade de culto e apoio às artes


José II, Austria: fim da servidão, da tortura, submissão da igreja ao estado
(josefismo)

AULA 03-06: REVOLUÇÃO FRANCESA (1789-1799)

ANTECEDENTES

Crise Política

Luis XV: viúvo  trouxe amante para a corte

Luis XVI + Maria Antonieta: casal real contestado pela corte

Ele fraco e ela, arrogante, detestada.

Iluminismo mais forte do continente europeu  vai bater com o absolutisto mais forte

Crise social

1) clero: 0,5%
2) nobreza: +- 1,5%
3) 3º estado: 98%  trabalhadores braçais, burguesia, escravos da colonia, etc.

Maior parte sustentando a minoria  barril de pólvora

Queda da bastilha: recusa do povo em sustentar o 1º e 2º estado

Caos econômico

Gastos excessivos do rei e da nobreza  versailes

Impacto orçamentário e político em um contexto de insatisfação real

Gastos com guerras:

Guerra dos 7 anos: Fr X Ing.  Ing vence

Revolução americana  apoio aos EUA

Tratado de Eden: FR importaria produtos ingleses sem tarifa alfandegária

Ing importaria produtos agrícolas dos FR.

Quebra das manufaturas francesas: não conseguem concorrer com os produtos


industrializados ingleses  desequilíbrio na BCF

Crise agrícola (1786-1787): vulcão entra em erupção  mudança climática por 1 ano e
meio

Situação de fome e miséria  importação


Forte endividamento externo  nenhum banqueiro queria emprestar

Impostos injustos  pago pelo 3º estado  sem capacidade de aumento

Solução: Taxar o primeiro e o segundo estado  apresentada por iluministas

Reação nobliárquica  revolta dos notáveis  não aceita

Viola o pacto de criação do estado absolutista que lhes davam terras e isenções
tributárias

Luis XVI não realiza a taxação

Solução: Assembleia dos Estados Gerais  Luis XVI convoca o parlamento

Crise dos Estados Gerais (1788-1789)

3º Estado: Euforia  nunca tinham participado

Difusão do Iluminismo ao povão

Esperança de dias melhores

Decepção: regra de voto orgânico  Cada estado tinha direito a um voto

Proposta de voto inorgânico  recusado por Luis XVI

Membros do 3º Estado + alguns representantes do clero e nobreza forma Assembleia


Constituinte (Junho/1789)  impor a taxação do primeiro e segundo estado

Luix XVI forma tropa para combater a constituinte  Não sabia se a Assembleia
Constituinte exigiria somente isto

Necessário armar o povo  na Bastilha (prisão política desativada)

Queda da Bastilha (14/07/1789)

FASES DA REVOLUÇÃO FRANCESA

1) Era das Assembleias (1789-1792)

Fase moderada

3º Estado domina a França

Principal objetivo: acabar com privilégios do clero e da nobreza

O que ocorreu:
“Grande Medo” Revolta da Queda da Bastilha. Povo se revolta e ataca a
nobreza/realeza.

Assembleia Constituinte comanda a França  acalmar o povo. Medidas:

Abolição dos direitos feudais  ataca o primeiro estado

Fim da isenção fiscal e do monopólio sobre a terra

Cria a Constituição Civil do clero  ataca o segundo estado

Confisco de bens

Funcionalismo público  membros deixam de ser submissos ao papa e passam


a ser ao estado

Obs: Rompimento com o vaticano

Obs: cisão interna na igreja  Clero refratário (não aceita a revolução) x clero
regular/juramentado (não se incomodam – foco no espiritual)

Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão  igualdade jurídica (não


social)

Criam a Constituição de 1971 (1ª da França)

Monarquia constitucional  rei manda mas não governa

Tripartição dos poderes

Voto censitário

Criação de Assembleia Nacional Legislativa  governo de fato

Estado Laico

Igualdade jurídica

Consequências

Formação do Exército Contrarrevolucionário/A primeira coligação pelas nações


absolutistas  liderado pela Áustria  invadir e acabar com a Revolução

Tentativa de fuga real  fracasso  revoltas populares contra ele pela traição

Queda de Luis XVI Comuna de Paris  Proclamação da República

2) Convenção Nacional (1792-1794): Era das Antecipações

Muitas demandas sociais


Fase radical  impor transformações à sociedade francesa a todo custo

Assembleia nacional vira Convenção Nacional

Girondinos  alta burguesia  influência de Montesquieu (revolução política)

Jacobinos  baixa burguesia  influência de Rousseau (revolução política e social)

Sanculotes  trabalhadores urbanos  pensamento radical (revolução social)

Quem dominou: girondinos  primeiro momento (menor tempo)

Jacobinos (apoio do pantano e planície)  segundo momento (MAIOR TEMPO)

O que ocorreu:

Execução de Luis XVI  guilhotinado (depois executa Maria Antonieta)

Decisão dos Jacobinos, quando assumem o poder

Criação de um novo calendário revolucionário  rompimento com o católico

Criação de Comitê da Salvação Pública Líder: Robespierre (jacobino)

Criação do exército profissional  defesa a Revolução Francesa

Plano de cargos e salário + meritocracia do soldado

Alistamento obrigatório

Criação da Constituição (1973)

Voto universal

Abolição da escravidão nas colonias francesas  igualdade jurídica

Reforma agrária

Ensino público gratuito e de qualidade

Pensões para viúvas e órfãos

Obs: Lei do Máximo  preço máximo dos alimentos  controlar inflação por
taxação do governo  mercado negro

Terror Revolucionário: Jacobinos querem punir quem pensava contra eles

TODOS eram punidos, inclusive Jacobinos

Conflitos internos entre os Jacobinos

Consequências

Vitórias do exército  derrotas à II coligação


Crise econômica não controlada pela Lei do Máximo

Crescente insatisfação popular

Cisão interna jacobina  discutem quem tem a melhor solução para a crise

Golpe do 9 Termidor: Ascenção dos Girondinos

Reação Termidoriada

3) Diretório nacional (1794-1799): Era das consolidações

Acabar com a lógica social  manter apenas as medidas da revolução política

Fase conservadora  manter o domínio do poder nos girondinos

O que ocorreu:

Nova constituição (1975):

Fim das medidas populares reforma agrária, abolição da escravidão nas


colonias

Governo fraco e corrupto na visão da população

Insurreições de todos os lados  nobreza, povo, etc.

Ex: Conspiração dos iguais: estabelecer igualdade social  popular

Revoltas inexitosas: repressão do exército DESTAQUE

Napoleão Bonaparte  a imagem da França que dá certo

Líder do Exército  quem bota ordem no caos

Consequências:

Caos econômico

Profunda insatisfação popular

Governo frágil

Exército maravilhoso  expulsa contrarrevolução (2ª coligação) + expande revolução


francesa

Napoleão passa a conquistar territórios

18 de Brumário: Napoleão toma o poder

Governo pessoal de Napoleão  Era Napoleônica


ERA NAPOLEÔNICA (1799-1815) – AULA 06-08

1ª PARTE: CONSULADO (1799-1804)

Constituição de 1799: executivo dividido em 3 consules

A cada reforma, o poder centralizava no 1º consule  Napoleão

Paz externa:

Paz de Luneville  França x Austria

Paz de Amiens  França x Inglaterra

Concordata com a Igreja

Igreja reconhece governo de Napoleão como consequência da Revoução francesa

Napoleão autoriza ensino de catequese nas escolas públicas

Igreja teme perder fiéis e poder na Europa Ocidental  França com maior número

Estado continua sendo laico

Permanece o calendário revolucionário

Anistia geral aos presos políticos  conciliação interna

Novas bases jurídicas  zerar discussão  novos ilícitos é que ocasionam prisão

Código Civil Napoleônico: conjunto de leis para organizar o dia-a-dia da sociedade francesa

Como obter dinheiro

Impostos: todos os franceses pagam  estrutura fiscalizatória

Venda da Louisiana para os EUA  Vender antes de perder

Promover saques em territórios franceses no expandidos  roubar riquezas

Banco da França: único banco para distribuir a moeda unificada  Franco

Sociedade de fomento à indústria  empréstimos à iniciativa francesa  apoio operário

Reforma agrária francesa: pequenos e grandes produtores fortes até hoje  apoio campones

Plebiscito: 70% dos franceses votam pelo império

2ª PARTE: IMPÉRIO NAPOLEÔNICO (1804-1814)


Principal objetivo: Conquitar o mundo (Europa)

Retomada das guerras

Vitórias no continete

Fracassos nos mares (Marinha francesa + espanhola  perde a Batalha de Trafalgar)

O que fazer: bloqueio continental à Inglaterra  Tratado de Berlim (1806)  não funciona

Inglaterra incrementa comércio com a América (abertura dos portos brasileiros)

Pirataria  napoleão não consegue fiscalizar

Países dispostos a romper com o bloqueio continental:

França não adquire produtos da europa continental

Países continentais perdem o mercado da inglaterra  matéria-prima x industria

Portugal: D. João ameaçado  primeiro país a furar o bloqueio

Guerras de Bloqueio:

Penísula Ibérica (1807): França + espanha invadem Portugal (Trat. Fontellebleu)

Invade Espanha  sequestra Rei e insere João Bonaparte

Campanha da Rússia (1812): 2 problemas  inverno + tática de terra arrasada

Exército chega a Moscou defasado

Czar nega a assinar rendição  exército recua  Rússia ataca

Declínio napoleônico

Derrota na Rússia

Batalha das Nações (1813)  Saindo da Rússia  derrota de Napoleão em Leipzig (Alemanha)

Suíça, França, Rússia, Prússia, etc.

1º Tratado de Paris (1814): Rendição  Exílio

Queda do império

Restauração Francesa  Assume o trono Louis XVIII

Napoleão é símbolo da revolução  sua derrota é a derrota da revolução

Retorno ao passado

Exílio na Ilha de Elba


Exigência de levar 100 homens

Ajuda externa na fuga

Marcha a Paris  retoma o exército  mais lealdade a ele, que criou, q a Louis XVIII

3ª FASE: GOVERNO DOS 100 DIAS (MARÇO-JUNHO/1815)

Caos institucional

Volta das guerras  inimigos reagem

Batalha de Waterloo (1815)  Derrota definitiva

2º Tratado de Paris

Exílio: Ilha de Santa Helena  até a morte (1821)

RESTAURAÇÃO EUROPEIA (1815-1871/1848)

Congresso de Viena (1815)

Após assinatura do 2º Tratado de Paris (1814-1815)

Comemorar derrota de Napoleão + Reestruturar a europa

Protagonistas: Inglaterra, Austria, Prússia, Russia e FRANÇA (FR. Restaurada do Louis XVIII)

Ing + Aust: equilíbrio  igualdade de forças no continente

Inglaterra tem marinha mas não controla o continente  igualdade lhe dá mais
poder

Austria tem medo que a Prússia invada o Sacro Império Romano-Germano

Prussia + Rússia  expansionismo

França  resgatar o prestígio perdido

Princípios

Legitimidade  resgatar ideia de direito divino dos reis

Os que perderam o trono em razão das conquistas de Napoleão

Compensações  nova divisão territorial europeia

França com vários territórios para dividir

Novo mapa europeu  divisão territorial “equilibrada” 


Equilíbrio  principais potências satisfeitas paz

100 anos sem guerras sistêmicas (envolvendo todas as potências)

Intervenções 

Na região do Sacro Império Romano Germânico

Napoleão cria a Confederação do Reno países germânicos com influência de napoleão


Império austríaco acaba com ela  propõe nova divisão

Surge a Confederação Germânica (39 estados)

Retorno da Companhia de Jesus

Extinta no século XVIII

Espalhar o catolicismo

Consolidar o direito divino dos reis

Romancismo: retorno ao passado anterior glorioso

Proibição do trafico negreiro ao norte do equador

Divisão da Polonia: Austria + Prussia + Russia

Criação do reino dos Paises Baixos: Holanda + Belgica

Criação da Quadrupla Aliança: austria + prussia + russia + inglaterra

Intervenção militar na França  evitar surpresas

Esboço dos princípios de governança mundial

Outros congressos

Aix de La-Chapelle (1818)

Retirada da intervenção na França

Pode entrar na aliança militar  quíntupla aliança

Congresso de Troppau (1820)

Protocolo de Troppau  oficialização da Santa Aliança

Objetivo: evitar revolução nos moldes da francesa

Contexto histórico: pequenas revoluções após o Congresso de Viena


Oposição inglesa  discorda do antigo regime

Congresso de Laybach (1821)

Contexto: revoltas liberais na penísula itálica

Resultado: intervenção austriaca

Crítica inglesa

Congresso de Verona (1822)

Contexto: revolução de Cadiz, Espanha  Rei pede ajuda à Santa Aliança

Resultado: França intervem na Espanha

Cria “Os 100 mil filhos de são luis”  Exército

Oposição inglesa  ISOLAMENTO ESPLÊNDIDO

Se retira do sistema de congressos

Se recusa a intervir nas revoltas europeias

Foco para fora da Europa  intervinha apenas em países pequenos para manter
equilíbrio

Revoluções Liberais (1820, 1830 E 1848)

1820:

Portugal: Revolução do Porto  queriam limitar o poder do rei + retorno do pacto colonial

Constituição de 1826: D. João reina mas não governa

Não retorna o Pacto Colonial  processo de independência brasileiro

Espanha: Revolução de Cadiz  acabar com o absolutismo de Fernando VII

Não deu certo: França intervém

Oposição inglesa com medo que a intervenção francesa se estendesse às colonias

Acordo com a Franca para que intervenção se limitasse ao continente

Grécia: Independência do Imperio Turco-Otomano

Apoio da Rússia  obter saída para o mar quente  pá de cal na Santa Aliança
Apoio da Inglaterra  medo que a Russia consiga a saída para o mar quente

Vai se alinhar à Inglaterra

1830:

França: revolução dos 3 dias gloriosos

Queda de Carlos X

Monarquia constitucional  Louis Filipe (rei Burgues)

Belgica: independência do reino dos países baixos

Ordem política  nacionalismo

Ordem religiosa  catolicismo (belgica) x protestantismo (holanda)

Apoio da inglaterra  Tratado de Defesa Perpétua da Belgica (1831)

Em prática com a invasão alemã na 1ª guerra mundial

1848: Primavera dos Povos

Primavera dos povos: cisão do 3º estado  burguesa x proletariado

Burguesia chegou ao poder e não quer largar

Povo se revolta pq foi usado como massa de manobra

Até então eles tinham um objetivo comum: acabar com privilégios do 1º e 2º Estado

Não acontece na Inglaterra (cartismo), Portugal (revolta da maria farinha)

França: revolução popular  república

Influência do socialismo x reação burguesa

Eleição de Luis Bonaparte (sobrinho)  2º império francês em 1852

Alemanha e Itália: unificação

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – AULA 09 E 10

Inaugura o mundo no processo econômico moderno

Inglaterra  mudança política provocou a econômica


Contesto europeu: conflitos religiosos intensos

ANTECEDENTE POLÍTICO: REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII (1640-1688)

Aspecto econômico: processo de cercamento

Aspecto político: Rei x parlamento  reflete no aspecto religioso

Aspecto social

Aspecto religioso: rei ligado aos anglicanos e católicos x parlamento ligado aos puritanos

Também conhecida como “revoluções puritanas”

Absolutismo inglês era o tipo parlamentar

Tradição parlamentar remontava à idade média  parlamento como instituição consagrada

Vai se distinguir dos outros parlamentos europeus  mais fracos

Câmara de lordes e câmara dos comuns

Limitação ao poder do rei no campo militar e no campo fiscal

Novos impostos e exercito dependiam de autorização do parlamento

Território em ilha permite não dispor de exército sem afetar a soberania na idade média

Fortalecimento do poder monárquico na dinastia Tudor

Ápice do absolutismo

Autonomia financeira  riquíssimos e não dependiam da autorização financeira do parlamento

Fator 1: Reforma religiosa

Henrique VIII  igreja anglicana e confisco dos bens da igreja  $$$$$$$

Fator 2: cercamentos

Venda das propriedades da igreja à burguesia  classe ascendente com $$$$

Propriedade pública vira privada  cerca para proteger e defender

Surgimento da Gentry  nouveau riche ingleses  gentalha

Alta burguesia dona de terras e no parlamento

Pequena nobreza

Apoiavam a revolução puritana  ideal calvinista de predestinação


Inserção dos métodos burgueses de administração

Consequência: Exodo rural

Cronologia

1603: morre Elizabeth I

Última Tudor

Rainha virgem  sem herdeiros

Assume Stuart  agrava conflito entre rei e parlamento

Forte tendência absolutista dele que continua com os filhos

James I e Charles I  1603-1640

Burrice da raça era famosa ¬¬

1640-1649: Guerra Civil na Inglaterra

Rei Charles I precisa de autorização do parlamento para formar exército e repelir invasão
escocesa

Parlamento: receio de que o exército seja usado pelo rei contra eles  conflitos anteriores

Condiciona a formação do exército à sua liderança  rei não aceita

Parlamento declara formado o exército

Rei forma seu próprio exército

Rei

Apoio dos Long hair

Absolutismo

Anglicanos + católicos

Parlamento

Apoio dos round heads

Primazia parlamentar

Puritanos

Cromwell: New model army

Militar parlamentarista  influencia napoleônica

Treinar e agregar classe pobre ao exército com ideais parlamentaristas


Inovação pois só quem podia assumir o exército era a nobreza

Colapso do exército de Charles I  foge pra Escócia

Charles I se recusa a mudar de religião  devolvem pra Inglaterra como prisioneiro

Execução

1649: Proclamação da República  Common Wealth

Centralização no Parlamento

Líder: Cromwell  lord protetor

Regime autoritário  profunda censura

Opressão religiosa aos puritanos

Destaques:

Execução de carlos I

Conquista da Escócia e Irlanda

Atos de Navegação

1649-1660

Expansão militar e colonial

1652: Atos de navegação: Proibição que navios estrangeiros aportem em portos ingleses

Obriga a burguesia inglesa a investir na produção naval

Guerra contra países baixos:

Tomada da Jamaica

1658: morte de Cromwell

Governo de Richard Cromwell  incompetente  morte

Radicalização das demandadas populares

Apoio de parte do exército parlamentar

Levellers: todo mundo tem direito a voto

Diggers: reforma agrária radical  terras pertencem ao povo


Contenção dos movimentos por setores conservadores do parlamento

Restauração da monarquia (1960)  James II e Charles II

1660-1668: restauração da monarquia

Crescente aproximação da frança absolutista

Tensões com o parlamento

Charles II foge após ameaças do parlamento

1688-1689: Revolução gloriosa  não há derramamento de sangue e destronam Charles II

Novo casal real: Mary Stuart e Guilherme D’orange

Primazia do parlamento sobre o rei

Bill of rights  Rei reina mas não governa

Protagonismo do Parlamento da economia britânica

Influência da Burguesia

AULA 11 E 12 (ASSISTI A SEGUNDA METADE DA AULA 5 DO CURSO 2016)

(continuação após fim das revoluções inglesas)

FATORES PARA A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL TER OCORRIDO NA INGLATERRA

Burguesia com imenso poder político

Decorrente do poder do parlamento

Acúmulo de capitais na Inglaterra

Corso: pirataria

Exploração de manufaturas

Atos de navegação

Cobrança de impostos nas colônias  independência das 13 colonias


Tratados desiguais  Ex: Portugal (vinho) x Inglaterra (tecidos)

Tráfico negreiro

Disponibilidade De Matéria Prima

Carvão e ferro

1ª revolução industrial era máquina a vapor (carvão) feita de ferro

Disponibilidade De Mão De Obra

Origem no cercamento dos campos

Cercamento dos campos: Êxodo rural decorrente de expulsão dos camponeses pros campos

Exercito industrial de reserva

Maior número de mão de obra  mais barata

CONSEQUÊNCIAS DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

Afirmação do capitalismo industrial

Surgimento da idade contemporânea  ponto de vista econômico

Ponto de vista político  revolução francesa

Hegemonia mundial britânica

Bipolarização social  marx

Burguesia (detentor dos meios de produção) x proletariado (vende força de trabalho pra
sobreviver)

Luta de classes

Alienação do trabalhador

Perda da noção de importância no processo produtivo

Degradação ambiental

Desenvolvimento dos meios de transporte

Símbolos da primeira revolução industrial  barco a vapor e trem

Capitalismo selvagem
Intensa exploração da mão de obra

Mais ou menos 16h diárias de jornada de trabalho

Baixos salários

Exploração da mão de obra infantil e feminina  ganhavam menos

Péssimas condições de trabalho

Ausência completa de leis trabalhistas

Algumas reações dos trabalhadores à exploração

Ludismo  quebram as máquinas

Técnica da Arruaça já existia  quebrar as coisas para coagir a obter direitos

Problema: governo inglês reage

Frame Breaking Act  trabalhador preso por quebrar máquina será executado

Cartismo  cartas do povo ao parlamento na década de 1830

Regulamentação do trabalho noturno

Sufrágio universal

Distritos eleitorais iguais

Renovação anual do parlamento

Não precisa ser proprietário para ser eleito

Pagamento de salários aos deputados  possibilita ao trabalhador comum ingressar

Voto secreto

Trade Unions  associações de trabalhadores  originarão os sindicatos

Atrair o trabalhador através de esportes  futebol

AULA 12 – 2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1873-1896)

Hobsbawn – Era do Capital e Era dos impérios

Imperialismo é a etapa superior do capitalismo

Lenin: Imperialismo e capitalismo são a mesma coisa


Necessariamente o capitalismo leva a primeira guerra  conflito por poder

José flavio sombra saraiva: imperialimo não necessariamente influenciou a primeira guerra

INTERNACIONALIZAÇÃO DO CAPITAL

Quanto maior o risco, maior o lucro

Maior parte do mercado consumidor era na europa

Investir em outros países é maior o potencial de lucro  vai originar o imperialismo

Expandir o risco a níveis extremos

CRISES DE 1873-1896

Crise decorre de superprodução

Mais produção  Baratear preço  mitiga o crescimento

Capital industrial + capital bancário  capital financeiro

Financiamento dos projetos mediante bolsa de valores

Investimentos em parte do negócio  lucro/prejuízo proporcional

Projetos grandes e de longo prazo  poucas pessoas não sustentam

Concentração e acumulação de capital não dá lucro  precisa gastar e circular

Expansão do capital leva ao imperialismo

Capital financeiro  acúmulo de capital  escoamento de capital

BUSCA POR MATÉRIA PRIMA

Desenvolvimento tecnológico exige novas matérias primas

Ex: Dinamite exige pólvora que exige salitre  guerras pelas minas de salitre

Novos usos a produtos nunca utilizados

Disputas por controles


2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL É A CAUSA DO IMPERIALISMO

Empresas sem fronteiras

Para lenin a segunda revolução industrial é o imperialismo

JAPÃO E ALEMANHA

Grandes empresas são criadas pelo estado

Controle pelos senhores feudais que perderam o poder com a modernização

AULA 13-14 – IMPERIALISMO EUROPEU/NEOCOLONIALISMO (final séc XIX-inicio séc XX)

INTERPRETAÇÕES

Econômica: origem na segunda revolução industrial

Inovações: novos tipos de indústrias  automobilística, química, siderúrgica

Novos protagonistas  Inglaterra, Itália, EUA, japão

Capital financeiro  capital industrial + capital bancário  mto caro adquirir inovação

Injeção de dinheiro nos negócios

Empresa que não tem esse ritmo  quebra  não sustenta a concorrência

Monopólios  associação e domínio das indústrias  quebra as empresas menores

Consequência  crise do capital de 1873  excesso de produção

Imperialismo  necessidade de matéria prima e mão de obra mais barata

Necessidade de mercado consumidor

Onde conquistar: ásia, áfrica e américa

Lênin: imperialismo é a fase suprema do capitalismo

Crítica: será que esses países vão suprir o mercado consumidor europeu?

Será que Inglaterra vai ter acesso a matéria prima  poucos investimentos na áfrica

Política: origem nos nacionalismos exaltados

Pressões políticas, populares e militares  queriam o imperialismo


Países europeus com rivalidades seculares  disputa política por poder

Prestígio internacional

Expectativa de que algum dia os territórios serviriam

Social: imperialimo como válvula de escape para as tensões sociais europeias

Problema na europa: urbanização intensa + revolução médico-sanitária  excedente


populacional

Resultado: desemprego + baixo salário

Contexto: força das ideologias de esquerda

Trabalhador mobilizado  bomba relógio para revoltas e crises

Imperialismo  imigração como solução

Manda pras colônias potenciais revoltosos

Viravam elite econômica nas colônias

Saída aumenta os salários europeus e baixa o risco de revolta

COMO FOI POSSÍVEL FAZER O IMPERIALISMO

Excedente populacional  Europeu interessado em liderar o movimento imperial

Avanços médicos  vacinas impedem a dizimação europeia na invasão

Choque bacteriano era desfavorável aos europeus

Avanços na indústria bélica  armas de fogo permitiram superioridade do exército

Avanços tecnológicos  canal de suez  viagem mais curta para as colônias

Telefone e telégrafo  mais comunicação

Barcos a vapor desmontáveis  acesso a lugares menores

Interesse de parcela das elites afro-asiáticas

Disputas internas na áfrica  associação de grupos com os imperialistas para dominar

BASES IDEOLÓGICAS DO IMPERIALISMO

Darwinismo social: superioridade do homem banco europeu


Macaco > negro africano > índios > amarelo-asiático > europeu

Propaganda e divulgação ideológica nos romances (Tarzan, Mogli, Timtim)

Missão civilizatória: levar civilização e religião à africa e ásia

Acredita que realmente está fazendo o bem pras colônias

AULA 15-16 – (FALTA AULA 16, SUPRI PELA AULA 06 DO CURSO 2016)

CONFERÊNCIA DE BERLIN (1884-1886)  AULA 06 DO CURSO 2016

Principal reunião sobre o colonialismo africano

Origem: disputa sobre a posse do atual Congo

Destaques: Congo fica com o REI da Bélgica

Criação do Estado Livre do Congo  Adm. Por Leopoldo II

Ele conhecia a terra e enganou os outros países

Garantias: livre navegação da Bacia do Congo  descobrem depois que não era navegável

Desenvolvimento civilizatório do Congo

Livre circulação das missões cristãs

Proibição da escravidão

Limitação da venda de bebidas alcoolicas

“posse pela ocupação efetiva”  só é seu se estiver ocupando o território

Favorece a Inglaterra  mais forte e mais condições de ocupar

Desfavorece Portugal  direito histórico de ocupação do terreno entre angola e


Moçambique

Ultimatum inglês  portugal desiste para não ser atacado

ÁFRICA DO SUL  GUERRA DOS BOERS (1899-1902)

Imperialismo inglês desde 1815 x resistência dos Boers

Boers: descendentes de holandeses colonizadores

Não aceitam a colonização inglesa

Brancos e protestantes  darwinismo social não colava com eles


Inglaterra impõe a colonização  Boers interiorizam pois não querem confronto

Fundam república do Orange e do Transvaal  autonomia

Descobrem ouro e diamante  Inglaterra quer  guerra

Ao final da guerra: Inglaterra negocia com Boers  após várias derrotas inglesas

Criação da União Sul-Africana  protetorado britânico

Africanders (branco africano) no poder político

Inglaterra no poder militar e econômico

Oficialização do Apartheid africano  usam disso pra dominar os grupos negros

Criação de uma série de leis racistas

ÍNDIA

Índia é inglesa desde 1763  fim da guerra dos 7 anos

Administração indireta  companhia das índias orientais

Exploração de mão de obra e mercado consumidor

Desestruturação da manufatura local (forte)  imposição da manufatura inglesa

Descontento local

Controle inglês  sipaios

Exército da própria companhia

Controle do rei sem precisar de autorização do parlamento

Guerra dos Sipaios (1857)

Problemas com os sipaios  descobrem que utilizam óleos de gordura de vaca

Forte repressão inglesa

Resultados: retira a administração da companhia das índias

Surgimento da índia como Vice-Reinado


CHINA

Caso sui generis  interesse dos imperialistas nos produtos chineses

Subversão da ordem

China era fechada ao capital europeu

Como abrir a china?  tráfico de ópio

Resistência do império Chines  Queima de barris de ópio

Inglaterra declara guerra  Guerras do ópio (1840-1850)

Inglaterra vence no mar

Imperador chinês é impopular e não quer armar a população em terra

Resultados

Tratado de Nanquim  China x Inglaterra

Abertura de 5 portos para comércio

Arrenda território de Honk Kong por 150 anos

Tratado de Pequim  China x França

Outros países vão querer declarar guerra e fazer acordos

Break-up Chinês  divisão da china em áreas de influências

Autonomia do estado

Perda do controle econômico

Revolta dos Tai-pings

Objetivos: Destruir a dinastia Manchu  que fez os acordos break-ups

Implementação do cristianismo

Posse coletiva de terras  adepção de camponeses

Proibição de práticas famosas (consumo de ópio, concubinato e escravidão)

Revolta esmagada pelo imperador  apoio internacional

Apoio maciço dos EUA  Política de open doors

Abertura total do comércio  fim das zonas de influências


Revolta dos Boxers (1899-1901)

Boxers: sociedade secreta chinea

Aproveitam fraqueza local para se impor

Catástrofes, pobreza, má gestão, banditismo, insatisfação dos os missionários cristãos

Ultranacionalismo

Objetivo: expulsar o estrangeiro com artes marciais tradicionais  massacrados

JAPÃO

Completamente fechado aos ocidentais

Uma semana anual de comércio com ocidentais

EUA tenta forçar abertura

Comodoro Perry “abre” o Japão  1853

Melhor negociar antes de perder a guerra que depois

Japão empurra com a barriga os negócios

EUA entra em guerra civil  não tem condições de focar nisso

Japão aproveita pra se reinventar  Guerra Boshin  queda do shogunato

Fortalecimento do imperador

Era Meiji (1868-1912)

Ocidentalização do Japão

Político: Fim do Shogunato e império japonês  constituição

Militar: saem samurais  criação de exército profissional

Econômico: zaibatsus  empresas familiares

Recebem incentivos do governo para fazer a industrialização

Governo direciona os campos de investimento

Ex: mitsubishi
Japão não sofre com o imperialismo por causa da reinvenção

Ao fim do século XIX ele vai ser imperialista  avanço sobre a china, coreia

Incentivo da Inglaterra  não querem o domínio dos EUA no japão

AULA 17-20 – INDEPENDÊNCIA DAS 13 COLONIAS INGLESAS

A COLONIZAÇÃO

Fatores que estimulam

Fuga religiosa dos anglicanos  fugiam das perseguições católicas de Jaime I

Pacto do Mayflower  liberdade religiosa

Busca por terras  camponeses expulsos das terras para cultivo de lã pela nobreza

Origem: enclosures/cercamentos  estado queria lá para tecidos (manufaturas)

Diferenças Internas

Sul: clima temperado  tabaco, algodão e açúcar (virginia, carolinas do norte e do sul)

Sistema plantation  latifúndio + monocultura + escravista  mercado externo

Pacto colonial  economia da colônia submetida a interesses da metrópole

Centro: misto  não há interesse da inglaterra (NY, Pensilvania)

Norte: clima idêntico ao inglês e sem metais preciosos  A Nova Inglaterra

Colônia de povoamento

Pequenas e médias propriedades

Mão de obra livre familiar ou assalariada

Policultura  mercado interno

Manufaturas

Auto-governo

Negligência salutar  não cobra nem paga impostos

Ausência de fiscalização inglesa  liberdade

Comércio triangular: Comércio à revelia do pacto colonial


ORIGENS DO PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA

Meados do Séc. XVIII  Fim da negligência salular  cobrar impostos

Causa 1: gastos com a guerra dos 7 anos  1756-1763  América como um dos palcos

Inglaterra exige tributos e promete terras francesas em caso de vitória (Antilhas,


Canadá)  mantem os tributos após o fim da guerra

Causa 1: gastos com revolução industrial + gastos com manutenção das industrias

Precisa de matéria prima e mercados

Ausência de controle  liberdade e concorrência de produtos  CONTROLE

Em seguida

Proibição da expansão territorial para o Oeste  Atos de Quebec

Proibição da existência de manufaturas  concorrencia com as inglesas

Criação de novas taxas

Lei do açúcar (1764)  maior fiscalização

Lei do selo (1764-1765)  cartas e documentos precisavam de selo real  imposto

Lei do aquartelamento  colono fornece parte da casa para abrigar soldado inglês

Evitar construir quarteis para abrigar exército

Reações:

Congresso da lei do selo (1765)  colonos ameaçam boicotar produtos ingleses

Promulgar declaração dos direitos  representação colona no parlamento

Consequência: O rei suspende a lei do selo

Atos Townshend  ato do rei inglês contra a colônia

Taxar todos os produtos ingleses importados pela colônia (tinta, lápis, papel, vidro)

LEI DO CHÁ: chá é monopólio da companhia das índias orientais

Preço do chá barateia  compra direto com o fornecedor

Protesto colono  querem liberdade de comércio

Reação: protesto em Boston  colonos massacrados


Protesto em Boston 2  Boston Tea Party  se vestem de índios e atiram chá
no mar

Leis intoleráveis/atos coercitivos

Fecha porto de Boston até colonos pagarem pelo chá

Massachussets  colônia real  poder jurídico transferido à Inglboicote aterra

Mais tropas na colônia  piora a lei do aquartelamento

O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA

Congressos continentais/congressos da filadelfia

1764: 1º congresso  boicote aos produtos ingleses

Legalistas: funcionários da coroa inglesa

Não concordam com independência imediata  representação no parlamento

Não sofriam com taxação

Patrioras: radicais  rompimento imediato com Inglaterra  mais dinheiro

Iniciam como minoria  cresce com as revoltas

Artesãos, fazendeiros, etc.

Discurso hegemônico  tentam negociar com Inglaterra

Reação inglesa: não muda posição

1766: 2º congresso  decidem pegar em armas

Referendar a Declaração de Independência  4 de julho

Guerra de independência (1775-1781)

Origem: 1775  batalha de Lexington

Ponto final: 1781  batalha de Yorktown

Apoio francês

Liga da neutralidade armada  espanha, Holanda Rússia  não toma lados e comercia com
ambos

1783: tratado de paris  criação dos EUA


EUA

A constituição de 1787  única até hoje

Primeira CF baseada no iluminismo

República presidencialista  pra diferenciar da Inglaterra (monarquia parlamentarista)

Divisão dos três poderes:

Judicial: suprema corte

Executivo: presidente  voto representativo

Legislativo  problema de representatividade (1ª POLÊMICA NA FORMAÇÃO)

Casa dos representantes (deputados)  proporcional à população dos estados

Senado: representantes dos estados  igual para todos

Federalismo  sistema federativo + centralização do poder no estado

Voto censitário  problema de decidir o que é cidadão (SEGUNDA POLÊMICA NA FORMAÇÃO)

Cláusula dos três quintos  cada 5 escravos conta como 3 cidadãos votantes

Favorecer o sulista que tinha pouca população votante

Igualdade jurídica

Defesa da propriedade privada  defende a escravidão

Obs: papeis federalistas  panfletos para convencer os estados a ratificar a constituição

1791: Declaração dos direitos do homem e do cidadão

Proposta dos anti-federalistas  queriam uma Bill of Rights

Defesa da autonomia dos estados

10 emendas à CF  condição sulista para assinar

Garantias individuais

Emenda 2: porte de arma

Farewell Speech George Washington  após 8 anos de mandado


EUA como exemplo de liberdade e autonomia  não se vincular às potências europeias

Cuidado com divisão partidária  repartir o estado

Anos pós-independência

Aumento populacional  triplica

Movimento imigratório forte  terra da liberdade (ilusão)

Saturação das 13 colônias (região litoral leste)  expansão para oeste

Antecedentes da “marcha para o oeste”

Crise demográfica

Movimento religioso “o grande despertar”  salvar a população

Seitas religiosas (mórmons, amish)  salvar apocalipse iminente

Terra prometida estava ao oeste

Ouro da california (1808-1849)  aspecto ideológico/simbólico

Poucos ficam ricos por isso

Pecuária: alimentar a população + identificação cultural

Açougueiro: controle alimentar

Desenvolve por causa da crise demográfica

Ocupar novos territórios e novas áreas

Inovação tecnológica: investimentos ingleses em ferrovias

Carro pullmann  refrigerado: Possibilidade de transportar carne morta

Canais

Debulhadeira de algodão  aumento da produtividade (sul)

Elemento ideológico: O Destino Manifesto  crença de direito ao território até o


pacífico  predestinação À expansão e domínio (1845)

Obs: a dinâmica de expansão é mais acelerada no norte que no sul

Norte: livres e sem amarras, mais tecnologia  propicia as viagens


AÇÕES DO ESTADO PARA A EXPANSÃO

1803: compra a Louisiana de Napoleao  precisa de dinheiro pra guerra

1819: Presidente James Monroe compra a Florida da Espanha

Territórios ocupados passam a querer se tornar estados e serem incorporados

Possibilidade de criação de constituição estadual

Eleição por regime escravocrata ou liberal

Como o norte tinha mais condições de se expandir, seus ideias disceminam melhor

Mais estados abolicionistas que escravocratas

Brancos e pobres não queriam a concorrência com mao de obra escrava

Consequência: dominação eleitoral sulista inverte

1820: Compromisso do Missouri

Divisão imaginária entre norte e sul  norte abolicionista, sul escravista

Sul quer manter os privilégios mesmo com a inversão de poder iminente

Compromisso mais favorável ao sulista  revoltas

Andrew Jackson (1828-1836)  reforma jacksoniana

Primeiro presidente populista  fundador do partido democrata

Contra o voto censitário

Amplia a participação eleitoral

James Polk (1845-1848)

Texas: território mexicano ocupado por americanos sulistas

Regime escravocrata contrário ao sistema abolicionista mexicano

Guerras civis (EUA apoia os americanos)  independência

Republica da estrela solitária  quer se incorporar aos EUA

Apoia a incorporação do texas  consegue

Queria expansão territorial

Guerra com México por mais território no entorno do texas

Fim em 1848  mexico sede 50% do território


Tratado de Guadalupe Hidalgo

Problema: expansão ao sul  norte insatisfeito  não reelege

Movimentos contrários dão origem ao partido republicano  abolionista

Conflitos entre escravistas e não escravistas

CONSEQUÊNCIA DA EXPANSÃO

Estados do Oeste ultrapassam em termos numéricos e demográficos

Mesmo com a cláusula dos 3/5

Modificação da hegemonia

1860: Eleição de Abraham Lincoln  Abolicionista

Consequência: 11 estados ao sul declaram independência  Guerra Civil

A GUERRA CIVIL NORTEAMERICANA

Norte mais populoso e desenvolvido tecnologicamente

Sul com algodão, terra e escravos  nada vira material de guerra

Não podem armar os escravos pra não se rebelarem e fugir

Bloqueio marítimo de Lincoln impede comércio do sul

Vitória do Norte  mais recursos políticos, econômicos, tecnológicos, etc

Primeira guerra Total  não engloba somente exército

1865-1877: reconstrução radical  ocupação militar do sul

Movimento parlamentar  Feita pelo parlamento e pelo congresso

Reforma agrária, distribuição de terras a escravos libertos

Reação:

1865: morte de Lincoln

Assume o vice, andrew Johnson  sulista

Quer desocupar o sul  medidas barradas pelo congresso

Processo de impeachment  não sofreu por 1 voto


1867: surgimento da Ku Klux Klan

Sulistas brancos, pobres e revoltados com o abolicionismo de Lincoln

Mão de obra concorrente

Eleição de 1877: empate nas urnas

Rudford Hayes eleito após comprar congresso com promessa de retirada da ocupação

Sul recebe novamente autonomia

Jim Craw acts  leis racistas que sustentam o apartheid por 100 anos

Vadiagem  preto e pobre

Regime análogo a escravidão

Segregação  bairros e setores periféricos

Apoio da KKK

Consequência econômica da guerra: vitória do sistema capitalista

Expansão do atlântico ao pacifico  olhos na américa latina

Criação de indústria bélica  motivar os conflitos

AULA 21-24 - INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA

TEMPOS DE COLONIZAÇÃO

A conquista

Superioridade militar espanhola  arma de fogo, Estratégias de guerra e Cavalos

Choque bacteriológico

Divisão interna  associação dos espanhóis com grupos opostos ao liderante

Fatalismo pré-colombiano  acreditavam que espanhóis eram deuses

Discussão histórica  impacto dessa crença na colonização

GENOCÍDIO

A administração

Forte centralização  principais órgãos administrativos na espanha


Casa de contratação  1503  Espanha  regula o pacto colonial

Controle econômico  Cobrar impostos, estabelecer monopólio

Conselho das índias  1524  Espanha  mais alta instância da adm da colônia

Centralizar administração  maior controle pelo rei

Audiências  Colônia  mais alta instância do poder na colônia

Cabildos  colônia  câmara municipal

Único órgão que os nativos podem participar

Estrutura política:

Rei

Espanha

Conselho das índias

Casas de contratação

América

Vice reinados

Real audiência

Cabildos

Capitanias gerais/governadorias

Consulados

Cabildos

Reformas Bourbonicas

D. Carlos III  despotismo esclarecido

Novas culturas na agroexportação  diversificação agrícola

Criação do Vice-Reino do Prata (último a ser criado)

Expulsão dos jesuítas

Aumento de impostos
Permite o incremento da mita e da encomienda  formas de trabalho indígena compulsória

Não vale a pena comprar escravos africanos  incentivar comercio de outros países

Aproveita formas de trabalho presentes nos impérios inca e asteca

Mita  minas trabalho assalariado e insalubre

Encomienda  trabalho forçado  sem remuneração  proteção jesuíta (Catequese)

Nas fazendas de agroexportação

A sociedade:

Penisular: branco europeu que administra a colonia  chapetones

Implementa o Bourbonismo

Criollo: branco católico nascido na américa  administra fazendas  pequena part. Política

Paga mais impostos  aumenta a exploração

Indios: Explorados

Revoltas  lideração de Tupac Amaru  acesso a conhecimento

Tupac envia carta pedindo diminuição do número de índios enviados à mita e


encomienda  rejeitado  revolta

Crise do antigo sistema colonial  Aumenta taxações e exploração  reações sociais na américa

Rebelião de Tupac Amaru (1780-1781)  Cuzco, Peru  fim da mita e encomienda

Querem a independência  contexto a longo prazo

Forte repressão de Chapetones e Criollos  sufocado em 1781

Criollos começaram apoiando (redução de impostos) mas mudou de lado quando ficou
um movimento muito popular

Execução de Tupac Amaru

Primeiro movimento de independência das américas  Tupac Amaru precursor

Movimentos libertários existem até hoje

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA - A ERA DOS CABILDOS ABIERTOS (1810-1816)


Origem: expansão napoleônica

Império napoleônico  conflitos na europa  Bloqueio continental inglês  ataca Portugal

Tratado de Fontainebleu (1807)  Esp + Fra  invasão e divisão de Portugal

Napoleão precisa atravessar a Espanha  exército destrói tudo no caminho

Motin de Aranjuez  população contra Godoy (autorizou a travessia)

Consequências: queda de Godoy + abdicação de Carlos IV

Assume Fernando VII (filho)  Povo quer retirada das tropas de Napoleão

Entrevista de Bayona  Carlos VII + Napoleão

Objetivo: tentar retirar as tropas de napoleão

Resultado: Napoleão sequestra Fernando VII e família  queda

Assume o trono José Bonaparte (irmão de Napoleão)

Assume José Bonaparte  Constituição

Imposição do liberalismo napoleônico

Insatisfação interna  Guerra

Consequência para a colônia  perda de força das instituições peninsulares

Colônia quer independência

Cabildos Abiertos

Cabildos livres

Criollos hegemônicos

Controle político  controle dos cabildos

Controle econômico

Fim do pacto colonial

Isolamento e liberdade na américa

Obs: Realismo no Peru  contexto rico não é favorável aos criollos  não atinge lá
Enquanto isso:

Argentina: Revolução de Maio  25/05/1810

México: Rebelião de Hidalgo e Morellos  1810  Repressão

Venezuela: Revolução de Francisco Miranda  1810  independência provisória

Independência  oposição + terremoto  repressão

Paraguai: 1811  independência  calado na dele, não afeta ngm

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA - OS LIBERDATADORES DA AMÉRICA (1816-1826)

Livro: Coleção de Leslie Betel – História das Américas, Vol 3

Origem: Restauração Radical

1813: Fernando VII volta ao trono  quer volta o antigo regime como

Forte insatisfação na américa

América livre  recusa o controle espanhol  luta pela liberdade

Influencia iluminista: liberalismo econômico, livre comércio, fim do pacto colonial

Quem lidera: Criollos  libertadores da américa

Quem detinha o poder político e econômico

Apoios: Inglaterra  apoio indireto (não podia ser direto por causa do Congresso de Viena)

Mercenários ingleses, venda tabelada de armas e etc.

Após congresso de verona  fim dos tratados anteriores  apoia abertamente

EUA  apoia abertamente  doutrina Monroe (1823)

Não-brancos  perspectiva de vida melhor sem a Espanha  riqueza, elite, liberdade

Protagonistas (libertadores da américa)

México: Agustin de Iturbide  apoio Criollo + Elite  conservadora

Rei do México  centralização do poder  derruba a monarquia

Chile: Bernardo O’Higgins  com o apoio da Argentina

Décadas de instabilidade política até fim dos anos 1830

Argentina: José de San Martin  1816, Congresso de Tucoman


Província Unidas do Reino da Prata  queriam englobar URU e PAR  não consegue

Uruguai  1ª invasão luso-brasileira  resistência uruguaia  liderança José Artigas (1811)

Uruguai independe  reforma agrária  golpe criollo  reincorpora a Portugal

Simon Bolivar: Começa na Venezuela e desce até o Peru

Bolícia  Sucre (General do Bolivar)

Contrapontos entre independência da américa espanhola e Brasil

Guerra contra a Espanha x Guerra contra brasileiros contrários à independência

Fragmentação territorial X unidade territorial

Repúblicas X regime monárquico

Exceção: méxico  monarquia

Fim da escravidão e servidão indígena x manutenção da escravidão pela elite

O PÓS-INDEPENDÊNCIA (1826-...)

Qual caminho seguir?

San Martin retira-se do cenário político

Simon Bolivar  protagonista

Carta da Jamaica  Projeto de união da américa  IMPOSSÍVEL

Ausência de condições objetivas  clima, cultura, etc.

Bolivarismo/Panamericanismo  união dos países americanos

Como implementar: Congresso do Panamá (1826)  discutir possibilidades

Congresso do Panama

Contexto:

Imediatamente pós-independência

Formação da Grã-Colômbia (Venezuela, Nova Granada, Panamá e Equador)  Org

Incidente de Chiquitos (1825)  Brasil x Bolivar 

Refugiados fugindo do bolívar e sendo abrigados no MS

D. Pedro pede desculpas e desautoriza asilo


Guerra da Cisplatina (1825-1828)  província declara independência do brasil

Brasil sendo visto com maus olhos pelo resto da américa espanhola

Mesmo assim é convidado para o congresso do panamá

Destaques

Ausência do representante brasileiro  questões pessoais

Extraoficial: medo de D. Pedro que declarassem independência da Cisplatina

Presença dos representantes da Grã-Colombia, República Centroamericana, Peru e Mex.

Observadores: representantes da Grã-Bretanha e Holanda

Chile e Províncias unidas do Rio da Prata  contrários à união

EUA: representante morre e não dá tempo chegar o outro

Resultados:

Abolição do tráfico de escravos africanos

Solução de controvérsias territoriais  diplomacia  arbitragens

Potencial bélico absurdo  indefinidas

Exército único  contra estrangeiros

Tratado de “União, Liga e Confederação Perpétua”  tudo e nada

Compromisso para elaboração de reuniões periódicas para discutir a união

Congresso de Lima (1847-1848)

Contexto: marcha para o oeste dos EUA  México perde território

Articulação do caudilho equatoriano General Flores para uma invasão europeia sobre a
américa

Ataques franceses no Prata e no Pacífico

Dificuldades

México não envia representantes  outras preocupações

Venezuela e Argentina não participam

Brasil não se interessa

Presentes: Equador, Chile Nova Granada, Bolívia e Peru


Decidido: tratados genéricos sem prática

Congresso de Santiago (1856)

Contexto: conceito de “américa latina” ganha força  Michel Chevalier, 1836

Difusão do panlatinismo  restauração da raça latina  liderança e inspiração da FRA

Oposição América latina x américa anglo-saxônica

França latina > ingleses

Crescimento da percepção de ameaça dos EUA

1855: William Walker  poder na Nicarágua

Projeto estadunidense  transferência de fazendas sulistas para Amazonia

Equador cede exploração em Galapagos a cidadão dos EUA

Contrapartida: proteção dos EUA contra indivíduos ou bandos

Protestos chilenos

Decide: Tratado Continental de Aliança e Assistência Recíproca

Abandono do Convenio EUA x Equador  não prova o potencial esperado

Washington  pacto de defesa comum contra agressões extrangeiras (américa central)

Segundo Congresso de Lima (1864-1865)

Contexto: Espanha envia frotilha para proteger súditos espanhóis residentes na américa do sul

Confronto Frotilha x Peru, chile  espanhóis ocupam ilhas de Chincha

Segunda guerra de independência da américa espanhola

Chile + peru, equador, argentina, Bolívia, el salvador, Guatemala e vnezuella

Decidido:

Tratado de União, Aliança Defensiva entre os estados da américa

Tratado de conservação da paz

Difícil de serem executados  instabilidade política da américa


AMÉRICA LATINA NO SÉCULO XIX

Política

Fragmentação política  criação de vários países

Fim da república centroamericana em 1838

Abolição da escravidão negra africana, da mita e da encomienda (trabalho compulsório indígena

Caudilhismo  principal fenômeno político

Livro: O caudilhismo, Julio Pimentel Pinto

O que foi: controle político, econômico, social e militar dos ex criollos em sua localidade

Caudilhismo x coronelismo  coronéis sem controle militar

Consequencias: disputa política entre federalismo e unitarismo

Vários Caudilhos, cada um apoiando um lado políticos

Guerras

Instabilidade política

Ex: Caudilhismo Argentina – 1840-1850

Livro: Maldita Guerra, Francisco Maltiorro

Rosas (Federalista) x Urquiza (Federalista)  Disputa de poder

Urquiza (Federalista) x Mitre (unitarismo)  vitória e estabilidade do Mitre

Economia: café, mate, guano, açúcar, carne

Exportação de matérias primas para as poténcias  exploração e terceiro mundismo

Política externa:

Diversos Congressos sem futuro  esboço de união

Dificuldades e rivalidades

Guerras

Cisplatina (1825-1828)

Paraguai
Guerra do pacífico (1879-1884)

Bolívia e Peru x Chile  disputam guano (Cocô)

Empresa chilena explora o Guano  taxação Boliviana

Chile declara Guerra  Bolívia convoca Peru (tratado secreto de apoio)

Guerra eminentemente naval

Bolívia perde saída pro mar  chile ganha

Peru perde a parte sul  chile ganha

Bolívia e Peru reinvindicam na ONU os territórios

Proposta de porto trinacional de Arica

AULA 25-28 – 1ª GUERRA MUNDIAL

ANTECEDENTES Fenômeno multicausal

Disputas imperialistas

Marxismo  Hobsbawn

Viés econômico da primeira guerra mundial

Estados assumem interesses econômicos de suas empresas

Buscas por mercados consumidores

Unificação alemã

Fim do equilíbrio europeu estabelecido pelo congresso de Viena

1871-1890  Real Politik  esforço deliberado de evitar o conflito  Otto Von Bismark

A partir de 1890: welt politik  desmonta a política anterior

Harry Kissinger, Diplomacy  Bismarck como herói

Adiou o conflito

Sombra Saraiva  Bismarck não conseguiu resolver os problemas da Alemanha

Cria pré-condições para o conflito

Crise balcânica  catalizador, estopim

Disputa imperialista intensa nessa região


Colapso secular do império otomano  agravamento por causa de ideias nacionalistas

Nacionalismos radicais  Sombra Saraiva

Pan germanismo  herança mítica do povo germanico como superior

Kulturkampf

Evitar mágoas entre alemães e austriacos

Estímulo para unificar culturalmente os povos germânicos

Pan eslavismo  Rússia

Resistir ao pan germanismo

Revanchismo francês

Se opor ao pan germanismo

Após a guerra franco-prussiana  ódio alemão

Alemanha leva Alsácia e lorena

UNIFICAÇÃO ALEMÃ E FIM DO EQUILÍBRIO (livro Sombra Saraiva)

Unificação tardia  condições objetivas para se tornar grande potencia

Potência militar  vencia guerras anteriores

Superar Inglaterra nos principais índices  ferrovias, aço, energia, etc.

Bismarck

Fracasso da Kulturkampf

Conseguiu criar o sistema bismarckiano  aplicação prática da Real politik

1º momento: 1870

2º momento: 1880

Liga dos 3 imperadores (dreikeiserbumd): unificar politicamente Alemanha, austria e


prussia

Disputa entre Austria (Pan germanismo) e russia (Pan eslavismo) impedia o sucesso

Propósito: isolar a França

Conferência de Berlim: promovida por Bismark evitar o conflito europeu (1884-1885)

Regras para a expansão imperialista


Guerra da áfrica chegaria à europa e acabaria com a união europeia

Autocontenção alemã  não precisa de colônias

1880: disputas tarifárias entre alemanhã e Rússia

1890: aliança naval entre frança e Rússia

Welt politik

Constrói-se gradualmente política expansionista  Guilherme I

Aproximação com império turco otomano

Von Tirpitz: construir marinha mais forte que a inglesa

Inglaterra se preocupa e se alia à frança

DISPUTAS IMPERIALISTAS

Inglaterra x França  Crise de Fachoda

Inglaterra x EUA

Eua queria perdão das dívidas externas da américa latina e Inglaterra maior credora

Construção de canal  acordo Clayton-Buwler denunciado

Inicio do Séc. XX constroem canal do Panama

Inglaterra x Alemanha  corrida naval

Apoio alemão aos Bowers  guerra na africa do sul

2 crises do Marrocos (1904 e 1911)  sai do isolamento explendido para apoiar frança

Alemanha interferindo em território frances

Entente Cordiale (1905)  aliança naval entre Alemanha e frança

Russia x Austria  quem dominará os Balcãs, com a queda do império turco otomano

França x Alemanha

1890: Boviangismo  general francês apoiado pela Alemanha para dar o golpe e assumir o
governo

1900: Caso Dreyfuss  judeu acusado de espionagem alemã condenado injustamente à morte
 divisão alemã entre esqueda e direita sobre o processo e condenação
NACIONALISMOS

Nacionalismos evoluem para se tornarem alianças miliates congeladas

Tríplice Aliança

1870  Alemanha + Austria

1880  Alemanha + austria + italia

Império otomano se alia a eles, mas não compõe especificamente a aliança

Potências centrais  região geográfica

Tríplice entente

1890  França + Rússia (aliança naval)

1905  França + Inglaterra (entente cordiale)

1907  França + Inglaterra + Rússia

Paz Armada: corrida armamentista entre os dois lados

Espécie de guerra fria em que preparavam o território

CRISE BALCÂNICA

Estopim da guerra  impacto do nacionalismo no colapso do império otomano

Movimentos independentistas

Movimentos nacionalistas que fragmentaram o império

1820: independência da grecia

1840: independência do egito

1850: guerra da crimeia

1870: guerra Russia x otomanos

Império turco otomano: “ o homem doente da europa”  sofrendo guerras e conflitos

Início do Séc XX: Imperio otomano é o barril de pólvora da europa

Guerras balcânicas  disputas internas por territórios

REVER AULA 27, INICIO


Atentado de Sarajevo (25/06/1914)

Ultimato austríaco à Servia

Primeiro ela aceita. Eles pioram as exigências e depois ela recusa

Declaração de guerra Austria x Servia

Apoio alemão à austria

Apoio russo à servia  mobiliza exército

Alemanha executa o Plano Schlieffen

Plano alemão para evitar uma guerra em duas frontes (França e russia)

Russia apoiada pela frança (rancorosíssima ainda)

Mobilização do exército russo é muito longa  tomar a França e propor acordo nesse
intervalo  invadir pelo norte, onde havia brecha militar

Problema: entre Alemanha e França ao norte tinha Belgica e Holanda, que recusam a
passagem das tropas

Resultado: invasão desses territórios

Resultado 2: plano Schlieffen falha

Inglaterra defende Belgica (Tratado de Londres 1830) e apoia França e Rússia

FASES DA GUERRA

Guerra de movimento: avanço alemão

Guerra de trincheiras: imobilização  1914-1918

Desgaste em vidas humanas até tomar o exercito do outro

Desenvolvimento militar  Gás, metralhadora, aviões de reconhecimento, submarinos

1917: ano crítico

Entrada dos EUA na guerra (Abril/1917)

Guerra de submarinos irrestrita  Alemanha afunda tudo que flutuar

“Desrespeito à neutralidade dos mares”

Interesses financeiros de Wall Street  relações econômicas com países da


Entente

Se estes perdessem, EUA não receberia os pagamentos


Telegrama Zimmermann  Alemanha tentava incentivar Mexico a retomar
territórios tomados pelos EUA

2ª Guerra de Movimentos  Avanço alemão

Saída da Rússia libera exército alemão utilizado do outro lado

Entrada americana dá folego à entende e derruba o avanço alemão

CONSEQUÊNCIAS

França recusa a paz nos 14 pontos de Wilson  “não haveria vencidos e vencedores

Rancor francês: guerra em seu território destruiu tudo + Alsácia e lorena

França impõe paz cartaginesa/draconiana (destruição e aniquilação)

Conferência de paz de paris de 1919

A paz imposta  alemães não foram convidados ou informados

Tratado de Versailes: Entente x Alemanha

Clausulas militares: limitação do exército, das maquinas e da tecnologia

Clausulas econômicas: indenização altíssima

Clausulas territoriais: 1/8 do território perdido  nova colônia francesa

Outros tratados: Austria, Hungria deixam de existir enquanto países  separação territorial

Tratado de Sévres: Entente x Turquia  Turquia recusa e declara guerra À Grécia

Grécia era o principal beneficiário do tratado

Consegue rever o tratado para termos mais igualitários  Tratado da Lausanna (1923)

Início da Turquia moderna

EUA como potência mundial

Criação da Liga das Nações

Modelo de governancia institucionalizado

Autodeterminação dos povos: garantia de existência a povos que não existiam até então

Polonia, letonia, estonia, etc.

Cordão sanitário de isolamento pra enfraquecer a russia  1º país comunista do mundo


Rússia era detentora destes territórios e os perdeu no tratado com a Alemanha pra sair da
guerra

Lógica seria devolver, mas como ela era comunista brecaram isto e deram a independência

Fortalece movimento sufragista  incorporação do papel feminino no mercado de trabalho

Inovações tecnológicas

Medicina: penicilina, raio x, cirurgia plástica

Militar: submarino, metralhadora, gas, zepelin, etc.

Início das lutas de libertação colonial

Tropas coloniais e autodeterminação

Colapso dos grandes impérios

Nascimento do oriente médio moderno

Tratado Sykes-Picot (1916) e Conferência do Cairo (1924)

Estratégias imperialistas de dominação influenciaram na divisão territorial

Instabilidade surgida neste período

AULA 29-30 – REVOLUÇÕES RUSSAS E CONSEQUÊNCIAS (1917)

Hobsbawn: breve sec. XX inicia na revolução russa e termina com o fim da união soviético

Socialismo soviético dita as relações internacionais no século XX

Livro: Daniel Arães Filho – revoluções russas, série revoluções do século XX, emilia vioti

PANORAMA RUSSO

Organização política: anacronismo

Czarismo desde o século XVII  espécie de absolutismo  persiste no séc. XX

Autocracia + teocracia

Czar: Nicolau II

Rasputin: manipulação da família real

Economia:

Base: agroexportação  Rússia é o celeiro da europa

Após derrota na guerra da crimeia  necessidade de modernização


Abolição da servidão

Abertura ao capital estrangeiro

Incipiente processo de industrialização

Sociedade:

92% da população é agrária

Não há proteção social trabalhista

Forte concentração fundiária  exigência por reforma agrária é forte

Empobrecimento e fome

Nas cidades

Não há leis trabalhistas

Força dos sindicatos  proletário fortalecido

Surgimento de partidos políticos clandestinos  Oposição ilegal ao czarismo

Partido constitucional democrata (KD)

Membros: cadetes

Objetivo: liberalismo político

Composição: minorias burguesas urbanas

Partido socialista revolucionário

Maior partido clandestino

Membros: campesinato

Origem: populismo russo  intelectuais críticos ao governo russo

Partido operário social-democrata russo

Mais organizado

Reuniões fora do país  mais libertade

Após congresso em Bruxelas (1903)  duas vertentes

Camarada martov: seguir O Capital (Marx) estritamente

Revolução por etapas

Revolução liberal  revolução socialista


Mencheviques (minoria)

Camarada lenin:

Revolução imediata

Adaptar o marxismo  sem etapas

Marxismo leninismo

Proletário urbano lidera

Bolcheviques

REVOLUÇÃO DE 1905:

Série de manifestações, greves, insurreições militares e outros movimentos

Quase derruba o czar

Origem: guerra da Manchúria (1904-1905)

Rússia x japão

Disputa por território chinês rico em matéria prima

Japão vence: mais industrializado

Manifestação contra miséria  pede auxílio a Nicolau II

Nicolau II abre fogo contra população  domingo sangrento

Estopim: Domingo Sangrento

Czar quase caiu

Recua nas repressões

Lança o manifesto de Outubro  promessas de Nicolau II

Reforma agrária

Legalização dos partidos políticos

Legalização da duma  parlamento russo

Legalização dos soviets  conselhos de classe (operários, professores, estudantes)

Aberto a todos, não apenas trabalhadores

Legalização da participação política


Obs: surge um partido Outubristas  querem revolução russa com as medidas de
outubro

Inicia o cumprimento e revolução deixa de existir

Lenin: Ensaio Geral de 1905  para as revoluções de 1917

REVOLUÇÃO DE FEVEREIRO/1917

Origens: envolvimento na 1ª guerra mundial

Russia (entente) x Alemanha

Já havia perdido as guerras anteriores  sem confiança

Mortes no front + crise econômica + fome e miséria nas cidades

Deserção e insubordinações militares

Revoltas populares

Caráter burguês e liberal

Assassinato de Rasputin pela nobreza

Parte da nobreza insatisfeita + cadetes + mencheviques  impõe a renúncia do czar Nicolau II

Impõe governo provisório (fev-out/1917)

GOVERNO PROVISÓRIO

Principal instituição: Duma

Protagonistas: príncipe Levov (Ministro)  cadete  cai

Alexander Kerensky  Menchevique

Destaques:

Reformas liberais  liberdade de expressão, de impressa, reforma partidária, etc

Não retira rússia da guerra  governo burguês com interesses em matéria prima e mão de obra

Não faz reforma agrária

Não melhora a economia

Crescente insatisfação popular

Retorno dos Bolcheviques  Lenin retorna do Exílio


Lança as teses de Abril  oposição ao governo provisório

Necessidades do povo russo: pão, paz e terras

Todo o poder aos Soviets

Obs: governo dual

Duma: comandada por mencheviques e cadetes

Soviets: comandados pelos Bolcheviques

REVOLUÇÃO DE OUTUBRO/1917

Revolução vermelha/revolução bolchevique

Institui o regime socialista

AULA 31-32 – SOCIALISMO REAL RUSSO (1917-1991)

GOVERNO LENIN (1917-1924)

Votação para Assembleia Constituinte

Vitória do Partido Socialista Revolucionário  maior partido

Lenin anula o processo  oposição a ele

Primeiras medidas:

Decretos sobre a terra  reforma agrária

Sobre os povos da Rússia  autonomia aos povos (só participa do socialismo quem quer

Sobre o controle operário  autogestão Às empresas pelos trabalhadores

Sobre a Paz  Paz de Brest-Litowski (para sair da guerra, perde territórios para
Alemanha)

Exército vermelho

Estatização da economia

Declarar moratória  cobrem a dívida do czar

Proibição do cristianismo ortodoxo  associação ao czar, medo de retorno do regime

Assassinato dos Romanov

Guerra civil na Rússia (1918-1921)


Exército Branco (contrarrevolucionários + mercenários) x Exército Vermelho (líder: Trotski)

Exército vermelho faz economia de guerra: economia voltada pra guerra

Exercito vermelho abastecido antes da população

Carestia  ninguém mais tem acesso

Expressão “comunismo de guerra”  todos tão pobres que não há diferenciação de


classe

Apoio do Exército Preto  anarquistas

Importante para vitória dos bolcheviques na ucrania

Consequências:

Capitalistas desesperados  exílio

Oficialização da URSS  Povos se reuniriam voluntariamente (RISOS)

COMINTERN  Comite para a internacionalização do socialismo

“A 3ª internacional comunista”

Partido Comunista da União Soviética  se autodenominam comunistas

Na prática não é comunismo pois há estado

Por isso se chama socialismo real

Obs: COMUNISMO: há igualdade social e não há estado

SOCIALISMO: há estado mas ele é controlado pelo proletariado (etapa


para o comunismo)

Grave crise econômica

Caos econômico

Lenin assume que errou ao estatizar de plano a economia

Dois passos para trás e um para frente  adotar medidas socialistas

Institui a NEP  Nova Política Econômica

Tentativa de unir capitalismo + comunismo

Capitalismo:

Investimentos externos

Salários diferenciados
Liberdade de comércio em alguns setores

Incentivo ao artesanato

Pequena propriedade privada  nos campos (kulaks) e cidades

Comunismo:

Controle estatal sobre a economia

Medidas sociais permanecem

RECUPERAÇÃO PARCIAL DA ECONOMIA RUSSA

Lenin não viu pois morre em 1924

DISPUTA PELO PODER

Trotski x Stalin  conflitos de ideais

Trotski  revolução permanente

Socialismo precisava de uma revolução mundial

Dever da URSS espalhar a revolução

Fortalecido com o aumento dos países socialistas

Stalin  socialismo em um só país

Primeiro fortalece socialismo na URSS, depois espalha

Outros fatores:

Trotski sempre afastado para comandar o exército vermelho

Dificuldades de relacionamento público com o povo

Saiu da Rússia para fugir do czarismo

Judeu  preconceito russo enraizado contra eles  usado por Stalin

Stalin sempre presente comandando a vida política da Russia  enquanto lenin era doente

Carismático

Stalin nunca saiu da Rússia por causa do Czarismo  tons de valentia)

Eleições: Stalin vence  Stalinismo


STALINISMO (1924-1953)

Autoritarismo extremo

Implementar o unipartidarismo  PCUS

Implementar o “federalismo”  não vai existir pois ele sufoca

Submissão dos soviets ao PCUS  perde liberdade

Células de poder dentro do PCUS

Forte repressão aos opositores

Símbolo: Trotsky denunciando o Stalinismo até no exílio

Stalin ordena assassinato

Processos de Moscou  alegação de haviam muitos capitalistas infiltrados no PCUS

Perseguições e assassinatos

Gulaks  campos de concentração

Economia:

Extinção da NEP  muito capitalista

Estatização da economia

Instala Planos Quinquenais  5 em 5 anos o estado diz o que produzir, como produzir e a qtde

Estado representado pela GOSPLAN

Planificação econômica da URSS

1ª Plano: indústria de base

2º plano: indústria química

3º plano: interrompido pela 2º guerra mundial

Destaques:

Implantar metas absurdas e inatingíveis  quanto mais próximo de atingir, melhor

Intensa exploração da mão de obra  sthankanovismo

Sthankov: bateu todas as metas no primeiro plano  funcionário modelo

Não é mais valia pois o estado explora e serve pro povo (em tese)
Ênfase na produção de bens de capital em detrimento dos bens de consumo

Padrão de consumo mínimo

Coletivização do campo  criar os Sovkhoses (fazendas estatais)

Kolkhoses  cooperativas agrícolas comandadas pelo estado

Estado fornece insumos e adquire a produção

Motivo: Stalin era contra as Gulaks (pequenas propriedades)  capitalismo

Camponeses não aceitam a coletivização

Não era o que queriam com a revolução, e sim a pequena propriedade

Camponeses revoltosos eram maioria nos campos de concentração

Arte russa:

Jdanovismo

Estimular o espírito revolucionário

Realismo russo: representar artisticamente a nova realidade social

Positivismo heroico  sociedade quase perfeita

Retratar regime idealizado

Orientado pelo estado, há amarras e limites

AULA 33-34 – EUA NO PERÍODO ENTRE GUERRAS (1918-1939)

ANTECEDENTES

Isolacionismo estadunidente

Base: farewell speech de George Washington

“nenhum compromisso com estrangeiros”

Séc XIX nenhum compromisso com europeus, américa pode  doutrina monroe

EUA na entente em 1917  Rompe o isolacionismo

Defesa de capitais investidos nos países da entente

Ataques alemães a navios mercantes dos EUA no atlântico

Telegrama Zimmermann  proposta de aliança de Alemanha ao Méximo


Interceptado pela Inglaterra e usado pra motivar os EUA a entrar na guerra

14 pontos de Wilson  paz sem vencedores  ideia de um novo mundo pós-guerra

IMEDIATO PÓS-GUERRA

Pequena crise econômica (1919-1921)

Crise de reconvenção industrial  adaptar uma indústria de guerra a uma indústria de mercado
interno

Após a crise, EUA como maior potência econômica mundial

Guerra fora do território  Europa reconstruída com capital dos EUA

Parque industrial europeu destruído

Lucro com créditos par reconstrução da europa

Exportações em massa para europa

Fordismo

Protecionismo  tarifa Fordney McCumber (1922)  tarifa de 38,5% para produtos importados

POLÍTICA

Retorno do isolacionismo

Rejeição aos 14 pontos de Wilson, da inserção na liga das nações, etc

Câmara e povo contrário à intervenção americana em assuntos europeus

Não quer dizer que estejam alheios ao mundo  assinatura de tratados quando é conveniente

Tratado Naval de Washington de 1922

Limitação da tonelagem de navios no pacífico asiátrico

Preocupação com o expansionismo japonês

Auxílio econômico para a Alemanha

Plano Dawes (1925)

Plano Young (1929)

Pacto Briang-Kellog  pacifismo

França X EUA + diversos países mundiais


ANOS 1920 – Era da ilusão

Contradição: American way of life x repressão ao operariado, minorias e a lei Seca

American way of life  valorização do consumo

Progresso

Valorização da mulher doméstica  potencial de consumo

Movimentos operários intensos  propaganda anti-comunista do governo

Repressão

KKK  Racismo  ganha força

Contra negros, judeus e católicos irlandeses

Defensores dos brancos, anglo-saxão e protestante  “WASP”

Lei seca: proíbe fabricação, venda e transporte de álcool

Aumenta o tráfico  al capone

Perigo:

Recuperação europeia  queda nas exportações

Retração do mercado externo

Desemprego

Queda do consumo interno

CRISE DE SUPERPRODUÇÃO E SUBCONSUMO

Solução: investimentos no mercado financeiro

Especulação desvairada  chutômetro

Outubro de 1929  perda da confiança na bolsa  quebra da bolsa

QUEBRA DA BOLSA DE NY

Maior crise da história do capitalismo

A Grande Depressão

Desemprego

Quebra de empresas

Desemprego
Fome e miséria

Quebra do sistema bancário

Crise agrícola  fazendeiro não consegue vender, faz empréstimos, hipoteca a terra e perde

Internacionalização da crise de 1929

Crise nas exportações agrícolas da américa latina pros EUA (Brasil-café)

Retirada dos capitais investidos na Alemanha  situação de caos  Hitler ascende

URSS blindada da crise  socialismo ganha força

Compram máquinas para industrialização a preço de banana

ANOS 1930 – A RECUPERAÇÃO

1932: Roosevelt é eleito (democrata – rompe com a hegemonia republicana)

The New Deal  fórmula para tirar os EUA da crise

Estado intervencionista  Welfare State

Ato de emergência bancário  subsisídios aos bancos para não fecharem

Fim da proibição aos trustes

Incentivar as obras públicas  criação de empregos

Ato de ajustamento agrícola  compra produção agrícola para evitar superprodução

Fim da lei seca

Programa de incentivo à criação de empregos

Programa de recuperação à indústria nacional

Incentivo à aquisição de produtos americanos

Criação de leis trabalhistas

Salário mínimo  consumo mínimo

Reduzir de jornada de trabalho  mais empregos

Lei wagner  incentiva os sindicatos para fiscalizar as leis trabalhistas

Incentivar indústria de entretenimento  consumo

Críticas: acusado de socialismo


AULA 35 – EUROPA NO PERÍODO ENTRE-GUERRAS

AO FINAL DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

Acordos de paz:

1919: Congresso de paz de paris  vários tratados

Tratado de Versailes (mais importante)  draconiano

Alemanha culpada pela guerra

Indenizações de guerra

Perda de todas as colônias africadas e asiárias

Perda de territórios na europa (para Holanda, belgica)

Desmilitarização da Renânia

Devolução da Alsácia e Lorena para França

“corredor polonês” é incorporado à polonia

Proibição às industrias bélica e aeronáutica

Proibição de ter marinha de guerra

Redução (não a proibição) do exército alemão

Tratado de Saint Germain  com a Áustria

Expressa proibição de união entre alemanha e Áustria

Tratado de Trianon  com a Hungria  separar da Áustria

Tratado de Neully  com a bulgaria

Obs: questão turca

Recusam o primeiro tratado imposto  perda de territórios para Grécia

Entram em guerra por três anos

Ao fim, tratado menos desigual

Consequências da guerra

Fim dos últimos impérios  russo, alemão, austro-hungaro e turco-otomano

Criação de novos países  URSS, austria, polonia (volta a existir), lituania, letonia, estonia
(pertenciam à Alemanha, se tornam o cordão sanitário capitalista pra isolar a URSS)
Crise do liberalismo político  não responde à inquietações

Liberalismo passa a ser contestado

Ascenção do fascismo

Humilhações de guerra

Alemanha: “Ditado” de versailes

Italia: não recebem todos os territórios prometidos

Dá força ao fascismo de Mussolini

EUA como potencia econômica mundial

Inicio das lutas de libertação afro-asiáticas

Gandhi,

Afirmação do socialismo real soviético

Cultura: corrente modernista

Anterior e contemporâneo à guerra  ascende à guerra

Dadaísmo: negar a cultura

No pós guerra, o surrealismo  expressar manifestações ilógicas do subconsciente

Subterfúgios para fugir da realidade trágica da europa

Questão dos piolhentos  reinserir o ex-combatente no mercado

Soldados de trincheiras  epidemia de piolhos

Marginalidade dos soldados

LIGA DAS NAÇÕES

Ausência dos EUA

Principal objetivo: assegurar a paz mundial (14 pontos de Wilson)

Não se fala em cooperação internacional  só vem com a ONU

Principal órgão: conselho executivo

4 membros permanentes: Inglaterra, italia, frança e japão

4 membros não permanentes: eleitos em assembleia para período de 3 anos


Ausencias importantes: eua, Alemanha (até 1926) e URSS (até 1934)

Protocolo de genebra: proibição de armas químinas (década de 30)

Mandatos da Liga  territórios que ela comanda no mundo

Mandato C: sudoeste africano (atual namibia) e algumas ilhas no pacífico sul

Sudoeste africano era desde 1880 colonia alemã

Africa do sul era mandatário da Liga e mandava no lugar

Não era incorporado ao seu território

Brasil: membro fundador que saiu posteriormente

Brasil era membro relevante  representante das américas

Sempre era eleito

Presidente da época utilizava isso para afirmar poder interno (crise)

Problema: brasil condicionou a entrada da Alemanha como membro permanente à sua, que não
foi aceito  sai posteriormente

TRATADO DE RAPALLO (1922)

Alemanha + URSS  Tratado dos excluídos

Renúncia a todas as reinvindicações territoriais e financeiras oriundas do tratado bret litovski

Zerar a relação entre eles

Normalização das relações diplomáticas

Cooperação no estilo de boa vontade mútua  suprir a necessidade mútua de cada país

Desenvolver indústria bélica e aeronáutica da Alemanha na russia

Escondido da liga das nações

Permissão pra Alemanha treinar forças armadas na URSS

Escondido da liga das nações

Fim do isolamento diplomático

Inglaterra: preocupada com o tratado

Queria se aproximar da Alemanha pra inibir atuação da urss

Problema: frança
Problema: divergências históricas entre Inglaterra e frança

TRATADOS DE LOCARNO (1925)

Reunião para negociar reaproximação da Alemanha

Manutenção das fronteiras estabelecidas pelo tratado de versailes  imposição francesa

Pacto de estabilidade  MAIS IMPORTANTE

Potencias garantes que não irão mais ocuparão a Alemanha

Alemanha recusa a assinar um Locarno do Leste  ela queria territórios da polonia

Arbitramento internacional  Alemanha queria no futuro questionar a perda dos territórios para
polonia

Principal resultado: “espírito de locarno”

Alemanha entra na liga das nações

Brasil como membro não permanente e com veto

Brasil questiona a entrada da Alemanha na liga permanente pq ele queria tb

Brasil who? Disseram os outros países  recusam entrada permanente

Brasil veta entrada da Alemanha  clima horrível  sai da liga

Retirada das tropas aliadas da Renania Ocidental (1930)

ASCENÇÃO DOS REGIMES FASCISTAS

SALAZARISMO (PORTUGAL, 1933-1974)

Antecedentes: instabilidade e crise política

Militares aproveitam e tomam o poder

Salazar produz efeitos como ministro da economia e ganha nome

1933: Salazar aproveita a morte do general Carmona e instaura a ditadura

Convoca uma constituinte

Implementação do unipartidarismo  União Nacional

Autoritarismo  ideia de “democracia orgânica”

Repressão através da PIDE (Policia interna de defesa do estado)


Atuação em Portugal e nas colônias

Uso da propaganda intensa

Censura prévia

Aliança com igreja católica (1940)

Corporativismo: “temos uma doutrina, somos uma força”

Submeter sindicatos ao estado

Devem atuar conforme doutrina do estado

Nacionalismo

Colonialismo  economia depende da exploração indireta das colônias

Mantem as “províncias” quando todos os demais perderam

Antiparlamentarismo

Anticomunismo  deus, pátria e família

Antiliberal  estado interventor

DITADURA ESPANHOLA

Contexto: ascensão da esquerda ao poder

Reunião da oposição contra os projetos republicanos

Oposição associada ao Grupo FALANGE (fascistas)

Falange liderada por Francisco Franco

Consequência: GUERRA CIVIL ESPANHOLA

Republicanos + brigadas internacionais + Stalin x direita + falange + Eixo

Brigadas internacionais  apoio das esquerdas internacionais

1939: Franco vence a guerra e toma o poder

Quadro Guernica, Picasso  denuncia o impacto social uso de armas de destruição em


massa

Militarismo

Anarquismo

Corporativismo
Associação com a igreja católica

Intervencionismo e crescimento econômico  “milagre espanhol”

Lei de sucessão  Franco escolhe quem será seu sucessor

Indica o rei Juan Carlo  reabilitar a monarquia espanhola

Nacionalismo castelhano

AULA 37-40 – OS FASCISMOS

Artigo: Leandro Konder – os fascismos (coleção o século xx)

Movimento fascista na europa

Ex: Variação alemã: nazismo  arianismo

FATORES COMUNS (ITÁLIA E ALEMANHA)

Humilhações de guerra

Reino da italia assina o Tratado de Londres com Inglaterra (1915)

Italianos na entente

Italia não recebe todos os territórios prometidos

Republica de weimar (Alemanha)  ditado de versalhes

Crise econômica

Reino da Itália  gastos com a guerra

Reconversão industrial

Forte divisão interna  norte avançado (passa a atrasar) x sul atrasado (se fode)

Republica de weimar

Dividas de guerra, perde territórios e colônias,  crise total

Breve período de fôlego  auxílio dos EUA através da iniciativa privada

Crise de 1929  situação desesperadora  Alemanha quebra

Caos

Medo vermelho  URSS fantasma se desenvolvendo após “revolução popular”


Quem tem medo do comunismo: burguesia e parcela da classe média

O que fazer: apoiar o fascismo (anticomunistas)

CHEGANDO AO PODER – ITALIA

Contexto: Monarquia parlamentarista  Vitor Emanuel III

Eleições do início da déc. 20  crescente força política das esquerdas

Crise econômica  demissões, baixos salários, péssimas condições de trabalho

FORTALECIMENTO SINDICAL

Sindicatos se tornam base para a difusão do socialismo na Italia

Greves + movimentações operárias

Eleição de prefeito socialista em Bolonha

Surge o partido nacional fascista

Fascio: instrumento dos magistrados romanos

Líder incontestável: benito Mussolini  ex socialista

Bases: nacionalismo

Anticomunismo

Corporativismo  estado vai controlar os sindicados

Tutelar a relação entre patrões e empregados

É assim ele dissemina os ideais

Noção de união italiana  todos os italianos, independente de classes

Contrário ao marxismo  proletário do mundo x burgueses do mundo

Luta de classes prejudica a nação  união de classes

A ascensão ao poder

Movimentos proletários contra violências fascistas

1922: Marcha sobre rola  demonstração de força fascista


Mussolini x greves e trabalhadores insatisfeitos

Resultado: rei indica Mussolini para o cargo de primeiro ministro (cargo mais importante

Problema: ainda não tem força/maioria no parlamento

1924: eleições parlamentares

Fraudes e violência promovida por mussolini

Vitória fascista (60% das cadeiras)

1924-1928: leis fascistas

Fechamento dos demais partidos

Censura

Legalização da repressão aos opositores

Fechar o parlamento  vira um grande conselho

Itália fascista  Mussolini como Duce (guia)

Carta del lavoro: lei trabalhista para manter o controle e o poder sobre o proletário

CHEGANDO AO PODER – ALEMANHA

Ao final da 1ª guerra

Cai o 2º Reich

Implementação do regime republicano

1919: assembleia constituinte  resultados

Constituição de 1919: leis trabalhistas, federalismo, poder executivo dividido entre presidente e
chanceler

República de Weimar (1919-1934)  Weimar onde foi escrito a constituinte

Crise econômica  instabilidade política  favorece tentativas de golpe

Golpismo à esquerda  liga espartaquista (rosa Luxemburgo)

República soviética da Baviera  2 meses  sul da alemanha (industrializada)

Golpismo à direita  putsch de Munique  liderado por Hitler (nazismo)

Tentam tomar o poder  repressão pela república de Weimer

Hitler preso  escreve o mein kampf (best seller)


PARTIDO NACIONAL SOCIALISTA DOS TRABALHADORES ALEMÃES (NAZISTA)

Prometia melhorias sociais sem que se aderisse ao socialismo

Medo vermelho

Destaque: Hitler

Bases: anticomunista

Ultranacionalismo

Arianismo  homem branco puro  darwinismo social

Racismo, antissemitismo, holocausto

Alemão humilhado, sem emprego e com medo da crise

Ideia do nazismo é pegar o desacreditado e fazer ele se sentir importante

LIVRO: LUCACKS – UM HITLER NA HISTÓRIA  INTERPRETAÇÕES DE HITLER AO LONGO DA HISTÓRIA

A ascensão

1929: retirada de capital dos EUA (privado)  caos econômico

1932: eleições gerais  Hindemburg (ganha reeleição) x Hitler

Partido nazista Ganha sem fraude as eleições parlamentares  maioria parlamentar

Janeiro/1933: Hitler como chanceler  controla o parlamento

Hindemburg não conseguia indicar e manter outros pela oposição nazista

Fevereiro/1933: incêndio no parlamento alemão

Hitler aproveita e culpa os comunistas  inflama o medo vermelho

Hitler centraliza o poder  fortalece o partido comunista

Censura, unipartidarismo, repressão, campos de concentração (prisão para trabalho


forçado)

Agosto/1934: Hindembug morre

Hitler: unificar cargos de presidente e chanceler  parlamento nazista aprova 


FURHER

Inicia Alemanha do 3º Reich


CARACTERÍSTICAS GERAIS DO NAZI-FASCISMO

Totalitarismo  Hannah Arendt

“Tudo para o estado, nada contra o estado e nada fora do estado” (Mussolini)

Lei como instrumento de controle social e não de proteção ao indivíduo

Autoritarismo

Unipartidarismo

Antiliberalismo

Intervencionismo na economia (Assim como o socialismo)

Contra a democracia

Poder autoritário para impor uma vontade  só assim país vai pra frente

Anticomunismo

Repressão aos opositores

Grupo militar ‘camisas negras”  para o serviço sujo  italia

S.A.  grupos de assalto  início do nazismo  Hitler não gostava

S.S.  Tropas de segurança social  após a queda das S.A.

Gestapo  polícia de estado

Ultranacionalismo

Militarismo  fortalecer o país  emprego

Belicismo  emprego

Expansionismo

Ratzel  teoria do espaço vital  conquistar territórios até o limite de sua capacidade de
administração

Uso da propaganda

Culto ao líder

Inaugura a propaganda política moderna

Pesquisar sobre a cineasta do Hitler Lena Helfestein

Forte censura
Diferenças entre os regimes

Corporativismo  somente na ítalia

Sindicatos não sobrevivem ao nazismo

Antissemitismo  somente na Alemanha

Racismo como política de estado

Não há como convencer o latino italiano sobre a pureza deles

Italia adere ao antissemitismo após entrar na guerra ao lado da alemanha

FILME: concorrência desleal  inicio da perseguição dos judeus na italia

A vida e bela

AULA 41-42 – SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

ANTECEDENTES

O Eixo  Roma, Berlim e Toquio  expansionista

União para defender o expansionismo

Aliança entre Hitler e Mussolini (eixo roma-berlim para conquistar a absínia)

Japão: imperador aceita crescente influência de generais fascistas

Japão protagonista na primeira guerra na ásia

Japão não recebe territórios desejados ao final da guerra

Perda da Manchúria

Japão > demais povos asiáticos

Pacto anti-komitern  pacto anti-comunista

Política do apaziguamento  inglaterra e frança

Reação das potências ao expansionismo  Nada fazem

Motivo: fadiga de guerra  trauma da anterior  apoio popular

Crença no ataque à URSS pelos fascistas

Consequência: Expansão do fascismo

Expansão japonesa
Invasão da Manchúria (1932)

Segunda guerra sino-japonesa (1937-1945)  ataque ao litoral chinês

Expansão da Itália

Questão da absínia (1935-1936

Expansionismo italiano sobre a absínia (atual etiópia)

Absínia era estado nos moldes europeus, cristão e etc  mais respeito

Itália invade absínia  Absínia pede ajuda à liga das nações  Liga não faz nada

Liga das nações sob liderança inglesa e francesa  política do apaziguamento

Liga das nações desmoralizada

Anexação da albania (Abril/1939)

Ponte para conquistar territórios da Iugoslávia

Expansão da Alemanha (III Reich)

Ignora o tratado de Versailles  suspende pagamento das indenizações de guerra

Convoca novamente alistamento militar  fortalecendo exército

Militarização da região da Renânia  entre Alemanha, belgica e frança

Abril/1938: anexação da austria ao III reich (anschluss)  plebiscito austríaco

Conferência de Munique e a questão dos Sudetos (Set/1938)

Hitler queria região limítrofe com a Checoslováquia  sudetos  raça ariana

Convoca a conferência pra exigir os territórios

Inglaterra e frança acabam cedendo após a pressão de Hitler

Pra Hitler: ingleses e franceses recuam após grito

Alemanha: Hitler ganha moral pra população e no exército

França: aplaude o presidente por evitar a guerra

Chamberlain: “Hitler é a pessoa mais confiável da europa”

Espanha

Guerra civil com intervenção nazi-fascista

Laboratório de guerra para a 2ª guerra mundial  “o grande laboratório”


1939 - Pacto germano-soviético ou pacto ribbemprot-molotov (agosto/1939)

Acordo impensável até então  mundo chocado

Pacto de não-agressão entre URSS e III Reich

Motivações: alemanha não quer duas frentes de batalha

URSS adiar ao máximo a entrada no conflito  não interromper o 3º plano


quinquenal

Obs: cláusulas secretas no acordo  cláusula comercial, propaganda mútua, divisão da


polônia

Impacto: fracasso da política do apaziguamento  hitler não vai atacar urss

Acelera o início da guerra  fim da tolerância inglesa e francesa

Agosto/1939: guerra de nervos  “qual o próximo passo de Hitler?”

Ele quer a polonia  região de dantzig (corredor polonês)

Estopim: Alemanha invade a polonia  1º/09/1939

Inglaterra e frança declaram guerra

Polonia é criação do tratado de verseilles  invasão é atentado direto à Inglaterra e frança

AULA 43-44 – SEGUNDA GUERRA MUNDIAL (CONT) - AS FASES DO CONFLITO

1º - “A GUERRA ESTRANHA” (SET/39-ABRIL/40)

Termo da imprensa britânica

Não há mobilização militar significativa da Inglaterra e frança

MOTIVOS:

Franca acredita na Linha Maginot: linha de defesa na fronteira entre Alemanha e frança

Linha militar praticamente intransponível

Inglaterra acredita ter a maior marinha do mundo  é uma ilha

ENQUANTO ISSO, HITLER POE EM PRÁTICA A BLITZKRIEG

Forças móveis e ataques rápidos e de surpresa

Evitar organização e defesa inimida


URSS:

Ocupação da polonia

URSS é expulsa da liga das nações

Nem abala pelo descrédito da liga

URSS ataca a Finlândia

Finlandia resiste usando Coquetel Molotov (homenagem ao ministro de Hitler)

AÇÕES DO EIXO

Japão: alvo é o pacífico asiátivo

Acordos com indonésia para promover alguns ataques

Reino da Italia: alvo é norte da áfrica e Grécia

Norte da áfrica: problemas  Hitler manda divisão para ajudar

Se a guerra demorasse eles obteriam petróleo no oriente médio

Grécia: problemas  Hitler manda divisão para ajudar

Em três semanas invadem Iugoslávia (tava no caminho) e Grécia)

III REICH: EXPANSIONISMO

Hungria, romenia e Bulgária são simpáticas ao nazismo

Invasão À Luxemburgo

Invasão à Dinamarca (norte da Alemanha)

Da Dinamarca, invade a Noruega (aeronáutica)

Não invade a suécia  onde escondiam o ouro alemão, junto com suíça e vaticano

Invasão À Holanda

Era reduto de abrigo de vários judeus

Governo mantinha cadastro dos abrigados  facilitou a prisão

Anne Frank + família


Após Holanda, invade belgica

Após Belgica, invade norte da frança  contorna a linha maginot

Sul da França é zona livre de influencia direta  República de Vichy

República livre mas submissa aos interesses nazistas

Falta a Inglaterra:

Ataques aéreos sucessivos dos nazistas (Julho/40-Out/41)

Churchill: espionagem + tecnologia de aviação + liderança

Inglaterra resiste: a guerra não acabará em 2 anos

Hitler muda de estratégia

2ª – EQUILÍBRIO DE FORÇAS (1941-1942)

CARTA DO ATLÂNTICO:

conjunto de intenções norte-americanas com relação à guerra

EUA + Inglaterra  reorganização econômica do mundo

Origens de Bretton-Woods, do FMI e do Banco Mundial

Intenções sobre o mundo ideal após a guerra

Igual direito de todas as nações ao comercio e matéria prima

Ideais de liberdade econômica

Implantar ideia de que a guerra foi causada por protecionismo nacional

Liberdade nos mares

Desarmamento dos agressores

Estabelecimento de amplo e permanente sistema de segurança geral

O que virá a ser a ONU

INVASÃO ALEMÃ À URSS (1941)

Operação Barbarossa

Rompe o pacto Germano-Soviético  busca por matéria prima (petróleo)


Matéria prima para subsidiar uma guerra longa

Hitler não conseguia manter domínio sobre o Norte da África  oriente médio

Stalin só acreditou que o pacto havia sido rompido após 100km de invasão no território URSS

Invasão rápida  Hitler chega próximo ao subúrbio de moscou

URSS entra na guerra

INVASÃO À PEARL HARBOR (DEZ/1941)

Ataque japonês à principal base dos EUA no pacífico

Motivações:

EUA já havia realizado bloqueio econômico contra o japão

Crença de ataque iminente dos EUA

Iriam atacar antes e evitar

EUA entra na guerra

Brasil entra em apoio aos EUA

Getúlio Vargas: vender caro o alinhamento aos Aliados

CONFERÊNCIA DE CASABLANCA (JAN/1942)

Criação da Resistência Francesa

Grupo de militares franceses

Resistência à invasão nazista à França

Estímulos internos mediante radio, reuniões, etc.

Auxilio no Dia D para libertar a França

Liderança: Charles de Gaulle

1ª Grande conferência do Pós-Guerra

Acontece durante a guerra para organizar o mundo pós-guerra

Propostas:

Rendição incondicional dos agressores


Futura operação na europa continental

Reconhecimento da resistência francesa (De Gaulle)

Esboçam a criação do próximo órgão mundial

3ª – VITÓRIA DOS ALIADOS (1942-1945)

BATALHAS CÉLEBRES

Batalha de Stalingrado (Out/42-Fev/43)

Inverno rigoroso

Tática de Terra Arrasada

Stalin migra as indústrias pro Oeste para evitar alcance alemão

Exército nazista não tinha como se abastecer no território quando invade

Quando chegam em Stalingrado o exército estava arrasado

Vitória soviética  início à desnazificação da Europa Oriental

Rompe o isolamento da URSS

Stalin é fundamental para os Aliados

Batalha de El Alamein (Out/42)

Norte da África

Vitória dos Aliados sobre o poder fascista

Libertação do Sul da Italia e do Mediterraneo

Norte: República Social Italiana (República de Salor)

Brasil ajuda na expulsão dos fascistas do norte da italia

Batalha de Midway (1942)

Vitória americana no pacífico asiático

Expulsão dos japoneses

AULA 45-46 – SEGUNDA GUERRA MUNDIAL (CONT) – FIM DA GUERRA E CONSEQUÊNCIAS

AINDA NA 3ª FASE – VITÓRIA DOS ALIADOS


CONFERÊNCIA DE TEERÃ

Texto: Demetrio Magnoli – a história da paz (capítulo do William Waack)

Tese: roosevelt velho e pouco disposto + stalin maquiavélico, pragmático e cheio de lábia.

Churchill não conseguiu lidar com a lábia do stalin

EUA (Roosevelt) + Inglaterra (Churchill) + Russia (Stalin)

Reconhecimento dos Partisans da Iugoslavia como aliados

Partisans: grupo socialista oposto ao nazismo

Reconhecimento dos socialistas na iugoslavia

Liderança: tito  Stalin cobraria depois

Pensando no modelo de mundo pós-guerra

Pressões na Turquia para que tomasse partido

Neutra até 1945  entra como aliado

Promessa de Roosevelt e Churchill para invadir a França em poucos meses

Operação Overload

Reconhecimento da presença soviética no Báltico

Territórios que o império Russo havia perdido no acordo Bret-Litovski estavam recuperados

Letonia, estonia, etc.

Criação de laços entre os três

CONFERÊNCIA DE BRETON-WOODS

Definição do sistema financeiro e comercial no mundo pós-guerra

BIRD – Internacional Bank for Recovering and Development

FMI

Padrão Dólar-Ouro

Abandonado somente em 1971

Aumento do intervencionismo público


Wellfare state  investimentos em área social

O DIA D – DESEMBARQUE ALIADO NA NORMANDIA (01/06/1944)

Desnazificação da europa ocidental

Libertação francesa

Líder francês: Charles de Gaulle

CONFERÊNCIA DE WANNSEE (20/01/1942)

Conferencia nazista

Acordo para implementação da “solução final”

Garantir o total controle sobre o destino dos judeus do Reich e a Leste Europeu

Surgem os Campos de Extermínio

Matar a maior quantidade de judeus possível

Diferentes órgãos do III Reich acordando sobre como proceder nessa situação

CONFERÊNCIA DE DUMBARTON OAKS (AGO-OUT/1944)

Criação de uma assembleia geral composta por todos os membros da organização

Criação do conselho de segurança (11 membros)

5 permanentes  Ing, frança, EUA, URSS e China (oposição ao Japão)

Assembleia geral elegeria os outros 6 por período de 2 anos

Obs: brasil como 6º membro permanente  foi cotado por Roosevelt

Convencido a deixar pra depois

Projeto de conselho econômico e social submetido à assembleia geral

Projeto de uma corte internacional de justiça

CONFERÊNCIA DE YALTA (1945)

Balneário de Yalta, atual Ucrania, URSS


Organizar a invasão e divisão da Alemanha

Promover divisão do mundo em áreas de influência

Quem desnazificou influencia  capitalismo ou socialismo

Desnazificação comum  governo de coalizão

Italia, frança  depois escolheriam

Desnazificação parcial por um e outro  divisão

Coreia

Declaração da europa libertada

Compromisso com democracia, não importa se socialista ou comunista

Futura divisão da Alemanha e Áustria

ABRIL/1945 - MORTE DOS DITADORES

Mussolini capturado, condenado e morto em praça pública

Hitler suicida com ordens expressas

Cianeto + tiro na cabeça + queimado + enterrado

Evitar a exposição de Mussolini

Toda a cúpula nazista havia cometido suicídio

CONFERÊNCIA DE SÃO FRANCISCO (ABRIL/1945)

Criação da ONU

RENDIÇÃO ALEMÃ (7/MAIO/1945)

Fim da guerra na europa

Guerra continua na asia

CONFERÊNCIA DE POTSDAM (JULHO-AGOSTO/1945)

Berlim
Libertação das ocupações do III Reich

Divisão da Alemanha e da Austria em quatro áreas de influencia

Divide o país todo e a capital

Inglaterra, frança, EUA e URSS

Criação do Tribunal de Nuremberg

Punir nazistas por crimes contra a humanidade

URSS aumenta sua área

Cria nova linha divisória

URSS conquista territórios poloneses

Polonia conquista territórios alemães

BOMBAS ATOMICAS SOBRE O JAPÃO (AGOSTO/1945)

Motivações:

Evitar a presença soviética no Japão

Informações de que URSS enviava tropas para libertar o japão

EUA queria japão como área de influencia

EUA queria colocar o fim definitivo na guerra

Poupar vidas norte americanas com mais 6 meses de guerra

Recado para URSS  poder de fogo

Fim da II guerra mundial em Setembro  rendição japonesa

CONSEQUÊNCIAS DA II GUERRA MUNDIAL

Cidades destruídas

Paisagens arrasadas

Campos áridos

Exploração e pilhagem dos ocupados

URSS tenta se reerguer às custas deles  leste europeu


Mão de obra compulsória

Cidades e vilarejos destruídos

36,5mi de europeus mortos

Predominância feminina no pos guerra

Inserção no mercado de trabalho

Novas fronteiras a leste  Polonia e URSS

Italia

Republica de Salor derrotada em 1945

Plebiscito para escolher republica ou monarquia  republica vence

Governos de coalização nacional na italia e frança

No leste europeu

Antigas elites desacreditadas  desejo de reconstrução

Partidos comunistas marginais

Solução: governos de coalizão nacional

Tito no poder na iugoslavia

Guerra civil na grecia

Japão submetido aos EUA

Operação Downfall  rendição incondicional  assinatura no USS Missouri

Ocupação dos EUA até 1950

Douglas MacArthur: comandante supremo das forças armadas

Desmilitarização do japão

Medidas redemocratizantes

Negação do direito divino do imperador Hirohito (monarquia constitucional )

Reforma agraria
AULA 47-48 – GUERRA FRIA (1947-1991)

FALTA AULA 47, SUPRI COM AULA 27 DO CURSO ANTERIOR

ANTECEDENTES:

Conferências da 2ª guerra mundial  divisão do mundo

Bombas Atômicas  Eua mandando recado para URSS

Maior parte dos historiadores não concorda com essa tese

Churchill e a “Cortina de Ferro” dividindo o mundo entre capitalistas e socialistas

DEFINIÇÃO:

Período de montagem e maior enfraquecimento dos blocos europeus

PRIMEIRA FASE – GUERRA FRIA CLÁSSICA

ORIGEM

Ameaças comunistas na Grécia e Turquia

Grécia: Guerra Civil com comunistas vencendo  medo vermelho nos EUA

Reação dos EUA  Doutrina Truman (1947)

Dever dos EUA lutar contra a ameaça totalitária

Liberdade e democracia x opressão e ditadura

SOBRE AS SUPERPOTENCIAS

EUA  superação da pequena crise

Força econômica

Truman e o Fair Deal

Ex: previdência social, habitações populares

URSS  retorno ao militarismo

Aviação estratégica

“Revoluções Pelo Alto”


MONTAGEM DOS BLOCOS DE PODER (CAPITALISTA)

Plano Marshall  investimentos para recuperação da europa ocidental

Créditos e exportações

Contrapartida: produtos norteamericanos

Influencia na política interna dos países

Socialistas deveriam sair do poder em governos de coalisão (ITA e FRA)

Oferece para países do leste europeu  URSS veta nos países que controla

Iugoslávia: Apesar do governo socialista, Tito aceita o investimento pois havia rompido com
Stalin por não aceitar a inércia sobre a Grécia e por achar que ele queria usar a iugoslavia como satélite
da URSS

Obs: similares

Plano Colombo  Asia

Aliança para o Progresso  América latina

OTAN – Aliança militar  conter a ameaça comunista

Legitimação da presença norteamericana na europa do pós guerra

Maior parte dos soldados são norteamericanos

Intervenção  envia soldados da OTAN

Padrão mínimo do exército dos membros

Lucro à indústria bélica dos EUA

Obs: Similares

OTASE – Asia

TIAR – América latina

Macarthismo

Senador Joseph McCarthy

Discurso anticomunista

Extirpar e expulsar comunistas de dentro dos EUA  Caça às bruxas

Base: Comite de ações antiamericanas


URSS cria bomba atômica  espionagem

Espionagem fomenta o comitê

Perseguição de todos

Exagero  perde força

MONTAGEM DOS BLOCOS DE PODER (SOCIALISTA)

COMECOM – Conselho para Assistencia Economica Mútua

Países do Leste Europeu integrando economias

Criar mercado comum

Início: somente leste europeu

Anos 60: mongolia

Anos 70: cuba e Vietnam

Pacto de Varsóvia – Aliança militar (1955)

Aliança anticapitalista

Utilizado somente dentro da URSS

Reafirmar poder da URSS

Obs: KGB x CIA

Série A COMPANHIA

AULA 49-50 – GUERRA FRIA (CONT)

DESTAQUES (DA PRIMEIRA FASE)

Crise De Berlim (1948-1949)

Origem: divisão da Alemanha e de Berlim (entre 4 países)

Problemas na administração em comum acordo após a guerra fria

Lado oriental: quebrado

URSS cobrava dívidas de guerra

No lado ocidental: investimentos do plano Marshall


Reforma monetária sem acordar com Stalin

Estopim: Stalin veta acesso terrestre das potências à Berlim Ocidental

Crise de abastecimento

Solução: criam corredor aéreo

Desmoralização do Stalin

Resultado: Stalin suspende bloqueio (1949)

Criação de dois países: República Federal (Alemanha Ocidental) e Democrática (Oriental)

Rompe com a administração em comum acordo

1949: Revolução Chinesa

China se torna comunista – Mao Tse Tung

Guerra da Coreia (1950-1953)

Origem: divisão da coreia após a 2ª guerra

Previsão de plebiscito para unificação

Impacto de Taiwan na ONU  ONU só reconhece Taiwan como China

Estava claro que a ONU era capitalista e iria derrubar o comunismo do Norte

Norte recusa diálogos com o Sul par reunificação

Estopim: Norte invade o Sul  quer unificar na força

Destaque: ONU apoiando a Coreia do Sul

Aproveita que a URSS está protestando em favor da China comunista e não vota no
Conselho de Segurança

Liderança dos EUA na intervenção

Operação Killer

República Popular da China apoiando o Norte

Final: Armistício  após longo desgaste

Divisão do Paralelo 38 permanece

Não há acordo de paz


SEGUNDA FASE - COEXISTÊNCIA PACÍFICA (1955-1969)

Definição: período de uma aproximação imperfeita entre os blocos de poder

PROTAGONISTAS:

EUA: Republicanos voltam à Casa Branca (Eisenhouer + Nixon)

Postura: mudar rumos

Política interna: enfraquecimento do Macarthismo

Iniciativa privada manuseando e desenvolvendo reatores nucleares

Criação do departamento de Educação, saúde e bem estar  Golden Years

Atitude Federal para acabar com a segregação

Suprema corte proíbe segregação em escolas e universidades públicas

Proposta das leis dos direitos civis de 1957 e 1960

Política externa: John Foster Dulles (gestor)

Chance for peace speech  desarmamento

Atoms for peace  russos recusam alegando superioridade notória dos EUA

Convenção de Genebra (1955)

Teoria do Efeito Dominó  impedir que o primeiro caia e o comunismo se espalhe na


asia

Criação da organização dos tratados do sudeste asiático (1954 – Otan asiática)

Manobras conjuntas anuais

Australia, nova zelandia, eua, filipinas, tailandia, Paquistão, gra-bretanha e


França

URSS: morre Stalin (1953)

Era Kruschev (1953-1954)  vence disputa pelo poder

Principais ações:

Reorientação dos planos quinquenais  ênfase à indústria de bens de consumo

Afastamento dos dirigentes ligados ao Stalinismo clássico

20º congresso do partido comunista da URSS

Relatório Kruschev  denuncia excessos do stalinismo


Críticas ao culto da personalidade de Stalin

Revela documentos de Lenin criticando Stalin

Exposição dos métodos de stalin para promover depurações

Campos de concentração na URSS

ESTOPIM: CONVENÇÃO DE GENEBRA DE 1955

Primeira vez em anos que os líderes dos blocos de poder sentam pra dialogar

Nada foi ajustado efetivamente na convenção, mas eles se dispuseram

Motivos: fissuras nos blocos de poder (tese de Gerson Moura – Avanços e Recuos: a política exterior no
governo JK)

Fissuras no Bloco Capitalista

Milagre Japones em 1957  crescimento econômico absurdo

Superação dos efeitos da guerra  dispensa tutela econômica dos EUA

Aumento da renda nacional

Importação de matéria-prima em larga escala

Revolução nacionalista Cubana (1959)

EUA perde a influencia no território de Cuba

Irã: nacionalização do petróleo iraniano (1953)  Mossadegh

Intervenção dos EUA  Operação Ajax

Cai Mossadegh  fortalecimento de Xa Reza Palhevi

Egito: Nasser com líder  discurso panarabe, pan-africano e terceiroo-mundista

Aproximação da URSS

Nacionalização do Canal de Suez  reação de Israel

Doutrina Eisenhouer  apoio a Israel custe o que custar

Apoio a israel garante uma base aliada na região  influencias

Fissuras no Bloco Socialista

Revolução húngara (1956)

Contexto: URSS impõe socialismo na Hungria em 1949  República Popular da Hungria


Presença militar soviética contínua

Autoritarismo e expurgos contínuos

Crise econômica do pos guerra

Pagamento de indenizações

Hiperinflação

Falta de alimentos

Início: Manifestação pacífica de estudantes (Outubro/1956)  Budapeste

Exigiam saída dos russos  implementação de “verdadeiro socialismo”

Agregação de outros setores em seguida

Imre Nagy  proposta de candidato reformista

Assume como primeiro ministro

Único capaz de efetuar as mudanças necessárias

Socialismo mais independente que dialogue com EUA

Anuncia as reformas esperadas pelo povo

Pluripartidarismo

Libertação de presos políticos

Retirar a Hungria do Pacto da Varsóvia

Repressão soviética

Execução de Imre Nagy e outros 350 opositores

Assume líder soviético: Janos Kadar

Governo Kadar (1856-1988)

Repressão após eventos de 1956

Liberalização do regime  cultura e economia

Atender parcialmente os anseios sociais

Hungria vai ser precursora da Perestroika

Anistia geral

“Comunismo Gulache”  designar comunismo característico local


Rompimento Sino-soviético  aprofundar quando estudar a China

Fissuras Comuns aos Blocos

Lutas de libertação afro-asiáticas

Discurso contra a bipolarização  surge o terceiro mundismo

TEMPOS DE APROXIMAÇÃO

1ª diástole: aproximação

Símbolo: Kruschev visita os EUA (1959)

1ª Sístole (1960-1962)

Crise do U-2: Avião espião americano é capturado sobrevoando a URSS

Criação do Muro de Berlim (1961)  impedir o êxodo oriental para o ocidente

Ocidente com injeção de capital para atrair moradores socialistas

Associação com Cuba  crise dos mísseis (1982)

Contexto: revolução cubana e associação com a URSS

URSS instala mísseis apontados pros EUA  retaliação à misseis na Turquia apontados
pra eles

Bloqueio naval dos EUA  Não foi autorizada a invasão à cuba

2 semanas de tensão e negociações

Ambos retiravam os mísseis

AULA 51-52 – GUERRA FRIA (CONT)

2ª diástole (1962-1969)

Criação do “Telefone Vermelho”

Complexo sistema de telecomunicações conectando EUA e URSS

Primeiras negociações para não ocupar a antártica

Kruchev sai

Auge da corrida espacial  encabeçada pela URSS

Lança o Sputnik
Lança o primeiro ser vivo  laika

Lança a Vostok  primeiro homem no espaço (Yuri Gagarin)

EUA

1969 lança apolo 11

Apolo 13 (“Houston, we have a problem”)

Dec. 80: primeira mulher no espaço  foguete explode no lançamento

Consequências da corrida epsacial

Tecnologia de ponta

Problema da URSS: não traduz isso pra os bens de consumo

EUA faz, ex: micro-ondas

Desenvolvimento do setor de telecomunicações

Envia satélite pra controlar fronteiras

Propaganda  Lua com bandeira dos EUA é área de influência deste

Guerra do Vietnã (1961-1975)

Antecedentes:

Indochina era colônia francesa desde Napoleao III  Vietnã, Laos, Camboja

Grupo comunista ao Norte  Viet Mihn

Ataque japonês na segunda guerra  defesa incrível do grupo comunista

Após fim da guerra  querem a independência francesa

Guerra de independência (1946-1954)  frança sem a menor condição de


manter essa colônia

1954: Conferencia de Genebra  acordo

Indochina independente

Divisão política  Laos e Camboja (neutros), Vietnã do Sul (capitalista) e


Vietna do norte (comunista)

Plebiscito futuro para reunião do Vietnã

Governo popular no norte e impopular no sul sul recusa plebiscito

Estopim:
Vietnã do sul recusa plebiscito

Vietcongues (contrários) queriam o plebiscito  reação bélica

Guerra civil no início

Protagonistas:

Vietnã do sul  ditadura apoiada pelos eua

Compromisso dos EUA com Vietnã  OTASA

Incidente no Golfo de Tunkin  ataque a navio americano


navegando em águas do norte

Teoria do efeito dominó  não poderiam deixar o comunismo


pegar o efeito dominó na ásia

Indústria bélica movimentada

Vietcongues  apoio do governo do norte

3ª FASE - DETÉNTE (1969-1989)

É o período de maior aproximação entre os blocos

Origens (duas datas marcantes para a origem):

1968: Tratado de Não proliferação de armas nucleares (TNP)

Crítica: congelamento do poder dos EUA e URSS

1968: Grandes arquitetos da Deténte chegam ao poder  Nixon + Kissinger

COMO ESTAVAM AS POTÊNCIAS:

URSS (Era Brejnev - 1964-1982)

Após queda de Kruchev  forçam sua renúncia

Retorno do Stalinismo

Fortalecimento da KGB

Estrutura de poder e repressão interna se fortalecem também

Teoria da soberania limitada

Direito da URSS de intervir em países socialistas


Problema: Tchecoslováquia (1968)

Corrente do partido comunista propõe grandes reformas

Manifestações pontuais

Queriam acabar com o stalinismo na Tchecoslováquia

Primavera de Praga (1968)

Líder: Alexandre Dubcek

Fim do monopólio comunista

Multipartidarismo

Convocação de assembleia nacional constituinte com principais


membros da população tcheca  representantes do povo

Liberdade de imprensa

Independencia do poder judiciário

Tolerância religiosa

Apoio de grande parte da sociedade  texto “duas mil palavras”: apoio


dos grupos intelectuais

Forte repressão da URSS

Grande crítica mundial à repressão

Problema 2: não havia espaço na URSS para a democracia

Para de ser influencia para novas revoluções de esquerda

EUA

JFK: Democratas voltam ao poder (1961-1963)

Assassinato  assume Johnson (1963-1969)

Igualdade civil entre negros e brancos em todo o território

Inicia discurso sobre igualdade social  Martin Luther King e Malcom X

Assassinados

Governo Nixon + Kissinger

Guerra do Vietnã  estão em desvantagem territorial e de táticas

Uso de Napalm e Agente Laranja (agente químico p matar a selva)


Consequências até hoje no Vietnã

Crescimento da oposição

1ª Guerra transmitida pela TV  viram os horrores em casa

Classe média, políticos, negros, hippies

Woodstock

Plano de Vietnamização da Guerra

Sair da guerra e deixar o conflito entre os vietnãs

Vietnã do norte vence  socialização

Crise militar  perde a guerra

Crise econômica  abandona o padrão dólar-ouro

Crise política  maior democracia abalada

Vice presidente da reeleição (Agnew) admite sonegação  renúncia

XXV emenda: em caso de renúncia, nomear outro vice

Posse depende de maioria das casas do congresso

Indica Gerald Ford

Escândalo de Watergate

Divulgado pelo Washington Post

Grupo preso espionando sede do partido Democrata em Washington

Investigação da CIA

Jornalistas Carl Bernstein + Bob Woodward

Fonte interna da CIA  Deep Throat (Mark Felt)

Escuta por ordem da casa branca  Nixon envolvido

Renúncia para evitar o impeachment  manter benefícios

Ford (não eleito) assume presidência

AULA 53-54 – GUERRA FRIA (CONT)

DESTAQUES
Ainda na terceira fase

“Diplomacia do Ping Pong”  aproximação entre EUA e China

Campeonado de tênis de mesa

Aproximação entre atleas rompe o gelo

Iniciam-se as visitas de estado recíprocas

ONU  propor reconhecimento da China Continental

Tratado sobre a limitação de sistemas antimísseis balísticos

Impede o lançamento de armas nucleares no espaço

Um dia antes do SALT

Limitar o poderio de ambas as partes

SALT 1

Conversações sobre limites para armas estratégicas

Limita pela primeira vez o numero de armas estratégicas intercontinentais com mais de 5mil km

Determinação de que os misseis balísticos lançados de submarinos (arma invulnerável) seriam


utilizados somente quando os misseis balísticos intercontinentais fossem desmontados

Intercâmbios econômicos

Base: export administration act (1969)

URSS incluída como nação mais favorecida

Protestos do congresso americano

Proibição de testes nucleares subterrâneos com potencia maior a 150 quilotons

Conferencia de Helsinki (1975)

Inviolabilidade das fronteiras nacionais

Igualdade soberana, respeito a direitos de soberania

Respeito a integridade territorial dos estados

Solução pacífica das controvérsias

Igualdade de direitos e autodeterminação dos povos

Cooperação entre povos

SALT II (1979)
Bresnev + jimmy carter

Dificuldades de aplicação  aproximação prestes a acabar

Notificação sobre certos lançamentos de misseis

Limite de 2400 “veículos de lançamento nuclear estratégico”

Reduz em 1981 pra 2250

Limite de 1320  numero total de lançadores

Ostpolitik

Willy brandt + willi stoph  alemanhas capitalista e socialista

Abertura de mercados para a republica democrática alemã (a socialista)

Resultado: vantagem tecnológica em relação às demais nações do leste europeu

Vantagem da própria DETAN

Jimmy Carter

Democrata

Defensor de direitos humanos  contexto de descoberta dos horrores que causaram no Vietnã

Perde a nicaragua

Revolução iraniana  retira influencia dos EUA (Cha reza palev)

Imagem de uma revolução fundamentalista

URSS: Invade Afeganistão (cabul) em 1979  evitar revolução fundamentalista na URSS

Opinião pública dos EUA exige que jimmy carter faça alguma coisa
(revoltadíssima)

Jimmy carter condena a invasão  rompimento da aproximação EUA x URSS

Inicia segunda guerra fria

SEGUNDA GUERRA FRIA

Definição: retorno das tensões entre as duas potencias

Estopim: URSS invade Afeganistão

Evitar revolução fundamentalista lá

Regime parceiro ameaçado por fundamentalistas


Condenação dos EUA

Retorno da guerra fria clássica

Destaques:

Boicotes olímpicos (1980)  Olimpiada em Moscou

EUA + 6 potencias

Dizem ser uma das olimpiadas mais lindas

Olimpiada de Los Angeles

URSS nãos e sente segura e boicota as olimpiadas

Reagan

Reagan:

Corrida armamentista pra fortalecer indústria bélica americana

Desconsidera os acordos anteriores

Radicalista

Intervenções na américa central e caribe

Granada  socialista

Discurso anticomunista

Hollywood: Rocky IV e Rambo III  veículos de massa

URSS

Grave crise  silenciosa para o mundo

Gerontocracia: velhos tomavam conta

Media de idade de mais de 70 anos no poder com Bresnev

Instabilidades nas fases de transição para saber quem assumirá o poder

Sucessão de líderes morrendo com pouco tempo de poder

Fragilidade econômica

Presa no passado  excelente em produção de bens de produção

Não produzia bens de consumo

Enquanto isso: capitalismo produzia bens de consumo e tecnologia


Terceira revolução industrial

URSS não conseguiu atingir metas agrícolas

Crise agrícola  importação

URSS sustentava estados satélites

Cuba, Vietnã, entre outros

Ausência de comida + revoltas

Polonia  revoltas

Solução conciliatória  solução Gomulka

Dialoga com a URSS mas produz as mudanças que o povo quer

Não tinha força pra suprimir como na tchecoslovaquia

Suspensão da coletivização forçada no campo

Redução do aparato repressivo

Retirada dos conselheiros soviéticos  maior autonomia

Auxilio econômico dos EUA

Normalização das relações com RFA

Criticas aos revisionistas

Envolvimento polonês na repressão dos tchecos

Karol Wojtyla eleito papa  joão Paulo II

Propaganda anticomunista

Abertamente anticomunista

Grave crise econômica

Greves no verão de 1980

Destaque: estaleiros de Gdansk

Surge o Sindicato Solidariedade

Líder: Lech Walesa

Sindicato livre

Repressão por lei marcial  evitar intervenção soviética


DESMONTE (1985-1991)

Definição: crise soviética  desmonte do socialismo real

Estopim: Mikhail Gorbachev assume o poder (1985-1991)

Protagonistas

EUA: corrida armamentista

Forte discurso anticomunista

Neoliberalismo levando ao crescimento econômico

URSS: ECONOMIA  perestroika

Reestruturação da economia soviética

Desmonte da economia

Descentralização das decisões

Abertura econômica, propriedade privada, capital estrangeiro

Fim do monopólio estatal

POLÍTICA  Glasnost

Transparência política

Fim da ineficiência adm

Fim da perseguição à oposição

Participação da população e dos meios de produção

Relações internacionais:

Desarmamento

Negociações com EUA e europa ocidental

Resultado: Crise não foi interrompida

Abertura política leva a crises e críticas públicas

INF – Tratado de forças nucleares de alcance intermediário (1987)

EUA + URSS

Banir mísseis de médio alcance entre os dois países


Crucial para o fim da guerra fria  pontapé inicial

1988

Retirada da URSS do Afeganistão

Primeiros movimentos a favor da democracia

“Ventos da Glasnost”

Legalização do sindicado solidariedade

Eleições livres para parlamento

Maioria não comunista

Reformas econômicas  desestatização

Reformas na constituição

1990: Walesa é eleito presidente

Alemanha

Erick Honecker chega ao poder (1976)  chefe do conselho de estado

Não há nada a mudar do ponto de vista economico

Ligação estreita com a URSS

Força da Stasi  polícia política

Posição defensiva à RFA  apesar da Ostpolitik

Adoção de socialismo de consumo

Maior disponibilidade de bens e consumo + habitação

Reflexos da Glasnost na RDA  influencia política

Pressões populares pela abertura

Distúrbios civis  queda de Honecker (1989)

Queria controlar a insatisfação

Assume Egon Krenz com discurso moderado

Gunter Schabowski  acaba com restrições às viagens ao oeste

Imprensa anuncia queda do muro de berlim


09/11/1989: queda do muro

Eleições livres em Dezembro/1989

Eleição de Manfred Gerlach

Processo de reunificação  conclui em 1990

Marco para fim do socialismo real

Bulgaria

Contexto de crise em todo o bloco europeu

Lider: Zhivkov  resistia a todo tipo de mudança

Deposto em 10/12/1989

Assume Petar Mladenov  conter revolução  falha

Eleições livres em 1990  multipartidarismo

Tchecoslovaquia

Primavera de Praga suprimida

Reformas da Perestroika e Glasnost

Repressão a movimento estudantil Nov/89  não combina com a glasnost

Reação popular entre Novembro e dezembro/1989

Fim do unipartidarismo

Revolução de veludo

Separação pacífica da Republica Tcheca e Eslovaquia

Eleições democráticas em Junho/1989  elege Dubcek presidente do parlamento

Comanda a separação

Vaclav Havel  presidente da checoslovaquia

Privatização de estatais

URSS – impactos internos da perestroika e glasnost

Passividade e inercia burocrática x pressões por reformas rápidas e profundas

Desabastecimento interno  filas e manifestações

Insatisfação politica
Crescimento da questão nacionalista  desejo por separatismo

Agosto/1991: tentativa de golpe por conservadores  depõe Gorbachev

Reação dos ultraperestroikistas

Greve geral, apoio de civis e militares

Retorna Gorbachev

Fortalecimento dos ultraperestroikistas  surge Boris Yetsin

Yetsin influencia Gorbachev enfraquecido

Agosto/1991: dissolve PUCS mas mantem-se como presidente da URSS

Partido comunista da URSS

Setembro/1991: declarações unilaterais de independência

Estonia, lituania, letonia  repúblicas bálticas

Gorbachev reconhece após confrontos

ONU admite novas repúblicas

Dezembro/1991: Pacto de Belaveja ou Acordo Secreto de Minsk

Yetsin proclama fim da URSS

Criação da comunidade dos estados independentes

Russia + ucrania + bielorrussia

Com o fim da URSS, acaba a polarização mundial e a guerra fria

AULA 55-56 – REVOLUÇÃO CHINESA (1949)

SÉCULO XIX – AÇÕES IMPERIALISTAS

Até então fechada aos interesses internacionais

Não possuía interesse no mercado europeu

Inglaterra descobre produto de interesse: opio  tráfico

Guerras do opio: dinheiro transferido para traficantes ingleses

Entre 1840 e 1850

Legaliza ou não?
Opção: não  fechar os portos para o opio

Inglaterra insatisfeita  queima de ópio  força a abertura

Abertura da china para mercado ocidental

Break-up chinês

China dividida em diversas áreas de influencia

Convivência com o imperialismo

Reações ao imperialismo

Revolta de Taiping (

Natureza messiânica

Natureza nacionalista

Repressão com ajuda dos EUA

Revolta dos boxers

Sociedade secreta contra capitalistas

Repressão

Chineses insatisfeitos com o imperialismo

Reforma dos 100 dias (1989)

O que era Conjunto de éditos que reformavam a admissão no serviço público, a educação, o
comércio, a indústria, a agricultura e as forças armadas

Líder: jovem príncipe Quangxu

Imperatriz Cixi + funcionários graduados se unem contra  golpe de estado

Temendo enfraquecimento da dinastia Quing

Resultado: lança um édito afirmando que Quangxu a pedira para reassumir o poder

Coloca Quangxu em detenção no palácio

Sun Yat-sem

Lider de grupos revolucionários desde 1905  aliança revolucionária

Ideia de revolução republicana

Partido Nacionalista Chines (Kuomintang)


QUEDA DO IMPÉRIO CHINES

Contexto: mobilização popular

Insurreição militar

Eminente revolução republicana

Mãe do imperiador Puyi + assessores negociam vidas e segurança financeira

Parlamento aceita  Puyi abdica

REPÚBLICA CHINESA (1912-1949)

Após a chegada ao poder do Sun Yat-Sem

Desafio: impor burocracia republicana ao interior do país

Forte resistência de proprietários de terra com privilégios imperiais  senhores da guerra

1ª guerra Civil (década de 10)

Protagonistas: kuomitang x senhores da guerra (contrários ao governo)

Criação do PCC – Partido Comunista Chines (1921-2011)

Partido marxista tradicional

Contexto: após a revolução russa

Força nos grandes centros urbanos

2ª guerra civil (década de 20)

Protagonistas: kuomitang + PCC x senhores da guerra

Aliança em prol da industrialização e revolução por etapas

Aliança breve  até morte de sun yat-sem

1927: Governo nacionalista de Chang Kai-chek

Após morte de sun yat-sem

Ruptura com comunistas

Massacre do pcc nas principais cidades

3ª guerra civil
Protagonistas: senhores da guerra + kuomitang x PCC (1920-1930)

PCC acuado das grandes cidades vai pros interiores e prejudica os senhores

Surge mao tse-tung: buscar apoio no campo  maioria populacional chinesa

Longa marca do mao tse-tung: fugindo dos senhores e kuomitang (1933-1934)

Sai das grandes cidades e passa pelas áreas de influencai dos senhores

Grande perda de membros do PCC

Saem 100mil homens, por 9700km

Chegam menos de 10mil

Ao final: vai pregar a via camponesa para a revolução comunista

Aproveitou para implementar várias obras e projetos comunistas

Tomam áreas de influencia  sucesso  fortalecimento de Mao tse-tung

Invasão japonesa (1937-1945)

Durante segunda guerra mundial

Formação de frente única: pcc + kuomitang + senhores da guerra x japão

China considerada potencia aliada

Convidada para a conferencia de Dumbarton-Oaks

Membro do Conselho de segurança da ONU

China x japão assina a paz  japão rende (Setembro/1945)

4ª guerra civil (1946-1949)

Áreas de influencia comunista são maiores que as da Kuomitang

Protagonistas: Kuomitang x PCC

Derrota do Kuomitang  Lider Kai-Chek refugia em Taiwan

ONU RECONHECE

PCC  Lider Mao funda a república popular da China

ONU NÃO RECONHECE

REPÚBLICA POPULAR DA CHINA


1º PLANO QUINQUENAL (1953-1958)

Reforma agrária  formação de cooperativa agrícolas

Reforma educacional  acabar com analfabetismo

Alfabetizar em madarin exige 10 anos

Industrialização  aumento da produção

Números positivos

MOVIMENTO DAS 100 FLORES (1956)

Permitir diferentes escolas de pensamento debatendo  desenvolver

Breve período de democratização dentro da revolução chinesa

Motivo: Críticas ao partido comunista

Quando o debate esquenta  críticas severas à revolução francesa

Perseguição aos contrarrevolucionários/direitistas

Mao tse-tung: usar identificar e cortar os contrários

SEGUNDO PLANO QUINQUENAL (1958-1963)

“Grande salto para frente”

Tentativa de industrialização chinesa em curto espaço de tempo

Aumentar industrialização de base  aumentar consumo

Sistema de comunas populares

Fusão de antigas cooperativas agrícolas

Utilizar melhor os recursos

Projeto não teu certo

Projeto agrícola não foi sucesso

Secas e inundações

Ausencia de excedente

Aço de péssima qualidade  siderúrgicas familiares e locais


Sem o dinheiro, não conseguiu industrializar

Resultado: fome + críticas

China culpa a URSS

ROMPIMENTO SINO-SOVIÉTICO (1958-1962)

Fatores:

Econômicos: URSS queria que china investisse em bens de consumo

China queria investir em indústria de base forte

Para não depender da URSS

Politivos: URSS: tempos de desestalinização

China: Culto a Mao tse-tung

Acusava Kruschev de ser revisionista

Questão nuclear: URSS em coexistência pacifica com EUA

China: quer projeto nuclear

Quer apoio com URSS

Disputas lindeiras

Consequências: duas vertentes para a revolução socialista

REVOLUÇÃO CULTURAL (1966-1976)

Objetivo principal: neutralizar oposição crescente dentro do PCC

Criar nova cultura na china

Valorização do trabalhador e do comunismo

Desculpa para promover nova onda de repressão

Protagonismo da guarda vermelha

Ataques a suspeitos de deslealdade politica

Culto à personalidade do Mao tse-tung

Ensinamentos reunidos no livro vermelho


Ataques aos Quatro Velhos/Coisas Velhas  Velhas ideias, culturas, costumes e hábitos

Bater nos: Mal elementos, seguidores de jesus, religião estrangeira, imperialistas,


contrarrevolucionários

1976: Mao Tse-Tung morre

Desequilíbrio no discurso

A TRANSIÇÃO (1976-1978)

Hua Guofeng: líder do partido, porém fraco

Esposa de Mao e Bando dos Quatro (influentes) tentam se manter no governo

Não conseguem  retirados do poder

Acusação de atitudes contrarrevolucionárias e traição

Julgada e condenada à morte  vira prisão perpetua

Diagnostica câncer  suicídio

Deng Xiaoping fortalece aos poucos (1978)  discurso modernizador

AS QUATRO MODERNIZAÇÕES

Agricultura: propriedade privada + 5% da terra arável poderia ser vendida

Estimular produtividade

Indústria: estimular produtividade e redução de preços

Abertura de pequenas empresas particulares e empresas mistas

Criação de ZEE’s para atrair capital estrangeiro  capitalismo

Busca por matéria prima e mao de obra barata

Defesa: criação de ministério específico

Ciência e tecnologia  investimentos em pesquisas

1989: massacre da praça da paz celestial

Contexto: ruptura do socialismo soviético

Achavam que ia abrir a política chinesa


Governo: abrir somente a economia. Politica não

MILAGRE ECONOMICO CHINES (1990-2000)

Crescimento elevado do PIB

Força de trabalho abundante

Baixo salário

Trabalhadores disciplinados

Projetos estatais de apoio à livre iniciativa  36% do PIB

Investimentos externos  ½ Trilhão de dólares ao ano

AULA 57-58 – LUTAS DE LIBERTAÇÃO COLONIAL

ANTECEDENTES

Guerras mundiais  declínio europeu e ascensão dos EUA

Hobsbawn: todos os impérios caíram após as guerras

1ª guerra mundial: surgimento do principio da autodeterminação dos povos

Projeto dos 14 pontos de Wilson e de governo de Lenin

Incorporação na liga das nações

Tropas coloniais utilizadas na guerra

Soldados voltam com perspectiva de questionamento

Formação militar nas revoltas

Primeiras movimentações na ásia e oriente médio

2ª guerra mundial: intensificação das causalidades  guerra chega à áfrica

Movimentações na ásia e primeiras na áfrica

Bipolaridade

Líderes da URSS e EUA eram herdeiros de legado leninista e wilsoniano

Perpetuam a autodeterminação dos povos

Objetivo: aumento das áreas de influencia no mundo pós 2ª guerra


URSS: descolonização imperialista era fase do processo socialista

EUA: não permitir o surgimento de países imperialistas

Institucionaliza na liga das nações e ONU

Vai ou não aumentar apoio em decorrência disso

As próprias colônias utilizam essa bipolaridade para obter apoio e investimentos

ONU

Incorporação institucional da defesa da autodeterminação dos povos

Institucionalização promovida pelos EUA

Quanto mais nações, mais legitimidade internacional

Assegurar a sobrevivência institucional

Tema comum dos EUA e URSS  aprovação no conselho da ONU

Grande poderio acelera o procedimento

Outros projetos não haviam consenso dos EUA e URSS  não aprovavam

Anos 60: discurso terceiro-mundista se torna hegemônico

Quanto mais países independentes, mais perda de poder dos EUA

Criação de marco jurídico para o reconhecimento do país

Cumprido exigências passa a ser reconhecido  independe do colonizador

Requisitos: controle de fronteiras (princípio go with the land - critério geográfico)

Críticas: modelo do branco que desconsidera realidade local

Lutas de libertação

Organização: elite econômica

Formação europeia  influencia do pensamento ocidental

Líderes intelectuais e militares dos movimentos

Desejam se tornar elite política

Shoah (Holocausto)

O que aconteceu se espalha na áfrica

Colapso da ideia de missão civilizatória e de superioridade do homem branco


Ausência de envergadura moral europeia na ideologia colonizadora

Críticas na própria europa  intelectuais de esquerda

Ex: jean paul Sartre, franz faron, Edward Sayd

Análises psicológicas do colonizado e sua condição

AULA 59-60 – LUTAS DE LIBERTAÇÃO COLONIAL (CONT)

IDEOLOGIAS E INSTITUIÇÕES

Intelectuais coloniais em defesas da descolonização

Fanon (psiquiatra): Black faces, white masks  vergonha do negro em ser colonizado e como ele
quer ficar branco

Condenados da terra: relação de dependência mútua entre escravo e colonizador

Memmi: o retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador  análise teórica dos
males da colonização e defesa da descolonização por meio da violência. Independência deve ser física e
mental, que não é totalmente atingida por meio de negociações

Economia: forte presença do estado na economia

Apesar de copiarem instituições dos colonizadores, na economia isso não ocorreu

Modelos socialistas

Influencia da CEPAL  estado deve ser protagonista do desenvolvimento industrial

Cultura: crise identitária

Necessidade de criar uma cultura  qual o modelo usar?

Opção: retornar ao estado anterior À colonização para construir a identidade

Problema: não há modelos anteriores, como nas américas (índios)

Solução: buscar no movimento negro americano uma identidade  associação

Maior parte dos símbolos são inventados  nomes de coisas e cidades, vestuários, universidade

Literatura À autocrase

Instituições: pan-africanismo
Maior exemplo: Gana independente em 1957  líder Kwame Kreumah

Primeiro a ganhar independência

Tentativa de construir um grupo de poder e influencia ampla

Influencia do pan-americanismo

União Afriacana  sede em Adis Abeba (única região que não sofreu influencia )

CRONOLOGIA

Oriente médio: década de 20

A partir da primeira guerra mundial  liga das nações oferece pra frança e Inglaterra a adm

Conferencia do Cairo (1924)

Surgimento de países independência: iraque, transjordania, arabia saudita, egito

Consequência do colapso do império otomano

Lutas na ásia

2ª guerra mundial: confusão do oriente médio

ONU cria israel em 1948

Luta de libertação de territórios já previstos pela ONU para ser israelita

Primeira luta de libertação, apesar de israel não ter colonizador

Déc 1940: independência na asia: indonésia, indochina,

Dec. 1950: independência na africa

Africa subsaariana em 1950

Gana em 1957

1960: ANO DA ÁFRICA  17 países independentes

A partir de então, o resto ao longo da década

ÍNDIA – INGLATERRA

Negociação após 1947


Processo give to keep: dar independência e manter laços econômicos

Inglaterra fragilizada pela guerra perde o status de potencia

Governo de representantes trabalhistas preocupado com situação interna

Maioria muçulmana e hindu

120 milhões muçulmanos

Congresso nacional indiano – CNI  em prol da independência

Problema: decidir como se daria a indendencia

Liga Muçulmana  Muhammad Ali Jinna  repartição do território  VENCE

Norte: Paquistão ocidental + Paquistão oriental (atual Bangladesh)

J. Nehru  unidade do território

Problemas pós independencia: desigualdades, repressão, migrações etc

India vira paradigma  give to keep aplicado às demais colonias

INDOCHINA – FRANCESA

Vietmihn: famosos por expulsar chineses durante a segunda guerra mundial

Resistência e guerra até a IV República

1946: expulsar franceses  recusa retorno da colonização

1954: rendição francesa

Conferencia de genebra: divisão da indochina para conter o avanço socialista no norte

Vietnã do norte, do sul, laos e cambodia

Plebiscito para reunir os vietnãs  não ocorreu

Vietnã do Sul: ditadura católica em país com maioria budista

EUA apoia o sul

Guerra

EUA entende a guerra como conflito da guerra fria

Vietnã entende como uma sucessão de guerras de independencia

Japão > frança > eua


ARGÉLIA – FRANÇA

Resistência e guerra até a IV República

Ocupação francesa em 1830

Pós segunda guerra: 650mil pieds noires (pés pretos)

6% da população  minoria influente francesa

Divisão política francesa  colonização x descolonização

Do ponto de vista militar a frança vence a guerra

População quer a descolonização e plebiscito

Consequência: V República Francesa  assume Charles de Gaule

Charles de Gaule indicado pelos militares ao governo para manter o poder militar

Convoca plebiscito  contraria os militares

1961: 61% votam a favor

1962: FLN assume controle da Argélia  governo socialista

Tentativas de assassinato do de Gaule

ANGOLA, MOÇAMBIQUE, GUINE, SÃO TOME E PRINCIPE, TIMOR – PORTUGAL ANOS 70

Descolonização tardia

Mudança política na metrópole  revolução dos cravos encerra o salazarismo

Processo de negociação com as três principais forças

Capitalista, socialista, terceira com vertente capitalista

Guerras civis entre capitalistas e socialistas  contexto da guerra fria

AULA 61-62 – AMÉRICA LATINA

MÉXICO NO SÉX. XX – PRINCIPAIS TEMAS

PORFIRIATO (1876-1910)

Porfírio Díaz: presidente


Não é ditador  várias reeleições suspeitas

Governo autoritário

Modernização conservadora

Reformas urbanas suntuosas

Discurso de inclusão dos índios na sociedade  não colocava em prática

Industrialização ao norte do México

Capital dos EUA

Forte dependência externa  crítica do empresariado

Apoio dos “científicos”

Críticas:

Forte concentração de renda

Corrupção

No campo: questão agrária  reforma agrária

Origem: imposição da propriedade privada aos índios desde a colonização

Propriedade da igreja

Benito Juarez: reforma agrária  retira da igreja e passa aos grandes capitalistas

Principal bandeira do campo: REFORMA AGRARIA

Camponês de origem indígena

1906: compromisso

Elite apoiaria a reeleição de porfírio diaz em troca de não ter nova candidatura

Ele dá sinais de que não irá cumprir

Surge partido contrário ao porfiriato  indica Francisco Madero

Eleições de 1910:

Porfírio Diaz (oligarquia tradicional) x Francisco Madero (empresariado liberal)

Francisco Madero na frente da campanha  prisão decretada por Diaz

Eleições fraudadas

Vitória do Porfírio Diaz


Francisco Madero se exila nos EUA

Aposta no caminho revolucionário

Plano de San Luis

Plano de Francisco Madero para a revolução

Reforma agrária efetiva  apoio dos camponeses

Emiliano Zapata apoia  liderança dos camponeses ao sul

Mais organizados para a revolução

Começa a revolução

REVOLUÇÃO MEXICANA (1910-1917)

A luta contra diaz (1910-1911)

Origem: plano san luis de potossi

Apoio: camponeses do sul  líder Zapata

Sindicatos

Parcela do exército

Guerra civil no méxico

Tratado da ciudad de Juarez (Maio/1911)

Porfírio Diaz e vice aceitam renúncia

Convocação de eleições indiretas

Dezembro/1911: eleições indiretas  Francisco Madero (1911-1913)

O governo madero (1911-1913)

Problema: cumprir as promessas do Plano San Luiz

Medidas favoráveis ao empresariado

Protecionismo

Ignorar as demandadas do proletariado

Não faz reforma agrária

Crescente oposição
Sindicatos  central dos trabalhadores mexicanos

Zapata  Plano Ayala  exige terra e liberdade

EUA  protecionismo limita sua exploração

Pacto da Embaixada

Henry Lane, embaixador dos EUA  associação à oposição

Elite

Madero sequestrado e assassinado (1913)

Assume Victoriano Huerta (1913-1914)  retrocesso às principais conquistas mexicanas

Auge da mobilização social (1913-1916)

Protagonismo:

Emiliano Zapata  sul do México

Base: plano Ayala

Reforma agrária  retorno aos Ejiros

Pequena propriedade colonial dos índios

Francisco Vila (Pancho Vila)  norte do México

Banditismo social  roubar dos ricos e dividir com os pobres

Ódio aos EUA

1915: Queda de Huerta

Surge Venustiano Carranza  tentativa de conciliação de interesses

Revolução constitucionalista (1915-1917)

Liderança: Carranza

Projeto: Revolução constitucionalista

Positivar os anseios e interesses do povo para dar legitimidade

Constituição de 1917  EM VIGOR ATÉ HOJE

Institucionalização da revolução  ponto final

Caráter social imenso

Estado laico
Educação laica, gratuita e obrigatória

Solo e subsolo pertencem à nação

Igreja não pode ter terras

Legalização dos sindicatos

Direito à greve

Salário mínimo

Limitação do trabalho feminino e infantil

Não-reeleição para presidente

Retrocesso ao poder revolucionário após a constituição

Presidentes seguintes não tinham interesses em implementar as medidas sociais

Assassinato dos líderes zapata e pancho vila

GOVERNO CARDENAS (1934-1940)

Eleito pelo PNB – Partido Nacional da Revolução

Discurso: herdeiro da revolução mexicana

Aliança com a Central de Trabalhadores Mexicanos  leis trabalhistas

Base: corporativismo

Controle dos trabalhadores

Nacionalismo econômico

Intervencionismo estatal

Nacionalizações de empresas

Petróleo Mexicanos  extração, transporte, refino e distribuição

Reforma agrária

Base: Ejidos  pequenas propriedades indígenas

Ejido Modelo Emiliano Zapata

52% das terras segue esse modelo

1938: reforma partidária


PNB  PRM (Partido da Revolução Mexicana  PRI (Partido da Revolução Institucionalizada)

O mesmo partido, só muda o nome

Muralismo

Movimento para levar a arte pro povo

Pintar muros de repartições e locais públicos

Logica: didatismo

Temáticas do operariado e da revolução mexicana

Expoentes: Frida Kahlo e marido

Governo que atende interesses da elite e do povo

Aproveita fragilidade dos EUA após crise de 1929

Fim do governo  sem reeleição

PROGRAMA BRACEROS (1942-1964)

EUA entra na segunda guerra mundial  busca por mao de obra

Trabalhar nas fazendas da california e no oeste

Importância na economia americana

Desemprego no México  válvula de escape

EXÉRCITO DA PATENTE DE LIBERTAÇÃO NACIONAL

Movimento de esquerda

Holofotes nos anos 90

Revolucionários  controle de algumas áreas do país

Projeto: revolução socialista

Indígenas do sul do México  herança de zapata

Perdeu a força atualmente


AULA 63-64 – ARGENTINA NO SÉCULO XX

1890-1930 – UNIÃO CÍVICA RADICAL

UCR à frente do governo  liberal, modernizador, apoio de classes médias urbanas

Último grande desenvolvimento argentino

Atração de imigrantes europeus para Buenos aires

Entrada de capital europeu e norte-americano

Financiamento privado ao desenvolvimento

Base exportadora: trigo e carne  agroexportação

Sofre com a crise de 1929

Golpe militar em Hipólito Yrigoyen

1930-1940 – A DÉCADA INFAME

Golpe: oligarquias + militares

Década infame: retorno das oligarquias agrárias ao poder

Abertura demasiada aos estrangeiros

Símbolo: Pacto Roca Runciman

Acordo de abertura bilateral com a Inglaterra

Argentina: facilidade para vender produtos agrícolas

Inglaterra: abertura para prestação de serviços públicos

Consequência: argentina presa aos interesses britânicos

Influência fascista

Grupo de Oficiais Unidos

Surgimento: década de 1940

Nacionalismo

Defesa de desenvolvimentismo autoritário

Defesa da soberania nacional

Contra o governo de Ramon Castillo  governo da década perdida


1943: golpe militar

GOLPE MILITAR DE 1943

Grupo Divide funções do executivo

Juan Domingo Peron pede a pasta trabalhista

pasta que une interesses do campo e da cidade

migração populacional do campo para a cidade

Peron aproveita a fragilidade para se apresentar como defensor deles

Cabecitas Niegras: facilmente manipuláveis por peron

Concede alguns benefícios à classe  popularidade

Consequência: grupo enciumado prende Peron

Manifestação popular: libera peron  mártir

Eleições de 1946: Peron + Quijano x Tamborini + Mosca

Peron VENCE

Apoio de evita

1º GOVERNO PERON (1946-1955)

Destaques:

Corporativismo

Apoio dos sindicatos

Política com leis trabalhistas

Institucionalização do corporativismo  partido peronista

Personalismo político

Evita: elemento carismático

Responsável pelas ações sociais  Fundação Eva Peron

Função basilar: impedir luta de classes e controlar o trabalhador

Comum ao próprio corporativismo, que vai se aplicar diferente em cada contexto


Uso da propaganda

Intervencionismo estatal

Nacionalização de empresas estrangeiras  entraram no tratado roca-rusoman

SOMISA  Companhia siderúrgica

Companhia de água e energia  pagar o mínimo possível

Companhia de gás

Ferrocarriles argentinos

Fortacecer a YPF (petrolífera)

Criação da CGT – Confederação geral do trabalho

Controle dos trabalhadores

Reforma constitucional de 1949 (CF de 1853)

Direitos trabalhistas, família, idosos

Ideia de que o capital deve servir ao bem estar social

Função social da propriedade

Proibição da discriminação por raça

Direito ao habeas corpus

Reeleição ilimitada para presidente

Voto direto

Igualdade jurídica entre homem e mulher no matrimonio

Ensino primário obrigatório e gratuito

Autonomia universitária

A terceira posição

Sobre a política externa

Crítica ao alinhamento aos EUA ou à URSS

Nenhum, nem outro: o peronismo como a terceira via

O renunciamento

Evita recusa se candidatar à reeleição como vice  chapa peron-peron


Crise do peronismo

Queda dos indicadores econômicos

Morte de evita

Retira elemento carismático

Embalsamamento do corpo

Oposição: exército/Marinha

EUA  contrário ao nacionalismo

Igreja católica  teme pela perda de influencia

Universidades estatais, grupo de partido jovem, etc.

Revolução libertadora

Golpe militar de 1955

Depõe Peron

Dissolução do partido peronista

A DEMOCRACIA LIMITADA (1955-1966)

Governo provisório (1955-1958)

Assume Eduardo Lonardi  queria dialogar com Peronismo

Golpe Palaciano  assume General eugenio Aramburu

Mais repressor

Eleições de 1958  desgaste de aramburu

Assume Frondizi

Capital estrangeiro  acelerar desenvolvimento

Militares insatisfeitos

“liberdade” ao peronismo

Politica externa autônoma

Fortalecimento dos peronistas nas eleições de 1962

Associação ao terceiro-mundismo
Consequencia: novo Golpe Palaciano  deposição do Frondizi em 1962

Assume Illia  radical (1963-1966)

Críticas dos militares

Contraposição à ditadura brasileira  + desenvolvimento e – comunistas

Militares passam a ideia que ele não tem condições de governar

1966  novo golpe militar

A REVOLUÇÃO ARGENTINA (1966-1973)

Duas oposições armadas (importante para concurso)

ERP – Exercito Revolucionário do Povo

Lider: Mario Roberto Santucho

Criação: 1970

Ideologia marxista

Estratégia de luta: Guerrilha

Montoneros

Peronismo radical

Objetivos iniciais

Redemocratização, eleições democráticas, retorno de peron

1973: REDEMOCRATIZAÇÃO

Campora: campanha da lealdade

Elegeu-se prometendo trazer o Peron de volta

Consegue  anistia a Peron e outros presos políticos

Novas eleições ao fim de 1973:

Chapa peron-peron  com Isabelita  vence

2º GOVERNO PERON (!973-1976)


Morte de peron em 1974  assume Isabelita

Isabelita sem condições de assumir a presidência

Instabilidade política

Hiperinflação

Radicalização nas ruas

Montoneiros (extrema esquerda) x Triple A (ação anticomunista argentina - extrema direita)

Caos  golpe militar em 1976

O PROCESSO DE REORGANIZAÇÃO NACIONAL (1976-1983)

Ditadura militar – Ditadores:

Videla

Galtieri

Bignoni

Não houve milagre econômicos

Ao contrário do brasil e do chile

Motivo: não há consenso que social que apoie o governo militar

Como manter o poder:

Guerra suja: maior repressão e resistência

7 anos, 30mil mortos

Brasil: 20 anos, 500 mortos, 2mil que passaram pela repressão

Apoio através dos grandes eventos nacionais

Copa do mundo de 1978  argentina ganhou (suspeita de fraude)

Tentativa de reconquista das malvinas (Dominação Inglesa)

Guerra das Malvinas  Argentina perde

Redemocratização

Processo de busca da verdade


AULA 65-66 – CUBA

INDEPENDÊNCIA

Sucessão de confrontos com a Espanha  tentativas de autonomia

Mais importante: Guerra de 95 (1895-

Guerra hispano-americana  após entrada dos EUA

Líder: José Martí

Apoio norte-americano  doutrina monroe

Entrada após naufrágio do USS Maine

Explosão espontânea  acusam Espanha e justificam a entrada na guerra

Emenda Teller (1998): EUA recusam qualquer intenção de soberania sobre cuba

Interesse na independência e paz da ilha

Ao fim da guerra  vence

Publicidade  sem interferência

Na prática  Cuba obrigada a aceitar a Emenda Platt (1901)

Direito de intervenção militar nos EUA

Direito à base militar dos EUA  se tornará Guantanamo

Cuba: Quintal dos EUA

Prostíbulo do caribe

Praias, casinos, casas de tolerância

Obs: dura até 1930

1930 – MUDANÇAS

Influencia fascista

Contestações ao Big Stick

Contexto: fragilidade econômica

Necessidade da américa latina para se manter

Consequências: mudanças na política externa dos EUA para com a américa latina
Política da boa vizinhança dos EUA  novos termos na relação

Aproximação política, econômica e cultural

EUA + américa latina

Fim da emenda Platt

Intervenções indiretas  apoio a ditadores

Fulgêncio Batista (Vargas – brasil)

Dura até 1944  ideais da 2ª guerra compelem a abolir ditaduras na américa latina

1952: candidato à presidência  atrás nas pesquisas

Golpe: 2ª ditadura  1952-1958

2ª ditadura de Batista

Origem: golpe de estado

Forte repressão aos opositores

Apoio dos EUA

Alto PIB x ABSURDA DESIGUALDADE SOCIAL

Crescente insatisfação social

Nesse contexto

Desastre de La Moncada (1953)

Liderança por Fidel Castro

Tentativa de acabar com a ditadura derrubado

Movimento 26 de Julho

Liderança: Fidel Castro

Local: Exílio no México

Nacionalismo

Guerra de guerrilhas  estratégia para derrubar Batista

Associação de Che Guevara

Repressão pela ditadura

Nova estratégia de guerrilha


Focos revolucionários comandados por pessoas de Fidel

Distribuição de medicamentos e alimentos entre a população

Adesão da população

Governo fragilizado cai

Assume Fidel Castro

Inicia a revolução cubana

A REVOLUÇÃO CUBANA (1959)

Período nacionalista (1959-1961)

Governo de coalizão nacional  provisório

Reconhecimento dos EUA

Empresariado americano com interesses em cuba

Execução sumária dos adeptos ao Fulgêncio batista

El Paredon

Reforma educacional

Acabar com analfabetismo

Método Paulo freire

Reforma agrária

Exigência antiga do campesinato

Insatisfação dos EUA  grandes latifundiários

EUA: Represália  suspende a cota de açúcar

Venda de 400 toneladas de açúcar superfaturadas aos EUA

CUBA: venda de açúcar à URSS e CHINA

EUA: proíbe refino do petróleo soviético em suas refinarias

Pagamento da URSS seria em petroleo

CUBA: expropriação das refinarias

Lei revolucionária  nacionalização de empresas estrangeiras


EUA: embargos econômicos + corte de relações diplomáticas + ações da CIA

Operação Mangusto: acabar com líderes da revolução cubana  fidel

Operação Pluto/Invasão da Baía dos Portos

EUA treinar exilados de cuba para invadir cuba

Ação contrarrevolucionário

Em tese não havia intervenção dos EUA

Fortalecimento de Fidel

Período soviético (1962-1991)

Sovietização da revolução

Associação ao inimigo dos EUA para manter a revolução

Acordos com a URSS

Econômicos: cuba vende açúcar superfaturado pra URSS e compra petróleo barato

URSS sustenta revolução cubana

Militar: acordo de mísseis  crise dos mísseis

EUA: oficialização do embargo econômico

Suspensão de Cuba da OEA

Autoritarismo

Unipartidarismo

Repressão e violação a direitos humanos

Discurso de terceiro-mundismo

Alto nível de educação

Alfabetização

Escola de medicina

Avanços sociais

Crise dos 1980

Andropov corta auxílio militar

Gorbatchev corta ajuda econômica


Sem o socialismo real a revolução cubana tem dificuldade de se sustentar

Novos rumos (1991-...)

Grave crise econômica

“período especial para tempos de paz”

Crise energética  ausência de petróleo

Lei Torricelli (EUA)

EUA fornece apoio a ONGs que promovam mudança democrática não violenta em cuba

Embargo naval

Sanções a países que fazem apoio a Cuba

Lei Helms-Burton (EUA)

Outorga ao congresso dos EUA a faculdade de definir quando um governo é legítimo

Presidente não poderá suspender embargos

Lei vale para outros países além de cuba

Sanciona empresa estrangeira que se instalou em propriedades nacionalizadas pertencentes a


pessoas que, no momento da nacionalização, dispunham de nacionalidade cubana

Violação a direito internacional

Abertura parcial (1994)

Governo determina onde abrir, quem contratar, como administrar

Permitir a exilados a remessa de dólares a cuba

Abertura ao turismo  cambio de moeda em casas estatais

Operação Vespa

Infiltrar agentes em organizações anti-fidel

Principar atividades:

Neutralizar atentados

Prender mercenários

Interceptar tráfico de armas

Proteger fidel

Exportação de serviços
Professor, médico

2008: transição  Assume Raul Castro

2014: reaproximação EUA-CUBA Obama

Reabertura de embaixadas

Visita de Obama em 2016

Indulto a espiões da operação vespa presos

Fim da política pés secos, pés molhados

Fidel Morre

O que acontecerá com a revolução: SÓ DEUS

Maior influencia dos EUA?

Reconhecimento das conquistas da revolução a mantem?

Nova geração que quer liberdade de expressão

Exilados que querem acabar com a revolução

Descendentes de exilados que não possuem ligação com o país

AULA 67-68 – CHILE

ELEIÇÕES DE 1970

Vitória de Salvador Allende  36% dos votos

Tentativas de golpistas da CIA

Atentados

Comando do exército é legalista

Vai seguir a constituição

Sem intuito de ser poder moderador

Vai defender a legalidade das eleições

Congresso reafirma a vitória de allende


GOVERNO ALLENDE (1970-1973)

Via chilena para o socialismo

Governo de esquerda e socialista eleito democraticamente

Conseguindo o que nenhum outro país socialista havia conseguido  foge do autoritarismo

Auge de allende (1970-1971)

Apoio de Cuba  retomada de relações diplomáticas

Difícil diálogo com o congresso

Não possui maioria

Todas as decisões tinham que passar pelo congresso

Reforma educacional

Fortalecer ensino público

Baseada no método Paulo freire

Darcy ribeiro funcionário do governo

Chile como uma espécie de Meca da esquerda brasileira  contexto de ditadura

Economia

Nacionalizar empresas

Nacionalização do cobre  exportação nas mãos de multinacionais inglesas

Estatizar bancos  oferta ostensiva de ações

Compra mais caro

Reforma agraria

Vai demorar  através de leis

Acabar com monopólios privados

Medidas de inclusão social

Ampliar o mercado consumidor  incluir o pobre

Aumento do PIB

Crise da via chilena (1972-1973)

Críticas e oposição do MIR – Movimento da esquerda revolucionária


Reformas não estavam acontecendo na velocidade que o MIR queria

Ações: ocupação de terras

Ocupação de prédios públicos

Oposição à direita

Embargo invisível dos EUA  campo macroeconômico

Ações da CIA  greve de caminhoneiros  crise de desabastecimento de Santiago  aumento


da inflação

Empresariado  lucro com o mercado negro

Embate na igreja católica  conservadores x liberais

Protestos da classe média e jornais

Golpe Militar (11/09/1973)

DITADURA MILITAR (1973-1990)

Apoio dos EUA e Brasil ao golpe

Repressão inicial grande

Censura

Grupo de oposição armada: frente patriótica Manuel rodrigues

Estrutura política

Junta militar assume em 1973

Augusto Pinochet é o líder supremo da revolução a partir de 1974

1981: proclamado presidente da republica do chile por 8 anos

Ideia: conferir caráter mais legal ao poder

Contexto: abertura democrática no brasil e argentina

Economia

Plano O ladrilho  reconstruir a economia política “ladrinho por ladrinho”

Regime neoestruturalista

Características do neoliberalismo, só que o neoliberalismo ainda não havia sido


implantado nos eua e europa, então é problemático usar o conceito
Políticas de austeridade

Privatização de empresas nacionalizadas

Combate à inflação e valorização da moeda

Abertura de mercados

Valorização da propriedade privada

Respeito aos contratos

Milagre econômico chileno

Semelhança com o brasil: milagre dá respaldo à ditadura militar

Difere do brasil, onde houve forte intervenção do estado na economia

Obs: plano Condor  tentativa de associação das ditaduras militares na américa latina

Brasil, argentina, chile, Paraguai, Uruguai

Apoio dos EUA

Fortalecimento contrário à esquerda

Fim da década de 1980: referendo para presidência

Pinochet perde por pouco

Cria cargo de senador eterno para si mesmo  garantias constitucionais contra processo

Nos anos 2000 começa a perder as garantias constitucionais após pressão do povo chileno

Morte antes da punição

Chile começa a punir outros militares que participaram do golpe e torturaram no regime

AULA 69-70 – OUTRAS EXPERIENCIAS SOCIALISTAS – NICARÁGUA E PERU

Livro: coleção da emilia vioti – as revoluções no século xx

Serve para outras revoluções

NICARÁGUA

BIG STICK
Um dos maiores exemplos de ação dos EUA

Constante envio de tropas para estabilizar conflitos entre dois grupos políticos (liberais x conservadores)

Adolfo Dias assume novamente o poder (1926-1929)

Forte pressão dos eua  retirada em 1933

Augusto Cesar Sandino

Figura opositora ao big stick

Nacionalismo como base do discurso

Guerra constitucionalista

Introdução definitiva de sandino nas política nacional

Lado liberal

1927: acordo de conciliação entre os dois grupos  acordo de espino negro

Imposição dos EUA

Sandino recusa a rendição  cria o Exército de Defesa da Soberania Nacional da Nicarágua

Sandinistas x Mariners

Luta racial em pros dos latino-americanos

Defesa:

Renuncia de dias

Novas eleições

Suspensão do tratado de Bryan-Chamorro  exclusividade dos eua na construção de


canal conectando atlântico e pacífico

Resultado: eleição em 1928  vence candidato pró-eua

Após eleições, Sandino volta à oposição

Radicalização do discurso

Defesa da recriação das províncias unidas da américa central

Plano para realização do plano bolivariano

Criação de federação indo-latino-americana continental e antilhana

Liga pan-americana anti-imperialista dá auxilio  ligado à URSS

Obs: sandino é bolivarisa, não socialista


O sexto congresso do Komintern dá apoio aos sandinistas

CRISE DE 29

Crise nos eua  afastamento

Política da boa vizinhança

Nova política dos EUA para américa latina

Aproximação com nicaragua

Eleições de 1932

Vitória de Juan Bautista Sacasa

Sandino aceita  3 meses para desmobilizar homens

Retirada dos mariners norteamericanos

Eua promove intervenção indireta

Apoio a governos autoritários e ditatoriais

Criação de guarda nacional comandada por militares estadunidenses

Críticas de sandino  ilegalidade da guarda nacional

Anastácio Somoza Garcia  chefe da guarda nacional

Sandino é obstáculo aos seus planos

Consequência: traição de 1934

Sandino estava negociando rendição

EUA: tava mto leve a negociação  interceptação e assassinato

Execução de Sandino em 21/02

Sandinistas atacados e derrotados

1936: Somoza (chefe da guarda) força a renúncia de Sacasa (presidente)

Eleito presidente ao fim do ano

DITADURA FAMILIAR DOS SOMOZA (1937-1979)

Anastácio Somoza (Tacho) – 1936-1946

Emenda constitucional  centralizar poder


Partido nacional liberal controla o país

Na prática era unipartidarismo, embora não oficialmente

Nepotismo

Corrupção generalizada

Controle das exportações de café, algodão e gado

Expropriação de sandinistas e germânicos

Germânicos: contexto de segunda guerra mundial

Abertura de capital aos EUA

Fim da segunda guerra  pressão dos EUA pela redemocratização

Janela democrática (1947-1950)

Leonardo Arguella eleito (1947)  partido de somoza

Tenta autonomia e sofre golpe de estado em semanas

Primos são apontados como sucessores (Lacayo e Reyes)

Controle indireto/bastidores

Nova eleição em 1950  Tacho volta ao poder

Novas formas de ganhar milhões

Construção do Puerto Somoza

LANICA (linhas aéreas da nicarágua)

Aprova reeleição indefinida

Assassinado por Rigoberto Peres

Luis Antonio Somoza (1957-1963)

Mantem as bases do governo do pai  continuidade

Corrupção

Submissão aos EUA

Mercado comum Centro-americano

Oposição à revolução cubana

Restrição de liberdades civis


Irmão mais novo comandava a guarda nacional

Lacaio na presidência

Ataque cardíaco mata

Anastasio Somoza Debayle

Retoma intensa repressão do pai

Aprofunda corrupção

Divisão do poder  antes e depois do terremoto de 1972

Após o terremoto, a situação do país é exposta mundialmente

Oposição e críticas

Somoza lidera comitê nacional de emergência

Desvio de verbas

Exportação de plasma de emergência importado em tempos de “solidariedade


internacional”

Lei marcial  centralização do poder

Oposição de setores do empresariado e liberais

Apoio católico aos sandinistas  Teologia da libertação católica

Grupo de Clérigos na américa latina intervindo diretamente em questões sociais

Derrubar ditaduras e promover ações sociais

Guerrilha sandinista ganha força

Frente Sandinista de Libertação Nacional – FSLN (1961)

Reunião de movimentos opositores a somoza

Bases: FLN (Argélia) e revolução cubana

Lideres: carlos fonseca, tomás borge e silvio Mayroga

Ações militares a partir dos anos 70  contexto de Anastasio Somoza

Antes disso era debate de ideias

Jimmy Carter afasta EUA de Tachito

Restava Israel apoiando  bloqueio do apoio por Jimmy Carter

URSS e Fidel Auxiliam na Luta dos Sandinistas


Guerra civil  familiares saem do país e mudam de nome

Renúncia em Julho/1979

Exílio no Paraguai (após recusa dos eua)

Assassinado

A REVOLUÇÃO SANDINISTA (1979-1990)

Após a queda, governo de reconstrução nacional

Sandinistas e grandes empresários

Tentativa de dialogar com diversos setores

Apoio popular

Crise econômica herdada

Dívida herdada

Infraestrutura destruída por guerra civil e terremoto

Medidas iniciais

Nacionalização das propriedades dos somoza

Reforma agrária

Sindicalização livre

Melhoria dos serviços públicos

Críticas dos EUA e da ONU pela ausência de democracia

Eleições gerais em 1984  elege sandinista Daniel Ortega

Destaques

Programa de erradicação ao analfabetismo

Criação de comitês para a defesa da revolução

Manutenção da propriedade privada e tentativas de aliança com o empresariado

Reagan e os “Contras”

Extremamente anticomunista

Intervenção indireta  financia grupo de oposição


Escândalo Irã-Contra

Governo americano desviando verba para subsidiar venda de armas

Sandinistas decretam estado de emergência

Guerra civil

Suspensão de liberdades civis

Destruição do país

Dificuldades com a crise do leste europeu  não tem quem banque a revolução

Hiperinflação

Carestia e fome

Governo fragilizado na aproximação de eleições

Eleição de 1990  Violeta Chamorro  pacificação do país + nobel da paz

Sandinistas viram oposição e assumem 10 anos depois e estão até hoje

Nova roupagem

Associação ao PT nas propagandas políticas que elegeram ortega

PERU

Até 1960, 40% da população era indígena  sem direitos civis

GOVERNO ALVARADO (1968-1975)

Nacionalização do petróleo  Dia da Dignidade Nacional

Reforma agrária

Nacionalização do banco nacional

Estatização da indústria pesqueira

Direitos civis aos indígenas

Associação aos núcleos pobres

Política externa autonomia

Afastado do capitalismo e socialismo

Aproximação dos socialistas em meio a ruptura com eua


Reforma educacional

Reconhece quetchua como língua nacional

Sofre golpe em 1975  Francizco Morales Bermudez

MOVIMENTOS DE OPOSIÇÃO

Sendero Luminoso

Movimento Maoísta  revolução social proporcionada pelo campesinato

Líder: Abimael Guzman  4ª lamina do socialismo

Oposição

Movimento Revolucionário Tupac Amaru

Marxista e revolucionário

Opta pela via urbana

Alberto Fujimori

Propõe guerra para conquistar a paz

Acabar com direitos

Repressão governamental forte

Prende Abimael Guzman e assume o poder

Repressão aos guerrilheiros

Reação do Movimento Tupac Amaru

Sequestram mais de 100 diplomatas estrangeiros na embaixada do japão, no peru

126 dias de sequestro

Reação Fujimori: liberta à força

Mata todos os guerrilheiros

Política não negocial

Caso Montecinos

Queda de Fujimori

Montecinos é braço direito e flagrado pegando dinheiro de corrupção


Impeachment  fuga pro japão

VAI PRA AULA 71