Você está na página 1de 22

10/05/2019 Disciplina Portal

Língua Portuguesa

Aula 1 - Linguagem Coloquial e Norma Culta


INTRODUÇÃO

Nesta primeira aula, apresentaremos alguns conceitos básicos para a boa e efetiva comunicação a partir da norma
culta da Língua Portuguesa. Por isso, de niremos noções como língua, linguagem, variação linguística e norma-padrão.
Bons estudos!

OBJETIVOS

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07a… 1/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Reconhecer os registros formal e informal da língua;

Re etir sobre seu modo de organização;

Relacionar seus elementos aos usos cotidianos;

Identi car diversas formas de comunicação dependentes da norma culta.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07a… 2/22
10/05/2019 Disciplina Portal

LÍNGUA PORTUGUESA: UM BEM CULTURAL

Caso queira ver a tradução para Libras, clique aqui.

VOCÊ SABIA QUE É POR MEIO DA LÍNGUA PORTUGUESA QUE NOS


APROPRIAMOS DO MUNDO AO NOSSO REDOR E DE TUDO AQUILO
QUE NOS FAZ MOVER A VIDA?

Fonte da Imagem:

Por exemplo, por meio dela, você adquiriu sua bagagem intelectual no decorrer de sua vida acadêmica e, neste
momento, consegue compreender esta aula.

Agora que você chegou à Universidade, queremos ajudá-lo no que diz respeito a algumas questões relativas ao uso
desse nosso maior patrimônio cultural: a Língua Portuguesa.

Esta disciplina será muito importante para que, daqui em diante, você utilize a língua em situações comunicativas que
exigem um pouco mais de cuidado, de monitoramento e de formalidade.

EMPREGO DA LÍNGUA

Fonte da Imagem:

Uma das funções da universidade é prepará-lo para o mercado de trabalho. Você, inclusive, já deve ter imaginado como
seria atuar fora do ambiente acadêmico – quem sabe em uma grande empresa?

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07a… 3/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Mas e se você tiver de escrever um texto simples, tal como um breve relatório? Será que você colocará todas as
vírgulas em seus devidos lugares?

E quanto à crase? Você saberá empregá-la corretamente?

Não se sinta menosprezado se não souber fazê-lo. A nal, a disciplina de Língua Portuguesa está aqui exatamente para
auxiliá-lo a compreender um pouco melhor os usos formais da língua.

Para iniciar esse estudo, vamos aprender alguns conceitos importantes.

Saiba mais
, Para saber mais sobre o valor do conhecimento linguístico, leia o texto A importância da Língua Portuguesa para a carreira
(galeria/aula1/docs/a_importancia_da_lingua_portuguesa_para_a_carreira.pdf).

TIPOS DE LINGUAGEM

Fonte da Imagem:

Antes de estudarmos os usos de verbos, os sinais de pontuação etc., precisamos entender alguns conceitos
importantes. Para começar:

Só podemos a rmar que vivemos em sociedade porque nos comunicamos, certo? Todo e qualquer ato comunicativo
se dá por meio do uso de alguma linguagem.

Existem dois tipos de linguagens: a verbal e a não verbal.

Vejamos alguns exemplos:

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07a… 4/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Então, a linguagem verbal é aquela que se vale de palavras – sejam estas faladas, sejam estas escritas. Nesse caso, o
código utilizado para manter a comunicação é a própria língua (portuguesa, inglesa, francesa etc.). Logo, o diálogo no
WhatsApp e o bate papo são exemplos de linguagem verbal.

Já a linguagem não verbal é aquela que utiliza outros códigos diferentes da língua. Essa linguagem pode se manifestar
por meio das cores, dos gestos, de um olhar, da música etc. No exemplo do semáforo, a comunicação ocorre através
das cores e, no caso da orquestra, através da música instrumental.

Antes de dar continuidade a seus estudos, assista a este vídeo, que utiliza cenas do lme O negociador, no qual um
dos personagens fala da relevância da linguagem não verbal.

VÍDEO

Como você viu, o policial detectou a mentira do personagem acusado ao analisar não sua fala – linguagem verbal –,
mas seu olhar e suas expressões corporais e faciais.

Esses gestos “dizem” muito – às vezes, mais que diversas palavras proferidas.

Nesse caso, saber interpretar a linguagem não verbal é muito importante!

Agora que você já conheceu os diferentes tipos de linguagem, vamos nos ater àquele que, de fato, é de nosso
interesse: a linguagem verbal – no nosso caso, a Língua Portuguesa.

A partir de agora, você vai conhecer algumas regras para falar e escrever de forma adequada, isto é, de acordo com os
contextos de uso do idioma.

A propósito: adequação é uma palavra que deve fazer parte do nosso dia a dia.

Para exempli car, analise as falas deste personagem em situações cotidianas distintas...

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07a… 5/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Mas que tipo de linguagem os ambientes formal e informal envolvem: a escrita, a fala?

Como você percebeu, a Língua Portuguesa foi utilizada em ambas as situações, mas o registro não foi o mesmo. O
personagem adequou sua fala ao ambiente em que se encontrava: mais ou menos formal.

AMBIENTE FORMAL E INFORMAL

Caso queira ver a tradução para Libras, clique aqui.

Você sabe a diferença entre ambiente formal e informal? Vamos descobrir?

Ambiente formal

Imagine-se em uma entrevista de emprego. Se o entrevistador lhe perguntar sobre sua disponibilidade de tempo para
desempenhar suas funções, o mais adequado para a ocasião será responder:

1. Disponho de tempo integral para assumir o cargo.

2. Qualquer hora é hora. É só chamar que tô dentro!

Ambiente informal

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07a… 6/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Agora, imagine-se em um restaurante, em um bate-papo com um(a) amigo(a). Se ele(a) lhe zer uma pergunta sobre as
novidades que você tem para contar, o mais adequado para a ocasião será responder:

1. Atualmente, em termos de inovação em minha vida, estou fadada à monotonia.

2. Nada de novo. Continuo seguindo a mesma vidinha de sempre.

O ambiente formal é aquele em que usamos a norma culta da língua, cujo registro segue o que está prescrito na
gramática normativa. Trata-se de um padrão de linguagem adequado a situações como uma entrevista de emprego,
uma reunião de trabalho ou mesmo uma palestra em um congresso. Já o ambiente informal é aquele em que usamos
a linguagem coloquial, que dispensa formalidade. Trata-se da linguagem do cotidiano, adequada a situações como
uma conversa entre amigos, uma festa, um bilhete que deixamos para nossa família na porta da geladeira ou mesmo
uma troca de mensagens nas redes sociais.

Como você percebeu, utilizamos determinado tipo de linguagem de acordo com a ocasião em que nos encontramos.

Isso signi ca que o emprego dos diferentes registros da língua depende de seus contextos de uso.

Por exemplo, suponha que você trabalhe em uma empresa multinacional. Falar com seu chefe imediato (1) – aquele
com quem tem algum nível de intimidade – não é o mesmo que falar com o diretor da companhia (2), certo?

Para cada situação, provavelmente, você usará um vocabulário distinto, conforme podemos observar nos diálogos ao
lado.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07a… 7/22
10/05/2019 Disciplina Portal

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA

A expressão linguística pode se realizar em diferentes modalidades: a escrita e a fala. Mas existem algumas diferenças
entre elas.

Na língua falada, há entre falante e ouvinte trocas sucessivas e simultâneas, o que não ocorre na língua escrita, na qual
a comunicação acontece, geralmente, na ausência de um dos participantes.

Além disso, na fala, as marcas de planejamento do texto costumam não aparecer, porque sua produção e execução se
dão ao mesmo tempo. Justamente por isso, a linguagem oral é marcada por pausas, interrupções, retomadas,
correções etc., o que não observamos na escrita, porque o texto se apresenta acabado, e há um tempo para sua
elaboração.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07a… 8/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Mas o que isso quer dizer?

Em outras palavras, que a língua varia de acordo com o lugar, com a situação comunicativa ou, até mesmo, com nosso
interlocutor – a pessoa com quem falamos ou a quem escrevemos. Isso é o que chamamos de VARIAÇÃO
LINGUÍSTICA.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07a… 9/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Para entender melhor o assunto, assista ao vídeo a seguir.

VÍDEO
A variação linguística corresponde a diferentes realizações de uma mesma língua. Ela pode ser:

Fonte da Imagem:

Podemos citar as diferenças entre o falar:

Carioca: Caraca! Esse curso é muito maneiro.


Cearense: Êta que esse curso é bem arretado!
Mineiro: Nossinhora! Esse curso é bom demais da conta, sô!

ATENÇÃO!

NÃO podemos dizer que determinada região do país fale “o português mais correto”. Tal a rmação é falsa, pois o que
há são variações da Língua Portuguesa. A pronúncia do cearense ou do carioca, por exemplo, não é errada ou certa,
mas, simplesmente, o modo de articular os sons daquela comunidade linguística.

Fonte da Imagem:

Analise as situações a seguir:

1) Estácio informa: Já estão abertas as inscrições para o curso de Graduação em Letras - Licenciatura em Língua
Portuguesa. Fique atento às datas de ingresso e não perca o período de matrícula nas disciplinas.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07… 10/22
10/05/2019 Disciplina Portal

2) Vocês leram na web, pessoal? Para quem quer ser letrado e dar aula de português ou de literatura, a hora é essa. A
gente precisa se inscrever na Estácio. Os dias de inscrição e de matrícula nas disciplinas estão lá. Vamos?

Comentário

Nesse caso, a mesma informação foi transmitida a partir de duas modalidades da língua – a escrita e a falada – e
através de registros distintos – o formal e o informal.

Fonte da Imagem:

O uso de determinado vocabulário marca os grupos sociais e as comunidades linguísticas.

Você se lembra do “sur sta-executivo” que apresentamos anteriormente? Como vimos, sua fala e sua roupa não
estavam adequadas ao ambiente em que se encontrava: a praia.

Para se inserir nesse grupo especí co e validar-se nesse meio de forma decisiva, ele deveria não apenas vestir um
gurino típico mas também adaptar o uso da língua.

Associada à vestimenta, a fala mais apropriada à situação seria:

Que onda cabulosa, cara! E aí? Bora pegar agora ou depois?


As mudanças linguísticas sobre as quais discutimos até agora começam na fala – como você pode observar no
diálogo ao lado –, passam para a escrita e chegam ao sistema da língua. Por exemplo, até hoje, a expressão “a gente”
– sobre a qual nos deteremos mais adiante – ainda é rejeitada pela gramática normativa. Entretanto, usamos o termo
“conforme” como conjunção sem nos darmos conta de que se trata de uma forma verbal que ampliou sua função na
língua e passou a essa classi cação de conjunção.

Exemplo: Conforme ele disse, chegaremos lá na hora.

Mas todas as formas em variação passam para um uso mais formal da língua?

Não! Como a linguagem é utilizada por pessoas, haverá tanta variação quanto suas necessidades comunicativas.
Essas problemáticas aparecem na escrita acadêmica quando consideramos as variações linguísticas e a adequação.
Mas e quanto às gírias? Como evitá-las em ambientes formais? Assista ao vídeo a seguir e entenda melhor a questão
da adequação vocabular.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07… 11/22
10/05/2019 Disciplina Portal

VÍDEO

NORMA CULTA
Quando pensamos em variação linguística, referimo-nos a todos os exemplos que acabamos de ver. No entanto,
independente das diferenças citadas, há uma variedade da língua considerada de prestígio e que deve ser utilizada em
determinadas situações comunicativas: a norma culta.

Caso queira ver a tradução para Libras, clique aqui.

É aquela formada por um conjunto de estruturas concebidas como corretas, que podem ser usadas tanto para falar
quanto para escrever. Trata-se da chamada variante padrão. Essa norma é tão valorizada socialmente que, quando
estão em um ambiente mais formal, os indivíduos com alto nível de escolaridade procuram monitorar sua fala. Vamos
entender melhor essa questão...

Em sua opinião, que frase está CORRETA?

A gente vai até lá para conferir de perto.


Nós vamos até lá para conferir de perto.

Justi cativa
Saiba mais
, Para saber mais sobre esse padrão de linguagem:, ,
Leia o conceito de Norma culta (galeria/aula1/docs/norma_culta.pdf);
Acesse o portal Norma culta – Gramática online da Língua Portuguesa (https://www.normaculta.com.br/);

FORMA MARCADA DA LÍNGUA

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07… 12/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Vamos entender, agora, como a norma de prestígio funciona.

Como vimos anteriormente, uma das formas em variação no português brasileiro contempla a oposição das estruturas
a gente x nós.

A ideia básica é de que a expressão A GENTE pode ser usada em ambientes informais e o pronome pessoal do caso
reto NÓS – prescrito pela gramática normativa –, em ambientes formais.

No entanto, precisamos considerar que, quando usada, a forma “a gente” deve ser acompanhada do verbo na 3ª
pessoa do singular: a gente vai.

Lembra-se daquela variação social sobre a qual conversamos? Ela nos mostra que há pessoas, falantes de uma
variedade da língua chamada de não padrão, que dizem “a gente vamos”.

Mas qual é o problema desse uso?

Isso é o que chamamos de forma marcada, e usá-la permite que aqueles que nos ouvem nos de nam como parte de
um grupo com baixo nível de escolaridade.

Por exemplo, quando uma emissora de televisão quer delimitar, linguisticamente, uma personagem desse tipo,
introduz, em sua fala, algumas marcas.

É comum, por exemplo, que essa personagem diga:

“Falano” em lugar de “falando” – suprimindo o “d” do gerúndio;


“Eu vou TE falar pra você” em lugar de “Eu vou falar para você”;
“Ni mim” em lugar de “em mim”;“Eu tavo” em lugar de “eu estava”;
“Pá nóis” em lugar de “para nós”.

INDICAÇÃO DE LINK
Clique aqui (glossário) e assista a uma cena da novela Alto Astral, da Rede Globo, e analise as formas marcadas da
língua nas falas do personagem Afeganistão.

Observe que, embora as formas “nós tá nos ponto” ou “nós tá atrasado” envolvam o uso do pronome pessoal “nós”, a
ausência da conjugação adequada – de acordo com a norma culta – na cena anterior marca a fala do personagem
Afeganistão do mesmo modo.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07… 13/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Por isso, em se tratando de variação linguística, é importante considerarmos nosso papel social.

Imagine que um professor universitário entra em sala de aula e diz a seus alunos acerca de um encontro com a
coordenadora...

Você acha que essa frase está errada? Re ita um pouco antes de checar a resposta.

Resposta Correta
FALA X ESCRITA
A norma culta deve ser utilizada tanto na fala quanto na escrita. Mas será que essas modalidades da língua possuem
as mesmas características?

Certamente, NÃO! Precisamos ter CUIDADO para não levar para a escrita aspectos da fala.

Analise a manchete ao lado.

Nela, observamos um erro ortográ co – resultado, provavelmente, da in uência da oralidade.

Esse equívoco pode ter sido cometido porque, em várias regiões do Brasil, costuma-se não pronunciar o R nal em
verbos no in nitivo, conforme explicamos quando tratamos do regionalismo.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07… 14/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Saiba mais
, Para saber mais sobre os equívocos cometidos com relação à norma culta, leia os seguintes textos., ,
Os 10 erros de ortogra a mais comuns da Língua Portuguesa (galeria/aula1/docs/10_erros_de_ortogra a.pdf);
Erros gramaticais comuns na Língua Portuguesa – Parte I (galeria/aula1/docs/erros_gramaticais_comuns_na_lp.pdf).

Fonte da Imagem:

Mesmo que utilizemos a norma culta para falar e para escrever, fala e escrita são modalidades diferentes de uma
mesma língua.

Não escrevemos como falamos nem falamos como escrevemos, certo?

Embora passemos boa parte do tempo diante do computador – seja nas redes sociais, seja trabalhando e estudando –,
no nal, utilizamos mais a fala do que a escrita.

Vamos entender, então, a diversidade entre tais modalidades linguísticas.

Fonte da Imagem:

Nunca escrevemos ou lemos tanto devido à internet: podemos nos comunicar via SMS e WhatsApp, através de posts
nas redes sociais etc. Mas essa escrita e essa leitura excessivas apresentam alguma qualidade em termos de padrões
linguísticos? O que dizer das abreviaturas que conferem agilidade no ambiente da web?

A tendência a abreviações é muito grande pela necessidade de comunicação rápida, mas, como um caso de variação
linguística, essas formas abreviadas devem se restringir a tais ambientes em que são requeridas. Por isso, é
importante conhecer conceitos como adequação ao ambiente, formalidade, informalidade e variação.

Quando nos familiarizamos com tais noções, compreendemos que não há nada de errado no uso do “internetês”,
desde que ele se restrinja aos ambientes em que é adequado. Como mais um exemplo de variação linguística, esse
tipo de linguagem é mais apropriado a certos contextos do que a outros.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07… 15/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Diante de tudo o que já estudamos até o momento, não há como negar: vivemos em uma sociedade que dá um alto
valor a quem escreve.

Na verdade, a escrita é muito importante em nossas complexas relações sociais e práticas culturais. Isso quer dizer
que o comportamento do homem – principalmente urbano – é regulado pela escrita.

Se pensarmos na esfera pública, por exemplo, vamos nos deparar com ofícios, requerimentos, memorandos etc.: todos
esses documentos têm de ser escritos com extremo rigor linguístico, com base na norma culta da língua, porque os
contextos em que circulam exigem esse padrão. Mas nós, brasileiros, ainda temos di culdade de seguir tais regras da
Língua Portuguesa por não atentarmos para a diversidade sobre a qual discutimos entre fala e escrita.

De acordo com Silva (2007):

Fonte da Imagem:

“Todos se queixam de que português é difícil. O brasileiro é


chorão? Não me parece que possa ser de nida como
chorona uma nacionalidade marcada pelo carnaval, pelo
humor e pelo riso puri cador com os quais suporta males
seculares. A queixa pode ser assim resumida: a língua
falada é uma, mas a língua escrita é outra.”

Com base em Koch e Elias (2009, p. 16), podemos estabelecer algumas diferenças entre as modalidades FALA e
ESCRITA. Vejamos:

Isso signi ca que, quando falamos, planejamos menos do que quando escrevemos. Além disso, a fala nos permite
deixar informações mais implícitas, em função do contexto que está ali, diante dos falantes, o que não ocorre na
escrita. Por isso, a escrita deve ser mais elaborada, planejada e explícita.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07… 16/22
10/05/2019 Disciplina Portal

INDICAÇÃO DE LINK
Para saber mais sobre as diferenças entre tais modalidades da língua, leia o texto Continnum tipológico: um estudo da
oralidade e da escrita (glossário).

NORMA-PADRÃO X COLOQUIALISMO
Agora que você já entendeu a diversidade entre fala e escrita, vamos nos ater às diferenças entre os registros coloquial
e culto da língua. Alguns fenômenos são típicos da escrita e merecem um pouco mais de cuidado por parte de quem
escreve – principalmente em ambientes de maior formalidade. Vamos analisar o quadro ao lado e identi car tais
aspectos.

ONDE X AONDE

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07… 17/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Ainda que tenhamos conhecimento da norma culta da língua, há termos que provocam dúvidas na hora de falar e
escrever de acordo com esse padrão.

Por exemplo, você sabe quando utilizar ONDE e AONDE?

Vamos fazer um teste. Qual, entre as frases a seguir, está CORRETA?

 (   ) Onde nós vamos?  (glossário)

 (   ) Aonde nós vamos?  (glossário)

Outra dúvida bastante frequente na hora de escrever diz respeito ao uso de HÁ e A. Mas saná-la é algo bem simples!
Veja...

HÁ = exão do verbo HAVER, que pode ser usada no sentido de:

HÁ X A
Analise, agora, o seguinte exemplo:

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07… 18/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Se o verbo HAVER já indica tempo passado, não há necessidade de dizer, por exemplo, “HÁ dez minutos atrás” ou “HÁ
anos atrás”, pois isso é classi cado como PLEONASMO, ou seja, repetição desnecessária de ideias. Basta a rmar “HÁ
dez minutos” ou “HÁ dez anos”.

Usamos A nas seguintes situações:

Analise, agora, o seguinte exemplo:

Se “Daqui há pouco” indica futuro, houve um equívoco na escrita com o verbo HAVER. O correto seria: “Daqui a pouco”.

VÍDEO

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07… 19/22
10/05/2019 Disciplina Portal

MAU X MAL
Para não se equivocar quanto ao uso de MAU e MAL, lembre-se:

MAL é o oposto de BEM.


MAU é o oposto de BOM.

Partir desse conhecimento para evitar enganos é válido, mas podemos compreender os motivos do emprego de cada
termo em determinadas sentenças.

Vamos entender melhor...

Atenção
, A palavra MAL também pode ser um substantivo, , Exemplo: Este é um mal necessário.Mas, nesse caso, haverá sempre um
determinante qualquer – como o artigo inde nido UM., , Além disso, considerando tal substantivação – acompanhada de um
artigo de nido ou inde nido –, o mesmo vocábulo pode variar em número., , Exemplo: Os males da vida são muitos.

MENOS X MENAS
Por m, para acabar com suas dúvidas – e de muitos – quanto ao uso de alguns termos, de antemão, lembre-se:

Isso já facilita nossa vida! Vejamos alguns exemplos de seu emprego:

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07… 20/22
10/05/2019 Disciplina Portal

MENOS é um advérbio, ou seja, uma palavra que exprime uma circunstância – nesse caso, de quantidade ou
intensidade. E, como já vimos, advérbios são invariáveis!

Para entender suas funções na língua e a diferença entre advérbio e pronome inde nido, assista ao vídeo a seguir.

VÍDEO

Glossário
ONDE NÓS VAMOS?

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07… 21/22
10/05/2019 Disciplina Portal

Que pena, você errou! Quando há, na oração, um verbo que indica movimento – como o verbo IR, por exemplo –, o correto é usar
AONDE. Mas, se a pergunta fosse feita com o verbo ESTAR, o correto seria: Onde você está? Sabe por quê? Simples! O verbo
ESTAR não indica movimento.

AONDE NÓS VAMOS?

Parabéns, você acertou! Quando há, na oração, um verbo que indica movimento – como o verbo IR, por exemplo –, o correto é
usar AONDE. Mas, se a pergunta fosse feita com o verbo ESTAR, o correto seria: Onde você está? Sabe por quê? Simples! O verbo
ESTAR não indica movimento.

estacio.webaula.com.br/Classroom/index.html?id=2640934&courseId=370&classId=1159996&topicId=756577&p0=03c7c0ace395d80182db07… 22/22