Você está na página 1de 8

Influência da Escória Granulada de Alto forno na

Resistência de Barragens de Rejeitos de Minério

Deyvid de Melo Alves∗

2018, Maio

Resumo

A grande demanda por minérios de ferro devido ao desenvolvimento econômico


e tecnológico tem resultado em volumes cada vez maiores de rejeitos gerados no
beneficiamento destes minérios. Neste cenário, a necessidade de armazenagem
destes grandes volumes de rejeito tem exigido uma evolução nas alternativas de
composição e tecnologias de controle de qualidade destas estruturas. Normal-
mente as mineradoras executam as barragens de contenção usando o próprio
rejeito, realizando a compactação o máximo possível para garantir a resistência.
No entanto por efeito da água essas barragens podem acabar se liquefazendo,
devido a saturação do material da barragem. Desta forma, o principal objetivo
deste artigo é investigar a influência da Escória Granulada de Alto Forno nas
propriedades geotécnicas do rejeito, enfatizando sua influência nos parâmetros
de resistência de uma barragem de minério de ferro. Estes parâmetros foram
obtidos a partir de ensaios utilizando protótipos para serem postos a prova
verificando o possível aumento no tempo de resistência.

Palavras-chave: Barragens de Rejeitos. Escórias de Alto Forno. editoração


de texto.

Acadêmico de Engenharia Civil no Instituto federal do Norte de Minas Gerais, email: Dey-
vid3578@gmail.com

1
1 Introdução
A mineração é um setor que tem grande importância no desenvolvimento econômico
e social das nações, contribuindo diretamente na qualidade de vida das pessoas.
Porém a crescente demanda mundial por bens minerais junto ao desenvolvimento
econômico e tecnológico tornou-se necessário uma maior produção para atender o
mercado, dessa forma o processo de extração do minério de ferro acaba gerando
muito resíduos que quase não tem função para serem reutilizados, sendo assim são
armazenados em barragens feitos a partir do próprio resíduo. Concomitante são
feitos alteamentos dos diques de contenção, ou seja, à medida que os rejeitos vão
chegando à altura do dique, faz se outra estrutura em cima para conter o material e
a medida que o rejeito vai aumentando de volume e chegando no limite, repete-se o
processo novamente. Contanto, esse aumento da quantidade de rejeitos vai crescendo
a necessidade da criação de novas barragens, junto a isso os vários acidentes que vem
ocorrendo e chamando atenção da sociedade e governo para medidas mais seguras
no que tange a construção de barragens.

O grande problema é que muitas empresas vêm solicitando às estruturas das barra-
gens mais do que elas podem suportar, e as medidas de prevenção e monitoramento
parece não avançar a mesma medida que a quantidade de rejeitos e quando as mesmas
chegam a romper-se, acabam causando tragédias catastróficas com danos quase que
irreversíveis. Estima-se que somente em Brumadinho-MG, após o rompimento da
barragem do Córrego do feijão, 297,28 hectares de terra foram soterrados pelos
rejeitos, além de outras causas imensuráveis. rejeitos (PEREIRA, DE BARROS
CRUZ e GUIMARÃES, 2019)

Então torna-se de grande utilidade pesquisas que visem melhorar a qualidade da


resistência, rigidez e durabilidade dessas estruturas, afim de evitar que elas venham a
romper-se e causar muitos danos a natureza e sociedade. Nessas circunstâncias, o uso
da Escória granulada de Alto forno pode representar um grande ganho na resistência
da estrutura, melhorando a coesão, adesão e impermeabilidade da mesma, contri-
buindo diretamente na confiabilidade no processo de mineração. Para a verificação
dos resultados serão feitos protótipos utilizando os mesmos materiais empregados
na confecção das barragens, também será feito um material para representar as
mesmas condições dos rejeitos da realidade, além do mesmo modelo de estrutura.
O experimento irá consistir em protótipos com o uso da escória granulada de alto
forno, e outras sem o material afim de verificar somente os possíveis vantagens e
desvantagens do uso do material.

2 Objetivos
O objetivo deste trabalho é a pesquisa das possíveis vantagens e desvantagens da
utilização das Escórias de Alto forno nas barragens de rejeitos de minério, avaliando
como ela pode ajudar no ganho de resistência e rigidez da estrutura.

2
2.1 Objetivos Específicos
• Construir dois protótipos e os submeter a força de Empuxo causada pela lama
formada de rejeitos

• Verificar o tempo de resistência de cada protótipo

• Encontrar materiais que aumentem a resistência de barragens melhorando a


segurança da circunvizinhança do local

3 Referêncial Teórico
A mineração de ferro é uma atividade industrial que tem como objetivo a retirada
da matéria prima, ferro, das jazidas para a fabricação do aço e ferro fundido que
são utilizados em grande escala em toda a nossa volta (CARVALHO, 2014). Se-
gundo Farias (2002) a mineração é um dos setores básicos na economia do país,
pois contribui com empregos e circulação de produtos no mercado, melhorando
assim a qualidade de vida e desenvolvimento econômico e social. De acordo com
o Instituto Brasileiro de Mineração – IBRAM somente em 2014 o setor mineral
contribuiu com cerca de US$ 40 bilhões sendo US$ 25,8 bilhões somente o minério
de ferro demostrando a grande importância da atividade. Entretanto ao se extrair o
ferro, é gerado um subproduto conhecido como “rejeito de minério” que dependendo
da forma que é armazenado pode causar riscos para a sociedade, acidentes e até
catástrofes ambientais. (SOBREIRA, FERREIRA E CAMPOS, 2016)

Luz (2010) explica que o minério é extraído das jazidas por operações a céu aberto,
logo é feito a britagem para que se reduza a granulometria do mesmo e em seguida
faz-se o beneficiamento com a presença de água. Depois deste processo ocorre a
separação do minério de alto valor comercial do material inerte de baixo valor, e
então este é direcionado à barragem. Este material chega às barragens em forma
de lama e é jogado na Crista, local mais alto onde se inicia a barragem. Esse lama
escorre até os Reservatórios localizados em grandes depressões e envolvidos pelas
Ombreiras no qual serve para delimitar lateralmente as barragens, logo o material
chega até os Diques de contenção, a estrutura que serve como barreira à lama.

Existem vários modelos de barragens de rejeitos, porém os mais comuns são os


modelos à montante à jusante e linha de centro. Para se fazer essas barragens é
utilizado o próprio rejeito como matéria prima, e à medida que a altura da lama vai
se elevando, são feitos alteamentos para conter o material (SOARES, 2010).

No modelo à Montante, este alteamento é feito no sentido para dentro da barragem,


porém se fazendo dessa forma a estrutura vai se elevando de forma desproporcional a
sua base. Este se caracteriza por ser o de maior facilidade construtiva, além de o que
proporciona maior economia (ESPÓSITO e ASSIS, 1999). Porém, segundo Thomé
e Passini (2018) apesar dessas vantagens, o método apresenta maior facilidade à
ruptura e está “relacionado com todos os acidentes de grande impacto relacionado
a estruturas de contenção somente em Minas Gerais desde 2001”.( MACHADO, 2007)

3
No modelo à Jusante, o sentido do alteamento é feito para fora da barragem e
a altura cresce na mesma proporção que a sua base, resultando em uma estrutura
mais resistente à ruptura global, além de ser mais fácil a instalação de sistemas de
drenagem. E no modelo Linha de Centro o método de construção é intermediário
entre os dois citados anteriormente, no qual se faz o alteamento tanto para o sentido
de dentro quanto para fora da barragem e assim reunindo características intermediá-
rias dos dois modelos (LAZARIM, 2015).

Devido essas estruturas aparentemente não apresentarem nenhum retorno no que


tange ao financeiro, alguns empreiteiros costumam optar por estruturas mais simples,
menos onerosa e com menor controle construtivo, como é o caso do modelo à mon-
tante. Porém os impactos causados pelas mesmas podem atingir grandes proporções,
dependendo da quantidade de rejeito que estava na barragem. No dia 5 de novembro
de 2015 houve um dos maiores acidentes relacionados a barragens no Brasil, na
cidade de Mariana-MG, no qual milhões de metros cúbicos foram derramados no
Rio Doce (DE OLIVEIRA, 2018). Três anos após o ocorrido em Mariana, mais
precisamente no dia 25 de fevereiro de 2018 foi a vez da cidade de Brumadinho-MG
sofrer uma catástrofe, no qual a barragem causou dezenas de mortes, destruição do
meio ambiente, cidade e do centro administrativo da empresa , comprometendo uma
área de 297,28 hectares e 59% das famílias pelo soterramento de rejeitos (PEREIRA,
DE BARROS CRUZ e GUIMARÃES, 2019)

Diversas hipóteses são levantadas para as possíveis causas dos ocorridos, como
a liquefação, que ocorre quando o material sólido da barragem passa a se compor-
tar como um fluido diminuindo a coesão e aderência existentes nas partículas da
estrutura, diminuindo sua rigidez e afetando a estabilidade global da mesma. Outras
hipóteses podem ser pequenos abalos sísmicos que que causam fissuras enfraque-
cendo a resistência da Barragem, galgamento que ocorre quando a quantidade de
rejeitos ultrapassa a altura máxima do alteamento e a exagerada quantidade de
rejeitos despejadas nessas barragens, o que eleva muito a pressão sobre as estruturas
aumentando as chances de fissuração e rompimento (LOPES, 2016; MENDES, 2017).

Portanto, cria-se a necessidade em encontrar alternativas que visem a melhoria


na resistência e rigidez dessas estruturas afim de evitar os ocorridos, beneficiando não
somente as empresas e o meio ambiente, mas a sociedade como um todo. Segundo Pa-
checo (2014) umas das alternativas para elevar a resistência dos materiais é alterando
as propriedades geométricas das estruturas, então basta aumentar o tamanho das
mesmas que se eleva a resistência, porém como afirma Mendoza Zambrano (2018),
esta não é uma alternativa válida neste caso já que nem sempre as empresas tem o
terreno necessário para a expansão. Então outra alternativa seria pela mudança das
propriedades mecânicas, no qual basta acrescentar materiais que elevam o módulo de
elasticidade das estruturas que se aumenta a rigidez. De acordo com Hibbeler (2000)
utilizando a Lei de Hooke percebe-se que quanto maior o módulo de elasticidade,
maior deve ser a tensão aplicada para deformar ou romper um material, ou seja, a
estrutura passa a ter maior capacidade de resistência.

4
Escórias de alto forno é um subproduto da fabricação de ferro fundido em alto
forno, alguns autores os classificam como material pozolânicos por apresentar ca-
racterísticas cimentícias e outros o classificam como cimento hidráulico latente, por
apresentar em sua composição silicatos e aluminatos de cálcio, assim como o cimento
Portland, porém em proporções diferentes. As escórias utilizadas na industrias pos-
suem em sua variedade quatro tipos diferentes de materiais, o que irá diferencia-los
é o tipo de resfriamento que é imposto, sendo, escória de alto forno resfriada ao ar,
escória expandida, escória paletizada e escória granulada de alto-forno. A escória
que é utilizada como aditivo na fabricação do Cimento Portland é justamente esta
última, devido o modo de resfriamento ser rápido ela acaba ganhando característica
reativas maiores que as outras. Porém, para que este material tenha propriedades
cimentícias, ele deve ser triturado para obter dimensões de partículas menores que
45 micrômetros, assim se caracterizará como um material de cor mais clara que
o Cimento Portland. A utilização deste material no cimento, caracteriza em um
material com maior impermeabilidade, melhor resistência a compressão tal como
melhorias na durabilidade de construções feitas com este material. (ALMEIDA, 2014;
CABRERA-MADRID, ESCALANTE-GARCÍA e CASTRO-BORGES, 2016)

Portanto, é esperado que ao se utilizar o subproduto para ser misturado com os


rejeitos que formam os diques de contenção nas barragens, possa alterar as proprie-
dades mecânicas dessas estruturas, deixando as mais resistentes e proporcionando
maior durabilidade das estruturas assim evitando problemas e acidentes catastróficos
causados pelos rompimentos das barragens.

4 Metodologia
Serão feitos dois protótipos para simular as barragens, utilizando o mesmo modelo
sendo o à Montante, por ser o mais usado na prática, e os mesmos materiais usados
nos diques de contenção, sendo o rejeito este material, enfatizando que deve impor as
mesmas condições para ambas a barragens para garantir somente o efeito da Escória
na resistência. Em um dos protótipos será misturado as Escórias Granuladas de Alto
Forno ao rejeito para construir o dique de contenção e o outro será feito apenas
com o rejeito simulando como são feitas em sua grande maioria. Logo será feito o
rejeito de minério em forma líquida para representar o que ocorre na realidade e
impor o empuxo à essas estruturas, sendo este material em forma líquido em mesma
quantidade. Então será utilizado um uma câmera para registrar qual estrutura irá
demorar mais para romper-se.

5 Justificativa
Devido aos grandes acidentes ocorridos ultimamente relacionadas a barra-
gens de contenção de rejeitos de minério de ferro, especialmente as barragens de
Mariana-MG e Brumadinho-MG que causou danos severos e impactos socioambien-
tais desastrosos a essas cidades e a região que o circunda, justificasse esta pesquisa

5
enfatizando a necessidade e importância de melhorias nas estruturas e monitora-
mento rigoroso nas mesmas. O Grande potencial das Escórias Granuladas de Alto
Forno pode aumentar a capacidade de resistência e rigidez aos diques de contenção,
oferecendo maior segurança e confiabilidade a estrutura, além de que pode melhorar
a impermeabilidade, oferecendo maior proteção contra a liquefação, que é uma das
principais causas dos acidentes com barragens de rejeitos, pois apresenta maior
dificuldade ao movimento da água dentro das estruturas.

Estruturas mais resistentes oferecem maior confiança aos empreendimentos de mine-


ração, já que os acidentes também causam grandes prejuízos a empresa responsável,
devido as grandes multas e que essas empresas sofrem pelo rompimento das barragens,
as centenas de pessoas que elas terão que indenizar e materiais perdidos. O uso das
Escórias Granuladas de Alto Forno também pode se apresentar como uma alternativa
mais barata e eficiente à essas estruturas, favorecendo as empresas diretamente e as
pessoas indiretamente já que será utilizado um material resultante da produção do
ferro gusa.

6 Resultados Esperados
É esperado que ao se utilizar as Escórias Granuladas de Alto Forno para ser misturado
com os rejeitos que formam os diques de contenção nas barragens, possa alterar
as propriedades mecânicas dessas estruturas, elevando o módulo de elasticidade
e o peso específico da estrutura. Ao elevar o módulo de elasticidade irá acarretar
em uma estrutura com tensão admissível maior, ou seja, a estrutura conseguirá
suportar maiores tensões causadas pelo empuxo do resíduo. Concomitante o maior
peso específico irá deixar a estrutura mais impermeável, ou seja, a água terá mais
esforço para penetrar nos poros dos diques, dessa forma irá diminuir o risco de
liquefação por saturação da estrutura.

7 Cronograma

Atividades Abr Mai Jun Jul


Levantamento bibliográfico sobre barragens
X
de rejeitos de minério de ferro
Levantamento bibliográfico sobre Escórias
X X
Granuladas de Alto forno
Discussão teórica em função da determinação
X
dos objetivos
Obtenção dos materiais necessários para a
X
realização dos esperimentos
Confecção do Artigo para demostração dos
X
resultados obtidos
Apresentação e publicação do Artigo final
X
em revistas

6
8 Orçamento

Elemento de despesa Valor específico


Equipamentos e materiais 60,00
Material bibliográfico 60,00
Total 120,00

9 Referências
ALMEIDA, Gyselle Maciel de, et al. Utilização de escória produzida em alto-forno
a carvão vegetal como agregado graúdo e miúdo para concreto. 2014.

CABRERA-MADRID, J. A.; ESCALANTE-GARCÍA, J. I.; CASTRO-BORGES,


P. Resistencia a la compresión de concretos con escoria de alto horno. Estado del
arte re-visitado. Revista ALCONPAT, v. 6, n. 1, p. 64-83, 2016.

CARVALHO, Pedro Sérgio Landim de et al. Minério de ferro. 2014. Como a


mineração ajuda a alavancar a economia brasileira. Portal da Mineração. Brasília-DF.
11 de Dez. 2018. Disponível em: < http://portaldamineracao.com.br/como-mineracao-
ajuda-alavancar-economia-brasileira/>. Acesso em: 09 de Abril. 2019

DE OLIVEIRA, Luiz Paulo. Licenciamento Ambiental em Barragens de Rejeitos


após a tragédia de Mariana-MG. Revista Técnico-Científica, n. 14, 2018.

ESPÓSITO, T.; ASSIS, A. Método probabilístico acoplado ao método observacional


aplicado a barragens de rejeito. In: 4o Congresso Brasileiro de Geotecnia Ambiental.
1999. p. 187-194.

FARIAS, Carlos Eugênio Gomes. Mineração e meio ambiente no Brasil. Rela-


tório do CGEE/PNUD, v. 76, p. 2, 2002.

LAZARIM, T. P. Espalhamento de rejeitos em cenários de ruptura de barra-


gens–Simulações em modelo reduzido e proposta de avaliação de área. Programa
de Pós-graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Paraná, Paraná,
Brasil, 120p, 2015.

LOPES, Luciano Motta Nunes. O rompimento da barragem de Mariana e seus


impactos socioambientais. Sinapse Múltipla, v. 5, n. 1, p. 1, 2016.

LUZ, Adão Benvindo da; SAMPAIO, João Alves; FRANÇA, Silvia Cristina
Alves. Tratamento de minérios. 2010.

7
MACHADO, William Gladstone de Freitas. Monitoramento de barragens de con-
tenção de rejeitos da mineração. PhD Thesis. Universidade de São Paulo. 2007

MENDES, Lucas Oliveira. Avaliação dos danos potenciais em comunidades afetadas


por rompimento de barragens. 2017.

MENDOZA ZAMBRANO, R. J., Silver Endler, M. B. D., Figueiredo Ma-


ceira, H., & Moyses Neto, R. Comportamento e projeto de barragem de rejeitos
construída para montante. 2018.

PACHECO, Jéssika et al. Considerações sobre o Módulo de Elasticidade do Con-


creto. In: Congresso Brasileiro do Concreto. 2014.

PEREIRA, Luís Flávio; DE BARROS CRUZ, Gabriela; GUIMARÃES, Ri-


cardo Morato Fiúza. Impactos do rompimento da barragem de rejeitos de Brumadinho,
Brasil: uma análise baseada nas mudanças de cobertura da terra. Journal of Envi-
ronmental Analysis and Progress, v. 4, n. 2, p. 122-129, 2019.

SOARES, L. Barragem de rejeitos. In: LUZ, Adão Benvindo da; SAMPAIO,


João Alves; FRANÇA, Silvia Cristina Alves. Tratamento de Minérios. 5. ed. Rio de
Janeiro: CETEM/MCT, 2010. Cap. 19. p. 831-896.

SOBREIRA, Patrícia de Albuquerque; FERREIRA, Rildo Mourão; CAMPOS,


Francisco Itami. Responsabilidade Socioambiental das barragens de rejeitos do estado
de Goiás. Revista Republicana, n. 21, 2016.

THOMÉ, Romeu; PASSINI, Matheus Leonardo. Barragens de Rejeitos de Mine-


ração: Características do método de alteamento para montante que fundamentaram
a suspensçao de sua utilização em Minas Gerais. Ciências Sociais Aplicadas em
Revista, v. 18, n. 34, p. 49-65.