Você está na página 1de 3

Educação matemática nas Ilhas do Pacifico: promovendo o desenvolvimento

profissional de professores de matemática da Micronésia


O trabalho matemático dos professores das Ilhas do Pacifico é financiado por duas
subconvenções da Fundamentação Nacional de Ciências, o primeiro projeto é denominado
DELTA, com duração de três anos, gerou experiência de desenvolvimento profissional
desenhadas e conduzidas por mentores ou líderes em educação matemática acostumados ás
realidades socioculturais das comunidades locais de professores, e o segundo projeto é o
MENTOR, empreendimento de cinco anos focalizando líderes em educação matemática que
orientam mais de 500 professores.
É um grande desafio para os professores, por ser localizado em uma região isolada, onde
o trabalho será realizado por alta diversidade cultural e linguística, estruturas comerciais variadas,
classes sociopolíticas divergentes e recursos econômicos geralmente limitados. Estas grandes
diversidades geram um considerável impacto nos processos educacionais e exigem um extremo
esforço para acomodar uma variedade de costumes, valores e expectativas. No entanto, os
conjuntos ofereceram uma oportunidade de conduzir um experimento com um novo modelo de
desenvolvimento profissional, o qual criou competência local e gerou um quadro de formadores
profissionais nativos em educação matemática.
A inspiração do projeto se deu por diversos motivos, como, cerca de 23% dos professores
tinha menos de cinco anos de experiência, a população tendia a aumentar, e a formação de
professores na região era em geral inadequada, particularmente na área de ensino de matemática,
pois embora houvesse um aumento do número de professores que completaram três anos do curso
em pedagogia, não se tinha conteúdo complementar de matemática pelo a ausência de
especialistas na disciplina, o que é uma grande barreira para a implementação de currículos de
matemática na Micronésia.
Os projetos tinham como objetivo engredar um modo inovador de oferecer
desenvolvimento profissional não só aos professores matemáticos, como também aos mentores
de professores, também houve uma esquematização de um quadro conceitual, o qual tem uma
seção de abordagem adotada para o desenvolvimento profissional.
Quadro conceitual
Durante os últimos 10 anos, as entidades da região do Pacifico trabalham para
implementar os padrões nacionais e regionais para a educação matemática, onde a visão de ensino
e aprendizagem requer que os professores possuam conhecimentos pedagógicos e de conteúdos
matemáticos, demandam uma postura investigativa e de resolução de problemas.
Um requisito absoluto nas interações com as culturas das ilhas do Pacífico é o respeito,
e foi nesta perspectiva que um pesquisador chefe deste projeto desenvolveu um modo que
estimulasse os estudantes a ter compromisso com a matemática. Essa abordagem foi escolhida
como um núcleo central do projeto por causa do respeito e da valorização que ela se dedica aos
aprendizes, onde a compreensão destes aspectos é fundamental para o projeto dos mentores, com
os professores experientes e com os iniciantes, uma vez que esses cursos são caracterizados por
cenários que encorajam a comunicação e as conversas entre os mentores, são eles:

 Respeito profundo e aceitação das capacidades dos estudantes, reconhecimento


de que cabe ao estudante construir sua aprendizagem, dentre outros.
Outro instrumento utilizado para estimular o respeito e a compreensão entre os mentores
e o pessoal do projeto é o círculo da sabedoria. O qual é um instrumento utilizado para estimular
o diálogo entre os mentores, neste tem uma pena de uma águia sagrada onde qualquer pessoa que
segure o bastão é o único com permissão a falar, este círculo é tipicamente utilizado uma vez por
dia no período de realização dos cursos de formação, em geral para abrir os procedimentos pela
manhã ou para agregar todos ao final do dia, desta forma foram estabelecidos princípios e práticas
nos círculos.
Os três princípios do círculo, são praticados no projetos, são eles: liderança
rotativa(confiar que os recursos para a realização dos objetivos do currículo estão dentro do
próprio grupo), responsabilidade compartilhada(baseada na confiança de que alguém se
apresentará para suprir qualquer que seja a necessidade do círculo, ajudando o próximo,
solicitando silêncio ou oferecendo o espaço para a próxima reunião), contando com o espirito(
cada pessoa deposita total confiança no centro do círculo e toma seu lugar ao redor), serão feitos
acordos durante o diálogo, são eles: o que é dito em círculo pertence ao círculo, o círculo é prática
de discernimento, praticara audição sem interrupção, dentre outros.
Compartilhar uma parte significativa da cultura de cada ilha é parte do projeto, e pela
primeira vez, o compartimento foi além do superficial e do lugar-comum, cada dia começava e
terminava com um evento cultural conduzida pelo a equipe MENTOR de uma das comunidades,
além de se educar quanto as diferenças entre eles, as seções foram fundamentais para que
houvesse entendimento no grupo. Com o respeito com central, haviam alguns desafios, como o
ato de questionar, pois algumas culturas não permitia que as mulheres fizessem isto com a própria
voz, ou que jovens questionasse os mais velhos, então os mentores tem sugerido que algumas
destas práticas tem mudado, mas não sem conflitos e brigas. Um dos mentores chamou esse
processo de revolução, e um outro o chamou de fase transitória.
O projeto vai em busca de alcançar seu objetivo de produzir instrução matemática efetiva
a professores iniciantes dependentes, mas não se limitam apenas ao desenvolver da compreensão
de educadores matemáticos, a habilidades de educadores matemáticos, ampliação de
conhecimento de mentores e iniciantes, dentre outros.
As equipes lutam contra os desafios e as dificuldades de construir relações de trabalho
produtivas, adaptam-se para satisfazer suscetibilidades locais relativas a currículos e pratica
instrucionais, aprendidas durante o curso de formação duas vezes ao ano e para desempenhar e
implementar atividades modelos de desenvolvimento profissional para professores de
matemática. O foco do trabalho dos mentores durante o período de 1999 e 2002 esteve localizado
nos professores de matemática experientes em particular no ensino médio.
O programa dos mentores entrelaça três tipos diferentes de experiências: cursos de verão,
observação em sala de aula e sessões de desenvolvimento profissional mensais. O primeiro deste
com duração de 5 dias para os professores iniciantes desenvolverem seus conhecimentos de
matemática e de educação matemática com base nos padrões.
Objetivo do ciclo de observação de três etapas é desenvolver as habilidades de professores
iniciantes para refletir criticamente sobre sua prática e implementar consequências instrucionais
que se alinhem com os princípios de ensino e aprendizagem matemática baseado nos padrões
preestabelecidos no caso dos mentores organizam seções de estudos sobre áreas especificas.
Os professores iniciantes recebem apoio continuo por três anos à medida que progridem
em um ciclo anual de cursos de verão seguidos por semestre de apoio na própria escola em que
trabalha, cada grupo de professores em uma comunidade permanece no projeto durante três anos.
Todas as seções de conteúdo matemático focalizam abordagens baseadas em padrões que
envolvem atividades manipulativas, representações múltiplas e um forte ênfase em padrões de
processos as tarefas são escolhidas e organizadas para satisfazer tais objetivos: atividades que
incluam oportunidades para descoberta, construir autonomia dos participantes, dentre outros. A
maioria das atividades escolhidas é complexa e se move rapidamente da simples manipulação
para a resolução de problemas e generalizações. A intenção não é que mentores ou iniciantes
tomem as atividades conforme são apresentadas e as usem diretamente ao alunos, uma vez que as
tarefas precisam ser revisadas ou classificadas em sequencias apropriadas ao ensino infantil.