Você está na página 1de 19

Análise urbanística e diagnóstico de

assentamentos precários: um roteiro


metodológico
Urban analysis and precarious settlements assessment: a
methodological guide

Maria Lucia Cavendish Cavalcanti Lima


Nadia Somekh
Resumo
finalidade deste trabalho é destacar o papel instrumental da Análise

A Urbanística no diagnóstico urbanístico-ambiental de assentamentos


precários, um arcabouço metodológico capaz de figurar, medir e
avaliar as assimetrias que distinguem esses assentamentos da cidade
formal. A metodologia na fase analítica adota uma estrutura temática que fixa os
fatores de cuja variação depende um maior ou menor grau de qualidade de vida
urbana nesses assentamentos e que, numa escala ascendente ou descendente,
representam a erosão dos padrões e relações espaciais. O processo de síntese
amarra as categorias de análise ordenando-as de forma espacializada e hierárquica
em categorias de problemas. O método estabelece marcos de referência para
avaliar o nível da transformação a ser produzida com as intervenções de
urbanização, oferecendo uma referência para a tomada de posição entre extremos,
que podem oscilar da consolidação do tecido existente até sua substituição –
importantes dados de entrada tanto para o projeto como para o monitoramento das
Maria Lucia Cavendish intervenções públicas.
Cavalcanti Lima
Consultora independente Palavras-chave: Análise urbanística. Diagnóstico. Urbanização de assentamentos
Rua Pedro de Araújo Lima, 51, sala precários. Favela.
34, Vila Guiomar
Santo André – SP – Brasil
CEP 09061-840
Abstract
Tel:(11) 2324-5713 The purpose of this paper is to point out the instrumental role of the Urban
E-mail: lucavendish@gmail.com Analysis on the urbanistic-environmental assessment of precarious settlements, a
methodological framework capable of depicting, measuring and evaluating the
Nadia Somekh asymmetries that make these settlements so distinct from the formal city. In its
Faculdade de Arquitetura e analytical stage, the methodology takes on a thematic structure that establishes the
Urbanismo Mackenzie factors whose variation will make for either a higher or a lower degree of quality
Universidade Presbiteriana Mackenzie
Rua da Consolação, 930, Prédio 9, of life in these settlements, and which represent the erosion of spatial standards
Centro and relations. The synthesis process ties the analysis categories, sorting them in a
São Paulo - SP - Brasil spatial and hierarchical way by categories of problems. The method establishes
CEP 01302-907
Tel.: (11) 2114-8313 benchmarks to assess the level of transformation to be produced by the urban
E-mail: nadiasom@terra.com.br interventions, providing a reference for the formulation of decisions, which may
range from consolidating the existing urban fabric to its replacement – a key data
Recebido em 16/10/12
for the Project itself, as well as for monitoring the urban interventions thereof.
Aceito em 28/02/13 Keywords: Urban analysis. Assessment. Precarious settlements upgrading. Slums.

Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013. 109


ISSN 1678-8621 © 2005, Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído. Todos os direitos reservados.
Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

Introdução
Há mais de cinco décadas, os assentamentos Brasil como em outros países da periferia
precários vêm-se fixando no contexto urbano do econômica, onde apresentam crescimento
Brasil, afrontando os baluartes mais inexpugnáveis desconcertante, a taxas superiores às da cidade
de nossa sociedade – a propriedade privada, formal (DAVIS, 2006); e
desdenhando legislações urbanísticas e ambientais
(b) padrões precários e carências que lhes são
e colocando grandes desafios para as políticas
peculiares estão colocados lado a lado a um
públicas em todas as esferas de governo:
potencial de transformação que pode atingir
O território da pobreza urbana não se padrões urbanos razoáveis, que leva os
refere a uma minoria excluída ou marginal, assentamentos precários à categoria de potencial
mas em algumas cidades (como, por estoque habitacional, com a vantagem de ter os
exemplo, Belém, São Luiz, Fortaleza, custos de urbanização muito inferiores aos custos
Recife, Salvador) compreende a maioria da de produção de novas moradias (MELLO; LIMA;
população [...] (MARICATO, 2011, p. 103). DOURADO, 1995).
Estudiosos acompanharam a evolução da ação Não é possível ignorar, entretanto, os padrões de
governamental dirigida para essas áreas urbanas habitabilidade bastante precários que os
entre as décadas de 1940 e 1970 – marcadas por caracterizam e que exigem, quase sempre,
ações de remoção, até a atualidade – ações intervenções reestruturadoras e integradas. Essa
baseadas nos conceitos de inclusão (TURNER, condição é observada na linha programática
1969; PERLMAN, 1977; LEEDS; LEEDS, 1978; Integração Urbana de Assentamentos Precários e
VALLADARES, 1978, 2005; DENALDI, 2003; Informais do Plano Nacional de Habitação
TASCHNER, 1997, 2004). A inversão de (Planhab), que tem como objetivo enunciado
concepção na atuação pública fica patente quando promover a integração física dos assentamentos
o governo federal incorpora ao Programa de precários ao conjunto da cidade (BRASIL, 2009).
Aceleração do Crescimento (PAC), em 2007, os
Apesar de toda evolução, muitas das intervenções
projetos de urbanização de favelas, destinando-lhes
de urbanização implantam infraestrutura num
substancial montante de recursos. Somam-se
ordenamento urbano visivelmente distante dos
avanços na concepção dos programas à padrões espaciais da cidade formal, levando-nos a
possibilidade de encetar atuação numa escala
questionar até que ponto a tão decantada inserção à
próxima a que o problema apresenta atualmente –
cidade ou transformação em bairro é efetivamente
6% da população vivendo em assentamentos
posta em prática (DENALDI, 2003).
precários segundo o Censo IBGE de 20101 (IBGE,
2011). Afirma Maricato (2011, p. 144) que é O que impede que essas intervenções supram
apenas demandas incomprimíveis em matéria de
[...] impossível não reconhecer, que se
habitação? Importantes questões permanecem
constituiu algo novo na gestão de muitas
abertas e, como tais, não asseguram a coerência
cidades brasileiras por meio de um
das práticas com os enunciados do discurso. Quais
conjunto de práticas e programas urbanos são elas? Em primeiro plano, a fragilidade das
que buscavam requalificar áreas de referências que tornem visível a distância entre a
moradia precária [...] e produzir novos
promessa da inserção territorial acenada e a
espaços de inclusão social e política [...].
realidade urbana das áreas precárias, permitindo
De forma análoga, contribuições abundantes de que essa distância seja nomeada e medida como
inquestionável valor aportadas por pesquisadores problema a ser reparado pelas intervenções. É
brasileiros revelam, explicam e dissecam a possível configurar um referencial de situação
territorialização da pobreza e a periferização da urbana a atingir ao recuperar áreas degradadas? É
vida social nas cidades (SANTOS, 1993; viável identificar e demarcar os fatores envolvidos
FERREIRA, 2007; MARICATO, 1980, 1996, na erosão dos padrões espaciais e alçá-los a
2001; ROLNIK, 1997; VILLAÇA, 2001). categorias de análise? Em outro plano, como
Os avanços contribuíram para a formação de afirma Taschner (2004, p. 17),
consenso em torno de pelo menos dois pontos com [...] raramente se estuda a
respeito aos assentamentos precários: heterogeneidade, a diversidade dentro da
(a) esse fenômeno não é de natureza transitória; favela que são tratadas, em regra, como
espaços homogêneos não só para a análise
ao contrário, os assentamentos precários são
sociológica e para a atuação política [...].
elementos da estrutura fixa das cidades, não só no

1
Trata-se de 11.425.644 pessoas.

110 Lima, M. L. C. C.; Somekh, N.


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

Como também para a intervenção urbanística. É O papel do diagnóstico nos


possível identificar e demarcar o gradiente de
deterioração de padrões urbanísticos no interior projetos de urbanização de
dos assentamentos? favelas
As questões em aberto, anunciadas no parágrafo Analisando o conceito de Projeto sob a ótica de
anterior, estimularam a autora a reunir, a partir dos três diferentes autores – Gregotti (1994), Bosi
anos de 1990, elementos para a organização de um (1996) e Lefevbre (1999) –, logramos distinguir
arcabouço metodológico que lhes fornecessem três denominadores comuns presentes em suas
respostas com algum grau de clareza e precisão. formulações:
Desde então, suas pesquisas foram sucessivamente
aplicadas a planos e projetos de assentamentos (a) intrínseca à ideia de Projeto existe uma ideia
precários, incluindo entre estes o Diagnóstico da subjacente/valor, espírito e substrato, que, embora
Favela Paraisópolis em São Paulo – SP, uma das intangíveis, são determinantes da substância do
maiores e mais complexas da cidade (LIMA, próprio projeto;
2006). Esse arcabouço metodológico é submetido (b) inerente à ideia de Projeto há uma finalidade,
à apreciação da academia em 2006. Este artigo é uma destinação a ser cumprida em sua
uma versão condensada dessa dissertação de materialização; e
mestrado. A seção inicial trata das especificidades
implícitas na tarefa de “construir no ambiente (c) associado à ideia de Projeto há
construído”, situação enfrentada nos projetos e invariavelmente um meio, condição e percurso
ações de urbanização de assentamentos precários. necessários para concretizá-lo, cuja organização
O destaque recai sobre o papel do diagnóstico está subordinada tanto aos valores subjacentes
nesses projetos. Uma segunda seção apresenta o quanto à finalidade do projeto.
arcabouço metodológico da Análise Urbanística e Abstraímos dos textos dos respectivos autores
a forma como se estrutura através de temas. A aqueles trechos que, em nossa avaliação,
seção seguinte descreve o processo contrário: expressam a essência da argumentação de cada um
como da análise temática converge-se para a deles, e com esses excertos montamos o Quadro 1,
síntese. Por fim, as conclusões, à medida que a seguir.
encerram o artigo, abrem caminho para novas
contribuições e desenvolvimentos.

Ideia subjacente/ Meio Finalidade


valor

Esforço em organizar uma série


Gregotti
Gregotti

de fenômenos voltados para uma


Autoconstituir-se como
Desejo/intenção. finalidade, num momento
significado.
determinado do processo
histórico.
Sentido de condição de vida
mais humana, digna de almejar-
Movimento em direção ao futuro,
Consciência grupal operosa se, termo final de um processo
Bosi
Bosi

desentranhando da vida presente


e operante – cultura. cujo valor é estimado, mais ou
os planos para o futuro.
menos conscientemente, por
todas as classes e grupos.
Utopia/exploração do Superar o relativismo da filosofia Transformação do
vbre
Lefe

Lefe
vbre

possível; pensamento com através de cálculo político; metas espaço/transformação da


referência a uma prática. bem definidas; meios defensáveis. sociedade.
Quadro 1 – Projeto: valores, meios e finalidades
Fonte: segundo Gregotti (1994, p. 12), Bosi (1996, p. 16) e Lefevbre (1999, p. 165).

Análise urbanística e diagnóstico de assentamentos precários: um roteiro metodológico 111


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

Admitindo o pressuposto de que a organização dos elementos, àquela encontrada nas viagens de
meios num projeto qualquer – inclusive num Gulliver, personagem de Swift (1667-1745).
projeto urbanístico – é regida pelos valores ou Fracionamento dos espaços privados em parcelas
ideias subjacentes ao Projeto, sejam estes inferiores a 40 m², densidades acima de 600 hab/ha
expressos por um desejo ou intenção, operados são materializados em tecido urbano desordenado,
pela cultura ou ditados por pensamento ou utopia, malha intrincada, lotes minúsculos e habitações
se esses valores não se expõem em termos amontoadas, acentuadamente insalubres; moradias
explícitos e categóricos, como então determinar os precárias – exíguos espaços, fragilidade dos
meios que deles virão a se depreender? De forma elementos construtivos, condições inadequadas de
análoga, se a finalidade do mesmo Projeto é ventilação, insolação e iluminação; baixa inserção
nebulosa em seu significado, imprecisa na de vias veiculares, bolsões impenetráveis e zonas
condição digna de almejar-se, indeterminada no isoladas. Os terrenos, por sua vez, acidentados,
gradiente de transformação do espaço, como com modificações abruptas, fortes recortes,
organizar os meios para atingi-la? Transferindo declividades acentuadas, várzeas inundáveis ou
esse mesmo raciocínio para a relação entre Projeto mesmo solos instáveis; linhas naturais de
e Metodologia, como definir esta última se os escoamento das águas cerradamente obturadas por
valores e a finalidade do projeto estiverem sujeitos edificações a elas sobrepostas, sujeitas a
à imprecisão apontada na frase anterior? inundações nos períodos chuvosos; transtornos,
Essa questão se reveste de algum contorno especial prejuízos e risco permanentes; precariedade dos
serviços urbanos e infraestrutura; precariedade da
quando se trata de transformar situações urbanas
segurança física: risco de inundação, deslizamento,
minadas por graves desequilíbrios, como é o caso
incêndio, presença de roedores, malha propícia a
dos assentamentos precários?
abrigar marginalidade.
Os assentamentos precários são espaços urbanos
Porém, contraditoriamente, ao mesmo tempo em
construídos e habitados onde há uma preexistência
que são produzidas as situações adversas para o
a ser sopesada, e esta se afirma como um dos
habitat humano, o assentamento precário é também
principais condicionantes do Projeto. Por que, em
um lugar para morar e abrigar a família,
situação de sobrevoo ou observação cartográfica
de grandes ou médias cidades latino-americanas, desenvolver atividades econômicas e usufruir dos
em distância ou escala em que a malha urbana se serviços disponíveis; referência de lugar de
repouso e de relações afetivas (pai/filho,
evidencia, distingue-se facilmente a presença de
homem/mulher, sujeito/comunidade), que revela
uma favela ou loteamento irregular? Certamente,
alguma capacidade inventiva no construir e
não é pela ausência de infraestrutura, fato nem
sempre perceptível a distância. Dois fatores se criatividade nas estratégias de sobrevivência de
destacam a olho nu: a contração das dimensões que seus moradores.
se observam em todos os elementos urbanos – As contradições se revelam no espaço e é comum
ruas, quadras, lotes, edificações, se comparados às que os assentamentos precários encerrem, num
dimensões e geometrias dos mesmos elementos na mesmo território, recortes espaciais subjugados por
cidade dita formal; e a desfiguração do território problemas, junto a outros onde se manifestam as
pelas formas desavisadas de implantação em potencialidades que os justificam como potencial
terrenos, cuja ocupação adequada, geralmente, estoque habitacional. Como distingui-los? Não
requer domínio das tecnologias e técnicas está suficientemente elucidado o conjunto de
construtivas e disponibilidade de recursos indicadores, aquilo a que Gregotti (1999, p. 12) se
financeiros. Gottdiener (1997, p. 130) destaca refere como um “[...] esforço em organizar uma
como contradição fundamental do espaço série de fenômenos voltados para uma finalidade
capitalista sua pulverização pelas relações sociais [...]”, que possa vir a expressar a diversidade em
da propriedade privada: sua verdadeira grandeza e enunciá-la como base de
projeto defensável e sustentável. É essa uma das
[...] essa divisão e reivindicação de espaço
funções da etapa de Diagnóstico de um projeto de
por uma multidão de atores e instituições
produziu, na expressão de Lefebvre, uma urbanização de assentamentos precários:
‘explosão de espaços’ [...] pela demanda de distinguir, através de meios defensáveis, os tecidos
urbanos que reúnam condições de se tornar
fragmentos intercambiáveis [...]
permanentes (consolidação) daqueles cujas
Nas favelas, com a produção do espaço na características acumuladas justificam sua
informalidade e na emergência da busca de uma substituição. Nesse caso específico, o diagnóstico é
localização urbana, o fenômeno da fragmentação é uma fase de permanente diálogo entre o
atomizante, ilustrando uma cidade “liliputiana” Consolidar e o Substituir, polos opostos de um
com semelhanças, nas proporções mínimas de seus gradiente de situações urbanas intermediárias, para

112 Lima, M. L. C. C.; Somekh, N.


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

as quais as diretrizes de intervenção variam e existentes, provocadora de intensos debates [...]”.


oscilam em função de fatores nem sempre Recorrendo somente aos autores franceses
enunciados claramente. contemporâneos, Wanderley (2001) destaca
conceitos para diferentes matizes da questão:
A tarefa do arquiteto ao realizar o diagnóstico
urbanístico de um assentamento precário é (a) a desqualificação, atribuída a Paugam (19962
identificar padrões e relações espaciais num tecido (apud WANDERLEY, 2001), aparece como o
urbano vivo – habitado e construído – sob o inverso da integração social e passa pela questão
propósito de ordenar uma futura transformação, do emprego;
equacionar uma problemática, de tal modo que as
(b) a desinserção, trabalhada por Gaujelac e
diferenças e assimetrias sejam formuladas num
Leonetti (19943 apud WANDERLEY, 2001),
REGISTRO preciso em que as disparidades sociais explora outros valores, principalmente o papel da
refletidas no espaço sejam nomeadas como
dimensão simbólica nos fenômenos de exclusão, e
problema (TELLES, 2004).
não mantém uma relação exclusiva com a pobreza;
A realização dessa tarefa enfrenta outra ordem de (c) a desafiliação, termo cunhado por Castel
dificuldades: (19984 apud WANDERLEY, 2001), tem o
Como definir os meios/métodos se há imprecisão significado de ruptura de pertencimento, ou de
no enunciado da finalidade e as ideias subjacentes perda de vínculo societal, e a reflexão se dá a partir
e valores estão envoltos em névoa? dos eixos integração/não integração do mundo do
É possível configurar um referencial de situação trabalho e do mundo das relações sociais.
urbana a atingir ao recuperar assentamentos Sposati (1996) distingue as múltiplas situações de
precários? privação que constituem a exclusão social:
Uma vez elaborado o Planhab (BRASIL, 2009), o privação de autonomia, do desenvolvimento
capítulo referente à Linha Programática para humano, da qualidade de vida, da equidade e da
igualdade.
Integração Urbana de Assentamentos Precários
seria a fonte mais apropriada para se encontrar a Onde se vincula e como se materializa a inclusão
expressão clara das finalidades e valores que territorial/integração à cidade?
deveriam condicionar a definição de metodologias Ademais, como estabelecer parâmetros para
para essa tipologia de projeto urbanístico.
padrões mínimos de habitabilidade se há uma
Repetindo, com base nesse plano, exercício
variação infinita de padrões e as referências
semelhante ao praticado no Quadro 1, obtivemos o
mudam de acordo com o contexto? Uma coberta
resultado fixado no Quadro 2, a seguir.
de palha de coqueiro pode ser plenamente
As expressões inclusão territorial e integração do habitável na costa do Nordeste e inaceitável no
assentamento à cidade ocupam lugares centrais no Sudeste, onde o frio é rigoroso no inverno. Um
texto, claramente referidas como lote de 80 m² pode ser inadmissível em cidades
objetivo/finalidade da intervenção de urbanização onde o preço da terra é baixo, e uma utopia nos
de assentamentos precários. Aparecem sem o grandes centros urbanos do Sudeste. Como
resguardo de concepções claras, como se ambas as amarrar essa questão para aferi-la nos resultados
acepções fizessem parte do domínio comum, das intervenções?
primeiro como significado (GREGOTTI, 1994),
Se as finalidades não se encontram plenamente
depois como termo final de um processo cujo valor
definidas nessa fonte, as ideias subjacentes/valores
é estimado, mais ou menos conscientemente, por não têm sequer menção. Lefevbre (1999, p. 165)
todas as classes e grupos (BOSI, 1996); por observa:
último, como parâmetro para a transformação do
espaço (LEFEVBRE,1999). O que significa [...] os autores de projeto não parecem
integrar à cidade/incluir no território? Como compreender que: (a) não existe
antecipar a materialização dessas finalidades pensamento sem utopia, sem exploração do
através do Projeto no estado de indefinição, possível; e (b) não existe pensamento sem
imprecisão e falta de rigor na concepção. referência a uma prática [...].
Mais difundido no Brasil, ao menos no meio
acadêmico, é o conceito de exclusão social. 2
PAUGMAN, S. L'Exclusion L'État de Savoir. Paris: La Découverle,
Contudo, como ressalta Wanderley (2001, p. 17), 1996.
3
mesmo no momento em que a questão social se GAUJELAC, V. DE; LEONETTI, I. T. La Lutte de Places.
Marseille: Épi "Hommes et Perspectives" et Paris, Desclée de
encontra no “epicentro da humanidade”, “[...] a Brower, 1994
concepção de exclusão continua ainda fluida como 4
CASTEL, R. As Metamorfoses da Questão Social: uma crônica
categoria analítica, difusa, apesar dos estudos do salário. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

Análise urbanística e diagnóstico de assentamentos precários: um roteiro metodológico 113


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

Ideia
Documento Meio Finalidade
subjacente/valor
Adaptação da
Garantir a inclusão
configuração existente
territorial, condições de
Planhab – Linha para viabilizar a
habitabilidade e a
Programática implantação e
Sem referência no segurança da posse;
Integração Urbana funcionamento das redes
texto estabelecer padrões
de Assentamentos de infraestrutura, melhorar
mínimos de habitabilidade
Precários as condições de acesso e
e a integração do
circulação e eliminar
assentamento à cidade
situações de risco
Quadro 2 - Projeto de Urbanização de Assentamentos Precários: valores, meios e finalidades
Fonte: segundo o Planhab (BRASIL, 2009).

Se a finalidade refere a integração à cidade, materiais, revela os segredos da organização


inserção no território (da cidade), a que social.
desejo/intenção, cultura ou utopia de cidade deve-
A pesquisa fornece elementos para confirmar que
se reportar o responsável por produzir a almejada
na análise das formas espaciais vamos encontrar o
transformação por meio do Projeto?
registro das desigualdades, tanto nos padrões
Enquanto trafegarmos na névoa da imprecisão de quanto nas relações entre elementos urbanos. Se o
valores e finalidades como transferi-los para a pressuposto é encontrar na forma as respostas, o
esfera da decisão projetual? Este status quo processo de análise adota como objeto a própria
reivindica um papel diferenciado para o forma material dos assentamentos precários e suas
diagnóstico dos projetos urbanísticos de representações – bases cartográficas
assentamentos precários: aerofotogramétricas. A evolução da tecnologia
cartográfica e o recurso de programas informáticos
(a) figurar, medir e avaliar, nas situações
de representação gráfica vieram facilitar
preexistentes, as assimetrias que distinguem os
sobremaneira o tipo de análise proposta no
assentamentos precários da cidade formal; e
método.
(b) tornar reconhecível a escala de matizes de
É viável identificar e demarcar os fatores
degradação dos padrões urbanos no interior dos
envolvidos na erosão dos padrões espaciais e alçá-
próprios assentamentos.
los a categorias de análise? O meio utilizado para
lidar com as complexidades desse problema é
Diagnóstico e análise decompô-lo em partes para que estas possam ser
urbanística: uma proposta abordadas separadamente. A análise urbanística se
constitui de uma série de estudos temáticos, cujos
metodológica temas funcionam como “medidores” do gradiente
A Análise Urbanística, na formulação da autora, é de deterioração dos padrões urbanístico-ambientais
parte integrante do Diagnóstico de um Projeto de no interior dos assentamentos precários,
Urbanização de Assentamentos Precários – contribuindo para identificar e demarcar setores de
especificamente favelas e loteamentos irregulares acordo com seu potencial para consolidação ou
– abrangendo os aspectos físico-ambientais dessa substituição. Essa organização metódica do
etapa de trabalho. Os procedimentos analíticos conteúdo urbano-ambiental denomina-se estrutura
empregados utilizam como fonte primordial, em temática. Cada um dos temas assinala um fator que
vez de dados estatísticos, as formas materiais dos caracteriza a precarização e a erosão de padrões
assentamentos precários. É análise espacial, uma urbanos em relação aos praticados na cidade
aplicação prática literal da teoria da produção formal. Cada tema/estudo é representado por uma
social do espaço, defendida, entre outros, por síntese em que a versão cartográfica (mapa) tem
Gottdiener (1997), Lefevbre (1999) e Marcuse um texto de apoio como complemento. Cada tema
(2004). Esses autores sustentam que as crescentes contribui com informações analíticas para o
desigualdades sociais encontram-se cimentadas no processo de síntese da dimensão urbanístico-
espaço urbano, que, através de suas formas ambiental. O diagrama da Figura 1, abaixo,
representa a lógica do sistema.

114 Lima, M. L. C. C.; Somekh, N.


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

Tema 1

Tema 2

Tema 3

Tema 4

Síntese
Dimensional
Figura 1 - Diagrama da Análise Urbanística

A mesma estrutura temática que orienta os estudos característica do sítio. Lamas (1993, p. 81) também
é explorada em Oficinas de Diagnóstico, sessões destaca o papel do suporte geográfico no processo
de trabalho com pequenos grupos comunitários, de composição arquitetônica ao afirmar que “o
nas quais se busca captar, de forma ordenada, o sítio contém já em muitos casos a gênese e o
conhecimento vivencial dos moradores sobre os potencial gerador das formas construídas”.
problemas urbano-ambientais que os afetam
O que dizer da função da base territorial num
diretamente, seja no cotidiano, seja em eventos processo de apropriação de espaço que é realizado
marcantes. As oficinas produzem material sem plano e sem desenho, em áreas quase sempre
informativo precioso para a condução de todos os
inadequadas à habitação? Rolnik e Nakano (2001,
estudos técnicos, os de situações de risco, inclusive
p. 30) asseveram que
(LIMA, 2006).
[...] as terras onde se desenvolvem os
O tópico a seguir apresenta os componentes da mercados de moradias para os pobres são,
estrutura temática, realçando os aspectos
normalmente, justamente aquelas que pelas
significativos que explicam sua inclusão como
características ambientais são mais frágeis,
categoria de análise. Os resultados desses estudos
perigosas e difíceis de ocupar com
são indissociáveis dos mapas que os representam
urbanização [...].
espacialmente; a leitura destes é indispensável para
a apreensão do método. Assim, para ilustrar a Nos assentamentos precários, as características
exposição, selecionamos uma aplicação da adversas do sítio são potencializadas pela
metodologia: os Mapas do Diagnóstico da Favela emergência do construir e habitar na ausência tanto
Paraisópolis, elaborados em 2004 pela Secretaria do domínio da técnica construtiva quanto do
de Habitação da Prefeitura Municipal de São acesso às tecnologias apropriadas – deficiências
Paulo. inerentes à autoconstrução. Essa relação
desvantajosa entre o suporte geográfico e a forma
Componentes da estrutura temática de apropriação contribui para inserir nos arranjos
urbanos grandes parcelas de condição
Tema 1: morfologia do sítio insustentável, seja por risco, insalubridade e/ou
deseconomias na execução das moradias e
Um dos quatro imperativos do projeto
infraestruturas. O estudo da morfologia, realizado
arquitetônico apontados por Mahfuz (1995) é a
através de análise cartográfica, tem o objetivo de

Análise urbanística e diagnóstico de assentamentos precários: um roteiro metodológico 115


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

localizar e mapear impedimentos físicos ao qualidade urbanística nos espaços intraurbanos.


exercício satisfatório de funções urbanas básicas, Ainda que admita o padrão de densidade como
como habitar e circular. Cada um dos acidentes do parâmetro urbanístico, o texto explicita as
terreno condiciona as soluções de implantação incertezas e o cepticismo do autor a respeito do
espontânea de modo mais ou menos favorável. As emprego do indicador. A questão da densidade
faixas de declividade adotadas na análise ideal quiçá não seja a mais importante no trato do
delimitam níveis de propriedade ou de espaço construído. Entender o significado dos
incompatibilidade entre uso e ocupação e o sítio valores de densidade identificados no espaço intra-
(LIMA, 2006). assentamento e as formas de utilizar o índice para
distinguir padrões espaciais é o centro das
Tema 2: categorias dos acessos preocupações da análise. O estudo temático
(Figura 3) analisa a superfície do sistema de
A rede de percursos é um dos fatores de maior espaços privados dos assentamentos e associa duas
contraste entre os padrões da cidade formal e os relações:
das favelas e loteamentos periféricos: baixa
inserção de vias veiculares, zonas isoladas, (a) a área de cada quarteirão pelo número de
emaranhada e extensa rede de pedestres são a habitantes; e
marca registrada das favelas. Nos loteamentos (b) a mesma área pelo número de domicílios
irregulares onde se observa uma tentativa de malha encontrados naquela unidade espacial.
reticulada, os padrões de circulação também se
encontram invariavelmente depreciados. Os sinais A primeira, mais abstrata, é reforçada pela
de depreciação variam: objetividade da segunda. Esta última revela a
“fração ideal” de terreno de que cada família
(a) pode ser a incompatibilidade entre a função da disporia para habitar e tem maior aplicação no
via e suas características físicas – a caixa; espaço irregular das favelas, ainda que nos
(b) também se deixam entrever no loteamentos permita verificar a redensificação pela
descumprimento da função de assegurar a subdivisão interna dos lotes originais. A densidade
permeabilidade dos percursos; é tomada como referencial de salubridade de um
conjunto de moradias no que tange aos requisitos
(c) fazem-se notar na incidência de barreiras; e de insolação, iluminação, aeração e ainda de
(d) obstruções resultantes ora das características privacidade (LIMA, 2006).
do sítio, ora da ocupação desordenada.
O objetivo do estudo temático (Figura 2) é obter Tema 4: padrão de qualidade das
uma visão dos potenciais de uso futuro da rede de habitações
percursos preexistente, identificando o estado das O estudo da qualidade das edificações por
conexões internas e externas e zonas isoladas; predominância é um dos indicadores da
levantando as possibilidades e necessidades de perspectiva de consolidação das habitações. Nos
interligação; mapeando nós e pontos críticos. Dois últimos trinta anos, no município de São Paulo,
recursos são utilizados para esse fim: apresenta-se uma feliz inversão de indicadores
(a) classificar as vias distinguindo diferentes (TASCHNER, 2004): verifica-se uma mudança do
categorias para as de pedestres e outras para as estado transitório das habitações, para o durável e
veiculares; e permanente. Entretanto, ainda hoje as casas da
favela apresentam grandes variações qualitativas
(b) medir a extensão de cada uma das categorias mesmo quando o material predominante é a
de via apreciadas no estudo. alvenaria. Um índice representativo das alvenarias
Ambos produzem uma referência importante para aparece com quase o mesmo grau de fragilidade
comparar a situação preexistente à intervenção dos materiais aproveitados. A distinção é dada pela
com a proposta contida no projeto, permitindo deficiência gritante na técnica construtiva, na
aferir a evolução qualitativa deste pelo incremento amarração dos elementos portantes e de vedação,
de vias de melhor padrão (LIMA, 2006). no traço das argamassas utilizado, em primeiro
plano; em segundo, os pés-direitos muito baixos e
Tema 3: densidades por quarteirão as cotas de soleira negativas. No geral, o resultado
é uma habitação frágil, úmida, escura e insegura,
Tecendo considerações sobre os aspectos quase tão precária quanto a de material
urbanísticos dos assentamentos degradados improvisado. Identificar as estruturas habitacionais
urbanos, Taschner (2004) aborda o indicador precárias sob os aspectos mencionados (Figura 4) é
densidade como parâmetro urbanístico, trazendo à o objetivo do estudo realizado através de análises
discussão a relação entre densidade demográfica e cartográficas e vistorias técnicas (LIMA, 2006).

116 Lima, M. L. C. C.; Somekh, N.


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

Figura 2 – Mapa temático categorias dos acessos


Fonte: Diagnóstico Integrado da Favela Paraisópolis, SEHAB-PMSP (2004).

Análise urbanística e diagnóstico de assentamentos precários: um roteiro metodológico 117


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

Figura 3 – Mapa temático densidades por quarteirão


Fonte: Diagnóstico Integrado da Favela Paraisópolis, SEHAB-PMSP (2004).

Figura 4 – Mapa temático qualidade das habitações


Fonte: Diagnóstico Integrado da Favela Paraisópolis, SEHAB-PMSP (2004).

118 Lima, M. L. C. C.; Somekh, N.


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

Tema 5: uso dos espaços (e) ramais sob áreas edificadas sem manutenção.
Este estudo abre o campo para a observação dos Tanto as redes oficiais como as informais
elementos urbanos dinâmicos ao focalizar a conduzem os esgotos para os mesmos córregos,
apropriação da estrutura espacial pela coletividade onde são despejados. Outro problema é a
(Figura 5). O mapeamento dos usos tem a drenagem. É enorme a extensão de córregos e
finalidade de fornecer elementos para a futura linhas de drenagem obturadas por construções
estruturação do espaço, seja para consolidá-los ou irregulares em suas margens e várzeas, causando
impedi-los, restringi-los ou normalizá-los, transtornos, perdas e risco permanentes para a
conforme se apresentem como problema ou população ribeirinha. Contrariando as estatísticas,
potencialidade. Registram-se as diferentes os ramais clandestinos de abastecimento d’água
concentrações de usos das edificações; a continuam a multiplicar-se nas favelas, em contato
localização dos principais equipamentos urbanos e com o esgoto e a sujeira. A estrutura espacial
os afluxos por estes gerados; área de influência, desses assentamentos concorre para dificultar o
grau de estruturação e conservação, grau de suprimento adequado dos serviços
vitalidade ou deterioração dos espaços públicos. independentemente da urbanização. Os estudos de
Os obstáculos e as interferências na dinâmica de saneamento são realizados justamente para
deslocamentos são apurados. Tratamento similar identificar e mapear as situações que não se
recebem as linhas/campos de atrito entre diferentes explicitam nas pesquisas socioeconômicas, mas
usos que ocasionam conflito, transtorno e até são importantes para o projeto (LIMA, 2006).
mesmo risco para a população. Os pontos de
convergência, as centralidades, quando existem, Tema 7: situações de risco
além de localizados, têm examinadas as atividades
As condições morfológicas dos sítios onde habita a
das quais são o suporte. Os vazios na estrutura e os
pobreza, a forma de ocupação, a fragilidade das
potenciais que representam também são objeto de
técnicas construtivas e o adensamento estão na
análise. Este veio analítico contribui decisivamente
origem das situações de risco encontradas nas
para a formulação do programa de necessidades de
favelas e loteamentos irregulares. A convivência
uma intervenção urbanística. As técnicas utilizadas
com situações de risco faz parte do cotidiano de
são observações em campo, complementadas por
seus moradores. A variação da natureza do risco e
depoimentos em oficinas de diagnóstico (LIMA,
a repetição sistemática de algumas situações
2006).
justificam a abordagem tipológica do tema
realizada por Taschner (2000) para a cidade de São
Tema 6: estudos de saneamento
Paulo:
As análises de Taschner (2004) sobre as favelas do (a) enchentes e solapamento das margens para os
município de São Paulo indicam a principal domicílios apinhados às margens dos córregos;
deficiência quanto aos serviços urbanos:
destinação de dejetos sólidos ou efluentes de águas (b) enchentes e alagamento para os domicílios em
servidas e esgotos. Decerto, não há como fundos de vale e várzeas dos rios e córregos – em
questionar os atuais 38,50% de domicílios em cerca de 49% das favelas;
favelas com destinação de dejetos ao ar livre ou (c) erosão e escorregamento nas encostas
córrego. É preciso desmascarar, mediante pesquisa íngremes, com desabamento e soterramento de
qualitativa, o tipo de serviço a que têm acesso os moradias – em cerca de 50% das favelas;
51,98% dos domicílios restantes. À exceção de
algumas ruas principais onde a concessionária do (d) atropelamento e colisão nos assentamentos
serviço tem condições de operar, grande parte das marginais às vias expressas e ferrovias – em torno
redes de esgotos implantadas nas favelas é de 16%; e
iniciativa dos próprios moradores, e o problema (e) o risco de incêndio, que vem ocupando um
consiste na variedade e quantidade de problemas lugar de destaque nos últimos anos.
técnicos que estas apresentam:
Os estudos para identificação e classificação dos
(a) refluxo; riscos geotécnicos são realizados por profissionais
(b) obstruções; especializados (Figura 6). As Oficinas de
Diagnóstico (Figura 7) contribuem de forma
(c) declividades inadequadas na tubulação; preciosa para a identificação e a localização dos
(d) inexistência de conexões; e tipos de risco em cada assentamento precário
(LIMA, 2006).

Análise urbanística e diagnóstico de assentamentos precários: um roteiro metodológico 119


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

Figura 5 – Mapa temático usos dos espaços


Fonte: Diagnóstico Integrado da Favela Paraisópolis, SEHAB-PMSP (2004).

Figura 6 – Mapa temático de risco geotécnico


Fonte: Diagnóstico Integrado da Favela Paraisópolis, SEHAB-PMSP (2004).

120 Lima, M. L. C. C.; Somekh, N.


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

Figura 7 – Mapa temático oficinas de diagnóstico


Fonte: Diagnóstico Integrado da Favela Paraisópolis, SEHAB-PMSP (2004).

Processo de síntese proposição nova, num patamar de conhecimento


que transcenda e reorganize o anterior?
Observamos, na seção anterior, como foi Concluímos que a transição da análise para a
decomposta a totalidade espacial para efeito de síntese reclamava uma linguagem e que para
análise. Vamos percorrer agora o caminho oposto, articulá-la recorremos à utilização da noção de
que parte das sínteses temáticas em direção à Problema já empregada por Matus (1996) no
síntese dimensional urbanístico-ambiental. método de Planejamento Estratégico Situacional
(PES). Matus (1996, p. 35) defende que problema
Sínteses por categoria “[...] é um conceito muito prático, reclamado pela
própria realidade, que faz o planejamento aterrizar
Compilando o verbete síntese em Ferreira (1999), [...]” e o define como
o emprego do termo, neste caso, assume o sentido
de composição, fusão, determinação de [...] fenômeno que afeta os atores sociais
proposições compostas com base em proposições negativamente e sua potência como
mais simples, uma proposição nova que retém o mecanismo torna-se plena quando é
que elas têm de legítimo e as combina mediante a descrito apropriadamente, momento em que
introdução de um ponto de vista superior. A deixa de significar apenas um ‘mal-estar
síntese e a análise podem ser referidas uma à outra, impreciso [...].
quer em sua oposição como operações contrárias, À necessidade de descrever apropriadamente um
quer em sua conexão como operações inversas e problema identificado acrescentamos, ainda, a de
complementares, constituindo em conjunto o expressar sua magnitude e sua localização
raciocínio demonstrativo: “[...] supõe-se que o que espacial, esta última representada da forma como
é próprio da síntese é compor as nossas ideias e o observamos nos Mapas Temáticos da Favela
que é próprio da análise é decompô-las [...]” Paraisópolis. Porém, verificamos que nem a
(LALANDE, 1999, p. 1030). localização espacial nem a expressão da magnitude
A questão que se coloca é: como fazer a transição seriam suficientes para obter uma hierarquia entre
da análise para a síntese? Que ponto de vista os fenômenos, sendo ainda necessário reconhecê-
superior seria capaz de combinar e fundir atributos los pela natureza do impacto que provocam sobre o
espaciais reconhecidos pela análise numa ambiente e sua população. Neste ponto adotamos o

Análise urbanística e diagnóstico de assentamentos precários: um roteiro metodológico 121


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

artifício metodológico de eleger categorias que graficamente, por contraposição e releitura, os


permitissem, simultaneamente, explicar a natureza problemas expressos nas sínteses temáticas, dando
e o tipo de impacto dos problemas, para organizá- origem a três mapas-síntese, um para cada
los em representação espacial hierarquizada. Da categoria:
atenta e prolongada observação dos assentamentos
(a) Mapa-Síntese de Risco e Insalubridade
emergiram três categorias passíveis de classificar
(Figura 8);
as situações-problema. Essas categorias e suas
definições têm registro no Quadro 3, a seguir. (b) Mapa-Síntese de Degradação e Isolamento
(Figura 9); e
O recurso das categorias é decisivo para a síntese
espacial, já que cada uma das três funciona como (c) Mapa-Síntese de Transtorno e Conflito
um filtro através do qual se absorvem (Figura 10).

Categoria Definições
Risco
Ameaça permanente ou circunstancial à integridade física de pessoas e bens
Risco e materiais ou a recursos do meio ambiente.
Insalubridade Insalubridade
O que origina, propaga ou cronifica enfermidades ou agravo à saúde dos
indivíduos e da coletividade.
Degradação
Privação de graus, deterioração e desgaste em relação a grupos, indivíduos,
Degradação e recursos urbanos, ambientais e fiscais.
Isolamento Isolamento
Separação, segregação, confinamento, falta de integração de locais,
indivíduos e/ou grupos.
Transtorno e Conflito
Transtorno e
O que altera ou perturba a ordem das funções ou manifesta oposição ou luta
Conflito
entre diferentes forças.

Quadro 3 - Categorias de problemas pela natureza do impacto

Figura 8 – Mapa-síntese de risco e insalubridade


Fonte: Diagnóstico Integrado da Favela Paraisópolis, SEHAB-PMSP (2004).

122 Lima, M. L. C. C.; Somekh, N.


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

Figura 9 – Mapa-síntese de degradação e isolamento


Fonte: Diagnóstico Integrado da Favela Paraisópolis, SEHAB-PMSP (2004).

Figura 10 – Mapa-síntese de transtorno e conflito


Fonte: Diagnóstico Integrado da Favela Paraisópolis, SEHAB-PMSP (2004).

Análise urbanística e diagnóstico de assentamentos precários: um roteiro metodológico 123


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

O mapeamento dos Problemas por Categoria no desenvolvimento da vida familiar e coletiva, e a


território é uma forma de hierarquizá-los e de introdução de serviços essenciais. A segunda
aferir sua magnitude espacial. O concurso de dados necessidade, complementar à primeira, acerca-se
complementares permite calcular o conjunto de ainda mais do projeto: consiste em atribuir padrões
famílias ou grupos submetidos aos respectivos ou tipologias de intervenção para os distintos
fenômenos. Finaliza o processo de síntese a recortes territoriais. Refere-se a futuros usos e à
identificação das potencialidades, importantes renovação dos padrões de ocupação. Recortes
recursos a serem manipulados nas intervenções de territoriais selados para a substituição total do
urbanização. As potencialidades podem ser tecido podem receber diferentes indicações de
definidas como forças ou poderes locais tipologias de intervenção com usos e padrões
subjacentes à configuração espacial dos contrastantes, em função de potenciais advindos da
assentamentos ou na forma como esta última é localização na estrutura do assentamento, como se
apropriada pelos usuários. Em princípio, as observa no Mapa de Diretrizes (Figura 11) (LIMA,
potencialidades guardam capacidades de produzir 2006).
ou acomodar mudanças, se reforçadas, estruturadas
ou organizadas (LIMA, 2006). Conclusão
Padrões urbanísticos, diretrizes de O espaço dedicado à urbanização de assentamentos
intervenção precários no Planhab e os recursos destinados a
esse fim pelo Governo Federal através do PAC 5
A observação dos Mapas-Síntese da favela demonstram o relevo dessa questão. Na prática,
Paraisópolis demonstra que esse assentamento é isso significa um volume de intervenções e, por
constituído internamente de tecidos urbanos conseguinte, de projetos de urbanização nunca
distintos. A diversificação de matizes de vistos no país. Esse avanço institucional
degradação está apurada e projetada no território acompanha um contexto de crescimento mais
além de devidamente mensurada quantitativa e rápido da população dos assentamentos precários
qualitativamente. Já está fixado um marco de em relação à do município em grande parte das
referência a partir do qual é possível avaliar o cidades brasileiras nos últimos anos 6 .
quanto se aproximam ou se distanciam esses Paralelamente à expansão desse fenômeno,
padrões de parâmetros técnica e humanisticamente observa-se uma explosão espetacular no número de
aceitáveis. É possível compará-los com outros estudos eruditos e publicações sobre o tema
tecidos urbanos, seja do entorno, da cidade ou de (VALLADARES, 2005). Contudo, essa
outros assentamentos precários. No entanto, as abundância contrasta a caquexia quando se trata da
possibilidades criadas pelas Sínteses por Categoria formulação de instrumentais metodológicos a
não estão inteiramente exploradas. A finalidade serviço da transformação física dessa realidade.
última de um processo de diagnóstico é realizar a Maricato, Arantes e Vainer (2000) já observaram
transição entre uma situação no presente e suas que
perspectivas de transformação, que serão [...] grande parte das análises [...] do
exploradas cabalmente no projeto urbanístico. O urbanismo brasileiro se restringem à
elo de contato são as diretrizes de intervenção. pesquisa das ideias, como se objeto se
Nesse contexto o papel das diretrizes é distinguir restringisse a elas e não incluísse a
os diversos níveis de intervenção necessários no evolução do espaço e da praxis social [...].
interior dos assentamentos a partir das sínteses,
demarcando as linhas de alternância de padrões E, de fato, no campo metodológico específico, o
espaciais pela acumulação de problemas ou volume de contribuições é restrito, e diminuto o
potencialidades; um novo exercício de número de publicações, embora se verifique
decomposição, que dá margem a optar por distintas patente qualidade nos estudos realizados. Neste
posições entre os extremos da escala a que nos pequeno leque merecem destaque os trabalhos de
referimos nas seções anteriores. Recortes críticos, BUENO (2000), MARTINS (2006),
que se aproximam da substituição do tecido, TRAVASSOS (2010), SAMORA (2009) e, ainda,
apresentam, em maior ou menor grau, a estudos específicos realizados pelo Laboratório de
superposição de aspectos comprometedores da Habitação e Assentamentos Humanos e Instituto
vida e desenvolvimento de funções urbanas vitais, de Pesquisas Tecnológicas, ambos vinculados à
envolvendo características desfavoráveis do Universidade de São Paulo. As pesquisas
terreno. Os recortes de potencial positivo
5
avizinham-se do limite inferior da escala, expondo Entre 2003 e 2009 foram investidos R$ 68,5 bilhões em
habitação, dos quais R$ 11,6 bilhões em urbanização de favelas
arranjos e padrões urbanísticos mais propícios, (MARICATO, 2011).
guardando condições básicas para o 6
Ver dados do Censo 2000 e 2010 do IBGE (IBGE, 20111).

124 Lima, M. L. C. C.; Somekh, N.


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

mencionadas trazem significativo aporte à tarefa (DENALDI, 2003). Por outro lado, esse laissez-
de elaborar projetos de urbanização para faire dificulta sobremaneira a tarefa das equipes
assentamentos precários: comparam conceitos e públicas responsáveis pela gestão de projetos no
partidos urbanísticos; realizam análises momento de avaliar as alternativas de solução
comparativas de soluções e custos de urbanização; propostas por seus contratados.
apresentam parâmetros técnicos específicos e
O corpo teórico-metodológico apresentado neste
procedimentos e recomendações para diferentes artigo foi elaborado com a finalidade de preencher
fases projetuais. O IPT sistematiza metodologias essa lacuna de método, colocando à disposição da
de identificação e classificação de situações de
comunidade técnico-científica um instrumental
risco, iluminando uma face específica do
sistematizado e codificado de análise para o
diagnóstico.
diagnóstico urbanístico-ambiental de
A despeito do valor das contribuições assentamentos precários, uma ferramenta capaz
mencionadas, as referidas pesquisas não se não só de figurar, medir e avaliar as assimetrias
inscrevem na definição sistemática e integrada de que distinguem os assentamentos precários da
procedimentos para a etapa de diagnóstico cidade formal, como também de tornar
urbanístico-ambiental. Nesta fase do projeto ainda reconhecíveis os matizes de padrões no interior
predomina o laissez-faire metodológico e as dos próprios assentamentos, dados essenciais para
desvantagens dele decorrentes. Cada equipe de o Projeto. Sua aplicação também nos traz a
projetos aplica procedimentos próprios, que nem possibilidade de identificar e mensurar, nas etapas
sempre atendem ao papel fundamental do de monitoramento, o grau de transformação
diagnóstico, destacado nas demais seções deste advindo das intervenções públicas e, também, de
artigo. comparar, de forma qualitativa e quantitativa,
A ausência de base científica para esse tipo diferentes projetos para contextos diversos. Esta
última aplicação poderá, no futuro, fundamentar
particular de diagnóstico urbanístico-ambiental
estudos para a normalização de padrões
deixa aberto o campo para soluções de aceno
urbanísticos mínimos a atender nos projetos de
cenográfico – muito convenientes para o marketing
urbanização de assentamentos precários, como
político – em que são consolidados padrões de
assentamento indesejáveis, perpetuando, assim, o acontece para a cidade dita formal.
que Maricato, Arantes e Vainer (2000) classificam Contudo, esta metodologia ainda é uma abordagem
como radical flexibilidade da cidade ilegal. unilateral. Outro desafio precisa ser enfrentado:
Observadores da academia mencionam problemas um Diagnóstico Integrado cuja abordagem envolva
funcionais em favelas urbanizadas que afetam a também a face social e fundiária da questão.
qualidade de vida da população residente

Figura 11 – Mapa de diretrizes


Fonte: Diagnóstico Integrado da Favela Paraisópolis, SEHAB-PMSP (2004).

Análise urbanística e diagnóstico de assentamentos precários: um roteiro metodológico 125


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

Referências LIMA, M. L. C. C. Uma Questão de Método:


análise urbanística e diagnóstico integrado de
BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São assentamentos precários. São Paulo, 2006.
Paulo: Companhia das Letras, 1996. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e
BRASIL. Ministério das Cidades. Plano Nacional Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e
de Habitação. 2009. p. 147-148. Disponível em: Urbanismo da Universidade Presbiteriana
<http://www.cidades.gov.br/images/stories/Arquiv Mackenzie, São Paulo, 2006.
osSNH/ArquivosPDF/Publicacoes/Publiicacao_Pla MAHFUZ, E. da C. Ensaio Sobre a Razão
nHab_Capa.pdf >. Acesso em: 21 jan. 2013. Compositiva. Belo Horizonte: AP Cultural, 1995.
BUENO, L. M. M. Projeto e Favela: metodologia MARCUSE, P. Enclaves, Sim; Guetos, Não: a
para projetos de urbanização. São Paulo, 2000. segregação e o estado. Espaco & Debates, São
Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - Paulo, v. 24, n. 45, p. 24-33, jul. 2004.
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo,
MARICATO, E. O Impasse da Política Urbana
Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.
no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2011.
DAVIS, M. Planeta Favela. São Paulo: Boitempo,
MARICATO, E. Metrópole na Periferia do
2006.
Capitalismo: ilegalidade, desigualdade e
DENALDI, R. Política de Urbanização de violência. São Paulo: Hucitec, 1996.
Favelas: evolução e impasses. São Paulo, 2003.
MARICATO, E. Brasil, Cidades Alternativas
Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) –
Para a Crise. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo,
Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003. MARICATO, E. Estratégias Políticas. São Paulo:
Fundap, 1996.
FERREIRA, A. B. de H. Novo Aurélio Século
XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3. ed. MARICATO, E. (Org.). A Produção da Casa e
totalmente revista e ampliada. Rio de Janeiro: da Cidade no Brasil Industrial. São Paulo: Alfa-
Nova Fronteira, 1999. Omega, 1980.
FERREIRA, J. S. W. O Mito da Cidade Global: MARICATO, E.; ARANTES, O.; VAINER, C. A
o papel da ideologia na produção do espaço Cidade do Pensamento Único: desmanchando
urbano. Petrópolis; São Paulo: Vozes; Unesp; consensos. Petrópolis: Vozes, 2000.
Anpur, 2007. MARTINS, M. L. R. Moradia e Mananciais:
GOTTDIENER, M. A Produção Social do tensão e diálogo na metrópole. São Paulo:
Espaço. 2. ed. São Paulo: Edusp, 1997. FAUUSP/FAPESP, 2006.
GREGOTTI, Vittorio. Território da Arquitetura. MATUS, C. Adeus, Senhor Presidente:
São Paulo: Perspectiva, 1994. governantes governados. São Paulo: Fundap, 1996.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E MELLO, K.; LIMA, L.; DOURADO, V.
ESTATÍSTICA. Censo 2010: aglomerados Abordagem e Método nos Processos de
subnormais, primeiros resultados. 2011. Urbanização de Áreas Degradadas. In:
Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso SEMINÁRIO INTERNACIONAL OS DESAFIOS
em: 20 mar. 2013. DA CIDADE INFORMAL, Belo Horizonte, 1995.
Anais... Belo Horizonte: UN-HABITAT, 1995. p.
LALANDE, A. Vocabulário Técnico e Crítico
152-163.
da Filosofia. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes,
1999. PERLMAN, J. O Mito da Marginalidade: favelas
e política no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Paz e
LAMAS, J. M. R. G. Morfologia Urbana e
Terra, 1977.
Desenho da Cidade. Lisboa: Fundação Calouste
Gulbenkian, 1993. PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO.
Secretaria de Habitação. Diagnóstico Integrado
LEEDS, A.; LEEDS, E. A Sociologia do Brasil
da Favela Paraisópolis. São Paulo: PMSP, 2004.
Urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
Relatório.
LEFEBVRE, H. A Revolução Urbana. Belo
Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

126 Lima, M. L. C. C.; Somekh, N.


Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 109-127, jan./mar. 2013.

ROLNIK, R. A Cidade e a Lei: legislação, TELLES, V. da S. Igualdade: mas qual a medida?


política urbana e territórios na cidade de São In: VERAS, M. P. B. (Orgs.). Hexápolis:
Paulo. São Paulo: Studio Nobel; Fapesp, 1997. desigualdades e rupturas sociais em metrópoles
contemporâneas. São Paulo: Ed. Educ, 2004.
ROLNIK, R.; NAKANO, K. Velhas Questões,
Novos Desafios. Cadernos Le Monde TRAVASSOS, L. R. F. C. Revelando os Rios:
Diplomatique, n. 2, jan. 2001. novos paradigmas para intervenção em fundos de
vale urbanos na cidade de São Paulo. São Paulo,
SAMORA, P. R. Projeto de Habitação em
2010. São Paulo, 2010. Tese (Ciência Ambiental)
Favelas: especificidades e parâmetros de
– Programa de Pós-Graduação em Ciência
qualidade. São Paulo, 2009. Tese (Doutorado em
Ambiental, Universidade de São Paulo, São Paulo,
Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de
Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São 2010.
Paulo, São Paulo, 2009. TURNER, J. Uncontrolled Urban Settlement:
problems and policies. In: BREESE, G. (Ed.). The
SANTOS, M. A Urbanização Brasileira. São
Paulo: Hucitec, 1993. City in Newly Developing Countries: readings on
urbanism and urbanizacion. New Jersey:
SPOSATI, A. Mapa da Exclusão/Inclusão da Englewood Cliffs, 1969.
Cidade de São Paulo. São Paulo: Ed. da PUC,
VALLADARES, L. do P. Passa-se Uma Casa:
1996.
análise do programa de remoções de favelas do
TASCHNER, S. P. Favelas e Cortiços no Brasil: Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
20 anos de pesquisas e políticas. Cadernos de
VALLADARES, L. do P. A Invenção da Favela:
Pesquisa do LAP, São Paulo, v. 18, abr. 1997.
do mito de origem a favela.com. Rio de Janeiro:
TASCHNER, S. P. Desenhando os Espaços da FGV, 2005.
Pobreza. Cadernos de Pesquisa do LAP, São
VILLAÇA, F. Espaço Intra-Urbano no Brasil.
Paulo, p. 17, jan./jun. 2004.
São Paulo: Studio Nobel; Fapesp; Lincoln
TASCHNER, S. P. Degradação Ambiental em Institute, 2001.
Favelas de São Paulo. In: TORRES, H.; COSTA,
WANDERLEY, M. B. Refletindo Sobre a Noção
H. (Orgs.) População e Meio Ambiente: debates e
de Exclusão. In: SAWAIA, B. (Org.). As
desafios. São Paulo: Senac, 2000.
Artimanhas da Exclusão: análise psicossocial e
ética da desigualdade social. 2. ed. Petrópolis:
Vozes, 2001.

Revista Ambiente Construído


Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído
Av. Osvaldo Aranha, 99 - 3º andar, Centro
Porto Alegre – RS - Brasil
CEP 90035-190
Telefone: +55 (51) 3308-4084
Fax: +55 (51) 3308-4054
www.seer.ufrgs.br/ambienteconstruido
E-mail: ambienteconstruido@ufrgs.br

Análise urbanística e diagnóstico de assentamentos precários: um roteiro metodológico 127