Você está na página 1de 19

POR QUE
ESCOLHER Instituição de ensino superior
O IPOG? presente em todos os estados
do Brasil e Distrito Federal.

Professores altamente
qualificados e com comprovada
experiência de mercado.

97,14% de satisfação nas


avaliações dos alunos.

Cursos reconhecidos
pelo MEC.

Chancela própria.

MÉTODO IPOG

O Método IPOG é
um conjunto de
procedimentos e
referências
pedagógicas que
têm como objetivo
aprimorar
continuamente a
experiência de
aprendizagem dos
alunos e está
estruturado em
três dimensões.
APRESENTAÇÃO
DO CURSO

Até bem pouco tempo a Manutenção era definida como “O Departamento


responsável pela lubrificação e conserto das máquinas, bem como pela
conservação dos equipamentos e edifícios” (Machline,1987). Esta visão
operacional, comum nos livros de Administração da Produção, considerava a
Manutenção apenas como um agregado do setor produtivo. Até o começo dos anos
1980 esta era a visão da Manutenção em nível mundial, e, em particular, no Brasil
perdurou até a década de 1990. Nos últimos anos, no EUA, Europa e Japão a
Função Manutenção passou a ter um destaque de fundamental importância,
tornando-se uma atividade de caráter estratégico. Este fato vem se repetindo no
mundo, em especial no Brasil. Comprovadamente verificou-se que os custos anuais
de Manutenção, na maioria das empresas e instituições, estimadas por um período
plurianual de 5 anos, superavam os investimentos médios anuais destas empresas
e instituições no período. Apesar disso a atenção dedicada à Manutenção pelos
ocupantes de cargos gerenciais, bem como técnicos, de níveis superiores das
empresas, era incrivelmente desproporcional. Isto acontecia porque a Manutenção
era considerada como uma atividade operacional somente, e cujo enfoque da
atividade se baseava no aspecto curativo (de curto prazo) e os métodos
empregados se direcionavam às atividades corretivas, também chamada de
Manutenção catastrófica ou tradicional. Alinha-se a isto o fato de que os cursos de
Graduação, sejam de Administração, de Produção ou de Engenharias, salvo
raríssima exceções, não contemplam disciplinas nesta área.

Diante dessas considerações e desejando também contribuir para solução desse


problema, o IPOG apresenta o MBA Gestão da Manutenção que tem o intuito de
preparar o especialista para trabalhar a Manutenção de forma global, pensando
não só em curto prazo, mas também na diminuição de custos, aumento de
produtividade e consequentemente desenvolvimento das organizações.

Ademais, o MBA contribuirá de forma significativa em áreas de conhecimento


como:

• Pesquisa Operacional
• Engenharia de Manutenção
• Organizações e Métodos
• Reengenharia de Processo (organizacional)
• Probabilidade e Estatística
• Direito Trabalhista
• Engenharia de Sistemas
• Engenharia de Equipamentos
• Engenharia e Análise de Valor
• Gestão do Ser Humano, etc.

Este curso encontra-se em sintonia com o programa da Associação Brasileira de


Manutenção - ABRAMAN, bem como julgamos ser de elevado nível estratégico
para o desenvolvimento econômico do nosso país.
OBJETIVO

OBJETIVO GERAL
O Curso MBA Gestão da Manutenção tem a finalidade de contribuir para a
capacitação, conscientização e valorização de profissionais de nível superior de
quaisquer áreas e qualquer formação, proporcionando conhecimentos
fundamentais e específicos na gestão de processos, de pessoas e de resultados,
contribuindo para a melhoria da qualidade e da produtividade da empresa e do
crescimento das pessoas como um fator competitivo diferenciado.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
As seguintes atividades deverão ser desenvolvidas durante a execução do curso:

• Aulas práticas e teóricas.

• Estudos e desenvolvimento de trabalhos individuais e em grupos.

• Visitas a empresas locais com práticas diferenciadas.

• Estudo de desenvolvimento de software: Sistemas de Informação para


Gerenciamento da Manutenção.

• Formação do Clube de Ex-alunos MBA GEMAN - IPOG.

• Intercâmbio com o Grupo de Manutenção Industrial da Faculdade de Engenharia


da Universidade do Porto - Portugal (FEUP).

• Viagem de Intercâmbio para realização de curso na Faculdade de Engenharia da


Universidade do Porto - Portugal (FEUP).

• Outras atividades.

DIFERENCIAIS
DO CURSO

• Sistemas de Administração da Produção - SAP com inclusão de Sistema Toyota


de Produção - Lean Manufactory.

• Disciplina Exclusiva de Técnicas Preditivas.

• Administração de talentos humanos voltada para o perfil de Gestores e executores


de Manutenção.

• Manutenção Predial.
• Manutenção Baseada na Confiabilidade - MBC/RCM, incluindo a base de FTA e
FMEA: árvore de falhas e análise de modos e efeitos de falhas.

• Relações Trabalhistas. ∞ Engenharia e Análise de Custos.

• Sistema de Informação para o Gerenciamento da Manutenção.

• Normas Regulamentadoras: NRs na Manutenção.

• Gestão de Contratos: terceirização na Manutenção.

• Eficiência Energética e Manutenção.

• PAS 55 - Sistema de Gestão de Ativos: requisitos e diretrizes.

• Manutenção Produtiva Total - MPT/TPM com Instrutor Internacional certificado


pela JIPM do Japão.

• Gestão de Auditoria e Avaliação de Desempenho da Manutenção: indicadores.

• Gestão de carreira e marketing pessoal.

• Visitas técnicas fáceis de realizar.

• Curso de extensão e visitas a empresas em Portugal.

• Parceria com a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto - Portugal


(FEUP): curso gratuito com despesas de viagem pagas pelos alunos.

• Para quaisquer pessoas com curso de nível superior.

PARA QUEM É
ESTE CURSO?

Profissionais de qualquer empresa, pública ou privada, dentre as quais explicitamos


algumas: Indústrias em Geral, Empresas de Geração, Transmissão e Distribuição
de Energia Elétrica, Prefeituras (manutenção e limpeza urbana), Manutenção de
Elevadores, Shopping Centers, Hospitais, Prédios, Condomínios, Grandes
Condomínios, Parques, Empresas de Construção Civil, Empresas Petrolíferas,
Distribuidoras de Gás, Micro e pequenas Empresas, Empresas de Informática,
Infraero, Supermercados de Alimentação e de Produtos de Construção,
Restaurantes, Clubes, Empresas Comerciais em geral, Oficinas de
Concessionárias de Automóveis, Industrias Químicas, Transporte Urbano e
Interurbano, Transporte Aéreo, Forças Armadas, Empresas de Telefonia Móvel e
Fixa, Empresa de Comunicação televisiva, rádios, Indústria de alimentação,
Construtoras, Transportes Urbanos (ônibus, metrô, etc.), Empresa de Distribuição
de Água e Esgotos, Secretarias de Educação, Manutenção de Escolas, etc.
FORMAÇÃO
CURRICULAR

1) Probabilidade e Estatística aplicadas à Manutenção


2) Sistema Toyota de Produção - STP: Lean Manufactory
3) Planejamento, Programação e Controle da Manutenção - PPCM
4) Técnicas Preditivas
5) Desenvolvimento Integral do Potencial Humano
6) Administração de Talentos Humanos
7) Manutenção Predial
8) Engenharia da Confiabilidade
9) Manutenção Baseada na Confiabilidade - MBC/RCM
10) Relações Trabalhistas
11) Engenharia e Análise de Custos
12) Sistema de Informação para o Gerenciamento da Manutenção
13) Normas Regulamentadoras: NRs na Manutenção
14) Gestão de Contratos - Terceirização na Manutenção
15) PAS 55 - Sistema de Gestão de Ativos: requisitos e diretrizes
16) Manutenção Produtiva Total - MPT/TPM
17) Gestão de Auditoria e Avaliação de Desempenho da Manutenção: indicadores
18) Estratégia Competitiva para Manutenção

OPCIONAL: curso de extensão e visitas a empresas em Portugal - parceria com a Faculdade de Engenharia da Universidade
do Porto - Portugal (FEUP). Curso gratuito com despesas de viagem pagas pelos alunos.

MATRIZ CURRICULAR
E EMENTAS

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADAS À MANUTENÇÃO


Conceitos e Atividades Básicas de Gerência de Manutenção: Disponibilidade
(Confiabilidade + Maneabilidade), Qualidade de Serviço, Desempenho, Custos,
Produtividade, Eficiência, Manutenção (clássica X contemporânea).
Histórico/Evolução: Manutenção corretiva, programada (preventiva e preditiva) e
Manutenção autônoma. Probabilidade e Estatística Aplicadas: histórico, conceitos,
axiomas, população e amostra, variável aleatória contínua e discreta, principais
estatísticas, função de densidade de probabilidade, função de distribuição
acumulada, funções discretas: Uniforme, Binomial e Poisson. Funções contínuas:
Uniforme, Exponencial, Normal e Weibull. Aplicações: Aplicações na Gerência de
Produção e Manutenção.

SISTEMAS TOYOTA DE PRODUÇÃO - STP: LEAN MANUFACTORING


Conceito - histórico, Sistemas de produção - Administração Cientifica da Produção
- Sistemas de Administração da produção atuais - Convencionais Planejamento e
Controle da Produção, Planejamento de capacidade, Previsão de demanda - visão
geral - métodos causais e séries temporais, Planejamento agregado, Métodos de
planejamento agregado, Plano Mestre de Produção, programação e controle da
produção, Administração de projetos; PERT/CPM, Administração de estoques, Lote
econômico de compra e de produção, sistemas de estoque independente, Just-in-
Time (JIT) ou Toyotismo - Manufacturing Resource Planning - MRPII, localização
industrial, arranjo físico de instalações, Tempos e movimentos, introdução ao
controle de qualidade - Teoria das Restrições - TOC.

PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO – PPCM


PPCM: o que é? A Evolução da Manutenção; Inventário e Cadastro de
Equipamentos; Codificação; Coleta de Dados; Programa Mestre de Manutenção
Programada; O Registro e a guarda da Informação; As Ordens de Serviço (OS); As
Instruções de Manutenção; Relatórios Gerenciais de Manutenção (Gerência de:
Cadastro de Equipamentos, de Sistemas e de Mão-De-Obra, de Custos, de
Desempenho e de Controle Operacional; A Organização da Manutenção.
Aplicações Práticas. Administração de Materiais dentro da Manutenção,
Classificação dos Estoques, Custos Associados a Estoques Insuficientes, Custos
Associados a Estoques Elevados, Lote Econômico de Compra, Tempo de
Resuprimento, Estoque de Segurança, Ponto de Pedido e Indicadores da Gestão
de Estoques.

TÉCNICAS PREDITIVAS
Histórico, conceito de Manutenção Preditiva; Análise de Vibração; Análise de
Corrente; Análise de Fluxo Magnético; Análise de Tensão / Corrente Parasita no
Eixo do Motor; ODS - Operation Deflection Shape; Análise Termométrica; Análise
Termográfica Infravermelha; Ensaios Não Destrutivos; utilização dos 5 sentidos.

DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DO POTRENCIAL HUMANO


Fatores que conduzem ao Florescimento ou Desenvolvimento Integral do Potencial
Humano; Desafios do desenvolvimento humano ao longo das 8 etapas do ciclo da
vida; Sobre as diferenças entre o caminho do murchamento e o caminho do
florescimento dos potenciais humanos; A diferença entre caráter e personalidade;
As virtudes e as forças de caráter; - Introdução à Visão Integral; As Linhas de
Desenvolvimento ou Inteligências Múltiplas; Os Níveis de Desenvolvimento
humano; A Dinâmica da Espiral - os 8 níveis de desenvolvimento de valores ou
memes; Análise e devolutivas de assessments; Estados de Consciência; matriz
integral do desenvolvimento integral humano; A dialética do desenvolvimento:
diferenciação e integração.; A matriz da Plenitude; Nossa capacidade de
transformação pessoal (CTP); Os fundamentos da Psicologia Positiva; O conceito
de Florescimento e o PERMA - modelo para definição das práticas de
Florescimento; Fases da vida em florescimento; a era da sabedoria.

ADMINISTRAÇÃO DE TALENTOS HUMANOS


A Ciência do Comportamento e a Administração da Manutenção: Evolução dos
Sistemas de Qualidade, Abrangência Técnica: Taylor, Shewhart, Feigenbaum,
Watson, Ishikawa, Deming e Humana: Macgregor, Herzberg e Maslow. Os novos
paradigmas da Gestão de Pessoas, Competências duráveis, Habilidades interiores
x Habilidades Grupais, Da Empregabilidade para a Trababilidade, Mapas Mentais,
A busca de Indicadores, Os doze papéis do Executivo, Motivação na Manutenção,
A Internet como ferramenta de Gestão.

MANUTENÇÃO PREDIAL
Visão Geral da Manutenção Predial (Conceitos e definições e Contexto atual).
Manutenção Predial e Gestão Estratégica. Estratégias de gestão da Manutenção
Predial. Sistemas Prediais - Procedimentos Gerais. Check-up predial - Aspectos
técnicos. Planejamento e controle de Manutenção Predial. Legislação pertinentes -
NBR 5674 Manutenção de Edificações, NBR 14035- manual de manutenção em
Edificações - orientação, outras, normas de Desempenho predial: Série 15.575 (1-
6).

ENGENHARIA DA CONFIABILIDADE
Conceitos Básicos de Confiabilidade, Mantenabilidade e Disponibilidade. Aplicação
da Distribuição Binomial na Avaliação da Confiabilidade: Propriedades da
distribuição Binomial, Estados degenerados. Modelagem de Redes - Cálculo da
Confiabilidade em Sistemas Compostos: Confiabilidade de sistemas em arranjos
série, Confiabilidade de sistemas em arranjos paralelos, Confiabilidade de sistemas
em arranjos compostos. Confiabilidade e redundância. Distribuição de
Probabilidade no Cálculo da Confiabilidade: Funções de Confiabilidade,
Distribuição Exponencial, Distribuição de Weibull, Cálculo da confiabilidade usando
as distribuições de probabilidade. Modelagem de Sistemas com o Processo de
Markov: Matriz estocástica de transição, Probabilidades limite, Estados
absorventes, Processos Markovianos contínuos. Planejamento e Análise de Falhas
- Reflexo na Manutenção: Árvore de falhas, Falhas e estratégias de reparo.
Classificação e Tipos de Falhas. Laboratório - Aplicações.

MANUTENÇÃO BASEADA NA CONFIABILIDADE - MBC/RCM


Terminologia. Introdução à Manutenção Centrada em Confiabilidade, origem,
paradigmas, tipos de falhas e consequências, falhas ocultas e seu tratamento,
quando manter e quando modificar o equipamento e/ou sistema. Problemas
normais da Manutenção Tradicional. A visão da Manutenção Preventiva Clássica e
da Manutenção Centrada na Confiabilidade (RCM), Funções, Falhas Funcionais,
Modos de Falha, Efeitos de Falhas, Consequência da Falha, Políticas de
Manutenção, Fases de Implantação da RCM - escolha do sistema, definição,
diagrama de blocos, análise das funções do sistema, FMEA, diagrama de decisão,
plano de manutenção com base na RCM. Estudo de Caso, Aplicação prática da
Realização de Análise de MCC. Seleção de “Cases” com os participantes do Curso.
Realização de Análises de MCC.

RELAÇÕES TRABALHISTAS
Antecedentes Históricos. Constituição de 1998 - reflexos no Direito do Trabalho.
Aplicação do Direito do Trabalho. Relação de emprego: empregado e empregador.
Contrato de Trabalho e Contratos Afins. Espécies do Contrato de Trabalho.
Terceirização/Automação. Remuneração. Alteração do Contrato de Trabalho.
Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Terminação do Contrato de
Trabalho. Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. Participação nos Lucros.
Medicina e Segurança do Trabalho. Periculosidade e Insalubridade. Acordo e
Convenção Coletiva de Trabalho. Direito a Greve. Sindicatos.
ENGENHARIA E ANÁLISE DE CUSTOS
Desmistificando custos: conceitos básicos, terminologia usual, classificação dos
custos, tipos de custeio e suas finalidades. Considerações relevantes sobre custos
para avaliação de estoque, para tomada de decisão e para controle. Gestão
Estratégica de Custos: visão estratégica versus visão convencional, Conceito de
Cadeia de valor, Custeio Baseado em Atividades (ABC), direcionadores de custos
de execução. Custos na moderna organização: do controle de processos à
avaliação de custos de produtos e serviços. Outsourcing: fundamentos, pré-
requisitos para a terceirização, riscos envolvidos na contratação, tomada de
decisão, tudo terceirizado e quarteirização.

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO


Gerência de projetos; Processo Decisório; Decisão Multicritério (MCDM);
Tecnologia da Informação (TI) em Pesquisa Operacional; Política e Gestão da
Tecnologia da Informação; Planejamento Estratégico e Tático dos Processos de
Informação; TI na Avaliação de Desempenho da Produção e Manutenção;
Elementos da TI para Incremento da Eficácia e Produtividade; Evolução dos
Processos de Informação e as Plataformas computacionais; TI para Decisão
Operacional, Tática e Estratégica; Processadores de Alto Desempenho -
Multimídia, Teleconferência, Internet; Tecnologia de Administração de Dados e
Sistemas de Informação para Gerência de Manutenção (SIGM) - requisitos
técnicos; Sistemas de Informação Gerencial (MIS) - caraterísticas e aplicação;
Sistemas de Apoio a Decisão (DSS) - caraterísticas e aplicação; Sistemas de
Informação Executiva (EIS) - caraterísticas e aplicação; O uso dos Sistemas
Especialistas (ES) em complemento aos DSS e EIS; Técnica de Identificação e
Escolha de Software disponíveis no Mercado; Workshop aplicando a técnica
Tomada de Decisão em Grupo (GDSS) através do uso de Software específico.

NORMAS REGULAMENTADORAS: NRS NA MANUTENÇÃO


Hierarquia das leis e normas vigentes no Brasil, Classificação da NR’s:
Identificação, Classificação, Avaliação e Consolidação, Grupo I - NR’s para
Identificação e Controle de Riscos.

GESTÃO DE CONTRATOS - TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO


Definição e Conceitos: Terceirização - Uma Mudança de Conceito; Histórico:
Terceirização no Mundo e Terceirização no Brasil; Razões Básicas para
Terceirizar; O processo de Terceirização - Etapas; A Terceirização da Manutenção
Industrial: A Manutenção Industrial Conhecia as Regras do Jogo? Tipos de
Contratos na Manutenção: Mão de Obra, Serviços, risco e desempenho; O Contrato
de Manutenção como Aliança Estratégica; Performance nos contratos de
Manutenção; Os Aspectos Contratuais e Regulatórios; Visão do Mercado.
Vantagens e Desvantagens da Terceirização; Impactos da Terceirização:
Econômicos; Políticos; Tecnológicos; Sociais; Culturais.

PAS 55 - SISTEMA DE GESTÃO DE ATIVOS: REQUISITOS E DIRETRIZES


Introdução ao PAS 55:2008; Gerenciamento da Estratégia; Medição de
Desempenho; Gerenciamento da Informação; Melhoria Focada; Auditoria e
Avaliação de Conformidade; Gerenciamento do Ciclo de Vida; Informações
Técnicas; Plano de Manutenção dos Ativos; Planejamento e Controle do Trabalho;
Gerenciamento de Riscos; Gerenciamento de Fornecedores; Organização e
Desenvolvimento.
MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL - MPT/TPM
Definição e conceitos da Exploração (Operação e Manutenção). Histórico e
Evolução da Manutenção, História de TPM, Fatos de TPM, Os 5 Princípios no
Desenvolvimento do TPM, TQC & TPM. Estrutura de perdas e conceito de
eficiência de equipamento. Conceito e como avançar no Kobetsu Kaizen (melhoria
individual). Como avançar no Jishu Hozen (manutenção autônoma), O Conceito de
Desenvolvimento do Jishu Hozen, o papel de operação e de Manutenção no Jishu
Hozen, como trabalhar segundo um Plano Diretor de Desenvolvimento do Jishu
Hozen e como Estabelecer suas Metas, a Auditoria de Jishu Hozen. O sistema de
manutenção planejada, classificação das atividades de Manutenção, o Papel das
Divisões de Operação e de Manutenção, Temas na Estrutura Gerencial, O
Estabelecimento da Estrutura de Manutenção Planejada, As Atividades “Falha-
Zero”, Manutenção Preditiva. Treinamento para a melhoria das habilidades
operacionais e de manutenção. Enfoque e a implementação do controle inicial, o
Enfoque para o LCC (Life Cycle Cost), Etapas do Controle Inicial, Atividades de
Controles Iniciais do Produto e do Equipamento. Hinshitsu Hozen (manutenção da
qualidade), O que é Hinshitsu Hozen? O Conceito Básico do Hinshitsu Hozen, As
condições Prévias para promover o Hinshitsu Hozen, Como dar Partida ao
Hinshitsu Hozen em 10 etapas. A implementação das atividades da secretaria de
TPM, necessidade e Papel da Secretaria de TPM.

GESTÃO DE AUDITORIA E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA


MANUTENÇÃO- INDICADORES
I – Documentação do Sistema da Manutenção: Hierarquia da Documentação:
Manual da Manutenção (MM), Procedimentos da Manutenção (PM), Instruções de
trabalho (IT) e Registros da Manutenção (RM). II - Auditoria da Manutenção:
Conceitos, Objetivos, Tipos de Auditoria da Manutenção. III - Exigência e
Abrangência da Auditoria da Manutenção: Características das Auditorias,
Frequência da Auditoria; Habilidades do auditor. V - Processo de Preparação de
Auditoria da Manutenção: Planejamento da Auditoria, Escopo da Auditoria, Listas
de verificação; Reunião preliminar. VI - Processo de Execução da Auditoria da
Manutenção: Responsabilidades e funções, Auditoria: condução e aplicação,
Identificando requisitos (não-conformidades), Análise da Documentação, Estudo de
caso. VII - Elaboração de Relatório Final: Categorizando as não-conformidades;
Declarações de não-conformidades; Reunião de encerramento; Distribuição de
Relatório Final. VIII - Ações Corretivas e Preventivas: Plano de Ação,
Acompanhamento. IX - Gestão do Programa de Auditorias: Organização, Normas,
Equipe, Desempenho da Auditagem, Fatores Operacionais, Melhorias.
Referenciais sobre Indicadores de Desempenho. Critérios de Prêmio Nacional da
Manutenção (PNQ). Critério de Excelência. Informação e Análise. Gestão das
Informações Comparativas. Benchmarking. Resultados da Organização. Sistemas
de Gestão da Qualidade ISO 9000. BSC - Balanced Scorecard. Ciclo PDCA
(Gerência da rotina e melhorias). Avaliação de Desempenho de Sistemas (ADS):
Sistema; Determinação do Estado do Sistema; Acompanhamento Periódico do
Sistema; Tratamento do problema decisório; Sistema de indicadores. Indicadores
da Manutenção.

ESTRATÉGIA COMPETITIVA PARA MANUTENÇÃO


Novos paradigmas da Função Manutenção, Análise Estrutural de Indústrias e
Estratégia Competitiva, Modelo de Porter das forças que dirigem a concorrência na
indústria, Estratégias Competitivas Genéricas, Metodologia para a Análise da
Concorrência, Sinais de Mercado e Movimentos Competitivos, Grupos estratégicos,
Estratégia direcionada para compradores e fornecedores, Estratégias Competitivas
em Indústrias Fragmentadas, Análise Estratégica da Integração Vertical, Entrada
em Novos Negócios, Cadeia de valores e vantagem competitiva, Papel Estratégico
da função Manutenção, Objetivos da Manutenção (disponibilidade (confiabilidade,
mantenabilidade), qualidade, eficiência, flexibilidade e custo), Estratégias de
produção, objetivos de desempenho, Conceitos de Planejamento, Metodologia de
Elaboração e Implementação do planejamento estratégico, Visão, Missão,
Objetivos e desafios empresariais, Diagnóstico Estratégico, Metas e Diretrizes,
Planejamento tático e operacional.
*As ementas poderão ser ajustadas conforme demandas de mercado, novas legislações, novos cenários e contextos.

COORDENAÇÃO

LUIS CORDEIRO DE BARROS FILHO, M. SC.


Engenheiro Eletricista/Eletrônico pela UFPE,
1982; Mestrado em Engenharia de Sistemas
(Engenharia de Produção/ Manutenção), UFPE,
1995. Instrutor Internacional de Manutenção
Produtiva Total - TPM, credenciado pela JIPM
(Japan Institute of Productive Management), Nº
437 Mundial (40º Brasil), 1996. Curso Lead Auditor - QSP - IRCA (International
Register Certificate Auditor) desde 2000. Curso de Gestão da Manutenção na
Universidade de Engenharia da Universidade do Porto - Portugal (FEUP), 2001.
Professor de pós-graduação do IPOG no MBA Gerenciamento de Obras,
Tecnologia & Qualidade da Construção e no MBA Gestão de Projetos em
Engenharias e Arquitetura. Professor de cursos de graduação, pós-graduação e
extensão na Escola Politécnica - UPE, desde 1983. Professor Pesquisador -
Coordenador do Núcleo de Pesquisa de Engenharia de Produção, Manutenção e
Qualidade, desde março de 1997. Professor criador e coordenador do curso de
pós-graduação Gestão da Manutenção - GEMAN, desde 2000. Apresentação de
diversos trabalhos em Congressos Nacionais (SOBRAPO, SNPTEE, ETTEEE,
ABRAMAN, ASSEMAE, ABES, Min. da Saúde, FUNASA, etc.) na área de
Gerenciamento e Controle da Manutenção e Aplicação de Ferramentas de
Qualidade Total e TPM. Instrutor, palestrante e debatedor na área de Qualidade
Total, ISO 9000, Engenharia de Manutenção e TPM, em cursos, Auditorias da
Qualidade e Seminários, na Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco, na
Planus Treinamento, na UFPE, CCON, POLI/UPE, CELPE, METROREC,
DUPÉSERPRO, TELEBRÁS, CHESF, SEBRAE, DUPÉ, Cimento Nassau,
CEAGEP, FOP/UPE, PROPAN/UPE, ITECI, na ETENO-Polímeros, etc. Ex-Diretor
(biênios 1997/1998 e 2003/2004) da XII Seção Regional (PB/PE/AL) da ABRAMAN
(Associação Brasileira de Manutenção). Membro do Conselho Deliberativo da
ABRAMAN, desde janeiro de 2000. Auditor de Sistemas de Gestão da Qualidade
ISO 9000 - CHESF, 1999/2000/2001. ETENO-Polímeros, desde 2000. Consultor,
Instrutor e Examinador do Prêmio de Qualidade da Gestão Pública pelo Ministério
do Planejamento, Orçamento e Gestão 2001 a 2006. Membro do Comitê Técnico
de Desenvolvimento e Melhoria dos Critérios de Excelência do Prêmio de
Qualidade da Gestão Pública, pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e
Gestão, Brasília, desde 2003. Membro do Comitê Técnico Prêmio de Qualidade
Gestão Pernambuco - PQGP - PROPEQ - FIEPE, desde 2003. Autor do livro
“Diretrizes gerais para implementação da Gestão da Manutenção em micro e
pequenas empresas”, SEBRAE-PE, Recife - PE (2004). Instrutor e Consultor Ad
Hoc do Ministério das Cidades na área de Gestão Pública, desde março de 2005,
sendo um dos autores do Caderno Técnico de Gestão em Saneamento (2006).
Dezenas de trabalhos publicados em congressos e trabalhos de monografias de
pós-graduação orientadas.

CORPO
DOCENTE

ALEXANDRE STAMFORD DA SILVA


Graduação em Engenharia Elétrica: Modalidade Eletrônica pela Universidade de
Pernambuco (1991), mestrado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal
de Pernambuco (1994) e doutorado em Economia pela Universidade Federal de
Pernambuco (1999). Pós-doutorado na Université Paris 1 Pantheon-Sorbonne,
PARIS 1, França em Desenvolvimento Econômico; e na Université Robert
Schuman/Centro Internacional de Propriedade Intelectual, Strasbourg, França, em
Propriedade Intelectual. Atualmente é Diretor de Inovação - Secretaria de Ciência,
Tecnologia e Inovação de Pernambuco e Professor Associado 2 da Universidade
Federal de Pernambuco no Departamento de Economia. Tem experiência na área
de Economia, com ênfase em Métodos e Modelos Matemáticos, Econométricos e
Estatísticos, atuando principalmente nos seguintes temas: Economia da Saúde,
Propriedade Intelectual, Redação de Patentes, Empreendedorismo, Teoria dos
Jogos e Crescimento Econômico.

ANA KARINA MARQUES DA CUNHA LESSA


Engenheira Civil pela Universidade de Pernambuco - UPE, Especialista em Gestão
Empresarial pela Universidade de Pernambuco - UPE, Mestre em Administração
pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Experiência de mais de 9 anos
de ensino em cursos de graduação e pós-graduação nas áreas de Administração
de Operações e Materiais, Gestão de Projetos, Administração de Serviços e Gestão
Social e Ambiental. Experiência gerencial nas áreas de Construção Civil e
Manutenção Predial. Co-autora do livro “Gestão de Manutenção Predial: uma
aplicação prática. Editora Qualitymark, Rio de Janeiro: 2010”.

DENISE RODARTE CAMOZZI


Possui graduação em Direito pela Universidade Federal de Goiás (2001). É
especialista em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho, Direito Civil e
Processo Civil, e especializanda em Direito Previdenciário. Tem formação em
Practitioner e Master Trainer em Programação Neurolinguística pela Sociedade
Brasileira de PNL, em Coaching pela Sociedade Latino Americana de Coaching e
ainda em Constelação Familiar Organizacional Empresarial pelo Instituto Bert
Hellinger do Brasil Central. Atualmente é advogada da Camozzi Advogados
Consultores Associados desde 2004, e professora de Engenharia junto ao IPOG
desde 2014. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito do
Trabalho Empresarial e do Empregado, Direito do Consumidor, Direito Cível e
Previdenciário.
FERNANDO FERREIRA DE CARVALHO
Graduação em Engenharia Elétrica Eletrônica pela Escola Politécnica de
Pernambuco (2001) e mestrado em Ciências da Computação pela Universidade
Federal de Pernambuco (2005). Atualmente é aluno de doutorado do Centro de
Informática - UFPE, Professor Assistente da Universidade de Pernambuco e
Engenheiro de Sistemas do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife.
Tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Engenharia
e Qualidade de Software, atuando principalmente nos seguintes temas: Qualidade
e Maturidade de Componentes de Software, Computação de Propósito Específico
e Desenvolvimento Baseado em Componentes.

FLORÊNCIO ABSALÃO
Graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade de Pernambuco (1983),
graduação em Administração pela Universidade de Pernambuco (1992) e mestrado
em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco (1998). Tem
experiência na área de Administração, com ênfase em Operações e Marketing. Foi
Coordenador do curso de Administração Geral e Marketing da Faculdade Integrada
do Recife - FIR, no período de 1998 a 2007, na qual desenvolveu os seguintes
atividades: implantação e reconhecimento do curso; revisão e atualização de duas
grades do curso; implantação da Empresa Júnior - Afirmativa e da MATER - Matriz
Empreendedora do Recife. Durante esse período o curso obteve o Triplo A no
reconhecimento e três vezes o conceito A no “provão” (2001 a 2003). No ENADE
obteve conceito B no ano de 2006. Trabalha na CBTU/METROREC desde de 1984,
onde exerceu cargos, como Engenheiro e Gestor, nas áreas de Engenharia da
Manutenção, Planejamento Empresarial e de Transporte. Foi Instrutor de
treinamentos técnicos e gerenciais, e dos programas de voluntariado Telecurso 1º
grau para empregados da CBTU e da Escola de Fábrica, para jovens da
comunidade lindeira da CBTU/METROREC. Atualmente leciona no curso de
graduação da FAFIRE e de pós-graduação de várias IES da Região Metropolitana
do Recife. Participa como examinador Sênior dos Prêmios de Qualidade de Gestão
Pernambuco - PQGP e ANTP - Associação Nacional de Transporte Público.

HELIO BURTLE
Graduação em Engenharia Elétrica, com ênfase em Eletrônica pela Universidade
Federal de Pernambuco (1982), mestrado em Engenharia Elétrica pela
Universidade Federal de Pernambuco (1992) e doutorado em Engenharia Elétrica
pela Universidade Federal de Itajubá (2006) . Membro do IAM - The Institute of
Asset Management da Inglaterra, instituição de origem da PAS 55, e Diretor da
ABRAMAN. É Coordenador do Sistema de Gestão de Ativos na CHESF e faz parte
do Grupo de Trabalho da ABNT encarregado pela tradução da ISO 55000, norma
internacional derivada da PAS 55. Atual Diretor da XII Seção Regional (PB/PE/AL)
da ABRAMAN (Associação Brasileira de Manutenção.

IONY PATRIOTA DE SIQUEIRA


Doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Campina Grande
(2010), graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de
Pernambuco (1974), com especialização em Sistemas de Informação pela
Universidade Católica de Pernambuco (1982) e mestrado em Engenharia de
Produção pela Universidade Federal de Pernambuco (1999). Atualmente é
Engenheiro da Companhia Hidroelétrica do São Francisco, diretor da Tecnix
Engenharia, Arquitetura e Sistemas Ltda. Tem experiência na área de Engenharia
de Produção, com ênfase em Processos Estocásticos e Teoria das Filas, atuando
principalmente nos seguintes temas: Sistemas Elétricos, Automação,
Planejamento, Proteção e Medição.

ISMAR FRANÇA PANIGAS (M. SC.)


Engenharia Civil pela Escola de Engenharia da UFGRS. Mestrado em
Administração pelo Programa de pós-graduação em Administração/UFRGS
(Ênfase em Produção e Sistemas). Especialização em Gestão da Qualidade na
Construção Civil pela PUC/RS. Especialização em Produção Mais Limpa e
Ecobusiness pela PPGA/UFRGS e CNTL - Centro Nacional de Tecnologias
Limpas. Docência em graduação pela ULBRA - Universidade Luterana do Brasil
(2002 – 2005): Logística Integrada I, II e III, Marketing Básico e Marketing
Avançado, Planejamento Estratégico, Gestão da Qualidade e Formação de
Empreendedores. UNICRUZ - Universidade de Cruz Alta (1997/2009): Professor
de Planejamento Estratégico, Teoria Geral da Administração, Gestão Pela
Qualidade, Administração da Produção e Marketing. Professor de Marketing do
Agronegócio no curso sequencial de Gestão de Empresas Rurais. Docência em
pós-graduação: IPOG - Instituto de Pós-graduação: Gerenciamento do
Cronograma, no MBA Gestão de Projetos em Engenharias e Arquitetura
(2010/atual); Gerenciamento do Custo, no MBA Gestão de Projetos em
Engenharias e Arquitetura (2010/atual). Direitos e Deveres em Ações Judiciais, no
curso MBA Gerenciamento de Obras, Tecnologia e Qualidade da Construção;
Gestão da Qualidade de Obras, no MBA Gerenciamento de Obras, Qualidade e
Desempenho da Construção (2017/atual). ESP - Instituto de Especialização da
Amazônia: Gerenciamento do Cronograma, no MBA Gerenciamento em Projetos
em Engenharia e Arquitetura (2016/atual); Gerenciamento de Custos, no MBA
Gerenciamento em Projetos e Arquitetura (2016/atual); Gestão de Impactos
Ambientais em Projetos, no Gerenciamento em Projetos Engenharia e Arquitetura
(2017/atual); Gestão Estratégica Competitiva - Especialização em Gestão de
Marketing (2016); Administração Estratégica - Especialização em Controladoria e
Finanças.

JOSÉ ROBERTO DE BARROS FILHO


Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa Catarina, com ênfase
em Processos de Fabricação (1993). Mestrado em Engenharia de Produção pela
Universidade Federal de Santa Catarina na área de Planejamento e Controle da
Produção (1999). Doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade
Federal de Santa Catarina na área de Desenvolvimento de Produtos e Supply
Chain (2008). EMPRETEC SEBRAE/ONU - Formação de Empreendedores, curso
realizado em 1997. Achieving Competitive Advantage Through Manufacturing,
curso realizado pelo IEL-SC, IEL Nacional, SEBRAE Nacional, UNISUL e FINEP
em 1999. Dale Carnegie Training (RH, Sales Advantage e Líder em Você) em
1998/1999/2000. Coaching (Executive and Life Coaching e Coaching Nível Sênior)
com Rhandy Di Stéfano pelo ICI (Integrated Coaching Institute) em 2009/2010.
Coaching Ericksoniano com Jeffrey K. Zeig Ph.D. pelo Elsever Institute em 2012.
Formação FACET5 (Facet5 Accreditation Workshop) pelo Grupo DMRH em 2012.
Formação THE INNER GAME - FUNDAMENTALS & PRACTICES com Sean
Brawley pela The Inner Game School of Coaching em 2012. Formação THE INNER
GAME - TOOLS & Certification Program com Tim Gallwey e John Whitmore pela
The Inner Game School of Coaching (California-USA) em 2013.

LUIZ SEBASTIÃO DOS SANTOS JUNIOR


Doutorando em Administração pelo Programa de pós-graduação em Administração
da Universidade Federal de Pernambuco (PROPAD/UFPE), possui mestrado em
Administração também pelo PROPAD/UFPE (2005). É graduado em Administração
pela UFPE. Tem como áreas de interesse: Comportamento Organizacional, Gestão
de Pessoas, Educação, EAD, Motivação, Liderança e Mentoria. Possui experiência
na área de Gestão Acadêmica e de Ensino de graduação e pós-graduação.

MARCOS BRITO
Engenheiro de Segurança do Trabalho e Mecânico de Máquinas, Administrador de
Empresas pela Universidade Mackenzie, Técnico Mecânico ETI “Lauro Gomes”,
pós -graduado em Administração de Material na FGV-SP, O&M na FAAP,
Certificado Internacional ICML - International Council for Machinery Lubrication -
Técnico de Lubrificação de Máquinas Level I - MLT e Analista de Lubrificação de
Máquinas Level II - MLAII. Consultor Empresarial com 36 anos de experiência em
Engenharia de Manutenção & Confiabilidade; Implantação de Programa de Gestão
da Manutenção; PCM Informatizado; Inspeções de Manutenção, Segurança no
Trabalho e Ambiental; MPT - Manutenção da Produtividade Total, A uditorias na
Gestão dos Ativos e LCM - Lubrificação de Classe Mundial. Ex-Professor de cursos
de pós-graduação na disciplina Engenharia de Segurança de Sistemas -
Universidades Santa Cecília e Vale Paraibano de Ensino; Graduação em
Engenharia Mecânica, disciplina Construção de Máquinas na UFPE, ensino
Técnico, disciplinas Manutenção e Montagem na ETI Lauro Gomes, cursos,
seminários, workshops, mesas redondas, palestras em Universidades, Empresas
e Associações como ABRAMAN, ABS , ABENDI e STAB. Atualmente é Diretor da
Terotec/CPS e Vice-Diretor da ABRAMAN - Filial XII [AL+PE+PB].

MAURICIO MARQUES DA TRINDADE


Graduação pela Universidade Federal de Pernambuco (1986) e mestrado pela
George Washington University (1990). Atualmente é Professor Assistente da
Universidade de Pernambuco e colaborador da Universidade Federal de
Pernambuco. Tem experiência na área de Engenharia Elétrica, com ênfase em
Automação Industrial, Sistemas e Controles Eletrônicos, atuando principalmente
nos seguintes temas: Controladores Programáveis (CLPs), Acionamentos
Eletroeletrônicos e Instrumentação Industrial. Consultor e Instrutor da Associação
Brasileira de Manutenção - ABRAMAN em PPCM, e do curso de pós-graduação
GEMAN da POLI/UPE.

MILTON AUGUSTO GALVÃO ZEN


Pós-graduado como Engenheiro de Segurança do Trabalho pelo Centro
Universitário da FEI - IECAT. Engenheiro Eletricista pela Escola de Engenharia da
Universidade Mackenzie. Bacharel em Administração de Empresas pela Escola de
Ciências Contábeis e Administrativas da Universidade Mackenzie. Coordenador do
Curso de pós-graduação em Gerenciamento de Manutenção e Ativos (IECAT-FEI).
Professor do Curso de pós-graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho
(IECAT- FEI). Ex-Professor do curso de pós-graduação de Gerenciamento de
Manutenção da Unicastelo/Pragma. Professional & Self Coach formado pelo IBC -
Instituto Brasileiro de Coaching, entidade licenciada por instituições internacionais
tais como: ICC - International Coaching Council, BCI - Behavior Coaching Institute,
e reconhecida pelo GCC - Global Coaching Community, IAC - International
Association of Coaching. Formação em PNL - Programação Neurolinguística pelo
Instituto Pieron de Psicologia Aplicada e de Coach pelo ICI - Integrated Coaching
Institute. Foi Conselheiro Deliberativo, Diretor Nacional, Diretor e Vice-Diretor da
Regional SP da ABRAMAN - Associação Brasileira de Manutenção. Foi Diretor do
Departamento de Engenharia Industrial e Agronômica do IESP - Instituto de
Engenharia de São Paulo e também Vice-Coordenador da Divisão de Manutenção.
Ex-Professor dos cursos: “A Organização da Manutenção na Pequena e Média
Empresa” e “Política de Manutenção - A busca da Função Manutenção na Empresa
Moderna” na ABRAMAN - Associação Brasileira de Manutenção. Autor de vários
livros e artigos publicados no Brasil e no Exterior.

RICARDO VITOY
Graduação em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa Catarina
(1993) e mestrado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa
Catarina (1998). Atualmente é consultor da Musa Indústria e Comércio de
Alimentos Ltda., e Engenheiro da Travaglia Engenharia Ltda. Professor de
especialização em Avaliações e Perícias do Instituto de Pós-Graduação e
Graduação, Professor de pós-graduação do Instituto de Pós-Graduação e
Graduação, Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de
Goiás e Professor do ensino superior da Pontifícia Universidade Católica de Goiás.
17 anos de experiência em Docência Universitária e 25 anos de experiência
profissional atuando como Engenheiro Mecânico, com ênfase em Engenharia
Mecânica, atuando principalmente nos seguintes temas: Avaliação, Manutenção,
Projeto e Processamento Industrial, Produção e Avalição de Bens Patrimoniais.

WILSON MELLO
Doutorado em Engenharia pela Carnegie Mellon University - CMU/USA, 2003.
Mestrado em Engenharia pela PUC/RJ - 1993. Graduado em Engenharia Elétrica
pela PUC/RJ, 1988. Controller da TechCapital (2014-2017), empresa de serviços
na área Médica: produzir e laudar imagens e exames em seis municípios com mais
de 40 unidades de saúde no Brasil, performando 70.000 exames mensais. Diretor
de Operações Extran e CGM (2011-2012): gerenciar e projetar medidor inteligente
de energia integrado a sistemas Smart Grid. Atuar no mercado instalando e
mantendo sistemas de Área Azul. Grupo econômico atuando em Energia e
Logística em Goiânia. Engenheiro da AMA (2004-2006), Agência Municipal de Meio
Ambiente: fiscalizar e manter antenas e avaliar emissão de ondas eletromagnéticas
em Goiânia. Gerente de TI e Facilities da Coca-Cola (1996-1999): implantação e
gestão dos sistemas de TIC, logística e manutenção de frota em Goiás e Tocantins.
Gerente de Manutenção da HP (1994-1995): Coordenar contratos e de faturamento
de clientes. Liderar equipe técnica atendendo 5 estados (GO, MT, MS, MG, TO).
Manter parque de máquinas CISC e RISC da HP e EDISA. Gerenciar atendimento
de hardware e software. Manter estoque com gestão nacional; Implantar sistemas
e equipamentos. Gerente da GEM e da TAMIL Indústria de Milho (1993-1994):
gerenciar indústria e de processos, responsável pela montagem da fábrica GEM
em Acreúna/GO e da TAMIL em Primavera do Leste/MT. Pesquisador Júnior do
CEPEL (Eletrobrás) (1990-1992): participação no planejamento do Sistema
Interligado Nacional (SIN). Cálculo e projeto da válvula AC/DC (HVDC) da usina de
Itaipu. Análise de qualidade de energia e reuniões do PROCEL. Engenheiro da
Jaakko Poyry (1988-1990), prestando serviço de manutenção no Polo Petroquímico
de Camaçari/BA. Desenvolvimento de projetos na área de cabeamento e
equipamentos. Especificação para compra, análise técnica de propostas e análise
de contratos e documentos de fornecedor de equipamentos. Engenheiro da
Microlab e Marinha do Brasil (1986-1988): nacionalizar equipamentos de
informática - equipe de disco rígido. Projetar e manter fontes chaveadas de rádios
da Marinha do Brasil (MB). Redigir e validar manuais técnicos da Marinha do Brasil.

* Professores titulares. Sujeitos a alterações.


LINHAS DE
PESQUISA -
MONOGRAFIAS

Em princípio, foram selecionadas as seguintes linhas de pesquisas, as quais os


alunos deverão escolher sua monografia para conclusão de sua especialização:

1)Métodos Quantitativos

• Probabilidade e Estatística
• Modelagem ( Blocos/Markov....etc)
• Análise de Confiabilidade

2) Humanas

• Didática
• Administração dos Talentos Humanos
• Confiabilidade Humana
• Relações Trabalhistas

3) Custos

4) Técnicas de Manutenção Planejada

• Metrologia
• Técnicas Preditivas
• Técnicas Preventivas
• Grandes paradas

5) Gestão

• Manutenção Centrada na Confiabilidade - MCC (MBC-RCM)


• Manutenção Produtiva Total - MPT (TPM)
• Planejamento, Programação e Controle da Manutenção -PPCM
• Sistemas de Informações para Manutenção (Inclusive integrado - ERP)
• Planejamento Estratégico
DOCUMENTAÇÃO
NECESSÁRIA

• Diploma de graduação original.


• Cópia do RG e CPF / ID Profissional / CNH.

DURAÇÃO /
PERIODICIDADE

18 meses (um final de semana por mês).


• Sexta, das 18h às 23h.
• Sábado, das 8h às 19h.
• Domingo, das 8h às 13h.

Você também pode gostar