Você está na página 1de 8

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA

VESTIBULAR 2018

PROVA DE FÍSICA

Simulado de Fevereiro
Prof. Thiago Felı́cio (felicio@fisica.ufc.br)

Questão 1. No sistema internacional, as quantidades A/B e AB têm, re-


spectivamente, unidades de velocidade linear e de momento linear. As quan-
tidades A2 ω e A2 z podem ser somadas, onde ω e z representam, respecti-
vamente, velocidade angular e vazão. Se as quantidades v 2 D e C 2 E podem
ser somadas, também, onde v representa a velocidade linear, qual a grandeza
representada por D/E?

A ( ) Massa. C ( ) Pressão. E ( ) Frequência.


B ( ) Volume. D ( ) Densidade.

Questão 2. Uma explicação bastante simplificada do fenômeno da miragem


consiste no fato de que a pessoa, ao ver o céu refletido na camada de ar
próximo à superfı́cie da areia no deserto, identifica isso como se houvesse uma
poça de água. Num modelo, também muito simplificado, que explica este
fenômeno, considera-se que existam camadas de ar com ı́ndices de refração
diferentes sobre a superfı́cie da areia. Considere então que um raio de luz
incida fazendo um ângulo θ0 em relação à vertical (ver figura 1). Suponha que
cada camada tenha uma espessura d e que a i-ésima camada abaixo tenha
um ı́ndice de refração ni = αni−1 (0 < α < 1). Se a primeira das camadas
tiver ı́ndice de refração n0 , qual deve ser a altura da camada de ar para que
ocorra a reflexão total do feixe?

A ( ) log(sin θ0 )d/ log α. D ( ) log(tan θ0 )d/ log α.


B ( ) log(α sin θ0 )d/ log α.
C ( ) log α1 sin θ0 d/ log α.

E ( ) log(α tan θ0 )d/ log α.

1
Questão 3. Em um experimento de difração um feixe de elétrons incide so-
bre um anteparo com duas fendas A e B (ver figura 2). No ponto P há
um detector de elétrons que mede a intensidade de 36 elétrons por segundo
quando apenas a fenda A está aberta e a intensidade de 16 elétrons por
segundo quando apenas a fenda B está aberta. Quando ambas as fendas
estiverem abertas a intensidade I em elétrons por segundo em P está com-
preendida no intervalo:

A ( ) 4 ≤ I ≤ 100. C ( ) 0 ≤ I ≤ 52. E ( ) 20 ≤ I ≤ 100.


B ( ) 20 ≤ I ≤ 52. D ( ) 16 ≤ I ≤ 36.

Questão 4. Dentro de uma esfera ôca e isolante de raio, R, existem dois


corpúsculos eletrizados com cargas elétricas q e Q (ver figura 3). O sistema
está imerso num campo de gravidade uniforme, cujo módulo é g. Esse meio
tem constante eletrostática de Coulomb, k. Assinale a alternativa que apre-
senta a condição necessária para o corpúsculo superior oscilar, em movimento
harmônico simples.

A ( ) Q = mgR2 /(qk). D ( ) Q > 2mgR2 /(qk).


B ( ) Q ≤ mgR2 /(qk).
C ( ) Q > 8mgR2 /(qk). E ( ) Q < 2mgR2 /(qk).

Questão 5. Um anel metálico de raio, R, é formado por dois semianéis de


materiais diferentes. Se v é a média aritmética harmônica das velocidades das
ondas sonoras, que propagam, nesses semianéis, depois que o anel é golpeado
em uma de suas soldas, o instante de encontro das ondas será igual a:

A ( ) 2πR/v. C ( ) πR/(2v). E ( ) R/v.


B ( ) πR/v. D ( ) 2R/v.

Questão 6. Uma onda senoidal transversal move-se ao longo de uma corda,


na direção positiva do eixo-x, com uma velocidade de 10 cm/s. O seu compri-
mento de onda é 0,5 m e sua amplitude é 10 cm. Em determinado instante,
a imagem instantânea da onda é mostrada pela figura 4. A velocidade do
ponto P (em m/s) quando seu deslocamento for de 5 cm será de:

A ( ) ex v. C ( ) −ex v. A ( ) ey (2v).
B ( ) ey v. D ( ) −ey v.

π 3
Onde: v ≡ 50
m/s.

2
Questão 7. Um satélite está orbitando ao redor da Terra com velocidade
orbital v0 . Se imaginarmos que esse repentinamente se detém, a velocidade
com que se chocará com a superfı́cie da Terra será (ve : velocidade de escape
de um corpo da superfı́cie terrestre):
1/2 1/2
A ( ) v02 /ve . C ( ) (ve2 − v02 ) . E ( ) (2ve2 − v02 ) .
1/2
B ( ) v0 . D ( ) (ve2 − 2v02 ) .

Questão 8. Uma minhoca possui oito corações localizados em diferentes


partes do seu corpo. Os oito corações devem ter uma batida ao mesmo tempo
de modo a produzir uma circulação sanguı́nea eficaz. Se uma minhoca passa
por nós dentro de uma nave espacial viajando a 3/5 da velocidade da luz, os
corações de frente deverão estar fora de sincronia com os corações de trás.
Apesar disto, a minhoca permanece viva porque:
A ( ) Ela fica tão curta que uma circulação sanguı́nea eficaz é desnecessária.
B ( ) Ela não é perfeitamente rı́gida.
C ( ) Os corações permanecem sincronizados no referencial da minhoca.
D ( ) Tanto os batimentos cardı́acos quanto a taxa de respiração diminuem.
E ( ) É impossı́vel explicar.
Questão 9. Um astrônomo observa que todo o espectro de absorção de uma
estrela próxima encontra-se deslocado para comprimentos de onda menores
que os previstos a partir da composição quı́mica esperada nessa estrela. Isso
significa que:
A ( ) A estrela está se aproximando do Sistema Solar.
B ( ) A estrela está se afastando do Sistema Solar.
C ( ) A estrela está praticamente em repouso relativo ao Sistema Solar.
D ( ) Na estrela existem elementos quı́micos que inexistem no Sol.
E ( ) Faltam dados.
Questão 10. Um planeta “plano” homogêneo e maciço de espessura, d, e
densidade, ρ (ver figura 5), possui um túnel vertical, denotado pelo segmento
P Q. Uma partı́cula é abandonada do ponto P . Se G é a constante universal
gravitacional, o tempo gasto por ela até chegar à B, valerá:
p p p
A ( ) πρ/G. C ( ) πρ/(3G). E ( ) πρ/(16G).
p p
B ( ) πρ/(2G). D ( ) πρ/(4G).

3
Questão 11. Considere dois pontos A e B fixos, cuja distância, entre si, é
d. Dois fios de materiais diferentes são amarrados a esses pontos. Deseja que
esses fios se juntem, amarrando as suas extremidades livres a um ponto P
móvel (ver figura 6). Os coeficientes de dilatação térmica linear dos fios estão
representados, na figura, como também seus comprimentos iniciais. O fio 1
sofre uma variação de temperatura ∆T1 e o fio 2, ∆T2 . A condição suficiente
para que P descreva um arco de cı́rculo será:
A ( ) ∆T1 /∆T2 = −(`2 /`1 )2 (α2 /α1 ).
B ( ) ∆T1 /∆T2 = −(`2 /`1 )(α2 /α1 )2 .
C ( ) ∆T1 /∆T2 = −(`2 /`1 )(α2 /α1 ).
D ( ) ∆T1 /∆T2 = −(2`2 /`1 )(α2 /α1 ).
E ( ) ∆T1 /∆T2 = −[`2 /(2`1 )](α2 /α1 ).
Questão 12. Um recipiente isolado termicamente é dividido por um pistão,
o qual pode movimentar-se sem atrito (vide a figura 7). A parte da esquerda
é preenchida com um mol de gás monoatômico; a parte direita do recipiente
encontra-se evacuada. O pistão é conectado a parede da direita por meio de
uma mola, cujo comprimento livre é igual ao tamanho total do recipiente.
Determine a capacidade C térmica do sistema, desprezando a capacidade do
recipiente, a do pistão e a da mola. Considere como sendo R a constante dos
gases ideais.

A ( ) C = R. C ( ) C = 3R. E ( ) Zero.
B ( ) C = R/2. D ( ) C = 2R.

Questão 13. Um carro carrega um tanque fechado completamente cheio


de água, como mostra a figura 8. O carro move-se sobre uma superfı́cie
horizontal com aceleração a. As pressões pA , pB e pC , nos referidos pontos,
se relacionam como:

A ( ) pA = pB = pC . C ( ) pA > pB > pC . E ( ) pA < pB = pC .


B ( ) pA = pB > pC . D ( ) pA < pB < pC .

Questão 14. Se em todos os pontos da circunferência, x2 + y 2 = r2 (ver


figura 9), a intensidade do campo elétrico tem direção horizontal, determinar
a relação que se encontram os valores absolutos das magnitudes das cargas
elétricas –q e Q localizados nos pontos (a, 0) e (b, 0) (b > a > 0), respectiva-
mente.
A ( ) q/Q = (a/b)3 .

4
3/2
B ( ) q/Q = r3 / (r2 + b2 ) .
C ( ) q/Q = (r2 + a2 )3/2 /(r2 + b2 )3/2 .
D ( ) q/Q = b3 /(b − a)3 .
E ( ) q/Q = (b/a)3 .
Questão 15. Um condutor está dobrado formando semicircunferências concêntricas
como são mostrados na figura 10. O módulo do campo magnético, em O,
será:

A ( ) Zero. C ( ) µ0 I/a. E ( ) µ0 I/(2a).


B ( ) µ0 I/(6a). D ( ) µ0 I/(4a).

Questão 16. Um pequeno bloco de massa m, que se encontra amarrado a


uma corda ideal, cujo extremo oposto está unido a um prego (ver figura 11),
é solto quando a corda é paralela ao solo. Se o coeficiente de atrito cinético
é µ, o módulo da tensão na corda quando o bloco passa pela posição mais
baixa será:

A ( ) (2 sin α + µπ cos α)mg. D ( ) (3 sin α − µπ cos α)mg.


A ( ) (2 sin α − µπ cos α)mg.
C ( ) (3 sin α + µπ cos α)mg. E ( ) (sin α − µπ cos α)mg.

Questão 17. Uma vareta AB de comprimento variável desliza-se apoiada


numa parede vertical e numa superfı́cie horizontal (ver figura 12). O ponto
A desce com velocidade constante v e o comprimento da vareta aumenta
com essa mesma velocidade. O módulo da aceleração instantânea de B, na
situação da figura, valerá:

A ( ) sec α(sec α + tan α)v 2 /`. D ( ) sec2 α(sec α + tan α)2 v 2 /`.
B ( ) sec2 α(sec α + tan α)v 2 /`.
C ( ) sec α(sec α + tan α)2 v 2 /`. E ( ) sec2 α tan αv 2 /`.

Questão 18. A figura 13 mostra um cilindro hermeticamente fechado, que


contém um lı́quido incompressı́vel de densidade ρ, que se encontra girando ao
redor do eixo vertical z com velocidade angular ω. No sistema de referência
ligado ao cilindro, determine o trabalho que deve ser feito por um agente
externo para mover, lentamente, uma partı́cula de massa M e volume V ,
desde a origem (0, 0, 0) até o ponto (a, b, c). Utilize a definição: m = M –ρV .

5
A ( ) mgc + mω 2 (a2 + b2 ). D ( ) mgc − 21 mω 2 (a2 + b2 ).
B ( ) mgc + 12 mω 2 (a2 + b2 ).
C ( ) mgc − mω 2 (a2 + b2 ). E ( ) mgc − 32 mω 2 (a2 + b2 ).

Questão 19. A figura 14 mostra a vista superior de um longo tubo condu-


tor, com parede muito fina e raio R, que transporta uma corrente elétrica
uniforme I, que flui pra fora do plano desta página. Determine o campo
magnético no centro do tubo.

A ( ) Zero. C ( ) µ0 I/(4πR). E ( ) µ0 I/(4R).


B ( ) µ0 I/(2πR). D ( ) µ0 I/(2R).

Questão 20. Um longo fio retilı́neo infinitamente extenso conduz uma cor-
rente elétrica I constante no tempo (ver figura 15). Nas imediações do con-
dutor há uma espira condutora circular, contidos o fio e a espira no mesmo
plano. Considere os seguintes movimentos possı́veis da espira em relação ao
fio:
I. Translação que afaste a espira do fio.
II. Translação da espira paralelamente ao fio.
III. A espira não sofrerá rotação em torno do seu eixo.
Dentre esses movimentos, indique aqueles que fazem aparecer corrente elétrica
induzida na espira.

A ( ) Apenas I e II. D ( ) Apenas I, II e III.


B ( ) Apenas I e III.
C ( ) Apenas II e III. E ( ) Nenhuma das assertivas.

Questão 21. Para explicar a resistência do ar (mais geralmente, de qualquer


fluido) ao movimento de um corpo através dele, Newton propôs o seguinte
modelo. O fluido é imaginado como sendo composto de um grande número
(n por unidade de volume) de partı́culas em repouso, de massa m (muito
pequena) cada uma. Quando o corpo, de massa M  m, se desloca com
velocidade v através do fluido, ele vai colidindo com as partı́culas e vai-
lhes transferindo momento dessa forma. A força F de resistência do fluido
resultante é proporcional ao quadrado da velocidade. Calcule essa força, se
o corpo é uma placa de área A que se desloca perpendicularmente ao plano
da placa, como função de A, v e da densidade ρ = nm do fluido.

6
Questão 22. Uma barra uniforme e homogênea AB de comprimento ` se en-
contra num plano vertical apoiado sobre uma parede vertical e sobre uma su-
perfı́cie cilı́ndrica, completamente, lisas (ver figura 16). Determine a equação
y = y(x) que define a forma dessa superfı́cie para que a barra se encontre em
equilı́brio indiferente.
Questão 23. Considere um recipiente cilı́ndrico com um êmbolo metálico
móvel, de massa desprezı́vel e carregado com uma carga +q. A base, de raio
r, do recipiente é metálica e está carregada com uma carga −q. As paredes
laterais do recipiente são isolantes térmicos e elétricos e possuem altura muito
menor do quê r. Sabendo que o recipiente contém n mols de um gás ideal a
uma temperatura absoluta T , determine a capacitância do sistema em função
da temperatura do gás.
Questão 24. A refração é um fenômeno tı́pico da propagação luminosa. No
entanto, um sistema constituı́do por um feixe de elétrons e um capacitor
pode apresentar caraterı́sticas parecidas ao fenômeno da refração. Considere
no vácuo um capacitor cujas armaduras são duas grades metálicas paralelas,
com distancia d entre elas e mantidas a uma d.d.p. V constante. Um feixe de
elétrons com energia E0 penetra no capacitor formando um ângulo α com a
armadura inferior, como indicado na figura 17. Para calcular o campo elétrico
no capacitor, as duas grades metálicas podem ser tratadas como superfı́cies
continuas, que deixam passar os elétrons. Chamando β o ângulo de saı́da
dos elétrons, mostre que a razão entre sin α/ sin β é uma constante, como no
caso da luz que se propaga de um meio material para outro. Todos os efeitos
gravitacionais são desprezı́veis.
Questão 25. Determine a resistência equivalente, entre os pontos X e Y ,
do circuito da figura 18.
Questão 26. Dois recipientes cilı́ndricos de raios r e R, respectivamente,
estão cheios de água. O de raio r, que tem altura h e massa desprezı́vel,
está dentro do de raio R, e sua tampa superior está ao nı́vel da superfı́cie
livre do outro. Puxa-se lentamente, para cima, o cilindro menor até que sua
tampa inferior coincida com a superfı́cie livre da água do cilindro maior. Se
a aceleração da gravidade é g e a densidade da água é ρ, mostre os trabal-
hos desenvolvidos pelo peso do cilindro menor e pelo empuxo serão dados,
respectivamente, por
r2
 
1
Wweight,r = −ρπr gh 1 − 2 e Wbouyancy = ρπr2 gh2 .
2 2
R 2
Questão 27. Um aro circular delgado e liso de massa m está pendurado
numa parede, via dois pregos A e B (ver figura 19). Determine as magnitudes
das forças exercidas pelo aro sobre cada prego. Despreze todos os atritos.

7
_
Questão 28. Uma corda envolve um poste, pelo arco P Q (ver figura 20). O
coeficiente de atrito entre a corda e o poste é µ. Determine o valor mı́nimo da
força que deverá ser aplicada em um dos lados da corda para equilibrar o T0 ,
que se aplica no outro lado da corda? Considere θ  1 e use sin θ = tan θ = θ.
Questão 29. Sobre duas rodas de diferentes raios (ver figura 21), é colocada
uma tábua pesada, que forma um ângulo α com a horizontal. Desprezando
as massas das rodas e quaisquer deslizamentos, mostre que o módulo da
aceleração da tábua é dado por g sin(α/2).
Questão 30. Um pequeno corpo está suspenso, por um fio, conforme é
mostrado na figura 22. O comprimento do fio é `. Determine o menor valor
da velocidade do corpo, v0 , capaz de fazer com que o mesmo atinja o ponto
P . A aceleração da gravidade local é g.