Você está na página 1de 7

Introdução: Cartografia Indisciplinada

Nos últimos anos, a cartografia tem se deslocado do controle das elites poderosas que
exerceram domínio sobre ele por várias centenas de anos. Essas elites - as grandes casas de
mapas do oeste, o estado e, em menor grau, acadêmicos - foram desafiados por dois
desenvolvimentos importantes. Primeiro, o negócio de fato de mapeamento, de coletar dados
espaciais e mapeá-los, está passando das mãos dos especialistas. A capacidade de fazer um
mapa, até mesmo um impressionante Mapa interativo 3D, agora está disponível para qualquer
pessoa com um computador em casa e com conexão a internet. A última “transição
tecnológica” da cartografia (Monmonier 1985; Perkins 2003) não é tanto uma questão de
novo software de mapeamento, mas uma mistura de Ferramentas colaborativas de “código
aberto”, aplicativos de mapeamento móvel e geotagging. Embora esta tendência tenha sido
aparente para os especialistas da indústria por algum tempo, uma crítica teórica, que nós
argumentamos ser política, situa mapas dentro de relações de poder e não como documentos
científicos neutros. Pode-se esperar um crítica da política do mapeamento para enfraquecer o
poder do mapa e para trabalhar contra uma transição, colocando os mapas nas mãos de mais
pessoas. Mas exatamente o oposto tem acontecido. Se o mapa é um conjunto específico de
alegações de poder-conhecimento, então não somente o estado, mas outros poderiam fazer
reivindicações concorrentes e igualmente poderosas.

Esta one-two punch (marcação) - um conjunto abrangente de práticas de mapeamento


imaginativas e um crítica destacando a política de mapeamento - tem cartografia
indisciplinada. Que é que essas duas tendências resistem e desafiam o método e a prática
mapeamento estabelecido quando a cartografia se tornou uma disciplina acadêmica. Esta
“Insurreição de saberes” (Foucault 2003: 9) não ocorreu sem luta e backlash. Ela está
operando a partir do zero de maneira difusa sem baixo controle. No entanto, é um movimento
em andamento, seja ou não acadêmico disciplina de cartografia está envolvida (Wood 2003).
É nesse sentido que podemos dizem que a cartografia está sendo indisciplinada; isto é, livre
dos confins do acadêmico e aberta ao povo.

Este artigo fornece uma introdução a esses dois movimentos críticos de cartografia.
Nosso principal argumento assenta em duas afirmações: primeiro, que a crítica é político por
sua natureza, e segundo que o movimento crítico de hoje faz parte de um longo crítica
cartográfica. O mapeamento ao longo de sua história tem sido continuamente contestado. A
crítica explícita da cartografia e do GIS que surgiu no final da década de 1980 deve, portanto,
ser entendido nessa tradição muito mais longa. Enquanto o primeiro é mais conhecido, ignorar
o último é meramente “aceitar o que os cartógrafos nos dizem os mapas deveriam ser
”(Harley 1989: 1). De fato, a cartografia como uma forma de sabendo que o mundo tem
lutado constantemente com o status de seu conhecimento em um forma semelhante à da
disciplina geográfica (Livingstone, 1992).

Após esta Introdução, oferecemos uma breve explicação da crítica e do porque é


política. Na terceira seção, aprofundamos a cartografia crítica e fornecemos alguns exemplos.
Quarto, nós rastreamos a crítica de volta historicamente. Na última seção, sugerimos
caminhos para mapeamentos pós-disciplinares.

O que é crítica? Uma política crítica da verdade


Uma crítica não é um projeto de encontrar falhas, mas um exame dos pressupostos de
um campo de conhecimento. Sua finalidade é entender e sugerir alternativas às categorias de
conhecimento que usamos. Essas categorias (ou seja, suposições e noções familiares) moldam
o conhecimento, mesmo que o permitam. Por exemplo, presume-se frequentemente que um
bom projeto de mapa deve alcançar separação, embora pesquisas recentes sobre diferenças
culturais na percepção de figura de fundo revela que os espectadores não-ocidentais não têm a
mesma reação ao figura-fundo como espectadores ocidentais (Chua et al. 2005). A crítica não
procura escapar de categorias, mas sim para mostrar como eles vieram a ser, e que outras
possibilidades existem.

Este senso de crítica foi desenvolvido por Kant, especialmente na Crítica do Razão
Pura. Para Kant, uma crítica é uma investigação que “Envolve expor e descrever com precisão
as alegações feitas e, em seguida, avaliar tais alegações em termos de seus significados
originais ”(Christensen 1982: 39). O ensaio de Kant sobre a questão do Iluminismo (Kant
2001/1784) descreve a filosofia crítica como aquela em que as pessoas constantemente e
inquietamente se esforçam para saber e desafiar a autoridade.

A ênfase moderna na crítica deve uma quantia substancial ao desenvolvimento da teoria


crítica pela Escola de Frankfurt. A escola de Frankfurt, conhecida formalmente como o
Instituto de Pesquisa Social, foi fundada na Alemanha em 1923 e mudou-se para Nova York
em 1933, quando Hitler chegou ao poder. Os escritores associados mais próximos da escola
eram Max Horkheimer, Theodor Adorno, Walter Benjamin, Herbert Marcuse e mais tarde
Jurgen Habermas. Muitos desses escritores procuraram libertar o potencial emancipatório de
uma sociedade reprimida pela tecnologia, positivismo e ideologia. Por exemplo, Adorno
argumentou que o capitalismo, em vez de estar desaparecendo como Marx previra, de fato se
tornora mais profundamente estabelecido, cooptando o reino cultural. A mídia de massa,
bombeando filmes de baixa qualidade, livros e música (e hoje, TV ou internet) substituem a
realidade das pessoas necessidades. Em vez de buscar liberdade e criatividade, as pessoas
estavam satisfeitas com meras catarses emocionais, e foram reduzidas a fazer juízos de valor
sobre a política monetária que vale a pena. Os escritores da Escola de Frankfurt procuraram
dissipar tais efeitos nocivos e ilusórios das ideologias, proporcionando uma filosofia
emancipatória que poderia desafiar estruturas de poder existentes.

Refletindo sobre a filosofia crítica de Kant, Michel Foucault observou que a crítica não
é uma questão de acumular um corpo de conhecimento, mas sim “uma atitude, um ethos, uma
vida filosófica em que a crítica do que somos é, ao mesmo tempo, a análise histórica dos
limites que nos são impostos e uma experiência com a possibilidade de ir além deles
”(Foucault, 1997: 132). Essa ênfase nas condições históricas que tornam o conhecimento
possível, levaram Foucault às suas explorações de como o conhecimento - incluindo o
conhecimento que aspirava à racionalidade científica, como o conhecimento disciplinar - foi
estabelecido e possibilitado por relações de poder historicamente específicas.

Essa ênfase histórica também faz parte da crítica cartográfica. No entanto, pelo poder,
Foucault não quis dizer o mesmo que a “falsa consciência ”da ideologia no sentido de
Frankfurt. Para Foucault, o poder não é uma força negativa que deve ser dissipada, nem ele
concebe os sujeitos como constrangidos de alcançar seu verdadeiro potencial por um poder
estatal repressivo (INGRAM, 1994). A concepção de poder de Foucault foi mais sutil,
enfatizando a política do conhecimento. O poder não emanou do topo de uma hierarquia de
classes, mas foi difundido horizontalmente de uma forma altamente diferenciada e
fragmentada. Além disso, se o poder tivesse efeitos repressivos, também produzia sujeitos que
agem livremente. A possibilidade de "ultrapassar" os limites, de resistir, é real. Este
construção da racionalidade não ocorre em um vazio, mas tem sido “Historicamente e
geograficamente definidos” (FOUCAULT 1991: 117). A sensibilidade de Foucault aos
aspectos geográficos e espaciais da racionalidade faz dele um interesse particular, porque ele
mostra que muitos problemas da política exigem conhecimento espacial (CRAMPTON E
ELDEN, 2006).
Em resumo, a resposta para a pergunta “o que é crítica?” Primeiro, examina os
fundamentos de nossos conhecimentos de tomada de decisão; em segundo lugar, examina a
relação entre poder e conhecimento a partir de uma perspectiva histórica; e terceiro, resiste,
desafia e às vezes derruba nossas categorias de pensamento. A crítica não precisa ser um
projeto político deliberado. Se a maneira como tomamos decisões (com base no
conhecimento) é alterada, então uma intervenção política foi feita. A crítica pode, portanto,
ser explícita e implícita. Além disso, o propósito da crítica como política do conhecimento
não é dizer que nosso conhecimento não é verdadeiro, mas que a verdade do conhecimento é
estabelecida sob condições que têm muito a ver com poder. Na próxima seção, elaboramos
esses pontos no contexto da crítica cartográfica, mais especificamente.

A crítica cartográfica: alguns exemplos

Geógrafos críticos que não têm prestado muita atenção e pensam na cartografia como
um campo técnico que produziu um ou dois artigos críticos interessantes nos últimos vinte
anos estão lamentavelmente desatualizados. Na verdade, a cartografia é um rico campo
transdisciplinar. Não só a crítica teórica contribui para nossa compreensão dos aspectos
teóricos do mapeamento, mas as capacidades de mapeamento móvel e cada vez mais ubíquas
estão mudando a estrutura da produção e do trabalho do mapa. Os mapas não são mais
transmitidos a nós por um grupo treinado de especialistas, mas com a maioria das outras
informações, nós as criamos conforme necessário. Ambos os desenvolvimentos servem para
mudar as condições de possibilidade da disciplina. A cartografia crítica tem como alvo o
conhecimento disciplinar em dois desenvolvimentos, um teórico e outro na prática.

Críticas teóricas

A crítica teórica da cartografia aborda a busca da cartografia acadêmica do pós-guerra


por representações cada vez melhores e mais verídicas de uma realidade pré-existente. Mas,
em vez de participar dessa busca, a cartografia crítica pressupõe que os mapas fazem
realidade tanto quanto a representam. Talvez John Pickles expresse isso melhor quando diz:

em vez de nos concentrarmos em como podemos mapear o assunto... [poderíamos]


nos concentrar nos modos como o mapeamento e o olhar cartográfico codificaram os
sujeitos e produziram identidades (PICKLES 2004: 12).
Pickles repensa o mapeamento como a produção de espaço, geografia, lugar e território,
bem como as identidades políticas que as pessoas têm que habitam e compõem esses espaços
(PICKLES 1991, 1995). Mapas estão ativos; eles constroem ativamente o conhecimento,
exercitam o poder e podem ser um meio poderoso de promover a mudança social.

Foi dada uma atenção crescente à forma como os mapas inscrevem o poder e apoiam as
estruturas políticas dominantes. O poder dos mapas de Wood (1992) foi particularmente
significativo a esse respeito. Foi tanto uma exposição institucional importante no Smithsonian e
um livro best-seller. Ele exerceu considerável influência sobre acadêmicos e não-acadêmicos
por meio de seu argumento de que mapas expressam interesses que são frequentemente
escondidos. Sua mensagem populista de que esses interesses poderiam funcionar para os outros
era um manifesto para muitos projetos de contra-mapeamento. Turnbull (1993), por exemplo,
inclui a história de um mapa de pistas de Sonho Aborígine no Grande Deserto de Vitória.
Embora feito por um ocidental este mapa foi concedido grande significado pelos aborígines, e
foi usado com sucesso em uma disputa de terras.

A historiografia padrão da cartografia crítica se desenvolveu durante os anos 80 e início


dos anos 90, em oposição às epistemologias de mapeamento do pós-guerra (SCHUURMAN,
2000; SCHUURMAN, 2004). Muitas vezes, esse relato cita os escritos teóricos de Brian Harley
(ver, por exemplo, HARLEY, 1988A, 1988B, 1989, 1990B, 2001; HARLEY E ZANDVLIET,
1992) ou críticas de SIG (OPENSHAW, 1991; PICKLES, 1991; TAYLOR, 1990). E de fato
isso não é incorreto; Naquele período de tempo, houve um senso estimulante de envolvimento
com as implicações dos conhecimentos cartográficos. No entanto, como veremos na Seção
quatro, eles fazem parte de uma crítica mais longa.

Os artigos de Brian Harley apresentaram as idéias de poder, ideologia e vigilância,


argumentando que nenhum entendimento de mapeamento estava completo sem eles. Estas
idéias eram novas para a disciplina, se não para a geografia (Edney apontou que Harley foi bem
lida na geografia humana radical, Edney 2005a) Rejeitando as oposições binárias até então
dominantes na cartografia, como arte/ciência, objetivo/subjetivo e científico/ideológico, Harley
procurou situar os mapas como documentos sociais que precisavam ser compreendidos em seus
contextos históricos. Harley argumentou que os cartógrafos eram eticamente responsáveis pelos
efeitos desses mapas (Harley, 1990a). o domínio do mapeamento científico aparentemente
neutro, como de fato uma intervenção altamente partidária, interesses do Estado.
Outros escritores pegaram este último ponto e o aplicaram ao campo do SIG. Pickles
sugeriu que o SIG representava um retorno ao positivismo tecnocrático (Pickles, 1991),
enquanto Smith fez um argumento contundente de que o SIG possibilitou o militarismo
americano na Guerra do Golfo (LACOSTE, 1976; SMITH, 1992). Os praticantes de GIS
responderam em espécie, acusando os teóricos sociais de ignorar os tremendos insights
possíveis com o SIG (OPENSHAW 1991) e de atacar um dos poucos verdadeiros contribuições
da geografia além da disciplina. Por alguns anos, os argumentos constituíram a própria versão
da geografia das “guerras culturais”. No entanto, como Schuurman documentou, havia um forte
interesse na reconciliação, o que resultou em algum reconhecimento da validade dos
argumentos de cada um (SCHUURMAN 1999, 2000; SCHUURMAN 2004). Durante a década
de 1990, houve um esforço para desenvolver uma abordagem que tenha sido rotulada de SIG
social ou crítico, que compartilhe muitas afinidades com a cartografia crítica1.

1
Os termos SIG crítico e cartografia crítica se sobrepõem, mas não coincidem. Embora surjam da mesma
filosofia crítica descrita acima, o SIG crítico refere-se ao implicações dos sistemas de informação geográfica, o
hardware e software para sistemas espaciais visualização e análise de dados, enquanto a cartografia crítica é um
termo mais amplo que se refere a mapas, mapeamento e mapeamento de maneira mais geral. A maneira de
diferenciar esses termos pode variar dependendo do entendimento das ligações entre o GIS e a cartografia. Neste
ensaio portanto, não tentaremos fazer uma partição estrita entre cartografia e SIG, mas nos concentrarmos no
mapeamento em si, como é comum ao SIG e à cartografia.