Você está na página 1de 3

ESTUDO DO CAULE de vestibular o consideram como um

tecido.
Quanto ao ambiente
Caules aéreos:
Caracterização: sustentação dos ramos
Haste: encontrado em plantas jovens,
vegetais e a Morfologia:
sendo macio, flexível e fotossintetizante.
Colmo: geralmente não ramificado e
apresentam regiões de nós e entrenós
bem definidas.
Observação: colmo cheio (zonas de
entrenós maciças) – cana-de-açúcar, já os
colmos ocos ou colmos fistulosos são
zonas de entrenós ocas – bambus.
Tronco: popularmente conhecido como
árvore, é lenhoso e rígido.
Estipe: caule lenhoso e bastante
resistente. Tufo foliar apical – folhas
concentradas na região apical

Presença exclusiva de gemas:


meristemas.
Gema apical (ou terminal): responsável
pelo crescimento vertical e quase sempre
contínuo.
Gema axilar (ou lateral): se encontra na
região dos nós e é responsável pela
ramificação. Trepador: o caule se enrola em algum
suporte e apresenta estruturas
podem originar folhas e galhos.
especializadas para a fixação, como
Classificação Caulinar
gavinhas e raízes grampiformes.
Quanto ao porte
Exemplos: maracujá, videira e hera.
O caule herbáceo é de pequeno porte,
Observação: alguns livros consideram que
flexível e, geralmente, fotossintetizante.
ele não apresenta especializações
O caule lenhoso é um caule de grande
para a fixação, nesse caso o caule é
porte, rígido e não fotossintetizante. O
classificado como volúvel.
felogênio (câmbio da casca) promove
Cladódio: caule encontrado em
modificações no caule, esse tecido tem,
ambientes secos e que normalmente não
mais internamente, o felogênio que se
apresentam folhas. Parênquima
diferencia no: súber (ou cortiça) –
aquífero – serve como importante
impregnado de suberina. O felogênio mais
reserva de água no período seco.
o súber origina a periderme, que é a casca
Exemplo: cactos.
da árvore.
Rizóforos: é caracterizado por ter um
Observação: os livros consideram a
crescimento geotrópico positivo (cresce a
periderme como um órgão, já as provas
favor da gravidade) e normalmente
produz raízes adventícias assim que toca
o solo. São encontrados no mangue, formar novos ramos e raízes e,
ambiente pantanoso. Nesse caso, esse assim, originar uma nova planta.
caule é importante na sustentação do
vegetal.

Caules rastejantes:
 Estolão (estolinífero): forma
raízes nos nós e, portanto,
apresentam vários pontos de
enraizamento. Tipicamente
encontrado em morangos e gramas
usadas nos jardins.
 Sarmentoso (sarmento):
apresenta apenas um ponto de
 Bulbo: estrutura rígida, reduzida e
enraizamento no solo. Pode ser
achatada, presente na base do
observado em melancias e
bulbo e chamado de prato. Os
abóboras.
bulbos podem ser divididos em
Caules subterrâneos: bulbos simples (apresentam apenas
 Rizoma: espesso, rico em reservas um caule – prato na sua estrutura) e
nutritivas e com zonas de nós e os bulbos compostos (formados por
entrenós bem definidas. Não mais de um caule – prato)
realizam fotossíntese e não
apresentam folhas. Mais
comumente são encontrados
paralelos ao solo, mas também
podem-se dispor oblíqua ou
verticalmente em relação ao solo.
Exemplo: bananeiras
Exemplos de bulbos:

 Tubérculo: altamente especializado


na reserva de nutrientes. Apresenta
grande quantidade de parênquima
amilífero. Não tem raízes nem
folhas, mas apresenta gemas Modificações caulinares:
(denominadas olhos na batata- Nos cladódios, o caule assume a
inglesa), que tem capacidade de função fotossintetizante.
As gavinhas são estruturas
alongadas que se enrolam quando
entram em contato com algum
substrato. Elas podem ter origem de
modificações do caule ou da folha.
Função dessas modificações:
fixação.
Plantas com gavinhas caulinares:
uva; maracujá e chuchu.
Os espinhos são projeções
pontiagudas com função de
defender o vegetal. Assim como as
gavinhas, são originadas a partir de
modificações da folha e do caule. Na
maioria dos casos, é possível
determinar se o espinho é caulinar
ou foliar pela sua localização no
vegetal. O espinho caulinar
normalmente deriva das gemas,
tanto nas axilas das folhas como no
ápice vegetal. Um exemplo de
vegetal que forma seus espinhos
por modificações caulinares é o
limoeiro.

Interesses relacionados