Você está na página 1de 8

Seminário Nacional

60 VÍCIOS MAIS COMUNS NAS LICITAÇÕES E NOS


CONTRATOS – COMO EVITAR, QUANDO SANEAR E
COMO RESOLVER DE ACORDO COM O TCU
Casos práticos, análise de cláusulas de editais e de contratos,
checklists e passo a passo dos procedimentos

26 A 28 • JULHO • 2017
RIO DE JANEIRO/RJ
SEMINÁRIO

Muitos problemas, falhas e omissões no planejamento, no julgamento da licitação e na fiscalização


estão presentes nos contratos de compras e serviços. Conhecer os vícios mais comuns, suas reper-
cussões no procedimento, a responsabilidade dos agentes e as orientações do TCU é importante para
evitar erros na gestão das contratações públicas.

É preciso, ainda, saber quais são os vícios e as falhas que podem ser corrigidos e saneados, a forma de
condução do saneamento, bem como quais vícios levarão à nulidade da licitação e do contrato e suas
consequências.

Preparamos um Seminário dinâmico e com enfoque aplicado, que partirá da abordagem dos vícios e de
suas repercussões, tratando de boas práticas para evitar e resolver os erros no curso do procedimento.
Analisaremos casos concretos, cláusulas de editais e de contratos, checklists e passo a passo dos proce-
dimentos, com especial atenção para os entendimentos da jurisprudência e do TCU.

Esta capacitação permitirá a você:

• Identificar os principais vícios do planejamento da licitação, da condução da fase externa e do julga-


mento do pregão e da fiscalização dos contratos de compras e serviços.

• Entender as repercussões desses vícios na licitação e nos contratos: dominar boas práticas para evi-
tá-los, bem como saber como conduzir e quais os limites para o saneamento e as correções de falhas.

1
• Conhecer os principais entendimentos e as recomendações do TCU e dos tribunais superiores sobre
esses assuntos.

• Saber empregar as boas práticas para planejar e executar contratos com mais eficiência e afastar
apontamentos e responsabilizações pelos órgãos de controle.

Objetivos:
Capacitar e atualizar os agentes públicos para identificar os principais vícios do planejamento da licita-
ção, da condução da fase externa e do julgamento do pregão, bem como da fiscalização dos contratos
de compras e serviços; dominar as boas práticas para evitá-los; e saber quando será possível sanear e
como resolver a repercussão no processo, de acordo com o procedimento correto.

Público-alvo:
Pregoeiros e equipe de apoio, departamento de compras, fiscais e gestores de contratos, assessores e
procuradores jurídicos, advogados, auditores, profissionais dos controles interno e externo e demais
agentes públicos envolvidos na condução das licitações e dos contratos administrativos de compras e
serviços.

PROGRAMA

DIA 26 DE JULHO
Quarta-feira
Professor Joel de Menezes Niebuhr
Advogado. Doutor em Direito do Estado pela PUC/SP. Professor de cursos de pós-
-graduação. Autor de: Licitação pública e contrato administrativo (4. ed., Fórum,
2015); Dispensa e inexigibilidade de licitação pública (4. ed., Fórum, 2015); Pregão
presencial e eletrônico (7. ed., Fórum, 2015); Registro de preços: aspectos práticos e
jurídicos (2. ed., Fórum, 2013); O novo regime constitucional das medidas provisórias
(Dialética, 2001); e Princípio da isonomia na licitação pública
(Obra Jurídica, 2000).

IDENTIFICAÇÃO DOS VÍCIOS E AS CONSEQUÊNCIAS NO PROCEDIMENTO


✦✦ O que são vícios?
✦✦ Vícios convalidáveis e os que produzem anulação – Entendimentos do Judiciário e
do TCU
✦✦ Vícios que nascem no planejamento – Efeitos

2
VÍCIOS MAIS COMUNS NA FASE DE EXECUÇÃO DO CONTRATO

Garantia contratual
1. Quando exigir as garantias contratuais?

2. Momento e prazo para a apresentação da garantia – Regras da Portaria nº 409/16 do Ministério


do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão

3. Garantia em dinheiro e instituição financeira para o depósito

4. Pagamentos que devem ser assegurados pela garantia

5. Garantia X Prorrogação da vigência e acréscimo do contrato

6. Execução da garantia

7. Extinção e liberação da garantia

8. Seguro-garantia e o procedimento estabelecido nas normas da SUSEP

Hipóteses de prorrogação do prazo de execução e de vigência


9. Falta de previsão da prorrogação da vigência

10. Efeitos do decurso do prazo – Contratos por escopo e contratos de prestação de serviços conti­
nuados

11. Prorrogação do prazo de execução – Contratos por escopo

12. Prorrogação do prazo de vigência – Contratos de prestação de serviços continuados

13. Requisitos previstos na IN SLTI/MPOG nº 02/08 e na Portaria nº 409/16 para a prorrogação dos
contratos de prestação de serviços continuados

14. Prorrogação depois de expirado o prazo de vigência

15. Prazo da ata e dos contratos que decorrem de SRP

Cabimento e limites das alterações qualitativas e quantitativas


16. Compensação entre itens acrescidos e suprimidos

17. Limites para acréscimos e supressões

18. Aplicação dos percentuais de 25% e 50% para acréscimos – Base e forma de cálculo nas compras
e nos serviços

19. Inclusão de objeto novo e não previsto na planilha de custos

3
Cabimento da revisão, do reajuste e da repactuação
20. Contagem do prazo e marco inicial

21. Falta de previsão de reajuste e repactuação

22. Repactuação – Divisão em montantes de mão de obra e insumos – Processamento e contagem


do prazo – Repercussões e polêmicas da Portaria nº 409/16

23. Novos direitos concedidos pela convenção coletiva e o direito à repactuação

24. Preclusão do direito à repactuação, reajuste e revisão

DIAS 27 E 28 DE JULHO
Quinta e sexta-feira
Professor Gustavo Henrique Carvalho Schiefler
Advogado. Doutor em Direito do Estado pela Universidade de São Paulo (USP).
Mestre e graduado em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Pesquisador visitante no Max-Planck-Institut für Ausländisches und Internationales
Privatrecht. Educação Executiva pela Harvard Law School (Program on Negotiation).
Integra a equipe de consultores externos da Zênite Informação e Consultoria S.A.
Autor da obra Procedimento de Manifestação de Interesse – PMI (Lumen Juris, 2014).
Coautor da obra Contratação de serviços técnicos especializados por inexigibilidade de
licitação pública (Zênite, 2015).

VÍCIOS MAIS COMUNS NO PLANEJAMENTO DA LICITAÇÃO

Definição do objeto
25. Escolha da solução que melhor atende à necessidade – O que avaliar dos pontos de vista técnico
e econômico?

26. Exigências excessivas, irrelevantes e que direcionam – O que pode e o que não pode ser exigido?

Indicação de marca e padronização


27. Hipóteses de exceção à vedação de indicação de marca – Como aplicá-las?

Exigência de amostra
28. Como disciplinar, cuidados na análise e na decisão

4
Quantificação do objeto
29. Escolha da unidade de medida

Quantidade incerta ou momento incerto da necessidade de contratar


30. Quando o Sistema de Registro de Preços apresenta-se como uma opção?

31. Realizar licitação X Aderir a uma ata de SRP vigente – O que deve basear e justificar essa escolha?

32. Análise de legalidade pela assessoria jurídica para a adesão à ata

Reunião do objeto em lotes e a divisão em itens


33. Quando reunir e quando dividir – Critérios para a escolha

Empreitadas por preço global e por preço unitário


34. Quando adotar um e outro regime

Pesquisa de preços de mercado e elaboração de planilhas


35. Onde, como e quando pesquisar – Orientações da IN nº 05/14 da SLTI/MPOG

36. Discrepâncias entre os resultados

37. Quando elaborar planilha de formação de preços – Quem elabora: a Administração ou apenas
o licitante?

38. Planilha da Administração – Efeito vinculante ou não?

39. Definição de preço estimado e de preço máximo

40. Quando definir preço estimado ou máximo

41. Erros na pesquisa e na definição do preço estimado e máximo verificados no julgamento ou no


contrato

Habilitação jurídica
42. Objeto da licitação X Descrição no contrato social da empresa

43. Exigência de CNAE compatível

Qualificação técnica
44. Capacidades técnica profissional X operacional

45. Quantidade de atestados de capacidade técnica

5
46. Somatório de atestados e vedação de somatório

47. Quantitativo mínimo a ser demonstrado

48. Registro do atestado – Quando exigir?

49. Requisitos mínimos da equipe técnica – Quais os limites?

50. Visita técnica – Cabimento, quem deve realizá-la e prazo previsto

51. Exigência de escritório no local da prestação do serviço

Qualificação econômico-financeira
52. Apresentação do balanço patrimonial do último exercício já exigível – Como identificá-lo?

53. Quais índices contábeis usuais podem ser exigidos?

Regularidade fiscal
54. Certidão válida X Informação on-line – O que vale para o julgamento?

55. Regularidade fiscal – Exigência em vista do objeto ou perante todas as Fazendas?

Falta ou falha nos documentos de habilitação


56. Diligências – Quando e quais os limites para o saneamento?

VÍCIOS MAIS COMUNS NA FASE EXTERNA E NO JULGAMENTO DO PREGÃO

Defeitos na proposta e nos documentos de habilitação


57. Requisitos técnicos exigidos no edital X Descrição do objeto/serviço na proposta comercial –
Divergência – Quando desclassificar, quando diligenciar, quando corrigir e quais os limites?

58. Falta da indicação da marca na proposta comercial – Consequências

59. Propostas alternativas – Indicação de duas marcas e dois preços – Procedimento

Defeitos na planilha de preços do vencedor – Regras da IN nº 02/08


60. Defeitos que podem ser corrigidos – Como corrigir?

61. Número de correções aceitáveis

62. Saneamento X Alteração de preços unitários e global

6
PERÍODO

26/07
24 horas
Credenciamento
Carga horária
7h30 às 8h30

Horário
8h30 às 12h30 e 13h30 às 17h30
Coffee break às 10h e 15h45
Almoço às 12h30

LOCAL

PRODIGY HOTELS & RESORTS


Av. Almirante Sílvio de Noronha, 365 – Rio de Janeiro/RJ
Fone: (21) 3478-4100 / 0800-600-8088

Apto. SGL/STD Apto. DBL/STD


R$ 269,00* + 5% ISS R$ 299,00* + 5% ISS
(café da manhã incluído) (café da manhã incluído)
* O hotel trabalha com tarifas flutuantes, o que poderá implicar
tarifário menor na época da realização do Seminário.

7
INVESTIMENTO

R$ 3.790,00
• 03 almoços;
• 06 coffee breaks;
• Obra Lei de licitações e contratos administrativos. Zênite, 2016;
• Apostila específica do Seminário;
• Material de apoio (mochila, estojo com caneta, lapiseira, borracha, caneta marca-texto e bloco de
anotações);
• Certificado.*
A cada 4 inscrições neste Seminário, efetuadas pelo mesmo órgão e vinculadas à mesma fonte pagado-
ra, a Zênite concederá cortesia para uma quinta inscrição.
* O percentual da frequência constará no certificado de acordo com as listas de presença assinadas no
Seminário.

PAGAMENTO
O pagamento da inscrição deverá ser efetuado em nome de ZÊNITE INFORMAÇÃO E CONSULTORIA
S.A., CNPJ 86.781.069/0001-15, em um dos seguintes bancos credenciados:
Ag. 3041-4 • c/c 84229-X
Ag. 1525-3 • c/c 1566-2
Ag. 2101-6 • c/c 1824-4
Ag. 3837 • c/c 130017258

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES
(41) 2109-8660
evento@zenite.com.br
www.zenite.com.br/ea0265

A ZÊNITE reserva-se o direito de cancelar unilateralmente a realização do curso, com-


prometendo-se a informar antecipadamente aos inscritos, o que não caracterizará
infração administrativa ou civil, ficando isenta de qualquer sanção,
indenização ou reparação (material e moral).

Você também pode gostar